Apostila - Parte I. Liderança

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apostila - Parte I. Liderança"

Transcrição

1 Apostila - Parte I Liderança Profª Daniela Cartoni Conteúdo 1. Conceito de liderança 2. Liderança estratégica 3. Liderança e poder 4. Liderança X gerenciamento 5. Competências do líder 6. Líder como gestor de pessoas 7. Estilos de liderança 8. Teorias sobre liderança 9. Coaching Introdução Tratar do assunto liderança nos dias atuais é simples e complicado ao mesmo tempo. Simples, pois hoje existe uma vasta literatura sobre o assunto, e as pessoas estão predispostas a falar também sobre o tema, uma vez que ele está, mais do que nunca, em evidência. Difícil, posto que o termo passou a ser utilizado nos mais diferentes contextos e nem sempre com o mesmo significado. Assim, após realizar ampla pesquisa bibliográfica, foram selecionados alguns autores que trazem contribuições relevantes que nos permitem melhor compreensão do tema. Para iniciar, serão apresentadas algumas definições de liderança, a diferença entre poder e autoridade, o papel estratégico dos líderes nas organizações e as características que um líder deve possuir. Mais à frente, haverá referência a alguns líderes que influenciaram a humanidade ao longo dos tempos, apresentaremos as competências de um bom líder e falaremos da importância da comunicação e de dar e receber feedback. Você perceberá que a concepção de aprendizagem apresentada é que aprendemos quando mudamos o nosso comportamento e para ser líder de equipes, devemos aprender a sermos líderes de nós mesmos. A intenção é que o conteúdo e as aulas não só leve à reflexão, mas de forma prática traga um impacto no seu dia a dia, para aplicação das teorias aprendidas e, assim, de fato, demonstrando o aprendizado adquirido. Profa. Daniela Cartoni 1

2 CONCEITO DE LIDERANÇA A liderança é um atributo que está entre os mais valorizados pelas empresas. Por exemplo, uma pesquisa realizada sobre gerenciamento de projetos no Brasil, organizada pelo Project Management Institute (PMI), em cerca de 300 organizações das áreas pública e privada, apontou como habilidade mais valorizada em um gerente de projetos, a "liderança", que foi mencionada por 50% das organizações participantes da pesquisa. No entanto, há inúmero trabalhos e definições, o que nos leva a alguns questionamentos: tanto se tem falado de liderança, mas, afinal, o que é liderança? É algo genético? É algo que pode ser aprendido e desenvolvido? De forma sucinta e contundente, Vergara (2006) define liderança como sendo "a capacidade de exercer influência sobre indivíduos e grupos". Algumas definições: Liderança inclui a influência interpessoal exercida numa dada situação e dirigida através de processo de comunicação humana para a consecução de comportamentos e ações na direção de um ou mais objetivos. Liderança pressupõe o potencial de influência de uma pessoa sobre outra (ou outras), mudando sua maneira de agir, pensar e ser. Caracteriza-se por ser a arte de usar o poder que existe nas pessoas, ou seja, a arte de liderar as pessoas para fazer o que se requer delas, de maneira mais efetiva e humana possível, estimulando a distribuição de responsabilidade, promovendo a motivação e maior auto-estima. A liderança é um processo chave em todas as organizações. O administrador deveria ser um líder para lidar com as pessoas que trabalham com ele. A liderança é uma forma de influência, baseada na transação interpessoal em que uma pessoa age para modificar ou provocar o comportamento de outra pessoa, de maneira intencional. (Chiavenato,1999, p. 553) Muitos livros, artigos revistas tem tratado do assunto e, apesar das variações, alguns elementos são comuns às definições, tais como: - é a influência interpessoal para a realização de objetivos - é direcionada pela comunicação e interação no grupo - a influência decorre das relações de poder e legitimidade estabelecidas - é a arte de influenciar pessoas pela persuasão ou pelo exemplo, para que sigam uma linha de ação - é a força dinâmica que motiva e coordena a ação para busca de resultados. Nas primeiras discussões sobre líderes e liderança, o foco era, geralmente, em um único indivíduo central no grupo, como por exemplo: um rei, um general ou um líder religioso. Nas últimas décadas tem havido uma ampliação na definição e compreensão de liderança. Atualmente, entende-se que um líder pode ser qualquer um, desde uma pessoa no topo de uma organização hierárquica a qualquer outra pessoa que trabalhe dentro ou fora da organização. Uma frase de Motta ilustra bem esta visão sobre o líder: Líderes são pessoas comuns que aprendem habilidades comuns, mas que no seu conjunto formam uma pessoa incomum e a boa liderança cria comprometimento e entusiasmo. (Motta,1991, p. 206) Neste sentido, a boa liderança cria comprometimento e integração. É neste sentido que Bergamini (2002, p. 98) enfatiza que a liderança não deve ser tratada como qualidade inata, nem tampouco como competência que qualquer pessoa possa desenvolver. A aceitação dos líderes como pessoas comuns, incomuns no seu conjunto, justifica o esforço das empresas em desenvolvê-los, pois a sua capacidade de influenciar e criar ações cooperativas pode melhorar os resultados das empresas. 2

3 Características pessoais do líder: Além de atributos pessoais, há aquelas que podem se aprendidas e desenvolvidas, promovendo competências específicas (desde que as pessoas se disponham a isso) Dimensão organizacional competências relacionadas ao domínio do conhecimento e habilidades requeridas para o desempenho no contextos específico daquela organização (relativos a missão, metas, técnicas e tradições, visão de futuro, sistemas de autoridade e responsabilidade, etc.) Dimensão interpessoal refere-se às habilidades de comunicação e interação enquanto a essência da liderança (como reconhecimento do valor das pessoas, aceitação de singularidades, respeito e atenção, confiança na capacidade de crescimento das pessoas, comunicação aberta e acessibilidade, etc.) Dimensão pessoal as dimensões anteriores não são suficientes para formar um líder eficaz, sendo necessário um efetivo comprometimento pessoal, exigindo que ele também apresente determinadas características pessoais (reconhecimento de si próprio, iniciativa e persistência, confiança e otimismo, dinamismo, integridade ética, etc.) Segundo Maximiano (2000), a forma de exercer a liderança influencia seus resultados e pode ir da tirania (abuso de autoridade) à demagogia (busca de popularidade), passando pela autocracia (centralização), democracia (divisão de poderes entre superiores e grupos) e liberalismo (delegação do poder de decisão ao grupo). Há variações de acordo como o contexto. Por exemplo, na política, a liderança depende muito do carisma do líder para que permita arrebatar multidões. Já nas empresas, a importância de administrar e atingir objetivos faz com que pessoas comuns possam desenvolver, em graus variados, as competências que as credenciem a ocupar posições de liderança. Um dos mitos derrubados é que as empresas precisam de grandes líderes carismáticos, mas por outro lado, não se pode desmerecer a importância da liderança carismática para o sucesso dos negócios da empresa, haja vista os casos de executivos que fizeram história devido, principalmente, à liderança que exerciam, como por exemplo, Alfred Sloan (General Motors) e Jack Welch (General Eletric). Arthur Diniz (Líder do Futuro: A Transformação em Líder Coach, 2010) apresenta o perfil do líder para o momento presente. O autor entende que a geração X já oferece resistência aos estilos tradicionais de liderança, mas a geração Y simplesmente não aceita e não se sujeita a esse comando. Caminhar junto, dar feedback e beneficiar o desenvolvimento de competências de seus liderados, faz a diferença. Os líderes para se manterem como líderes e atingirem patamares mais significativos, necessitam conhecer, aplicar e avaliar técnicas que o ajudem a desenvolver mais competências em seus liderados, transformando potencial em desempenho e desempenho em alta performance. Estilos de liderança, que funcionavam muito bem antes, agora têm sido menos eficaz com a geração X e são praticamente inúteis com a geração Y. Quem não aprender e se transformar, ficará para trás e perderá todo o seu poder de influenciar pessoas. 3

4 LIDERANÇA ESTRATÉGICA A liderança não deve ser confundida com direção nem com gerência. Um bom administrador deve ser necessariamente um bom líder. Por outro lado, nem sempre um líder é um administrador. Na verdade, os líderes devem estar presentes no nível institucional, intermediário e operacional das organizações. Todas as organizações precisam de líderes em todos os seus níveis e em todas as suas áreas de atuação. Uma das formas de classificar os tipos de liderança é perceber em que nível da organização se encontram, pois há diferentes tipos de decisões e responsabilidades assumidas pelo líder nas empresas: Liderança no nível estratégico: o líder é muito exigido nas habilidades conceituais (aquelas que tratam da capacidade de perceber a totalidade do sistema organizacional e suas relações de interdependência) e, em menor intensidade, nas habilidades técnicas. Liderança no nível tático: estabelece-se a ligação entre cúpula e os executantes, com destaque para as habilidades interpessoais e negociais, foco em resultados e busca de apoio (motivação). Liderança no nível operacional: predomina a aplicação das habilidades técnicas. Ainda no aspecto da inserção da liderança na estrutura organizacional, é importante destacar as características entre a liderança estratégica e a liderança direta ou funcional (níveis táticos e operacionais). Liderança funcional 1. O líder mantém contato constante e direto com os subordinados. Comparando como o exército, é como, por exemplo, os comandantes de companhia, pelotão e grupo de combate. 2. A influência é feita face a face, o controle é direto e a cadeia de comando e relação de autoridade são claras. 3. O líder é responsável pelo treinamento, comando e direção de sua equipe e necessita ter habilidades técnicas para o exercício de sua função. 4. O líder pode ser responsável por equipes de trabalho formadas, especialmente, para cumprir missões específicas e, neste caso, implementa as metas da organização usando pessoal, material, processos e procedimentos. 5. O foco do seu trabalho é voltado para o interior da organização. 6. Sua autoridade é clara e bem definida na cadeia de comando. Normalmente, trabalha com ênfase na coordenação dos elementos subordinados, como por exemplo, finanças, pessoal, logística e organizações subordinadas. Liderança estratégica É constituída por pensadores e planejadores. Em geral, eles possuem uma visão de futuro e refletem como conquista-la a partir do presente. É definida como um processo usado para influenciar a consecução de estratégias. Seu trabalho é elaborar políticas, estratégias e estabelecer prioridades que mantenham a organização em movimento por um período 10 a 20 anos. Assim, tem que desenvolver habilidades conceituais, técnicas e interpessoais para enfrentar problemas complexos e ambíguos do mercado. A liderança deve agir na cultura organizacional, destinar recursos e orientar por meio de políticas e diretrizes, estabelecendo o consenso possível em ambiente incerto, complexo e ambíguo, marcado por oportunidades e ameaças. Deve possuir outras habilidades conceituais, como possuir bom sistema pessoal de referência, saber administrar problemas e ser criativo. O líder estratégico deve atuar, no mínimo, em dois ambientes distintos: na organização que comanda ou chefia e no meio onde está inserido. É importante, também, que possua amplo conhecimento dos sistemas político e social no qual a organização está inserida. 4

5 Portanto, cabe a ele estabelecer uma visão do futuro para a organização, moldar sua cultura, administrar relações externas, representar a organização, planejar mudanças e administrá-las. Esta visão do futuro, capacidade de formular metas estratégicas e conceitos chaves para sua instituição, é a habilidade mais significativa do líder. Para estabelecê-la, ele deve ter completo entendimento dos objetivos que se deseja atingir e dos meios disponíveis, bem como deve ser capaz de trabalhar ativamente para moldar o ambiente de forma favorável à consecução desses objetivos. Além disso, deve estabelecer prioridade a pontos importantes, deve tirar o máximo proveito do comando, habilidades de seus pares e inspirar os liderados a pensar e agir. É importante observar que, tanto na liderança organizacional como na liderança estratégica, o líder tem de ser capaz de construir o consenso, negociar e influenciar o ambiente para beneficiar sua organização. Irá estabelecer consenso é encontrar proposta aceitável por todos os membros da equipe, sem que haja oposição a ela. Deixando claro que consenso não é obter voto unânime, voto majoritário, nem fazer com que todos fiquem totalmente satisfeitos com ela. 5

6 LIDERANÇA E PODER Profissionais capazes de liderar, de exercer poder e influência sobre as pessoas, fazem a diferença para muitas organizações. É uma atividade que, se realizada adequadamente, mantém saudável as relações entre os indivíduos. Partindo do pressuposto de que aa liderança é um fenômeno tipicamente social que ocorre exclusivamente em grupos sociais e nas organizações, podemos definir liderança como uma influência interpessoal exercida numa dada situação e dirigida através do processo de comunicação humana para a consecução de um ou mais objetivos específicos. Nesta perspectiva, os elementos que caracterizam a liderança são: a influência, a situação, o processo de comunicação e os objetivos a alcançar. Conceito de Poder Se a liderança está associada ao exercício do poder perante o grupo, devemos definir o conceito de poder. O estudo da liderança deve passar, obrigatoriamente, pelos conceitos de autoridade e poder. Em linhas gerais, poder é a habilidade de influenciar outras pessoas. Ele é extremamente importante para que um líder seja eficaz. Weber (1993, p. 212) diferencia os termos poder e dominação, considerando poder a imposição da vontade de um ator sobre outro, independentemente da sua vontade, e dominação a probabilidade de ter uma ordem obedecida. Ele enfatiza que as formas genuínas de dominação implicam um mínimo de aceitação voluntária, ou seja, interesse na obediência. A autoridade pode, segundo Max Weber, pode ter sua legitimidade sustentada em: carisma, quando os seguidores reconhecem a autoridade na própria pessoa do líder; tradição, quando o respeito ao líder vem do costume pela figura de autoridade; ] racionalidade, quando há crença na legalidade e no direito à autoridade conferida aos cargos, não aos seus ocupantes. A base de autoridade não estava apenas no líder, mas era fruto da estrutura social sob a qual líderes e liderados conviviam e mantinham relações sociais. Assim, o autor considera, ainda ser possível nas empresas que um líder tenha sua autoridade legitimada por mais de uma das formas mencionadas. Como a maioria das empresas mantém estruturas burocráticas, ainda que flexibilizadas, a autoridade é mais facilmente relacionada aos cargos que às pessoas. A liderança dos cargos (formal), entretanto, não garante a liderança efetiva (de fato), o que assume a maior importância quando se busca mais o envolvimento que a obediência. Liderança Formal X Liderança Informal Um líder formal é alguém que foi oficialmente investido de autoridade e poder organizacional e, geralmente, recebe o título de gerente, diretor ou supervisor. A quantidade de poder é teoricamente determinada pela posição ocupada dentro da organização. As políticas de promoção organizacional são feitas para garantir que as pessoas com habilidades técnicas e de liderança ocupem posições de poder. Um líder informal não terá o mesmo título de liderança oficial, mas exercerá uma função de liderança. Esse indivíduo, sem autoridade formal, designação de poder, posição ou até mesmo responsabilidade, pode, pelo mérito de um atributo pessoal ou desempenho superior, influenciar outros a exercer a função de liderança. Fontes de Poder Poder é o que distingue a posição de liderança. Uma das abordagens mais antigas e ainda úteis para entender o poder sugere que os líderes têm cinco fontes potenciais importantes de poder nas organizações. Os tipos de poder organizacional são: poder legítimo, poder de recompensa, poder coercitivo, poder de especialização, poder de referência e poder de informação, como mostra a figura abaixo sobre as fontes de poder. 6

7 Nas organizações, isso muitas vezes significa fazer com que as tarefas sejam realizadas, ou atingir as próprias metas mesmo com a resistência dos outros. Neste momento, deve ser exercido o pode, que tem diferentes fontes e nem sempre é baseada nos interesses do grupo. Tipos de poder X bases da legitimação Poder Base Legitimação Atitudes usuais do líder Legítimo É o poder inerente à estrutura organizacional em si Da coerção Da recompensa Da referência (do carisma pessoal) Da competência (especialização ou perícia) Baseado na força, ameaça de aplicação de sanções ou restrições de qualquer tipo. Baseado no controle de recursos materiais e recompensas, manipulação ou troca de vantagens. Baseado na capacidade de relacionar-se, respeitar, exercer empatia e valorizar os outros. Baseada na capacidade de desempenhar seu papel com eficiência, eficácia, criatividade e autonomia. Atribuído a um indivíduo que ocupa uma posição específica dentro da organização (cargo). Caso deixe o cargo, o poder continua a existir na posição e não pode seguir o indivíduo. Consentimento pelo temor, receio de punições ou perda de regalias. Consentimento pelo reconhecimento da capacidade do líder de oferecer qualquer contrapartida vantajosa. Consentimento pelo afeto, admiração, respeito e confiança. Consentimento pela crença na superioridade (real ou imaginada) do ponto de vista teórico, técnico ou relacional do líder. A posse do poder está geralmente associada a um título oficial, como gerente, vice-presidente, diretor, supervisor e outros semelhantes Manda, determina, fiscaliza e mantém distância social, espera submissão e conformismo, centraliza o poder de forma excessiva. Orienta, controla e reforça a possibilidade de recompensa, integra-se apenas parcialmente, não compartilha o poder. Estimula e troca idéias, envolve-se e espera o consentimento, estimula sugestões e as leva em conta. Dá condições para a capacitação, desenvolvimento e autonomia, busca o consenso e o comprometimento, delega poder. Há ainda o poder de informação, que deriva da posse de informação importante em um momento crítico quando esta é necessária ao funcionamento da organização. A posse de informação pode não ter relação alguma com a posição organizacional ou poder atribuído a um indivíduo. Alguém que esteja "por dentro" tem poderes reais. Assim sendo, a secretária de um gerente pode, na realidade, estar em uma posição poderosa, se tiver à confiança do gerente ou adquirir conhecimentos sobre a empresa. De modo contrário, se a informação de uma pessoa for "notícia ultrapassada", o poder organizacional diminui. Importante: liderança é comportamento, não um cargo 7

8 A liderança envolve o uso da influência e do poder Todas as relações interpessoais, não apenas as profissionais podem envolver liderança. No caso da liderança no ambiente organizacional, há diferenças entre liderar e gerenciar, no sentido de que gerenciar é lidar com a complexidade e liderar, por sua vez, é lidar com a mudança. Sem líderes a empresa não muda, sem gerentes, perde sua identidade (Kotter, 1990, p. VIII, apud Bergamini, 2002). Portanto, os líderes devem combinar os talentos cognitivo, social e político, intrapsíquico e ético. O equilíbrio das competências necessárias e o estilo de liderança mais apropriado devem ser buscados respeitando-se as características intrínsecas da organização, suas áreas funcionais, suas pessoas e seus ambientes. Além do poder, outros elementos importantes são: habilidades de comunicação: a clareza e a exatidão da comunicação afetam o comportamento e o desempenho dos liderados. A dificuldade de comunicar é uma deficiência que prejudica a liderança. a consecução de metas. O líder eficaz terá de lidar com indivíduos, grupos e metas. A eficácia do líder é geralmente considerada em termos de grau de realização de uma meta ou combinação de metas. Mas, por outro lado, os indivíduos podem considerar o líder como eficaz ou ineficaz, em termos de satisfação decorrente da experiência total do trabalho. De fato, a aceitação das diretrizes e comandos de um líder apóia-se muito nas expectativas dos liderados de que suas respostas favoráveis os levarão a bons resultados. Nesse caso, o líder serve ao grupo como um instrumento para ajudar a alcançar objetivos. Autoridade e Delegação Este é um assunto importante e retomaremos mais adiante. Neste momento é importante refletir como as relações de poder, fontes da legitimidade de atuação do líder e capacidade de delegar estão relacionadas. Na divisão das responsabilidades 1, deve-se considerar alguns parâmetros para tornar a delegação efetiva: Estabelecer um acordo mútuo quanto aos resultados e padrões de desempenho das tarefas atribuídas Encorajar os funcionários para que tenham um papel ativo na definição, implementação e comunicação dos processos e tarefas Explicar a relevância das tarefas atribuídas em relação aos projetos maiores ou aos objetivos da empresa Dar aos funcionários a autoridade necessária para a realização de tarefas Permitir aos funcionários acesso às informações necessárias, pessoas e departamentos para execução da tarefa Fornecer treinamento e orientação necessários para que os funcionários realizem satisfatoriamente as tarefas Sempre que possível, atribuir aos funcionários tarefas considerando os interesses deles, com o intuito de alinhar objetivos organizacionais com pessoais. Portanto, o poder está associado à aceitação da influência do líder, que deve conquistar tal posição a partir do desenvolvimento de algumas características desejáveis, tais como: estimular motivação, assegurar eficiência e produtividade de sua equipe, comprometimento com a missão, empoderamento (empowerment), autoridade e responsabilidade, iniciativa e criatividade, empreendedorismo e compartilhamento do poder. 1 A responsabilidade decorre da seqüência de atividades do método de divisão do trabalho por meio da similaridade de funções. 8

9 LIDERANÇA X GERENCIAMENTO Dentre os desafios de um líder em uma organização, estão requisitos como entender do negócio da empresa, ter visão estratégica e estimular sua equipe para que obtenham comprometimento e foco em resultado (performance). Estas expectativas levam a um debate muito comum quanto tratamos da liderança: a diferença entre o líder e o chefe. Precisamos de líderes ou chefes??? Estamos vivendo um momento da gestão empresarial que se faz necessário repensar a variável liderança, dentro de uma visão estratégica e global. Uma organização sem liderança terá, cada vez mais, dificuldade de competir, na medida em que fica reduzida sua capacidade de enfrentar mudanças organizacionais, imperativo em nossos dias. Warren Bennis, um dos maiores especialistas em Liderança, explica que os problemas atuais que vivemos não serão resolvidos sem organizações de sucesso, e estas, por sua vez, não podem lograr êxito sem uma liderança efetiva, capaz de responder a condições instáveis e conturbadas. Assim, a liderança passa a ser a força subjacente ajudando a organização a desenvolver uma visão do que pode ser e depois direcionando a mudança para essa nova visão. Se um dos pilares da liderança é "a capacidade de levar alguém (ou o grupo) a querer atingir os objetivos propostos, podemos perceber a diferença entre chefe e líder. O chefe tem sua autoridade em função do poder do cargo que ocupa, enquanto o líder tem sua autoridade legitimada por sua competência técnica e pelo respeito pessoal e profissional no trato com a equipe. Portanto, ser líder não é simplesmente ser chefe Liderança não é simplesmente coordenar tarefas e tomar decisões em nome de um grupo ou uma equipe. Significa principalmente ter um poder de influência positiva em pessoas, conquistando credibilidade, confiança, aceitação, consenso na consecução de objetivos. Porém o líder não pode apenas ser um construtor de ideais e não intervir na prática para resultados. É neste sentido que o estilo mais adequado às organizações é o líder (adquiridos no decorrer da vida,; como conhecimentos sobre a concorrência e técnicas de negociação) gerencia. Atuação do líder Considerando que a liderança é o processo de conduzir ações ou influenciar o comportamento e mentalidade das pessoas para a consecução de objetivos, vejamos alguns dos papéis assumidos pelo líder. 9

10 Comparação entre líder e gerente Entendo que liderança é diferente de gerenciamento, pois enquanto o gerente tem como foco a complexidade organizacional e controle dos processos que administra (planejamento, organização, direção e controle dos recursos sob sua responsabilidade), o líder tem orientação para lidar com desafios. Considerando que a liderança é um processo de influência, geralmente de uma pessoa em relação a um grupo e seu direcionamento para o cumprimento de metas em uma organização, ela não ocorre no isolamento, ou seja, não há líderes sem seguidores. Da mesma forma, a avaliação da eficácia de uma liderança, ou seja, o quanto o líder é influente, depende de como conquistam a legitimidade e conseguem dirigir as atividades de trabalho. Sendo assim, como já dito anteriormente, nem todo líder é gerente, mas todo gerente deve se preocupar em desenvolver a liderança para conquistar resultados duradouros e apoio de sua equipe. 10

11 Liderança e trabalho em equipe Estas duas dimensões: liderança e gerência parecem ter relação entre si muito complexas e que precisa ser explorada. Elas não devem ser confundidas. Um bom gerente deve ser necessariamente um bom líder. O líder nem sempre é um gerente (CHIAVENATO, 1994). O papel de líder está intimamente ligado à missão de facilitar a auto-realização dos subordinados, tendo em vista a relação inter pessoal e conhecimento do contexto cultural, que imantam a pessoa do líder. Já o gerente é um profissional "provido de poder legítimo (autoridade) para dirigir as atividades relacionadas ao trabalho de, no mínimo, um subordinado". Pressupõem, então, que a função gerencial seja mais abrangente do que guiar pessoas, simplesmente. Engloba planejamento, organização, controle, contratação de pessoas, tomada de decisão, coordenação, estabelecendo, assim, uma dimensão ampla do conceito de gerente. A liderança, nesse prisma, constitui apenas de um aspecto do papel do gerente. Muitos trabalhos têm a preocupação de fornecer receitas da boa liderança, esquecendo-se de que essa simplificação pode ser perigosa, pois quando posta em prática, fragilizam-se, ante relações superior versus subordinado. Embora o maior peso da condição de liderança seja depositado no próprio líder, Bergamini (1994) destaca que o grande diferencial está na sua equipe e, principalmente, em como o líder a orienta para conseguir os melhores resultados. Não é pura e simplesmente a ação do líder que determina sua eficácia.não somente o líder, mas o liderado e as contingências do momento e do ambiente desempenham papéis importantes, considerados tão decisivos quanto o comportamento do líder. Bergamini (1994, p. 18) Assim, a grande missão da atuação do líder para obter sucesso é criar um ambiente no qual as pessoas possam demonstrar suas maiores potencialidades, sentindo-se motivadas e responsáveis diretas pelos resultados alcançados. Assim a liderança é uma forma de conquistar apoio e seguidores em potencial. 11

12 O desafio do gerente num novo cargo de chefia Um artigo publicado pela revista Exame (junho/2005),apesar de já datar alguns anos, trouxe uma reportagem sobre o processo de adaptação do gerente num novo cargo de chefia que ainda é válida e leva à reflexão. A reportagem segue os estudos feitos por James Citrin e Thomas Noff publicados no livro Virei chefe e agora? da editora Campus. Os autores procuraram identificar as melhores práticas de gerenciamento de uma nova equipe, mas também podemos ler as reflexões como as melhores práticas de gerenciamento num processo de mudança dos paradigmas de gestão. Trata-se de uma fase delicada. Mesmo quando não são traumáticos, os momentos de transição no comando sempre mudam a ordem estabelecida e, em algum grau, instauram uma sensação de instabilidade. As bases que sustentam (...) as relações entre as pessoas estremecem. Antes todos sabiam quem tinha influência, quais eram os papéis, para quem pedir o quê e onde estavam os conflitos. Quando muda o gerente tudo vira interrogação. E qual deve ser a postura do gerente recém empossado na construção dessa nova ordem? Primeiro, esta nova ordem tende a ser construída num prazo de 100 dias, quando o gerente será analisado por superiores e subordinados de forma tácita, silenciosa, informal. Cada gesto, cada palavra está sob cuidadoso exame e um passo em falso pode dar origem a estigmas. (...) Os subordinados vão querer entender o mais rapidamente possível se você será bom para eles. Alguns grupos pressionarão por mudanças e outros resistirão a elas, sempre na defesa dos seus interesses pessoais. Para implementar mudanças de acordo com tuas idéias e expectativas, a reportagem enumerou as melhores práticas da gestão de pessoas nesta fase. É uma receita de bolo, mas pode ser útil também como ferramenta diária para a COMUNICAÇÃO entre os gerentes e sua equipe. 1. FALE o que pretende. Exponha tua filosofia, teus princípios e expectativas da forma mais clara possível. 2. TESTE o teu time. Reconheça os aliados e só depois faça alterações na equipe. 3. SEJA objetivo. Estabeleça tua meta e a resuma de maneira simples. 4. CONHEÇA a cultura. Entenda (e, se preciso, mude) a maneira como as pessoas interagem. 5. OUÇA antes de tudo. Em vez de impor logo a própria visão, é melhor ouvir. Esta é a hora de fazer perguntas bobas sobre pontos que desconhece da unidade. 6. SAIBA com quem fala. Leve em conta as expectativas da equipe. Seja o articulador da equipe e não alguém que dá a decisão pronta. 7. EVITE as armadilhas. Resista à tentação de prometer mais do que pode cumprir. Portanto, o tema liderança está presente em todos os meios: organizacional, acadêmico, na mídia e nos meios informais. Está em todas as horas da vida de um ser humano quando toma decisões sobre questões pessoais. Não parece ser uma onda, uma moda ou qualquer outro nome que se queira dar e sim uma necessidade em função das rápidas e contínuas mudanças em todos os aspectos que permeiam a vida das organizações e das pessoas. O líder é o condutor, o que possibilita que mudanças ocorram num ambiente onde o clima é propicio a isso. Como demonstrado, liderar cada pessoa e cada situação é a forma mais curta para atingir os resultados esperados para os dois lados: equipe e organização. O maior desafio das organizações então, é motivar o desenvolvimento de lideranças em todos os níveis e com estilo que propicie o alcance de seus resultados. Não é simplesmente promover como forma de recompensa por tempo de casa, mas desenvolver para promover. O desafio de cada funcionário com expectativas de crescimento é desenvolver-se continuamente e quando assumir uma função de liderança permitir e facilitar que sua equipe faça o mesmo. 12

13 O LÍDER COMO GESTOR DE PESSOAS A liderança tem assumido vários papéis ao longo dos tempos. Hoje em dia pensa-se que o líder deve ser acima de tudo um gestor que utiliza determinados mecanismos e técnicas de gestão que conduzem as pessoas a um objetivo préconcebido. Como gestor de equipes, o líder tem de saber lidar, comunicar, motivar e gerir conflitos para trilhar um caminho de sucesso. Liderar hoje em dia numa organização é, sobretudo, gerir equipes, de modo a que estas lutem pelos objetivos das empresas. Liderar não é controlar o desempenho das pessoas Controlar o desempenho das pessoas é responsabilizá-las pelo trabalho que fazem. É atribuir-lhes tarefas e fazer com que, de fato, assumam a responsabilidade daquilo que desenvolvem no dia-a-dia. O líder não deve fazer um controle colegial, em que está sempre em cima dos colaboradores, mas sim dar-lhes uma certa autonomia. O que deve fazer é uma gestão por objetivos. O líder não deve controlar todo o processo de trabalho dos seus colaboradores. Tem de haver um pouco de liberdade para que eles possam ser criativos no trabalho. Só assim é que as empresas se poderão tornar mais competitivas. Desafios na gestão de pessoas Os desafios na gestão dos recursos humanos são múltiplos. É necessário desenvolver rapidamente os quadros para que eles se possam adaptar às constantes mudanças tecnológicas. As empresas têm de gerir os seus grandes interesses através, também, da retenção das pessoas mais preparadas e qualificadas. Se não fizerem uma boa política de retenção de colaboradores, as empresas começarão a perdê-los e, consequentemente, a perder vantagem competitiva em relação aos adversários, o que é extremamente perigoso num mundo cada vez mais global e acima de tudo competitivo. Para reterem quadros, as empresas têm de saber motivar as equipes, criar climas satisfatórios, saber exatamente porque é que as pessoas trabalham na organização. Sobretudo, têm de entender muito bem e diagnosticar quais são os reais interesses dos colaboradores que trabalham nas suas empresas. Para reter os trabalhadores as empresas têm de trabalhar para a estabilidade do vínculo que os une, trabalhar na sua motivação e fazer com que se sintam satisfeitos. Há outras políticas de retenção que podem ser desenvolvidas, nomeadamente sistemas concretos de incentivos, como por exemplo dar ações da empresa a quadros que são muito importantes. Alguns fatos sobre liderança - Liderança é uma habilidade latente em todas as pessoas Ainda que grandes líderes possam ser tão raros quanto grandes atletas ou artistas, todos têm potencial para esportes ou atividades artísticos. Embora aparentemente haja, hoje em dia, uma escassez de grandes líderes, há literalmente milhões de papéis de liderança em todo o país que são mais do que adequadamente preenchidos. O que se deve compreender é que liderança é um fenômeno bastante situacional, muito dependente do contexto e do momento que as pessoas vivem. Muitas vezes pessoas que são líderes destacados em uma organização têm papéis comuns em outras. A verdade é que há abundância de oportunidades de liderança em todas as organizações, e elas estão ao alcance da maioria das pessoas. Basta que elas sejam adequadamente motivadas e desenvolvidas. - O líder é um desenvolvedor de pessoas Liderança e poder estão relacionados, mas não de forma pejorativa. Liderança é muito mais um processo de dar poder às demais pessoas do que o exercício pessoal de poder. Líderes somente são capazes de fazer suas intenções se transformarem em ação e realidade por meio da obtenção de um perfeito alinhamento da energia das pessoas com a visão que definiram. Líderes eficazes lideram inspirando outras pessoas, e não dando ordens. Líderes criam expectativas atingíveis, ainda que desafiadoras, e recompensam progressos. Líderes eficazes não manipulam. Eles capacitam e movem as pessoas a usarem sua própria iniciativa e experiência. Em suma, abrem espaço fora, e não pela aplicação de força externa. - Liderança pode ser aprendida e desenvolvida 13

14 Biografias de pessoas que se destacam sugerem muitas vezes que grandes líderes vieram ao mundo com uma extraordinária herança genética: de alguma forma sua capacidade de liderança já estava pronta ao nascerem. A verdade é que as capacidades e competências mais importantes que definem a qualidade da liderança podem ser aprendidas. Nesse sentido, qualquer que seja a herança pessoal do indivíduo, sua liderança sempre pode ser aprimorada. Desenvolvimento é bem mais importante do que o potencial genético, ao se determinar quem pode ou não se tornar um líder bem sucedido. Isso não significa que aprender a ser líder seja fácil... Não há fórmulas ou receitas que inexoravelmente levem alguém a se tornar um líder eficaz. Pelo contrário, o processo não é ciência exata ; é algo intensamente humano e, portanto, pontilhando de ações intuitivas, tentativas e erros, vitórias e derrotas. Aprender a ser um líder é semelhante a aprender a ser pai, mãe ou esposo, esposa. As experiências de infância e adolescência oferecem às pessoas alguns valores básicos e modelos de referencia; livros podem ajudar a entender o que está acontecendo. Entretanto, mesmo para aqueles que estão aparentemente preparados para exercer papéis de liderança, a aprendizagem mais significativa ocorre durante a própria vivência. - Líderes não são necessariamente pessoas carismáticas Alguns líderes são carismáticos, outro não. Líderes são, acima de tudo, seres humanos, e incorporam todas as diferenças e variações próprias a essa condição. Virtualmente nada em termos de aparência física, personalidade ou estilo diferencia líderes de seguidores. Talvez o carisma seja resultado de liderança eficaz, e não o contrário. Pessoas carismáticas são competentes em interagir com outras, assegurando uma certa dualidade de respeito e até mesmo admiração, o que eleva a qualidade do vínculo que estabelecem com outras. Essa competência pode ser algo natural, inerente à pessoa, mas isso não significa que seja algo não-desenvolvível, nem tampouco que seja impossível encontrar líderes eficazes que não sejam excelentes nessa competência. - Liderança existe em todos os níveis da organização Liderança não é algo que existe apenas no topo da organização. Quanto maior a organização é mais provável que existam muitos papéis de liderança a serem desempenhados em sua estrutura. Se todos esses papéis estão sendo exercidos por líderes eficazes é outra história (a sensação geral é de que há escassez de líderes...). Mas atualmente muitas empresas estão caminhando em direção à criação de mais papéis de liderança. À medida que as empresas aprenderem mais a esse respeito, haverá certamente uma multiplicação dos papéis (de liderança) disponíveis na organização, o que exigirá, por sua vez, uma verdadeira explosão no desenvolvimento de líderes. 14

15 COMPETÊNCIAS DO LÍDER Um dos assuntos mais discutidos recentemente no mundo do trabalho diz respeito ao conceito de competência. Entretanto, a descrição exata deste conceito nem sempre foi unanimidade entre pensadores e gestores, pois como se trata de uma característica do comportamento humano, não é tão simples assim se chegar a critérios claros que permitam comparações válidas entre diferentes pessoas. Segundo Maximiano (2000) habilidades e competências são as qualificações que uma pessoa deve ter para ocupar um cargo e desempenhá-lo eficazmente. "Competência é a capacidade de mobilizar Conhecimentos, Habilidades e Atitudes para entregar resultados, na qualidade e prazo esperados". Há várias outras definições, que podem associar-se aos saberes. Vejamos a definição: Competente é alguém que não só sabe o que fazer (know-what), mas também o como fazer (know-how) e o porquê fazer (know-why). Isto é, o competente consegue entregar um bom resultado porque possui plena confiança e consistência do que tem a fazer, que faz com "conhecimento de causa". As competências específicas que são necessárias para ocupar um cargo de liderança dependem do nível hierárquico, das tarefas do gerente, do tipo de organização e de outros fatores. De forma geral, as competências gerenciais são classificadas em três categorias: conhecimentos, habilidades e atitudes. O chamado CHA é uma maneira de se procurar definir o sentido de competência a partir de um referencial no qual ela possa ser mensurada, e até mesmo comparada a padrões internacionais. É um dos modelos mais utilizados pelas empresas para avaliarem seus colaboradores. O C significa conhecimento sobre um determinado assunto. Diz respeito à pessoa dominar um determinado Know-how a respeito de algo que tenha valor para empresa e para ela mesma. É o saber ou saber conhecer. A informação pode ser adquirida através de estudos (nas escolas, universidades, cursos, línguas, informática, etc) ou pela experiência (adquiridos no decorrer da vida e no trabalho). O H significa habilidade para produzir resultados a partir do conhecimento que se possui. Diz respeito à capacidade de realizar determinada tarefa, física ou mental, produzindo algo efetivamente. É o saber fazer. Exemplo: Análise da concorrência e negociação com foco em resultados. O A significa atitude, ou seja, comportamento manifesto que envolve valores e traços de personalidade, diretamente relacionado com o querer e a ação. Relaciona-se a comportamentos que temos diante de situações que são colocadas, como assertividade, proatividade e iniciativa, que dizem respeito ao indivíduo não esperar as coisas acontecerem ou alguém ter que dar ordens, e fazer o que percebe que deve ser feito por conta própria. É o querer fazer e saber ser. Conhecimento: funcionam como pontos de referência para a compreensão da realidade e como base para o desenvolvimento de habilidades. Sendo elas: Conhecimento conceitual: São as habilidades mentais necessárias para se obter, analisar e interpretar informações de várias fontes e a partir daí tomar decisões complexas. Isso envolve as relações das partes com o todo, chegando a um significado por meio de dados conflitantes e inadequados. Pode se decorrente da formação acadêmica e instrução formal. Conhecimento técnico: São as habilidades do conhecimento, instrumentos e técnicas de um campo específico. Ou seja, a execução mecânica de um determinado trabalho. Ex.: a elaboração de declarações financeiras. As habilidades técnicas são apenas parte do necessário para se tornar um gerente eficiente. 15

16 Conhecimento administrativo-gerencial: São as capacidades associadas às funções de planejamento, organização, contratação de pessoas e controle. Essas habilidades fazem com que os profissionais se adaptem ao conjunto de procedimentos. São decorrentes da experiência profissional e experimentação. Conhecimento das relações humanas: São as capacidades para compreender outras pessoas e interagir com elas eficazmente. Essa habilidade exige do gerente uma rede de relacionamentos para lidar com pessoas dentro e fora da organização. Habilidades: estão relacionadas à aplicação do conhecimento, a partir da capacidade de analisar problema, lidar com pessoas e situações, relacionar informações, compreender fenômenos, correlacionar, sintetizar e julgar para a tomada de decisão. Atitudes: estão na base das opiniões favoráveis e desfavoráveis em relação a todos os aspectos que circundam a vida das pessoas: eventos, idéias, comportamentos, outras pessoas e profissões. Se uma pessoa sente fascínio pelas motivações não gerenciais (usar as habilidades técnicas, ser independente) e se as motivações associadas à gerencia tem pouco significado, essa pessoa pode ter dificuldades para assumir o papel de gerente. Para alcançar os objetivos, os líderes utilizam um conjunto de atributos classificados por eles em quatro categorias: definição de trajetória, que leva as empresas aos seus futuros; mobilização do comprometimento pessoal, que converte a visão em ação; desenvolvimento das capacidades organizacionais, que cria valor para a organização; demonstração do caráter pessoal, que mostra quem eles são. A importância do CHA O utilização do CHA amplia a visão restrita de competências, onde o fato de uma pessoa possuir determinado conhecimento ou dominar determinado assunto é considerado competente. Na visão mais ampla, não basta ser estudioso para ser um bom profissional o que faz parte e deve ocorrer mas somente isto não basta. Deve-se dominar o assunto e ter habilidade e atitude para produzir resultados, as chamadas entregas. Em outras palavras, alguém entusiasmado e cheio de atitude pode não ser competente se não dominar os conhecimentos necessários e a habilidade a um bom desempenho de seu trabalho. É apenas um indivíduo cheio de planos e energia, que acaba se dando mal por não saber muito bem o que e como fazer. E você, tem avaliado sua competência? Como tem trabalhado os pontos a serem aperfeiçoados? Você é um profissional que entrega, ou seja, aplica os conhecimentos para gerar resultados, a partir de atitudes e valores no processo? Competências do líder A liderança é um processo dinâmico e desta forma, varia de acordo com a cultura organizacional, o momento pela qual passa a empresa e, principalmente, as pessoas que fazem parte da equipe. A visão que o líder tem de seu papel e do que se espera dele, lhe permite: 1- a formação da sua equipe; 2- ter pessoas com características onde um complementa o outro; 3- deixar claro quais funções são responsabilidade do funcionário e o que se espera dele; 4- estabelecer metas e sistema de acompanhamento; 5- delegar; 6- reconhecer resultados individuais e em equipe; 7- treinar continuamente; 8- resolver os conflitos no seu tempo; 9- manter o processo de comunicação transparente, etc. Estas qualidades e ações possibilitam conseguir cooperação da sua equipe proporcionando ao mesmo tempo crescimento de todos os membros e da organização. 16

17 ESTILOS DE LIDERANÇA Os estilos de liderança causam impacto nos clima e na cultura organizacional, influenciando fortemente a forma como as pessoas reagem aos estímulos e comportamentos relacionados ao comando. São 3 os estilos básicos de liderança: autoritário, liberal e democrático, conforme detalhado a seguir. Liderança autocrática ou autoritária - O líder fixa diretrizes sem qualquer participação do grupo e impõe as ordens para a execução das tarefas. - O comportamento em um grupo tende a apresentar forte tensão, frustração e agressividade de um lado e de outro, nenhuma espontaneidade, nem iniciativa e formação de grupos de amizade. - Não há espaço para a iniciativa pessoal, sendo esse tipo de liderança geradora de conflitos, de atitudes de agressividade, de frustração, de submissão e desinteresse, entre outras. - Geralmente, o trabalho só se desenvolve com a presença física do líder. - A produtividade é elevada, mas a realização das tarefas não é acompanhada de satisfação. - O líder pode ter atitudes coercitivas, ser personalista nas críticas/elogios, apresentar inflexibilidade e rigidez no relacionamento com as equipes; voltado para números e pouco preocupado com pessoas (estilo durão ). Há uma outra forma neste estilo, que é o autocrático benevolente, cuja tônica é o paternalismo, o protecionismo autoritário, em que a falta de liberdade, para a ação, é compensada pela benevolência, ou seja, a rigidez camuflada, pouco flexível, com o foco nas pessoas, mas, sem lhes oferecer autonomia; é o estilo paizão (lembram do filme O Poderoso Chefão? É o estilo Don Corleone...) o Liderança democrática ou participativa - O líder compartilha com os empregados sua responsabilidade de liderança, envolvendo-os no processo de tomada de decisão. - O líder debate com os grupos as diretrizes e decisões, fazendo com que os grupos esbocem as providências e técnicas para atingir os objetivos. - O grupo participa na discussão da programação do trabalho, na divisão das tarefas e as decisões são tomadas a partir das discussões do grupo. - O líder assume uma atitude de apoio, integrando-se ao grupo, sugerindo alternativas sem, contudo, as impor. - O líder apóia os grupos, orientando e explicando, é objetivo e limita-se aos fatos em suas avaliações e críticas. - Em geral, o comportamento apresentado é de relacionamentos cordiais e amizade entre os membros. - Líder e subordinados desenvolvem comunicações espontâneas, francas e cordiais. O trabalho apresenta um ritmo sem alterações, mesmo quando o líder se ausenta. Ocorre um nítido senso de responsabilidade e de comprometimento pessoal, além de integração grupal em um clima de satisfação. - A produtividade é boa decorrente de uma maior satisfação, criatividade no desempenho das tarefas e solidariedade entre os participantes. No entanto, as decisões demorar mais a serem tomadas e o líder deve tomar cuidado para não perder a posição estratégica para orientar por se tornar tarefeiro. o Liderança liberal ou laissez faire - E uma liderança do tipo não diretiva, onde o líder funciona só intervem se for solicitado. - O líder dá completa liberdade para as decisões individuais ou grupais, sem intervir na divisão das tarefas. - O líder limitando-se a fornecer informações, mas é o grupo que levanta os problemas, discute soluções e decide. - Quando o grupo não tem capacidade de auto-organização, podem surgir freqüentes discussões, com desempenho das tarefas pouco satisfatórios. - Como os liderados agem de acordo com sua consciência, pode ser que as tarefas se desenvolvem ao acaso e com oscilações, nem sempre com foco no negócio, perdendo-se tempo em discussões fúteis. - Pode ocorrer forte individualismo e pouco respeito ao líder. - A atividade do grupo é intensa, mas a produção é desorientada e fragmentada. 17

18 Estilos de liderança Fonte: Adaptado Chiavenato (2000) Na prática, o administrador utiliza os três estilos de liderança de acordo com a tarefa a ser executada, as pessoas e a situação. O administrador tanto manda cumprir as ordens como sugere aos subordinados a realização de certas tarefas, ou ainda os consulta antes de tomar decisão. O desafio está em saber como aplicar cada estilo, com quem e em que circunstância e tarefas a serem desenvolvidas, se aproximando da liderança situacional (LS). RUMO Á LIDERANÇA SITUACIONAL A liderança é exercida pelos vários membros do grupo, dependendo da circunstância e a necessidade presentes. Portanto, é situacional. Cada pessoa pode, conforme possibilidade, ser líder por determinado período e retornar ao seu lugar de seguidor. Há um líder, contudo ele cria oportunidades para que os seguidores atuem na liderança, e, inclusive, os prepara para um dia darem prosseguimento às atividades organizacionais. Ele não retém o conhecimento e a prática da liderança, dividindo-a com os demais. Nesta perspectiva da liderança como elemento central na vida da organização, surge novo desafio a ser observado: o gerenciamento. Assim, deixando de exercer apenas a função de gerenciamento e controle, a liderança associa a busca de resultados pelo engajamento das pessoas, com a geração de cultura e valores comuns, colaboração quanto ao crescimento, inspiração e motivação dos colaboradores e na criação das mudanças. Criam-se alguns impasses, a partir de questionamentos como: A liderança, por ter foco nas pessoas sendo estas um ativo importantíssimo para as organizações - deve substituir o velho modelo de gestão gerencial? Focar as pessoas através da liderança, ou os resultados, por meio do gerenciamento? Um elemento a ser considerado é que a liderança não é capaz de substituir o gerenciamento: ela deve ser agregada a ele. É um desafio, do qual percebe-se que muitos gerentes já possuem algumas habilidades e qualidades. E outras que podem ser desenvolvidas, para exercer uma liderança eficiente. A questão deve passar pelo alinhamento entre a liderança e o gerenciamento. Deve-se rever e avaliar estas habilidades e qualidades, somando-as à prática da gerência, focando assim, pessoas e resultados; liderança e gerenciamento. 18

19 TEORIAS SOBRE LIDERANÇA Há várias teorias que discutem o tema e neste tópico trataremos das mais influentes. As primeiras teorias sobre liderança, em tempos mais remotos, apresentava uma abordagem genética, ou seja, a crença de que a capacidade de liderança é transmitida geneticamente, Esta é a explicação mais antiga de liderança e foi chamada também de direito divino dos reis. Assim, é uma explicação pronta para as origens da liderança e justificativa para domínio de um determinado grupo com a transmissão do poder: você é líder porque herdou genes de liderança de sua mãe, ou de seu pai, ou de ambos. Esta teoria justificava o poder da realeza européia e passou por mudanças com o surgimento da Revolução Industrial e mudanças com a proeminência da classe dos empresários oriundos da burguesia, alternando as relações de poder, nos séculos XVIII e XIX. Sobreviveu até o século XX, após a 1ª Guerra Mundial, quando foram destruídos definitivamente muitas sedes da realeza da Europa e os resquícios que representavam no poder transmitidos pelas gerações. A teoria fracassou porque o mundo mudou e pessoas que não pertenciam à realeza conseguiram poder e influência devido às suas habilidades pessoais e criatividade. Teoria dos Traços A Teoria dos Traços, também chamada de Teoria das Características, baseia-se na ideia de que a liderança é decorrente de traços físicos, intelectuais e/ou sociais. Essa teoria associa alguns traços como sendo comuns aos líderes: aparência, inteligência, fluência verbal, dinamismo, entusiasmo, iniciativa, autoconfiança, tolerância ao estresse, entre outros. No início do século XX, alguns estudiosos estabeleceram seis traços centrais que abarcam todos os traços necessários para o exercício de liderança. O quadro abaixo apresenta, de forma detalhada, os traços centrais dos líderes segundo tal teoria. As limitações apresentadas pela teoria dos traços envolvem a inexistência de um traço universal capaz de prever liderança para todas as circunstâncias e, principalmente, por não demonstrar uma evidência clara da relação de causa e efeito entre liderança e traços. que A teoria dos traços pressupõe que os líderes já nascem líderes e esta limitação levou ao surgimento da Teoria Comportamental. Teoria Comportamental Pelas limitações da teoria anterior, as pesquisas na Universidade de Michigam e da Universidade do Estado de Ohio deram origem à Teoria Comportamental. 19

20 As pesquisas desenvolvidas em Michigam, por Rensis Likert, Daniel Kats e Robert Kahn, contemplavam o estilo de comportamento centrado na tarefa e o estilo centrado no empregado. O líder orientado para a produção ou tarefa valoriza os aspectos técnicos e éticos do trabalho. Seu estilo envolve supervisão e punição dos subordinados. Por outro lado, o líder orientado para o funcionário enfatiza relações interpessoais; tem um interesse pessoal pelas necessidades de empregados e aceita as diferenças individuais entre eles. Os estudos na Universidade do Estado de Ohio foram desenvolvidos por Ralph Stogdill e Edwin Flieshman e seu enfoque considerava duas dimensões: a estrutura inicial e a consideração. A estrutura inicial estabelece o quanto um líder é capaz de definir e estruturar seu papel e os de seus subordinados, com o objetivo de atingir as metas. A dimensão da consideração questiona o quanto um líder é capaz de ter relacionamentos de trabalho caracterizados pela confiança mútua, respeito pelas idéias dos subordinados e consideração de seus sentimentos (HITT MILLER e COLELLA, 2007). Algumas pesquisas foram realizadas na Escandinávia com o objetivo de buscar uma dimensão mais dinâmica do estudo, afinal, as constantes mudanças sociais e econômicas provocam a necessidade de desenvolvimento de novas competências e conseqüentemente de estilo de liderança. Para os pesquisadores finlandeses e suecos, o líder eficaz necessita demonstrar um comportamento orientado para o desenvolvimento, ou seja, deve valorizar a experimentação, criar novas idéias que causam mudanças (ROBBINS, 2002). Teorias da Contingência As Teorias da Contingência para liderança contemplam a função dos fatores situacionais e sua influência no comportamento e na eficácia do líder, ou seja, a obtenção do sucesso ou não do líder depende também do contexto. Para Robbins (2002), a teoria da contingência e a teoria do caminho-objetivo para a eficácia da liderança são os conceitos mais evidenciados. Na Teoria Contingencial de Fiedler, a eficácia da performance do grupo depende do ajuste entre o estilo de intercâmbio do líder com seus subordinados e da medida em que a situação proporciona influência para o líder. Desenvolvida por Fred Fiedler, a teoria pontua que os líderes podem exibir distintos estilos de comportamento, baseados em suas necessidades motivacionais de interação social ou de realizações de tarefas. As características situacionais incorporam as relações entre líder e liderados, a estrutura da tarefa e o poder que a posição na organização proporciona ao líder. A relação entre o líder e os liderados define o grau de confiança, credibilidade e respeito que os subordinados têm para com o seu líder. A estrutura da tarefa determina o grau com que os procedimentos são estabelecidos no trabalho. A influência decorrente de uma posição hierárquica formal na organização inclui poder de contratar, demitir, disciplinar, promover e possibilitar aumentos salariais (ROBBINS, 2002). A Teoria da Meta e do Caminho desenvolvida por Martin Evans e Robert House concentra-se na premissa de que é função do líder auxiliar seus subordinados na concretização de suas metas, oferecendo direcionamento e apoio para alinhar as metas dos liderados com os objetivos globais do grupo ou da organização. A teoria enfatiza que o líder pode afetar os anseios e as valências dos liderados, utilizando-se de estratégias que potencializam a eficácia e a motivação dos mesmos. Essas estratégias podem estar baseadas na valência, quando o líder atribui ao subordinado atividades ou tarefas que o mesmo considere valiosas, no esforço que gera a expectativa de desempenho e que pode ser a oferta de treinamento que viabiliza um bom desempenho ou o desempenho que gera recompensa. A Teoria Situacional de Hersey e Blanchard ou teoria da liderança situacional é uma das teorias mais conhecidas e que mais tem envolvido estudiosos em desenvolvimento de administração. Hersey e Blanchard (1986) basearam seu modelo em duas variáveis. A primeira variável contempla o comportamento do líder, ou seja, como ele norteia as tarefas e o tipo de relacionamento que mantém com seus seguidores; a segunda relaciona-se à maturidade dos subordinados. Convém ressaltar que a maturidade está relacionada ao desempenho das tarefas e que reconhece a importância do subordinado no processo. O quadro abaixo articula o comportamento dos liderados e sua influência sobre o comportamento do líder. 20

21 A Teoria do Recurso Cognitivo, de Fred Fiedler e Joe Garcia, trata de como o líder utiliza a inteligência e a experiência em situações de estresse, onde fatores negativos o impediriam de pensar de forma coerente e analítica. A atuação do líder é determinante para minimizar impactos (em situações de baixa tensão ele utiliza as habilidades intelectuais para definir o desempenho do grupo, em situações de alta tensão dependerá da experiência profissional e desempenho). Modelo da Participação e Liderança de Victor Vroom e Phillip Yetton fornece um conjunto de regras para se determinar a forma e a quantidade de tomada de decisão participativa em diferentes situações. O modelo estabelece que o líder, após análise da situação, deve optar por um dos cinco estilos de tomada de decisão, conforme o quadro: Teorias Neocarismáticas Robbins (2002: 317) considera como Teorias Neocarismáticas aquelas que possuem 3 temas contemplados: valorização dos comportamentos simbólicos e emocionalmente apelativos dos líderes; explicação de como alguns líderes conseguem altos níveis de comprometimento por parte dos subordinados concepção da liderança com os olhos de uma pessoa comum. Na Teoria da Liderança Carismática, os liderados ou seguidores atribuem ao líder capacidades heróicas e admiráveis no exercício de liderança. Esses líderes conseguem influenciar seus seguidores utilizando-se de uma visão e encontramse dispostos a correr riscos por esse ideal. Também possuem sensibilidade para detectar limitações ambientais e necessidades de seus liderados, além de comportar-se de forma atípica. As pesquisas realizadas apresentam estudos comparativos entre líderes carismáticos e não-carismáticos conforme quadro abaixo: 21

22 Outra teoria neocarismática é a Liderança Transformacional que representa os líderes que, além de carismáticos, também oferecem consideração individualizada e incentivo intelectual aos seus liderados. A estratégia desses líderes é o forte interesse no desenvolvimento de seus liderados e na transformação de seus valores como forma de enxergar velhos problemas de novas maneiras. Suas características principais são: carisma, inspiração, estímulo intelectual e consideração individualizada para estimular confiança por parte de seus liderados. Veja o quadro abaixo: A última é a Liderança Visionária, que possui similaridades com a carismática, mas vai além do carisma, pelas habilidades em transmitir a visão aos demais, em palavras ou comportamentos. O líder visionário possui habilidade para criar a visão de um futuro possível e atrativo para a organização, mobilizando as pessoas para articularem uma realidade que ainda precisa se concretizar, oferecendo-lhe os meios e os fins para alcançá-la como forma de mobilização. 22

23 COACHING Fatores preponderantes do processo de globalização como competição, demanda por qualidade, menores ciclos de vida dos produtos e mudanças tecnológicas fazem com que a administração voltada para o aprendizado tenha papel fundamental na obtenção de sucesso ou fracasso de uma organização dentro desse ambiente. Neste contexto, as técnicas de coaching podem ser uma excelente opção para alavancar a liderança de uma organização que busca resultados excelentes através de seus colaboradores. A palavra Coach é utilizada na Inglaterra desde 1500 quando denominava o condutor de uma carruagem que transportava pessoas. Já a técnica ou o processo de Coaching é muito antigo e já era utilizado pelo filósofo Sócrates (470 AC 399 AC), que ao questionar seus discípulos, tinha a intenção de desenvolvê-los, abrir suas mentes e orientálos a buscar o aprendizado em seu interior. Com o significado relacionado à condução, ganhou espaço nos ambientes universitários, esportivos e organizacionais da Europa e dos Estados Unidos, como um processo focado na liberação do potencial da pessoa, a fim de transformá-lo em desempenho ou ainda maximizar o desempenho do indivíduo na vida pessoal ou profissional. Algumas definições de coaching: - é um processo de aprendizagem e desenvolvimento de competências comportamentais, psicológicas e emocionais direcionado à conquista de objetivos e obtenção de resultados planejados. - é liberar o potencial de uma pessoa para que ela maximize a própria performance. É mais ajudá-la a aprender do que ensiná-la. - um processo que visa aumentar a performance de um indivíduo, equipe ou organização, aumentando os resultados positivos, através de metodologias, ferramentas e técnicas conduzidas por um profissional (o Coach) em uma parceria com o cliente (o Coachee). Coaching é um relacionamento que ajuda pessoas a produzirem resultados extraordinários em suas vidas pessoais, profissionais, empreendimentos ou organizações. Utilizando a técnica, os clientes (coachees) aprofundam seu aprendizado, melhoram suas performances e a qualidade de vida. (International Coaching Federation ICF) O Instituto Brasileiro de Coaching - IBC complementa que o coaching é um processo que produz mudanças positivas e duradouras. Conduzido de maneira confidencial, individualmente ou em grupo, a técnica é uma oportunidade de visualização clara dos pontos individuais, de aumento da autoconfiança, de quebrar barreiras de limitação, para que as pessoas possam conhecer e atingir seu potencial máximo e alcançar suas metas. Os focos do coaching são o aumento de performance, mudança ou transformação e para isso, e utiliza-se de metodologia, técnicas e ferramentas que promovam foco, ação, resultado e melhoria contínua em indivíduos, equipes ou organizações. 23

24 Suas duas principais áreas de atuação são a pessoal, cuja procura normalmente parte do cliente e é voltada para situações de ordem emocional, financeira, relacionamentos, profissão, esportes etc., e a empresarial, relacionada com a atividade profissional como o coaching executivo e empresarial, também chamado corporativo ou organizacional, normalmente demandado pela organização e por ela custeado, visando obter resultados mais rápidos e eficazes. O processo de coaching pode ser desenvolvido de várias maneiras: individual ou em grupo, presencial ou virtual, via telefone, , videoconferência, etc. As organizaçõestêm adotado a prática do coaching com a finalidade de aumentar o desempenho através do aprendizado contínuo, na estruturação de equipes e lideranças, flexibilidade de cargos e funções bem como no engajamento, agilidade e comprometimento de todos. Coaching X Mentoring Mentoring é o processo pelo qual um indivíduo que trabalha numa organização, detentor de ampla experiência em determinada área, assume o papel voluntário ou oficial de orientar uma pessoa no início ou evolução de carreira. Diferenças entre Coaching e Mentoring Característica Coaching Mentoring Relação do Interno/externo (Funcionário ou não) Interno profissional com a organização. Profissional Não necessita experiência na área específica Requer experiência e conhecimento do negócio. Atendimento Individual ou grupo Individual Objetivos Acelerar o processo de obtenção de metas e Promover mudanças e promover ascensão Foco resultados. Melhoria de performance e desenvolvimento de competências. profissional Desenvolvimento do profissional e crescimento na carreira. O mentor: - representa e transmite valores, visão e padrões da empresa mediante compartilhamento de seu conhecimento e experiência em determinado assunto. Independente da idade, sua sagacidade e conhecimento de mundo permitem que atue como conselheiro respeitado e modelo de comportamento. - são pessoas com experiência acumulada, de preferência com influência e contactos diversificados, com empenho e assertividade para orientar seu pupilo e acima de tudo com capacidade de promover a reflexão. 24

LIDERANÇA DA NOVA ERA

LIDERANÇA DA NOVA ERA LIDERANÇA DA NOVA ERA Liderança da Nova Era Liderança é a realização de metas por meio da direção de colaboradores. A liderança ocorre quando há lideres que induzem seguidores a realizar certos objetivos

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Aula 5. Teorias sobre Liderança

Aula 5. Teorias sobre Liderança Aula 5 Teorias sobre Liderança Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br O que é Liderança Capacidade de influenciar um grupo em direção ao alcance dos objetivos. Desafios para o líder: desenvolvimento

Leia mais

Objetivo. Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão.

Objetivo. Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão. Liderança Objetivo Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão. 2 Introdução O que significa ser líder? Todo gestor é um líder? E o contrário? Liderança

Leia mais

L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida)

L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida) L I D E R A N Ç A (Autoria não conhecida) Liderança é inata? Abordagem Genética - Antigamente acreditava-se que o indivíduo nascia com características, aptidões e valores próprios de um líder. Na moderna

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

LIDERANÇA. Gestão de Recursos Humanos Desenvolvimento Gerencial - Aula 8 Prof. Rafael Roesler

LIDERANÇA. Gestão de Recursos Humanos Desenvolvimento Gerencial - Aula 8 Prof. Rafael Roesler LIDERANÇA Gestão de Recursos Humanos Desenvolvimento Gerencial - Aula 8 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Conceito de liderança Primeiras teorias Abordagens contemporâneas Desafios à liderança Gênero

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

Liderança CONCEITO DE LIDERANÇA

Liderança CONCEITO DE LIDERANÇA Tipos de Liderança Liderança CONCEITO DE LIDERANÇA LIDERANÇA é o processo de influenciar outros de modo a conseguir que eles façam o que o líder quer que seja feito, ou ainda, a capacidade para influenciar

Leia mais

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente Inteligência Emocional A importância de ser emocionalmente inteligente Dulce Sabino, 2008 Conceito: Inteligência Emocional Capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações Prof Rodrigo Legrazie Escola Neoclássica Conceitua o trabalho como atividade social. Os trabalhadores precisam muito mais de ambiente adequado e

Leia mais

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho Glaucia Falcone Fonseca O que é um excelente lugar para se trabalhar? A fim de compreender o fenômeno dos excelentes locais de trabalho, devemos primeiro considerar o que as pessoas falam sobre a experiência

Leia mais

Direção. Liderança. O que é Liderança? Liderança - definições. Liderança. Três componentes do processo da liderança:

Direção. Liderança. O que é Liderança? Liderança - definições. Liderança. Três componentes do processo da liderança: O Processo Administrativo O que é? Direção Um processo social; Trata sobre a influência de alguém sobre o comportamento dos outros; Lider influência Seguidor Texo base: MAXIMIANO, ACA Introdução à administração

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL 1.Osnei FranciscoAlves 2. Jéssica Barros 1. Professor das Faculdades Integradas Santa Cruz. Administrador, MBA Executivo em Gestão de Pessoas e

Leia mais

Discutir liderança feminina em pleno século

Discutir liderança feminina em pleno século Liderança feminina Discutir liderança feminina em pleno século XXI parece ultrapassado, mas apenas agora as mulheres começam a ser reconhecidas como líderes eficazes. Somente neste século o reconhecimento

Leia mais

Os Sete Níveis de Consciência da Liderança

Os Sete Níveis de Consciência da Liderança Os Sete Níveis de Consciência da Liderança Existem sete níveis bem definidos de liderança, que correspondem aos sete níveis de consciência organizacional. Cada nível de liderança se relaciona com a satisfação

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Liderança e Comunicação Professor: Roberto César Liderança O líder nasce líder ou aprende a ser líder? Liderar é conhecer a motivação humana e saber conduzir as pessoas a

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO MÓDULO 15 - Sugestões que podem melhorar a coordenação organizacional O objetivo final da coordenação é obter a sinergia organizacional. Não existem regras mágicas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA

ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA ADMINISTRAÇÃO GERAL LIDERANÇA Publicado em 12/10/2015 LIDERANÇA A liderança é um fenômeno que ocorre exclusivamente em grupos sociais. Ela é definida como uma influência interpessoal exercida em dada situação

Leia mais

LIDERANÇA: O líder contemporâneo André Lanna 1

LIDERANÇA: O líder contemporâneo André Lanna 1 1 LIDERANÇA: O líder contemporâneo André Lanna 1 RESUMO Este artigo analisa o perfil de diferentes tipos de líderes, bem como a análise de situações encontradas do ponto de vista de gestão de pessoas.

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

II. NOSSA MISSÃO, VISÃO E VALORES

II. NOSSA MISSÃO, VISÃO E VALORES I. NOSSA HISTÓRIA A história da Crescimentum começou em 2003, quando o então executivo do Grupo Santander, Arthur Diniz, decidiu jogar tudo para o alto e investir em uma nova carreira. Ele optou por se

Leia mais

Características da liderança. Estilos de liderança LIDERANÇA. Líder e liderança O LÍDER EFICAZ. Conceito de liderança

Características da liderança. Estilos de liderança LIDERANÇA. Líder e liderança O LÍDER EFICAZ. Conceito de liderança Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 04 e liderança Conceito de liderança Segundo Robbins,

Leia mais

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

A importância do líder para os projetos e para as organizações.

A importância do líder para os projetos e para as organizações. Instituto de Educação Tecnológica Pós-Graduação Gestão de Projetos - Turma nº150 21 de Agosto e 2015 A importância do líder para os projetos e para as organizações. Dêmille Cristine da Silva Taciano Analista

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO LÍDER NO ALCANCE DOS RESULTADOS ORGANIZACIONAIS: Análise em uma empresa de grande porte na cidade de Três Lagoas/MS.

A INFLUÊNCIA DO LÍDER NO ALCANCE DOS RESULTADOS ORGANIZACIONAIS: Análise em uma empresa de grande porte na cidade de Três Lagoas/MS. A INFLUÊNCIA DO LÍDER NO ALCANCE DOS RESULTADOS ORGANIZACIONAIS: Análise em uma empresa de grande porte na cidade de Três Lagoas/MS. Elisângela de Aguiar Alcalde Docente Ma. das Faculdades Integradas de

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Seja Bem-Vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Gestão, mais especificamente o item 2 do edital: Gestão de Pessoas

Seja Bem-Vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Gestão, mais especificamente o item 2 do edital: Gestão de Pessoas Seja Bem-Vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Gestão, mais especificamente o item 2 do edital: Gestão de Pessoas AULA 3 Administração de Recursos Humanos O papel do gestor

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

LÍDER COACH X COACHING DEFINIÇÃO DE CONCEITOS E APLICABILIDADE

LÍDER COACH X COACHING DEFINIÇÃO DE CONCEITOS E APLICABILIDADE LÍDER COACH X COACHING DEFINIÇÃO DE CONCEITOS E APLICABILIDADE ANA PATRÍCIA VELLOSO Consultora, Psicóloga Especialista na Área Organizacional. Proprietária da MP Consultoria em RH. Coach Executivo - Formada

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor

Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor Conteúdo de qualidade com leveza e bom humor Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. A maioria absoluta das avaliações obtêm excelentes resultados,

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

Curso de Gestão Público Legislativa Disciplina: Gestão de Pessoas Profª. Drª. Meire Cachioni TEMA 3 Liderança e o comportamento organizacional Liderança: definições e afirmações teóricas Liderança: definições

Leia mais

Teorias Contemporâneas

Teorias Contemporâneas Teorias Contemporâneas 1-Teoria ERG 2-Teoria das Necessidades, de McClelland 3-Teoria da Avaliação Cognitiva 4-Teoria da Fixação dos Objetivos 5-Teoria do Reforço 6-Teoria da Equidade 7-Teoria da Expectativa

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO MÓDULO 3 - A organização O conceito fundamental para a administração é o de ORGANIZAÇÃO, uma vez que toda a aplicação administrativa vai ocorrer numa organização e

Leia mais

Motivação: uma viagem ao centro do conceito

Motivação: uma viagem ao centro do conceito FATOR HUMANO Motivação: uma viagem ao centro do conceito Muitos executivos ainda acreditam que é possível gerar motivação condicionando os comportamentos por meio de prêmios e punições. Mas a verdadeira

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO

LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO 1 LIDERANÇA: UMA CHAVE PARA O SUCESSO DA ADMINISTRAÇÃO Elisângela de Aguiar Alcalde (Docente MSc. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Linda Jennyfer Vaz (Discente do 2º ano do curso de Administração-

Leia mais

CURSO ONLINE LIDERANÇA

CURSO ONLINE LIDERANÇA CURSO ONLINE LIDERANÇA 1 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 LIDERANÇA _O que é Liderança _Liderança Formal e Informal _Funções do Líder 4 O QUE É LIDERANÇA?

Leia mais

FORMAÇÃO DE NOVAS LIDERANÇAS

FORMAÇÃO DE NOVAS LIDERANÇAS FORMAÇÃO DE NOVAS LIDERANÇAS 28 de novembro de 2013 ABORDAGEM FORMAÇÃO DE NOVAS LIDERANÇAS Contexto! Mundo! Organizações Ser Humano! Quem é? Liderança! Que liderança precisamos?! Como desenvolvê-la? CONTEXTO:

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

Fórum Empresarial ACAPS - ES Gestão Com Pessoas: mobilizando o comprometimento Prof. Eustáquio Penido 2014

Fórum Empresarial ACAPS - ES Gestão Com Pessoas: mobilizando o comprometimento Prof. Eustáquio Penido 2014 Fórum Empresarial ACAPS - ES Gestão Com Pessoas: mobilizando o comprometimento Prof. Eustáquio Penido 2014 Gente não nasce pronta e vai se gastando; gente nasce não-pronta e vai se fazendo (CORTELLA) DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância:

Nisto poderemos perguntar, por que pensar em liderança: Vejamos alguns pontos de vital importância: LIDERANÇA EMPRESARIAL EVIDÊNCIAS DO COACHING COMO ESTRATÉGIA DE SUCESSO Prof. Dr. Edson Marques Oliveira, Doutor em Serviço Social pela Unesp-Franca-SP, mestre em Serviço Social pela PUC-SP e bacharel

Leia mais

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados.

desenvolvimento dos profissionais e atingimento dos resultados. 1- OFICINAS DE FEEDBACK Aprofundar a reflexão e abordagem de Feedback como processo, fluxo e ferramenta indispensável no desenvolvimento dos profissionais, bem como elementos fundamentais de comunicação

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Paulo Gabriel Soledade Nacif, Murilo Silva de Camargo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

Curso Introdução ao Secretariado Empresarial

Curso Introdução ao Secretariado Empresarial Seja bem Vindo! Curso Introdução ao Secretariado Empresarial CursosOnlineSP.com.br Carga horária: 20hs Conteúdo Programático: 1. Um novo perfil 2. Da era da máquina datilográfica à internet 3. Um perfil

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

DESENVOLVENDO PESSOAS ATRAVÉS DO MENTORING ORGANIZACIONAL

DESENVOLVENDO PESSOAS ATRAVÉS DO MENTORING ORGANIZACIONAL DESENVOLVENDO PESSOAS ATRAVÉS DO MENTORING ORGANIZACIONAL Paulo Erlich* O Mentoring (Mentoria) vem sendo reconhecido mundialmente como um dos melhores métodos para desenvolvimento do indivíduo em diversas

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

Como se tornar um líder de Sucesso!

Como se tornar um líder de Sucesso! Como se tornar um líder de Sucesso! Os 10 mandamentos do Como se tornar um líder de Sucesso! O líder é responsável pelo sucesso ou fracasso de uma organização. A liderança exige de qualquer pessoa, paciência,

Leia mais

Liderança. Profª Karina Gomes Lourenço

Liderança. Profª Karina Gomes Lourenço Liderança Profª Karina Gomes Lourenço 1.Conceito : Arte ou processo de influenciar pessoas de maneira a que se esforcem espontaneamente para o alcance dos objetivos do grupo. Processo pelo qual pessoas

Leia mais

Comportamento Organizacional GRUPOS

Comportamento Organizacional GRUPOS Comportamento Organizacional GRUPOS Objetivos da Seção Ampliar a compreensão sobre a dinâmica dos grupos e equipes nas organizações. Apresentar algumas dicas para a criação e manutenção de equipes eficazes

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal GERENCIAMENTO DE CARREIRA PARA O SUCESSO DO GESTOR DE PROJETOS Fernanda Schröder Gonçalves Organização Apoio 1 de xx APRESENTAÇÃO Fernanda Schröder Gonçalves Coordenadora do Ibmec

Leia mais

Seminários Públicos Hay Group 2010

Seminários Públicos Hay Group 2010 Seminários Públicos Hay Group 2010 São Paulo, outubro de 2009 É com grande satisfação que estamos lhe apresentando nosso portfólio de seminários abertos Hay Group 2010. Esclarecemos que todos os seminários

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

O PAPEL DO LÍDER. Vejamos no quadro abaixo algumas diferenças básicas entre um líder e um chefe: SITUAÇÃO CHEFE LÍDER

O PAPEL DO LÍDER. Vejamos no quadro abaixo algumas diferenças básicas entre um líder e um chefe: SITUAÇÃO CHEFE LÍDER O PAPEL DO LÍDER O Que é Um Líder? Atualmente, e cada vez mais, as empresas investem nos funcionários, pois acreditam que essa é a melhor forma para a obtenção de bons resultados. Equipes são treinadas,

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

Módulo V. Conhecimento

Módulo V. Conhecimento Módulo V Conhecimento "Não confunda jamais conhecimento com sabedoria. Um o ajuda a ganhar a vida; o outro a construir uma vida. Sandra Carey MÓDULO 5 CONHECIMENTO 5.1 Gestão do Conhecimento A Gestão do

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

TEORIA ESTRUTURALISTA

TEORIA ESTRUTURALISTA TEORIA ESTRUTURALISTA 1. Origens 2. Idéias Centrais 3. Contribuições à Teoria Estruturalista 4. Críticas à Teoria Estruturalista 1. Origens Alguns autores identificaram a corrente, que foi denominada corrente

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

Unidade II COMPETÊNCIA DE LIDERANÇA. Prof. José Benedito Regina

Unidade II COMPETÊNCIA DE LIDERANÇA. Prof. José Benedito Regina Unidade II COMPETÊNCIA DE LIDERANÇA Prof. José Benedito Regina 1.5 - Abordagens sobre liderança As teorias sobre liderança sofreram influências de suas épocas, mudaram e se desenvolveram até chegar ao

Leia mais