CENÁRIO MACROECONÔMICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENÁRIO MACROECONÔMICO"

Transcrição

1

2

3 ENCONTRO BRADESCO-APIMEC CENÁRIO MACROECONÔMICO 20 DE AGOSTO DE 2015 FABIANA D ATRI Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos - DEPEC 2

4 Ambiente Internacional

5 AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo de commodities. Desaceleração China. Aumento de juros nos EUA, mas de forma gradual. Fortalecimento do dólar no mundo. Riscos reduzidos de crise, apesar do crescimento moderado do PIB global. 4

6 TAXA DE VARIAÇÃO DO PIB MUNDIAL (SOMA DOS PIBs OBTIDA PELA PARIDADE DO PODER DE COMPRA) Fonte: FMI/WEO. Elaboração e projeções (*): Bradesco CRESCIMENTO DO PIB MUNDIAL (%) PIB MUNDIAL Média Mundial FONTE: FMI 5

7 PAÍSES DESENVOLVIDOS EM FASE DE ACELERAÇÃO E EMERGENTES EM DESACELERAÇÃO EUA SUPERANDO A CRISE EUROPA INGRESSA NO TERCEIRO QUARTO DE SUA CRISE CHINA EM NOVO ESTÁGIO DE CRESCIMENTO 6

8 China: crescimento anual do PIB (variação interanual). Fonte: Bloomberg Elaboração e projeções: Bradesco VARIAÇÃO ANUAL DO PIB DA CHINA (%) 15,0 14,2 12,7 12,0 11,3 9,0 9,3 7,8 7,6 8,4 8,3 9,1 10,1 9,6 9,2 10,4 9,3 7,7 7,7 7,4 6,0 6,5 6,2 6,0 3,0 FONTE: FMI 7

9 Área DO EURO: CRESCIMENTO PIB REAL (%) Fonte: Eurostat VARIAÇÃO ANUAL DO PIB DA ÁREA DO EURO (%) 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 3,9 2,1 1,0 0,8 2,2 1,7 3,2 3,0 0,4 1,8 1,5 0,9 1,5 1,5 2,0 0,0-1,0-0,6-0,4-2,0-3,0-4,0-5,0-4,3 FONTE: FMI 8

10 VARIAÇÃO ANUAL DO PIB DOS EUA (%) EUA: CRESCIMENTO PIB REAL (%) Fonte: Eurostat 5,0 4,0 3,0 2,0 4,1 1,8 2,5 3,5 3,1 2,7 1,9 2,4 1,8 2,2 1,9 2,4 2,3 2,5 2,5 1,0 1,1 0,0-1,0-0,3-2,0-3,0-4,0-3,1 FONTE: FMI 9

11 01/11/12 29/11/12 27/12/12 24/01/13 21/02/13 21/03/13 18/04/13 16/05/13 13/06/13 11/07/13 08/08/13 05/09/13 03/10/13 31/10/13 28/11/13 26/12/13 23/01/14 20/02/14 20/03/14 17/04/14 15/05/14 12/06/14 10/07/14 07/08/14 04/09/14 02/10/14 30/10/14 27/11/14 25/12/14 22/01/15 19/02/15 19/03/15 16/04/15 14/05/15 11/06/15 09/07/15 06/08/15 Índice DXY (Dollar Index Spot - Dólar em relação a uma cesta de moedas). Fonte: Bloomberg. DÓLAR EM RELAÇÃO A CESTA DXY 102,0 97,0 100,33 99,49 97,39 94,76 96,55 98,03 97,77 96,50 92,0 89,33 92,37 94,04 93,14 87,0 86,69 84,45 84,23 83,22 82,63 82,0 81,26 81,31 80,48 80,82 80,61 79,13 79,19 79,39 79,09 77,0 FONTE: BLOOMBERG 10

12 BRASIL: PRINCIPAIS PRODUTOS EXPORTADOS (%) SOJA 13,95% SUCO DE LARANJA CONGELADO 0,42% OUTROS 22,51% MINERIOS METALURGICOS 12,62% MATERIAIS ELETRICOS E ELETRONICOS 1,76% CAFE 2,94% PETROLEO E DERIVADOS DE PETROLEO 11,18% PAPEL E CELULOSE 3,21% ACUCAR 4,60% MAQUINAS,APARELHOS E INSTRUMENTOS MECANICOS 3,85% PRODUTOS METALURGICOS 6,41% CARNE 7,50% MATERIAL DE TRANSPORTE E COMPONENTES 9,05% FONTE: BLOOMBERG 12 11

13 (p) 2016 (p) FONTE: FMI PREÇO ELABORAÇÃO MÉDIO E (P) PROJEÇÃO: ANUAL DO PETRÓLEO BRENT BRADESCO REINO UNIDO) - US$/BARRIL (US$/BARRIL) NÍVEL MÉDIO ANUAL DO PETRÓLEO BRENT (NOMINAL, FOB , ,7 98, ,4 65,4 72,7 61,9 79,6 59,7 67, ,9 38, ,4 29,8 27,6 23,7 14,4 18,4 15,0 18,2 28,3 24,4 19,4 20,5 19,1 15,8 17,7 12,7 28, FONTE: FMI 12

14 (p) 2016 (p) PREÇO MÉDIO ANUAL DO MINÉRIO DE FERRO (US$/TONELADA) FONTE: FMI ELABORAÇÃO E (P) PROJEÇÃO: BRADESCO NÍVEL MÉDIO ANUAL DO MINÉRIO DE FERRO (PREÇO SPOT NO PORTO DE TIANJIN/CHINA, MINÉRIO COM 62% DE TEOR DE FERRO) - US$/TONELADA FONTE: FMI 13

15 PREÇO MÉDIO ANUAL DA SOJA (US$/BUSHEL) ,2 14,6 14,1 12,3 12, ,3 10,5 10,0 10,5 8,6 8 7,5 6 5,0 4,6 5,1 6,3 6,1 5, FONTE: FMI 14

16 Cenário Doméstico

17 CENÁRIO DOMÉSTICO Fase atual de ajustes faz parte do ciclo de reequilíbrio da economia necessário para o País retornar ao crescimento. Houve progresso em algumas frentes, em especial nos preços administrados e nas contas externas. A política fiscal permanece sendo o principal desafio: Os preços de mercado já consideram a perda do grau de investimento, mas é possível uma recuperação. Recessão em 2015 e 2016 deverá resultar em significativa queda da inflação. Taxa de juros constante por um período longo. 16

18 jul/02 out/02 jan/03 abr/03 jul/03 out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 jan/10 abr/10 jul/10 out/10 jan/11 abr/11 jul/11 out/11 jan/12 abr/12 jul/12 out/12 jan/13 abr/13 jul/13 out/13 jan/14 abr/14 jul/14 out/14 jan/15 abr/15 jul/ ÍNDICE DE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO INDUSTRIAL (ICEI) DADOS NÃO DESSAZONALIZADOS (*) Valor Neutro ICEI FONTE: CNI ELABORAÇÃO: BRADESCO (*) A série era trimestral até o final de 2009, quando se tornou mensal. 17

19 jan/06 jul/06 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10 jan/11 jul/11 jan/12 jul/12 jan/13 jul/13 jan/14 jul/14 jan/15 jul/15 Confiança do Consumidor Fonte: FGV Neutro Elaboração: Bradesco ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR (ICC) (DADOS DESSAZONALIZADOS) ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR (DADOS DESSAZONALIZADOS) 135 Set/2005= FONTE: FGV ELABORAÇÃO: BRADESCO 18

20 * 2016* 2017* 2018* SUPERÁVIT PRIMÁRIO E METAS PARA OS PRÓXIMOS ANOS (% PIB) 4,0% 3,7% 3,7% 3,5% 3,0% 2,5% 2,0% 2,9% 3,2% 3,3% 3,2% 3,2% 3,2% 3,2% 3,3% 1,9% 2,6% 2,9% 2,2% 1,8% 2,0% 1,5% 1,3% 1,0% 0,7% 0,5% 0,15% 0,0% -0,5% -1,0% -0,6% FONTE: BACEN 20 19

21 O PROBLEMA FUNDAMENTAL DO ORÇAMENTO DO SETOR PÚBLICO É QUE AS DESPESAS CRESCEM ACIMA DO PIB INDEPENDENTE DO CICLO ECONÔMICO (POR EXEMPLO, DEMOGRAFIA). PARTE DO AJUSTE, PORTANTO, INEVITAVELMENTE PASSARÁ PELO INCREMENTO DE RECEITAS

22 * 2016* PIB ANUAL (%) Fonte: IBGE e IPEA Elaboração e Projeção: Bradesco CRESCIMENTO ANUAL DO PIB BRASILEIRO - % ,0 7,0 5,0 3,0 1,0 5,4 7,8 7,5 Média : 2,7% 5,3 4,7 4,4 3,5 3,2 1,0 2,2 3,4 0,4 0,5 4,4 1,3 3,1 Média : 3,8% 1,2 5,7 3,1 4,0 6,0 5,0 7,6 3,9 2,7 1,8 0,1-1,0-0,1-0,5-0,2-0,8-3,0-2,5-5,0-4,3 FONTE: IBGE, IPEA 21

23 VARIAÇÃO ANUAL DO PIB: CONSUMO DAS FAMÍLIAS FONTE: IBGE 22

24 VARIAÇÃO ANUAL DO PIB: INVESTIMENTO FONTE: IBGE 23

25 PIB: AGRO VARIAÇÃO ANUAL DO PIB: AGRO FONTE: IBGE 24

26 PIB: INDUSTRIA VARIAÇÃO ANUAL DO PIB: INDÚSTRIA FONTE: IBGE 25

27 VARIAÇÃO ANUAL DO PIB: SERVIÇOS FONTE: IBGE 26

28 VARIAÇÃO ANUAL DO PIB DA CONSTRUÇÃO CIVIL EVOLUÇÃO DA VARIAÇÃO ANUAL DO PIB DA CONSTRUÇÃO CIVIL Fonte: IBGE Elaboração e Projeção: Bradesco * 2016* 14% 13.1% 12% 11.0% 10% 08% 9.1% 7.5% 8.3% 06% 4.8% 4.7% 04% 2.8% 02% 1.0% 00% -02% -04% -2.2% -1.0% -2.6% -06% -5.7% -08% FONTE: IBGE 27

29 GERAÇÃO DE EMPREGOS (CAGED) TOTAL EM MILHARES FONTE: MTE 28

30 TAXA DE DESEMPREGO (MÉDIA) 2004 A FONTE: IBGE 29

31 VARIAÇÃO ANUAL DA RENDA REAL FONTE: IBGE 30

32 IPCA ANUAL IPCA ANUAL 14,0% 12,53% 12,0% 10,0% 8,94% 9,30% 9,30% 8,0% 7,67% 7,60% 6,0% 4,0% 5,97% 5,90% 5,91%6,50% 5,91% 6,41% 5,69% 4,46% 4,31% 3,14% 5,21% 2,0% 0,0% * 2016* FONTE: IBGE 31

33 IPCA: PREÇOS LIVRES VARIAÇÃO ANUAL 14,0% 12,0% 11,49% 10,0% MAIOR DESACELERAÇÃO ANUAL DESDE A CRISE DE ,0% 6,56% 7,79% 6,55% 7,05% 7,08% 6,63% 6,54% 7,30% 6,74% 7,50% 6,0% 5,73% 5,10% 4,0% 4,32% 4,14% 2,57% 2,0% 0,0% * 2016* FONTE: IBGE 32

34 IPCA: PREÇOS ADMINISTRADOS VARIAÇÃO ANUAL 18,0% ADMINISTRADOS ANUAL 16,0% 15,32% 15,30% 14,0% 13,20% 12,0% 10,0% 10,76% 10,19% 8,96% 8,0% 6,0% 4,0% 4,27% 3,27% 4,73% 3,13% 8,01% 3,67% 5,31% 5,70% 2,0% 1,65% 1,52% 0,0% * 2016* FONTE: IBGE 33

35 19/09/ /09/ /10/ /10/ /10/ /11/ /11/ /11/ /11/ /12/ /12/ /12/ /01/ /01/ /01/ /02/ /02/ /02/ /02/ /03/ /03/ /03/ /04/ /04/ /04/ /05/ /05/ /05/ /05/ /06/ /06/ /06/ /07/ /07/ /07/ /07/2015 EXPECTATIVA PARA O IPCA (MEDIANA PESQUISA FOCUS) 9, Meta Média ,39 9,25 8,0 7,45 7,0 6,64 6,0 5,0 5,75 5,07 4,92 5,50 4,83 5,40 4,73 4,0 FONTE: BCB 34

36 IPCA VARIAÇÃO TRIMESTRAL E ANUALIZADA 2015 E 2016 IPCA TRIMESTRAL DESSAZONALIZADO E ANUALIZADO % 14.04% 10.0% 10.00% 8.86% 5.0% 6.69% 5.84% 5.14% 6.29% 4.37% 0.0% 1 tri/15 2 tri/15 3 tri/15 4 tri/15 1 tri/16 2 tri/16 3 tri/16 4 tri/16 FONTE: IBGE 35

37 TAXA NOMINAL DE JUROS (SELIC) - % A.A. 28,00% 25,00% 21,00% 19,00% 15,75% 19,00% 17,75% 18,00% 16,50% 14,00% 13,25% 11,25% 13,75% 8,75% 10,75% 11,00% 10,00% 11,75% 14,25% 11,50% 10,50% 7,00% 7,25%,00% FONTE: BACEN, BRADESCO 36

38 09/11/12 07/12/12 04/01/13 01/02/13 01/03/13 29/03/13 26/04/13 24/05/13 21/06/13 19/07/13 16/08/13 13/09/13 11/10/13 08/11/13 06/12/13 03/01/14 31/01/14 28/02/14 28/03/14 25/04/14 23/05/14 20/06/14 18/07/14 15/08/14 12/09/14 10/10/14 07/11/14 05/12/14 02/01/15 30/01/15 27/02/15 27/03/15 24/04/15 22/05/15 19/06/15 17/07/15 14/08/15 TAXA DE CÂMBIO R$/US$ TAXA DE CÂMBIO R$/US$ fonte: Bloomberg DEZEMBRO 2008 R$ 2,34 / US$ DEZEMBRO 2009 R$ 1,74 / US$ DEZEMBRO 2010 R$ 1,67 / US$ DEZEMBRO 2011 R$ 1,88 / US$ DEZEMBRO 2012 R$ 2,04 / US$ DEZEMBRO 2013 R$ 2,35 / US$ DEZEMBRO 2014 R$ 2,65 / US$ DEZEMBRO 2015 R$ 3,30 / US$ FONTE: BLOOMBERG 37

39 TAXA DE CÂMBIO: FUNDAMENTOS DAS CONTAS EXTERNAS VS RISCO BRASIL Depreciação Perda termos de troca Dólar forte Aumento do risco Brasil Compra de dólares pelo BC Apreciação Redução déficit externo Diferencial de juros Fluxo de investimento estrangeiro 38

40 TAXA DE CÂMBIO (FINAL DE ANO) - R$/US$ Taxa de câmbio - R$ / US$ - Final de ano. Fonte: BCB FONTE: BLOOMBERG 39

41 CLASSIFICAÇÃO DE RISCO DA DÍVIDA BRASILEIRA DE LONGO PRAZO EM MOEDA ESTRANGEIRA Grau de investimento Grau especulativo Default Moody's S&P Fitch Aaa AAA AAA Aa1 AA+ AA+ Aa2 AA AA Aa3 AA- AA- A1 A+ A+ A2 A A A3 A- A- Baa1 BBB+ BBB+ Baa2 (Outlook negativo) BBB BBB (Outlook negativo) Baa3 BBB- (Outlook negativo) BBB- Ba1 BB+ BB+ Ba2 BB BB Ba3 BB- BB- B1 B+ B+ B2 B B B3 B- B- Caa1 CCC+ CCC+ Caa2 CCC CCC Caa3 CCC- CCC- Ca CC CC C C C D RD D FONTE: AGÊNCIAS DE RISCO 40

42 CDS SUGERIDO PELA CLASSIFICAÇÃO DE RATING SOBERANO pontos Gráfico 2: CDS sugerido pela classificação de rating soberano Fonte: Bloomberg CDS REAL R$/US$ China Chile Israel Malásia Polônia Colômbia Peru México Tailândia Panamá Flilipinas Espanha Brasil África do Sul Índia Itália Rússia Turquia Croácia Indonésia Bulgária Portugal Hungria 50 Bélgica Rep. Tcheca Irlanda Japão Grau Reino Unido Áustria França Suécia Holanda especulat ivo Noruega Alemanha 0 AAA AA+ AA AA- A+ A A- BBB+ BBB BBB- BB+ BB FONTE: BLOOMBERG; S&P 41

43 Rússia Colômbia Brasil Turquia Nova Zelândia Malásia Austrália Mexico África do Sul Japão Polônia Euro Canadá Hungria Chile DXY Indonesia República Tcheca Peru Coréia Cingapura Argentina Tailândia Egito Suíça Taiwan India Reino Unido Filipinas China Paquistão Emirados MOEDAS SELECIONADAS VARIAÇÃO NOS ÚLTIMOS 12 MESES 79.0% 69.0% 59.0% 49.0% 80.2% 58.9% 53.3% Última atualização: 14/08/ % 29.0% 19.0% 21.6% 20.1% 18.3% 15.9% 9.0% 7.6% 6.7% 3.9%2.3% -1.0% 0.0% FONTE: BLOOMBERG, BRADESCO 42

44 CRESCIMENTO DA CARTEIRA TOTAL DE CRÉDITO DADOS NOMINAIS CRESCIMENTO EM DOZE MESES DO ESTOQUE DE CRÉDITO TOTAL DADOS NOMINAIS 35,0% 30,0% 30,7% 25,0% 20,0% 20,6% 18,8% 15,0% 15,1% 16,4% 14,5% 11,3% 10,0% 7,7% 7,6% 5,0% 0,0% FONTE: BACEN 44 43

45 ago/02 out/02 dez/02 fev/03 abr/03 jun/03 ago/03 out/03 dez/03 fev/04 abr/04 jun/04 ago/04 out/04 dez/04 fev/05 abr/05 jun/05 ago/05 out/05 dez/05 fev/06 abr/06 jun/06 ago/06 out/06 dez/06 fev/07 abr/07 jun/07 ago/07 out/07 dez/07 fev/08 abr/08 jun/08 ago/08 out/08 dez/08 fev/09 abr/09 jun/09 ago/09 out/09 dez/09 fev/10 abr/10 jun/10 ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 ago/11 out/11 dez/11 fev/12 abr/12 jun/12 ago/12 out/12 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/13 fev/14 abr/14 jun/14 ago/14 out/14 dez/14 fev/15 abr/15 jun/15 ago/15 out/15 dez/15 INADIMPLÊNCIA PESSOA FÍSICA (ACIMA DE 90 DIAS) E DIFERENÇA NA TAXA DE DESEMPREGO (DESSAZONALIZADA) INTERANUAL Taxa de inadimplência e VARIAÇÃO EM 12 MESES DA TAXA DE DESEMPREGO dessazonalizada EM PP Taxa de inadimplência Inadimplência nova Taxa de desemprego FONTE: BACEN e IBGE 44

46 QUAIS SERÃO MOTORES DA RECUPERAÇÃO? Aumento das exportações que, em algum momento não muito distante, reagirão à forte depreciação do Real e ao gradual aumento da abertura da economia; Queda das importações, reagindo à depreciação cambial; Investimentos em infraestrutura: número relevante de concessões poderá se materializar em 2016 Taxa de juros sairá da mídia por um bom tempo, considerando o recém-findo ciclo de aperto monetário; Consumidor se recuperará depois de um longo processo de desalavancagem; Queda da inflação, convergindo para o centro da meta ao final de 2016 ou início de 2017, irá tirar do radar um dos mais importantes elementos de incerteza para a população. Taxa de juros começa a cair no segundo trimestre de 2016; Certa estabilização salarial, que tende a tornar menor a pressão de custos. 45

47 APERFEIÇOANDO AS QUATRO ÚNICAS AGENDAS RELEVANTES QUE PODEM MUDAR A HISTÓRIA ECONÔMICA DO BRASIL AGENDA DA GOVERNANÇA ORÇAMENTÁRIA E, PORTANTO, FISCAL. QUALIDADE DO GASTO AGENDA DO AUMENTO DA POTÊNCIA DA POLÍTICA MONETÁRIA (DUALISMO DO CRÉDITO, INDEXAÇÃO, META MENOR) AGENDA DA PRODUTIVIDADE (DOING BUSINESS, TRIBUTÁRIA, TRABALHISTA, EDUCAÇÃO E ABERTURA) AGENDA DA INFRAESTRUTURA (FOCO MERCADO DE CAPITAIS, BNDES FOCADO, GARANTIAS, SEGURANÇA JURÍDICA) 46

48 DEPEC

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO ENCONTRO BRADESCO-APIMEC CENÁRIO MACROECONÔMICO 26 DE NOVEMBRO DE 2015 FABIANA D ATRI Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos - DEPEC 1 Ambiente Internacional AMBIENTE INTERNACIONAL Fimdolongociclodecommodities.

Leia mais

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, aos clientes do Bradesco.

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, aos clientes do Bradesco. INTERNA Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, aos clientes do Bradesco. CENÁRIO MACROECONÔMICO JANEIRO DE 2016 FABIANA D ATRI Departamento

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Novembro de 2016

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Novembro de 2016 CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO Novembro de 2016 1 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo de commodities. Desaceleração moderada da China. Aumento de juros nos EUA, mas de forma gradual.

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Janeiro de 2017

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Janeiro de 2017 CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO Janeiro de 2017 1 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo de commodities, com estabilização dos preços nos últimos meses. Desaceleração moderada da China.

Leia mais

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar.

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. INTERNA Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. 1 DESAFIOS E INCERTEZAS DO CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO E GLOBAL 2 2 Fabiana

Leia mais

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS TAXA DE JUROS DO TÍTULO DE 10 ANOS DO TESOURO AMERICANO 2006-2013. Fonte: Bloomberg ESTADOS UNIDOS: TAXAS DE JUROS DE 10 ANOS (% a.a.) 03/04/14

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 23/09/11 21/10/11 18/11/11 16/12/11 13/01/12 10/02/12 09/03/12 06/04/12 04/05/12 01/06/12 29/06/12 27/07/12 24/08/12 21/09/12 19/10/12 16/11/12 14/12/12

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 14/06/11 12/07/11 09/08/11 06/09/11 04/10/11 01/11/11 29/11/11 27/12/11 24/01/12 21/02/12 20/03/12 17/04/12 15/05/12 12/06/12 10/07/12 07/08/12 04/09/12

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11.75% 13.00% 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.00% 8.50% 9.00%

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.50% 9.00% 10.00% 10.50% 11.00%

Leia mais

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS 21/02/14 14/03/14 04/04/14 25/04/14 16/05/14 06/06/14 27/06/14 18/07/14 08/08/14 29/08/14 19/09/14 10/10/14 31/10/14 21/11/14 12/12/14 02/01/15

Leia mais

Cenário macroeconômico

Cenário macroeconômico Cenário macroeconômico 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016* 2017* TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB DO MUNDO (SOMA DOS PIBs OBTIDA PELA PARIDADE DO PODER DE COMPRA) 1980 - Título 2011 FONTE: FMI. ELABORAÇÃO E

Leia mais

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX 1 A importância da taxa de câmbio para a economia brasileira A taxa de câmbio é um dos principais preços da economia, pois: Determina

Leia mais

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ).

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ). O Sistema de Metas de Inflação No Brasil - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil (1999-2007). - Desempenho recente: a relação juros-câmbio. - Aceleração do crescimento econômico

Leia mais

Perspectivas econômicas

Perspectivas econômicas Perspectivas econômicas 5º seminário Abecip Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Maio, 2015 2 Roteiro Recuperação em curso nas economias desenvolvidas. O Fed vem adiando o início do ciclo

Leia mais

2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência. Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005

2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência. Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005 2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005 Cenário Externo Maior crescimento global em 30 anos. Crescimento do PIB em 2004 - Expectativa Área do

Leia mais

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial XIX Congresso Brasileiro de Economia Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda aclacerda@pucsp.br Bonito, 09 de Setembro de 2011. Page 1 Economia

Leia mais

BRASIL E A CRISE MUNDIAL

BRASIL E A CRISE MUNDIAL BRASIL E A CRISE MUNDIAL Ministro Guido Mantega maio 2009 1 Crise não acabou, talvez pior já tenha passado Consolidação do governo Obama e ações do G20 melhoram a CONFIANÇA Enxurrada de dinheiro do FED

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise

A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise Ministério da A Política Fiscal Brasileira em Tempos de Crise Encontro de Política Fiscal - FGV Ministro Guido Mantega Brasília, 7 de novembro de 2014 Antes de 2008, Brasil tinha Situação Fiscal Confortável

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Setembro, 2015 Roteiro Internacional Brasil Desaceleração da China reduz crescimento global China: desaceleração chinesa reduz crescimento

Leia mais

Ambiente econômico nacional e internacional

Ambiente econômico nacional e internacional Ambiente econômico nacional e internacional Apresentação para elaboração do documento referencial 2015-19 no Ministério do Turismo Manoel Pires - MF Cenário internacional O mundo se recupera da crise,

Leia mais

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 Prestação de Contas - LRF

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO 2014-2015: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ABRIL, 2014 Fabiana D Atri Economista Sênior do Departamento de Pesquisas 1 e Estudos Econômicos - DEPEC 17/04/11 17/05/11 17/06/11

Leia mais

Evolução Recente da Economia Brasileira

Evolução Recente da Economia Brasileira Evolução Recente da Economia Brasileira Henrique de Campos Meirelles Novembro de 2008 1 Panorama Internacional 2 US$ bilhões EUA: Emissão de Commercial Papers (CP) por Empresas Não-Financeiras 2.400 subprime

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/124/

Leia mais

Outubro/2011. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Outubro/2011. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Outubro/2011 Cenário para as Micro e Pequenas Empresas Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Números das Micro e Pequenas Empresas no Brasil 2 Micro e pequenas empresas (até 99 funcionários)

Leia mais

EUA - PIB Variação Trimestral Anualizada

EUA - PIB Variação Trimestral Anualizada EUA - PIB Variação Trimestral Anualizada 8,0 7,0 7,2 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 5,0 4,8 5,6 4,3 4,5 4,1 4,0 3,8 3,9 3,6 3,5 3,3 3,1 2,8 2,6 2,7 2,6 2,4 2,1 1,9 1,3 1,1 1,2 1,1 0,6 0,7 0,6 0,0 (1,0) -0,3-0,6

Leia mais

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias Bijuterias Principais Países 2010 2011 2012 2013 2014 US$ mil 2014/ 2013 Estados Unidos 5.667 3.828 2.668 3.491 5.006 43 Colômbia 407 800 748 1.112 993-11 França 1.085 931 910 998 969-3 Argentina 2.112

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE AGOSTO 2012 FRANCA 01) População 02) Piso salarial do sapateiro 03) Número de funcionários na indústria de calçados 04) Admissões e demissões do setor calçadista

Leia mais

DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002

DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002 DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002 Nos nove primeiros meses de 2002, a economia brasileira cresceu 0,9% em relação ao mesmo período de. No terceiro trimestre de 2002, o aumento foi

Leia mais

PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil

PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil Henrique Meirelles Ministro da agosto de 2016 2 O Novo Regime Fiscal Expansão dos gastos da União nos próximos 20 anos não pode ser superior à inflação Limite

Leia mais

Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012

Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012 Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012 O papel da construção no desenvolvimento sustentado Há cinco anos, o setor da construção iniciou um ciclo virtuoso de crescimento: Esse ciclo foi pavimentado

Leia mais

Resultados de Junho de 2014

Resultados de Junho de 2014 Junho / 2014 Resultados de Junho de 2014 - Exportação: US$ 20,5 bi, em valor, e média diária de US$ 1,023 bilhão; sobre mai-14, aumento de 3,6%, pela média diária; sobre jun-13, redução de 3,5%, pela média

Leia mais

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi 2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa Marcello Siniscalchi Ampla liquidez internacional provocada por taxas de juros reais negativas e curvas de juros pouco inclinadas. Taxas de juros Reais G3 Inclinação

Leia mais

Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado

Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado Junho de 2010 Wilson R. Levorato Diretor Geral Brasil e a crise internacional: porque nos saímos tão bem? Onde estamos? Cenário

Leia mais

MCM Consultores Associados. Novembro

MCM Consultores Associados. Novembro MCM Consultores Associados Novembro - 2011 Economia Internacional Europa Balance Sheet Recession Balance Sheet Recession Período País Setor Poupança/ Endividamento Empresas poupança 11,92% do PIB Privado

Leia mais

O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado. São Paulo, 06 de julho de 2006

O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado. São Paulo, 06 de julho de 2006 O Papel da Indústria de Fundos Brasileira na Promoção do Desenvolvimento Econômico Sustentado São Paulo, 06 de julho de 2006 Relação Moedas x Ouro - 01/1999=100 Cotação Ouro (onça-troy) - 100=12/2000 270

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica - Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica - Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica - Itaú Unibanco Fevereiro, 2014 Roteiro Internacional Economia global: a recuperação econômica está perdendo força? Apesar dos dados recentes de atividade

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE FEVEREIRO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

Brasil, conjuntura e perspectiva

Brasil, conjuntura e perspectiva Brasil, conjuntura e perspectiva Julho 2015 Rodolfo Margato Estrutura da Apresentação: 1) Conjuntura Macroeconômica; 2) Principais Oportunidades e Desafios para a Economia Brasileira. Cenário Internacional

Leia mais

Decifrando a economia para superar a crise. com Denise Barbosa & Antonio Lacerda

Decifrando a economia para superar a crise. com Denise Barbosa & Antonio Lacerda Decifrando a economia para superar a crise com Denise Barbosa & Antonio Lacerda EUA produção industrial continua patinando 110 105 Índice base 2007 = 100 100 95 90 85 80 jan/09 jan/10 jan/11 jan/12 jan/13

Leia mais

Nova queda do PIB não surpreende mercado

Nova queda do PIB não surpreende mercado Nova queda do PIB não surpreende mercado Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) nesta primeira semana de março mostram a tendência

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Novembro, 2014 Roteiro Internacional Preocupação com a recuperação global diminui. Receio de um menor crescimento global que se disseminou

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO jan/15 jan/15 Acomodação com o cenário externo A semana de 19 a 26 de fevereiro apresentou movimentos moderados nas principais variáveis de mercado. A despeito do resultado negativo para o IPCA-15 de fevereiro,

Leia mais

A ECONOMIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2003 CRESCIMENTO MODESTO PUXADO PELA INDÚSTRIA

A ECONOMIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2003 CRESCIMENTO MODESTO PUXADO PELA INDÚSTRIA A ECONOMIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 23 CRESCIMENTO MODESTO PUXADO PELA INDÚSTRIA O PIB brasileiro registrou crescimento de,4% no terceiro trimestre de 23, na comparação com o trimestre anterior (ajustado

Leia mais

Estatística e Probabilidades

Estatística e Probabilidades Estatística e Probabilidades Nesse resumo vamos mostrar como a análise crítica de séries estatísticas podem contribuir para uma compreensão mais precisa da realidade. Todos os dias ouvimos falar sobre

Leia mais

Brasil está quase na lanterna do ranking mundial de crescimento do PIB País ocupa a 31ª posição da lista de 34 nações, que é liderada pela China

Brasil está quase na lanterna do ranking mundial de crescimento do PIB País ocupa a 31ª posição da lista de 34 nações, que é liderada pela China Brasil está quase na lanterna do ranking mundial de crescimento do PIB País ocupa a 31ª posição da lista de 34 nações, que é liderada pela China Matéria publicada em 29 de Novembro de 2014 SÃO PAULO -

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Março/2014 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População

Leia mais

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Barra Bonita, 25 de Novembro de 2016 BRASIL: EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO DO PIB (VAR.

Leia mais

A ECONOMIA BRASILEIRA NA ERA REPUBLICANA: EVOLUÇÃO, CONJUNTURA, PERSPECTIVAS E DESAFIOS

A ECONOMIA BRASILEIRA NA ERA REPUBLICANA: EVOLUÇÃO, CONJUNTURA, PERSPECTIVAS E DESAFIOS A ECONOMIA BRASILEIRA NA ERA REPUBLICANA: EVOLUÇÃO, CONJUNTURA, PERSPECTIVAS E DESAFIOS Prof. Dr. Heron Carlos Esvael do Carmo CORECONSP Outubro de 2010 Economia Brasileira na Era Republicana EVOLUÇÃO

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO jan/15 fev/15 Ligeira deterioração nos principais indicadores Com o feriado da Semana Santa, os principais indicadores para a semana de 18 a 24 de março apresentaram relativa estabilidade, com os mercados

Leia mais

CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA

CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA AMÉRICA LATINA AMÉRICA LATINA Quatro desafios da economia da América Latina em 2015 Crescimento moderado da economia global; Queda do preço das comodities

Leia mais

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias Miriam Belchior Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão Abril de 2014

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias Miriam Belchior Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão Abril de 2014 Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2015 Miriam Belchior Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão Abril de 2014 1 Cenário Econômico para 2015 Fim da crise financeira internacional

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO 2017:

CENÁRIO ECONÔMICO 2017: CENÁRIO ECONÔMICO 2017: Lenta recuperação após um longo período de recessão Dezembro 2016 AVALIAÇÃO CORRENTE DA ATIVIDADE ECONÔMICA A RECUPERAÇÃO DA CONFIANÇA DO EMPRESARIADO E DO CONSUMIDOR MOSTRAM ACOMODAÇÃO

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO BALANÇA COMERCIAL 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES 50.000 44.703 46.457 45.166 40.000 30.000 24.794

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO 60,000 50,000 47,284 47,842 44,703 46,457 40,032 37,841 40,000 33,641

BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES FONTE: BACEN ELABORAÇÃO E ESTIMATIVA: BRADESCO 60,000 50,000 47,284 47,842 44,703 46,457 40,032 37,841 40,000 33,641 BALANÇA COMERCIAL 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 BALANÇA COMERCIAL US$ MILHÕES 60,000 50,000 24,794 33,641 44,703 46,457 40,032

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Juros reais em baixa No período entre os dias 06 e 13 de maio, o IPCA projetado para os próximos 12 meses apresentou queda, da mesma forma a estimativa para o fechamento de 2017. A estrutura a termo da

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MINÉRIO DE FERRO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MINÉRIO DE FERRO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MINÉRIO DE FERRO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O DÓLAR EM 2015

PERSPECTIVAS PARA O DÓLAR EM 2015 PERSPECTIVAS PARA O DÓLAR EM 2015 26 de março de 2015 Lígia Pedrozo Heise Inteligência de Mercado Aviso Legal A negociação de derivativos, tais como futuros, opções e swaps pode não ser adequada para todos

Leia mais

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017 Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017 Henrique Meirelles Ministro da Agosto 2016 Cenário de Referência 2 Foi observado o limite de crescimento da despesa contido na Proposta de Emenda Constitucional 241/2016

Leia mais

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP

Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de º. PLENAFUP Conjuntura Nacional e Internacional Escola Florestan Fernandes, Guararema, 3 de julho de 2015 5º. PLENAFUP Economia Brasileira I.54 - Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) Período Índice

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 1 Cenário Econômico Regra básica: Cenário Internacional é dominante. Oscilações de curto prazo são determinadas exogenamente. 2 Cenário Internacional União monetária

Leia mais

Cenários para a economia brasileira

Cenários para a economia brasileira ABIPLAST Cenários para a economia brasileira Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 30 de Novembro 2012. Agenda 1 O quadro internacional 2 A economia brasileira 3 Atividade econômica 4 Perspectivas

Leia mais

Relatório Mensal de Câmbio e Macroeconomia. Abril/15 INTL FCStone Inc.

Relatório Mensal de Câmbio e Macroeconomia. Abril/15 INTL FCStone Inc. Relatório Mensal de Câmbio e Macroeconomia Abril/15 INTL FCStone Inc. Aviso Legal A negociação de derivativos, tais como futuros, opções e swaps pode não ser adequada para todos os investidores. A negociação

Leia mais

Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada

Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada Política Industrial para a retomada do desenvolvimento Painel 1: Caminhos para a retomada Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 05 de Outubro de 2015 ECONOMIA INTERNACIONAL: TAXAS DE JUROS DE

Leia mais

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti Brasil: Conjuntura e Perspectivas Prof. Dr. Fernando Sarti Centro Altos Estudos Brasil Século XXI - UNICAMP Fundação Desenvolvimento da Unicamp-FUNCAMP Brasília, Se da Andifes, 25 fevereiro 2016 Estrutura

Leia mais

Os desafios da economia. Economista Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Outubro/2014

Os desafios da economia. Economista Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Outubro/2014 Os desafios da economia Economista Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Outubro/2014 Os desafios da economia Correção dos rumos da política econômica. Muito mais do que necessidade: É inevitável. Sem ajustes:

Leia mais

CRESCIMENTO DO PIB MUNDIAL (%)

CRESCIMENTO DO PIB MUNDIAL (%) 1 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 CRESCIMENTO DO PIB

Leia mais

O desafio da produtividade

O desafio da produtividade O desafio da produtividade 21º Seminário Dia da Qualidade Caxias CIC Renato da Fonseca Caxias do Sul, RS, 20/07/2015 Roteiro 1. O estado da indústria e da economia brasileira 2. Baixa competitividade:

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA: NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO EM UM AMBIENTE DE INCIPIENTE RECUPERAÇÃO GLOBAL

ECONOMIA BRASILEIRA: NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO EM UM AMBIENTE DE INCIPIENTE RECUPERAÇÃO GLOBAL APRESENTAÇÃO INSTITUTO DE ECONOMIA DA UNICAMP ECONOMIA BRASILEIRA: NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO EM UM AMBIENTE DE INCIPIENTE RECUPERAÇÃO GLOBAL 1 1 5 de setembro de 2014

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS AGOSTO/2016 Resumo de desempenho Agosto 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês anterior

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 11/06/11 11/07/11 11/08/11 11/09/11 11/10/11 11/11/11 11/12/11 11/01/12 11/02/12 11/03/12 11/04/12 11/05/12 11/06/12 11/07/12 11/08/12 11/09/12 11/10/12

Leia mais

Taxa de Câmbio e Indústria Brasileira

Taxa de Câmbio e Indústria Brasileira Taxa de Câmbio e Indústria Brasileira Agenda I. VALORIZAÇÃO CAMBIAL II. IMPACTOS SOBRE A INDÚSTRIA Taxa de Câmbio e Indústria Brasileira 1 I. VALORIZAÇÃO CAMBIAL Taxa de Câmbio e Indústria Brasileira 2

Leia mais

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 Os sérios desafios da economia Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 1 Os números da economia brasileira que o novo governo precisa enfrentar 11,089 milhões Número de desempregados no Brasil,

Leia mais

Acerto de contas. Cenário macroeconômico Agosto 2013

Acerto de contas. Cenário macroeconômico Agosto 2013 Acerto de contas Cenário macroeconômico Agosto 2013 Agenda: crescimento baixo com inflação Eleições crescimento versus Economia Mundial Variação do PIB, % a/a 5,5 4,5 3,5 2,5 1,5 0,5-0,5-1,5-2,5-3,5 Outros

Leia mais

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP José Ricardo Roriz Coelho

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP José Ricardo Roriz Coelho Departamento de Competitividade e Tecnologia ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES E OS FATORES-CHAVE PARA O BRASIL AVANÇAR EM COMPETITIVIDADE IC-FIESP 2014 José Ricardo Roriz Coelho PARTE I Novembro

Leia mais

! " #$!! %&!

!  #$!! %&! '(! " #$!! %&! ) *+!!, -./( ) Fornecedores Siderurgia Metalurgia Plásticos Tintas Componentes eletrônicos Autopeças Pneus Produtos da cadeia automotiva Automóveis Comerciais leves Caminhões Ônibus Máquinas

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Menor aversão ao risco, mesmo com incertezas domésticas A semana do dia 24 de março a primeiro de abril ficou marcada por movimentos favoráveis no mercado de câmbio e de juros, nas expectativas inflacionárias

Leia mais

A Determinação da Taxa de Juros no Brasil. Fevereiro de 2007

A Determinação da Taxa de Juros no Brasil. Fevereiro de 2007 A Determinação da Taxa de Juros no Brasil Fevereiro de 2007 1 A Determinação da Taxa de Juros no Brasil I. Importância do Controle da Inflação II. Alternativas de Regimes Monetários III. IV. Implementação

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA. Por José Augusto Arantes Savasini. Julho/ 2014

CONJUNTURA ECONÔMICA. Por José Augusto Arantes Savasini. Julho/ 2014 CONJUNTURA ECONÔMICA Por José Augusto Arantes Savasini Julho/ 2014 Copa do Mundo engraçada BRASIL Fiscal continua expansionista Trajetória do superávit primário para meta de 1,9% do PIB (R$ bilhões ac.

Leia mais

3º Trimestre de 2011

3º Trimestre de 2011 Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 3º Trimestre de 2011 Coordenação de Contas Nacionais 06 de dezembro de 2011 Revisões nas Contas Nacionais Trimestrais No 3º trimestre

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 19/05/2016 Próxima Atualização 15/06/2016 Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe Preparado pelo PE Probe para

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Seguindo os ventos externos A projeção do IPCA para os próximos 12 meses voltou a apresentar queda, contudo mesmo a estimativa para 2017 está ainda distante do centro da meta. Apesar das incertezas locais,

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Ancoragem das expectativas inflacionárias Por motivos internos e externos, na semana de 08 a 15 de abril, o prêmio de risco soberano brasileiro reduziu-se em 48 pontos básicos. A expectativa de um eventual

Leia mais

Banco de Dados Nov/10

Banco de Dados Nov/10 Banco de Dados Nov/10 Movimento mundial de desvalorização do dólar. Enfraquecimento da moeda americana. Moedas asiáticas Tailândia, Malásia, Cingapura. Moedas dos países do leste europeu: Hungria, Polônia,

Leia mais

Números da Indústria Gráfica Brasileira

Números da Indústria Gráfica Brasileira Ago/2016 Números da Indústria Gráfica Brasileira Números da Indústria Gráfica Brasileira Jun/2016 INDÚSTRIA GRÁFICA BRASILEIRA Exportação Importação Indústria Gráfica Brasileira em 2015 FOB - US$ 270,4

Leia mais

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE MINAS CAMINHOS PARA O CRESCIMENTO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE MINAS CAMINHOS PARA O CRESCIMENTO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE MINAS PALESTRA CAMINHOS PARA O CRESCIMENTO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Belo Horizonte, 30 de agosto de 2016 2 - REALIDADE BRASIL: PAÍS EXPORTADOR DE PESO

Leia mais

Transição incompleta e dilemas da ( macro) economia brasileira Gustavo H. B. Franco Agosto de 2011

Transição incompleta e dilemas da ( macro) economia brasileira Gustavo H. B. Franco Agosto de 2011 Transição incompleta e dilemas da ( macro) economia brasileira Gustavo H. B. Franco Agosto de 2011 TEMAS DOIS GRANDES TEMAS, micro e macro 1. Inserção externa: abertura 2.0 e projeção internacional, competitividade

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 11/03/2016 Próxima Atualização 11/04/2016 I. Principais indicadores macroeconómicos entre Portugal-Brasil 2016 População,

Leia mais

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA 1. OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA GRÁFICO B.1: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR FONTE GRÁFICO B.2: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR REGIÃO (*) (*) Excluindo bunkers marítimos internacionais

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 09 setembro 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais