DIREITOS HUMANOS. Estatísticas Fundamentais. Um pequeno passo para um salto gigante

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIREITOS HUMANOS. Estatísticas Fundamentais. Um pequeno passo... ... para um salto gigante"

Transcrição

1 Estatísticas Fundamentais DIREITOS HUMANOS Como Secretário-Geral tornei os direitos humanos uma prioridade de todos os programas que a ONU lança e de todas as missões que empreende. Fi-lo porque a promoção e defesa dos direitos humanos está no centro de todos os aspectos do nosso trabalho e de todos os artigos da nossa Carta. Acima de tudo, acredito em que os direitos humanos estão no cerne do laço sagrado que nos liga aos povos das Nações Unidas. Kofi Annan, The Question of Intervention A Declaração Universal dos Direitos Humanos, aprovada por unanimidade em 1948 e traduzida para mais de 300 línguas nacionais e locais, é o mais conhecido e citado documento de direitos humanos do mundo. Desde então, foram criados mais de 80 instrumentos internacionais de direitos humanos. O Gabinete da Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanas, a funcionária da ONU que é a principal responsável pelas actividades de direitos humanos, recebe informações sobre mais de violações por ano. Em 1998, foi aprovado o estatuto que criou o Tribunal Penal Internacional. Mais de 139 Estados Membros o assinaram até Dezembro de O Gabinete da Alta Comissária para os Direitos Humanos criou uma linha directa de fax para receber queixas de violações de direitos humanos. O número do fax em Genebra é Um pequeno passo... Na Bolívia, Argentina, Brasil e Paraguai, vivem cerca de índios guaranis. Durante muitos anos, as escolas destes países só lhes ministravam ensino em espanhol ou português, não permitindo o uso de línguas índias. As crianças guaranis tinham dificuldades com a nova língua e ficavam para trás. Muitas pensavam que eram estúpidas e atrasadas. Depois, em 1989, dois organismos das Nações Unidas, a UNICEF e a UNESCO, iniciaram um novo programa escolar para as crianças guaranis que lhes permitia aprender nas duas línguas, espanhol ou português e guarani. A iniciativa não tardou a produzir resultados. As crianças guaranis começaram a ter melhores notas em todas as disciplinas. Em consequência disto, menos crianças abandonaram a escola antes de completar os estudos. Graças às Nações Unidas, os índios guaranis nunca mais serão punidos por falarem a sua própria língua.... para um salto gigante Agora, mais de uma década depois, as populações autóctones do mundo, nomeadamente os índios americanos, conseguiram o reconhecimento noutro plano. Pela primeira vez, a ONU criou um fórum permanente para debater questões importantes para as populações autóctones. Este fórum, que será um subgrupo do Conselho Económico e Social das Nações Unidas, tratará de questões de direitos humanos, ambientais, educacionais e de desenvolvimento que afectem as populações autóctones do mundo inteiro.

2 É um dia alegre e histórico, disse um porta-voz das populações autóctones. Este foi mais um passo importante da ONU na procura do reconhecimento universal de todos os direitos de todos os povos, um princípio consagrado na Declaração Universal dos Direitos Humanos. A explicação e articulação dos direitos definidos na Declaração Universal conseguiram agora uma aceitação praticamente universal. Hoje, a Declaração Universal, traduzida para mais de 300 línguas nacionais e locais, é o mais conhecido e citado documento de direitos humanos do mundo. Serviu de modelo a numerosos tratados e declarações internacionais bem como à constituição e legislação de muitos países. A Declaração inspirou mais de 80 instrumentos internacionais de direitos humanos, que, juntos, constituem um vasto sistema de tratados com força de lei que visam promover e proteger os direitos humanos. Hoje reconhece-se, a nível internacional, que o respeito pelos direitos humanos inclui: o direito a opções políticas; a liberdade de associação; a liberdade de opinião e de expressão; o direito de expressar e de gozar a sua própria cultura; o direito não ser sujeito a prisão e detenção arbitrárias; o direito a um nível de vida adequado, nomeadamente à saúde, à habitação e à alimentação; o direito de ser livre; e o direito ao trabalho. Durante as últimas cinco décadas e meia, a lista de direitos clarificados e enunciados pelo Direito Internacional aumentou de uma forma impressionante, de modo a abranger novas questões como o direito ao desenvolvimento, a pena de morte, as crianças e conflitos armados, a indemnização às vítimas, a deficiência, a discriminação com base no VIH/SIDA, os desaparecimentos forçados ou involuntários, o ambiente, a impunidade, as populações autóctones, os trabalhadores migrantes, as operações de manutenção da paz, a venda de crianças, o terrorismo, os defensores dos direitos humanos, os crimes de guerra e muitas mais. Mas garantir os direitos humanos a todas as pessoas continua a ser um desafio assustador, em especial dada a impunidade com que continuam a ser violados em todas as partes do mundo. Numa sondagem efectuada em 1999, o maior estudo de opinião de sempre a nível mundial realizado pela Gallup International, os inquiridos manifestaram um descontentamento generalizado com o grau de respeito pelos direitos humanos. Numa região, menos de um em cada 10 cidadãos acreditava em que os direitos humanos estivessem a ser integralmente respeitados, enquanto um terço acreditava em que não estavam de modo algum a ser cumpridos. A discriminação por motivos de raça e sexo eram preocupações expressas frequentemente. Os alicerces Os maiores progressos no campo dos direitos humanos e do desenvolvimento humano registaram-se depois da Segunda Guerra Mundial. A Carta das Nações Unidas, de 1945, a que se seguiu a Declaração Universal dos Direitos Humanos, em 1948, anunciou uma nova era de empenhamento internacional nas liberdades do ser humano. Entre outras coisas, estes dois documentos: salientavam a universalidade dos direitos, centrados na igualdade de todas as pessoas; reconheciam a realização dos direitos humanos como um objectivo colectivo da humanidade;

3 identificavam um conjunto geral que incluía todos os direitos humanos civis, políticos, económicos, sociais e culturais para todas as pessoas; criavam um sistema internacional para promover a realização dos direitos humanos, com instituições que definissem normas, criassem leis internacionais e fiscalizassem o desempenho (mas sem poderes para as fazer cumprir); estabeleciam a responsabilidade do Estado por cumprir as suas obrigações e compromissos em matéria de direitos humanos, de acordo com o direito internacional. O trabalho sobre a legislação internacional de direitos humanos prosseguiu. Mas, polarizada pela guerra fria, a retórica dos direitos humanos ficava frequentemente reduzida a uma arma de propaganda oficial em benefício de interesses geopolíticos. O Ocidente insistia na importância dos direitos civis e políticos, acusando os países socialistas de negarem estes direitos. Os países socialistas (e muitos países em desenvolvimento) salientavam os direitos económicos e sociais, criticando os países ocidentais, mais ricos, por não conseguirem assegurar esses direitos a todos os cidadãos. Na década de 1960, esta situação levou a dois pactos distintos um, sobre direitos civis e políticos; outro, sobre direitos económicos, sociais e culturais. A década de 1980 trouxe consigo uma forte renovação do interesse e acção internacionais, impulsionados por uma onda de actividade da sociedade civil sobre questões relacionadas com democracia, direitos da mulher e da criança, direitos das populações autóctones e outras. As duas realizações mais notáveis nestas áreas foram: a Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres (1979) e a Convenção sobre os Direitos da Criança (1989). Outro marco foi a aprovação, em 1984, da Convenção contra a Tortura e outras Penas Degradantes, que declarou a tortura um crime internacional. Em 1986, foi aprovada a Declaração sobre o Direito ao Desenvolvimento. E, na Conferência Mundial sobre Direitos Humanos, realizada em Viena, em 1993, foram assumidos outros fortes compromissos. Seguiu-se a criação do cargo de Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos e a crescente mobilização a favor dos direitos humanos, tanto a nível internacional como nacional. Os finais da década de 1990 e a viragem do milénio trouxeram outros estimulantes factos novos: Em 1998, o Estatuto de Roma que criou o Tribunal Penal Internacional abriu a possibilidade de processar os responsáveis por crimes contra a humanidade. Em Dezembro de 2000, 139 países o haviam assinado. A criação dos Tribunais Internacionais para a ex-jugoslávia (1993) e para o Ruanda (1994) está a ajudar a impor a responsabilização individual pelos crimes de guerra. O protocolo facultativo referente à Convenção Internacional sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher (1999) abriu o caminho para que as pessoas pudessem apresentar queixas de violações dos direitos das mulheres. Dois novos Protocolos Facultativos referentes à Convenção sobre os Direitos da Criança reforçaram o histórico tratado de 1989: um sobre crianças soldados e outro sobre a venda de crianças. Procedeu-se a um útil levantamento dos programas dos governos sobre direitos da mulher e desenvolvimento social nas conferências Beijing+5 e Copenhaga+5. A nomeação de três novos Relatores Especiais sobre o direito a habitação adequada, o direito à alimentação e a questão da globalização e o seu impacte no pleno gozo de todos os direitos humanos ajudará a olhar mais detidamente para os novos temas de direitos humanos. Principais instrumentos de direitos humanos Carta Internacional de Direitos : A Carta Internacional de Direitos consiste na Declaração Universal dos Direitos Humanos, no Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos e seus dois protocolos facultativos e no Pacto Internacional sobre

4 Direitos Económicos, Sociais e Culturais. A Declaração Universal foi aprovada pela Assembleia Geral e, por conseguinte, não exige ratificação; o Pacto sobre Direitos Civis e Políticos foi ratificado por 144 países e o Pacto sobre Direitos Económicos e Sociais por 142. Convenção Internacional sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial: Aprovada em 1965, entrou em vigor em 1969, e trata de um tipo especial de discriminação aquela que se baseia na raça, cor, ascendência ou origem étnica nacional. Foi ratificada por 156 países. Convenção Internacional sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher: Aprovada em 1979, entrou em vigor em 1981; representa o primeiro instrumento internacional abrangente e legalmente vinculativo que proíbe a discriminação contra as mulheres e obriga os governos a tomarem medidas a favor das mulheres, tendo em vista promover a igualdade entre os sexos. Foi ratificada por 165 países. Convenção contra a Tortura e Outras Penas ou Tratamentos Cruéis, Desumanos ou Degradantes: Aprovada em 1984, entrou em vigor em Esta Convenção define as medidas que os governos devem tomar para impedir a tortura e outras penas ou tratamentos cruéis ou degradantes. Foi ratificada por 119 países. Convenção sobre os Direitos da Criança: Aprovada em 1989, entrou em vigor em Esta Convenção reconhece a necessidade de prestar uma atenção específica à protecção e promoção dos direitos da criança. Foi ratificada por 191 países. (O número de ratificações refere-se a 30 de Julho de 2000) Como é fiscalizado o cumprimento, quando um país ratifica uma Convenção? Os seis mais importantes tratados de direitos humanos contêm uma cláusula que cria um órgão do tratado encarregado de fiscalizar o cumprimento. Este órgão do tratado analisa os relatórios dos Estados que o ratificaram. Todos os anos, estabelecem um diálogo com cerca de 60 governos nacionais e divulgam observações e sugestões de peritos independentes que visam melhorar a situação. Entre esses órgãos figuram: O Comité sobre a Eliminação da Discriminação Racial O Comité sobre a Eliminação da Discriminação contra a Mulher O Comité sobre os Direitos da Criança O Comité contra a Tortura O Comité de Direitos Humanos O Comité sobre Direitos Económicos, Sociais e Culturais. Foram ainda criados mecanismos para além da Convenção, aos quais compete tratar de questões especiais. Esses mecanismos incluem a criação de Relatores Especiais das Nações Unidas Representantes Especiais do Secretário-Geral Peritos Grupos de Trabalho Direitos humanos e segurança humana

5 Na década de 1990, o mundo assistiu a algumas das piores violações dos direitos humanos. Num país após outro, civis inocentes tornaram-se alvo de um terror sem precedentes, muitas vezes desencadeado por grupos armados que demonstraram um escasso respeito pela vida humana e pelos valores humanos. Em alguns casos, os governos não foram capazes de proteger os seus próprios civis; noutros, os próprios governos tomaram parte nos ataques aos civis, especialmente aos grupos étnicos minoritários. De Angola e Serra Leoa à Bósnia, Kosovo e Timor Leste, milhões de pessoas foram mortas; mais de 30 milhões foram deslocadas; inúmeros homens, mulheres e crianças viram ser-lhes recusados alguns dos mais fundamentais direitos humanos. Que se deveria fazer perante tais crises humanitárias? O Secretário-Geral Kofi Annan diz que a ONU e a comunidade internacional não pode aceitar uma situação em que as pessoas sejam brutalizadas dentro das fronteiras nacionais. Uma ONU que não apoie os direitos humanos é uma ONU que não se pode apoiar a si própria. Sabemos onde começa e acaba a nossa missão no domínio dos direitos humanos: começa com a pessoa e os seus direitos universais e inalienáveis: de falar, agir, crescer, aprender e viver de acordo com a sua própria consciência, disse. A fim de enfrentar os novos desafios humanitários, o Secretário-Geral propôs recomendações concretas para apreciação pelos Estados Membros, num relatório apresentado ao Conselho de Segurança em Setembro de Tais propostas incluem: Ratificação e aplicação dos instrumentos internacionais : instou os Estados Membros a ratificarem os principais instrumentos de direito humanitário internacional, de direitos humanos e de direitos dos refugiados e a aderirem a eles. Responsabilização por crimes de guerra. Quando os Governos ou grupos não cumprem as disposições do direito humanitário internacional, deve ponderar-se a adopção de medidas de coerção. Pediu aos Estados Membros que ratificassem o Estatuto do Tribunal Penal Internacional. Idade mínima de recrutamento para as forças armadas: Pediu aos Estados Membros que apoiassem a elevação da idade mínima de recrutamento para as forças armadas para 18 anos. Intervenção em casos de violações sistemáticas do direito internacional: Pediu aos Estados Membros que ponderassem a adopção de medidas de coerção apropriadas perante violações maciças e continuadas dessas normas. Direitos humanos e desenvolvimento A pobreza limita as liberdades humanas e priva a pessoa de dignidade, diz o Relatório do Desenvolvimento Humano 2000, publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Esta afirmação salientou uma vez mais o que já fora dito claramente na Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948), na Declaração sobre o Direito ao Desenvolvimento (1986) e na Declaração de Viena, aprovada na Conferência sobre Direitos Humanos de Citando a Declaração sobre Desenvolvimento da Assembleia Geral, a pessoa humana é o fulcro do processo de desenvolvimento e... por conseguinte a política sobre desenvolvimento deveria fazer do ser humano o principal participante e beneficiário do desenvolvimento. Contudo, num período marcado por um crescimento sem precedentes, mais de mil milhões de pessoas vivem na pobreza abjecta; quase 800 milhões de pessoas sofrem de subnutrição; 140 milhões de crianças em idade escolar não frequentam a escola; e 900 milhões de adultos são analfabetos. De uma população activa mundial total de cerca de 3000 milhões, 140

6 milhões de trabalhadores encontram-se desempregados e entre um quarto e um terço estão subempregados. Este tipo de miséria traz consigo sofrimento, impotência, desespero e ausência de liberdades fundamentais, que, por seu turno, só contribuem para perpetuar a pobreza. (Secretário-Geral Kofi Annan no seu Relatório do Milénio). A tortura de um único indivíduo provoca uma enorme indignação. Porém a morte de 3000 crianças por dia sobretudo em consequência de doenças evitáveis quase passa despercebida. Porquê? Porque estas crianças são invisíveis devido à sua pobreza. (Relatório do Desenvolvimento Humano 2000, PNUD). A relação entre pobreza e gozo dos direitos humanos é muito clara e forte: aos pobres são negados quase todos os seus direitos humanos o direito a habitação adequada, a cuidados de saúde primários, à educação e à saúde para já não falar dos benefícios normais da cidadania um tratamento justo pela lei e o acesso à justiça, a participação nas decisões que os afectam, o acesso à informação e à tecnologia. (Mary Robinson, Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos). A resposta a esta violação diária dos direitos humanos é a criação de uma abordagem do desenvolvimento baseada nos direitos. Consiste, para usar a definição de Mary Robinson, em integrar o quadro há muito estabelecido de normas, regras e princípios do sistema internacional de direitos humanos nos planos, políticas e processo de redução da pobreza. Tal abordagem procura resolver as causas da pobreza e propõe soluções, identificando os detentores dos direitos e aqueles sobre quem recaem os deveres. Uma das maneiras como a ONU tentou responder a esta necessidade foi estabelecer objectivos específicos e envidar esforços por alcançá-los. Em todas as grandes conferências mundiais realizadas na década de 1990, as Nações Unidas definiram esses objectivos e, posteriormente, fizeram um levantamento dos progressos conseguidos. Com base na experiência dos últimos anos e através de uma estreita colaboração com a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico, o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional, a ONU concebeu agora sete objectivos concretos que deverão ser alcançados entre os anos de 2000 e Estes objectivos, enunciados num relatório intitulado 2000: For a Better World, são os seguintes: Reduzir para metade a percentagem das pessoas que vivem na pobreza entre 1990 e 2015; Matricular todas as crianças no ensino primário até 2015; Avançar em direcção à igualdade entre os sexos e aumentar a autonomia das mulheres, eliminando as disparidades entre os sexos no âmbito do ensino primário e secundário, até 2005; Reduzir as taxas de mortalidade infantil e de crianças em dois terços, entre 1990 e 2015; Reduzir as taxas de mortalidade materna em três quartos, entre 1990 e 2015; Assegurar o acesso a serviços de saúde reprodutiva a todos os que deles necessitem; Pôr em prática estratégias nacionais de desenvolvimento sustentável, até 2005, de modo a inverter a tendência para perda de recursos ambientais até Segundo o Secretário-Geral Kofi Annan, estes objectivos não são utópicos. São ambiciosos, mas viáveis. Para os alcançarmos, teremos de nos esforçar arduamente. É também esta a mensagem do Relatório do Milénio.

7 Sinais de progresso A ratificação da Convenção sobre os Direitos da Criança por quase todos os países da Terra, desde que foi aprovada pela Assembleia Geral, em 1989, fez dela o tratado de direitos humanos com o maior número de ratificações da história. Estão a registar-se mudanças acentuadas no domínio da sua aplicação. Pelo menos 22 países incorporaram os direitos da criança na sua constituição. Mais de 50 países estão a rever a sua legislação, a fim de garantir que esteja em conformidade com as disposições da Convenção. Os parlamentos do Brasil, África do Sul e Sri Lanka promulgaram legislação e criaram orçamentos nacionais, com vista a identificar mais claramente os fundos atribuídos às crianças. Uma prática tradicional nociva como a mutilação genital é agora proibida em diversos Estados da África Ocidental, entre eles o Burkina Faso e o Senegal. Na Áustria, Chipre e países nórdicos, é proibido infligir castigos corporais às crianças na escola e na família. Foram aprovados dois novos Protocolos Facultativos referentes à Convenção sobre os Direitos da Criança. Um tem que ver com a participação das crianças em conflitos armados. Eleva de 15 para 18 anos a idade a partir da qual é permitida a participação em conflitos armados e impõe a proibição do recrutamento obrigatório antes dos 18 anos. O segundo está relacionado com a venda de crianças, a prostituição e a pornografia infantis. Atribui especial importância à criminalização das violações graves dos direitos das crianças, nomeadamente a venda de crianças, a adopção ilegal e a prostituição e pornografia infantis. O novo protocolo facultativo referente à Convenção sobre Eliminação de Discriminação contra a Mulher permite que as pessoas peçam reparações em caso de violação dos direitos consagrados na Convenção. As organizações não governamentais podem agora apresentar aos órgãos dos tratados de direitos humanos relatórios que complementem os relatórios apresentados pelos Estados. O Tribunal Penal Internacional para o Ruanda considerou Jean-Paul Akayesu culpado do crime de genocídio, o que o tornou a primeira pessoa declarada culpada da prática de tal crime por um tribunal internacional. Estão em curso esforços para criar um tribunal para julgar crimes contra a humanidade cometidos pelos Khmer Rouge no Camboja. O Secretário-Geral Kofi Annan recomendou que esse tribunal tivesse um carácter internacional. Várias grandes empresas multinacionais associaram-se às Nações Unidas num Pacto Global, concordando em respeitar os direitos humanos fundamentais, os direitos laborais e as normas ambientais em toda a parte, incluindo os países onde tais direitos não são plenamente protegidos. Os sete direitos Num importante contributo para uma abordagem do desenvolvimento baseada nos direitos, o Relatório do Desenvolvimento Humano 2000, preparado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, indica sete direitos que todas as pessoas devem gozar:

8 O direito de não ser alvo de discriminação As mulheres e os grupos raciais e étnicos têm sido objecto de uma violenta discriminação. Embora a luta contra estes preconceitos tenham trazido muitas conquistas em termos de liberdade, a guerra ainda não acabou para os milhares de seres humanos que ainda sofrem a discriminação. O direito de viver ao abrigo da necessidade Há suficientes alimentos, mas as desigualdades em termos de distribuição continuam a ser responsáveis pela fome e pela subnutrição. Os sistemas económicos nacionais e mundial têm de honrar os seus deveres para com os que são humilhados pela necessidade. O direito ao desenvolvimento pessoal Estão a verificar-se transformações fundamentais nas indústrias de comunicações e da informação, a uma velocidade vertiginosa. As oportunidades de desenvolvimento pessoal decorrentes das mudanças tecnológicas são enormes. Mas continua a existir um fosso, no campo digital. A informação é diferente e todos os que dela necessitem e a queiram possuir devem ter acesso a ela. Ficamos todos mais pobres, se forem negadas aos pobres oportunidades de ganharem o seu sustento. E está ao nosso alcance alargar essas oportunidades a todos. O direito de não estar sujeito a ameaças à segurança pessoal A frequência da tortura na história constitui um trágico indicador do mal que se oculta no coração das pessoas. A eliminação da tortura e as acções judiciais movidas, a nível nacional ou internacional, contra aqueles que a praticam são fundamentais para a continuação da luta pela segurança pessoal. E, nos casos de violação, as instituições e valores que negam às mulheres a sua dignidade e protecção devem ser responsabilizadas. O direito de participar Os avanços mundiais em termos de democracia são ainda muito recentes. A participação activa em instituições cívicas e o acesso sem precedentes à informação e ao conhecimento por parte de todos reforçará as liberdades políticas fundamentais. O direito de não ser alvo de injustiça Garantir este direito exigirá instituições que protejam as pessoas por meio de regras transparentes, aplicadas a todos, em condições de igualdade. As instituições sociais devem basear-se na legitimidade, no consentimento e no estado de direito. O direito ao trabalho produtivo Muito tem sido conseguido em matéria de protecção das crianças e de melhoria das condições de trabalho dos adultos. Muitos gozam este direito, mas milhões de seres humanos labutam em condições desumanas, enquanto outros se sentem socialmente excluídos devido à falta de emprego. A dignidade exige um empenhamento em incluir os ostracizados e em abolir as condições de trabalho opressivas. Sugestões de actividades para alunos 1. Escolha uma das suas empresas preferidas e contacte-a, a fim de saber se se associou ao Pacto Global. Se quiser saber mais coisas acerca deste tema, visite o website 2. Acompanhe o avanço das acções nos tribunais de crimes de guerra e dos relatórios dos países aos vários comités de direitos humanos, acedendo ao website das Nações Unidas, 3. As organizações de direitos humanos utilizam os seguintes critérios para avaliar o cumprimento de um princípio de direitos humanos: Ausência de discriminação; assegurar a todos um tratamento justo. Progressos adequados atribuir recursos e dirigir esforços para resolver o problema.

9 Verdadeira participação envolver as pessoas nas decisões que afectam o seu bemestar. Reparação eficaz assegurar uma compensação, quando os direitos são violados. Escolha uma das convenções e veja como estes critérios são aplicados nos relatórios dos relatores de direitos humanos. 4. Em muitos países que estão numa fase de recuperação, após um período marcado por violações dos direitos humanos, foram criadas Comissões para a Verdade e a Reconciliação, as quais foram encarregadas de documentar essas violações. Escolha um dos países que se seguem; investigue e informe sobre as conclusões a que chegaram essas comissões: Bolívia (1982), Argentina (1983), Filipinas (1986), Chile (1990), Chade (1992), El Salvador (1992), Alemanha (1992), Ruanda (1993), Guatemala (1994), Haiti (1994), Uganda (1994), África do Sul (1995), Nigéria (1999), Serra Leoa (1999). 5. Através do website da ONU, obtenha guiões de programas de rádio e televisão da ONU sobre questões de direitos humanos. Recrie-os na aula. Utilizando a pesquisa feita em qualquer destes websites, crie o seu próprio guião. 6. Utilizando dados contidos neste documento de informação, crie um programa de entrevistas sobre direitos humanos e conduza-o na aula. Escolha uma série de personalidades a entrevistar, como a Alta Comissária, o Secretário-Geral, uma vítima de violação de direitos humanos, um membro de um grupo de fiscalização dos direitos humanos, uma pessoa entrevistada numa sondagem da Gallup, etc. Ao nível da turma, decidam as actividades que podem querer levar a cabo para dar seguimento ao programa, tal como uma campanha de envio de cartas, angariação de fundos para um determinado programa de direitos humanos. 7. Compare a Constituição do seu país com a Declaração Universal dos Direitos Humanos e outros documentos importantes de direitos humanos. Que semelhanças encontra? Que modificações poderia sugerir? 8. Organize um evento a nível da escola, para comemorar o Dia dos Direitos Humanos, a 10 de Dezembro, prestando assim homenagem à aprovação da Declaração Universal em Decida quais os aspectos dos direitos humanos em que se quer centrar e convide oradores que conheçam bem o tema para explicarem os avanços, problemas e medidas que deveriam ser tomadas. Pode optar por um exemplo internacional, nacional ou local. 9. Organize um concurso de cartazes sobre um tema de direitos humanos. Talvez queira escolher um artigo ou uma convenção sobre os quais cada cartaz se pode centrar. Tente mostrar no cartaz a violação de um direito humano, a reparação e a implementação de uma melhoria. 10. Conceba um mapa de questões de direitos humanos para a turma. Utilizando os websites das organizações de direitos humanos, crie uma lista das principais violações de direitos humanos que pretende mostrar, as zonas geográficas onde tais violações se estão a registar e que áreas mais requerem uma atenção urgente. Tome uma decisão sobre as medidas a adoptar para enfrentar os abusos que são motivos de especial preocupação para os elementos da turma. Alguns recursos Na World Wide Web

10 Publicações Human Rights: A Compilation of International Instruments, Nações Unidas, Nova Iorque. Integrating Human Rights with Sustainable Human Development, Nações Unidas, Nova Iorque. The United Nations and Human Rights, Nações Unidas, Nova Iorque. Relatório do Desenvolvimento Humano 2000, PNUD/Trinova Editora, Lisboa. Teaching About Human Rights, Nações Unidas, Nova Iorque.

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Os Estados Partes no presente Protocolo, Encorajados pelo apoio esmagador à Convenção

Leia mais

Anexo II A ONU e as pessoas com deficiências

Anexo II A ONU e as pessoas com deficiências Anexo II A ONU e as pessoas com deficiências O compromisso das Nações Unidas para a melhoria do Estado das pessoas com deficiências Mais de quinhentos milhões de pessoas são portadoras de deficiências,

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança,

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança, Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000 O Conselho de Segurança, Tendo presentes as suas resoluções 1261(1999) de 25 de Agosto de 1999,

Leia mais

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global Os 10 Princípios Universais do Pacto Global O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 DECLARAÇÃO DE VIENA E PROGRAMA DE ACÇÃO Nota do Secretariado Em anexo encontra-se o texto da Declaração de Viena e do Programa

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996)

DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) DECRETO Nº 1.973, DE 1º DE AGOSTO DE 1996. (Publicado no D.O.U. de 02.08.1996) Promulga a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, concluída em Belém do Pará,

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Assembleia Parlamentar Paritária ACP-UE Comissão dos Assuntos Políticos 31.7.2014 PROJETO DE RELATÓRIO sobre o desafio da reconciliação nacional nos países em situação de pósconflito e de pós-crise Correlatores:

Leia mais

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente A CARTA DE BELGRADO Colecção Educação Ambiental Textos Básicos Editor Instituto Nacional do Ambiente INTRODUÇÃO Texto adoptado, por unanimidade, no Colóquio sobre Educação Ambiental", organizado pela UNESCO

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ FOLHETO Marko Kokic/CICV DISPONIBILIDADE DE ARMAS: O CUSTO HUMANO Todos os anos, devido à disponibilidade generalizada

Leia mais

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto A I Conferência Mundial sobre Mulheres e Desporto realizou-se em Brighton, no Reino Unido, entre os dias 5 e 8 de Maio de 1994, reunindo à mesma mesa políticos

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««Comissão do Desenvolvimento 2009 PROVISÓRIO 2004/2168(INI) 22.2.2005 PROJECTO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento destinado à Comissão dos Assuntos Externos sobre

Leia mais

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIAP. O. Box 3243Telephone +251 11 5517 700 Fax : 00251 11 5517844 www.au.int POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

Leia mais

Eu tenho direitos, tu tens direitos, ele/ela tem direitos...

Eu tenho direitos, tu tens direitos, ele/ela tem direitos... Eu tenho direitos, tu tens direitos, ele/ela tem direitos... Uma introdução aos direitos da criança Todas as pessoas têm direitos. Se fores um rapaz ou uma rapariga com menos de 18 anos, tens também certos

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, RECOMENDAÇÃO 190 SOBRE PROIBIÇÃO DAS PIORES FORMAS DE TRABALHO INFANTIL E AÇÃO IMEDIATA PARA SUA ELIMINAÇÃO Aprovadas em 17/06/1999. No Brasil, promulgada pelo Decreto 3597de 12/09/2000. A Conferência

Leia mais

11 Outubro Dia Internacional da Rapariga

11 Outubro Dia Internacional da Rapariga 11 Outubro Dia Internacional da Rapariga As meninas enfrentam discriminação, violência e abuso todos os dias, em todo o mundo. Esta realidade alarmante justifica o Dia Internacional das Meninas, uma nova

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA Proclamada pela Resolução da Assembleia Geral 1386 (XIV), de 20 de Novembro de 1959 PREÂMBULO CONSIDERANDO que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, a sua

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

Troca de Experiência com os Formandos do Curso ODC (Angola Noruega) Angola na Avaliação Periódica Universal (UPR)

Troca de Experiência com os Formandos do Curso ODC (Angola Noruega) Angola na Avaliação Periódica Universal (UPR) Comissão Intersectorial de Elaboração de Relatórios Nacionais de Direitos Humanos Troca de Experiência com os Formandos do Curso ODC (Angola Noruega) Angola na Avaliação Periódica Universal (UPR) Por:

Leia mais

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5 O que é a campanha Continuamos à Espera é uma campanha de Educação para o Desenvolvimento e para a Cidadania Global, centrada nas temáticas da Saúde Sexual e Reprodutiva, Justiça Social, Igualdade de Género

Leia mais

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento Lançamento do Relatório 2014 do UNFPA Painel: Jovens em Portugal Da Oportunidade

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

Convenção 187 Convenção sobre o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho. A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Convenção 187 Convenção sobre o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho. A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convenção 187 Convenção sobre o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada em Genebra pelo Conselho de Administração

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

Relatório Anual 2007 Amnistia Internacional. Factos e Números

Relatório Anual 2007 Amnistia Internacional. Factos e Números Embargado até às 10h00 TMG, de dia 23 de Maio de 2007 Relatório Anual 2007 Amnistia Internacional Factos e Números Estes factos e números ilustram a situação em algumas áreas de trabalho da Amnistia Internacional

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados O Oitavo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção do Crime e o Tratamento dos Delinquentes, Lembrando o Plano de Acção de Milão 139, adoptado pelo

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

Direitos das Pessoas Idosas e a Implementação da Convenção

Direitos das Pessoas Idosas e a Implementação da Convenção Direitos das Pessoas Idosas e a Implementação da Convenção Perly Cipriano Subsecretário de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos - Brasil Dados atuais sobre envelhecimento no mundo No ano de 2007, 10.7%

Leia mais

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Palestra para a divulgação no Dia de Defesa Nacional sobre Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Carlos R. Rodolfo, Calm (Ref.) Presidente da AFCEA Portugal Proferida no MDN em 02 Set 2011 1 AGENDA

Leia mais

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a Migração no Mediterrâneo Ocidental Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Diálogo 5 + 5 Quinta Conferência Ministerial sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Conclusões da Presidência Nos dias 12 e 13 de Dezembro de 2006 teve lugar

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009)

ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009) COORDENAÇÃO PARA MULHER NO DESENVOLVIMENTO ARGUMENTOS PARA UMA LEI DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER (Documento Publicado no dia 20 de Julho de 2009) Na última década, a questão da violência contra

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Presidência da República Federativa do Brasil Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial A SEPPIR CRIAÇÃO A Seppir (Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial)

Leia mais

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Criação 1. A Conferência dos Ministros da Justiça

Leia mais

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos surgiram na Revolução Francesa? Olympe de Gouges (1748-1793) foi uma revolucionária e escritora francesa. Abraçou com destemor

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas

O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas Desafios de uma cultura de compromisso social O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas Interage Consultoria em Gerontologia 1978... 1988... Psicanálise e velhice: resistência

Leia mais

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Sofia Lourenço Unidade "Direitos das pessoas com deficiência" Comissão Europeia 2 Dezembro 2014 Palácio da Cidadela de Cascais Políticas Europeias

Leia mais

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO Projecto PIGEM FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO LUBANGO 28 DE ABRIL DE 2015 ELABORADO POR: MARIANA SOMA /PRELECTORA 1 GÉNERO E DESENVOLVIMENTO CONCEITO É uma abordagem que se concentra nas relações

Leia mais

A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004

A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004 N Ú M E R O I Série Década das Nações Unidas para a Educação em matéria de Direitos Humanos 1995 2004 DIREITOS HUMANOS A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952

NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO Convenção (n.º 102) relativa à segurança social (norma mínima), 1952 Bureau Internacional do Trabalho 1 Ratificação Como são utilizadas as Normas Internacionais do Trabalho?

Leia mais

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG PROPOSTA ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG Desde sempre, desde as sociedades primitivas, o Homem usou os recursos naturais para viver. Porém durante muito tempo, a exploração de recursos era diminuta e a

Leia mais

Um mundo melhor começa aqui

Um mundo melhor começa aqui Um mundo melhor começa aqui h, 12 de junho de 2009 O Dia mundial contra o trabalho infantil vai ser celebrado a 12 de Junho de 2009. Este ano, o Dia mundial marca o décimo aniversário da adopção da importante

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Tendo em vista a resolução sobre a eliminação do trabalho infantil adotada pela Conferência Internacinal do Trabalho, em sua 83 a Reunião, em 1996;

Tendo em vista a resolução sobre a eliminação do trabalho infantil adotada pela Conferência Internacinal do Trabalho, em sua 83 a Reunião, em 1996; CONVENÇÃO Nª 182 CONVENÇÃO SOBRE PROIBIÇÃO DAS PIORES FORMAS DE TRABALHO INFANTIL E AÇÃO IMEDIATA PARA SUA ELIMINAÇÃO Aprovadas em 17/06/1999. No Brasil, promulgada pelo Decreto 3597de 12/09/2000. A Conferência

Leia mais

COMUNICACAO NA ABORDAGEM DOS APATRIDAS: DA PERSPECTIVA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA COMUNIDADE, CEDEAO.

COMUNICACAO NA ABORDAGEM DOS APATRIDAS: DA PERSPECTIVA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA COMUNIDADE, CEDEAO. COMUNICACAO NA ABORDAGEM DOS APATRIDAS: DA PERSPECTIVA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA COMUNIDADE, CEDEAO. APRESENTADO POR Veneranda Juíza Presidente Maria do Céu Monteiro Silva DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA COMUNIDADE,CEDEAO

Leia mais

(C) A expressão "princípio olímpico", o princípio de que nenhum discriminação seja permitido por razões de raça, religião ou afiliação política;

(C) A expressão princípio olímpico, o princípio de que nenhum discriminação seja permitido por razões de raça, religião ou afiliação política; Convenção Internacional contra o Apartheid nos Esportes, GA res. 40/64 G, 40 Supp UNGAOR (No. 53) a 37, a ONU A/40/53 Doc (1986), entrou em vigor 03 de abril de 1988 Os Estados Partes da presente Convenção,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**)

Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**) Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**) Os Estados Membros da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura reunidos em Paris em virtude da 28ª reunião da Conferência

Leia mais

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora do Escritório da OIT no Brasil Salvador,

Leia mais

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014 V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável Montijo 14 de Novembro de 2014 1. Saudação Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal do Montijo Exmo. Sr.

Leia mais

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO Maria Regina Tavares da Silva Perita em Igualdade de Género Consultora das Nações Unidas Nesta Conferência de celebração dos

Leia mais

Conferência Regional sobre a Apatrídia na África Ocidental. Nota Conceitual

Conferência Regional sobre a Apatrídia na África Ocidental. Nota Conceitual Conferência Regional sobre a Apatrídia na África Ocidental Nota Conceitual 1. Introdução A apátrida não e um fenómeno recente. Ele é tão antigo quanto o conceito de nacionalidade. A apatrídia constitui

Leia mais

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Comissão Europeia O que é a Estratégia Europeia para o Emprego? Toda a gente precisa de um emprego. Todos temos necessidade de

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid INTRODUÇÃO A Convenção Apartheid foi aprovado pela Assembléia Geral da ONU em 1973, mas com um grande número de abstenções por

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

nossa vida mundo mais vasto

nossa vida mundo mais vasto Mudar o Mundo Mudar o Mundo O mundo começa aqui, na nossa vida, na nossa experiência de vida. Propomos descobrir um mundo mais vasto, Propomos mudar o mundo com um projecto que criou outros projectos,

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica

Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica Lei n.º 134/99, de 28 de Agosto Proíbe as discriminações

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Directrizes da UE para a promoção e protecção dos direitos das crianças

Directrizes da UE para a promoção e protecção dos direitos das crianças Directrizes da UE para a promoção e protecção dos direitos das crianças I Introdução 1. A Convenção sobre os Direitos da Criança é o tratado sobre direitos humanos mais amplamente ratificado da história.

Leia mais

Convenção Sobre os D ireitos. da Criança

Convenção Sobre os D ireitos. da Criança Convenção Sobre os D ireitos da Criança Convenção Sobre os Direitos Resumo não oficial da Criança Junho de 2000 Prefácio A presente publicação é um resumo não oficial da Convenção das Nações Unidas Sobre

Leia mais

AGENDA DA 42ª SESSÃO ORDINÁRIA DA COMISSÃO AFRICANA DOS DIREITOS HUMANOS E DOS POVOS (De 15 a 28 de Novembro de 2007, Brazzaville, República do Congo)

AGENDA DA 42ª SESSÃO ORDINÁRIA DA COMISSÃO AFRICANA DOS DIREITOS HUMANOS E DOS POVOS (De 15 a 28 de Novembro de 2007, Brazzaville, República do Congo) AGENDA DA 42ª SESSÃO ORDINÁRIA DA COMISSÃO AFRICANA DOS DIREITOS HUMANOS E DOS POVOS (De 15 a 28 de Novembro de 2007, Brazzaville, República do Congo) Ponto 1: Cerimónia de Abertura (Sessão Pública) Ponto

Leia mais

Os Jovens nas Nações Unidas www.un.org/youth. Relatório Mundial sobre a Juventude: Os Jovens Hoje e em 2015

Os Jovens nas Nações Unidas www.un.org/youth. Relatório Mundial sobre a Juventude: Os Jovens Hoje e em 2015 Os Jovens nas Nações Unidas www.un.org/youth Relatório Mundial sobre a Juventude: Os Jovens Hoje e em 2015 Síntese No dia 4 de Outubro de 2005, o Programa das Nações Unidas para a Juventude, do Departamento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 6 Comunidade Global Tema Direitos fundamentais do : Declaração Universal dos Direitos do OBJECTIVO: Participa consciente e sustentadamente na comunidade global 1. Leia, com atenção, a Declaração Universal

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

NOTA CONCEPTUAL Rev.5

NOTA CONCEPTUAL Rev.5 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 517 700 Fax : 517844 website: www. africa-union.org SEGUNDO FÓRUM PAN-AFRICANO SOBRE A POSIÇÃO COMUM AFRICANA

Leia mais

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 Cidadania Europeia Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 O que é a cidadania? Vínculo jurídico entre o indivíduo e o respectivo Estado, traduz-se num conjunto de direitos e deveres O relacionamento

Leia mais

Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos e o Setor de Petróleo e Gás

Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos e o Setor de Petróleo e Gás Princípios Orientadores sobre Empresas e Direitos Humanos e o Setor de Petróleo e Gás Ana Paula Grether Consultora da Gerência de Orientações e Práticas de Responsabilidade Social Gerência Executiva de

Leia mais

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO FOLHETO CICV O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho O Movimento Internacional

Leia mais

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 PARTE A Módulo I Acordos/Convenções Internacionais 1. Declaração Universal dos Direitos Humanos Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de

Leia mais

AG/RES. 2577 (XL-O/10) PROMOÇÃO DO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL 1/2/ (Aprovada na quarta sessão plenária, realizada em 8 de junho de 2010)

AG/RES. 2577 (XL-O/10) PROMOÇÃO DO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL 1/2/ (Aprovada na quarta sessão plenária, realizada em 8 de junho de 2010) AG/RES. 2577 (XL-O/10) PROMOÇÃO DO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL 1/2/ (Aprovada na quarta sessão plenária, realizada em 8 de junho de 2010) A ASSEMBLÉIA GERAL, RECORDANDO as resoluções AG/RES. 1619 (XXIX-O/99),

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos Convenção nº 146 Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho: Convocada para Genebra pelo conselho administração da Repartição Internacional

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

Carta dos Direitos do Cliente

Carta dos Direitos do Cliente A pessoa com deficiência ou incapacidade, deve ser educada e viver na comunidade, mas com programas e apoios especiais. Cercisiago Carta dos Direitos do Cliente Março de 2010 Carta dos Direitos do Cliente

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras adotada em 12 de novembro de 1997 pela Conferência Geral da UNESCO

Leia mais

PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA EM SÃO PAULO

PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA EM SÃO PAULO PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA EM SÃO PAULO UNHCR ACNUR QUEM SOMOS ACNUR O ACNUR foi criado para proteger e assistir às vítimas de perseguição, da violência e da intolerância. Desde então, já ajudou mais de 50

Leia mais