Seminários Anos da Pós Graduação em Engenharia Civil na PUC Rio programa atualizado em 07 de agosto:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminários 2015 50 Anos da Pós Graduação em Engenharia Civil na PUC Rio programa atualizado em 07 de agosto:"

Transcrição

1 Seminários Anos da Pós Graduação em Engenharia Civil na PUC Rio programa atualizado em 07 de agosto: MARÇO 03 de Março em Férias 09 de Março Início Aulas de Março (Terça Feira) Reunião Inicial interna com a Direção do DEC de Março (Sexta Feira), 17h, Auditório RDC Aula Inaugural Eng. Henrique Meirelles, ex Presidente do Banco Central do Brasil Desenvolvimento sustentável: isto é possível em nosso País? de Março (Terça Feira), 17h, sala 206 L Prof. Roberto Azevedo, Prof. Titular, Univ. Federal de Viçosa Experiências Acadêmicas e de Projetos em Engenharia Geotécnica e Estrutural. Resumo: A palestra apresenta um resumo das experiências de um professor de Eng. Civil, na PUC Rio e na UFV, em pesquisas e projetos de engenharia, nas áreas de estruturas e geotecnia, nas quais o palestrante concluiu respectivamente o mestrado e o doutorado. 03

2 24 de Março (Terça Feira), 17h, sala 154 L Eng. Alberto Sayão, Prof. PUC Rio, Sec. Geral da Academia Nacional de Engenharia Engenharia com Pneus. Resumo: A palestra apresenta as vantagens e limitações do reuso de pneus usados como material de construção em diversas aplicações da Engenharia, e resume o projeto original de pesquisa da PUC Rio com apoio da Geo Rio e do Canadá, para estabilização de encostas em comunidades carentes do Rio de Janeiro de Março (Sexta Feira) 16h, sala 222 L Prof. António Viana da Fonseca, FEUP, Univ. do Porto Melhoramento de Solos e Modelação do comportamento de Terrenos Cimentados. Seminário Especial, sexta feira, 27 de Março, às 16h. Resumo: Solos artificialmente cimentados são usados em obras geotécnicas, para melhoramento e reforço de fundações, contenções, taludes ou obras subterrâneas, e em obras de linha para plataformas de estradas e ferrovias. A mistura de ligantes (cimento Portland, cal hidráulica e/ou natural, cinzas volantes só ou com ativadores, ou fibras) em solo menos competentes é vantajosa em muitos casos por razões ambientais e econômicas. A quantidade destes ligantes torna as soluções mais ou menos competitivas à luz das necessidades de cada aplicação, sendo necessária sua otimização com base numa metodologia racional que integre fatores condicionantes do seu comportamento: peso específico ou porosidade e quantidade de ligante (volume ou peso). Estudos recentes, mas já exaustivos, demonstram que a partir da consideração de propriedades físicas, é possível chegar a boas ferramentas de obtenção das propriedades

3 geomecânicas exigidas em projeto, bem como os materiais devem ser aplicados no terreno e aferidos no controle de qualidade, a curto e a longo prazo, em carregamentos estáticos ou cíclicos, de curta ou longa duração. A integração destes índices para a definição dos parâmetros fundamentais que constituem o input para o projeto geotécnico, através de soluções analíticas ou com recurso ao cálculo computacional, exige a adaptação das leis constitutivas que permitam fazer a ponte entre aqueles fatores e os modelos que estão na base destas ferramentas de cálculo, nomeadamente a Mecânica dos Estados Críticos alargada. O seminário apresentará os estudos recentes realizados na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) nas vertentes referidas e a evolução dos trabalhos experimentais, para a modelagem e aplicação prática, que se espera ver intensificada e normalizada em consequência.

4 05 31 de Março (Terça Feira), 17h, sala 154 L Eng. Flavio Miguez, Diretor da Academia Nacional de Engenharia, Presidente Honorário do CBDB Comitê Brasileiro de Barragens. As Crises Hídricas no Brasil As Perspectivas das Barragens. Resumo: Intensas crises hídricas estiveram insistentemente presentes ao longo de nossa história. As lições do passado e a evolução da tecnologia aplicada a barragens. Perspectivas para o futuro próximo. ABRIL de Abril (Terça Feira), 17h, sala 206 L Eng. Vicente Garambone, Prof. PUC Rio. Pontes em Obras Marítimas. Resumo: na apresentação, serão abordadas as peculiaridades das obras marítimas, os tipos de obras de atracação, a terminologia relacionada aos navios, e aspectos da metodologia construtiva e interação estruturas/fundações. Serão mostradas as obras integrantes do Píer IV do Terminal Portuário de Ponta da Madeira, em São Luís (MA), pertencente à Vale, para embarque do minério de Carajás, os navios de projeto, e os equipamentos de carregamento do navio de Abril (Terça Feira), 17h, sala 206 L. Seminário Especial, Prof. Luiz Wrobel, Diretor, Institute of Materials and Manufacturing, Brunel University, UK.

5 Dual Boundary Element Method for Crack Propagation. Resumo: The seminar will present a BEM formulation for studying ring crack propagation in axisymmetric components. The work is motivated by the study of indentation tests to assess the fracture toughness of some coated mechanical/structural componentes. A second part of the talk will present a 2D BEM formulation for crack propagation in composites de Abril (Terça Feira), 17h, auditório RDC Eng. Paulo Augusto Vivacqua, Presidente da ANE Academia Nacional de Engenharia, Professor Emérito (Engenharia) da UFES Ferrovias, economia, natureza e sociedade. Resumo: Uma rede ferroviária adequada teria profundo impacto sobre o Brasil, com efeitos transformadores sobre o meio ambiente, emprego, renda, e qualidade de vida da população. 21 de Abril Feriado de Abril (Terça Feira), 17h, sala 154 L Eng. Sandro Sandroni, Prof. PUC Rio. Prática da Engenharia: O ponto de Vista de um Engenheiro Geotécnico.

6 Resumo: na palestra, serão discutidas as dúvidas que assaltam o eng. geotécnico em sua prática. Serão dados exemplos e, no final, ressaltada a importância do método observacional. MAIO de Maio (Terça Feira), 17h, sala 206 L Prof. Ricardo Oliveira, COBA, Consultores de Engenharia e Ambiente, e UNL, Universidade Nova de Lisboa. Segurança de Barragens. Resumo: O Seminário aborda um breve histórico e conceitos fundamentais do tema; refere a Lei de Segurança de Barragens do Brasil, a Política Nacional de Segurança de Barragens, seus instrumentos e regulamentos, as competências da ANA e outros fiscalizadores e dos empreendedores. O seminário termina com exemplos de intervenções da COBA em estudos de segurança de barragens brasileiras de Maio (Terça Feira), 17h, sala 154 L Eng. Fernando Olavo Franciss, consultor. Riscos de Acidentes em Engenharia. Resumo: serão apresentados os conceitos básicos da moderna gestão de riscos e como os mesmos são aplicados em grandes organizações. 19 de Maio (Terça Feira) seminário transferido para 27 de Maio.

7 12 26 de Maio (Terça Feira), 17h, sala 206 L Eng. Pedricto Rocha Filho, Prof. PUC Rio. Metodologia Observacional em Geotecnia, com aplicação em barragens. Resumo: Serão apresentados exemplos, com ênfase no monitoramento de barragens, incluindo a aplicação de eletroníveis em: radiers estaqueados, movimentação de encostas, escavações, obras portuárias, recalques de edificações, túneis e fundações. Será destacada a utilização do método observacional como um dos requisitos legais impostos, muitas vezes, pelas companhias seguradoras.

8 13 27 de Maio (Quarta Feira), 14h, sala 324 L Prof. Jorge Zornberg, Univ. Texas, ex Presidente IGS. Engenhosidade em Projetos com Geossintéticos. Resumo: A engenhosidade continua a ser um atributo importante em projetos de engenharia civil com a inclusão de materiais geossintéticos, devido à capacidade de adaptar as propriedades mecânicas e hidráulicas desses materiais, de forma controlada, para atender às necessidades diversas de projetos geotécnicos. Esta palestra mostra os avanços quanto ao uso de geossintéticos em uma ampla variedade de projetos geotécnicos. A apresentação trata, especificamente, do uso criativo e inovador de geossintéticos em cerca de 10 casos de obras, incluindo barragens de terra, barreiras resistivas, barreiras não saturadas, taludes infinitos, sistemas de proteção costeira, fundações, encontros de ponte, muros de arrimo, aterros e pavimentos. Seminário Especial, às 14h, sala 324 L. JUNHO de Junho (Terça Feira), 17h, sala 206 L Eng. Alexandre Gusmão, Prof. UPE, Sec. Geral ABMS. Obras de Infraestrutura na Região Nordeste. Resumo: Apresentação de casos de obras de infraestrutura no Nordeste: aterros sobre solos moles, pontes e viadutos; torres eólicas, e tanques de combustíveis, com ênfase nos aspectos geotécnicos e desempenho.

9 15 09 de Junho (Terça Feira), 17h, sala 154 L Eng. Luís Edmundo Campos, Prof. Titular, UFBA. Contenções: Tipos e Problemas. Resumo: Apresentação dos diversos tipos de obras de contenção de encostas e principais causas de problemas no funcionamento; a palestra será ilustrada com casos de obras na Bahia de Junho (Terça Feira), 17h, sala 154 L Eng. George Bernardes, Prof. UNESP. Ensaio dinâmico para controle de estacas e investigação geotécnica. Resumo: O seminário abordará a instrumentação dinâmica e a utilização da teoria da equação de onda para previsão e controle de fundações profundas e o emprego dessa instrumentação para interpretação do ensaio a percussão (SPT) e do ensaio dinâmico de penetração leve (DPL) de Junho (Terça Feira), 17h, sala 154 L Eng. Anna Laura Nunes, Prof. COPPE UFRJ. O Túnel do Porto Sudeste, RJ. Resumo: O Porto Sudeste do Brasil é um terminal portuário privado, em fase final de construção, na Ilha da Madeira, em Itaguaí, Rio de Janeiro, projetado para movimentar e exportar 50 milhões de toneladas de minério de ferro do Quadrilátero Ferrífero (MG) por ano. O minério que chega por ferrovia será transferido por correias transportadoras e empilhado em um dos dois pátios de estocagem do Porto, com capacidade de 2,5 milhões de toneladas, conectados ao píer por um túnel com 1,8 km de extensão, que garante o acesso rápido e seguro do minério para os navios. O minério será transferido por quatro empilhadeiras recuperadoras para as correias transportadoras do túnel. O novo terminal portuário tem

10 capacidade de expansão para exportar 100 milhões de toneladas anuais de Junho (Terça Feira), 17h, sala 154 L Eng. Leandro de Moura Costa Filho, Diretor, LPS. Empilhamento de rejeitos de mineração sobre Depósitos Desativados. Resumo: serão apresentados problemas relacionados com arranjo geral e projeto geotécnico em casos de empilhamento de rejeitos sobre depósitos desativados. JULHO de Julho (Terça Feira), 17h, sala 154 L Eng. Miguel Augusto Zydan Sória, Consultor, ex gerente da Itaipu Binacional. Usina de Itaipu: integração energética entre Brasil e Paraguai. Resumo: será apresentado um histórico das ações que culminaram no Tratado de Itaipu, celebrado entre Brasil e Paraguai, e na criação da entidade Itaipu Binacional para a construção da Usina Hidrelétrica de Itaipu, no Rio Paraná, no trecho de divisa entre Brasil e Paraguai. A palestra resume o livro de mesmo nome, editado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), que inclui quatro capítulos: (1) introdução (com história das barragens, história da eletricidade e história política de Itaipu); (2) Projeto Itaipu; (3) execução do empreendimento; e (4) operação da usina e desenvolvimento organizacional. Com 250 páginas, o trabalho inclui fotos históricas, mapas e tabelas. O livro explica também a engenharia financeira do empreendimento e alguns dos projetos e programas desenvolvidos por Itaipu. Nos anexos, o livro apresenta

11 documentos importantes, como a Ata do Iguaçu (1966) e o Tratado de Itaipu. 09 de Julho Final das Aulas º Semestre. AGOSTO de Agosto (Terça Feira), 15 às 16h, sala 310 L Eng. Gustavo Ferreira Simões, Seminário Especial, Prof. Associado, UFMG. Resíduos Sólidos Urbanos: Modelagem e Monitoramento. Resumo: serão apresentadas e discutidas as particularidades do comportamento e modelagem numérica dos aterros sanitários, destacando a importância de programas de monitoramento geotécnico e ambiental dos resíduos sólidos urbanos. 11 de Agosto em férias 17 de Agosto (Segunda Feira) Início Aulas º semestre de Agosto (Terça Feira), 17h, sala 150 L Eng. Dimiter Alexiew, Technical Director, Huesker, Alemanha. Geogrid reinforced Bridge Abutments: Basics, Design, Projects

12 Resumo: Bridge abutments are technically demanding components of a bridge or viaduct. Their optimization is important from technical, economical and ecological points of view. An advantageous option is to construct them from geogrid reinforced soil. The application is increasing in many countries. The solution is an interface of structural, geotechnical and geosynthetic engineerings. Concepts, types, design basics and materials are explained, as well as recent tendencies. Examples of executed projects over twenty years are presented and commented. O seminário será apresentado em inglês de Agosto (Terça Feira), 17h, auditório AMEX (Prédio IAG, em frente à igreja) Eng. Marilene Ramos, Presidente do IBAMA, Prof. FGV (RJ). Problemas Ambientais no Brasil. Resumo: SETEMBRO de Setembro (Terça Feira), 17h, sala 150 L Eng. Ennio Marques Palmeira, Prof. da UnB, Membro da ABC Academia Brasileira de Ciências. Geossintéticos em Soluções Geotécnicas e Geoambientais Utilizando Diferentes Tipos de Resíduos. Resumo: Geossintéticos são produtos poliméricos que podem ser utilizados com variadas funções em obras geotécnicas e de proteção ambiental. Nesta palestra são apresentados novos desenvolvimentos e aplicações desses materiais que podem viabilizar a utilização de diferentes tipos de resíduos em obras geotécnicas e geoambientais, levando a reduções significativas de custos e de impactos ambientais. 24

13 08 de Setembro (Terça Feira), 17h, sala 150 L Eng. Francis Bogossian, Presidente do Clube de Engenharia, e Vice Presidente da ANE. O Estado da Arte na Geotecnia Offshore. Resumo: será apresentado um resumo histórico da evolução dos estudos da Engenharia em projetos geotécnicos offshore, desde os anos de Setembro (Terça Feira), 17h, sala 150 L Eng. Sergio Fontoura, Prof. PUC Rio. Engenharia de Petróleo: Passado, Presente e Futuro. Resumo: Nesta palestra será abordada a relevância da mecânica das rochas na prática da engenharia de petróleo. Serão apresentados exemplos de aplicações nas áreas de engenharia de perfuração e engenharia de reservatório dando ênfase aos desafios técnicos e científicos de Setembro (Terça Feira), 17h, sala 206 L 150 L Eng. André Lima, Prof. Titular, UVA, Diretor, GeoInfra. Estabilização com Solo Grampeado. Resumo: O seminário mostrará os passos para execução de obras de contenção com solo grampeado, dando destaque a pesquisas recentes da PUC Rio e o monitoramento de grandes obras em Niterói, RJ de Setembro (Terça Feira), 17h, sala 206 L 418 L Eng. Giuseppe G. Barbosa, consultor. O Colapso do Edifício Palace II, RJ. Resumo: o seminário abordará os detalhes do desmoronamento do edifício na Barra da Tijuca, ocorrido em fevereiro de 1998, que resultou na morte de 8 pessoas.

14 28 29 de Setembro (Terça Feira), 17h, sala 150 L Eng. Marcelo Gattass, Professor Titular da PUC Rio, Diretor do Instituto Tecgraf, e Membro da Academia Nacional de Engenharia. Pesquisa e Desenvolvimento na Área de Petróleo. Resumo: No seminário, será apresentado um resumo panorâmico das atividades dos quase 30 anos de projetos de desenvolvimento e pesquisa científica do Instituto Tecgraf/PUC Rio, com resultados inovadores junto à Petrobras. O Tecgraf/PUC Rio, apesar de pouco conhecido, é um dos mais importantes grupos de pesquisa aplicada do Brasil, e vem colaborando na solução das mais complexas demandas da indústria do Petróleo. É um exemplo de como a ciência aplicada, com foco em resultados práticos, pode estimular o desenvolvimento da ciência básica. OUTUBRO de Outubro (Terça Feira), 17h, sala 150 L Eng. Paulo Ferretti, Maccaferri. Contenção em solo reforçado no estádio de Itaquera. Resumo: A palestra abordará os desafios técnicos durante o projeto e a execução do estádio que abriu a Copa do Mundo, com ênfase na execução e nos sistemas de instrumentação e monitoramento da estrutura em solo reforçado.

15 30 13 de Outubro (Terça Feira) (Terça Feira), 17h, 150 L Eng. Paulo Henrique Dias, Diretor SEEL. Estruturas de Estabilização de Cortes e Escavações. Resumo: será apresentado um resumo panorâmico das atividades e equipamentos envolvidos nos trabalhos usuais de estabilização de taludes de cortes e escavações em solos, dando ênfase ao uso de tirantes ou grampos, e às vantagens de se contar com um programa de monitoramento para assegurar a progressão da obra com segurança de Outubro (Terça Feira), 17h, sala 150 L Eng. Luiz Otavio Vieira, Diretor de Projetos, Fundação Geo Rio. Gestão do Risco contra deslizamentos na Cidade do Rio de Janeiro. Resumo: serão apresentadas as fases do Plano de Gestão de Risco, que inclui o Mapa de Suscetibilidade de escorregamento, com as áreas de risco afetando quase 30 mil moradias instaladas em 196 comunidades nas encostas da Cidade, com base em aerolevantamento a laser, histórico de ocorrências, e informações pluviométricas e geológicas e o Sistema Alerta Rio, que monitora as condições climáticas, com dados de radar meteorológico e estações pluviométricas, concentrados no Centro de Operações da Prefeitura.

16 32 27 de Outubro (Terça Feira), 17h, sala 150 L Paulo Maia e F. Saboya, Profs. UENF. Barragens de Enrocamento Modelagem e Durabilidade. Resumo: Serão apresentados estudos e pesquisas recentes, referentes à modelagem da Barragem de Segredo (Rio Iguaçu, PR) e à durabilidade dos enrocamentos de basalto de grandes barragens brasileiras de Outubro (Terça Feira), 17h, sala 418 L Eng. K. Ghavami, Professor Emérito da PUC Rio. Engenharia com Bambu. Resumo: a confirmar NOVEMBRO de Novembro (Terça Feira), 17h, sala 150 L Eng. Luciano Jacques de Moraes Jr., Vice Presidente da ABMS. O Porto do Açu, RJ. Resumo: a palestra versará sobre as obras offshore do terminal TX1 do Porto do Açu, recentemente inaugurado em São João da Barra, no litoral norte fluminense. Em especial, serão apresentados os detalhes das obras hidráulicas de proteção (quebra mar de enrocamento) e da construção da ponte marítima de 2,5 km, de acesso ao terminal, sobre estacas cravadas de concreto e estacas metálicas.

17 34 10 de Novembro (Terça Feira), 17h, sala 150 L Eng. Ana Cristina Castro Fontenla Sieira, Prof. UERJ, Presid. ABMS Rio Geossintéticos em Engenharia. Resumo: O seminário apresentará detalhes sobre o uso de materiais geossintéticos em obras de engenharia, com ênfase em pesquisas recentes realizadas na PUC Rio de Novembro (Terça Feira), 17h, sala 418 L Eng. Romildo Toledo Dias Filho, Prof. COPPE UFRJ. Uso de Concreto com Fibras em Engenharia: fundamentos e aplicações. Resumo: No seminário será apresentado um resumo panorâmico das atividades recentes de pesquisa no Laboratório de Estruturas e Materiais da COPPE UFRJ sobre o comportamento e aplicações de concreto reforçado com fibras, cobrindo vários tópicos de interesse, tais como: concreto autoadensável de alta performance reforçado com fibras de aço, combinação de reforço com barras contínuas e fibras metálicas; o uso de reforço vegetal na cicatrização de fissuras de concretos de alto desempenho, compósitos de alta performance mecânica e durabilidade reforçados com fibras vegetais, e exemplos de aplicações de Novembro (Terça Feira), 17h, sala 150 L Eng. Denise Gerscovich, Prof. UERJ. Solos Moles: Efeito da Submersão na Previsão dos Recalques. Resumo: O recalque de aterros depende diretamente do aumento de tensão efetiva, que é proporcional à sobrecarga aplicada. Os depósitos de argila mole são muito compressíveis e, com o tempo, o aterro vai submergindo e progressivamente a sobrecarga transmitida ao solo é reduzida. Tal efeito é conhecido como

18 submersão. No seminário, será apresentado um método simples para incorporação deste efeito na estimativa e desenvolvimento do recalque primário de Novembro (Terça Feira), 17h, sala 150 L Eng. Fernando Schnaid, Prof. UFRGS. In situ testing in Geomechanics. Resumo: a palestra será uma versão atualizada do webnar apresentado pela ISSMGE em Outubro de 2014, sobre as principais técnicas de investigação do subsolo para projetos de engenharia de Novembro (Terça Feira), 17h, sala 150 L Prof. Franklin Antunes, PUC Rio A Importância da Geologia em Projetos de Engenharia. DEZEMBRO de Dezembro (Terça Feira), 17h, Encerramento, sala a confirmar Eng. André Assis, Prof. UnB, Presidente da ABMS. Evolução dos Túneis no Brasil Resumo: a confirmar 08 de Dezembro (Terça Feira) Feriado. 11 de Dezembro (Sexta Feira) Final das Aulas Notas: Os seminários contam com o apoio da Huesker e Maccaferri, empresas com longa tradição no apoio a pesquisas da PUC, e serão realizados nas salas 150 L ou 418 L (Prédio Cardeal Leme, na PUC Rio). Como a sala é em geral disponível por 1h, o tempo útil das palestras será de 40 min, para acomodar a apresentação inicial, debates e o encerramento.

19 Antes das apresentações, haverá um coffee break para os participantes. Todos os interessados são bem vindos; não é necessária inscrição prévia. Para informações adicionais, e eventual confirmação de tema e sala dos seminários, favor contatar o DEC: rio.br), tel: , Ramal: 105, entre 08 e 16h.

27 de Março - (Sexta-Feira) 16h, sala 222-L Prof. António Viana da Fonseca, FEUP, Univ. do Porto

27 de Março - (Sexta-Feira) 16h, sala 222-L Prof. António Viana da Fonseca, FEUP, Univ. do Porto Seminários 2015 50 Anos da Pós-Graduação em Engenharia Civil na PUC-Rio - programa atualizado em 25 Maio: MARÇO 03 de Março em Férias 09 de Março Início Aulas 2015.1 10 de Março (Terça-Feira) Reunião Inicial

Leia mais

Seminários 2015 50 Anos da Pós-Graduação em Engenharia Civil na PUC-Rio - Programa Final (atualizado em 25 de outubro):

Seminários 2015 50 Anos da Pós-Graduação em Engenharia Civil na PUC-Rio - Programa Final (atualizado em 25 de outubro): Seminários 2015 50 Anos da Pós-Graduação em Engenharia Civil na PUC-Rio - Programa Final (atualizado em 25 de outubro): MARÇO 03 de Março em Férias 09 de Março Início Aulas 2015.1 10 de Março (Terça-Feira)

Leia mais

Agradeço a todos que colaboraram para a elaboração e edição desta publicação e aos alunos bolsistas que ajudaram na sua edição.

Agradeço a todos que colaboraram para a elaboração e edição desta publicação e aos alunos bolsistas que ajudaram na sua edição. Apresentação A disciplina Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra foi oferecida pela primeira vêz nesta Faculdade em 1996, logo após sua criação e aprovação nos orgãos colegiados. Foi criada com a intenção

Leia mais

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão Estamos presentes em mais de 38 países Geramos mais de 174 mil empregos no mundo Além de minérios, atuamos na área de fertilizantes e nos segmentos de logística, energia

Leia mais

CLIQUE AQUI PARA PASSAR AS PÁGINAS

CLIQUE AQUI PARA PASSAR AS PÁGINAS CLIQUE AQUI PARA PASSAR AS PÁGINAS NOSSA EMPRESA 01MISSÃO Produzir soluções de Engenharia Geotécnica para todos os agentes da Construção Civil. 02VISÃO Tornar-se referência como uma consultoria de excelência

Leia mais

TechCon - Engenharia e Consultoria Ltda.

TechCon - Engenharia e Consultoria Ltda. Projetos e Consultoria em Estruturas Offshore Elaboração de Projetos de Içamento Offshore e Cursos conforme API A TechCon Engenharia e Consultoria elabora projetos e consultoria em içamento offshore para

Leia mais

Núcleo Regional de Minas Gerais: o desafio de se tornar um fórum de discussão sobre barragens

Núcleo Regional de Minas Gerais: o desafio de se tornar um fórum de discussão sobre barragens Núcleo Regional de Minas Gerais: o desafio de se tornar um fórum de discussão sobre barragens Reportagem: CLÁUDIA RODRIGUES BARBOSA Newsletter CBDB - O que diferencia o Núcleo Regional de Minas Gerais

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

2012: Mestrado em Engenharia Civil - Geotecnia (Conceito CAPES 7) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil.

2012: Mestrado em Engenharia Civil - Geotecnia (Conceito CAPES 7) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Brasil. CURRICULUM VITAE JONATAN GARRIDO JUNG Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/9550735029837742 CONTATO Endereço profissional: Rua São Manoel 1261 sala 201 CEP: 90620-110 Porto Alegre/RS Fone: (51) 8298-0061

Leia mais

www.viex-americas.com.br

www.viex-americas.com.br Barragens PCH s Dutos Canais Ferrovias Tuneis Obras Esportivas Dias 24 e 25 de maio de 2010 Blue Tree Towers Faria Lima São Paulo - SP Investigação Geológica Critérios para Projetos Segurança através do

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br

ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br ENGENHARIA CIVIL COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 187 Engenheiro Civil ATUAÇÃO Ao Engenheiro Civil compete o desempenho das atividades profissionais previstas

Leia mais

Painel 4 Vistorias em Edificações

Painel 4 Vistorias em Edificações Diagnósticos Técnicos e a Preservação de Direitos na Construção Civil Painel 4 Vistorias em Edificações Palestrante José Carlos Muniz Falcon Realização Apoio Técnico Apoio Institucional Vistorias em Edificações-

Leia mais

contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente

contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente /2009 TRANSPORTE Um caso de obra especial: contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente ALBERTO CASATI ZIRLIS* / CAIRBAR AZZI PITTA** / GEORGE JOAQUIM TELES DE

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações

Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações Edição: 5132010 Litoral Paulista, sexta-feira, 20 de agosto Página: 1 Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações w w w. u s i m i n a s.

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

TÉCNICAS DE MELHORAMENTO DE SOLOS - Parte 2

TÉCNICAS DE MELHORAMENTO DE SOLOS - Parte 2 N.20 Novembro / Dezembro 2003 TÉCNICAS DE MELHORAMENTO DE SOLOS - Parte 2 REFORÇO COM MATERIAIS NATURAIS e SUBSTITUIÇÃO DO TERRENO Nuno Gonçalo Cordeiro Marques de Almeida EDIÇÃO: Construlink, SA Tagus

Leia mais

Infra-estrutura do Rio de Janeiro: Prazo de validade vencido. Realização: Sinaenco

Infra-estrutura do Rio de Janeiro: Prazo de validade vencido. Realização: Sinaenco Infra-estrutura do Rio de Janeiro: Prazo de validade vencido Realização: Sinaenco Objetivos Alertar as autoridades e a sociedade sobre a urgência e a importância da adoção por parte dos órgãos públicos

Leia mais

Eleição :: Diretoria do Núcleo Regional de Minas Gerais

Eleição :: Diretoria do Núcleo Regional de Minas Gerais Eleição :: Diretoria do Núcleo Regional de Minas Gerais A eleição da nova Diretoria do Núcleo Regional de Minas Gerais para o triênio 2014 / 2017 ocorreu no dia 26 de junho de 2014, em Belo Horizonte.

Leia mais

ENGENHARIA GEOTÉCNICA EM PROJETOS DE MINERAÇÃO Sandro S. Sandroni, Geoprojetos

ENGENHARIA GEOTÉCNICA EM PROJETOS DE MINERAÇÃO Sandro S. Sandroni, Geoprojetos 14º CONGRESSO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO ENGENHARIA GEOTÉCNICA EM PROJETOS DE MINERAÇÃO Sandro S. Sandroni, Geoprojetos 1 O QUÊ DIFERENCIA A PRÁTICA GEOTÉCNICA NA ÁREA DE MINERAÇÃO? 2 EXEMPLOS DE CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

07/02/2014. Professor

07/02/2014. Professor UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Disciplina: Introdução à Engenharia Aspectos Gerais sobre a Eng. Eng. Dr. André Luís Gamino Professor Aspectos Gerais da

Leia mais

OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC

OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC SIMPÓSIO SOBRE FUNDAÇÕES E CONTENÇÕES OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC Autor: Samuel Maggioni Mezzomo Eng Civil Geotécnico samuel.mezzomo@arteris.com.br 20.08.2014 ITAJAÍ/SC INTRODUÇÃO E LOCALIZAÇÃO RODOVIAS

Leia mais

Dia 30/01/2014 Início 8h às 13h

Dia 30/01/2014 Início 8h às 13h Objetivo do Curso Oferecer aos novos engenheiros uma visão prática e objetiva dos diversos tipos e fases de uma obra de fundação e contenção, destacando os principais pontos que devem ser observados e

Leia mais

Mestrado em Construções Civis

Mestrado em Construções Civis Mestrado em Construções Civis Guarda, 22 de fevereiro de 2015 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Objetivos do ciclo de estudos... 4 2.1. Objetivos gerais... 4 2.2. Objetivos específicos... 4 3. Competências

Leia mais

Integração de alternativas de fundações em projetos de galpões industriais Lineker Max Goulart Coelho 1, Filipe Neri de Souza 2

Integração de alternativas de fundações em projetos de galpões industriais Lineker Max Goulart Coelho 1, Filipe Neri de Souza 2 Integração de alternativas de fundações em projetos de galpões industriais Lineker Max Goulart Coelho 1, Filipe Neri de Souza 2 1 Universidade Federal de Viçosa / Chemtech Serviços de Engenharia e Software

Leia mais

INBEC Instituto Brasileiro de Educação Continuada

INBEC Instituto Brasileiro de Educação Continuada INBEC Instituto Brasileiro de Educação Continuada Curso Organizado conforme a Resolução N.º 01 DE 08 JUNHO DE 2007 do Conselho Nacional de Educação MEC, Parecer CNE/CES n.º 263/2006. Pós Graduação com

Leia mais

Infra-estrutura: Prazo de Validade Vencido. Realização: Sinaenco

Infra-estrutura: Prazo de Validade Vencido. Realização: Sinaenco Realização: Sinaenco Objetivos Alertar as autoridades e a sociedade sobre a urgência e a importância da adoção por parte dos órgãos públicos das três esferas de poder (federal, estaduais e municipais)

Leia mais

Reunião do Conselho Deliberativo da ABGE - Gestão 2014/2015 Data: 15/04/2014 - Horário: 16h00 - Local: Sede da ABGE

Reunião do Conselho Deliberativo da ABGE - Gestão 2014/2015 Data: 15/04/2014 - Horário: 16h00 - Local: Sede da ABGE Reunião do Conselho Deliberativo da ABGE - Gestão 2014/2015 Data: 15/04/2014 - Horário: 16h00 - Local: Sede da ABGE Presentes: Adalberto, Bartorelli, Eduardo, Francisco N. Jorge, João Jerônimo, Kátia,

Leia mais

OVERWIEW OF IMMERSED TUNNELS IN BRAZIL

OVERWIEW OF IMMERSED TUNNELS IN BRAZIL IMMERSED TUNNELS São Paulo, Brazil 08 09 November 2013 OVERWIEW OF IMMERSED TUNNELS IN BRAZIL Tarcísio B. Celestino VANTAGENS E FLEXIBILIDADE DOS TÚNEIS IMERSOS Áreas de especialização; Tecnologia não

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES CLIENTE: FOLHA 1 de 17 PROGRAMA: FUNDAÇÕES AREA: ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ RESP: SILIO LIMA CREA: 2146/D-RJ Nº GEOINFRA ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E / OU FOLHAS ATINGIDAS Emissão inicial DATA

Leia mais

Gestão do Conhecimento Corporativo: a experiência da Itaipu Binacional

Gestão do Conhecimento Corporativo: a experiência da Itaipu Binacional Gestão do Conhecimento Corporativo: a experiência da Itaipu Binacional I Simpósio de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciência da Informação Universidade Estadual de Londrina - UEL Londrina 06 de março de 2010

Leia mais

Prevenção no Projeto de Aterros de Resíduos

Prevenção no Projeto de Aterros de Resíduos Prevenção no Projeto de Aterros de Resíduos Prof. Dr. Paulo S. Hemsi Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Ponta Grossa, 24 de Agosto de 2011 Aterro de Resíduos Sistema de engenharia projetado, construído,

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

SIGLA NOME DA DISCIPLINA C.H. CR CARÁTER ETD DOCÊNCIA ORIENTADA 30 2 OBRIGATÓRIA COT CONFORTO TÉRMICO 45 3 ELETIVA

SIGLA NOME DA DISCIPLINA C.H. CR CARÁTER ETD DOCÊNCIA ORIENTADA 30 2 OBRIGATÓRIA COT CONFORTO TÉRMICO 45 3 ELETIVA DISCIPLINA/CARGA HORÁRIA/CRÉDITOS SIGLA NOME DA DISCIPLINA C.H. CR CARÁTER MEP SES METODOLOGIA DA PESQUISA SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA URBANA E SUSTENTABILIDADE 45 3 OBRIGATÓRIA 45 3 OBRIGATÓRIA ETD DOCÊNCIA

Leia mais

FUNDAÇÕES REALIDADE ATUAL

FUNDAÇÕES REALIDADE ATUAL SEFE 7 Seminário de Engenharia de Fundações Especiais e Geotecnia FUNDAÇÕES REALIDADE ATUAL Antônio Sérgio Damasco Penna FUNDAÇÕES REALIDADE ATUAL As conquistas do período, o avanço tecnológico, a fartura

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E PRÉ-FORMAS

CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E PRÉ-FORMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E PRÉ-FORMAS Aulas 5-8 Gerson Moacyr Sisniegas Alva DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Estabilidade: Talude e Aterro

Estabilidade: Talude e Aterro Estabilidade: Talude e Aterro Introdução Definições gerais - Talude: É o plano inclinado (declive, rampa) que delimita uma superfície terrosa ou rochosa. - Aterro: Preparação do terreno a fim de obter

Leia mais

Nome dos autores: Petrucio José dos Santos Junior. Bráulio Víctor Rodrigues; Lucas Múcio Souza Lima Murta; Flávio Moreira Lopes;

Nome dos autores: Petrucio José dos Santos Junior. Bráulio Víctor Rodrigues; Lucas Múcio Souza Lima Murta; Flávio Moreira Lopes; Expansão do BH Outlet Muro de contenção em Solo Reforçado e revestimento de taludes com Geossintéticos (BH Outlet Expansion Reinforced Soil retaining wall and slope revetement with Geosynthetics) Nome

Leia mais

Vetor UF Nome Localização / Descrição Tipo de Intervenção PAC? Status Extensão

Vetor UF Nome Localização / Descrição Tipo de Intervenção PAC? Status Extensão Angra dos Reis/ Angra dos Reis/ Ampliação/Melhorias Não Planejado 30.000 N.A. Pós 2015 Angra dos Reis: ampliação do Pátio de Aeronaves, Terminal de Passageiros e Ampliação de Pista. Área do Terminal: 450m2.

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Gerson Cunha Eng. Maria Francisca

Leia mais

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS Pavimento x outras obras civis Edifícios: Área de terreno pequena, investimento por m 2 grande FS à ruptura grande Clima interfere muito pouco no comportamento estrutural

Leia mais

Atualização sobre o projeto S11D

Atualização sobre o projeto S11D Atualização sobre o projeto S11D Analyst Tour Pará, Novembro 2015 Esse comunicado pode incluir declarações que apresentem expectativas da Vale sobre eventos ou resultados futuros. Todas as declarações,

Leia mais

Mestrado em Engenharia Civil Apresentação do novo Plano de Estudos

Mestrado em Engenharia Civil Apresentação do novo Plano de Estudos Mestrado em Engenharia Civil Apresentação do novo Plano de Estudos CCMEC, 8 de Junho de 2015 1 Sumário 1 Introdução 2 Estrutura curricular do novo plano Tronco comum Perfil de Edificações Perfil de Estruturas

Leia mais

ATOS DE ENGENHARIA CIVIL

ATOS DE ENGENHARIA CIVIL 1. ENGENHARIA CIVIL ATOS DE ENGENHARIA CIVIL 1 Projeto 1.1 Edificações 1.1.1 Estabilidade e contenção periférica Contenção periférica Plano de escavação Fundações superficiais Fundações profundas Muros

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Definição de solo Ciências aplicadas Contexto

Leia mais

CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA. www.isep.ipp.pt

CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA. www.isep.ipp.pt CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA www.isep.ipp.pt CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA ÍNDICE ENGENHARIA CIVIL 05 Regime Regulamentar dos Betões de Ligantes Hidráulicos, das Armaduras e da Execução de Estruturas de Betão Armado

Leia mais

Introdução: No boletim anterior, o foco central era apresentar o Projeto e explicar o

Introdução: No boletim anterior, o foco central era apresentar o Projeto e explicar o WWW.FAI.COM.BR Boletim Científico - Engenharias Página 02 Expediente Prof. Dr. Wendel Cleber Soares Coordenador do Projeto FAI Caroline Pigarri de Sousa Aluna do 2º Ensino Médio ETEC Prof. Eudecio Luis

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO

TRANSPORTE FERROVIÁRIO TRANSPORTE FERROVIÁRIO O transporte ferroviário no Brasil sofreu, durante um grande período, talvez devido à grande concorrência do transporte rodoviário, a falta de incentivo com relação à ampliação do

Leia mais

CLIENTE SUCAB SUPERINTENDÊNCIA DE CONSTRUÇÕES ADMINISTRATIVAS DA BAHIA

CLIENTE SUCAB SUPERINTENDÊNCIA DE CONSTRUÇÕES ADMINISTRATIVAS DA BAHIA EMISSÃO: GO/2008 CLIENTE SUCB SUPERINTENDÊNCI DE CONSTRUÇÕES DMINISTRTIVS D BHI PROJETO HOSPITL DO SUBÚRBIO SLVDOR - B TÍTULO MEMORIL DESCRITIVO/ ESPECIFICÇÕES TÉCNICS DT GO/2008 ESPECILIDDE GRUPO 01 SERVIÇOS

Leia mais

A Indústria do Cimento e a Infraestrutura no Brasil. Comissão de Serviços de Infraestrutura SENADO FEDERAL

A Indústria do Cimento e a Infraestrutura no Brasil. Comissão de Serviços de Infraestrutura SENADO FEDERAL A Indústria do Cimento e a Infraestrutura no Brasil Comissão de Serviços de Infraestrutura José Otavio Carvalho Vice Presidente Executivo Cimento: Características do produto - Base do concreto - o material

Leia mais

17 a 19 de novembro de 2008 Auditório do Clube de Engenharia Rio de Janeiro RJ

17 a 19 de novembro de 2008 Auditório do Clube de Engenharia Rio de Janeiro RJ APRESENTAÇÃO Paralela à necessidade e a previsão de investimentos do Brasil na geração de energia elétrica, que deverá destinar recursos da ordem de R$ 274,8 bilhões nos próximos quatro anos, através do

Leia mais

Considerações Preliminares

Considerações Preliminares UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil I Fundações Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Considerações Preliminares Para se optar por uma

Leia mais

GEOTÉCNICA Introdução a Geologia Física Introdução a Mecânica dos Solos. PATRICIO PIRES. D.Sc. patricio.pires@gmail.com Sala: 102 CT-I / Ramal: 2707

GEOTÉCNICA Introdução a Geologia Física Introdução a Mecânica dos Solos. PATRICIO PIRES. D.Sc. patricio.pires@gmail.com Sala: 102 CT-I / Ramal: 2707 GEOTÉCNICA Introdução a Geologia Física Introdução a Mecânica dos Solos PATRICIO PIRES. D.Sc. patricio.pires@gmail.com Sala: 102 CT-I / Ramal: 2707 Conteúdo Programático 1. Definição de Solo e Rocha 2.

Leia mais

Seminário Twin Cities: Solos das Regiões Metropolitanas de São Paulo e Curitiba.

Seminário Twin Cities: Solos das Regiões Metropolitanas de São Paulo e Curitiba. Seminário Twin Cities: Solos das Regiões Metropolitanas de São Paulo e Curitiba. Fundações em São Paulo e Curitiba Prof. Eng. Luciano Décourt Fundações Profundas em São Paulo Frederico F. Falconi, Maíra

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

AULA 11 FUNDAÇÕES PROFUNDAS Avaliação da Capacidade de carga- Estacas. Métodos Dinâmicos

AULA 11 FUNDAÇÕES PROFUNDAS Avaliação da Capacidade de carga- Estacas. Métodos Dinâmicos AULA 11 FUNDAÇÕES PROFUNDAS Avaliação da Capacidade de carga- Estacas Métodos Dinâmicos maio/ 2014 Disciplina - Fundações Zeide Nogueira Furtado Avaliação da capacidade de carga de estacas Método - Fórmulas

Leia mais

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO Patrícia Falé patricia.fale@dgeg.pt ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO. 1º CURSO de FORMAÇÃO AVANÇADA

COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO. 1º CURSO de FORMAÇÃO AVANÇADA COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO 1º CURSO de FORMAÇÃO AVANÇADA 10 de Setembro de 2010 a 11 de Dezembro de 2010 APRESENTAÇÃO GERAL DO CURSO 1. Introdução O exercício da actividade de coordenação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

ABERTURA: Dia 17 de outubro de 2011, às 9h. Local: Auditório Master do Galpão da Cidadania

ABERTURA: Dia 17 de outubro de 2011, às 9h. Local: Auditório Master do Galpão da Cidadania A iniciativa do Sebrae consiste numa intensa programação para micro e pequenas empresas na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia que ocorrerá entre 17 e 21 de outubro de 2011. O tema principal da Semana

Leia mais

INBEC INSTITUTO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA. Pós-Graduação com Futuro. ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE POÇOS DE PETRÓLEO E GÁS 420h

INBEC INSTITUTO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA. Pós-Graduação com Futuro. ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE POÇOS DE PETRÓLEO E GÁS 420h INBEC INSTITUTO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA Pós-Graduação com Futuro ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE POÇOS DE PETRÓLEO E GÁS 420h (PERFURAÇÃO, COMPLETAÇÃO E AVALIAÇÃO DE POÇOS DE PETRÓLEO E GÁS)

Leia mais

Fundações Indiretas. Tipos de Fundações. Fundações Indiretas. Tipos de fundações

Fundações Indiretas. Tipos de Fundações. Fundações Indiretas. Tipos de fundações Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Tipos de fundações Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com Tipos de

Leia mais

Vale: sistema maximiza embarque de minério de ferro

Vale: sistema maximiza embarque de minério de ferro Divulgação - Vale Vale: sistema maximiza embarque de minério de ferro Para otimizar as operações de exportação de minério de ferro, a Vale investe no desenvolvimento de sistema que integra as informações

Leia mais

Caracterização dos Solos

Caracterização dos Solos Mecânica dos Solos Caracterização dos Solos Prof. Fernando A. M. Marinho Exemplos de obras de Engenharia Geotécnica Talude Natural Talude de corte Barragem de terra Aterro de estradas Construções em solos

Leia mais

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Caracterização do Município e Descrição do Problema O Município do Rio de Janeiro

Leia mais

Quadro Técnico. Bruno Azem Carlos Alexandre Riss Carlos Guilherme Santos Daniel Valotto Danielson Ferreira

Quadro Técnico. Bruno Azem Carlos Alexandre Riss Carlos Guilherme Santos Daniel Valotto Danielson Ferreira Quadro Técnico Bruno Azem Carlos Alexandre Riss Carlos Guilherme Santos Daniel Valotto Danielson Ferreira Bruno Azem Corrêa Formação: Graduado em Engenharia Civil pela UEL - Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Prof.: Mayara Moraes CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA TIPO CP XXX RR Cimento Portland Composição Classe - Resistência aos 28 dias(mpa) SIGLA Ex.:

Leia mais

MESTRADO E DOUTORADO ACADÊMICO EDITAL DE SELEÇÃO 2015

MESTRADO E DOUTORADO ACADÊMICO EDITAL DE SELEÇÃO 2015 MESTRADO E DOUTORADO ACADÊMICO EDITAL DE SELEÇÃO 2015 1. CARACTERIZAÇÃO GERAL 1.1 O Núcleo de Geotecnia da Escola de Minas da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) coordena o Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CURRÍCULO PROFISSIONAL

CURRÍCULO PROFISSIONAL CURRÍCULO PROFISSIONAL 1. INFORMAÇÕES PESSOAIS Nome : EDILBERTO MAURER. Data de Nascimento: 11 de março de 1942 Local de Nascimento: Curitiba Paraná - Brasil. Estado Civil: Casado. Telefone: 55 41 3324-8411.

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PFRH. Recursos Humanos Universidade Petrobras

PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PFRH. Recursos Humanos Universidade Petrobras PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PFRH Recursos Humanos Universidade Petrobras PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS - PFRH Objetivo Ampliar e fortalecer a formação de recursos

Leia mais

PROGRAMAÇÃO - UNDERSTANDING RISK BRASIL 2012 12 DE NOVEMBRO

PROGRAMAÇÃO - UNDERSTANDING RISK BRASIL 2012 12 DE NOVEMBRO PROGRAMAÇÃO - UNDERSTANDING RISK BRASIL 2012 10h às 12h Credenciamento 14h às 15h30 ABERTURA SOLENE: 12 DE NOVEMBRO Fernando Bezerra Coelho Ministro da Integração Nacional Antonio Augusto Junho Anastasia

Leia mais

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12 Em atenção à solicitação de autorização para construção de Passagem Superior e Inferior, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos abaixo para cada Passagem.

Leia mais

Muro de Arrimo por Gravidade

Muro de Arrimo por Gravidade Muro de Arrimo por Gravidade CONCEITO É a solução estrutural mais antiga e por ser relativamente barato e não exigir mão de obra especializada é mais comum. É executado junto a um talude (inclusive de

Leia mais

SUAPE GLOBAL GT 4 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

SUAPE GLOBAL GT 4 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO SUAPE GLOBAL GT 4 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO GRUPO DE TRABALHO INTERNO SUAPE GLOBAL - UNICAP Alcivam Paulo de Oliveira (Coordenador de Extensão) Evânia Pincovsky (Coordenadora) Hélio Pereira

Leia mais

Logística e Infra-estrutura

Logística e Infra-estrutura Siderurgia Mineração Cimento Logística e Infra-estrutura CSN apresenta Plataforma Logística CSN em Itaguaí Plataforma Logística CSN em Itaguaí Um projeto alinhado às necessidades do Brasil Plataforma Logística

Leia mais

Serviços e Projetos em Engenharia para todos os segmentos.

Serviços e Projetos em Engenharia para todos os segmentos. Apresentação da Empresa Sumário 02 Quem Somos 03 Urbanismo e Infraestrutura 04 Arquitetura e Paisagismo 05 Área de Estruturas 06 Proteção contra Incêndio 07 Área de Hidráulica 08 Instalações Elétricas

Leia mais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Visão da Indústria do Cimento Sergio Maçães Integração de atividades minerais e industriais Mineração: calcário matéria prima básica

Leia mais

F U N D A Ç Õ E S TÓPICOS DE DESTAQUE

F U N D A Ç Õ E S TÓPICOS DE DESTAQUE F U N D A Ç Õ E S TÓPICOS DE DESTAQUE AS FUNDAÇÕES, COMO SE SABE, PODEM SER DIRETAS (SAPATAS OU BLOCOS DE CONCRETO CICLÓPICO) OU INDIRETAS (ESTACAS OU TUBULÕES). AS ESTACAS PODEM SER DO TIPO CRAVADAS À

Leia mais

15º. Congresso Brasileiro de Mineração. A experiência brasileira na gestão da hidrogeologia e geotecnia aplicadas à mineração

15º. Congresso Brasileiro de Mineração. A experiência brasileira na gestão da hidrogeologia e geotecnia aplicadas à mineração 15º. Congresso Brasileiro de Mineração Painel 2 Hidrogeologia e Geotecnia: agregando valor ao negócio A experiência brasileira na gestão da hidrogeologia e geotecnia aplicadas à mineração Geól. Paulo C.

Leia mais

Costa Fortuna Fundações e Construções

Costa Fortuna Fundações e Construções Apresentação 1 2 Costa Fortuna Costa Fortuna Fundações e Construções A Costa Fortuna Fundações e Construções Ltda opera no mercado de fundações e contenções e tem por filosofia o desenvolvimento empresarial

Leia mais

Geólogo um profissional multidisciplinar

Geólogo um profissional multidisciplinar Geólogo um profissional multidisciplinar Marco Antonio Ferreira Gomes Marco Antonio em área de algodão na Fazenda Graúna. Conceitos de geologia O termo Geologia vem do grego geo, que significa terra, e

Leia mais

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia 1 O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia Eng. Maristela Gomes da Silva, Dr. 1 Os objetivos desta primeira intervenção são apresentar a situação

Leia mais

FUNDAÇÃO EM ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA MONITORADA

FUNDAÇÃO EM ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA MONITORADA FUNDAÇÃO EM ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA MONITORADA CASO ESPECÍFICO OBJETIVO APRESENTAR CASO ESPECÍFICO DE FUNDAÇÕES EM ESTACAS HCM HÉLICE CONTÍNUA MONITORADA PARA UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL DE 21 PAVIMENTOS EM

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. Esclarece a competência dos Engenheiros: Civis, de Fortificações, Sanitaristas e Químicos quanto projetos,

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

BRAZILIAN SOCIETY FOR SOIL MECHANICS AND GEOTECHNICAL ENGINEERING. www.fugro.com / www.insitu.com.br. Novembro 2009

BRAZILIAN SOCIETY FOR SOIL MECHANICS AND GEOTECHNICAL ENGINEERING. www.fugro.com / www.insitu.com.br. Novembro 2009 1 BRAZILIAN SOCIETY FOR SOIL MECHANICS AND GEOTECHNICAL ENGINEERING A TRAGÉDIA DE SANTA CATARINA OS ESCORREGAMENTOS DE NOVEMBRO DE 2008, O COMANDO UNIFICADO E O TRABALHO DOS VOLUNTÁRIOS DA ABMS Luiz Antoniutti

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços

Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços Sumário Rio de Janeiro em números Energia Petróleo Carteira de Investimentos Rio de Janeiro em números Comércio Exterior Rio bate

Leia mais

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Curso de Multiplicadores em Florianópolis, 24/02/2010 Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Eng. Geotécnica Regina Davison Dias, D.Sc. NUGEOTEC/CENTRO TECNOLÓGICO/UNISUL 24/02/2010 UNISUL

Leia mais

SETOR DE TRANSPORTE... 3. 1. TRANSPORTE AQUAVIÁRIO... 5 1.1. Transporte hidroviário marítimo... 5 1.2. Transporte hidroviário fluvial...

SETOR DE TRANSPORTE... 3. 1. TRANSPORTE AQUAVIÁRIO... 5 1.1. Transporte hidroviário marítimo... 5 1.2. Transporte hidroviário fluvial... Versão em EDIÇÃO SETOR DE TRANSPORTE... 3 1. TRANSPORTE AQUAVIÁRIO... 5 1.1. Transporte hidroviário marítimo... 5 1.2. Transporte hidroviário fluvial... 5 2. TRANSPORTE TERRESTRE... 7 2.1. Estruturas Rodoviárias...

Leia mais

PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1

PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1 EXECUÇÃO GLOBAL DO PAC 2 ATÉ OUTUBRO DE 2014 R$ 1,009 trilhão 91,3% do previsto até 2014 ATÉ DEZEMBRO DE 2014 R$ 1,066 trilhão 96,5% do previsto até 2014 PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1

Leia mais

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO MARÇO Curso: Projeto Geotécnico de Acordo com os Euro códigos Data: 10 a 14 de Março de 2014 Presencial: 250 Via internet: 200 ABRIL Curso: Reabilitação Não-Estrutural de Edifícios Data: 29 a 30 de Abril

Leia mais

AUTOPISTA REGIS BITTENCOURT S.A. CNPJ/MF nº 09.336.431/0001-06 NIRE 35.300.352.335 Companhia Aberta

AUTOPISTA REGIS BITTENCOURT S.A. CNPJ/MF nº 09.336.431/0001-06 NIRE 35.300.352.335 Companhia Aberta AUTOPISTA REGIS BITTENCOURT S.A. CNPJ/MF nº 09.336.431/0001-06 NIRE 35.300.352.335 Companhia Aberta ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 25 DE OUTUBRO DE 2010 1. Data, Hora e Local:

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO DE PROJETOS DE BARRAGENS DE REJEITOS

BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO DE PROJETOS DE BARRAGENS DE REJEITOS SEMINÁRIO SOBRE A GESTÃO DA SEGURANÇA DE BARRAGENS EM MINERAÇÃO DNPM/IBRAM/SINDIEXTRA/FEAM/CREA-MG BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO DE PROJETOS DE BARRAGENS DE REJEITOS ENG. JOAQUIM PIMENTA DE ÁVILA ENG. RICARDO

Leia mais

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Ao: Pró Reitor de Desenvolvimento Institucional ANTÔNIO A. RAITANI JÚNIOR Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense Assunto:

Leia mais

Aterros sobre solos moles: metodologias construtivas

Aterros sobre solos moles: metodologias construtivas Aterros sobre solos moles: metodologias construtivas Márcio de Souza Soares de Almeida Prof. Titular COPPE UFRJ almeida@coc.ufrj.br www.marcioalmeida.eng.br 1 Metodologias construtivas Fatores determinantes:

Leia mais

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO PORTO DE NATAL

PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO PORTO DE NATAL PROJETO DE AMPLIAÇÃO DO PORTO DE NATAL CONSTRUÇÃO DO BERÇO Nº 04 DO PORTO DE NATAL, ATRACADOURO PARA PESCA ARTESANAL E SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA COLISÕES DOS PILARES CENTRAIS DA PONTE NEWTON NAVARRO ATRAVÉS

Leia mais