EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA 26ª VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE PERNAMBUCO SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE PALMARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA 26ª VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE PERNAMBUCO SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE PALMARES"

Transcrição

1 EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA 26ª VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE PERNAMBUCO SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE PALMARES Ref. Inquérito Civil nº / Ação Civil Pública nº /2011 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por sua Procuradora da República, vem respeitosamente ante Vossa Excelência, com apoio no art. 129, III, da Constituição Federal e disposições similares da Lei Complementar 75/93 e da Lei 7.347/85 (Lei da Ação Civil Pública), propor AÇÃO CIVIL PÚBLICA, com pedido de antecipação de tutela, em face de: AUGUSTO RODRIGUES COUTINHO DE MELO, brasileiro, casado, deputado, inscrito no CPF sob o nº , portador da cédula de identidade nº SSP/PE, residente e domiciliado na Av. Boa Viagem, nº 624, apto. 701, Boa Viagem, Recife/PE, CEP nº: , pelos motivos de fato e de direito adiante expostos. I - Síntese da Demanda Pretende o Ministério Público Federal, por intermédio desta Ação Civil Pública, a prestação da tutela jurisdicional visando a condenação do réu à reparação e imediata cessação de danos ambientais, em razão de construções irregulares em áreas de praia, de proteção ambiental e de preservação permanente sem as devidas autorizações e licenças ambientais pertinentes, tudo em consonância com a Constituição Federal, a Lei nº 6.938/81, que dispõe sobre a política nacional do meio ambiente, a Lei nº 9.984/2000, que dispõe sobre a criação das Unidades de Conservação Federais, e a Lei n.º 9.605/98, que trata dos crimes ambientais. 1

2 II - Dos Fatos Em vistoria realizada pelo Instituo Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade-ICMBio, unidade responsável pela APA Costa dos Corais, foram constadas as seguintes irregularidades ambientais: i) construção de muro de residência em área de preservação permanente, a menos de 10 (dez) metros da margem do Rio Mamucabas; ii) de um muro de contenção de aproximadamente 60 (sessenta) metros quadrados em terreno de marinha e dentro da Área de Proteção Ambiental - APA Costa dos Corais, causando barramento do fluxo de maré; iii) aterro em área de marinha (fl. 09). O réu foi notificado em dezembro de 2008 (notificação nº , fls. 16 do ICP 1 ), a fim de apresentar documentos relativos à construção de um muro de contenção em área de praia ao núcleo de licenciamento do IBAMA/PE. Com o fim de corroborar sua ação, o réu apresentou perante o ICMBio apenas um alvará de licença expedido pela edilidade local, contudo, de acordo com a fiscalização ambiental, por se tratar de obra que causa significativo impacto ambiental, seria necessário o licenciamento ambiental e anuência do órgão gestor da Unidade de Conservação, no caso o ICMBio/APA Costa dos Corais. Dessa feita, em 29 de janeiro de 2009, os agentes do ICMBio retornaram ao imóvel e autuaram o réu por meio do auto de infração nº D, por causar dano à Unidade de Conservação APA Costa dos Corai,s e embargaram a obra de construção do muro de contenção, lavrando o termo de embargo nº (fls. 07/08 do ICP). Ocorre que, após a autuação administrativa, parte do muro e do aterro foram derrubados pela ação ondas 2, razão pela qual o réu requereu perante a CPRH 3, em agosto de 2009, uma autorização para construção de novo muro de contenção, à qual denominou de solução emergencial. Em 06/10/2009, a equipe da Unidade de Gestão Costeira da CPRH (à época denominada GERCO), emitiu relatório técnico, com parecer recomendando o 1 A numeração indicada correspondente aos autos principais do Inquérito Civil-IC, quando a referência for aos autos do Anexo (PA CPRH nº /2009) haverá expressa menção. 2 Realidade verificada em agosto de 2009, em vistoria conjunta realizada pelo ICMBIO e APA de Guadalupe), consoante Relatórios Técnicos GERCO nº 49/2009, às fls. 108/112, relativo a pedido de autorização para construção de muro de contenção contíguo ao do Sr. Augusto Coutinho, e 68/2009, fls. 46/55-Anexo). 3 Agência Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. 2

3 indeferimento da solicitação, tendo constatado ainda diversas irregularidades na construção da residência do réu e do imóvel vizinho 4 em razão de parte das estruturas estarem inseridas dentro da faixa de proteção dos 33 (trinta e três) metros, enquanto o muro de pedras construído em 2008 foi identificado como responsável pelo desencadeamento e por potencializar a erosão no local. Não obstante o parecer técnico contrário, em março de 2010, foi concedida uma autorização pela CPRH (nº ) para a construção de dois flancos de contenção do mar na Praia de Mamucabinhas (última folha do Anexo I). Na sequência, o réu construiu novo muro de contenção em frente ao seu imóvel. Em junho de 2010, a própria CPRH realizou vistoria no local (fls. 164/166 do Anexo), quando a obra estava em fase de finalização, sendo observado, na oportunidade, que o projeto executado no local não corresponde ao aprovado. Em agosto de 2010, após o que restou acordado em reunião realizada na sede desta Procuradoria da República (ata às fls. l05/106), foi realizada vistoria conjunta pela equipe técnica do ICMBio/APA Costa dos Corais e do IBAMA (Núcleo de Licenciamento Ambiental e Divisão de Coordenação e Fiscalização, para que se procedesse a uma medição das casas do réu e do imóvel vizinho pertencente ao Sr. Antônio Cláudio Cisneiros, a partir da linha de preamar máxima no mês de agosto. Segundo o Parecer Técnico nº 19/2010-NLA/IBAMA/SUPES/PE, o réu AUGUSTO COUTINHO, proprietário da área adquirida há cerca de 09 (nove) anos 5 e localizada na praia de Mamucabas se encontra 70% da área dentro da linha máxima de preamar 6 -, e em área de preservação permanente, impedindo a regeneração de vegetação característica de restinga. Além disso, atestou que a barreira de contenção construída sem anuência prévia do ICMBIO/APA Costa dos Corais, provocou sérios danos ao meio ambiente, agravando o processo erosivo e de avanço do mar. (fls. 128/156) 4 O proprietário desse imóvel, o Sr. Antônio Cláudio Cysneiros Cavalcanti Júnior, já responde à ação civil pública em trâmite nesta mesma Seção Judiciária (processo nº ( ), por construções irregulares, incluindo a edificação de muro de contenção contíguo ao construído pelo réu. Além disso, já foi condenado criminalmente por esses mesmos fatos (processo nº ( ). 5 Segundo escritura pública acostada aos autos do procedimento administrativo da CPRH apenso ao IC (fls. 125/127). 6 Consoante Parecer Técnico nº 19/2010-NLA/IBAMA/SUPES/PE, de 27 de agosto de 2010, elaborado por técnicos do IBAMA e do ICMBio (APA Costa dos Corais). 3

4 Oficiado a fim de informar as providências adotadas a partir das irregularidades contatadas no mencionado parecer técnico, o ICMBio, informou através do Ofício nº 28/2011 APA COSTA DOS CORAIS, que foi lavrado novo auto de infração em face do Sr. Augusto Rodrigues Coutinho, em 11 de setembro de 2011, por construir muro de contenção em área de praia dentro dos limites da unidade de conservação federal APA Costa dos Corais sem o devido processo de licenciamento ambiental. Questionado acerca da forma de reparação do dano ambiental, respondeu que os imóveis por encontrarem-se em área próxima a desembocadura de rio (Fig. 01), sujeitos a alta dinâmica e instabilidade costeira (Fig. 02), ocupando área original de restinga que é considerada área de preservação permanente, e não respeitando os recuos exigidos por lei, tanto em relação ao manguezal localizado nos fundos do terreno quanto à linha de preamar, estão ilegalmente instalados e são ambientalmente inviáveis na área em questão. (fls. 196/197). Por fim, nova vistoria foi realizada no dia 21 de julho de corrente, desta feita pela equipe técnica do MPF, a qual resultou na elaboração da Informação Técnica MPF/PRPE/UPD/FS nº 25/2011. De acordo com a conclusão da equipe, O imóvel de propriedade do Sr. Augusto Coutinho, objeto do autos em epígrafe, cuja localização espacial é indicada pelas coordenadas geográficas apresentadas na tabela 01, está parcialmente edificada e ocupando área de pós-praia, área não edificante (cf. Fotos 01, 04 e 07). III Do Direito III. 1- Da Competência da Justiça Federal A competência da Justiça Federal vem disciplinada no artigo 109 da Constituição da República Federativa do Brasil: Art Aos juízes federais compete processar e julgar: I as causas em que a União, entidade ou empresa pública federal forem interessadas na condição de autoras, rés, assistentes ou opoentes, exceto as de falência, as de acidente de trabalho e as sujeitas à Justiça Eleitoral e à Justiça do Trabalho; (...). In casu, a competência da Justiça Federal é evidente, pois se trata de construções irregulares em área de terreno de marinha, causando danos ambientais em local especialmente protegido, qual seja, APA Costa dos Corais, Unidade de Conservação Federal. 4

5 Além de se tratar de Unidade de Conservação Federal, a área pertence à União, pois a Constituição de 1988, Capítulo II, artigo 20, inciso IV, estabelece que as praias marítimas são bens da União, assim como os terrenos de marinha (inciso VII). O imóvel em questão, portanto, está localizado em área federal especialmente protegida pela legislação ambiental, havendo inegável interesse da União. federais, no feito. Além disso, manifesto o interesse do IBAMA e do ICMBio, autarquias Desta feita, claro está, nos termos do artigo 109, I, da Constituição da República, a competência desta Justiça Federal para o processamento e julgamento da presente demanda. III Legitimidade Ativa do Ministério Público Federal A norma do artigo 127 da Constituição Federal prescreve que ao Ministério Público, instituição essencial à função jurisdicional, compete a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis. Estabelecido este vetor, dispõe em seguida: Art São funções institucionais do Ministério Público: (...) III - promover o inquérito civil público e a ação civil pública, para a proteção do patrimônio público e social, do meio ambiente e outros interesses difusos e coletivos. Pela análise do texto normativo transcrito, verifica-se que o constituinte incumbiu especificamente ao Ministério Público a relevante missão de defesa/proteção do patrimônio público, do meio ambiente e de qualquer outro interesse difuso, coletivo ou individual homogêneo de relevância social. Em harmonia com a Carta Magna, preceitua a Lei Complementar n.º 75/93, que dispõe sobre a organização, as atribuições e o estatuto do Ministério Público da União estabelece em seu art. 6º, VII, b, competir ao MPU promover o inquérito civil e a ação civil público para: A proteção do patrimônio público e social, do meio ambiente, dos bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico;(...). 5

6 A presente ação civil pública tem por objetivo a defesa do meio ambiente, pugnando pela cessação imediata e reparação de danos ambientais, em decorrência de construções em área especialmente protegida pela legislação federal, sem autorização da autoridade competente, com impacto ambiental negativo na área, como adiante se demonstrará. Portanto, legítima a atuação do Ministério Público Federal para figurar no pólo ativo da demanda. III. 3- Do dever de reparar do dano Ressalte-se, de início, que a responsabilidade civil por danos causados ao meio ambiente é objetiva, nos termos da Constituição Federal e da legislação infraconstitucional. Com efeito, a Constituição Federal prevê no seu art. 225, 3º, que as condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, independentemente da obrigação de reparar os danos causados. Por sua vez, a Lei de Política Nacional do Meio Ambiente, por meio do art. 4º, VII, da Lei nº 6.938/81, consagra como um de seus objetivos a imposição ao poluidor e ao predador da obrigação de recuperar e/ou indenizar os danos causados. Além disso, possibilita o reconhecimento da responsabilidade do poluidor em indenizar e/ou reparar os danos causados ao meio ambiente e aos terceiros afetados por sua atividade, independentemente da existência de culpa (art. 14, 1º, da lei referida). A aplicação da penalidade administrativa, prevista nos incisos I, II, III e IV do art. 14, não elide a indenização ou reparação que o Poder Judiciário possa cominar, consoante se percebe, sem entrementes de dúvidas, na disposição contida no 1º do aludido art. 14. Acerca do assunto, ensina Paulo Affonso Leme Machado 7 : A responsabilidade objetiva ambiental significa que quem danificar o ambiente tem o dever jurídico de repará-lo. Presente, pois, o binômio dano/reparação. Não se pergunta a razão da degradação para que haja o dever de indenizar e/ou reparar. A responsabilidade sem culpa tem incidência na indenização ou na reparação dos danos causados ao meio ambiente e aos terceiros afetados por sua atividade (art. 14, 1º, da Lei nº 6.938/81). Não interessa que tipo de obra ou atividade seja exercida pelo que degrada, pois não há necessidade de que ela 7 MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito Ambiental Brasileiro. 10ª Edição, rev. atual. e ampliada. Editora Malheiros. São Paulo-SP. p. 314/315. 6

7 apresente risco ou seja perigosa. Procura-se quem foi atingido e, se for o meio ambiente e o homem, inicia-se o processo lógico-jurídico da imputação civil objetiva ambiental. Só depois é que se entrará na fase do estabelecimento do nexo de causalidade entre a ação ou omissão e o dano. É contra o Direito enriquecer-se ou ter lucro à custa da degradação do meio ambiente. (Grifou-se) Dessa feita, estabelecido que houve um dano ambiental no presente caso, uma vez que se trata de área de proteção ambiental especial - Área de Proteção de Ambiental Costa dos Corais - APA/Costa dos Corais 8 -, além de outras áreas de preservação permanente, nas quais foram realizadas construções, sem a imprescindível autorização e licença ambiental do órgão competente e em desrespeito às normas ambientais, é de se impor ao responsável pelo respectivo dano as cominações previstas em lei. IV Do dano ambiental A Lei nº 9.985/2000 instituiu o Sistema Nacional de Unidades de Conservação, dividindo-as em dois grupos: as de proteção integral e de uso sustentável. O objetivo das unidades proteção integral é preservar a natureza, sendo admitido apenas o uso indireto dos seus recursos naturais; enquanto o das unidades de uso sustentável é compatibilizar a conservação da natureza com o uso sustentável de parcela dos seus recursos naturais. A Área de Proteção Ambiental (APA) Costa dos Corais é uma unidade de conservação federal de uso sustentável e foi implementada em 1997 com o apoio do IBAMA. É a maior unidade federal de conservação marinha do país, abrangendo uma área de km², que vai desde Paripueira, AL, até Tamandaré, PE, abrangendo uma região de 12 municípios. Conforme sumário dos fatos, o réu construiu estruturas em áreas especialmente protegidas por lei e ainda muros de contenção em frente à praia, dentro de área definida como área de proteção ambiental- APA-Costa dos Corais-, sem autorização das autoridades competentes. 8 DECRETO DE 23 DE OUTUBRO DE Dispõe sobre a criação da Área de Proteção Ambiental da Costa dos Corais, nos Estados de Alagoas e Pernambuco, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista o disposto nas Leis nº 6.902, de 27 de abril de 1981, e 6.938, de 31 de agosto de 1981, Art. 1º Fica criada a Área de Proteção Ambiental-APA, denominada Costa dos Corais, localizada nos municípios de Maceió, Barra de Santo Antônio, São Luís do Quitunde, Passo de Camarajibe, São Miguel dos Milagres, Porto de Pedras, Japaratinga e Maragoji no Estado de Alagoas e São José da Coroa Grande, Barreiros, Tamandaré e Rio Formoso no Estado de Pernambuco, e nas águas jurisdicionais (...). 7

8 Surpreendentemente, após a queda do primeiro muro de contenção construído pelo réu e objeto de autuação pelo IBAMA (fls. 06), o réu construiu um outro muro com a mesma finalidade de conter o avanço do mar sobre a sua propriedade. Desta feita, requereu autorização prévia à CPRH, que autorizou a construção de dois flancos de contenção (...), revestidos com troncos de coqueiros e cascos de coco secos, para conter a erosão marinha (autorização nº ). Todavia tal autorização é inválida, consoante será detalhado no próximo tópico. 9 Os danos ocasionados pela ação depredatória do réu estão pormenorizados no relatório circunstanciado de fiscalização do ICMBio acostado às fls. 09/09v do IC, especificamente no item descrição do dano, o qual permite concluir que efetivamente houve dano à unidade conservação federal, além de impactos sociais e econômicos em razão da privatização de área de praia, bem de uso comum. Consoante o relatório circunstanciado de fiscalização, in verbis: Foi realizada uma escavação na praia para construção do alicerce do muro de contenção causando dano a referida unidade, pois instalação de barramento na linha de praia aumenta remobilização de sedimento, com a consequente suspensão da areia, proporcionando o aumento da turbidez da água e, de acordo com as direções da deriva litorânea e das correntes marinhas, ocasionará deposição dos mesmos sobre os recifes de corais. Tendo em vista que recifes de corais são estruturas marinhas constituídas por uma série de organismos que vivem em simbiose, entre eles as algas zooxantelas, as quais submetidas ao estresse térmico ou outra condição desfavorável, dentre elas excesso de sedimentos, tornam-se tóxicas e são expulsas dos corais, causando 'embranquecimento' e morte dos mesmos, uma vez que elas são responsáveis pela cor e fornecimento de nutrientes, oxigênio e auxílio na formação do esqueleto calcário e em troca servem de abrigo para elas; As obras de contenção à erosão efetivamente causam perturbações profundas no litoral, já que se trata de estrutura estática num meio bastante dinâmico que modifica as condições locais da deriva litorânea, induzindo fenômenos de difração e refração da agitação marítima estranhos ao funcionamento natural do sistema, onde as ondas atacam com mais energia a costa, gerando correntes de retorno com elevado poder remobilizador, aumentando a erosão em outro ponto, fazendo-se sentir efeitos negativos, por vezes, a quilômetros do local onde a estrutura foi implantada e como consequencia verifica-se uma tendência para estas estruturas se multiplicarem ao longo da costa. (alverinho, 1993); (...) O empreendimento em questão causou dano ambiental direto a Apa Costa dos Corais ao proceder escavações na área de abrangência das marés. Pelo exposto, entendemos que além dos danos ambientais causados, as leis ambientais não foram devidamente observadas, principalmente quando se permitiu construir em área não edificável e também na ocasião em que a 9 Para apurar a responsabilidade criminal em razão da concessão irregular dessa autorização foi instaurado procedimento administrativo pelo MPF, com posterior oferecimento de denúncia contra o Diretor de Gestão Territorial e Recursos Hídricos da CPRH (processo nº ). 8

9 prefeitura de Barreiros não considerou as leis ambientais e emitiu alvará de licença (que continha restrição) para construção do muro em terreno de Domínio da união sem autorização dos órgãos ambientais competentes nem do patrimônio da união GRPU. Finalmente, corroboramos com o entendimento da maioria absoluta dos pesquisadores, que manifestam claramente opiniões contrárias as construções sem o mínimo recuo da linha de costa como forma preventiva principal, exemplificadas pelos comentários abaixo: 'A instabilidade natural da linha de costa exige que as construções deixem faixas de recuo a permitir que os ciclos de erosão/sedimentação se processem livremente, sem a necessidade de obras de contenção a cada momento, deixando-as para casos excepcionais de mais difícil previsão' (Rodolfo J. Ângulo). (Grifado) Assim, o parecer técnico apresentado pelo IBAMA identifica os seguintes danos ambientais na área objeto da presente intervenção ministerial: a) aterro em área de marinha; b) edificação de um muro da casa localizado a menos de 10 metros da margem do rio Mamucabas, que é área de preservação permanente (mangue); c) edificação de um muro de contenção na praia, com área de aproximadamente 60 metros quadrados em terreno de marinha e da Unidade de Conservação APA Costa dos Corais, causando barramento do fluxo da maré. A justificativa de que se trata de obra de contenção do mar não prospera, haja vista que é justamente esse tipo de ação, individual e de forma desarticulada, que provoca o fenômeno da erosão costeira e, em consequência, o avanço do mar. Nesse sentido, o estudo do PROJETO MAI - Monitoramento Ambiental Integrado e Avaliação dos Processos de Erosão Costeira nos Municípios de Paulista, Olinda, Recife e Jaboatão dos Guararapes, in verbis: 1.Considerações Preliminares Constata-se ao longo do litoral do Estado de Pernambuco intensa ocupação da linha de praia por edificações privadas e a construção de obras de contenção (e.g. muros de proteção, espigões, diques, quebra-mares), que se constituem como um dos principais e mais relevantes problemas da zona costeira. Estas obras, dimensionadas para corrigir um problema local (pontual), acabam induzindo ou acelerando a instalação de processos naturais de erosão marinha em áreas adjacentes, resultando no chamado efeito dominó, que é observado na orla de alguns municípios do litoral pernambucano. Não obstante, as intervenções 9

10 antrópicas geralmente resultam no agravamento da situação costeira, inclusive com ônus para a comunidade - ocasionando ou podendo resultar em danos materiais -, e são executadas, na maioria das vezes, a pretexto da contenção do avanço do mar. Verifica-se, in loco, que tais medidas geralmente funcionam apenas em caráter emergencial e na maioria das vezes são utilizadas para proteção de propriedades individuais, o que acaba resultando na proliferação das mesmas. 10 Em complemento, foram produzidos relatórios e pareceres técnicos pelas equipes de fiscalização da CPRH, do IBAMA e do ICMBio corroborando os danos ambientais que justificaram a lavratura do auto de infração e identificando outras infrações ambientais em decorrência da construção do próprio imóvel edificado pelo réu. Com efeito, através do relatório Técnico GERCO nº 68/2009, a equipe de fiscalização da CPRH concluiu que parte das estruturas do imóvel do réu, assim como o imóvel vizinho de propriedade de Antônio Claúdio Cysneiros Cavalcanti, está situada dentro da faixa de proteção dos 33 (trinta e três) metros estabelecida pelo Decreto estadual nº / , e que a vegetação de praia fixadora de solo foi suprimida na área do póspraia para a implantação das residências. Ainda, de acordo com o parecer, (...) A implantação das residências vem provocando alterações significativas nos processos costeiros e marinhos, na medida em que dificultam ou impedem as dinâmicas sazonais de transporte de sedimentos, desencadeando ou potencializando a ocorrência de processos erosivos. Além de reduzir a largura da faixa de praia e modificar o equilíbrio deste ambiente, as obras irregulares em área de praia privatizam o bem público de uso comum do povo. A equipe técnica, então, determinou a emissão da intimação nº 5084 referente à: 1) construção de residência sem licença ambiental, na praia de Mamucabinhas; 2) construção de muro de arrimo e outras infra-estruturas em área não edificante (faixa de praia) e 3) degradação ambiental, a partir do desencadeamento de processos erosivos causados pelas referidas construções (fls. 46/55-Anexo). Após a construção do segundo muro de contenção pelo réu, a equipe da Unidade de Gestão Costeira-UCG da CPRH realizou vistoria no local (fls. 164/166 do Anexo), quando a obra estava em fase de finalização, tendo constatado naquele momento 10 Mais detalhes sobre o estudo na página da internet da Procuradoria da República em Pernambuco (www.prpe.mpf.gov.br/internet/casos/erosao-costeira-avanco-do-mar) 11 DECRETO Nº DE 29 DE DEZEMBRO DE 1999 Aprova o Zoneamento Ecológico Econômico Costeiro _ ZEEC do litoral sul de Pernambuco, e dá outras providências. 10

11 que o projeto executado no local não corresponde ao aprovado. E mais. Constatou que além disso existem indícios de que nem todo o entulho do muro de pedra existente anteriormente foi retirado do local e de que foi executado aterro na área de praia sem a devida autorização, razão pela qual encaminhou o processo ao setor competente para adoção das providências cabíveis. Em seguida, vistoria conjunta das equipes de fiscalização, resultou na elaboração do Parecer Técnico nº 19/2010-NLA/IBAMA/SUPES/PE, segundo o qual: i) as residências fiscalizadas, dentre as quais o imóvel do réu, foram construídas em APP-área de preservação permanente; ii) a construção do muro de arrimo provocou sérios danos ao ambiente de praia, tanto no visual como ambiental, tendo em vista que, quando não existia o muro a linha de preamar caminhava no seu percurso natural e em armonia (sic) com o resto da praia; iii) o aterro foi feito com barro coberto de areia. Esse barro uma vez carreado para o mar aumentará a turbidez dos sedimentos podendo levar ao branqueamento e morte dos corais localizados nos arrecifes defronte às residências. A equipe técnica ambiental, ao término da vistoria, concluiu que: Em consulta realizada nas Tabelas das Mares da Diretoria de Hidrografia e Navegação de Dados Oceanográficos BNDO, do dia 09/08/10 a maré desta data registrou altura máxima de 2,3m às 15:41h, dando esta linha de preamar condições para se fazer as medições necessárias para se definir a área de restrição a construção civil. Através das medidas feitas no item 3.4, definiu-se que a construção dos imóveis foi realizada em área com vegetação herbácea característica de restinga, confirmando em imagens de satélites, (Fig. 16 e 17) e verificado in loco pela constatação da existência de vegetação de restinga em torno da edificação (Fig. 10 e 11), sendo o referido ecossistema considerado de preservação permanente, conforme Art. 2º alínea f da Lei 4.771/65 e Resolução do CONAMA 303/2002 que dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. Sendo assim, tanto a casa do Sr. Cláudio Cysneiros Cavalcanti Júnior e a do Sr. Augusto Coutinho foram edificadas em APP, área de restinga e impedindo a regeneração de vegetação característica de restinga. (...). Parecer Técnico nº 19/2010- NLA/IBAMA/SUPES/PE. Por fim, foi realizada vistoria pela equipe técnica do MPF no último dia 21 de julho e elaborada a Informação Técnica nº 25/2011, a qual corrobora tudo o quanto exposto e constatado nas vistorias anteriores. E mais, demonstra que as irregularidades ambientais permanecem e comprova o aceleramento do processo erosivo após as 11

12 construções empreendidas pelo réu, sobretudo da estrutura de contenção na área de praia. Além disso, constatou que a última estrutura de contenção construída por troncos de árvores se encontra parcialmente destruída pelo avanço das ondas de tempestade e revestindo os imóveis ali existentes, com uma extensão média de 230 (duzentos e trinta) metros. Foi identificada, ainda, enorme quantidade de blocos de rocha, ruínas do antigo muro de pedras que desabou anteriormente, depostos de forma irregular em toda extensão da área adjacente à estrutura de coqueiros, indicando que poderiam estar anteriormente enterradas pela areia com o intuito de reforçar a estrutura de madeira. Diante de tais constatações, apontam que Tal cenário está contribuindo, sobremaneira, para intensificar a poluição visual da paisagem local, além de diminuir o acesso a praia (sic) (cf. Fotos 04, 07 e 10). A informação técnica, de forma didática e ilustrativa, esclarece quais os impactos decorrentes de estruturas de contenção como as construídas pelo réu, destacandose o inconveniente de impedir todas as trocas de areia entre a duna e o estirâncio, trocas estas necessárias ao bom equilíbrio do sistema. Com a redução da largura da praia (estirâncio), ocorre uma concentração de energia na arrebentação das ondas que vai provocar um aumento da turbulência da água e consequetemente aceleração da erosão da praia (Cf. Figuras 01). A área de restinga é considerada de preservação permanente, razão pela qual a supressão desse tipo de vegetação é autorizada apenas em casos de utilidade pública e interesse social, consoante dispõe o art. 4º e do Código Florestal-Lei nº 4.771/1965. Pode-se concluir, destarte, que o próprio imóvel foi construído em área de preservação ambiental, conforme o Código Florestal (art. 2º, f ) e a Resolução CONAMA nº 303, de 20 de março de 2002, que define como área de preservação permanente nas restingas, em faixa mínima de trezentos metros, medidos a partir da linha de preamar máxima (art. 3º, IX, a ). A informação Técnica do MPF deixa claro que o imóvel do réu encontra-se a menos de 300m (trezentos metros) da linha de preamar máxima, situando-se, portanto, em área de APP. Outrossim, acrescentam os técnicos que a propriedade corresponde a uma área aproximada de 252,63m (duzentos e cinqüenta e dois metros, vírgula sessenta três metros) de extensão, limitada por remanescentes de mata atlântica, a exemplo de ecossistemas de manguezal e restinga áreas de preservação permanente. Por fim, conclui que (...) Depreende-se nos autos que as edificações foram construídas em área de 12

13 restinga, área de preservação permanente, e que seus proprietários plantaram grama de jardim nos locais onde anteriormente existia vegetação de restinga (Fls. 110 e 136/137). Com relação ao muro de contenção, foi estimada uma distância média de 10 (dez) metros, já no interior do terreno do imóvel, entre a instalação irregular e a linha de preamar. Além disso, o imóvel do réu também está inserido na Subzona do Complexo Ambiental Ilhetas-Mamucabas, que compõe área da APA do Guadalupe, unidade de conservação estadual, criada pelo Decreto estadual nº , de 13/03/199. As obras construídas pelo réu vão de encontro à legislação estadual que limita a construção no litoral sul a 33m (trinta e três) metros acima da linha do preamar e o corte de vegetação de mangue e restinga em área da APA, consoante dispõe o Decreto nº , de 29 de dezembro de 1999, cujo art. 25 prevê, in verbis: Art. 25 A Subzona do Complexo Ambiental Ilhetas-Mamucabas inserida na APA de Guadalupe, compreende o trecho do litoral Sul que se estende do estuário do Rio Mamucabas até a extremidade meridional da APA, abrangendo, a oeste, as matas da Pedra do Conde e da Gia e caracteriza-se como uma área que apresenta baixa ocupação demográfica, uso rural do solo e belezas cênicas representadas por manguezais, maceiós, praias e afloramentos rochosos. 1º As metas ambientais para essa Área são: Remanescentes de Mata Atlântica/Restinga recuperados e conservados; restinga da desembocadura dos rios Ilhetas e Mamucabas protegida; manejo dos recursos naturais realizado de forma sustentável; afloramentos rochosos existentes preservados; recursos hídricos conservados e monitorados; ecossistema estuarino bem conservado e monitorado; atividade pesqueira praticada de forma sustentável; atividades econômicas diversificadas, voltadas para o turismo e praticadas de forma sustentável; implantação de atividades turísticas e de lazer, voltadas para o turismo rural e ecológico; baixa densidade de ocupação da área mantida; circulação de embarcações, no estuário, apenas nas áreas definidas em zoneamento; e comunidade socialmente assistida, ambientalmente conscientizada e com participação efetiva no processo de gestão pública. 2o Proíbe-se nessa Área: Corte e Desmatamento da Mata Atlântica, do mangue e da vegetação de restinga; aterro de manguezal e de maceiós; caça de animais silvestres e pesca predatória; instalação de salinas e viveiros no manguezal; cultivo em torno das matas sem faixa de proteção (aceiros) contra fogo; cultivo, de ciclo curto, em encostas com declividade >30%; lançamento, no estuário, de efluentes domésticos, industriais ou de qualquer natureza, sem tratamento adequado; parcelamento do solo com lotes inferiores à 1.000m2; impermeabilização do solo em mais de 30% da área do lote; construção fixa ou permanente, na faixa de restinga, de proteção da desembocadura dos rios Ilhetas / Mamucabas; Edificações definitivas ou qualquer forma de ocupação do solo que impeça ou dificulte o acesso público às praias; ocupação de área legalmente definida como faixa de proteção do relevo e dos corpos de água; construção fixa ou equipamento permanente na faixa de praia medida a partir da linha máxima de preamar máxima atual, 33m em direção ao continente; (...) Grifado. 13

14 Diante do exposto, resta claro que a demolição das construções e estruturas de contenção funcionará como forma de compensação e reparação dos danos ambientais causados em áreas de proteção e de preservação ambiental. V- Inexistência de autorização e licença ambiental para as obras As supostas autorizações que o réu apresentou consistentes nos alvarás expedidos pela Prefeitura municipal não servem para respaldar as obras realizadas. Como já dito anteriormente, os muros foram construídos em área de praia marítima, sendo, pois, de propriedade da União nos termos do artigo 20, inciso IV e VII, da CF/88. Desta feita, compete à Secretaria do Patrimônio da União autorizar as ocupações, nos termos da Lei nº 9.636/98, in verbis: Art. 1o É o Poder Executivo autorizado, por intermédio da Secretaria do Patrimônio da União do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, a executar ações de identificação, demarcação, cadastramento, registro e fiscalização dos bens imóveis da União, bem como a regularização das ocupações nesses imóveis, inclusive de assentamentos informais de baixa renda, podendo, para tanto, firmar convênios com os Estados, Distrito Federal e Municípios em cujos territórios se localizem e, observados os procedimentos licitatórios previstos em lei, celebrar contratos com a iniciativa privada. Oficiada pelo MPF, a SPU confirmou, através de fiscalização, a existência de muros de contenção em terrenos de domínio da União sem autorização: um em área de mangue e outro em área de uso comum do povo, faixa de praia. (fls. 59) De outra sorte, caberia ao réu também, antes de proceder a quaisquer construções no local, obter a licença ambiental por se tratar de obra causadora de potencial impacto ambiental. E mais, por se tratar de área situada dentro da APA Federal Costa dos Corais, necessária a anuência prévia da unidade gestora da UC, o que não ocorreu em nenhuma das construções. Com efeito, o art. 6º da Lei nº 7.661/88, estabelece que o licenciamento para parcelamento e remembramento do solo, construção, instalação, funcionamento e ampliação de atividades, com alterações das características naturais da Zona Costeira, deverá observar, além do disposto nesta Lei, as demais normas específicas federais, estaduais e municipais, respeitando as diretrizes dos Planos de Gerenciamento Costeiro. 14

15 Por sua vez, a Lei nº 9.985, de 18 de junho de 2000, que, regulamentando o art. 225, 1º, da Constituição Federal, instituiu o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza-SNUC, estabeleceu critérios e normas para a criação, implantação e gestão dessas unidades de conservação e definiu, como órgão executor, em relação às unidades de conservação federais, o Instituto Chico Mendes e o IBAMA, em caráter supletivo (art. 6º, III, com a redação da pela Lei nº /2007 ). No mesmo sentido, a Lei que criou o SNUC classificou as áreas de proteção ambiental APA -, a exemplo da APA Costa dos Corais, como Unidade de Uso Sustentável (art. 14, I), com objetivos básicos de proteger a diversidade biológica, disciplinar o processo de ocupação e assegurar a sustentabilidade do uso dos recursos naturais. O Decreto nº 4.340, de 22 de agosto de 2002, regulamenta a Lei nº 9.985/2000, dispondo em seu art. 30, in verbis: Art. 30. Fica proibida a construção e ampliação de benfeitoria sem autorização do órgão gestor da unidade de conservação. A autorização da CPRH obtida pelo réu para reconstruir o muro de contenção é insuficiente para conferir legalidade à obra, haja vista ser necessária a prévia anuência do ICMBIo/APA Costa dos Corais, na condição de unidade gestora da UC. E mais, foi concedida em desrespeito ao embargo do IBAMA (nº /C) (fl. 03), tanto que é deu ensejo à instauração de ação penal. Nesse sentido, foi explicito o Parecer Técnico nº 19/2010-NLA/IBAMA/SUPES/PE, in verbis: (...) O Sr. Augusto Coutinho apresentou autorização de construção da CPRH, nº , validade: 15/03/2011, anexa ao processo, autorizando a construção do flanco de coqueiros, (sic) Salientamos que, para esta autorização ter valia, efeito e legalidade deveria ser referendada e autorizada pela Unidade de Conservação APA Costa dos Corais, coisa que não aconteceu e é determinada pela Resolução CONAMA Nº 013, de 06 de dezembro de 1990, (...). Acresce que o relatório técnico da CPRH, elaborado com o fim de subsidiar a análise do requerimento formulado pelo Sr. Augusto Coutinho para reconstruir o muro de contenção, além concluir pelo indeferimento da construção, deixou claro ser impossível regularizar as edificações em área não edificante, devendo haver a resolução das irregularidades e mitigação dos impactos ambientais, sem prejuízo das penalidades cabíveis e da obrigação dos responsáveis de corrigir e compensar os danos causados ao 15

16 meio ambiente. Desta feita, a autorização para a construção do muro, além de não contar com a anuência prévia do ICMBio, é também irregular porque foi concedida de forma contrária às conclusões do referido parecer técnico elaborado pelo GERCO (Unidade de Gerenciamento Costeiro). O parecer do GERCO (Parecer nº 68/2009, fls. 46/55-Anexo I), em relação ao pedido de autorização formulado pelo réu concluiu que, in verbis: (...) A proposta apresentada no processo 9178/2009 é legalmente inviável, seja por que pressupõe a permanência do muro de pedras e de outras infra-estruturas irregulares, o que significaria a manutenção das irregularidades e a continuidade da privatização de um bem de uso comum do povo, tal como são as praias, seja porque pretende proteger um patrimônio que está construído em uma área ambientalmente frágil, de modo que as suas edificações são responsáveis pelo processo erosivo. Ressalte-se também que a praia de Mamucabinhas está equilibrada, e que o processo erosivo é apenas pontual, provocado pelas edificações, conforme dito anteriormente e constatado pelo próprio estudo apresentado no processo. Sendo assim, o parecer técnico da equipe do gerenciamento costeiro é favorável ao indeferimento da solicitação apresentada no processo nº /09. Para o caso em questão, qualquer projeto de intervenção com vistas ao restabelecimento do equilíbrio ambiental deve considerar a prévia resolução das irregularidades e mitigação dos danos ambientais causados, sendo imprescindível a demolição das construções, sem prejuízo da aplicação das penalidades cabíveis e da obrigação dos responsáveis em corrigir e compensar os danos ambientais causados. As construções identificadas em área não edificante não são passíveis de regularização, visto que infringem vários itens das legislações incidentes sobre a zona costeira, mencionadas acima. (...) (Sem grifos no original) Ademais, como já ressaltado anteriormente, vistoria no local realizada pela CPRH (fls. 164/166-Anexo), constatou que o projeto não estava sendo executado conforme o projeto aprovado. Posteriormente, a equipe técnica do MPF constatou que, de fato, o entulho do muro de pedra anterior não fora retirado do local e reforçou os indícios de aterro na área de praia sem a devida autorização (fls. 15 da IT nº 25/2011), o que demonstra que o réu mantém conduta de agredir o meio ambiente. Dessa feita, a autorização emitida pela CPRH em março de 2010, assim como os alvarás da prefeitura de Barreiros, em nada refutam os fatos ora narrados. VI - Da Antecipação da Tutela 16

17 O artigo 273 do Código de Processo Civil estabelece o seguinte: Art O juiz poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou parcialmente, os efeitos da tutela pretendida no pedido inicial, desde que existindo prova inequívoca, se convença da verossimilhança da alegação e: I haja fundado receito de dano irreparável ou de difícil reparação; ou II fique caracterizado o abuso do direito de defesa ou o manifesto propósito protelatório do réu. (grifos acrescidos). Justifica-se, no caso em exame, o pedido de antecipação da para que o réu proceda à imediata remoção do que resta da estrutura de contenção construída por troncos de árvores e dos entulhos do muro de pedra anterior (blocos de rocha e ruínas) depostos de forma irregular em toda a extensão da área adjacente à estrutura de coqueiros, bem como se abstenha de realizar qualquer obra nas áreas de praia, de proteção ambiental e de preservação permanente em que se localiza o imóvel de sua propriedade, sem autorização válida dos órgãos competentes,. Nesse sentido, estão caracterizados, à luz do artigo 273 do Código de Processo Civil, todos os pressupostos autorizadores de sua concessão, a saber: Assim sendo, conclui-se que o primeiro requisito para a concessão da tutela antecipatória é a probabilidade de existência do direito afirmado pelo demandante. Esta probabilidade de existência nada mais é, registre-se, do que o fumus boni iuris, o qual se afigura como requisito de todas as modalidades de tutela sumária, e não apenas da tutela cautelar. Assim sendo, deve verificar o julgador se é provável a existência do direito afirmado pelo autor, para que se torne possível a antecipação da tutela jurisdicional. Não basta, porém, este requisito. À probabilidade de existência de direito do autor deverá aderir outro requisito, sendo certo que a lei processual criou dois outros (incisos I e II do art. 273). Estes dois requisitos, porém, são alternativos, bastando a presença de um deles, ao lado da probabilidade de existência do direito, para que se torne possível a antecipação da tutela jurisdicional. Assim é que, na primeira hipótese, ter-se-á a concessão da tutela antecipatória porque, além de ser provável a existência do direito afirmado pelo autor, existe o risco de que tal direito sofra um dano de difícil ou impossível reparação (art. 273, I, CPC). Este requisito nada mais é do que o periculum in mora, tradicionalmente considerado pela doutrina como pressuposto da concessão da tutela jurisdicional de urgência (não só na modalidade que aqui se estuda, tutela antecipada, mas também em sua outra espécie: a tutela cautelar) 12. O fumus boni iuris, ou seja, a plausibilidade do direito invocado, consubstancia-se em tudo que foi relatado, mormente no relatório técnico e termo de embargo do IBAMA e demais provas produzidas no curso do procedimento administrativo, 12 CÂMARA, Alexandre, Lições de Direito Processual Civil. Lúmen Iuris: São Paulo, pp

18 que demonstram a localização do imóvel em área de preservação ambiental e de preservação permanente onde a ocupação sofre severas restrições. Os muros de contenção foram edificados em área de pós praia, em completo desrespeito à legislação aplicável à espécie, causando significativos danos ambientais, que se agravam e tendem a se perpetuar enquanto os muros e entulhos não forem removidos do local, consoante detalhado no item IV. Nessa condição, é dever do estado coibir a prática de tais atos degradantes ao meio ambiente, de acordo com a legislação constitucional e infraconstitucional aplicável à matéria, cabendo ao judiciário impor ao responsável a imediata cessação e reparação dos danos causados, sob pena de se frustrar o direito da coletividade ao meio ambiente saudável e equilibrado garantido constitucionalmente. O periculum in mora decorre do receio da progressiva lesão ao meio ambiente gerada pela existência de imóvel em área de extrema fragilidade ambiental, onde a intervenção e presença humanas somente são permitidas de forma sustentável. A permanência do muro em área de praia influi negativamente no ecossistema provocando, além de danos ambientais, danos sociais e econômicos consistentes no impedimento de acesso à praia, diminuição da área para banhistas, do potencial paisagístico, turístico e de lazer em geral, comprometendo a beleza cênica da referida unidade de conservação, o que pode vir a causar prejuízo irreparável ou de difícil reparação, na medida em que agrava o processo erosivo e de avanço mar no litoral do estado. Portanto, deferir-se a tutela antecipada, no presente caso, significa preservar o meio ambiente visando impedir a continuação e perpetuação dos danos ambientais na área. Dessa feita, todos os requisitos legalmente exigidos para o deferimento da antecipação do provimento jurisdicional se encontram presentes. VII Dos Pedidos e Requerimentos Excelência: Em face do exposto, o Ministério Público Federal requer a Vossa I) o recebimento desta petição inicial e dos documentos que a instruem, em especial o inquérito civil público nº / ; 18

19 II) a concessão da tutela antecipada, inaudita altera pars, haja vista o pedido liminar não ser dirigido a qualquer ente público, razão pela qual não se aplica o artigo 2º da Lei nº 8.437/92, a fim de que o réu proceda à para que o réu proceda à imediata remoção do que resta da estrutura de contenção construída por troncos de árvores e dos entulhos do muro de pedra anterior (blocos de rocha e ruínas) depostos de forma irregular em toda a extensão da área adjacente à estrutura de coqueiros, bem como se abstenha de realizar qualquer obra nas áreas de praia, de proteção ambiental e de preservação permanente em que se localiza o imóvel de sua propriedade, sem autorização válida dos órgãos competentes; III) a citação do réu, na forma da lei, para, querendo, contestar a presente ação, com as advertências de praxe, inclusive quanto à confissão da matéria de fato, em caso de revelia, e para produzir as provas que quiser produzir; IV) a confirmação da medida liminar na sentença, bem como a condenação do réu AUGUSTO RODRIGUES COUTINHO DE MELO para que, promova a reparação do dano ambiental através da demolição das obras irregulares (residência e muro de contenção) construídas em áreas de pós praia, de proteção ambiental e de preservação permanente, no prazo de trinta dias, com a retirada de todos os entulhos e desobstrução da área às suas expensas, sob pena de execução por terceiros às suas expensas ou pelo próprio órgão ambiental, e replantio da área correspondente mediante a apresentação ao ICMBio de projeto de adequação de obras irregulares, no prazo máximo de 45 (quarenta e cinco) dias, elaborado por profissional habilitado e conforme as orientações do órgão ambiental, que deverá ser executado, em prazo não superior a 60 (sessenta) dias a contar de sua aprovação; V) a fixação de multa diária pelo descumprimento dos itens "II" e IV, no valor de R$ 1.000,00 (mil reais), a ser revertida em prol do Fundo Nacional do meio Ambiente; VI) a condenação do réu ao pagamento das custas e honorários advocatícios, a serem revertidos para o Fundo Nacional do Meio ambiente, criado pela Lei nº 7.797, de , e regulamentado pelo Decreto nº , de ; VII) a intimação da Gerência Regional do Patrimônio da União neste Estado-GRPU/PE para adoção das providências administrativas cabíveis. 19

20 Requer-se, ainda, a produção de todas as provas em direito admitidas. Dá à causa, para fins meramente fiscais, haja vista tratar-se de bem inestimável, o valor de R$ R$ ,00 (vinte mil reais). III, da Lei n /96. Deixa-se de recolher custas em razão da isenção prevista no art. 4º, inciso Termos em que pede e espera deferimento. Recife, 09 de agosto de MONA LISA DUARTE ABDO AZIZ ISMAIL Procuradora da República 20

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003.

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. 1 L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Proteção Ambiental, a elaboração, implementação e controle da Política Ambiental do Município de Coqueiro

Leia mais

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009.

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. 1 Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (COEMA) RESOLUÇÃO COEMA nº. 018/2009 Dispõe sobre os procedimentos para a concessão

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora da República infra-assinada, com fundamento no art. 129, inc. II e inc.

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 14ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL EM SÃO PAULO - SP

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 14ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL EM SÃO PAULO - SP EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 14ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL EM SÃO PAULO - SP PROCESSO nº DISTRIBUIÇÃO POR DEPENDÊNCIA AO PROCESSO nº 90.0042414-3 MARÍTIMA SEGUROS S/A, pessoa jurídica de

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL 1. NOMENCLATURA DA DISCIPLINA JURÍDICA Direito ambiental, direito do meio ambiente, direito do desenvolvimento sustentável, direito verde, direito ecológico, direito de

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL. Autor: Ministério Público do Estado de São Paulo. Réu: Vivo S/a, Claro S/A, Tim Celular S/A e TNL PCS S/A

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL. Autor: Ministério Público do Estado de São Paulo. Réu: Vivo S/a, Claro S/A, Tim Celular S/A e TNL PCS S/A Registro nº /2013 Processo nº 0009617-48.2012.403.6109 Autor: Ministério Público do Estado de São Paulo Réu: Vivo S/a, Claro S/A, Tim Celular S/A e TNL PCS S/A DECISÃO Cuida-se de ação civil pública ajuizada

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 119427-CE (0014160-68.2011.4.05.0000) AGRTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL AGRDO : CARLOS FLÁVIO OLIVEIRA SILVEIRA ADV/PROC : JOÃO OLIVARDO MENDES ORIGEM : 18ª Vara Federal do Ceará

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR (Promotor de Justiça SP/2010) 01. Na ação de responsabilidade

Leia mais

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014 SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011 Ricardo Carneiro Junho/2014 Constituição da República Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981

LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber

Leia mais

MODELO DE PETIÇÃO INICIAL RITO ORDINÁRIO. (espaço aproximadamente 10 cm 4 )

MODELO DE PETIÇÃO INICIAL RITO ORDINÁRIO. (espaço aproximadamente 10 cm 4 ) Modelos práticos 1. Petição inicial rito ordinário MODELO DE PETIÇÃO INICIAL RITO ORDINÁRIO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO 1 DA VARA CÍVEL 2 DO FORO DA COMARCA DE CAMPINAS 3 NO ESTADO DE

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA EM MARÍLIA (SP).

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA EM MARÍLIA (SP). EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA EM MARÍLIA (SP). O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador da República signatário, no uso de suas atribuições constitucionais

Leia mais

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Texto Atualizado Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS ITAITUBA PA Junho/2012 O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento

Leia mais

LEI Nº 14.675/2009 CÓDIGO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

LEI Nº 14.675/2009 CÓDIGO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE LEI Nº 14.675/2009 CÓDIGO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE ELABORAÇÃO DO CÓDIGO ESTADUAL 2007: Determinação do Sr. Governador do Estado à FATMA Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina para a elaboração de

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) DOUTOR(A) JUÍZ(A) DE DIREITO DA VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE CALDAS NOVAS

EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) DOUTOR(A) JUÍZ(A) DE DIREITO DA VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE CALDAS NOVAS EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) DOUTOR(A) JUÍZ(A) DE DIREITO DA VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS, por seu Promotor de Justiça, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

Decreto Nº 25.418, de 29 de Março de 1999 (DOE - 31.03.99).

Decreto Nº 25.418, de 29 de Março de 1999 (DOE - 31.03.99). Decreto Nº 25.418, de 29 de Março de 1999 (DOE - 31.03.99). O GOVERVADOR DO ESTADO DO CEARÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 88, incisos IV e VI, da Constituição Estadual, tendo em vista

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI APELAÇÃO / REEXAME NECESSÁRIO Nº 3302 RN (2007.84.00.010762-9) APELANTE : IBAMA - INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS REPTE : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE

Leia mais

LEI Nº 6.126, DE 27 DE ABRIL DE 2006.

LEI Nº 6.126, DE 27 DE ABRIL DE 2006. LEI Nº 6.126, DE 27 DE ABRIL DE 2006. Autoria: Prefeito Municipal. INSTITUI O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS E DÁ PROVIDÊNCIAS CORRELATAS. O Prefeito do Município

Leia mais

VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE

VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE EXMO. SR. JUIZ FEDERAL DA PERNAMBUCO VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE Processo Administrativo n.º 1.26.000.000967/2008-95 Denúncia nº 224/2008 O Ministério Público Federal, por sua Representante infrafirmada,

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

FICHA TÉCNICA PROGRAMA DE DEFESA DA MATA ATLÂNTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO OBJETIVO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIA INICIATIVA ESTRATÉGICA

FICHA TÉCNICA PROGRAMA DE DEFESA DA MATA ATLÂNTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO OBJETIVO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIA INICIATIVA ESTRATÉGICA FICHA TÉCNICA PROGRAMA DE DEFESA DA MATA ATLÂNTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO OBJETIVO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIA INICIATIVA ESTRATÉGICA Promover a Defesa do Meio Ambiente Aperfeiçoar e estruturar a atuação do

Leia mais

DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras

DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

Modelos Âmbito Jurídico - Contratos 00026 Ação previdenciária de salário maternidade com pedido de antecipação de tutela Segurada especial

Modelos Âmbito Jurídico - Contratos 00026 Ação previdenciária de salário maternidade com pedido de antecipação de tutela Segurada especial Modelos Âmbito Jurídico - Contratos 00026 Ação previdenciária de salário maternidade com pedido de antecipação de tutela Segurada especial EXCELENTÍSSIMO SENHOR(A) JUIZ DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DE (cidade)/(uf)

Leia mais

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei.

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei. LEI MUNICIPAL Nº. 947/2010 Institui a Política Municipal de Meio Ambiente, cria o Conselho e Fundo Municipal de Meio Ambiente e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 10 GRAU EM MINAS GERAIS SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE PONTE NOVA

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 10 GRAU EM MINAS GERAIS SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE PONTE NOVA Processo n. 2121-59.2013.4.01.3822 Ação Ordinária / Outras Autora: Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Minas Gerais - Regional Circuito do Ouro Ré: Universidade Federal de Ouro Preto DECISÃO

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito.

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. A Posse é um Instrumento Jurídico tratado no Código Civil Brasileiro

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SERGIPE

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SERGIPE EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SERGIPE AÇÃO CIVIL PÚBLICA O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por seu Procurador da República, vem respeitosamente ante Vossa Excelência, com

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO Nº 570/2015

PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO Nº 570/2015 Inquérito Civil Público nº 1.26.000.000548/2011-59 PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO Nº 570/2015 Trata-se de inquérito civil público instaurado a partir do Ofício nº 069/2011 2ª PJDC, do Ministério Público do Estado

Leia mais

TÍTULO: ZONA COSTEIRA

TÍTULO: ZONA COSTEIRA TÍTULO: ZONA COSTEIRA OBJETO: CONSTRUÇÃO IRREGULAR EM TERRENO DE MARINHA E ATERRO EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CARACTERIZADA PELA PRESENÇA DE DUNAS E VEGETAÇÃO FIXADORA DE RESTINGA, SUPRIMINDO VEGETAÇÃO

Leia mais

LEI Nº 14.418 DE 05 DE OUTUBRO DE 2012

LEI Nº 14.418 DE 05 DE OUTUBRO DE 2012 LEI Nº 14.418 DE 05 DE OUTUBRO DE 2012 (Publicação DOM 08/10/2012: 03) INSTITUI O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal aprovou e

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

Da TUTELA ANTECIPADA. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO

Da TUTELA ANTECIPADA. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO Da TUTELA ANTECIPADA Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO ANTECIPAÇÃO DE TUTELA - REQUISITOS Art. 273. O juiz poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou parcialmente, os efeitos da tutela pretendida

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIAS DO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIAS DO AMBIENTE Docência assistida: Prof.º Fábio Remy de Assunção Rios

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH Projeto de Lei nº, de de de Institui o primeiro plano municipal de incentivo à construção civil, e dá outras providências. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão Faço saber a todos os seus

Leia mais

ORDEM DO DIA FLS.394 , ESTADO DE SÃO PAULO. OFíCIO GP. N. 196/2012 Proc. n", 3194/96. Senhor Presidente,

ORDEM DO DIA FLS.394 , ESTADO DE SÃO PAULO. OFíCIO GP. N. 196/2012 Proc. n, 3194/96. Senhor Presidente, ORDEM DO DIA FLS.394 "R" U~,.-:.-L.C. _~"'''' "'-'~ (".':N,~ -..,.~:..:-.;::..-

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009.

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4 a CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO MEIO AMBIENTE E PATRIMÔNIO CULTURAL RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Subprocuradora

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE CUIABÁ - MT VARA ESPECIALIZADA AÇÃO CIVIL PÚBLICA E AÇÃO POPULAR

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE CUIABÁ - MT VARA ESPECIALIZADA AÇÃO CIVIL PÚBLICA E AÇÃO POPULAR ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE CUIABÁ - MT VARA ESPECIALIZADA AÇÃO CIVIL PÚBLICA E AÇÃO POPULAR PROC. Nº. 33906-55.2012.811.0041 Vistos, etc. Trata-se de Ação Civil Pública de Obrigação

Leia mais

Sustentabilidade Ambiental na Extração de Rochas Ornamentais

Sustentabilidade Ambiental na Extração de Rochas Ornamentais Sustentabilidade Ambiental na Extração de Rochas Ornamentais Edimundo Almeida da Cruz Geógrafo, Analista Ambiental (GCA-SLM-IEMA) Contato: edimundo-cruz@hotmail.com IEMA-CLM: (27) 3636-2580, 3636-2583

Leia mais

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres.

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres. PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO CONVERTIDO EM PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS. REGISTRO DE NASCIMENTO. AVERBAÇÃO DE PATERNIDADE RECONHECIDA VOLUNTARIAMENTE. GRATUIDADE. AUSÊNCIA DE PREVISÃO LEGAL. A Constituição

Leia mais

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativa da Área XI Meio ambiente e direito ambiental, desenvolvimento urbano e interior OUTUBRO/2015 Suely Mara Vaz

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA CÍVEL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO SP O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora da República

Leia mais

LEI Nº 1532 DE 06 DE JULHO DE 1982

LEI Nº 1532 DE 06 DE JULHO DE 1982 LEI Nº 1532 DE 06 DE JULHO DE 1982 DISCIPLINA a Política Estadual da Prevenção e Controle da Poluição, Melhoria e Recuperação do Meio Ambiente e da Proteção aos Recursos Naturais, e da outras providencias.

Leia mais

Município de Júlio de Castilhos

Município de Júlio de Castilhos EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA COMARCA DE JÚLIO DE CASTILHOS RS URGENTE Pedido de Liminar Espécie: Ação Ordinária com Pedido de Liminar Autor: Réu: INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81)

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81) POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE 1. LICENCIAMENTO AMBIENTAL 1.1 NATUREZA JURÍDICA: Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81) 1.2 CONCEITO: Segundo o art. 1º,

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde 14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde O licenciamento ambiental e o licenciamento urbanístico no Projeto de Lei nº 3.057/2000 Lei de responsabilidade

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 42 DE 17 DE AGOSTO DE 2012 DISPÕE SOBRE AS ATIVIDADES QUE CAUSAM OU POSSAM CAUSAR IMPACTO AMBIENTAL LOCAL, FIXA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL AÇÃO: 99.001.149975-9 AÇÃO CIVIL PÚBLICA ORIGEM: 4ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DA CAPITAL AGRAVANTE: MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AGRAVADO: MINISTÉRIO PÚBLICO RELATOR: DES. ROBERTO GUIMARÃES AGRAVO

Leia mais

PROMOTORIA DE JUSTIÇA CIVEL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Promotoria de Defesa do Consumidor

PROMOTORIA DE JUSTIÇA CIVEL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Promotoria de Defesa do Consumidor FICHA R Nº 920/00- CENACON - ASSUNTO: serviço público água constantes interrupções no fornecimento de água em diversos bairros da cidade - manutenção precária do sistema de abastecimento - prestação de

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DA ª VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DA ª VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão no Estado de São Paulo EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DA ª VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO O Ministério Público Federal, pelo Procurador Regional

Leia mais

DIGNISSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR DE JUSTIÇA DO MEIO AMBIENTE DA COMARCA DE LIMEIRA/SP.

DIGNISSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR DE JUSTIÇA DO MEIO AMBIENTE DA COMARCA DE LIMEIRA/SP. DIGNISSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR DE JUSTIÇA DO MEIO AMBIENTE DA COMARCA DE LIMEIRA/SP. Inquérito Civil n 021/06 ASSOCIAÇÃO DE DEFESA E PROTEÇÃO DOS DIREITOS DO CIDADÃO ONG DEFENDE associação constituída

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Após regular certame licitatório, vencido pelo consórcio Mundo Melhor, o Estado X celebrou contrato de obra pública, tendo por objeto a construção de uma rodovia

Leia mais

executivo e sua remuneração era de R$ 3.000,00 acrescida de gratificação de um terço de seu salário.

executivo e sua remuneração era de R$ 3.000,00 acrescida de gratificação de um terço de seu salário. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE FLORIANÓPOLIS/SC ANA KARENINA, estado civil..., profissão..., residente e domiciliada na Rua..., nº..., cidade... estado..., CEP..., representada

Leia mais

Assinatura: RELATÓRIO

Assinatura: RELATÓRIO Gerência/Diretoria: NUCLEO-RJ/SEGER Protocolo nº: 33902.566210/2012-01 Data: 23/11/2012 Hora: 14:33:25 Diretoria de Fiscalização Assinatura: Processo n.º: 33902.113433/2010-08 Demanda/Protocolo: 963822/959019

Leia mais

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE,

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE, LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 Autoriza o Poder Executivo a criar a Administração Estadual do Meio Ambiente, sob a forma de autarquia estadual, e dá outras providências. O GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

LEI FEDERAL Nº. 6.938 DE 31 DE AGOSTO DE 1981

LEI FEDERAL Nº. 6.938 DE 31 DE AGOSTO DE 1981 LEI FEDERAL Nº. 6.938 DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Já alterada pela Lei nº 7804 de 18 de julho de 1989. O Presidente da Republica. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. A PROCURADORA-GERAL DA REPÚBLICA em exercício, com fundamento nos artigos 102, I, alínea a, e 103, VI, da Constituição Federal, e

Leia mais

SUMÁRIO. Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15

SUMÁRIO. Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Capítulo 1 PROPEDÊUTICA DO DIREITO AMBIENTAL... 17 1. Conceito de Direito Ambiental... 17 2. Objetivo do Direito Ambiental...

Leia mais

Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Faço saber que a Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 2.713, DE 9 DE MAIO DE 2013. Publicada no Diário Oficial nº 3.876 Institui o Programa de Adequação Ambiental de Propriedade e Atividade Rural TO-LEGAL, e adota outras providências. O Governador

Leia mais

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013.

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. Disciplina a liberação, o cancelamento e a baixa de Alvará de Localização e Funcionamento no município de Erechim. O Prefeito Municipal de Erechim, Estado do

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2011 Regula, no âmbito do Instituto Chico Mendes, as diretrizes,

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 2.166 MATO GROSSO RELATOR AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. LUIZ FUX :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

LEI Nº 1766/10 De 16 de novembro de 2010. LEO MIGUEL WESCHENFELDER, Prefeito Municipal de Porto Lucena, Estado do Rio Grande do Sul,

LEI Nº 1766/10 De 16 de novembro de 2010. LEO MIGUEL WESCHENFELDER, Prefeito Municipal de Porto Lucena, Estado do Rio Grande do Sul, LEI Nº 1766/10 De 16 de novembro de 2010. DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO AMBIENTAL, AS INFRAÇÕES E PENALIDADES AMBIENTAIS NO MUNICÍPIO DE PORTO LUCENA E INSTITUI TAXAS DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL. LEO MIGUEL

Leia mais

Legislação brasileira sobre meio ambiente - tópicos Fabricio Gomes Gonçalves

Legislação brasileira sobre meio ambiente - tópicos Fabricio Gomes Gonçalves Legislação brasileira sobre meio ambiente - tópicos Fabricio Gomes Gonçalves Contextualizando... Adaptação do produtor rural sem condições novos critérios de uso da terra impostos aleatoriamente sem alicerces

Leia mais

Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015.

Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015. Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015. Estabelece diretrizes e procedimentos para o cumprimento da compensação ambiental decorrente do corte e da supressão de vegetação nativa pertencente ao bioma

Leia mais

LEI Nº 7.347, DE 24 DE JULHO DE 1985.

LEI Nº 7.347, DE 24 DE JULHO DE 1985. LEI Nº 7.347, DE 24 DE JULHO DE 1985. Disciplina a ação civil pública de responsabilidade por danos causados ao meio-ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico,

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) JUIZ(A) DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DE (cidade/uf)

EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) JUIZ(A) DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DE (cidade/uf) Modelos Âmbito Jurídico - Contratos 00024 - Inicial de concessão de aposentadoria por invalidez B-32 EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) JUIZ(A) DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DE (cidade/uf) Reqte.: (nome do requerente)

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE, SEUS FINS E MECANISMOS DE FORMULAÇÃO E APLICAÇÃO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE, SEUS FINS E MECANISMOS DE FORMULAÇÃO E APLICAÇÃO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI FEDERAL N 6.938, de 02 de setembro de 1981 DISPÕE SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE, SEUS FINS E MECANISMOS DE FORMULAÇÃO E APLICAÇÃO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

CAPÍTULO I Da Política Municipal do Meio Ambiente

CAPÍTULO I Da Política Municipal do Meio Ambiente LEI Nº 4366 DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE PROTEÇÃO, CONTROLE E CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E DE MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM-ES. A Câmara Municipal de Cachoeiro de

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2014, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2014. PUBLICADA NO DOE/PA Nº 32594, DE 28/02/2014, CADERNO 5 PÁGINAS 6-8 Data: 26 de fevereiro de 2014. Define procedimentos administrativos para a

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

Estado de Mato Grosso Poder Judiciário Comarca de Várzea Grande Juízo da 2ª Vara Cível. Vistos etc.,

Estado de Mato Grosso Poder Judiciário Comarca de Várzea Grande Juízo da 2ª Vara Cível. Vistos etc., Processo Nº. 20271-27.2012 - Código 299671 Vistos etc., 1. DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE MATO GROSSO promove AÇÃO CIVIL PÚBLICA CONSUMERISTA C/C LIMINAR em desfavor de SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA. ( SKY

Leia mais

D E C I S Ã O. Vistos.

D E C I S Ã O. Vistos. D E C I S Ã O Vistos Trata-se de mandado de segurança impetrado pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos ECT pretendendo a concessão de liminar nas modalidades initio litis e inaudita altera pars

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL DE MARÍLIA (SP)

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL DE MARÍLIA (SP) EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL DE MARÍLIA (SP) O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador da República que esta subscreve, no exercício das suas atribuições constitucionais

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Governo de Santa Catarina Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Florianópolis REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS

Leia mais

REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL Maria Aparecida Bianchin Pacheco Registradora de Imóveis de Poxoréu-MT Recentemente a Câmara Federal disponibilizou o texto contendo a redação final

Leia mais

I DOS PRESSUPOSTOS FÁTICOS:

I DOS PRESSUPOSTOS FÁTICOS: EXMO. SR.DR. JUIZ DE DIREITO DA COMARCA DE. VARA CÍVEL E COMERCIAL DA O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA, por intermédio do seu representante legal infraassinado, no exercício de uma de suas atribuições

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CRIMINAL DA COMARCA DE GOIÂNIA - GO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CRIMINAL DA COMARCA DE GOIÂNIA - GO EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CRIMINAL DA COMARCA DE GOIÂNIA - GO Inquérito Policial n.º: 234/2005 Vítima: Administração Pública Réu: Honestino Guimarães Rosa O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

Considerações sobre o Decreto nº 7.154, de 2010

Considerações sobre o Decreto nº 7.154, de 2010 Considerações sobre o Decreto nº 7.154, de 2010 ILIDIA DA ASCENÇÃO GARRIDO MARTINS JURAS ROSELI SENNA GANEM Consultoras Legislativas da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial,

Leia mais

praiais estuarino manguezais

praiais estuarino manguezais 3.2.2 Ecossistemas Relevantes Um ecossistema pode ser definido como a interação de comunidades de espécies de animais, vegetais e microorganismos entre si e o seu habitat num grau de equilíbrio estável.

Leia mais