Plano Diretor de Turismo Catanduva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Diretor de Turismo Catanduva"

Transcrição

1 Plano Diretor de Turismo Catanduva Volume I Caracterização Geral 2014

2 Realização: T4 Consultoria em Turismo Ltda. Prefeitura Municipal Geraldo Antonio Vinholi Prefeito Natália Manfrin Molinari Bellíssimo Coordenadora de Turismo

3 Siglas e Abreviaturas ANA Agência Nacional de Águas APP Área de Proteção Permanente CBH Comitê de Bacia Hidrográfica CBH-TG Comitê da Bacia Hidrográfica do Turvo/Grande CEPAGRI Centro de Pesquisas Meteorológicas Climáticas Aplicadas a Agricultura CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo ETE Estação de Tratamento de Esgoto HA - Hectare IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira IQA Índice de Qualidade da Água IVA Índice de qualidade das águas para proteção da vida aquática SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados SINAN Sistema de Informação de Agravos de Notificação SNIS Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento UGRHI Unidade de Gerenciamento de Recursos Hídricos

4 Índice de Figuras Figura 1. Região Administrativa de São José do Rio Preto Figura 2. Brasão Figura 3. Bandeira Figura 4. Mapa do Município Figura 5. Bacia Hidrográfica do Turvo/Grande Figura 6. Divisão da UGRHI-15 em Sub-Bacias Figura 7. Meta IDEB do 5 ano Figura 8. Meta IDEB do 9 ano Figura 9. Distribuição das Instituições de Ensino Figura 10. Pirâmide Etária

5 Índice de Quadros Quadro 1. Telefones Importantes Quadro 2. Distância dos Principais Municípios (Km) Quadro 3. Bairros de Catanduva, por região Quadro 4. Temperatura Média Mensal Quadro 5. Precipitação Média Mensal Quadro 6. Índices de qualidade, finalidade, variáveis e classificação Quadro 7. IVA e IQA do rio São Domingos Quadro 8. Valor adicionado fiscal (Em reais de 2013) Quadro 9. Empregos formais por setor Quadro 10. Qualidade das rodovias Quadro 11. Infraestrutura de apoio das rodovias Quadro 12. Frota de veículos Quadro 13. Ciclofaixas Quadro 14. Nível de atendimento (em %) Quadro 15. Indicadores de Saúde (Coeficientes por 1000 habitantes) Quadro 16. Produção Ambulatorial SUS Dez/2010 a Nov/ Quadro 17. Casos de dengue Quadro 18. Programa Saúde da Família Quadro 19. Relação das UBS s de Catanduva Quadro 20. Distribuição de leitos e profissionais da saúde Quadro 21. Distribuição de especialidades entre atendimento SUS e não SUS Quadro 22. Educação de Jovens e Adultos Quadro 23. Número de Matriculados nos Ciclos Educacionais Quadro 24. Divisão de Matrículas por Rede de Ensino Quadro 25. Média de alunos por turma, segundo rede de ensino Quadro 26. Distorção idade-série (%) Quadro 27. População em Idade Escolar Quadro 28. Taxa de analfabetismo da população de 15 anos e mais (Em %) Quadro 29. População de 18 a 24 anos com Ensino Médio Completo (Em %) Quadro 30. Taxa de Evasão do Ensino Fundamental (Em %) Quadro 31. Taxa de Evasão do Ensino Médio (Em %) Quadro 32. Taxa de aprovação e reprovação escolar (%) Quadro 33. Despesas Municipais em Educação (Em R$) Quadro 34. Notas IDEB... 50

6 Quadro 35. Instituições de Ensino do Município de Catanduva Quadro 36. Cursos de Ensino Superior Quadro 37. Consumidores de Energia Elétrica em Catanduva Quadro 38. Consumo de Energia Elétrica em Catanduva (Em MWh) Quadro 39. Registros de Ocorrências Policiais Quadro 40. Atendimentos do Corpo de Bombeiros Quadro 41. Obras finalizadas Quadro 42. Obras previstas Quadro 43. Praças públicas Quadro 44. Projetos turísticos...erro! Indicador não definido. Quadro 45. Macrozoneamento Quadro 46. Áreas Especiais Quadro 47. Categorias de uso e ocupação do solo Quadro 48. Composição do COMTUR Quadro 49. Condições de Vida Quadro 50. Principais Indicadores Demográficos Quadro 51. Evolução da Urbanização (Em %) Quadro 52. Habitação em Catanduva Quadro 53. Comparativo da evolução populacional do Estado de São Paulo com Catanduva.. 86 Quadro 54. Evolução do Gênero da População (Em %) Quadro 55. Evolução da População por Faixa Etária (%) Quadro 56. Rendimento das Pessoas Responsáveis pelos Domicílios Particulares (Em %) Quadro 57. Programas de Assistência Social (em unidades) Quadro 58. Atendimentos CRAS Quadro 59. Receitas Municipais Quadro 60. Finanças públicas municipais - Despesas (em reais) Quadro 61. Créditos de Investimento Quadro 62. Empregos formais por nível de ensino Quadro 63. Atendimento ao trabalhador de Catanduva Quadro 64. Principais ocupações ofertadas Quadro 65. Importação em Catanduva Quadro 66. Exportação em Catanduva... 93

7

8 Sumário Introdução Caracterização Geral Apresentação do Município Delimitação da Área Localização e Limites História Brasão e Bandeira Principais feriados e comemorações Divisão Territorial Geografia Clima Geologia Relevo Vegetação Hidrografia Principais atividades econômicas Infraestrutura Acesso Rodoviário Ferroviário Aeroviário Malha Viária Municipal Transportes Transporte Público Transporte Cicloviário Saneamento Indicadores de saneamento Plano Integrado de Saneamento Básico (PISB) Saúde Indicadores de Saúde Programa Saúde da Família... 40

9 Infraestrutura de Saúde Educação Indicadores Educacionais Programas Municipais de Educação Infraestrutura Educacional Comunicação Veículos de Comunicação Telefonia e Internet Comunicação turística Energia Segurança Obras Infraestrutura Turística Urbanismo Superestrutura Estrutura Político-Administrativa Governamental Gestão do Turismo Secretaria de Turismo Conselho Municipal de Turismo Empresariado ONG s e clubes sociais Conselhos Sindicatos Estrutura Jurídica Ambientes Social Demografia Assistência Social Econômico Cultural Ecológico Corredores Verdes Parques Abertos Oferta Turística

10 Referências

11 Introdução O primeiro volume, referente à Caracterização Geral da Destinação Turística, é composto pelos capítulos de Caracterização Geral, Infraestrutura, Superestrutura e Ambientes. O primeiro capítulo apresenta uma caracterização geral do município, contando com informações sobre o histórico do município, divisão territorial, ocupação, dados geográficos e atividades econômicas. O segundo capítulo apresenta questões da infraestrutura local, como: acesso ao município, transporte, saneamento, saúde, educação, comunicação, energia, segurança, serviços de apoio e outros. O terceiro e quarto capítulos apresentam a estrutura político-administrativa e jurídica, e os ambientes Social, Econômico, Cultural e Ecológico de Catanduva. 9

12 1. Caracterização Geral 1.1. Apresentação do Município Endereço da Prefeitura: Praça Conde Francisco Matarazzo, 01 Telefone da Prefeitura: (17) Quadro 1. Telefones Importantes Telefones Bombeiro (17) Delegacia (17) Santa Casa (17) Rodoviária (17) SAMU 192 Site: Registro IBGE: Delimitação da Área Município: Catanduva DDD: 17 Microrregião: Catanduva Mesorregião: São José do Rio Preto Altitude: 503 m Área: 290,6 km² Estado: São Paulo IDH: 0,785 Latitude: Longitude: Data de fundação: 14/04/

13 1.3. Localização e Limites O município localiza-se na região Noroeste do estado de São Paulo e conta com habitantes (SEADE, 2014). Destaca-se pelo alto grau de urbanização, sendo que em 2010 este valor era de 99,20%. Catanduva pertence à microrregião de mesmo nome, juntamente com os municípios de Ariranha, Cajobi, Catiguá, Elisário, Embaúba, Novais, Palmares Paulista, Paraíso, Pindorama, Santa Adélia, Severínia e Tabapuã. Além disso, pertence à região administrativa de São José do Rio Preto, juntamente com mais 95 municípios. Faz limites ao norte com Novais e Embaúba; Paraíso a nordeste; Palmares Paulista a leste, Pindorama a sudeste; Itajobi ao sul; Marapoama a sudoeste; Elisário e Catiguá a oeste e Tabapuã a noroeste. Figura 1. Região Administrativa de São José do Rio Preto Fonte: Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional,

14 1.4. História Quadro 2. Distância dos Principais Municípios (Km) Municípios Distância (km) Araçatuba 214 Araraquara 113 Barretos 97 Campinas 298 Olímpia 56 São Carlos 151 São José do Rio Preto 59 São Paulo 387 Fonte: Conjuntura Catanduva Catanduva surgiu em meados de 1850 em terras pertencentes originalmente ao município de Araraquara, mas que, posteriormente, se desmembraram originando as cidades de Jaboticabal, Monte Alto e São José do Rio Preto. Assim, as terras nas quais a cidade cresceu pertenciam à São José do Rio Preto. O nome do município originou-se do Tupi Guarani Caa-tã-dyba, que significa mato rasteiro, áspero e rústico, nome dado devido à localização do vilarejo, que se iniciou numa área de cerrado ralo. Por este motivo, inicialmente Catanduva foi conhecida por Cerradinho. Anos depois, o arraial de Cerradinho foi elevado a Distrito de Paz, com o nome de Vila Adolpho, pela lei nº de 16/12/1909, numa homenagem ao Coronel Adolfo, influente político da cidade de São José do Rio Preto, município ao qual a vila pertencia. Com a chegada da Estrada de Ferro em 1910 e o progresso da vila, foi criado o Município de Catanduva, pela lei nº 1564 de 14/11/1917, sendo que a instalação da mesma ocorreu em 14 de abril de 1918, em solenidade realizada no Clube 7 de Setembro. Nos anos vindouros perdeu partes de seu território com a criação dos municípios de Tabapuã (1938), Palmares Paulista (1944), Catiguá (1959) e Elisiário (1991). Em 9 de dezembro de 1919, pela lei nº 1675-E, criava-se a Comarca de Catanduva, que seria instalada em 07/02/1920. Historicamente sabe-se que os primeiros povoados constituídos em Catanduva teriam sido o São Francisco e o Higienópolis - até então pertencentes à comarca de Jaboticabal -, antes mesmo do surgimento do arraial de Cerradinho. Eram pontos considerados menos alagados, já que a área onde hoje se encontra o Ribeirão São Domingos era um pântano. Casebres de pau-a-pique ou de taipa cobertos de sapé abrigavam os primeiros moradores, os desbravadores. A pobreza era uma constante 12

15 no cotidiano dos pioneiros. O que se produzia normalmente era trocado por comida trazida pelos mascates em lombos de animais. O período de construção se deu próximo ao final da 1ª Guerra Mundial, de forma que vinda de imigrantes para a região (italianos, espanhóis, portugueses, japoneses e árabes) agregou à construção do município. Com glebas de terra colocadas à venda a preços considerados baixos, levando-se em conta as dificuldades para se desbravar as terras, rapidamente as fazendas foram se formando ao redor de Catanduva. Os casarões eram circundados por imensas plantações de café, que por muitos anos foi o principal produto da cidade. O progresso urbano, nesse início da história do município, foi extremamente rápido, prendendo-se ao desenvolvimento econômico da fértil zona rural. O cultivo do café e a expansão ferroviária, concomitantemente com o crescimento da assistência médico-hospitalar e educacional na cidade, constituíram fatores decisivos para a evolução da área urbana e, consequentemente, de Catanduva. A ampliação da fronteira agrícola de Catanduva se deu após a chegada da Estrada de Ferro Araraquarense, em A partir daí, as terras cultiváveis foram ocupadas pelo arroz, feijão, milho, pastagens e café. Aos poucos, os cafezais passaram a ser a cultura dominante na maioria das propriedades rurais, até a década de 1950, quando passaram a ser substituídos pelos laranjais e canaviais. Muita resistência por parte dos agricultores marcou o período de queda da produção de café. Essa cultura se destacou por poder ser cultivada tanto pela pequena quanto pela grande propriedade, não exigir muita mão de obra e por não ser perecível, podendo ser estocada e vendida ao longo do ano. A resistência acabou sendo vencida pelo baixo preço, pelas pragas que infestaram os cafezais e pela queda da qualidade do produto, causada, principalmente, por mudanças climáticas. No período de 1980 a 1990, a laranja viveu seu grande momento no município. Incentivados pela indústria de sucos, que investia na produção, os agricultores tomaram coragem para substituir de vez os cafezais pela laranja. No entanto, no final da década de 90, o alto custo da produção e a baixa produtividade, além do "amarelinho", praga que dizimou os pomares, tornaram inviável o cultivo da laranja. 13

16 Paralelamente, o assédio dos produtores de açúcar e álcool, oferecendo vantagens irrecusáveis em troca do arrendamento de terras para o cultivo da cana-de-açúcar, reduziu ainda mais a área destinada ao cultivo da laranja. Assim, seguiu-se a expansão da cultura canavieira, que havia se iniciado juntamente com a cultura da laranja a partir da década de A fundação de Catanduva possui duas versões históricas. Uma diz que o povoado teria surgido quando uma família mineira chamada Figueiredo chegou ao local em torno de 1890, onde deu início à primeira lavoura e construiu a primeira casa de telhas no bairro de São Francisco. Os Figueiredo teriam recebido as terras como herança da família portuguesa Moreira. A outra versão diz que a cidade teria sido fundada por Antônio Maximiano Rodrigues, mineiro de Conceição do Rio Verde, que teria adquirido terras na região por volta de 1890, fazendo, posteriormente, a doação de alqueires de sua propriedade para a paróquia de São Domingos. O conhecido título "Cidade Feitiço" é relacionado à hospitalidade dos moradores que recebem com muito carinho e atenção todos os visitantes e foi citado pela primeira vez em um jornal da cidade Brasão e Bandeira A Lei n , de junho de 1970, estabelece o Brasão de Armas, a Bandeira e o Hino Municipal como símbolos de Catanduva. A faixa vermelha do brasão simboliza o amor à pátria, a roda dentada representa o desenvolvimento da indústria local, a faixa azul é uma alusão às excelentes condições climáticas locais, o leão simboliza a força e grandeza do povo catanduvense, a faixa ondulada entre as faixas verdes do brasão representa o rio São Domingos correndo sobre os campos verdes do município. As riquezas agrícolas de Catanduva são simbolizadas pelos ramos de café, de laranja e cana na lateral do escudo. 14

17 Figura 2. Brasão Na Bandeira Municipal está contido o brasão da cidade e, sob ele, um flanco-quartel triangular amarelo que representa a cidade-sede do município. As faixas que partem desse flanco-quartel representam a irradiação do Poder Municipal a todos os quadrantes de seu território e os quartéis assim constituídos representam as propriedades rurais existentes no mesmo. Figura 3. Bandeira O hino oficial foi escolhido em concurso público realizado em 1996 pela Prefeitura de Catanduva. A letra e música são de autoria de José Carlos de Freitas e o arranjo foi feito por Elton Singolo, com vocal de Ulisses e Moisés Ordine. De acordo com a Lei n /2005, deve ser executado nos estabelecimentos de ensino municipal ao menos uma vez por semana. 15

18 Hino de Catanduva Sob o sol escaldante dos trópicos, um pioneiro chegou a esta terra, terra crua que não prometia um futuro de tanto esplendor. O viajante fincou a bandeira com coragem, confiança e amor e o intrépido aventureiro consagrou-se como fundador A semente foi plantada e mudou a paisagem, nossa terra ficou fértil, floresceu. E a mão firme do trabalho operou mais um milagre: fez nascer um povo forte, um povo honesto e lutador. Catanduva, Cidade Feitiço Quem pisa teu chão não se esquece jamais Teu feitiço é mais que um encanto que inspira meu canto de amor e de paz! Teu feitiço é mais que um encanto que inspira meu canto de amor e de paz! 1.5. Principais feriados e comemorações 14 de abril Aniversário da cidade Abril Exposição Nacional de Orquídeas Maio Festa das Nações Maio/Junho - Corpus Christi Junho Festa do Padroeiro Paróquia de São Paulo 16

19 8 de agosto Dia de São Domingos, padroeiro da cidade Setembro Motofest Encontro de Motociclistas Outubro Festa do Padroeiro São Judas Tadeu Dezembro Festa da Padroeira Imaculada Conceição 1.6. Divisão Territorial Catanduva possui uma área total de 290,596 km², sendo apenas 30% representada pela zona urbana e semiurbana. Sua densidade demográfica em 2014 é de 394,97 habitantes/km² (SEADE, 2014). Como podemos ver na figura a seguir, Catanduva está dividida em sete regiões. Figura 4. Mapa do Município Fonte: Prefeitura Municipal, O quadro a seguir apresenta a relação de todos os bairros do município de acordo com as regiões, assim como sua população. Verifica-se que a zona leste é a mais populosa, uma vez que as regiões 3 e 7 são as que contam com um maior número de moradores, e a região 1 a menos, o que se justifica pelo fato de ali estarem concentradas as principais atividades comerciais e financeiras. Na sequência o mapa do município. 17

20 Quadro 3. Bairros de Catanduva, por região Bairro Pop. Bairro Pop. Bairro Pop. Bairro Pop. Bairro Pop. Bairro Pop. Bairro Pop. Centro 2863 Vila Motta 3142 São Francisco 3289 Vila Soto 4158 Vila Amêndola 3382 Pq. Flamingo 3812 Bom Pastor 4963 V.S.Antonio 1601 Higienópolis 2735 Jd. Bela Vista 3019 Pq. Iracema 3666 Martani 2822 Jd. Imperial 3452 Solo Sagrado 4495 Jd Belem 755 Jd. Salles 1991 Glória IV 1370 Cidade Jardim 3017 Agudo Romão I 2424 Gaviolli 2373 Euclides Figueiredo 2806 Jd Brasil 522 Lunardelli 1621 Jd. Santa Rosa 1196 Resid. Paraíso 1877 Jd. Del Rey 2115 Gabriel Hernandes 2192 Conj. Antonio Zácaro 1946 Vila Stocco 494 Tarraf 1210 Glória III 1186 Vila Celso 1864 Parque José Cury 747 Giordano Mestrinelli 978 Pachá 1500 Vila Jorge 1146 Glória VI 1145 Jd. Monte Líbano 1376 Vila Juca Pedro 659 Vila Paulista 872 Jd. São Domingos 1434 Vila Bela 1132 Glória V 1137 Jd. América 978 Santa Paula 657 Resid. Ipanema 471 Giuseppe Spina 1221 Colina do Sol 884 Jd. Vertoni 1064 Jd. San Remo 606 Agudo Romão II 527 Vila Guzzo 432 Jd. Eldorado 1169 Jd. São Benedito 635 Glória I 965 Alto da Boa Vista 571 Resid. P.Monteleone 504 Vila São Luiz 316 Conj. Pedro Nechar 415 Theodoro R. Fº 570 Glória II 840 Vila Industrial 460 Vila Engrácia 430 Pq. Ipiranga 109 Resid. dos Ipês 188 Jd. Caparroz 429 Nosso Teto 796 Jd. Primavera 291 Luminar Residence 266 Jd. do Lago 98 Jd. Oriental 174 Pq. Américas 399 Jd. Do Bosque 774 Zé Povão 189 Joaquim Lopes 183 Jd. Shangrilá 80 Resid. Acapulco 398 Conj. Vasco Cappi 721 Jd. Alpino 151 Jd. Coqueiros II 154 Jd. Alvorada 73 Borgonovi 371 Sebastião Moraes 684 Jd. Irradiação 25 Jd. Coqueiros 153 Distr. Pedro L. Boso 45 Júlia Caparroz 190 Juliatti de Carvalho 607 Granville I 109 Distr. Antonio Zácaro 43 Vivendas 7 Set. 188 Vila Alexandria 606 Km 7 87 Distr. José A. Boso 27 Jd. Monte Carlo 129 Resid. Moreschi 525 Granville II 36 Jd. Oliveiras 48 Jd. Esperança Fonte: Prefeitura Municipal,

21 MAPA 1. MAPA BÁSICO DE CATANDUVA 19

22 1.7. Geografia No presente tópico serão apresentadas as principais informações referentes ao Clima, Relevo, Geologia, Vegetação e Hidrografia Clima De acordo com a classificação climática de Koeppen, o clima característico do município é o tropical chuvoso (AW), com inverno seco e, durante o mês mais frio, com temperatura média superior a 18 C. O mês mais seco tem precipitação inferior a 60 mm e o período de chuvas se adia para o outono. O quadro a seguir mostra que o clima é extremamente quente, uma vez que a temperatura máxima está acima dos 28 C durante todos os meses do ano. Quadro 4. Temperatura Média Mensal Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano Máx ( C) ,2 Mín ( C) ,8 Fonte: CEPAGRI, Os meses mais frios, principalmente julho e agosto, são os que apresentam os menores volumes de chuva. Os meses de dezembro e janeiro caracterizam-se pelas altas precipitações, referidos como Estação das chuvas. Quadro 5. Precipitação Média Mensal Ano Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Média (mm) 203,2 192,2 151,1 53,4 39,5 26,1 18,6 13, Fonte: CEPAGRI, Geologia Catanduva está situada sobre a Bacia Sedimentar do Paraná, constituído principalmente por rochas cristalinas pré-cambrianas e subordinadamente por rochas eopaleozóicas afossilíferas. As rochas predominantes são os arenitos de Bauru, com presença de calcário, siltitos, argilitos e conglomerados. Os solos predominantes são Latossolos Vermelho-Amarelo e Podzólico Vermelho-Amarelo, mais frequente nas vertentes mais inclinadas. Na Bacia Sedimentar do Paraná, a unidade morfoescultural de interesse é o Planalto Ocidental Paulista, presente em quase 50% do território paulista, onde se destacam os planaltos interiores de Monte Alto e Catanduva. 20

23 Relevo O relevo é formado por camadas sub-horizontais, com leve caimento para o Oeste, formando uma extrema plataforma suavizada nivelada próxima aos 500 metros de altitude. O Planalto de Catanduva situa-se ao longo da bacia do médio e alto rio São Domingos, onde se localizam as cidades de Santa Adélia, Catanduva e Catiguá, e estende-se até as proximidades de Uchoa. As colinas amplas e médias dominam seu relevo com altitudes entre 500 e 550 metros. Limita-se: o a Sudeste pela Serra do Itambé, com ponto mais elevado de 625 metros de altitude; o a Oeste-Sudoeste por um relevo de transição com encostas sulcadas por vales paralelos; o a Noroeste pelo interflúvio dos rios São Domingos e Turvo/Ribeirão da Onça Vegetação De acordo com o Inventário Florestal do Estado de São Paulo concluído em 2010 pelo Instituto Florestal/Governo do Estado de São Paulo, a vegetação em Catanduva se apresenta como: 0,52% Mata, 0,90% Capoeira, 0,06% Vegetação não classificada, contabilizando 1,48% ou 433,28 ha da área territorial do município formada por cobertura vegetal. Há de se ressaltar que atualmente existem 74,24 ha de área de reflorestamento. Segue abaixo uma breve descrição de cada tipo de vegetação. Mata Floresta densa, sempre verde e diversificada, com árvores de até 20 metros de altura. Encontrada em trechos contínuos ao longo do litoral e em pontos esparsos no interior 1. Capoeira Vegetação secundária resultante da exploração ou alteração de uma mata primitiva. Normalmente de porte menor e menos diversificada que a floresta original. Em locais 1 Instituto Florestal. Inventário Florestal da Vegetação Natural do Estado de São Paulo. São Paulo: Instituto Florestal, 2005, p

24 onde a alteração é mais intensa, apresenta inicialmente espécies pioneiras como a imbaúba 2. Apresenta-se a seguir o mapa florestal do município. 2 Idem. 22

25 MAPA 2. MAPA FLORESTAL DE CATANDUVA 23

26 Hidrografia O município, em sua maior parte, está inserido na Bacia Hidrográfica do Turvo/Grande, definida como Unidade Hidrográfica de Gerenciamento de Recursos Hídricos 15 (UGRHI-15), expressado na figura 5. A ocorrência de água subterrânea se deve à existência de três unidades aquíferas: Bauru, Serra Geral e Guarani. O Bauru é o mais explorado e ocupa 90% da área da UGRHI-15. Figura 5. Bacia Hidrográfica do Turvo/Grande Fonte: CBH-TG, Dentro do Comitê da UGRHI-15, Catanduva está inserida no grupo 4 da subdivisão dos municípios juntamente com: Ariranha, Bebedouro, Cajobi, Cândido Rodrigues, Catiguá, Embaúba, Fernando Prestes, Monte Alto, Monte Azul Paulista, Novais, Palmares Paulista, Paraíso, Pindorama, Pirangi, Santa Adélia, Tabapuã, Taiaçu, Taiúva e Vista Alegre do Alto. Também possui uma parte de seu território na UGRHI-16, Bacia Hidrográfica do Tietê/Batalha, porém apenas uma parte da zona rural. 24

27 Figura 6. Divisão da UGRHI-15 em Sub-Bacias Fonte: Plano de Bacia TG, A UGRHI-15 foi subdividida em 12 sub-bacias, as quais foram nomeadas conforme o nome do principal curso d água. Catanduva é drenada pelas sub-bacias do rio São Domingos e ribeirão da Onça, cada uma com área de drenagem de 855 km² e 870 km², respectivamente. O São Domingos nasce no município de Santa Adélia e deságua no rio Turvo em Uchoa. A área de drenagem do rio São Domingos até o limite de Catanduva é de 378 km². No município, o rio São Domingos representa 19,2% da subbacia e o ribeirão da Onça 7%. Ele é de grande importância por cortar a área urbana no sentido Leste-Oeste. Os seguintes recursos hídricos também estão presentes no município: o Ribeirão Cubatão o Córrego Retirinho o Córrego Barro Preto o Córrego Fundo o Córrego Minguta A CETESB produz anualmente um relatório com a qualidade das águas paulistas. A seguir, são apresentados os dados obtidos neste relatório sobre a avaliação do rio São 25

28 Domingos, no trecho que passa pelo município de Catanduva, conforme as coordenadas Lat S: 21º09 30 / Long W: 48º Seu código CETESB é SDOM Índice de Qualidade IQA IVA Quadro 6. Índices de qualidade, finalidade, variáveis e classificação Índice de Qualidade das Águas Índice de Qualidade das Águas para Proteção da Vida Aquática Principal Finalidade Diluição de efluentes (principalmente doméstico) Proteção da vida aquática Variáveis que compõem o índice Temperatura, ph, Oxigênio Dissolvido, Demanda Bioquímica de Oxigênio, Escherichia coli / Coliformes Termotolerantes, Nitrogênio Total, Fósforo Total, Sólidos Totais e Turbidez Oxigênio Dissolvido, ph, Ensaio Ecotoxicológico com Ceriodaphnia dubia, Cobre, Zinco, Chumbo, Cromo, Mercúrio, Níquel, Cádmio, Surfactantes, Clorofila a e Fósforo Total Classificação Ótimo Bom Regular Ruim Péssimo 0-19 Ótimo 2,5 Bom 2,6 IVA 3,3 Regular 3,4 IVA 4,5 Ruim 4,6 IVA 6,7 Péssimo Fonte: Adaptado de Qualidade das Águas Superficiais ,8 IVA Índice de Qualidade das Águas (IQA) Avaliação do nível de contaminação do recurso hídrico ocasionado pelo despejo de esgoto doméstico. Tem como objetivo principal a utilização do recurso para uso público. Índice de Qualidade das Águas para Proteção da Vida Aquática (IVA) Avaliação da qualidade da água para fins de proteção da fauna e da flora. Este índice leva em consideração a presença e concentração de componentes químicos tóxicos, e também o nível do ph e do oxigênio dissolvido na água. Quadro 7. IVA e IQA do rio São Domingos JAN MAR MAI JUL NOV Média IQA IVA 4,4 5,4 6,4 5,4 5,4 Fonte: Adaptado de Qualidade das Águas Superficiais Através do quadro acima é possível notar que o rio São Domingos em Catanduva apresenta índices insatisfatórios quanto à qualidade de suas águas. A média do IQA em 2013 foi 47, classificado como regular, e do IVA é 5,4, considerado ruim. Tais dados 26

29 podem ser justificados pelo despejo do esgoto doméstico bruto do município neste rio, contribuindo para a poluição Principais atividades econômicas A economia de Catanduva é baseada principalmente nos segmentos de indústria e agropecuária, sendo que seu desenvolvimento econômico tem se dado a partir da junção das duas atividades na agroindústria. Na atividade agropecuária o município destaca-se pela produção de laranja e, principalmente, pela produção de cana de açúcar. As terras são, praticamente, todas aráveis e cultivadas pelos próprios proprietários. No entanto, há um grande número de funcionários temporários (23,83%), de forma a estimular a migração de trabalhadores de outras cidades e Estados, sendo que o Estado da Bahia é um dos principais emissores (63%). Por estar situada na quarta maior região sucroalcooleira, o município se destaca pela produção de cana de açúcar. A cidade conta com 35 usinas de álcool e açúcar, que produzem cerca de 22 milhões de toneladas de cana ( ha), 35 milhões de sacas de açúcar e 903 milhões de litros de álcool anidro e hidratado. A produção de laranjas e outras culturas, dentre elas o limão tahiti, ocupa ha. Catanduva representa um importante eixo para o escoamento da safra agrícola do centro-oeste do país por interligar grandes rodovias, como a Rodovia Washington Luiz e a Rodovia Comendador Pedro Monteleone. Além disso, o município dispõe de uma linha ferroviária, Ferrovia Bandeirantes FERROBAN, que interliga Santa Fé do Sul (fronteira do Mato Grosso do Sul) com o porto de Santos. Na indústria, Catanduva é conhecida pela produção de ventiladores de teto, respondendo por 90% de toda produção nacional. Também se destaca em nível nacional a indústria de Café COCAM, que abrange 14% do mercado. 27

30 A área de comércio e serviços também é importante para o desenvolvimento econômico da cidade, visto que é o setor que mais emprega. Nele, 90% dos estabelecimentos são caracterizados como micro e pequenas empresas. O quadro abaixo apresenta o valor adicionado fiscal de cada atividade econômica entre 2009 e A atividade industrial é uma das que mais contribui financeiramente para a cidade, juntamente com o setor de comércio. Quadro 8. Valor adicionado fiscal (Em reais de 2013) Agricultura, Pecuária e Outros Produtos Animais Indústria Comércio Serviços Fonte: SEADE, Ao analisar as mesmas atividades, por meio de indicadores de empregabilidade, vemos que o setor da indústria é o que mais emprega seguido pela área de serviços. Quadro 9. Empregos formais por setor Agricultura, Pecuária, Produção Florestal, Pesca e Aquicultura Indústria Construção Comércio Atacadista e Varejista e do Comércio e Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas Serviços Total Empregos Formais Fonte: SEADE, Infraestrutura 2.1. Acesso Rodoviário Catanduva conta com duas vias rodoviárias de acesso direto ao município, a Rodovia Washington Luís e a Governador Pedro Monteleone. Além disso, há outras três rodovias que se interligam com estas, sendo elas: Rodovia Armando Salles de Oliveira (SP-322), Rodovia Brigadeiro Faria Lima (SP-326) e Rodovia José Della Vechia (SP-323). 28

31 Rodovia Washington Luiz (SP-310) A rodovia Washington Luís (SP-310) é uma importante rodovia estadual, e também considerada como uma das mais bem conservadas do país. Atualmente é administrada pelas empresas Centrovias e Triângulo do Sol, apresentando vários pedágios ao longo de seu trecho nos seguintes municípios: Rio Claro, Itirapina, Araraquara, Agulha e Catiguá. Seu traçado segue na direção noroeste do Estado, partindo das rodovias Anhanguera no km 153 e Bandeirantes no km 158, no município de Cordeirópolis e terminando no acesso ao município de Mirassol. Sua extensão quase não tem curvas, apresentando apenas um trecho perigoso na Serra dos Padres entre Corumbataí e São Carlos, e em uma depressão um pouco antes de Araraquara. Rodovia Governador Pedro Monteleone (SP-351) Conhecida como Rodovia da Laranja, faz a ligação entre os municípios de Catanduva e Bebedouro, passando por Paraíso. A partir desta via é feito o acesso ao terminal rodoviário de Catanduva. Esta rodovia não possui pedágios. A Confederação Nacional de Transportes e o Serviço Social do Transporte e Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte realizam regularmente o estudo Pesquisa CNT de Rodovias com o intuito de fazer um levantamento das condições das rodovias brasileiras, analisando o estado de conservação e as condições de trafegabilidade. São analisados o pavimento, a sinalização e a geometria, e classificados como ótimo, bom, regular, ruim e péssimo. O quadro a seguir representa os dados das rodovias de acesso à Catanduva. A rodovia SP-326 não se encontra aqui representada, pois no estudo seus dados foram analisados juntamente com uma rodovia federal, interferindo na análise. Quanto à qualidade das rodovias, o estudo apresenta que estão em boas condições, com destaque da SP-322 que recebeu avaliações ótimas em quase todos os quesitos. Interessante notar que a SP-310, a mais importante de todas, uma vez que faz a ligação entre grandes municípios como: Rio Claro, São Carlos, Araraquara e São José do Rio Preto, é a que apresentou índices insatisfatórios, como pavimento e geometria regulares. 29

32 Quadro 10. Qualidade das rodovias Rodovia Extensão Geral Pavimento Sinalização Geometria pesquisada SP Bom Regular Ótimo Regular SP Ótimo Ótimo Ótimo Bom SP Bom Ótimo Ótimo Regular SP Bom Ótimo Bom Bom Fonte: Pesquisa CNT de rodovias, Além da qualidade, também foram apresentados dados referentes à infraestrutura de apoio das rodovias no que diz respeito à borracharia, concessionárias e oficina mecânica, posto de abastecimento e restaurante e lanchonete. Nesta área pode-se notar que a SP-323 é a menos equipada, uma vez que não preenche nenhum quesito. Em contrapartida, a SP-351 é a melhor equipada, pois apresenta mais do que uma ocorrência dos quesitos na extensão estudada. Rodovia Extensão com ocorrência Borracharia N mín. de ocorrência Quadro 11. Infraestrutura de apoio das rodovias Concessionárias e Oficina mecânica Extensão N mín. de com ocorrência ocorrência Posto de Abastecimento Extensão com ocorrência N mín. de ocorrência Restaurante e Lanchonete Extensão com ocorrência N mín. de ocorrência SP SP SP SP Fonte: Pesquisa CNT de rodovias, Ferroviário A Estação Ferroviária de Catanduva foi inaugurada em 1 de maio de 1910 como Vila Adolpho, nome do então distrito de São José do Rio Preto. Com a criação do município em 1917 seu nome foi alterado para Catanduva. Os trens de passageiros circularam até 2001, fazendo o trajeto Itirapina a São José do Rio Preto. Atualmente, circulam apenas trens de carga da América Latina Logística (ALL), que faz o escoamento da produção de soja do Mato Grosso para o porto de Santos. A Estação Ferroviária foi cedida à Prefeitura Municipal que a revitalizou, transformando-a em Estação Cultura, um complexo cultural que reúne a Secretaria 30

33 Municipal de Cultura, Casa da Cultura, Oficinas Culturais e outros órgãos. Em anexo há o prédio da antiga estação rodoviária que abriga uma sala de exposições para feiras e eventos Aeroviário Existe no município um aeroclube para voos privados desde 1940, com curso de formação de pilotos privados e comerciais. Nos últimos anos, se reestruturou e expandiu sua capacidade de formação de interessados na aviação civil, recebendo alunos de outros Estados, sendo que até 2011 eram mais de 500 pilotos formados. O aeroclube opera em uma pista de 1200 metros com balizamento noturno. Também é possível acessar Catanduva através do aeroporto de São José do Rio Preto, localizado há cerca de 60 km, que conta com voos comerciais das empresas Tam, Azul e Passaredo Malha Viária Municipal O diagnóstico do Plano de Mobilidade de Catanduva avaliou aspectos de uso e geométricos do sistema viário nas principais vias da cidade, bem como aquelas atendidas por linhas de transporte coletivo. A área central da cidade é a que possui as vias mais estreitas, especialmente se comparada à região industrial que possui vias bastante amplas. Quanto ao número de faixas, nas vias principais nota-se a preponderância de uma ou duas faixas, enquanto em outras regiões as avenidas possuem de três a quatro faixas. Já as rodovias dispõem de quatro a seis faixas. Além disso, em algumas avenidas e rodovias há a presença de canteiro central. O levantamento do uso lindeiro das vias apontou que nas vias da área central predomina o uso misto, que conjuga o uso residencial ao uso de comércio e serviços. Nota-se também que as vias de acesso ao município e as vias da região industrial tem caráter não residencial, enquanto as demais vias principais são caracterizadas, principalmente, pelo uso residencial. 31

34 Considerando os dados apresentados acima, o Plano de Mobilidade diagnosticou que a baixa capacidade de suporte das vias do centro da cidade, caracterizadas pela largura estreita de suas vias e o baixo número de faixas, contrasta com o seu grau de uso, visto que na região central concentram-se diversas atividades. Nas vias principais estão também concentradas as vagas de estacionamentos devidamente demarcadas com faixas tracejadas. Em outras regiões há espaços que permitem o estacionamento, mas sem demarcação específica. Vagas exclusivas para deficientes físicos, idosos, motos, táxis, veículos militares e zona azul também estão concentradas nas vias centrais Transportes Como podemos ver no quadro a seguir, a frota total de veículos no município praticamente dobrou entre os anos 2002 e 2013, sendo que aproximadamente todo morador possui um. O número de habitantes por automóvel passou de 3,73 em 2002 para 2,35 em 2013, ou seja, o número de carros cresceu mais que a população, representando vinte mil automóveis a mais nas ruas, o que vem ocasionando trânsito. Ressalta-se que, dentre a frota total de veículos, 51,4% é de automóveis e 29,7% de motocicletas. Quadro 12. Frota de veículos Variável Frota Total de Veículos Número de Habitantes por Total de Veículos 2,22 1,95 1,41 1,21 Frota de Automóveis Número de Habitantes por Automóvel 3,73 3,39 2,69 2,35 Frota de Ônibus Frota de Caminhões Frota de Reboques Frota de Motocicletas e Assemelhados Frota de Micro-ônibus e Camionetas Frota de Veículos de Outro Tipo Fonte: SEADE,

35 Transporte Público O sistema de transporte público coletivo de Catanduva é operado pela empresa Jundiá Transportadora. A empresa fornece serviços de ônibus e conta com 19 linhas. As linhas concentram-se no Terminal Rodoviário, localizado na região central da cidade. Todas as linhas realizam o itinerário bairro-centro, de forma que no terminal é possível trocar de ônibus sem uma nova cobrança da tarifa Transporte Cicloviário O município de Catanduva reconhece a importância da diversificação de meios de transporte no desenvolvimento de um centro urbano. Levando isto em consideração, a cidade já dispõe de ciclofaixas em diversos eixos viários, como as avenidas São Domingos, Benedito Zancaner, Daniel Soubhia, Engenheiro José Nelson Machado e Theodoro Rosa Filho. A ampliação e aprimoramento das ciclofaixas estão previstas no Plano de Mobilidade de Catanduva, de forma a facilitar o acesso a outras regiões e integrar com outros meios de transporte, através do terminal urbano e do terminal rodoviário. Segue abaixo uma breve caracterização da ciclofaixas existentes. Quadro 13. Ciclofaixas Extensão Largura Pistas Pavimentação Estado de Conservação Avenida São Domingos 3.200m 7,5m 2 Asfalto Bom Av. Engº J. Nelson Machado 3.300m 7,5m 1 Asfalto Bom Av. Theodoro Rosa Filho 2.100m 14,5m 1 Asfalto Bom Avenida Daniel Soubhia 1.100m 7,5m 1 Asfalto Bom R. Sta Cruz das Palmeiras 500m Sem asfalto Alameda Barcelona 750m 7,5m 2 Asfalto Razoável Av. Benedito Zancaner 1.500m 7,5m 2 Asfalto Razoável 2.4. Saneamento Indicadores de saneamento Os serviços de saneamento básico são realizados pela Superintendência de Água e Esgoto de Catanduva (SAEC). A SAEC é uma autarquia municipal responsável pela 33

36 captação de recursos hídricos, coleta de efluentes de esgoto e oferta de infraestrutura para o gerenciamento do sistema de abastecimento. Apesar de possuir excelentes indicadores de saneamento, nota-se que a cidade continua poluindo o Rio São Domingos, que apresenta índices de qualidade da água inadequados, conforme apresentado anteriormente no quadro 7. Dessa forma, se um investimento maior não for feito, serão necessárias mais décadas para que todos os indicadores alcancem 100% de cobertura. Expõe-se que a taxa de crescimento de coleta de lixo e esgoto sanitário foi inferior à do Estado neste período. Catanduva Estado de SP Quadro 14. Nível de atendimento (em %) Variável Taxa de Crescimento Abastecimento de Água 96,41 97,91 1,5 Coleta de Lixo 99,4 99,82 0,42 Esgoto Sanitário 96,32 98,56 2,24 Abastecimento de Água 97,38 97,91 0,53 Coleta de Lixo 98,9 99,66 0,76 Esgoto Sanitário 85,72 89,75 4,03 Fonte: SEADE, De acordo com o SNIS, em 2013 Catanduva contava com ligações ativas de esgotos, representando economias ativas de esgoto, sendo residenciais. A extensão de rede coletora era de metros, com 4.896,09 m³/ano de esgoto coletado. Também de acordo com o SNIS (2013), Catanduva contava com ligações ativas de água, representando economias ativas de água, sendo residenciais. A extensão de rede distribuidora era de metros, com 6.120,12 m³/ano consumidos. Quanto ao abastecimento de água, expõe-se que a demanda urbana para o cenário de 2015 é de 312 L/s. Dessa forma, o abastecimento é classificado como abastecimento satisfatório, ou seja, atualmente não se faz necessário investimento para a captação de água (ANA, 2014). 34

37 Plano Integrado de Saneamento Básico (PISB) O Plano Integrado de Saneamento Básico de Catanduva foi elaborado considerando um planejamento para os próximos 20 anos, sendo que este deve ser revisado a cada 4 anos. A necessidade do PISB se fez mais forte após a Lei do Saneamento Básico ou Lei regulamentada pelo Decreto Federal n 7.217/10, que determinava a elaboração de um plano de saneamento básico, com clareza e objetividade quanto às metas, objetivos, ações e prazos, visando o acesso ao saneamento básico para toda a população dentro de um horizonte de 20 anos. Objetivou-se neste plano o atendimento de alguns princípios fundamentais, sendo eles: Precaução: sob a existência de riscos de efeitos adversos graves ou irreversíveis para o ambiente, e para os recursos hídricos, não deverá ser utilizado o argumento de existência de conhecimentos para justificar o adiamento das medidas eficazes para evitar as degradações ambientais; Prevenção: sempre adotar medidas preventivas que impeçam a ocorrência de efeitos ambientais adversos ou irreversíveis; Uso das melhores tecnologias disponíveis: deverão ser utilizadas as melhores tecnologias disponíveis na resolução dos problemas ambientais e hídricos, particularmente no tratamento das águas residuais; Usuário-pagador: trata-se de uma norma do direito ambiental que consiste em obrigar o poluidor a arcar com as despesas para a reparação do dano causado por ele no meio ambiente; Competência decisória: as decisões deverão ser tomadas por órgãos da administração municipal que estão mais capacitados a tomá-las; Solidariedade e coesão: a gestão integrada no sistema de saneamento não deverá contribuir para criar ou agravar desigualdades sociais ou administrativas. O PISB de Catanduva deve se desenvolver sob os seguintes objetivos gerais: Buscar a melhoria significativa dos níveis quantitativos e qualitativos do atendimento em matéria de abastecimento de água, esgotamento sanitário, 35

38 limpeza pública e manejo de resíduos sólidos, drenagem e manejo das águas pluviais. Estabelecer procedimentos regulares de articulação entre os diversos setores de saneamento para a gestão dos recursos naturais no âmbito do município. Buscar a resolução imediata de disfunções ambientais graves ou que envolvam riscos potenciais para a saúde pública. Reconhecer a valorização ambiental dos sistemas hídricos. Proteger e valorizar os recursos hídricos subterrâneos. Aperfeiçoar os sistemas de informação e de capacidade de avaliação e monitoramento os setores do saneamento básico. O diagnóstico do PISB apontou que o abastecimento de água ainda sofre interrupções em alguns pontos da cidade e que ainda não existe tratamento de esgoto sanitário, resultando em rios poluídos em decorrência do despejo de esgoto, inclusive o rio São Domingos, que corta a cidade. Além disso, em épocas de chuva os alagamentos são frequentes. O abastecimento de água é feito por mananciais subterrâneos, os aquíferos Guarani e Bauru, que produzem até 300 mil L/h e 25 mil L/h, e correspondem, respectivamente, a 31,83% e 68,17% da captação de água. Ambos são explorados através de 62 poços tubulares profundos instalados pelo município, sendo que 4 poços captam água do Guarani e 58 do Bauru (SAEC, 2013). Atualmente, o sistema de abastecimento de água conta com 27 unidades de captação (UC s) e 4 unidades de reservação (UR s). Toda a água captada, por ser de excelente qualidade, passa pelos processos de desinfecção com cloro e fluoretação, a fim de evitar que seja contaminada durante seu armazenamento e distribuição. Um dos objetivos centrais do PISB é a despoluição do rio São Domingos. Por isso está sendo construída uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) com previsão para entrar em funcionamento em fevereiro de 2015, contando com quatro lagoas e estação elevatória com capacidade para atender até 180 mil habitantes. Futuramente, a ETE também deverá tratar o chorume produzido no aterro sanitário. O esgoto que não é despejado no rio é tratado por fossas, existindo 407 domicílios com fossa 36

39 séptica, 299 com fossa rudimentar e 8 que lançam seus efluentes em valas. As águas do rio São Domingos têm apresentado má qualidade, mau cheiro e baixas concentrações de oxigênio na sua maior extensão e em seus afluentes. Quanto à limpeza urbana, a varrição de rua é feita por empresa terceirizada (Monte Azul Engenharia Ltda.), e ocorre diariamente no centro da cidade e duas vezes por semana nos outros bairros. A coleta de resíduos sólidos atende 100% da população urbana e aproximadamente 13% da área rural. Assim como a limpeza, a coleta é realizada pela mesma empresa terceirizada diariamente no centro, e em dias alternados nos outros bairros. Inexiste um programa estruturado de coleta seletiva no município. No entanto, no ano de 2013 surgiu um projeto piloto de recolhimento de material reciclável porta a porta em três bairros escolhidos em audiência pública, sendo que mais três bairros já foram incluídos Saúde Indicadores de Saúde O quadro abaixo apresenta uma comparação entre os indicadores de saúde em Catanduva e no estado de São Paulo no ano de Em todos os itens Catanduva apresenta notas superiores à média do Estado. Desta maneira, infere-se que o município possui um sistema de saúde de qualidade nos itens avaliados, uma vez que os indicadores são expressivamente melhores que os do Estado, com exceção da taxa de mortalidade infantil. Quadro 15. Indicadores de Saúde (Coeficientes por 1000 habitantes) Catanduva Estado de SP Taxa de mortalidade infantil 6,93 11,55 Técnicos em Enfermagem Registrados no CORENISP 3,20 2,49 Auxiliares de Enfermagem Registrados no CORENISP 5,17 4,84 Enfermeiros Registrados no COREN/SP 2,12 1,95 Leitos de Internação 4,49 2,28 Leitos SUS 3,26 1,42 Dentistas Registrados no CRO/SP 5,01 3,55* Técnicos de Prótese Dental Registrados no CRO/SP 0,44 0,28 Médicos Registrados no CRM/SP 4,2 2,53 * Dado referente ao ano de Fonte: SEADE,

40 O quadro abaixo apresenta a produção ambulatorial do SUS entre dezembro de 2010 e novembro de 2011, dividida entre grupos de procedimentos, níveis de complexidade e tipo de gestão. Os procedimentos de atenção básica são apenas de responsabilidade municipal e representam o maior montante de atendimentos, sendo que procedimentos clínicos são os mais requisitados. Procedimentos de média e alta complexidade são geridos juntamente com o governo Estadual. Neste caso, a gestão Estadual atende a um número maior de procedimentos, principalmente conforme o aumento da complexidade. 38

41 Quadro 16. Produção Ambulatorial SUS Dez/2010 a Nov/2011 Atenção Básica Média Complexidade Alta Complexidade Não se aplica Grupo de Procedimentos SUS Gestão Municipal Total Gestão Municipal Gestão Estadual Total Gestão Municipal Gestão Estadual Total Gestão Municipal Gestão Estadual Total Total Geral Ações de Promoção e Prevenção em Saúde Procedimentos com Finalidade Diagnóstica Procedimentos Clínicos Procedimentos Cirúrgicos Órteses, Próteses e Materiais Especiais Ações Complementares da Atenção à Saúde Total Fonte: Conjuntura Catanduva

42 Os dados de casos de dengue no município são preocupantes. No ano de 2010 houve um aumento assombroso, mas que caiu nos dois anos consecutivos, apresentando uma quantia ínfima. No entanto, em 2013 o número de casos voltou a apresentar um grande aumento. Quadro 17. Casos de dengue Ano Autóctone Importado Fonte: SINAN/Divisão de Zoonoses, Programa Saúde da Família Existem em Catanduva 18 Unidades de Saúde da Família com 21 equipes de Estratégia de Saúde da Família (ESF). Para 2014 está prevista a inauguração de mais uma unidade com 3 equipes que atenderão ao bairro Glória. Todas as Unidades de ESF desenvolvem ações de promoção de saúde e prevenção de doenças em suas dependências e nos demais espaços comunitários como escolas, creches, bares, comunidades terapêuticas, igrejas, etc. Os principais grupos educativos e de atividade física são: Programa Despertando Vidas, Grupo Gestante Feliz, Grupo de Prevenção de Quedas, Grupo Balança Amiga, Saúde em Movimento, Grupos de Saúde Mental e Doce Vida. Apresenta-se a seguir os dados referentes ao número de atendimentos no Programa Saúde da Família. Quadro 18. Programa Saúde da Família Família População atendida Fonte: Secretaria Municipal de Saúde, Infraestrutura de Saúde No município existem 22 unidades de atendimento básico, dois pronto-atendimentos, um Ambulatório Regional de Especialidades (ARE), um Centro de Reabilitação Integrada (CRI), uma Central de Especialidades Odontológicas, Serviço de 40

43 Atendimentos Especializados. Apresenta-se a seguir a relação das UBS s de Catanduva no ano de Quadro 19. Relação das UBS s de Catanduva Unidade Endereço Telefone Responsáveis Rua USF Dr. Athos Camanducaia, Enf. Viviane Procópio de Jd. Martiniano de Oliveira Imperial va.sp.gov.br Oliveira USF Dr. José Pio Nogueira de Sá USF Dra. Etturi Isabel USF Dr. Carlos Eduardo Bauab USF Dr. José Ramiro Madeira USF Dr. Armindo Mastrocola USF Dr. Geraldo Mendonça Uchoa USF Dr. Curi Michel USF Dr. João Miguel Calil USF Dr. José Rocha USF Dr. Luiz Carlos Figueiredo Malheiros USF Dra. Gesabe l Clemente Marques de La Habla USF Dr. Napoleão Pellicano USF Dr. Milton Maguollo Rua Guarapari, 81 - Gabriel Hernandes Rua Coroados, Pq. Flamingo Av São Domingos, Theodoro Rosa Filho Rua Aricanduva, Conjunto Euclides Rua Mococa, Santa Rosa Rua Bragança, Vila Lunardelli Avenida Palmares, 1980 Nosso Teto Rua Araraquara, Santo Antônio Avenida Caxias do Sul, Ângelo Gaviolli Rua Alvorada do Sul, 77 - Vila Engrácia Rua Nardi Ignotti, Pedro Nechar Rua São Bento, 40 - Jd. Alpino Rua Lourenço, Bom Pastor ov.br uva.sp.gov.br anduva.sp.gov.br a.sp.gov.br sp.gov.br gov.br p.gov.br a.sp.gov.br duva.sp.gov.br nduva.sp.gov.br uva.sp.gov.br Enfª. Elissa Bortolozo Menegoli Enf. Fabiola da Silva Bezerra Pedroso Enfª. Mariana Dusso Enfª. Fernanda M. Leoncini Lourenço Enfª. Maria Ângela Brusch Daoglio Enfª. Débora Spada Enfª. Josiane Cristiana dos Santos Rodrigues Enfª. Damaris Elóa Lucio Enfª. Diógilis José Roberto Enfª. Lílian Domingue Rabay Enf. Flávio Jose Nunes Aveiro Enfª. Rafaela Fresch Noli Enfª. Mayara Monize Lourença Enfª. Nominato Priscila 41

44 USF Dr. Barros USF Dr. Banhos Olavo Sérgio USF Dr. Sergio da Costa Perez UBS/USF/PA Dr. Alcione Nassori UBS Dr. Francisco Lopes Ladeira UBS José Barrionuevo UBS Dr. Vicente Bucchianeri CS1 UPA ARE/PAD/ Sempre Mulher CRI DST/ AIDS EMCAa Centro Zoonoses de Rua Inglaterra, Monte Líbano Av. Cruzeiro do Sul, Residencial Pachá Rua: Bocaina, Jd. Del Rey Rua César Guzzi, Solo Sagrado Rua Cáceres, Jd. Salles Rua Pirajui, Vila Soto Rua Monte Azul, Jd. Vertoni Rua Pará, 3 - Centro Av.Theodoro Rosa Filho, Solo Sagrado Rua Amazonas, Centro Rua Aracajú, Centro Rua Para, 13 - Centro Rua Amazonas,161 - Centro Rod Vicente Sanches, Km Jovem 100% Rua Guaira, sp.gov.br a.sp.gov.br sp.gov.br va.sp.gov.br duva.sp.gov.br a.sp.gov.br anduva.sp.gov.br gov.br ov.br p.gov.br Enfª. Bruna Failli Enfª. Savana Maguetas Milani (Pachá I) Enfª. Gislaine Frediani da Silva Gonçalvez (Pachá II) Enfª. Rafaela Giraldi Gerente. Mayco Vallim de Paiva Silva Enfª. Daniela Moreira Teixeira Pinto (Solo I) Enf. Felipe Stuchi Moreira (Solo II) Enfª. Mirian Regina Postiglioni Lucinda Alexandre de Oliveira Enfª. Janaina Tristão Garcia Enfª. Luciana Gonçalves da Cruz Enfª. Maria Olímpia Tavares de Carvalho B. Enfª. Evelyn Benevente Enfª. Márcia Correa Enf. Giovani de Carvalho Silva Benedito Enfª Adriana Kamla Janaína Paixão da Silva Sueli Ap. Borges Rebelato Mileide Moraes Portapilla Antonio Carlos da Fonte Lincoln Horita Enfª Wellen Natali Scabello 42

45 O quadro abaixo apresenta a distribuição de leitos, médicos e profissionais de enfermagem (auxiliares e técnicos) nos hospitais de Catanduva, bem como a divisão de equipamentos e profissionais particulares e SUS. A partir dos dados apresentados é possível observar que a grande maioria dos leitos e profissionais atende o SUS. Levando estes dados em consideração, destacam-se o Hospital Padre Albino com a maior oferta de leitos e profissionais, e o Hospital São Domingos, que é o único hospital que não atende a rede SUS. Hospitais Quadro 20. Distribuição de leitos e profissionais da saúde Total de leitos Leitos existentes Leitos SUS Nº de médicos Prof. Não SUS Prof. SUS Nº enfermeiros e Aux. técnicos Prof. Prof. Não SUS SUS Hospital Padre Albino Hospital Escola Emílio Carlos Hospital São Domingos Hospital Psiquiátrico Mahatma Gandhi Total Geral Fonte: Conjuntura Catanduva O quadro a seguir apresenta a divisão de especialidades que atendem ou não o SUS. Considerando o resultado total, há um número maior de especialistas disponíveis para rede SUS, sendo que estes atendem também uma variedade maior de especialidade se comparado ao atendimento não SUS. Quadro 21. Distribuição de especialidades entre atendimento SUS e não SUS Especialidade Atendimento SUS Atendimento não SUS Total Alergista e Imunologista 2 2 Anatomopatologista Anestesiologista Angiologista Aparelho Digestivo Biólogo Analista de Micróbios Biomédico 1 1 Broncoesofalogista 2 2 Cancerologista Cirúrgico 1 1 Cancerologista Clínico 1 1 Cardiologista Intervencionista

46 Especialidade Atendimento SUS Atendimento não SUS Total Cardiologista Cirurgião Cardiovascular Cirurgião de Cabeça e Pescoço 1 1 Cirurgião Geral Cirurgião Pediátrico Mastologista Medicina Intensiva Medicina Nuclear 2 2 Médico de Saúde da Família Médico do Trabalho Nefrologista Neurocirurgião Neurogisiologista 1 1 Neurologista Nutrologista 1 1 Oftalmologista Oncologista Clínico Ortopedista e Traumatologista Otorrinolaringologista Patologista Clínico Pediatra Cirurgião Plástico Cirurgião Torácico 5 5 Citopatologista 9 9 Clínico Coloproctologista Dermatologista Endocrinologista Endoscopia Gastroenterologista Geneticista 1 1 Geriatria Ginecologista e Obstetra Hematologista Hemoterapeuta 1 1 Homeopata 3 3 Infectologista Perito Médico 1 1 Pneumologista Psiquiatra Radiologia e Diagnóstico por Imagem Reumatologista Urologista Total Fonte: Conjuntura Catanduva

47 2.6. Educação Apresentam-se a seguir alguns dos principais indicadores de educação do município. O ensino regular encontra-se dividido da seguinte maneira: Pré-escola e Ensino Fundamental I (1 ao 5 ano) rede municipal e privada; Ensino Fundamental II (6 ao 9 ano) rede municipal, estadual e privada; Ensino Médio rede estadual e privada Indicadores Educacionais De acordo com dados do SEADE de 2013, Catanduva possuía alunos matriculados, dos quais aproximadamente 56% concentravam-se no ensino fundamental, que é atendido tanto pela rede privada quanto pela pública. Além disso, no quadro seguinte, é possível constatar que há um equilíbrio na distribuição de alunos entre as escolas estaduais e particulares, sendo a rede municipal detém o maior número de matrículas (45%). A EMESF Prof. Claudiomar Couto é a única escola do município que oferece cursos de Educação de Jovens e Adultos (EJA). Segundo dados da Secretaria Municipal de Educação, as séries finais do Ensino Fundamental são as mais solicitadas, seguida pelo Ensino Médio. Quadro 22. Educação de Jovens e Adultos Séries 2014 Séries Iniciais do E. Fundamental 68 Séries Finais do E. Fundamental 227 Ensino Médio 217 Nº Total de Atendimentos 512 Fonte: Secretaria Municipal da Educação, 2014 Quadro 23. Número de Matriculados nos Ciclos Educacionais Creche Préescola Ensino Fundamental I Ensino Fundamental II Ensino Médio Total Absoluto % 10,24% 10,79% 31,10% 25,56% 22,31% 100% Fonte: SEADE,

48 Quadro 24. Divisão de Matrículas por Rede de Ensino Municipal Estadual Particular Total Matrículas % Matrículas % Matrículas % Matrículas % Creche ,0% ,7% ,0% Pré-escola ,4% ,8% ,0% Ensino Fundamental I ,3% ,1% ,0% Ensino Fundamental II ,3% ,5% ,9% ,0% Ensino Médio ,5% ,6% ,0% Total ,4% ,7% ,9% ,0% Fonte: SEADE, Quanto ao tamanho das turmas nas redes de ensino, verifica-se que as maiores salas são as do ensino fundamental II e ensino médio, com turmas que variam entre 27 e 31 alunos, em média. Quadro 25. Média de alunos por turma, segundo rede de ensino Municipal Estadual Particular Geral Creche 10,6 9,7 10,15 Pré-escola 20,6 15,7 18,15 Ensino Fundamental I Ensino Fundamental II 25,0 22,1 23,55 29,3 27,6 27,1 28 Ensino Médio 30,8 29,2 30 Fonte: INEP, A idade escolar estipulada para o ensino fundamental é dos 6 aos 14 anos, e para o ensino médio dos 15 aos 17 anos. A distorção idade-série caracteriza-se pela proporção de alunos com mais de dois anos de atraso escolar. Ao analisar o quadro abaixo, pode-se inferir que o índice para o ensino fundamental fica muito próximo ao do Estado, e quanto ao ensino médio, este se destaca bastante, sendo seu índice a metade do Estado. 46

49 Quadro 26. Distorção idade-série (%) Catanduva Estado de SP Ensino Fundamental 8 7,6 Ensino Médio 7,6 15,3 Fonte: SEADE, O quadro abaixo apresenta a quantidade de crianças e jovens residentes de Catanduva distribuídos por faixa etária. Assim, podemos observar a estimativa de número de alunos matriculados por ciclos educacionais. Ao comparar o quadro 23 com o quadro 27 observa-se que nem todos os jovens de Catanduva estão matriculados em uma instituição de ensino, visto que a população em idade escolar para o ensino fundamental II (11 a 14 anos) é de pessoas, e conta com matriculados, e a população escolar para o ensino médio é de pessoas, e conta com matriculados. No entanto, é possível que uma parte desses alunos estude em outros municípios, amenizando o problema. Faixa Etária 0 a 3 Anos Quadro 27. População em Idade Escolar 4 a 6 Anos 6 Anos 7 a 10 Anos 11 a 14 Anos 15 a 17 Anos Total Fonte: SEADE, Este quadro reflete a taxa de analfabetismo da população, uma vez que nem todas as crianças e jovens frequentam instituições de ensino formal. Apesar de a taxa de analfabetismo da população de 15 anos e mais ser superior ao estado de São Paulo, a taxa de decréscimo também é superior, demonstrando eficiência do Governo Municipal na redução deste indicador. Quadro 28. Taxa de analfabetismo da população de 15 anos e mais (Em %) Taxa de decréscimo Catanduva 7,6 4,69 38,3% Estado de SP 6,64 4,33 34,8% Fonte: SEADE, Nota-se também um avanço na população de 18 a 24 anos com ensino médio completo, mas que ainda não é satisfatório para o panorama municipal. Portanto, 47

50 destaca-se a necessidade de melhoria continua na área municipal da educação para que todos os indicadores educacionais atinjam grau de excelência nos próximos anos. Quadro 29. População de 18 a 24 anos com Ensino Médio Completo (Em %) Catanduva 48,28 64,7 Estado de SP 41,88 58,68 Fonte: SEADE, A taxa de evasão escolar de Catanduva, tanto para o ensino fundamental quanto para o ensino médio, também têm índices muito próximos aos do Estado. No entanto, fazse necessário destacar a evolução que ambos tiveram no período , apresentando uma redução de aproximadamente 70% no ensino fundamental e 55% no ensino médio. Quadro 30. Taxa de Evasão do Ensino Fundamental (Em %) Região Estado de SP Catanduva Rede de Ensino Estadual 4,67 1,4 Municipal 2,01 0,5 Particular 0,2 - Estadual 4,91 1,3 Municipal 1,93 - Particular 0,26 - Fonte: SEADE, Quadro 31. Taxa de Evasão do Ensino Médio (Em %) Região Estado de SP Catanduva Rede de Ensino Estadual 11,88 5,2 Municipal 5,94 2,4 Particular 1,53 0,1 Estadual 14,9 2,3 Municipal - - Particular 0,25 - Fonte: SEADE, Com relação à aprovação, os índices apresentados são altos, em específico o que se refere ao ensino fundamental I (1 ao 5 ano). O ensino médio possui índices 48

51 relativamente inferiores, mas considerados dentro da normalidade, tendo em vista que os conteúdos ficam mais difíceis com o avanço dos ciclos. Quadro 32. Taxa de aprovação e reprovação escolar (%) Taxa de Aprovação Taxa de Reprovação Ens. Fundamental I 96,3 3,7 Ens. Fundamental II 94,9 4,9 Ens. Médio 92,5 6,3 Fonte: INEP, A melhoria dos índices educacionais de Catanduva pode ser dar pelo aumento das despesas municipais em educação, que têm crescido nos últimos anos. O ensino fundamental é o que recebeu o maior volume de recursos, mas que também concentra mais da metade da população em idade escolar. A análise do gasto por aluno permite verificar que o custo anual dos alunos da educação infantil era muito maior que o custo do aluno do ensino fundamental em Já em 2010, o município ampliou o investimento no ensino fundamental. O gasto per capita com o alunado também passou de R$ 1.927,22 para R$ 3.451,08, e aproximou-se um pouco mais do gasto per capita com as crianças da educação infantil. Convém acompanhar os indicadores no médio e longo prazo para aferir sobre os efeitos positivos que tais investimentos podem causar no aprendizado dos alunos. O gasto per capita com os alunos do ensino médio são irrelevantes em virtude de as escolas locais desse nível de ensino pertencerem ao governo estadual ou ao setor privado, demandando pouca participação do município. Quadro 33. Despesas Municipais em Educação (Em R$) Nível de ensino 2005 Gasto per capita 2010 Gasto per capita Educação Infantil Ensino Fundamental Ensino Médio Fonte: SEADE, O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) criou em 2007 o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica com o objetivo de avaliar a qualidade do ensino e, com base nos resultados, planejar melhorias e estipular metas. 49

52 Este índice varia de 0 a 10, sendo necessário a escola obter nota mínima de 6 para ser considerada de qualidade adequada. A média da proficiência em matemática e português dos alunos da escola e o indicador de rendimento baseado na taxa de aprovação da etapa de ensino são os principais componentes da fórmula. Dessa forma, verifica-se que na medição de 2011 as duas séries não atenderam aos quesitos de um ensino de qualidade. Quadro 34. Notas IDEB Série ano 5,1 6,1 5,9 9 ano 3,9 4,7 4,6 Fonte: IDEB, As figuras a seguir apresentam as metas a serem alcançadas pelas escolas no IDEB até A boa notícia é que para o ensino fundamental (5 ano) o IDEB obtido foi muito superior às metas no período , embora tenha apresentado ligeira queda na última avaliação. Por sua vez, o 9 ano (antiga 8 série) também tem alcançado resultados superiores à meta, porém com menos folga que os alunos do 5 ano. De qualquer forma, a preocupação deve ser no sentido de evitar indicadores abaixo das metas projetadas e de atingir e sustentar notas iguais ou superiores a 6 dentro do prazo previsto (até 2021). Figura 7. Meta IDEB do 5 ano Fonte: Portal IDEB

53 Figura 8. Meta IDEB do 9 ano Fonte: Portal IDEB Programas Municipais de Educação A Prefeitura de Catanduva possui um programa municipal referente ao EJA (Ensino de Jovens e Adultos) na escola Claudiomar Couto, chamado Bolsa Escola. As aulas são oferecidas do ensino fundamental I ao ensino médio, sempre no período noturno. Como apoio, os alunos recebem material, uniforme, merenda e transporte. No ano de 2014, o programa atendeu 122 alunos Infraestrutura Educacional De acordo com o Censo Escolar 2013, o município conta com 68 escolas regulares, sendo a rede de ensino privada a mais abrangente, pois atende desde o ensino infantil ao médio, além da educação profissional. Destaca-se que todas estão localizadas na área urbana. 51

54 Figura 9. Distribuição das Instituições de Ensino Municipal Estadual Privada Fonte: elaboração própria a partir do Censo Escolar O quadro subsequente apresenta a relação das instituições educacionais do município. Quadro 35. Instituições de Ensino do Município de Catanduva Escola Municipal Escola Estadual Escola Privada Educação Profissional EMESFM Prof. Claudiomar Couto Alfredo Minervino APAE de Catanduva ETEC Elias Nechar EMEIF Dr Arnaldo Zancaner EMEI Prof a. Neuze Baptista EMEI Prof a. Marisa Aparecida Vera Dervelan EMEI Prof a. Maria Áurea Rosa Domingues EMEI Prof a. Maria Aparecida de Carvaho Azarite EMEI Prof a. Idette de Lourdes Frias Couto Antônio Maximiano Rodrigues Barão do Rio Branco Jardim Imperial Joaquim Alves Figueiredo Nicola Mastrocola Paulo de Lima Corrêa Centro de Educação Infantil Arte Livre Centro de Educação Infantil Tic Tac Colégio de Aplicação Colégio Interativo Colégio Jesus Adolescente II Colégio Ressurreição Nossa Senhora do Calvário Centro de Ensino Artístico de Catanduva CETEC - Centro Educacional e Técnico de Catanduva CEME - Centro Educacional Múltipla Escolha Escola de Educação Musical Santa Cecília SENAC Catanduva 52

INFORME CBO. CBO com alterações de códigos e/ou descrições

INFORME CBO. CBO com alterações de códigos e/ou descrições INFORME CBO Considerando a publicação da Portaria SAS/MS n 203/2011, que inclui no Sistema de Informação Hospitalar (SIH) o registro obrigatório da competência de realização de todos os procedimentos realizados

Leia mais

Tabela 24 - Terminologia do código brasileiro de ocupação (CBO) Data de início de vigência. Código do Termo. Data de fim de implantação

Tabela 24 - Terminologia do código brasileiro de ocupação (CBO) Data de início de vigência. Código do Termo. Data de fim de implantação de 201115 Geneticista 26/09/2008 26/09/2008 203015 Pesquisador em biologia de microorganismos e parasitas 26/09/2008 26/09/2008 213150 Físico médico 26/09/2008 26/09/2008 221105 Biólogo 26/09/2008 26/09/2008

Leia mais

201115 Geneticista 26/09/2008 26/09/2008. 213150 Físico médico 26/09/2008 26/09/2008. 221105 Biólogo 26/09/2008 26/09/2008

201115 Geneticista 26/09/2008 26/09/2008. 213150 Físico médico 26/09/2008 26/09/2008. 221105 Biólogo 26/09/2008 26/09/2008 de 201115 Geneticista 26/09/2008 26/09/2008 203015 Pesquisador em biologia de microorganismos e parasitas 26/09/2008 26/09/2008 213150 Físico médico 26/09/2008 26/09/2008 221105 Biólogo 26/09/2008 26/09/2008

Leia mais

1.2 - Implantação do programa de habitação rural (construção de casas de qualidade nas propriedades rurais).

1.2 - Implantação do programa de habitação rural (construção de casas de qualidade nas propriedades rurais). PLANO DE GOVERNO - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARTICIPATIVA PARA 2013/2016 COLIGAÇÃO O PRESENTE NOS PERMITE SEGUIR EM FRENTE - CANDIDATO A PREFEITO PEDRINHO DA MATA 11 Ações a serem realizadas por Secretarias:

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014

ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 CULTURA: Pólo do Projeto Guri: O Projeto Guri tem como objetivo resgatar a auto-estima dos adolescentes, utilizando a música como agente transformador. Pólo Rua

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO FUNÇÃO: 01 - LEGISLATIVA 031 Ação Legislativa 0001 - Execução da Ação Legislativa Manutenção das Atividades Legislativas FUNÇÃO: 02 - JUDICIÁRIA 122 Administração Geral 0006 - Defesa Jurídica do Município

Leia mais

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 076, DE 08 DE JANEIRO DE 2013. Aprova a distribuição de cargos, por função e especialidade, do Quadro Permanente de Pessoal da Administração Direta

Leia mais

BÁLSAMO OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014

BÁLSAMO OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 BÁLSAMO OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 AGRICULTURA E ABASTECIMENTO: Programa Melhor Caminho: recuperação de 4,00 km da estrada BSM-420, BSM-010 e BSM-020 - BH Turvo Grande (3ª fase) - Custo: R$ 300 mil.

Leia mais

CEDRAL OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014

CEDRAL OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 CEDRAL OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 DESENVOLVIMENTO SOCIAL: Distribuição de Leite: distribuídos 22.532 litros de leite, no período de Jan/2011 a Set/2011 Custo: R$ 30 mil, beneficiando 272 famílias

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 06/2015-EBSERH/HC-UFG ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 16 DE JULHO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 06/2015-EBSERH/HC-UFG ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 16 DE JULHO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 06/2015-EBSERH/HC-UFG ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 16 DE JULHO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 004 Médico - Alergia e Imunologia

Leia mais

COD.101 - CLINICA MÉDICA

COD.101 - CLINICA MÉDICA ANEXO III COD.101 - CLINICA MÉDICA AREAS BÁSICAS 1 (UNOESTE) 3 1 4 2 Complexo Hospitalar Padre Bento - Guarulhos 4 4 3 Conjunto Hospitalar do Mandaqui 12 6 18 4 Faculdade de Medicina da Universidade de

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

SELEÇÃO PARA COOPERAÇÃO DE MÉDICOS Edital n. 01/2009. ACUPUNTURA Código 101. Gabarito

SELEÇÃO PARA COOPERAÇÃO DE MÉDICOS Edital n. 01/2009. ACUPUNTURA Código 101. Gabarito ACUPUNTURA Código 101 Questão 01: D Questão 19: B Questão 37: D Questão 55: D Questão 02: D Questão 20: D Questão 38: B Questão 56: B Questão 03: D Questão 21: A Questão 39: C Questão 57: A Questão 04:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO FUNÇÃO: 01 - LEGISLATIVA 31 Ação Legislativa 0001- Execução da Ação Legislativa 2001 - Manutenção das Atividades Legislativas da Câmara Municipal FUNÇÃO: 02 - JUDICIÁRIA 122 Administração Geral 0006- Defesa

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

VÁRZEA PAULISTA OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 37.530.000,00

VÁRZEA PAULISTA OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 37.530.000,00 VÁRZEA PAULISTA OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 37.530.000,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: distribuídos 59.550 litros de leite de Jan/2007 a Mar/2009 - Custo: R$ 75 mil, beneficiando 150 famílias

Leia mais

Quem vou ser daqui a 20 anos Público. Privado. Assistencial Acadêmica Gestão. Assistencial Acadêmico Gestão Autônomo

Quem vou ser daqui a 20 anos Público. Privado. Assistencial Acadêmica Gestão. Assistencial Acadêmico Gestão Autônomo Dr Milton Glezer Quem vou ser daqui a 20 anos Público Assistencial Acadêmica Gestão Privado Assistencial Acadêmico Gestão Autônomo Mudanças nos planos de saúde- melhorar cada vez mais o funcionamento dos

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

HOSPITAL CENTRAL ROBERTO SANTOS 201 Clínica Médica Recredenciado 02 anos 10 02 08 101 Cirurgia Geral Recredenciado 02 anos 10 00 10

HOSPITAL CENTRAL ROBERTO SANTOS 201 Clínica Médica Recredenciado 02 anos 10 02 08 101 Cirurgia Geral Recredenciado 02 anos 10 00 10 PROCESSO SELETIVO UNIFICADO DE RESIDÊNCIA MÉDICA DA BAHIA 2008 C O M U N I C A D O A CEREM COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA, comunica a alteração das vagas disponibilizadas para 2008, com base nas

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Principais características geográficas do estado do Goiás

Principais características geográficas do estado do Goiás Principais características geográficas do estado do Goiás Laércio de Mello 1 Para iniciarmos o estudo sobre o estado de Goiás é importante primeiramente localizá-lo dentro do território brasileiro. Para

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO LEI N.º 1.774, DE 24 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre aprovação e instituição do Plano Municipal de Saneamento destinado à execução dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 02/2015 EBSERH/HE-UFPEL EDITAL N 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA NÍVEL SUPERIOR - MANHÃ

CONCURSO PÚBLICO 02/2015 EBSERH/HE-UFPEL EDITAL N 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA NÍVEL SUPERIOR - MANHÃ Gabarito Preliminar CONCURSO PÚBLICO 02/2015 EBSERH/HE-UFPEL EDITAL N 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA NÍVEL SUPERIOR - MANHÃ MÉDICO - ALERGIA E IMUNOLOGIA D A B E C D D C A B C C E A E E B B E B D A C D A MÉDICO

Leia mais

CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA

CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA 1 CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA Secretaria de Fazenda Prefeitura de Sorocaba A Cidade 2 No próximo ano de 2014 Sorocaba completará 360 anos de sua fundação; A história

Leia mais

IBATÉ OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 5.816.5 6.500,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite:

IBATÉ OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 5.816.5 6.500,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: IBATÉ OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 5.816.5 6.500,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: distribuídos 31.760 litros de leite, de Jan/2007 a Mar/2009 Custo: R$ 39 mil, beneficiando 80 famílias carentes,

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI

SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI 427 SANEAMENTO BÁSICO NO INTERIOR PAULISTA PARALELO ENTRE PRESIDENTE EPITÁCIO E BIRIGUI Daiane dos Santos Esquevani¹, Camila Augusta Florindo¹, Mayara Pissutti Albano² Yeda Ruiz Maria² ¹ Discentes do curso

Leia mais

TERRA ROXA. OBRAS E AÇÕES Gestão 2007-2010 2010 R$ 6.020.000,00

TERRA ROXA. OBRAS E AÇÕES Gestão 2007-2010 2010 R$ 6.020.000,00 TERRA ROXA OBRAS E AÇÕES Gestão 2007-2010 2010 R$ 6.020.000,00 AGRICULTURA: Distribuição de leite: distribuídos 37.474 litros de leite, no período de Jan/2007 a Jul/2009 Custo: R$ 47 mil, beneficiando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Cartografia Sistemática e Temática (IAD319) Prof. pablosantos@ufba.br 08 a Aula INFORMAÇÃO E REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Anexo I. Quadro de vagas por Hospital / Especialidades AREAS BÁSICAS

Anexo I. Quadro de vagas por Hospital / Especialidades AREAS BÁSICAS Anexo I Quadro de vagas por Hospital / Especialidades AREAS BÁSICAS COD.101 - CLINICA MÉDICA 0 2 Conjunto Hospitalar do Mandaqui 11 3 Faculdade de Medicina de Catanduva 6 4 Hospital Guilherme Alvaro -

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 1/2014-EBSERH/HUSM-UFSM ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014. RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 1/2014-EBSERH/HUSM-UFSM ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014. RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 1/2014-EBSERH/HUSM-UFSM ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014. RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 801 Médico Alergia

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 09/2014-EBSERH/HU-UFMS ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 17 DE ABRIL DE 2014 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 09/2014-EBSERH/HU-UFMS ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 17 DE ABRIL DE 2014 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 09/2014-EBSERH/HU-UFMS ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 17 DE ABRIL DE 2014 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 801 802 Médico Alergia e

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INFORMAÇÕES GERAIS 1 - A Residência em Medicina constitui modalidade de ensino de pós-graduação, destinada

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

Angelo José Garcia Borges¹, Juliane Sanches Vicente¹, Mayara Pissutti Albano², Yeda Ruiz Maria²

Angelo José Garcia Borges¹, Juliane Sanches Vicente¹, Mayara Pissutti Albano², Yeda Ruiz Maria² 434 SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE INDIANA-SP Angelo José Garcia Borges¹, Juliane Sanches Vicente¹, Mayara Pissutti Albano², Yeda Ruiz Maria² ¹ Discentes do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO FINAL DA SELEÇÃO PÚBLICA PARA ADMISSÃO DE MÉDICOS COMO COOPERADOS NA UNIMED JUIZ DE FORA 01/2012

CLASSIFICAÇÃO FINAL DA SELEÇÃO PÚBLICA PARA ADMISSÃO DE MÉDICOS COMO COOPERADOS NA UNIMED JUIZ DE FORA 01/2012 34288 Acupuntura 59 aprovado 3 45210 Alergia e Imunologia 56,5 aprovado 5 42926 Anestesiologia 62,5 aprovado 48867 Anestesiologia 60,5 aprovado 48235 Anestesiologia 59 aprovado 9 48302 Anestesiologia 56

Leia mais

COD.101 - CLINICA MÉDICA 02 ANOS

COD.101 - CLINICA MÉDICA 02 ANOS COD.101 - CLINICA MÉDICA AREAS BÁSICAS 1 Associação Lar São Francisco de Assis na Providência de Deus (UNOESTE) 3 2 Conjunto Hospitalar do Mandaqui 12 3 Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro

Leia mais

Dimensão ambiental. Saneamento

Dimensão ambiental. Saneamento Dimensão ambiental Saneamento Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 135 18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico Apresenta a parcela da população atendida pelos serviços de coleta

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO LITORAL DE FORTALEZA, NORDESTE BRASILEIRO

BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO LITORAL DE FORTALEZA, NORDESTE BRASILEIRO BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO LITORAL DE FORTALEZA, NORDESTE BRASILEIRO Magda Maria Marinho Almeida - Química Industrial- UFC/CE- Mestre em Tecnologia de Alimentos- UFC/CE. Divisão de Análises e Pesquisa

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 03/2015-EBSERH/HU-UFJF ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 06 DE MARÇO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 03/2015-EBSERH/HU-UFJF ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 06 DE MARÇO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 03/2015-EBSERH/HU-UFJF ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 06 DE MARÇO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 006 Médico - Anestesiologia

Leia mais

EDUCAÇÃO MUNICIPAL O QUE É O IDEB?

EDUCAÇÃO MUNICIPAL O QUE É O IDEB? EDUCAÇÃO MUNICIPAL O QUE É O IDEB? Em 2007, foi criado o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb ). O indicador, que mede a qualidade da educação, foi pensado para facilitar o entendimento de

Leia mais

QUIRINÓPOLIS TERRA DE PROSPERIDADE, OPORTUNIDADES E NEGOCIOS:

QUIRINÓPOLIS TERRA DE PROSPERIDADE, OPORTUNIDADES E NEGOCIOS: QUIRINÓPOLIS TERRA DE PROSPERIDADE, OPORTUNIDADES E NEGOCIOS: Agronegócio, Empresarial, Industrial, Imobiliário, Turístico e Cultural. Ação, Desenvolvimento, Competitividade, Sustentabilidade e Inovação

Leia mais

PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS

PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS Área Temática Saneamento Ambiental Responsável pelo Trabalho Roberta Steffany Stangl Galharte - Endereço:Rua

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS O objetivo deste questionário é analisar as atividades

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

CORONEL MACEDO OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2011-2014

CORONEL MACEDO OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2011-2014 CORONEL MACEDO OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2011-2014 AGRICULTURA: Programa de Pontes Metálicas: 1 programada a implantação de 1 ponte metálicas na estrada ligando CRM-347 a SP- 255, sobre o Ribeirão do Lageado,

Leia mais

Prefeito Laércio anuncia mais investimentos na cidade de Taquaral

Prefeito Laércio anuncia mais investimentos na cidade de Taquaral 22 DE AGOSTO DE 2014 EDIÇÃO ANIVRSÁRIO TAQUARAL EDIÇÃO Nº 511 DIRETOR : ROGÉRIO CONSTANTINO Email - rogerioconsta@uol.com.br Prefeito Laércio anuncia mais investimentos na cidade de Taquaral.br Em entrevista

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PROVA ESCRITA: DOMINGO, 13 DE JUNHO DE 2010 ITATIAIA - RJ FISIOTERAPEUTA

CONCURSO PÚBLICO PROVA ESCRITA: DOMINGO, 13 DE JUNHO DE 2010 ITATIAIA - RJ FISIOTERAPEUTA CONCURSO PÚBLICO CONCURSO MUNICÍPIO DE RESENDE CONFIRMAÇÃO LOCAL (escola/horário) DE PROVAS ESCRITAS. O candidato deve observar com atenção a escola e o horário em que irá realizar a prova escrita de acordo

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP JUNHO 2013 DIMENSÃO DO DESAFIO EM TRANSPORTE COLETIVO PMSP Coletivo 10,1 milhões viagens 56% Individual 7,9 milhões viagens 44% DIMENSÃO DO DESAFIO EM

Leia mais

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde Região Norte P1 4 Bimestre Geografia 7 ano manhã e tarde A Região Norte é a maior região brasileira em área. Apresenta população relativamente pequena, é a região com a menor densidade demográfica. Um

Leia mais

CASA VERDE/CACHOEIRINHA

CASA VERDE/CACHOEIRINHA Casa Verde / CASA VERDE/CACHOEIRINHA R e g i ã o N o r t e Assessoria de Imprensa - Subprefeitura de CENTRO REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL MORRINHOS. 17 Casa Verde / Pirâmide Populacional Rendimento

Leia mais

Propostas da LDO 2013

Propostas da LDO 2013 Propostas da LDO 2013 Secretaria Municipal de Educação Complementação da Merenda Escolar; Reforma de Escolas; Construção de Escolas; Reparos em Escolas; Construção de Espaços para prática de Educação Física;

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Meio Ambiente GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Meio Ambiente Anexo I a que se refere o Art. 2º, da Resolução do COEMA nº 107, de 08 de março de 2013. TIPOLOGIA SUB-TIPOLOGIA CONDIÇÃO ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Características Gerais Área: 924.620 km² (cerca de 10% do território nacional); População: 85,1 milhões de habitantes (2014); Estados formadores: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo;

Leia mais

CARGOS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE, FUNDAÇÃO CULTURAL DE JOINVILLE E INSTITUTO DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE JOINVILLE

CARGOS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE, FUNDAÇÃO CULTURAL DE JOINVILLE E INSTITUTO DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE JOINVILLE PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE CONCURSO PÚLICO - EDITAL 005/2014 ANEXO 1 - CARGOS/ESPECIALIDADES/FUNÇÕES, VAGAS, LOCAL, CARGA HORÁRIA E VENCIMENTOS BASE CARGOS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE,

Leia mais

2.5 ASPECTOS DE INFRA-ESTRUTURA E SERVIÇOS PÚBLICOS

2.5 ASPECTOS DE INFRA-ESTRUTURA E SERVIÇOS PÚBLICOS 87 Tabela 22: POPULAÇÃO, DOMICÍLIOS E DÉFICIT HABITACIONAL DO 2000 População total Domicílios Particulares Permanentes Déficit Absoluto Déficit Relativo (%) 27.3616 76.225 5.183 6,80 2,67% do Estado 2,86%

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

Questão 45. Questão 47. Questão 46. alternativa D. alternativa E

Questão 45. Questão 47. Questão 46. alternativa D. alternativa E Questão 45 alternativa D Entre os recursos naturais importantes para o fortalecimento da economia canadense no século XX temos a taiga (o Canadá encontra-se entre os maiores produtores de madeira, papel

Leia mais

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia.

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTEALEGRE ALEGRE DO MONTE DOSUL SUL Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTE ALEGRE DO SUL Área 110,306 km² População (estimativa para 2014)

Leia mais

MODELO PARA ABRIGAR FORUM 3.000.000,00 3.000.000,00 ARAÇATUBA 5.000.000,00 5.000.000,00 MAGALHÃES NA REGIÃO DE ARAÇATUBA 2.000.000,00 2.000.

MODELO PARA ABRIGAR FORUM 3.000.000,00 3.000.000,00 ARAÇATUBA 5.000.000,00 5.000.000,00 MAGALHÃES NA REGIÃO DE ARAÇATUBA 2.000.000,00 2.000. Região Administrativa/Região Metropolitana Secretaria TEOR Justiça e Defesa da REFORMA DO ESQUELETO DO HOSPITAL Araçatuba Cidadania HOSPITAL REGIONAL NA REGIÃO DE Araçatuba Saúde DUPLICAÇÃO DA RODOVIA

Leia mais

Especialidade. Descrição. Código

Especialidade. Descrição. Código 1311.20 Gerente de serviços sociais 1312.05 Diretor de divisão médica 1312.05 Diretor de serviços de saúde 1312.05 Diretor de serviços médicos 1312.05 Diretor de unidade assistencial 1312.05 Diretor de

Leia mais

ATENÇÃO: Os cargos estão listados em ordenação alfabética por nível decrescente de escolaridade (superior, médio e fundamental).

ATENÇÃO: Os cargos estão listados em ordenação alfabética por nível decrescente de escolaridade (superior, médio e fundamental). 1 de 9 ATENÇÃO: Os cargos estão listados em ordenação alfabética por nível decrescente de escolaridade (superior, médio e fundamental). CARGO PERFIL PRÉ REQUISITO NÍVEL SUPERIOR Administrador Curso Superior

Leia mais

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 1663, DE 02 DE JULHO DE 2012. Aprova o detalhamento das funções/especialidades dos cargos do Quadro Permanente da Função Saúde da Administração Pública

Leia mais

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹ IV Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, IV Jornada Científica, 06 a 09 de dezembro de 2011 Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de

Leia mais

BALANÇO GERAL - 2014 ANEXO II / 4.320

BALANÇO GERAL - 2014 ANEXO II / 4.320 Aquis./ BALANÇO GERAL - 214 ANEXO II / 4.32 Exercício de 1991 2 - Constr. de meio fios em div. ruas e aven.,2,2 Constr. Pont. cor. sec. loc. Faz. Campo Seco,1,1 Constr. de meio fios div. ruas e av.,1,1

Leia mais

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4.1. Revitalização do Rio Cheonggyecheon Seul Coréia do Sul Ficha Técnica Localização: Seul, Coréia do Sul Autor do Projeto: KeeYeonHwang Área de Intervenção: 400 hectares, 8

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

FORUM REGIONAL DE CAMPINAS LIDE GRUPO DE LÍDERES EMPRESARIAIS

FORUM REGIONAL DE CAMPINAS LIDE GRUPO DE LÍDERES EMPRESARIAIS FORUM REGIONAL DE CAMPINAS LIDE GRUPO DE LÍDERES EMPRESARIAIS 11 DE AGOSTO DE 2012 EDSON APARECIDO DEPUTADO FEDERAL MACROMETRÓPOLE PAULISTA EM NÚMEROS PIB MM PAULISTA PIB da MM Paulista - 2009 (R$ bilhões)

Leia mais

Conhecimentos em Clínica Médica.

Conhecimentos em Clínica Médica. ANEXO II PROGRAMAS DA PROVA ESCRITA s com Acesso Direto Acupuntura Anestesiologia Cirurgia Geral Dermatologia Infectologia Medicina da Família e Comunidade Medicina Nuclear Neurocirurgia Neurologia Conhecimentos

Leia mais

Laudo Técnico Ambiental

Laudo Técnico Ambiental E-MAIL: tnm_1984@hotmail.com Laudo Técnico Ambiental Atendimento a Notificação Nº 104/2013 Laudo Anual para Atender as exigências da Lei nº 4.123 de 04 de maio de 2007. Ano de referência: 2012 Valinhos

Leia mais

Página 1 de 6. Médico - Acupuntura. Médico - Alergia e Imunologia Pediátrica. Médico - Anestesiologia. Médico - Cancerologia Clínica

Página 1 de 6. Médico - Acupuntura. Médico - Alergia e Imunologia Pediátrica. Médico - Anestesiologia. Médico - Cancerologia Clínica Especialidade Médico - Acupuntura Médico - Alergia e Imunologia Médico - Anestesiologia Médico - Cancerologia Clínica Médico - Cancerologia Médico - Cardiologia Médico - Cardiologia - Eletrofisiologia

Leia mais

SÃO FRANCISCO 2010 R$ 3.800.000,00. OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010

SÃO FRANCISCO 2010 R$ 3.800.000,00. OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010 SÃO FRANCISCO OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010 2010 R$ 3.800.000,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: distribuídos 86.830 litros de leite, no período de Jan/2007 a Jul/2009 Custo: R$ 108 mil, beneficiando

Leia mais

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada Saneamento no Brasil Definição: Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saneamento é o controle de todos os fatores do meio físico do homem que exercem ou podem exercer efeitos nocivos sobre o bem

Leia mais

Relatório de. Gestão

Relatório de. Gestão Relatório de Gestão Sumário Apresentação... 2 Serviços Ofertados... 3 Recursos Humanos... 4 Análise Operacional... 5... U RGÊNCIA E EMERGÊNCIA... 5... A MBULATÓRIO... 6... I NTERNAÇÃO... 7... D ESEMPENHO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Lucas Mattos Martins (*), Guilherme Resende Tavares,

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

Novos credenciamentos e alterações na Rede Credenciada do PASBC

Novos credenciamentos e alterações na Rede Credenciada do PASBC SÃO PAULO Novos credenciamentos e alterações na Rede Credenciada do PASBC 1 - CREDENCIAMENTOS HOSPITAIS / MATERNIDADES: HOSPITAL SÃO CAMILO Especialidades: Atendimento de Pronto Socorro, Centro Médico

Leia mais

VAGAS e INSCRITOS por GRUPO 39 85

VAGAS e INSCRITOS por GRUPO 39 85 01 - ÁREAS BÁSICAS COM ACESSO DIRETO 1 ANESTESIOLOGIA - 3 ANOS 15 165 11,0 2 CIRURGIA GERAL - 2 ANOS 46 211 4,6 3 CLÍNICA MÉDICA - 2 ANOS 54 275 5,1 4 DERMATOLOGIA - 3 ANOS 5 88 17,6 5 INFECTOLOGIA - 3

Leia mais

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO Nomes dos autores: Fernando César Vitti Tabai (Apresentador

Leia mais

DUPLICAÇÃO DA RODOVIA ELIEZER MAGALHÃES NA REGIÃO DE ARAÇATUBA 2.000.000,00 2.000.000,00 DUPLICAÇÃO DA RODOVIA ASSIS CHATEAUBRIAND NA REGIÃO DE

DUPLICAÇÃO DA RODOVIA ELIEZER MAGALHÃES NA REGIÃO DE ARAÇATUBA 2.000.000,00 2.000.000,00 DUPLICAÇÃO DA RODOVIA ASSIS CHATEAUBRIAND NA REGIÃO DE Região Administrativa/Região Metropolitana Secretaria TEOR Araçatuba Justiça e Defesa da Cidadania Despesas de Capital Valor REFORMA DO ESQUELETO DO HOSPITAL MODELO PARA ABRIGAR FORUM 3.000.000,00 3.000.000,00

Leia mais

NÚMERO DE PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS POR

NÚMERO DE PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS POR INDICADOR: F.2 NÚMERO DE PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS POR CONSULTA MÉDICA (SUS) 1. Conceituação Número médio de procedimentos diagnósticos, de patologia clínica ou de imagenologia por consulta médica, apresentados

Leia mais

ANEXO II (Instrução Normativa IBAMA n. 10, de 27.05.13) ENQUADRAMENTO DE ATIVIDADE DE PESSOA FÍSICA. Legenda

ANEXO II (Instrução Normativa IBAMA n. 10, de 27.05.13) ENQUADRAMENTO DE ATIVIDADE DE PESSOA FÍSICA. Legenda NEXO II (Instrução Normativa IBM n. 10, de 27.05.13) ENQUDRMENTO DE TIVIDDE DE PESSO FÍSIC Legenda ID B Tipo de documento de identificação exigido Documento de identificação oficial emitido por Conselho

Leia mais

Dados da Nossa Região Projetos 2013-2014

Dados da Nossa Região Projetos 2013-2014 Dados da Nossa Região Projetos 2013-2014 { Rotary Club São Paulo Morumbi Comp. Antonio Limongi Presidente Comp. Claudio Moysés Governador D.4610 Ano rotário 2013-2014 Comp. Helen de Montille Ferreira RCSP

Leia mais

PORTO FELIZ. OBRAS E AÇÕES Gestão 2007-2010 R$ 17.420.000,00

PORTO FELIZ. OBRAS E AÇÕES Gestão 2007-2010 R$ 17.420.000,00 PORTO FELIZ OBRAS E AÇÕES Gestão 2007-2010 R$ 17.420.000,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: distribuídos 116.870 litros de leite, de Jan/2007 a Mar/2009 Custo: R$ 148 mil, beneficiando 310 famílias

Leia mais

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*)

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) RELATÓRIO SOBRE O MAPEAMENTO ADICIONAL DE AGROPECUÁRIA ÁREA COMPREENDIDA POR 18 MUNICÍPIOS DA ÁREA LIVRE DE AFTOSA DO PARÁ REALIZADO

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA GRANDE RETIFICAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2011/ PMVG/MT, DE 21 DE SETEMBRO DE 2011.

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA GRANDE RETIFICAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2011/ PMVG/MT, DE 21 DE SETEMBRO DE 2011. ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA GRANDE RETIFICAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 00/0/ PMVG/MT, DE DE SETEMBRO DE 0. A Prefeitura Municipal de Várzea Grande, no uso de suas atribuições

Leia mais

EDITAL 01 NÍVEL SUPERIOR

EDITAL 01 NÍVEL SUPERIOR EDITAL NÍVEL SUPERIOR Quantidade de empregos por ocupação Concurso 25 Fundasus Emprego Público de Nível Superior Médico 100h 200h Médico Acupuntura 02 - em Saúde Anestesiologia 02 - Angiologia 03 - Antroposofia

Leia mais

IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA. LOTEAMENTO FECHADO

IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA. LOTEAMENTO FECHADO IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA. LOTEAMENTO FECHADO localização estratégica, infraestrutura e segurança para seu negócio. IMAGEM AÉREA DO LOCAL/202. DRAMATIZAÇÃO DA ÁREA DO LOTEAMENTO. 750m 2 Perspectiva

Leia mais