ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES DLC INSPETORIA 1 DIVISÃO 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES DLC INSPETORIA 1 DIVISÃO 2"

Transcrição

1 ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES DLC INSPETORIA 1 DIVISÃO 2 PROCESSO Nº REP 09/ ORIGEM UNIDADE GESTORA 1. INTRODUÇÃO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRATUBA RESPONSÁVEL SR. ADÉLIO SPANHOLI, A PARTIR DE 01/01/2005. CARGO INTERESSADOS ASSUNTO PREFEITO MUNICIPAL RELATÓRIO Nº DLC / INSP.1 / 172/09 SR. EVANDO ANTONIO DE AZEREDO - VEREADOR SR. GIOVANI GELSON MENEGHEL - VEREADOR SR. CELSO JOSÉ DE SOUZA - VEREADOR POSSÍVEIS IRREGULARIDADES NA EXECUÇÃO DO MURO DE ARRIMO, JUNTO À CASA DA CIDADANIA - CONTRATO Nº 156/2007. Trata-se de Representação encaminhada a esta Corte de Contas com fulcro nos artigos 100, 101 e 102 da Resolução Nº TC-06/2001 e art. 25, inciso VII, da Resolução Nº TC-11/2002, alterada pela Resolução Nº TC-10/2007, através da qual os Representantes insurgem-se contra possíveis irregularidades na obra do muro de arrimo, junto a Casa da Cidadania, no Município de Piratuba. Os documentos trazidos aos autos (fls ) procuravam demonstrar que houve dano ao Erário, com o desabamento de parte do muro de arrimo, junto a Casa da Cidadania, no dia 02/03/2009, pois, a obra do muro fora licitada pelo Município. Segundo os Representantes...a cobrança está sendo feita principalmente pelo desperdício de dinheiro público gastos em nosso município, com obras mal feitas levando ao entendimento de se tornarem superfaturadas. Após Relatório nº DLC / Insp.1 / 076/09 (fls ), de 02/06/2009 e Parecer nº MPTC/2745/2009 (fls ), de 10/06/2009, a Exma. Sra. Relatora, através do Despacho GASNI nº 28/2009 (fls ), de 18/06/2009, decidiu por conhecer da Representação e determinar à DLC a adoção das providencias, inclusive auditoria, doc 1

2 inspeção ou diligências que se fizerem necessárias para apuração dos fatos apontados como irregulares, incluindo, em especial, DETERMINAR a DILIGÊNCIA, à Prefeitura Municipal de Piratuba, para no prazo de 30 dias, apresentar a este Tribunal as informações e cópias dos documentos relacionados abaixo: a) Convite nº 51/2007 e seus anexos; b) Contrato nº 156/2007, seus Termos aditivos e respectivas justificativas técnicas; c) Planilhas de Medições; d) Empenhos e situação quanto à liquidação e pagamento; e) Projeto Estrutural e Memória de Cálculo; f) Levantamento Topográfico do terreno, se houver; g) ARTs de projeto e execução; h) Diário de obras; i) Termo de Recebimento Provisório e/ou Definitivo da Obra, se houver; j) Registros Fotográficos da execução, se houver. Em 06/08/2009, o Sr. Adélio Spanholi, Prefeito Municipal, apresentou documentos referentes à DILIGÊNCIA, que foram solicitados nos itens acima de a a j. 2. ANÁLISE Os documentos protocolados pelo Prefeito Municipal (fls ) foram examinados e se constataram algumas restrições. Informa-se preliminarmente que o edital, Carta Convite nº 73/2007, Processo de Licitação nº 51/2007 (fls ) foi assinado dia 24/09/2007 e tinha por objeto Construção de muro de arrimo medindo aproximadamente 489 m² do tipo muro ciclópico mais drenagem, tubulação e demais serviços conforme projeto técnico, arquitetônico e memorial descritivo anexo. A vencedora da licitação para a construção do referido muro foi a empresa DIAS & DIAS Ltda. que firmou o Termo de Contrato nº 156/2007 (fls ) com a doc 2

3 Unidade, no dia 16/10/2007, no valor de R$ ,75 (setenta e sete mil, quinhentos e trinta e cinco reais e setenta e cinco centavos). O Termo de Contrato estabelecia como data final de sua vigência o dia 26/12/2007 e como prazo para a execução dos serviços 60 dias corridos, sendo que a contagem deste prazo tinha início 10 dias após a assinatura do Termo de Contrato, logo, o prazo final para a execução da obra era dia 25/12/2007, ou seja, somente um dia antes do término da vigência do Termo de Contrato PROJETO DO MURO DE ARRIMO O projeto do muro de arrimo constante do edital (fl. 203) é de autoria do Engenheiro Civil Laércio Anselmo Toaldo. De uma analise preliminar do projeto do muro de arrimo se constata que a dimensão da base do muro é, a princípio, incompatível com a dimensão de sua altura, 1,20 m e 6,00 m respectivamente, pois normalmente a relação entre estas, para este tipo de muro, é de no mínimo 1 para 3, ou seja, para 6,00 m de altura a base deveria ter no mínimo 2,00 m de extensão. Há ainda um agravante, como toda a base do muro é voltada para frente, ou seja, não existe uma parte voltada para trás recebendo o aterro, isto tende em aumentar ainda mais a sua base, além dos 2,00 m, pois não existe o efeito favorável do peso do solo sobre o muro que ajuda a impedir o tombamento do mesmo. Um muro de arrimo possui segurança contra o tombamento quando o coeficiente de segurança ao tombamento for maior ou igual a 1,50, ou seja, quando o esforço calculado atuante para deixá-lo em pé é pelo menos uma vez e meia maior do que o esforço calculado atuante para tombá-lo. No presente caso o coeficiente de segurança ao tombamento é da ordem de 0,30. Outro aspecto importante é a resistência à flexão do muro, pois nada adianta o conjunto ter segurança adequada ao tombamento se simplesmente parte do muro se romper. Quanto a isso, a verificação preliminar realizada apontou, a princípio, uma insuficiência na armação na base da parede vertical do muro, pois o valor apurado da área de aço foi da ordem de 17cm²/m, enquanto que a área de aço da armação existente no projeto é de 2,67cm²/m, ou seja, a armação existente gira em torno de 16% da armação apurada doc 3

4 Portanto, a princípio, pelas deficiências verificadas no projeto básico e/ou executivo do muro de arrimo, contrariou-se o art. 6 o, incisos IX e X da Lei no 8.666/93, que assim versa: Art. 6 o Para os fins desta Lei, considera-se: [...] IX - Projeto Básico - conjunto de elementos necessários e suficientes, com nível de precisão adequado, para caracterizar a obra ou serviço, ou complexo de obras ou serviços objeto da licitação, elaborado com base nas indicações dos estudos técnicos preliminares, que assegurem a viabilidade técnica e o adequado tratamento do impacto ambiental do empreendimento, e que possibilite a avaliação do custo da obra e a definição dos métodos e do prazo de execução, devendo conter os seguintes elementos: a) desenvolvimento da solução escolhida de forma a fornecer visão global da obra e identificar todos os seus elementos constitutivos com clareza; b) soluções técnicas globais e localizadas, suficientemente detalhadas, de forma a minimizar a necessidade de reformulação ou de variantes durante as fases de elaboração do projeto executivo e de realização das obras e montagem; c) identificação dos tipos de serviços a executar e de materiais e equipamentos a incorporar à obra, bem como suas especificações que assegurem os melhores resultados para o empreendimento, sem frustrar o caráter competitivo para a sua execução; d) informações que possibilitem o estudo e a dedução de métodos construtivos, instalações provisórias e condições organizacionais para a obra, sem frustrar o caráter competitivo para a sua execução; e) subsídios para montagem do plano de licitação e gestão da obra, compreendendo a sua programação, a estratégia de suprimentos, as normas de fiscalização e outros dados necessários em cada caso; f) orçamento detalhado do custo global da obra, fundamentado em quantitativos de serviços e fornecimentos propriamente avaliados; X - Projeto Executivo - o conjunto dos elementos necessários e suficientes à execução completa da obra, de acordo com as normas pertinentes da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT; Cabe lembrar ainda, a princípio, que pode os membros da Comissão de Licitação também serem responsabilizados pelas possíveis deficiências verificadas no projeto básico e/ou executivo do muro de arrimo, pois cabe a esta o exame de todos os documentos que compõe o edital, conforme o art. 6 o, inciso XVI da Lei no 8.666/93, que assim versa: Art. 6 o Para os fins desta Lei, considera-se: [...] XVI - Comissão - comissão, permanente ou especial, criada pela Administração com a função de receber, examinar e julgar todos os documentos e procedimentos relativos às licitações e ao cadastramento de licitantes. Porém, no presente caso, visto o pequeno vulto da obra, na provável impossibilidade técnica da Comissão em examinar o projeto do muro e de existir responsável técnico pelo projeto sendo que este recolheu a devida ART, pode considerar-se excluída a responsabilidade da Comissão de Licitação pelas possíveis deficiências verificadas no projeto básico e/ou executivo do muro de arrimo. Mas se doc 4

5 recomenda que em futuros procedimentos licitatórios, dependendo do objeto da licitação, a Comissão de Licitação seja multidisciplinar, a fim de que pelo menos um dos seus membros possua habilitação técnica para examinar o projeto básico constante do edital, e/ou podendo, se for o caso, solicitar parecer técnico de profissional habilitado e capacitado ADITAMENTO O primeiro e único termo aditivo foi assinado no dia 06/03/2008 (fls ), fora da vigência contratual que encerrava dia 26/12/2007. Tinha por objeto o aumento da altura do muro para garantir a segurança ao acesso às dependências da Polícia Militar do Município (fl. 182). O valor do aditivo foi de R$ ,66 (catorze mil, trezentos e cinquenta e cinco reais e sessenta e seis centavos), ou seja, 18,51% do valor contratado. Portanto, o primeiro termo aditivo e os serviços dele decorrentes realizados após a extinção do contrato, em 26/12/2007, não possuem amparo legal no referido contrato, constituindo-se, assim, em serviços executados sem o devido processo licitatório, o que contraria os arts. 2 o e 62 da Lei Federal 8.666/93, que assim versam: Art. 2 o As obras, serviços, inclusive de publicidade, compras, alienações, concessões, permissões e locações da Administração Pública, quando contratadas com terceiros, serão necessariamente precedidas de licitação, ressalvadas as hipóteses previstas nesta Lei. [...] Art. 62. O instrumento de contrato é obrigatório nos casos de concorrência e de tomada de preços, bem como nas dispensas e inexigibilidades cujos preços estejam compreendidos nos limites destas duas modalidades de licitação, e facultativo nos demais em que a Administração puder substituí-lo por outros instrumentos hábeis, tais como carta-contrato, nota de empenho de despesa, autorização de compra ou ordem de execução de serviço MEDIÇÃO, LIQUIDAÇÃO E PAGAMENTO As medições dos serviços executados, referentes ao presente contrato, bem como as notas fiscais existentes e os pagamentos realizados foram ordenados nos Quadro 1, 2 e 3 a seguir: QUADRO 1 MEDIÇÕES EXISTENTES MEDIÇÃO DATA VALOR MEDIDO (R$) 1ª 22/11/ ,59 2ª 3/1/ ,59 3ª 25/1/ ,57 Aditivo 13/3/ ,66 Fonte: Medições fls. 197, 201, 188 e 192 dos autos doc 5

6 QUADRO 2 NOTAS FISCAIS EXISTENTES VALOR TOTAL MEDIÇÃO DATA DA NOTA (R$) RETENÇÃO ISSQN (R$) VALOR COM RETENÇÃO (R$) 1ª 23/11/ ,59 441,95 (1,5%) ,64 2ª 2/1/ ,59 441,95 (1,5%) ,64 3ª 25/1/ ,57 279,13 (1,5%) ,44 Aditivo 13/3/ ,66 430,66 (3,0%) ,00 Fonte: Notas fiscais fls. 196, 200, 187 e 190 dos autos. QUADRO 3 PAGAMENTOS EFETUADOS MEDIÇÃO DATA VALOR PAGO (R$) 1ª 27/11/ ,69 2ª 18/1/ ,64 3ª 8/2/ ,56 Aditivo 18/3/ ,00 TOTAL PAGO R$ ,89 Fonte: Notas fiscais fls. 195, 202, 186 e 191 dos autos. Da análise dos Quadros 1, 2 e 3 se constata que o Aditivo, bem como a emissão da respectiva nota fiscal e pagamento efetuado foram realizados após o término da vigência do contrato que encerrava dia 26/12/2007. Além disso, no Quadro 2 se constata que para as medições 1ª, 2ª e 3ª os valores retidos nas notas fiscais referentes ao ISSQN correspondem a 1,5%, sobre o valor total da nota, apesar de nelas estarem escrito que a retenção seria de 3%, conforme a legislação do município. Portanto, o Aditivo executado e pago após a extinção do contrato, em 26/12/2007, não possui amparo legal no referido contrato, constituindo-se, assim, em serviços executados sem o devido processo licitatório, o que contraria os arts. 2 o e 62 da Lei Federal 8.666/93, citados anteriormente. Deve ainda a Unidade, cobrar da empresa Contratada a diferença não retida do ISSQN referente as notas fiscais das 1ª, 2ª e 3ª medições, no montante de R$ 1.163,03 (um mil, cento e sessenta e três reais e três centavos), sobe pena de se estar desrespeitando a Lei Complementar nº 23/2003 do Município de Piratuba, que estipula em 3% o valor do ISSQN, para o presente caso, e desrespeitando também os requisitos necessários para renúncia de receita, o que contraria o art. 14 da Lei Complementar 101/2000, que assim versa: doc 6

7 Art. 14. A concessão ou ampliação de incentivo ou benefício de natureza tributária da qual decorra renúncia de receita deverá estar acompanhada de estimativa do impacto orçamentáriofinanceiro no exercício em que deva iniciar sua vigência e nos dois seguintes, atender ao disposto na lei de diretrizes orçamentárias e a pelo menos uma das seguintes condições: I - demonstração pelo proponente de que a renúncia foi considerada na estimativa de receita da lei orçamentária, na forma do art. 12, e de que não afetará as metas de resultados fiscais previstas no anexo próprio da lei de diretrizes orçamentárias; II - estar acompanhada de medidas de compensação, no período mencionado no caput, por meio do aumento de receita, proveniente da elevação de alíquotas, ampliação da base de cálculo, majoração ou criação de tributo ou contribuição. 1 o A renúncia compreende anistia, remissão, subsídio, crédito presumido, concessão de isenção em caráter não geral, alteração de alíquota ou modificação de base de cálculo que implique redução discriminada de tributos ou contribuições, e outros benefícios que correspondam a tratamento diferenciado. 2 o Se o ato de concessão ou ampliação do incentivo ou benefício de que trata o caput deste artigo decorrer da condição contida no inciso II, o benefício só entrará em vigor quando implementadas as medidas referidas no mencionado inciso. 3 o O disposto neste artigo não se aplica: I - às alterações das alíquotas dos impostos previstos nos incisos I, II, IV e V do art. 153 da Constituição, na forma do seu 1 o ; II - ao cancelamento de débito cujo montante seja inferior ao dos respectivos custos de cobrança ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA ART O autor do projeto do muro de arrimo constante do edital, Engenheiro Civil Laércio Anselmo Toaldo, recolheu a respectiva ART de projeto, em 23/11/2005, (fl. 207). Já o responsável técnico pela execução da obra, o Engenheiro Civil Ruites Valmir Andreoni Junior, recolheu a respectiva ART de execução, em 19/08/2009 (fl. 208), posterior a execução da obra segundo o CREANET. Este profissional também era o único responsável técnico pela empresa DIAS & DIAS Ltda. conforme a Certidão de Pessoa Jurídica emitida pelo CREA SC, com validade de 21/08/2007 até 31/03/2008 (fl. 132). Porém, um fato inusitado chama a atenção em relação a ART de execução deste profissional, já que existe uma ressalva no campo destinado a Descrição Complementar que é no mínimo curiosa, pois está escrito Não assume responsabilidade pela execução. Como é possível em uma ART de execução de obra, o profissional responsável, declarar que não assume a responsabilidade pela execução? Este contra censo, a princípio, na tentativa de eximir-se, de alguma forma, da responsabilidade pela execução da obra, deve ser verificado detalhadamente pelo CREA SC junto ao profissional responsável doc 7

8 2.5. TERMOS DE RECEBIMENTO PROVISÓRIO E DEFINITIVO DA OBRA O Termo de Contrato nº 156/2007, conforme visto no item 2 deste Relatório, tinha como prazo final para a execução da obra o dia 25/12/2007, ou seja, somente um dia antes do término da vigência do Termo de Contrato, que era dia 26/12/2007. Não é aconselhável, a princípio, estabelecer em contrato um prazo tão exíguo entre estas duas datas, a não ser que esteja devidamente justificado, pois não resta tempo hábil para os necessários recebimentos provisório e definitivo da obra. Então, recomenda-se, a Unidade, que em futuros procedimentos licitatórios a data final da vigência do contrato seja suficientemente posterior a data final do prazo de execução da obra, para possibilitar a realização dos termos de recebimento provisório e definitivo da obra. Quanto aos termos de recebimento provisório e definitivo da presente obra, o Responsável informou que Não houve termo de recebimento provisório ou definitivo da obra (fl. 40). Portanto, pela inexistência dos termos de recebimento provisório e definitivo da obra, contrariou-se o disposto no art. 73, I da Lei Federal nº 8.666/93, que assim versa: Art. 73. Executado o contrato, o seu objeto será recebido: I - em se tratando de obras e serviços: a) provisoriamente, pelo responsável por seu acompanhamento e fiscalização, mediante termo circunstanciado, assinado pelas partes em até 15 (quinze) dias da comunicação escrita do contratado; b) definitivamente, por servidor ou comissão designada pela autoridade competente, mediante termo circunstanciado, assinado pelas partes, após o decurso do prazo de observação, ou vistoria que comprove a adequação do objeto aos termos contratuais, observado o disposto no art. 69 desta Lei; 2.6. VISTORIA E REGISTRO FOTOGRÁFICO A seguir se demonstra as fotografias do referido muro, efetuadas pela equipe técnica deste TCE, destacando-se, junto a cada foto, o que deve ser observado. As fotos são datadas de 05/10/ doc 8

9 Foto 1: Vista parcial do muro de arrimo, início do muro até o trecho curvo, detalhe da proximidade com a parte de trás da Casa da Cidadania. Foto 2: Vista parcial do muro de arrimo, no trecho curvo, detalhe das manchas da água que escoam por sua face, durante intempéries, devido a inexistência de calhas em seu topo. Foto 3: Vista parcial do final do trecho curvo do muro e início da parte que desabou, detalhe das barras de aço arrancadas do concreto. Foto 4: Vista parcial do muro de arrimo sendo reconstruída, do trecho curvo até o final (parte que desabou). Foto 5: Vista parcial do muro de arrimo sendo reconstruída, do trecho curvo até o final, (parte que desabou). Foto 6: Vista parcial do muro de arrimo sendo reconstruído inadequadamente, com a execução inadequada da camada de drenagem antes do muro doc 9

10 Foto 7: Vista parcial do muro de arrimo sendo reconstruído inadequadamente, com a execução da camada de drenagem antes do muro. Foto 8: Detalhe da drenagem, com enrocamento de pedras argamassadas, sendo executado antes do muro, invadindo o espaço da sua futura seção de concreto armado. Foto 9: Detalhe das fissuras no muro de arrimo, antes do trecho curvo, atrás da Casa da Cidadania. Foto 10: Detalhe ampliado da fissura no muro de arrimo, antes do trecho curvo, atrás da Casa da Cidadania. Na vistoria realizada no local da obra constatou-se que a parte do muro remanescente ao desabamento Fotos 1 e 2, apresentam fissuras inclinadas indicando possíveis problemas estruturais no muro de arrimo, Fotos 9 e 10. A interface de ruptura entre a parte remanescente e a que desabou também é inclinada e no mesmo sentido das fissuras mencionadas anteriormente Fotos 3 e 4, denunciado que a região do muro remanescente com a mesma inclinação de fissuras, está sujeita também a um episódio semelhante de desabamento. Salienta-se que a região do muro que se apresentam estas fissuras é vizinha a Casa da Cidadania, logo atrás desta, ou seja, será atingida caso ocorra um desabamento. Não se constatou a existência de calhas de concreto no topo do muro, conforme indicado no projeto (fl. 203), que serve para captar e conduzir a água que doc 10

11 vem do talude durante as intempéries, evitando assim que este excesso de água escoe entre o muro e o aterro aumento o empuxo sobre o primeiro e que extravase por cima deste, Foto 2. Além disso, não foi possível verificar a existência do tubo furado de Ø 200mm, na base do muro, que integra o sistema de drenagem previsto no projeto (fl. 203). Por último, conforme demonstram as Fotos 4 à 8, constatou-se que a parte do muro que desabou está sendo reconstruída. Porém, reconstruída de forma inadequada, já que a camada drenante do muro está sendo executada antes que este. Além disso, ao invés de ser constituída de brita nº 2, conforme previa no projeto, está sendo executada com enrocamento de pedras argamassadas, que por sua vez está invadindo o espaço da futura seção de concreto armado do muro de arrimo, Fotos 7 e CONSIDERAÇÕES FINAIS Considerando o desabamento de parte do muro de arrimo em 02/03/2009, a análise feita no item 2.1 deste Relatório, que aponta possíveis deficiências verificadas no projeto básico e/ou executivo do muro, e a vistoria realizada ao local da obra no dia 05/10/2009, item 2.6 deste Relatório, que aponta possíveis problemas estruturais no muro remanescente ao desabamento devido a presença de fissuras inclinadas, entende-se, a princípio, que a obra não cumpre sua finalidade de funcionalidade e adequação ao interesse público sendo pago indevidamente o valor total contratado e aditado de R$ ,41 (noventa e um mil, oitocentos e noventa e um reais e quarenta e um centavos). Também, pelos mesmos motivos anteriores, o valor total referente a reconstrução, a princípio, inadequada da parte que desabou foi empenhado e/ou pago indevidamente. A Unidade deve prestar contas deste valor apresentado a devida planilha de custos. Portanto, a princípio, a obra do muro de arrimo que desabou em parte, que apresenta possíveis deficiências verificadas no projeto básico e/ou executivo, que possui fissuras na parte remanescente e que está sendo reconstruída de forma inadequada, não cumpre sua finalidade de funcionalidade e adequação ao interesse público, assim sendo foi pago indevidamente o valor total contratado e aditado de R$ ,41 (noventa e um mil, oitocentos e noventa e um reais e quarenta e um centavos), mais o valor a ser demonstrado pela Unidade referente a reconstrução doc 11

12 inadequada, contrariando o disposto no art. 12, II da Lei Federal nº 8.666/93, como também não satisfazendo o princípio da economicidade/eficiência, contrariando os arts. 37 c/c 70 e 75 da Constituição Federal, citados a seguir: Lei Federal nº 8.666/93: Art. 12. Nos projetos básicos e projetos executivos de obras e serviços serão considerados principalmente os seguintes requisitos: (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994) [...] II - funcionalidade e adequação ao interesse público; Constituição Federal: Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: [...] Art. 70. A fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial da União e das entidades da administração direta e indireta, quanto à legalidade, legitimidade, economicidade, aplicação das subvenções e renúncia de receitas, será exercida pelo Congresso Nacional, mediante controle externo, e pelo sistema de controle interno de cada Poder. [...] Art. 75. As normas estabelecidas nesta seção aplicam-se, no que couber, à organização, composição e fiscalização dos Tribunais de Contas dos Estados e do Distrito Federal, bem como dos Tribunais e Conselhos de Contas dos Municípios. (sem grifo no original) Além disso, diante das análises feitas e da gravidade dos fatos se faz necessário, que a Unidade, providencie a realização URGENTE de relatório técnico, por profissional(ais) habilitado(os) e capacitado(os) na área de estruturas e geotecnia, que demonstre a verdadeira situação estrutural do muro de arrimo remanescente, com relação a segurança e estabilidade do mesmo, visto que a segurança deste repercute diretamente sobre a segurança da Casa da Cidadania e de seus usuários. Neste relatório técnico deve constar, se for caso, as possíveis soluções técnicas a serem adotadas que servirão de base para o desenvolvimento do projeto de recuperação do muro. 3. CONCLUSÃO Considerando os documentos encaminhados a este Tribunal, em 12/03/2009, indicando possíveis irregularidades na obra do muro de arrimo, junto a Casa da Cidadania, no Município de Piratuba; Considerando o Relatório nº DLC / Insp.1 / 076/09 desta Diretoria; doc 12

13 Considerando as possíveis deficiências verificadas no projeto básico e/ou executivo do muro de arrimo; Considerando a recomendação que em futuros procedimentos licitatórios, dependendo do objeto da licitação, a Comissão de Licitação seja multidisciplinar, a fim de que pelo menos um dos seus membros possua habilitação técnica para examinar o projeto básico constante do edital; Considerando que o primeiro termo aditivo e os serviços dele decorrentes realizados após a extinção do contrato não possuem amparo legal no referido contrato; Considerando que o Aditivo executado e pago após a extinção do contrato não possui amparo legal no referido contrato; Considerando que a Unidade deve cobrar da empresa Contratada a diferença não retida do ISSQN referente as notas fiscais das 1ª, 2ª e 3ª medições; Considerando que na ART de execução de obra, o profissional responsável, declara que não assume a responsabilidade pela execução; Considerando a inexistência dos termos de recebimento provisório e definitivo da obra; Considerando a obra do muro de arrimo que desabou em parte, que apresenta possíveis deficiências verificadas no projeto básico e/ou executivo, que possui fissuras na parte remanescente e que está sendo reconstruída de forma inadequada, não cumpre sua finalidade de funcionalidade e adequação ao interesse público; Considerando que a Unidade deve providenciar a realização URGENTE de relatório técnico, por profissional(ais) habilitado(os) e capacitado(os) na área de estruturas e geotecnia, que demonstre a verdadeira situação estrutural do muro de arrimo remanescente, com relação a segurança e estabilidade do mesmo; Considerando tudo mais que dos autos consta, a respeito da Representação acerca de possíveis irregularidades na obra do muro de arrimo, junto a Casa da Cidadania, no Município de Piratuba, entende esta Instrução que pode O TRIBUNAL PLENO, diante das razões apresentadas pelo Relator e com fulcro no art. 59 c/c o art. 113 da Constituição do Estado e no art. 1 da Lei Complementar n o 202/2000, adotar a seguinte Decisão: 3.1. Converter o presente processo em Tomada de Contas Especial, nos termos do art. 65, 4 da Lei Complementar n o 202/2000, tendo em vista as irregularidades apontadas pela DLC, constantes do presente Relatório doc 13

14 3.2. Definir a responsabilidade solidária, nos termos do art. 15, I, da Lei Complementar n o 202/00, dos Srs. Adélio Spanholi Prefeito Municipal, e Laércio Anselmo Toaldo Engenheiro Civil, autor do projeto do muro de arrimo constante do edital, por irregularidade verificada nas presentes contas Determinar a citação dos Responsáveis nominados no item anterior, nos termos do art. 15, II, da Lei Complementar n. 202/00, para, no prazo de 30 (trinta) dias, a contar do recebimento desta deliberação, com fulcro no art. 46, I, b, do mesmo diploma legal c/c o art. 124 do Regimento Interno, apresentarem alegações de defesa acerca da obra do muro de arrimo que desabou em parte, que apresenta possíveis deficiências verificadas no projeto básico e/ou executivo, que possui fissuras na parte remanescente e que está sendo reconstruída de forma inadequada, não cumprindo assim sua finalidade de funcionalidade e adequação ao interesse público, assim sendo foi pago indevidamente o valor total contratado e aditado de R$ ,41 (noventa e um mil, oitocentos e noventa e um reais e quarenta e um centavos), mais o valor a ser demonstrado pela Unidade referente a reconstrução inadequada, contrariando o disposto no art. 12, II da Lei Federal nº 8.666/93, como também não satisfazendo o princípio da economicidade/eficiência, contrariando os arts. 37 c/c 70 e 75 da Constituição Federal, conforme item 2.7 do presente Relatório; irregularidade, esta, ensejadora de imputação de débito e/ou aplicação de multa prevista nos arts. 68 a 70 da Lei Complementar n. 202/ Determinar a citação do Sr. Adélio Spanholi Prefeito Municipal, nos termos do art. 15, II, da Lei Complementar n. 202/2000, para, no prazo de 30 (trinta) dias, a contar do recebimento desta deliberação, com fulcro no art. 46, I, b, do mesmo diploma legal c/c o art. 124 do Regimento Interno, apresentar alegações de defesa acerca das irregularidades abaixo relacionadas, ensejadoras de imputação de multas, com fundamento nos arts. 69 ou 70 da Lei Complementar n. 202/2000: Deficiências verificadas no projeto básico e/ou executivo do muro de arrimo, contrariou-se o art. 6 o, incisos IX e X da Lei no 8.666/93, conforme item 2.1 do presente Relatório; O primeiro termo aditivo e os serviços dele decorrentes realizados após a extinção do contrato, em 26/12/2007, não possuem amparo legal no referido contrato, constituindo-se, assim, em serviços executados sem o devido processo licitatório, o doc 14

15 que contraria os arts. 2 o e 62 da Lei Federal 8.666/93, conforme item 2.2 do presente Relatório; O Aditivo executado e pago após a extinção do contrato, em 26/12/2007, não possui amparo legal no referido contrato, constituindo-se, assim, em serviços executados sem o devido processo licitatório, o que contraria os arts. 2 o e 62 da Lei Federal 8.666/93, conforme item 2.3 do presente Relatório; Inexistência dos termos de recebimento provisório e definitivo da obra, contrariou-se o disposto no art. 73, I da Lei Federal nº 8.666/93, conforme item 2.5 do presente Relatório; 3.4. Determinar à Prefeitura Municipal de Piratuba que, no prazo de 30 (trinta) dias, a partir da publicação desta decisão no Diário Oficial Eletrônico, providencie a realização URGENTE de relatório técnico, por profissional(ais) habilitado(os) e capacitado(os) na área de estruturas e geotecnia, que demonstre a verdadeira situação estrutural do muro de arrimo remanescente, com relação a segurança e estabilidade do mesmo, com o devido encaminhamento a este Tribunal, conforme item 2.7 do presente Relatório; 3.5. Determinar à Prefeitura Municipal de Piratuba que, cobre da empresa Contratada a diferença não retida do ISSQN referente as notas fiscais das 1ª, 2ª e 3ª medições, no montante de R$ 1.163,03 (um mil, cento e sessenta e três reais e três centavos), sobe pena de se estar desrespeitando a Lei Complementar nº 23/2003 do Município de Piratuba, que estipula em 3% o valor do ISSQN, para o presente caso, e desrespeitando também os requisitos necessários para renúncia de receita, o que contraria o art. 14 da Lei Complementar 101/2000, com a devida demonstração a este Tribunal, conforme item 2.3 do presente Relatório; 3.6. Recomendar à Prefeitura Municipal de Piratuba que em futuros procedimentos licitatórios, dependendo do objeto da licitação, a Comissão de Licitação seja multidisciplinar, a fim de que pelo menos um dos seus membros possua habilitação técnica para examinar o projeto básico constante do edital, e/ou podendo, se for o caso, solicitar parecer técnico de profissional habilitado e capacitado, conforme item 2.1 do presente Relatório; 3.7. Dar conhecimento ao CREA SC que, se julgar conveniente, verifique detalhadamente junto ao profissional responsável pela ART de execução de obra, a sua possível tentativa de eximir-se, de alguma forma, da responsabilidade pela doc 15

MARCO ANTÔNIO TEOBALDI, ex-prefeito MUNICIPAL DE JOINVILLE ASSUNTO

MARCO ANTÔNIO TEOBALDI, ex-prefeito MUNICIPAL DE JOINVILLE ASSUNTO Fls. 353 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES INSPETORA 2 DIVISÃO 6 PROCESSO Nº REP 09/00054654 UNIDADE GESTORA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES PROCESSO Nº: UNIDADE GESTORA: RESPONSÁVEIS: INTERESSADO: ASSUNTO: RELATÓRIO REINSTRUÇÃO: DE ELC-14/00549369

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 Altera a Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995, e a Lei nº 9.532, de 10 de dezembro de 1997, para permitir a dedução, do imposto de renda das pessoas

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS PRESTAÇÃO DE CONTAS TEXTO 2 PRESTAÇÃO DE CONTAS E SUAS ESPECIFICIDADES INTRODUÇÃO Tomando como base a definição do Tesouro Nacional que designa a Prestação Contas como: Demonstrativo organizado pelo próprio

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1 PROCESSO Nº: REP 11/00278840 UNIDADE GESTORA: PREFEITURA MUNICIPAL DE TIJUCAS INTERESSADO:

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA Referente: PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 6622AD/2009, V.1 a 12. Interessado: COORDENADORIA DE ENGENHARIA DA PGJ/MA. Assunto: LICITAÇÃO CONSTRUÇÃO SEDE DA PGJ/MA. RELATÓRIO DA MOVIMENTAÇÃO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica Primeira edição válida a partir

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Engenheiro Civil Paulo Roberto Vilela Dias, MSc Mestre em Engenharia Civil - uff Professor do Mestrado em Engenharia Civil da Universidade Federal Fluminense

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS RESOLUÇÃO N.º 702/2008 - TCE 1ª Câmara

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS RESOLUÇÃO N.º 702/2008 - TCE 1ª Câmara RESOLUÇÃO N.º 702/2008 - TCE 1ª Câmara 1. Processo n.º: TC 05821/2008 2. Classe de Assunto: 09 Processo Licitatório / 04 Inexigibilidade 3. Responsável: Sandra Cristina Gondim Secretária da Administração

Leia mais

RELATÓRIO. Os documentos obrigatórios de prestação de contas deram entrada dentro do

RELATÓRIO. Os documentos obrigatórios de prestação de contas deram entrada dentro do Processo : Nº630042009-00 Origem : Fundo Municipal de Saúde de Rio Maria Assunto: Prestação de Contas Anuais de Gestão exercício de 2009 Instrução: 6ªControladoria Ordenador: Edimilson Batista Alves Procuradoria:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013

Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013 Diretrizes e Procedimentos de Auditoria do TCE-RS RESOLUÇÃO N. 987/2013 Dispõe sobre as diretrizes e os procedimentos de auditoria a serem adotados pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul,

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES INSPETORIA 2 DIVISÃO 4

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES INSPETORIA 2 DIVISÃO 4 205 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES INSPETORIA 2 DIVISÃO 4 PROCESSO REP- 08/00692748 UNIDADE GESTORA Companhia Águas de Joinville INTERESSADO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP

Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP Relatório de Demandas Externas n 00225.000795/2012-63 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Dispositivos da Constituição

Dispositivos da Constituição Dispositivos da Constituição DISPOSITIVOS DA CONSTITUIÇÃO ESTADUAL PERTINENTES AO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO Art. 19... 1º o controle externo da Câmara Municipal será exercido com o auxílio do Tribunal

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor: Poder Executivo O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que

Leia mais

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno, cria a Controladoria Municipal e dá outras providências., Prefeito Municipal de FAÇO saber a todos os habitantes deste Município

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Formulário de Telecom

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Formulário de Telecom 1. IDENTIFICAÇÃO TC n : Órgão concedente: Objeto da outorga: Local: 2. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL a Constituição Federal, art. 21, XI; b - Lei n.º 9.472/97; c - Resolução ANATEL n.º 65/98 e 73/98; d - Lei n.º

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

PARECER ANISTIA FISCAL MULTA E JUROS RENÚNCIA DE RECEITA

PARECER ANISTIA FISCAL MULTA E JUROS RENÚNCIA DE RECEITA Salvador, 17 de Março de 2014. Da: CAMP - Consultoria em Administração Pública Ltda. Para: Prefeito Municipal de Barrocas Senhor Prefeito, Vimos por meio deste, em atenção a consulta feita por V.Exª.,

Leia mais

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO Módulo II Chapecó, março/2012 1 Aspectos Legais da Licitação de Obras Denise Regina Struecker Auditora

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO 1. OBJETIVO 1.1. Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração dos

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul : CONS. IRAN COELHO DAS NEVES

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul : CONS. IRAN COELHO DAS NEVES Relatório Voto : REV - G.ICN - 00901/2011 PROCESSO TC/MS : 6107/2008 PROTOCOLO : 908430 ÓRGÃO : PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA ALVORADA DO SUL ORDENADOR (A) DE : ARLEI SILVA BARBOSA DESPESAS CARGO DO ORDENADOR

Leia mais

Prestação e Tomada de Contas Responsabilização. Auditora Milene Dias da Cunha

Prestação e Tomada de Contas Responsabilização. Auditora Milene Dias da Cunha Prestação e Tomada de Contas Responsabilização. Auditora Milene Dias da Cunha Quando entregamos nosso dinheiro nas mãos de alguém para que cuide do nosso futuro, o que esperamos? O que acontece quando

Leia mais

Assunto: Tomada de Contas Especial instaurada em razão da omissão no dever de prestar contas.

Assunto: Tomada de Contas Especial instaurada em razão da omissão no dever de prestar contas. Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Acórdão 309/96 - Primeira Câmara - Ata 31/96 Processo nº TC 450.133/95-8 Responsável: Raimundo Pereira Barbosa, Prefeito. Unidade: Prefeitura Municipal de Palestina

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES INSPETORIA 2 DIVISÃO 5

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES INSPETORIA 2 DIVISÃO 5 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES INSPETORIA 2 DIVISÃO 5 PROCESSO RPL 06/00331939 UNIDADE GESTORA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA - SEF INTERESSADO

Leia mais

O controle de renúncia de receitas

O controle de renúncia de receitas Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Escola Superior de Controle Externo O controle de renúncia de receitas Apresentação J.R. Caldas Furtado Junho2015 1 O controle externo na Constituição

Leia mais

ACÓRDÃO N. 368/2008, TCE 1ª Câmara

ACÓRDÃO N. 368/2008, TCE 1ª Câmara ACÓRDÃO N. 368/2008, TCE 1ª Câmara 1. Processo n: 1905/2006 2. Processo Auxiliar Apenso: 5461/2005 Auditoria Programada 3. Classe de Assunto: 04 Prestação de Contas 3.1. Assunto: 05 Prestação de Contas

Leia mais

Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015

Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015 Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015 1. APRESENTAÇÃO Nos termos do artigo 74 da Constituição Federal, artigo 59 da Lei Complementar nº. 59, artigos 63 a 66 da Lei Complementar nº. 33, de 28

Leia mais

7 SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA Programa de Atenção Integral à Saúde

7 SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA Programa de Atenção Integral à Saúde REGULAMENTO DE COMPRAS e CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DAS UNIDADES SOB GERENCIAMENTO DA O.S.S. SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE A SPDM

Leia mais

SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADOR CLÉSIO ANDRADE Manual para Prefeituras Celebrarem Convênios já Autorizados com a Caixa Econômica Federal SENADOR CLÉSIO ANDRADE Conteúdo INTRODUÇÃO... 3 CICLO DO ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO... 4 CONTRAPARTIDA OBRIGATÓRIA...

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 Relatório Preliminar da Unidade Técnica ainda sem Manifestação do Ministro Relator

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 Relatório Preliminar da Unidade Técnica ainda sem Manifestação do Ministro Relator Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 Relatório Preliminar da Unidade Técnica ainda sem Manifestação do Ministro Relator IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 6638/2005-9

Leia mais

Relatório Controle Interno 1º. Quadrimestre 2015

Relatório Controle Interno 1º. Quadrimestre 2015 Relatório Controle Interno 1º. Quadrimestre 2015 1. APRESENTAÇÃO Nos termos do artigo 74 da Constituição Federal, artigo 59 da Lei Complementar nº. 59, artigos, 63 a 66 da Lei Complementar nº. 33, de 28

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN TC 11/2010

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN TC 11/2010 D.E. 05/01/2011 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN TC 11/2010 DISCIPLINA A CONCESSÃO DE REGISTRO DOS ATOS DE ADMISSÃO DE PESSOAL, A ANÁLISE DA REGULARIDADE NA GESTÃO DE PESSOAL DOS ÓRGÃOS

Leia mais

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI Dispõe sobre as atribuições dos agentes de compras

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1 PROCESSO Nº: REP 11/00494119

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1 PROCESSO Nº: REP 11/00494119 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1 PROCESSO Nº: REP 11/00494119 UNIDADE GESTORA: PREFEITURA MUNICIPAL DE CUNHATAÍ INTERESSADOS:

Leia mais

Nota Técnica nº. 003/2015/GECOG Vitória, 02 de setembro de 2015.

Nota Técnica nº. 003/2015/GECOG Vitória, 02 de setembro de 2015. Nota Técnica nº. 003/2015/GECOG Vitória, 02 de setembro de 2015. Assunto: Orientações sobre o controle de obrigações contratuais no SIGEFES a partir de 10 de setembro de 2015. 1. Com base no art. 105 da

Leia mais

EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS N.º 011/2015

EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS N.º 011/2015 EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS N.º 011/2015 JOÃO PEDRO TILL, Diretor Presidente da Autarquia Municipal de Turismo GRAMADOTUR, no uso legal de suas atribuições, e de conformidade com a Lei n.º 8.666 de 21.06.93

Leia mais

PORTARIA N.TC-233/2003

PORTARIA N.TC-233/2003 PORTARIA N.TC-233/2003 Dispõe sobre os critérios para emissão do parecer prévio sobre as contas anuais dos Prefeitos Municipais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO, no

Leia mais

PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010

PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010 PORTARIA Nº 572, DE 22 DE MARÇO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DO CONTROLE E DA TRANSPARÊNCIA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição, nos termos

Leia mais

RETENÇÃO DE INSS SOBRE FATURAS. Formas de retorno e garantia de direito

RETENÇÃO DE INSS SOBRE FATURAS. Formas de retorno e garantia de direito RETENÇÃO DE INSS SOBRE FATURAS Formas de retorno e garantia de direito Orientações sobre retenção http://www.mpas.gov.br A Lei nº 9.711 de 20 de novembro de 1998, que passou a vigorar a partir de fevereiro

Leia mais

nas técnicas de trabalho desenvolvidas no âmbito do Controle Interno do Poder Executivo, denominadas de auditoria e fiscalização.

nas técnicas de trabalho desenvolvidas no âmbito do Controle Interno do Poder Executivo, denominadas de auditoria e fiscalização. Finalidades e Atividades do Sistema de Controle 1. O Controle visa à avaliação da ação governamental, da gestão dos administradores e da aplicação de recursos públicos por entidades de Direito Privado,

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004 Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2004 IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 4101/2004-4 Ano Orçamento: 2002 UF: RJ Nome do PT: Manutenção de Serviços Administrativos -

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015.

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MORMAÇO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.º 8, de 2015. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Subsídios acerca da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 670, de 10 de março de 2015. Núcleo da Receita

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO LEI Nº 1552, DE 18 DE AGOSTO DE 2011. Disciplina a dação em pagamento de obras, serviços e bem móvel como forma de extinção da obrigação tributária no Município de Codó, prevista no inciso XI do artigo

Leia mais

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA Fechamentos em gesso acartonado e placas cimentícias

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA Fechamentos em gesso acartonado e placas cimentícias 1 OBJETO: ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA Fechamentos em gesso acartonado e placas cimentícias 1.1 Aquisição e instalação de fechamentos em gesso acartonado e em placas cimentícias, inclusive fornecimento

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/14 I-DOS CONCEITOS 1- Para os fins desta Instrução Normativa, considera-se: 1.1 - Fiscalização: a observação sistemática e periódica da execução do contrato; 1.2 - Contrato Administrativo: o ajuste que

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO Relatório preliminar, sujeito a alterações pela unidade técnica (não tramitar para o relator antes da RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO - SINTÉTICO TC nº 000.787/2009-4 Fiscalização nº 385/2009 DA FISCALIZAÇÃO

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, DECRETO 3.100, de 30 de Junho de 1999. Regulamenta a Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999, que dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS - DMU TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS - DMU Rua Bulcão Viana, 90, Centro Florianópolis Santa Catarina Fone: (48) 3221-3764 Fax: (048) 3221-3730 Home-page:

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 492/92 - Segunda Câmara - Ata 37/92 Processo nº TC 005.648/88-2 Responsáveis: JOÃO JOSÉ LAMARQUE e IVANEI CANHOLA DE SOUZA Órgão: Superintendência Regional

Leia mais

DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) O Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) O Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 36.777 DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 (D.O. RIO DE 18/02/2013) Regulamenta os arts. 5º a 9º e 23, da Lei nº 5.546, de 27 de dezembro de 2012, que instituem remissão, anistia e parcelamento estendido,

Leia mais

Cartilha Sobre Atesto de Serviços, Obras e Compras. PREFEITO João Henrique Carneiro. SECRETÁRIO MUNICIPAL DA FAZENDA Joaquim José Bahia Menezes

Cartilha Sobre Atesto de Serviços, Obras e Compras. PREFEITO João Henrique Carneiro. SECRETÁRIO MUNICIPAL DA FAZENDA Joaquim José Bahia Menezes CARTILHA SOBRE ATESTO DE SERVIÇOS, OBRAS E COMPRAS SALVADOR BA SETEMBRO / 2011 PREFEITO João Henrique Carneiro SECRETÁRIO MUNICIPAL DA FAZENDA Joaquim José Bahia Menezes CONTROLADORA GERAL DO MUNICÍPIO

Leia mais

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências.

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. DESPACHO 2009 N O Projeto de Lei nº 2/2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor do Projeto: Poder Executivo SUBSTITUTIVO Nº 1 /2009 Estabelece

Leia mais

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O Nº 11.028, de 10 de novembro de 2014 EMENTA: Dispõe sobre os procedimentos e prazos para o Encerramento do Exercício Financeiro de 2014, no âmbito da Administração Pública Municipal e, dá

Leia mais

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00 ANEXO I PREGÃO Nº 2012.12.12.1 TERMO DE REFERÊNCIA Com a especificação dos serviços de assessoria, consultoria, execução contábil, justificativas, defesas e recursos de processos administrativos junto

Leia mais

ADEVAL BIKE PAPELARIA E BAZAR LTDA ME

ADEVAL BIKE PAPELARIA E BAZAR LTDA ME AQUISIÇÃO DE PRODUTOS DE ARTESANATO, PRODUTOS DE LIMPEZA, MATERIAL DIDATICO, MATERIAL PERMANENTE E GENEROS ALIMENTICIOS PARA ATENDIMENTO AOS PROGRAMAS DO DEPARTAMENTO DE ASSISTENCIA SOCIAL Contrato nº:

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES 102 Fls. TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES PROCESSO Nº: REP-10/00106362 UNIDADE GESTORA: Prefeitura Municipal de Tubarão RESPONSÁVEIS: Manoel

Leia mais

FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO. Florianópolis, março/2012. Objetivo do curso:

FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO. Florianópolis, março/2012. Objetivo do curso: FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO Módulo I Florianópolis, março/2012 1 Objetivo do curso: Desenvolver competências (conhecimentos, habilidades

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0337-31/99-1. Identidade do documento: Acórdão 337/1999 - Primeira Câmara

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0337-31/99-1. Identidade do documento: Acórdão 337/1999 - Primeira Câmara Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0337-31/99-1 Identidade do documento: Acórdão 337/1999 - Primeira Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. Convênio. FAE. Prefeitura Municipal de Magé

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA TRIBUNAL DE CONTAS

ESTADO DE RONDÔNIA TRIBUNAL DE CONTAS 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº13./TCER-2004 Dispõe sobre as informações e documentos a serem encaminhados pelos gestores e demais responsáveis pela Administração Direta e Indireta do Estado e dos Municípios;

Leia mais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO Fl. 433 SENTENÇA DA AUDITORA SILVIA MONTEIRO PROCESSO: ÓRGÃO: TC-1375/026/10 CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE CIRCUITO DAS ÁGUAS LINDÓIA - CONISCA JOSÉ JUSTINO LOPES RESPONSÁVEL: ASSUNTO: BALANÇO GERAL

Leia mais

PARECER Nº 6906/2015. tms Pagina 1 de 9

PARECER Nº 6906/2015. tms Pagina 1 de 9 PROCESSO Nº UNIDADE GESTORA : : 1513-0/2014 (AUTOS DIGITAIS) FUNDO MUNICIPAL DE PREVIDENCIA SOCIAL DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃOZINHO ASSUNTO : CONTAS ANUAIS DE GESTÃO EXERCÍCIO DE 2014 GESTOR

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO

ESTADO DO CEARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO PROCESSO Nº 2004.QXM.PCG.10266/05 NATUREZA: CONTAS DE GOVERNO INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR Nº 5861/2008 ADITIVO INTERESSADO: PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXERAMOBIM PREFEITO: CIRILO ANTÔNIO PIMENTA LIMA RELATOR:

Leia mais

LEI Nº. 1293/10- DE 05 DE JULHO DE 2010. SEBASTIÃO DE OLIVEIRA BAPTISTA, Prefeito do Município de São Francisco, Estado de São Paulo,

LEI Nº. 1293/10- DE 05 DE JULHO DE 2010. SEBASTIÃO DE OLIVEIRA BAPTISTA, Prefeito do Município de São Francisco, Estado de São Paulo, LEI Nº. 1293/10- DE 05 DE JULHO DE 2010 Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias para o exercício financeiro de 2011 e dá outras providências. SEBASTIÃO DE OLIVEIRA BAPTISTA, Prefeito do Município de São

Leia mais

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal.

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal. PORTARIA Nº O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria nº 403, de 2 de dezembro de 2005, do Ministério da Fazenda, e Considerando o disposto no 2º do art. 50 da

Leia mais

ORIENTA E NORMATIZA A EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIO- FINANCEIRA E REGULA A UTILIZAÇÃO DO FUNDO FIXO DE CAIXA DO SESCOOP/PR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

ORIENTA E NORMATIZA A EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIO- FINANCEIRA E REGULA A UTILIZAÇÃO DO FUNDO FIXO DE CAIXA DO SESCOOP/PR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. ORIENTA E NORMATIZA A EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIO- FINANCEIRA E REGULA A UTILIZAÇÃO DO FUNDO FIXO DE CAIXA DO SESCOOP/PR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. RESOLUÇÃO Nº: 28 DO SESCOOP/PR 16/05/2005 Considerando que há

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fl. 35 Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 26 - Data 14 de novembro de 2014 Origem DELEGACIA ESPECIAL DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS EM SÃO PAULO ASSUNTO: NORMAS GERAIS DE

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e a atuação da Secretaria de Controle Interno e dá outras

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS DMU Rua Bulcão Viana, 90, Centro Florianópolis Santa Catarina. Fone: (048) 3221-3764 Fax: (048) 3221-3730. Home-page:

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

CÂMARA DE VEREADORES DE GETÚLIO VARGAS Rua Irmão Gabriel Leão, 681 Getúlio Vargas-RS 99.900-000

CÂMARA DE VEREADORES DE GETÚLIO VARGAS Rua Irmão Gabriel Leão, 681 Getúlio Vargas-RS 99.900-000 CÂMARA DE VEREADORES DE GETÚLIO VARGAS Rua Irmão Gabriel Leão, 681 Getúlio Vargas-RS 99.900-000 Processo Administrativo nº 091/DL/07/2013 Dispensa de Licitação Art. 24, inciso II, Lei 8.666 de 21 de junho

Leia mais

Assunto: Representação relativa a irregularidades na execução de obras públicas

Assunto: Representação relativa a irregularidades na execução de obras públicas Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 246/95 - Plenário - Ata 23/95 Processo nº TC 400.080-94-0 Responsável: Juvêncio César da Fonseca Entidade: Prefeitura Municipal de Campo Grande - MS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 392 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) CONSIDERANDO a Instrução Normativa do Tribunal de Contas da União nº 42 de 03 de julho de 2002,

RESOLUÇÃO Nº 392 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) CONSIDERANDO a Instrução Normativa do Tribunal de Contas da União nº 42 de 03 de julho de 2002, RESOLUÇÃO Nº 392 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) 1014 Ementa: Estabelece manual de normas e procedimentos orçamentários, contábeis e financeiros, e dá outras providências. O Plenário do Conselho Federal

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PROCESSO N.º 2986-09.00/14-0 TOMADA DE PREÇOS N.º 19/14 Contrato AJDG N. 166/14

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PROCESSO N.º 2986-09.00/14-0 TOMADA DE PREÇOS N.º 19/14 Contrato AJDG N. 166/14 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PROCESSO N.º 2986-09.00/14-0 TOMADA DE PREÇOS N.º 19/14 Contrato AJDG N. 166/14 O ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, por intermédio da PROCURADORIA- GERAL DE JUSTIÇA,

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA 23 ESTADO DE SANTA CATARINA Diretoria de Controle da Administração Estadual Inspetoria 3 Divisão 7 PROCESSO DEN 09/00024585 UNIDADE GESTORA CELESC DISTRIBUIÇÃO S/A INTERESSADO SINDICATO DOS TRABALHADORES

Leia mais

Dispõe sobre a concessão ou renovação do registro e certificado de entidades de fins filantrópicos.

Dispõe sobre a concessão ou renovação do registro e certificado de entidades de fins filantrópicos. Resolução CNAS n.º 32, de 24 de fevereiro de 1999 Dispõe sobre a concessão ou renovação do registro e certificado de entidades de fins filantrópicos. O Plenário do Conselho Nacional de Assistência Social

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo LEI Nº 7.938

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo LEI Nº 7.938 LEI Nº 7.938 Altera a Lei nº 6.075, de 29 de dezembro de 2003, com as alterações da Lei nº 6.236, de 09 de dezembro de 2004, da Lei nº 6.262, de 23 de dezembro de 2004, da Lei nº 6.527, de 29 de dezembro

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014.

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PINHEIRO PRETO DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. DECRETO Nº 4.042, DE 22 DE JULHO DE 2014. Regulamenta a Lei nº 1.775, de 10 de junho de 2014, dispondo sobre o modelo, requisitos, emissão e cancelamento da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e, institui

Leia mais

INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF

INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF INSTRUÇÕES AOS PROPONENTES CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SEGURANÇA E VIGILÂNCIA ARMADA PARA AS INSTALAÇÕES DO ONS EM BRASÍLIA/DF Ref: Aviso de Edital ADG nº 003/2014 publicado em 28/10/2014. 1 1. OBJETO A

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE AMATURA Gabinete do Prefeito

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE AMATURA Gabinete do Prefeito TERMO DE CONTRATO Nº. 003/2013 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO, FORNECIMENTO DE PASSAGENS AÉREAS celebrado entre a PREFEITURA MUNICIPAL DE AMATURÁ e a empresa TREVO TURISMO LTDA, na forma abaixo:

Leia mais

Informativo n 40 Preenchimento Nota de Empenho e SICOM Despesa decorrente de licitação, dispensa e inexigibilidade

Informativo n 40 Preenchimento Nota de Empenho e SICOM Despesa decorrente de licitação, dispensa e inexigibilidade Informativo n 40 Preenchimento Nota de Empenho e SICOM Despesa decorrente de licitação, dispensa e inexigibilidade É sabido que empenho é o comprometimento de verba orçamentária para fazer face a uma despesa

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES. e-sfinge

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES. e-sfinge e-sfinge SISTEMA DE FISCALIZAÇÃO INTEGRADA DE GESTÃO MANUAL DE ORIENTAÇÃO ATOS JURÍDICOS 2009 1 APRESENTAÇÃO As informações contidas neste documento são amparadas por Resolução do Tribunal de Contas do

Leia mais

CONTRATO DE MANUTENÇÃO E SUPORTE TÉCNICO PROCESSO N.º 567-09.00/14-2

CONTRATO DE MANUTENÇÃO E SUPORTE TÉCNICO PROCESSO N.º 567-09.00/14-2 CONTRATO DE MANUTENÇÃO E SUPORTE TÉCNICO PROCESSO N.º 567-09.00/14-2 CONTRATO AJDG N.º 011/2014 O ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, por intermédio da PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA, órgão administrativo do MINISTÉRIO

Leia mais

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais OS no âmbito municipal, e dá outras providências.

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais OS no âmbito municipal, e dá outras providências. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPIVARI DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL LEI MUNICIPAL Nº 884, DE 19 DE AGOSTO DE 2014. Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais OS no âmbito municipal,

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4139, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. Regulamenta o Fundo Municipal de Esporte e Lazer e o Incentivo ao Esporte e Lazer e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no

Leia mais

CHECK LIST PARA GESTORES DE CONTRATO da fase de instrução do pedido até a liquidação da despesa

CHECK LIST PARA GESTORES DE CONTRATO da fase de instrução do pedido até a liquidação da despesa PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO DIRETORIA GERAL DE SECRETARIAS SECRETARIA ADMINISTRATIVA CHECK LIST PARA GESTORES DE CONTRATO da fase de instrução do pedido

Leia mais

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2005 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Dispõe sobre a desburocratização dos processos de constituição, funcionamento e baixa das microempresas e empresas de pequeno porte, nos

Leia mais

Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP

Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP Relatório de Demandas Externas n 00225.000175/2012-24 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA *Lei Complementar 374/2009: LEI COMPLEMENTAR Nº 374, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. REGULAMENTA O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS, ÀS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E AOS MICROEMPRESÁRIOS

Leia mais