Potencial Económico da Língua Portuguesa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Potencial Económico da Língua Portuguesa"

Transcrição

1 Potencial Económico da Língua Portuguesa Coordenação: Luís Reto José Paulo Esperança Mohamed Azzim Gulamhussen Fernando Luís Machado António Firmino da Costa

2

3 Índice ÍNDICE DE FIGURAS ÍNDICE DE QUADROS LISTA DE ACRÓNIMOS AGRADECIMENTOS PREFÁCIO A Língua na Rota da Economia INTRODUÇÃO PARTE I Valor agregado: Posição relativa, peso no PIB e efeitos de rede nas transações com o exterior O PORTUGUÊS NO CONTEXTO DAS LÍNGUAS MUNDIAIS Hierarquizações Divergentes O Português no Mundo Comparação com os Principais Idiomas Barómetro Calvet 46 Língua e Cultura Língua e Cultura Portuguesas no Mundo Ensino e Difusão. 55 Síntese EFEITOS DE REDE E VALOR ECONÓMICO DA LÍNGUA Importância Estratégica Efeito de Rede A Observação Empírica Síntese

4 8 POTENCIAL ECONÓMICO DA LÍNGUA PORTUGUESA 3. VALOR DA LÌNGUA E DAS INDÚSTRIAS CULTURAIS E CRIATIVAS EM PERCENTAGEM DO PIB Indústrias Culturais e Criativas Síntese COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO (IDE) Investimento Direto Estrangeiro Relação entre Comércio Externo e Investimento Direto Estrangeiro Síntese FLUXOS MIGRATÓRIOS E TURISMO Turismo Síntese PARTE II Valor para o utilizador: Usos e perceção dos utilizadores da língua USOS DA LÍNGUA PORTUGUESA E DE OUTRAS LÍNGUAS APRENDIZAGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA A VALIAÇÕES E CONHECIMENTOS SOBRE A LÍNGUA PORTUGUESA PERSONALIDADES E MARCAS SÍNTESE E CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DEFINIÇÕES NOTAS METODOLÓGICAS SOBRE OS DADOS RELATIVOS A IMIGRANTES EM PORTUGAL E A EMIGRANTES PORTUGUESES ( ) ANEXOS

5 PARTE I Valor agregado: Posição relativa, peso no PIB e efeitos de rede nas transações com o exterior

6

7 Os estudos sobre o valor económico das línguas (Grin, 2003) têm sublinhado o seu valor em diferentes aspetos: enquanto elemento do capital humano dos indivíduos com fluência num idioma; na correlação positiva entre o seu valor e o número de utilizadores; no seu impacto nas relações com o exterior, sendo o comércio externo o mais estudado. Os modelos gravitacionais (Gould, 2004) sugerem que a proximidade linguística e a dimensão demográfica e económica de dois países favorecem o comércio entre eles. O Capítulo 1 começa pela medição da posição relativa da língua portuguesa, tendo em conta o número, riqueza e área ocupada pelos seus falantes. Com base nos diversos observatórios e noutras fontes, compara -se a língua portuguesa, tendo em conta o seu peso na Internet, na produção científica, na cultura e no ensino e na intercompreensão, com outros idiomas de origem latina. Após uma revisão bibliográfica sobre o valor económico e os efeitos de rede (Capítulo 3), o Capítulo 4 apresenta o valor da língua em percentagem do PIB português, seguindo a metodologia de Martin Municio (2003) para o espanhol, para além de uma análise das indústrias culturais e criativas cujo conteúdo linguístico é dos mais elevados.

8 38 POTENCIAL ECONÓMICO DA LÍNGUA PORTUGUESA Os Capítulos 5 e 6 exploram as implicações da proximidade linguística para o comércio externo, o investimento direto estrangeiro (IDE) e as deslocações de pessoas migrações e turismo, na perspetiva portuguesa. O grau de proximidade linguística foi medido através da subdivisão dos países em quatro grupos, com obstáculo crescente à compreensão língua portuguesa, espanhola, inglesa e outros idiomas. Os resultados confirmam o enorme impacto da proximidade linguística sobre os fluxos migratórios e revelam que o efeito sobre o IDE é muito mais significativo do que sobre o comércio externo, sugerindo um enviesamento da investigação empírica a favor desta variável.

9 CAPÍTULO 1 O Português no Contexto das Línguas Mundiais Hierarquizações Divergentes O exercício de construir uma ordenação das principais línguas do planeta parece à partida muito fácil, mas é uma tarefa bem mais complexa do que o esperado. A primeira dificuldade encontra -se desde logo na forma como se classifica a língua. Contam -se apenas as populações que a usam como primeira língua ou integram -se nos cálculos aqueles que a falam e dominam como segunda língua? Ordenam -se as línguas pela sua influência mundial e utilização nos fóruns internacionais? Se este critério for colocado em primeiro lugar, a importância do francês e do alemão é mais elevada do que se for considerado o número dos seus falantes de língua materna. Um outro fator, de natureza mais subjetiva, diz respeito à escola dos autores destas hierarquizações. As suas preferências ou omissões contaminam normalmente os critérios de ordenação que adotam. Em síntese, há ordenações para todos os gostos. No quadro seguinte são apresentadas quatro fontes distintas, salientando- -se desde já que em três delas o português é colocado em sétimo lugar e numa em quarto lugar.

10 40 POTENCIAL ECONÓMICO DA LÍNGUA PORTUGUESA Quadro 1.1 Número de falantes e posição relativa das 10 principais línguas mundiais Ethnologue (Lewis, 2009) Baromètre Calvet des langues du monde (Portalingua, 2011) Observatório da Língua Portuguesa, 2010 Ostler, 2005 Posição relativa Língua N.º de falantes como 1.ª língua (milhões) Língua N.º de falantes como 1.ª língua (milhões) Língua N.º de falantes como 1.ª língua (milhões) Língua N.º de falantes como 1.ª ou 2.ª língua (milhões) 1.º Chinês (Mandarim) 1213 (845) Mandarim 845 Mandarim 845 Chinês (Mandarim) 2.º Espanhol 329 Espanhol 329 Espanhol 329 Inglês º Inglês 328 Inglês 328 Inglês 328 Hindi º Árabe 221 Árabe 222 Português 240 Espanhol º Hindi 182 Hindi 182 Hindi 182 Russo º Bengali 181 Bengali 181 Bengali 181 Bengali º Português 178 Português 178 Russo 144 Português º Russo 144 Russo 143 Japonês 122 Alemão º Japonês 122 Japonês 122 Alemão 90 Francês º Alemão 90 Alemão 90 Javanês 85 Japonês 126 Fontes: Lewis, M. Paul (ed.) (2009), Ethnologue: Languages of the World, 16.ª ed., Dallas, SIL International (http://www. ethnologue.com). Calvet, Alain e Calvet, Louis -Jean (2011), Baromètre Calvet des langues du monde, in Portalingua: Observatoire des langues dans la connaissance (http://www.portalingua.info). Observatório da Língua Portuguesa (2010) (http://www.lingua -lp.sapo.pt). Ostler, Nicholas (2005), Empires of the Word: A Language History of the World, New York, Harper Quando se considera apenas o número de pessoas que usam uma língua como primeira língua, como é o caso de Lewis, do Portalíngua e do Observatório da Língua Portuguesa, verifica -se que até ao 10.º lugar os dois primeiros coincidem totalmente. O Observatório, por seu lado, não contempla o árabe, introduz o javanês, coloca o português em quarto lugar em vez de sétimo e sobe o alemão da décima para a nona posição. Estas diferenças devem -se, no caso do português, a uma profunda desatualização das estatísticas demográficas por parte das restantes fontes. De facto, só o Brasil atingiu a cifra de 200 milhões no último censo, pelo que é fácil constatar a

11 O PORTUGUÊS NO CONTEXTO DAS LÍNGUAS MUNDIAIS 41 desatualização dos números utilizados. Quanto ao árabe, o Observatório não o considera verdadeiramente uma língua unificada, tal como acontece com a classificação de Ostler. Aliás, se o português e o espanhol fossem tratados como o árabe nos dois observatórios, o que se poderia justificar dado o seu elevado grau de intercompreensão, teríamos o «portunhol» como segunda língua materna mundial. Este último autor é o mais difícil de comparar, pois utiliza na sua classificação, em simultâneo, o número de pessoas que usam um idioma como primeira ou como segunda língua. Embora aumente o número de falantes do português, este mantém a sétima posição. Análise feita, considera -se que a classificação do Observatório é a mais atualizada, a este respeito. Apesar destas divergências, é bem visível o lugar de destaque que o português ocupa no panorama linguístico internacional. Cabe a todos os beneficiários desse património potenciar essa posição relativa e tornar o português numa língua de destaque nos negócios, na cultura e na política internacional. O Português no Mundo Embora Portugal possa ser considerado o país pioneiro da globalização, a influência da sua língua manteve -se bastante aquém da de outros idiomas de origem europeia, como o inglês, o espanhol, o francês, o alemão ou o russo. Foi necessário esperar pelo crescimento populacional e pela afirmação económica do Brasil e das ex -colónias africanas, para que o português encontrasse o seu lugar entre as línguas mais influentes na esfera internacional, logo a seguir ao inglês e ao espanhol. Dado que os processos de globalização atuais ultrapassam em muito a vertente económica direta, possibilitando e acelerando as trocas a todos os níveis, a língua pode ser hoje, para Portugal,

12 42 POTENCIAL ECONÓMICO DA LÍNGUA PORTUGUESA um ativo valioso no contexto internacional, a nível político, cultural e económico. A expansão marítima dos séculos XV e XVI levou a que uma língua inicialmente falada por cerca de um milhão de pessoas se estendesse por vários continentes, com particular incidência na América do Sul, África e em alguns pontos da Ásia. Além de Portugal, o português tornou -se a língua oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné -Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor -Leste. O quadro 1.2 apresenta os valores das populações desses países. Se bem que nem todos os naturais de alguns deles (nomeadamente os africanos e de Timor) tenham o português como língua materna, os valores constantes do quadro 1.2 constituem uma boa aproximação geral ao universo falante, ou potencialmente falante, do português enquanto língua principal. Quadro 1.2 Falantes nativos de português no mundo em 2010 Países de Língua Portuguesa População (milhões) Ranking mundial de população PIB (milhões ) Ranking mundial de PIB Brasil 203, Moçambique 22, Angola 13, Portugal 10, Guiné-Bissau 1, Timor-Leste 1, Cabo Verde 0, São Tomé e Príncipe 0, Total 254, Percentagem da população mundial 3,66% 3,85% Fonte: População CIA, Country Comparison Population, julho de PIB World Development Indicators database, Banco Mundial, julho de 2011 (valores convertidos para usando a taxa de conversão EUR/US de EUR = 1,3384 US). O PIB mundial era, em 2010, de milhões de euros.

13 O PORTUGUÊS NO CONTEXTO DAS LÍNGUAS MUNDIAIS 43 Estes dados mostram que o conjunto de habitantes dos países de língua oficial portuguesa representa 3,66% da população mundial, enquanto o PIB destes países atinge 3,85% da riqueza total gerada no planeta. Por outro lado, o conjunto dos países de língua oficial portuguesa ocupa uma superfície total de 10,8 milhões de quilómetros quadrados, dimensão muito próxima, por exemplo, dos cerca de 12 milhões dos países de expressão espanhola, segundo Garcia Delgado (2010). A superfície total dos países de língua oficial portuguesa representa 7,25% dos cerca de 148,9 milhões de quilómetros quadrados da superfície terrestre do planeta. É importante sublinhar que todos os países se localizam em zonas temperadas, tropicais ou equatoriais, ocupando assim uma percentagem ainda maior da zona habitável, de onde haveria que excluir a Antártida e partes substanciais da Gronelândia, Rússia e Canadá. Em consequência, os recursos naturais deste espaço são muito significativos, com destaque para as reservas de água doce e solo arável, ainda largamente subaproveitados, sobretudo em Angola e Moçambique. Alguns falantes nativos permanecem ainda noutros pequenos territórios, tais como Goa (Índia) e Macau (China), para além dos emigrantes portugueses que se encontram um pouco por todo o mundo, estimados aproximadamente em cinco milhões de pessoas. A estes acrescem ainda os emigrantes para fora do espaço lusófono provenientes do Brasil e dos países da África e da Ásia de língua oficial portuguesa. É também interessante medir, embora de forma aproximativa, a riqueza da diáspora portuguesa o valor criado pelos emigrantes, assumindo que, em cada país hospedeiro, auferem um rendimento equivalente à média desses países (Quadro 1.3). Deste modo, a riqueza dos falantes de português países de língua oficial portuguesa, mais diáspora nacional atinge milhões de euros, ou seja, 3,9% do PIB mundial. A este valor deveria acrescentar -se a riqueza das diásporas dos países de língua oficial portuguesa, à exceção da de Portugal, já considerada.

14 44 POTENCIAL ECONÓMICO DA LÍNGUA PORTUGUESA Quadro 1.3 Riqueza dos emigrantes portugueses por país de destino (2010) País Emigrantes (milhares) População residente (milhares) PIB (milhões ) Riqueza dos emigrantes portugueses (milhões ) França Suíça EUA Espanha Alemanha Angola Reino Unido Luxemburgo Canadá Bélgica Venezuela Brasil África do Sul Cabo Verde Total Fonte: Observatório da Emigração. PIB World Development Indicators database, Banco Mundial, julho de 2011 (valores convertidos para usando a taxa de conversão EUR/US de EUR = 1,3384 US). Como atrás se viu, as diversas ordenações colocam o português como uma das línguas mundiais de maior peso. A língua portuguesa inspirou também uma comunidade a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, que reúne todos os países de língua oficial portuguesa. Esta associação tem semelhanças com a Commonwealth (países falantes do inglês), com La Francophonie (países falantes do francês) ou com a Liga de Estados Árabes (falantes do árabe) (Karim, 1995). Outra dimensão importante à escala internacional diz respeito à utilização da Internet, espaço em que a língua portuguesa tem vindo a registar um crescimento muito acentuado, como pode constatar -se no quadro 1.4.

15 O PORTUGUÊS NO CONTEXTO DAS LÍNGUAS MUNDIAIS 45 Quadro 1.4 Utilizadores de Internet e total de falantes por língua (milhões) 10 línguas principais Total de utilizadores da Internet (%) Utilizadores da Internet (milhões) Acesso à Internet (%) Crescimento da Internet ( ) (%) Utilizadores da língua (2008) (milhões) Inglês 30, ,0 201, Chinês 16, ,1 622, Espanhol 8, ,1 395,7 452 Japonês 6, ,8 99,7 127 Francês 4, ,4 451,8 410 Alemão 4, ,0 129,6 96 Árabe 4, ,7 2062,2 357 Português 4, ,3 668,0 240 Coreano 2, ,9 82,9 73 Italiano 2, ,9 155,4 58 Top 10 84, ,9 263, Outras 15, ,6 556, Total mundial 100, ,1 290, Fonte: Nesta década, o português tornou -se uma língua proeminente nos meios de comunicação emergentes proporcionados pela Internet. Através das Estatísticas Mundiais da Internet (2008), verifica -se que o português se encontra na oitava posição e em expansão estando a ser objeto, aliás, de uma das mais elevadas taxas de crescimento. A influência da língua portuguesa pode, por conseguinte, tender a expandir -se, não só pela via do crescimento demográfico, mas também dos dispositivos tecnológicos e dos conteúdos virtuais próprios da sociedade em rede (Castells, 2001), decisivos na era da informação e da economia baseada no conhecimento. São processos que podem proporcionar crescentes efeitos de rede, a par dos efeitos relacionados com os fluxos migratórios, comerciais e culturais, como se analisa no capítulo seguinte.

16 46 POTENCIAL ECONÓMICO DA LÍNGUA PORTUGUESA Nestas circunstâncias, o português tem hoje possibilidades, como argumenta Silva (2005), de evoluir de língua internacional de um bloco linguístico para uma efetiva língua de comunicação global. Comparação com os Principais Idiomas Barómetro Calvet De entre os observatórios de línguas existentes considera -se ser de destacar o que foi desenvolvido por Calvet, dado que não se limita a questões estritamente linguísticas, o que torna interessante ver a posição do português nos diferentes parâmetros por ele utilizados. É de assinalar, no entanto, uma certa desatualização de algumas estatísticas constantes no observatório, particularmente evidentes no caso do português. O observatório das línguas desenvolvido por Calvet é seguramente discutível ao nível dos parâmetros e das ponderações, mas constitui uma análise sistemática e integradora da posição relativa das línguas contemporâneas. O seguinte quadro apresenta a síntese dos 10 parâmetros e respetivas definições, com base no referido observatório. Definição dos dez parâmetros do barómetro Calvet 1. Número de falantes: Trata -se do número de falantes de primeira língua, tal como é enunciado no sítio Ethnologue (http://www.ethnologue.com/web.asp). 2. Entropia: É o elemento que quantifica a «desordem». A entropia não está associada ao número global de falantes de uma língua, mas antes ao modo como os mesmos se encontram repartidos na região ou regiões onde a língua em questão é falada. Maior dispersão por países conduz a maior entropia.

17 O PORTUGUÊS NO CONTEXTO DAS LÍNGUAS MUNDIAIS Índice de desenvolvimento humano: Os dados afetos ao índice de desenvolvimento humano, utilizados no barómetro Calvet, encontram -se disponíveis no sítio das Nações Unidas (http://hdr.undp.org/en/reports/global/hdr2009/). Por outro lado, a fim de se atribuir um valor a cada língua, estabeleceu -se uma média ponderada do índice em cada um dos países onde a língua é falada, com a condição de que o número de falantes, no país considerado, seja pelo menos igual a 1% do número de falantes da língua no mundo. 4. Índice de fecundidade: Mede o número de filhos por mulher. De modo a atribuir um valor a cada língua, o barómetro Calvet que utiliza dados publicados no sítio das Nações Unidas (http://hdr.undp.org/en/reports/global/hdr2009/) estabelece uma média ponderada do índice de fecundidade em cada um dos países onde a língua é falada, desde que o número de falantes no país em questão seja pelo menos igual a 1% do número de falantes da língua no mundo. 5. Índice de penetração da Internet: Corresponde ao número de utilizadores da Internet dividido pela população total do país. Os dados utilizados provêm do sítio World Stats (www. internetworldstats.com/stats.htm). O barómetro Calvet estabelece uma média ponderada do índice em cada um dos países nos quais a língua é falada, com a condição de que o número de falantes no país considerado seja pelo menos igual a 1% do número de falantes da língua no mundo. 6. Número de artigos na Wikipédia: Os números utilizados correspondem à soma de todos os artigos publicados na Wikipédia, desde a sua origem até 23 de novembro de Línguas oficiais: Foram apenas contabilizadas as línguas oficiais de jure, na lista estabelecida pelo sítio da Université Laval (www.tlfq.ulaval.ca/axl/). Contudo, o barómetro Calvet discorda da lista referida no sítio, no seguinte ponto: por vezes, o sítio em questão contabiliza a mesma língua para um país e para uma ou duas regiões do país em questão.

18 48 POTENCIAL ECONÓMICO DA LÍNGUA PORTUGUESA 8. Prémio Nobel da literatura: Atribui -se o prémio à língua em que o autor escreveu a obra que foi laureada. Os dados aqui utilizados estão disponíveis no sítio 9. e 10. Traduções língua -fonte e língua -alvo: Os dados aqui utilizados encontram -se no sítio da UNESCO Index translationum (http://databases.unesco.org/xtrans/stat/ xtrans Stat.html). No caso do árabe, é preciso ter em conta que existe um árabe «padrão» e mais de 25 «árabes» dialetais. Contudo, os dados relativos ao árabe padrão são atribuídos unicamente a este idioma. Estas considerações aplicam -se tanto no caso das línguas -fonte como no das línguas -alvo. Quadro 1.5 Barómetro Calvet comparação entre o português e o primeiro idioma de cada parâmetro Português Primeiro Valor Posição relativa Idioma Valor Número de falantes Mandarim Entropia 0, Espanhol 2,52 Índice de desenvolvimento humano 0, Sueco 0,9629 Taxa de fecundidade 1, Luba-kasai 6,1 Índice de penetração da Internet 34, Inglês 88,9944 Número de artigos na Wikipédia Inglês Línguas oficiais 8 5 Inglês 63 Prémio Nobel da literatura 1 12 Inglês 27 Traduções: língua de origem Inglês Traduções: língua de destino Alemão Fonte: Observatório Calvet. Consulta efetuada em março de O luba -kasai é uma língua banto falada na República Democrática do Congo (Wikipédia). É importante sublinhar que um valor elevado nos diversos parâmetros tende a reforçar a posição relativa de uma língua, com exceção do parâmetro 2, entropia. Neste caso, a dispersão dos falantes por diversos países agrava o risco de desagregação da língua, com dificuldade de intercompreensão dos seus utilizadores, à semelhança do que foi acontecendo com o latim e já é visível entre alguns tipos de inglês como língua materna. O barómetro mostra que o português ocupa uma posição relevante na dimensão demográfica, ao ser usado como língua materna por perto de 200 milhões de pessoas, no número de

19 O PORTUGUÊS NO CONTEXTO DAS LÍNGUAS MUNDIAIS 49 países de língua oficial portuguesa e, ao nível cultural, como destino de um volume relativamente elevado de traduções e também de contribuições para a Wikipédia. No entanto, os indicadores relativos ao índice de desenvolvimento humano, as traduções a partir de originais em português, e as páginas na Internet, revelam uma posição mais desfavorável. Calvet (2010) alerta para a possibilidade de intervenção relativamente a algumas das variáveis, numa política ativa de desenvolvimento duma língua presença na Wikipédia e na Internet, e traduções de origem e destino. As outras variáveis são menos sensíveis a políticas públicas de promoção da língua. O português revela, nestas variáveis, um forte potencial de desenvolvimento, com destaque para as traduções a partir do português, dado o baixo nível de reconhecimento internacional da produção literária em português. A reduzida presença internacional das editoras especializadas na produção em português literária, musical e cinematográfica sugere um elevado potencial de difusão destes produtos no interior do espaço lusófono, onde o grau de interconhecimento, por exemplo, entre Portugal e o Brasil, ainda é reduzido, apesar da notoriedade que autores dos diversos países de língua oficial portuguesa têm vindo a obter. O quadro seguinte (1.6) apresenta a posição relativa de um conjunto selecionado de idiomas caracterizados pelo seu nível de dispersão geográfica e atração como segunda língua, em que se confirma a superioridade do inglês pelo peso cultural e económico dos seus utilizadores. No entanto, é interessante verificar que outros idiomas, de utilização dispersa por vários países, disputam a primazia ao inglês em dimensões como a tradução para o seu idioma (alemão) ou o número de utilizadores como língua materna (espanhol). A comparação do português com a língua espanhola revela ainda um menor dinamismo cultural prémios Nobel da literatura, traduções de e para o idioma, mas um maior volume de produção ao nível do número de artigos na Wikipédia, o que sugere uma elevada adesão a novos

20 50 POTENCIAL ECONÓMICO DA LÍNGUA PORTUGUESA meios de comunicação e divulgação da informação. Este aspeto é corroborado pela elevada taxa de crescimento na utilização da Internet. Quadro 1.6 Barómetro Calvet comparação entre vários países Número de locutores (milhões) Entropia Índice de desenvolvimento humano Índice de fecundidade Índice de penetração da Internet Índice Ranking Índice Ranking Índice Ranking Índice Ranking Índice Ranking Alemão , , , ,47 12 Árabe ,39 2 0, , ,64 67 Espanhol ,52 1 0, , ,60 29 Francês , ,96 3 1, ,16 11 Inglês , , , ,55 7 Português , , , ,45 32 Russo , , , ,41 38 Número de artigos na Wikipédia Línguas oficiais Prémio Nobel da Literatura Traduções: língua-fonte Traduções: língua-alvo Índice Ranking Índice Ranking Índice Ranking Índice Ranking Índice Ranking Alemão Árabe Espanhol Francês Inglês Português Russo Fonte: Observatório Calvet. Consulta efetuada em março de Para além da posição relativa do português nos vários parâmetros utilizados pelos diferentes observatórios, é importante realçar outro campo onde a guerra pela afirmação da língua a nível mundial é decisiva o campo científico.

21 O PORTUGUÊS NO CONTEXTO DAS LÍNGUAS MUNDIAIS 51 Neste domínio, é de importância vital o desenvolvimento de bases de dados que compitam com as bases em língua inglesa e que, no limite, obriguem os grandes atores que fazem a sua gestão a integrarem de forma massiva as revistas científicas publicadas em português e espanhol. Este é um campo em que as diplomacias ibero -americanas deveriam desempenhar um papel muito mais ativo. Apenas como exemplo, e dada a sua importância crescente, destaca -se aqui uma das bases de dados de revistas científicas de origem ibero -americana a coleção SciELO. O sítio da SciELO (Scientific Electronic Library Online) define -a como uma biblioteca eletrónica que reúne uma coleção selecionada de periódicos científicos brasileiros. A SciELO resulta da parceria entre a FAPESP Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo e a BIREME Centro Latino -Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde e, a partir de 2002, o CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Brasil. O objetivo desta parceria consiste no desenvolvimento de uma metodologia comum para a preparação, armazenamento, disseminação e avaliação da produção científica em formato eletrónico. Quadro 1.7 Evolução da colecção SciELO ( ) País Tipo Taxa de crescimento ( ) 2009 Taxa de crescimento ( ) Brasil Periódicos Fascículos Artigos % 21% 27% % Chile Periódicos Fascículos Artigos % 29% 28% 83 60% Colômbia Periódicos Fascículos Artigos % 51% 82% 68 74% Argentina Periódicos Fascículos Artigos % 8% 7% 56 60%

22 52 POTENCIAL ECONÓMICO DA LÍNGUA PORTUGUESA País Tipo Taxa de crescimento ( ) 2009 Taxa de crescimento ( ) Venezuela Periódicos Fascículos Artigos % 8% 23% 49 29% Espanha Periódicos Fascículos Artigos % 09% 12% 41 71% Cuba Periódicos Fascículos Artigos % 18% -2% 27 29% Portugal Periódicos Fascículos Artigos % 15% 16% % México Periódicos Fascículos Artigos % 13% -18% % Tanto Portugal como o Brasil registam um crescimento acentuado da produção de periódicos, fascículos e artigos. Ainda que a comparação, baseada exclusivamente na quantidade, possa ser insuficiente, é notável que o Brasil tenha, por si só, uma produção de artigos superior à de todos os restantes países ibero -americanos incluídos no quadro. A integração negociada desta base de dados no ISI (International Scientific Index) ou na Scopus, uma base de dados que engloba cerca de 5000 editores, teria um impacto muito positivo na divulgação da ciência que se produz em português e em espanhol e levaria a um aumento considerável do número e da qualidade destas publicações pelo valor que acrescentariam à carreira académica dos investigadores latinos. A intercompreensão das línguas latinas Outra dimensão importante para o posicionamento do português diz respeito ao nível de intercompreensão com outros idiomas. Neste âmbito são, naturalmente, as outras línguas vivas,

Dinâmicas de rede e valor económico da língua portuguesa

Dinâmicas de rede e valor económico da língua portuguesa 1 Jornada de Diplomacia Económica ISEG 5.12.2012 Dinâmicas de rede e valor económico da língua portuguesa jose.esperanca@iscte.pt 2 As línguas no mundo Ecologia da Língua (Calvet) 3 Hipercentral Inglês

Leia mais

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E Paternoster Square Londres ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS Francisco Cary 19 de Maio de 2011 O Mercado dos Países

Leia mais

[Aprender Português / Portugiesisch lernen]

[Aprender Português / Portugiesisch lernen] [Aprender Português / Portugiesisch lernen] Sabias que segundo a última edição do livro The Ethnologue: languages of the world, o número de línguas faladas no mundo é de 6912. 1. Analisa o seguinte ranking

Leia mais

Valor económico da língua portuguesa

Valor económico da língua portuguesa 1 Seminário Diplomático 2013 PROJETAR PORTUGAL Fundação Champalimaud, 4.1.2013 Valor económico da língua portuguesa jose.esperanca@iscte.pt 2 As línguas no mundo Ecologia da Língua (Calvet) 3 Hipercentral

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão Alexandre Panosso Netto Escola de Artes, Ciências e Humanidades Universidade de São Paulo Fábia Trentin Departamento

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

População estrangeira em Portugal modera crescimento

População estrangeira em Portugal modera crescimento As expressões sublinhadas encontram-se explicadas no final do texto População estrangeira em Portugal modera crescimento Em 2002, a população estrangeira com a situação regularizada, estatuto de residente

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

SEMINÁRIO Exportar para o México

SEMINÁRIO Exportar para o México SEMINÁRIO Exportar para o México Gonçalo Gaspar Diretor Direção Internacional de Negócio da CGD Porto, 26 de Setembro de 2012 1 Índice México: relacionamento comercial com Portugal Grupo CGD: Presença

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Trends in International Migration: SOPEMI - 2004 Edition. Tendências da Migração Internacional: SOPEMI Edição 2004 INTRODUÇÃO GERAL

Trends in International Migration: SOPEMI - 2004 Edition. Tendências da Migração Internacional: SOPEMI Edição 2004 INTRODUÇÃO GERAL Trends in International Migration: SOPEMI - 2004 Edition Summary in Portuguese Tendências da Migração Internacional: SOPEMI Edição 2004 Sumário em Português INTRODUÇÃO GERAL De John P. Martin Diretor do

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

A evolução dos periódicos brasileiros e o acesso aberto

A evolução dos periódicos brasileiros e o acesso aberto XVII Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias Gramado, 16-18 de Setembro de 2012 A evolução dos periódicos brasileiros e o acesso aberto Lewis Joel Greene Editor, Brazilian Journal of Medical and

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

Feiras livres e mercados no espaço lusófono: aspectos metodológicos

Feiras livres e mercados no espaço lusófono: aspectos metodológicos Iolanda Évora Feiras livres e mercados no espaço lusófono: aspectos metodológicos Apresentado no âmbito do Projecto Pró-África, CNPq - Visita Exploratória Feiras livres e mercados no espaço lusófono: trabalho,

Leia mais

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Tribunal de Contas da União, 17 de agosto de 2011 Plano Aquarela Desde 2005 é a base metodológica

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa?

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa? Porque é que o Turismo é essencial para a Economia Portuguesa? 14 milhões de hóspedes Vindos do Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Brasil, EUA Num leque de países que alarga ano após ano. 9,2 % do

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15 Agências de Viagens ÍNDICE Sumário Executivo 3 da procura - inverno 2014/15 Portugal - NUTS II Portugal - Principais NUTS II Principais 4 5 6 da procura - verão

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

A internacionalização da língua portuguesa. Difusão da Língua Portuguesa em Ensino a Distância. Metodologias de e-learning.

A internacionalização da língua portuguesa. Difusão da Língua Portuguesa em Ensino a Distância. Metodologias de e-learning. A internacionalização da língua portuguesa Difusão da Língua Portuguesa em Ensino a Distância. Metodologias de e-learning. Mário Filipe O ensino de línguas de grande difusão global é hoje servido por várias

Leia mais

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA.

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. - RESULTADOS PRELIMINARES - Alina Esteves Ana Estevens Jornadas de Reflexão 29 de Maio A Realidade da Imigração em Odemira

Leia mais

Demografia. População (milhões de habitantes) 1

Demografia. População (milhões de habitantes) 1 DEMOGRAFIA Em 2002, a população dos 38 Estados e territórios do espaço Caribe chega a quase 250 milhões de habitantes, com uma densidade populacional de 47 habitantes/km², representando 4% da população

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país Material embargado até dia 9 de novembro, às 11h do Brasil IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Assuntos Jurídicos 21.6.2012 2012/2038(INI) PROJETO DE RELATÓRIO sobre o relatório sobre a aplicação e os efeitos da Diretiva relativa ao direito de sequência

Leia mais

Políticas Públicas e Equidade em Saúde

Políticas Públicas e Equidade em Saúde Políticas Públicas e Equidade em Saúde 24 de abril de 2014 Coimbra Organização Mundial da Saúde (OMS) http://youtu.be/4misscgkvoc Regina Ungerer Coordenadora da rede eportuguêse eportuguese@who.int Saúde

Leia mais

A INOVAÇÃO EM PORTUGAL

A INOVAÇÃO EM PORTUGAL A INOVAÇÃO EM PORTUGAL Luís Portela BIAL 2 VIVEMOS NUM QUADRO DE PRONUNCIADO DUALISMO evolução notável na produção de conhecimento científico. acentuado desfasamento em comparação com as economias que

Leia mais

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Pretende se com este questionário conhecer a sua opinião sobre o (Ensino do) Português no Estrangeiro. Não existem respostas certas ou erradas.

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer pelo conjunto

Leia mais

O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina

O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina Informação 8 de Fevereiro de 2011 Campanha institucional do grupo Portucel Soporcel arranca hoje O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina Arranca hoje a nova campanha institucional

Leia mais

ESLC 2011 LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PROJAVI PROJETOS DE AVALIAÇÃO INTERNACIONAL DE ALUNOS

ESLC 2011 LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PROJAVI PROJETOS DE AVALIAÇÃO INTERNACIONAL DE ALUNOS 1 PROJAVI PROJETOS DE AVALIAÇÃO INTERNACIONAL DE ALUNOS 2 SUMÁRIO EXECUTIVO ESCL apresentação do estudo O primeiro Inquérito Europeu às Competências em Línguas (ESLC 1 ), iniciativa da Comissão Europeia,

Leia mais

Ingressos de Turistas Internacionais no RS por via de acesso

Ingressos de Turistas Internacionais no RS por via de acesso Anuário Estatístico de Turismo 2015 ano base 2014* *Publicado em 08/07/2015, pelo Ministério do Turismo. A publicação apresenta uma compilação de informações anuais relativas ao comportamento de diversos

Leia mais

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA December 2011 Espírito Santo Investment Bank Somos: A unidade de Banca de Investimento do Grupo Banco Espírito Santo O Banco de Investimento de

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE O I Seminário Internacional de Educação Superior na Comunidade de Países de Língua

Leia mais

AFIRMAÇÃO CULTURAL E DE SOBERANIA:

AFIRMAÇÃO CULTURAL E DE SOBERANIA: AFIRMAÇÃO CULTURAL E DE SOBERANIA: A LÍNGUA PORTUGUESA NA ERA DIGITAL ÁGORA Ciência e Sociedade, ciclo de conferências Universidade de Lisboa Auditório do Instituto para a Investigação Interdisciplinar,

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS VIII Jornada Científica REALITER Terminologia e Políticas linguísticas DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS Maria da Graça Krieger (kriegermg@gmail.com) Universidade do Vale

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

PESQUISA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS NA INTERNET. OLIVEIRA, Simone Lucas Gonçalves de

PESQUISA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS NA INTERNET. OLIVEIRA, Simone Lucas Gonçalves de PESQUISA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS NA INTERNET OLIVEIRA, Simone Lucas Gonçalves de SUMÁRIO ÍNDICE DE ILUSTRAÇÕES... 3 1. INTRODUÇÃO... 4 2. CONCEITOS SOBRE A INTERNET... 4 3. ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

CARDIOLOGIA EM PORTUGUÊS: UM SONHO PARA TORNAR REALIDADE?

CARDIOLOGIA EM PORTUGUÊS: UM SONHO PARA TORNAR REALIDADE? CARDIOLOGIA EM PORTUGUÊS: UM SONHO PARA TORNAR REALIDADE? CARDIOLOGY IN PORTUGUESE: A DREAM TO COME TRUE? Miguel Mendes (Portugal) 35º Congresso Português de Cardiologia 23 de maio de 2014 A expansão portuguesa

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

INSS Diretoria de Benefícios

INSS Diretoria de Benefícios IV CONFERÊNCIA BRASILEIROS NO MUNDO INSS Diretoria de Benefícios Praia do Forte, 20 de novembro de 2013 ACORDOS INTERNACIONAIS Globalização Principais objetivos ou finalidades dos Acordos Internacionais

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS

CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS laboratório associado Encontro de Ciência em Portugal 12 e 13 de Abril de 2007 Fundação Calouste Gulbenkian Lisboa LINHAS ESTRATÉGICAS Boaventura de Sousa Santos Comunidade ces

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CIÊNCIAS HUMANAS 3º ANO FILOSOFIA FILOSOFIA NA HISTÓRIA

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Náutica Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro para

Leia mais

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal 13 de Dezembro 2007 População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal A propósito do Dia Internacional dos Migrantes (18 de Dezembro), o Instituto Nacional de Estatística apresenta

Leia mais

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano.

Conteúdo: Aula: 1.1. - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Aula: 1.1 Conteúdo: - História da língua espanhola: surgimento, consolidação e expansão, e o contato com outras línguas. - Espanhol ou Castelhano. Habilidades: - Conhecer a origem e história da língua

Leia mais

EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA

EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA Msc. Nádia Estima de Castro nadia.castro@acad.pucrs.br +55 51 92388146 Doutoranda em Educação da Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional CIÊNCIAS HUMANAS (HISTÓRIA/ATUALIDADES/GEOGRAFIA) O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional das sociedades através dos tempos, observando os fatores econômico, histórico,

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Cenários da América Latina 2030

Cenários da América Latina 2030 Cenários da América Latina 2030 1. INTRODUÇÃO Entre 2010 e 2030, a maioria dos países da América Latina está comemorando 200 anos de independência em vários bicentenários da região. Como esses países olharam

Leia mais

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz Serviços Adicionais 12400 - Portal de Voz Descrição Totoloto, Totobola, Lotarias e Euro Milhões Pode conhecer os números do Euro Milhões meia hora antes do sorteio na TV. Saiba os resultados e o valor

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

O Potencial Universal e Económico do Português no Século XXI Luís Aguilar

O Potencial Universal e Económico do Português no Século XXI Luís Aguilar O Potencial Universal e Económico do Português no Século XXI Luís Aguilar Texto de apresentação da exposição Potencial Económico da Língua Portuguesa em 3 de junho de 2014, no Hall do Edifício da Caixa

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

eportuguêse eportuguêse Estratégia da OMS para o acesso à informação em saúde

eportuguêse eportuguêse Estratégia da OMS para o acesso à informação em saúde eportuguêse eportuguêse Estratégia da OMS para o acesso à informação em saúde II Reunião de Coordenação da rede BVS eportuguêse Maputo 17 a 20 de novembro de 2009 Rede eportuguêse Plataforma para fortalecer

Leia mais

TEMA: CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO. 1ª parte -Países desenvolvidos vs Países em desenvolvimento

TEMA: CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO. 1ª parte -Países desenvolvidos vs Países em desenvolvimento TEMA: CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO 1ª parte -Países desenvolvidos vs Países em desenvolvimento Questões de partida 1. Podemos medir os níveis de Desenvolvimento? Como? 2. Como se distribuem os valores

Leia mais

Retrato de Portugal alguns indicadores

Retrato de Portugal alguns indicadores Retrato de Portugal alguns indicadores Apresentação de Joel Felizes Resumo O Índice de Desenvolvimento Humano e o PIB A posição de Portugal vista em diversas dimensões Comparação a nível mundial e da UE

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

RPM International Inc. Instruções da linha direta

RPM International Inc. Instruções da linha direta RPM International Inc. Instruções da linha direta Embora, em geral, os problemas de conformidade possam ser solucionados a nível local, a linha direta da RPM International Inc. ( RPM ) oferece outro modo

Leia mais

Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa

Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa Índice 1. Países de Língua Portuguesa/Comunidade de Países de Língua Portuguesa 1.1 Potencialidades da Espaço Lusófono 1.2 Comunidades Económicas Regionais

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

Rita Barradas Barata Revista de Saúde Pública Multilingualismo Sentido ampliado: Diferentes culturas das disciplinas do campo Ciências Sociais em Saúde: Autor único Metodologias qualitativas Maior extensão

Leia mais

cargas tributárias para empresas no mundou

cargas tributárias para empresas no mundou Cliente: UHY Moreira Data: 04/10/2011 Veículo: Site Sped Contábil - Porto Alegre Seção/ Pág. : Impostos e Tributos HUhttp://spedcontabilspedfiscal.com.br/impostos-tributacao-arrecadacao/carga-tributaria-brasil-temuma-das-maiores-cargas-tributarias-para-empresas-no-mundo/U

Leia mais

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira Crescimento Econômico Professor Afonso Henriques Borges Ferreira PIB do Brasil 1947 / 2006 R$ de 1980 PIB do Brasil tendência linear Y t = Y 0 e rt ln Y t = ln Y 0 + rt 3 2 1 0-1 50 55 60 65 70 75 80 85

Leia mais

Acumulando Riqueza BEM VINDO Á GOLDBEX

Acumulando Riqueza BEM VINDO Á GOLDBEX Acumulando riqueza BEM VINDO Á GOLDBEX Goldbex proporciona uma excelente OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO NO SECTOR DO OURO PARA INVESTIMENTO a qualquer pessoa que deseje obter grandes volumes de rendimentos através

Leia mais

Questões Fundamentais do Desenvolvimento na CPLP: O Caso dos Países Africanos

Questões Fundamentais do Desenvolvimento na CPLP: O Caso dos Países Africanos Questões Fundamentais do Desenvolvimento na CPLP: O Caso dos Países Africanos João Estêvão ISEG Universidade Técnica de Lisboa Mestrado em Estudos Africanos e do Desenvolvimento IEE/UCP Colóquio CPLP e

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa *Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

dossier 2016 1.911.626 Utilizadores anuais a ferramenta de marketing on-line do sector suinícola

dossier 2016 1.911.626 Utilizadores anuais a ferramenta de marketing on-line do sector suinícola 1.911.626 Utilizadores anuais dossier 2016 www.3tres3.com.pt www.3tres3.com www.pig333.com www.3trois3.com www.3tre3.it www.3tres3iberico.com www.3trzy3.pl www.3drei3.de www.pig333.cn www.pig333.ru www.carndeporc.cat

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Comércio externo de moldes: Portugal, os últimos dez anos

Comércio externo de moldes: Portugal, os últimos dez anos Escola de EngenhariaUniversidade do Minho Departamento de Sistemas de Informação»«MERCADOS E NEGÓCIOS: DINÂMICAS E ESTRATÉGIAS Comércio externo de moldes: Portugal, os últimos dez anos Eduardo Beira WP

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. OBS: EM NEGRITO OS ENUNCIADOS, EM AZUL AS

Leia mais

Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006

Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006 Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006 1. Do objeto: O Ministério das Relações Exteriores (MRE), por intermédio do Departamento Cultural (DC), a Coordenação de Aperfeiçoamento

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE DE DIREITO FACULDADE DE DIREITO FACULDADE DE DIREITO SUMÁRIO A. Mestrado e Pós-Graduação em Direito em Língua Chinesa Língua veicular: Língua Chinesa Área de especialização: Variante em Ciências Jurídicas B. Mestrado

Leia mais

A emergência de um novo mundo no século XXI?

A emergência de um novo mundo no século XXI? A emergência de um novo mundo no século XXI? José Eustáquio Diniz Alves 1 A economia mundial deve crescer cerca de 4 vezes nos próximos 40 anos. Isto quer dizer que o Produto Interno Bruto (PIB) terá o

Leia mais