RELATÓRIO SEMESTRAL Nº 08 AGOSTO/2011 GERENCIAMENTO AMBIENTAL DA AVENIDA PERIMETRAL DA MARGEM DIREITA DO PORTO DE SANTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO SEMESTRAL Nº 08 AGOSTO/2011 GERENCIAMENTO AMBIENTAL DA AVENIDA PERIMETRAL DA MARGEM DIREITA DO PORTO DE SANTOS"

Transcrição

1 RELATÓRIO SEMESTRAL Nº 08 AGOSTO/2011 GERENCIAMENTO AMBIENTAL DA AVENIDA PERIMETRAL DA MARGEM DIREITA DO PORTO DE SANTOS COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CODESP CONTRATO DP/

2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO PROGRAMA DE GERENCIAMENTO AMBIENTAL DA FASE DE OPERAÇÃO Planejamento do Gerenciamento Ambiental Objetivos Metodologia Adotada Procedimento Executivo Elaboração de Procedimentos Desenvolvimento do Gerenciamento Ambiental Durante a Operação Reuniões de Acompanhamento Monitoramento e Avaliação dos Programas Ambientais PROGRAMA DE PLANTIOS COMPENSATÓRIOS PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PRAD PROGRAMA DE VERIFICAÇÃO DE RUÍDO E VIBRAÇÃO Considerações e Recomendações Propostas aos resultados obtidos do parâmetro ruído na zona lindeira ao Viaduto Da Santa, Santos SP Considerações e Recomendações propostas aos resultados obtidos do parâmetro ambiental de vibração na zona lindeira ao Viaduto Da Santa, Santos Sp Equipe Técnica Anexos

3 1. INTRODUÇÃO O presente documento refere-se ao 8 Relatório Semestral de Atividades do Gerenciamento Ambiental da Avenida Perimetral da Margem Direita do Porto de Santos (Figura 01), projeto de responsabilidade da Companhia Docas do Estado de São Paulo CODESP, com execução das obras a cargo da Construtora OAS Ltda e Consórcio formado entre a Construtora OAS e a Galvão Engenharia. Compreende o período de 01/03/2009 e 31/08/2011, e foi elaborado em atendimento à condicionante 2.5 da Licença de Instalação nº. 386/2006 emitida pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA. As obras de melhoria do Sistema Viário da Margem Direita do Porto de Santos estão vinculadas à Regularização Ambiental do Porto de Santos, no âmbito de obras a serem licenciadas em conjunto com a Regularização. Em 31/08, foi protocolado o Ofício DI-GD/ (Anexo 01)que informa sobre a entrega do Estudo Ambiental para regularização ambiental do Porto de Santos (processo n / ). Neste ofício é solicitada a autorização para a realização das obras de dragagem de manutenção do canal de navegação, acesso aos berços e berços de atracação; obras de manutenção ou de construção de pequeno porte realizadas pela CODESP e construção da avenida interna entre o Canal 4 e a Praça da Santa. É solicitada também a emissão da Licença de Operação para os trechos já concluídos da Av. Perimetral da Margem Direita (Praça Barão do Rio Branco até o Canal 4). O monitoramento ambiental, no período de implantação das obras do trecho da Avenida Perimetral da Margem Direita, ficou a cargo da empresa CPEA - Consultoria, Planejamento e Estudos Ambientais. Este monitoramento deu-se no período de março de 2007 e fevereiro de 2011, e foi encerrado por meio do Relatório Final Consolidado, protocolado em 19 de maio de 2011 (Anexo 02). 3

4 Figura 01 Localização do trecho objeto do monitoramento. Fonte: Imagem de satélite obtida através do Google Earth (2011). Av. Perimetral Trecho em Monitoramento Viaduto da Santa Canal 4 Apresentar ao IBAMA além do relatório final consolidado, relatórios semestrais referentes às obras contendo as seguintes informações: - atividades executadas nos projetos contemplados no PBA quais sejam: Programa de Controle das Ações de Obras e Subprograma de Controle de Resíduos Sólidos, Programa de Plantios Compensatórios, Programa de Verificação de Ruído e Vibração, Programa de Comunicação, Programa de Gestão Ambiental e Programa de Educação Ambiental. - atividades executadas no PRAD. A Licença de Instalação Nº 386 foi renovada pelo IBAMA em 26 de agosto de 2008, válida pelo período de quatro anos. As atividades de gerenciamento ambiental têm como objetivo acompanhar e fiscalizar a implementação dos Programas Ambientais propostos no Plano 4

5 Básico Ambiental PBA, elaborado pela empresa de consultoria Arcadis Tetraplan, documento que serviu de base para a Licença de Instalação. Os programas ambientais contemplados no âmbito do Gerenciamento Ambiental para a fase de operação do trecho entre o Canal 4 até a Praça da Santa, da Avenida Perimetral da Margem Direita, estão apresentados a seguir : I. Programa de Gerenciamento Ambiental II. III. IV. Programa de Plantios Compensatórios. Programa de Recuperação de Áreas Degradadas voltado ao canteiro de obras (implementação a cargo da Construtora OAS e da CODESP e acompanhamento a cargo da DTA Engenharia). Programa de Verificação de Ruído e Vibração (implementação e acompanhamento a cargo da DTA Engenharia). Este documento foi elaborado pela DTA Engenharia empresa responsável pelo Gerenciamento Ambiental da Fase de Operação em contrato específico estabelecido com a CODESP. 2. PROGRAMA DE GERENCIAMENTO AMBIENTAL DA FASE DE OPERAÇÃO O Programa de Gerenciamento Ambiental responde pelo planejamento integrado e pelo acompanhamento do atendimento aos Programas Ambientais, potencializando os efeitos sócio-ambientais positivos das diversas ações previstas Planejamento do Gerenciamento Ambiental A DTA Engenharia desenvolveu um Plano de Trabalho para o atendimento do Plano Básico Ambiental para a Melhoria do Sistema Viário da Margem Direita do Porto de Santos, o qual contempla os procedimentos de monitoramento da Avenida Perimetral da Margem Direita, no trecho entre a Praça da Santa e a Avenida Siqueira Campos - Canal 4 descrito abaixo. 5

6 2.1.1 Objetivos O trabalho desenvolvido tem a finalidade de implementar, acompanhar e fiscalizar os Programas Ambientais definidos no Plano Básico Ambiental referente à melhoria do Sistema Viário do Porto de Santos que contempla a Avenida Perimetral Portuária da Margem Direita no trecho entre a Praça da Santa e o Canal 4, a fim de mitigar, minimizar e compensar os impactos ambientais causados pela implantação do empreendimento Metodologia Adotada O desenvolvimento dos trabalhos é realizado conforme determina o Termo de Referência da Concorrência nº09/2010 anexo ao contrato DP/15.201, assim como as definições do Plano Básico Ambiental (PBA) que apresenta os Programas Ambientais para as fases de implantação e operação do empreendimento Procedimento Executivo Com o início da desmobilização do Canteiro de Obras da Ponta da Praia, o empreendimento é considerado em Fase de Operação. Em conformidade com o PBA e o Termo de Referência apresentado pela CODESP, o procedimento de execução do gerenciamento dos Programas Ambientais para a Fase de Operação do empreendimento compreende o acompanhamento e fiscalização da implantação dos Programas de Recuperação de Áreas Degradas (voltado ao canteiro de obras) e de Ruído e Vibração. Programa de Verificação de Vibrações e Ruídos: Realização de campanha de monitoramento de ruído e vibrações na área de influência do empreendimento, após sua entrada em operação. Este programa compreende a quantificação e avaliação dos impactos ambientais positivos e negativos devidos a ruído e vibrações causados pelas 6

7 obras ou pelo tráfego de veículos na Avenida Perimetral Portuária, bem como avaliação da necessidade de medidas corretivas. Programa de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD): Voltado ao Canteiro de Obras da Ponta da Praia. Este programa compreende procedimentos adotados logo após o término das obras civis: desmobilização das instalações do canteiro de obras, bem como remoção da infra-estrutura instalada para o canteiro de obras, destinação final de materiais diversos, resíduos e equipamentos, limpeza total da área utilizada como canteiro de obras, que é de propriedade da CODESP, para futura utilização. Programa de Plantios Compensatórios: Manutenção do Plantio do Projeto Paisagístico da Avenida Perimetral Portuária e Plantio Compensatório pela interferência em APP do rio Saboó. O Programa de Plantios Compensatórios está sendo gerido pela CODESP, a qual assumiu a responsabilidade técnica do programa. É de responsabilidade, também, a confecção de relatórios técnicos para os órgãos ambientais (IBAMA e SEMAM/Santos). O plantio das mudas e sua manutenção estão sendo realizados pela empresa Comercial Medeiros Elaboração de Procedimentos Foram definidos conjuntamente entre a DTA Engenharia e a CODESP os seguintes procedimentos: Reuniões de Coordenação com a presença de todos os envolvidos nesta etapa do projeto. O registro da reunião é consignado por meio do documento Ata de Reunião AR devidamente numerado e datado; Os registros da comunicação entre a empresa gerenciadora e a CODESP são feitos por meio do documento de Comunicação Interna datado e numerado; 7

8 Os Procedimentos Ambientais - PAs a ser seguidos durante a fase de operação foram estabelecidos por meio do Plano Ambiental Básico PAB; As inspeções semanais realizadas pela equipe de gerenciamento são registradas em documento denominado Relatório de Inspeção Semanal RIS e quando verificado que qualquer procedimento esteja em desacordo com o estabelecido nos Procedimentos Ambientais é emitido um Relatório de Não-Conformidade RNC. Durante o período de monitoramento, não foi constatado nenhuma irregularidade nos procedimentos ambientais e, por tanto, não foi emitido nenhum RNC referente à esse período. Os Relatórios de Inspeção Semanal são compilados de forma a se estruturar os Relatórios Mensais, contendo as informações das atividades e procedimentos do mês decorrente; Os Relatórios Mensais fornecem informações do período de acompanhamento para o desenvolvimento dos Relatórios Semestrais, que são submetidos ao IBAMA, visando à obtenção da Licença de Operação Desenvolvimento do Gerenciamento Ambiental Durante a Operação A DTA Engenharia estabeleceu em conjunto com a Gerência de Meio Ambiente da CODESP (GPM), uma rotina de vistorias e inspeções semanais no trecho em questão, estas documentadas através dos Relatórios de Inspeção Semanal. Os Relatórios Mensais são elaborados com as informações contidas nos Relatórios de Inspeção Semanal. E por fim, as informações contidas no presente relatório foram extraídas dos Relatórios Mensais RM 01, 02, 03, 04 e Reuniões de Acompanhamento Durante este período do gerenciamento ambiental foram realizadas as seguintes reuniões: Reuniões da equipe de Gerenciamento Ambiental, para discussão dos procedimentos, propostas e resultados. 8

9 Reuniões Ordinárias: com representantes da CODESP, e DTA ENGENHARIA, denominadas Reuniões de Coordenação Monitoramento e Avaliação dos Programas Ambientais A. Fiscalização Ambiental No período de 17 de março de 2011 a 31 de agosto de 2011 as atividades de monitoramento desenvolveram-se no Trecho Viaduto da Santa Canal 4, como mencionado acima. A DTA ENGENHARIA realizou inspeções neste período, com emissão de 20 Relatórios de Inspeção Semanal RIS, devidamente consolidados em 05 Relatórios Mensais, visando acompanhar a implementação dos procedimentos de obra previstos no PAB da Construtora OAS. B. Relatório de Não Conformidade (RNC) No período de obras, não foram elaborados RNC específicos, resultantes das inspeções ou relacionados a outros procedimentos complementares do gerenciamento. C. Elaboração de Relatórios de Monitoramento Ambiental Foram entregues quatro Relatórios de Monitoramento Ambiental, referente ao período de 17/03/2011 a 31/08/2011 em atendimento ao item 2.5 da LI n 386/2006 e considerando o início dos trabalhos da DTA ENGENHARIA em 17/03/2011, sendo estes: o Primeiro Relatório Mensal, protocolado e apresentado na CODESP em ; o Segundo Relatório, protocolado na CODESP em ; o Terceiro Relatório, protocolado na CODESP em ; o Quarto Relatório, protocolado na CODESP em ; D. Relatório Semestral Consolidado para o IBAMA 9

10 Em atendimento ao item 2.5 da LI n 386/2006 apresentamos ao IBAMA, através deste, o Oitavo Relatório Semestral consolidado referente à fase de operação. Este relatório abrange os cinco meses de monitoramento elaborados pela DTA Engenharia citados acima, apresentando os aspectos observados nas vistorias (os quais foram apontados nos Relatórios de Inspeção Semanal e Relatórios Mensais) assim como seus possíveis impactos e as respectivas recomendações e ações mitigadoras. A seguir, são apresentados os principais pontos monitorados organizados em ordem cronológica. Pode-se observar que alguns aspectos se repetiram por todo período de monitoramento, e já outros, sofreram ações mitigatórias ou corretivas como demonstrado neste item. Manilhas e peças de concreto (material classificado, de acordo com a Resolução CONAMA nº 307/02, na Classe A - resíduos reutilizáveis ou recicláveis como agregados) dispostas inadequadamente conforme as Fotos 01 a 05 resultam na degradação da área, podendo acarretar em impactos como a alteração da qualidade da paisagem e do ambiente local. Em todos os Relatórios Mensais foi recomendada, para a situação diagnosticada, a correta destinação desses materiais. Para aqueles resíduos passíveis de reaproveitamento, foi sugerida a triagem e a definição do uso futuro. 10

11 Foto 01 Manilhas e placa de concreto remanescentes dos serviços de execução do sistema de drenagem junto ao acesso a Av. Siqueira Campos. (Referente ao RM 01-20/04/2011) Foto 02 Manilhas e placa de concreto remanescentes dos serviços de execução do sistema de drenagem junto ao acesso a Av. Siqueira Campos. (Referente ao RM 02-28/05/2011) Foto 03 Manilhas e placa de concreto remanescentes dos serviços de execução do sistema de drenagem junto ao acesso a Av. Siqueira Campos. (Referente ao RM 03-01/07/2011) Foto 04 Manilhas e placa de concreto remanescentes dos serviços de execução do sistema de drenagem junto ao acesso a Av. Siqueira Campos. (Referente ao RM 04-29/07/2011) Foto 05 Manilhas e placa de concreto remanescentes dos serviços de execução do sistema de drenagem junto ao acesso a Av. Siqueira Campos. (Referente ao RM 05-26/08/2011) 11

12 As Fotos 06 a 10 apresentam o trecho de calçamento inacabado na Av. Siqueira Campos. Apesar de se encontrar em fase de operação, ainda há locais onde se encontram solo exposto, sem impermeabilização e sinalização adequada para os pedestres e usuários. Esta situação é propícia ao carreamento do solo exposto para o sistema de drenagem de águas pluviais, podendo causar o assoreamento e entupimento da rede. Além disto, em dias secos e com ocorrência de ventos moderados a fortes, o solo exposto pode sofrer arrasto e suspensão de poeira, alterando a qualidade do ar local. Para esta situação foram recomendadas as seguintes ações mitigatórias: finalização dos calçamentos, implantação provisória de sinalização de obra e isolamento da área e, também, a umidificação do local, caso existam trabalhadores, além de transeuntes, no entorno para evitar a ressuspensão de poeira. 12

13 Foto 06 - Trecho inacabado de calçamento próximo ao acesso a Av. Siqueira Campos. (Referente ao RM 01-20/04/2011) Foto 07 - Trecho inacabado de calçamento próximo ao acesso a Av. Siqueira Campos. (Referente ao RM 02-03/06/2011 Foto 08 - Trecho inacabado de calçamento próximo ao acesso a Av. Siqueira Campos. (Referente ao RM 03-01/07/2011) Foto 09 - Trecho inacabado de calçamento próximo ao acesso a Av. Siqueira Campos. (Referente ao RM 04-29/07/2011) 13

14 Foto 10 - Trecho inacabado de calçamento próximo ao acesso a Av. Siqueira Campos. (Referente ao RM 05 26/08/2011) Resíduos de asfalto, dispostos de forma inadequada em frente ao Terminal de Passageiros (CONCAIS) conforme as Fotos 11 a 15 são classificados, de acordo com a Resolução CONAMA nº 307/02, na Classe A (resíduos reutilizáveis ou recicláveis como agregados). Foi verificada, neste trecho, a presença de solo exposto, sem impermeabilização e sinalização adequada para os pedestres e usuários. Esta situação resulta na degradação da área, alteração da qualidade do meio ambiente local e consequentemente na qualidade de vida da população. Situação propícia, também, para o carreamento do solo exposto ao sistema de drenagem de águas pluviais, o que pode causar o assoreamento e entupimento da rede de drenagem. Além disso, em dias secos e com ocorrência de ventos moderados a fortes, o solo exposto pode sofrer arrasto e suspensão de poeira, alterando a qualidade do ar local. Para a diminuição do impacto diagnosticado, foi recomendada a finalização dos calçamentos em questão, assim como a sinalização indicativa de obra durante todo o processo de execução dos serviços nos locais apresentados. Até que ocorra o reparo, sugere-se a umidificação do solo para evitar a re-suspensão de poeira. 14

15 Foto 11 - Resíduos de asfalto dispostos de forma inadequada em frente ao CONCAIS. (Referente ao RM 01-06/05/2011) Foto 12 - Resíduos de asfalto dispostos de forma inadequada em frente ao CONCAIS. (Referente ao RM 02-28/05/2011) Foto 13 - Resíduos de asfalto dispostos de forma inadequada em frente ao CONCAIS. (Referente ao RM 03-01/07/2011) Foto 14 - Resíduos de asfalto dispostos de forma inadequada em frente ao CONCAIS. (Referente ao RM 04 29/07/2011) Foto 15 - Resíduos de asfalto dispostos de forma inadequada em frente ao CONCAIS. (Referente ao RM 05 26/08/2011) 15

16 As Fotos 16 a 20 apresentam a disposição contínua de postes de metais verificados em todos os Relatórios Mensais. A disposição desses materiais, da forma apresentada, resulta na degradação da área, podendo acarretar em impactos como a alteração da qualidade da paisagem e do ambiente local. Para a situação diagnosticada, foi recomendada a correta destinação desses materiais. Para aqueles resíduos passíveis de reaproveitamento, foi sugerida a triagem e a definição do uso futuro. 16

17 Foto 16 - Postes de concreto dispostos na Praça de Outeirinhos. (Referente ao RM 01-08/04/2011) Foto 17 - Postes de concreto dispostos na Praça de Outeirinhos. (Referente ao RM 02-03/06/2011) Foto 18 - Postes de concreto dispostos na Praça de Outeirinhos. (Referente ao RM 03-24/06/2011) Foto 19 - Postes de concreto dispostos na Praça de Outeirinhos. (Referente ao RM 04-22/07/2011) Foto 20 - Postes de concreto dispostos na Praça de Outeirinhos. (Referente ao RM 05-26/08/2011) 17

18 A sucata metálica (Fotos 21 a 25) é classificada de acordo com a Resolução CONAMA nº 307/02, na Classe B (resíduos recicláveis para outras destinações, tais como: plásticos, papel/papelão, metais, vidros, madeiras e outros). O comprometimento da qualidade do ambiente, da paisagem local e prejuízos às condições de tráfego de pedestres são impactos decorrentes das evidências verificadas. Para a situação verificada, recomendou-se a finalização da demolição dos lastros em questão, a segregação e a destinação final dos entulhos e resíduos. Para aqueles resíduos passíveis de reaproveitamento, sugere-se a triagem e a definição do uso futuro. O Assunto foi abordado pela 1ª vez no RIA nº 436 de 28/01/10 item Gerenciamento de Resíduos sendo apontado desde então nos relatórios subsequentes. As solicitações de providências encaminhadas no RIA supracitado não tiveram respostas gerando o Relatório de Não Conformidade nº 28 de 28/01/2010. Após o passivo detectado e informado, também, nos Relatórios de Inspeção Semanal, os processos de demolição iniciaram com a retirada parte do material ferroso dos lastros. Porém os serviços de demolição foram interrompidos e os lastros ainda permanecem no local. 18

19 Foto 21 - Sucata metálica sob o viaduto Lastros de antigos guindastes em processo demolição e segregação. (Referente ao RM 01-06/05/2011) Foto 22 - Sucata metálica sob o viaduto Lastros de antigos guindastes em processo demolição e segregação. (Referente ao RM 02-28/05/2011) Foto 23 - Sucata metálica sob o viaduto Lastros de antigos guindastes em processo demolição e segregação. (Referente ao RM 03-01/07/2011) Foto 24 - Sucata metálica sob o viaduto Lastros de antigos guindastes em processo demolição e segregação. (Referente ao RM 04-29/07/2011) Foto 25 - Sucata metálica sob o viaduto Lastros de antigos guindastes em processo demolição e segregação. (Referente ao RM 05-26/08/2011) 19

20 A situação evidenciada nas Fotos 26 e 27 pode causar o carreamento de solo exposto e assoreamento do sistema de drenagem e/ou do corpo hídrico mais próximo, além de alterar a qualidade do ar devido à ressuspensão de materiais particulados. Foi recomendada a conclusão da execução dos reparos no pavimento no local apontado, mantendo a sinalização indicativa de obra durante todo o processo de execução dos serviços nos locais apresentados. As Fotos 28 e 29 apresentam materiais remanescentes de obras civis e acúmulo de outros resíduos dispostos em área localizada entre o escritório da ALL e a rampa do Acesso 1 do Viaduto da Santa. Esse material é classificado, de acordo com a Resolução CONAMA nº 307/02, na Classe A (resíduos reutilizáveis ou recicláveis como agregados), porém o material descartado dentro do tambor que se encontra no local deverá passar por processo de segregação e classificação conforme a verificação da classe do conteúdo e destinado de forma adequada atendendo a resolução citada acima. A situação verificada resulta na alteração da qualidade do ambiente local e consequentemente na qualidade da vida da população, além de se tornar um local propício para o desenvolvimento de pragas urbanas. Para tanto, foi recomendada a destinação adequada desses materiais. 20

21 Foto 26 - Solo remanescente das obras dispostas entre o Escritório da ALL e a rampa de Acesso 1 do Viaduto da Santa. (Referente ao RM 01-20/04/2011) Foto 27 - Solo remanescente das obras dispostas entre o Escritório da ALL e a rampa de Acesso 1 do Viaduto da Santa. (Referente ao RM 05-26/08/2011) Foto 28 - Material remanescente das obras civis ocasionando acúmulo de água e resíduos. (Referente ao RM 01-06/05/2011) Foto 29 - Material remanescente das obras civis ocasionando acúmulo de água e resíduos. (Referente ao RM 05-26/08/2011) 21

22 As Fotos 30 a 34 apresentam peças de concreto dispostas sob o viaduto. O material remanescente compromete a qualidade do ambiente local causando prejuízos a paisagem. Verificou-se a presença de solo exposto, sem impermeabilização e sinalização adequada para os pedestres e usuários. Esta situação é propícia para o carreamento do solo exposto ao o sistema de drenagem de águas pluviais podendo causar o assoreamento e entupimento deste sistema. Foi solicitada a retirada e/ou utilização do material armazenado. Foi recomendado, também, reparos na cobertura do solo exposto com placas de grama. Até a execução deste reparo, sugere-se também a umidificação do solo para evitar a re-suspensão de poeira. Ainda neste trecho (Foto 34), foi verificada a reposição das placas de grama danificadas no processo de execução da ciclovia. 22

23 Foto 30 - Peças de concreto sob o viaduto junto ao pilar de sustentação e calçamento inacabado no Viaduto da Santa. (Referente ao RM 01-20/04/2011) Foto 31 - Peças de concreto sob o viaduto junto ao pilar de sustentação e calçamento inacabado no Viaduto da Santa. (Referente ao RM 02-28/05/2011) Foto 32 - Peças de concreto sob o viaduto junto ao pilar de sustentação e calçamento inacabado no Viaduto da Santa. (Referente ao RM 03 24/06/2011) Foto 33 - Peças de concreto sob o viaduto junto ao pilar de sustentação e calçamento inacabado no Viaduto da Santa. (Referente ao RM 04-22/07/2011) Foto 34 - Peças de concreto sob o viaduto junto ao pilar de sustentação e início do plantio de placas de grama em leiva no Viaduto da Santa. (Referente ao RM 05-26/08/2011) 23

24 As Fotos 35 a 39 demonstram a cronologia da execução das obras de construção do trecho inacabado da ciclovia. Este panorama foi monitorado no início das obras, implantação do aterro, início da execução da ciclovia e, por fim, na construção do muro de arrimo. A situação diagnosticada é propícia para o carreamento de solo exposto ao o sistema de drenagem de águas pluviais que pode causar o assoreamento e entupimento deste sistema. Ainda, em dias secos e com ocorrência de ventos moderados a fortes, o solo pode sofrer arrasto e suspensão de poeira, alterando a qualidade do ar local. Foi recomendada a conclusão da execução dos serviços acrescentando a sinalização indicativa de obra durante todo o processo de execução nos locais apresentados. Até que seja finalizada a obra, sugeriu-se também a umidificação do solo para evitar a re-suspensão de poeira. 24

25 Foto 35 Trecho inacabado da ciclovia, junto ao acesso 2 do viaduto da Santa. (Referente ao RM 01-20/04/2011) Foto 36 - Execução de trecho inacabado da ciclovia Preenchimento de rampa com aterro. (Referente ao RM 02-03/06/2011) Foto 37 - Execução de trecho inacabado da ciclovia Preenchimento de rampa com aterro. (Referente ao RM 03-01/07/2011) Foto 38 Trecho da ciclovia e processo de construção. (Referente ao RM 04-29/07/2011) Foto 39 - Muro de arrimo executado em processo de demolição visando realinhamento da ciclovia. (Referente ao RM 05-26/08/2011) 25

26 As Fotos 40 a 44 evidenciam a problemática dos processos erosivos junto a descida do Acesso 2 do viaduto causando a desagregação do canteiro. O processo erosivo, próximo as fundações do Viaduto da Santa, pode acarretar no comprometimento da estrutura deste viaduto e da ciclovia que atravessa esse local. Foi recomendada a compactação do subleito no trecho em questão e o plantio das placas de grama de forma adequada, mantendo a sinalização de segurança durante todo o processo de execução dos serviços nos locais apresentados. 26

27 Foto 40 - Talude sem o devido acabamento em processo de erosão sobre os Poços de Monitoramento de Creosoto. (Referente ao RM 01-06/05/2011) Foto 41 - Talude sem o devido acabamento em processo de erosão sobre os Poços de Monitoramento de Creosoto. (Referente ao RM 02-13/06/2011) Foto 42 - Talude sem o devido acabamento em processo de erosão sobre os Poços de Monitoramento de Creosoto. (Referente ao RM 03-24/06/2011) Foto 43 - Talude sem o devido acabamento em processo de erosão sobre os Poços de Monitoramento de Creosoto. (Referente ao RM 04-29/07/2011) Foto 44 - Talude sem o devido acabamento em processo de erosão próximo aos Poços de Monitoramento de Creosoto. (Referente ao RM 05-26/08/2011) 27

28 As Fotos 45 a 47 e as Fotos 48 a 50 apresentam dois trechos situados em frente ao Terminal de Passageiros CONCAIS em que foram atendidas as recomendações propostas nos Relatórios Mensais, ou seja, houve a aplicação de placas de grama em leiva nos dois canteiros. Esta situação era passível de processos erosivos o que causa a desagregação do solo devido à falta de calçamento. A situação era propícia para o carreamento do solo exposto ao o sistema de drenagem de águas pluviais, o que pode vir a causar o assoreamento e entupimento da rede de drenagem. Em dias secos e com ocorrência de ventos moderados a fortes, o solo exposto pode sofrer arrasto e suspensão de poeira, alterando a qualidade do ar local. 28

29 Foto 45 - Calçamento inacabado no inicio da Av. Senador Dantas. (Referente ao RM 01-06/05/2011) Foto 46 - Canteiro recém-implantado no inicio da Av. Senador Dantas. (Referente ao RM 04-29/07/2011) Foto 47 - Canteiro finalizado no inicio da Av. Senador Dantas. (Referente ao RM 05-26/08/2011) 29

30 Foto 48 - Calçamento inacabado no inicio da Av. Senador Dantas. (Referente ao RM 01-06/05/2011) Foto 49 - Canteiro recém-implantado no inicio da Av. Senador Dantas. (Referente ao RM 04-29/07/2011) Foto 50 - Canteiro finalizado no inicio da Av. Senador Dantas. (Referente ao RM 05-26/08/2011) As Fotos 51 e 52 demonstram a reparação realizada na pavimentação junto ao estacionamento de carga e descarga de bagagens da CONCAIS. Essa situação foi diagnosticada no RM 03 e, por tanto, não foi apresentada nos relatórios subsequentes, porém ainda é realizada a vistoria neste trecho. 30

31 Foto 51 - Calçamento danificado junto ao estacionamento de carga e descarga de bagagens da CONCAIS. (Referente ao RM 01-06/05/2011) Foto 52 - Pavimentação reparada junto ao estacionamento de carga e descarga de bagagens da CONCAIS. (Referente ao RM 03-24/06/2011) Calçamento e tampa do poço de visita danificados situados no estacionamento de carga e descarga de bagagens do CONCAIS são apresentados nas Fotos 53 a 55. Trecho em processo de erosão, o que pode ocasionar o carreamento de material e assoreamento do sistema de drenagem, além do comprometimento da integridade do poço de visita. Para esta situação foi recomendado o reparo do calçamento e da tampa. 31

32 Foto 53 - Calçamento e tampa de poço de visita danificados no estacionamento de carga e descarga de bagagens do CONCAIS. (Referente ao RM 01-06/05/2011) Foto 54 - Calçamento e tampa de poço de visita danificados no estacionamento de carga e descarga de bagagens do CONCAIS. (Referente ao RM 04-29/07/2011) Foto 55 - Calçamento e tampa de poço de visita danificados no estacionamento de carga e descarga de bagagens do CONCAIS. (Referente ao RM 05-26/08/2011) Conforme as Fotos 56 a 60, a seguir, foi verificada a conclusão dos serviços de construção do calçamento situado na Rua Cons. João Alfredo. Essa situação era propícia para o carreamento de solo exposto ao sistema de drenagem, o que pode acarretar no assoreamento deste sistema. 32

33 Foto 56 - Trecho inacabado de calçamento no início da Rua Cons. João Alfredo. (Referente ao RM 01-06/05/2011) Foto 57 - Trecho inacabado de calçamento no início da Rua Cons. João Alfredo. (Referente ao RM 02-03/06/2011) Foto 58 - Trecho inacabado de calçamento no início da Rua Cons. João Alfredo. (Referente ao RM 03-01/07/2011) Foto 59 - Trecho de calçamento no início da Rua Cons. João Alfredo em processo de construção. (Referente ao RM 04-29/07/2011) Foto 60 - Trecho de calçamento finalizado no início da Rua Cons. João Alfredo. (Referente ao RM 05-26/08/2011) 33

34 As Fotos 61 a 63 apresentam caminhões utilizando a área sob o Viaduto da Santa como estacionamento. Esta problemática iniciou-se com o remanejamento da linha férrea, e consequentemente a criação de um espaço no local mencionado. Os caminhões estacionados no trecho sem pavimentação comprometem a qualidade do ambiente local, além de resultar no carreamento do solo exposto através da movimentação dos veículos em questão. Também há o risco de vazamento de combustíveis e óleos provenientes dos caminhões que resultam em contaminação do solo e do lençol freático. Foi recomendada a execução da pavimentação, sinalização e controle de acesso e permanência do estacionamento e ou isolamento da área. 34

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico.

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico. CONTROLE DE REVISÃO Código do Documento: Nome do Documento: ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Responsável pela Elaboração: Gerente de Segurança e Meio NE/SE Responsável

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Relatório de Andamento N o. 01 (RTA-Jari-ProcessosErosivos-01/12) Preparado por: Especialmente para:

Leia mais

5.3 - Plano de Gestão Ambiental - PGA... 1/9. 5.3.1 - Objetivos... 1/9. 5.3.2 - Justificativas... 1/9. 5.3.3 - Metas... 1/9

5.3 - Plano de Gestão Ambiental - PGA... 1/9. 5.3.1 - Objetivos... 1/9. 5.3.2 - Justificativas... 1/9. 5.3.3 - Metas... 1/9 2818-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS ÍNDICE... 1/9 5.3.1 - Objetivos... 1/9 5.3.2 - Justificativas... 1/9 5.3.3 - Metas... 1/9 5.3.4 - Metodologia... 2/9 5.3.5 - Público-alvo... 5/9 5.3.6

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos 2.6.12 O PCPE foi implementado com base no Plano Ambiental para Construção PAC a fim de proteger, estabilizar e mitigar as interferências na faixa de servidão, bota-foras, acessos, canteiro de obras e

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM)

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Legislação e Normas Resolução CONAMA n 307 de 04 de Maio de 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO VALEC NAVA 10 1 de 13 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO VALEC NAVA 10 2 de 13 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Dores de Guanhães PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras CAPA PCH Dores de Guanhães ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

SHOPPING PARK TAQUARAL RELATÓRIO SEMANAL. PERÍODO: 23 a 29 de Dezembro de 2011 EMPREENDIMENTO GERENCIAMENTO

SHOPPING PARK TAQUARAL RELATÓRIO SEMANAL. PERÍODO: 23 a 29 de Dezembro de 2011 EMPREENDIMENTO GERENCIAMENTO SHOPPING PARK TAQUARAL RELATÓRIO SEMANAL PERÍODO: 23 a 29 de Dezembro de 2011 EMPREENDIMENTO GERENCIAMENTO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ATIVIDADES EM DESENVOLVIMENTO... 3 3. STATUS CONTRATUAIS... 4 4.

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.2 Plano Ambiental de Construção

Leia mais

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005.

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações necessárias de forma a

Leia mais

Relatório de Vistoria Técnica com Cadastramento do Imóvel

Relatório de Vistoria Técnica com Cadastramento do Imóvel Relatório de Vistoria Técnica com Cadastramento do Imóvel REFORMA DA SEDE DA SUBSEÇÃO DA OAB/BA NO MUNICÍPIO DE GUANAMBI/BA Avenida Presidente Castelo Branco, nº 271, Aeroporto Velho Guanambi/BA Foto:

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pela Associação Jardins Ibiza. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento do canteiro

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de gerenciamento

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos Domésticos... 1 1.1.1.1. Fossa

Leia mais

Rua Mauá, 51 Luz - São Paulo/SP PABX: (11) 2627-8000

Rua Mauá, 51 Luz - São Paulo/SP PABX: (11) 2627-8000 MEMORIAL DESCRITIVO QUADRA 50 SETOR 8 RUA HELVÉTIA, ALAMEDA DINO BUENO, PRAÇA JÚLIO PRESTES E ALAMEDA CLEVELAND DEMOLIÇÃO DAS EDIFICAÇÕES EXISTENTES CAMPOS ELÍSEOS SÃO PAULO/SP Contratação de empresa especializada

Leia mais

Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO-005-05-14. Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Fevereiro/2014.

Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO-005-05-14. Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Fevereiro/2014. Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO-005-05-14 Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Fevereiro/2014. At.: Gerência de Sustentabilidade FCTY Fevereiro de 2014 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Ministério Público e a implementação da Resolução CONAMA 307/2002 Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 4 4. Área de Abrangência...

Leia mais

Rev Modificação Data Autor Validação. Especialidades: Coordenadores das Especialidades CREA UF Matrícula Valido

Rev Modificação Data Autor Validação. Especialidades: Coordenadores das Especialidades CREA UF Matrícula Valido Rev Modificação Data Autor Validação Especialidades: Coordenadores das Especialidades CREA UF Matrícula Valido Especialidades: Autores do Documento CREA / UF Matrícula valido Sítio GERAL Área do sítio

Leia mais

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007:

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007: LAUDO PERICIAL A Empresa Universalis Consultoria, Projetos e Serviços Ltda, atendendo solicitação da Prefeitura Municipal de Timóteo, Secretaria Municipal de Obras e Habitação / Divisão de Meio Ambiente,

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Senhora do Porto Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental CAPA 5.1 - Programa de Gerenciamento Ambiental ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1/11 1.1. Ações já Realizadas... 2/11 2. Justificativa... 4/11

Leia mais

Secretaria de Fiscalização de Obras Portuárias, Hídricas e Ferroviárias

Secretaria de Fiscalização de Obras Portuárias, Hídricas e Ferroviárias Secretaria de Fiscalização de Obras Portuárias, Hídricas e Ferroviárias FNS Repercussão na Mídia Vídeo 1: 3 min Ao Final da Apresentação: Breve Estudo de Caso: Auditoria de Qualidade na FNS TCU 2012 Quais

Leia mais

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL Decreto / Norma Emissor Assunto Diretrizes e procedimentos / Resíduos da Construção Civil. Define a tipologia de resíduos da construção civil Artigo2º, tem I: Resíduos da construção civil: São os provenientes

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

ATA DA 1521ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA DIRETORIA EXECUTIVA DA COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA

ATA DA 1521ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA DIRETORIA EXECUTIVA DA COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA 2561 ATA DA 1521ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA DIRETORIA EXECUTIVA DA COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA Às onze horas do dia dezoito do mês de janeiro do ano de dois mil e doze,

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS.

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. Ana Cláudia Santos da Silva Graduanda em Engenharia Ambiental e Sanitária Faculdades Integradas de Três Lagoas - AEMS

Leia mais

ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA :

ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA : ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA : 1- INFORMAÇÕES GERAIS : IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO : Trata-se de uma Fábrica de Artefatos de Materiais Plásticos ( Sacos para Lixo ). IDENTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA :

ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA : ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA : 1- INFORMAÇÕES GERAIS : IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO : Trata-se de um Auto Posto de Serviços e Comércio de Combustíveis para Veículos Automotores. OBS : Sem

Leia mais

Relatório de Inspeção

Relatório de Inspeção Relatório de Inspeção Obra: Recuperação do sistema de bondes de Santa Teresa Local: Rua Joaquim Murtinho, Santa Teresa, Rio de Janeiro-RJ Executante: Consórcio Elmo-Azvi Gerente da Obra: Sr. Angel Técnico

Leia mais

6.3.3 - Programa de Monitoramento do Lençol Freático... 1/8. 6.3.3.1 - Justificativas... 1/8. 6.3.3.2 - Objetivos... 2/8

6.3.3 - Programa de Monitoramento do Lençol Freático... 1/8. 6.3.3.1 - Justificativas... 1/8. 6.3.3.2 - Objetivos... 2/8 2426-00-PBA-RL-0001-00 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI ÍNDICE 6.3.3 - Programa de Monitoramento do Lençol Freático... 1/8 6.3.3.1 - Justificativas... 1/8 6.3.3.2 - Objetivos... 2/8 6.3.3.2.1 - Objetivo Geral...

Leia mais

DER/PR ES-D 14/05 DRENAGEM: LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE DISPOSITIVOS DE DRENAGEM

DER/PR ES-D 14/05 DRENAGEM: LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE DISPOSITIVOS DE DRENAGEM DRENAGEM: LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DE DISPOSITIVOS DE DRENAGEM Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41)

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) Todos os empreendimentos da área da construção civil, em operação ou a serem implantados, geradores de qualquer

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Aterro do acesso interno (próximo à nova central de britagem): Neste

Leia mais

EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A. Obra de Expansão da Linha 1. São Leopoldo / Novo Hamburgo

EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A. Obra de Expansão da Linha 1. São Leopoldo / Novo Hamburgo EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A. Obra de Expansão da Linha 1 São Leopoldo / Novo Hamburgo ESCRITÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Coordenação de Planejamento Coordenação de Medições, Controle Financeiro

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL

RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE PRESSÃO SONORA Conforme Resolução CONAMA 001/90 CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT S/A ESTALEIRO E BASE NAVAL DO PROJETO PROSUB - ITAGUAÍ/RJ

Leia mais

DELIMITAÇÃO Km 15 da Marginal Esquerda da Rodovia Anchieta, sentido São Paulo,em São Bernardo do Campo.

DELIMITAÇÃO Km 15 da Marginal Esquerda da Rodovia Anchieta, sentido São Paulo,em São Bernardo do Campo. ESTUDO DA POLUIÇÃO SONORA NA RODOVIA ANCHIETA Paula Alexandre de Siqueira Orientador: Prof. Dr. Alejandro Jorge Dorado Coordenador geral: Prof. Msc. Fernando Codelo Nascimento Música para uma pessoa, pode

Leia mais

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70%

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% USO DE ENERGIA EMISSÕES DE CO2 USO DE ÁGUA RESÍDUOS SÓLIDOS 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% Certificado Prata Ouro Platina Prevenção de Poluição nas Atividades de Construção: Escolha do terreno Densidade

Leia mais

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 1. Marcos legais no município 2. Resoluções Conselho Nacional do Meio Ambiente 3. Classificação dos resíduos de construção civil 4. Plano Integrado de Gerenciamento de

Leia mais

RELATÓRIO SEMESTRAL PCH JARARACA JULHO A DEZEMBRO 2013

RELATÓRIO SEMESTRAL PCH JARARACA JULHO A DEZEMBRO 2013 RELATÓRIO SEMESTRAL PCH JARARACA JULHO A DEZEMBRO 2013 Porto Alegre, março de 2014 APRESENTAÇÃO Este documento visa atender a condicionante 8.5 das Licenças de Operação LO LO 7961/2012, concedida a Vêneto

Leia mais

[REQUISITOS AMBIENTAIS COMPLEMENTARES]

[REQUISITOS AMBIENTAIS COMPLEMENTARES] EMPRESA BRASILEIRA DE INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA SUPERINTENDENCIA REGIONAL DO CENTRO-LESTE COORDENAÇÃO REGIONAL DE MEIO AMBIENTE [REQUISITOS AMBIENTAIS COMPLEMENTARES] DATA DE EMISSÃO: MARÇO/2011 ELABORADOR(ES):

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG DNIT - SREMG João Monlevade - 28/06/2012 ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG RODOVIA: BR-381MG TRECHO: DIVISA ES/MG - DIV. MG/SP

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: IMOBILIÁRIA PARQUE BRASIL LTDA DENOMINAÇÃO: LOTEAMENTO RESIDENCIAL VILA REAL FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE 04/05/2007

Leia mais

PARECER TÉCNICO FINAL

PARECER TÉCNICO FINAL SMPMA/DEPLAN Em 15/01/2014 Ref.: Processos n 2.532-1/2013 e 16.392-4/2013 PARECER TÉCNICO FINAL Trata-se de um empreendimento que corresponde à construção de um edifício vertical para uso misto, residencial

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos - Licença de Instalação (LI) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos - Licença de Instalação (LI) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade e de paisagens e ecossistemas visualmente atraentes que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

ANEXO XII TERMO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL OBRAS DE MOBILIDADE URBANA DA COPA DO MUNDO 2014

ANEXO XII TERMO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL OBRAS DE MOBILIDADE URBANA DA COPA DO MUNDO 2014 ANEXO XII TERMO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL OBRAS DE MOBILIDADE URBANA DA COPA DO MUNDO 2014 1. INTRODUÇÃO O presente termo de referência visa subsidiar a análise dos impactos ambientais

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

Normas Técnicas -RCD

Normas Técnicas -RCD Mestrado em Engenharia Civil NORMAS TÉCNICAS DE RCD Profa. Stela Fucale Normas Técnicas -RCD NBR15.112/04 Resíduosdeconstruçãoeresíduosvolumosos Áreasde transbordo e triagem Diretrizes para projeto, implantação

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO. LI n 711/2010

GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO. LI n 711/2010 Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO LI n 711/2010 RELATÓRIO ANUAL 2012 SEÇÃO III - PROGRAMA AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO

Leia mais

5.9 - Programa de Comunicação Social... 1/8. 5.9.1 - Objetivos... 1/8. 5.9.2 - Justificativas... 2/8. 5.9.3 - Metas... 2/8. 5.9.4 - Metodologia...

5.9 - Programa de Comunicação Social... 1/8. 5.9.1 - Objetivos... 1/8. 5.9.2 - Justificativas... 2/8. 5.9.3 - Metas... 2/8. 5.9.4 - Metodologia... 2818-00-EIA-RL-0000-00 LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS ÍNDICE 5.9 - Programa de Comunicação Social... 1/8 5.9.1 - Objetivos... 1/8 5.9.2 - Justificativas... 2/8 5.9.3 - Metas... 2/8 5.9.4 - Metodologia...

Leia mais

LOCALIZAÇÃO 12 CIDADES DA COPA 2014

LOCALIZAÇÃO 12 CIDADES DA COPA 2014 ARENA PANTANAL LOCALIZAÇÃO 12 CIDADES DA COPA 2014 LOCALIZAÇÃO 8 Km Aeroporto INFORMAÇÕES DE CONTRATO CONTRATO CONTRATO AGECOPA : Nº 009/2010/AGECOPA DATA ASSINATURA CONTRATO: 20 /04 /2010 VALOR CONTRATADO:

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA 1 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA SALVADOR BA FEVEREIRO - 2012 1. INTRODUÇÃO 2 O presente Programa de Coleta Seletiva trata dos resíduos gerados pela Companhia, tendo sua elaboração e implementação

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

Projeto Básico Ambiental

Projeto Básico Ambiental Projeto Básico Ambiental 3. PLANO AMBIENTAL DE CONSTRUÇÃO 3.4 Programa de Saúde e Segurança 3.4.2 Projeto de Segurança e Alerta SETEMBRO 2011 RL-DS-001-802-020-29Set11=A Plano de sinalização viária e fluvial

Leia mais

Programa de Educação Ambiental

Programa de Educação Ambiental Programa de Educação Ambiental Subprograma de Educação Ambiental para Trabalhadores RELATÓRIO SEMESTRAL CONSOLIDADO DE ATIVIDADES (Setembro/2013 Julho/2014) Santos 2014 1 Identificação Empresa Razão social:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011. x Obras e Instalações Prestação de Serviços INFORMAÇÕES

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011. x Obras e Instalações Prestação de Serviços INFORMAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011 Projeto: FORTALECIMENTO DO PARQUE ESTADUAL DA PEDRA BRANCA - PEPB: OBRAS DE RECUPERAÇÃO E AQUISIÇÃO DE MOBILIÁRIO E EQUIPAMENTOS Protocolo nº: 20110302174043107 Assunto:

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH Projeto de Lei nº, de de de Institui o primeiro plano municipal de incentivo à construção civil, e dá outras providências. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão Faço saber a todos os seus

Leia mais

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA 1. ESCOPO Identificar e classificar os aspectos ambientais das atividades, produtos e serviços da XXXX, visando estabelecer quais causam ou poderão causar impactos ambientais significativos. 2. DEFINIÇÕES

Leia mais

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.2 Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já realizadas... 2 2. Justificativa... 6 3. Objetivos... 8 4. Área de abrangência...

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2. SERVIÇOS PRELIMINARES Limpeza, Barracão de Obra e Placa de Obra 2.1. LIMPEZA DA ÁREA DE INTERVENÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO. 2. SERVIÇOS PRELIMINARES Limpeza, Barracão de Obra e Placa de Obra 2.1. LIMPEZA DA ÁREA DE INTERVENÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. INFORMAÇÕES GERAIS Obra: Intervenção nos Canteiros Centrais da Avenida Santa Luzia Segunda Etapa. Endereço: Avenida Santa Luzia Área de Intervenção: 4758,52 m² 2. SERVIÇOS PRELIMINARES

Leia mais

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Ministério Público e a implementação da Resolução CONAMA 307/2002 Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério

Leia mais

Reciclagem e Reaproveitamento de resíduos sólidos da construção civil em São Luís MA: um processo sustentável 1

Reciclagem e Reaproveitamento de resíduos sólidos da construção civil em São Luís MA: um processo sustentável 1 REVISTA DO CEDS Periódico do Centro de Estudos em Desenvolvimento Sustentável da UNDB N. 1 agosto/dezembro 2014 Semestral Disponível em: http://www.undb.edu.br/ceds/revistadoceds Reciclagem e Reaproveitamento

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO Contratante: Sistema Ribrane de Ensino Ltda ME Praça Padre Tavares, 46 - Centro Avaré - SP. Responsável Técnico: Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA:

Leia mais

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012.

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012. PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA 1 São José, dezembro de 2012. CONSIDERAÇÕES INICIAIS: Atendendo às determinações do Contrato 697/2012, as informações

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR:

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR: TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL E PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA PARQUES DE GERAÇÃO DE ENERGIAS ALTERNATIVA (SOLAR, EÓLICA E OUTRAS) 1. INTRODUÇÃO Este Termo de

Leia mais

Relatório de Vistoria Técnica

Relatório de Vistoria Técnica Relatório de Vistoria Técnica REFORMA DE IMÓVEL PARA ABRIGAR A SEDE DA SUBSEÇÃO DA OAB/BA NO MUNICÍPIO DE IPIAÚ/BA Sede da OAB Rua Senhor do Bomfim, nº83 Centro, Ipiaú/BA Elaborado para: Ordem dos Advogados

Leia mais

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O V o l u m e V R E L A T Ó R I O D O S P R O G R A M A S, P R O J E T O S E A Ç Õ E S P A R A O A L C A N C E D O C E N Á R I O R E F E R

Leia mais

Relatório de Avaliação de Fornecedores

Relatório de Avaliação de Fornecedores Relatório de Avaliação de Fornecedores 1. Dados da organização Razão Social: Techfive Comércio e Gestão de Equipamentos de Telec LTDA CNPJ nº 09203925/0001 04 Endereço Rua Wilton Reis Costa, 165 - Condomínio

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE APUCARANA

CÂMARA MUNICIPAL DE APUCARANA www.apucarana.pr.leg.br - Centro Cívico José de Oliveira Rosa, ~5A - 86800-235 - Fone (43) 3420-7000 ESTADO DO PARANA SÚMULA - Institui o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil

Leia mais

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS 1. Conceituação de passivo ambiental Na conceituação ambiental

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC 1.0 DADOS DO GERADOR/CONSTRUTOR (folha de 8 itens) PROCESSO Nº: CAD Nº: 1.1. Razão Social: 1.2 Endereço: 1.3 Fone: Fax: 1.4 E-mail: 1.5 CPF:

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO RESOLUÇÃO N 54/2015

CONSELHO MUNICIPAL DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO RESOLUÇÃO N 54/2015 RESOLUÇÃO N 54/2015 Estabelece os prazos para a execução dos serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município de Joinville. O Conselho Municipal dos Serviços de Água e Esgotos,

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA EMPREENDIMENTO RESIDENCIAL SANTA CLARA

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA EMPREENDIMENTO RESIDENCIAL SANTA CLARA ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA EMPREENDIMENTO RESIDENCIAL SANTA CLARA ARAUCÁRIA, 08 DE MARÇO DE 2013 PARCERIAS SOMA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA ME FÓRMULA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA URBENGE

Leia mais

Sistema de Gestão de Resíduos Sólidos da Construção Civil para São Luís

Sistema de Gestão de Resíduos Sólidos da Construção Civil para São Luís Sistema de Gestão de Resíduos Sólidos da Construção Civil para São Luís Considerando a necessidade de cumprir e fazer cumprir a lei federal nº 9.605/1998 e a lei municipal n º 4.653/ 2006. A SEMMAM, em

Leia mais

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS 4.1 Disposições gerais Art. 61 - A execução de obras, incluindo os serviços preparatórios e complementares, suas instalações e equipamentos, embora que temporários,

Leia mais

Equipamentos Públicos

Equipamentos Públicos Equipamentos Públicos 1 Como fiscalizar Conheça o método de fiscalização das obras dos Fóruns da Bahia Vistoria dos Fóruns de Itabuna e Vitória da Conquista envolve compatibilização dos projetos por meio

Leia mais

PROGRAMAS AMBIENTAIS PARQUES EÓLICOS LER 2009

PROGRAMAS AMBIENTAIS PARQUES EÓLICOS LER 2009 PROGRAMAS AMBIENTAIS PARQUES EÓLICOS LER 2009 RELATÓRIO TRIMESTRAL FEVEREIRO DE 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1 2 COMUNICAÇÃO SOCIAL 4 EDUCAÇÃO EM SAÚDE 10 3 MONITORAMENTO DE NASCENTES 13 4 VIVEIRO DE MUDAS

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

4. PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL E CONTROLE DA DRAGAGEM... 1

4. PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL E CONTROLE DA DRAGAGEM... 1 4. PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL E CONTROLE DA DRAGAGEM... 1 4.1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS... 1 4.2. METODOLOGIA... 2 4.3. RESULTADOS E DISCUSSÃO... 3 4.3.1. Atividades Desenvolvidas entre Janeiro e Outubro

Leia mais

CONVOCAÇÃO: Dispensada nos termos do 2º do artigo 71, e do 4º do artigo 124, da Lei nº 6.404/76.

CONVOCAÇÃO: Dispensada nos termos do 2º do artigo 71, e do 4º do artigo 124, da Lei nº 6.404/76. ATA DA SEGUNDA ASSEMBLEIA GERAL DE TITULARES DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS DA 267ª SÉRIE DA 1ª EMISSÃO DA BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO ("CRI"), REALIZADA EM 03 DE JULHO

Leia mais

50% 50% LOGO EMPRESA

50% 50% LOGO EMPRESA 50% 50% ILHA PURA ÁREA TERRENO 823.000M² ATE PREVISTO 1.730.000M² VILA DOS ATLETAS ÁREA TERRENO 200.000M² ATE ATUAL 420.000M² 31 TORRES DE 17 PAVIMENTOS ÁREA PARQUE - 72.000M² 3.604 UNIDADES CONDOMÍNIO

Leia mais

PARECER TÉCNICO n 005/2015

PARECER TÉCNICO n 005/2015 PARECER TÉCNICO n 005/2015 Processo: 122/2015 Requerente: Mineração Mercedes Ltda. CNPJ: 05.830.499/0001-88 Atividade: Lavra a céu aberto com ou sem tratamento rochas ornamentais e de revestimento (exceto

Leia mais

RESOLUÇÃO DP Nº 122.2014, DE 01 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO DP Nº 122.2014, DE 01 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO DP Nº 122.2014, DE 01 DE OUTUBRO DE 2014. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA O USO POR TERCEIROS DO POLÍGONO DE DISPOSIÇAO OCEÂNICA (PDO) DE SEDIMENTOS DRAGADOS, GERENCIADO PELA CODESP. O DIRETOR-PRESIDENTE

Leia mais