serviços Os melhores de Serviços Compartilhados Solví mira eficiência e produtividade das empresas do Grupo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "serviços Os melhores de Serviços Compartilhados Solví mira eficiência e produtividade das empresas do Grupo"

Transcrição

1 Ano III - número 7 fevereiro a abril de 2009 Os melhores serviços Centro de Serviços Compartilhados Solví mira eficiência e produtividade das empresas do Grupo

2 Sumário Marcello vitorino/fullpress Pescador no porto do mercado de Rio Grande, no Rio Grande do Sul 04 Entrevista Vicente Falconi fala sobre os métodos e resultados do INDG 13 Práticas de Sucesso Colaboradores da Koleta SP montam aquecedor com garrafas PET 06 Capa CSC: qualidade nos serviços prestados aos clientes internos 14 Práticas de Sucesso Projeto promove automatização dos almoxarifados do Grupo 08 Corporativo Projeto de Governança Corporativa atinge maturidade 15 Lugares Vega implanta serviços diferenciados em Rio Grande 09 Mercados e Negócios Essencis implanta manufatura reversa com tecnologia de ponta 18 Opinião Celina Joppert destaca o papel do líder coach 10 Instituto Solví Diretrizes incluem Programa de Voluntariado para os colaboradores 19 Notas 12 Práticas de Sucesso ADA adota transporte fluvial para levar insumos a Manaus 20 Em foco A revista Solví é uma publicação trimestral interna, editada pela Superintendência Estratégica de Talentos do Grupo Solví. Os textos assinados por articulistas não traduzem necessariamente a visão da empresa. Presidente: Carlos Leal Villa Diretor Técnico: Tadayuki Yoshimura Diretor Financeiro: Ricardo Froes Diretor de Saneamento: Masato Terada Diretora de Gestão de Riscos: Célia Francini Gerenciamento: Carlos Balote Coordenação: Fernanda Curcio Edição, reportagem e textos: Nilva Bianco (MTb 514/SC) Fotografia: Marcello Vitorino (Mtb /SP) Projeto editorial e gráfico: Fullpress textos, fotos & idéias Colaboradores: Mônica Pontes (revisão), Rafael Escudeiro e Thais Escudeiro (revisão espanhol), Celina Joppert (artigo), Rabiscos (ilustrações) Capa: Marcello Vitorino/Fullpress Impressão: D Lippi Print Tiragem: exemplares Comentários e sugestões: Rua Bela Cintra, 967, 10º andar, Bela Vista, São Paulo, SP, CEP

3 editorial Nós da Solví temos o verdadeiro privilégio de atuar na área ambiental, que possui enorme relevância nos dias de hoje. Se por um lado vivemos em plena era do aquecimento global, por outro nunca se viu tantas ações em busca de alternativas que permitam às futuras gerações viver em um planeta sadio. Esse é o nosso desafio, dia a dia, por trás de cada contrato, de cada serviço que efetuamos: fazer diferença não apenas no aspecto financeiro e funcional, mas no que diz respeito ao meio ambiente e à sociedade. Para isso temos que ser ousados, criativos, inovadores, trabalhando no sentido de descobrir e desenvolver soluções que ajudem os clientes e poupem o meio ambiente. Esta edição da Revista Solví está repleta de histórias nas quais brilham idéias e soluções inovadoras. A Criação do Centro de Serviços Compartilhados, CSC, por exemplo, demonstra a disposição da Solví em inovar para aprimorar o atendimento aos seus clientes internos. Eles agora contam com o suporte de uma unidade independente e totalmente focada na prestação de serviços, o que inclui o estabelecimento de metas e métricas claras em termos de qualidade e desempenho. No que diz respeito ao desenvolvimento de novas tecnologias para a destinação de resíduos, a Essencis dá o exemplo, com o desenvolvimento de um equipamento de ponta para a manufatura reversa de refrigeradores, o que significa 100% de reaproveitamento dos seus componentes. Outras vezes as soluções requerem um investimento mínimo e têm um enorme potencial transformador. Por que não usar garrafas PET para criar um sistema alternativo de energia solar, como fez a Koleta SP? Por que não incentivar que seus colaboradores façam o mesmo em suas casas, em suas comunidades, e que os clientes repliquem a iniciativa? Esta é uma atitude que certamente vai muito além da motivação financeira, mas é justamente isso que diferencia a Solví. Acreditamos naquilo que fazemos e na possibilidade de fazer sempre melhor, com paixão, energia, soluções para a vida. Fazer diferente Carlos Leal Villa Presidente da Solví 03 04

4 Entrevista ACERVO PESSOAL O Instituto de Desenvolvimento Gerencial, INDG, considerado a maior consultoria em gestão empresarial do Brasil, foi fundado pelos professores Vicente Falconi Campos e José Martins de Godoy, que há quase 30 anos trabalham juntos em gestão empresarial. De lá para cá, além do treinamento de mais de 500 mil gestores e pelo menos 100 livros publicados, o INDG prestou consultoria a centenas de empresas interessadas em aprimorar seus métodos de gestão. Definir o problema, estabelecer metas ao mesmo tempo atingíveis e estimulantes são o grande desafio de seus consultores junto aos clientes, entre os quais, nos últimos anos, incluem-se empresas da Solví e administrações públicas de vários estados brasileiros como Minas Gerais, São Paulo, Bahia, Pernambuco e Mato Grosso. A seguir, o professor Vicente Falconi fala à Revista Solví sobre o método de atuação do INDG. Gestão e p Revista Solví - Qual a origem do Instituto de Desenvolvimento Gerencial, INDG? A partir de que idéias e conceitos foi criado, e com que objetivos? Vicente Falconi - O INDG originou-se de um projeto da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) para o Governo Federal, que visava melhorar a gestão da qualidade no Brasil. Durante este projeto conhecemos os profissionais da Japanese Union of Scientists and Engineers (JUSE), mesma organização que participou da contribuição americana para melhorar a gestão no Japão do pós-guerra. Trabalhamos com os japoneses durante uns 10 anos, implementando o método gerencial em empresas brasileiras. Estávamos naquela época convencidos de que isto ajudaria muito o Brasil a se livrar da miséria. Qual é a principal expertise do instituto? Este conhecimento e a maneira de trabalhar absorvidos dos japoneses foram adaptados a partir de nossa própria experiência, como brasileiros. Com eles aprendemos o método e sua prática nas operações, depois incorporamos o foco financeiro em nossos projetos, o trabalho com metas claras, que o INDG se compromete a ajudar o cliente a atingir. Eu diria que nossa maior expertise é saber trabalhar com o cliente focando em EXECUÇÃO para cumprir o compro misso de atingir as metas. Gostamos de sair dos clien tes depois que elas são atingidas. Creio que isto dá mais segurança a nossos clientes. Nós nos expomos junto com eles. Como é possível desenvolver trabalhos em diferentes tipos de organizações? O método é universal e visa alcançar os resultados desejados. O grande desafio que temos é buscar definir o problema junto com o cliente, avaliar o seu tamanho e estabelecer metas que sejam atingíveis, mas ao mesmo tempo estimulantes para que possam trazer crescimento para todos. Trabalhamos nas áreas pública e privada, no Brasil e exterior, com hospitais, escolas, empresas de seguro, bancos, siderúrgicas, empresas de alimentos, fazendas, lojas, revendedoras, etc. Não conhecemos o negócio, pois isto o cliente conhece bem. Adicionamos conhecimento de método e trabalhamos junto com o cliente, que nos ajuda nas características de seu negócio. 04 revista solví FEVEREIRO A ABRIL DE 2009

5 A recuperação da economia irá depender de como criamos novas soluções para os problemas energético, ambiental e de regulamentação de mercados, o que não será fácil, pois alguns países fortes não aceitam regulamentos internacionais. Nós sempre trabalhamos na direção da produtividade: fazer cada vez mais com menos. Não conheço maneira melhor de aumentar a riqueza. Queremos sempre aproveitar ao máximo o capital empregado e as condições oferecidas pelo mercado, reduzindo desperdícios. Su gerimos como forma de motivação o mo delo de Abraham H. Maslow, que dedicou sua vida à psicologia aplicada a grupos de seres humanos. Vale a pena olhar as recomendações de Maslow e tocar uma política de RH baseada nelas. Que tipo de trabalho o INDG vem desenvolvendo junto ao setor público e quais os principais resultados obtidos até hoje? Nós começamos há muito tempo trabalhando para alguns setores públicos. Lembro-me que trabalhamos com o Pedro Parente quando ele ainda era secretário geral do Ministério da Fazenda num programa patrocinado pelo governo alemão para reforçar a capacidade arrecadadora das secretarias de Fazenda dos estados. Aprendemos mui- Não estou vendo (risos). Parece brincadeira responder assim, mas o fato é que a cada surpresa e a cada novo tombo da economia a sensação que se tem é esta mesmo: Ninguém está conseguindo ver nada!. Não obstante, a impressão que tenho é que estamos diante de uma mudança de patamar e o mundo está so frendo um reajuste de sua economia, que não suportou os preços então vigentes, principalmente do petróleo, e de um mercado financeiro descontrolado. Creio que a recuperação da economia irá depender de como criamos novas soluções para os problemas energético, ambiental e de regulamentação de mercados, o que não será fácil, pois alguns países fortes não aceitam regulamentos internacio nais. Não acredito em solução de curto prazo. Neste quadro, a luta por produtividade deve ser dobrada, devemos extrair o máximo das pessoas em termos de criatividade em todas as frentes para a busca de soluções. O papel dos líderes é, a meu ver, fazer isto acontecer, valorizando as pessoas que lutam nesta direção. rodutividade Qual o método de trabalho praticado? É possível praticar um mesmo método em organizações com culturas tão distintas? O método é o PDCA (Planejar, Executar, Checar e Atuar Corretivamente). A questão cultural é complicada, pois envolve muitos fatores. A prática do método atua um pouco nesta questão, no sentido de uma mudança cultural voltada para o alcance de resultados, de execução e do cuidado com a operação. Enfim, o método, por si só, não cobre todos os fatores culturais desejáveis, mas ajuda. A quantificação do aumento da geração de riqueza é feita de que forma? Em que prazo médio? Como são motivadas as equipes para uma melhor integração ao projeto? to naquela época, principalmente a não ter medo de colocar metas bem desafiadoras para o setor público que ainda estava muito atrasado. Depois fizemos alguns outros trabalhos, até que o governador Aécio Neves nos procurou para ajudá-lo na tarefa de recuperar o Estado de Minas Gerais de um déficit público da ordem de 12%. Foi uma vitória, e daí para diante temos ajudado vários governos a atingir o equilíbrio fiscal para o benefício de nosso País. Como o Sr. vê este atual momento econômico e quais os principais desafios a serem enfrentados na gestão das empresas? Como os líderes de organizações devem agir neste num momento como este? O grande desafio que temos é buscar junto com o cliente definir o problema certo, avaliar o seu tamanho e estabelecer metas que sejam atingíveis, mas ao mesmo tempo estimulantes para que possam trazer crescimento para todos. 05

6 CAPA Excelência em ser Criação do Centro de Serviços Compartilhados Solví mira eficiência e produtividade das Em 2009 as áreas de suporte do Grupo Solví ganharam personalidade e identidade próprias com a criação do Centro de Serviços Compartilhados, CSC, que reúne Contabilidade, Área Fiscal, Suprimentos, Tesouraria, Contas a Pagar e a Receber, Seguros, Administração de Pessoal, Relatórios, Tecnologia da Informação e Desenvolvimento da Informação. No escritório de 1.400m 2 localizado no Centro Empresarial de São Paulo, para onde se mudaram em janeiro, os 120 colaboradores destas áreas têm uma infra-estrutura adequada para trabalhar focados exclusivamente na prestação de serviços a todas as empresas do Grupo Solví. A vinda para o novo escritório teve um impacto motivacional forte nas equipes, pois aqui podemos criar uma identidade autônoma e centrar esforços em nosso papel de prestadores de serviços, reitera o diretor executivo, Celso Pedroso. Em sua opinião, a criação do CSC foi uma evolução natural de iniciativas permeadas pela Governança Corporativa; se no início a centralização dos serviços estava relacionada a um maior controle sobre as atividades do grupo, hoje o objetivo é a eficiência e a colaboração com os objetivos das empresas, dentro da visão de que o CSC deve ser a base sólida para o crescimento da Solví. Entre as maiores vantagens da criação de um centro de serviços autônomo estão a otimização dos recursos, padronização de procedimentos-chave e customização dos serviços, pontos que certamente terão um impacto positivo sobre os clientes. Celso explica que a partir de agora a atuação das áreas que compõem o CSC será mais rigorosa, com o objetivo de avaliar o nível dos serviços prestados. Cada um deles corresponderá a um acordo de nível de serviço (service level agreement), que definirá claramente a responsabilidade do CSC 06 revista solví FEVEREIRO A ABRIL DE 2009

7 ARQUIVO INSTITUCIONAL CSC Navegar é preciso: juntos, os colaboradores do CSC constróem barco no evento que marcou a criação da nova empresa Service Desk O canal principal de contato com as áreas do CSC é o Service Desk, ferramenta por meio da qual é possível solicitar serviços e fazer todo o acompanhamento via sistema. Entre as vantagens do seu uso pelo cliente estão o recebimento de um protocolo de atendimento que permite verificar o status da execução do serviço solicitado. Utilizando o Service Desk, o cliente ajuda o CSC a medir a eficiência do atendimento. MARCELLO VITORINO/FULLPRESS viços empresas do Grupo No novo escritório, as equipes têm as melhores condições para fortalecer a identidade do CSC e do cliente, além dos indicadores de qualidade que devem ser alcançados, explica Celso. A ferramenta para chegar lá é o Projeto Navegar, do qual participam todas as áreas do CSC. Cada equipe está elaborando um plano estratégico de ação, que abarcará todos para os pontos passíveis de melhoria. A expectativa é que até junho as ações estejam desenvolvidas, e muitas delas implementadas, com desdobramentos e com a realização de treinamentos para as equipes. O CSC também recebeu um módulo especial dentro da Academia de Excelência Solví, que até o final do ano promoverá pelo menos cinco eventos para todos os colaboradores, abordando desde o atendimento ao cliente até equipe de alta performance. Com tantas mudanças, 2009 será um ano de aprendizado e amadurecimento, diz Celso. Além das iniciativas internas, o Centro de Serviços Compartilhados da Solví também integra o GESC Grupo de Estudos em Serviços Compartilhados, entidade da qual fazem parte centros de serviços de grandes empresas como Nestlé, Camargo Correa, Perdigão e outras. As reuniões do grupo, mensais, são dedicadas à discussão de boas práticas de mercado. Áreas do CSC Administração de Pessoal Área Fiscal Contabilidade Contas a Pagar e a Receber Desenvolvimento da Informação Relatórios Seguros Suprimentos Tecnologia da Informação Tesouraria 0706

8 Corporativo SHUTTERSTOCK Atentos à direção Governança Corporativa avança na Solví, com a definição de modelo e fechamento do primeiro ciclo de Planejamento Estratégico Em abril, a Solví inicia a revisão de seu Planejamento Estratégico, de forma a validar ou corrigir rumos, com base nos resultados das ações dos últimos 12 meses. O processo demonstra a determinação do Grupo em investir na Governança Corporativa, o que inclui outras iniciativas como a definição clara do papel das suas instâncias decisórias (Assembléia de Acionistas, Conselho de Administração e Diretoria Executiva), a criação do CSC (veja matéria de capa desta edição), revisão e revitalização de seu Código de Conduta, reestruturação do Instituto Solví e elaboração de um plano de melhoria da comunicação interna. A criação do Conselho de Administração da holding e o seu funcionamento efetivo, com o apropriado grau de formalismo, garante a qualidade do processo decisório nessa instância de caráter preponderantemente estratégico, diz a diretora de gestão de riscos Célia Francini, acrescentando que em breve o Grupo terá entre os seus membros um conselheiro independente, alguém que agregue experiência e visão de mercado. É uma medida que dará mais credibilidade e transparência às decisões tomadas, acrescenta a diretora, lembrando que todas as empresas Solví deverão seguir o mesmo caminho. Se a rota de crescimento do Grupo foi dada pelo Planejamento Estratégico e se o guardião desse planejamento é o Conselho de Administração (auxiliado pelos comitês de Auditoria, Remuneração & Sucessão e Investimentos), a ferramenta para avaliar o quanto as metas estão sendo cumpridas será o BSC, Balanced Score Card, sistema de gestão estratégica e de suporte à decisão que estabelece indicadores e métricas para as várias dimensões da empresa, dos clientes à gestão de talentos, não se restringindo ao aspecto financeiro. O primeiro relatório de BSC foi divulgado em março pelas divisões da Solví, e será um dos componentes que nortearão a revisão do Planejamento Estratégico. A Go vernança Corporativa pressupõe vários ele mentos e ações que se retroalimentam num processo dinâmico; creio que estamos indo muito bem, tivemos mudanças importantes e estamos crescendo, mas sem perder de vista nossos objetivos e valores, pondera Célia. 08 revista solví FEVEREIRO A ABRIL DE 2009

9 MARCELLO VITORINO/FULLPRESS Mercados e Negócios Vida pós-consumo Equipamento para desmanche de refrigeradores da Essencis já está em operação no país, com aproveitamento de 100% dos componentes das máquinas Geladeiras estocadas na Essencis Curitiba esperam para passar pela manufatura reversa e voltar ao processo produtivo Em novembro entrou em operação no Brasil um dos mais sofisticados equipamentos de manufatura reversa de refrigeradores do mundo. Fruto de uma parceria entre a Essencis e a empresa alemã SEG, o equipamento, que é móvel, permitirá levar o serviço a qualquer parte do país. Aliando a tecnologia de ponta às soluções de que já dispõe em suas unidades, como co-processamento e incineração, a Essencis é a única empresa no país a garantir a destinação correta a 100% dos componentes dos refrigeradores, que são desmontados e transformados em plástico moído, pedacinhos de cobre e alumínio, poliuretano em pó, tudo pronto para voltar à cadeia produtiva como matéria-prima, enquanto o óleo do motor é capturado e o CFC segregado para posterior incineração. Segundo o diretor superintendente da Essencis Manufatura Reversa, Roberto Castillo Lopes, a disponibilização desta tecnologia ao mercado brasileiro é resultado de um enorme esforço, iniciado há alguns anos em várias frentes: regulamentação (a empresa participou da elaboração da norma técnica para a manufatura reversa de refrigeradores, que deverá ser publicada em breve), clientes (convencendo-os da importância de responsabilizar-se pela destinação de equipamentos obsoletos) e pesquisa tecnológica. Para diferenciar-se e oferecer o processo mais avançado e ecologicamente correto, a Essencis associou-se à líder em manufatura reversa na Europa e Estados Unidos, com mais de seis milh ões de refrigeradores processados. Atuando junto aos vários stakeholders, desempenhamos nosso papel de líderes, diz Roberto. Créditos de carbono Montada sobre quatro carretas, a unidade de manufatura reversa possui a mobilidade necessária para ir até os clientes. O primeiro contrato da Essencis foi com a maior planta de refri geradores do mundo, em Joinville (SC), e a expectativa é fechar muitos outros, atingindo a meta de um milhão de geladeiras processadas ao ano. Nos próximos cinco anos deverão chegar ao Brasil outros quatro equipamentos para a manufatura reversa de refri geradores, um investimento projetado de 25 milhões de euros. E o investimento não se restringirá às velhas geladeiras: ainda no segundo semestre a empresa importará equipamentos exclusivos para a manu fatura reversa de lâmpadas fluorescentes e celulares. Além dos ganhos ambientais para as empresas, a tecnologia dará à Essencis a possibilidade de comercializar créditos de carbono no mercado. A estimativa é de que um milhão de refrigeradores processados equivalham a três milhões de créditos de carbono, o que faz deste um grande mercado, em todos os aspectos. Números da obsolescência O Brasil possui hoje cerca de 50 milhões de refrigeradores. Desse total, estima-se que 11 milhões ainda utilizem o CFC, clorofluorcarbono, que destrói a camada de ozônio e agrava o efeito estufa. Quanto aos celulares, a estimativa é de que existam hoje 150 milhões de linhas no país, com aparelhos que rapidamente entram em obsolescência. 0906

10 FOTOS: ARQUIVO INSTITUTO SOLVÍ Ações de voluntariado, como as que ilustram estas páginas, deverão ter um caráter mais estruturado e transformador com a criação do Programa de Voluntariado Solví Ação e identidade Formação de Comitês de Responsabilidade Social e implantação do Programa de Voluntariado estão entre as diretrizes para este ano Instituto Solví iniciou 2009 disposto a estimular nas O empresas do Grupo a visão sobre a importância da Responsabilidade Social como um elemento essencial e intrínseco aos seus negócios, apoiando para tanto a elaboração de planejamentos alinhados aos objetivos estratégicos de cada unidade e coordenando o acompanhamento dos impactos das ações sócio-ambientais por meio de indicadores de desempenho. O desafio para 2009 é o de fortalecer a identidade da área de Responsabilidade Social do Grupo Solví. Para isso, implantaremos ferramentas que facilitarão a gestão integrada e local das ações e focaremos na cultura do Voluntariado, já que é por meio do nosso corpo de colaboradores voluntários que ampliaremos a atuação junto às comunidades, diz a coordenadora do Instituto, Cláudia Sérvulo. Entre as propostas para este ano está a criação de comitês de Responsabilidade Social dentro das empresas. De caráter multidisciplinar, eles terão importantes atribuições, como pensar ações de Responsabilidade Sócio-Ambiental, reportar mensalmente ao Instituto todos os números relacionados a elas (indicadores) e estimular a participação dos colaboradores em projetos de voluntaria do que priorizarão duas frentes de atuação: junto a escolas e junto a organizações comunitárias. Veja na página ao lado as principais ações, programas e projetos conduzidos pelo Instituto Solví. 10 revista solví FEVEREIRO A ABRIL DE 2009

11 11 12 A programação inaugural da TV Solví foi ao ar em abril. Pertencimento é a palavra-chave neste primeiro momento, diz Cláudia Sérvulo. Queremos dar uma dimensão da atuação do Grupo, da importância dos segmentos nos quais trabalhamos; também falaremos dos nossos valores e abriremos espaço para as pessoas colocarem sua opinião, acrescenta a coordenadora do Instituto Solví. Até o final de julho serão exibidos 15 miniprogramas, com duração total de 18 minutos, e a partir de agosto a programação será ampliada. A TV Solví é exibida dentro do Espaço Solví, que já está em funcionamento na Koleta RJ, Koleta SP, GRI, Vega ABC, Vega Central, CSC e também na holding. Termômetro Trimestral Site do Instituto Solví Comitês de RS Programa Comunidade Solví Programa de Voluntariado Solví Tabela com os indicadores de Responsabilidade Social por empresa, a ser divulgada nos meses de janeiro, abril, julho e outubro na área Responsabilidade Social do Grupo Solví, no futuro site do Instituto. Esta será uma das principais ferramentas para a comunicação do Instituto Solví com todos os seus públicos e de acompanhamento dos resultados da área de Responsabilidade Social do Grupo Solví. A intenção é que cada empresa tenha um grupo fixo responsável por pensar as ações de Responsabilidade Social, com o suporte do Instituto Solví. Envolve a criação do Espaço Solví e da TV Solví em todas as empresas do Grupo, a mobilização em dias especiais do Calendário Solví, com ênfase não só na celebração, mas na informação para melhor exercício da cidadania, e por fim, ações de comunicação interna para dar visibilidade aos colaboradores, em especial a aqueles que vivenciam valores de Responsabilidade Social. Terá dois tipos de projetos: Educação Sócio-Ambiental nas Escolas e consultoria Voluntária. O primeiro visa transformar escolas em espaços de responsabilidade Sócio-Ambiental envolvendo direção, docentes e alunos, enquanto o segundo funcionará como uma consultoria, auxiliando entidades comunitárias em suas dificuldades. Ambos os projetos terão duração de seis meses. Caberá aos Comitês de Responsabilidade Social fazer o planejamento e aos voluntários executar as ações, de acordo com seus talentos.

12 PRÁTICAS DE SUCESSO FOTOS: ARQUIVO INSTITUCIONAL ADA ADA utiliza BR marítima Insumos para tratamento de água em Manaus passam a ser transportados em navios de carga Localizada na confluência de grandes rios como Amazonas, Negro e Solimões, Manaus é uma cidade que privilegia o transporte fluvial. Levando em conta esta realidade, desde o início do ano a Águas do Amazonas adotou o oceano e os rios como as novas vias para o transporte das cargas que precisa receber do Nordeste e Sudeste do País. Tivemos uma experiência positiva com a utilização do transporte marítimo durante as obras de expansão da rede de águas na capital, e decidimos adotar o novo modal também para os insumos necessários ao tratamento de água, explica o coordenador de suprimentos, compras e logística da empresa, Cristiano Flávio Franco de Barros. Num primeiro momento, 50% da cal e do sulfato de alumínio utilizados no processo de tratamento da água que abastece Manaus estão sendo transportados em navios, o que representa um volume médio de 140 e 250 toneladas/mês, respectivamente. Cristiano diz que no transporte em carretas, a carga demora de 15 a 17 dias para chegar a Manaus, devido às péssimas condições das estradas. Além disso, no transporte rodoviário o frete do sulfato, comprado na Bahia, tem impacto de 100% sobre o preço do produto; para a cal, comprada em São Paulo, esse percentual é ainda mais alto. Já os navios de carga gastam o mesmo tempo para chegar a Manaus, adentrando o Rio Amazonas; e, mais importante, representam uma redução significativa no frete, com menos imprevistos, menos poluição e oscilação de preços. Durante três meses vamos transportar 50% da carga nos navios, mas a intenção é migrar 100% para o novo modal em breve, diz Cristiano. Isso sem falar na capacidade de carga de um navio, que nos permite, se houver necessidade, trazer os produtos para o mês inteiro em uma única viagem. Os navios de carga demoram o mesmo tempo que as carretas para chegar a Manaus, adentrando o Rio Amazonas, e, mais importante, representam uma redução significativa no frete, com menos imprevistos, menos poluição e oscilação de preços. 12 revista solví FEVEREIRO A ABRIL DE 2009

13 MARCELLO VITORINO/FULLPRESS O sol é para todos Koleta SP implanta sistema de aquecimento feito com garrafas PET No início de abril, parte do telhado da sede da Koleta SP foi coberta com uma estrutura de garrafas PET preenchidas com o mesmo número de caixinhas de leite longa vida, pintadas de preto. A imensa instalação, bastante estranha à primeira vista, tem um fim bem prático: vai aquecer a água para o banho diário de 60 colaboradores da área operacional. A instalação do aquecedor solar alternativo, montado ao longo de dois meses pelos próprios colaboradores, que também doaram parte da matéria-prima, tem ainda outro objetivo, tão nobre quanto a reciclagem e a economia de energia na empresa. Queremos que as pessoas levem a idéia para suas casas e comunidades, pois se trata de uma tecnologia muito simples e ao mesmo tempo efetiva, capaz de reduzir os gastos domésticos com energia elétrica, diz o gerente da Koleta SP, Edson Carbonato. O sistema de energia solar construído a partir de garrafas PET e caixas de leite foi desenvolvido pelo inventor José Alano (pai do engenheiro Wilson Alano, da GRI), que, embora o tenha patenteado, incentiva sua adoção por administrações públicas, ONGs e comunidades. A convite da Koleta, o Sr. Alano, que mora em Santa Catarina, ministrou uma oficina para ensinar os colaboradores a montar a estrutura do aquecedor. É muito simples, é só encaixar tudo, ligar à tubulação e à caixa d água, resume o técnico de manutenção predial Geraldo Barbosa Guimarães, esco lhido para ser um dos multiplicadores do sistema entre os colegas, e que pretende replicar o modelo em sua casa. Já comecei a juntar garrafas. O criador do sistema, José Alano (à dir.) ajuda a equipe da Koleta a instalar as placas no telhado da empresa Como funciona UM aquecedor Solar O coletor de energia solar instalado na Koleta foi montado em placas de cerca de um metro quadrado, que juntas são capazes de aquecer água para 60 a 80 banhos. As garrafas PET são cortadas e montadas em fileiras de cinco, de forma que se encaixem perfeitamente umas nas outras. Dentro, as embalagens de leite longa vida pintadas de preto absorvem o calor, e canos de PVC fazem a água circular. O princípio de funcionamento de sifão é o que melhor se adapta a este sistema. À medida que a água esquenta, ela sobe pelas colunas de PVC do aquecedor/coletor, seguindo a tubulação e regressando à parte superior do reservatório. Já a água fria, por ser mais pesada, flui para parte inferior do coletor, mantendo o aquecedor sempre cheio de água e fechando o ciclo de aquecimento. Cada vez que a água deixa o reservatório e percorre o aquecedor, ela á aquecida em média 10ºC, o que permite que em uma exposição de seis horas a água atinja a temperatura de 52ºC no verão e de 38ºC no inverno. A estimativa é de que o sistema, afora a necessidade de limpeza periódica, tenha durabilidade de até 10 anos. Veja mais sobre o sistema e faça download do seu manual em 13

14 PRÁTICAS DE SUCESSO MARCELLO VITORINO/FULLPRESS Miriam Santos em ação com o coletor de dados: receber e liberar produtos ficou mais fácil e rápido Fluxo inteligente Área de Suprimentos do CSC inicia processo de automação dos almoxarifados das empresas do Grupo Imagine 35 almoxarifados espalhados pelo país, onde 50 mil itens de todos os tipos são conferidos um a um, tanto na entrada quanto na saída. Um trabalho enorme, mas que em breve será facilitado pela implantação de um sistema de automação, como aconteceu na Vega São Bernardo, onde o projeto-piloto de código de barras foi um sucesso. Afinada com o conceito de melhoria contínua dos serviços prestados aos clientes, a equipe de Suprimentos (responsável por todas as compras do Grupo) elegeu a unidade de São Bernardo como parceira para o piloto tanto pela proximidade geográfica quanto pela abertura às melhorias e inovações. Um Comitê de Código de Barras foi criado, integrado pelo gerente de suprimentos Luiz Lopes, pelo coordenador Antonio Donizete Fernandes, pelo comprador técnico Paulo Aires Batista Costa, além dos gerentes de desenvolvimento da informação, Cláudio Cerviño, e de tecnologia da informação, Gildásio Rocha. Juntos, eles desenharam todo o fluxo da automação, para evitar falhas no processo. Controle de estoques Com a consultoria do grupo ASSA, o primeiro passo foi inserir no sistema SAP o código de barras (EAN128, utilizado universalmente) de todos os itens, de canetas a tratores, de papel higiênico a uniformes. O processo foi replicado na Vega São Bernardo, que recebeu computador e coletores de dados para a gestão dos estoques. Os códigos de barras passaram a ser o identificador dos itens tanto no pedido a suprimentos quanto na entrada e saída do almoxarifado. Segundo Luiz Lopes, entre as inúmeras vantagens da automação estão exatidão no gerenciamento e controle dos estoques, a impossibilidade de recebimento ou entrega de material incorreto, além da economia de tempo em todo o pro- cesso. Também a área de Suprimentos fica menos sobrecarregada, já que todos os pedidos são feitos via sistema. No começo nos assustamos, pensamos que seria difícil, mas o processo de automação foi muito tranqüilo, e em pouco tempo todos estavam à vontade com o sistema e com o uso dos coletores de dados, diz Miriam Santos, assistente de suprimentos, que utiliza o novo sistema juntamente com outros quatro funcionários da Vega São Bernardo. Além disso, pelo sistema conseguimos ver quando a entrega de um material pedido não foi executada e cobrar que ela seja feita rapidamente, o que melhorou a qualidade dos serviços prestados aos clientes. A previsão é de que até o final de 2009 todas as unidades Vega tenham seus almoxarifados automatizados, e que em 2010 todas as empresas do Grupo Solví tenham sido contempladas com as mudanças. 14 revista solví FEVEREIRO A ABRIL DE 2009

15 FOTOS: MARCELLO VITORINO/FULLPRESS Lugares A equipe administrativa da Rio Grande Ambiental Rio Grande: imensas perspectivas Cidade reafirma seu papel regional ao ser a primeira no sul do RS a dar destinação correta aos resíduos Berço da colonização no Rio Grande do Sul; sede da mais antiga refinaria do País e do primeiro curso de oceanologia; do único porto marítimo do Estado e do mais antigo distrito industrial brasileiro. A cidade de Rio Grande, no sul do Rio Grande do Sul, possui uma longa lista de ações pioneiras, e reafirma essa tradição ao ser a primeira, na região, a dar a destinação correta a 100% dos seus resíduos domiciliares. O município de 200 mil habitantes produz cerca de 150 toneladas diárias de lixo, que a partir deste ano irão para o seu novo aterro, construído pela Rio Grande Am- biental em acordo com o contrato de concessão assinado em A vocação ambiental combina com a beleza de Rio Grande, uma cidade histórica cercada pelas águas: ao norte, faz limite com a Lagoa dos Patos, a maior do país, com 265 km de extensão; a leste está a Lagoa Mirim, o no oeste o oceano Atlântico. Não é à toa, também, que seu desenvolvimento sempre esteve ligado em grande parte às atividades portuárias. O porto de Rio Grande é o segundo em movimentação de carga do Brasil, e desde 2008 possui o único dique seco do País, local arrendado pela Navio entra no porto de Rio Grande pelos molhes construídos no século XIX, e que passam por obras de expansão 15

16 Lugares FOTOS: MARCELLO VITORINO/FULLPRESS Os colaboradores Cristina Silveira e Ederson Xavier na varrição da praça Xavier Ferreira Números e curiosidades Petrobras para a construção de plataformas de exploração de petróleo na chamada camada pré-sal. Dali partiu a plataforma P-53, no final do ano passado e atualmente está em construção a plataforma P-55. Os maciços investimentos na indústria naval levam à geração de empregos e, é claro, ao fortalecimento da economia, que possui um perfil bastante diversificado. A cidade de Rio Grande vive um novo boom econômico, com grandes empresas se instalando e a conseqüente geração de empregos, diz o diretor da Vega Regional Sul, Saulo Nunes Filho. Dentro desse contexto, que envolve a expansão populacional, ele ressalta a importância de um plano de destinação para os resíduos, passo dado com a abertura de concorrência e o contrato de concessão por 20 anos, firmado por meio da Rio Grande Ambiental. Vemos o modelo de concessão como ideal, já que permite à empresa fazer investimentos de peso em empreendimentos importantes como aterro sanitário e usina de triagem, que só são viáveis no longo prazo, pondera Saulo. A Rio Grande Ambiental possui 250 colaboradores, que realizam os serviços de varrição, coleta de resíduos domiciliares (feita em contêineres colocados nas ruas da cidade, modelo que se tornou referência no Brasil), coleta de resíduos de saúde, destinação destes resíduos (aterro e autoclavagem), capina manual e mecânica. Aterro regional No dia 11 de fevereiro, um ano depois de iniciar as obras de implantação do aterro de Rio Grande, a Rio Grande Ambiental recebeu a licença de operação da Fundação Estadual de Proteção Ambiental do Rio Grande do Sul (Fepam). A inauguração do aterro é um marco ambiental para a cidade, pois acaba com a deposição dos resíduos no lixão de Carreiros, localizado às margens da Lagoa dos Patos. O novo aterro foi construído dentro de padrões internacio nais de segurança ambiental e tem potencial para atender a outros municípios da região, já que a correta destinação dos resíduos é uma demanda crescente e nem todas as cidades contam com uma área apropriada, diz Saulo, acrescentando que o investimento para a implantação foi de R$ 8 milhões. No conflito entre Portugal e Espanha por terras no extremo sul do Brasil, em 1763 a Vila do Rio Grande de São Pedro foi ocupada pelos Espanhóis, que permaneceram por 13 anos no local, até serem expulsos. Rio Grande foi como foi chamada a Lagoa dos Patos, com seus 265 km de extensão, pelos primeiros cartógrafos, ainda no século XVI. A cidade possui um expressivo casario tombado como patrimônio histórico; em 2008, a Câmara Municipal também considerou Patrimônio Histórico e Cultural do Município do Rio Grande as instalações da Refinaria Ipiranga, a mais antiga do país, instalada em Criado em 1974, o Distrito Industrial de Rio Grande (Dirg) possui cerca de hectares, com cerca de 50 indústrias estabelecidas. A licença de operação do distrito foi emitida em 2007 pela Fepam (Fundação Estadual de Proteção Ambiental). Rio Grande tem o mais antigo clube de futebol ainda em atividade do País: o Sport Club Rio Grande, criado em revista solví FEVEREIRO A ABRIL DE 2009

17 Trabalhadores finalizam a estrutura do aterro para receber os resíduos domiciliares de Rio Grande Instalado em uma área de 50 hectares em Vila da Quinta, na zona rural da cidade, o aterro de Rio Grande tem capacidade para receber cerca de 1,5 milhão de toneladas de resíduos domiciliares. Na área técnica, o maior desafio esteve na necessidade de rebaixar o lençol freático em cerca de 2,5 me tros para evitar qualquer risco de contato com os resíduos; também houve um reforço na impermeabilização, feita com geocomposto bentonítico e geomembrana. Caso receba apenas o lixo produzido pelos 200 mil habi tantes de Rio Grande, 150 toneladas/dia, sua vida útil será de pelo menos 27 anos. Preparada para um futuro de grandes demandas por serviços ambientais, no entanto, a empresa já adquiriu uma área própria ao lado do novo ate r- ro para atender a uma eventual necessidade de expansão. Saulo comenta que a expectativa é que, no médio prazo, Rio Grande receba no aterro também os resíduos de outras cidades da região. Temos aqui todas as condições para a operação de um aterro regional, e a cidade, além das vantagens econômicas, desempenharia mais uma vez um papel pioneiro na região, desta vez na área ambiental. O contrato de concessão assinado em 2005 prevê a cons trução, ainda este ano, de uma estação de transbordo e de uma central de triagem. O objetivo da obra é envolver as famílias de catadores na criação de uma cooperativa que se encarregue do traba lho de triagem e comercialização dos resíduos recicláveis, nos moldes do que já foi feito em São Leopoldo. Além do aspecto social, o pro cesso de triagem resulta em uma redução média de 10% no peso e de 30% no volume dos resíduos, o que significa maior tempo de vida útil para o aterro. serviços PRESTADOS pela Rio Grande Ambiental Coleta de resíduos domiciliares Coleta de resíduos de serviços de saúde Tratamento dos resíduos de saúde (autoclavagem) Fornecimento de equipe padrão Varrição de vias Capina manual e mecanizada Destinação final de resíduos em aterro sanitário Feito por meio de contêineres colocados nas ruas da cidade, o modelo de coleta utilizado em Rio Grande tornou-se referência no Brasil 17

18 OPINIÃO Quando se fala hoje em liderança não se pode deixar de falar da importância do Líder formar equipes que trabalham em alta performance. Independente dos variados estilos de liderança, de cada vez se estudar mais sobre o assunto, de a cada hora surgir um modelo novo para trabalhar a competência da liderança, o bom desempenho das equipes gerando resultados positivos é um fator determinante que comprova a eficácia de um Líder O Líder não ganha o jogo. É o time quem decide o jogo. Justamente quem está em campo é quem pode fazer o gol, ficar no 0 x 0, ou fazer um gol contra. O papel do líder é, sim, de usar uma série de habilidades que farão do seu time um time vencedor, e para isto ele precisa ser um bom treinador, um coach, um Líder Coach. As habilidades como comunicação eficaz, estabelecer relações de confiança, gerar aprendizado, celebrar vitórias, inteligência emocional são fundamentais para liderar uma equipe com o modelo de coaching, mas em primeiro lugar o líder precisa partir de um olhar de valorização em relação às pessoas, acreditar no seu potencial, de que elas possuem recursos ilimitados e de que são criativas. Uma expectativa alta envia mensagens poderosas para as pessoas com quem nos relacionamos. O líder deve esperar o melhor de cada um de sua equipe. E com certeza deve estar no seu melhor, estar presente, próximo ao seu colaborador, apoiando e ao mesmo tempo dando autonomia, sendo parceiro do sucesso de sua equipe. Celina Joppert ARQUIVO PESSOAL é consultora de empresas, coach, cantoterapeuta pelo Conservatório Brasileiro de Música e também possui formação em programação neurolinguística 18 revista solví FEVEREIRO A ABRIL DE 2009

19 NOTAS ARQUIVO INSTITUCIONAL ADA Nova ETE em Manaus No final de dezembro a Águas do Amazonas colocou em ope ração a primeira etapa da ETE Timbiras, estação de tratamento de esgoto que atenderá o bairro Cidade Nova II em Manaus. O esgoto coletado no conjunto habi-tacional será tratado pelo sistema denominado UASB Upflow Anaerobic Sludge Blan ket, processo anaeróbio de alta eficiência na remoção de poluentes, seguido de um sistema de decantação através de lagoas. Nesta primeira etapa, serão beneficiadas cerca de cinco mil casas. A segunda fase das obras já está em andamento. REPRODUÇÃO Arte na passarela Quando chega o Carnaval, a Vega Salvador não se limita a fazer (bem) o seu trabalho. É preciso entrar no clima da festa. Este ano, nos intervalos entre as apresentações dos blocos carnavalescos na Passarela do Campo Grande (centro da cidade), o time da limpeza entrou em cena acompanhado dos malabaristas do Circo Picolino. A apresentação dos artistas, que exibiram as logomarcas do grupo Solví em suas roupas, fez sucesso e também chamou a atenção do público para o trabalho da equipe de limpeza. Os varredores ganharam até ho menagem do jornal A Tarde, que publicou matéria de página inteira sobre o seu trabalho. ARQUIVO INSTITUCIONAL VEGA ARQUIVO INSTITUCIONAL VEGA ARQUIVO INSTITUCIONAL VIASOLO Você pode sugerir assuntos para a Revista Solví! Envie um para Vega recebe homenagem Em novembro, durante a Semana do Doador Voluntário de Sangue, a Vega Salvador recebeu o Troféu Parceiro Efetivo da Hemoba (Fundação de Hematologia e Hemoterapia da Bahia), um reconhecimento ao empenho da empresa em disseminar a cultura da doação de sangue entre os seus colaboradores. Uma das ações desenvolvidas pela Vega foi o relançamento e confecção do Zé Bolsinha, mascote da Hemoba usado em todos os eventos da Instituição. Na foto o Zé Bolsinha durante a eleição para a CIPA na Vega. Coleta Seletiva A cidade de Sete Lagoas, em Minas Gerais, já conta com o serviço de coleta seletiva em 15 dos seus bairros. Executado pela Viasolo, o serviço resulta em um volume médio de 20 toneladas/mês de resíduos sólidos coletados. Todo o material é doado à Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Sete Lagoas (ACMR), que cuida da sua separação e comercialização. Para divulgar a novidade, os participantes do Programa de Estagiários elaboraram o projeto Expansão da Coleta Seletiva em Sete Lagoas, que inclui ações de divulgação como panfletagem, anúncios, carro de som e palestras. Prêmio do CREA à Viasolo A Viasolo ganhou do CREA-Betim o prêmio destaque de 2008 pelo maior número de ART s (Anotação de Responsabilidade Técnica, documento exigido para a execução de obras) registradas no órgão. O prêmio significa o reconhecimento e o respeito entre as empresas de engenharia na região, diz o engenheiro de orçamentos e contratos da Viasolo, Frederico Zago Valente, que recebeu o prêmio em dezembro, na sede do CREA-Betim. 19

20 EM FOCO Pôr do Sol na Lagoa dos Patos em Rio Grande, Rio Grande do Sul. Foto: Marcello Vitorino/Fullpress A Solví é uma holding controladora de empresas de reconhecida competência que atuam nos segmentos de resíduos, saneamento, valorização energética e engenharia, presentes em todas as regiões do Brasil e no Peru. A Solví baseia suas ações no desenvolvimento sustentável e trabalha para manter um compromisso primordial: oferecer soluções para a vida, com serviços integrados, diferenciados e inovadores, capazes de contribuir para a preservação dos recursos essenciais e para o bem-estar das comunidades onde atua. Instituto Solví Rua Bela Cintra, º andar São Paulo - SP PABX: (11) Águas do Amazonas S.A. Rua do Bombeamento, 01 - Compensa Manaus - AM Fone: (92) Fax: (92) Essencis Soluções Ambientais S.A. Alameda Vicente Pinzon, 173-7º Andar Vila Olímpia São Paulo - SP Fone: (11) Fax: (11) GRI Gerenciamento de Resíduos Industriais Rua Presidente Costa Pinto, 33 Mooca São Paulo - SP Fone: (11) Fax: (11)

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink 1 Para a, o que é sustentabilidade? É a forma mais eficaz para alcançarmos resultados consistentes, buscando soluções integradas que envolvam aspectos sociais, tecnológicos, econômicos e ambientais, de

Leia mais

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO CÂMARA DOS DEPUTADOS Daniela Arantes Alves Lima Eduardo Carvalho Departamento de Economia Solidária Brasília,

Leia mais

20o. Prêmio Expressão de Ecologia

20o. Prêmio Expressão de Ecologia 20o. Prêmio Expressão de Ecologia 2012-2013 Separação dos resíduos recicláveis Coleta seletiva no pátio Separação dos resíduos no laboratório Central de resíduos e estação de tratamento de esgoto Capacitação

Leia mais

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa mais ágil, com menos papel e mais resultados. 2 ÍNDICE

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

A lei na prática. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Chegou a hora de assumir o importante papel na gestão do lixo. Cooperativas de catadores

A lei na prática. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Chegou a hora de assumir o importante papel na gestão do lixo. Cooperativas de catadores Política Nacional de Resíduos Sólidos Cooperativas de catadores A lei na prática Chegou a hora de assumir o importante papel na gestão do lixo Em vigor desde agosto de 2010, a nova lei sobre resíduos urbanos

Leia mais

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Experiências e estratégias para coleta e reciclagem de embalagens longa vida ABSTRACT O gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos é uma das questões ambientais

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE COPA 2014

AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE COPA 2014 Code-P0 AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE COPA 2014 Agenda de Trabalho Junho 2011 Claudio Langone Code-P1 OPORTUNIDADE PARA O BRASIL 2011 - Jogos Militares Mundiais 2012 - RIO + 20 - Cúpula das

Leia mais

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo 06 Governança TRANSPARÊNCIA 23 Corporativa e Gestão Conselho de Administração O Conselho de Administração da Camargo Corrêa Cimentos é composto de até seis membros, sendo um presidente, três vice-presidentes

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

22o. Prêmio Expressão de Ecologia

22o. Prêmio Expressão de Ecologia 22o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Cartilha distribuída para alunos nas escolas e em outras palestras realizadas. Ciclo de Vida do EPS: da venda ao reuso Ponto de Coleta Voluntária instalados

Leia mais

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 1 1. O Programa de Gestão Ambiental O Programa de Gestão Ambiental da

Leia mais

Somos uma das empresas que mais crescem no país

Somos uma das empresas que mais crescem no país ed. 3 / ano 1 / outubro 2013 J. Fonseca conquista novos segmentos Segurança em primeiro lugar Somos uma das empresas que mais crescem no país editorial Crescendo, mas sem esquecer da segurança A terceira

Leia mais

Usina São Luiz S/A. Declaração de ciência do regulamento

Usina São Luiz S/A. Declaração de ciência do regulamento Declaração de ciência do regulamento Declaramos, para os devidos fins, que: i) Estamos cientes e de acordo com as condições do Regulamento do Prêmio de Mérito Ambiental. ii) A empresa está cumprindo as

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MARCO LEGAL Diálogo do Governo Federal com Sociedade Civil (Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis MNCR). Código Brasileiro de Ocupações - 2002 Reconhecimento a Categoria profissional

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé)

Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé) Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé) Objetivo do Projeto: Promover o correto gerenciamento integrado dos resíduos sólidos urbanos nas Cidades de pequeno e médio porte. ( população

Leia mais

SEMA SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE SEMEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E CULTURA PARCERIA - PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUA DOCE DO NORTE

SEMA SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE SEMEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E CULTURA PARCERIA - PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUA DOCE DO NORTE SEMA SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE SEMEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E CULTURA PARCERIA - PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUA DOCE DO NORTE PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE ÁGUA DOCE DO NORTE

Leia mais

FILOSOFIA EMPRESARIAL

FILOSOFIA EMPRESARIAL FILOSOFIA EMPRESARIAL FILOSOFIA EMPRESARIAL Bebidas S/A Troféu Prata FILOSOFIA EMPRESARIAL MISSÃO SACIAR NATURALMENTE A SEDE DOS GAÚCHOS. Bebidas S/A Troféu Prata FILOSOFIA EMPRESARIAL VISÃO QUEREMOS SER

Leia mais

Cidades e Biodiversidade

Cidades e Biodiversidade Cidades e Biodiversidade Curitiba, 26 a 28 de março Ronaldo Vasconcellos Vice-Prefeito de Belo Horizonte Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, é uma das maiores cidade do Brasil. BH Fica a 585 Km de

Leia mais

PROGRAMA ITUIUTABA RECICLA

PROGRAMA ITUIUTABA RECICLA PROGRAMA ITUIUTABA RECICLA AUTOR E APRESENTADOR: Cristina Garvil Diretora da Superintendência de Água e Esgotos de Ituiutaba SAE Arquiteta, Mestranda em Engenharia de Produção com Ênfase em Gestão da Inovação

Leia mais

Reciclagem e Valorização de Resíduos Sólidos - Meio Ambiente e Sustentabilidade

Reciclagem e Valorização de Resíduos Sólidos - Meio Ambiente e Sustentabilidade SEMINÁRIO Reciclagem e Valorização de Resíduos Sólidos - Meio Ambiente e Sustentabilidade Universidade de São Paulo Escola Politécnica Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais 27 de maio de

Leia mais

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho IBMEC Jr. Consultoria A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho O mercado de trabalho que nos espera não é o mesmo dos nossos pais... ... ele mudou! As mudanças Certeza Incerteza Real Virtual

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais. Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras

A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais. Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras Visão e Missão da Petrobras Visão 2020 Ser uma das cinco maiores

Leia mais

Projeto de Incentivo à Reciclagem

Projeto de Incentivo à Reciclagem Projeto de Incentivo à Reciclagem Boas Práticas em Meio Ambiente Apresentação: O objetivo do seguinte projeto tem a finalidade de auxiliar a implementação da Coleta Seletiva e posteriormente envio para

Leia mais

MELHORIAS IMPLANTADAS NO CENTRO DE RECICLAGEM DA VILA PAULICÉIA - SÃO BERNARDO DO CAMPO/SP

MELHORIAS IMPLANTADAS NO CENTRO DE RECICLAGEM DA VILA PAULICÉIA - SÃO BERNARDO DO CAMPO/SP MELHORIAS IMPLANTADAS NO CENTRO DE RECICLAGEM DA VILA PAULICÉIA - SÃO BERNARDO DO CAMPO/SP Cristiane Ferreira, Fernanda Duran, Julia Lima e Juliana Santos Mercedes-Benz do Brasil Ltda. RESUMO O Centro

Leia mais

DO PROGRAMA. www.ecolmeia.org.br

DO PROGRAMA. www.ecolmeia.org.br PROGRAMA DO PROGRAMA O Programa ECO RECICLA é uma iniciativa da OSCIP Ecolmeia em parceria com Cooperativas de Reciclagem, seus cooperados, o Primeiro e o Segundo Setor da Sociedade. Tem como objetivo

Leia mais

São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos

São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos Este sistema garante tratamento e destino adequado aos resíduos gerados na cidade, de modo que eles não

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS (Manual de acesso e preenchimento do Questionário Online) www.altouruguai.eng.br contato@altouruguai.eng.br ASSOCIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO

Leia mais

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG.

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. (Projeto InterAção) Introdução Com a tendência de um crescimento mundial da população, gerando um desenvolvimento industrial

Leia mais

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL Maria de Fátima Nunesmaia(1)

Leia mais

Reciclagem, Sustentabilidade e Coleta Seletiva a experiência em Viçosa - MG, uma missão do Projeto InterAção.

Reciclagem, Sustentabilidade e Coleta Seletiva a experiência em Viçosa - MG, uma missão do Projeto InterAção. Reciclagem, Sustentabilidade e Coleta Seletiva a experiência em Viçosa - MG, uma missão do Projeto InterAção. Nádia D. de Souza 1 Kátia G. de Laia 2 Mariana O. Silva 3 Estevão L. M. Gomes 4 Tiago L. A.

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS Carolina Gaspar Enderle (1) Aluna do curso Técnico em Segurança do Trabalho do Colégio Técnico Industrial

Leia mais

Site Terra, 05 de Junho de 2013

Site Terra, 05 de Junho de 2013 Site Terra, 05 de Junho de 2013 Mesmo com data para acabar, lixões subsistem no Brasil. Mais da metade dos municípios brasileiros não impõe a destinação adequada ao lixo. Assim, cerca de 75 mil toneladas

Leia mais

Categoria Fornecedor

Categoria Fornecedor PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2013 Dados da empresa FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Fornecedor Razão Social: Patrus Transportes Urgentes Ltda Nome Fantasia: Patrus Transportes Data de fundação:

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

PROJETOS E AÇÕES SÓCIO-AMBIENTAIS RELATÓRIO 2012. Liderança com responsabilidade socioambiental

PROJETOS E AÇÕES SÓCIO-AMBIENTAIS RELATÓRIO 2012. Liderança com responsabilidade socioambiental PROJETOS E AÇÕES SÓCIO-AMBIENTAIS RELATÓRIO 2012 Liderança com responsabilidade socioambiental P R O J E T O S A Ç Õ E S CORA - AÇÃO E CIDADANIA Envolvimento e apoio: Desde 2004 SATC - EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Gestão Sustentável de Resíduos. Superintendência de Limpeza Urbana Junho/2006

Gestão Sustentável de Resíduos. Superintendência de Limpeza Urbana Junho/2006 Gestão Sustentável de Resíduos Superintendência de Limpeza Urbana Junho/2006 Belo Horizonte / MG VENDA NOVA NORTE PAMPULHA NORDESTE NOROESTE LESTE OESTE CENTRO-SUL BARREIRO População: 2.350.564 (IBGE 2004)

Leia mais

Rede Gerando Renda Catadores do ABC só existe rede forte, se os grupos forem fortes

Rede Gerando Renda Catadores do ABC só existe rede forte, se os grupos forem fortes Apresentação Rede Gerando Renda Catadores do ABC só existe rede forte, se os grupos forem fortes O Projeto Rede Gerando Renda Catadores do ABC, foi concebido para realizar um trabalho de formação e articulação

Leia mais

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis Um desafio que envolve você! Compartilhamos os mesmos espaços e problemas, mas também as soluções. É fundamental ter atitudes responsáveis, suprindo

Leia mais

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Geraldo Antônio Reichert Coordenador da Câmara Temática de Resíduos Sólidos ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

APROSA Associação das Promotoras Legais Populares do Cabo de Santo Agostinho RECICLARTES RECICLANDO VIDAS!

APROSA Associação das Promotoras Legais Populares do Cabo de Santo Agostinho RECICLARTES RECICLANDO VIDAS! APROSA Associação das Promotoras Legais Populares do Cabo de Santo Agostinho RECICLARTES RECICLANDO VIDAS! Cabo de Santo Agostinho, 2010 Descrição do Projeto Segundo a comissão Mundial sobre o Meio Ambiente

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

PRÊMIO. Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A. Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar

PRÊMIO. Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A. Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar PRÊMIO 2012 Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar Data ou Período de Aplicação da Experiência: 2011 e 2012 Categoria

Leia mais

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS A Copagaz A Copagaz, primeira empresa do Grupo Zahran, iniciou suas atividades em 1955 distribuindo uma tonelada de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP por dia nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato

Leia mais

PLANO DE SANEAMENTO AMBIENTAL

PLANO DE SANEAMENTO AMBIENTAL PLANO DE SANEAMENTO AMBIENTAL Município de Dois Irmãos Município de Dois Irmãos RS- RS Agosto, 2012 Agosto, 2012 Oficina Jogos Cooperativos: Bairro São João 02/06/2012 02/06/201 REFLEXÃO ABRANGÊNCIA RESÍDUOS

Leia mais

DO PROGRAMA. Tem como objetivo gerenciar a coleta seletiva e valorizar a atividade do Catador (a) como agente de transformação ambiental.

DO PROGRAMA. Tem como objetivo gerenciar a coleta seletiva e valorizar a atividade do Catador (a) como agente de transformação ambiental. PROGRAMA DO PROGRAMA O Programa ECO RECICLA é uma iniciativa da OSCIP Ecolmeia em parceria com Cooperativas de Reciclagem, seus cooperados e Setores da Sociedade. Tem como objetivo gerenciar a coleta seletiva

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

Garrafas PET: Um lixo que Virou Moda nas Coleções Malwee

Garrafas PET: Um lixo que Virou Moda nas Coleções Malwee Malwee Malhas LTDA. Jaraguá do Sul (SC) Garrafas PET: Um lixo que Virou Moda nas Coleções Malwee Categoria Tecnologias Socioambientais 1. Sobre a organização participante: Razão social: - Malwee Malhas

Leia mais

MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA

MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA Patrícia Cristina de Lima Moreira (1) Assistente Social (UNIT), Assistente Social do Serviço

Leia mais

A beleza é resultado do trabalho de todos. Responsabilidade Compartilhada

A beleza é resultado do trabalho de todos. Responsabilidade Compartilhada Responsabilidade Compartilhada A beleza é resultado do trabalho de todos A preocupação e o fortalecimento do relacionamento com nossos públicos estão presentes em toda a história do Grupo Boticário. Desde

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

Conscientização da Gestão dos Resíduos Sólidos no Município de São Paulo

Conscientização da Gestão dos Resíduos Sólidos no Município de São Paulo SECRETARIA MUNICIPAL DE SERVIÇOS Conscientização da Gestão dos Resíduos Sólidos no Município de São Paulo DEPARTAMENTO DE LIMPEZA URBANA LIMPURB ATRIBUIÇÕES DO LIMPURB LIMPURB E ATRIBUIÇÕES TÉCNICAS LEI

Leia mais

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV)

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) II Workshop Construindo o diagnóstico dos RCCV e RSS

Leia mais

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA. *Edição 2013*

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA. *Edição 2013* PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *Edição 2013* Participante: Cia Ultragaz S.A. Categoria: Infraestrutura Título Ultragaz na busca da excelência da Gestão Ultragaz na Busca da Excelência da Gestão Uma

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Valério da Silva Ramos (*) Administrador de Empresas, pós-graduado em Gestão Econômica e Financeira

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008/2010. Vonpar - Divisão Bebidas

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008/2010. Vonpar - Divisão Bebidas RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 200/200 Neste documento você terá o extrato em números dos dados contidos no Relatório de Sustentabilidade 200/200 da Vonpar. Conforme a versão digital animada (disponível

Leia mais

Em agosto de 2014, o prazo para LIXO HOSPITALAR

Em agosto de 2014, o prazo para LIXO HOSPITALAR LIXO HOSPITALAR ATÉ ONDE VAI A RESPONSABILIDADE LEGAL DO HOSPITAL DE ACORDO COM O PLANO NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS? VEJA COMO ALGUMAS INSTITUIÇÕES SE ADAPTARAM PARA CUMPRIR A LEI Por Felipe César Em

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NAS CONCESSIONÁRIAS FIAT

SUSTENTABILIDADE NAS CONCESSIONÁRIAS FIAT SUSTENTABILIDADE NAS CONCESSIONÁRIAS FIAT EDITORIAL Desenvolvimento sustentável não é um tema novo para o Grupo Fiat. Atentas para o importante papel ocupado na sociedade e para os impactos causados pela

Leia mais

uma responsabilidade de todos nós

uma responsabilidade de todos nós uma responsabilidade de todos nós Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico e Educação Ambiental Lixo, uma responsabilidade

Leia mais

PRÊMIO TALENTO EM SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO 2015

PRÊMIO TALENTO EM SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO 2015 PRÊMIO TALENTO EM SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO 2015 1. O PRÊMIO O Prêmio Talento em Sustentabilidade foi criado para reconhecer o trabalho de empregados, estagiários e terceiros do Grupo Votorantim que

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DA P.N.R.S.? Engo. Eleusis Di Creddo Gerente de Meio Ambiente e Destinação Final SOLVI PARTICIPAÇÕES S.A. ecreddo@solvi.com Realização:

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Conselho de Administração do EEP e acionistas em dois momentos. No alto, em encontro com o Sr. Norberto Odebrecht durante a oficialização de parceria

Conselho de Administração do EEP e acionistas em dois momentos. No alto, em encontro com o Sr. Norberto Odebrecht durante a oficialização de parceria Conselho de Administração do EEP e acionistas em dois momentos. No alto, em encontro com o Sr. Norberto Odebrecht durante a oficialização de parceria tecnológica com a Kawasaki na sede da Odebrecht S.A.

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito LEI Nº. 632 /2014 03 de dezembro de 2.014 Dispõe sobre a criação do Programa de Coleta Seletiva com inclusão Social e Econômica dos Catadores de Material Reciclável e o Sistema de Logística Reversa e seu

Leia mais

Gestão de Resíduos Secos IV CMMA

Gestão de Resíduos Secos IV CMMA 1 Resultados da IV Conferência Municipal do Meio Ambiente de São Paulo, 30 e 31 de agosto e 1º de setembro de 2013. Reelaboração Participativa do Plano de Gestão de Resíduos Sólidos - PGIRS / SP - texto

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa Do lixo ao valor O caminho da Logística Reversa O problema do lixo A sociedade, hoje, vive com um grande desafio: o lixo. Calcula-se que, por dia, no Brasil, são gerados 1 Kg de resíduos por habitante.

Leia mais

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU copyright A criatividade com visão de longo prazo Planejamento da Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos 27/08/2015 1 SUMÁRIO 1 ENQUADRAMENTO LEGAL 2 PLANO DE GESTÃO INTEGRADA

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores!

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores! 1 Prezados alunos e professores! O livro Somos os Senhores do Planeta é fruto de um trabalho didático que tem por objetivo reunir em uma única publicação temas sobre o meio ambiente, são textos de fácil

Leia mais

Desde a criação do programa, a New Age implementou e tem monitorado diversas ações com foco ambiental, social e econômico.

Desde a criação do programa, a New Age implementou e tem monitorado diversas ações com foco ambiental, social e econômico. Faz parte da vontade da diretoria da New Age contribuir socialmente para um mundo melhor, mais justo e sustentável. Acreditamos que através da educação e com a experiência que temos, transportando tantos

Leia mais

Gestão Ambiental Aurora Alimentos

Gestão Ambiental Aurora Alimentos Aurora Alimentos Chapecó (SC) Gestão Ambiental Aurora Alimentos Categoria Gestão Ambiental 1. Sobre a organização participante: Razão social: - COOPERATIVA CENTRAL OESTE CATARINENSE Nome fantasia: - AURORA

Leia mais

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009 Responsabilidade Social Empresarial em Empresas Construtoras case Even Ruth Goldberg 04 de junho de 2009 Alinhando conceitos: SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E C O N Ô

Leia mais

Programa Permanente de Coleta Seletiva. Solidária do Arquivo Nacional

Programa Permanente de Coleta Seletiva. Solidária do Arquivo Nacional Solidária do Arquivo Nacional Programa Permanente de Coleta Seletiva Amparado pelo Decreto Federal 5.940/ 2006 - que prevê que todas as instituições federais passem a doar seus materiais recicláveis descartados

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Uma Organização Social Civil de Utilidade Pública, inovadora, baseada em princípios democráticos, inclusivos e emancipadores, que busca a

Uma Organização Social Civil de Utilidade Pública, inovadora, baseada em princípios democráticos, inclusivos e emancipadores, que busca a Uma Organização Social Civil de Utilidade Pública, inovadora, baseada em princípios democráticos, inclusivos e emancipadores, que busca a sustentabilidade! Sem empresas sustentáveis, o planeta não pode

Leia mais

PATRICIA GUARNIERI. LOGÍSTICA REVERSA: Em busca do equilíbrio econômico e ambiental

PATRICIA GUARNIERI. LOGÍSTICA REVERSA: Em busca do equilíbrio econômico e ambiental PATRICIA GUARNIERI LOGÍSTICA REVERSA: Em busca do equilíbrio econômico e ambiental EDITORA CLUBE DE AUTORES RECIFE, 2011 2011 Patricia Guarnieri TODOS OS DIREITOS RESERVADOS AO AUTOR. Proibida a reprodução

Leia mais

PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS

PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS APRESENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO REGIÃO DO SERTÃO ALAGOANO 1º PARTE CAPACITAÇÃO TÉCNICA O que é o Plano de Resíduos? O que é o Plano de Resíduos?

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO DO TOCANTINS CAMPUS PORTO NACIONAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO DO TOCANTINS CAMPUS PORTO NACIONAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO DO TOCANTINS CAMPUS PORTO NACIONAL PLANO DE GESTÃO PARA DIREÇÃO PRÓ TEMPORE DO CAMPUS PORTO NACIONAL

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

FUNDO DE COLETA SELETIVA E LOGÍSTICA REVERSA COM INCLUSÃO DE CATADORES

FUNDO DE COLETA SELETIVA E LOGÍSTICA REVERSA COM INCLUSÃO DE CATADORES FUNDO DE COLETA SELETIVA E LOGÍSTICA REVERSA COM INCLUSÃO DE CATADORES PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO Decreto 54.991/2014 (leis 12.305/2010, 11.445/2007 e 12.187/2009)

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Uma Mudança

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais