GT30. Renovação urbana e grandes eventos: mobilizações coletivas, políticas públicas e práticas informais na concepção, produção e gestão da cidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GT30. Renovação urbana e grandes eventos: mobilizações coletivas, políticas públicas e práticas informais na concepção, produção e gestão da cidade"

Transcrição

1 GT30. Renovação urbana e grandes eventos: mobilizações coletivas, políticas públicas e práticas informais na concepção, produção e gestão da cidade CONVIVÊNCIA INTERCULTURAL E POLITICAS CULTURAIS LOCAIS: SABERES TEÓRICOS E PRÁTICOS Beatriz Padilla (com Joana Santos) ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, CIES-IUL, Lisboa, Portugal Resumo As sociedades contemporâneas se caracterizam hoje por possuir um certo grau de diversidade, que varia conforme vários padrões e situações, embora um elemento que definitivamente tem vindo a contribuir no processo de transformação e incorporação da dita diversidade, é a imigração. Uma forma comum de abordar este fenómeno é faze-lo olhando para a chamada integração dos imigrantes, no entanto esta abordagem integracionista implica limitações. Um olhar diferente e mais abrangente resulta ao tentar perceber por um lado, como decorre a convivência intercultural a nível local (cidade/bairro) o que significa um olhar às relações entre autóctones e imigrantes no quotidiano e, por outro lado, como a organização de eventos interculturais, como política cultural da cidade/bairro, pode ser uma nova via de comunicação que fomenta o diálogo entre os diferentes grupos locais e o estado (câmara municipal). Esta parceria de stakeholders pode servir aos objectivos de renovação urbana, em bairros degradados onde os imigrantes convivem com autóctones identificados com culturas nacionais de cariz popular. Pretendemos explicar como convivem o cosmopolitismo com o bairrismo e como as políticas culturais ajudam ou não nesta convivência intercultural, tentando desvendar se as práticas ultrapassaram ou não o chamado imaginário dos descobrimentos e a lusofonia como justificação do diálogo. O trabalho que se apresentará faz parte dum projecto binacional (Portugal/Espanha) que compara duas cidades (Lisboa/Granada) e utiliza como método a etnografia em espaços formais e informais. Na aproximação aos conceitos de culturas de convivência e super-diversidade, começamos por desafiar o significado comum de multiculturalismo e interculturalidade do presente. A 1

2 globalização muitas vezes leva-nos a pensar que ser cosmopolita, multi ou intercultural e sensível a diversidade é um produto da história contemporânea sem antecedentes. Esta afirmação não é completamente verdadeira. Aliás, partir deste pressuposto é alinhavar uma reflexão que parte de uma visão reificada e estanque da noção de cultura. Uma vez que a cultura se manifesta através da interacção, ela é resultado de dinâmicas relacionais entre actores sociais e a interconexão complexa que se estabelece entre estruturas objectivas e subjectivas de existência. Deste modo, poder-se-á alegar que a cultura é a manifestação de sociabilidades que são quotidianamente forjadas (constituem uma articulação entre dimensões incorporadas das estruturas sociais e a experiência vivida dos sujeitos). Deste modo, não é possível abordar a cultura, a interculturalidade (e outros termos análogos) sem ter em consideração que estas noções se referem fundamentalmente a processos que resultam das relações sociais em que os sujeitos se encontram imersos (Toren, 1999). Todavia, a globalização efectivamente contribui para que a circulação de imaginários, discursos, atribuindo à comunicação seja mais veloz e nessa medida contribui para que o ritmo das transformações e a interacção entre mundos distintos sejam mais efémeros e mais difíceis de circunscrever. Valerá então a pena reforçar a ideia sustentada por Garcia Canclini, sendo esta a de que as culturas mudam e evoluem incorporando elementos de outras culturas, quer seja pela invasão, a migração, o turismo, quer seja mais recentemente por intermédio da internet e da televisão. As culturas por definição não são estáticas mas dinâmicas, ainda que no momento de as estudar, consigamos identificar elementos e características que as singularizam e/ou diferenciam umas das outras. Numa era cuja interdependência é exponencialmente mais visível e experienciada, as relações de poder assumem contornos multi -direccionais assumindo configurações que resultam da especificidade dos actores sociais e das instituições (em que se combina a manipulação de símbolos no espaço mediatizado). Se adoptarmos uma visão herdada de Bourdieu sobre o processo de construção identitária, ressalva-se que tem subjacente uma lógica política no campo social, e reside na capacidade que os grupos têm se definirem e criarem mecanismos para se defenderem. Assim, o mundo social é mediado por categorias construídas no espaço social. 2

3 Um olhar histórico às sociedades ajuda a perceber as mudanças, especialmente aquelas trazidas ou provocadas pelas migrações. Neste sentido, concordamos com Harvey que a compressão do tempo e espaço, são algumas das novas características das sociedades contemporâneas e possivelmente um novo marcador das diversidades e da mudança cultural, dando origem a práticas culturais mais imprevisíveis e voláteis. Uma última consideração antes de entrar no tema, é salientar que, tal como o assinalou Tourraine, hoje vivemos as forças centrípetas e centrífugas da diversidade e da homogeneidade na qual a cultura tem um papel duplo de unir e dividir ao mesmo tempo, e neste sentido, podemos perceber como na cidade intercultural e cosmopolita, o cultural é também uma força económica (Santos 2008) e até política. Tensões entre conceitos universais com instrumentalizações particulares e particularismos instrumentalizados procurando alcançar o universal, são dinâmicas presentes no domínio da definição de políticas e práticas de intervenção social, não descurando nesta amálgama a própria definição dos sujeitos, cuja identidade se cria e recria (é negociada) ao sabor da convivialidade e sociabilidade decorrente da interacção e mobilidade encetada pelos sujeitos nos diversos espaços públicos e privados por onde se mobilizam, também eles pautados pelas vicissitudes advindas das relações de poder (Ribeiro, 2003). Tendo isto em conta e partindo do pressuposto que as cidades e as metrópoles hoje pretendem ser interculturais e cosmopolitas, nós temos como objectivo desenvolver uma abordagem às relações sociais e ao contacto cultural, partindo de uma perspectiva que reconhece os contextos de convívio como campos de poder onde diversas tensões emergem. Deste modo pretendemos desenvolver uma compreensão sobre as dinâmicas assim como os factores históricos, sociais e pessoais que intervêm na disponibilidade (ou não) dos sujeitos em conviver num meio etnicamente e culturalmente diversificado. Neste contexto o conceito de convivialidade apontado por Paul Gilroy, é-nos útil na medida em que este o define como sendo um conceito que designa processos de co-habitação que tornam o multicultural um fenómeno recorrente da vivência quotidiana ( ) é um conceito que aufere da capacidade de nos facultar recursos de distanciamento no que respeita à análise de raça, etnicidade e políticas. Também Vertovec, propõe o conceito de super-diversidade como um instrumento que possibilita ultrapassar as limitações associadas à projecção e imposição de categorias como a etnia, que eventualmente acaba por ofuscar a emergência de novas 3

4 conjunções estabelecidas pela interacção entre várias outras variáveis e indicadores manifestamente expressas nas realidades sociais. Explicitado os referenciais teóricos e algumas das ferramentas analíticas que elas nos facultam importa mencionar que o trabalho desenvolvido, tem como base uma forte componente etnográfica em dois bairros diferentes de Lisboa, onde a super-diversidade e o convívio cultural assumem maior visibilidade (Mouraria e Cacém). Marco conceptual Como estudar a temática da convivencialidade e da diversidade de uma forma não tradicional? Ou seja, não focando-nos só nos imigrantes mas também incluindo os nacionais. Porque Lisboa e Granada e não Portugal e Espanha? A partida pensamos que o nível de generalização do nacional é demasiado abstracto e pouco preciso, e que o olhar nacional não retrata correctamente as características do local nem do bairro. No caso de Portugal, o fenómeno da imigração a nível nacional não é tão relevante como ao nível da Área Metropolitana de Lisboa, que concentra mais do 50% do fenómeno. No caso da Espanha, por um lado o fenómeno adquire características regionais muito diferentes e por outro, as comunidades autónomas desenvolvem uma diversidade de políticas para lidar (bem ou mal) com a imigração. Dai, que o estudo a nível local, seja desejável, e mais útil e permita também uma melhor comparação de âmbitos locais. Mesmo assim, o local pode ainda ser focado ao nível da área metropolitana, da cidade ou do bairro. No nosso caso, optamos por dois níveis, a área metropolitana e o bairro (embora podem existir diferentes definições do bairro). A área metropolitana foi escolhido porque na sedentarização e fixação da imigração, a ocupação dos espaços pode não coincidir com os limites geográfico da cidade, mas sim acontece geralmente dentro das denominadas áreas metropolitanas (AM) localizadas à volta das grandes capitais e que podem ou não funcionar em lógicas de cidades dormitórios, e onde muitas vezes acontecem os fenómenos de realojamento e/ou de fixação das populações migrantes (rurais e internacionais). Contudo, no coração das AM, geralmente no centro da cidade, acontecem fenómenos de degradação urbana onde também algumas populações migrantes se instalam em bairros populares. Em qualquer dos casos, interessa comparar como acontece tanto a convivência 4

5 entre nacionais e imigrantes e como decorrem as práticas e políticas culturais dentro do seio dos bairros. Assim a metodologia escolhida é o da etnografia duplamente multi situada dentro da AM e dos bairros, em Lisboa e Granada, embora hoje apresentemos só o caso de Lisboa, e pretendemos desvendar: 1-) como a convivialidade acontece no espaço public dos bairros ecolhidos: mercados, praças, ruas, negócios, sociabilidades evidentes, etc. (como a convivencialidade é vivida, experimentada /sofrida) 2) como a interculturalidade /diversidade é ensinada /aprendida /vivida nas escolas 3-) como a convivialidade é planificada / organizada para ser mostrada num evento intercultural, como exemplo claro de política cultural. Nesta apresentação, o foco será ao nível dos bairros, mesmo que inseridos nas AM de Lisboa, onde os imigrantes oferecerem o capital simbólico para enriquecer a cidade diversa cosmopolita, embora também sejam vistos ou percebidos como problema social a nível local. Embora ambas as áreas delimitadas para o estudo sejam efectivamente espaços caracterizados por uma diversidade cultural efervescente, situam-se em áreas que efectivamente suscitam representações sociais e imaginários distintos. Sintra, embora tenha um número significativo de redes sociais culturalmente diversificadas, do ponto de vista da imagem pública que cultiva, esta tende a apostar no turismo (dirigido ao centro) com referências a legados históricos, (optimizando os recursos que possui em termos de e monumentos e edifícios), a questão de diversidade cultural tende a não ser enaltecida enquanto dimensão potenciadora de mais-valia (pelo menos no que concerne do ponto de vista turístico, sendo que é passível de ser enquadrada em domínios relacionados com a segurança). Lisboa tende a apresentar-se mais como cosmopolita e intercultural, onde se entrecruzam dimensões como o lazer (turismo), o trabalho e a habitação (englobando neste domínio aspectos relacionados com a imigração, comércio tradicional, comércio étnico ). Isto significa que as políticas de renovação e revitalização que actualmente 5

6 decorrem em determinadas áreas de Lisboa (como é o caso da Mouraria) são perpassadas também por agendas culturais que englobam turismo, gastronomia, entre outros aspectos que abrem maiores possibilidades à co-existência entre imigrantes e nativos. Esta duas imagens co-existem no que nós denominámos como cosmopolitismo globalizado e localismo exótico (numa primeira abordagem) São através destas (talvez) imagens antagónicas, enquadramos as culturas de convívio. In these antagonic, maybe not, images, we frame the convivial cultures. Algo que suscita algum interesse e atenção é o facto de o discurso dos descobrimentos ser algo até ao momento absolutamente ausente, quer em reuniões, quer em conversas com os nosso interlocutores. Atendendo precisamente aos nossos interlocutores, e a invocação recorrente da vontade e necessidade de desenvolver um convívio salutar, renovar a Mouraria e dialogar, não deixamos (embora ainda seja uma hipótese preliminar que começa a transparecer através do terreno) de suspeitar que o discurso dos descobrimentos neste contexto e tendo em vista os objectivos dos actores sociais (institucionais mas não só), que procuram na diferença, um bem comum, seria um discurso contra producente. Na medida em que é um discurso, cuja instrumentalização possivelmente não produziria os efeitos pretendidos, tendo em conta todo o conjunto de representações (contraditórias) que lhe está associado (por um lado, a grandiosidade da nação portuguesa, a coragem a bravura e por outro fenómenos e condenáveis factos históricos como sendo a colonização, a escravatura, a hegemonia etc.). Instrumentos e Ferramentas teórico - analíticas: No que respeita aos quadros e conceitos (ferramentas analíticas) de que nos munimos, seguimos a sugestão da Mary Louise Pratt (1992) e a noção de espaço de contacto (contact space) por si apontada, para expressar o estabelecimento e desenvolvimento de relações entre pessoas geograficamente e historicamente separadas. Também entendemos que o recurso que Wise (2007) faz da noção de espaço de contacto e da comunicação 6

7 (improvisada) entre culturas diariamente encetada pelos actores sociais, como meio de desvendar as estratégias mundanas que as pessoas desenvolvem com intuito de cultivar e amenizar as eventuais diferenças nos é particularmente útil. De acordo com Wise, as estratégias mundanas são denominadas de transversalidade quotidiana que consiste na troca, estabelecida entre diferentes pessoas, que fomenta diversos processos de reconfiguração identitária. Ela recorre aos termos Intertwined biographies & Transversal enablers. A noção de transversalidade sustentada por Wise, tem como base outra noção, sendo esta a de políticas transversais desenvolvida pela Nira Yuval-Davis (2004). Esta noção pretende ilustrar as estratégias inter grupais que pretendem ultrapassar o conflito, por intermédio de diversos processos de negociação, que induzem reconfigurações identitárias nos sujeitos. Por fim, socorremo-nos também de Santos (2008) e da sua sugestão no que respeita à crescente importância das políticas culturais direccionadas para a diversidade, como meio e instrumento de revitalização e renovação urbana (resolvendo problemas) que simultaneamente fomenta o turismo e o marketing cultural (criação de empregos). A seguinte tabela sintetiza as características dos bairros ou zonas estudadas: Mouraria Centro histórico Imigrantes recém-chegados Autóctones - Idosos - Jovens profissionais/artistas Sociedade civil organizada Brecha geracional Mercado imobiliário - Aluguer Cacém Periferia Imigrantes sedentarizados / descendentes Autóctones - Retornados e migração interna - Classe operária e média trabalhadora Sociedade civil pouco organizada Várias gerações representadas Mercado imobiliário - Proprietários 7

8 Redes sociais e familiares endogámicas Concentração negócios étnicos Diversidade religiões Redes sociais diversificadas Pouca visibilidade dos negócios étnicos Diversidade religiosa cristâ A Mouraria, tem sido um espaço de alguma história de intervenção urbana, com vários programas implementados ao longo do tempo. O último está a ser implementado neste momento e é conhecido como QREM, Plano de Desenvolvimento Social, no qual partcipam várias entidades que trabalham em parcerias (câmara municipal, associações, etc). Dos vários parceiros podemos mencionar o Alto-Comissariado para a Imigração e o Diálogo Intercultural (ACIDI) localizado perto ou no limiar do bairro, o novo gabinete do presidente da Câmara Municipal de Lisboa (no Largo do Intendente) que tem como objectivos limpar/melhorar a imagem do bairro, e promoer a economia e os negócios a nível local. Dentro do conjuntos de acções previstas, no relativo a políticas de renovação urbana, está se promovendo as denominadas de cultural block, no que se refere as políticas culturais e turísticas, pretende-se incluir o bairro da Mouraria no mapa mapa turístico de Lisboa capital, ilustrando o tradicional e cosmopolita ao mesmo tempo. Ainda em 2011, Lisboa foi sido nomeada e reconhecida como cidade intercultural, integrando agora a rede de cidades interculturais (devido ao trabalho desenvolvido no Festival Todos de 2009, que teve lugar na Mouraria. Uma primeira aproximação, permite-nos sugerir os seguintes tipos de convive Tipos de Convivialidade: - Convivialidade Económica (intercambio) nos centros comerciais e arredores Com vizinhos (compras quotidianas) Consumos étnicos e cosmopolitas 8

9 Vendas de retalho - Convivialidade Turística Itinerários turísticos Visitantes / turistas pedestres - Convivialidade social, cívica, religiosa, cultural (proximidade & distancia) - Convivialidade nos eventos interculturais (vizinhos, autoridades, artistas, associações e pessoas de outsiders) - (Não) Convivialidade dos conflitos e as tensões (tráfico de drogas, prostituição, delinquência, etc.) No caso o Cacem, a situação é muito diferente. Ela é uma cidade semi-dormitório, mas com vida própria, e que recentemente tem sido algo duma nova reconfiguração administrativa (2001), pelo que as Juntas de Freguesias do antigo Cacém (Agualva, Mira- Sintra, São Marcos) do antigo território que integravam o Cacem, são novas e a ideia (comunidade imaginada) do Cacem como um todo ainda está presente. Assim, afirmamos que o Cacém tem múltiplas identidades: Cacém como comunidade imaginada Cacém como junta de freguesia Cacém como espaço de contacto Estas mudanças significaram a reorganização do distrito escolar, mas até agora tem sido algo de uma renovação urbana limitada à nova estação dos comboios e avenida comercial. A ideia subjacente é a de melhorar a imagem do espaço à volta do comboio como passo obrigatório dos turistas em caminho de Sintra. Assim os tipos de convivialidade identificados neste território são: - Convivialidade económica de negócios tradicionais e étnicos (para os vizinhos) - Convivialidade social, religiosa e cultural (proximidade & distancia) - Convivialidade dos conflitos e tensões (tráfico de drogas, delinquência juvenil, etc.) 9

10 - Convivencialidade dos eventos interculturais mais limitada porque evento é organizado fora do bairro Estes tipos de convivialidade não tem consequências (spillovers) para o bairro. Politicas de Intervenção Urbana Estes tipos de politicas podem adquirir diferentes elementos. Consideramos que os elementos fundamentais no relativo à nossa preocupação intercultural, são: Acrescenta o elemento imigrante Significado simbólico e económico os eventos interculturais Espaço de contacto, familiarização do outro com o bairro Característica da interculturalidade Imigrantes: são objecto e não sujeitos de políticas culturais Potencial dos eventos: por exemplo o Festival TODOS e semelhantes Uma comparação rápida ao fenómeno estudado indica que mesmo que a escala ou dimensão varie, as políticas de renovação urbana e as políticas culturais podem fazer a diferença. Igualmente, podemos pensar que a localização cêntrica, mesmo que seja um bairro degradado, também tem uma importância ao alcance a as possibilidades de intervenção e de desenvolvimento quer seja de políticas culturais quer seja de renovação ou requalificação urbana. Quando a renovação urbana vai acompanhada dum investimento no potencial cultural (especialmente intercultural) e turístico, o impacte parece ser maior. Até o momento do congresso, em Agosto, esperamos ter mais tempo para avançar na análise. 10

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

REMAx u m d e s a f i o a ç o r i a n o GT 4 REDES E PARCERIAS

REMAx u m d e s a f i o a ç o r i a n o GT 4 REDES E PARCERIAS REMAx u m d e s a f i o a ç o r i a n o GT 4 REDES E PARCERIAS Apresentações: Sub-Grupos de trabalho 1. Redes e parcerias no contexto da abordagem global da Terra como bem comum; 2. A relação entre o

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010 REGULAMENTO

Leia mais

Por fora podemos ser diferentes, mas por dentro somos todos iguais.

Por fora podemos ser diferentes, mas por dentro somos todos iguais. CONCLUSÕES DO III CONGRESSO APRESENTAÇÃO DOS RELATORES Por fora podemos ser diferentes, mas por dentro somos todos iguais. Tomás, 9 anos Projecto Intervir em Marvila na EB1 Dr. João dos Santos Painel 1

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul 1. Identificação do Recurso Endógeno e do Território Alvo PROVERE Beira Baixa: Terras de Excelência : Conjugar a valorização do território, dos produtos

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural Licença para Criar: Imigrantes nas Artes em Portugal Magda Nico, Natália Gomes, Rita Rosado e Sara Duarte Maio de 2007, Estudos OI 23 Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI)

Leia mais

O PAPEL DA GESTÃO DE ÁREA URBANA NO SUCESSO DAS OPERAÇÕES INTEGRADAS DE REABILITAÇÃO J. Braz Pereira UGAU CHP

O PAPEL DA GESTÃO DE ÁREA URBANA NO SUCESSO DAS OPERAÇÕES INTEGRADAS DE REABILITAÇÃO J. Braz Pereira UGAU CHP O PAPEL DA GESTÃO DE ÁREA URBANA NO SUCESSO DAS OPERAÇÕES INTEGRADAS DE REABILITAÇÃO J. Braz Pereira UGAU CHP PORTO VIVO, SRU SEMINÁRIO ALFÂNDEGA DO PORTO 4 E 5 DE DEZEMBRO DE 2009 Pressuposto O impacto

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Enquadramento 02 Justificação 02 de implementação 02 Destinatários 02 Sessões formativas 03 Módulos 03 1 e instrumentos

Leia mais

Encontro Os Jovens e a Política

Encontro Os Jovens e a Política Encontro Os Jovens e a Política Grupo de Trabalho de Política Local 2 Recomendações às Organizações de Juventude - Promover a formação de líderes e dirigentes associativos juvenis. 3 Recomendações ao Governo

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

III Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 15 de Outubro de 2010, Ponta Delgada, Açores Saúde em Todas as Políticas Locais

III Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 15 de Outubro de 2010, Ponta Delgada, Açores Saúde em Todas as Políticas Locais III Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 15 de Outubro de 2010, Ponta Delgada, Açores Saúde em Todas as Políticas Locais I Sessão Plenária: Saúde em Todas as Políticas Locais Reduzir as Desigualdades

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

INTELI Centro de Inovação (PT)

INTELI Centro de Inovação (PT) INTELI Centro de Inovação (PT) CLUSTERS CRIATIVOS Criatividade para a Regeneração Urbana X Fórum Internacional de Inovação e Criatividade Aracaju, 20 Novembro 2010 Estrutura da Apresentação 1. Clusters

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a Migração no Mediterrâneo Ocidental Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Diálogo 5 + 5 Quinta Conferência Ministerial sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Conclusões da Presidência Nos dias 12 e 13 de Dezembro de 2006 teve lugar

Leia mais

ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO

ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO Silvia A Guarnieri ORTIGOZA Magda Adelaide LOMBARDO Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª Recomenda ao Governo a definição de uma estratégia para o aprofundamento da cidadania e da participação democrática e política dos jovens A cidadania é, além de um

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Expansão, qualidade e eficiência do Ensino Superior em Moçambique

Expansão, qualidade e eficiência do Ensino Superior em Moçambique A Gestão Académica como determinante da Qualidade de Ensino Rodrigues, M.A.F 1. e Cassy, B 2 e-mail: malexa.rodrigues@gmail.com; bhangy.cassy@unizambeze.ac.mz Palavras-Chave: gestão académica, qualidade

Leia mais

Índice. Quem somos... 3. Comunicação... 4. Parcerias e eventos... 5. Contactos... 6

Índice. Quem somos... 3. Comunicação... 4. Parcerias e eventos... 5. Contactos... 6 MARKETING SOLUTIONS Índice Quem somos... 3 Comunicação... 4 Parcerias e eventos... 5 Contactos... 6 2 Quem somos AGAINSTIME é uma empresa de consultoria de serviços em Marketing, que surge no mercado numa

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

Educação para os Media e Cidadania

Educação para os Media e Cidadania Educação para os Media e Cidadania Sara Pereira Instituto de Estudos da Criança Universidade do Minho Com este artigo procura-se reflectir sobre a educação para os media como uma forma e uma via de educar

Leia mais

Desafios da Extensão Rural e dos Programas de Pós-graduação no Brasil

Desafios da Extensão Rural e dos Programas de Pós-graduação no Brasil Desafios da Extensão Rural e dos Programas de Pós-graduação no Brasil Sheila Maria Doula Ana Louise de Carvalho Fiuza Wander Torres Costa Alexandra Santos Programa de Pós-graduação e Extensão Rural UFV/Brasil

Leia mais

Governança urbana, Estratégia 2020 e Crescimento Inteligente: Da retórica das cidades criativas à facilitação das dinâmicas criativas

Governança urbana, Estratégia 2020 e Crescimento Inteligente: Da retórica das cidades criativas à facilitação das dinâmicas criativas Governança urbana, Estratégia 2020 e Crescimento Inteligente: Da retórica das cidades criativas à facilitação das dinâmicas criativas Pedro Costa Instituto Universitário de Lisboa ISCTE-IUL (Dep. Economia

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações:

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações: Nr Área Recomendação Valido Abstenh o-me C/6 E/7 F/7 Voluntariado Aproveitar espaços sem utilização para fazer jardins, espaços para convívio e locais de desporto para a população. Promover a limpeza dos

Leia mais

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real A referenciação dos percursos como componentes da estrutura edificada (in Magalhães, Manuela; Arquitectura

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

ORGANIZAÇÕES DE/PARA E COM JOVENS: ponderações sobre a participação juvenil

ORGANIZAÇÕES DE/PARA E COM JOVENS: ponderações sobre a participação juvenil ORGANIZAÇÕES DE/PARA E COM JOVENS: ponderações sobre a participação juvenil Maria do Socorro Sousa de Araújo 1 Maria Betânia Silva Magalhães 2 Resumo: Apresentação dos dados da pesquisa visando identificar

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão.

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Projecto Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Tempo de escassa encomenda e recursos económicos e consequentemente de alteração de paradigmas sociais e profissionais.

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores CONTRIBUTO DA ASSOCIAÇÃO REGIONAL PARLAMENTO EUROPEU DOS JOVENS NÚCLEO AÇORES PARA O LIVRO BRANCO DO COMITÉ DAS REGIÕES SOBRE GOVERNAÇÃO A VÁRIOS NÍVEIS A (PEJ-A) responde ao desafio do Comité das Regiões

Leia mais

Plano de Actividades do CEA para 2006

Plano de Actividades do CEA para 2006 Plano de Actividades do CEA para 2006 A Direcção do CEA propõe-se preparar as condições para atingir diferentes objectivos e procurar apoios para a sua realização. 1. Objectivos Prioritários 1.1 Redesenhar

Leia mais

Curso de Especialização em Sociologia Mobilidades e Identidades

Curso de Especialização em Sociologia Mobilidades e Identidades Curso de Especialização em Sociologia Mobilidades e Identidades Objectivos O Curso de Especialização em Sociologia Mobilidades e Identidades pretende fornecer aos futuros profissionais da área da Sociologia

Leia mais

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Escola Básica e Secundária de Velas Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ao abrigo do Decreto-Lei N.º74/2004, de 26 de Março com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

Luis Natal Marques, Gebalis EEM

Luis Natal Marques, Gebalis EEM Luis Natal Marques, Gebalis EEM TÓPICOS I. Porquê Responsabilidade Social (RS)? II. As Empresas de Serviços de Interesse Geral (SIGs) III. Mais valias da Responsabilidade Social nas Empresas de Serviço

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013

CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013 CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013 COTEC Portugal 1. COTEC Portugal Origem, Missão, Stakeholders 2. Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

Plano Nacional de Saúde e as. Estratégias Locais de Saúde

Plano Nacional de Saúde e as. Estratégias Locais de Saúde Plano Nacional de Saúde e as Estratégias Locais de Saúde (versão resumida) Autores Constantino Sakellarides Celeste Gonçalves Ana Isabel Santos Escola Nacional de Saúde Pública/ UNL Lisboa, Agosto de 2010

Leia mais

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS (Aberto a todos os Cidadãos) 1. O QUE É: O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

Planeamento de Actividades e Orçamentos - 2012 -

Planeamento de Actividades e Orçamentos - 2012 - Planeamento de Actividades e Orçamentos - 2012 - WACT We Are Changing Together A WACT é uma Organização Não Governamental para o Desenvolvimento (ONGD), apolítica, laica, e sem fins lucrativos, com a missão

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

REGULAMENTO REGULAMENTO PARA O ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM

REGULAMENTO REGULAMENTO PARA O ORÇAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM O J O V E M REGULAMENTO REGULAMENTO PARA O PARTICIPATIVO JOVEM Artigo 1º Referências A Junta de Freguesia de Santo António dos Olivais, como forma de potenciar os valores da Democracia, num sector ainda

Leia mais

Projectar o Algarve no Futuro

Projectar o Algarve no Futuro Projectar o Algarve no Futuro Os Novos Desafios do Algarve Região Digital paulo.bernardo@globalgarve.pt 25 Maio 2007 Auditório Portimão Arena Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta hoje um processo

Leia mais

Comemoração dos 30 Anos APAF Análise Financeira: alicerce do mercado de capitais e do crescimento económico Intervenção de boas vindas

Comemoração dos 30 Anos APAF Análise Financeira: alicerce do mercado de capitais e do crescimento económico Intervenção de boas vindas Comemoração dos 30 Anos APAF Análise Financeira: alicerce do mercado de capitais e do crescimento económico Intervenção de boas vindas Exm.ªs Senhoras, Exm.ºs Senhores É com prazer que, em meu nome e em

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Avaliação da Descentralização de Programas Sociais o caso do Bolsa Família no Nordeste V Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Campinas, 27/09/2013 Cátia Wanderley Lubambo FUNDAJ/UFPE

Leia mais

Sociedade de capitais exclusivamente públicos, criada em Novembro de 2004 CAPITAL

Sociedade de capitais exclusivamente públicos, criada em Novembro de 2004 CAPITAL Reabilitação Urbana Sustentável o caso do Centro Histórico e da Baixa da cidade do Porto Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração Porto, 13 de Julho de 2015 Porto Vivo, SRU Sociedade

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

1.1. REDE SOCIAL EM PROL DA SOLIDARIEDADE

1.1. REDE SOCIAL EM PROL DA SOLIDARIEDADE 1.1. REDE SOCIAL EM PROL DA SOLIDARIEDADE Cidadania: Um Imperativo A cidadania tende a incluir a diferença, para que esta não se transforme em exclusão. Hoje, entender como se dá a construção da cidadania

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem sustentar esta aspiração. 2. COMO CONCRETIZAR A MUDANÇA O Projecto Educativo de Escola (PEE) pode constituir um instrumento

Leia mais

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5)

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA Assim: 9; com ref. às fontes: 12-13 EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Autores: André Sequeira 1º - A1 20110039 João Almeida 1º - A1 20110309

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA DOURADO, LUÍS Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho. Palavras

Leia mais

Formação Nacional de Formadores para a Participação Juvenil

Formação Nacional de Formadores para a Participação Juvenil Contexto Não é claro, nem na Convenção Europeia sobre os Direitos Humanos nem na Declaração Universal dos Direitos Humanos, como é que a participação (juvenil) na sociedade civil é assegurada como Direito

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

I. O CCISP, representando os institutos superiores politécnicos portugueses, está muito atento

I. O CCISP, representando os institutos superiores politécnicos portugueses, está muito atento PROPOSTAS PARA O FUTURO DO ENSINO SUPERIOR POLITÉCNICO PORTUGUÊS I. O CCISP, representando os institutos superiores politécnicos portugueses, está muito atento à realidade portuguesa e internacional, procurando

Leia mais

Almadesign Conceito e Desenvolvimento de Design, Lda.

Almadesign Conceito e Desenvolvimento de Design, Lda. Almadesign Conceito e Desenvolvimento de Design, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A Almadesign Conceito e Desenvolvimento de Design, Lda. é uma empresa com competências nucleares

Leia mais

Proposta de Metodologia na Elaboração de Projectos

Proposta de Metodologia na Elaboração de Projectos Proposta de Metodologia na Elaboração de Projectos A Lei n.º115/99, de 3 de Agosto, estabeleceu o regime jurídico das associações representativas dos imigrantes e seus descendentes, prevendo o reconhecimento

Leia mais

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready!

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready! Parceiros: Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil Tel. +351 21 434 90 15 Tel. +351 21 494 86 38 Telm. +351 96 834 04 68 Fax. +351 21 494 64 51 www.cm-amadora.pt www.facebook.com/amadora.resiliente

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO EVENTO

RELATÓRIO FINAL DO EVENTO RELATÓRIO FINAL DO EVENTO Outubro 2010 1. INTRODUÇÃO Uma vez terminado o evento Start Me Up Alto Minho, apresentam-se de seguida um conjunto de elementos que, em jeito de conclusão, se revelam oportunos

Leia mais

Curso de Formação Complementar. Apresentação

Curso de Formação Complementar. Apresentação Curso de Formação Complementar I Apresentação O curso de Formação Complementar destina-se a jovens titulares de cursos de Tipo 2, Tipo 3 ou outros cursos de qualificação inicial de nível 2, que pretendam

Leia mais

Projecto Bairros em Lisboa 2012

Projecto Bairros em Lisboa 2012 Projecto Bairros em Lisboa 2012 Jornadas SIPA 2011 6 de Novembro Coordenação: CEACT/UAL - Centro de Estudos de Arquitectura, Cidade e Território da Universidade Autónoma de Lisboa Parceiros: IHRU SIPA

Leia mais