[PLANO DE PORMENOR DE SALVAGUARDA E RENOVAÇÃO URBANA DE SÃO PAIO regulamento] Declaração n.º 219/99, de 23 de Julho (D.R. 2ª série, n.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "[PLANO DE PORMENOR DE SALVAGUARDA E RENOVAÇÃO URBANA DE SÃO PAIO regulamento] Declaração n.º 219/99, de 23 de Julho (D.R. 2ª série, n."

Transcrição

1 Município de Arcos de Valdevez Divisão do Desenvolvimento Económico e Urbanismo Serviço de Planeamento e Ordenamento do Território Praça Municipal Arcos de Valdevez tel: fax: [PLANO DE PORMENOR DE SALVAGUARDA E RENOVAÇÃO URBANA DE SÃO PAIO ]

2 ÍNDICE CAPÍTULO I - Disposições gerais Artigo 1º - Âmbito de aplicação Artigo 2º - Composição Artigo 3º - Vigência... 1 Artigo 4º - Omissões Artigo 5º - Conteúdo Artigo 6º - Competências para a elaboração de projectos... 1 Artigo 7º - Dispensa do projecto... 1 Artigo 8º - Obras de conservação, restauro, reparação ou limpeza Artigo 9º - Processo de licenciamento... 1 Artigo 10º - Conceitos de ordem geral CAPÍTULO II Disposições específicas para a área do Plano SECÇÃO I Intervenção Urbanística Artigo 11º - Achados arqueológicos Artigo 12º - Uso do solo e dos imóveis.. 2 Artigo 13º - Espaços livre no interior dos quarteirões Artigo 14º - Estacionamento e garagens Artigo 15º - Implantação e alinhamentos Artigo 16º - Cérceas e volumetria.. 3 SECÇÃO II Edifícios a manter Graus de intervenção arquitectónica (GI) Artigo 17º - GI 1 Preservação ou reabilitação obrigatória do imóvel Artigo 18º - GI 2 Conservação genérica do «casco» com preservação ou reabilitação das fachadas... 3 Artigo 19º - GI 3 Possibilidade de demolição do imóvel para posterior reconstrução ou remodelação Artigo 20º - GI 4 - Remodelação obrigatória do «casco» do imóvel na linguagem e ou volumetria... 3 Artigo 21º - GI 5 - Demolição do imóvel SECÇÃO III Condições de construção Artigo 22º - Estrutura Artigo 23º - Coberturas Artigo 24º - Fachadas Artigo 25º - Vãos e aberturas Artigo 26º - Soleiras e peitoris Artigo 27º - Tubos de queda e caleiros Artigo 28º - Revestimentos de pavimentos Artigo 29º - Pormenores notáveis Artigo 30º - Precauções contra o fogo Artigo 31º - Condutas de fumo e ventilação Artigo 32º - Painéis solares i SECÇÃO IV Ocupação e utilização do domínio público Artigo 33º - Publicidade Artigo 34º - Toldos Artigo 35º - Alpendres ou palas Artigo 36º - Vitrinas Artigo 37º - Ar condicionado Artigo 38º - Antenas e cablagens Artigo 39º - Esplanadas Artigo 40º - Exposição de produtos

3 MINISTÉRIO DO EQUIPAMENTO, DO PLANEAMENTO E DA ADMINISTRAÇÃO DO TERRITÓRIO Direcção-Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano Declaração n.º 219/99 (2ª série) de 23 de Julho Torna-se público, nos termos do Decreto-Lei n.º 69/90, de 2 de Março, que a Assembleia Municipal de Arcos de Valdevez, por deliberação de 26 de Dezembro de 1998, aprovou o Plano de Pormenor de Salvaguarda e Renovação Urbana de São Paio, naquele munícipio, cujo Regulamento e planta de implantação se publicam em anexo a esta declaração. Mais se torna público que esta Direcção-Geral registou o referido Plano, com o n.º /01-99.P.P. em 522 de Junho de de Junho de 1999 o Director-Geral, João Biencard Cruz. CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de aplicação 1 - Este Regulamento aplica-se à área do perímetro urbano de Arcos de Valdevez delimitada para o Plano de Pormenor de Salvaguarda e Renovação Urbana de São Paio, abreviadamente designado por PPSRUSP, que corresponde à Rua de Amorim Soares, Ponte Velha e principal núcleo urbano da margem esquerda do rio Vez. 2 À data da sua entrada em vigor aplicar-se-ão todos os projectos e requerimentos relativos a obras ou acções e que digam respeito à sua área de intervenção. Artigo 2º Composição O PPSRUSP é composto por elementos fundamentais planta de implantação, planta de condicionantes e o presente Regulamento, elementos complementares, planta de enquadramento, relatório, programa de execução e plano de financiamento - e elementos anexos - extractos do PDM, planta da situação existente, estudos de caracterização, e plantas de trabalho. Artigo 3º Vigência O PPSRUSP entrará em vigor na data da sua publicação no Diário da República. Artigo 4º Omissões Para tudo o que for omisso no presente Regulamento, ter-se-á em atenção a legislação específica em vigor, devendo os casos omissos ser apreciados, de acordo, com o espírito destas normas, pelas diversas entidades no processo de aprovação e licenciamento. Artigo 5º Conteúdo O PPSRUSP define dentro do seu perímetro, a ocupação, concepção e funcionamento do espaço urbano e outras áreas do domínio público, bem como o uso do solo e as condições gerais das edificações novas e existentes. Artigo 6º Competência para a elaboração de projectos Dentro do perímetro do Plano quaisquer obras de conservação, remodelação, ampliação, recuperação ou reconstrução de imóveis existentes ou de construção de novos edifícios, assim como de recuperação ou reabilitação ou novo desenho de espaços urbanos, serão executadas segundo projecto geral da autoria de arquitecto com diploma reconhecido em Portugal. Artigo 7º Dispensa do projecto Estão dispensadas de elaboração de projectos as obras de simples conservação, restauro, reparação ou limpeza que não impliquem modificações nos elementos estruturais, na forma, e na natureza e cor dos materiais. Artigo 8º Obras de conservação, restauro, reparação ou limpeza As obras de conservação, restauro, reparação ou limpeza só se poderão realizar nas seguintes condições: a) A substituição de materiais tradicionais só é permitida nos casos em que a sua conservação ou restauro seja comprovadamente impraticável; b) A substituição de portas e janelas que apresentem características tradicionais só poderá ser autorizada mediante consulta prévia à Câmara Municipal, devendo ter em atenção a utilização de técnicas tradicionais; c) A substituição de telhados só poderá ser permitida mediante autorização da Câmara Municipal e tendo em atenção a época de construção do edifício; d) A substituição de rebocos em fachadas deve ser feita por forma a recuperar a aparência original do edifício; e) A remoção de rebocos com a finalidade de tornar aparentes as alvenarias existentes só é permitida quando se comprovar ser essa a forma original de acabamento do edifício; f) A substituição de cantarias só será permitida excepcionalmente, e quando comprovadamente as pedras apresentem degradação irrecuperável, e por pedras de iguais dimensões e características, excluindo-se em absoluto qualquer possibilidade de substituição das cantarias originais por capeamento em pedra. Artigo 9º Processo de licenciamento 1 - O licenciamento municipal obedece à tramitação para áreas abrangidas por plano de pormenor, nos termos da lei. 2 - O pedido de informação prévia, de acordo com o artigo 11º, do Decreto-Lei n.º 445/91, de 20 de Novembro, e com as alterações posteriormente introduzidas, deve ser instruído com os elementos descritos na Portaria n.º 1115-B/94, de 15 de Dezembro, e ainda com fotografias a cores com incidência sobre o local de pretensão e que documentem suficientemente o seu enquadramento urbanístico. 3 - O pedido de licenciamento a que se refere o artigo 15º, do Decreto-Lei n.º 445/91, de 20 de Novembro, e com as alterações introduzidas posteriormente, deve ser instruído com os elementos descritos na Portaria n.º 1115-B/94, de 15 de Dezembro, devendo o projecto de arquitectura ser constituído pelos seguintes elementos: 1

4 a) Levantamento topográfico de toda a parcela, incluindo, caso exista, arborização e jardins, e as construções, no mínimo, à escala 1:200; b) Plantas dos pisos projectados, no mínimo, à escala 1:100, incluindo a planta ao nível do solo com toda a área da parcela, e a planta de coberturas; c) Alçados, no mínimo, à escala de 1:100, de todas as fachadas do edifício projectado, a transformar ou a manter, com os arranques das fachadas dos edifícios vizinhos; d) Cortes longitudinais e transversais, no mínimo, um de cada e à escala 1:100, representando-se a largura dos arruamentos e a altura do imóvel ou cotas do terreno; e) Memória descritiva e justificativa sobre os aspectos fundamentais da pretensão tais como: extensão das obras, soluções construtivas adoptadas, materiais, cores, características dos vários elementos componentes, e a função dos vários espaços interiores; f) Para além dos elementos aqui mencionados, e no caso da parcela possuir construções, o referido pedido deverá conter o levantamento das plantas dos pavimentos, das coberturas, dos alçados com relações com a envolvente, e cortes que elucidem sobre a sua volumetria, no mínimo, à escala 1:100, sendo necessário mostrar claramente o existente a manter, a demolir, ou a transformar e os elementos novos a introduzir; g) Pormenores de construção escala 1: 20 ou 1: 10 do remate do beirado e cobertura, soleiras e pavimentos, caixilharias e parapeitos nas fachadas exteriores principais, no mínimo. Artigo 10º Conceitos de ordem geral Para efeitos de aplicação do presente Regulamento considera-se: 1 - Valor arquitectónico ou nível de qualidade de um imóvel - classificação dada a um imóvel dentro de uma avaliação global da qualidade arquitectónica do conjunto edificado na perspectiva da valorização da sua história. Tem-se em conta, especificamente, para além do seu valor estético, o significado histórico próprio, a sua identificação com as tipologias tradicionais, as construções recentes, o sucesso de reinterpretação das atitudes de construir tradicionais através de uma linguagem actual ou a afirmação de novas atitudes paradigmáticas em termos culturais: a) Imóvel classificado ou vias de classificação - imóvel de valor arquitectónico mais elevado, tutelado pelo Instituto Português do Património Arquitectónico e Arqueológico, nos termos da Lei n.º 13/85 de 6 de Julho; b) Imóvel de qualidade - exemplar interessante, enquanto expressão arquitectónica de uma época e/ou uma atitude de construir, erudita ou popular; a sua traça apresenta características de homogeneidade e coerência formal e material; c) Imóvel de acompanhamento - imóvel que, na sua expressão geral, é consonante com a envolvente, acompanhando ou integrando, caso possua elementos de qualidade, a imagem dos espaços urbanos ou imóveis de valor arquitectónico mais relevante; d) Imóvel dissonante - imóvel que contrasta com o conjunto em que se insere ao nível da forma e/ou dos materiais utilizados, da volumetria, dos alinhamentos e do tipo de utilização; e) Imóvel sem interesse - imóvel que não apresenta aspectos qualitativos na linguagem arquitectónica, cuja presença no conjunto urbano e no seu funcionamento se revele prejudicial. 2 - Elemento de qualidade - parte componente do imóvel isoladamente considerada, que na sua caracterização se apresenta como digna de preservação pelo seu carácter estético, funcionalidade e / ou pela forma e material em que se exprime. 3 - Elemento dissonante - contraste criado nos imóveis existentes, com a introdução de novos elementos de fachada em substituição, complemento ou remodelação dos primitivos ou por ampliação da construção. Refere-se a elementos de fachada substituíveis caso a caso ou a alterações de linguagem resultantes de remodelação parcial ou de ampliação, considerando-se que o essencial do imóvel ainda persiste potencialmente recuperável. 4 - Volumetria - volume total aparente, ou seja, construído acima da cota do terreno da parcela. CAPÍTULO II Disposições específicas para a área do Plano SECÇÃO I Intervenção urbanística Artigo 11º Achados arqueológicos 1 - Quando, no decorrer de quaisquer obras forem postos a descoberto vestígios materiais antigos de valor desconhecido, o responsável pela sua direcção técnica é obrigado, de acordo com o artigo 39º da Lei n.º 13/85, a suspender a execução dos trabalhos, dando imediato conhecimento do achado aos Serviços de Planeamento e Urbanisno da Câmara Municipal. 2 - Se o valor do achado for confirmado pela Divisão dos Serviços do Planeamento e Urbanismo, que deverão contactar um arqueólogo para esse fim, a Câmara Municipal de Arcos de Valdevez, informará o Ministério da Cultura da existência do achado, procedendo-se, então, de acordo com estabelecido nos artigos 39º, 40º e 41º da Lei n.º 13/85. Artigo 12º Uso do solo e dos imóveis 1 - A utilização dada ao solo e aos imóveis terá sempre de se subordinar ao interesse público, que se deverá harmonizar com o interesse particular, não sendo permitidos usos que interfiram com as condições de higiene e salubridade do local, com o seu valor histórico e/ou arquitectónico, com a vivência harmoniosa dos seus espaços colectivos e com as boas relações de vizinhança. 2 - A ocupação dos imóveis deverá ser feita com habitação nos andares e o rés-do-chão poderá ser ocupado por habitação, anexos ou garagens quando possível, comércio, serviços e ainda pequenas indústrias não poluentes e não ruidosas com carácter artesanal. Artigo 13º Espaços livres no interior dos quarteirões 1 - Deverão, sempre, ser mantidos livres os espaços de logradouro, como prolongamento exterior da habitação, e áreas verdes permeáveis. 2 - Sempre que existam árvores ou jardins, deve prever-se a sua manutenção e presença no local. 3 - No caso de ser reorganizada a parcela, a construção, ou reconstrução de anexos terá de se subordinar à sua real necessidade, 2

5 não devendo ultrapassar os 10% do total de área livre com esta ocupação, num máximo de 20 m2. Artigo 14º Estacionamento e garagens 1 - Serão de manter os lugares de garagem existentes e, dada a dificuldade de estacionamento dentro da área do Plano, será de criar, sempre que possível, aparcamento privativo conveniente para os edifícios a manter e objecto de remodelação. 2 - Para os novos edifícios a que referem os polígonos base para a sua implantação, os lugares de estacionamento são os indicados para cada parcela, de acordo com o quadro sinóptico da planta de implantação. Artigo 15º Implantação e alinhamentos 1 - A implantação e alinhamento dos novos edifícios deverá obrigatoriamente respeitar o definido pelo polígono base de implantação, pelo limite das parcelas com o espaço público e ainda o definido pelos limites dos pisos relvados. 2 - Nos edifícios a manter será de respeitar a implantação e o alinhamento existente ou o alinhamento das construções envolventes, desde que não se ponha em causa o seu valor arquitectónico, as condições de habitabilidade dos edifícios vizinhos, ou outros elementos de qualidade do edifício, de acordo com o grau arquitectónico atribuído. Artigo 16º Cérceas e volumetria 1 - A cércea e volumetria dos novos edifícios deverá respeitar obrigatoriamente as condições apresentadas na planta de implantação e nos perfis das plantas de trabalho dos elementos anexos do Plano, no que se refere ao número de pisos, distância entre estes e cotas de pavimentos e cotas de terreno. 2 - Nos edifícios a manter ter-se-à de respeitar a cércea, não sendo relevante o facto de existirem edifícios na área do plano que a excedam. 3 - Nos edifícios a manter a que se referem os graus de intervenção arquitectónica GI2 e GI3 a construção de andares recuados ou aproveitamentos dos vãos de telhado só serão de permitir tendo em atenção os edifícios envolventes e o carácter do espaço urbano, o seu valor arquitectónico e ainda os índices urbanísticos que já apresenta. 4 - Nos edifícios a manter a que se refere o grau de intervenção arquitectónica GI1 ter -se-à de manter a cércea e a volumetria existentes. SECÇÃO II Edifícios a manter Graus de intervenção Arquitectónica (GI) Artigo 17º GI 1 Preservação ou reabilitação obrigatória do imóvel Este grau de intervenção diz respeito aos imóveis classificados e aos imóveis de qualidade e implica, de acordo com o valor arquitectónico e o estado actual da construção, três atitudes: a) Manutenção integral da construção, tanto interior como exterior, em termos de forma e expressão material; b) Reabilitação do imóvel, resolvendo eventuais dissonâncias descritas na respectiva ficha de caracterização do imóvel; c) Intervenção na volumetria ou em elementos de fachada, desde que em pequena percentagem e se a qualidade do projecto o justificar plenamente. Artigo 18º GI 2 Conservação genérica do casco com preservação ou reabiltação das fachadas Este grau de intervenção será aplicado aos imóveis de qualidade e aos imóveis de acompanhamento, consoante e de acordo com o valor dos elementos de qualidade e do impacto dos elementos dissonantes e implica: a) A conservação genérica do volume, da expressão formal e respectivos materiais e ainda a preservação das fachadas, consideradas como elemento de qualidade; b) A recuperação ou reabilitação da expressão primitiva, em termos gerais, preservando as fachadas de qualidade, e resolvendo as dissonâncias. Artigo 19º GI 3 Possibilidade de demolição do imóvel para construir reconstrução ou remodelação Este grau de intervenção aplica-se aos imóveis de acompanhamento e a imóveis dissonantes e permite a sua demolição para posterior reconstrução segundo as atitudes: a) Reconstrução, com possibilidade de remodelação total de imóvel existente, desde que enquadrado no articulado deste Regulamento; b) Reconstrução, com obrigação de manter, em termos gerais, a volumetria e/ou alinhamentos existentes, tendo ainda em consideração a eventual presença de fachadas classificadas como elemento de qualidade. Artigo 20º GI 4 Remodelação obrigatória do casco do imóvel na linguagem e/ou volumetria Este grau de intervenção destina-se aos imóveis dissonantes e a imóveis sem interesse, visando a aplicação de uma expressão arquitectónica consentânea com toda a área do Plano e a zona histórica, obrigando a seguir estas atitudes: a) Rever a linguagem exterior do imóvel, utilizando formas e/ou materiais consentâneos com a expressão da zona histórica; b) Rever, para além da linguagem exterior do imóvel, e em alguns casos, os alinhamentos ou a função, também a própria volumetria, dissonante por excessiva na envolvente; c) Rever a relação de integração, caso os imóveis, embora possuam coerência formal, sejam considerados agressivos em termos de enquadramento urbano. Artigo 21º GI 5 Demolição do imóvel Este grau de intervenção aplica-se a imóveis indicados na planta de implantação considerados prejudiciais à boa organização ou funcionamento da zona histórica ou que constituam um impedimento à correcta leitura do seu valor histórico ou arquitectónico. 3

6 SECÇÃO III Condições de construção Artigo 22º Estrutura 1 - Nos edifícios a manter incluídos em GI1 a sua estrutura deverse-á manter, recuperando ou substituindo elementos em degradação. 2 - Nos edifícios a manter incluídos em GI2 e GI3 a introdução de outros elementos estruturais não deverá ter reflexos visíveis na fachada ou em qualquer outro elemento da construção. Artigo 23º Coberturas 1 - Não é permitida a alteração do número dos planos de inclinação das coberturas dos edifícios a manter. 2 - O revestimento em telha é o único admitido para as coberturas. 3 - Quando o tipo de revestimento existente nos edifícios a manter for caracterizado como elemento dissonante, este deverá ser removido e substituído por telha, de acordo com a época do edifício e linguagem arquitectónica. 4 - Sempre que existam áreas planas nas coberturas, estas deverão ser revestidas a tijoleira de barro ou lajedo de granito. 5 - Nos edifícios a manter o desenho tradicional e o material dos beirais terão que ser mantidos na íntegra. Artigo 24º Fachadas 1 - As fachadas dos edifícios a manter deverão respeitar as seguintes condições: a) Os elementos em granito aparente serão mantidos integralmente, não sendo permitida a sua pintura, reboco, revestimento ou cobertura por outra pedra; b) Não deverão ser removidos os rebocos existentes para colocar aparente o granito das paredes exteriores, excepto quando se comprovar ser essa a forma original do acabamento do edifício. c) A utilização de cores deverá manter o equilíbrio cromático do conjunto em que se insere, preconizando-se a manutenção das cores de pinturas primitivas desde que não consideradas dissonantes; d) É proibido o uso de materiais tipo pastilhas, marmorites, tintas de areia e texturadas, azulejos e a utilização de cimento ou betão a imitar o granito; e) Os azulejos primitivos deverão ser mantidos, e na impossibilidade de serem recuperados, deverão ser substituídos por revestimento de reboco pintado; f) Dever-se-à manter nas paredes rebocadas, as molduras pintadas, salientes ou não, em volta das aberturas; g) Não é permitida a colocação de placas de granito em socos e cunhais. 2 - Nas novas construções as fachadas deverão expressar, no seu tratamento, a arquitectura contemporânea, respeitando, sem mimetismo, a envolvente próxima. Artigo 25º Vãos e aberturas 1 - Nos edifícios a manter os vãos e aberturas deverão respeitar as seguintes condições: a) Os portões, portas, caixilharias, janelas e outros elementos em madeira deverão ser mantidos na sua expressão original e, em caso de degradação, serão de substituir por outros de idêntico material, forma, desenho e cor; b) Não é permitido o uso de portões, portas, caixilharias e janelas de metal, alumínio ou plástico, recomendando-se como alternativa a utilização de madeira tratada e pintada; c) As portadas interiores de madeira devem ser preservadas e mantidas como sistema de obscurecimento; d) Não será permitida a colocação de estores de plástico de enrolar; e) Nas sacadas ou varandas não será permitido o seu envidraçamento ou introdução de elementos do tipo marquisa. 2 - Os vãos e aberturas, respeitantes a montras de espaços comerciais nos edifícios a manter deverão, como única excepção ao número anterior, obedecer às seguintes condições: a) As montras deverão respeitar a estrutura e modelação dos vãos existentes, não sendo permitida a destruição de ombreiras e padieiras em pedra, com vista ao seu alargamento; b) Quando se verifique que a montra actualmente existente sofreu adulterações na sua configuração, deverá a mesma ser reposta nas condições originais aquando da realização de obras no edifício; c) No caso de rés-do-chão adaptado a função comercial, poderá ser permitido que a caixilharia seja substituída por caixilho de cor idêntica à das portas e aros dos restantes vãos do edifício; d) Deverá ser apresentado o respectivo projecto de licenciamento à escala 1:20, no caso de alteração ao desenho das caixilharias existentes. Artigo 26º Soleiras e peitoris Nos edifícios a manter dever-se-ão recuperar, sempre que se degradem, as soleiras e peitoris em madeira, granito ou ferro, não sendo permitida a sua substituição por mármore, granito polido ou cimento à vista. Artigo 27º Tubos de queda e caleiros Nos edifícios a manter é proibido a utilização do PVC nos tubos de queda e nos caleiros, devendo-se utilizar o ferro ou a chapa zincada, devidamente aparelhados e pintados. Artigo 28º Revestimento de pavimentos 1 - É proibida a destruição de pavimentos em lajedo, cubo e paralelo de granito, calçada à portuguesa ou lancis de granito. 2 - É interdita a colocação de pavimentos de cimento, blocos ou placas de betão, ou mosaicos. 3 - Nos espaços pedonais ou a pedonizar a sua pavimentação deverá ser definida previamente através de desenho. Artigo 29º Pormenores notáveis Elementos notáveis da construção em materiais vários, como portadas ou portas, ferragens, soleiras, peitoris, caleiros e tubos de queda, guardas de sacada ou janela, beirais e cornijas e ainda outros pormenores decorativos, deverão ser mantidos e recuperados sempre que entrem em degradação. 4

7 Artigo 30º Precauções contra o fogo 1 - Todos os edifícios contíguos serão providos, nos respectivos muros comuns, de parede isoladora contrafogo com resistência ao fogo, no mínimo durante uma hora e trinta minutos; CF A estrutura das coberturas será isolada do espaço interior por material que garanta, no mínimo, uma hora de resistência ao fogo; CF Nos edifícios de ocupação mista, os espaços não destinados a habitação terão acessos independentes desta, sendo isolados do elemento base do seu pavimento por tecto com resistência ao fogo, no mínimo, de uma hora e trinta minutos; CF Os edifícios, ou suas partes, não destinadas a habitação terão de possuir sistemas de detecção de incêndios: a) No seu interior só poderão ser usados, nos elementos de suporte ou revestimento, materiais não combustíveis da classe M0 e materiais não infiltráveis da classe M1; b) Sempre que se destinem a manusear ou armazenar produtos facilmente inflamáveis da classe M 4 terão de estar reforçadas as normas de segurança das zonas onde eles virão a ser colocados e serão isolados dos outros espaços com portas contrafogo; c) Os edifícios que guardem ou armazenem produtos facilmente inflamáveis da classe M4 terão de ter, em sítio bem visível, no local de acesso, um cofre com a inscrição Serviços de Incêndios, onde serão depositados os elementos necessários ao conhecimento do edifício e dos seus locais de maior risco, com planta dos vários pavimentos indicando a localização das bocas-de-água instaladas e informação completa sobre o sistema de abastecimento da rede de incêndios. Artigo 31º Condutas de fumo e ventilação 1 - Não é permitida a colocação nas fachadas de condutas de fumo ou ventiladores para qualquer fim. 2 - As saídas de fumos deverão ser feitas por chaminés de alvenaria, ferro ou chapa zincada, construídas sobre as coberturas dos edifícios. 3 - A colocação de ventiladores deverá ser feita em locais não visíveis da via pública. 4 - A colocação deste tipo de equipamento será antecedida de autorização municipal, devendo o seu pedido ser instruído com o respectivo projecto que elucide sobre as suas características materiais, desenho e dimensionamento. Artigo 32º Painéis solares Não é permitida a colocação de painéis solares nas coberturas dos edifícios. SECÇÃO IV Ocupação e utilização do domínio público Artigo 33º Publicidade 1 - A publicidade exterior não deverá perturbar a leitura das fachadas dos edifícios nem provocar obstrução de perspectivas panorâmicas, devendo obedecer a regras de sobriedade e de relação de escala com os edifícios envolventes. 2 - Não será permitida qualquer tipo de instalação de suporte publicitário nas coberturas das edificações. 3 - Não será permitida a instalação de mais de um anúncio por estabelecimento ou empresa. 4 - A sua colocação será antecedida de autorização municipal, devendo o seu pedido ser instruído com desenho, catálogo ou fotografia do tipo de publicidade pretendida. 5 - Será unicamente permitida a instalação de suportes publicitários com as seguintes características: a) Do tipo chapa - suporte publicitário não luminoso aplicado ou pintado em qualquer paramento visível e liso - nas seguintes condições: a.1) Dimensão não excedendo os 0,6 m, saliência máxima 0,05 m, e distância ao solo não inferior a 1,5 m; a.2) Não poderão sobrepôr cunhais, emolduramento de vãos, como portas e janelas, gradeamentos e bases de varandas, cornijas e outros elementos arquitectónicos; a.3) Não poderão localizar-se acima do nível do piso do 1º andar dos edifícios. b) Do tipo tabuleta - suporte afixado perpendicularmente na fachada de edifícios, podendo ser luminoso ou não - nas seguintes condições: b.1) A altura não deve exceder 0,9m e os seus balanços medidos a contar do plano marginal da via, não devem exceder 9% da distância entre este plano e o plano marginal fronteiro; b.2) Não poderão sobrepôr cunhais, emolduramentos de vãos como portas e janelas, gradeamentos e bases de varandas, cornijas e outros elementos arquitectónicos; b.3) Não deverá ser autorizada mais de uma tabuleta por edifício; b.4) Não serão permitidas tabuletas acima de fachadas e cobertura da edificação.3 c) Do tipo anúncios ou reclamos luminosos - meio de suporte publicitário que emita luz própria - nas seguintes condições: c.1) Não poderão sobrepôr cunhais, emolduramentos de vãos, como portas e janelas, gradeamentos e bases de varandas, cornijas e outros elementos arquitectónicos; c.2) Não poderão localizar-se acima do nível do piso do 1º andar das edificações; c.3) A luz deverá ser fixa, não sendo permitida a instalação de luz intermitente; c.4) Na utilização deste tipo de publicidade será proibida, na sua totalidade e sem excepções, a menção a produtos ou marcas. d) Do tipo letras soltas ou símbolos, nas seguintes condições: d.1) Dimensões máximas de 0,4 m de altura e 0,1 m de saliência ; d.2) Distância ao nível do solo não interior a 1,5 m; d.3) Não poderão sobrepôr cunhais, emolduramentos de vãos como portas e janelas, gradeamentos e bases de varandas, cornijas e outros elementos arquitectónicos. 6 - A mensagem publicitária deverá circunscrever-se à designação do estabelecimento a que se refere, símbolo e actividade exercida, com o mínimo de dizeres, não fazendo propaganda de produtos ou marcas, excepto nos seguintes casos: a) Quando a mensagem corresponda à identificação do nome do estabelecimento; b) Quando inscrita na sanefa dos toldos e em substituição do letreiro da fachada; 5

8 c) Quando inscrita nas sanefas dos guarda-sóis em esplanadas. Artigo 34º Toldos 1 - Poderão ser aplicados toldos apenas nos vãos de portas, janelas e monstras de estabelecimentos comerciais, feitos de lona ou material de idênticas características, para protecção da incidência solar e da chuva. 2 - A sua aplicação deverá respeitar as seguintes condições: a) Devem ser rebatíveis, de enrolar, de uma só água e sem sanefas laterais; b) A sua estrutura de suporte não poderá sobrepor cunhais, emolduramentos de vãos como portas, janelas e outros elementos arquitectónicos; c) A aresta inferior da pala ou da sanefa frontal deverá distar no mínimo 2 m do chão; d) Devem possuir o mínimo de dizeres ou símbolos de firmas; e) Devem possuir cores uniformes, não agressivas e sobretudo bem integradas no ambiente, favorecendo a imagem do local. 3 - A sua colocação será antecedida de autorização municipal devendo o seu pedido ser instruído com desenho, catálogo ou fotografia que elucide sobre as suas características. Artigo 35º Alpendres e palas 1 - Consideram-se alpendres ou palas elementos arquitectónicos rígidos com predomínio de dimensão horizontal fixos aos paramentos das fachadas e com função decorativa e de protecção de agentes atmosféricos. 2 - Pelas suas características, não deverá ser aceite a sua aplicação. Artigo 36º Vitrinas 1 - Consideram-se vitrinas, mostradores envidraçados onde se expõem objectos à venda em estabelecimentos comerciais. 2 - A sua colocação poderá ser feita nas fachadas de estabelecimentos comerciais, nas seguintes condições: a) A distância ao solo não deverá ser inferior a 0,4 m e a sua altura não deverá ultrapassar 1,5 m; b) Só poderão ser aplicados nas fachadas do rés-do-chão correspondentes ao estabelecimento comercial; c) Não poderão sobrepôr cunhais, emolduramentos de vãos, como portas, janelas e montras e outros elementos arquitectónicos. 3 - A sua colocação será antecedida de autorização municipal, devendo o seu pedido ser instruído com desenho, catálogo ou fotografia que elucide sobre as suas características. Artigo 37º Ar condicionado 1 - A colocação de aparelhos de ar condicionado só será permitida em locais não visíveis da via pública. 2 - Preconiza-se a sua colocação em terraços, atrás de platibandas, logradouros, pátios, quintais, ou fachadas laterais ou empenas desde que não visíveis da via pública. 3 - Como último recurso, e em excepção ao referido no número anterior, poderá a sua aplicação ser feita desde que embutidos nas fachadas dos edifícios, escondidos por grelhagem pintada na sua cor. 4 - A sua colocação será feita mediante autorização municipal. Artigo 38º Antenas e cablagens 1 - Devem ser removidos os cabos de infra-estruturas eléctricas ou de telecomunicações das fachadas através de sistemas alternativos, evitando-se a colocação e distribuição aérea. 2 - As antenas colocadas nas fachadas serão removidas, não sendo permitida mais que uma antena por edifício. 3 - As antenas parabólicas ou de qualquer outro tipo ou formato só deverão ser colocadas em locais não visíveis da via pública. Artigo 39º Esplanadas 1 - A instalação de esplanadas será limitada às zonas pedonais e para apoio a estabelecimentos hoteleiros e similares. 2 - Na ocupação do espaço público deverá reservar-se um corredor livre com largura não inferior a 2 m, que não prejudique a circulação de peões e a sua extensão não deverá ultrapassar os limites do edifício ou da fracção a que respeita o estabelecimento. 3 - Deverá ser utilizado mobiliário, constituído por cadeiras e mesas, em madeira ou metal à cor natural ou pintado, e guarda-sóis sem menção a produtos e marcas, excepto nas suas sanefas. 4 - A instalação de esplanadas será antecedida de autorização municipal, devendo o seu pedido ser instruído com desenho, catálogo ou fotografia que elucide sobre as características do mobiliário. Artigo 40º Exposição de produtos 1 - Não é permitido a exposição de peixe, carne, pão e produtos similares, ferragens e electrodomésticos, bem como o armazenamento de produtos e depósitos de caixas e vasilhame. 2 - A exposição de fruta, produtos hortícolas e outros deverá ser feita, apenas, com tabuleiros em expositor, colocados à entrada do estabelecimento, sem obstruir quaisquer vãos ao nível do rés-do-chão e deixando livre o espaço de 1,1 m para a circulação pedonal. 3 - A sua colocação será antecedida de autorização municipal, devendo o seu pedido ser instruído com desenho, catálogo ou fotografia que elucide sobre as suas características materiais e dimensionamento. 6

Introdução/âmbito de aplicação

Introdução/âmbito de aplicação Introdução/âmbito de aplicação O presente Regulamento visa a criação de regras que permitam a utilização de critérios uniformes no licenciamento, ocupação e instalação de esplanadas nos estabelecimentos

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO URBANÍSTICA

REGULAMENTO DE GESTÃO URBANÍSTICA REGULAMENTO DE GESTÃO URBANÍSTICA DISPOSIÇÕES GERAIS A reabilitação das áreas urbanas degradadas, nomeadamente dos centros antigos tende a adquirir um papel cada vez mais importante no âmbito da política

Leia mais

Gabinete Técnico Local RICUH REGULAMENTO DE INTERVENÇÃO NO CENTRO URBANO E HISTÓRICO DE GUIMARÃES

Gabinete Técnico Local RICUH REGULAMENTO DE INTERVENÇÃO NO CENTRO URBANO E HISTÓRICO DE GUIMARÃES RICUH REGULAMENTO DE INTERVENÇÃO NO CENTRO URBANO E HISTÓRICO DE GUIMARÃES NOVEMBRO 1994 0 INTRODUÇÃO Nos termos do artigo 5 do Regulamento Geral de Edificações Urbanas, aprovado pelo Dec. Lei n. 38382,

Leia mais

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. bandeiras

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. bandeiras CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. bandeiras 02 Critérios específicos 03 Condições Gerais 05 Zonas de Proteção Específica 1 A distância mínima admitida de qualquer elemento fixado ao mastro ao

Leia mais

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. tabuleta

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. tabuleta CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. tabuleta 02 Critérios específicos 03 Condições Gerais 05 Zonas de Proteção Específica 1 Uma tabuleta por estabelecimento e não ser colocada acima do piso térreo;

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO GAVETO DA RUA OLIVEIRA JÚNIOR COM A RUA DR. MACIEL REGULAMENTO CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA

PLANO DE PORMENOR DO GAVETO DA RUA OLIVEIRA JÚNIOR COM A RUA DR. MACIEL REGULAMENTO CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA PLANO DE PORMENOR DO GAVETO DA RUA OLIVEIRA JÚNIOR COM A RUA DR. MACIEL REGULAMENTO CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA DEPARTAMENTO DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO MAIO 2011 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA Regulamento n.º S / N.ª Data de Publicação em D.R., 1.ª Série-B, n.º 124 de: 29/06/2006 (RCM n.º 81/2006) Aprovado em Assembleia Municipal

Leia mais

Regulamento do Plano de Pormenor da Área de Desenvolvimento Turístico das Fontainhas. (alteração) Artigo 1.º

Regulamento do Plano de Pormenor da Área de Desenvolvimento Turístico das Fontainhas. (alteração) Artigo 1.º Regulamento do Plano de Pormenor da Área de Desenvolvimento Turístico das Fontainhas (alteração) Artigo 1.º 1 [...]. 2 [...]. 4 Os limites da ADT da UNOR 4 estão definidos na planta de implantação à escala

Leia mais

DOS CRITÉRIOS PARA COLOCAÇÃO DE LETREIROS

DOS CRITÉRIOS PARA COLOCAÇÃO DE LETREIROS Ministério da Cultura IPHAN INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL Escritório Técnico II - São João del Rei Rua Hermíllo Alves n.º 52 Centro São João del-rei Minas Gerais CEP 36.307-328

Leia mais

ÍNDICE GERAL Preâmbulo... 1 REGULAMENTO DA ZONA ANTIGA DO FUNDÃO... 3 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3. Artigo 5º... 3. Lei Habilitante...

ÍNDICE GERAL Preâmbulo... 1 REGULAMENTO DA ZONA ANTIGA DO FUNDÃO... 3 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3. Artigo 5º... 3. Lei Habilitante... ÍNDICE GERAL Preâmbulo... 1 REGULAMENTO DA ZONA ANTIGA DO FUNDÃO... 3 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Artigo 1º... 3 Lei Habilitante... 3 Artigo 2º... 3 Denominação e delimitação da área de aplicação/intervenção...

Leia mais

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. tela ou lona

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. tela ou lona CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. tela ou lona 02 Critérios específicos 03 Condições Gerais 05 Zonas de Proteção Específica 1 Ser utilizada para divulgação de atividades ou eventos de interesse

Leia mais

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. letreiros / anúncios luminosos ou não e anúncios eletrónicos

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. letreiros / anúncios luminosos ou não e anúncios eletrónicos CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. letreiros / anúncios luminosos ou não e anúncios eletrónicos 02 Critérios específicos 03 Condições Gerais 05 Zonas de Proteção Específica 1 Adequar-se à forma

Leia mais

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. letras soltas e símbolos

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. letras soltas e símbolos CRITÉRIOS DE ISENÇÃO suporte publicitário. letras soltas e símbolos 02 Critérios específicos 03 Condições Gerais 05 Zonas de Proteção Específica 1 Adequar-se à forma e à escala, de modo a respeitar a integridade

Leia mais

Disposições de Natureza Administrativa

Disposições de Natureza Administrativa PLANO DE PORMENOR DO POÇO QUENTE EM VIZELA REGULAMENTO (Alteração em Outubro de 2013) Capítulo I Disposições de Natureza Administrativa Artigo 1º Objecto O Plano de Pormenor do Poço Quente, adiante designado

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 65 2 de abril de 2015 8217 MUNICÍPIO DE TORRES VEDRAS MUNICÍPIO DE TRANCOSO. 7 [...] a) [...] b) [...

Diário da República, 2.ª série N.º 65 2 de abril de 2015 8217 MUNICÍPIO DE TORRES VEDRAS MUNICÍPIO DE TRANCOSO. 7 [...] a) [...] b) [... Diário da República, 2.ª série N.º 65 2 de abril de 2015 8217 7 [...] a) [...] b) [...] 8 [...] 9 [...] a) [...] b) [...] 10 [...] 11 A câmara municipal poderá deliberar isentar ou reduzir as taxas previstas

Leia mais

PLANO DE ALINHAMENTO E CÉRCEAS PARA A AVENIDA DA REPÚBLICA. Janeiro 2006

PLANO DE ALINHAMENTO E CÉRCEAS PARA A AVENIDA DA REPÚBLICA. Janeiro 2006 C Â M A R A M U N I C I P A L D E L I S B O A DIRECÇÃO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DEPARTAMENTO DE PLANEAMENTO URBANO PLANO DE PORMENOR, MODALIDADE SIMPLIFICADA, DESIGNADO POR: PLANO DE ALINHAMENTO

Leia mais

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL PROGRAMA PRELIMINAR CENTRO ESCOLAR DE S.JULIÃO/TAVAREDE PROJECTOS DE ESPECIALIDADES 1 1. Introdução Pretende a Câmara Municipal da Figueira da Foz, desenvolver

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO Estado de Conservação Exterior FICHA N.º: 01 ID EDIFÍCIO: 42904 1. LOCALIZAÇÃO Zona em estudo: Vila do Olival Freguesia: Gondemaria e Olival Rua / Av. / Pc.: Rua Cimo

Leia mais

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO mobiliário urbano. mobiliário de esplanadas

CRITÉRIOS DE ISENÇÃO mobiliário urbano. mobiliário de esplanadas CRITÉRIOS DE ISENÇÃO mobiliário urbano. mobiliário de esplanadas 02 Critérios específicos 04 Condições Gerais 06 Zonas de Proteção Específica 1 Todo o mobiliário de apoio a esplanadas, nomeadamente, estrados,

Leia mais

6408 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 235 10 de Outubro de 2001 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

6408 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 235 10 de Outubro de 2001 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 6408 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 235 10 de Outubro de 2001 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Resolução do Conselho de Ministros n. o 150/2001 A Assembleia Municipal de Santarém aprovou em 20

Leia mais

PARTE H TÍTULO I. 41468 Diário da República, 2.ª série N.º 194 7 de Outubro de 2008. Disposições Gerais CÂMARA MUNICIPAL DE ALBERGARIA-A-VELHA

PARTE H TÍTULO I. 41468 Diário da República, 2.ª série N.º 194 7 de Outubro de 2008. Disposições Gerais CÂMARA MUNICIPAL DE ALBERGARIA-A-VELHA 41468 Diário da República, 2.ª série N.º 194 7 de Outubro de 2008 PARTE H CÂMARA MUNICIPAL DE ALBERGARIA-A-VELHA Aviso n.º 24658/2008 João Agostinho Pinto Pereira, Presidente da Câmara Municipal de Albergaria

Leia mais

VERSÃO FINAL DE PROJECTO DE PLANO PLANO DE PORMENOR VILAGIORGI (PPV) REGULAMENTO

VERSÃO FINAL DE PROJECTO DE PLANO PLANO DE PORMENOR VILAGIORGI (PPV) REGULAMENTO VERSÃO FINAL DE PROJECTO DE PLANO PLANO DE PORMENOR VILAGIORGI (PPV) REGULAMENTO FUNCHAL, MAIO 2010 MSB ARQUITECTURA E PLANEAMENTO 1 / 22 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1.º Natureza Jurídica

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GRÂNDOLA

CÂMARA MUNICIPAL DE GRÂNDOLA CÂMARA MUNICIPAL DE GRÂNDOLA DIVISÃO DE PLANEAMENTO PUAzB REGULAMENTO Novembro 2012 ÍNDICE CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º - Objeto e âmbito territorial Artigo 2.º - Objetivos Artigo 3.º - Conteúdo

Leia mais

PARÂMETROS PARA COLOCAÇÃO DE ANÚNCIOS E TOLDOS NO CONJUNTO HISTÓRICO E PAISAGÍSTICO TOMBADO DE IGUAPE/SP

PARÂMETROS PARA COLOCAÇÃO DE ANÚNCIOS E TOLDOS NO CONJUNTO HISTÓRICO E PAISAGÍSTICO TOMBADO DE IGUAPE/SP PARÂMETROS PARA COLOCAÇÃO DE ANÚNCIOS E TOLDOS NO CONJUNTO HISTÓRICO E PAISAGÍSTICO TOMBADO DE IGUAPE/SP Iguape : Área tombada - Setores Setor Portuário Setor Morro da Espia Setor Núcleo Urbano O TOMBAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS 1. O Regulamento referente à compensação pela não

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 28/2004 REGIME JURÍDICO DE PROTECÇÃO E VALORIZAÇÃO DO PATRIMÓNIO CULTURAL MÓVEL E IMÓVEL

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 28/2004 REGIME JURÍDICO DE PROTECÇÃO E VALORIZAÇÃO DO PATRIMÓNIO CULTURAL MÓVEL E IMÓVEL DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 28/2004 REGIME JURÍDICO DE PROTECÇÃO E VALORIZAÇÃO DO PATRIMÓNIO CULTURAL MÓVEL E IMÓVEL A publicação da Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro, veio ordenar e clarificar as

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA COVILHÃ PROCOM - ESTUDO DE REVITALIZAÇÃO DO CENTRO CÍVICO DA COVILHÃ REGULAMENTO PARA A ÁREA DE INTERVENÇÃO

CÂMARA MUNICIPAL DA COVILHÃ PROCOM - ESTUDO DE REVITALIZAÇÃO DO CENTRO CÍVICO DA COVILHÃ REGULAMENTO PARA A ÁREA DE INTERVENÇÃO CÂMARA MUNICIPAL DA COVILHÃ PROCOM - ESTUDO DE REVITALIZAÇÃO DO CENTRO CÍVICO DA COVILHÃ REGULAMENTO PARA A ÁREA DE INTERVENÇÃO Preâmbulo 1.A crescente preocupação com as questões ligadas ao ambiente urbano

Leia mais

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO ELEMENTOS ANEXOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE 1. PEDIDO DE DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO 2. PEDIDO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO 3. PEDIDO DE DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO 4. PEDIDO DE DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

Leia mais

NORMAS PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS A OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

NORMAS PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS A OPERAÇÕES URBANÍSTICAS NORMAS PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS A OPERAÇÕES URBANÍSTICAS ÍNDICE CAPITULO I DISPOSIÇÕES COMUNS ART. 1º ÂMBITO DE APLICAÇÃO 6 SESSÃO I LOTEAMENTOS, OBRAS DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO ART. 2º

Leia mais

A Sustentabilidade nos Projectos de Reabilitação de Edifícios

A Sustentabilidade nos Projectos de Reabilitação de Edifícios ENEC 2011 Encontro Nacional de Engenharia Civil A Sustentabilidade nos Projectos de Reabilitação de Edifícios João Appleton 21 de Maio de 2011 A sustentabilidade corresponde a um conceito recente que,

Leia mais

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines Proposta de Termos de Referência Câmara Municipal de Sines Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente OUTUBRO

Leia mais

Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos

Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos REGISTO DE ENTRADA Requerimento n.º de / / Processo n.º / Pago por Guia n.º,. Ao Serviço O Funcionário, Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO EM

Leia mais

NOTA JUSTIFICATIVA. a) Revestimento de fachadas

NOTA JUSTIFICATIVA. a) Revestimento de fachadas Proposta de Regulamento do programa de incentivos à recuperação de fachadas, coberturas e vãos de imóveis degradados nos aglomerados urbano nos Concelho de Penamacor NOTA JUSTIFICATIVA Pretende-se com

Leia mais

436 Diário da República, 2.ª série N.º 3 4 de janeiro de 2013

436 Diário da República, 2.ª série N.º 3 4 de janeiro de 2013 436 Diário da República, 2.ª série N.º 3 4 de janeiro de 2013 de serviço os dirigentes em funções à data da entrada em vigor desta lei, ficando suspensas as correspondentes alterações decorrentes da adequação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA PARTAMENTO OBRAS E GESTÃO FICHA TÉCNICA 1. INTIFICAÇÃO Casa Museu Miguel Torga 2. LOCALIZAÇÃO Praça Sá de Miranda. Freguesia de Santo António dos Olivais 3. SCRIÇÃO GERAL A Câmara Municipal deliberou em

Leia mais

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares Lei 1620/1997 - Secretaria de Urbanismo e Controle Urbano - www.urbanismo.niteroi.rj.gov.br 0 Lei

Leia mais

NORMAS PARA INSTRUÇÃO DE PROCESSOS

NORMAS PARA INSTRUÇÃO DE PROCESSOS NORMAS PARA INSTRUÇÃO DE PROCESSOS Caro Munícipe, Numa política que visa agilizar procedimentos e diminuir os tempos de resposta em múltiplos processos que, diariamente, dão entrada no Departamento de

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE DISTRIBUIÇÃO, AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO DE MENSAGENS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA CONCELHO DE CAMINHA

REGULAMENTO SOBRE DISTRIBUIÇÃO, AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO DE MENSAGENS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA CONCELHO DE CAMINHA CÂMARA MUNICIPAL DE CAMINHA REGULAMENTO SOBRE DISTRIBUIÇÃO, AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO DE MENSAGENS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA DO CONCELHO DE CAMINHA 1992 1 REGULAMENTO SOBRE DISTRIBUIÇÃO, AFIXAÇÃO E INSCRIÇÃO

Leia mais

FICHA DE INVENTÁRIO 2.CARACTERIZAÇÃO

FICHA DE INVENTÁRIO 2.CARACTERIZAÇÃO FICHA DE INVENTÁRIO 1.IDENTIFICAÇÃO Designação- Imóvel Local/Endereço- Largo da Sé velha, nº4 a 8 Freguesia- Sé Nova Concelho- Coimbra Distrito- Coimbra 2.CARACTERIZAÇÃO Função Origem Habitação. Função

Leia mais

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade Item Diretriz Tipologia 1. Reformas e Ampliações 1.1. Cosntruções Originais 1.1.1. Não será permitida a demolição da edificação original para construção de uma nova edificação ou para qualquer outro fim.

Leia mais

-24-03-2009. Reabilitação do Prédio Situado na Rua do Conde do Redondo. Reabilitação arquitectónica II_docente_José Aguiar

-24-03-2009. Reabilitação do Prédio Situado na Rua do Conde do Redondo. Reabilitação arquitectónica II_docente_José Aguiar Reabilitação do Prédio Situado na Rua do Conde do Redondo -1 Persianas e Ar Condicionado Pedras Pinturas Portas e Janelas Azulejos Embasamento (restaurante) Porta de acesso ao edifício -2 -Pintura _ Limpeza

Leia mais

Projeto de alteração ao Regulamento Municipal sobre Toponímia e Numeração de Polícia

Projeto de alteração ao Regulamento Municipal sobre Toponímia e Numeração de Polícia Projeto de alteração ao Regulamento Municipal sobre Toponímia e Numeração de Polícia Considerando os recentes inconvenientes na distribuição postal, nomeadamente, para as habitações onde não existe numeração

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DA HERDADE DO PINHAL

PLANO DE PORMENOR DA HERDADE DO PINHAL CÂMARA MUNICIPAL DE ALCÁCER DO SAL PLANO DE PORMENOR DA HERDADE DO PINHAL REGULAMENTO JULHO 2009 ÍND ICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 1 Artigo 1º Objecto e âmbito territorial... 1 Artigo 2º Objectivos...

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO E DE PUBLICIDADE

REGULAMENTO MUNICIPAL DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO E DE PUBLICIDADE REGULAMENTO MUNICIPAL DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO E DE PUBLICIDADE A simplificação e alteração do regime de ocupação do espaço público, decorrente da publicação e entrada em vigor do Decreto-lei nº.

Leia mais

PLANO DE URBANIZAÇÃO DO POLÍGONO NASCENTE DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMADO

PLANO DE URBANIZAÇÃO DO POLÍGONO NASCENTE DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMADO PLANO DE URBANIZAÇÃO DO POLÍGONO NASCENTE DA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO PROGRAMADO Regulamento n.º S/N.º Data de Publicação em D.R. 2.ª Série, n.º 198: a 12/10/2012 (Aviso n.º 13640/2012). Aprovado em Assembleia

Leia mais

1372-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008

1372-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 inferior a 0,8 m 1,2 m, ou, caso se trate de operação urbanística em fracção já existente, confinante com arruamento ou espaço de circulação

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281 Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281 Estabelece normas e procedimentos para recuperação, manutenção e valorização de edifícios, obras e monumentos tombados, sujeitos ao tombamento vizinho ou identificados

Leia mais

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DAS NOTAS EXPLICATIVAS

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DAS NOTAS EXPLICATIVAS PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DAS NOTAS EXPLICATIVAS Notas explicativas (anexo ao Regulamento - artigo 28.º) Classe de uso de solo Áreas territoriais que ficam afectam a um uso dominante, o qual dá a denominação

Leia mais

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares Reg. N.º Em / / Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vieira do Minho IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome: BI/Cartão de Cidadão: Arquivo: Validade: / / N.º de Identificação Fiscal: Morada: Freguesia:

Leia mais

Tabela de Taxas de Edificação e Urbanização no Município de Ponte de Lima para o Ano de 2012

Tabela de Taxas de Edificação e Urbanização no Município de Ponte de Lima para o Ano de 2012 Tabela de Taxas de Edificação e Urbanização no Município de Ponte de Lima para o Ano de 2012 Descrição I. Taxa devida pela apreciação de processos Valor 1. Em operações de loteamento, para emissão de alvará

Leia mais

Tabela de Taxas de Edificação e Urbanização no Município de Ponte de Lima para o Ano de 2015 Descrição I. Taxa devida pela apreciação de processos Valor em euros 1. Em operações de loteamento, para emissão

Leia mais

8. Medidas específicas de gestão urbanística

8. Medidas específicas de gestão urbanística 8. Medidas específicas de gestão urbanística Conforme anteriormente referido, a concretização da Operação de Reabilitação Urbana deverá constituir um contributo para uma decisão positiva acerca da candidatura

Leia mais

APROVA OS MODELOS DE ALVARÁS DE LICENCIAMENTO OU AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

APROVA OS MODELOS DE ALVARÁS DE LICENCIAMENTO OU AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS APROVA OS MODELOS DE ALVARÁS DE LICENCIAMENTO OU AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS (Portaria n.º 1107/2001, de 18 de Setembro) O Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, que aprovou o novo regime

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

Prestígio numa localização privilegiada. T1 I Área privativa de 100 m 2 I Vista e exposição solar

Prestígio numa localização privilegiada. T1 I Área privativa de 100 m 2 I Vista e exposição solar Prestígio numa localização privilegiada T1 I Área privativa de 100 m 2 I Vista e exposição solar T1 exclusivo no último andar, com 100 m 2 de área privativa, excelente exposição solar e uma vista deslumbrante

Leia mais

FICHA DE INVENTÁRIO. 3.OBSERVAÇÕES Transformações/destruições previstas Fios eléctricos visíveis na fachada.

FICHA DE INVENTÁRIO. 3.OBSERVAÇÕES Transformações/destruições previstas Fios eléctricos visíveis na fachada. FICHA DE INVENTÁRIO 1.IDENTIFICAÇÃO Designação- Imóvel Local/Endereço- Travessa do Cabido, nº2 a 6 Freguesia- Sé Nova Concelho- Coimbra Distrito- Coimbra 2.CARACTERIZAÇÃO Função Origem Habitação Função

Leia mais

MEMORIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA!

MEMORIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA! MEMORIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA A presente memória descritiva e justificativa refere-se, ao Projecto de um Complexo Habitacional denominado Condomínio Kutolola que contem mais de 210 Residências e áreas

Leia mais

Processo Nº / / CML. N.º Bilhete Identidade. N.º Bilhete Identidade

Processo Nº / / CML. N.º Bilhete Identidade. N.º Bilhete Identidade Espaço reservado aos serviços do Município EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE LAMEGO COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO Processo Nº / / CML REQUERENTE Nome Morada Freguesia N.º Identificação

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS NA REABILITAÇÃO. [Escolher a data]

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS NA REABILITAÇÃO. [Escolher a data] [Escolher a data] ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1. VÃOS... 4 1.1. JANELAS E CAIXILHARIAS... 5 1.2. PORTAS... 6 1.3. MOLDURAS DE VÃOS... 8 1.4. OBSCURECIMENTO DE VÃOS... 10 1.5. PORTÕES... 11 2. ELEMENTOS EM FERRO...

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E CONDIÇÕES TÉCNICAS

MEMÓRIA DESCRITIVA E CONDIÇÕES TÉCNICAS MEMÓRIA DESCRITIVA E CONDIÇÕES TÉCNICAS 1 MEMÓRIA DESCRITIVA Legenda: 1 Introdução 2 Descrição dos Arranjos Exteriores 3 Requalificação do Espaço de Estacionamento 4 Reperfilamento e Requalificação de

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE SALVAGUARDA E REVITALIZAÇÃO DO CENTRO HISTÓRICO DA CIDADE DE BRAGA PREÂMBULO. Lei habilitante

REGULAMENTO MUNICIPAL DE SALVAGUARDA E REVITALIZAÇÃO DO CENTRO HISTÓRICO DA CIDADE DE BRAGA PREÂMBULO. Lei habilitante REGULAMENTO MUNICIPAL DE SALVAGUARDA E REVITALIZAÇÃO DO CENTRO HISTÓRICO DA CIDADE DE BRAGA PREÂMBULO Lei habilitante O presente Regulamento é elaborado ao abrigo do disposto na alínea a), do nº 2, do

Leia mais

Versão consolidada do diploma que aprova os elementos Instrutórios dos procedimentos previstos no Regime Jurídico da Urbanização e Edificação Não

Versão consolidada do diploma que aprova os elementos Instrutórios dos procedimentos previstos no Regime Jurídico da Urbanização e Edificação Não ELEMENTOS INSTRUTÓRIOS DOS PROCEDIMENTOS PREVISTOS NO REGIME JURÍDICO DA URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO APROVADO PELA PORTARIA N.º 113/2015, DE 22 DE ABRIL ALTERADO/A PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - abril de 2015

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA AS INSTALAÇÕES DE SEGURANÇA E PREVENÇÃO DE FURTOS NOS EDIFÍCIOS

INSTRUÇÕES PARA AS INSTALAÇÕES DE SEGURANÇA E PREVENÇÃO DE FURTOS NOS EDIFÍCIOS Estes instruções serão actualizados periodicamente e a versão actualizada encontra-se disponível no website da DSSOPT DSSOPT INSTRUÇÕES PARA AS INSTALAÇÕES DE SEGURANÇA E PREVENÇÃO DE FURTOS NOS EDIFÍCIOS

Leia mais

Alvará de Licença. Código Postal: - Freguesia: Telefone: Telemóvel: Fax:

Alvará de Licença. Código Postal: - Freguesia: Telefone: Telemóvel: Fax: Exm. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Grândola Alvará de Licença Mais do que um requerente? Não Sim (em caso afirmativo preencher Anexo A) Identificação do Prédio Prédio descrito na Conservatória

Leia mais

1. REGULAMENTO DO PLANO CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA PLANO DE PORMENOR DO PARQUE MAYER, JARDIM BOTÂNICO E ZONA ENVOLVENTE

1. REGULAMENTO DO PLANO CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA PLANO DE PORMENOR DO PARQUE MAYER, JARDIM BOTÂNICO E ZONA ENVOLVENTE AIRES MATEUS E ASSOCIADOS RUA SILVA CARVALHO, 193, 1250-250 LISBOA TEL 21 381 56 50 1/20 CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA DIRECÇÃO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DEPARTAMENTO DE PLANEAMENTO URBANO PLANO DE

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DA CASA PIDWELL REGULAMENTO

PLANO DE PORMENOR DA CASA PIDWELL REGULAMENTO PLANO DE PORMENOR DA CASA PIDWELL REGULAMENTO Novembro 2011 ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Artigo 1.º Objectivo e Âmbito Territorial... 3 Artigo 2.º Relação com Outros Instrumentos de Gestão

Leia mais

CARTA DE FLORENÇA Pág. 1 de7 JARDINS HISTÓRICOS. Carta de Florença 1982. Adoptada pelo ICOMOS em Dezembro de 1982

CARTA DE FLORENÇA Pág. 1 de7 JARDINS HISTÓRICOS. Carta de Florença 1982. Adoptada pelo ICOMOS em Dezembro de 1982 Pág. 1 de7 JARDINS HISTÓRICOS Carta de Florença 1982 Adoptada pelo ICOMOS em Dezembro de 1982 Tradução por António de Borja Araújo, Engenheiro Civil IST Dezembro de 2006 Pág. 2 de7 PREÂMBULO O ICOMOS-IFLA

Leia mais

{e da Câmara Municipal

{e da Câmara Municipal Município de leiria Câmara Municipal Publique-se no Diário ejarepública por extrato. Afixe-se nos lugares 4e estilo, insira-se na Intranet e na página electrónica 60 Municípío de leiria. O Presid {e da

Leia mais

Portaria n.º 933/2006 1. de 8 de Setembro

Portaria n.º 933/2006 1. de 8 de Setembro Portaria n.º 933/2006 1 de 8 de Setembro O regime jurídico das armas e munições, aprovado pela Lei n.º 5/2006, de 23 de Fevereiro, faz depender a emissão de um alvará para o exercício da actividade de

Leia mais

Portaria n.º 933/2006 de 8 de Setembro Publicado no DR 174, Série I de 2006-09-08

Portaria n.º 933/2006 de 8 de Setembro Publicado no DR 174, Série I de 2006-09-08 Alterada pela Portaria n.º 256/2007, de 12-3. MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Portaria n.º 933/2006 de 8 de Setembro Publicado no DR 174, Série I de 2006-09-08 O regime jurídico das armas e munições,

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES. Diário da República, 1.ª série N.º 195 8 de Outubro de 2008 7137

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES. Diário da República, 1.ª série N.º 195 8 de Outubro de 2008 7137 Diário da República, 1.ª série N.º 195 8 de Outubro de 2008 7137 Entretanto, a entidade titular veio requerer a sua renovação. Cumpridos os preceitos legais, com fundamento no disposto no artigo 21.º,

Leia mais

RE GULAMENTO IN T ERMUNIC IPAL DAS ALDEI AS DO XISTO

RE GULAMENTO IN T ERMUNIC IPAL DAS ALDEI AS DO XISTO RE GULAMENTO IN T ERMUNIC IPALDASALDEI ASDOXISTO Preâmbulo ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------3 1. DISPOSIÇÕESGER AIS

Leia mais

DIVISÃO DE OBRAS; PLANEAMENTO E URBANISMO MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LICENCIAMENTO

DIVISÃO DE OBRAS; PLANEAMENTO E URBANISMO MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LICENCIAMENTO DIVISÃO DE OBRAS; PLANEAMENTO E URBANISMO MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LICENCIAMENTO OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO URBANO Parque de Exposições do Recinto da Feira de Alpiarça 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA

DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA DOCUMENTO ORIENTADOR 1ª REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MEALHADA [APROVADA EM ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE 10 DE ABRIL DE 2015 E PUBLICADA EM DIÁRIO DA REPÚBLICA ATRAVÉS DO AVISO N.º 4234/2015, DE 20

Leia mais

IPHAE. II Caracterização da área de entorno do bem tombado : características urbanas.

IPHAE. II Caracterização da área de entorno do bem tombado : características urbanas. IPHAE SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO DO ESTADO Av. Borges de Medeiros, 1501, 21º andar- Porto Alegre-RS - Cep:90110-150 Fone/Fax: (051)3225.3176 e-mail: iphae@via-rs.net

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA COVILHÃ AVISO

CÂMARA MUNICIPAL DA COVILHÃ AVISO CÂMARA MUNICIPAL DA COVILHÃ AVISO CARLOS ALBERTO PINTO, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DA COVILHÃ: Torna público, para cumprimento do disposto no n.º 2 do artigo 149.º do Decreto-lei n.º 380/99, de 22

Leia mais

REGULAMENTO do Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque) Logístico e Industrial de Arazede (PLIA)

REGULAMENTO do Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque) Logístico e Industrial de Arazede (PLIA) REGULAMENTO do Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque) Logístico e Industrial de Arazede (PLIA) CAPÍTULO l Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito territorial e regime 1. O Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque)

Leia mais

Regulamento Municipal de Publicidade no Concelho de Viana do Alentejo

Regulamento Municipal de Publicidade no Concelho de Viana do Alentejo Regulamento Municipal de Publicidade no Concelho de Viana do Alentejo Preâmbulo Tendo em consideração a não existência no município de Viana do Alentejo de regulamento de licenciamento de mensagens publicitárias,

Leia mais

Relatório do Modo Como Decorreu a Execução da Obra. Identificação da Obra Forte da Graça - Elvas

Relatório do Modo Como Decorreu a Execução da Obra. Identificação da Obra Forte da Graça - Elvas Concurso Público para a Empreitada de Forte da Graça Obras de 1ª Intervenção Câmara Municipal de Elvas Relatório do Modo Como Decorreu a Execução da Obra Identificação da Obra Forte da Graça - Elvas Não

Leia mais

Lista de Verificação das Acessibilidades - Condomínio da Rua de Gondarém, 708

Lista de Verificação das Acessibilidades - Condomínio da Rua de Gondarém, 708 Percurso 1 - Habitação -> Garagem Avaliação: Não viável Custo global de adaptação: 30.900 Item a verificar Avaliação Descrição Solução apontada 1.1 - Percurso Verificado Verificação da concordância da

Leia mais

Regulamentos municipais

Regulamentos municipais Regulamentos municipais Definições / designações a) Alinhamento: linha que define a implantação do edifício ou vedações, pressupondo afastamento a linhas de eixos de vias ou a edifícios fronteiros ou adjacentes

Leia mais

Dossier Promocional. Moradia em Abrantes Santarém

Dossier Promocional. Moradia em Abrantes Santarém Dossier Promocional Moradia em Abrantes Santarém 1 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização 6. Contactos

Leia mais

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial 1 Coimbra - 1941 Coimbra - 2001 2 Pólo II - Estado actual Pólo III - Estado actual 3 Pólo I - Estado actual 4 Pólo I - Estado actual

Leia mais

TÍTULO I Disposições Gerais TÍTULO II. Servidões Administrativas e Restrições de Utilidade Pública

TÍTULO I Disposições Gerais TÍTULO II. Servidões Administrativas e Restrições de Utilidade Pública Diário da República, 2.ª série N.º 75 16 de Abril de 2008 17561 Aviso n.º 11803/2008 Pelo despacho n.º 43 datado de 02 de Abril de 2008, do Vereador dos Recursos Humanos da Câmara Municipal de Ponta do

Leia mais

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina Câmara Municipal de Sines Departamento de Gestão Territorial Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente Novembro de 2012 Índice

Leia mais

Técnicas de Demolições. Construções Antigas. Construções com Estrutura de Betão Armado

Técnicas de Demolições. Construções Antigas. Construções com Estrutura de Betão Armado UNIVERSIDADE DO ALGARVE INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA CONSTRUÇÃO E PROCESSOS Tema 4 Demolições de Edifícios Técnicas de Demolições Construções Antigas Construções com Estrutura de Betão Armado 1 Construções

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA Refere-se a presente Memória Descritiva e Justificativa ao Projecto de Arquitectura relativo á obra de Construção do Quartel/Sede da Associação Humanitária dos Bombeiros

Leia mais

M U N I C Í P I O D E B R A G A

M U N I C Í P I O D E B R A G A REGULAMENTO MUNICIPAL DE EDIFICAÇÃO Com o presente Regulamento, elaborado no exercício de poder regulamentar próprio conferido pelo artº 3º, n.º 1 do Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, visa-se

Leia mais

OCUPAÇÃO DE VIA PÚBLICA POR MOTIVO DE EXECUÇÃO DE OBRAS. Nome Morada Freguesia Código Postal - Telefone Fax Nº. de Contribuinte e-mail

OCUPAÇÃO DE VIA PÚBLICA POR MOTIVO DE EXECUÇÃO DE OBRAS. Nome Morada Freguesia Código Postal - Telefone Fax Nº. de Contribuinte e-mail Registo nº. Data: / / O Funcionário Exmº. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Cascais OCUPAÇÃO DE VIA PÚBLICA POR MOTIVO DE EXECUÇÃO DE OBRAS Nome Morada Freguesia Código Postal - Telefone Fax Nº. de

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DA PUBLICIDADE E PROPAGANDA

REGULAMENTO MUNICIPAL DA PUBLICIDADE E PROPAGANDA REGULAMENTO MUNICIPAL DA PUBLICIDADE E PROPAGANDA - Nota justificativa - A Lei n.º 97/88, de 17 de Agosto, alterada pela Lei n.º 23/2000, de 23 de Agosto e pelo Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de Abril,

Leia mais

UMA REINTERPRETAÇÃO CONTEMPORÂNEA DA ALDEIA DO PATACÃO: Um ensaio crítico para uma arquitectura bioclimática. ANEXOS

UMA REINTERPRETAÇÃO CONTEMPORÂNEA DA ALDEIA DO PATACÃO: Um ensaio crítico para uma arquitectura bioclimática. ANEXOS UMA REINTERPRETAÇÃO CONTEMPORÂNEA DA ALDEIA DO PATACÃO: Um ensaio crítico para uma arquitectura bioclimática. ANEXOS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA apresentada ao Departamento de Arquitectura

Leia mais

1474 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 63 16-3-1999

1474 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 63 16-3-1999 1474 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 63 16-3-1999 Resolução do Conselho de Ministros n. o 18/99 A Assembleia Municipal de Santarém aprovou, em 26 de Junho de 1998, o Plano de Pormenor do Troço Norte

Leia mais

Regulamento de Publicidade e Ocupação de Espaço Público com Equipamento e Mobiliário Urbano

Regulamento de Publicidade e Ocupação de Espaço Público com Equipamento e Mobiliário Urbano Regulamento de Publicidade e Ocupação de Espaço Público com Equipamento e Mobiliário Urbano Entrada em vigor 11 de julho de 2013 Preâmbulo Decorridos 15 anos sobre a data da entrada em vigor do Regulamento

Leia mais

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências.

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito de Nova Mutum, Estado

Leia mais

CASA DAS ABITUREIRAS MEMÓRIA DESCRITIVA MORADIA UNIFAMILIAR

CASA DAS ABITUREIRAS MEMÓRIA DESCRITIVA MORADIA UNIFAMILIAR CASA DAS ABITUREIRAS MEMÓRIA DESCRITIVA MORADIA UNIFAMILIAR Historial: A empresa O grupo Casas da Lezíria tem como Missão perceber e satisfazer as necessidades dos nossos clientes, aliando o conforto urbano,

Leia mais

REGULAMENTO. Regras relativas à identificação e sinalização de estações de radiocomunicações

REGULAMENTO. Regras relativas à identificação e sinalização de estações de radiocomunicações http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=270982 Deliberação de 5.3.2008 REGULAMENTO Regras relativas à identificação e sinalização de estações de radiocomunicações As estações de radiocomunicações

Leia mais

QUINTA DE VALE DO FREIXO

QUINTA DE VALE DO FREIXO Área de Reabilitação Urbana QUINTA DE VALE DO FREIXO Freguesia de Peral Município do Cadaval Divisão de Urbanismo e Ordenamento do Território 2014 Introdução: Pretende a Câmara Municipal do Cadaval proceder

Leia mais

CONDOMÍNIO CASAS DA BAFUREIRA

CONDOMÍNIO CASAS DA BAFUREIRA CONDOMÍNIO CASAS DA BAFUREIRA 26.FEV.2011 05.MAR.2011 12.MAR.2011 VISTORIAS ÀS ZONAS DE USO COMUM DO CONDOMÍNIO PARA REGISTO DE ANOMALIAS ENCONTRADOS NA CONSTRUÇÃO: 1. INTERIOR DOS BLOCOS 1.1. BLOCO A:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA TAXA DE SUCESSO EM REABILITAÇÃO URBANA

AVALIAÇÃO DA TAXA DE SUCESSO EM REABILITAÇÃO URBANA Congresso Construção 2007-3.º Congresso Nacional 17 a 19 de Dezembro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra AVALIAÇÃO DA TAXA DE SUCESSO EM REABILITAÇÃO URBANA Rui Calejo Rodrigues 1, Flora Silva 2

Leia mais