IDENTIFICAÇÃO DE PADRÕES ARQUITETURAIS USANDO ENGENHARIA REVERSA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IDENTIFICAÇÃO DE PADRÕES ARQUITETURAIS USANDO ENGENHARIA REVERSA"

Transcrição

1 IDENTIFICAÇÃO DE PADRÕES ARQUITETURAIS USANDO ENGENHARIA REVERSA Marcos Antonio Quináia 1,2 e Paulo Cézar Stadzisz 1 e 1 Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná - CEFET-PR Programa de Pós-Graduação em Eng. Elétrica e Informática Industrial - CPGEI 2 Universidade Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO Resumo A engenharia reversa é o processo de análise de um sistema computacional que possibilita a criação de representações do sistema analisado em outra forma e/ou em outro nível de abstração. O objetivo da engenharia reversa é resgatar informações de valor, presentes nos sistemas computacionais, e representá-las de forma que seja possível o reuso posterior. Esse esforço visa não só melhorar a qualidade geral dos sistemas computacionais mas também aumentar a produtividade do processo de desenvolvimento de software. Este artigo apresenta um método para engenharia reversa que, aplicado a um conjunto de sistemas computacionais pertencentes a um mesmo domínio, gera a descrição de um padrão arquitetural que unifica os sistemas computacionais analisados. Abstract Reverse Engineering is the analysis process of a computational system which enables to create representations of the analyzed system in another form and/or abstraction level. The reverse engineering purpose is to recover valuable information present in the computational systems and represent them to enable its posterior reuse. This effort aims not only to improve the general quality of the computational systems, but also to increase the productivity of the software develment process. This article presents a method for reverse engineering that applied to a set of computational systems pertaining to a same domain generates a description of the architectural pattern which unifies the analyzed computational systems. 1. Introdução Como outros produtos, os sistemas computacionais também se tornam obsoletos ao longo do tempo. Essa obsolescência provoca a necessidade de freqüentes ajustes nos sistemas para adaptá-los às novas tecnologias e, principalmente, às exigências do negócio ou dos usuários [5]. Assim, faz-se necessário encontrar formas para facilitar a manutenção, evolução e reuso de software visando o prolongamento da vida útil dos sistemas computacionais. Uma das grandes dificuldades para a manutenção e reuso de software é a falta ou desatualização da documentação dos sistemas. Ao longo do tempo, todo o conhecimento sobre a arquitetura do software passa a estar contida unicamente no seu código. Neste tipo de cenário a evolução do sistema depende de um esforço de análise de sua documentação para extração de componentes e relações com o objetivo de redescobrir a arquitetura originalmente imaginada. Esta arquitetura de sistema, obtida através de um processo de engenharia reversa, poderá, então, permitir que mudanças ou reusos conscientes possam ser desenvolvidos. Neste artigo prõe-se aplicar um processo de engenharia reversa sobre um conjunto de sistemas computacionais similares (pertencentes a um mesmo domínio 1 ) com o objetivo de produzir um modelo único de arquitetura. Este modelo unifica as arquiteturas dos sistemas analisados em uma representação genérica aplicável a problemas recorrentes. Esta representação genérica é denominada padrão arquitetural. 1 Na engenharia de software, um Domínio abrange uma família de sistemas computacionais que compartilham um conjunto de requisitos comuns [2; 8].

2 O processo prosto parte da análise das interfaces e documentações disponíveis dos sistemas para: a) extrair os requisitos de cada sistema e criar um modelo de requisitos genérico; e b) extrair e analisar os modelos estruturais de cada sistema e criar o modelo de arquitetura do padrão arquitetural. O Padrão arquitetural sintetizado poderá ser reutilizado na instanciação de software para o domínio que o padrão representa, assim como as documentações obtidas servirão para a manutenção dos respectivos sistemas. 2. Resumo do Processo de Engenharia Reversa O processo prosto utiliza os princípios da Análise de Domínio. A Análise de Domínio é uma atividade que tem como objetivo fornecer suporte sistemático para reuso em larga escala através da identificação, captura e organização de partes semelhantes dos sistemas em um domínio, visando melhorar a eficiência do desenvolvimento e manutenção destes sistemas [6; 4; 3]. A aplicação do processo prosto deve considerar pelo menos três sistemas para se configurar a natureza de recorrência de um padrão relativo a um determinado domínio [1]. A Figura 1 mostra um resumo simplificado do processo para a identificação de um padrão. A parte superior da Figura 1 mostra um exemplo de domínio hipotético que é composto de n negócios. Cada negócio é composto por um conjunto de transações ou atividades agrupadas logicamente em encadeamentos aqui denominados serviços. O negócio N 2, por exemplo, é composto por seis serviços que são implementados em três sistemas computacionais (A, B e C). Deve-se notar que poderiam existir mais negócios (N n ) no domínio assim como mais serviços (S m ) no negócio e, também, mais sistemas computacionais que implementassem os serviços. Domínio N 1 N 2 N n Negócios S 1 S 2 S 3 S 4 S 5 S 6 S m Serviços Sistema A Sistema B Sistema C Sistema N Sistemas Computacionais Análise de Requisitos Requisitos dos Sistemas Análise de Arquitetura Análise de equivalência funcional Requisitos do Padrão Diferenciação dos requisitos Requisitos Iniantes Requisitos Variantes Requisitos Opcionais Requisitos Múltiplos Modelos Estruturais dos Sistemas Análise Estrutural Modelo estrutural do Padrão Modelos de Interações dos Sistemas Análise das Interações Modelo de Interações do Padrão Modelos de Estados dos Sistemas Análise dos Estados Modelo de Estados do Padrão Componentes específicos de cada sistema Núcleo do Padrão Figura 1 Identificação de padrão arquitetural em uma família de sistemas pertencentes a um domínio

3 A parte central da Figura 1 mostra duas etapas principais de análise: 1) Análise de Requisitos e 2) Análise de Arquiteturas. Na etapa de Análise de Requisitos procura-se extrair, analisar, classificar e descrever os requisitos que compõem o domínio de aplicação, representado pelo conjunto dos sistemas analisados, de forma que os requisitos genéricos do padrão arquitetural sejam evidenciados. Analisando-se os serviços que os sistemas A, B e C, da Figura 1, implementam, verifica-se que existem alguns serviços que são implementados exclusivamente por um dos três sistemas, outros serviços são implementados por dois sistemas e outros serviços são implementados pelos três sistemas computacionais (e. g. os serviços S 3 e S 4 ) e, portanto, constituem o núcleo do padrão arquitetural. Uma vez identificados esses requisitos, inicia-se a modelagem dos casos de uso, utilizando-se uma extensão da notação UML que está resumida na seção 3. Na etapa de Análise de Arquitetura procura-se verificar as estruturas dos sistemas e sintetizar os componentes estruturais que passarão a fazer parte do padrão arquitetural. As informações extraídas nas etapas de análise de requisitos e de arquitetura são sintetizadas na forma de um padrão arquitetural que representa uma solução genérica para reuso (parte inferior da Figura 1). 3. Extensão da Notação UML para Modelos de Casos de Uso A extensão para modelos de casos de uso, resumida nesta seção, é utilizada para especificar os requisitos funcionais de padrões arquiteturais extraídos mediante a análise de um conjunto de sistemas computacionais que pertençam a um domínio [7]. Tipologia Para Atores e Casos de Uso Esta extensão prosta apresenta a tipologia para atores e casos de uso genéricos identificados quando da modelagem dos requisitos do padrão arquitetural. Os atores e casos de uso clássicos definidos na UML [9] são também usados na modelagem de padrões. Eles representam, respectivamente, atores específicos (entidades externas) e casos de uso específicos (serviços ou funcionalidades do sistema) que estarão presentes em todas as instâncias do padrão arquitetural. Atores e Casos de Uso Opcionais Um ator cional é uma entidade externa ao sistema que pode ou não aparecer em instâncias do padrão (e. g. um administrador de sistema). Um caso de uso cional indica uma funcionalidade que pode ou não aparecer em um sistema que é modelado usando o padrão. (e. g. um diálogo de início de uma sessão. A notação adotada usa o rótulo e um retângulo em volta do ator para indicar que esse ator é cional. Para o caso de uso cional usa-se apenas o rótulo dentro da elipse que representa o caso de uso (Figura 2a). Ator e Caso de Uso Variante Um ator iante expressa uma entidade externa genérica do padrão arquitetural. Por Entidade Externa Genérica pode-se entender uma entidade que existe em toda instância do padrão, porém suas prriedades ou características iam entre as instâncias do padrão (e. g. um software externo implementado em diferentes versões). Um caso de uso iante representa um serviço ou uma funcionalidade genérica. Trata-se de uma abstração ou uma unificação de um conjunto de casos de uso similares. (e. g. um serviço para estabelecer conexão entre computadores por meio de uma rede que possa ser de tipos diferentes). A notação adotada para atores e casos de uso iantes aplica um rótulo ao lado do ícone correspondente (Figura 2b).

4 Ator e Caso de Uso Múltiplo Ator ou caso de uso múltiplo pode aparecer uma ou mais vezes nos sistemas computacionais projetados a partir do padrão. Um ator múltiplo expressa um conjunto de atores do mesmo tipo, isto é, esses atores têm papel similar com relação aos casos de uso aos quais estão associados. (e. g. usuários de um sistema ou as suas impressoras. Pode haver um ou vários usuários do sistema ou impressoras em um dado sistema). Um caso de uso múltiplo indica uma funcionalidade do padrão que pode ter múltiplas execuções independentes em várias threads ou em processadores diferentes, nas instâncias que utilizam o padrão. (e. g. um serviço de controle de dispositivo usado para controlar um certo número de dispositivos externos). A notação adotada para atores e casos de uso múltiplos é um fundo acinzentado no ícone correspondente (Figura 2c). Nome do ator Nome do caso de uso Nome do ator a) Atores e Casos de Usos b) Atores e Casos de Usos c) Atores e Casos de Usos Opcionais Variantes Múltiplos Figura 2 Notação da Extensão para Modelos de Casos de Uso Nome do caso de uso Nome do ator Nome do caso de uso Combinação de Tipos Os três tipos classificadores prostos (cional, iante e múltiplo) podem ser reunidos para permitir combinações desses tipos. Exemplos de combinações são: i) Ator e Caso de Uso Múltiplo e Opcional; ii) Ator e Caso de Uso Variante e Múltiplo; iii) Ator e Caso de Uso Opcional e Variante; iv) Ator e Caso de Uso Múltiplo, Variante e Opcional. 4. Identificação e Descrição de Padrão Arquitetural Os passos descritos a seguir têm o objetivo de servir como metodologia para as etapas de identificação e descrição de um padrão arquitetural. Buscar sistemas que implementam a solução para o domínio do problema Efetuar uma busca por sistemas computacionais e respectivas documentações já desenvolvidos e disponíveis que implementem a solução para a qual se deseja criar o padrão. Buscar, ainda, outras documentações disponíveis para a solução desejada. Análise dos Requisitos Compor uma tabela com as funcionalidades dos sistemas analisados Inicialmente, deve-se montar uma tabela para cada sistema contendo as suas funcionalidades. Essas tabelas (Tabela 1) devem ser exaustivas de modo a conter as funcionalidades de cada sistema. Durante a descrição das tarefas busca-se o agrupamento das funções em possíveis módulos do sistema. Entende-se por módulo uma parte de um sistema computacional que agrega algumas funções desse sistema. Busca-se ainda a identificação de possíveis atores do sistema. ATOR MÓDULO FUNÇÃO Tabela 1 - Módulos e funções de cada sistema

5 Uma vez completas as tabelas (Tabela 1) referentes a cada sistema, deve-se então mesclar essas tabelas retirando módulos e funcionalidades duplicados, formando-se assim uma tabela única (Tabela 2) que represente as funcionalidades de todos os sistemas analisados. Esta tarefa é bastante subjetiva e demanda muita atenção e conhecimento do domínio para mesclar corretamente as funcionalidades duplicadas que são consideradas importantes para o domínio. A nova tabela (Tabela 2), resultante do processo de mixagem das tabelas individuais de cada sistema, permite identificar as funcionalidades que são comuns a todos os sistemas e, também, aquelas que são específicas de algum ou alguns dos sistemas analisados. Ator Módulo Função Sistemas que implementam Bibliotecário Cadastro Cadastrar livro Atendente Movimentação / Circulação Emprestar exemplar Consultar histórico de empréstimos de usuário Devolver exemplar Emitir aviso de devolução em atraso 1 4 Reno empréstimo Reser obra Cancelar reserva de obra Consultar reserva Emitir multa Cancelar multa Ler código de barras Tabela 2 - Módulos e funções dos sistemas Os módulos que comporão o padrão arquitetural devem ser separados nessa tabela. Cada módulo deve conter as funcionalidades que lhe forem concernentes. Esse processo de análise, separação dos módulos e composição desta tabela única permite ainda a definição dos atores do padrão arquitetural. Os atores do padrão são definidos através da análise dos atores de cada sistema. Identificar atores e casos de uso genéricos (iantes, cionais e múltiplos) As funcionalidades descritas na Tabela 2 são transformadas nos casos de uso do Padrão Arquitetural. Assim cada funcionalidade torna-se um caso de uso. A análise dos casos de uso Opcionais é feita diretamente visualizando-se a Tabela 2. Os casos de uso implementados por todos os sistemas analisados são fortes candidatos a fazerem parte do núcleo do padrão arquitetural e, conseqüentemente, serem comuns (não cionais) a todos os sistemas. Os demais casos de uso, implementados por parte dos sistemas, são fortes candidatos a serem casos de uso cionais. Nas duas situações citadas, o projetista com sua experiência e vislumbrando alguma situação que requeira julgamento diferenciado poderá tomar a decisão. Cada caso de uso Variante é analisado à parte nos diferentes sistemas que o implementa, procurando-se por similaridades e diferenças que possam ou não caracterizar esse caso de uso como iante. Para essa tarefa usa-se a relação de equivalência funcional [10], através da qual se pode verificar as similaridades entre as funcionalidades dos sistemas analisados. Os casos de uso Múltiplos são elicitados procurando-se evidenciá-los a partir da observação das funcionalidades de cada sistema que os implementam.

6 Nesse processo de análise procura-se, ainda, identificar os atores genéricos concernentes aos vários casos de uso. Esses atores são identificados através da observação dos atores da cada sistema e o seu comportamento. A Figura 3a mostra um Modelo de Casos de Uso Genérico construído usando a extensão. Análise das Arquiteturas Analisar os diagramas de classes dos sistemas Caso existam, os diagramas de classes dos sistemas deverão ser analisados para a identificação de suas partes na composição do diagrama de classes do padrão arquitetural. Caso não existam esses diagramas de classes dos sistemas, pode-se efetuar um processo de engenharia reversa para cada sistema para extrair os modelos de classes correspondentes de cada sistema. Reser obra Cancelar reserva de obra Bibliotecário CIBibliotecário CCPagar- Multa CIImpressora Impressora InformeValorMulta() ValorMulta Atendente Consultar histórico de empréstimos de usuário Consultar reserva Reno empréstimo Emitir aviso de devolução em atraso Cancelar multa Emprestar exemplar Devolver exemplar Ler código de barras Emitir multa sgbd LeitorOtico Sistema Impressora InformeFormaPagto() JanFormaPagto b) Diagrama de Seqüência evidenciando parte cional e iante FormaPagto FormaPagto ImprimeRecibo() Recibo Mostrando Janela Valor Multa /^CIBibliotecário.Inf ormarvalormulta Mostrando Janela Forma Pagto /^CIBibliotecário.Inf ormarformapagto a) Modelo Genérico de Casos de Uso Imprimindo Recibo c) Diagrama de Estados evidenciando parte cional e iante Figura 3 Diagramas genéricos do padrão arquitetural Desenvolver o diagrama de classes do padrão Nesta fase deverá ser composto o diagrama de classes do padrão arquitetural. Esse diagrama será sintetizado dos diagramas de classes de cada sistema analisado na fase anterior. Esta síntese é baseada em uma análise de equivalência das classes que é composta, basicamente, por quatro passos: 1) Levantamento das classes para cada caso de uso; 2) Definir uma tipologia para as classes baseada nos estereótipos (Controle, Interface e Entidade);

7 3) Para cada ator genérico criar uma classe de equivalência para os estereótipos da tipologia do passo 2; 4) Fazer a unificação ou integração das classes de equivalência para criar as classes genéricas do padrão. Desenvolver os diagramas de seqüência Os diagramas de seqüência para as partes comuns do padrão são desenvolvidos da maneira convencional, utilizando-se os recursos oferecidos pela UML. Já os diagramas de seqüência que representam partes cionais, iantes e múltiplas devem explicitar essas partes colocando nelas um retângulo para delimitá-la da parte comum, como o exemplo da Figura 3b. Desenvolver os diagramas de estados De maneira análoga aos diagramas de seqüência, os diagramas de estado são criados usando-se as convenções da UML. Para se descrever as partes genéricas usa-se um retângulo que evidencia essas partes, como ilustrado na Figura 3c. Desenvolver o diagrama de componentes O padrão arquitetural não deve ser construído como uma única peça. Constroem-se componentes que serão as partes do padrão. Esses componentes são definidos pelo projetista do padrão através da análise dos documentos obtidos dos sistemas que compõem o domínio e também da análise das tabelas e diagramas que compõem a descrição do padrão. Como um exemplo tem-se que, através da análise da Tabela 2 e demais diagramas, pode-se particionar o módulo de movimentação em quatro componentes como descrito na Figura 4a. Esta figura evidencia ainda os componentes cionais através da sigla OP colocada antes dos nomes dos componentes cionais. Este trabalho de criação dos componentes exige uma minuciosa análise, por parte do projetista, para identificar as funcionalidades que possuem características comuns para colocálas em um mesmo módulo. O conhecimento do domínio é importante nessa etapa. Multa + Cancelar multa + OP Emitir aviso de devolução em atraso + Emitir multa Servidor BD BD Sist Biblioteca Servidor Impressão Impressora Empréstimo Servidor de Aplicação + Consultar histórico de empréstimos de usuário + Devolver exemplar + Emprestar exemplar + OP Reno empréstimo Servidor WEB TCP/IP Sist Biblioteca Reserva + Cancelar reserva de obra + OP Consultar reserva + Reser obra CódigoDeBarras + Ler código de barras Navegador: Usuário «executable» Sistema de Biblioteca a) Diagrama de componentes b) Diagrama de Distribuição Figura 4 Diagramas de componentes e distribuição do padrão

8 Desenvolver o diagrama de distribuição O diagrama de distribuição é usado para definir a arquitetura de execução dos sistemas que forem instanciados do padrão arquitetural. Este diagrama apresenta a distribuição dos sistemas computacionais, instanciados do padrão arquitetural, dentro do ambiente de execução, representando dispositivos de hardware ou ambientes de execução de software. A Figura 4b mostra um exemplo aplicável para um sistema que é desenvolvido para WEB. 5. Conclusão e Contribuição Tendo em vista que os padrões de software são considerados como meios de reuso que possibilitam a produção de software em grande escala (produção industrial), pode-se concluir que os sistemas computacionais produzidos a partir de padrões de arquitetura de software tendem a ter maior facilidade de manutenção e evolução pois são baseados em arquiteturas desenvolvidas com maior consciência do domínio de aplicação no qual se inserem. Este trabalho apresenta uma contribuição para a busca, através da engenharia reversa, de informações importantes que contribuam para a construção de padrões de arquitetura de software com vistas ao reuso. O processo resumidamente apresentado nesse artigo tem por objetivo a produção de padrões de arquitetura de software a partir da engenharia reversa executada sobre um conjunto representativo de sistemas de um domínio de aplicação. Busca-se neste processo a elicitação das funcionalidades para a descrição dos requisitos genéricos que comporão o padrão arquitetural, bem como a criação dos componentes arquiteturais do padrão. Os padrões arquiteturais identificados com o processo poderão ser reutilizados em larga escala na composição de novos sistemas computacionais. A documentação obtida a partir do processo de engenharia reversa pode também ser utilizada para a manutenção dos sistemas do domínio analisado. 6. Referências [1] B. Appleton. Patterns and Software: Essential Concepts and Terminology. In: Data de acesso: 07/06/2000. [2] E. V. Berard. Essays in Object-Oriented Software Engineering. Vol 1. Prentice Hall, [3] J. Foreman. Product Line Based Software Develment- Significant Results, Future Challenges. Software Technology Conference, Salt Lake City, UT, Abril, [4] I. Jacobson, M. Griss e P. Jonsson. Software Reuse: Architecture, process and Organization for Business Success. Addison Wesley Longman [5] R. S. Pressman. Software Engineering: A Practitioner's Approach. McGraw-Hill 6 edition, [6] R. Prieto-Díaz. Domain Analysis: An Introduction. Software Engineering Notes 15, 2. Abril [7] M. A. Quináia e P. C. Stadzisz. A Use Case Extension for Architectural Patterns. In: CSITeA 03, Rio de Janeiro, [8] M. Z. Roseti e C. M. L. Werner. Aquisição de Conhecimento no Contexto de Análise de Domínio. In: SBES'99, Florianópolis, [9] J. Rumbaugh, I. Jacobson e G. Booch. Unified Modeling Language Reference Manual. Addison-Wesley [10] P. C. Stadzisz. Contribuition à une Méthodologie de Conception Intégrée des Familles de Produits pour l Assemblage. L Universite de Franche-Comte. (Tese doutorado)

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso O que é Casos de Uso Descrições narrativas de processos do domínio da aplicação Documentam a seqüência de eventos de um ator (um agente externo) usando o sistema para completar, do início

Leia mais

4. Exemplo de Levantamento de Classes...26. 3. Levantamento das Classes...24. 1. Conceito de Classe e Objeto... 15. 1. Modelo de Casos de Uso...

4. Exemplo de Levantamento de Classes...26. 3. Levantamento das Classes...24. 1. Conceito de Classe e Objeto... 15. 1. Modelo de Casos de Uso... Projeto de Software usando UML Sumário Capítulo I : Casos de Uso...3 1. Modelo de Casos de Uso... 3 2. Diagramas de Casos de Uso... 3 3. Exemplo... 9 4. Conclusão... 13 Capítulo II : Levantamento de Classes...15

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Objetivos da aula: Aprender os elementos básicos da modelagem por casos de uso Utilizar as associações entre casos de uso, atores e demais artefatos Compreender

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web } Com o forte crescimento do comércio eletrônico por

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Curso de Licenciatura em Informática

Curso de Licenciatura em Informática Curso de Licenciatura em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita EXERCÍCIOS SOBRE MODELAGEM DE CASOS DE USO Exercício 1: construa um Diagrama de Casos de

Leia mais

Diagrama de Classes. Diagrama de Classes. Diagramas de Classe. POST Criando Diagramas de Classe. Como construir (2)

Diagrama de Classes. Diagrama de Classes. Diagramas de Classe. POST Criando Diagramas de Classe. Como construir (2) Diagrama de Classes Diagrama de Classes Modelo de classes de especificação Perspectiva de Projeto Ilustra as especificações de software para as classes e interfaces do sistema. É obtido através da adição

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Análise Descrição do problema a ser implementado Descrição dos objetos e classes que fazem parte do problema, Descrição

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Sumário. Uma visão mais clara da UML

Sumário. Uma visão mais clara da UML Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Chapecó Ensino Médio Integrado em Informática Módulo V Unidade Curricular: Engenharia de Software Professora: Lara P. Z. B. Oberderfer Uma visão mais clara da

Leia mais

Aula 5 UML: Casos de Uso

Aula 5 UML: Casos de Uso Aula 5 UML: Casos de Uso UML Casos de Uso Introdução Casos de uso Elementos do diagrama de casos de uso Descrição de casos de uso Exemplo: Blog Ferramentas de modelagem Bibliografia 2 Introdução Casos

Leia mais

UML: Casos de Uso. Projeto de Sistemas de Software

UML: Casos de Uso. Projeto de Sistemas de Software UML: Casos de Uso Projeto de Sistemas de Software UML Casos de Uso Introdução Casos de uso Elementos do diagrama de casos de uso Descrição de casos de uso Exemplo: Blog Ferramentas de modelagem Bibliografia

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO 18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO Autor(es) MARINA CALÇA Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS

Leia mais

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Engenharia de Requisitos Exemplo 1 Reserva de Hotel 1. INTRODUÇÃO Este

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência

Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência Milena Alexandre dos Santos Baesso (Mestranda em Engenharia Elétrica) Agenda Ciclo de Vida de um Sistema A Fase de Análise Análise Orientada à Objetos Diagramas

Leia mais

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML André Maués Brabo Pereira Departamento de Engenharia Civil Universidade Federal Fluminense Colaborando para a disciplina CIV 2802 Sistemas Gráficos para

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Modelagem de Casos de Uso (Parte 1) Roteiro Introdução Descrição: Sistema de Ponto de Vendas Casos de Usos Atores Fluxo de Eventos Cenários Formato de Documentação de Casos de Uso Diagramas de Casos de

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS)

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS) AORML uma linguagem para modelagem de uma aplicação Multiagentes: Uma Aplicação no Sistema Expertcop. Hebert de Aquino Nery, Daniel Gonçalves de Oliveira e Vasco Furtado. Universidade de Fortaleza UNIFOR

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes

Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes Um Processo de Engenharia de Domínio com foco no Projeto Arquitetural Baseado em Componentes Ana Paula Blois 1, 2, Karin Becker 2, Cláudia Werner 1 1 COPPE/UFRJ, Universidade Federal do Rio de Janeiro,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

Engenharia de Domínio baseada na Reengenharia de Sistemas Legados

Engenharia de Domínio baseada na Reengenharia de Sistemas Legados 1021 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Engenharia de Domínio baseada na Reengenharia de Sistemas Legados Cássia Zottis¹, Profa. Dra. Ana Paula Terra Bacelo 1 (orientadora) 1 Faculdade de Informática,

Leia mais

09/09/2013. Roteiro. Aula 2 Revisão 2:Diagrama de Sequência. Diagrama de Sequência. Diagrama de Sequência. Biblioteca. Atributos

09/09/2013. Roteiro. Aula 2 Revisão 2:Diagrama de Sequência. Diagrama de Sequência. Diagrama de Sequência. Biblioteca. Atributos Aula 2 Revisão 2:Diagrama de Sequência UML Roteiro Diagrama Sequência Mostra: a evolução de uma dada situação em determinado momento do software uma dada colaboração entre duas ou mais classes a interação

Leia mais

O Processo de Desenvolvimento de Software

O Processo de Desenvolvimento de Software O Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos Contextualizar Análise e Projeto de software dentro de uma metodologia de desenvolvimento (um processo de desenvolvimento de software) Um processo de

Leia mais

Diagrama de Casos de Uso

Diagrama de Casos de Uso Diagrama de Casos de Uso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User Guide Medeiros,

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Introdução Projeto de Arquitetura (Cap 11 - Sommerville) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Até agora, estudamos: Os

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix.

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix. UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas Prof.Marcelo Nogueira Análise Essencial de Sistemas 1 Introdução A produção de Software é uma atividade build and fix. Análise Essencial de Sistemas

Leia mais

O Processo Unificado: Captura de requisitos

O Processo Unificado: Captura de requisitos O Processo Unificado: Captura de requisitos Itana Gimenes Graduação em Informática 2008 Captura de Requisitos Modelagem do negócio: Visão de negócios Modelo de objetos de negócio de negócio Especificação

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software. Engenharia de Software. nelmarpg@yahoo.com.br

Processo de Desenvolvimento de Software. Engenharia de Software. nelmarpg@yahoo.com.br Processo de Desenvolvimento de Software nelmarpg@yahoo.com.br 1 Objetivos Contextualizar Análise e Projeto de software dentro de uma metodologia de desenvolvimento (um processo de desenvolvimento de software)

Leia mais

Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte

Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte Autoria: Denis Silveira, Eber Schmitz Resumo: Este artigo apresenta uma Metodologia Rápida de Desenvolvimento

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Roteiro (1) Método para Modelagem de Casos De Uso Estudo de Caso: Sistema de Controle para Videolocadora Levantamento Inicial dos Casos de Uso Identificação dos Casos

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 Introdução ao RUP Rational Unified Process por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 1 Contexto Não é suficiente apenas a presença de desenvolvedores altamente treinados: Precisamos de uma linguagem para a

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 Daniel de Faveri HONORATO 2, Renato Bobsin MACHADO 3, Huei Diana LEE 4, Feng Chung WU 5 Escrito para apresentação

Leia mais

Apesar de existirem diversas implementações de MVC, em linhas gerais, o fluxo funciona geralmente da seguinte forma:

Apesar de existirem diversas implementações de MVC, em linhas gerais, o fluxo funciona geralmente da seguinte forma: 1 Introdução A utilização de frameworks como base para a construção de aplicativos tem sido adotada pelos desenvolvedores com três objetivos básicos. Primeiramente para adotar um padrão de projeto que

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas

Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Unified Modeling Language Benno Eduardo Albert benno@ufrj.br O que é modelagem Tripé de apoio ao desenvolvimento. Notação: UML Ferramenta: Rational Rose. 2 O que é modelagem

Leia mais

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br MC302A Modelagem de Sistemas com UML Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br Modelamento de Sistemas e Orientação a Objetos O paradigma de Orientação a Objetos oferece um conjunto de características

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Casos de Uso. Prof. Clayton Vieira Fraga Filho site: www.claytonfraga.pro.br e-mail: claytonfraga@gmail.com ENG10015 Engenharia de Software

Casos de Uso. Prof. Clayton Vieira Fraga Filho site: www.claytonfraga.pro.br e-mail: claytonfraga@gmail.com ENG10015 Engenharia de Software Prof. Clayton Vieira Fraga Filho site: www.claytonfraga.pro.br e-mail: claytonfraga@gmail.com ENG10015 Engenharia de Software Um caso de uso descreve o que seu sistema faz para atingir determinado objetivo

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 UML 2 Guia Prático Gilleanes T.A. Guedes Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 Novatec capítulo 1 Introdução à UML A UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem

Leia mais

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE Andrea C. A. Borim 1 Antônio M. Saraiva 2 José M. Fernandes 3 Carlos A. R. Pinto 4 RESUMO A busca pelo aumento da

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE REQUISITOS VARIÁVEIS COM UML, SEGUINDO O MÉTODO ICONIX

REPRESENTAÇÃO DE REQUISITOS VARIÁVEIS COM UML, SEGUINDO O MÉTODO ICONIX REPRESENTAÇÃO DE REQUISITOS VARIÁVEIS COM UML, SEGUINDO O MÉTODO ICONIX Murilo Augusto Tosatti (ICV-Unicentro), Marcos Antonio Quináia (Orientador), e-mail: maquinaia@gmail.com. Universidade Estadual do

Leia mais

Unified Process. Sueleni Mendez Batista. Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita

Unified Process. Sueleni Mendez Batista. Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita Unified Process Sueleni Mendez Batista Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita Processo de Desenvolvimento de Software 8O processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades e resultados

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Rosangela Kronig (UNIP) rkronig.mes.engprod@unip.br Ivanir Costa (UNIP) icosta@unip.br Mauro Spínola (UNIP) mspinola@unip.br Resumo A

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 08 APRESENTAÇÃO Na aula de hoje vamos apresentar e discutir como definir

Leia mais

Engenharia de Software: Introdução. Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes

Engenharia de Software: Introdução. Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes Engenharia de Software: Introdução Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes Programa 1. O processo de engenharia de software 2. UML 3. O Processo Unificado 1. Captura de requisitos 2.

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Diagramas de Casos de Uso

Diagramas de Casos de Uso UML Unified Modeling Language Diagramas de Casos de Uso José Correia, Março 2006 (http://paginas.ispgaya.pt/~jcorreia/) Objectivos O objectivo de um diagrama de casos de uso de um sistema é mostrar para

Leia mais

UML: Unified Modeling Language. Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes

UML: Unified Modeling Language. Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes UML: Unified Modeling Language Graduação em Informática 2008 Profa. Itana Gimenes Unified Modelling Language (UML) Não é uma linguagem de programação. Linguagem de modelagem visual utilizada para especificar,

Leia mais

Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2

Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2 Engenharia de Software Unidade XI UML Parte 2 Prof. Francisco Gerson A. de Meneses Diagramas de Interação... O diagrama de interação na verdade é um termo genérico aplicado à junção de dois outros diagramas:

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução a linguagem UML

Leia mais

Análise e Projeto de Software Para o Treinamento de Pilotos Baseado em Simuladores: Estudo de Caso

Análise e Projeto de Software Para o Treinamento de Pilotos Baseado em Simuladores: Estudo de Caso 1 Análise e Projeto de Software Para o Treinamento de Pilotos Baseado em Simuladores: Estudo de Caso Analysis and Project of Software For the Training of Pilots Based in Simulators: Study of Case Ana Cláudia

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba PLANO DE ENSINO Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba PLANO DE ENSINO CURSO Engenharia Eletrônica MATRIZ FUNDAMENTAÇÃO LEGAL (Resolução do COEPP que aprovou a matriz curricular

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Modelagem OO com UML Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Modelos Maneira

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

Derivando a arquitetura inicial do software de uma central de monitoração de diabéticos a partir do modelo de Negócio da UML

Derivando a arquitetura inicial do software de uma central de monitoração de diabéticos a partir do modelo de Negócio da UML Derivando a arquitetura inicial do software de uma central de monitoração de diabéticos a partir do modelo de Negócio da UML Claudio Yua Shen Ling Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS)

Leia mais

UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração

UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração UML Aula I Diagramas de Caso de Uso, Sequência e Colaboração Ricardo Argenton Ramos Engenharia de Software II 2013.1 Um Exercício Como você pode representar? Uma casa de 2 andares, 4 quartos, 2 banheiros,

Leia mais

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Universidade Federal Rural de Pernambuco Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Docente: Rodrigo Aluna: Thays Melo de Moraes Diagramas do Projeto

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Guia de Modelagem de Casos de Uso

Guia de Modelagem de Casos de Uso Guia de Modelagem de Casos de Uso Sistema de e-commerce de Ações Versão 1.1 1 Histórico da Revisão. Data Versão Descrição Autor 13 de Setembro de 2008 1.0 Criação do documento Antonio Marques 28 de Setembro

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Diagrama de Caso de Uso

Diagrama de Caso de Uso "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Diagrama de Caso de Uso Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 11 APRESENTAÇÃO Nesta aula serão discutidos os conceitos relacionados

Leia mais

Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo.

Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo. UML - Motivação - O que é um modelo? Um modelo é uma simplificação da realidade. Construímos modelos para compreender melhor o sistema que estamos desenvolvendo. O que é um modelo? O que é um modelo? O

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 Análise e Projeto Orientados a Objetos Análise e Projeto Orientados a Objetos O que é Análise e Projeto? Análise o quê Investigação

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2)

Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Modelagem de Casos de Uso (Parte 2) Roteiro (1) Método para Modelagem de Casos De Uso Estudo de Caso: Sistema de Controle para Videolocadora Levantamento Inicial dos Casos de Uso Identificação dos Casos

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

Roteiro para preparação de proposta de Trabalhos Técnico-Científicos

Roteiro para preparação de proposta de Trabalhos Técnico-Científicos 1 Roteiro para preparação de proposta de Trabalhos Técnico-Científicos Prof. Valdemir Carrara www.valcar.net www.carrara.us 2 1 INTRODUÇÃO Na introdução deve-se descrever os objetivos principais do trabalho

Leia mais

TÍTULO: ELICITAÇÃO DE REQUISITOS DE INTEGRIDADE PARA SISTEMAS SEGUROS UTILIZANDO ASPECTOS E DOMÍNIOS

TÍTULO: ELICITAÇÃO DE REQUISITOS DE INTEGRIDADE PARA SISTEMAS SEGUROS UTILIZANDO ASPECTOS E DOMÍNIOS TÍTULO: ELICITAÇÃO DE REQUISITOS DE INTEGRIDADE PARA SISTEMAS SEGUROS UTILIZANDO ASPECTOS E DOMÍNIOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Modelos de Sistemas Leitura: Sommerville; Pressman

Modelos de Sistemas Leitura: Sommerville; Pressman Modelos de Sistemas Leitura: Sommerville; Pressman Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Objetivos Explicar por que é importante modelar o contexto de

Leia mais

ERACE-TOOL - UMA FERRAMENTA BASEADA EM CENÁRIOS PARA À ENGENHARIA DE REQUISITOS

ERACE-TOOL - UMA FERRAMENTA BASEADA EM CENÁRIOS PARA À ENGENHARIA DE REQUISITOS ERACE-TOOL - UMA FERRAMENTA BASEADA EM CENÁRIOS PARA À ENGENHARIA DE REQUISITOS João Caldas Júnior FIL- Fundação Paulista de Educação e Tecnologia Paulo C. Masiero ICMC - Universidade de São Paulo masiero@icmsc.sc.usp.br

Leia mais

Uma visão mais clara da UML Sumário

Uma visão mais clara da UML Sumário Uma visão mais clara da UML Sumário 1 Definição de Objeto...2 2 Estereótipos...3 2.1 Classe fronteira (boundary):...3 2.2 Classe de Entidade (entity):...3 2.3 Classe de Controle (control):...4 3 Interação

Leia mais

SysGCoS: Gerenciador de Controle de Ordem de Serviço

SysGCoS: Gerenciador de Controle de Ordem de Serviço SysGCoS: Gerenciador de Controle de Ordem de Serviço Adriano Alves da Silva 1, José Flávio Gomes Barros 2, Henrique Rocha Fontenele e Jean Carlo Galvão Mourão 3 1 Bacharel em Sistemas de Informação - Faculdade

Leia mais

Sistemas de Informação Aplicados a AgroIndústria Utilizando DataWarehouse/DataWebhouse

Sistemas de Informação Aplicados a AgroIndústria Utilizando DataWarehouse/DataWebhouse Sistemas de Informação Aplicados a AgroIndústria Utilizando DataWarehouse/DataWebhouse Prof. Dr. Oscar Dalfovo Universidade Regional de Blumenau - FURB, Blumenau, Brasil dalfovo@furb.br Prof. Dr. Juarez

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

Um Componente de Gerenciamento de Execução de Workflow Segundo a Abordagem de Linha de Produto de Software

Um Componente de Gerenciamento de Execução de Workflow Segundo a Abordagem de Linha de Produto de Software Um Componente de Gerenciamento de Execução de Workflow Segundo a Abordagem de Linha de Produto de Software Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Radames J. Halmeman 1 radames@cm.cefetpr.br Fabrício R.

Leia mais