MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP"

Transcrição

1 Seminário URBFAVELAS 2014 São Bernardo do Campo - SP - Brasil MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP Fabricio Araujo Mirandola (IPT/UFABC) - Geólogo, Mestre em Tecnologia Ambiental, Pesquisador do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de Sâo Paulo, Doutorando em Planejamento e Gestão Territoríal pela UFABC Eduardo Soares de Macedo (IPT) - Geólogo, Doutor em Geociências e Meio Ambiente, Pesquisador do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de Sâo Paulo Marcelo Fischer Gramani (IPT) - Geólogo, Mestre em Engenharia Civil, Pesquisador do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de Sâo Paulo Alessandra Cristina Corsi (IPT) - Geóloga, Doutora em Geociências, Pesquisadora do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de Sâo Paulo Kátia Canil (UFABC) - Geografa, Doutora em Geografia, Professora da UFABC

2 MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP Resumo O município de Santo André, SP, conta hoje com quase 705 mil habitantes, dos quais aproximadamente 16 mil vivem em cerca de 32 áreas de risco. Essas áreas, no geral, ocupam a periferia da cidade, carente de infraestrutura. Além disso, situam-se em terrenos de encostas e margens de córregos que apresentam fragilidade frente a processos de deslizamento e solapamento de margem. O problema é relativamente amplo, não sendo possível resolver tudo em curto prazo e, para tanto, deve ser sistematizado um plano de gestão para áreas de risco. Sendo assim, entende-se que o reconhecimento das áreas e o mapeamento das situações de risco, com base em critérios pré-definidos, constituem a base inicial dos trabalhos. Procurando atender essa demanda, foi realizado o mapeamento no município, financiado pelo Consórcio Intermunicipal do ABC, o qual permitiu a identificação de 74 setores de risco, entre Risco Médio (R2), Alto (R3) e Muito Alto (R4). Os resultados obtidos vêm auxiliando a administração municipal na elaboração de um plano estratégico de intervenções para redução e controle dos riscos mapeados, tanto na esfera municipal, como na intermunicipal. Palavras-Chave Mapeamento de Risco, PMRR Santo André, deslizamento, IPT

3 1 - INTRODUÇÃO O município de Santo André, SP, conta hoje com quase 705 mil habitantes, dos quais aproximadamente 16 mil vivem em cerca de 32 áreas de risco. Essas áreas, no geral, ocupam a periferia da cidade, carente de infraestrutura. Além disso, situam-se em terrenos de encostas e margens de córregos que apresentam fragilidade frente a processos de deslizamentos e solapamento de margem. Como resultado deste cenário sócio-político, tem-se nas últimas décadas o aumento significativo em tamanho e número dessas áreas de risco, resultante do processo de expansão urbana desordenada e políticas habitacionais ineficientes. O problema é relativamente amplo, não sendo possível resolver tudo em curto prazo e, para tanto, deve ser sistematizado um plano de gestão para as áreas de risco. De acordo com o modelo de abordagem do Office of The United Nations Disasters Relief Co-Ordinator (UNDRO, 1991), que define cinco passos para o gerenciamento de riscos (1-Identificação dos Riscos, 2- Análise dos Riscos, 3- Medidas de Prevenção, 4- Planejamento para Situações de Emergência e 5- Informações Públicas e Treinamento); entende-se que o reconhecimento das áreas e o mapeamento das situações de risco, com base em critérios pré-definidos, constituem a base inicial dos trabalhos. Sendo assim, foi realizado o Mapeamento de Áreas de Risco no município, financiado pelo Consórcio Intermunicipal do ABC, o qual permitiu a identificação de 74 setores de risco, entre Risco Médio (R2), Alto (R3) e Muito Alto (R4), finalizado no mês de janeiro de 2014, tendo por objetivo subsidiar a administração municipal e intermunicipal na elaboração de planos de intervenção para redução e controle dos riscos mapeados. 2 - OBJETIVOS Neste sentido, o presente artigo descreve os métodos, critérios e procedimentos adotados, bem como a síntese do mapeamento realizado nas áreas de risco identificadas e seus respectivos setores, além da caracterização dos setores em termos de condições de estabilidade geotécnica e de vulnerabilidade, a análise geral da situação na região mapeada, e exemplos de recomendações gerais de caráter estrutural (ex: intervenções e obras civis) e não estrutural (orientações para o gerenciamento de riscos), visando a prevenção, mitigação e controle das situações de risco observadas. 3 - MÉTODOS, CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS ADOTADOS O método adotado no desenvolvimento do mapeamento consistiu no levantamento e análise de dados, essencialmente dos arquivos existentes na Prefeitura, Defesa Civil Municipal e de dados coletados pelo IPT. Esses foram sistematizados de modo a estabelecer critérios e procedimentos para avaliação do zoneamento de risco nas áreas, com a finalidade de subsidiar o gerenciamento de riscos, bem como a estabelecer parâmetros técnicos e sociais, em conjunto com os técnicos da Prefeitura, a fim de promover maior segurança e/ou eliminar riscos. Coube à Prefeitura Municipal, num primeiro momento, disponibilizar cópias dos projetos, plantas, fotos aéreas e estudos referentes ao tema para as equipes que trabalharam em campo; dentre esses dados: históricos das intervenções efetuadas

4 pela Defesa Civil nos setores de riscos; históricos das ocorrências atendidas pela Defesa Civil do Município nos setores de riscos; plantas planialtimétricas; e documentos fotográficos. As áreas mais críticas aos processos de deslizamentos e solapamento de margem correspondem, na maioria dos casos, as áreas de ocupação não consolidada cuja infraestrutura é precária, sem equacionamento de processos do meio físico perante as intervenções feitas pela ocupação. Foram mapeadas 32 áreas do município de Santo André, sendo estas áreas selecionadas de acordo com a experiência e conhecimento por parte dos agentes públicos, considerando as moradias sujeitas aos movimentos gravitacionais de massa e solapamento de margem. Participaram da seleção das áreas as equipes técnicas da Prefeitura de Santo André, da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil - Comdec e do IPT. Em todas as áreas selecionadas para o mapeamento de risco foram obtidas fotos oblíquas, por meio de voo de helicóptero a alturas entre 100 e 150 m do solo, que foram utilizadas para a delimitação dos setores de risco identificados durante os trabalhos de campo. Também foram utilizadas ortofotos com o intuito de espacializar a distribuição das áreas. Nas áreas mapeadas foram analisadas as situações potenciais de deslizamentos e solapamento de margens de córregos, sendo adotados os seguintes procedimentos: a) vistorias em cada área, por meio de investigações geológico-geotécnicas de superfície, visando identificar condicionantes dos processos de instabilização, evidências de instabilidade e indícios do desenvolvimento de processos destrutivos; b) registro em fichas de campo das características de cada setor mapeado e dos resultados das investigações geológico-geotécnicas; c) delimitação dos setores de risco, representando-os nas cópias das fotografias de helicóptero, ortofotos ou fotos de campo; para registrar indicadores de riscos observados no campo e que não estão visíveis nas fotos aéreas ou de helicóptero, estes foram fotografados durante os trabalhos de campo; d) para cada setor, foi avaliado e definido o grau de risco de ocorrência de processo de instabilização (deslizamento de encostas, quedas de blocos e solapamento de margens de córregos), válido por um período de 1 (um) ano, segundo critérios adotados pela metodologia para mapeamento de áreas de risco (MCidades/IPT, 2007); e) estimativa das consequências potenciais do processo de instabilização, por meio da avaliação das possíveis formas de desenvolvimento do processo destrutivo atuante (por exemplo, volumes mobilizados, trajetórias dos detritos, áreas de alcance, etc.), e do número de moradias ameaçadas, em cada setor de risco; f) indicação da(s) alternativa(s) de intervenção adequada(s) para cada um dos setores de risco mapeados; g) estimativa de custos das intervenções sugeridas para toda a área mapeada, por meio de vistorias de campo; e h) sistematização das informações para o estabelecimento do Plano Municipal de Redução de Riscos.

5 3.1 - Metodologia Detalhada A metodologia se baseou nos seguintes passos gerais: a - estabelecimento dos critérios para elaboração do mapeamento de risco; b - estabelecimento dos critérios para concepção de intervenções contemplando os setores de risco alto e muito alto; c - definição das formas para a estimativa de custos; d - definição dos critérios de priorização; e - estratégias para o levantamento de fontes potenciais de recursos para implantação das intervenções; e f - realização de audiência pública Elaboração do Mapeamento A elaboração do Mapeamento das Áreas de Risco de Santo André seguiu as seguintes atividades, que são detalhadas a seguir: a - levantamento de dados; b - mapeamento de risco de deslizamento e solapamento de margem; c - elaboração de concepções de intervenções estruturais; e d - planejamento para execução das intervenções estruturais Levantamento de Dados O levantamento de dados foi realizado por meio da obtenção de imagens aerofotogramétricas da Prefeitura Municipal de Santo André, que engloba as áreas nas quais serão realizados os trabalhos de mapeamento de risco, registros de desenvolvimento ou ocorrências de processos de instabilização e solapamento de margem, disponibilidade de laudos técnicos anteriormente elaborados, diretrizes de intervenção propostas (implantadas ou não), por trabalhos de localização das áreas a serem mapeadas, com definição de seus perímetros baseado no histórico de ocorrências no município, visando à determinação das áreas de risco e as prioridades para os trabalhos, e por obtenção de fotografias oblíquas de baixa altitude das áreas selecionadas para mapeamento, a partir de sobrevoo com helicóptero. A Prefeitura de Santo André possui um acervo de informações sobre o meio físico, condições fundiárias das áreas, registros de ocorrências, além do conhecimento dos técnicos da defesa civil e das diferentes secretarias ligadas a este projeto, que balizaram a seleção das áreas a serem avaliadas Mapeamento de risco de deslizamento e solapamento de margem Nas áreas selecionadas pelo município, foram executados mapeamentos de risco por meio de investigações geológico-geotécnicas de superfície, visando identificar os condicionantes dos processos de instabilização. Os resultados foram sistematizados

6 em fichas de cadastro com a caracterização dos graus de risco, seguindo o modelo proposto por Macedo et al. (2001). As fichas de campo apresentam, na forma de um check-list, diversos condicionantes geológicos e geotécnicos importantes para a caracterização dos processos de instabilização de encostas em áreas urbanas: tipologia (natural ou corte e aterro) e geometria da encosta, tipos de materiais mobilizados (solo / rocha / lixo / detritos, etc.), tipologia de movimentos de massa ocorrentes ou esperados, tipo de talude (natural, corte ou aterro) e, condição de escoamento e infiltração de águas superficiais e servidas (Figura 1). Nas fichas de avaliação de risco foram considerados também aspectos específicos, tais como o padrão construtivo das habitações (madeira, alvenaria, misto) e a posição das mesmas em relação ao raio de alcance dos processos ocorrentes ou esperados. Observou-se ainda o estágio da ocupação atual, incluindo aspectos gerais sobre infraestrutura urbana implantada, tais como: condições das vias (pavimentada, terra, etc.), sistemas de drenagem e esgoto, pontes e outras melhorias urbanas. CARACTERIZAÇÃO DO LOCAL Unidade de análise: Encosta/Margem de córrego; Tipos de construção: Alvenaria/Madeira/Misto; Condição das vias; Encosta natural; Talude de corte/aterro; Presença de maciço rochoso; Altura da encosta, ou talude, ou maciço rochoso; Inclinação da encosta, ou talude, ou maciço rochoso; Distância da moradia com relação ao topo/base da encosta, talude, maciço rochoso; Estruturas em solo/rocha desfavoráveis; Presença de blocos de rocha/matacões; Presença de Depósitos de encosta: aterro/lixo/entulho. EVIDÊNCIAS DE MOVIMENTAÇÃO Trincas na moradia; Trincas no terreno; Degraus de abatimento; Muros e paredes embarrigados ; Árvores, postes e muros inclinados; Solapamento de margem; Cicatrizes de escorregamentos; Fraturas no maciço rochoso. VEGETAÇÃO NA ÁREA OU PROXIMIDADES Presença de árvores; Vegetação rasteira (arbustos, capim, etc.); Área desmatada; Área de cultivo. ÁGUA Concentração de água de chuva em superfície; Lançamento de água servida em superfície; Vazamento de tubulação; Fossa; Surgências d água; Sistema de drenagem superficial: inexistente/precário/satisfatório. MARGENS DE CÓRREGO Tipo de canal; Altura do talude marginal; Distância da moradia com relação ao topo do talude marginal. Figura 1: Principais dados levantados em campo para caracterizar os setores de risco. Os setores de risco foram delimitados em campo sobre as imagens das fotos dos sobrevoos de helicóptero e classificadas segundo os graus de risco em: risco baixo (R1), risco médio (R2), risco alto (R3) e risco muito alto (R4). Os critérios de julgamento da probabilidade de ocorrência dos processos de instabilização do tipo deslizamentos em encostas ocupadas, bem como os parâmetros analisados para o desenvolvimento dos trabalhos, são apresentados na Figura 2.

7 GRAU DE PROBABILI DADE R1 Baixo R2 Médio R3 Alto R4 Muito Alto DESCRIÇÃO Os condicionantes geológico-geotécnicos predisponentes e o nível de intervenção no setor são de BAIXA POTENCIALIDADE para o desenvolvimento de processos de escorregamentos e solapamentos.não HÁ INDÍCIOS de desenvolvimento de processos de instabilização de encostas e de margens de drenagens.é a condição menos crítica.mantidas as condições existentes, NÃO SE ESPERA a ocorrência de eventos destrutivos no período de 1 ano. Os condicionantes geológico-geotécnicos predisponentes e o nível de intervenção no setor são de MÉDIA POTENCIALIDADE para o desenvolvimento de processos de escorregamentos e solapamentos.observa-se a presença de ALGUMA(S) EVIDÊNCIA(S) de instabilidade, porém incipiente(s).mantidas as condições existentes, É REDUZIDA a possibilidade de ocorrência de eventos destrutivos durante episódios de chuvas intensas e prolongadas, no período de 1 ano. Os condicionantes geológico-geotécnicos e o nível de intervenção no setor são de ALTA POTENCIALIDADE para o desenvolvimento de processos de escorregamentos e solapamentos.observa-se a presença de SIGNIFICATIVA(S) EVIDÊNCIA(S) de instabilidade. Mantidas as condições existentes, é PERFEITAMENTE POSSÍVEL a ocorrência de eventos destrutivos durante episódios de chuvas intensas e prolongadas, no período de 1 ano. Os condicionantes geológico-geotécnicos predisponentes e o nível de intervenção no setor são de MUITO ALTA POTENCIALIDADE para o desenvolvimento de processos de escorregamentos e solapamentos.as evidências de instabilidade SÃO EXPRESSIVAS E ESTÃO PRESENTES EM GRANDE NÚMERO E/OU MAGNITUDE. É a condição mais crítica.mantidas as condições existentes, é MUITO PROVÁVEL a ocorrência de eventos destrutivos durante episódios de chuvas intensas e prolongadas, no período de 1 ano. Figura 2. Critérios utilizados para determinação dos graus de probabilidade de ocorrência de processos de instabilização do tipo escorregamentos em encostas ocupadas e solapamento de margens de córregos. (Fonte: MCidades/IPT, 2007) Tratamento de dados A identificação e a delimitação dos setores de risco, a partir dos trabalhos de campo, foram representadas cartograficamente nas fotografias obtidas durante sobrevoo. Nessa base, foram digitalizados os polígonos referentes às áreas e aos setores mapeados e suas respectivas classificações quanto ao grau de risco (MCidades/IPT, 2007). As informações de delimitação das áreas e setores foram plotadas também sobre o mosaico de fotografias aéreas na escala 1:5.000 fornecido pela Prefeitura, e tratado em software de Sistema de Informações Geográficas ArcInfo. As informações de campo foram registradas em fichas de cadastro que compõem o banco de dados digitalizado no software Microsoft Access Elaboração de Concepções de Intervenções Estruturais Os objetivos dessa atividade compreenderam a concepção das intervenções estruturais necessárias para os setores de risco R4 e R3, a estimativa de custos e a definição de critérios para priorização dessas intervenções.

8 As intervenções propostas contemplam basicamente oito tipos: limpeza, proteção superficial, drenagem, alterações de geometria, contenções, obras de infraestrutura, reparos e relocações de moradia. Como complementação a estas intervenções, de acordo com a situação exigida, avaliou-se, ainda, intervenções mais abrangentes, tais como reurbanizações parciais ou totais das referidas áreas. A concepção estrutural proposta tem como premissa básica as análises sob o ponto de vista técnico, econômico e social. Foram estimados os respectivos custos necessários para a execução das intervenções estruturais, definidas durante os trabalhos de campo, tomando-se como referência a tabela de preços SINAPI - Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (2013). Nesse trabalho foi adotada uma tabela de referência que sistematiza as recomendações quanto à caracterização dos diferentes tipos de intervenção propostos, visando à padronização das terminologias adotadas (Figura 3). TIPO DE INTERVENÇÃO SERVIÇOS DE LIMPEZA E RECUPERAÇÃO OBRAS DE DRENAGEM SUPERFICIAL, PROTEÇÃO VEGETAL (GRAMÍNEAS) E DESMONTE DE BLOCOS E MATACÕES OBRAS DE DRENAGEM DE SUBSUPERFÍCIE ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO LOCALIZADAS OU LINEARES OBRAS DE TERRAPLENAGEM DE MÉDIO A GRANDE PORTES DESCRIÇÃO Serviços de limpeza de entulho, lixo, etc., recuperação e/ou limpeza de sistemas de drenagem, esgoto e acessos, Também incluem obras de limpeza de canais de drenagem. Correspondem a serviços manuais e/ou utilizando maquinário de pequeno porte. Implantação de sistema de drenagem superficial (canaletas, rápidos, caixas de transição, escadas d'água, etc). implantação de proteção superficial vegetal (gramíneas) em taludes com solo exposto. Eventual execução de acessos para pedestres (calçadas, escadarias, etc) integrados ao sistema de drenagem. Proteção vegetal de margens de canais de drenagem. Desmonte de blocos rochoso e matacões. Predomínio de serviços manuais e/ou com maquinário de pequeno porte. Execução de sistema de drenagem de subsuperfície (trincheiras drenantes, DHP, poços de rebaixamento, etc). Correspondem a serviços parcial ou totalmente mecanizados. Implantação de estruturas de contenção localizadas, como chumbadores, tirantes, microestacas e muros de contenção passivos de pequeno porte (hmax=5 m e lmax=10 m). Obras de contenção e proteção de margens de canais (gabiões, muros de concreto, etc). Correspondem a serviços parcial ou totalmente mecanizados. Execução de serviços de terraplenagem. Execução combinada de obras de drenagem superficial e proteção vegetal (obras complementares aos serviços de terraplenagem). Obras de desvio e canalização de córregos. Predomínio de serviços mecanizados. Implantação de estruturas de contenção de médio a grande porte (h>5m e l>10m), envolvendo obras de ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO contenção passivas e ativas (muros de gravidade, cortinas, DE MÉDIO A GRANDE PORTES etc). Poderão envolver serviços complementares de terraplenagem. Predomínio de serviços mecanizados. Figura 3 - Tipologias de intervenções estruturais voltadas à redução de riscos associados a escorregamentos em encostas ocupadas.

9 Planejamento para Execução das Intervenções Estruturais A partir das tipologias de obras e parâmetros orçamentários, com base no indicativo dos levantamentos realizados e das intervenções propostas para as situações locais de risco, foi possível a elaboração de planos globais de intervenção, abrangendo, além dos aspectos geológicos e geotécnicos, intervenções voltadas à estabilidade do conjunto edificado considerando os aspectos de infraestrutura urbana, construtivos e de habitabilidade. Os planos globais referem-se à postura adotada pelas políticas habitacionais modernas consideradas sustentáveis, na qual é necessária uma visão integrada do problema e principalmente das ações possíveis. Os critérios de priorização das intervenções consideram, dentre outros, os seguintes aspectos: a - Grau de risco geológico; b - Abrangência dos impactos resultantes; c - Número de moradias diretamente beneficiadas; d - Participação da comunidade; e - Viabilidade técnica e executiva; f - Custos de implantação das obras por área e cronograma de execução; e g - Possibilidade e/ou viabilidade de articulação para captação de fontes alternativas de recursos necessários. Em alguns planos de urbanização desenvolvidos em outras cidades, situações de instabilidade geotécnica que, em primeira análise, tinham como solução a remoção total das famílias ou a realização de obras de contenção localizadas, após novos estudos, e tendo as concepções de obras de estabilização reavaliadas, permitiram que as famílias anteriormente em situação de risco pudessem ser reassentadas no próprio local. 4 - RESULTADO DOS TRABALHOS A seguir são apresentados os resultados do trabalho Mapeamento Foram mapeados 74 setores de risco de deslizamentos e solapamentos de margem, com seus respectivos níveis de risco, conforme a Figura 4. Nível de Risco Número de Setores R2 MÉDIO R3 - ALTO R4 MUITO ALTO TOTAL DE SETORES Figura 4 - Número de setores mapeados, seus respectivos processos e níveis de risco. Foram contabilizadas moradias nos setores de risco mapeados. Salienta-se que a contagem das moradias foi realizada a partir das fotografias aéreas oblíquas obtidas em voo de helicóptero, tomando-se como base os telhados das moradias.

10 Assim, é necessário levantamento detalhado para se ter o número de moradias mais preciso. O número de moradias por nível de risco encontra-se no Figura 5. Nível de Risco R2 MÉDIO R3 - ALTO R4 MUITO ALTO TOTAL DE MORADIAS Número de Moradias Figura 5 - Número de moradias mapeadas, seus respectivos processos e níveis de risco. O exemplo de mapeamento de uma área com a ficha de um setor de risco que apresenta o resumo da avaliação do risco de um dos setores de área mapeada (Figura 6), a respectiva imagem vertical do Google Earth (Figura 7), a foto de helicóptero (Figura 8), e as fotos de campo (Figuras 09 e 10) pode ser observado a seguir. Prefeitura: Santo André Área: STA-16 Nome: Jardim Irene II - Rua Caboatá (antiga Rua Bela Vista) Setor: STA Data: 08/08/2013 Coordenadas: / Localização da Área: Rua Caboatá (antiga Rua Bela Vista) Equipe IPT: Eduardo Soares de Macedo, Fabrício Araujo Mirandola DIAGNÓSTICO DO SETOR Setor de encosta com inclinação média de 35 e presença de moradias em madeira. Acesso por via não pavimentada. Encosta natural com 20m de altura e 35º de inclinação, com moradias a 0m de distância do topo e 0m da base da encosta. Taludes de corte com 3-5m de altura e 90º de inclinação, com moradias a 0-2m do topo e 0-2m da base do talude. Há depósitos antrópicos localizados sobre encosta natural, compostos de aterro, lixo e entulho. Evidências de movimentação representadas por trinca no terreno, árvores, postes e muros inclinados, e cicatrizes de deslizamento. Há concentração de água de chuva e lançamento de águas servidas em superfície. Há vazamento de tubulação. O sistema de drenagem superficial é inexistente. Há presença de bananeiras e vegetação rasteira. DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE INSTABILIZAÇÃO Setor com ocorrência pretérita e possibilidade de novos deslizamentos em encosta natural, taludes de corte e depósitos antrópicos. GRAU DE PROBABILIDADE: R4 MUITO ALTO Figura 6 - Ficha de campo transcrita a partir da ficha check-list.

11 Figura 7 - Vista geral do limite da área e dos setores mapeados em imagem vertical do Google Earth. Figura 8 - Vista dos setores mapeados em foto aérea oblíqua.

12 Figura 9 - Vista parcial do setor. Notar a alta inclinação do setor. Figura 10 - Notar a alta inclinação do setor e a presença de cortes e aterros próximos às moradias Concepções de Intervenções Estruturais Após a realização do mapeamento e de posse da setorização, a equipe do IPT avaliou em campo as intervenções estruturais necessárias para diminuir os setores

13 com grau de risco R4 (Muito Alto) e R3 (Alto) a um nível ao menos R2 (Médio). Os setores com risco R2 (Médio) e R1 (Baixo) não foram avaliados quanto às intervenções, dado que esses níveis de risco são passíveis de convivência. Esperase, no entanto, que o Poder Público inicie investimento de recursos para diminuir os riscos R2, assim que forem sanados os problemas dos setores R4 e R3. Deve-se salientar que a indicação das tipologias de obras e seu custo tem caráter de concepção, não podendo ser encarado como nenhuma forma de projeto de engenharia, seja ele básico ou executivo. Os custos foram obtidos por avaliação de campo, conforme explicitado anteriormente. Para a obtenção de valores mais precisos, obviamente, deverão ser executados todos os anteprojetos e projetos executivos, respectivamente, para cada área e setor de riscos correspondentes. Ressalta-se que, para todas as intervenções propostas, a prefeitura deve sempre analisar a relação Custo X Benefício quanto à possibilidade de se executar a obra ou remover e relocar as moradias. Segue exemplo de ficha do setor avaliado (Figura 11), com as intervenções propostas, seus respectivos custos e a descrição sugerida para a concepção de cada intervenção.

14 ÁREA STA-16 - JARDIM IRENE II - RUA CABOATÁ - SETOR 01 (R4) INTERVENÇÕES CUSTO (R$) QUANTITATIVO DA INTERVENÇÃO LIMPEZA REMOÇÃO DE LIXO E ENTULHO ,00 30 dias REMOÇÃO DE VEGETAÇÃO IMPRÓPRIA OU INSTÁVEL ,00 30 dias REMOÇÃO DE MATERIAL ROMPIDO (SOLO) DESMONTE DE ESTRUTURAS E / OU MORADIAS EM RUÍNAS DESMONTE DE ESTRUTURAS E / OU MORADIAS PARA RELOCAÇÃO CUSTO ESTIMADO: R$ ,00 PROTEÇÃO SUPERFICIAL PLANTIO DE VEGETAÇÃO (GRAMÍNEAS, ARBUSTOS E ÁRVORES) EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS COM ARGAMASSAS E TELAS CUSTO ESTIMADO: R$ DRENAGEM CANALETAS ,00 500m CAIXAS DE PASSAGEM, TRANSIÇÃO E DESÁGUE ,00 8 ESCADAS D ÁGUA ,00 4 linhas de 100m CUSTO ESTIMADO: R$ ,00 ALTERAÇÕES DE GEOMETRIA RETALUDAMENTOS (CORTES, ATERROS, DESBASTES) ,00 1 x 40 x 250 CUSTO ESTIMADO: R$ ,00 CONTENÇÕES EM SOLO E EM ROCHA MUROS DE ARRIMO ,00 4 x 250 REFORÇOS EM TALUDES (GRAMPEAMENTOS / ATIRANTAMENTOS) CUSTO ESTIMADO: R$ ,00 REPAROS EQUIPAMENTOS PÚBLICOS (ESCADARIAS / ACESSOS) CUSTO ESTIMADO: R$ 0,00 CUSTO TOTAL ESTIMADO PARA AS INTERVENÇÕES ,00 (R$) CUSTOESTIMADO PARA PROJETO (10%) E PARA ,00 INVESTIMENTO (20%) CUSTO TOTAL ESTIMADO (R$) ,00 Figura 11 - Exemplo de ficha de um setor avaliado, com as intervenções propostas, seus respectivos custos e a descrição sugerida para a concepção de cada intervenção. As estimativas de custos listadas referem-se às atividades de projeto (10% do preço da obra), investigação (20% do preço da obra) e execução de obras, para uma determinada situação. Preveem-se, no escopo destas intervenções estruturais, serviços preliminares de investigação de subsuperfície, caracterização geológica e geotécnica complementares, levantamentos planialtimétricos de detalhamento,

15 ensaios laboratoriais, consultorias e acompanhamentos técnicos especializados durante sua implementação. Acrescenta-se que as dinâmicas de projeto e execução das obras propostas são suscetíveis a uma série de fatores e que variam de acordo com a forma da administração e do próprio tempo, razão da opção por se deixar ao gestor político o espaço necessário para organizar os recursos conforme as suas necessidades e particularidades. Convém ressaltar que há diversas tipologias construtivas para cada tipo de intervenção. Como exemplo, há várias concepções e formas de contenção por muro de arrimo e custos respectivos. Sendo assim, os valores apresentados para as intervenções são estimativos. Considera-se que somente o detalhamento do projeto executivo baseado em dados de investigação mais detalhada, poderá precisar o custo efetivo da intervenção. Pelo exposto, o custo pode variar, de acordo com o tipo de obra mais conveniente para cada local, bem como o coeficiente de segurança a ser adotado. De qualquer modo, a ordem de grandeza apresentada no Plano Municipal de Redução de Riscos é uma referência de custo preliminar importante para equacionar ações de obtenção de recursos mínimos que possibilitem a efetiva prática de gestão organizada de riscos no município. Ressalta-se que dependendo da tipologia construtiva escolhida pelo projetista, pode ser necessária a remoção de algumas moradias, o que não foi avaliado neste trabalho. Os valores estimados de intervenções por área de risco totalizaram R$ ,00 (sessenta e oito milhões, setecentos e cinquenta e sete mil, cento e noventa e cinco reais). Salienta-se, que esse total corresponde às intervenções propostas para o conjunto dos setores de Risco Muito Alto (R-4) e Alto (R-3). Para o correto entendimento destes resultados deve-se levar em conta que determinadas ações não podem ficar restritas a um único setor; sendo necessário integrar as intervenções entre diferentes setores, mesmo de níveis de risco diferentes, destacando-se, no caso, o exemplo dos sistemas de drenagem Priorização para execução das intervenções A partir dos dados coletados foi proposta uma priorização para as intervenções nos setores de risco R4 (Muito Alto) e risco R3 (Alto). A base desta priorização é o custo da intervenção por moradia em ordem crescente. Tal priorização deve ser considerada como referencial, uma vez que determinados setores de risco, devido à proximidade física entre estes, mesmo que apresentem condições diferenciadas de graduação de risco, poderão ser contemplados em um mesmo momento, optando-se evidentemente por satisfazer a condição de menor brevidade sugerida. Dentre os setores de risco que apresentam a mesma condição de graduação de risco, levaram-se em consideração determinados critérios de escolha para a tomada de decisão no que diz respeito à ordenação das intervenções propostas. Os critérios adotados foram aqueles que buscam em sua essência a proteção do maior número de moradias em situação de riscos equivalentes, mas levando-se em conta, também, os recursos necessários para a realização das intervenções.

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP.

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP. PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP. Ogura, A.T. Instituto de Pesquisas Tecnológicas, IPT, São Paulo,

Leia mais

Técnicos municipais envolvidos com o tema

Técnicos municipais envolvidos com o tema Curso de Capacitação de Técnicos Municipais para Prevenção e Gerenciamento de Riscos de Desastres Naturais SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL CPRM PÚBLICO-ALVO Técnicos municipais envolvidos com o tema 1 OBJETIVO

Leia mais

A tecnologia a serviço da Gestão de Riscos: a experiência do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, em São Paulo

A tecnologia a serviço da Gestão de Riscos: a experiência do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, em São Paulo A tecnologia a serviço da Gestão de Riscos: a experiência do Instituto de Pesquisas Tecnológicas IPT, em São Paulo 1. Introdução O intenso processo de urbanização vivido no País desde os anos 80, a falta

Leia mais

Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS

Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS Ações Ministério da Cidade: PMRR: Planos Municipais De Redução de RISCOS OBJETIVOS: Atualização do mapeamento de riscos associados a escorregamentos de encostas; Indicação de tipologias de intervenções

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE VITÓRIA - ES

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE VITÓRIA - ES PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE VITÓRIA - ES 1ª ETAPA: DETALHAMENTO DA METODOLOGIA PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES Fundação Espírito-Santense de Tecnologia Dezembro de 2006 Plano Municipal de Redução

Leia mais

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Geólogo Agostinho Tadashi Ogura Instituto de Pesquisas Tecnológicas - IPT DESASTRE NATURAL (DN) =

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL CENTRO NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DESASTRES.

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL CENTRO NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DESASTRES. Ao SUMÁRIO MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL CENTRO NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DESASTRES Objeto Levantamento de dados e análise da vulnerabilidade

Leia mais

Estabilidade: Talude e Aterro

Estabilidade: Talude e Aterro Estabilidade: Talude e Aterro Introdução Definições gerais - Talude: É o plano inclinado (declive, rampa) que delimita uma superfície terrosa ou rochosa. - Aterro: Preparação do terreno a fim de obter

Leia mais

Plano Municipal de Redução de Risco de Muriaé-MG. 1 a ETAPA - METODOLOGIA Detalhamento da Metodologia e Planejamento das Atividades

Plano Municipal de Redução de Risco de Muriaé-MG. 1 a ETAPA - METODOLOGIA Detalhamento da Metodologia e Planejamento das Atividades Plano Municipal de Redução de Risco de Muriaé-MG 1 a ETAPA - METODOLOGIA Detalhamento da Metodologia e Planejamento das Atividades Vitória, 08 de Dezembro de 2009 Plano Municipal de Redução de Risco de

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

Mapeamento de riscos associados a escorregamento em. encostas nas áreas de assentamento precário do Município de. Eldorado

Mapeamento de riscos associados a escorregamento em. encostas nas áreas de assentamento precário do Município de. Eldorado Mapeamento de riscos associados a escorregamento em encostas nas áreas de assentamento precário do Município de Eldorado EDILSON PISSATO Março/2012 Associação dos Mineradores de Areia do Vale do Ribeira

Leia mais

Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG

Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG Luciane de Castro Campos Companhia Urbanizadora de Belo Horizonte-

Leia mais

Universidade Federal do ABC. Graduação em Engenharia Ambiental e Urbana. Fábio De Santis Campos

Universidade Federal do ABC. Graduação em Engenharia Ambiental e Urbana. Fábio De Santis Campos Universidade Federal do ABC Graduação em Engenharia Ambiental e Urbana Fábio De Santis Campos METODOLOGIAS, PROCEDIMENTOS E UTILIZAÇÃO DE CARTAS GEOTÉCNICAS DE RISCOS DE ESCORREGAMENTOS E PROCESSOS CORRELATOS

Leia mais

Bairros Cota na Serra do

Bairros Cota na Serra do Geotecnia Ambiental Bairros Cota na Serra do Mar em Cubatão riscos em ebulição e planos de ação em andamento Os bairros localizados nas encostas da Serra do Mar, na cidade de Cubatão, passam por um processo

Leia mais

Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013

Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013 Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013 Introdução e Objetivos Anualmente inúmeros desastres decorrentes de eventos

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO N o 97 082-205 ANÁLISE DE RISCOS GEOLÓGICOS E GEOTÉCNICOS DOS BAIRROS COTA 95/100, 200 E 400 NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO, SP.

RELATÓRIO TÉCNICO N o 97 082-205 ANÁLISE DE RISCOS GEOLÓGICOS E GEOTÉCNICOS DOS BAIRROS COTA 95/100, 200 E 400 NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO, SP. RELATÓRIO TÉCNICO N o 97 082-205 ANÁLISE DE RISCOS GEOLÓGICOS E GEOTÉCNICOS DOS BAIRROS COTA 95/100, 200 E 400 NO MUNICÍPIO DE CUBATÃO, SP. (Relatório de Andamento Bairro-Cota 200) Centro de Tecnologias

Leia mais

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC

OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC SIMPÓSIO SOBRE FUNDAÇÕES E CONTENÇÕES OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC Autor: Samuel Maggioni Mezzomo Eng Civil Geotécnico samuel.mezzomo@arteris.com.br 20.08.2014 ITAJAÍ/SC INTRODUÇÃO E LOCALIZAÇÃO RODOVIAS

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010

Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010 Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010 No dia 12/04/2010, realizou-se no Núcleo de Terras e Habitação da Defensoria

Leia mais

Experiência do Município de Salvador na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da CARG Coordenadoria das Áreas de Risco Geológico

Experiência do Município de Salvador na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da CARG Coordenadoria das Áreas de Risco Geológico Experiência do Município de Salvador na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da CARG Coordenadoria das Áreas de Risco Geológico Caracterização do Município e Descrição do Problema O Município

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

3ª ETAPA Aspectos urbanísticos e participação comunitária

3ª ETAPA Aspectos urbanísticos e participação comunitária PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE NOVA LIMA - MG 3ª ETAPA Aspectos urbanísticos e participação comunitária Fevereiro de 2007 ÍNDICE 1. Introdução... 03 2. Análise urbanística 2.1 Alvorada... 04 2.2

Leia mais

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil IV SESSÃO DA PLATAFORMA REGIONAL PARA A REDUÇÃO DO RISCO DE DESASTRES NAS AMÉRICAS (PR14) Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil Guayaquil, Maio

Leia mais

Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades

Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades Gerenciamento de riscos a escorregamentos em encostas Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos Secretaria Nacional de Programas Urbanos Ministério das Cidades Característica estrutural

Leia mais

MAPEAMENTO DE RISCOS EM ENCOSTAS E MARGENS DE RIOS

MAPEAMENTO DE RISCOS EM ENCOSTAS E MARGENS DE RIOS MAPEAMENTO DE RISCOS EM ENCOSTAS E MARGENS DE RIOS 2 PRESIDENTE DA REPÚBLICA Luís Inácio Lula da Silva MINISTRO DAS CIDADES Marcio Fortes de Almeida SECRETÁRIO NACIONAL DE PROGRAMAS URBANOS SUBSTITUTO

Leia mais

DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos

DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos Ciclo de Palestras 2010 DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos Tipos de Escorregamentos de Encostas Soluções de Estabilização Ciclo de Palestras 2010

Leia mais

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes Antonio Liccardo Taludes Superfícies inclinadas que delimitam um maciço terroso ou rochoso. Naturais ou Artificiais Taludes naturais ou encostas Taludes

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE RAPOSOS

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE RAPOSOS PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE RAPOSOS Produto 2 Mapeamento de Risco Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional e Política Urbana Belo Horizonte, Setembro de 2009. PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO

Leia mais

SUMÁRIO 1.2 ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 3.0 ELABORAÇÃO DE PROJETO COM USO DE COBERTURA VEGETAL A1 TIPOS MAIS FREQÜENTES DE SOLUÇÕES

SUMÁRIO 1.2 ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 3.0 ELABORAÇÃO DE PROJETO COM USO DE COBERTURA VEGETAL A1 TIPOS MAIS FREQÜENTES DE SOLUÇÕES ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ESTABILIZAÇÃO DE ENCOSTAS SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 COMPONENTES ESPECÍFICOS 2.0 CRITÉRIOS DE

Leia mais

Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010

Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010 Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010 Integrantes da missão: Renato Lima Lázaro V. Zuquette Eduardo Mantovani

Leia mais

Programa Paraisópolis

Programa Paraisópolis Programa Paraisópolis Identificação das Comunidades Cemitério Getsemani Jd. Colombo Paraisópolis Porto Seguro Cemitério do Morumbi Colégio Visconde de Porto Seguro Programa Paraisópolis Caracterização

Leia mais

Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES

Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES 3. 1 Obras de revestimento proteção x obras de contenção Os tipos de obra voltados para a estabilização de encostas evoluem constantemente, em função de novas técnicas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

Desastre de 2008 no vale do Itajaí. Água, gente e política

Desastre de 2008 no vale do Itajaí. Água, gente e política Desastre de 2008 no vale do Itajaí Água, gente e política FUNDAÇÃO AGÊNCIA DE ÁGUA DO VALE DO ITAJAÍ CONSELHO EDITORIAL Beate Frank Ernesto Jacob Keim Julio Cesar Refosco Lourdes Maria Pereira Sedlacek

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Curso de Multiplicadores em Florianópolis, 24/02/2010 Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Eng. Geotécnica Regina Davison Dias, D.Sc. NUGEOTEC/CENTRO TECNOLÓGICO/UNISUL 24/02/2010 UNISUL

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM LEVANTAMENTO DE ÁREAS DE RISCO ALTO E MUITO ALTO A DESLIZAMENTOS E INUNDAÇÕES NO ESTADO DO PARANÁ Pedro Augusto dos Santos Pfaltzgraff Maria Emilia R. Brenny Obje8vos:

Leia mais

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir:

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir: SUBPROGRAMA DE MANUTENÇÃO E CAPINA NA VIA FÉRREA Este Subprograma trata do gerenciamento e planejamento da execução dos serviços de manutenção e capina da via férrea que será executado em toda a extensão

Leia mais

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida APRESENTAÇÃO 9h00 até 9h30: Abertura 9h30 até 11h15: Critérios gerais de análise técnica 11h15 até 11h30: Coffee-break

Leia mais

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08)

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) 6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) Curitiba/PR Julho de 2012 1 1 INTRODUÇÃO: A Ingá Engenharia e Consultoria Ltda. vem

Leia mais

CARACTERÍSTICAS NATURAIS E ANTRÓPICAS AGRAVANTES NOS PROCESSOS DE ESCORREGAMENTOS EM ENCOSTAS URBANAS

CARACTERÍSTICAS NATURAIS E ANTRÓPICAS AGRAVANTES NOS PROCESSOS DE ESCORREGAMENTOS EM ENCOSTAS URBANAS CARACTERÍSTICAS NATURAIS E ANTRÓPICAS AGRAVANTES NOS PROCESSOS DE ESCORREGAMENTOS EM ENCOSTAS URBANAS Mestre e Doutora pela EPUSP- Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Professora do CEFET-SP

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

Eng Mauro Hernandez Lozano

Eng Mauro Hernandez Lozano 1. Problemas, Causas e Soluções 1.1. Trincas 1.1.1. Aterros em Seção Mista 1.1.2. Aterros sem Controle Tecnológico 1.1.3. Atrito Negativo 1.1.4. Rebaixamento do Lençol Freático 1.1.5. Elevação do Lençol

Leia mais

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Caracterização do Município e Descrição do Problema O Município do Rio de Janeiro

Leia mais

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações DEFESA CIVIL - ES Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações NR- 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria

Leia mais

A Importância da Observação e Manutenção Periódicas para Garantir a Eficácia de Obras de Estabilização de Taludes Naturais: Um Caso Concreto

A Importância da Observação e Manutenção Periódicas para Garantir a Eficácia de Obras de Estabilização de Taludes Naturais: Um Caso Concreto A Importância da Observação e Manutenção Periódicas para Garantir a Eficácia de Obras de Estabilização de Taludes Naturais: Um Caso Concreto Faiçal Massad e Milton Assis Kanji Escola Politécnica, Universidade

Leia mais

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos Luiz A. Bressani, PhD Departamento de Engenharia Civil UFRGS bressani@ufrgs.br 18 de março de 2010 Palestra proferida a convite da

Leia mais

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO).

ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). ACIDENTES GEOMORFOLÓGICOS NA MICROBACIA DO CÓRREGO FRUTUOSO EM ANÁPOLIS (GO). Maria de Lourdes Gomes Guimarães 1,3 ; Homero Lacerda 2,3 1 Voluntária de Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisador Orientador

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS GEOLÓGICO-GEOTÉCNICAS E ANÁLISE DE RISCO

2. CARACTERÍSTICAS GEOLÓGICO-GEOTÉCNICAS E ANÁLISE DE RISCO AVALIAÇÃO DO RISCO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO ASSOCIADO A ESCORREGAMENTOS PARA AS COMUNIDADES ESTRADINHA (A MONTANTE DO CEMITÉRIO SÃO JOÃO BATISTA), MORRO DOS URUBUS, MORRO DOS PRAZERES E ESCONDIDINHO, MORRO

Leia mais

UFABC- Universidade Federal do ABC- PROEXT 2011/2012. Gestão de Riscos Geológicos em Ambiente Urbano: Escorregamentos e Processos Correlatos

UFABC- Universidade Federal do ABC- PROEXT 2011/2012. Gestão de Riscos Geológicos em Ambiente Urbano: Escorregamentos e Processos Correlatos UFABC- Universidade Federal do ABC- PROEXT 2011/2012 Gestão de Riscos Geológicos em Ambiente Urbano: Escorregamentos e Processos Correlatos 2º OFICINA: SOLUÇÕES DE ESTABILIZAÇÃO CLÁUDIA PAIVA DATA: 11/10/2012

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM UNDERSTANDING RISK SEÇÃO: CRESCIMENTO URBANO SEM RISCOS DE DESLIZAMENTOS Conhecimento, Prevenção, Preparação, Resposta e Mudança de Hábitos Belo Horizonte, novembro de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES SISTEMÁTICA 2010 MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS

MINISTÉRIO DAS CIDADES SISTEMÁTICA 2010 MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE PROGRAMAS URBANOS SISTEMÁTICA 2010 MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS Programa 1128 URBANIZAÇÃO, REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E INTEGRAÇÃO DE ASSENTAMENTOS PRECÁRIOS

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM Avaliação dos desastres naturais em Minas Gerais Dezembro 2013 Janeiro 2014 Objetivo O presente relatório tem por finalidade avaliar os desastres naturais ocorridos no

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE VITÓRIA - ES

PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE VITÓRIA - ES PLANO MUNICIPAL DE REDUÇÃO DE RISCO DE VITÓRIA - ES 2ª ETAPA: Elaboração do Plano Municipal de Redução de Risco - PMRR 2.1 - Relatório do Mapeamento de Risco. 2.1.2 Proposição de Intervenções Estruturais

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM

LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO DO CHIBATÃO MANAUS - AM Manaus 28 de Outubro de 2010 LAUDO DE VISTORIA TÉCNICA DO PORTO CHIBATÃO MANAUS (AM) 1. INTRODUÇÃO Por solicitação do Ministério Público do Estado

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia Intervenção em Bens Culturais Edificados Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia O QUE É UM PROJETO DE INTERVENÇÃO NO PATRIMÔNIO EDIFICADO? Compreende-se por Projeto de Intervenção

Leia mais

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Nina Celeste Macario Simões da Silva (1), José Afonso P. Vitório (2) Romilde Almeida de Oliveira (3) (1)Mestranda, Programa de Pós-graduação

Leia mais

Direito à moradia e áreas de preservação ambiental - o caso da Favela Monte Taó SP

Direito à moradia e áreas de preservação ambiental - o caso da Favela Monte Taó SP Direito à moradia e áreas de preservação ambiental - o caso da Favela Monte Taó SP Maria de Lourdes Pereira Fonseca, Fabiana Cristina Luz, Jean Leonardo Tanajura Correia Resumo Grande parcela da população

Leia mais

PORQUE CAEM AS BARREIRAS

PORQUE CAEM AS BARREIRAS PARTE B PORQUE CAEM AS BARREIRAS CAPÍTULO 3 Risco Geológico CAPÍTULO 4 Processos que Causam Acidentes CAPÍTULO 3 Risco Geológico Conceitos 3. 1 Elementos de risco 3. 2 Classes de risco 3. 3 Fatores de

Leia mais

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO MARÇO Curso: Projeto Geotécnico de Acordo com os Euro códigos Data: 10 a 14 de Março de 2014 Presencial: 250 Via internet: 200 ABRIL Curso: Reabilitação Não-Estrutural de Edifícios Data: 29 a 30 de Abril

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 187 ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Gabriella Fernandes

Leia mais

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca USO DE GEOTECNOLOGIAS APLICADO AO ESTUDO DA SUSCETIBILIDADE E ANÁLISE DE RISCO DE PROCESSOS EROSIVOS EM FAIXAS DE DOMÍNIO DE LINHAS FÉRREAS - SUBSÍDIO AOS PROCESSOS DE LICENCIAMENTO OPERACIONAL E AMBIENTAL

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Stefânia Moreira Alves Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Brasil, stefaniamoreiraalves@yahoo.com.br Romero César Gomes Universidade

Leia mais

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DEFESA CIVIL INTRODUÇÃO 1. O presente Termo

Leia mais

Contenção com muros terrae

Contenção com muros terrae Contenção com muros terrae Prefeitura de Jacareí analisa três soluções para conter talude em área escolar e opta por sistema de blocos de concreto pré-fabricados. Veja comparativo técnico e orçamentário

Leia mais

DESASTRE MARÇO/13 DE ESCORREGAMENTOS EM PETRÓPOLIS

DESASTRE MARÇO/13 DE ESCORREGAMENTOS EM PETRÓPOLIS 1 DESASTRE MARÇO/13 DE ESCORREGAMENTOS EM PETRÓPOLIS 1. Introdução Mais de 100 escorregamentos ocorreram nas encostas de Petrópolis na noite do dia 17 para o dia 18 de Março de 2013, provocando 33 mortes.

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 2. Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

Muro de Arrimo por Gravidade

Muro de Arrimo por Gravidade Muro de Arrimo por Gravidade CONCEITO É a solução estrutural mais antiga e por ser relativamente barato e não exigir mão de obra especializada é mais comum. É executado junto a um talude (inclusive de

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM. a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia.

CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM. a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia. CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM Objetivo: a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia. Terraplenagem mecanizada: requer grandes investimentos em equipamentos

Leia mais

Gerenciamento de Risco

Gerenciamento de Risco CAPÍTULO 17 Gerenciamento de Risco Organização da Defesa Civil 17. 1 Procedimentos para a gestão do risco 17. 2 Ações permanentes de Defesa Civil em áreas de morros 17. 3 Plano Preventivo de Defesa Civil

Leia mais

Incorporação da Gestão de Riscos de Escorregamentos e Inundações no Setor de Transportes

Incorporação da Gestão de Riscos de Escorregamentos e Inundações no Setor de Transportes Incorporação da Gestão de Riscos de Escorregamentos e Inundações no Setor de Transportes Paulo Cesar Fernandes da Silva INSTITUTO GEOLÓGICO Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Entendendo

Leia mais

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS 1. Conceituação de passivo ambiental Na conceituação ambiental

Leia mais

Mestrado em Construções Civis

Mestrado em Construções Civis Mestrado em Construções Civis Guarda, 22 de fevereiro de 2015 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Objetivos do ciclo de estudos... 4 2.1. Objetivos gerais... 4 2.2. Objetivos específicos... 4 3. Competências

Leia mais

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO

MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO MUNICÍPIO DE SÃO LEOPOLDO ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS E REGIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DO CONSÓRCIO PRÓ-SINOS PRODUTO 4 CONCEPÇÃO DOS PROGRAMAS, PROJETOS E AÇÕES NECESSÁRIAS. AÇÕES PARA

Leia mais

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais:

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais: - Conceitos Básicos de Terraplenagem - Elaboração do Projeto de terraplenagem - Movimento de terra Cálculo de volumes, DMT e notas de serviço - Diagrama de Bruckner - Execução de terraplenagem- equipamentos

Leia mais

Professor adjunto do Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas UFABC E-mail: fernando.nogueira@ufabc.edu.br

Professor adjunto do Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas UFABC E-mail: fernando.nogueira@ufabc.edu.br ESTUDOS SOBRE RISCOS GEOLÓGICOS E SUA INCORPORAÇÃO NO PLANEJAMENTO TERRITORIAL RELATO DA EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO DE QUADROS TÉCNICOS NO ABC PAULISTA Fernando Rocha Nogueira Professor adjunto do Centro

Leia mais

Prefeitura Municipal de Bom Despacho Estado de Minas Gerais Secretaria Municipal de Administração

Prefeitura Municipal de Bom Despacho Estado de Minas Gerais Secretaria Municipal de Administração 1. INTRODUÇÃO: Prefeitura Municipal de Bom Despacho Anexo V Laudo de Vistoria Predial Terminal Rodoviário de Passageiros de Bom Despacho O presente Laudo Técnico de Vistoria Predial foi solicitado pela

Leia mais

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007:

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007: LAUDO PERICIAL A Empresa Universalis Consultoria, Projetos e Serviços Ltda, atendendo solicitação da Prefeitura Municipal de Timóteo, Secretaria Municipal de Obras e Habitação / Divisão de Meio Ambiente,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15)

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15) RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15) 12 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ 4º RELATÓRIO

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

Manual de Loteamentos e Urbanização

Manual de Loteamentos e Urbanização Manual de Loteamentos e Urbanização Juan Luis Mascaró ARQ 1206 - Urbanização de Encostas - Análise Prof Sônia Afonso segundo trimestre 2003 Adriana Fabre Dias 1. Retículas Urbanas e Custos 1.1. Aspectos

Leia mais

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO Autores Rafael Rivoire Godoi Navajas, Engenheiro Civil graduado pela UFRGS (Universisade Federal do Rio Grande do Sul) 1998.

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL

CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL CONTRIBUIÇÕES DA GESTÃO DE RISCO PARA O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA DEFESA CIVIL DE RIO CLARO - SÃO PAULO - BRASIL Vanessa da Silva Brum Bastos vsbrumb@gmail.com Graduanda do 4º ano do bacharelado em Geografia-

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

2. METODOLOGIA DE TRABALHO

2. METODOLOGIA DE TRABALHO TRAÇADO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO TÉCNICA AUXILIAR NA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREAS DEGRADADAS Autores: Adriana Gomes de Souza Pesquisadora

Leia mais

SÉRIE: DISCIPLINA: CARGA HORÁRIA SEMANAL: CARGA HORÁRIA SEMESTRAL:

SÉRIE: DISCIPLINA: CARGA HORÁRIA SEMANAL: CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE USOS DO SOLO E CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS E ESTABILIZAÇÃO DAS ENCOSTAS UHE FOZ DO RIO CLARO

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE USOS DO SOLO E CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS E ESTABILIZAÇÃO DAS ENCOSTAS UHE FOZ DO RIO CLARO PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE USOS DO SOLO E CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS E ESTABILIZAÇÃO DAS ENCOSTAS UHE FOZ DO RIO CLARO FRC-RS-ERO-CON-0901-0A JANEIRO 2009 CONSILIU Meio Ambiente & Projetos Empreendimento:

Leia mais

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos 2.6.12 O PCPE foi implementado com base no Plano Ambiental para Construção PAC a fim de proteger, estabilizar e mitigar as interferências na faixa de servidão, bota-foras, acessos, canteiro de obras e

Leia mais

Nossa Terra. Episódio 5 Erosão

Nossa Terra. Episódio 5 Erosão Nossa Terra Episódio 5 Erosão Resumo A Série Nossa Terra é composta por sete documentários de 15 minutos cada um, em que a Geologia é explorada de forma dinâmica por meio de questionamentos, experimentos,

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais