A Importância da Observação e Manutenção Periódicas para Garantir a Eficácia de Obras de Estabilização de Taludes Naturais: Um Caso Concreto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Importância da Observação e Manutenção Periódicas para Garantir a Eficácia de Obras de Estabilização de Taludes Naturais: Um Caso Concreto"

Transcrição

1 A Importância da Observação e Manutenção Periódicas para Garantir a Eficácia de Obras de Estabilização de Taludes Naturais: Um Caso Concreto Faiçal Massad e Milton Assis Kanji Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, Brasil Homero. A. Araújo Filho, Paulo Pena e Antônio Carlos Cachonis Petrobrás S. A., RPBC, RESUMO: O trabalho apresenta o caso de um talude com cerca de 100 m de altura, que foi submetido a um corte parcial em meados da década de 1970, em Cubatão (SP). Durante o verão de , o talude sofreu algumas instabilizações, que foram sanadas através de técnicas apropriadas e em uso na época. No início de 2005, durante intensas e prolongadas chuvas, houve uma reativação de algumas das antigas instabilizações. O trabalho mostra que essa reativação ocorreu face: a) à deterioração de partes das obras originais de estabilização; e b) à perda do histórico dos eventos pretéritos e do conceito das obras executadas. Destaca a importância de um Manual de Observação e Manutenção das Obras Executadas, com a prescrição de inspeções periódicas, e revela que seria possível antever as instabilizações se tivesse havido um acompanhamento com fotos aéreas tiradas periodicamente; ou mesmo um acompanhamento através do google earth, por exemplo. PALAVRAS-CHAVE: Talude Natural, Estabilização, Observação e Manutenção, Fotos Aéreas. 1 INTRODUÇÃO No início da década de 1970 foi executada uma terraplenagem no pé da Serra do Mar, em Cubatão (SP), para possibilitar a instalação de tanques de óleo de uma refinaria (Foto 1). Este serviço envolveu o corte parcial de um talude natural, até metade de sua altura, de mais de 100m. Após o corte, o talude ficou com inclinação de 1(V):1,2(H), 4 bermas, uma a cada 10 m, com cerca de 2,5 m de largura. As intensas chuvas de verão de 1974/76 provocaram trincas, pequenos escorregamentos em alguns pontos do talude principal e uma movimentação excessiva de massa de solo num talude lateral, em frente ao Tanque P 121-B. Para a estabilização recorreu-se a técnicas de uso corrente na época: terraceamento em degraus, com linhas de escoras de madeira; impermeabilização superficial com material betuminoso; drenagem superficial e profunda; e um muro atirantado em frente ao tanque. As sondagens disponíveis, feitas no talude principal, uma na cota 130 e a outra em torno da cota 70, indicaram a ocorrência de silte arenoso compacto a muito compacto (solo residual de gnaisse e micaxisto), de elevada resistência (SPTs>30, em geral). Talude Lateral Muro de Arrimo P121-B Foto 1: Talude da Área NW Flare (El. 140) Talude Principal Av. Perimetral El 40

2 Decorridos 30 anos, houve deterioração de partes das obras originais de estabilização, apesar de terem sido bem concebidas e bem executadas. Como decorrência, em fevereiro de 2005, após chuvas intensas e prolongadas, houve uma reincidência dos mesmos fenômenos de instabilização do talude de corte. O trabalho mostra a necessidade de preservar na memória o histórico dos eventos pretéritos e o conceito das obras. Daí a importância de um Manual de Observação e Manutenção das Obras Executadas, com um plano de inspeções periódicas e leituras dos instrumentos de observação, quando existentes. Daí também a necessidade de um entrosamento entre o pessoal técnico e o de manutenção das instalações, o que nem sempre existe, principalmente quando se trata de empresa voltada para uma atividade fim industrial. Mostra também que um acompanhamento com fotos aéreas periódicas ou de satélites é hoje possível e desejável. 2 AS INSTABILIZAÇÕES DE 1974/76 Durante as chuvas de 1974/75, a área foi sede de movimentações, que levaram à impermeabilização de partes do talude e à execução de trincheiras drenantes superficiais, preenchidas por areia. Tais medidas fizeram com que cessassem as movimentações até o verão de 1976, quando ocorreram muitas trincas e pequenos escorregamentos, entre as cotas 70 e 130 do talude principal. Outros pequenos escorregamentos foram registrados mais abaixo, causados pelo represamento da água infiltrada, junto ao pé do talude, onde o revestimento estava intacto. Além disso, no talude lateral esquerdo houve uma movimentação excessiva de uma massa de solo, que chegou a provocar um levantamento de cerca de 3 a 6 cm da base do Tanque P 121- B (Foto 1), em início de construção. Nessa época foram feitas as seguintes obras de estabilização: a) um sistema de drenagem superficial, constituído de canaletas de concreto e escada d água; b) um conjunto de drenos horizontais profundos; c) novas valetas preenchidas por areia (trincheiras drenantes); d) um muro de arrimo atirantado, em frente ao Tanque P121-B; e e) o recobrimento de toda a área com material betuminoso. Os pequenos escorregamentos foram estabilizados com Local do Escorregamento Superficial de Fev/2005 Massa em Creep El a. Berma 3 a. 2 a. 1 a. El. 40 Av. Perimetral Oeste Muro de Arrimo P 121-B P 121-B Foto 2: Talude da Área NW Foto Aérea de Junho de 2001

3 Foto 3: Vista lateral do escorregamento superficial de Fev/2005 Foto 4: Crista do escorregamento superficial (Fev/2005), lado direito linhas de escoras de madeira, em vários níveis, formando pequenos degraus. Entre as cotas 70 e 130 foram instalados 2 inclinômetros, já que a preocupação principal era com a segurança do Flare, na El. 140 (Foto 1). A grande obra de estabilização foi, sem dúvida, o muro de arrimo atirantado, que consistiu de linha de estacas metálicas (perfis duplo I soldados), de 12 m de comprimento, espaçadas de 2 em 2 m, e, entre elas, paredes de concreto armado, com 4 m de altura e 30,5 cm de espessura. O muro é escorado por 2 linhas de tirantes, o que permitiu manter um desnível de 2,8 m entre o terrapleno e o fundo da bacia do Tanque P121-B, garantindo a sua integridade. O talude permaneceu estável durante cerca de 30 anos, um atestado sobre o acerto das obras de estabilização citadas acima. 3 OS EVENTOS DE FEV/2005 Em fevereiro de 2005 ocorreram 2 eventos de instabilização: a) um escorregamento superficial, acima da 3 a berma, e b) a aceleração de um fenômeno de deformação lenta ( creep ) ou rastejo, a serem descritos mais adiante. micaxistos, um silte arenoso, medianamente a muito compacto, SPTs de 15 a 40 golpes. Enquanto no talude principal o colúvio apresentava-se com 1 a 3 m de espessura no talude lateral esquerdo variava de 4 a 5 m. O nível d água não foi detectado nas partes mais elevadas do talude principal, mas, no talude lateral situava-se a 2 ou 3m de profundidade, nas partes mais elevadas, e era aflorante nas partes mais baixas. Depreende-se desta descrição que o talude lateral é, na realidade, um corpo de tálus que foi submetido a um corte parcial. 3.2 Escorregamento Superficial O escorregamento superficial ocorreu acima da 3a berma, entre as cotas 70 e 90, aproximadamente (Fotos 2 e 3), e tinha forma conchoidal, com largura máxima estimada em torno de 20m. A sua crista superior sofreu deslocamentos verticais de cerca de 1 m (Foto 4). Com o escorregamento, parte do solo ficou exposto às intempéries e foi lavado pelo intenso fluxo das águas pluviais Caracterização do Subsolo Uma campanha mais abrangente de sondagens revelou a ocorrência, de forma generalizada, de camada superficial de colúvio, com até 5 m de espessura, SPTs de 2 a 7 golpes, sobrejacente a solo residual de alteração de gnaisses e Foto 5: Trincas no revestimento betuminoso

4 Foto 7: Surgências d água no pé do talude Foto 6: Arbustos distribuídos na face do talude, de forma generalizada O revestimento betuminoso apresentava uma série de problemas, desde a existência de trincas (Foto 5) até a proliferação de vegetação (arbustos e até árvores), distribuída em grandes extensões (Fotos 3 e 6). Tais fatos tornaram o revestimento betuminoso inoperante, pois permitiram a infiltração de água na encosta. O pé do talude apresentava sinais de uma grande quantidade de surgências de água, que romperam o revestimento betuminoso (Foto 7). Várias destas surgências mostravam sinais de carreamento de partículas de solo. Todas as canaletas superficiais estavam obstruídas por vegetação e detritos, uma delas inclusive com material betuminoso. Na 3a. e 4a. bermas as canaletas estavam seccionadas por trincas. 3.3 Deformação Lenta O segundo evento (ver as Fotos 2 e 8) envolveu o talude lateral, de menor inclinação, abaixo da cota 60, aproximadamente, em frente ao Tanque P 121-B, com reflexos na pista de uma via de acesso, junto ao acostamento. Trata-se de uma instabilização do tipo rastejo ou deformação lenta ( creep ), fato confirmado por sondagens e a abertura de poços de inspeção, feita recentemente. De fato, esta investigação Canaleta desalinhada 3a. Berma 2a. Berma TALUDE Superfície de Ruptura movimento 1a. Berma PRINCIPAL Bacia do Tanque P121-B MURO DE ARRIMO Foto 8: Vista geral do Talude Lateral, em creep

5 1a. Berma Flecha da deformada Foto 9: Talude lateral em creep - Desalinhamento de canaleta de concreto cisalhando em vários planos, fato constatado pela inspeção feita em poço. Foram observados vários pontos de surgência d água no talude, na superfície do seu revestimento betuminoso, com carreamento de partículas de solo (Foto 7). Após a limpeza da área em creep, constatouse um deslocamento superficial demais de 1 m na sua parte central, como revelado pela flecha da deformada da linha da canaleta das Fotos 8 e 9. Notou-se também que houve um empolamento do solo, logo abaixo da canaleta. Na pista da via de acesso (Av. Perimetral Oeste), junto ao acostamento, notouse a formação de trincas com enrugamento do revestimento betuminoso (Foto 10). A tubulação de água de combate a incêndios, no acostamento desta via, foi deslocada num ponto (Foto 11). Além disso, o muro atirantado, do outro lado da pista, em frente ao Tanque P 121B (Foto 12), sofreu leves desalinhamentos e inclinação em direção à bacia desse tanque. 3.4 Foto 10: Trinca e enrugamento do asfalto da Av. Perimetral Oeste Prováveis Causas As causas das instabilizações foram: a) as intensas e prolongadas chuvas que incidiram na região, nas últimas semanas de janeiro; e b) a falta de uma manutenção adequada. Como os sistemas de drenagem interna e externa estavam inoperantes, parte das águas fluiu livremente pela superfície do talude, encosta abaixo, em queda livre de cerca de Foto 11: Deslocamento de tubulação de água de combate a incêndios confirmou a ocorrência de um corpo de tálus, de 4 a 5 m de espessura, que sofreu processo de plastificação total: a massa de solo movimentou-se como um material viscoso, Foto 12: Muro de Arrimo levemente deformado

6 100m de altura. Mas, face ao estado em que se encontrava o revestimento betuminoso, com trincas e a presença de vegetação, houve intensa infiltração de água no solo, o que gerou uma rede de fluxo interna, parcialmente represado no pé do talude, pelas partes intactas do revestimento, propiciando uma elevação das pressões neutras e, conseqüentemente, uma redução na resistência ao cisalhamento do solo. Em particular, o primeiro evento, isto é, o escorregamento superficial, foi causado pela concentração de fluxo de água que desceu a encosta superior. Contribuíram para a deflagração do escorregamento: as canaletas obstruídas; a existência de vegetação e trincas no revestimento betuminoso; e o não funcionamento de parte dos drenos subhorizontais profundos. Quanto ao segundo evento, ao que tudo indica, a causa foi a subpressão da água infiltrada e parcialmente represada pelo revestimento betuminoso. Não havia drenos sub-horizontais profundos no corpo de tálus, o que provocou o fenômeno de creep citado acima. Os danos foram superficiais, e é possível que esse fenômeno não se degenerou num escorregamento franco graças ao muro de arrimo atirantado, em frente ao Tanque de Óleo P 121-A. 3.4 Uma previsível reincidência dos eventos de 1974/76 Estas instabilizações eram previsíveis se se levasse em conta o histórico da área. Pois o que houve foi uma reincidência de eventos antigos, que afetaram o referido talude na década de 1970, entre os anos 1974/1976. A Foto 2 é aérea e foi tirada em junho de Ela revela que já havia sinais de movimentação do solo nos dois locais, isto é, no talude principal (veja o detalhe na Foto 2) e no talude lateral. A massa de solo, que atualmente está em movimento lento ou creep (evento 2), é a que causa maior preocupação. Foi a instabilização dessa mesma massa, na década de 1970, que determinou a posição do muro de arrimo atirantado, em frente ao Tanque P 121-B. A sua extensão corresponde à base da trinca, em forma de ferradura, cujos contornos estão destacados na Foto 8 e prenunciados na Foto 2 (aérea). O muro de arrimo atirantado está levemente inclinado, com sinais de deterioração e deformações, o que exigiu uma verificação de suas reais condições de estabilidade. Atualmente estão sendo realizados trabalhos de estabilização, com obras de contenção por grampeamento no escorregamento superficial, DHPs em toda a área, trincheiras drenantes e reforço do muro de arrimo por tirantes adicionais, bem como recomendou-se selar as trincas no revestimento. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS O trabalho mostrou que a reativação de fenômenos de instabilização pretéritos pode ocorrer face à deterioração de partes das obras originais de estabilização, mesmo que tenham sido bem concebidas e executadas. Enfatizou a importância de uma manutenção periódica e adequada e que sejam preservados vivos na memória o histórico dos eventos pretéritos e do conceito das obras executadas. Neste contexto, torna-se importante a existência de um Manual de Observação e Manutenção das Obras Executadas, com a programação de inspeções periódicas e leituras de instrumentos, quando existentes, a serem feitas pelas equipes técnicas e de manutenção das instalações industriais, em conjunto. Finalmente, revela que seria possível antever as instabilizações se tivesse havido um acompanhamento com fotos aéreas tiradas periodicamente; ou mesmo um acompanhamento com fotos de satélites, através do google earth, por exemplo. Neste contexto, remete-se o leitor às seguintes coordenadas do google earth : Fly up to: , (isto é, latitude= e longitude= ), onde é possível ver a mesma situação revelada pela Foto 2, que é aérea. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem o apoio recebido da Petrobrás S A e da EPUSP Escola Politécnica da USP - para a realização deste trabalho.

Estabilidade: Talude e Aterro

Estabilidade: Talude e Aterro Estabilidade: Talude e Aterro Introdução Definições gerais - Talude: É o plano inclinado (declive, rampa) que delimita uma superfície terrosa ou rochosa. - Aterro: Preparação do terreno a fim de obter

Leia mais

OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC

OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC SIMPÓSIO SOBRE FUNDAÇÕES E CONTENÇÕES OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC Autor: Samuel Maggioni Mezzomo Eng Civil Geotécnico samuel.mezzomo@arteris.com.br 20.08.2014 ITAJAÍ/SC INTRODUÇÃO E LOCALIZAÇÃO RODOVIAS

Leia mais

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Curso de Multiplicadores em Florianópolis, 24/02/2010 Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Eng. Geotécnica Regina Davison Dias, D.Sc. NUGEOTEC/CENTRO TECNOLÓGICO/UNISUL 24/02/2010 UNISUL

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Gerson Cunha Eng. Maria Francisca

Leia mais

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL Fabiana Y. Kobayashi 3695130 Flávio H. M. Faggion 4912391 Lara M. Del Bosco 4913019 Maria Letícia B. Chirinéa 4912241 Marília Fernandes 4912683 DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL escola politécnica - USP Novembro

Leia mais

CONTENÇÕES DE ENCOSTAS NAS PROVÍNCIAS GEOLÓGICAS DA REGIÃO SUL. Eduardo Azambuja

CONTENÇÕES DE ENCOSTAS NAS PROVÍNCIAS GEOLÓGICAS DA REGIÃO SUL. Eduardo Azambuja CONTENÇÕES DE ENCOSTAS NAS PROVÍNCIAS GEOLÓGICAS DA REGIÃO SUL Eduardo Azambuja Por que as obras viárias tanto se relacionam com a geologia? Obras deitadas; Escala do emprego de materiais naturais; Distância

Leia mais

Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES

Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES 3. 1 Obras de revestimento proteção x obras de contenção Os tipos de obra voltados para a estabilização de encostas evoluem constantemente, em função de novas técnicas

Leia mais

UFABC- Universidade Federal do ABC- PROEXT 2011/2012. Gestão de Riscos Geológicos em Ambiente Urbano: Escorregamentos e Processos Correlatos

UFABC- Universidade Federal do ABC- PROEXT 2011/2012. Gestão de Riscos Geológicos em Ambiente Urbano: Escorregamentos e Processos Correlatos UFABC- Universidade Federal do ABC- PROEXT 2011/2012 Gestão de Riscos Geológicos em Ambiente Urbano: Escorregamentos e Processos Correlatos 2º OFICINA: SOLUÇÕES DE ESTABILIZAÇÃO CLÁUDIA PAIVA DATA: 11/10/2012

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA ES-C01 ESTRUTURAS DE ARRIMO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. S...3 3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS...3 4. MUROS DE CONCRETO ARMADO...4

Leia mais

Fundações I. UNIVERSIDADE: Curso: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio

Fundações I. UNIVERSIDADE: Curso: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio UNIVERSIDADE: Curso: Fundações: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático Aluno: RA: Professor: Disciplina: Professor Douglas Constancio Fundações I Data: Americana, agosto de 2004. 0 FUNDAÇÕES:

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

Soluções de contenções para o projeto da Nova Subida da Serra de Petrópolis (BR-040)

Soluções de contenções para o projeto da Nova Subida da Serra de Petrópolis (BR-040) Soluções de contenções para o projeto da Nova Subida da Serra de Petrópolis (BR-040) Celso Felipe Bora Intertechne Consultores S.A, Curitiba, Brasil, cfb@intertechne.com.br Marcelo Miqueletto Intertechne

Leia mais

DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos

DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos Ciclo de Palestras 2010 DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos Tipos de Escorregamentos de Encostas Soluções de Estabilização Ciclo de Palestras 2010

Leia mais

contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente

contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente /2009 TRANSPORTE Um caso de obra especial: contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente ALBERTO CASATI ZIRLIS* / CAIRBAR AZZI PITTA** / GEORGE JOAQUIM TELES DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

NOÇÕES DE ESTABILIDADE DE TALUDES E CONTENÇÕES

NOÇÕES DE ESTABILIDADE DE TALUDES E CONTENÇÕES NOÇÕES DE ESTABILIDADE DE TALUDES E CONTENÇÕES Profa. Andréa Sell Dyminski, Dr.Eng. asdymi@ufpr.br 1. Introdução Talude pode ser definido como uma superfície inclinada que delimita um maciço terroso ou

Leia mais

2 problemas principais podem requerer tratamento: Permeabilidade / Fluxo na Fundação e Ombreiras Conceitos e critérios diferentes para:

2 problemas principais podem requerer tratamento: Permeabilidade / Fluxo na Fundação e Ombreiras Conceitos e critérios diferentes para: IBC BRASIL Prof. Dr. Roberto Kochen Diretor Técnico Dezembro/2009 55 11 4195- FUNDAÇÔES DE BARRAGENS 2 problemas principais podem requerer tratamento: Deformabilidade Permeabilidade / Fluxo na Fundação

Leia mais

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO Autores Rafael Rivoire Godoi Navajas, Engenheiro Civil graduado pela UFRGS (Universisade Federal do Rio Grande do Sul) 1998.

Leia mais

Utilização de túneis e galerias de drenagem para estabilização de encostas

Utilização de túneis e galerias de drenagem para estabilização de encostas Utilização de túneis e galerias de drenagem para estabilização de encostas Futai, M.M. e Wolle, C. M Escola Politécnica da USP, São Paulo, SP, futai@usp.br e cwolle@usp.br Bastos, I.G, GeoCompany, São

Leia mais

NOTAS GET-CAD. Mg04 -EXECUÇÃO DE ESTACÕES. Mg-04 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA BÁSICA S/ESCALA

NOTAS GET-CAD. Mg04 -EXECUÇÃO DE ESTACÕES. Mg-04 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA BÁSICA S/ESCALA 1 - PARA PROJETO E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS AS DP-F02 - DIRETRIZES DE PROJE- TO PARA FUNDAÇÕES PROFUNDAS DA PCR E A NBR- 6122 - PROJETO E EXECUÇÃO DE FUNDAÇÕES DA ABNT. 2 - AS NORMAS

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

SÉRIE: DISCIPLINA: CARGA HORÁRIA SEMANAL: CARGA HORÁRIA SEMESTRAL:

SÉRIE: DISCIPLINA: CARGA HORÁRIA SEMANAL: CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

Solo Grampeado -Aspectos Executivos do Chumbador

Solo Grampeado -Aspectos Executivos do Chumbador Solo Grampeado -Aspectos Executivos do Chumbador George Joaquim Teles de Souza, Cairbar Azzi Pitta, Alberto Casati Zirlis Diretores da Solotrat Engenharia Geotécnica Ltda Resumo: Ao se pesquisar qual a

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM SUPERFICIAL. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM SUPERFICIAL. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM SUPERFICIAL Prof. Vinícius C. Patrizzi 2 DRENAGEM SUPERFICIAL DRENAGEM SUPERFICIAL OBJETIVOS INTERCEPTAR AS ÁGUAS QUE POSSAM ATINGIR A PLATAFORMA VIÁRIA E CONDUZI-LAS PARA

Leia mais

Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Evolução e Tendências Futuras

Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Evolução e Tendências Futuras Escavações e Escoramentos na Cidade de São Paulo: Ivan Grandis IGR Engenharia Ltda. Jaime Domingos Marzionna ENGEOS Engenharia e Geotecnia S/S Ltda. Escola Politécnica da USP Twin Cities 1 Evolução das

Leia mais

Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010

Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010 Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010 No dia 12/04/2010, realizou-se no Núcleo de Terras e Habitação da Defensoria

Leia mais

As águas podem causar inúmeros problemas nas estradas, dentre os quais:

As águas podem causar inúmeros problemas nas estradas, dentre os quais: Estradas 2 Segunda Parte Drenagem Uma estrada é construída para permitir o tráfego em qualquer condição climática. No Brasil isto é essencialmente verdade nas estações chuvosas, onde ocorrem alagamentos.

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NA CONTENÇÃO EM GABIÕES NO KM 4,7 DA RODOVIA MGT 383

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NA CONTENÇÃO EM GABIÕES NO KM 4,7 DA RODOVIA MGT 383 APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NA CONTENÇÃO EM GABIÕES NO KM 4,7 DA RODOVIA MGT 383 Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: João Carlos Costa Andrade Luiz Augusto Duarte Perdigão Eng.

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais /Departamento de Engenharia dos Materiais / carolineburatto@yahoo.com.br 2

Universidade Federal de Minas Gerais /Departamento de Engenharia dos Materiais / carolineburatto@yahoo.com.br 2 Análise da Eficácia de Métodos de Reforço em Ponte Rodoviária de Concreto Armado - Estudo de Caso Oliveira, Caroline Buratto de Lima 1 e, Calixto, José Márcio Fonseca 2, 1 Universidade Federal de Minas

Leia mais

Ações Emergenciais nas Faixas de Dutos da Transpetro após Chuvas Intensas em 2008

Ações Emergenciais nas Faixas de Dutos da Transpetro após Chuvas Intensas em 2008 Ações Emergenciais nas Faixas de Dutos da Transpetro após Chuvas Intensas em 2008 Hudson Régis Oliveira TRANSPETRO, Guaramirim, Brasil, hudson.regis@petrobras.com.br Guilherme Licodiedoff Cordeiro TRANSPETRO,

Leia mais

A Natureza, Seu Fator de Segurança e os Eventos de SC Reflexões sobre Reconstrução Emergencial

A Natureza, Seu Fator de Segurança e os Eventos de SC Reflexões sobre Reconstrução Emergencial Mesa Redonda Recuperação de áreas Degradadas por Catástrofes e Reconstrução Emergencial A Natureza, Seu Fator de Segurança e os Eventos de SC Reflexões sobre Reconstrução Emergencial Fernando A. M. Marinho

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-D01 OBRAS DE DRENAGEM SUPERFICIAL DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 8 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E BJETIVO... 10 2. S... 10 3. LOCAÇÃO DA OBRA... 12 4. LIMPEZA DO TERRENO...

Leia mais

R E P Ú P L I C A F E D E R A T I V A D O B R A S I L M I N I S T É R I O D O S T R A N S P O R T E S

R E P Ú P L I C A F E D E R A T I V A D O B R A S I L M I N I S T É R I O D O S T R A N S P O R T E S R E P Ú P L I C A F E D E R A T I V A D O B R A S I L M I N I S T É R I O D O S T R A N S P O R T E S DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT SUPERINTENDENCIA REGIONAL NO ESTADO DE

Leia mais

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO GGH/006 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

Leia mais

Muro de arrimo segmentado

Muro de arrimo segmentado 1 de 12 01/11/2010 18:40 Muro de arrimo segmentado Este artigo apresenta a seqüência executiva de um muro de arrimo segmentado. A técnica consiste no reforço de solo pela inclusão de elementos planos (geogrelhas

Leia mais

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos Luiz A. Bressani, PhD Departamento de Engenharia Civil UFRGS bressani@ufrgs.br 18 de março de 2010 Palestra proferida a convite da

Leia mais

APLICAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM IMPREGNADO COM EMULSÃO ASFÁLTICA PARA IMPERMEABILIZAÇÃO DE TANQUES DA AÇUCAREIRA QUATÁ S/A SÃO PAULO

APLICAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM IMPREGNADO COM EMULSÃO ASFÁLTICA PARA IMPERMEABILIZAÇÃO DE TANQUES DA AÇUCAREIRA QUATÁ S/A SÃO PAULO APLICAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM IMPREGNADO COM EMULSÃO ASFÁLTICA PARA IMPERMEABILIZAÇÃO DE TANQUES DA AÇUCAREIRA QUATÁ S/A SÃO PAULO Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Laerte Guião

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

Desastre de 2008 no vale do Itajaí. Água, gente e política

Desastre de 2008 no vale do Itajaí. Água, gente e política Desastre de 2008 no vale do Itajaí Água, gente e política FUNDAÇÃO AGÊNCIA DE ÁGUA DO VALE DO ITAJAÍ CONSELHO EDITORIAL Beate Frank Ernesto Jacob Keim Julio Cesar Refosco Lourdes Maria Pereira Sedlacek

Leia mais

Geotecnia e Fundações, Arquitectura. Geotecnia e Fundações, Arquitectura

Geotecnia e Fundações, Arquitectura. Geotecnia e Fundações, Arquitectura Capítulo 8 TALUDES 1. Tipos de taludes Um talude é uma superfície de terreno exposta que faz um dado ângulo α com a horizontal. Tipos de taludes: Taludes naturais Taludes de escavação Taludes de aterro

Leia mais

UM CASO DE OBRA ESPECIAL: CONTENÇÃO PELO MÉTODO DE SOLO GRAMPEADO, SUBJACENTE A UM SOLO GRAMPEADO PRÉ-EXISTENTE

UM CASO DE OBRA ESPECIAL: CONTENÇÃO PELO MÉTODO DE SOLO GRAMPEADO, SUBJACENTE A UM SOLO GRAMPEADO PRÉ-EXISTENTE UM CASO DE OBRA ESPECIAL: CONTENÇÃO PELO MÉTODO DE SOLO GRAMPEADO, SUBJACENTE A UM SOLO GRAMPEADO PRÉ-EXISTENTE AUTORES Engenheiro Alberto Casati Zirlis, diretor da Solotrat Engenharia Geotécnica Ltda.

Leia mais

Muro de Arrimo por Gravidade

Muro de Arrimo por Gravidade Muro de Arrimo por Gravidade CONCEITO É a solução estrutural mais antiga e por ser relativamente barato e não exigir mão de obra especializada é mais comum. É executado junto a um talude (inclusive de

Leia mais

Eng Mauro Hernandez Lozano

Eng Mauro Hernandez Lozano 1. Problemas, Causas e Soluções 1.1. Trincas 1.1.1. Aterros em Seção Mista 1.1.2. Aterros sem Controle Tecnológico 1.1.3. Atrito Negativo 1.1.4. Rebaixamento do Lençol Freático 1.1.5. Elevação do Lençol

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2 CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes 2.1 Critérios de Projeto de Muros de Arrimo. 2.2 Análises da Estabilidade de Muros de Arrimo. 2.3 Exemplo de Cálculo. Aula

Leia mais

ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM

ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Drenagem e Obras de Arte Correntes nos Projetos de Engenharia de Infraestrutura Ferroviária. 2. FASES

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP.

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP. PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP. Ogura, A.T. Instituto de Pesquisas Tecnológicas, IPT, São Paulo,

Leia mais

Obras com Estrutura de Contenção

Obras com Estrutura de Contenção CAPÍTULO 11 Obras com Estrutura de Contenção Muro de arrimo 11. 1 Outras soluções de contenção 11. 2 189 Todos os muros deverão ser construídos com base em projeto executivo e com acompanhamento técnico

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG DNIT - SREMG João Monlevade - 28/06/2012 ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG RODOVIA: BR-381MG TRECHO: DIVISA ES/MG - DIV. MG/SP

Leia mais

Construções Rurais. Prof. João Marcelo

Construções Rurais. Prof. João Marcelo Construções Rurais Prof. João Marcelo Concreto misturado à mão O concreto armado ou estrutural Trabalhos preliminares São os trabalhos iniciais : elaboração do programa, escolha

Leia mais

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Nina Celeste Macario Simões da Silva (1), José Afonso P. Vitório (2) Romilde Almeida de Oliveira (3) (1)Mestranda, Programa de Pós-graduação

Leia mais

PRS Mediterranean Ltd. Estabilizando um mundo instável Sistema de confinamento celular Neoweb

PRS Mediterranean Ltd. Estabilizando um mundo instável Sistema de confinamento celular Neoweb PRS Mediterranean Ltd. Estabilizando um mundo instável Sistema de confinamento celular Neoweb PRS Mediterranean Ltd. A abordagem da PRS PRS enfrenta os desafios da estabilização de solos com um enfoque

Leia mais

Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010

Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010 Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010 Integrantes da missão: Renato Lima Lázaro V. Zuquette Eduardo Mantovani

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Glauber Carvalho Costa Estradas 1

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Glauber Carvalho Costa Estradas 1 1 a QUESTÃO Supondo que você é o engenheiro responsável pela elaboração do projeto geométrico do Arco Metropolitano do Recife, projeto que irá conectar o pólo de desenvolvimento industrial do litoral norte

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado Ferreira Jr, J. A., Mendonça, M. B. e Saramago, R. P. Terrae Engenharia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil RESUMO: A participação

Leia mais

Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica.

Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica. Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica. A seguir explicitam-se todas as etapas do trabalho de engenharia geotécnica recomendáveis para parecer técnico e ou projeto deste tipo, a fim de: - Orientar

Leia mais

CARACTERÍSTICAS NATURAIS E ANTRÓPICAS AGRAVANTES NOS PROCESSOS DE ESCORREGAMENTOS EM ENCOSTAS URBANAS

CARACTERÍSTICAS NATURAIS E ANTRÓPICAS AGRAVANTES NOS PROCESSOS DE ESCORREGAMENTOS EM ENCOSTAS URBANAS CARACTERÍSTICAS NATURAIS E ANTRÓPICAS AGRAVANTES NOS PROCESSOS DE ESCORREGAMENTOS EM ENCOSTAS URBANAS Mestre e Doutora pela EPUSP- Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Professora do CEFET-SP

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS

PROGRAMA DE CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE ENGENHARIA RODOVIÁRIA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DO EXÉRCITO INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA CONVÊNIO DNER/IME Projeto

Leia mais

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático.

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Aline D. Pinheiro e Paulo César A. Maia Laboratório de Engenharia Civil, Universidade Estadual do Norte Fluminense,

Leia mais

Agradeço a todos que colaboraram para a elaboração e edição desta publicação e aos alunos bolsistas que ajudaram na sua edição.

Agradeço a todos que colaboraram para a elaboração e edição desta publicação e aos alunos bolsistas que ajudaram na sua edição. Apresentação A disciplina Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra foi oferecida pela primeira vêz nesta Faculdade em 1996, logo após sua criação e aprovação nos orgãos colegiados. Foi criada com a intenção

Leia mais

III-102 - REFORÇO DA DRENAGEM DE GASES NO ATERRO SANITÁRIO DA EXTREMA - ESTUDO DE CASO

III-102 - REFORÇO DA DRENAGEM DE GASES NO ATERRO SANITÁRIO DA EXTREMA - ESTUDO DE CASO III-102 - REFORÇO DA DRENAGEM DE GASES NO ATERRO SANITÁRIO DA EXTREMA - ESTUDO DE CASO Sérgio Luis da Silva Cotrim (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal do Rio do Sul - UFRGS em 1993. Mestre em

Leia mais

MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP

MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP Seminário URBFAVELAS 2014 São Bernardo do Campo - SP - Brasil MAPEAMENTO E GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO E SOLAPAMENTO DE MARGEM NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ, SP Fabricio Araujo Mirandola

Leia mais

Aços Longos. Gabiões Belgo. Produtos

Aços Longos. Gabiões Belgo. Produtos Aços Longos Gabiões Belgo Produtos Gabiões Belgo A mais nova solução para obras geotécnicas e hidráulicas Uma linha de produtos com a qualidade Belgo Bekaert para o mercado de construção civil. São elementos

Leia mais

Figura 4.4 Exemplo de escoramento com atirantamento.

Figura 4.4 Exemplo de escoramento com atirantamento. Figura 4.4 Exemplo de escoramento com atirantamento. 36 37 Figura 4.5 Exemplo da seqüência executiva de tirantes. Figura 4.6 Sistema de atirantamento por rosqueamento 38 Figura 4.7 Execução da perfuração.

Leia mais

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco.

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Campos, L. E. P. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, ledmundo@ufba.br Fonseca, E. C. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, evan@ufba.br

Leia mais

Conceitos sobre Estabilidade de Taludes. Fernando A. M. Marinho Escola Politécnica da USP

Conceitos sobre Estabilidade de Taludes. Fernando A. M. Marinho Escola Politécnica da USP Conceitos sobre Estabilidade de Taludes Fernando A. M. Marinho Escola Politécnica da USP 2010 Conceitos Básicos Mecanismos de ruptura U.S. Department of the Interior USGS Fact Sheet 2004-3072 U.S. Department

Leia mais

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação 2 Escolha do tipo de fundação Americana, junho de 2005 0 Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação Americana, junho de

Leia mais

Plano Municipal de Redução de Risco de Muriaé-MG. 3 a ETAPA ITEM 3.1 RELATÓRIO DE AÇÕES ESTRUTURAIS

Plano Municipal de Redução de Risco de Muriaé-MG. 3 a ETAPA ITEM 3.1 RELATÓRIO DE AÇÕES ESTRUTURAIS Plano Municipal de Redução de Risco de Muriaé-MG 3 a ETAPA ITEM 3.1 RELATÓRIO DE AÇÕES ESTRUTURAIS Vitória, dezembro de 2010 Plano Municipal de Redução de Risco de Muriaé-MG 3 a Etapa: PROPOSTA DE AÇÕES

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES CLIENTE: FOLHA 1 de 17 PROGRAMA: FUNDAÇÕES AREA: ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ RESP: SILIO LIMA CREA: 2146/D-RJ Nº GEOINFRA ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E / OU FOLHAS ATINGIDAS Emissão inicial DATA

Leia mais

Análises de Estabilidade e Gestão de Riscos em Sistemas de Disposição de Rejeitos de Minerações de Pequeno Porte

Análises de Estabilidade e Gestão de Riscos em Sistemas de Disposição de Rejeitos de Minerações de Pequeno Porte Análises de Estabilidade e Gestão de Riscos em Sistemas de Disposição de Rejeitos de Minerações de Pequeno Porte Cláudio Renato Carnevalli Dias Brumafer Mineração Ltda, Sabará, Minas Gerais, Brasil Romero

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP FUNDAÇÃO 1. TIPO DE SOLO A primeira parte da casa a ser construída são suas fundações, que

Leia mais

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir:

Os serviços que serão executados na FNS são brevemente resumidos a seguir: SUBPROGRAMA DE MANUTENÇÃO E CAPINA NA VIA FÉRREA Este Subprograma trata do gerenciamento e planejamento da execução dos serviços de manutenção e capina da via férrea que será executado em toda a extensão

Leia mais

Localidade Data Ocorrência Providências

Localidade Data Ocorrência Providências 1 Emergências Chuvas Dezembro 2011/janeiro 2012 TABELA CONCESSÕES ANTT Atualização: 19/01/2012 09: 00 hs UF Rodovia/ Concessão Localidade Data Ocorrência Providências Trânsito/situação atual próximo ao

Leia mais

13 a Aula. Escolha do Tipo de Fundação

13 a Aula. Escolha do Tipo de Fundação Mecânica dos Solos e Fundações PEF a Aula Escolha do Tipo de Fundação Considerações Iniciais Dados: Planta de pilares Cargas Perfil de solo Verificação da ordem de grandeza das cargas apresentadas pelo

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA Dimensionamento MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora

Leia mais

U H E S Ã O S A LVA D O R

U H E S Ã O S A LVA D O R SÃO SALVADOR Estudo de impacto ambiental U H E S Ã O S A LVA D O R Anexos Volume IV Anexo A A-1 Anexo A. Capítulo I Caracterização do empreendimento Anexo A A-2 A1. Fases de Desvio do rio Tocantins para

Leia mais

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM SPT, PROJETO GEOTÉCNICO EM SOLOS E PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO - ESPECIFICAÇÕES GERAIS

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM SPT, PROJETO GEOTÉCNICO EM SOLOS E PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO - ESPECIFICAÇÕES GERAIS PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM SPT, PROJETO GEOTÉCNICO EM SOLOS E PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO - ESPECIFICAÇÕES GERAIS Revisão n.º 1 2 3 4 6 7 Data 18/03/11 01/06/11 Responsável

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO REFORÇADO NO PARQUE DOS PRÍNCIPES, SÃO PAULO SP

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO REFORÇADO NO PARQUE DOS PRÍNCIPES, SÃO PAULO SP UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO REFORÇADO NO PARQUE DOS PRÍNCIPES, SÃO PAULO SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda. PERÍODO 1996 Revisado ABRIL 2011

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) GEOMETRIA DE VIAS 1. INTRODUÇÃO: A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Aterro do acesso interno (próximo à nova central de britagem): Neste

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

APLICAÇÃO DE GEOCOMPOSTO DRENANTE EM MURO DE ARRIMO DE OBRA PARTICULAR NO MORUMBI

APLICAÇÃO DE GEOCOMPOSTO DRENANTE EM MURO DE ARRIMO DE OBRA PARTICULAR NO MORUMBI APLICAÇÃO DE GEOCOMPOSTO DRENANTE EM MURO DE ARRIMO DE OBRA PARTICULAR NO MORUMBI Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Pedro Henrique Plassa Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda.

Leia mais

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Geólogo Agostinho Tadashi Ogura Instituto de Pesquisas Tecnológicas - IPT DESASTRE NATURAL (DN) =

Leia mais

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM 6.1. INTRODUÇÃO A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do seu eixo em planta e pelos perfis longitudinal e transversal. A Fig. 6.1 apresentada

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP MUROS Os muros são construções feitas de alvenaria de blocos de concreto ou tijolos, que tem a

Leia mais

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto Geométrico dos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES DO PROJETO

Leia mais

Blocos e Alicerces CONCEITO

Blocos e Alicerces CONCEITO CONCEITO Os blocos são elementos estruturais de grande rigidez que são ligados pelas vigas baldrame. Sua profundidade varia de 0,5 a 1 metro. São utilizados quando há atuação de pequenas cargas, como em

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-T02 ATERROS COMPACTADOS 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA Í N D I C E PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 4. EQUIPAMENTO...4 5. FUNDAÇÕES

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM E GEOWEB PARA REFOÇO DE ATERRO E PROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE JACIARA MT

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM E GEOWEB PARA REFOÇO DE ATERRO E PROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE JACIARA MT UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM E GEOWEB PARA REFOÇO DE ATERRO E PROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE JACIARA MT Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Paulo Roberto Ferst EPP PERÍODO 2003

Leia mais

MUROS DE ARRIMO EM CONCRETO ARMADO

MUROS DE ARRIMO EM CONCRETO ARMADO CENTRO UNIVERSITÁRIO IZABELA HENDRIX Adriano dos Santos Coelho Claudiane Pinto Ferraz Diego Rodrigues Silva Jonathan de São Miguel Sabino Marlo Duarte Paola de Castro Saggioro Renato Reis MUROS DE ARRIMO

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Casa de força de Belo / vista de montante para jusante. Situação atual

Leia mais

CEMIG DISTRIBUIÇÃO. Autores. Alex Antonio Costa Carlos Miguel Trevisan Noal Eustáquio do Nascimento Amorim Jorge Pereira de Souza Renato Claro Martins

CEMIG DISTRIBUIÇÃO. Autores. Alex Antonio Costa Carlos Miguel Trevisan Noal Eustáquio do Nascimento Amorim Jorge Pereira de Souza Renato Claro Martins A INTEGRAÇÃO DO SESMT COM A ENGENHARIA CIVIL NA ADEQUAÇÃO DAS INSTALAÇÕES VISANDO REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES DE CONSERVAÇÃO E LIMPEZA EXECUTADAS EM DIFERENÇA DE NÍVEL Autores Alex Antonio Costa Carlos Miguel

Leia mais

Um caso de obra: Aeródromo Caiapó Mococa - SP

Um caso de obra: Aeródromo Caiapó Mococa - SP Um caso de obra: Aeródromo Caiapó Mococa - SP Teixeira, A.H. Teixeira, A.A.H. A H Teixeira Consultoria e Projetos S/C Ltda Souza, G.J.T. Pitta, C.A. Zirlis, A.C. Dechen, M. Solotrat Engenharia Geotécnica

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO CURSO: ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÕES E OBRAS DE TERRA II - TEXTO DE AULA

UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO CURSO: ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÕES E OBRAS DE TERRA II - TEXTO DE AULA UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO CURSO: ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÕES E OBRAS DE TERRA II - TEXTO DE AULA 5. Estabilidade de Taludes Os métodos para a análise da estabilidade de taludes, atualmente em uso, baseiam-se

Leia mais

ESTRADAS I I I. 2º semestre 2008

ESTRADAS I I I. 2º semestre 2008 ESTRADAS I I I 2º semestre 2008 E DRENAGEM DE RODOVIAS - OBRAS E.1 REVISÃO Na primeira metade do Século XIX, Metcalf, Telford e Mac Adam, redescobriram a necessidade de manter secos os leitos viários,

Leia mais

FUNDAÇÕES. Prof. Amison de Santana Silva

FUNDAÇÕES. Prof. Amison de Santana Silva FUNDAÇÕES Prof. Amison de Santana Silva O QUE É? PARA QUE SERVE? - Trata-se do elemento estrutural que transmite ao terreno a carga de uma edificação. - Estudo preliminar para tomada de decisão: Cálculo

Leia mais

SUMÁRIO 1.2 ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 3.0 ELABORAÇÃO DE PROJETO COM USO DE COBERTURA VEGETAL A1 TIPOS MAIS FREQÜENTES DE SOLUÇÕES

SUMÁRIO 1.2 ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 3.0 ELABORAÇÃO DE PROJETO COM USO DE COBERTURA VEGETAL A1 TIPOS MAIS FREQÜENTES DE SOLUÇÕES ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ESTABILIZAÇÃO DE ENCOSTAS SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 COMPONENTES ESPECÍFICOS 2.0 CRITÉRIOS DE

Leia mais