SANTA BÁRBARA O BRAÇO MORTO DO ARROIO QUE AINDA VIVE NA MEMÓRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SANTA BÁRBARA O BRAÇO MORTO DO ARROIO QUE AINDA VIVE NA MEMÓRIA"

Transcrição

1 UNVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE URBANISMO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONSERVAÇÃO DE PATRIMÔNIO EM CENTROS URBANOS SANTA BÁRBARA O BRAÇO MORTO DO ARROIO QUE AINDA VIVE NA MEMÓRIA por Glenda Dimuro Peter Trabalho de Conclusão do Módulo I Profa. Dra. Sandra Pesavento Porto Alegre, 16 de novembro de 2004.

2 O Santa Bárbara Nelson Nobre Magalhães O Santa Bárbara ainda vive, Arroio de minha lembrança, É um pouco da saudade Dos meus tempos de criança. Cortava a nossa cidade, Presente da natureza, A sua paisagem verde, Tinha um toque de beleza. Tinha peixes... tartarugas, Pequenas embarcações, Tinha também poesia, Seus belos salsos-chorões. A mão de Deus quem o fez, Mas o homem por maldade O levou para mais longe Do coração da cidade. Hoje paga um alto preço! Um crime sem precedentes, Desviaram nosso arroio Aumentaram as enchentes. Suas pontes eram belas Num cenário sem igual Uma delas sempre eu lembro; A ponte lá do Ramal. Pontezinhas de madeira, As recordo com carinho: A ponte lá da Uruguai E também a do Moinho. O Santa Bárbara ainda vive, Arroio da minha lembrança, É um pouco da saudade, Dos meus tempos de criança. 2

3 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO DOS PRIMÓRDIOS ATÉ O FINAL DO SÉCULO XIX AS PONTES SOBRE O SANTA BÁRBARA O COMEÇO DA ANSIEDADE POR PROGRESSO DE ARROIO A CANAL O OLHAR COM SIGNIFICADO APRENDENDO COM OS ERROS BIBLIOGRAFIA:

4 1. INTRODUÇÃO Este trabalho relata a história do arroio Santa Bárbara, desde as primeiras ocupações da cidade de Pelotas até os dias de hoje. Através de narrativas, história, mapas, fotos, notícias de jornais e relatos foi possível perceber a verdadeira importância que esse arroio teve para a cidade, desde a sua fundação até meados do século XX, quando o descaso com o Patrimônio Ambiental fez com que o Santa Bárbara ficasse quase que totalmente poluído, com ocupações irregulares em suas margens e por fim fosse aterrado e seu curso natural desviado para uma zona ainda não urbanizada da cidade. Esse fato, além de quase acabar com a memória do arroio, trouxe outros problemas como constantes alagamentos do braço morto do arroio, como se a natureza sempre teimasse em trazer as águas para o local de origem. Digo quase porque ele ainda vive na memória de alguns, e ainda existem vestígios que comprovam a sua passagem pela zona central da cidade. Através desse trabalho, mostraremos a trajetória do arroio pelo tempo: veremos o arroio que realmente existiu e não apenas enxergaremos os cacos que dele sobraram. Será possível reconhecer quem foram os verdadeiros culpados pela morte do Santa Bárbara e o que pode ser feito para revivê-lo no imaginário daqueles que nunca viram suas águas correrem em seu curso natural e nem ao menos sabem de sua importância no passado da Cidade de Pelotas. 4

5 2. DOS PRIMÓRDIOS ATÉ O FINAL DO SÉCULO XIX O arroio Santa Bárbara tem uma posição muito importante na história da Cidade de Pelotas, já que o povoamento inicial se estabeleceu, em função das charqueadas, nas várzeas do canal São Gonçalo, do rio Pelotas e do arroio Santa Bárbara, pelo vínculo com o transporte hidrográfico. Na coxilha limitada pelo Canal de São Gonçalo e o arroio Santa Bárbara virá a erguer-se o povoado e freguesia de São Francisco de Paula, berço da futura cidade. 1 Alguns moradores da região em 1780, anos antes de ela ser elevada à cidade, por segurança afastaram-se das charqueadas. Segundo Lopes Neto: Devido às disparadas das tropas de gado selvagem, pelos males das enchentes e também pelo desassossego das escravaturas recém vindas, a cidade veio a se formar na coxilha 2 entre o arroio Santa Bárbara, o rio Pelotas e o canal São Gonçalo. Deve ser lembrado também que o mau cheiro próximo às charqueadas, oriundos do sangue, carne apodrecida e em decomposição, também contribuiu para que a população procurasse uma outra região para construir suas moradas. No início do século XIX, muitos eram os forasteiros que passavam por Pelotas e depois relatavam suas experiências em diários de viagem e livros. A maioria deles descrevia o local citando sempre o arroio Santa Bárbara, como José Caetano da Silva Coutinho, que escreveu em 1815: Este arraial, que fica no meio de um vasto 2 horizonte chato entre os arroios de Santa Bárbara e de Pelotas... Em 1816, Francisco de Paula D Azeredo disse: as indústrias... dão contudo lugar a um tráfego imenso, facilitado pelos grandes rios e vias aquáticas, onde se movem centenares de iates carregados dos produtos do país que vêm trazer abundância à Europa e à América, e dando a esta Província uma importância 2 imponente, que ela tem sabido conservar e aumentar. Através desse relato podemos observar que mesmo antes da Freguesia de São Francisco de Paula se tornar vila ou cidade, já tinha uma economia próspera. E grande era o tráfego entre os rios e, embora D Azeredo não tenha citado nomes, sabemos que o canal Santa Bárbara estava na rota das embarcações de menor porte. Para resolver os problemas de posses de terras e pagamento do foro entre o capitão-mor, Antônio Francisco dos Anjos, e alguns moradores e posseiros, foi realizada pelo engenheiro Maurício Ignácio da Silveira o que se considera a primeira planta da zona urbana de Pelotas, datada de 1815, quando a cidade ainda era considerada Freguesia. O primeiro loteamento de Pelotas (veja Figura 1) desenvolveu-se ao redor da capela São Francisco de Paula (atual Catedral São Francisco de Paula), pertencente ao capitão-mor. Nessa planta, as ruas da cidade ainda não alcançavam o arroio Santa Bárbara, mas em suas margens já havia a charqueada de José Vieira Viana, juntamente com uma olaria uma fábrica de sabão, conforme confirmou Nicolau Dreys em sua passagem por Pelotas: As charqueadas ocupam as margens do rio de São Gonçalo e do rio de Santa Bárbara, formando cada uma delas um círculo de população especial. 2 1 MAGALHÃES, Mario Osório. História e Tradições da Cidade de Pelotas. Pelotas: Ed. Armazém Literário, MAGALHÃES, Mario Osório. Pelotas: toda a prosa. Primeiro volume Pelotas: Ed. Armazém Literário,

6 Figura 1: Mapa das ruas da Freguesia de São Francisco de Paula 1815 Fonte: GUTIERREZ, Ester J.B. Barro e Sangue; mão-de-obra, arquitetura e urbanismo em Pelotas Pelotas: Editora Universitária UFPel, Em 1830, a Freguesia de São Francisco de Paula foi elevada à categoria de vila, sob o mesmo título. Em 1834, existiu uma lei na Vila que começava definindo seus limites: Nos limites urbanos desta vila são compreendidos por ora, os prédios que se acham entre os arroios Santa Bárbara, e a rua das Fontes (atual rua Almirante Barroso) desde o rio São Gonçalo até a sanga norte, que corre pelos terrenos sem edifícios permanentes a José Rodrigues Barcellos e Antônio Francisco dos Anjos. 3 Conforme poder ser observado na Figura 2. Essa lei comprova que mesmo antes da Vila de São Francisco de Paula se tornar cidade, o arroio Santa Bárbara já fazia parte dos limites urbanos. Figura 2: Mapa dos limites urbanos da Vila de São Francisco de Paula Fonte: GUTIERREZ, Ester J.B. Barro e Sangue; mão-de-obra, arquitetura e urbanismo em Pelotas Pelotas: Editora Universitária UFPel, GUTIERREZ, Ester J.B. Barro e Sangue; mão-de-obra, arquitetura e urbanismo em Pelotas Pelotas: Editora Universitária UFPel,

7 No dia 27 de junho de 1835, um decreto do presidente da Província outorgava à Vila de São Francisco de Paula a elevação à cidade. Após muitas discussões sobre o nome da cidade, foi aprovado o nome Pelotas, em homenagem, segundo palavras de Domingos José de Almeida na Assembléia Legislativa de 1835, ao fato histórico (estabelecimento das charqueadas) que aglomerara com rapidez do raio a gente e a riqueza da localidade. 4 Na verdade, pelota era como se chamava uma canoa de couro utilizada para a travessia dos rios, que deu nome ao arroio da região e posteriormente ao município. Neste mesmo ano, o engenheiro Eduardo Kretschmer levantou a planta da cidade, projetando sua ampliação (o segundo loteamento). Manteve o traçado regular anteriormente estabelecido, com as ruas principais correndo na direção norte-sul e as secundárias no sentido leste-oeste. Desenhou uma quadrícula de 142 quarteirões dois quais 40 somente delimitados (ainda não estavam oucpados), o que demonstra uma preocupação com crescimento da futura cidade, adotando a mesma malha regular utilizada no primeiro loteamento. O principal motivo da hierarquia das ruas norte-sul em relação às ruas lesteoeste era o sentido de escoamento das águas pluviais, como pode se observar no Código de Posturas de 1834: Sendo mais fácil o escoamento das águas da Vila pelas ruas que estão de leste a oeste, conforme nivelamento dos edifícios e a inclinação dos terrenos. 5 Isso se dava porque a leste encontramos a várzea do Pepino e a oeste a do arroio Santa Bárbara. Em meados do século XIX, como podemos ver no mapa da Figura 3, a cidade estava expandindo-se em direção ao Santa Bárbara, e muita coisa começou a acontecer em suas margens. 4 GUTIERREZ, Ester J.B. Negros, Charquedas e Olarias: Um estudo sobre o espaço pelotense. Pelotas: Editora Universitária UFPel, WEIMAR, Günter. Urbanismo no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Editora Universidade/UFRGS/Prefeitura de Porto Alegre,

8 Figura 3: Mapa das ruas da Cidade de Pelotas 1835 Fonte: GUTIERREZ, Ester J.B. Barro e Sangue; mão-de-obra, arquitetura e urbanismo em Pelotas Pelotas: Editora Universitária UFPel,

9 Mais ou menos nessa mesma época, em 1832, foi construído, às margens do arroio Santa Bárbara, o barco a vapor chamado Liberal, considerado o primeiro da província. Em uma época que somente navegavam embarcações movidas a remo e a vela, causou admiração quando um grupo de empresários, liderados por Domingos José de Almeida, mandou vir dos estados Unidos, um motor para a montagem da barca. Construída no Estaleiro havido no local onde hoje é o início da rua General Osório, numa curva do arroio santa Bárbara, ainda não aterrado. Serviu a Barca nas forças dos farrapos, construída que foi por um grupo de liberais, até que, requisitada pela marinha do Império, combateu contra seus próprios idealizadores. 6 Nesse local estabeleceu-se talvez o primeiro bairro de Pelotas, chamado não por acaso de Bairro do Estaleiro. Nesse ponto, o arroio Santa Bárbara fazia um acentuado cotovelo, onde hoje é o extremo sul da rua Marechal Deodoro (na época também chamada de rua do Estaleiro), e era situado onde se achou a Fábrica de Conservas do Sr. Leivas Leite, próxima da antiga caieira Carpena, 7 fato que indica que pequenas indústrias já estavam se instalando no local. As águas límpidas do Santa Bárbara permitiam que ali se lavassem toda a roupa da freguesia (veja Figuras 4 e 5). Ceroulas, corpetes, calçolas com babados e fitas expunham-se nos coradouros e varais; devia ser grato do transeunte, também, o espetáculo das pernas roliças e bem torneadas daquelas jovens aldeãs convidando ao pecado numa reboleira de mato, ali perto. 8 Uma rua da cidade, a atual rua Professor Araújo, durante muitos anos recebeu o nome de rua das Lavadeiras, por desembocar neste local. Era comum também o trânsito de pequenas embarcações de pesca ou passeio (Figuras 6 e 7). Figura 4 e 5: Fotos de lavadeiras às margens do Santa Bárbara Fonte: Nelson Nobre Magalhães. Início do século XX Figura 6 e 7: Fotos de embarcações nas águas do arroio Fonte: Nelson Nobre Magalhães. Início do século XX 6 LEÓN, Zênia de. Pelotas: sua história e sua gente. Pelotas: Editora Universitária UFPel, OSÓRIO, Fernando. A Cidade de Pelotas, volume 1. Organização e notas de Mario Osório Magalhães. Pelotas: Editora Armazém Literário, MAGALHÃES, Mário Osório. Passeios da Cidade Antiga (Guia Histórico das Ruas de Pelotas). Pelotas: Editora Armazém Literário,

10 No mesmo ano de 1932, a Câmara de Vereadores da então Vila proibiu a edificação e o levantamento de cercas nas margens do Santa Bárbara, isso para não privar o uso das lavadeiras, que se utilizavam desse único lugar em toda a vila destinado para essa atividade. Uma outra proposta, também apresentada pelos vereadores, foi a de colocar os despejos nesse mesmo arroio, em um ponto mais abaixo da lavagem de roupa, mais precisamente no passo do Santa Bárbara, lugar onde as águas corriam em direção ao cemitério, nas imediações da nova cacimba. Desde esta época o arroio começou a ser poluído pela mão do homem. Entre 1850 e 1876, num local denominado como Canteiro do Chuvisco, próximo à Praça antes denominada Constituição, foi construída uma forca que segundo Fernando Osório, ergueu-se sobre um embasamento de material. 9 Durou até a extinção da pena de morte, mas a tradição do nome do que acontecia por lá dura até os dias de hoje. Embora a Praça da Constituição não exista mais, a praça que hoje se situa próximo ao local da forca é comumente chamada de Praça dos Enforcados. Uma das portas da cidade estava localizada também às margens do arroio. Era a chamada Estrada do Fragata, que comunicava Pelotas com a Campanha Rio- Grandense, por onde chegavam os tropeiros conduzindo a matéria-prima das charqueadas, e concentrava um grande número de comerciantes, sobretudo mascates. Para o gado, a Tablada, o Logradouro Público e a Praça da Caridade pareciam ser suficientes. Faltava espaço para as carretas. 10 Foi assim que, num vazio na margem direita do arroio Santa Bárbara, foi localizada a Praça da Constituição, que logo passou a ser chamada, de acordo com a sua função, de Praça das Carretas. Esta praça era um espaço natural, com árvores primitivas e era mais um espaço aberto para estacionamentos das carretas que um lugar de lazer, contemplação ou divertimento. Servia às atividades de transporte e de abastecimento da zona urbana, as carretas que saiam daqui levavam produtos como charque, sabão, rolos de corda, açúcar (que chegava nos navios vindos do nordeste) para as regiões serranas. Após alguns anos as estrebarias da Companhia de Ferro Carris e Cais de Pelotas situaram-se ali. As margens do arroio não eram bem vistas pela classe senhorial. Certa vez, Domingos José de Almeida disse:... uma pequena curva do Santa Bárbara, ali com menos de 15 palmos de largura e quase sempre seco, servindo este pequeno terreno tão somente para foco de imoralidades, fundição de crioulos e entretenimento de escravos da cidade. 10 No dia 2 de abril de 1878, o jornal Correio Mercantil apresentava uma notícia que falava: Observam-se ali coisas horrorosas. Homens e crianças algumas delas mais terão oito anos. Em parceria impudica e afoita uma linguagem desbragada e arrasta uma série de atentados à moralidade, que nem mesmo nos é permitido tornar mais explícito para fazer compreendê-la. Através desses relatos podemos perceber que este lugar era freqüentado por escravos, negros adultos e crianças, além das tradicionais lavadeiras. 9 OSORIO, Fernando. A cidade de Pelotas. Organização e notas de Mario Osório Magalhães. Pelotas: Editora Armazém Literário, GUTIERREZ, Ester J.B.Barro e Sangue; mão-de-obra, arquitetura e urbanismo em Pelotas Pelotas: Editora Universitária UFPel,

11 3. AS PONTES SOBRE O SANTA BÁRBARA Em 1845, quando a cidade de Pelotas já avançava sobre o arroio, os vereadores pensaram em construir uma ponte de madeira. Não se sabe ao certo qual seria a localização exata dessa ponte que deveria ser erguida pela Prefeitura. O que se sabe é que existiram trechos onde havia os chamados passos do arroio, lugares onde era possível atravessar com o gado e a cavalo. Existiu o Passo do Apois (Passo Real) no fim da atual Rua Tiradentes, o Passo do Aquino, na atual rua Professor Araújo e alguns outros. Por volta do ano de 1847, surgiu a idéia de erguer uma ponte de pedra e alvenaria. Sua construção seria um grande marco para o progresso da cidade, pois facilitaria o acesso à Estrada do Fragata e permitiria que pessoas, veículos e gados atravessassem o arroio a seco. Essa ponte deveria ter 20 metros de comprimento por 17,80 de largura e 5 de altura e estaria localizada na atual rua Marechal Floriano. Sua construção foi difícil. Em 1847 o Palácio do Governo da Província do Sul mandou dinheiro para as obras. O volume I da Bibliografia Sul Riograndense, registra que Friedrich Haydtmann, arquiteto e diretor prático de obras, contratado para o Província, fez, em 1850, a ponte sobre aquele trecho do Santa Bárbara, o que permitiu o desvio das tropas do primitivo trajeto. Mas com o tempo e o crescimento da cidade, aquela obra de engenharia haveria de ser aperfeiçoada. 11 Roberto Dietrich tomou a direção da construção e seguiu seu plano, que previa a colocação de um pavimento de ferro, o qual foi fabricado na fundição do Barão de Mauá, na Ponta da Areia. 12 Depois de iniciadas as obras, a cidade foi assolada por uma repentina enchente a construção ficou paralisada. Em 1957, o chefe da Segunda Seção de Obras Públicas mandou que fossem colocadas canoas no arroio para fazer a travessia de visitantes e para não interceptar o trânsito ao cemitério (que já estava localizado na Estrada do Fragata). A obra reiniciou no ano de 1865 e em 1867 estava enfim concluída. Muitos a chamavam de ponte de pedra, ou ponte do Ritter, pois próximo a ela estava localizada a cervejaria Ritter (veja Figuras 8 e 9). A autoria da construção foi atribuída a José Vieira Pimenta, construtor português de inúmeras obras de Pelotas, que finalizou a obra iniciada por Dietrich. Ainda hoje existe uma placa nas amuradas que restaram da ponte com o nome de Pimenta e de outros que colaboraram para a construção da ponte: Assembléia Provincial e os Presidentes Barão e Conde da Boa Vista e o Homem de Melo. Existe uma outra placa conservada que diz que a ponte fora reformada em Desde então, as pesadas rodas das carretas, naquele ponto, deixaram de se afundar no chão lamacento das margens, percorrendo, seguras a nova passagem. Desapareceram canoas e caiques, que transportavam passageiros de um lado a outro. Não mais se afogavam animais ao atravessarem, a nado, as águas correntosas, naquele ir e vir das bandas do Fragata para as charqueadas, a oeste ao 13 sul da cidade. 11 NASCIMENTO, Heloisa Assumpção. Nossa cidade era assim. Pelotas: Livraria Mundial, GUTIERREZ, Ester J.B.Barro e Sangue; mão-de-obra, arquitetura e urbanismo em Pelotas Pelotas: Editora Universitária UFPel, NASCIMENTO, Heloisa Assumpção. Nossa cidade era assim. Pelotas: Livraria Mundial,

12 Em passagem por Pelotas, Augusto de Pinho descreveu a ponte de pedra em 1869: Sobre o rio Santa Bárbara há uma ponte de um só arco, construída com gosto e solidez, que dá passagem para uma larga praça que já conta com um bom número de prédios, seguindo pela estrada que fica em continuação a esse largo, encontra-se 14 o cemitério... Em 1870 estabeleceram a cobrança de um pedágio nessa ponte, que cessou em Figura 8: Fotos da Ponte de Pedra, também chamada de Ponto do Ritter. Início século XX. Fonte: Nelson Nobre Magalhães. Figura 9: Vista da Ponte de Pedra. À esquerda estava situada a Praça das Carretas e à direita (atrás da ponte) a Fábrica de cerveja Ritter, mais atrás o Hospital. Fonte: Nelson Nobre Magalhães. Uma outra ponte também foi construída e reconstruída várias vezes na rua Riachuelo, atual Lobo da Costa. Em 1958 existia uma ponte de madeira de 20,90 metros de comprimento, por 5,70 de largura e 3 de altura. Esta ponte sofreu reformas até 1876, quando um trecho do arroio foi canalizado. Em 1885, recebeu nos acessos suportes de alvenaria, por empreitada de Joaquim Dias Ferreira. No ano de 1908 foi demolida e substituída por uma ponte metálica, com estrados e corrimãos de ferro. 14 MAGALHÃES, Mario Osório. Pelotas: toda a prosa. Primeiro volume Pelotas: Ed. Armazém Literário,

13 Uma terceira ponte foi construída em 1882, pela Companhia Ferro Carril e Cais de Pelotas, situada no prolongamento da Rua Sete de Abril, atual Dom Pedro II (veja Figura 10). Em 1888 a Câmara Municipal mandou alargar esta ponte pelo alinhamento a rua. Em 1907 foi demolida e substituída por outra, segundo Alberto Coelho mandada vir da Europa pela Empresa Industrial e Construtora do Rio Grande do Sul para servir a projetada estrada de Ferro de São Lourenço e por ela cedida a Intendência Municipal na administração do dr. Antero Leivas. 15 Figura 10: Vista da ponte de ferro da Rua Sete de Abril (atual Dom Pedro II). Fonte: Nelson Nobre Magalhães. Segundo lembranças do historiador pelotense, Nelson Nobre Magalhães, existiram ainda pequenas pontes, algumas apenas para pedestres, sendo uma na atual rua Uruguai (nas proximidades da Fábrica de Papel), uma de madeira na rua Telles, uma ponte de ferro na atual Professor Araújo, outra de madeira cerca do Moinho Pelotense (particular) e ainda a ponte do Ramal (antiga linha ferroviária) que se localizava no bairro do Estaleiro (veja Figura 11). Figura 11: Foto da Ponte do Ramal. Fonte: Nelson Nobre Magalhães. 15 GUTIERREZ, Ester J.B.Barro e Sangue; mão-de-obra, arquitetura e urbanismo em Pelotas Pelotas: Editora Universitária UFPel,

14 4. O COMEÇO DA ANSIEDADE POR PROGRESSO Abadie Rosa Faria deixou Pelotas em 1910 e em 1917 escreveu Pelotas de Agora para o Almanaque de Pelotas relatando suas impressões sobre a cidade:...depois de uma ausência de quase um lustro, Pelotas já era outra. Impressionarame aquele súbito avanço. A remodelação ia-se impondo...surgiam fábricas, centros de produção manufatureira...e era assim também no perímetro central...a ponte de pedra fora reedificada. Ao lado do Santa Bárbara havia uma praça ajardinada. Para além, o caminho do parque, que dizem agora esplendente, era um novo bairro, que se intensificava com as magníficas instalações da Força e Luz. Com a Proclamação da República e a extinção do trabalho escravo, o Brasil inicia sua inserção em um sistema mais avançado de capitalismo, o que gera uma mudança nas relações de trabalho. Em Pelotas, o processo não é diferente. A urbanização das cidades, de um modo geral, exclui e promove a segregação social dentro do espaço urbano. A partir das duas últimas décadas do século XIX, a cidade passou a crescer em mais de uma direção, seguindo para as periferias, definindo seus três principais bairros: Fragata, Areal e Três Vendas. Foi na década de 1910 que se verificou uma grande modernização urbana da cidade. Durante quase todo esse período, o cargo de Intendente foi ocupado pelo engenheiro, formado na Bélgica, Cypriano Corrêa Barcellos. Em 1911, o então intendente Dr. Carlos Barbosa Gonçalves manifestou a intenção de construir uma ampla avenida beira-rio. Esta avenida começaria no arroio Santa Bárbara e iria até a Praça Domingos Rodrigues, localizada na parte central do porto de Pelotas. Isso se faria com o sacrifício da Rua do Pântano (nome sugestivo, já que esta era a última rua da cidade, no extremo sul, próximo à várzea do São Gonçalo e que hoje nem existe no mapa da cidade) que se manteve com algumas casas até o século XX. O projeto do intendente não vingou. Talvez se tivesse sido concluído, a cidade de Pelotas hoje teria um grande atrativo natural. Atualmente esta zona da cidade possui uma grande ocupação irregular e é esquecida pelo governo municipal. Na época, foi considerado um devaneio do intendente, hoje poderia ser a solução de alguns problemas de Pelotas. A cidade foi se aproximando cada vez mais da várzea do arroio Santa Bárbara, que em 1921 já estava completamente envolvido pela malha urbana. Com a urbanização veio também a retirada da vegetação, que impedia a ação erosiva das águas pluviais. Ruas foram abertas e pavimentadas, impermeabilizando ainda mais o solo. Edificaram-se prédios que dificultavam ainda mais o escoamento natural das águas. A primeira vez que o homem interviu no curso natural do arroio Santa Bárbara foi na execução da Praça Cypriano Barcellos, ainda no século XIX. Parte do terreno foi conquistado do arroio, cujo curso, ao sair da ponte de alvenaria, inclina-se com forte inflexão para leste, vindo a beirar os prédios da Rua Paisandú (atual Barão de Santa Tecla) com frente a oeste, que se prolonga a embocadura da Rua Riachuelo (atual Lobo da Costa) que era banhada no seu término por essas águas. 16 A Câmara Municipal mandou que se cavasse um canal em linha reta em toda a largura da Praça da Constituição, desde a Rua Marechal Floriano até a Lobo da 16 Biblioteca Pública Pelotense Livro de Atas da Câmara Municipal de Pelotas maio

15 Costa, conforme pode ser observado na Figura 12. O arroio foi desviado por meio do canal e o leito antigo passou a fazer parte da praça. Os proprietários dos terrenos do entorno aproveitaram-se da situação e também avançaram sobre o arroio que fora afastado. Em 1888 a praça foi nivelada, aterrada e neste lugar foi construído um cais de alvenaria de 125 metros. Figura 12: Vista da Ponte de Pedra com o leito do arroio canalizado pela primeira vez. À esquerda Praça Cypriano Barcellos. Fonte: Nelson Nobre Magalhães. Todos esses fatores contribuíram para o aumento das enchentes e inundações que passaram a assolar os arredores das várzeas da cidade. Em 1914 houve uma grande enchente onde os arroios atingiram a cota de 10,50 metros acima do nível normal. A partir desse ano houve inúmeras inundações, algumas memoráveis como a de 1941, 1956 e mais recentemente, neste ano de Nelson Nobre testemunhou a enchente de 1956: Na nossa pouca idade, não nos preocupava o perigo e, junto alguns garotos, da nossa idade, entramos água adentro para ajudar os ribeirinhos, na retirada de seus pertences. A cidade cresceu e não foram planejadas as ocupações das baixadas, várzeas, córregos e arroios, permitindo a existência de áreas inundáveis. Pelotas não tinha um plano público de zoneamento e as indústrias ocupavam áreas de seu interesse, que normalmente eram próximas ao Porto e à Ferrovia, ou mesmo dentro da área urbana, que se expandia rapidamente. Os trabalhadores dessas indústrias procuravam locais próximo ao seu trabalho para morar, e não importava se o saneamento era ineficiente, o acesso era difícil ou existisse a possibilidade de enchentes. Tornou-se comum a construção de casas em áreas próximas às mananciais de água, principalmente por pessoas de baixa renda. Indústrias, matadouros, curtumes e população não tinham nenhuma preocupação em despejar seus resíduos e esgotos diretamente nos cursos de água, até então despoluídos. E nas margens do Santa Bárbara não foi diferente. O Relatório da Diretoria de Higiene Municipal de 1916 dizia que: as minúcias deste relatório patenteiam o miserável estado sanitário do arroio Santa Bárbara, verdadeira cloaca imunda de toda a sorte de despejos de casas particulares e fábricas. E ainda alertava que: Tal situação, a ser mantida, se torna, cada vez mais, uma severa ameaça para a salubridade pública desta cidade, pois o arroio já perdeu em parte, e vão perder ainda mais, o grande volume de águas que pelas sarjetas nele ia ter para aumentar a sua descarga e melhorar a sua velocidade. 15

16 Neste mesmo ano, o Engenheiro Chefe Municipal solicitou castigo severo para aqueles que contaminarem as águas do arroio Santa Bárbara. Foram identificados treze fábricas, dentre as quais seis curtumes, o Matadouro Público e dezenas de casas e cortiços. Embora nesta época já houvesse preocupação do Poder Público com as questões de saneamento e higiene, a população parecia não se preocupar, colocando interesses pessoais e econômicos acima de tudo. Algumas fábricas preferiam jogar lixo em seus quintais a pagar pelo transporte de seus resíduos industriais para outros locais, mesmo que isso custasse a vida do arroio. O próprio Hospital da cidade, que estava localizado próximo às margens do Santa Bárbara depositava restos de lixo hospitalar por ali. O relatório da Intendência de 1922 afirmava que: Pelotas não pode permanecer com um lençol tão extenso de águas paradas ou terrenos encharcados em suas cercanias durante boa parte do ano. Em 1927, o engenheiro Saturnino de Brito já alertava em relatórios do Saneamento de Pelotas que deveriam ser regulamentadas servidões e utilizações do Santa Bárbara em função do seu saneamento, evitando assim conseqüências mais graves futuramente. Sugeria que o arroio fosse canalizado e que os terrenos de suas planícies fossem drenados. O Poder Público atuava tentando melhorar as condições dos arroios e de saneamento básico e prolongando avenidas, afinal a população estava sempre crescendo. Mas a população das zonas ribeirinhas ia crescendo descontroladamente, fato agravado pelo êxodo rural. As margens do Santa Bárbara foram prejudicadas também devido à sua proximidade com o centro da cidade. Como as fábricas se localizavam na maioria na zona central, os trabalhadores também tentavam se localizar próximos a elas. Com a falta de infra-estrutura adequada a situação cada vez se agravava mais. Em pouco menos de meio século o arroio estava totalmente poluído. No final do século XIX lavadeiras utilizavam suas águas límpidas para lavar a roupa suja, pescadores passeavam com suas embarcações. Mas o arroio, que era um patrimônio natural, acabou sofrendo com as conseqüências da má utilização das suas águas. Em relatórios do Saneamento de Pelotas, datado de 1947, havia o pensamento que não se deveria desprezar o que a natureza já havia executado, e que o leito atual, retificado e dragado desde sua foz no canal São Gonçalo até a ponte da Rua Sete de Abril (Dom Pedro II), poderia servir ao tráfego de pequenas embarcações, e revestido no trecho entre a Sete de Abril e a Ponte de Pedra, seria a solução útil à cidade, pois resolveria economicamente o problema do saneamento da zona atravessada e serviria ao tráfego fluvial. Outra solução apresentada foi a da criação de uma bacia defendida por um dique que iria do Porto à Estrada de Ferro, e que seria esgotada por meio de bombas. Assim como os devaneios do intendente Dr. Carlos Barbosa Gonçalves, essas propostas não foram levadas adiante. Do mesmo modo, se tivessem sido realizadas, nossa história hoje seria diferente. Na década de 60, começaram a crescer as manifestações populares para uma solução para o problema do arroio, que tinha se tornado um estorvo para os moradores de Pelotas. Enchentes constantes, mau cheiro, sujeira e transbordamento de valetas. Alguns culpavam o Poder Público pela falta de uma política governamental clara. Outros as indústrias e fábricas. O certo é que não soubemos valorizar esse 16

17 importante recurso natural. Município, fábricas, curtumes, mas principalmente nós, homens, seres humanos, fomos culpados pela poluição do arroio. Descaso, preguiça, interesses pessoais, desconhecimento, ambição, são algumas palavras que podem ser empregadas para a explicação desse fato. Assim, segundo relatório do Ródio, para regularização de enchentes e captação de água para fins de reforço do abastecimento da cidade de Pelotas 17, foram desenvolvidos na década de 50, projetos para canalização do arroio Santa Bárbara e construção de uma barragem do arroio, para a Estação de Tratamento de Água da cidade, assim sanando com dois problemas que atormentavam os pelotenses: enchentes e falta d água. No final da década de 60, o anseio pelo progresso estava cada vez maior. Sob a administração de Louzada, vários projetos urbanísticos eram criados prevendo a evolução da cidade. Não foi a toa que no ano de 1968 foi feito o Primeiro Plano Diretor de Pelotas, prevendo abertura de grandes avenidas perimetrais. Uma das razões da criação do SANEP, em 25 de outubro de 1965 sob a sigla SAAE - Serviço Autônomo de Água e Esgotos -, foi a assinatura do contrato de financiamento das obras da Hidráulica do Arroio Santa Bárbara em O projeto final foi elaborado pelo Escritório Saturnino de Brito e executado pela construtora Pelotense Ltda. com base no Anteprojeto do reservatório do Arroio Santa Bárbara concebido em 1953 pela Comissão de Estudos de Obras de Irrigação do Estado do Rio Grande do Sul e no projeto final de barragem do Arroio, cujas obras se encontravam em andamento sob comando do DNOS. Contrato assinado, financiamento acertado, coube agora o marketing do governo sobre suas benfeitorias para a cidade. O jornal Diário Popular de 28 de abril de 1968 trazia a seguinte manchete: Com a Radial, Norte e Oeste da Cidade ficarão mais próximos. E o texto seguia dizendo: Não bastará, contudo, a pavimentação desse trecho da Marcílio Dias para torná-la uma via radial, ainda que provisoriamente. Há necessidade de realizar outras obras no seu trecho final, ou seja, o ponto onde é interrompida pelo arroio Santa Bárbara, que é também onde a rua desemboca no Largo Aldrovando Leão (defronte à Cia. Pelotense de Eletricidade). Observando-se o citado local, agora, notar-se-á que o pequeno bar da esquina o Novo canto do Rio está fechado, que igualmente as casinhas, nos fundos, têm as portas e janelas cerradas, que já não são habitadas; sucede, na realidade, que a Prefeitura de Pelotas desapropriou tais prédios, pois aquilo que ali é hoje uma simples ruazinha vai ser alargada e pavimentada e construirá no futuro, o trecho final da grande avenida chamada Primeira Radial Norte Principal de Pelotas, além disso, nesse ponto, o leito do arroio santa Bárbara será aterrado, aliás, deve ser assinalado que será esse o primeiro ponto do Santa Bárbara a receber aterro; ali, justamente onde agora existe uma transitadíssima ponte de madeira, o Santa Bárbara será cortado pela primeira vez dentro da zona urbana. Fica claro com as notícias dos jornais que o Poder Público passava à populção uma idéia de modernidade. Citações como Primeira Radial Norte Principal de Pelotas em substituição a uma transitadíssima ponte de madeira com certeza davam idéias de progresso e avanços. Era notável o descaso com o leito do arroio e suas pontes que ainda sobreviviam no fim da década de 60. Aguardava-se com ansiedade a conclusão das obras da barragem. Manchetes dos jornais indicavam que a barragem ficaria pronta 17 RODIO S.A Arroio Santa Bárbara - estudos topográficos, geotécnicos e hidrológicos no Rio Grande do Sul. Relatório complementar No , Rio de Janeiro. 17

18 até novembro de 1968 e diziam que na primeira etapa da obra ela forneceria 20 milhões de litros de água diários para Pelotas além de prevenir contra enchentes. Enquanto isso, as pontes que foram construídas no século XIX precisavam de manutenção. Notícia do jornal Diário Popular de maio de 1968 alertava que a ponte da Rua Urbano Garcia (atual Rua Professor Araújo) estava em estado de emergência e que necessitava de reparos. A Prefeitura respondeu que colocaria um aterro para solucionar o problema provisoriamente. Seis dias após essa notícia, em 31 de maio, o jornal Diário Popular noticiava: Ponte do Santa Bárbara: local vai ser aterrado. Queda da ponte na rua Urbano Garcia. O Acidente provocará o início imediato da aterragem do leito do Santa Bárbara, pois já se encontra pronto o novo leito, á altura da Lomba do Fragata. O desaparecimento dessa ponte provocará acréscimo de trânsito pela Floriano. A solução para o problema é a rápida abertura da avenida Perimetral que desembocará no Largo Androvando Leão e passará a ser via obrigatória para veículos de carga. Os jornais seguiam noticiando o que acontecia às pontes do santa Bárbara. Em 29 de junho do mesmo ano, a manchete do Dário era a seguinte: Água, umidade e ferrugem corroem ponte da Pedro II. A reportagem falava que a Prefeitura havia sido solicitada a chamar uma equipe de técnicos especializados a fim de realizar uma perícia sobre as condições de segurança da ponte sobre a Rua Dom Pedro II, para evitar o desmoronamento como ocorreu com a ponte da Urbano Garcia. Os técnicos vieram de outras cidades, já que Pelotas não contava com mãode-obra especializada. Falaram que o estado da estrutura metálica era precário e que a ponte não possuía contraventamento, o que fazia com que ela se movimentasse quando um veículo passava. Eram necessários reparos na estrutura metálica, limpeza, pintura, reconstrução do estrado de concreto e também limitar o peso dos veículos. A resposta do Governo era a autorização para a Secretaria Municipal tomar todas as decisões necessárias para as medidas de segurança. No dia 7 de novembro de 1968, era feito através dos jornais o convite para a inauguração da Barragem Santa Bárbara. Através da leitura dos jornais da época, principalmente desse ano de 1968, nota-se que já não importava mais reparar as antigas pontes: o arroio iria ser aterrado e elas não seriam mais necessárias. Assim, pouco a pouco elas foram ruindo e desaparecendo do cenário da cidade. A única que ainda permanece é a Ponte de Pedra. O novo leito do arroio já estava pronto, como diz a notícia á altura da Lomba do Fragata. Foi localizado em uma zona ainda não povoada da cidade, um pouco mais a oeste, em direção ao cemitério no bairro Fragata. O arroio Santa Bárbara, que possuía ao todo 15 km de extensão, desde sua nascente próximo ao Monte Bonito até desaguar no canal São Gonçalo, teve seu curso retificado e canalizado a partir da Barragem do Santa Bárbara. Segundo Guerra e Cunha, a canalização é uma obra de engenharia realizada no sistema fluvial que envolve a direta modificação da calha do rio e desencadeia consideráveis impactos, tanto no canal quanto na planície de inundação. Existem diferentes processos que consistem desde o alargamento da calha fluvial, a retificação do canal principal e a construção de canais artificiais e diques de contenção nas suas margens, além da remoção de obstáculos nos canais. 18 Muitos são os problemas apontados sobre a canalização de rios e arroios, tais como: mudança dos padrões de drenagem, perda dos meandros que aumentam a 18 GUERRA, A.T.; CUNHA, S.B. Geomorfologia, uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil,

19 quantidade de sedimentos transportados e dando origem a novos depósitos que podem assorear o canal, mudança na flora e fauna do local etc. Para agravar a situação, a cidade continuou crescendo, e a população acabou por ocupar algumas áreas aterradas do antigo arroio. Estes terrenos pertencem à União e são ocupados por posseiros que têm dificuldade em regularizar a sua situação perante a Prefeitura Municipal. O mais absurdo exemplo de ocupação do antigo leito é o da Receita Federal. O seu prédio foi construído ao lado da Ponte de Pedra, na década de 90. Nessa época, o projeto foi aprovado pelos órgãos da Prefeitura e ninguém notou que ele previa a destruição da ponte para dar lugar à entrada principal. Um Promotor conseguiu uma liminar e as obras ficaram paradas por algum tempo. Sofrendo pressões por parte dos preservacionistas da cidade, o projeto foi alterado, fazendo a entrada ao prédio localizar-se na rua lateral (veja Figura 13). Figura 13: Prédio da Receita Federal de Pelotas. Projeto previa demolição da ponte para acesso à escadaria. Fonte: Glenda Dimuro Peter Foi uma grande conquista, pois esta é o único vestígio físico que ainda resta do saudoso arroio. Mas outros vestígios não nos deixam esquecer de sua existência... Embora a canalização do arroio tenha sido feita por vários motivos, dentre eles acabar com as enchentes, o seu antigo percurso, que chamamos de braço morto, traz lembranças dos tempos em que ele cortava a cidade. Estas zonas continuam sofrendo com os alagamentos, como se a natureza teimasse em colocar o Santa Bárbara em seu trajeto original. 19 É bem verdade que um grande trecho do antigo arroio nunca conseguiu ser agregado à malha urbana, causando grandes vazios urbanos, terrenos murados e abandonados em meio aos quarteirões existentes, ou então ocupados por pessoas de baixa renda, que constroem seus casebres em meio a terrenos alagadiços, em vazios urbanos entre os quarteirões da cidade, como podemos observar nas Figuras 14 e CORDEIRO, Leandro Hartleben. Identificação e caracterização da Bacia de Captação do Reservatório Santa Bárbara-Pelotas. Monografia apresentada como requisito parcial à conclusão do curso de Oceanologia da FURG

20 Figura 14 e 15: Vista de terrenos abandonados em meio à malha urbana. Na Figura 14 observamos um terreno murado e à esquerda vestígios da ponte na Rua Lobo da Costa. Na Figura 15, banhados ocupados por população de baixa renda. Fonte: Glenda Dimuro Peter Na Figura 16, nos mostra o aerofotogramétrico da década de 70. Em azul podemos observar o curso do arroio Santa Bárbara pela malha urbana de Pelotas e também o canal com o percurso desviado. Nota-se que os aterramentos não foram feitos todos na mesma época, mas ao longo de alguns anos, conforme as necessidades. Figura 16: Aerofotogramétrico da década de 70. Fonte: Prefeitura Municipal de Pelotas 20

Avenida Ipiranga: Processo Evolutivo ao Longo do Século XX

Avenida Ipiranga: Processo Evolutivo ao Longo do Século XX 2121 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Avenida Ipiranga: Processo Evolutivo ao Longo do Século XX Acad. Júlia Schiedeck Nunes, Ana Rosa Sulzbach Cé (orientadora) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo,

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

ATIVIDADE 03 POR água ABAIXO!

ATIVIDADE 03 POR água ABAIXO! ATIVIDADE 03 POR água ABAIXO! A água, elemento fundamental para a sobrevivência humana, foi motivo de muitos problemas para os moradores da Regional Norte. Além das dificuldades que eles tiveram de enfrentar

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE RESUMO A reconstituição e o resgate da memória do centro de histórico da cidade foi o audacioso trabalho que a franquia O Boticário

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012 PROJETO DE LEI Nº 051/2012 Torna obrigatória a adoção de pavimentação ecológica nas áreas que menciona e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Artigo 1º

Leia mais

Proposta de revisão dos. Calçadões do Centro

Proposta de revisão dos. Calçadões do Centro Proposta de revisão dos Calçadões do Centro Apresentação Durante a campanha eleitoral para a Prefeitura, em 2004, a Associação Viva o Centro apresentou aos candidatos dez propostas para impulsionar o desenvolvimento

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

Falta de água e excesso de água

Falta de água e excesso de água Falta de água e excesso de água Quando era aluno na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, o professor doutor José Meiches era Secretário de Obras Públicas do Estado de São Paulo em seu primeiro

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

Compreendendo o espaço

Compreendendo o espaço Módulo 1 Unidade 2 Compreendendo o espaço Para início de conversa... A forma como você se locomove na cidade para ir de um lugar a outro tem a ver com as direções que você toma e com o sentido para o qual

Leia mais

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA AS ÁGUAS DE SUPERFÍCIE Os rios são cursos naturais de água doce. Eles podem se originar a partir do derretimento de neve e de geleiras, de um lago ou das águas das

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

Profa. Ana Luiza Veltri

Profa. Ana Luiza Veltri Profa. Ana Luiza Veltri EJA Educação de Jovens e Adultos Água de beber Como está distribuída a água no mundo? A Terra, assim como o corpo humano, é constituída por dois terços de água; Apenas 1% da quantidade

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Água. Material de Apoio - Água

Água. Material de Apoio - Água Água Material de Apoio Programa Escola Amiga da Terra Mapa Verde Realização: Instituto Brookfield Assessoria: Práxis Consultoria Socioambiental Este material foi utilizado pelos educadores participantes

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NO DISTRITO FEDERAL WWF Brasil Maio/ 2003 OBJETIVOS: Levantar informações para subsidiar o planejamento e a avaliação da comunicação da WWF Brasil. Gerar conhecimentos relevantes

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

BAIRRO PLANEJADO BASE I N V E S T I M E N T O S

BAIRRO PLANEJADO BASE I N V E S T I M E N T O S BAIRRO PLANEJADO BASE I N V E S T I M E N T O S Sua vida em transformação Do sonho à realidade. Do projeto à execução. Da necessidade dos clientes à superação das expectativas. Com essas idéias em mente,

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

Teresinha Nunes da Silva Braga Biblioteca Pública Municipal Sandálio dos Santos - Cascavel-Pr

Teresinha Nunes da Silva Braga Biblioteca Pública Municipal Sandálio dos Santos - Cascavel-Pr 2 a edição Os anseios e as preocupações de Reciclei e Recicléo são os mesmos de todas as pessoas conscientes do compromisso que devem ter com o meio ambiente. A conscientização com a utilização correta

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

Complexos recicláveis

Complexos recicláveis Complexos recicláveis Em função da realização dos próximos megaeventos esportivos mundiais por aqui Copa de 2014 e Jogos Olímpicos de 2016, grandes obras de arquitetura voltada para os esportes (estádios,

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II UFJF Faculdade de Engenharia - Dep. de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Projeto VIII Prof: Luciane Tasca Grupo: Jeanny Vieira, Livia Cosentino, Marília

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pela Associação Jardins Ibiza. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento do canteiro

Leia mais

DOSSIÊ Sistema Rio Grande

DOSSIÊ Sistema Rio Grande Espaço das Águas Fundação Patrimônio Histórico da Energia e Saneamento Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Sabesp DOSSIÊ Sistema Rio Grande Fevereiro 2009 1. Histórico do Sistema Rio

Leia mais

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br A U A UL LA O céu Atenção Aquela semana tinha sido uma trabalheira! Na gráfica em que Júlio ganhava a vida como encadernador, as coisas iam bem e nunca faltava serviço. Ele gostava do trabalho, mas ficava

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ.

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. Apresentação Este relatório contém os resultados da 1ª pesquisa de Qualidade de Vida na cidade de Aracruz solicitada pela FACE. O objetivo

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

3.1. Prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho via túnel

3.1. Prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho via túnel 3. CARACTERIZAÇÃO DOS EMPREENDIMENTOS Este capítulo apresenta as principais características das obras propostas para o prolongamento da Avenida Roberto Marinho via túnel e o Parque Linear com vias locais,

Leia mais

NOTÍCIAS. Parque da Cidade é o escolhido para grandes eventos em Natal. V.4 - N.4 - Setembro de 2015

NOTÍCIAS. Parque da Cidade é o escolhido para grandes eventos em Natal. V.4 - N.4 - Setembro de 2015 V.4 - N.4 - Setembro de 2015 Vilma Lúcia da Silva 05 Assessora de Comunicação do Parque da Cidade Parque da Cidade é o escolhido para grandes eventos em Natal Só no mês de setembro o Parque da Cidade recebeu

Leia mais

I Fórum Nacional sobre Travessia Acessível

I Fórum Nacional sobre Travessia Acessível I Fórum Nacional sobre Travessia Acessível dias 5, 6 e 7 de novembro de 2007 Centro Cultural Banco do Brasil Rua da Quitanda,18-3 o andar São Paulo - SP DEFINIÇÃO Lombofaixas: É uma lombada mais larga

Leia mais

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano L E I T U R A E I N T E R P R E T A Ç Ã O D A S I T U A Ç Ã O U R B A N A Mapa 09 de PiracicabaOcupação do Solo Urbano P L A N O D E A Ç Ã O P A R A R E A B I L I T A Ç Ã O U R B A N A D A Á R E A C E

Leia mais

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver!

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver! APRESENTAÇÃO Planejar uma cidade também significa cuidar da circulação das pessoas, garantido segurança e igualdade. Muitas pessoas caminham somente a pé, ultrapassando 30% de todos os deslocamentos de

Leia mais

Manual de Loteamentos e Urbanização

Manual de Loteamentos e Urbanização Manual de Loteamentos e Urbanização Juan Luis Mascaró ARQ 1206 - Urbanização de Encostas - Análise Prof Sônia Afonso segundo trimestre 2003 Adriana Fabre Dias 1. Retículas Urbanas e Custos 1.1. Aspectos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal. Capítulo Controle de Enchentes e Inundações 10 1. DEFINIÇÃO Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Leia mais

Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu. Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho

Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu. Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho Para a região da foz do Itajaí-Açu Melhoramento fluvial ao longo do rio Itajaí; Canal extravasor; Melhoramento fluvial

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira. São José dos Campos SP. Abril de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Eustáquio Pereira de Oliveira São José dos Campos SP Abril de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica Meu nome é Eustáquio, estou com sessenta anos, nasci em Minas Gerais,

Leia mais

SOBRE O MEIO AMBIENTE NO CURSO DA CONSTRUÇÃO DA CIDADE: ACERVOS FOTOGRÁFICOS

SOBRE O MEIO AMBIENTE NO CURSO DA CONSTRUÇÃO DA CIDADE: ACERVOS FOTOGRÁFICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL VI SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1983-2013 Michel Pêcheux: 30 anos de uma presença Porto Alegre, de 15 a 18 de outubro de 2013 SOBRE O MEIO AMBIENTE

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Levantamento Histórico

Levantamento Histórico Praça Roosevelt Levantamento Histórico Até o final do século XIX, o local onde se encontra a Praça Roosevelt era a chácara de Dona Veridiana Prado. Este local teve diversos usos durante este período, desde

Leia mais

1. Leia a reportagem e observe o mapa a seguir. Troca de figurinhas da Copa é mania entre crianças e adultos no Recife

1. Leia a reportagem e observe o mapa a seguir. Troca de figurinhas da Copa é mania entre crianças e adultos no Recife 3ºano 1.3 HISTÓRIA & GEOGRAFIA 2º período 11 de junho de 2014 Cuide da organização da sua avaliação, escreva de forma legível, fique atento à ortografia e elabore respostas claras. Tudo isso será considerado

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Lei nº 10200 DE 08/01/2015

Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Norma Estadual - Maranhão Publicado no DOE em 12 jan 2015 Dispõe sobre a Política Estadual de Gestão e Manejo Integrado de Águas Urbanas e dá outras providências. O Governador

Leia mais

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL O patrimônio cultural de uma comunidade é o conjunto de referências que compõem o seu dia-a-dia e fazem com que ela tenha uma memória e uma história

Leia mais

ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA :

ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA : ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA : 1- INFORMAÇÕES GERAIS : IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO : Trata-se de um Auto Posto de Serviços e Comércio de Combustíveis para Veículos Automotores. OBS : Sem

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Prefeitura interdita Av. Rodrigues Alves para remoção de trecho da Perimetral a partir do dia 26 de julho

Prefeitura interdita Av. Rodrigues Alves para remoção de trecho da Perimetral a partir do dia 26 de julho Prefeitura interdita Av. Rodrigues Alves para remoção de trecho da Perimetral a partir do dia 26 de julho A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Transportes (SMTR), da Companhia de Engenharia

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. Paulo Nobukuni

PERÍCIA AMBIENTAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. Paulo Nobukuni 1 PERÍCIA AMBIENTAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1 Paulo Nobukuni RESUMO: O objetivo foi tratar sobre elementos da perícia ambiental como mobilizadores sociais, ocorrendo o estudo em trechos inundáveis da bacia

Leia mais

Programa Paraisópolis

Programa Paraisópolis Programa Paraisópolis Identificação das Comunidades Cemitério Getsemani Jd. Colombo Paraisópolis Porto Seguro Cemitério do Morumbi Colégio Visconde de Porto Seguro Programa Paraisópolis Caracterização

Leia mais

Transporte fluvial Mobilidade com Desenvolvimento Turístico Urbano e Inclusão Social

Transporte fluvial Mobilidade com Desenvolvimento Turístico Urbano e Inclusão Social Transporte fluvial Mobilidade com Desenvolvimento Turístico Urbano e Inclusão Social O Rio Capibaribe já foi navegável e suas águas limpas serviam para banhos medicinais. Ele serviu de escoamento para

Leia mais

Caixa d Água. Materiais necessários. Anotações. 0800 771 0001 odebrechtambiental.com odebrecht.amb

Caixa d Água. Materiais necessários. Anotações. 0800 771 0001 odebrechtambiental.com odebrecht.amb Materiais necessários Separe todo o material que será utilizado para a limpeza do seu reservatório. Anotações Papai, precisamos separar o material de limpeza. Claro, filha! Caixa d Água SAIBA COMO LIMPAR

Leia mais

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes:

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes: Instituto Defenda Sorocaba aponta contradição no Plano Diretor 2014: meta de projeção de uma cidade sustentável e a ampliação do parcelamento de lotes são incompatíveis O Instituto Defenda Sorocaba (entidade

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

Revitalização Urbana / Demolindo Viadutos e Construindo Parques - I Enviado por Javier Vergara Petrescu (27.05.07 @ 18:30 )

Revitalização Urbana / Demolindo Viadutos e Construindo Parques - I Enviado por Javier Vergara Petrescu (27.05.07 @ 18:30 ) 01/06/2007 Revitalização Urbana / Demolindo Viadutos e Construindo Parques - I Enviado por Javier Vergara Petrescu (27.05.07 @ 18:30 ) Por aqui transitavam mais de160.000 carros por dia Podem imaginar

Leia mais

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA DO ALTO TIETÊ MAPA DE LOCALIZAÇÃO A ANÁLISE E O ENCAMINHAMENTO DE SOLUÇÕES PARA AS QUESTÕES DE DRENAGEM URBANA TÊM SIDO UM DOS

Leia mais

Gestão Ambiental 1/10/2012. Lei 11.445 de 05/01/2007. Saneamento (sanear) Módulo: Saneamento Ambiental

Gestão Ambiental 1/10/2012. Lei 11.445 de 05/01/2007. Saneamento (sanear) Módulo: Saneamento Ambiental Tema: Saneamento e Saúde Pública: as origens do Saneamento Ambiental Objetivos: Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves Módulo: Saneamento Ambiental Apresentar um breve histórico do saneamento dos agrupamentos

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

Os impostos. na Bacia Loire-Bretagne. Os impostos Novembro 2008 1

Os impostos. na Bacia Loire-Bretagne. Os impostos Novembro 2008 1 Os impostos na Bacia Loire-Bretagne Os impostos Novembro 2008 1 Disposições regulamentares Lei sobre a água e os meios aquáticos (LEMA) de 30/12/2006 Decreto sobre as modalidades de cálculo dos impostos

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Higienópolis: como o metrô de gente diferenciada influencia no mercado imobiliário

Urban View. Urban Reports. Higienópolis: como o metrô de gente diferenciada influencia no mercado imobiliário Urban View Urban Reports Higienópolis: como o metrô de gente diferenciada influencia no mercado imobiliário Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão

Leia mais

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses RELATÓRIO Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses 1 TRAGÉDIA ANUNCIADA! Após 6 meses decorridos da tragédia na Região Serrana em janeiro/2011, onde morreram mais de 900 pessoas,

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste Urban View Urban Reports Fielzão e seu impacto na zona Leste Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Itaquera acordou com caminhões e tratores

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO DE... Tema do Pôster DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS ALUNO: EXEMPLO TURMA: XXXXXXXXXXX CURITIBA 2013 SUMÁRIO

Leia mais

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar Nº 20080901 Setembro - 2008 Maria Luiza Furtado de Mendonça, Luiz Roberto

Leia mais

Apartamentos, Casas e Terrenos.

Apartamentos, Casas e Terrenos. A Urbanização que de planejamento e sustentabilidade. A Riviera de São Lourenço é uma referência mundial em desenvolvimento urbano sustentável. Seu Sistema de Gestão Ambiental, certificado pela norma ISO

Leia mais

PROJETO. Desafios e possibilidades para uma vida melhor. Turma: 102

PROJETO. Desafios e possibilidades para uma vida melhor. Turma: 102 PROJETO Desafios e possibilidades para uma vida melhor Turma: 102 Carolina Clack, Gabriela Scheffer, Lauren Scheffer e Victória Gomes. Desafios e possibilidades para uma vida melhor Trabalho apresentado

Leia mais

Cemitério Municipal de Curitiba traz histórias e arte a céu aberto

Cemitério Municipal de Curitiba traz histórias e arte a céu aberto 1 de 7 04/06/2013 12:52 globo.com notícias esportes entretenimento vídeos ASSINE JÁ CENTRAL E-MAIL criar e-mail globomail free globomail pro ENTRAR Paraná 04/06/2013 09h20 - Atualizado em 04/06/2013 12h15

Leia mais

INICIATIVAS INSPIRADORAS ESPAÇOS PÚBLICOS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG

INICIATIVAS INSPIRADORAS ESPAÇOS PÚBLICOS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG ESPAÇOS PÚBLICOS INICIATIVAS INSPIRADORAS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG ÍNDICE INTRODUÇÃO PERFIL DA CIDADE OS PASSOS PARA A REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA DA SAVASSI DIRETRIZES DO PROJETO

Leia mais

Consulta Pública Ambiental. Experiências e resultados CICLO 2014

Consulta Pública Ambiental. Experiências e resultados CICLO 2014 Consulta Pública Ambiental Experiências e resultados CICLO 2014 www.sosma.org.br São Paulo/Brasil www.ipm.org.br São Paulo/Brasil Consulta Pública Ambiental Apresentação da metodologia A Consulta Pública

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS DA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA URBANA PILÃO DE PEDRA, EM PONTA GROSSA PR

LEVANTAMENTO DOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS DA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA URBANA PILÃO DE PEDRA, EM PONTA GROSSA PR LEVANTAMENTO DOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS DA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA URBANA PILÃO DE PEDRA, EM PONTA GROSSA PR Leticia Polesel Weiss (leticia_w@hotmail.com) Rosana Pinheiro Maria Aparecida Oliveira Hinsching

Leia mais

Senhor Presidente. Senhor Presidente,

Senhor Presidente. Senhor Presidente, Intervenção proferida pelo Deputado Clélio Meneses aquando da discussão do Plano e Orçamento para 2012. Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente, Senhora e Senhores Membros do

Leia mais

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e 1 Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e muito atuais. Em primeiro lugar, gostaríamos de dizer

Leia mais

Nesta oportunidade, confirmo que estes projetos estão fundamentados em Estudos, Estatísticas e Opiniões de Cidadãos domiciliados no bairro.

Nesta oportunidade, confirmo que estes projetos estão fundamentados em Estudos, Estatísticas e Opiniões de Cidadãos domiciliados no bairro. Barueri, 21 de Setembro de 2009. Ilustríssimo Senhor Rubens Furlan PREFEITO DE BARUERI Ref: Projetos do 1 Conselho Gestor de Segurança da Aldeia de Barueri Venho à presença de Vossa Excelência apresentar

Leia mais

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos Introdução Parcelamento do Solo Projeto de Loteamentos Prof. Mário Barreiros O parcelamento e a estruturação da cidade O parcelamento do solo é o principal instrumento de estruturação do espaço urbano

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica.

Índice de 11,6% é maior do que 11,4% registrado no último dia de fevereiro. Outros 5 sistemas também subiram,mas São Paulo ainda vive crise hídrica. PROJETO ATUALIZAR 2015 TEMA SISTEMA CANTAREIRA DATA DE APLICAÇÃO 09 a 13/03/2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS Cristiane e Felipe 1. SUGESTÕES DE PONTOS QUE PODEM SER ABORDADOS 1.1. A importância da água 1.2.

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II

DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II SOUSA, K.C. 1 ; SOUSA, K.C. 2 ; OLIVEIRA, A.C. 3 ; NETO, A.T. 4 1 Estudante 4 período de Engenharia Ambiental - Universidade de Uberaba; 2 Estudante 4 período

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP 361 MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP Andressa Mastroldi Ferrarezi, Arlete Maria Francisco Curso de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de Planejamento,

Leia mais

24/03/2011. E. Topografia Evidenciar as características físicas do terreno, tal como inclinação e desenho.

24/03/2011. E. Topografia Evidenciar as características físicas do terreno, tal como inclinação e desenho. 1 2 Recursos de desenho para a análise urbana A. Mapa de Zoneamento Macroestudo do entorno, características do lote em relação a uma determinada região, características do ponto de vista do zoneamento

Leia mais

O Urbanismo Clássico. Séculos XVII e XVIII

O Urbanismo Clássico. Séculos XVII e XVIII O Urbanismo Clássico Séculos XVII e XVIII Urbanismo Clássico Realizações Legislação Prá?ca administra?va Filósofos, arquitetos e médicos Urbanismo Clássico Recusa do Gigan?smo Urbano Paris 500 mil habitantes

Leia mais

RESPONSÁVEL TÉCNICO: Claudio Marcos Piotrowski Engenheiro Civil CREA 0601452877

RESPONSÁVEL TÉCNICO: Claudio Marcos Piotrowski Engenheiro Civil CREA 0601452877 INSTRUMENTO PARTICULAR DE INCORPORAÇÃO Condomínio Horizontal Fechado RESIDENCIAL VILLAVERDE (Identificado no Cartório de Registro Civil do Distrito de Monte Verde Camanducaia Livro 05-B 1º Traslado Fls

Leia mais

Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris.

Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris. Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris. Thiago Máximo É preciso pensar a mobilidade urbana, como um sistema. Muitas vezes a questão da circulação nas grades cidades é pensada apenas para sanar problemas

Leia mais

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos Medidas para a Humanização do Tráfego A Cidade que Queremos Objetivo Publicação com o objetivo de divulgar, junto aos municípios, soluções técnicas para a humanização do trânsito. Estrutura Introdução

Leia mais