UNIVALE UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE FUNDAÇÃO: PERCIVAL FARQUHAR CURSO: ENGENHARIA CIVIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVALE UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE FUNDAÇÃO: PERCIVAL FARQUHAR CURSO: ENGENHARIA CIVIL"

Transcrição

1 UNIVALE UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE FUNDAÇÃO: PERCIVAL FARQUHAR CURSO: ENGENHARIA CIVIL Dayana Cristina dos Santos Gustavo José Braga Campidelli Jocilene de Souza Porcino Liziane Carolina Ferreira Araújo ESTUDO DE CASO DE UMA OBRA DE EDIFICAÇÃO RESIDENCIAL COM ÊNFASE NO PLANEJAMENTO E CONTROLE Governador Valadares 2012

2 DAYANA CRISTINA DOS SANTOS GUSTAVO JOSE BRAGA CAMPIDELLI JOCILENE DE SOUZA PORCINO LIZIANE CAROLINA FERREIRA ARAÚJO ESTUDO DE CASO DE UMA OBRA DE EDIFICAÇÃO RESIDENCIAL COM ÊNFASE NO PLANEJAMENTO E CONTROLE Trabalho de Conclusão de curso de Graduação apresentado a Coordenação do Curso de Engenharia Civil da Universidade Vale do Rio Doce UNIVALE, como parte dos requisitos para colação de grau no curso de Engenharia Civil. Orientador: Raul de Cássio Amorim Neto Governador Valadares 2012

3 DAYANA CRISTINA DOS SANTOS GUSTAVO JOSE BRAGA CAMPIDELLI JOCILENE DE SOUZA PORCINO LIZIANE CAROLINA FERREIRA ARAÚJO ESTUDO DE CASO DE UMA OBRA DE EDIFICAÇÃO RESIDENCIAL COM ÊNFASE NO PLANEJAMENTO E CONTROLE Trabalho de Conclusão de curso de Graduação apresentado a Coordenação do Curso de Engenharia Civil da Universidade Vale do Rio Doce UNIVALE, como parte dos requisitos para colação de grau no curso de Engenharia Civil. Governador Valadares, de de. Banca Examinadora: Prof. Eng. Raul de Cássio Amorim Neto Orientador Universidade Vale do Rio Doce Prof. Eng. Marle José Ferrari Júnior Universidade Vale do Rio Doce Prof. Eng. Soraya Couto Grossi Terra Universidade Vale do Rio Doce

4 AGRADECIMENTOS Queremos registrar o reconhecimento a todos que contribuíram direta e indiretamente para a execução deste trabalho, cada um representando uma peça importante na nossa caminhada, tanto pessoal, quanto profissional. Aos pais pela confiança, incentivo e motivação. Aos irmãos, que nas horas mais difíceis da vida, surgem como anjos trazendo alento e conforto. Aos companheiros pela compreensão e apoio nas horas mais difíceis durante todos esses anos da graduação e pela sua dedicação e incentivo que nos deu ânimo e força para a conclusão desta etapa. Ao professor orientador Raul pela competência profissional e pela orientação na realização em todas as etapas deste trabalho. Aos amigos e colegas, pela força e pela vibração em relação a esta jornada. Aos colegas de classe, pois juntos trilhamos uma etapa importante em nossas vidas. Aos professores pela formação profissional. A todos os funcionários da UNIVALE que de alguma forma contribuíram direta ou indiretamente para a realização deste trabalho. A todos que, com boa intenção, colaboraram para a realização e finalização deste trabalho. E, acima de tudo, agradecemos a Deus que permitiu que conseguíssemos finalizar este trabalho, fazendo que um dos objetivos de vida fosse concretizado.

5 Pois qual de vós, pretendendo construir uma torre, não se assenta primeiro para calcular a despesa e verificar se tem os meios para a concluir? Para não se suceder que tendo lançado os alicerces e não a podendo acabar, todos os que a virem zombem dele dizendo: este homem começou a construir e não acabou Lucas 14:28-30

6 RESUMO No período atual o sistema de planejamento e controle de obras é uma atividade essencial na gestão de uma empresa seja do setor da construção civil ou não. O sistema de planejamento e controle de obras é uma atividade essencial na gestão de uma empresa. Porém, muitas dessas empresas só têm o sistema de planejamento e controle de obras visando atender às exigências para concessão de crédito por agentes de financiamento, do sistema de qualidade da empresa ou de clientes, desta forma acaba não considerando a devida importância deste sistema. O objetivo desse trabalho é apresentar os conceitos básicos e algumas ferramentas disponíveis para a elaboração do Planejamento e Controle através de um estudo de caso de um empreendimento residencial multifamiliar implantado na cidade de Governador Valadares que se caracteriza por sua construção em estrutura convencional de concreto armado no pavimento de pilotis, com alvenaria estrutural nos pavimentos tipos e fundação em sapata. Tendo como objetivo principal, a implantação e o acompanhamento de um sistema de planejamento e controle de obras, dentro da construtora. Ao ser elaborado e executado integralmente o sistema de planejamento e controle de obras, a construtora obterá como retorno os benefícios desejados em seu planejamento, ou seja, competitividade no mercado de trabalho, entrega da obra no prazo estipulado pelo cliente, qualidade na obra, racionalização dos serviços através dos métodos construtivos, racionalização que o próprio sistema possa oferecer, e principalmente, a redução no custo final do empreendimento. Este trabalho apresenta também que, o planejamento e controle de obras, é um sistema que tem como principal função não deixar que o empreendimento se perca ao longo de sua execução, pois o mesmo avisa, alerta e antecipa os possíveis erros que poderão surgir no decorrer do empreendimento. Desta forma, pode-se dizer que o planejamento de uma obra não faz sentido nenhum, se não existir o devido controle. Pode-se afirmar que planejar significa ordenar previamente os meios para que sejam atingidos seus objetivos. Palavras - chave: Planejamento e controle de obras, Planejamento de obras e Controle de obras

7 ABSTRACT During the current planning system and construction control is an essential activity in running a business is the construction industry or not. The system of planning and construction control is an essential activity in running a business. But many of these companies only have the system of planning and control of works to meet the requirements for granting of credit by financial agents, the quality system of the company or clients, thus not just considering the importance of proper system. The aim of this paper is to present the basic concepts and some tools available for the preparation of planning and control via a case study of a multifamily residential project implemented in the city of Governador Valadares which is characterized by its construction in conventional reinforced concrete structure in floor stilts, with structural masonry in foundation in floors and shoe types. With the main objective, the implementation and monitoring of a system of planning and control of works within the building. By being prepared and fully implemented the system of planning and control works, the contractor will obtain the desired benefits in return in their planning, that is, competitiveness in the labor market, delivery of the work within stipulated by the customer, quality work, streamlining services through the construction methods, streamlining the system itself can offer, and most importantly, reducing the final cost of the project. This work also shows that the planning and construction control is a system whose main function is not to let the project get lost along its execution, because it warns, warning, and anticipates the possible errors that may arise during the enterprise. Thus, it can be said that the planning of a work makes no sense, because if there is no control. It can be argued that planning means pre-sort the means to the achievement of their goals. Keywords - Keywords: Planning and construction control, planning of works and control works

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 01 Ciclo PDCA Figura 02 Equação da curva S Foto 01 Execução de escavação para sapata Foto 02 Execução de escavação para sapata Foto 03 Vista parcial de muro de arrimo e pilares Foto 04 Execução de armação e fôrmas Foto 05 Vista de área para aterro Foto 06 Execução de armação e fôrmas de viga Foto 07 Montagem de laje pré-moldada para concretagem Foto 08 Escoramento de laje Foto 09 Maquete Eletrônica Foto 10 Planta Baixa... 53

9 SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CONSIDERAÇÕES INICIAIS JUSTIFICATIVA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos específicos CAPITULO 2 REVISÃO BIBLIOGRAFICA Definição Benefícios do planejamento Causas da deficiência do planejamento Ciclo PDCA Definição P Planejar D Desempenhar C Checar A - Agir CONTROLE DE OBRA Definição CONSEQÜÊNCIAS DA DEFICIÊNCIA DO PLANEJAMENTO ECONTROLE CURVA S Benefícios da Curva S ORÇAMENTO Definição Utilidades da Orçamentação CRONOGRAMA Definição Cronograma de Barras Cronograma físico-financeiro HISTOGRAMA SISTEMA CONSTRUTIVO Definição... 26

10 2.8.2 Alvenaria Alvenaria Estrutural Bloco Blocos Vazados Blocos Maciços Blocos de Concreto Blocos Cerâmicos Pilotis CAPITULO 3 MATERIAL E MÉTODOS ESTUDO DE CASO CAPITULO 4 RESULTADOS ANÁLISE PELA CURVA S ANÁLISE DOS ORÇAMENTOS CAPITULO 5 VIABILIDADE DO EMPREENDIMENTO...40 CAPITULO 6 CONCLUSÕES E SUGESTÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS ANEXOS

11 10 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS A preocupação para a melhoria do desempenho tem sido uma constante no século XX. Estudos sobre desenvolvimento das organizações tem estado presente desde os anos cinquenta. Muitas idéias têm surgido tanto no Oriente como no Ocidente voltadas ao crescimento e sobrevivência das organizações, algumas delas já haviam sido abordadas no século XIX, e nem mesmo a idéia de utilizar a informação e demais habilitadores é recente, mas com o grande avanço tecnológico das últimas décadas se intensificou a parcela de contribuição da tecnologia da informação nos processos administrativos, sendo utilizada como apoio às mudanças estratégicas. O processo de planejamento e controle de obra é de fundamental importância para alcançar a eficiência e efetividade na execução dos empreendimentos de construção. O aumento do controle da obra se faz necessário e obriga as empresas de construção a investirem cada vez mais no planejamento e na programação das atividades. O presente trabalho aborda a importância da administração da produção no que diz respeito ao processo de trabalho no contexto do planejamento e controle de obra. No contexto, foi elaborado um estudo de caso em uma obra de um prédio residencial localizado na cidade de Governador Valadares construído por uma empresa de médio porte com fortes perspectivas de expansão, mas que se defronta com grandes obstáculos ocasionados principalmente por falta de Planejamento e Controle, ela atua no ramo da construção civil na região da cidade de Governador Valadares Minas Gerais. Empresa que se destaca em seu meio pela alta aceitação de seus produtos junto aos clientes, uma vez que adota elementos de acabamento em fachadas e alvenaria estrutural na execução de suas obras. No decorrer do estudo foi verificada uma grave falha de planejamento com consequente resultado negativo no andamento da obra, menor rentabilidade do

12 11 empreendimento para a construtora e possibilidade de atraso na entrega das unidades habitacionais para os clientes. 1.2 JUSTIFICATIVA Muitas obras realizadas por pequenas empresas são realizadas de forma artesanal, ou seja, sem o devido planejamento de execução e custo, sem garantia do cumprimento do prazo previamente estabelecido e com estimativa deficiente do custo total da obra. Esse problema que já é frequente há muitos anos na construção civil se agrava neste momento de aquecimento da economia nacional, em que está ocorrendo um incremento construtivo significativo, sobretudo de obras residenciais financiadas pelo Governo Federal, utilizando recursos do PAC Programa de Aceleração de Crescimento. Nestas obras, a falta de planejamento e controle por partes das construtoras aliados a falta de fiscalização por parte dos órgãos governamentais acarretam em obras deficitárias e/ou inacabadas, prazos de entregas extrapolados e consequentes prejuízos financeiros a todos os envolvidos. Nota-se que o planejamento e o controle de uma obra constituem-se, hoje, nos principais fatores para o sucesso de qualquer empreendimento. Planejar é gerenciar a obra sob os aspectos técnicos, administrativos, financeiros e de recursos humanos, estabelecendo fases e controles de forma a garantir o prazo e atendimento aos parâmetros de custos e a qualidade do produto final. A função do planejamento é a de programar as etapas da obra antes de seu início, de tal forma que sejam escolhidos os métodos construtivos e os de produção mais adequados, fazendo com que estes eventos sejam coordenados entre si. Atualmente em alguns casos, os conceitos de planejamento e controle vêm sendo aplicados, apenas para atender a um ou outro requisito normativo de qualidade e desta forma não são aplicados na sua totalidade para atender as necessidades efetivas do processo produtivo, resultando em um controle deficiente da obra planejada em sua execução.

13 OBJETIVOS Objetivo Geral Apresentar os conceitos básicos para Planejamento e Controle, algumas ferramentas disponíveis para a sua elaboração, seus benefícios e resultados decorrentes de sua utilização Objetivos específicos a) Verificar a distribuição normal dos serviços nas etapas previstas no cronograma inicial; b) Verificar os possíveis desvios em relação ao orçamento inicial; c) Verificar os possíveis desvios em relação ao prazo inicial da obra. CAPITULO 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 PLANEJAMENTO Definição De acordo com MATTOS (2010) o planejamento da obra é um dos principais aspectos do gerenciamento, conjunto de amplo espectro, que envolve também

14 13 orçamento, compras, gestão de pessoas e comunicações. Ao planejar, o gerente dota a obra de uma ferramenta importante para priorizar suas ações, acompanhar o andamento dos serviços, comparar o estágio da obra com a linha de base referencial e tomar providências em tempo hábil quando algum desvio é detectado. Atualmente, mais do que nunca, planejar é garantir de certa maneira a perpetuidade da empresa pela capacidade que os gerentes ganham de dar respostas rápidas e certeiras por meio do monitoramento da evolução do empreendimento e do eventual redirecionamento estratégico. É o estabelecimento de uma sequência lógica, entre as diversas etapas ou fases de execução de um empreendimento, definindo o que, como e quando fazer. É o estudo detalhado de uma obra, em função de um intervalo de tempo, partindo de um orçamento base. A função do planejamento prévio é a de planejar os trabalhos da obra antes de seu início, de tal forma que sejam escolhidos os métodos construtivos e os meios de produção mais adequados e estes sejam coordenados entre si, considerando-se todo quadro de condicionantes internos e externos a empresa. O objetivo deste planejamento é obter o maior rendimento possível com custos de execução os menores possíveis. Fritz Gehbauer et all, 2002, p Benefícios do planejamento Para MATTOS (2010) os principais benefícios que o planejamento traz são: conhecimento pleno da obra; detecção de situações desfavoráveis; agilidade de decisões; relação como orçamento; otimização da alocação de recursos; referência para acompanhamento; padronização; referência para metas; documentação e rastreabilidade; criação de dados históricos e profissionalismo Causas da deficiência do planejamento

15 14 Como cita MATTOS (2010) as causas da deficiência em planejamento e controle podem ser agrupadas em função dos seguintes aspectos arraigados de longa data: planejamento e controle como atividades de um único setor; descrédito por falta de certeza nos parâmetro; planejamento excessivamente informal; mito do tocador de obras Ciclo PDCA Definição MATTOS (2010) define o ciclo PDCA como o conjunto de ações ordenadas e interligadas entre si, dispostas graficamente em um círculo em que cada quadrante corresponde a uma fase do processo: P {plan =planejar); D (do = fazer, desempenhar); C {check = checar, controlar); A ( act = agir, atuar).

16 15 Figura 1 Ciclo PDCA Fonte: MATTOS (2010) P Planejar De acordo com MATTOS (2010) nessa etapa, entra em cena a equipe de planejamento da obra, que busca antever a lógica construtiva e suas interfaces, gerando informações de prazos e metas físicas. O quadrante P pode ser subdividido em três setores: Estudar o projeto - envolve a análise dos projetos, visita técnica ao local da obra, identificação e avaliação de interferências etc; Definir metodologia - envolve a definição dos processos construtivos, o plano de ataque da obra, a sequência das atividades, a logística de materiais e equipamentos, a consulta a documentos de obras similares etc;

17 16 Gerar o cronograma e as programações - consiste em coordenar as informações de modo que a obra tenha um cronograma racional e factível, essa etapa leva em consideração os quantitativos, as produtividades adotadas no orçamento, a quantidade disponível de mão de obra, a influência da pluviosidade local etc. O planejamento é presumivelmente o intuito operacional da empresa. Ele representa aquilo que se deve seguir para alcançar o objetivo do empreendimento D Desempenhar Segundo MATTOS (2010) a segunda etapa representa a materialização do planejamento no campo. Aqui, o que foi prescrito no papel entra no terreno da realização física. Esse quadrante pode ser subdividido em dois setores: Informar e motivar - corresponde a explicitar a todos os envolvidos o método a ser empregada, a sequência das atividades e as durações previstas e a tirar dúvidas da equipe. Os encarregados e supervisores são instruídos quanto ao que está programado, quais as tarefas, os prazos, os recursos disponíveis e os requisitos de qualidade. É acentuado o grau de envolvimento e interesse que as equipes desenvolvem quando o planejamento e as programações de serviço são apresentados. Executar a atividade - consiste na realização física da tarefa. Para que uma obra seja gerenciada corretamente, é necessário que o que foi informado por meio do planejamento seja cumprido no campo, sem alterações deliberadas de rumo por parte dos executores. Executar é cumprir (ou, pelo menos, tentar cumprir) aquilo que foi planejado para o período em questão. Ainda que o planejamento represente a intenção de conduta do construtor, vale notar que o que acontece no campo não necessariamente reflete o que foi planejado originalmente. Discrepâncias podem ocorrer por falta de comunicação, por falta de entendimento do que foi planejado, por premissas inadequadas na fase de

18 17 planejamento, por inexequibilidade do planejamento, por condições alheias à vontade do construtor C Checar MATTOS (2010) afirma que a terceira etapa do ciclo PDCA representa a aferição do que foi efetivamente realizado. Essa função de verificação consiste em comparar o previsto com o realizado e apontar as diferenças relativas a prazo, custo e qualidade, é a etapa em que se manifesta o monitoramento e o controle do projeto. Esse quadrante pode ser subdividido em dois setores: Aferir o realizado - consiste em levantar no campo o que foi executado no período de análise. Essa é uma tarefa de apropriação de dados, na qual se compilam as quantidades de cada serviço efetuado no período. Comparar o previsto e o realizado - após aferir o que foi efetivamente realizado, é preciso compará-lo com o que estava previsto no planejamento. Tratase de um processo vital para o construtor, porque é o maior manancial de informações gerenciais. Nessa etapa, detectam-se os desvios e os impactos que eles trazem assim como possíveis adiantamentos da obra e os respectivos benefícios. Com relação a prazo, a verificação reside na checagem das datas de início e término das atividades em relação às datas planejadas. Enfim, é o progresso real da tarefa sendo monitorado de maneira sistemática. Os levantamentos dos dados de progresso podem ser feitos por técnicos de planejamento ou, o que á mais comum, por pessoal de campo que os remete continuamente ao setor de planejamento. Nesse quadrante, os indicadores de desempenho real são aferidos pelo planejador. Produtividades de campo são calculadas e passam a fazer parte do acervo de dados da obra. É importante gerar os indicadores de desempenho, porque eles representam fielmente as condições de campo, ou seja, as circunstâncias em que as atividades foram executadas.

19 A - Agir De acordo com MATTOS (2010) no quarto quadrante acontece o encontro de opiniões e sugestões de todos os envolvidos na operação, o que contribui para identificação de oportunidades de melhoria, aperfeiçoamento do método, detecção de focos de erro, mudança de estratégia, avaliação de medidas corretivas a serem tomadas. Se os resultados obtidos no campo desviaram do planejado, ações corretivas devem ser implementadas. Com finalidade preventiva, as causas de desvio devem ser investigadas e analisadas em detalhe. Quanto mais tempo passar sem que os focos de desvio sejam debelados, menor será o tempo hábil para correção. Nos casos em que o planejamento não apresenta grandes desvios, esse quadrante deve ser visto como uma oportunidade para as equipes pensarem na possibilidade de redução do prazo da obra. É imprescindível a participação do pessoal de planejamento e de produção nessa etapa, pois a meta perseguida não é exclusiva de um setor, mas comum a todos. 2.2 CONTROLE DE OBRA Definição MATTOS (2010) afirma que o planejamento de uma obra não se esgota na preparação do cronograma inicial. É preciso monitorar o avanço das atividades e averiguar se o cronograma é obedecido ou se há variação entre o que foi previsto e o que vem sendo realizado no campo. De nada vale planejar uma obra com critério e boa técnica se o planejamento for desprovido do acompanhamento, pois o construtor precisa comparar

20 19 permanentemente o previsto com o realizado para saber se sua pretensão inicial de prazos está sob controle ou se são necessárias medidas corretivas. Rememorando o ciclo PDCA, o acompanhamento corresponde ao terceiro quadrante: C Checar ou Controlar. Nessa fase, após determinado período de tempo, afere-se o progresso das atividades e se compara o desempenho planejado com o efetivamente conseguido. Depois do quadrante C vem então o A - Atuar (ou Agir), quando medidas corretivas e preventivas serão tomadas pelo gerente do empreendimento para recolocar o planejamento de volta nos trilhos ou mantê-lo, caso não tenha havido grandes distorções. O controle de obras é definido como um processo contínuo e dinâmico ao longo de todo o tempo de execução e se desenvolve e se organiza de acordo, com um trabalho em equipe, onde o fator humano e técnico é fundamental, e o foco será sempre o objetivo planejado. No controle deverão ser contemplados a aferição do realizado, que consiste em verificar na obra o que for realizado durante o período de análise e a comparação entre previsto e realizado que consiste no comparativo entre os dados aferidos e o que estava previsto no planejamento. 2.3 CONSEQUÊNCIAS DA DEFICIÊNCIA DO PLANEJAMENTO E CONTROLE MATTOS (2010) afirma que a deficiências no planejamento e no controle estão entre as principais causas da baixa produtividade do setor, de suas elevadas perdas e da baixa qualidade dos seus produtos. 2.4 CURVA S Segundo LIMMER (1997) a curva S mostra a distribuição de um recurso, de forma cumulativa, é amplamente utilizada no planejamento, programação e controle de projetos. Representa o projeto como um todo, em termos de homens-horas ou de

21 20 moeda necessários à sua execução, e também permite visualizar o ritmo de andamento previsto para a sua implementação. Para MATTOS (2010) ao montar o planejamento de sua obra, o planejador obtêm o cronograma e, como decorrência, a curva S, seja ela de avanço físico ou monetário. Essa curva geralmente reflete o progresso lento-rápido-lento do projeto e, portanto, adquire seu aspecto sinuoso. O formato da curva S de um projeto não necessariamente coincide com o de outro projeto. O aspecto da curva vai depender da seqüência das atividades e de sua quantidade de Hh ou valor monetário, bem como da duração total do projeto. O nível de atividade de um projeto típico é similar a uma distribuição normal (Curva de Gauss). O ritmo de trabalho empregado, geralmente começa lento em função das poucas atividades executadas simultaneamente; o ritmo aumenta progressivamente em função do incremento das atividades desempenhadas simultaneamente até que próximo ao fim, o ritmo das atividades decresce. A curva típica resultante da plotagem do parâmetro custo acumulado em função do tempo apresenta o formato de uma letra S, originando a denominação Curva S. Segundo MATTOS (2010) na falta de dados reais de projetos similares, ou quando o planejamento ainda è preliminar, é sempre interessante gerar uma curva S padrão (ou teórica) para fins de estimativa de avanço. Chamamos de curva S padrão aquela proveniente de uma equação matemática, correspondendo a um comportamento ideal. Outra situação em que uma curva S padrão se faz oportuna é quando o planejador quer comparar a curva S do projeto com um parâmetro teórico, Cotejando as duas curvas, ele pode constatar quão distante o avanço previsto para o projeto está em relação a um avanço ideal perfeitamente equilibrado. MATTOS (2010) cita cinco opções de curva S padrão: 1) O projeto atinge 50 do avanço (Hh ou custo) em 50 do prazo total. 2) O projeto atinge 40 do avanço (Hh ou custo) em 50 do prazo total. 3) O projeto atinge 60 do avanço (Hh ou custo) em 50 do prazo total. 4) O projeto atinge 50 do avanço (Hh ou custo) em 40 do prazo total. 5) O projeto atinge 50 do avanço (Hh ou custo) em 60 do prazo total. De acordo com MATTOS (2010) a equação da curva S é dada por:

22 21 Figura 02 Equação da Curva S Fonte: MATTOS (2010) O coeficiente I é o porcentual do prazo no qual a curva de Gauss apresenta a sua ordenada máxima. É nesse instante que a curva S muda de concavidade. O coeficiente S baliza o formato mais ou menos fechado da curva. Para alguns valores de I e de s podem ocorrer distorções no comportamento da curva, o que leva o planejador a restringir o espectro ideal de trabalho (Lara,1996), conforme mostra a Tabela 1. Tabela 1 Limites de utilização dos coeficientes I e S Fonte: MATTOS (2010)

23 Benefícios da Curva S Segundo MATTOS (2010) do ponto de vista do controle, trabalhar com a curva S é uma prática que traz muitos benefícios para o gerente do projeto: é uma curva única que mostra o desenvolvimento do projeto do começo ao fim; é aplicável de projetos simples e pequenos a empreendimentos complexos e extensos; permite visualizar o parâmetro acumulado (trabalho ou custo) em qualquer época do projeto; aplica-se o detalhamento de engenharia por homem-hora; quantidade de serviço executado; uso de recurso ou valores monetários; é uma ótima ferramenta de controle previsto x realizado; é de fácil leitura e permite apresentação rápida da evolução do projeto; serve para decisões gerenciais sobre desembolsos e fluxo de caixa; de acordo com o formato do S, pode-se constatar se há grande (ou pequena) concentração de atividades no começo (ou fim) da obra. Se a curva do projeto ficar á esquerda da curva padrão (teórica), isso é sinal de que o cronograma tem alta concentração de atividades na etapa inicial do projeto. Exemplo desta curva é uma obra que foi planejada com várias frentes de trabalho simultâneas desde o início. Nessas circunstâncias, o custo/trabalho se acumula mais no início do que no final do cronograma. Já se a curva do projeto ficar a direita da curva teórica, isso é sinal de que o cronograma tem alta concentração de atividades na etapa final do projeto. Exemplo dessa curva é quando a obra apresenta um gargalho (é uma designação do componente que limita o desempenho ou a capacidade de todo um sistema) inicial que retarda a ocorrência de várias frentes de trabalho simultâneas. Nessas circunstâncias, o custo/trabalho se acumula mais no final de que no início do cronograma. Em ambos os casos vistos, o planejador pode tentar replanejar algumas etapas da obra a fim de aproximar a curva S da teórica e assim equilibrar melhor o esforço do projeto. 2.5 ORÇAMENTO

24 Definição MATTOS (2006) explica que a técnica orçamentária envolve a identificação, descrição, quantificação, análise e valorização de uma grande série de itens, requerendo, portanto, muita atenção e habilidade técnica. Como o orçamento é preparado antes da efetiva construção do produto, muito estudo deve ser feito para que não existam nem lacunas na composição do custo, nem considerações descabidas. Para MATTOS (2006) um dos fatores primordiais para um resultado lucrativo e o sucesso do construtor é uma orçamentação eficiente. Quando o orçamento é malfeito, fatalmente ocorrem imperfeições e possíveis frustrações de custo e prazo. Aliás, geralmente erra-se para menos, mas errar para mais tampouco é bom. De acordo com Mattos (2006) orçar não é um mero exercício de futurologia ou jogo de adivinhação. Um trabalho bem executado, com critérios técnicos bem estabelecidos, utilização de informações confiáveis e bom julgamento do orçamentista, pode gerar orçamentos precisos, embora não exatos, porque o verdadeiro custo de um empreendimento é virtualmente impossível de se fixar de antemão. O que o orçamento realmente envolve é uma estimativa de custos em função da qual o construtor irá atribuir seu preço de venda este sim, bem estabelecido. Em geral, um orçamento é determinado somando-se os custos diretos - mão-de-obra de operários, material, equipamento - e os custos indiretos - equipes de supervisão e apoio, despesas gerais do canteiro de obras, taxas, etc. - e por fim adicionando-se impostos e lucro para se chegar ao preço de venda Utilidades da Orçamentação Segundo MATTOS (2006), o propósito do orçamento não se resume à definição do custo da obra. Ele tem uma abrangência maior, servindo de subsídio para outras aplicações, tais como: Levantamento dos materiais e serviços;

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Davi Fagundes Leal 1,, Rita de Cássia Silva Sant Anna Alvarenga 2, Cássio de Sá Seron 3, Diôgo

Leia mais

Budget estimating of construction: Parametric technique for studies of viability of residential enterprises.

Budget estimating of construction: Parametric technique for studies of viability of residential enterprises. 1 VII Seminário Internacional da LARES 25 26 de outubro de 2007, São Paulo, Brasil Budget estimating of construction: Parametric technique for studies of viability of residential enterprises. Estimativa

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

Residencial Recanto do Horizonte

Residencial Recanto do Horizonte MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Recanto do Horizonte FUNDAÇÃO E ESTRUTURA As Fundações serão executadas de acordo com o projeto estrutural, elaborado de acordo com as normas técnicas pertinentes e baseadas

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo: TORRE 5 100% executado 98% executado - Revestimento fachada; 100% concluído - Aplicação de textura; 100% concluído - Execução do telhado; 100%

Leia mais

DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO

DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO Patrícia Moschen (1); Roberto de Oliveira (2); Mayra Soares de Mesquita Mororó (2); Luiz Fernando Mählmann

Leia mais

O diagrama de barras -

O diagrama de barras - 5 Avila & Jungles Planejamento & Controle de Empreendimentos 5.1 O objetivo. O diagrama de barras - porcentagem a ser realizada na unidade de tempo; etc. (SILVA, 2001). A maior desvantagem se encontra

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo SUMÁRIO DO PROJETO TORRE 5: 100% executado 95% executado - Revestimento fachada; - 100% concluído - Aplicação de textura; - 95% concluído -

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Áurea Araujo Bruel, Msc candidate Engenheira Civil, Mestranda do PPGCC/UFPR e-mail aabruel@yahoo.com.br

Leia mais

A Empresa. Mais de 6,0 mil unidades habitacionais entregues. Hoje em construção são mais de 4100 unidades

A Empresa. Mais de 6,0 mil unidades habitacionais entregues. Hoje em construção são mais de 4100 unidades A Empresa Completou 20 anos em Março 2015 Aproximadamente 500 mil m² de área construída Experiência em obras habitacionais, comerciais e industriais 01 A Empresa Atuação regional no interior do estado

Leia mais

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros.

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. EMPREENDIMENTOS PANTHEON - ROMA Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015.

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Tipologia Construtiva Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. TIPOLOGIA CONSTRUTIVA 1 SUB HABITAÇÃO 1.1- Sub-habitação Compostos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: Nova Instalação da SEMMAC LOCAL: Rua Dr. Lamartine Pinto de Avelar, 2338. Setor Ipanema. Catalão GO TIPO DE SERVIÇO: Reforma e Ampliação. 1.0 INTRODUÇÃO A finalidade do presente

Leia mais

Imprensa Oficial da Estância de Atibaia Sábado, 7 de setembro de 2013 - nº 1524 - Ano XVII - Caderno C - Volume V de V

Imprensa Oficial da Estância de Atibaia Sábado, 7 de setembro de 2013 - nº 1524 - Ano XVII - Caderno C - Volume V de V Prefeitura da Estância de Atibaia 201 Comércio - Precário Definição: Edificações inacabadas, deficiências aparentes, construídas com tijolos ou blocos. Coberta de telha ou laje pré moldada sem acabamento,

Leia mais

PCH SANTA LAURA CONTROLE DO PLANEJAMENTO. Giorgia Zomer Fenili GASPARETTO Engenheira Civil ENGEVIX ENGENHARIA S.A.

PCH SANTA LAURA CONTROLE DO PLANEJAMENTO. Giorgia Zomer Fenili GASPARETTO Engenheira Civil ENGEVIX ENGENHARIA S.A. COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS VI SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS BELO HORIZONTE MG, 21 A 25 DE ABRIL DE 2008 T23 A01 PCH SANTA LAURA CONTROLE DO PLANEJAMENTO Giorgia

Leia mais

MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA

MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA REFORMA E AMPLIAÇÃO DA ESCOLA MUNICIPAL PEDRO REZENDE DOS SANTOS 1 - OBJETO:

Leia mais

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO:

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: Localizado em Novo Hamburgo RS; 18000 m² de área construída; 72 Unidades 3 e 2 dormitórios; 26 Pavimentos; Tratamento e reutilização

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO O

MEMORIAL DESCRITIVO O MEMORIAL DESCRITIVO O presente memorial tem por objetivo estabelecer requisitos técnicos, definir materiais e padronizar os projetos e execuções da obra localizada na Rua Jorge Marcelino Coelho, s/n, Bairro

Leia mais

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

Integração entre PCP e Gestão de Custos: Curvas de Agregação de Recursos

Integração entre PCP e Gestão de Custos: Curvas de Agregação de Recursos Integração entre PCP e Gestão de Custos: Curvas de Agregação de Recursos Carlos T. Formoso Apresentação Técnica de planejamento e controle de obras: Reúne dados de orçamento e planejamento Utiliza dados

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO EMPREENDIMENTO RESIDENCIAL BARCELONA. Rua Catalunha, 213 - Bairro Santa Terezinha,Belo Horizonte -MG

MEMORIAL DESCRITIVO DO EMPREENDIMENTO RESIDENCIAL BARCELONA. Rua Catalunha, 213 - Bairro Santa Terezinha,Belo Horizonte -MG CNPJ:08.546.792/0001-06 Rua Casablanca 122 sala 20 Santa Terezinha-BH.-MG MEMORIAL DESCRITIVO DO EMPREENDIMENTO RESIDENCIAL BARCELONA Rua Catalunha, 213 - Bairro Santa Terezinha,Belo Horizonte -MG RESIDENCIAL

Leia mais

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS:

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: Á PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO EM ANEXO. VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: - 12 EDIFICIOS COM 10

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Residencial Nihal Rua Aragão Bozano, 131 Lotes 2, Quadra 57, Torres, RS

MEMORIAL DESCRITIVO. Residencial Nihal Rua Aragão Bozano, 131 Lotes 2, Quadra 57, Torres, RS MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Nihal Rua Aragão Bozano, 131 Lotes 2, Quadra 57, Torres, RS 1. LOCALIZAÇÃO: O empreendimento localiza-se à Rua Aragão Bozano,131 Lotes 2, Quadra 57, Praia Grande, Torres/RS.

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 FERRAMENTAS DA GESTÃO DE PROJETOS APLICADAS À EXECUÇÃO DA ALVENARIA ESTRUTURAL DE UM EDIFÍCIO Mariana Marques Ribeiro 1 mrmarques@yahoo.com.br Tarniê Vilela Nunes 2 tarnie.projetos@gmail.com Márcio Toshiaki

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS

Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS MEMORIAL DESCRITIVO: APRESENTAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: LOCALIZAÇÃO: Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS DESCRIÇÃO: Edifício

Leia mais

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências.

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito de Nova Mutum, Estado

Leia mais

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS Você foi incumbido do planejamento da execução do edifício habitacional, constituído por um subsolo, um pavimento térreo e oito pavimentos tipo, com

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE MODIFICAÇÕES EM APARTAMENTOS

PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE MODIFICAÇÕES EM APARTAMENTOS PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE MODIFICAÇÕES EM APARTAMENTOS Para solicitar modificações nos apartamentos, o cliente deverá vir até a empresa em horário comercial no setor de Projetos com sua carta de

Leia mais

RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA

RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco Depto. Eng. Construção Civil da EPUSP ARCO Assessoria em Racionalização Construtiva S/C ltda. arco@uol.com.br A busca de soluções para o aumento

Leia mais

poder de compra x custo da construção poder de compra:

poder de compra x custo da construção poder de compra: w ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO poder de compra x custo da construção poder de compra: - Conceito Geral - Engenheiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalberto1@terra.com.br custo

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM Com mais de 20 anos de experiência na fabricação de pré-moldados em concreto, a PRÉ-MOLD RM oferece uma completa linha de produtos para a dinamização de sua obra. Laje Treliçada Bidirecional; Laje Treliçada

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA (Versão resumida)

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA (Versão resumida) MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA (Versão resumida) TAMANHO E DEPENDÊNCIAS DO IMÓVEL Definido com o Corretor de Imóveis da negociação em conjunto com nosso Escritório de Arquitetura parceiro: FRAN Arquitetura

Leia mais

ANÁLISE DA PRODUTIVIDADE EM SERVIÇOS DE EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS

ANÁLISE DA PRODUTIVIDADE EM SERVIÇOS DE EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS ANÁLISE DA PRODUTIVIDADE EM SERVIÇOS DE EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO ESTUDO DE CASO EM FLORIANÓPOLIS Rodrigo Vieira Kotzias 1 ; Fernanda Fernandes Marchiori 2 1 UFSC, e-mail: rkotzias@hotmail.com

Leia mais

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR?

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento CONTROLE DE PROJETO PR.00 00 1 / 5 1. OBJETIVO Estabelecer as condições, características e responsabilidades para o desenvolvimento de projetos. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL 57 5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL O conjunto arquitetônico da residência de Antônio de Rezende Costa, que hoje abriga a Escola Estadual Enéas de Oliveira Guimarães foi pelos autores do presente

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES GLOBAIS DE SERVIÇOS E MATERIAIS REFORMA E ADAPATAÇÃO DO PRÉDIO DA ANTIGA CPFL - GRADUAÇÃO INSTITUTO UNI-FAMEMA / OSCIP Marília/SP ÍNDICE 1. PRELIMINARES. 2. DEMOLIÇÕES E RETIRADAS.

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia 4 1 INTRODUÇÃO Esse relatório tem como objetivo apresentar as atividades desenvolvidas pelo acadêmico Joel Rubens da Silva Filho no período do estágio obrigatório para conclusão do curso de Engenharia

Leia mais

MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA

MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA Sandra Maria Carneiro Leão Mestranda - Universidade Federal da Paraiba - Departamento de Engª de Produção Caixa Postal 5045 - CEP 58051-970 - João Pessoa

Leia mais

PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO

PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO Produto Aquisição de empreendimentos habitacionais na planta Sem custos de comercialização para o construtor Recursos do Fundo do Novo Programa Habitacional Público Alvo:

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO Sistema Construtivo Fabricado de acordo com a ISO 9002 Conforto as normas ASTM( EUA) e ABNT (Brasil). Comprovada em testes de desempenho realizados pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo

Leia mais

Plano de Manutenção e Conservação de Edificações

Plano de Manutenção e Conservação de Edificações Plano de Manutenção e Conservação de Edificações PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES Apresentação Este plano, preparado pela União das Faculdades de Alta Floresta, mantenedora da Faculdade

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

Para o desenvolvimento dos trabalhos e elaboração do presente laudo, foram executados os seguintes passos:

Para o desenvolvimento dos trabalhos e elaboração do presente laudo, foram executados os seguintes passos: 1. PRELIMINARES 1.1 Objetivo Constitui objetivo do presente trabalho a constatação do estado de conservação do Apartamento n 82 do Edifício Vivien Tereza, situado à Rua Domingos de Moraes, nº 348, Vila

Leia mais

Gestão de Custos. Conteúdo. Planejamento Integrado. Gestão de Custos. Conceitos Básicos de Gestão de Custos Integraçãoda Gestãode Custoscom o

Gestão de Custos. Conteúdo. Planejamento Integrado. Gestão de Custos. Conceitos Básicos de Gestão de Custos Integraçãoda Gestãode Custoscom o Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Especialização em Gerenciamento de Obras Planejamento Integrado Gestão de Custos Prof. Dayana Bastos Costa Conteúdo

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS DIRETRIZES BÁSICAS O orçamento de uma obra compõe-se de um conjunto de elementos capazes de quantificar e customizar

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das especificações de materiais, julgue os itens a seguir. 51 Os cimentos CP III cimentos portland de alto-forno e CP IV cimento portland pozolânico são menos porosos e resistentes, sendo ideais

Leia mais

Gestão tecnológica em obras de Alvenaria Estrutural

Gestão tecnológica em obras de Alvenaria Estrutural Gestão tecnológica em obras de Alvenaria Estrutural Estudo de caso : Conjunto Residencial Primavera - Itaquera Canteiro com múltiplos edifícios Eng. Leonardo Manzione Março de 2004 Agradecimentos Ao amigo

Leia mais

ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS

ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS ENSINO PARA A PRÁTICA DE PROJETO DE ESTRUTURAS Henrique Innecco Longo hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Escola de Engenharia Rua Brigadeiro Trompowsky s/n, Centro de

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA CIVIL GRUPAMENTO DE INFRAESTRUTURA E APOIO de SÃO JOSÉ DOS CAMPOS RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Aluno: Renato Rodrigues Teles

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Coordenadoria de Manutenção Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FUNCIONAL 3 3. ORGANOGRAMA: 3 4. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE UM CUSTO UNITÁRIO BÁSICO PARA EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS UNIFAMILIARES NO MUNICÍPIO DE JACINTO MACHADO SC

DETERMINAÇÃO DE UM CUSTO UNITÁRIO BÁSICO PARA EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS UNIFAMILIARES NO MUNICÍPIO DE JACINTO MACHADO SC DETERMINAÇÃO DE UM CUSTO UNITÁRIO BÁSICO PARA EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS UNIFAMILIARES NO MUNICÍPIO DE JACINTO MACHADO SC RESUMO Bruno Pereira Alexandre (1), Mônica Elizabeth Daré (2) UNESC Universidade

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO ANALISANDO A RIGIDEZ DO ENGASTAMENTO ENTRE VIGAS E PILARES E UTILIZANDO

Leia mais

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul 1. O presente memorial tem por

Leia mais

ELABORAÇÃO DE REDE PERT/CPM NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE MS PROJECT: UM ESTUDO DE CASO

ELABORAÇÃO DE REDE PERT/CPM NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE MS PROJECT: UM ESTUDO DE CASO ELABORAÇÃO DE REDE PERT/CPM NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE MS PROJECT: UM ESTUDO DE CASO Renata Brabo Mascarenhas Barra (UEPA ) renatabbarra@hotmail.com GABRELA ANDRADE

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. RESERVATÓRIO SUPERIOR: Este pavimento abrigará os reservatórios de água conforme projeto específico aprovado pelo SAMAE e PPCI.

MEMORIAL DESCRITIVO. RESERVATÓRIO SUPERIOR: Este pavimento abrigará os reservatórios de água conforme projeto específico aprovado pelo SAMAE e PPCI. MEMORIAL DESCRITIVO MAGNO RESIDENCIAL Rua José Caberlon, lote 18, quadra 3878, Bairro Bela Vista, Caxias do Sul INCORPORAÇÃO: SUPREMA INCORPORADORA Rua Alfredo Chaves, 927/505 Centro Caxias do Sul. O presente

Leia mais

GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM CANTEIROS DE OBRAS CONVENCIONAL E PAINEL: ESTUDO DE CASO DE UMA CONSTRUTORA EM ARACAJU/SE

GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM CANTEIROS DE OBRAS CONVENCIONAL E PAINEL: ESTUDO DE CASO DE UMA CONSTRUTORA EM ARACAJU/SE GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM CANTEIROS DE OBRAS CONVENCIONAL E PAINEL: ESTUDO DE CASO DE UMA CONSTRUTORA EM ARACAJU/SE Izadora Santana da Cruz (1) Tecnóloga em Saneamento Ambiental

Leia mais

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO PROJETO Arnoldo Wendler Sistema Construtivo 1 Sistema Construtivo 2 Sistema Construtivo Sistema Construtivo 3 Sistema Construtivo Comunidade da Construção DIRETRIZES

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO 1. OBJETIVO 1.1. Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração dos

Leia mais

Edifício Varadero Residencial

Edifício Varadero Residencial Edifício Varadero Residencial MEMORIAL DESCRITIVO PADRÃO 1. Infra-Estrutura: 2. Supra-Estrutura: 3. Alvenarias: Movimentação de Terra: Será realizada a limpeza do terreno, removendo todo o obstáculo que

Leia mais

Memorial Descritivo Condomínio Residencial Renascer

Memorial Descritivo Condomínio Residencial Renascer Memorial Descritivo Memorial Descritivo Condomínio Residencial Renascer Um novo tempo. Sua nova vida. Incorporação e Construção: JDC Engenharia Ltda Empreendimento: Construção de 2 torres residenciais,

Leia mais

TRABALHO PRÁTICO. Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício.

TRABALHO PRÁTICO. Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício. TRABALHO PRÁTICO Objetivo: acompanhamento da execução de uma obra de um edifício. Grupos: grupos de TRÊS ou QUATRO participantes, necessariamente todos da mesma turma (Turma AC - manhã e Turma BD - tarde

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 QUANTIFICAÇÃO BASEADA EM MODELAGEM BIM: VALIDAÇÃO E FOMENTO DE PRÁTICA PROJETUAL A PARTIR DA MODELAGEM DA CASA BAETA. Diogo Humberto Muniz¹;Rodrigo Luiz Minot Gutierrezr 2 1, 2 Universidade de Uberaba

Leia mais

Edição 134 -Setembro/2012

Edição 134 -Setembro/2012 Edição 134 -Setembro/2012 Produção organizada Planejamento da obra requer projeto detalhado do canteiro e levantamento completo das informações acerca de equipamentos, materiais e perfil das equipes que

Leia mais

O canteiro de obras é a área de trabalho fixa e temporária, onde se desenvolvem operações de apoio e execução de uma obra (NR-18).O conjunto de áreas

O canteiro de obras é a área de trabalho fixa e temporária, onde se desenvolvem operações de apoio e execução de uma obra (NR-18).O conjunto de áreas Infinite Cursos. O canteiro de obras é a área de trabalho fixa e temporária, onde se desenvolvem operações de apoio e execução de uma obra (NR-18).O conjunto de áreas destinadas à execução e apoio dos

Leia mais

BANCO DO BRASIL S.A.

BANCO DO BRASIL S.A. BANCO DO BRASIL S.A. MANUAL DE PREENCHIMENTO: - ORÇAMENTO - ORÇAMENTO - CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO - PLANILHA DE LEVANTAMENTO DE SERVIÇOS (PLS) 2 ÍNDICE: I - INTRODUÇÃO:...4 II - FLUXO ENGENHARIA CENOP

Leia mais

N RM R ATI T VO DE VEN E D N AS

N RM R ATI T VO DE VEN E D N AS NORMATIVO DE VENDAS VERTICE CENTRO DE NEGÓCIOS LTDA CNPJ/MF nº 15.265.825/0001-0505 Rua Padre Miguel, nº 65, Nova Parnamirim, CEP O empreendimento Denominado Vértice Ouro Negro, o empreendimento é composto

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015. Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC

MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015. Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015 Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES 1.1. RESPONSÁVEL TÉCNICO PELO PROJETO Carlos Henrique Nagel Engenheiro

Leia mais

RESIDENCIAL PINHEIROS

RESIDENCIAL PINHEIROS RESIDENCIAL PINHEIROS O Residencial Pinheiros é um empreendimento financiado pela Caixa Econômica Federal, no programa Minha Casa, Minha Vida, localizado na cidade de Pelotas, no bairro Fragata situado

Leia mais

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Será que é resistente? Aceita qualquer revestimento? E se molhar? Esse mar de dúvidas invade

Leia mais

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 2a. parte: ECONÔMICA-ESTUDO DE CASO KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br UNIVERSIDADE

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S Professora: Eng. Civil Mayara Custódio, Msc. PERT/CPM PERT Program Evaluation and Review Technique CPM Critical Path Method Métodos desenvolvidos em

Leia mais

Construção Civil - DISO- ART ARO - Regularização de Obras - Alterações na IN RFB 971 09

Construção Civil - DISO- ART ARO - Regularização de Obras - Alterações na IN RFB 971 09 Construção Civil - DISO- ART ARO - Regularização de Obras - Alterações na IN RFB 971 09 Instrução Normativa RFB nº 1.477/2014 - DOU: 04.07.2014 Altera a Instrução Normativa RFB nº 971, de 13 de novembro

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre INDICE 1. GENERALIDADES 1.1. OBJETOS E DADOS 1.2. NORMAS 1.3. PLANTAS 2. INTERPRETAÇÃO 3. PRÉDIO 3.1.

Leia mais

Parede de Garrafa Pet

Parede de Garrafa Pet CONCEITO As paredes feitas com garrafas pet são uma possibilidade de gerar casas pré fabricadas através da reciclagem e é uma solução barata e sustentável. As garrafas pet são utilizadas no lugar dos tijolos

Leia mais

de planejamento: Carlos T. Formoso Professor e pesquisador do NORIE - UFRGS

de planejamento: Carlos T. Formoso Professor e pesquisador do NORIE - UFRGS Técnicas de planejamento: papéis e critérios rios para seleção Carlos T. Formoso Professor e pesquisador do NORIE - UFRGS Técnicas de OBRA : Pôr do Sul Engenheiro Responsável: Carlos Eduardo Mestre: Osmar

Leia mais

Marcelo Ribeiro de Godoi. Orçamento Fácil Construção Civil Predial

Marcelo Ribeiro de Godoi. Orçamento Fácil Construção Civil Predial Marcelo Ribeiro de Godoi Orçamento Fácil Construção Civil Predial Março/2009 Orçamento Fácil Construção Civil Predial 7 Capítulos 1ª edição - 1998 2ª edição - 2003 3ª edição - 2008 4ª edição - 2009 Copyright

Leia mais

Relatório de Estágio Curricular. Rafael Menezes Albuquerque

Relatório de Estágio Curricular. Rafael Menezes Albuquerque Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Rafael Menezes Albuquerque São José dos Campos Novembro2005 Relatório de Estágio

Leia mais

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PRINCIPÍOS BÁSICOS PARA PROJETOS/ MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO EM ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS DE CONCRETO ARQUITETA NANCI CRUZ MODULAÇÃO

Leia mais

CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E PRÉ-FORMAS

CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E PRÉ-FORMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E PRÉ-FORMAS Aulas 5-8 Gerson Moacyr Sisniegas Alva DESENVOLVIMENTO

Leia mais

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre a atualização do artigo 1º, da Lei da Lei Complementar nº 241 de 24 de Fevereiro de 2015, onde trata da Tabela nº 05, Anexo II - Planta Genérica

Leia mais

PROBLEMAS DETECTADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL INDUSTRIALIZADA E SISTEMAS CONVENCIONAIS.

PROBLEMAS DETECTADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL INDUSTRIALIZADA E SISTEMAS CONVENCIONAIS. PROBLEMAS DETECTADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL INDUSTRIALIZADA E SISTEMAS CONVENCIONAIS. BARBOSA, Luciano Henrique Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva RESUMO No Brasil, hoje existe a necessidade

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

REVIT ARQUITECTURE 2013

REVIT ARQUITECTURE 2013 REVIT ARQUITECTURE 2013 O Revit 2013 é um software de Tecnologia BIM, que em português significa Modelagem de Informação da Construção. Com ele, os dados inseridos em projeto alimentam também um banco

Leia mais

Etapas e Serviços da Construção

Etapas e Serviços da Construção Especificação da Construção Capítulo 2 Etapas e Serviços da Construção 2.1 Introdução Antes de qualquer outra coisa, e dispondo basicamente do conjunto de documentos contendo a especificação da obra, um

Leia mais

Má execução de obras de Engenharia com estudo de casos

Má execução de obras de Engenharia com estudo de casos Má execução de obras de Engenharia com estudo de casos Engª MsC Silvania Miranda do Amaral Engenheira Civil e de Segurança do Trabalho Especialista em Georreferenciamento Mestre em Engenharia Civil Má

Leia mais