A renovação e funcionamento actual da CT7 Comissão Técnica Portuguesa de Normalização em Informação e Documentação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A renovação e funcionamento actual da CT7 Comissão Técnica Portuguesa de Normalização em Informação e Documentação"

Transcrição

1 A renovação e funcionamento actual da CT7 Comissão Técnica Portuguesa de Normalização em Informação e Documentação

2 Sumário CT 7- O que é? Organização e funcionamento da CT 7 Produção normativa Disponibilização de documentos normativos e difusão de informação sobre normalização

3 CT 7 - Comissão Técnica Portuguesa de Normalização em Informação e Documentação Funções Elaborar normas portuguesas Emitir pareceres normativos no domínio da Informação e documentação Participar na elaboração de normas internacionais dando pareceres sobre projectos de norma com vista à preparação do voto nacional

4 CT 7 - Comissão Técnica Portuguesa de Normalização em Informação e Documentação Âmbito de actividade rever, harmonizar ou transpor para língua portuguesa o acervo normativo Difundir o acervo normativo junto dos profissionais e utilizadores em geral Valores fundamentais Eficácia e qualidade Transparência e abertura Agilidade

5 Organização da CT 7 Normas e Partilha de Informação Organograma antes da reorganização CT 7 SC 1 Terminologia SC 4 Dados bibliográficos SC 5 Apresentação de publicações GT Estatísticas e avaliação de desempenho GT Gestão de documentos

6 Organização da CT 7 Nova estrutura Normas e Partilha de Informação Comissão Permanente (CP) Estrutura composta por sete elementos que representam organismos dos sectores: Bibliotecas BNP Bibliotecas universitárias BGUC Bibliotecas públicas DGLB Arquivos DGARQ Indústria da edição APEL Preservação e da conservação - IMC Funções estabelecer prioridades gerais e aprovar os planos anuais pronunciar-se sobre normas ISO em votação pré-aprovar os resultados de trabalho Grupos de trabalho (GT) Estrutura flexível Constituição em função da temática da norma Duração temporária

7 Organização da CT 7 Normas e Partilha de Informação Organograma actual da CT 7 CT 7 CP Comissão Permanente GT ISO 9707:2008 GT ISO 14416:2003 GT ISO 10957:2009 GT ISO 15511:2009 GT

8 Funcionamento da CT 7 Normas e Partilha de Informação Norma ISO Fluxograma de elaboração de uma Norma Portuguesa Tradução-base Grupo Trabalho CP valida? NÃO SIM NÃO IPQ aprovação final? SIM NP ISO Publicação

9 Produção normativa Normas e Partilha de Informação Para garantir a actualização do acervo normativo a CT 7 estabeleceu como objectivos prioritários: Para o biénio 2009/2010: Monitorização de todas as NP em situação de re-exame Selecção de áreas temáticas menos trabalhadas na normalização portuguesa Para os anos seguintes Manter a harmonização normativa e tradução de normas internacionais sem equivalente no acervo normativo nacional 9

10 Produção normativa Normas Portuguesas reeditadas Normas Portuguesas editadas no 2º semestre de 2009 NP ISO 832:2009 Informação e documentação. Descrição e referências bibliográficas. Regras para a abreviatura de termos bibliográfico. NP ISO 1086:2009 Informação e documentação. Folha título de livros. NP ISO 2108:2009 Informação e documentação. Número Internacional Normalizado dos Livros (ISBN) NP ISO 2384:2009 Documentação. Apresentação de traduções. NP ISO 2709:2009 Informação e documentação. Formato para permuta de informação. 10

11 Produção normativa Área de Preservação e Conservação Normas Portuguesas em preparação para edição NP ISO Informação e documentação. Permanência e durabilidade da escrita, da impressão e da fotocópia em papel. Requisitos e métodos de teste. NP ISO Informação e documentação. Requisitos para armazenamento de materiais de arquivo e bibliotecas. 11

12 Disponibilização de documentos normativos Publicação da colectânea Normas Portuguesas de Documentação e Informação CT 7 12

13 Difusão de informação sobre normalização Criação do sítio web da Normalização Disponível em: =article&id=146&itemid=184 13

14 Difusão de informação sobre normalização Publicação de um boletim informativo Seminário Normas e Partilha de Informação Dia Internacional da Normalização 14

15 Obrigada!

Inovar em rede. A cidadania na Gestão Pública. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com

Inovar em rede. A cidadania na Gestão Pública. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Inovar em rede A cidadania na Gestão Pública Quidgest Portugal R. Castilho n.º 63 6.º 1250-068 Lisboa Portugal tel. (+351) 213 870 563 / 652 / 660 fax. (+351) 213

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

Orientações para a descrição arquivística (ODA):

Orientações para a descrição arquivística (ODA): Orientações para a descrição arquivística (ODA): uma aposta da DGARQ na normalização Lucília Runa Normas e partilha de informação (DGARQ DSAAT) Lisboa, BNP, 14 de Outubro de 2010 Sumário: A DGARQ: enquadramento

Leia mais

DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE

DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE A REDE on-line (PROJECTO DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE 2006) SUMÁRIO: I. INTRODUÇÃO; II. OBJECTIVOS DA REDE on-line

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO TÉCNICA 80 GESTÃO DA QUALIDADE E GARANTIA DA QUALIDADE

REGULAMENTO DA COMISSÃO TÉCNICA 80 GESTÃO DA QUALIDADE E GARANTIA DA QUALIDADE Página 1 de 11 Artigo 1º Preâmbulo O presente documento estabelece as regras de funcionamento interno da Comissão Técnica sobre Gestão e Garantia da Qualidade (CT 80), respetivas subcomissões (SC) e grupos

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA Entidade Auditada: BIBLIOTECA MUNICIPAL SANTA MARIA DA FEIRA Tipo de Auditoria: Auditoria Interna Data da Auditoria: 09.12.2014 Duração: 1 dia Locais Auditados: Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa / 4520-606

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

PARÂMETROS NORMATIVOS DE PARTICIPAÇÃO NA EUROPEANA FORNECEDORES CONTEÚDOS SUBMISSÃO DE DADOS

PARÂMETROS NORMATIVOS DE PARTICIPAÇÃO NA EUROPEANA FORNECEDORES CONTEÚDOS SUBMISSÃO DE DADOS PARÂMETROS NORMATIVOS DE PARTICIPAÇÃO NA EUROPEANA FORNECEDORES CONTEÚDOS SUBMISSÃO DE DADOS Helena Patrício Biblioteca Nacional de Portugal 1 Julho 2010 1. Fornecer conteúdos no contexto da Europeana

Leia mais

PLANO DE TRANSIÇÃO OHSAS 18001:2007

PLANO DE TRANSIÇÃO OHSAS 18001:2007 PLANO DE TRANSIÇÃO OHSAS Agenda 1. Processo de normalização no âmbito da SST; 2. Ponto de situação da revisão da norma NP4397; 3. Plano de Transição APCER OHSAS. 1. Processo de normalização no âmbito da

Leia mais

FONTES DE INFORMAÇÃO EUROPEIA O PORTAL EUROPA, AS BASES DE DADOS E OS PORTAIS MAIS RELEVANTES

FONTES DE INFORMAÇÃO EUROPEIA O PORTAL EUROPA, AS BASES DE DADOS E OS PORTAIS MAIS RELEVANTES FONTES DE INFORMAÇÃO EUROPEIA O PORTAL EUROPA, AS BASES DE DADOS E OS PORTAIS MAIS RELEVANTES Documentação e Informação Europeias na Internet Servidor EUROPA Apresentação da estrutura Pesquisa Eurobookshop

Leia mais

PROPOSTA DE PROJECTO DE ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA

PROPOSTA DE PROJECTO DE ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA SÃO TOMÉ E PRINCIPE PROPOSTA DE PROJECTO DE ROTEIRO DE ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE ESTATÍSTICA 1. FINALIDADE Os objectivos da ENDE de São Tomé e Príncipe são reforçar o SEN

Leia mais

DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPÚBLICA DE CABO VERDE ASSEMBLEIA NACIONAL REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSEMBLEIA NACIONAL PROGRAMA DE COOPERAÇÃO ENTRE AS ADMINISTRAÇÕES PARLAMENTARES DA ASSEMBLEIA NACIONAL DA REPÚBLICA

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO CATÁLOGO DE SERVIÇOS... um parceiro fiável. INTRODUÇÃO 2 A APEB Associação Portuguesa das Empresas de Betão Pronto, é uma associação empresarial sem fins

Leia mais

Cartucho de tinta a cores original Brother Método de ensaio para determinar a quantidade de páginas anunciadas com base na norma ISO/IEC24711

Cartucho de tinta a cores original Brother Método de ensaio para determinar a quantidade de páginas anunciadas com base na norma ISO/IEC24711 Cartucho de tinta a cores original Brother Método de ensaio para determinar a quantidade de páginas anunciadas com base na norma ISO/IEC24711 Índice 1. Prefácio 2. A norma ISO/IEC em geral 3. A norma ISO/IEC24711

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL REGULAMENTO DE ACTIVIDADE PROFISSIONAL RELATÓRIO FINAL

INSTITUTO SUPERIOR DE COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL REGULAMENTO DE ACTIVIDADE PROFISSIONAL RELATÓRIO FINAL REGULAMENTO DE ACTIVIDADE PROFISSIONAL RELATÓRIO FINAL MESTRADO EM MARKETING ESTRATÉGICO MESTRADO EM COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 1. Princípios Gerais O presente normativo tem por finalidade, possibilitar aos

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

Centro de Arqueologia de Almada Normas de Colaboração

Centro de Arqueologia de Almada Normas de Colaboração 1. Propriedade, Edição e Âmbito é uma publicação periódica do Centro de Arqueologia de Almada, proprietário e editor do título desde 1982. Tem por âmbito a promoção da cultura científica nas áreas da Arqueologia,

Leia mais

Banco de Portugal EUROSISTEMA REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO DE PORTUGAL

Banco de Portugal EUROSISTEMA REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO DE PORTUGAL REGULAMENTO DO CONSELHO DE AUDITORIA DO BANCO DE PORTUGAL Tendo em conta: A lei orgânica do Banco de Portugal; As recomendações constantes do relatório do Fundo Monetário internacional relativo ao exercício

Leia mais

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso O desafio de informar melhor Juntos, uma comunicação de sucesso Janeiro 2006 1.Introdução Dar a conhecer à população (e sensibilizar os potenciais beneficiários) o papel que os financiamentos comunitários

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Os sistemas de segurança alimentar devem ser desenhados de forma a controlar o processo de produção e basearem-se em princípios e conceitos

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROJECTOS NO.VA/NPCA/11/07

ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROJECTOS NO.VA/NPCA/11/07 ANÚNCIO DE VAGA: OFICIAL DE PROJECTOS NO.VA/NPCA/11/07 A União Africana (UA), estabelecida como órgão singular continental Pan-Africano, procura assegurar a vanguarda do processo da rápida integração e

Leia mais

P l a n o d e A c t i v i d a d e s

P l a n o d e A c t i v i d a d e s P l a n o d e A c t i v i d a d e s A n o d e 2 0 0 9 A TURIHAB Associação do Turismo de Habitação, em 2009, desenvolverá as suas acções em três vertentes fundamentais: a Internacionalização através do

Leia mais

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos.

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos. Nota explicativa O actual quadro jurídico do planeamento económico e social, aprovado pela Lei nº 52/II/85, de 10 de Janeiro, encontra-se desactualizado face à nova realidade jurídica, política, económica

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À TRADUÇÃO DE OBRAS DE AUTORES PORTUGUESES E DE AUTORES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À TRADUÇÃO DE OBRAS DE AUTORES PORTUGUESES E DE AUTORES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À TRADUÇÃO DE OBRAS DE AUTORES PORTUGUESES E DE AUTORES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Objecto 1 - O presente regulamento

Leia mais

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma.

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. Universidade de Aveiro Mestrado em Gestão da Informação Christelle Soigné Palavras-chave Ensino superior. e-learning.

Leia mais

GESTÃO DA INFORMAÇÃO. 29.05.2008 Teresinha Fernandes 10º CICLO DE SEMINÁRIOS TRANSPORTE RODOVIÁRIO ALARGAR OS HORIZONTES

GESTÃO DA INFORMAÇÃO. 29.05.2008 Teresinha Fernandes 10º CICLO DE SEMINÁRIOS TRANSPORTE RODOVIÁRIO ALARGAR OS HORIZONTES DOMÍNIOS CRÍTICOS DA ACTIVIDADE ASSOCIATIVA: - Intervenção Política e Institucional / Produção Normativa; - Formação; - Assistência Técnica; - Assistência Documental; - Tratamento e Fornecimento de Informação:

Leia mais

Benefícios da Certificação para a Administração Pública

Benefícios da Certificação para a Administração Pública Benefícios da Certificação para a Administração Pública Hélder Estradas, 7 de Maio de 2008 Agenda 1 - Resumo Histórico da Certificação em Portugal; 2 - Vantagens da Certificação; 3 - Processo de Certificação.

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO ENTRE AS ADMINISTRAÇÕES PARLAMENTARES DA ASSEMBLEIA NACIONAL POPULAR DA REPÚBLICA DA GUINÉ BISSAU E A ASSEMBLEIA NACIONAL DA

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO ENTRE AS ADMINISTRAÇÕES PARLAMENTARES DA ASSEMBLEIA NACIONAL POPULAR DA REPÚBLICA DA GUINÉ BISSAU E A ASSEMBLEIA NACIONAL DA REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU ASSEMBLEIA NACIONAL POPULAR REPÚBLICA DE CABO VERDE ASSEMBLEIA NACIONAL PROGRAMA DE COOPERAÇÃO ENTRE AS ADMINISTRAÇÕES PARLAMENTARES DA ASSEMBLEIA NACIONAL POPULAR DA REPÚBLICA

Leia mais

Material para os Discentes da Universidade da Madeira. NP EN ISO 9000, 9001 e 9004. Elaborado em 2005 por. Herlander Mata-Lima

Material para os Discentes da Universidade da Madeira. NP EN ISO 9000, 9001 e 9004. Elaborado em 2005 por. Herlander Mata-Lima Material para os Discentes da Universidade da Madeira NP EN ISO 9000, 9001 e 9004 Elaborado em 2005 por Herlander Mata-Lima 1 NORMAS ISO 9000 As normas ISO 9000 servem de base para as organizações, independentemente

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO

COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Data 3 de Novembro a 15 de Dezembro de 2015 Ação de formação Área temática Cód. Ref. Formadores Horário INTRODUÇÃO À ARQUIVÍSTICA Gestão Documental S16 Helena Neves / Rui

Leia mais

Tutorial norma ISO 9001

Tutorial norma ISO 9001 Tutorial norma ISO 9001 Docente: Prof. Dr. José Carlos Marques Discentes-Grupo 3: Luciane F. I. Ramos Fonseca Ana Paula C. Vieira Lúcia Melim Ana Paula Neves Funchal, Maio de 2009 1. CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) /curriculum Julho de 2008 Versão 1.1 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador da Plataforma

Leia mais

A formação é um instrumento determinante na busca do domínio técnico e ganhos

A formação é um instrumento determinante na busca do domínio técnico e ganhos A formação é um instrumento determinante na busca do domínio técnico e ganhos de produtividade, não só pela qualificação dos recursos humanos mas pela capacidade de melhoria no desempenho e produção de

Leia mais

7) Providenciar e estimular a publicação de estudos sobre o Direito de Macau;

7) Providenciar e estimular a publicação de estudos sobre o Direito de Macau; REGULAMENTO DO CENTRO DE REFLEXÃO, ESTUDO, E DIFUSÃO DO DIREITO DE MACAU DA FUNDAÇÃO RUI CUNHA CAPÍTULO I - DEFINIÇÃO E OBJECTIVOS Artigo 1º - Definição O Centro de Reflexão, Estudo, e Difusão do Direito

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia No âmbito da Estratégia Nacional para a Energia, aprovada no passado mês de Outubro, foram agora publicados os diplomas que estabelecem os novos

Leia mais

Plano de Comunicação para o QCA III. Relatório de Execução de 2002

Plano de Comunicação para o QCA III. Relatório de Execução de 2002 Plano de Comunicação para o QCA III Relatório de Execução de 2002 Após o período de lançamento do QCA III o ano de 2002 foi de consolidação dos projectos iniciados e de apresentação dos primeiros resultados.

Leia mais

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Pedro Miguel Barros Morgado Índice Introdução... 3 Ponto.C... 4 Descrição do Problema... 5 Bibliografia... 7 2 Introdução No mundo

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

EUE 2012 10º Encontro Utilizadores Esri Portugal I Os SIG e a Arte de Ser Português I 14 e 15 de março de 2012 Centro de Congressos de Lisboa

EUE 2012 10º Encontro Utilizadores Esri Portugal I Os SIG e a Arte de Ser Português I 14 e 15 de março de 2012 Centro de Congressos de Lisboa O Sistema Nacional de Informação Geográfica (SNIG) no contexto da implementação da Directiva INSPIRE (Infrastructure for Spatial Information in Europe) João GEIRINHAS Direção de Serviços de Investigação

Leia mais

PROPOSTA. Termo de Referência

PROPOSTA. Termo de Referência PROPOSTA Termo de Referência Título: Revisão e Actualização do Manual do Formador da formação Pedagogica de Formadores Data limite para apresentação da proposta técnica de consultoria: 25 de Setembro Data

Leia mais

Regras e Procedimentos para a Normalização Portuguesa. Documentos normativos portugueses Tipologia, homologação, aprovação, revisão e anulação

Regras e Procedimentos para a Normalização Portuguesa. Documentos normativos portugueses Tipologia, homologação, aprovação, revisão e anulação Regras e Procedimentos para a Normalização Portuguesa Documentos normativos portugueses Tipologia, homologação, aprovação, revisão RPNP 040/2010 Versão 1 / 2010 Sumário 1 Natureza e objetivo... 4 2 Termos

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

OPERAÇÕES DE LIMPEZA DAS FOSSAS

OPERAÇÕES DE LIMPEZA DAS FOSSAS Página 1 of 7 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 5.1 LIMPEZA DAS FOSSAS ESTANQUES... 3 5.2 LIMPEZA

Leia mais

REQUISITOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO

REQUISITOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO Guia Agenda 21 Local REQUISITOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO Isabel Lico Divisão de Desempenho e Qualificação Ambiental ESTORIL 23 de Setembro de 2009 A Proposta... REQUISITOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO Apoiar a preparação

Leia mais

Edital de abertura de concurso. Curso de Especialização Tecnológica (Nível IV) Gestão da Qualidade e Ambiente

Edital de abertura de concurso. Curso de Especialização Tecnológica (Nível IV) Gestão da Qualidade e Ambiente 1. Perfil Profissional Edital de abertura de concurso Curso de Especialização Tecnológica (Nível IV) Gestão da Qualidade e Ambiente O/A Técnico/a Especialista em Gestão da Qualidade e do Ambiente é o/a

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES. Relatório de Monitorização. (Versão Resumida)

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES. Relatório de Monitorização. (Versão Resumida) Relatório de Monitorização 2007 2012 (Versão Resumida) INTRODUÇÃO Em 2006 a empresa NOVA CONSERVAÇÃO deu início à implementação na sua organização de um sistema gestão de qualidade, com vista à futura

Leia mais

A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E O L I V E I R I N H A ( 1 6 0 1 2 0 ) E S C O L A B Á S I C A D E O L I V E I R I N H A ( 1 0 5 4 0 3 )

A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E O L I V E I R I N H A ( 1 6 0 1 2 0 ) E S C O L A B Á S I C A D E O L I V E I R I N H A ( 1 0 5 4 0 3 ) DISCIPLINA: TIC ANO: 9º TURMAS: A, B e C ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Â O A N U A L - T I C UNIDADE DIDÁTICA 1: Tecnologias da Informação e Comunicação AULAS PREVISTAS: 9 x 90 Minutos Rentabilizar

Leia mais

AUDITORIA INTERNA QUALIDADE

AUDITORIA INTERNA QUALIDADE 2ª EDIÇÃO Analisar, Monitorizar e Melhorar o Desempenho do Sistema de Gestão da Qualidade AUDITORIA INTERNA QUALIDADE DA LUANDA 22 e 23 de OUTUBRO de 2014 Analise o processo de integração da função Qualidade

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

MUNICÍPIO DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS

MUNICÍPIO DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS 1 Missão da Biblioteca Os princípios orientadores da Biblioteca Municipal Simões de Almeida (tio) têm como base o Manifesto da UNESCO sobre as Bibliotecas Públicas, pelo que no cumprimento da sua missão

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA (Unidade-Disciplina-Trabalho) DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS PROJECTO DE APOIO À GESTÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA (PAGEF) TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O RECRUTAMENTO

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

O produto. Caraterísticas gerais e arquitetura do sistema

O produto. Caraterísticas gerais e arquitetura do sistema sistema integrado de processamento e gestão bibliográfica - versão 2012 Informática Formação e Serviços, Lda - Web: http://www.bibliosoft.pt Email: bibliosoft@bibliosoft.pt O produto O sistema biblio.net

Leia mais

A Gestão da Qualidade dos Serviços Sociais A Norma IS0 9001 como referencial para a qualidade das instituições sociais

A Gestão da Qualidade dos Serviços Sociais A Norma IS0 9001 como referencial para a qualidade das instituições sociais A Gestão da Qualidade dos Serviços Sociais A Norma IS0 9001 como referencial para a qualidade das instituições sociais Sandra Feliciano Seminário: Modelos da Qualidade aplicáveis às Respostas Sociais Centro

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

Vital para a Competitividade da sua Organização

Vital para a Competitividade da sua Organização ISO 27001 Segurança da Informação Vital para a Competitividade da sua Organização Quem Somos? Apresentação do Grupo DECSIS Perfil da Empresa Com origem na DECSIS, Sistemas de Informação, Lda., fundada

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DOS STIC SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DOS STIC SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO DINSTITUTO SUPERIOR CURSOS PARA EXECUTIVOS E GESTÃO BANCÁRIA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DOS STIC SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO Início: 29 de Setembro de 2005 INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Elaborado por: Aprovado por: Edição: 1. Revisão: 2w Data:04/07/2011. Gerência

MANUAL DA QUALIDADE. Elaborado por: Aprovado por: Edição: 1. Revisão: 2w Data:04/07/2011. Gerência Elaborado por: Aprovado por: Edição: 1 GAQ Gerência Revisão: 2w Este Manual da Qualidade pertence à Conplan, Lda.; é proibida a sua reprodução não autorizada INDICE MANUAL DA QUALIDADE... 1 INDICE... 2

Leia mais

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 O Departamento de Informática (DI) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) procura criar e estreitar

Leia mais

Coimbra: 16 e 17 de Abril. Faro: 14 e 15 de Maio. Faro: 16 de Maio. Faro: 17 de Maio. Faro: 18 de Maio

Coimbra: 16 e 17 de Abril. Faro: 14 e 15 de Maio. Faro: 16 de Maio. Faro: 17 de Maio. Faro: 18 de Maio 27 de Fevereiro 19 e 20 de Março 16 e 17 de Abril 14 e 15 de Maio 18 e 19 de Junho 9 e 10 de Julho 28 de Fevereiro 21 de Março 18 de Abril 16 de Maio 20 de Junho 11 de Julho 1 de Março 22 de Março 19 de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA ADMINISTRAÇÃO ELETRÓNICA E INTEROPERABILIDADE SEMÂNTICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA ADMINISTRAÇÃO ELETRÓNICA E INTEROPERABILIDADE SEMÂNTICA REGULAMENTO DO PROGRAMA ADMINISTRAÇÃO ELETRÓNICA E INTEROPERABILIDADE SEMÂNTICA I. Objetivos 1. O Programa tem como objectivo geral contribuir para o desenvolvimento da Administração Eletrónica através

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação... 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 4 5.1. Política da Qualidade 4 5.2. Processos de gestão do

Leia mais

Indice. Prefácio... 15. CAPÍTULO 1 - Introdução à gestão da qualidade

Indice. Prefácio... 15. CAPÍTULO 1 - Introdução à gestão da qualidade " Indice Prefácio........................... 15 CAPÍTULO 1 - Introdução à gestão da qualidade 1. Introdução.... 2. Conceitos da qualidade. 3. Origem dos principais problemas da qualidade 4. Alguns dos

Leia mais

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas CENFIM, Trofa 6 de Maio de 2014 Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas Rui Ferreira Alves O Sector da Construção no contexto da União Europeia Sector estratégico: relevante para promover

Leia mais

Ano Lectivo 2007/2008. Junho de 2009

Ano Lectivo 2007/2008. Junho de 2009 RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA Ano Lectivo 2007/2008 Junho de 2009 ÍNDICE Objectivos do Relatório Fases de Elaboração do Relatório Universo do Relatório

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Melhores práticas no domínio da política regional e entraves à utilização dos Fundos Estruturais

Melhores práticas no domínio da política regional e entraves à utilização dos Fundos Estruturais C 117 E/38 Jornal Oficial da União Europeia 6.5.2010 Melhores práticas no domínio da política regional e entraves à utilização dos Fundos Estruturais P6_TA(2009)0156 Resolução do Parlamento Europeu, de

Leia mais

2015/2016 INTRODUÇÃO

2015/2016 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A concepção de um Prémio Distrital da Qualidade surgiu na sequência da experiência e resultados alcançados com o Programa de Modernização Administrativa das Autarquias de Setúbal (PROMAAS),

Leia mais

Universidade dos Açores

Universidade dos Açores Universidade dos Açores Ciclo de estudos conducente ao grau de mestre Introdução A Universidade dos Açores procedeu à reorganização, em 2006, da sua oferta de ensino, no cumprimento das medidas legislativas

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Módulo de Administração de Utilizadores

Módulo de Administração de Utilizadores base Módulo de Administração de Utilizadores Versão 2.0 Manual do utilizador Janeiro 2002 Ficha técnica Título BIBLIObase : Módulo de Administração de Utilizadores: versão 2.0 : manual do utilizador Autores

Leia mais

Modelo de Auto-avaliação. Biblioteca Escolar. * Actions, not positions; * Evidence, not advocacy. Ross Todd (2003)

Modelo de Auto-avaliação. Biblioteca Escolar. * Actions, not positions; * Evidence, not advocacy. Ross Todd (2003) Modelo de Auto-avaliação Biblioteca Escolar * Actions, not positions; * Evidence, not advocacy. Ross Todd (2003) Auto-avaliar a BE Porquê avaliar a Biblioteca? Quais são os objectivos da auto-avaliação?

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 25 de outubro de 2006. 1 Segundo Vergueiro (1989), a política de desenvolvimento de coleções é um instrumento

Leia mais

Grupo detrabalho dereflexão deum Modelode RSE. versão 1.0

Grupo detrabalho dereflexão deum Modelode RSE. versão 1.0 2010 2012 2015 2009 Grupo detrabalho dereflexão deum Modelode RSE versão 1.0 2010 2012 2015 2009 Linhas deacção / Caminho a Percorrer Monitorização e acompanhamento permanentes, para que as actividades

Leia mais

O modelo concetual e a metodologia para a construção do plano de classificação

O modelo concetual e a metodologia para a construção do plano de classificação MACRO ESTRUTURA FUNCIONAL PARA A ADMINISTRAÇÃO LOCAL O modelo concetual e a metodologia para a construção do plano de classificação Carlos Guardado da Silva Município de Torres Vedras carlos.guardado@cm-tvedras.pt

Leia mais

Sistema Nacional de Exploração e Gestão de Informação Cadastral. José Pedro Neto (jneto@igeo.pt)

Sistema Nacional de Exploração e Gestão de Informação Cadastral. José Pedro Neto (jneto@igeo.pt) Sistema Nacional de Exploração e Gestão de Informação Cadastral José Pedro Neto (jneto@igeo.pt) Cadastro Predial O que é Enquadrameno legal Benefícios Situação actual Processo de execução cadastral actual

Leia mais

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Seminário. Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013?

Seminário. Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013? Seminário Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013? Ordem Dos Engenheiros, 2012-09-27 O Subsistema da Normalização do SPQ (Sistema Português

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Elaborado por: Aprovado por: Edição: 1. Revisão: 4w Data:07/03/2013. Gerência

MANUAL DA QUALIDADE. Elaborado por: Aprovado por: Edição: 1. Revisão: 4w Data:07/03/2013. Gerência Elaborado por: Aprovado por: Edição: 1 GAQ Gerência Revisão: 4w Este Manual da Qualidade pertence à Conplan, Lda.; é proibida a sua reprodução não autorizada INDICE MANUAL DA QUALIDADE... 1 INDICE... 2

Leia mais

Estrutura de ensino/aprendizagem da Unidade Curricular Programação na Internet (PI)

Estrutura de ensino/aprendizagem da Unidade Curricular Programação na Internet (PI) Estrutura de ensino/aprendizagem da Unidade Curricular Programação na Internet (PI) Resumo A Unidade Curricular (UC) de PI trata a componente de distribuição e actualização da UI em aplicações Web. Estudam-se

Leia mais

Classificação / Indexação

Classificação / Indexação Classificação / Indexação Classificação Entende-se por classificação: o processo pelo qual se torna possível dispor de uma forma ordenada, um determinado conjunto de elementos, de molde a facilitar a sua

Leia mais

CATEGORIAS DA METROLOGIA

CATEGORIAS DA METROLOGIA Cadernos Técnicos Carlos Sousa CATEGORIAS DA METROLOGIA METROLOGIA CIEN TÍFICA Investigação D esenvolvim ento D em onstração Unidades de medida Materialização de grandezas PADRÕ ES APLICADA Controlo: Processos

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA ENTIDADE AUDITADA: ESE, ESS, ESTG, ESCE e ESA NORMA DE REFERÊNCIA: NP EN ISO 9001.2008 DATA (S) DA AUDITORIA: 15.04..2011 ÂMBITO: Sub-processo Biblioteca DURAÇÃO: 1dia REQUISITO VERIFICADO NÃO CONFORMIDADE

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA FLORESTAL E DOS RECURSOS NATURAIS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA FLORESTAL E DOS RECURSOS NATURAIS 1.1 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA FLORESTAL E DOS RECURSOS NATURAIS Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais