CONTRAMINUTA DE AGRAVO. Agravante: Departamento de Águas e Energia Elétrica DAEE Agravada: xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRAMINUTA DE AGRAVO. Agravante: Departamento de Águas e Energia Elétrica DAEE Agravada: xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx"

Transcrição

1 CONTRAMINUTA DE AGRAVO Agravo de Instrumento n.º xxxxxxxxxxxxxxx Agravante: Departamento de Águas e Energia Elétrica DAEE Agravada: xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx COLENDA CÂMARA ÍNCLITOS JULGADORES Trata-se de agravo de instrumento interposto por Departamento de Águas e Energia Elétrica - DAEE, representado pela Companhia Energética de São Paulo - CESP, contra a r. decisão proferida em primeiro grau que, nos autos da ação de reintegração de posse c.c. demolição de construções promovida em face de xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx e xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx, indeferiu medida liminar que pleiteava alegada retomada de área seguida de demolição das construções, sob o fundamento de que, além do transcurso de mais de 14 anos da data do alegado esbulho pelo Agravado, não há certeza dos limites da área pertencente ao Agravante, de modo que seria por demais temerário antecipar a tutela, pois seus efeitos não seriam reversíveis. Naquela ação alega o Agravante que é possuidor de área declarada de utilidade pública com 90,08ha, localizada no Município de Igaratá, adquirida em 02 de agosto de 1977, consoante matrícula nº do Cartório de Registro de Imóveis da cidade de Santa Isabel, e

2 L.S.FARIA Advocacia em Cidadania 2 que desde janeiro de 1994 os réus ocupam 0,1472 ha daquela área, onde construíram um portão alambrado com 48m2, um muro de arrimo com 40m2, uma rampa/escada de concreto com 170m2 e um flutuante com 12m2, sem o consentimento em desacordo com o disposto em legislação ambiental vigente. Aduz, que uma vez verificada a invasão, procedeu à notificação extrajudicial dos Agravados para que efetuassem a demolição e a desocupação da área amigavelmente, sem, entretanto obter êxito. No entender do Agravante, por tratar-se de bem público insuscetível de usucapião, flagrante seria o esbulho possessório. Em razão disso, pleiteia a concessão de medida liminar de reintegração de posse e demolição das construções, que restou indeferida pela douta magistrada a quo, razão pela qual foi interposto o presente recurso de agravo de instrumento pelo DAEE. Sustenta assim o Agravante que a decisão de primeira instância deve ser reformada porque a urgência na decisão repousaria no fato do bem estar localizado à margem de reservatório artificial e ser integrante de área de preservação permanente, e a decisão viria a preservar a área posto que o Agravado, no entender do Agravante, seria pessoa descomprometida com o Meio Ambiente que vem realizando obras em desfavor de todos (o que, como se verá, não se trata de verdade), havendo necessidade de promover a desocupação da área (outra confusão, pois o Agravado não ocupa a área). A concessão de efeito suspensivo e ativo foi denegada pelo Nobre Relator. Tais alegações não merecem ser acolhidas por esta Egrégia Câmara. A decisão de primeira instancia foi deveras acertada, primeiramente porque impossível nesse momento processual a delimitação correta da área, e tratando-se de imóveis vizinhos, a incorreção implicaria em dano irreparável à parte. Outrossim, o Agravado não exerce a posse sobre a área do Agravante, pois qualquer pessoa pode adentrar naquele local, sendo que tão somente utiliza estreita faixa de terra como servidão de passagem há mais de 14 anos. Por fim, inexiste urgência por não estarem sendo realizadas ampliações ou novas obras, não havendo que se falar em perigo na demora, até porque na área inexiste fragmento florestal

3 L.S.FARIA Advocacia em Cidadania 3 formado. E é o juiz de primeira instância quem tem maior possibilidade do correto julgamento dos fatos. É sobre o que se discorrerá abaixo. 1. DA DEMARCAÇÃO DOS TERRENOS COMO PRESSUPOSTO À APRECIAÇÃO DO PEDIDO DEMOLITÓRIO Necessário esclarecer que o pedido do Agravante abrange indevidamente área de domínio dos Agravados. Com efeito, consoante escritura pública expedida pelo Cartório de Registro de Imóveis da Comarca de Santa Isabel, anexada ao processo principal, os Agravados são legítimos proprietários do imóvel limítrofe ao do Agravante, que nesse tocante também reconhece a vizinhança. Assim, vale lembrar que a inicial faz alusão a um suposto esbulho e construção de um portão alambrado com 48m², um muro de arrimo com 40m² e uma rampa de acesso de barco com escada de concreto de 170m², havendo daí um flutuante de 12m² ao final, consoante os relatórios de inspeção da CESP. Sem melindre pela afirmação da Agravante, as benfeitorias estão todas edificadas no limite da propriedade dos Agravados, excluindo-se dessa afirmação a parte final da rampa de acesso à represa, única que, necessariamente e a título de servidão de passagem (utilizada há mais de 10 anos art , CC), avançou além da divida para alcançar a água e o flutuante. E dentro dos limites da propriedade dos Agravados a CESP não possui domínio ou posse que justifique a utilização da via possessória, de modo que não há o alegado esbulho porquanto as construções são de propriedade e posse dos Agravados (excetuada a parte final da rampa e flutuantes, os quais, porém, comportam regularização consoante se demonstrará abaixo). Acontece que, como se tratam de imóveis vizinhos, a CESP equivoca-se provavelmente devido ao critério que utiliza para definir o local exato da divisa. Embora os títulos de domínio das duas propriedades descrevam que o limite dessas é a cota máxima da Represa do Jaguari e o inspetor da Agravante tenha utilizado este critério para concluir pela

4 L.S.FARIA Advocacia em Cidadania 4 suposta invasão da construção, esse limite foi traçado em 1977 e utilizá-lo atualmente como parâmetro de definição não seria mais possível vez que este critério não levaria em consideração as alterações sobre o terreno provenientes da própria natureza e de ações do artífice humano (terraplanagem com corte de terreno), não sendo um critério seguro. De fato, o critério utilizado pela CESP hoje não tem outra função que não a técnica: é criado e definido com o objetivo de demarcar possíveis enchentes. Ausente sua função de delimitar imóveis. E, no caso, é só observar as próprias fotos colacionadas pela Agravante que se verá que o muro de arrimo, a rampa e o portão alambrado foram edificados após um trabalho de terraplanagem, o que, de uma vez por todas, coloca em cheque a utilização da altitude como modo de delimitação de terreno. Desse modo, nos termos do artigo 951 do CPC, incabível a concessão liminar, pois a queixa de esbulho ou turbação somente poderá ser apreciada após a demarcação do terreno (pedido que o Agravante deveria ter feito na petição inicial, porém sequer o formulou). Somente após essa delimitação é que seria possível ao Juízo apreciar o pedido de restituição do terreno invadido com os rendimentos que deu, ou a indenização dos danos pela usurpação verificada. 2. DA NECESSIDADE DE LIMITAÇÃO DO PEDIDO REINTEGRATÓRIO Impende salientar que o órgão público em questão não quantificou nem delimitou o que seria sua propriedade e o que seria a propriedade do ora Agravado, limitando-se a dizer que houve esbulho em 1994 e que algumas edificações deveriam ser demolidas, sem apontar até aonde a reintegração e conseqüente demolição deveriam ocorrer. Inexiste a delimitação da área cujo DAEE quer se ver reintegrado na posse. Se o Agravante busca a reintegração deve delimitar área em que quer se ver reintegrado, não servindo para tanto as medidas de altitude apresentadas no relatório de inspeção CESP, inclusive pelos motivos já suscitados.

5 L.S.FARIA Advocacia em Cidadania 5 O Agravante requer o pedido imediato (a providência jurisdicional), mas não traz consigo o pedido mediato, o bem da vida: melhor esclarecendo, não diz qual a metragem da área invadida, o que impede inclusive a apreciação pelo Juízo, não se olvidando que tal prova deveria acompanhar a inicial por ser imprescindível ao deslinde da ação, não podendo ser trazida no decorrer da ação em face dos efeitos da preclusão consumativa. Implicaria ainda em prejuízo da sentença, uma vez que poder-se-á aplicar sentença citra ou extra petita, o que é vedado pelo ordenamento legal. Em vista disso, muito provavelmente a inicial será tida como inepta pela ausência de pedido certo e determinado (art. 267, IV c/c art. 282, IV c/c art. 295, I, CPC), o que dissipa a fumaça do bom direito. 3. DA INEXISTÊNCIA DE ESBULHO Ademais, em momento algum houve impedimento ao exercício do direito de propriedade do Agravante (uso, gozo e fruição) naquela área por parte do Agravado. De fato, o acesso à área de entorno do reservatório que está situada defronte ao lote do Agravado sempre foi livre, nunca foi obstado, e não se pode alegar que a rampa, escada e muro de arrimo fotografados (fls. 32 e ss. dos autos originais) impediram ou dificultaram o exercício da posse pelo Agravante naquela área. Ora, é pressuposto da ação de reintegração na posse a perda da mesma, o que no caso não existe. E isso é requisito da ação, que incumbe ao Autor provar: Código de Processo Civil Art Incumbe ao autor provar: I- a sua posse; II- a turbação ou o esbulho praticado pelo réu; III- a data da turbação ou do esbulho; IV- a continuação da posse, embora turbada, na ação de manutenção; a perda da posse, na ação de reintegração;

6 L.S.FARIA Advocacia em Cidadania 6 Como não houve esbulho naquela área a qual o recorrente sequer conhece sua delimitação o pedido liminar reintegratório não deve ser acolhido (defesa direta negativa), como já apreciado pela jurisprudência abaixo: A não comprovação do esbulho imputado ao réu acarreta a improcedência do pedido de reintegração de posse formulado pelo autor, por falta de requisito previsto no artigo 927, inciso II, do CPC (TJDF, AC /DF, 1ª Turma Cível, rel. Des. João Mariosa, j , DJ , p.14 Decisão: por unanimidade, negaram provimento ao recurso). 4. OBRIGATORIEDADE DO RITO DE AÇÃO DE FORÇA VELHA Mister faz-se trazer à baila que a posse dos Agravados é velha. Ao contrario do entendimento da Agravante, o fato do bem objeto da presente ação ser público, não dispensa a exigência da lei, quanto ao tempo da turbação ou esbulho, pois prevalecem, nesse caso, as regras do Código de Processo Civil, que no artigo 924 dispõe: Art Regem o procedimento de manutenção e de reintegração de posse as normas da seção seguinte, quando intentado dentro de ano e dia da turbação ou do esbulho; passado esse prazo, será ordinário, não perdendo, contudo, o caráter possessório. Esse prazo é decadencial já que a ação possessória de rito especial tem caráter constitutivo e executivo quanto à proteção possessória, além de mandamental quanto ao mandado de interdito proibitório, e condenatório no tocante às perdas e danos. Assim, caso o esbulho ou turbação tenha ocorrido há mais de ano e dia, não cabe ação possessória pelo procedimento especial, onde é devida a liminar (NELSON, Nery, Código de Processo Civil Comentado, p. 965, RT). Pois bem, nos termos da própria alegação do Agravante, a suscitada utilização da área como meio de desembarque passou a ocorrer desde janeiro de 1994, sendo que somente em 2008 o mesmo veio a juízo. Indubitavelmente passaram-se 14 anos, mais que ano e dia, sendo tal um dos motivos do juízo a quo ter decidido pelo procedimento ordinário, negando assim a liminar de demolição pleiteada.

7 L.S.FARIA Advocacia em Cidadania 7 Ocorre que o Agravante quer seja aplicada ao presente caso, a despeito do estabelecido pela legislação processual no tocante ao prazo para ingresso da demanda possessória, o procedimento de força nova, para a concessão de liminar, fundado nos argumentos de que bem público não gera posse e que a jurisprudência é dominante nesse sentido, o que, como se verá, é ledo engano. Com efeito, não existe a alegada jurisprudência dominante no tocante ao argumento da Agravante que não admite a ação possessória de força velha em bem público sob fundamento de mera detenção, pois se for fato que existe detenção e não posse, também é fato que o Órgão Público, para retomá-lo, deve pautar-se pelos caminhos do Devido Processo Legal, já insculpidos no Código de Processo Civil, e que determinam que nas ações possessórias a liminar somente poderá ser concedida se a ação possuir força nova, sendo proposta a menos de ano e dia da data da turbação. O direito material em discussão não tem o condão de modificar regra processual para qual não foi prevista tal exceção no tocante aos bens públicos, devendo o feito ser processado pelo rito ordinário: REINTEGRAÇÃO DE POSSE Liminar Posse velha de mais de ano e dia Prazo decadencial Reservatório de Usina Hidroelétrica Imóvel pertencente à CESP Bem público Prevalência das regras do Código de Processo Civil Ainda que se trate de imóvel, bem público, a liminar de reintegração de posse deve obedecer as regras do Código de Processo Civil, quanto ao prazo de um ano e dia da turbação ou do efetivo esbulho Decisão confirmada Recurso não provido (Agravo de instrumento nº Paraibuna 5ª Câmara de Direito Público Relator: Xavier de Aquino V.U.) POSSE - Reintegração - Liminar - Inadmissibilidade Bem dominial em que são aplicadas a s regras do direito privado - Hipótese em que a turbação data de mai s de ano e dia - Recurso não provido O Código de Processo Civil, ao exigir a prova da data em que ocorreu o fato lesivo da posse do autor, exige-o para efeito tão-somente de saber se o autor pode ou não beneficiar-se na medida liminar, que só pode ser concedida quando a turbação ou violência date de menos de ano e dia " (A I n São Paulo - TJSP Relator Des Barbosa Pereira, j ). EMENTA. PROCESSUAL CIVIL E CIVIL. LIMINAR EM REINTEGRAÇÃO DE POSSE. POSSE VELHA. INDEFERIMENTO. PRÓPRIO NACIONAL. OCUPAÇÃO IRREGULAR DE TERRENO POR MAIS DE DEZ ANOS. Tendo decorrido mais de ano e dia do alegado esbulho, deve o feito ser processado pelo rito ordinário, não perdendo seu caráter de possessório nos moldes do artigo 924 do CPC (...). Precedentes da Eg. Quarta Turma. Recurso

8 L.S.FARIA Advocacia em Cidadania 8 improvido (TRF 2º Reg. Agravo de Instrumento DJU Relator Juiz Rogério Carvalho). Reintegração de posse Liminar Posse velha de mais de ano e dia. Prazo decadencial Imóvel pertencente à Prefeitura Municipal Bem público. Prevalência das regras do Código de Processo Civil. Ainda que se trate de bem público, a liminar de reintegração de posse deve obedecer as regras do Código de Processo Civil, quanto ao prazo de um ano e dia da turbação ou do efetivo esbulho Recurso não provido (AI n , Mairiporã, 3ª Câmara de Direito Público, Rel. Ribeiro Machado, v.u.) Possessória. Reintegração de Posse Medida liminar. Não cabimento. Posse velha, de mais de ano e dia. Municipalidade. Requerente da medida. Irrelevância, ainda que se trate de bem do domínio público. Ao inverso do sustentado pela Recorrente, relevante, para a espécie, mesmo que a pretensão tenha sido formulada por Municipalidade e se refira a bem de domínio público, a demonstração de se cuidar efetivamente de ação possessória de força nova. (AI n , 4ª Câm Do l TACivSP, Rei. Jos é Roberto Bedran, j , v.u.) Nesse ponto, eventual decisão concessiva da medida antecipatória liminar negaria vigência ao artigo 924 do Código de Processo Civil Brasileiro, Lei Federal de 11 de janeiro de 1973, motivo pelo qual deve ser improvido o agravo em tela. 5. DA CONSTRUÇÃO EM ZONA LINDEIRA De outra via, razão não assiste ao Agravante em buscar a demolição de parte da rampa de embarcação e da escada que estaria situada em sua área de propriedade, se a construção iniciou-se no terreno contíguo, de propriedade dos Agravados, e invadiu parcialmente o terreno do DAEE em proporção não superior à vigésima parte deste, por tratarse de construção em zona lindeira. Art Se a construção, feita parcialmente em solo próprio, invade solo alheio em proporção não superior à vigésima parte deste, adquire o construtor de boa-fé a propriedade da parte do solo invadido, se o valor da construção não exceder o dessa parte, e responde por indenização que represente, também, o valor da área perdida e a desvalorização da área remanescente. Como os Agravados estavam de boa-fé ao realizar tais empreitas, até porque há a possibilidade de regularizá-las e mantê-las no terreno do Agravante, e a própria CESP,

9 L.S.FARIA Advocacia em Cidadania 9 sabendo da existência das mesmas, declinou aos Demandados a manutenção daquelas ascensões desde que regularizadas (fls. 41 e 42 dos autos principais), é inconteste que os Demandados, por força do Diploma Civil, passaram a ser proprietários da área invadida pelas construções (rampa e escada). 6. RETENÇÃO DE BENFEITORIAS A obscuridade na divisa dos terrenos torna muito provável a boa-fé dos Agravados quando da edificação das benfeitorias, o que lhes geraria direito de resguardo das mesmas. E será na ação principal que haverá a possibilidade de se constatar a boa-fé, não sendo possível ceifar-lhes tamanha garantia nesse momento processual. Vale mencionar ementa de jurisprudência colhida desse Egrégio Tribunal de Justiça: AÇAO CIVIL PÚBLICA Pedido liminar Reintegração da Prefeitura Municipal de São Paulo na posse de imóvel ocupado irregularmente pelo agravante Municipalidade de ajuizou contra o agravante Ação de Reintegração de Posse em que objetiva a retomada da posse do mesmo imóvel inexistência de omissão do titular do imóvel, tornando aconselhável que se decida sobre a pretendida reintegração de posse na ação adequada, ou seja, na possessória, com oportuno exame da atividade exercida no local, e possível resguardo das benfeitorias Pedido reservado a um exame, a final, da responsabilidade dos envolvidos na ocupação do bem público Agravo Provido (Agravo de Instrumento nº /1 São Paulo 7ª Câmara de Direito Público Relator: Milton Gordo V.U.) Oportuno destacar que os Agravados construíram muro de arrimo somente visando conter as erosões que vinham ocorrendo no local (fls. 35/36 dos autos é possível constatar a erosão), atitude que não foi tomada pela CESP, porém que, caso lá seja terreno do órgão público, lhe aproveitará, o que eleva a edificação à categoria de benfeitoria necessária.

10 L.S.FARIA Advocacia em Cidadania DA REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL DAS CONSTRUÇÕES A rampa de acesso à represa é passível de regularização perante a CESP e órgãos ambientais devido ao seu baixo impacto ambiental. Nessa linha os Agravados se moverão doravante, pois não são meros detentores, mas sim titulares do direito de utilização daquela área urbana, e estão providenciando a regularização para obtenção das licenças ambientais dos órgãos competentes. Impende salientar que somente não foi cumprida anteriormente a notificação requerida pelo Agravante às fls. 39 dos autos principais abril de 2005, pois a Sra. Taicia passava por um rigoroso e desgastante tratamento de saúde. E, no que tange à notificação de fls. 41/42 maio de 2007, para que os Agravados efetuassem a regularização da área, os mesmos nunca receberam aquela missiva, tanto que o Agravante não juntou nos autos do processo o comprovante de entrega (Aviso de Recebimento). Foi somente com o conhecimento da demanda que os Agravados tiveram ciência da possibilidade de regularização da área, a qual estão providenciando junto ao DEPRN por meio do engenheiro agrônomo Juarez Domingues de Vasconcelos. Nesse passo, traz-se à baila que, com o advento da Resolução 369, editada pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente, em 28 de março de 2006, casos excepcionais de utilidade pública, interesse social ou baixo impacto ambiental, são passiveis de intervenção ou supressão de vegetação em área de preservação permanente APP. E é certo que a intervenção ocasionada pelos Agravados é de baixo impacto ambiental, de modo que a aludida resolução aplica-se perfeitamente ao presente caso, senão vejamos: RESOLUÇÃO Nº 369, DE 28 DE MARÇO DE 2006 Dispõe sobre os casos excepcionais, de utilidade pública, interesse social ou baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em Área de Preservação Permanente-APP. (...) Art. 3 o A intervenção ou supressão de vegetação em APP somente poderá ser Autorizada quando o requerente, entre outras exigências, comprovar: I - a inexistência de alternativa técnica e locacional às obras, planos, atividades ou projetos propostos; II - atendimento às condições e padrões aplicáveis aos corpos de água; III - averbação da Área de Reserva Legal; e IV - a inexistência de risco de agravamento de processos como enchentes, erosão ou movimentos acidentais de massa rochosa.

11 L.S.FARIA Advocacia em Cidadania 11 Art. 4º. Toda obra, plano, atividade ou projeto de utilidade pública, interesse social ou de baixo impacto ambiental, deverá obter do órgão ambiental competente a Autorização para intervenção ou supressão de vegetação em APP, em processo administrativo próprio, nos termos previstos nesta resolução, no âmbito do processo de licenciamento ou Autorização, motivado tecnicamente, observadas as normas ambientais aplicáveis. 1 o A intervenção ou supressão de vegetação em APP de que trata o caput deste artigo dependerá de Autorização do órgão ambiental estadual competente, com anuência prévia, quando couber, do órgão federal ou municipal de meio ambiente, ressalvado o disposto no 2 o deste artigo. 2 o A intervenção ou supressão de vegetação em APP situada em área urbana dependerá de Autorização do órgão ambiental municipal, desde que o município possua Conselho de Meio Ambiente, com caráter deliberativo, e Plano Diretor ou Lei de Diretrizes Urbanas, no caso de municípios com menos de vinte mil habitantes, mediante anuência prévia do órgão ambiental estadual competente, fundamentada em parecer técnico. 3 o Independem de prévia Autorização do órgão ambiental competente: I - as atividades de segurança pública e defesa civil, de caráter emergencial; e II - as atividades previstas na Lei Complementar n o 97, de 9 de junho de 1999, de preparo e emprego das Forças Armadas para o cumprimento de sua missão constitucional, desenvolvidas em área militar. Destaque também merece o art. 8. da Resolução CONAMA 369/06, que norteia os procedimentos administrativos dos órgãos ambientais estaduais, o qual pedimos vênia para transcrever: Art. 8º.- A intervenção ou supressão de vegetação em APP para a implantação de área verde de domínio público em área urbana, nos termos do parágrafo único do art. 2º da Lei n o 4.771, de 1965, poderá ser Autorizada pelo órgão ambiental competente, observado o disposto na Seção I desta Resolução, e uma vez atendido o disposto no Plano Diretor, se houver, além dos seguintes requisitos e condições: I - localização unicamente em APP previstas nos incisos I, III alínea "a", V, VI e IX alínea "a", do art. 3 o da Resolução CONAMA n o 303, de 2002, e art. 3 o da Resolução CONAMA n o 302, de 2002; II - aprovação pelo órgão ambiental competente de um projeto técnico que priorize a restauração e/ou manutenção das características do ecossistema local, e que contemple medidas necessárias para: a) recuperação das áreas degradadas da APP inseridas na área verde de domínio público; b) recomposição da vegetação com espécies nativas; c) mínima impermeabilização da superfície; d) contenção de encostas e controle da erosão; e) adequado escoamento das águas pluviais; f) proteção de área da recarga de aqüíferos; e g) proteção das margens dos corpos de água.

12 L.S.FARIA Advocacia em Cidadania 12 III - percentuais de impermeabilização e alteração para ajardinamento limitados a respectivamente 5% e 15% da área total da APP inserida na área verde de domínio público. 1 o Considera-se área verde de domínio público, para efeito desta Resolução, o espaço de domínio público que desempenhe função ecológica, paisagística e recreativa, propiciando a melhoria da qualidade estética, funcional e ambiental da cidade, sendo dotado de vegetação e espaços livres de impermeabilização. 2 o O projeto técnico que deverá ser objeto de aprovação pela Autoridade ambiental competente, poderá incluir a implantação de equipamentos públicos, tais como: a) trilhas ecoturísticas; b) ciclovias; c) pequenos parques de lazer, excluídos parques temáticos ou similares; d) acesso e travessia aos corpos de água; e) mirantes; f) equipamentos de segurança, lazer, cultura e esporte; g) bancos, sanitários, chuveiros e bebedouros públicos; e h) rampas de lançamento de barcos e pequenos ancoradouros. 3 o O disposto no caput deste artigo não se aplica às áreas com vegetação nativa primária, ou secundária em estagio médio e avançado de regeneração. 4 o É garantido o acesso livre e gratuito da população à área verde de domínio público. Portanto, há de se concluir pelo baixo impacto ambiental das benfeitorias existentes na localidade e pela possibilidade de regularização, o que não justificaria a demolição. 8. DA TENTATIVA DE UTILIZAÇÃO DE OFENSA MORAL GRATUITA PARA FUNDAMENTAR URGÊNCIA No mais, falta com a verdade a afirmação de que os Agravados contribuem com a degradação ambiental no local. A afirmação é vazia e sem conteúdo científico para sustentála. Os Agravados sempre agiram dentro dos limites legais e não efetuaram corte em vegetação ou movimentação de terra acima do permitido pela lei, consoante fotos anexadas às fls. 32 dos autos originais, sendo que inclusive implantaram, com seus próprios esforços, muro de arrimo para a contenção de erosão no local, que avançava sobre o morro.

13 L.S.FARIA Advocacia em Cidadania 13 Nenhum fragmento florestal foi danificado. As obras realizadas há cerca de 14 anos lá continuam, e não estão sendo ampliadas atualmente. E a CESP sabe disso, pois visitou o local e fez relatório de inspeção. Como se vê, a afirmação desonrosa feita nos autos de que os Agravados são depredadores do Meio Ambiente somente pode ter por objetivo usurpar da bandeira do ambientalismo, a onda verde, para sensibilizar o Judiciário, até porque não é a CESP legitimada a defender interesses difusos e coletivos, ainda mais por meio de ação possessória que discute relação inter-parts. Requer os Agravados, assim, seja desconsiderada a falácia em comento, provavelmente utilizada pela Agravante em todas as peças que apresenta nas ações semelhantes a presente. 9. DO INTERESSE EM AUDIÊNCIA DE ACORDO Cumpre por fim salientar que os Agravados, como já manifestaram perante o juízo a quo, ante a possibilidade de regularização das obras, o que já estão providenciando, têm interesse na aceitação da proposta, já realizada pela CESP, de regularização das edificações (fls. 41 e 42, autos originais). Desse modo, requer-se, mais uma vez, seja denegada a liminar, pois sua concessão implicaria no impedimento da conciliação e pacificação social, o que não é objetivo da Justiça. 10. EPÍLOGO Sabe-se que a medida liminar em ação possessória é de livre-convencimento do magistrado, e por isso os Tribunais Superiores tem adotado o posicionamento de que somente em casos excepcionais podem alterar tais decisões. Por estar o Juízo de primeiro grau junto às partes e acompanhando o processamento da ação na origem, tem ao seu dispor fartos elementos, dirigidos a formar sua convicção, de acordo com o princípio da imediatidade da prova.

14 L.S.FARIA Advocacia em Cidadania 14 De outro lado, a medida liminar pretendida é de cognição sumária, por conseqüência se faz necessária a presença de elementos probatórios que amparem decisório que a conceda, ou então que seja pela sua alteração, o que, "in casu, não se verifica. As inversões na situação possessória de imóveis necessitam de melhor análise, principalmente frente aos prejuízos que daí decorrem, como a do caso em tela em que se pretende a demolição das construções. Portanto, não há possibilidade de atendimento liminar do pedido de demolição das construções. Essa medida tem caráter irreversível, com o que há vedação expressa para seu deferimento (artigo 273, 2º, do CPC). Além disso, há necessidade de correta definição do destino a ser dado às construções erguidas no local, de forma que a ação deve ter regular prosseguimento sem autorizar a demolição liminar pretendida, ante a possibilidade de ocorrência de danos de difícil reparação, razão pela qual deve ser mantida a decisão combatida por seus próprios fundamentos. 11. DO PEDIDO Por todo o exposto, requerem os Agravados seja negado provimento ao presente recurso, com a manutenção da decisão de primeira instância que houve por bem indeferir a liminar pleiteada, eis que ausente requisito capaz de autorizar a concessão da liminar. São José dos Campos, xxxx de xxxxxxx de xxxx. LUCAS DOS SANTOS FARIA OAB/SP Nº Avenida Marechal Floriano Peixoto, nº 37, 2º. Andar, Sala 22, Centro São José dos Campos SP Fone: (12)

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO Ações Possessórias 131 INTRODUÇÃO Conceito: Grace Mussalem Calil 1 Há duas principais teorias sobre a posse: a Subjetiva de Savigny e a Objetiva de Ihering. Para Savigny, a posse é o poder físico sobre

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SAO PAULO - SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO. 30 a Câmara

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SAO PAULO - SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO. 30 a Câmara DO ESTADO DE SAO PAULO - SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO 30 a Câmara AGRAVO DE INSTRUMENTO No.1204235-0/4 Comarca cie SÃO CAETANO DO SUL Processo 2789/08 3.V.CÍVEL DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A)

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Gabinete Desembargador Walter Carlos Lemes AC n. 158325-97 DM

PODER JUDICIÁRIO. Gabinete Desembargador Walter Carlos Lemes AC n. 158325-97 DM APELAÇÃO CÍVEL N. 158325-97.2012.8.09.0011 (201291583254) COMARCA DE APARECIDA DE GOIÂNIA APELANTE : ADÃO MARTINS DE ALMEIDA E OUTRO(S) APELADA : VERA CRUZ S/A 1º INTERES.: MUNICÍPIO DE APARECIDA DE GOIÂNIA

Leia mais

i iiiiii um mu um um um um mu mi mi

i iiiiii um mu um um um um mu mi mi PODER JUDICIÁRIO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N i iiiiii um mu um um um um mu mi mi Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO PARTE A ADV/PROC PARTE R REPTE ORIGEM RELATOR : JORGEVALDO ROBINSTON DE MOURA : FÁBIO CORREA RIBEIRO E OUTROS : INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE : JUÍZO

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores DONEGÁ MORANDINI (Presidente) e EGIDIO GIACOIA.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores DONEGÁ MORANDINI (Presidente) e EGIDIO GIACOIA. ACÓRDÃO Registro: 2015.0000723861 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 2173891-09.2015.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante RICARDO MORAND DE LIMA, é

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 119427-CE (0014160-68.2011.4.05.0000) AGRTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL AGRDO : CARLOS FLÁVIO OLIVEIRA SILVEIRA ADV/PROC : JOÃO OLIVARDO MENDES ORIGEM : 18ª Vara Federal do Ceará

Leia mais

Agravante : COMERCIAL LONDRINENSE DE EXPLOSIVOS E MINERAÇÃO LTDA EMENTA

Agravante : COMERCIAL LONDRINENSE DE EXPLOSIVOS E MINERAÇÃO LTDA EMENTA AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº. 876860-7, DA 12ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA DE LONDRINA Agravante : COMERCIAL LONDRINENSE DE EXPLOSIVOS E MINERAÇÃO LTDA Agravado Relator : MUNICÍPIO DE LONDRINA : Des. LEONEL CUNHA

Leia mais

P O D E R J U D I C I Á R I O

P O D E R J U D I C I Á R I O Registro: 2013.0000791055 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0024907-79.2012.8.26.0564, da Comarca de São Bernardo do Campo, em que é apelante CRIA SIM PRODUTOS DE HIGIENE

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

JI WrIlei. ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho

JI WrIlei. ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ).,, JI WrIlei ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO n 041.2007.001993-4/001 RELATOR: Eduardo José de Carvalho Soares

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO Registro: 2013.0000227069 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0051818-40.2013.8.26.0000, da Comarca de Barueri, em que é agravante ITAU UNIBANCO S/A, são agravados

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO SEXTA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Agravo de Instrumento nº 0030022-85.2013.8.19.0000 Agravante: LUCIENE FERREIRA DA SILVA Agravado: LEASING PANAMÁ EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA Relatora: DES.

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.14.148142-4/001 Númeração 0807534- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Mariângela Meyer Des.(a) Mariângela Meyer 24/02/2015 06/03/2015 EMENTA:

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE GOIÁS Gabinete do Desembargador Ney Teles de Paula

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE GOIÁS Gabinete do Desembargador Ney Teles de Paula AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 250603-48.2015.8.09.0000 (201592506038) COMARCA DE GOIÁS AGRAVANTE AGRAVADO RELATOR : BRASINEIDE CLEMENTE FERREIRA PIMENTA : DELEGADO GERAL DA POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DE GOIÁS

Leia mais

Dados Básicos. Legislação. Ementa. Íntegra

Dados Básicos. Legislação. Ementa. Íntegra Dados Básicos Fonte: 1.0024.05.707278-7/001(1) Tipo: Acórdão TJMG Data de Julgamento: 27/04/2011 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:13/05/2011 Estado: Minas Gerais Cidade: Belo Horizonte

Leia mais

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 1ª Turma Cível Processo N. Agravo de Instrumento 20130020241390AGI Agravante(s) GOLDEN CROSS ASSISTENCIA INTERNACIONAL

Leia mais

SEGUNDA CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 32721/2011 - CLASSE CNJ - 202 - COMARCA DE RONDONÓPOLIS ANIVALDO CORREIA DE MELLO

SEGUNDA CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 32721/2011 - CLASSE CNJ - 202 - COMARCA DE RONDONÓPOLIS ANIVALDO CORREIA DE MELLO AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 32721/2011 CLASSE CNJ 202 COMARCA DE Fls. AGRAVANTE: AGRAVADO: ANIVALDO CORREIA DE MELLO LUIZ CARLOS FANELLI Número do Protocolo: 32721/2011 Data de Julgamento: 2262011 EMENTA

Leia mais

(ambas sem procuração).

(ambas sem procuração). ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa AGRAVO DE INSTRUMENTO N. 001.2009.006097-9 / 001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa. Agravante: Itatj Seguros S/A. Advogado:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 809.962 - RS (2006/0007992-0) RELATOR : MINISTRO LUIZ FUX RECORRENTE : COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO - CORSAN ADVOGADO : OSVALDO ANSELMO REGINATO E OUTROS RECORRIDO : JARBAS

Leia mais

Apelação Cível e Remessa Ex-Officio nº 1-92169-6

Apelação Cível e Remessa Ex-Officio nº 1-92169-6 Órgão : 2ª TURMA CÍVEL Classe : APELAÇÃO CÍVEL E REMESSA EX-OFFICIO N. Processo : 2000 01 1 092169 6 Apelante : DISTRITO FEDERAL Apelados : FRANCISCO MASCARENHAS MENDES, SANDRA MARIA REIS MENDES Relatora

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO nº 133023/PE (0006482-31.2013.4.05.0000)

AGRAVO DE INSTRUMENTO nº 133023/PE (0006482-31.2013.4.05.0000) AGRTE AGRDO ADV/PROC ORIGEM RELATOR : UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) : CLEIDE & LIMA LTDA ME : PEDRO MELCHIOR DE MELO BARROS e outros : 28ª VARA FEDERAL DE PERNAMBUCO (ARCOVERDE) : DESEMBARGADOR FEDERAL FERNANDO

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA AGRAVO DE INSTRUMENTO N. 200.2006.016167-2/001.

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA AGRAVO DE INSTRUMENTO N. 200.2006.016167-2/001. ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA AGRAVO DE INSTRUMENTO N. 200.2006.016167-2/001. O RELATOR Desembargador João Machado de Souza. AGRAVANTE : Sistema Educacional Genius LTDA - (Adv.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 122610/AL (0001933-12.2012.4.05.0000) AGRTE : CRISTINA MOREIRA DE BRITO TENORIO ADV/PROC : FLÁVIO ADRIANO REBELO BRANDAO SANTOS E OUTRO AGRDO : FAZENDA NACIONAL ORIGEM: 5ª VARA

Leia mais

A apelante aduziu serem devidas as verbas relativas às férias não gozadas e, por conseqüência, aos terços constitucionais decorrentes das férias.

A apelante aduziu serem devidas as verbas relativas às férias não gozadas e, por conseqüência, aos terços constitucionais decorrentes das férias. ESTADO rj'à PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Ga6inete d Desembargador José Lorenzo Seipa APELAÇÃO CÍVEL N 055.2005.000.156-3/002 Relator Miguel de Britto Lyra Filho, Juiz Convocado em substituição ao Des. José

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores MARCOS RAMOS (Presidente), ANDRADE NETO E ORLANDO PISTORESI.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores MARCOS RAMOS (Presidente), ANDRADE NETO E ORLANDO PISTORESI. Registro: 2011.0000252337 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 0200229-93.2011.8.26.0000, da Comarca de, em que é agravante CONDOMÍNIO EDIFÍCIO SAINT PAUL DE VENCE

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0071.07.034954-4/001 Númeração 0349544- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Bitencourt Marcondes Des.(a) Bitencourt Marcondes 25/03/2009 30/04/2009

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.084.748 - MT (2008/0194990-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : AGRO AMAZÔNIA PRODUTOS AGROPECUÁRIOS LTDA : DÉCIO JOSÉ TESSARO E OUTRO(S) :

Leia mais

P O D E R J U D I C I Á R I O

P O D E R J U D I C I Á R I O Número de Ordem Pauta Não informado Registro: 2011.0000035249 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0565228-16.2010.8.26.0000, da Comarca de Monte Aprazível, em

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso.

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. Por que se diz instrumento: a razão pela qual o recurso se chama agravo de

Leia mais

Nº 70033564584 COMARCA DE SANTO ÂNGELO CENILDO FERREIRA MARTINS R E L ATÓRIO

Nº 70033564584 COMARCA DE SANTO ÂNGELO CENILDO FERREIRA MARTINS R E L ATÓRIO AGRAVO DE INSTRUMENTO. SEGURO DPVAT. INCLUSÃO DA SEGURADORA LÍDER NO POLO PASSIVO. IMPOSSIBILIDADE. A escolha da seguradora contra quem vai litigar a vítima ou beneficiário do seguro DPVAT pertence a ela

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos, os autos acima

VISTOS, relatados e discutidos, os autos acima ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Gen ésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO N 001.2011.015750-81001 RELATOR : Dr. Aluízio Bezerra Filho, Juiz Convocado para

Leia mais

TEORIA GERAL DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS

TEORIA GERAL DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS Programa de Pós-Graduação em Direito Processual Civil Tema: TEORIA GERAL DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS 1 I - CONCEITO a) Espécie de procedimento (de conhecimento) Processo de Conhecimento Procedimento Comum

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. FAGUNDES CUNHA PRESIDENTE RELATOR

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. FAGUNDES CUNHA PRESIDENTE RELATOR RECURSO INOMINADO Nº 2006.0003212-2/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE CRUZEIRO DO OESTE RECORRENTE...: BRADESCO SEGUROS S. A. RECORRIDO...: ALEXANDRE GONÇALVES MANFRIM RELATOR...: EMENTA RECURSO

Leia mais

Valdisio V. de Lacerda Filho)

Valdisio V. de Lacerda Filho) Estado da Paraíba Poder Judiciário Tribunal de Justiça Gabinete do Desembargador REMESSA OFICIAL N. 073.2003.000954-9 RELATOR : JOÃO MACHADO DE SOUZA IMPETRANTES: Alexandre Fernandes Camelo e outros (Advs.

Leia mais

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO)

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) RELATÓRIO O EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR FEDERAL

Leia mais

D E C I S Ã O M O N O C R Á T I C A

D E C I S Ã O M O N O C R Á T I C A NÃO ESPECIFICADO. DETRAN. HABILITAÇÃO. PROVA TEÓRICA. PORTADOR DE DISLEXIA. TUTELA ANTECIPADA. IMPOSSIBILIDADE. AUSÊNCIA DE VEROSSIMILHANÇA DO DIREITO ALEGADO. Para o deferimento da tutela antecipada,

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO N º 904.124-0/9 São Paulo Agravante: Patrícia de Carvalho Izoldi Agravado: Paulo Penido Pinto Marques

AGRAVO DE INSTRUMENTO N º 904.124-0/9 São Paulo Agravante: Patrícia de Carvalho Izoldi Agravado: Paulo Penido Pinto Marques AGRAVO DE INSTRUMENTO N º 904.124-0/9 São Paulo Agravante: Patrícia de Carvalho Izoldi Agravado: Paulo Penido Pinto Marques AÇÃO DE DESPEJO POR FALTA DE PAGAMENTO CUMULADA COM COBRANÇA DE ALUGUERES E ENCARGOS.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2014.0000797047 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 2156587-31.2014.8.26.0000, da Comarca de Ibiúna,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0052654-08.2013.8.19.0000 Agravante: Município de Armação de Búzios Agravado: Lidiany da Silva Mello

Leia mais

Nº 70048989578 COMARCA DE PORTO ALEGRE BARBARA DE PAULA GUTIERREZ GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA A C Ó R D Ã O

Nº 70048989578 COMARCA DE PORTO ALEGRE BARBARA DE PAULA GUTIERREZ GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA A C Ó R D Ã O APELAÇÃO CÍVEL. DIREITO PRIVADO NÃO ESPECIFICADO. SITE DE BUSCA. O trabalho da demandada é tão somente de organizar o conteúdo já existente na internet, cuja elaboração é realizada por terceiros. Ou seja,

Leia mais

2ª fase- Direito Administrativo. 02/2007 - CESPE

2ª fase- Direito Administrativo. 02/2007 - CESPE 2ª fase- Direito Administrativo. 02/2007 - CESPE Foi noticiado em jornal de grande circulação que O secretário de transportes de determinado estado, e certa empresa de transportes coletivos, pessoa jurídica

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2015.0000770986 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Mandado de Segurança nº 2097361-61.2015.8.26.0000, da Comarca de, em que é impetrante GABRIELA DA SILVA PINTO, é impetrado

Leia mais

Autor: ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO AME/RJ. Réu: CEDAE - COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS

Autor: ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO AME/RJ. Réu: CEDAE - COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS Processo nº 0312090-42.2012.8.19.0001 Autor: ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO AME/RJ Réu: CEDAE - COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS S E N T E N Ç A Trata-se de ação de obrigação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MINUTA DE JULGAMENTO FLS. *** TERCEIRA TURMA ***

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MINUTA DE JULGAMENTO FLS. *** TERCEIRA TURMA *** TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MINUTA DE JULGAMENTO FLS. *** TERCEIRA TURMA *** ANOTAÇÕES: DUPLO GRAU 2004.61.00.022513-2 274205 AMS-SP PAUTA: 22/03/2006 JULGADO: 22/03/2006 NUM. PAUTA: 00182 BONORA RELATOR:

Leia mais

PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO 0004689-63.2013.2.00.0000

PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO 0004689-63.2013.2.00.0000 PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO 0004689-63.2013.2.00.0000 Requerente: Associaçao dos Magistrados do Estado de Pernambuco - Amepe Requerido: Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco Advogado(s):

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. AGRAVO DE INSTRUMENTO n 44 9.7 64-4/5-00, da Comarca de

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. AGRAVO DE INSTRUMENTO n 44 9.7 64-4/5-00, da Comarca de TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ^ ~ ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA ACÓRDÃO REGISTRADO(A) SOB N *01148888* Vistos, relatados e discutidos estes autos de AGRAVO DE INSTRUMENTO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ PROVIMENTO Nº 0060/97 O Desembargador GILBERTO DE PAULA PINHEIRO, Vice- Presidente/Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Amapá, no uso de suas atribuições legais, Considerando que a Lei Federal nº 6.766,

Leia mais

VISTOS, RELATADOS E DISCUTIDOS os presentes autos em que é Agravante Ivanildo Faustino da Silva e Agravada Justiça Pública;

VISTOS, RELATADOS E DISCUTIDOS os presentes autos em que é Agravante Ivanildo Faustino da Silva e Agravada Justiça Pública; , / títtil %finem! ' PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DES. ANTONIO CARLOS COÊLII0 DA FRANCA ACÓRDÃO Agravo em Execução n. 025.2004.000352-4/002 5' Vara da Comarca de

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 489.732 - DF (2002/0156851-2) RELATÓRIO O SR. MINISTRO BARROS MONTEIRO: Valdomiro Lopes de Souza ajuizou ação de manutenção de posse contra a Terracap Companhia Imobiliária de Brasília,

Leia mais

DEPÓSITO DO PEDIDO DE PATENTE: MERA EXPECTATIVA DE DIREITO.

DEPÓSITO DO PEDIDO DE PATENTE: MERA EXPECTATIVA DE DIREITO. DEPÓSITO DO PEDIDO DE PATENTE: MERA EXPECTATIVA DE DIREITO. Inicialmente cabe definirmos o que é patente, a qual nada mais é que uma propriedade temporária, legalmente concedida pelo Estado, sobre uma

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SÍLVIO RAMALHO JÚNIOR

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SÍLVIO RAMALHO JÚNIOR PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SÍLVIO RAMALHO JÚNIOR Agravo de Instrumento n 2002008013858-5/001. Relator : Desembargador Luiz Silvio Ramalho Júnior.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VÁLIDO E REGULAR DO PROCESSO - QUESTÃO DE ORDEM PÚBLICA - EXTINÇÃO DO FEITO SEM JULGAMENTO DO MÉRITO - ART. 557, DO CPC.

DESENVOLVIMENTO VÁLIDO E REGULAR DO PROCESSO - QUESTÃO DE ORDEM PÚBLICA - EXTINÇÃO DO FEITO SEM JULGAMENTO DO MÉRITO - ART. 557, DO CPC. AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 929977-6, DO FORO REGIONAL DE FAZENDA RIO GRANDE DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - VARA CÍVEL E ANEXOS AGRAVANTE : ROBERTO GOMES DA SILVA AGRAVADO : BANCO SANTANDER

Leia mais

Direito Constitucional Peças e Práticas

Direito Constitucional Peças e Práticas PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO CONSTITUCIONAL ASPECTOS JURÍDICOS E PROCESSUAIS DA RECLAMAÇÃO Trata-se de verdadeira AÇÃO CONSTITUCIONAL, a despeito da jurisprudência do STF a classificar como direito de petição

Leia mais

Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete do Des. Manoel Soares Monteiro

Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete do Des. Manoel Soares Monteiro Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete do Des. Manoel Soares Monteiro DECISÃO MONOCRÁTICA. AGRAVO DE INSTRUMENTO NQ 200.2011.016.515-2/001 RELATOR: Des. Manoel Soares Monteiro AGRAVANTE:

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator MANDADO DE SEGURANÇA Nº 2006.0003477-9/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE PITANGA IMPETRANTE...: JOÃO OLÍVIO BENTO DA SILVA AUTORIDADE COATORA...: JUIZ DE DIREITO DO JUIZADO ESPECIAL DA COMARCA

Leia mais

na. oulried -,41404,r), Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete do Des. MANOEL SOARES MONTEIRO

na. oulried -,41404,r), Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete do Des. MANOEL SOARES MONTEIRO ime na. oulried -,41404,r), ACÓRDÃO Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete do Des. MANOEL SOARES MONTEIRO AGRAVO DE INSTRUMENTO N 200.2003.018070-31001, Oriundo da 1 Vara Cível da Comarca

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL AÇÃO: 99.001.149975-9 AÇÃO CIVIL PÚBLICA ORIGEM: 4ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DA CAPITAL AGRAVANTE: MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AGRAVADO: MINISTÉRIO PÚBLICO RELATOR: DES. ROBERTO GUIMARÃES AGRAVO

Leia mais

Gabinete do Desembargador Federal Vladimir Souza Carvalho

Gabinete do Desembargador Federal Vladimir Souza Carvalho AGTR 138063/PB (0004514-29.2014.4.05.0000) AGRTE : UNIÃO AGRDO : TAIS KUBIK MARTINS REP DO MOVIMENTO TERRA LIVRE REPTE : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO PART INT : HOTEL TROPICANA S/A ADV/PROC : THELIO QUEIROZ

Leia mais

! " # $ $ % & $ $ ' (#! ) * + ),! -+!, #. + ) + / -+ /, 0

!  # $ $ % & $ $ ' (#! ) * + ),! -+!, #. + ) + / -+ /, 0 Durante dezenas de anos, os proprietários de imóveis na Barra da Tijuca (Jardim Oceânico e Tijucamar), tiveram seus imóveis devidamente registrados no 9º Ofício de Imóveis como alodiais ou seja livres

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO WILDO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO WILDO AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 116320/PB (0008159-67.2011.4.05.0000) AGRTE : MÁRIO CÉSAR CALIMAN ADV/PROC : LUCIANA PEREIRA ALMEIDA DINIZ AGRDO : CEF - CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ADV/PROC : AURÉLIO HENRIQUE FERREIRA

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 98089-52.2011.8.09.0000 (201190980894) COMARCA DE GOIÂNIA AGRAVANTE : ANNA CRISTINA TORRES FIUZA DE ALENCAR RELATOR : DES

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 98089-52.2011.8.09.0000 (201190980894) COMARCA DE GOIÂNIA AGRAVANTE : ANNA CRISTINA TORRES FIUZA DE ALENCAR RELATOR : DES AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 98089-52.2011.8.09.0000 (201190980894) COMARCA DE GOIÂNIA AGRAVANTE : ANNA CRISTINA TORRES FIUZA DE ALENCAR RELATOR : DES. ALAN SEBASTIÃO DE SENA CONCEIÇÃO RELATÓRIO E VOTO Anna

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL SEM REVISÃO n 264.352-4/7-00, da Comarca de

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL SEM REVISÃO n 264.352-4/7-00, da Comarca de PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA ACÓRDÃO REGISTRADO(A) SOB N Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL SEM

Leia mais

:João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros).

:João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros). APELAÇÃO CÍVEL N 200.2008.032.045-61 001. Relator :João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros). Apelado :Evaldo de Lima

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000251389 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0128060-36.2010.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante AGÊNCIA ESTADO LTDA, é apelado IGB ELETRÔNICA

Leia mais

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N *02921223* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto contra acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo assim ementado: "Exceção

Leia mais

Processo nº 201304015410. Requerente: Elivaldo de Castro Moreira e outra. Requerido: Banco Bradesco S/A. Natureza: Anulatória SENTENÇA

Processo nº 201304015410. Requerente: Elivaldo de Castro Moreira e outra. Requerido: Banco Bradesco S/A. Natureza: Anulatória SENTENÇA Processo nº 201304015410 Requerente: Elivaldo de Castro Moreira e outra Requerido: Banco Bradesco S/A Natureza: Anulatória SENTENÇA Trata-se de Ação Anulatória de Registro de Averbação da Carta de Adjudicação

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0055626-48.2013.8.19.0000 AGRAVANTE: JAQUELINE MACIEL LOURENÇO DA SILVA

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0055626-48.2013.8.19.0000 AGRAVANTE: JAQUELINE MACIEL LOURENÇO DA SILVA AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0055626-48.2013.8.19.0000 AGRAVANTE: JAQUELINE MACIEL LOURENÇO DA SILVA AGRAVADO: INSTITUTO ANALICE LTDA RELATOR: DES. AUGUSTO ALVES MOREIRA JUNIOR AGRAVO DE INSTRUMENTO. DIREITO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl no MANDADO DE SEGURANÇA Nº 13.873 - DF (2008/0219759-2) RELATOR EMBARGANTE ADVOGADA EMBARGADO PROCURADOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : INSTITUTO NOSSA SENHORA DO CARMO : PRISCILLA TRUGILLO MONELLO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MINUTA DE JULGAMENTO FLS. *** SEGUNDA TURMA ***

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MINUTA DE JULGAMENTO FLS. *** SEGUNDA TURMA *** TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL MINUTA DE JULGAMENTO FLS. *** SEGUNDA TURMA *** ANOTAÇÕES: JUST.GRAT. 95.03.010267-7 233069 AC-SP PAUTA: 13/03/2007 JULGADO: 13/03/2007 NUM. PAUTA: 00050 SANTOS RELATOR: DES.FED.

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. RIBEIRÃO PRETO, em que é agravante COMPANHIA HABITACIONAL

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. RIBEIRÃO PRETO, em que é agravante COMPANHIA HABITACIONAL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO AC REG.STRADO(A)SOBN Vistos, relatados e discutidos estes autos de AGRAVO DE INSTRUMENTO n e 682.409-5/0-00, da Comarca de RIBEIRÃO PRETO, em que é agravante COMPANHIA

Leia mais

QUINTA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

QUINTA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO QUINTA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO AGRAVO DE INSTRUMENTO nº 0042576-57.2010.8.19.0000 AGRAVANTE: CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO GENERAL ALBERTO DIAS SANTOS AGRAVADO: XXXXX XX

Leia mais

DECISÃO MONOCRÁTICA. Lei n. 12.016/2009, tirado contra a autoridade coatora, ilibado. desembargador Melo Colombi, haja vista que ao ser julgado seu

DECISÃO MONOCRÁTICA. Lei n. 12.016/2009, tirado contra a autoridade coatora, ilibado. desembargador Melo Colombi, haja vista que ao ser julgado seu fls. 73 Registro: 2014.0000596141 VOTO Nº 12525 Mandado de Segurança nº 2164775-13.2014.8.26.0000 Relator(a): Carlos Abrão Comarca: São Paulo (1ª Vara Cível - Foro Regional de Pinheiros) Impetrante: Silvy

Leia mais

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2012.0000382774 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001561-08.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é apelante PLANO DE SAÚDE ANA COSTA LTDA, é apelado

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI APELAÇÃO / REEXAME NECESSÁRIO Nº 15708 CE (0007321-11.2010.4.05.8100) APELANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL APELADO : UFC - UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ REPTE : PROCURADORIA REGIONAL FEDERAL - 5ª REGIÃO

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 762.243 RIO DE JANEIRO RELATORA RECTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. CÁRMEN LÚCIA :MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO :PROCURADOR-GERAL DO MUNICÍPIO DO RIO DE

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Vistos, relatados e discutidos estes autos de RECURSO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Vistos, relatados e discutidos estes autos de RECURSO ACÓRDÃO ^SSS^ AC TGISTRADO(A)SOBN -- iriümpiii *00727314* Vistos, relatados e discutidos estes autos de RECURSO EX-OFICIO n 114.385-0/2-00, da Comarca de ITAPETININGA, em que é recorrente JUÍZO "EX OFFICIO",

Leia mais

líquido e certo dos estabelecimentos representados pelo impetrante.

líquido e certo dos estabelecimentos representados pelo impetrante. MANDADO DE SEGURANÇA Nº 1295697-5, DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA. Impetrante: ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DE SUPERMERCADOS - APRAS Impetrado: SECRETÁRIO DE ESTADO DA SEGURANÇA

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho \,, *.. _ ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL n g- 001.2005.017735-9/001 Comarca de Campina Grande RELATOR : Des. Genésio

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator RECURSO INOMINADO nº 2006.0003375-3/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE APUCARANA Recorrente...: ROVIGO INDUSTRIA E COMERCIO DE CONFECÇÕES LTDA Recorrida...: FINASA LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores MOREIRA VIEGAS (Presidente) e JAMES SIANO. São Paulo, 6 de março de 2013.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores MOREIRA VIEGAS (Presidente) e JAMES SIANO. São Paulo, 6 de março de 2013. Registro: 2013.0000126203 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0029997-39.2011.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante ANNA SPALLICCI, é apelado MARIO RENATO

Leia mais

Desembargador SEBASTIÃO COELHO Acórdão Nº 732.640 E M E N T A

Desembargador SEBASTIÃO COELHO Acórdão Nº 732.640 E M E N T A Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 5ª Turma Cível Processo N. Agravo de Instrumento 20130020148016AGI Agravante(s) SINDICATO DOS ODONTOLOGISTAS DO

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa Agravo de Instrumento n 2 073.2012.001287-4 /001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa Agravante: Marina Jacaré Clube Advogado:

Leia mais

Nº 70020131579 COMARCA DE PORTO ALEGRE BANCO DO BRASIL S/A MARINA HELENA ALENCASTRO

Nº 70020131579 COMARCA DE PORTO ALEGRE BANCO DO BRASIL S/A MARINA HELENA ALENCASTRO AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. LITISCONSÓRCIO PASSIVO. SENTENÇA DE PARCIAL PROCEDENCIA, CONDENANDO APENAS UMA DAS PARTES DEMANDADAS. NÃO INCIDÊNCIA DO ART. 191, DO CDC. SÚMULA 641, DO STF. PRAZO SIMPLES PARA RECORRER.

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0701.11.038426-3/001 Númeração 0384263- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Versiani Penna Des.(a) Versiani Penna 14/11/2013 25/11/2013 EMENTA: APELAÇÃO

Leia mais

MEDIDA CAUTELAR Nº 256656-16.2013.8.09.0000 (201392566568) COMARCA DE GOIÂNIA

MEDIDA CAUTELAR Nº 256656-16.2013.8.09.0000 (201392566568) COMARCA DE GOIÂNIA MEDIDA CAUTELAR Nº 256656-16.2013.8.09.0000 (201392566568) COMARCA DE GOIÂNIA REQUERENTE : GUILHERME COSTA CABRAL REQUERIDA : SOCIEDADE GOIANA DE CULTURA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS - PUC/GO

Leia mais

CÍVEL Nº 70046905287 COMARCA DE PORTO ALEGRE EURO PARTICIPACOES LTDA. MUNICIPIO DE PORTO ALEGRE

CÍVEL Nº 70046905287 COMARCA DE PORTO ALEGRE EURO PARTICIPACOES LTDA. MUNICIPIO DE PORTO ALEGRE APELAÇÃO. DIREITO TRIBUTÁRIO. ITBI. LEI MUNICIPAL N. 197/1989. ALÍQUOTAS DIFERENCIADAS EM RAZÃO DE BENEFÍCIO FISCAL. AUSÊNCIA DE PROGRESSIVIDADE. A previsão contida na lei municipal de alíquotas diferenciadas

Leia mais

IV - APELACAO CIVEL 2007.51.05.000235-5

IV - APELACAO CIVEL 2007.51.05.000235-5 Relatora : Desembargadora Federal SALETE MACCALÓZ APELANTE : CARMEM LUCIA LOPES TEIXEIRA Advogado : Paulo Roberto T. da Costa (RJ141878) APELADO : CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF Advogado : Gerson de Carvalho

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2013.0000216806 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 0196471-72.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante SOCIORTHO COMERCIO

Leia mais

1. Direito das coisas 2. Posse 3. Classificação da Posse 4. Ações ou Interdito possessórios 5. Propriedade

1. Direito das coisas 2. Posse 3. Classificação da Posse 4. Ações ou Interdito possessórios 5. Propriedade CURSO EXTENSIVO FINAL DE SEMANA OAB 2012.2 Disciplina DIREITO CIVIL Aula 07 EMENTA DA AULA 1. Direito das coisas 2. Posse 3. Classificação da Posse 4. Ações ou Interdito possessórios 5. Propriedade GUIA

Leia mais

ACÓRDÃO. Rio de Janeiro, 05 de outubro de 2010. Desembargador ROBERTO FELINTO Relator

ACÓRDÃO. Rio de Janeiro, 05 de outubro de 2010. Desembargador ROBERTO FELINTO Relator DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº 0355516-46.2008.8.19.0001 Apelante 1 : AZZURRA PARIS VEÍCULOS LTDA. Apelante 2 : SUL AMÉRICA COMPANHIA NACIONAL DE SEGUROS Apelados 1 : OS MESMOS Apelado 2

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 004/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA

NOTA TÉCNICA Nº 004/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA NOTA TÉCNICA Nº 004/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA São Paulo, 17 de outubro de 2012. 1. Referência A presente Nota Técnica nº 004/2012/GT tem por objetivo proceder

Leia mais

Nº 2324/2014 - ASJTC/SAJ/PGR

Nº 2324/2014 - ASJTC/SAJ/PGR Nº 2324/2014 - ASJTC/SAJ/PGR Suspensão de Liminar nº 764/AM Relator: Ministro Presidente Requerente: Estado do Amazonas Requerido: Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas Interessado: Ministério Público

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.311.383 - RS (2012/0041009-1) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO AGRAVANTE : ANTONIO CHAGAS DE ANDRADE ADVOGADOS : MARCELO LIPERT E OUTRO(S) ROBERTO DE FIGUEIREDO

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMB. FEDERAL RELATOR 3 A TURMA DO E. TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4 A REGIÃO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMB. FEDERAL RELATOR 3 A TURMA DO E. TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4 A REGIÃO ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL ESPECIALIZADA-INSS EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMB. FEDERAL RELATOR 3 A TURMA DO E. TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4 A REGIÃO AGRAVO

Leia mais