PATRIMÔNIO CULTURAL E A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE IMOBILIÁRIA URBANA: NOVAS APROXIMAÇÕES ENTRE O DIREITO DAS COISAS E O DIREITO DAS CIDADES.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PATRIMÔNIO CULTURAL E A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE IMOBILIÁRIA URBANA: NOVAS APROXIMAÇÕES ENTRE O DIREITO DAS COISAS E O DIREITO DAS CIDADES."

Transcrição

1 PATRIMÔNIO CULTURAL E A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE IMOBILIÁRIA URBANA: NOVAS APROXIMAÇÕES ENTRE O DIREITO DAS COISAS E O DIREITO DAS CIDADES. 1 Andreza Saballa Orientador: Prof. Ricardo Aronne SUMÁRIO: Resumo; 1 As complexas relações entre o homem e o mundo; 2 Modernidade e a coisificação do indivíduo sujeitos e sujeitados; 3 Os desafios do Estado Social; 4 A privatização da cultura na sociedade de informação; 5 Atuais possibilidades do Patrimônio Cultural; Considerações finais; Referências. RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo analisar a aplicabilidade da função social da propriedade imobiliária urbana do patrimônio cultural. Com o advento da Constituição Federal de 1988, o princípio da função social da propriedade se tornou direito fundamental assim como o direito de propriedade. A preservação do patrimônio cultural se dá em consonância com o desenvolvimento das cidades, do ambiente e do direito de propriedade na qual exerce uma função social o acesso à cultura. Na busca de uma identidade espaço-temporal, a propriedade privada que possuir um interesse cultural deverá ser preservada, não podendo o proprietário demolir ou intervir sem prévia autorização do órgão público competente. Com isso, observam-se os conflitos entre o público e o privado quando dois direitos fundamentais estão divergindo. Deve-se prevalecer a harmonia e a flexibilização do sistema jurídico para a efetivação da função social da propriedade privada. 1 AS COMPLEXAS RELAÇÕES ENTRE O HOMEM E O MUNDO. Ao voltar-se à atenção para as múltiplas dimensões históricas que a propriedade privada tomou, emerge sua dinâmica existencialista que desmente quaisquer modelos jurídicos fechados ou meramente racionalistas, que a Teoria do Direito já desfilou diante das muitas sociedades à que se submeteu ou à que se submeterá. A propriedade teve um elemento cultural a ela associado por força dos Direitos Fundamentais. Não obstante, seu próprio caráter cultural é, por si só, um fundamento apto para sua melhor compreensão. O homem primitivo teve que se conectar à terra por um longo tempo até começar a estabelecer uma relação localizada, duradoura, dela podendo se apoderar e nela construir. 2 1 Artigo extraído do Trabalho de Conclusão de Direito orientado pelo Professor Ricardo Aronne e apresentado à Banca examinadora composta pelas Professoras Clarice Beatriz da C. Söhngen e Magda Azário K. Polanczyk.

2 alimento. 5 Com isso, ainda não se vislumbra relação de propriedade privada; viviam em 2 Não há, até então, noção de propriedade privada uma vez que tal noção irá se afirmar à medida que o homem evolui. Uma análise histórica, cultural e sociológica se faz importante para melhor radiografar a propriedade privada. Assim também, para o Estado, uma vez que este se transforma conforme os anseios da sociedade. A propriedade e o patrimônio, na seara pública ou privada, compõem esse binômio que radiografa o Estado e a própria sociedade. 3 [...] sociedade e cultura são domínios estruturados ao redor de símbolos. Enquanto símbolos irão exigir interpretação. Qualquer metodologia que ignore o esquema interpretativo pelo qual a ação social acontece, está destinada a fracassar. 4 Verifica-se, como primeira relação do homem com a terra, a de subsistência. As pessoas viviam em grupos e utilizavam como alimento apenas o que a natureza lhes oferecia. Mudavam-se com freqüência e construíam abrigos que eram conhecidos como abrigos de caça e colheita, vivendo no local até que acabassem todas as fontes de grupos em busca de uma sobrevivência comum. Não havia formação de cidade uma vez que permaneciam no local enquanto houvesse alimento. As construções serviam apenas para abrigo enquanto ali permanecessem. No desenrolar da história, o homem aprendeu a plantar, estocar e domesticar animais. Fixar-se e construir os primeiros vilarejos. Eram mais sofisticados que os abrigos de caça e colheita, onde podiam viver em comunidade. 6 Para Morgan 7, aqui, adentra-se ao estágio da barbárie, em sua fase inferior. Através da domesticação de animais, o homem, além de se fixar por mais tempo na terra, começa a evoluir. Engels 8 não vê, nesses primeiros agrupamentos, a sociabilidade, uma vez que a relação de subsistência se demonstra predominante nos afazeres cotidianos, não havendo 2 A EVOLUÇÃO da Humanidade: Armas, Germes e Aço - Saindo do Jardim do Éden/Conquista (Vol. 1). Produção de Jared Diamond. EUA: National Geographic, DVD (106min): fullscreen, sonoro, colorido. Legendado: Inglês/Português. Documentário. 3 FACHIN, Luiz Edson. Estatuto Jurídico do Patrimônio Mínimo. Rio de Janeiro: Renovar, 2006.p ARONNE, Ricardo. Direito Civil Constitucional e Teoria do Caos: Estudos Preliminares. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p A EVOLUÇÃO da Humanidade: Armas, Germes e Aço - Saindo do Jardim do Éden/Conquista (Vol. 1). Produção de Jared Diamond. EUA: National Geographic, DVD (106min): fullscreen, sonoro, colorido. Legendado: Inglês/Português. Documentário. E, A EVOLUÇÃO da Humanidade: Armas, Germes e Aço - Entre os Trópicos (Vol. 2). Produção de Jared Diamond. EUA: National Geographic, DVD (53 min): fullscreen, sonoro, colorido. Legendado: Inglês/Português. Documentário. 6 A EVOLUÇÃO da Humanidade: Armas, Germes e Aço - Saindo do Jardim do Éden/Conquista (Vol. 1). Produção de Jared Diamond. EUA: National Geographic, DVD (106min): fullscreen, sonoro, colorido. Legendado: Inglês/Português. Documentário. 7 MORGAN, Lewis Henry. Apud ENGELS, Friedrich. A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado. São Paulo: Centauro, p. 30 e ENGELS, Friedrich. Apud LEAL, Rogério Gesta. A Função Social da Propriedade e da Cidade no Brasil: aspectos jurídicos e políticos.porto Alegre: Livraria do Advogado, p. 38.

3 e glória. 9 Mesmo em outras civilizações, como a dos Gregos e a dos Romanos, a terra era o 3 tempo para viver em sociedade. O primeiro tipo de propriedade surgida seria, desta forma, a comunal. Todos trabalhavam e produziam juntos para se alimentarem, partilhando os bens. Descobriram que podiam plantar e domesticar animais para sobreviver, saindo da condição de nômades e se fixando por um período maior na terra, construindo suas casas. O importante para o homem era a subsistência e a produtividade; a terra não tinha outro valor senão produzir alimento; não existia uma diferença entre público e privado, tudo era comum, ficando difícil identificar a instituição da propriedade privada. Fixando-se na terra, tem-se o início daquilo que se tornaria cidade e em decorrência disso uma provável sociabilidade. Com o passar do tempo, o homem entendeu que a terra tinha um outro tipo de valor, passando a se tornar motivo de dominação. Quanto mais terras conquistassem, maior se tornava o poder do homem em relação a outras civilizações. Iniciaram-se as primeiras invasões - a terra não era propriedade de ninguém, ficava com ela aquele que possuía mais força e poder. A busca, agora, não era somente por alimento, era por riquezas, conquistas que determinava direitos e deveres dos cidadãos, assim como regulava riqueza e interesses da comunidade. 10 Da Grécia antiga, faz-se imperioso registrar o processo de formação do Estado. Na época heróica, não se vislumbra o aparecimento do Estado. Este, somente veio surgir em razão de uma necessidade social que assegurasse a riqueza e a formação da propriedade privada. Resumindo: a riqueza passa a ser valorizada e respeitada como bem supremo e as antigas instituições da gens são pervertidas para justificar-se a aquisição de riquezas pelo roubo e pela violência, faltava apenas uma coisa: uma instituição que não só assegurasse as novas riquezas individuais contra as tradições comunistas da constituição gentílica, que não só consagrasse a propriedade privada, antes tão pouco estimada, e fizesse dessa consagração santificadora o objetivo mais elevado da comunidade humana, mas também imprimisse o selo geral do reconhecimento da sociedade às novas de aquisição da propriedade, que se desenvolviam umas sobre as outras a acumulação, portanto, cada vez mais acelerada, das riquezas -; uma instituição que, em uma palavra, não só perpetuasse a nascente divisão da sociedade em classes, mas também o direito de a classe possuidora explorar a não-possuidora e o domínio da primeira sobre a segunda. E essa instituição nasceu. Inventou-se o Estado A EVOLUÇÃO da Humanidade: Armas, Germes e Aço - Entre os Trópicos (Vol. 2). Produção de Jared Diamond. EUA: National Geographic, DVD (53 min): fullscreen, sonoro, colorido. Legendado: Inglês/Português. Documentário. 10 LEAL, Rogério Gesta. A Função Social da Propriedade e da Cidade no Brasil: Aspectos Jurídicos e Políticos.Porto Alegre: Livraria do Advogado, p ENGELS, Friedrich. A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado. São Paulo: Centauro, p. 127.

4 4 O desenvolvimento do Estado em Atenas apresenta, como primeiro sintoma de formação, a destruição dos laços gentílicos, dividindo os membros de cada gens em privilegiados e não-privilegiados, e dividindo estes últimos em duas classes, segundo seus ofícios, e opondo-as uma à outra. 12 No período romano, onde já se vislumbra a formação de patrimônio, família, governo e direitos, também se observa a questão do que é de interesse público e de interesse privado, assim como a propriedade privada e propriedade coletiva. Os romanos confundiam o Público e o Privado em quase todos os setores. Os nobres romanos tinham um senso agudo da autoridade e da majestade de seu Império, mas o que chamamos de senso de Estado ou serviço público era-lhes desconhecido. Distinguiam mal funções públicas e dignidade privada, finanças públicas e bolsa pessoal. A grandeza de Roma era propriedade coletiva da classe governante e do grupo senatorial dirigente; assim também cada uma das milhares de cidades autônomas que formavam o tecido do Império era coisa dos notáveis locais. 13 Em Roma, o poder era exercido pela elite governante. Havia um sistema político chamado de cooptação, onde se confundiam funções públicas com interesses particulares: A realidade da vida política estava na cooptação: o clube que era o Senado decidia se um homem tinha o particular perfil social que o tornava admissível em seu seio e se traria sua cota ao prestígio coletivo que os membros desse clube dividiam entre si. [...] As funções públicas eram tratadas como dignidades privadas e o acesso a tais dignidades passava por um elo de fidelidade privada. 14 Infere-se que o poder público existia para satisfação da dignidade privada. Havia, por isso, muita corrupção e enriquecimento ilícito por meio do serviço público. Paul Veyne chamava esse período de Império da Propina onde tudo tinha seu valor. Ninguém servia o Estado, porém dele se servia. 15 Em Roma, não existia conceito de propriedade absoluta. Todavia, existia a definição de domínio (dominus). Foi somente na Idade Média que os termos usar (jus utendi), fruir (jus fruendi) e abusar (jus abutendi) passaram a integrar a propriedade privada. A propriedade em Roma era tida como rigidamente individual, mas não era absoluta. 16 Segundo Pezzella 17, a propriedade privada em Roma, em seu período arcaico, não possuía um conceito abstrato e muito menos havia uma definição de propriedade. A 12 ENGELS, Friedrich. A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado. São Paulo: Centauro, p VEYNE, Paul. O Império Romano. In:. História da Vida Privada: Do Império Romano ao ano mil. São Paulo: Companhia das Letras, p Ibidem. p Ibidem. p. 106 à LEAL, Rogério Gesta. A Função Social da Propriedade e da Cidade no Brasil: Aspectos Jurídicos e Políticos. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p PEZZELLA, Maria Cristina Cereser. Propriedade Privada no Direito Romano. Porto Alegre: Sérgio Antônio Editor, p. 124, 136 e 186.

5 5 propriedade privada era incluída numa estrutura familiar em que o pater famílias possuía o amplo poder de seu exercício. A estrutura fundamental da sociedade romana era baseada na família. Os romanos classificavam as coisas a fim de resolver problemas. A propriedade privada estava inclusa na classificação das coisas mancipi (prédios urbanos, propriedades e construções em solo itálico. As coisas eram classificadas em mancipi e nec mancipi conforme a função econômico-social que representavam à família romana. Essas expressões foram utilizadas até o final do Império. Embora a propriedade em Roma fosse individual, observa-se limitação jurídica na propriedade privada romana. 18 O direito absoluto de propriedade romana vai, com o decorrer dos tempos, sofrendo limitações legais inspiradas em motivos de ordem pública, privada, ética, higiênica ou prática. Assim, é admitido usar e fruir da propriedade, inclusive abusar dela, desde que isso não ofereça danos à propriedade ou aos direitos de outrem, respeitando desta forma os direitos da vizinhança. 19 Aronne entende que o caráter absoluto da propriedade privada em Roma é discutível uma vez que: o conceito de propriedade é conceito menos freqüente nos textos romanos, no quais diz respeito ao senhorio da coisa, para positivar deveres dos proprietários e não proprietários. A propriedade, nesse viés, já se mostrava obrigacionalizada para os romanos, eis que referente à obrigação mútua entre indivíduos, de positividade e negatividade, muitas vezes referente a um dever de suportar, do próprio proprietário do bem e não só como obrigação passiva universal dos demais sujeitos. Portanto, o argumento histórico que subsidia as interpretações da civilística clássica e conservadora para refutar uma funcionalização da propriedade, tendo-a como absoluta, são passíveis de discussão. 20 Na Roma antiga existiu, além da imagem de propriedade privada, a da propriedade coletiva que teve duas fases. A coletividade visava como aspecto central a cidade, onde tudo era da cidade e a cidade era de todos moradores, e como conseqüência não havia alienação de bens imóveis. Já na Era Republicana, o entendimento quanto à propriedade coletiva é modificado, deixando assim, a cidade, de ser o ponto central e surgindo como novo sustentáculo de coletividade, a família. Surgem as possíveis etapas de desenvolvimento da propriedade individual da cidade. 18 O conteúdo da propriedade romana foi limitado juridicamente, podendo-se citar os exemplos dos poderes dos proprietários de escravos que foram limitados na época imperial, e a propriedade imobiliária que foi multiplamente limitada por relações de vizinhança e também de direito público. PEZZELLA, Maria Cristina Cereser. Propriedade Privada no Direito Romano. Porto Alegre: Sérgio Antônio Editor, p LEAL, Rogério Gesta. A Função Social da Propriedade e da Cidade no Brasil: Aspectos Jurídicos e Políticos. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p. 41 e ARONNE, Ricardo. Propriedade e Domínio: Reexame Sistemático das Noções Nucleares de Direitos Reais. Rio de Janeiro: Renovar, p. 99.

6 6 Havia, porém, duas formas de propriedade coletiva: a da cidade (gens) e, depois, a da família. No período antigo, a propriedade seria da cidade, embora já não se desse a cada indivíduo mais do que uma faixa de terra reduzida; as pastagens pertenciam a todos, sendo certo que fortalecia a idéia de propriedade coletiva o fato de só se admitir como bens alienáveis os móveis. Com o decorrer do tempo, já no período da República em Roma, a idéia de propriedade coletiva da cidade desaparece, sobrevindo a familiar, que, por sua vez, submerge ante a autoridade cada vez mais presente e intensa da figura do pater famílias. Decorrem daí considerações sobre as possíveis etapas de desenvolvimento da propriedade individual em Roma: (1) apresenta-se, em primeiro lugar, uma propriedade individual sobre os objetos constitutivos do domínio necessário à existência de cada um; (2) surge, em seguida, a propriedade individual sobre os objetos produzidos para o uso do indivíduo suscetíveis de serem trocados com outras pessoas, embora de uso particular; (3) decorre dessa evolução a propriedade dos meios de produção, assegurando-se a alguns indivíduos a propriedade de tudo quanto lhes fosse necessário à produção de mercadorias. 21 Vislumbra-se que, no decorrer de todo o período romano, a propriedade privada tomou novos contornos. O Estado passa a intervir em função das necessidades sociais. Pezzella entende que a propriedade privada em Roma tomou, cada vez mais, contornos relativos aos interesses sociais diferentemente do que sempre se pensava - em propriedade privada romana como absoluta. A intervenção do Estado é singela, mas é de se verificar sua importância nesse período. Embora muitos intérpretes medievais e modernos do Direito romano tenham identificado como característica preponderante do direito de propriedade em Roma o absolutismo, isto não se pode admitir nem em sua época mais primitiva pois, como se demonstrou neste estudo em exemplos concretos retirados das fontes romanas originais, desde o início do processo de civilização da sociedade romana pode se observar a clara submissão do exercício da propriedade ao interesse social. A submissão do exercício da propriedade, inicialmente ao interesse de grupos aparentados e, posteriormente, à sociedade toda, evidencia o privilégio do princípio da humanidade sobre os demais princípios do direito, o que permite que se afaste também o individualismo como característica marcante da propriedade romana, como alguns romanistas o fizeram, pois mesmo quando exercida individualmente, a propriedade romana sempre esteve sujeita ao interesse social. Pode-se concluir, portanto, que a propriedade liberal moderna não tem sua origem na propriedade romana, com a qual guarda insuperáveis diferenças de princípio. 22 Adentrando a Idade Média, percebe-se que a dicotomia público-privado se difere em alguns setores. Vê-se tal dicotomia tomando um formato diverso do que se observava em Roma, podendo-se falar num retrocesso do conceito, em razão da barbárie. Tudo tende a ser privado, pois não há mais freios às vontades individuais. Consideremos antes a Idade Média como nosso inconsciente coletivo e a grande fase de dissimulação de nossas paixões espontâneas, aquela em que a recusa de toda estrutura pública desnuda os impulsos de cada um e permite uma nova educação do homem. [...] 21 LEAL, Rogério Gesta. A Função Social da Propriedade e da Cidade no Brasil: aspectos jurídicos e políticos. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p PEZZELLA, Maria Cristina Cereser. Propriedade Privada no Direito Romano. Porto Alegre: Sérgio Antônio Editor, p. 129.

7 7 Os bárbaros não podem compreender a res publica, a coisa pública, noção que requer certa capacidade de abstração. [...] A justiça franca, merovíngia e carolíngia, privilegia, pois, os assuntos privados. [...] Por certo se trata em geral de poderosas famílias nobres, mas o fato de problemas de propriedades familiares terem adquirido tamanha dimensão indica uma generalização dos interesses privados. 23 Já no feudalismo, o privado torna-se preponderante onde se verifica uma atenção maior quanto à proteção do patrimônio, destacando-se, principalmente três institutos: a vassalagem, onde o senhor feudal oferecia proteção em troca de serviços prestados pelos proprietários menos poderosos; o benefício, onde o senhor feudal, em troca de serviços, cedia porções de terras para que os chefes de família pudessem cultivá-las, e estas porções de terra eram partes inseparáveis das glebas; e a imunidade, onde o senhor feudal isentava de tributos às terras sujeitas ao benefício. 24 No Estado feudal, assim como ocorrera nos períodos grego e romano, o poder político é distribuído conforme a importância da propriedade individual. 25 A vida privada era a vida em família, tornando-se cada grande casa como um pequeno Estado soberano onde o público praticamente desaparece. Porém, à medida que as vontades privadas tornam-se as vontades da família dentro desse pequeno Estado soberano, poder-se-ia dizer, no limite, que tudo se tornou público na sociedade feudalizada. 26 Haverá intervenção do Público no Privado, segundo Duby, em somente três circunstâncias no período feudal. Trata-se de intervenções quase que domésticas, porém relevante, em uma época que os valores individuais tornaram-se dominantes. Essa população não está submetida a uma outra mão, a do poder público, senão em três circunstâncias. Em primeiro lugar, quando essas pessoas, transpondo a clausura, penetram no espaço popular, encontram-se nas vias ou nas praças públicas sem estar acompanhadas pelo chefe da casa de que dependem ou por homens livres da família; tornados como que forasteiros, cabe ao magistrado assegurar-lhes o conduto, enquadrá-los, substituindo o poder paterno. Por outro lado, quando o chefe da casa não está mais presente, quando já não há na morada adulto do sexo masculino de condição livre capaz de proteger os menores da família : assim, a função primitiva do rei, que a delegava a seu agente, era tomar sob sua guarda a viúva e o órfão. Enfim, terceiro caso, a mão forte do magistrado pode ser expressamente requisitada por um apelo, uma queixa, que se diz clamor ou grito, tornando-se públicos desde então o dolo, o rancor e os culpados abandonados à autoridade geral VEYNE, Paul. Alta Idade Média Ocidental. In:. História da vida privada: Do Império Romano ao Ano Mil. São Paulo: Companhia das Letras, p. 528 e STRECK, Lenio Luiz; MORAIS, José Luiz Bolzan de. Ciência Política e Teoria Geral do Estado. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p ENGELS, Friedrich. A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado. São Paulo: Centauro, p VEYNE, Paul. O Império Romano. In:. História da Vida Privada: Do Império Romano ao Ano Mil. São Paulo: Companhia das Letras, p. 23 à DUBY, Georges. Poder Privado, Poder Público. In:. História da Vida Privada: Da Europa Feudal à Renascença. São Paulo: Companhia das Letras, p. 29.

8 8 Convém dizer que, durante a Idade Média, não houve a figura do Estado centralizado, [...] exatamente pela fragmentação dos poderes em reinos, feudos, etc. 28 Tal forma estatal surgirá com o fim da idade média, início do Modernismo, em razão do capitalismo emergente. Quando o feudalismo começa entrar em decadência, com o advento do Mercantilismo e da Revolução Industrial, a sociedade e a propriedade sofrem modificações. Tem-se a ascensão da burguesia e o aparecimento do capitalismo, adentrando à Modernidade. De acordo com Leal, a propriedade começa a tornar-se produtiva. 29 Ao entrar na Modernidade, resultado da Renascença e do Iluminismo, ocorrem mudanças em relação ao Estado, ao sujeito e à propriedade. Com a ascensão da classe burguesa, tem-se o início do liberalismo fundado nos interesses desta, em que o Público não poderá intervir no Privado, podendo o indivíduo dispor de seus bens da forma que bem entender. Com a tomada do poder pela burguesia, na Revolução Francesa (1789), a propriedade passa a figurar dentre os direitos fundamentais, juntamente com a vida e a liberdade; prova disso é o constante no art. 17 da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, que afirma ser o direito de propriedade inviolable es sacré, posição ratificada, claramente, pelo Código de Napoleão (1804), onde é considerada um direito, o assento territorial da independência do indivíduo. Era possível, a seu detentor, utilizar-se de seu bem segundo os princípios do jus utendi e jus abutendi do Direito Romano. 30 Observa-se que, em todo o período da antiguidade, sempre existiu confusão entre público e privado, se é que realmente se chegou a essa distinção, pois os autores, conforme fora visto, fazem essa diferenciação de acordo com o modelo de vida dessas civilizações. Com isso, a propriedade teve suas peculiaridades, sendo reflexo da sociedade e de seus anseios. O Estado Antigo (Oriental ou Teocrático), como sendo uma forma estatal definida entre as antigas civilizações do Oriente ou do Mediterrâneo, onde a família, a religião, o Estado e a organização econômica formavam um conjunto confuso, sem diferenciação aparente. Em conseqüência, não se distingue o pensamento político da religião, da moral, da filosofia ou de doutrinas econômicas STRECK, Lenio Luiz; MORAIS, José Luiz Bolzan de. Ciência Política e Teoria Geral do Estado. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p LEAL, Rogério Gesta. A Função Social da Propriedade e da Cidade no Brasil: Aspectos Jurídicos e Políticos. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p. 44 e LEAL, Rogério Gesta. A Função Social da Propriedade e da Cidade no Brasil: aspectos jurídicos e políticos. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p STRECK, Lenio Luiz; MORAIS, José Luiz Bolzan de. Ciência Política e Teoria Geral do Estado. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p. 23.

9 9 Para Aronne, antes do período moderno não se vislumbrou a separação do público e do privado uma vez que as civilizações antigas não possuíam tal noção. 32 Observa-se, até hoje, a dificuldade em separar o poder público do poder privado principalmente no que tange a propriedade privada. O Público sempre existiu para afirmar o Privado mesmo que a sociedade não soubesse. Modelos antigos, principalmente o do período moderno, ainda são mantidos pela nossa codificação não correspondendo ao progresso social. 2 MODERNIDADE E A COISIFICAÇÃO DO INDIVÍDUO SUJEITOS E SUJEITADOS Com o advento do Estado Moderno ocorreram mudanças significativas em relação à propriedade privada frente ao sujeito e ao Estado. Diferente do que se vislumbrava no Período Medieval, onde tudo se concentrava em mãos privadas, o Estado Moderno - Liberal vem para separar o Público e o Privado a fim de proteger os interesses da classe burguesa. O liberalismo é a expressão, isto é, o álibi, a máscara dos interesses de uma classe. 33 A acumulação de riqueza e patrimônio traz a necessidade da separação formal e clara entre o Privado e o Público fazendo com que a sociedade se auto-organizasse. De tal forma, o homem passa a criar direitos e obrigações sobre si, ou seja, através da relação jurídica e do Direito Civil tradicional. 34 A partir da Revolução Francesa, em 1798, através da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, a propriedade privada se consagra absoluta, tornando-se direito fundamental junto ao direito à vida e à liberdade: [...] prova disso é o constante no art.17 da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, que afirma ser o direito de propriedade inviolable et sacré, posição ratificada, claramente, pelo Código de Napoleão (1804), onde é considerada um direito, o assento territorial da independência do indivíduo. Era possível, a seu detentor, utilizar-se de seu bem segundo os princípios do jus utendi e jus abutendi do Direito Romano. 35 Através da Revolução Francesa e do Iluminismo, o século XIX foi denominado como século das luzes em que trouxe o homem como um ser racional e, 32 ARONNE, Ricardo. A Arquitetura das Titularidades nos Fractais do Estado Social. In: CONGRESSO DO PROCESSO E DIREITO DA UPF, I, 2006, Passo Fundo/RS. Disponível em: <http://video.google.com/videoplay?docid= &q=upf+aronne&total=3&start=0&num= 10&so=0&type=search&plindex=1>. Acesso em: 10 de set ARONNE, Ricardo. Por uma Nova Hermenêutica dos Direitos Reais Limitados: das Raízes aos Fundamentos Contemporâneos. Rio de Janeiro: Renovar, p ARONNE, Ricardo. Os Direitos Reais no Paradigma do Direito Civil-Constitucional. In: CONFERÊNCIA DA ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO, I, Disponível em: <http://video.google.com/videoplay?docid= &q=agu+aronne&total=2&start=0&num=10 &so=0&type=search&plindex=1>. Acesso em: 10 de ago LEAL, Rogério Gesta. A Função Social da Propriedade e da Cidade no Brasil: Aspectos Jurídicos e Políticos.Porto Alegre: Livraria do Advogado, p. 50.

10 10 conseqüentemente, a evolução significativa da ciência de da tecnologia. 36 Nasce, então, a idéia de liberdade, ou, liberalismo, advinda da visão de sujeito individual com liberdade para fazer o que quiser. Tal pensamento refletiu diretamente na propriedade privada que passava a ter valor de mercado sendo conveniente à classe dominante sua proteção. Através do pensamento liberal, o Estado declara, formalmente, a igualdade plena de todos os indivíduos. Segundo Fachin, os homens seriam formalmente iguais quanto à possibilidade abstrata de entrar em relação com o objeto de mercancia, em uma dimensão puramente formal. 37 Porém, passando por cima das desigualdades econômicas e sociais, acaba-se por distanciar as classes e a concentrar o poder nas mãos de poucos em razão do capitalismo e do desenvolvimento tecnológico e produtivo. 38 A partir do ponto de vista da Modernidade, influenciada pelo Iluminismo, afasta-se, então, da humanidade, a natureza e o conhecimento. Os bens de relevância humana eram somente aqueles bens os quais pudessem ser transferidos pelo homem. Só teria valor aquilo que tivesse trabalho agregado. O trabalho importava em detrimento do conhecimento, uma vez que este era coletivo e aquele, individual. Dessa forma, o valor estava somente nos bens de troca mercadoria. 39 O indivíduo se torna, então, sujeito de direito abstrato em relação à propriedade privada, ora absoluta. O homem sai do centro do universo e cede espaço à propriedade privada. Sendo esta um direito fundamental, o sujeito acaba por ser um reflexo do seu patrimônio e com ele se confundindo só é sujeito de direito quem possui propriedade privada. É isso que permite ao Direito a libertação do indivíduo dos antigos vínculos hierárquicos, restituindo-o a uma nova ordem social mediada pela racionalidade fundada na propriedade como mercadoria. É formula pela qual se mantêm os sujeitos juntos e, simultaneamente, perenemente isolados. Todavia, o cumprimento desse projeto de modernidade de libertação do indivíduo, com a lógica sistêmica, torna também o sujeito geral supérfluo na estrutura do sistema. O individualismo moderno é o do consumo, em que o homem é um apêndice do objeto, que circula livremente e, por isso, o homem só pode ser identificado mediante o consumo desse objeto. 40 de cunho social: Aronne identifica o indivíduo dessa época como átomo isolado sem compromisso 36 ARONNE, Ricardo. Direito Civil Constitucional e Teoria do Caos: Estudos Preliminares. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p FACHIN, Luiz Edson. Estatuto Jurídico do Patrimônio Mínimo. Rio de Janeiro: Renovar, p ARONNE, Ricardo. Por uma Nova Hermenêutica dos Direitos Reais Limitados: das Raízes aos Fundamentos Contemporâneos. Rio de Janeiro: Renovar, p SOUZA FILHO, Carlos Frederico Marés de. Conquistas e Desafios na Tutela do Patrimônio Cultural Brasileiro. Palestra apresentada no Encontro do Ministério Público/RS A Tutela do Patrimônio Cultural Brasileiro, 2007, Porto Alegre/RS. 40 FACHIN, Luiz Edson. Estatuto Jurídico do Patrimônio Mínimo. Rio de Janeiro: Renovar, 2006.p. 55.

11 11 O indivíduo era concebido como um átomo isolado, sem qualquer traço de interdependência social sendo, portanto, causa e fim do Direito, cujo objetivo substancial seria o de assegurar a liberdade descomedida e o mais absoluta possível. O sistema jurídico se encontrava centrado em dois pilares, em âmbito patrimonial, o contrato e a propriedade e somando-se a esses, a família. 41 Características como a liberdade e a igualdade fizeram com que houvesse a necessidade da formalização através das normas. A codificação viria para regular uma sociedade de indivíduos livres e iguais. Estas características levaram à redução do conjunto de normas organizado em codificação que, segundo se passou a sustentar, seria suficiente para regular toda a vida da sociedade civil, como lei maior da comunidade, de forma igualitária. 42 Utilizada como alicerce da codificação, a liberdade estaria fundada no princípio da autonomia da vontade indivíduo livre para dispor dos seus bens, principalmente da propriedade privada, e livre para contratar possibilitando ao indivíduo à autoregulamentação dos seus próprios interesses. 43 Não dispor do bem seria como destruí-lo, não podendo, este, retornar à coletividade o Estado estava organizado para garantir esse direito não podendo intervir. 44 No Brasil, com o surgimento do Código Civil em 1916, influenciado pelo Código Napoleônico, tem-se o fechamento do sistema para dar maior segurança jurídica através de um direito que já existe antes mesmo dele se concretizar: é como se a resposta sempre estivesse formulada antes da elaboração da própria pergunta. 45 Confirma-se a diminuição do espaço no que tange a intervenção do Público no Privado. A importância da pessoa estaria naquilo que ela tem, e não naquilo que representa como pessoa, uma vez que o código era eminentemente de caráter patrimonial, ou privado. Não é a pessoa que tem a coisa, é a coisa que possui a pessoa. Por isso, o aumento da desigualdade, pois nem todo mundo teria acesso e nem conseguiria acompanhar o consumismo que se modificava constantemente, aumentando, dessa forma, a marginalização. 41 ARONNE, Ricardo. Propriedade e Domínio: Reexame Sistemático das Noções Nucleares de Direitos Reais. Rio de Janeiro: Renovar, p SILVEIRA RAMOS, Carmem Lucia. A Constitucionalização do Direito Privado e a Sociedade Sem Fronteiras. In: FACHIN, Luis Edson (Coord.) Repensando Fundamentos do Direito Civil Contemporâneo. Rio de Janeiro: Renovar, p MEIRELLES, Jussara. O Ser e o Ter na Codificação Civil Brasileira: Do Sujeito Virtual à Clausura Patrimonial. In: FACHIN, Luis Edson (Coord.) Repensando Fundamentos do Direito Civil Contemporâneo. Rio de Janeiro: Renovar, p SOUZA FILHO, Carlos Frederico Marés de. Conquistas e Desafios na Tutela do Patrimônio Cultural Brasileiro. Palestra apresentada no Encontro do Ministério Público/RS A Tutela do Patrimônio Cultural Brasileiro, 2007, Porto Alegre/RS. 45 FACHIN, Luiz Edson. Teoria Crítica do Direito Civil. Rio de Janeiro: Renovar, p. 92.

12 12 O código resguarda somente os direitos das pessoas que têm bens e não daquelas que não os possui. Só é sujeito de direito quem possui patrimônio. 46 Já a outra parte da população a maioria que não tem bens, não é resguardada pelo código, tendo de vender sua força de trabalho para se tornar sujeito de direito. 47 Aqueles que não possuíam patrimônio acabavam vendendo sua força de trabalho. Eram explorados e influenciados pelo discurso de poder disciplinar e capitalista da classe dominante. Para Meirelles, o sujeito poderia se apresentar de duas formas: sujeito real ou sujeito virtual: Traçando-se uma espécie de paralelo tem-se, de um lado, o que se pode denominar pessoa codificada ou sujeito virtual; e, do lado oposto, há o sujeito real, que corresponde à pessoa verdadeiramente humana, vista sob o prisma de sua própria natureza e dignidade, a pessoa gente. O sujeito virtual é reconhecido por ter nome de família e registro; é absolutamente livre para auto-regulamentar seus próprios interesses, sendo a ele possível, por exemplo, contratar ou não, conforme seja-lhe mais conveniente, escolher a pessoa do outro contratante e até mesmo determinar o conteúdo contratual, esse sujeito conceitual tem, igualmente, família constituída a partir do casamento, e tem bens suficientes para honrar os compromissos assumidos ou, eventualmente, responder pelos danos causados a outrem. Só apresenta um grave e inarredável defeito: no mais das vezes, não corresponde ao sujeito real. 48 A propriedade privada se torna expressão da liberdade, ou seja, das perspectivas do indivíduo - direitos fundamentais, ou direitos de primeira geração. Quem não tem propriedade não consegue se expressar na sociedade. 49 A mais alta exteriorização da personalidade do individuo era o gozo pacífico, seguro e absoluto da propriedade. Esse era o ápice do Estado burguês, onde a propriedade era sinônimo de realização e felicidade. 50 A industrialização e a urbanização estão em plena evolução. O indivíduo não amparado pelo código acaba sendo empurrado para a periferia das cidades, vendo-se obrigado a sobreviver em uma outra realidade que não é a civil. Não tem nome registrado, não tem propriedade privada, não tem conhecimento. 46 ARONNE, Ricardo. Os Direitos Reais no Paradigma do Direito Civil-Constitucional. In: CONFERÊNCIA DA ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO, I, Disponível em: <http://video.google.com/videoplay?docid= &q=agu+aronne&total=2&start=0&num=10 &so=0&type=search&plindex=1>. Acesso em: 10 de ago SILVEIRA RAMOS, Carmem Lucia. A Constitucionalização do Direito Privado e a Sociedade Sem Fronteiras. In: FACHIN, Luis Edson (Coord.) Repensando Fundamentos do Direito Civil Contemporâneo. Rio de Janeiro: Renovar, p. 5 e MEIRELLES, Jussara. O Ser e o Ter na Codificação Civil Brasileira: Do Sujeito Virtual à Clausura Patrimonial. In: FACHIN, Luis Edson (Coord.) Repensando Fundamentos do Direito Civil Contemporâneo. Rio de Janeiro: Renovar, p. 91 e ARONNE, Ricardo. Os Direitos Reais no Paradigma do Direito Civil-Constitucional. In: CONFERÊNCIA DA ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO, I, Disponível em: <http://video.google.com/videoplay?docid= &q=agu+aronne&total=2&start=0&num=10 &so=0&type=search&plindex=1>. Acesso em: 10 de ago ARONNE, Ricardo. Propriedade e Domínio: Reexame Sistemático das Noções Nucleares de Direitos Reais. Rio de Janeiro: Renovar, p. 38.

13 13 O Estado, antes impedido de intervir, agora se vê provocado para tal, diante de tamanho clamor social. No fim do século, um fator novo foi injetado na filosofia liberal. Era a justiça social, vista como a necessidade de apoiar os indivíduos de uma ou outra forma quando sua autoconfiança e iniciativa não podiam mais dar-lhes proteção, ou quando o mercado não mostrava a flexibilidade ou a sensibilidade que era suposto demonstrar na satisfação de suas necessidades básicas. Um novo espírito de ajuda, cooperação e serviços mútuos começou a se desenvolver que se tornou mais forte com o advento do séc. XX. 51 O mercado imobiliário se tornou tão intenso que acabou gerando insegurança social, uma vez que o Código Civil permitia ao proprietário do bem que, ao vender seu imóvel, pudesse se arrepender até o registro, quando havia a efetivação da obrigação, pagando somente uma indenização por perdas e danos. O motivo era a alta valorização dos imóveis e terras gerando insegurança ao promitente comprador. Havia enriquecimento dos vendedores, uma vez que a indenização a qual deveriam pagar era inferior ao valor auferido. 52 A dicotomia público-privado perde sua força e não consegue se sustentar o Estado precisa intervir no privado para o bem da sociedade como um todo. O futuro precisa ser previsto e resguardado para as próximas gerações. A igualdade liberal não foi alcançada, pelo contrário, aumentava-se cada vez mais Livres e iguais para não serem livres e iguais OS DESAFIOS DO ESTADO SOCIAL A história presentificou a perniciosidade de um Estado Mínimo, cujo discurso de neutralidade, justificador de sua não-intervenção é polarizador das energias do mercado e provocador de intensos desequilíbrios. O Estado Social nasce da necessidade de um Estado mais atuante e interventivo. Afasta o seu papel de mantenedor do status quo da classe burguesa e assume um novo compromisso, com reflexos no Brasil, através do advento da Constituição Federal de Os direitos fundamentais acabaram transpassando a ideologia clássica agregando novos direitos assim denominados como direitos fundamentais de segunda geração, ou chamado 51 STRECK, Lenio Luiz; MORAIS, José Luiz Bolzan de. Ciência Política e Teoria Geral do Estado. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p ARONNE, Ricardo. Por uma Nova Hermenêutica dos Direitos Reais Limitados: das Raízes aos Fundamentos Contemporâneos. Rio de Janeiro: Renovar, p. 354 e FACHIN, Luiz Edson. Teoria Crítica do Direito Civil. Rio de Janeiro: Renovar, p. 31.

14 14 de direitos sociais. Tais direitos vêm com a finalidade de trazer o Público para dentro do Privado gerando reflexos na propriedade privada assim como na família e no contrato. 54 O Código Civil deixa de ser o único 55 meio de regulação da sociedade da época - conforme se observara através do dogma da completude de Bobbio 56 - dando espaço à Constituição Federal de 1988 que veio para regular não somente as relações privadas como também as públicas ou coletivas funcionando como um estatuto de organização da vida econômica e social. 57 Cabe lembrar da existência de Constituições anteriores; todavia, mantinham, de forma geral, o mesmo raciocínio privatista do Código Civil. 58 Antes mesmo do surgimento da atual Constituição Federal de 1988, já se verificavam leis especiais 59 que acompanhavam o desenvolvimento social na tentativa de adequar os institutos tradicionais da sociedade civil (a pessoa, a família, a propriedade, o contrato e a responsabilidade civil) às novas contingências. 60 A Constituição Federal de 1988 veio com o objetivo de ampliar e de regular tudo aquilo que estava fora do Código Civil e que mantinha o sistema fechado. 61 A sociedade evolui e as necessidades se modificam. É o que se vislumbra por reconstrução - quando se reconhece o direito como fenômeno histórico e mutável o qual 54 ARONNE, Ricardo. Os Direitos Reais no Paradigma do Direito Civil-Constitucional. In: CONFERÊNCIA DA ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO, I, Disponível em: <http://video.google.com/videoplay?docid= &q=agu+aronne&total=2&start=0&num=10 &so=0&type=search&plindex=1>. Acesso em: 10 de ago No curso do século XX (entendido como tal não a partir de seu momento cronológico inicial, mas pelos marcos históricos que representaram a efetiva ruptura com os cem anos precedentes, cabendo lembrar, como tais, a Revolução Russa de 1917 e o final da Primeira Guerra Mundial, pelas modificações que provocaram nos diferentes Estados, por via direta ou reflexa) nesta cronologia considerado o Código Civil brasileiro fruto do século XIX o gradativo abandono da neutralidade do direito (a despeito da influência das idéias de pensadores como Kelsen) provocou a superação deste modelo ideologicamente baseado no individualismocapitalista, redigido para regular a vida da sociedade civil como documento completo e único, e de alguns de seus dogmas tradicionais, além do reconhecimento de sua historicidade e vinculação a um momento sóciopolítico-econômico. SILVEIRA RAMOS, Carmem Lucia. A Constitucionalização do Direito Privado e a Sociedade Sem Fronteiras. In: FACHIN, Luis Edson (Coord.) Repensando Fundamentos do Direito Civil Contemporâneo. Rio de Janeiro: Renovar, p A completa e fina técnica hermenêutica que se desenvolve entre os juristas comentadores do Direito Romano, e depois entre os tratadistas, é especialmente uma técnica para a ilustração e o desenvolvimento interno do Direito romano, com base no pressuposto de que ele constitui um sistema potencialmente completo, uma espécie de mina inesgotável da sabedoria jurídica, que o intérprete deve limitar-se a escavar para encontrar o veio escondido. BOBBIO, Norberto. Teoria do ordenamento jurídico. Brasília: UNB, 1999, p LEAL, Rogério Gesta. A Função Social da Propriedade e da Cidade no Brasil: aspectos jurídicos e políticos. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p RESCHKE, Alexandra; AGUSTINI, Camila; GUERESI, Simone. Um Novo Parâmetro para a Gestão dos Bens da União: Função Socioambiental da Propriedade. Revista Magister de Direito Ambiental e Urbanístico, Porto Alegre, vol. 8, out./nov p A edição de um número cada vez maior de textos de lei especial provocou uma verdadeira descentralização do sistema de direito privado, ausente na perspectiva dos idealizadores da codificação, excluindo o monismo consagrado no código civil, em atendimento às emergências sociais. SILVEIRA RAMOS, Carmem Lucia. A Constitucionalização do Direito Privado e a Sociedade Sem Fronteiras. In: FACHIN, Luis Edson (Coord.) Repensando Fundamentos do Direito Civil Contemporâneo. Rio de Janeiro: Renovar, p MEIRELLES, Jussara. O Ser e o Ter na Codificação Civil Brasileira: Do Sujeito Virtual à Clausura Patrimonial. In: FACHIN, Luis Edson (Coord.) Repensando Fundamentos do Direito Civil Contemporâneo. Rio de Janeiro: Renovar, p SILVEIRA RAMOS, Carmem Lucia. A Constitucionalização do Direito Privado e a Sociedade Sem Fronteiras. In: FACHIN, Luis Edson (Coord.) Repensando Fundamentos do Direito Civil Contemporâneo. Rio de Janeiro: Renovar, p. 6 e 7.

15 15 existe para atender aos anseios de uma sociedade. 62 O que acontecia fora do código não era protegido e isso gerava insegurança. O art. 1º, inciso III da Carta Magna traz, através do princípio da dignidade da pessoa humana, um novo paradigma em relação ao sujeito: Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: [...] III a dignidade da pessoa humana; 63 Tal princípio modificou a visão de sujeito; não se tratando mais de um sujeito abstrato, mas de um sujeito que existe enquanto pessoa humana movida por emoções e sentimentos 64. A pessoa humana volta para o núcleo. 65 Assim, tem-se que os direitos fundamentais, por se tratarem de princípios, surgem para a concretização do princípio da dignidade da pessoa humana independentemente das relações serem públicas ou privadas. 66 Observa-se que, em certas situações, o Código Civil não conseguia refletir a realidade, uma vez que nem todas as pessoas eram consideradas sujeitos de direito, pois nem todas mantinham relações jurídicas. Não existem, perante o ordenamento, apenas situações jurídicas, em que as pessoas ou se amoldam a essas situações jurídicas ou não existem para o mundo do direito. 67 Aquele sujeito abstrato do código passa a ser enxergado na sua situação concreta em relação ao objeto. Deve-se ater à análise de comportamentos e casos concretos. O objeto não é mais algo em si; passa a ter função. 68 O ser passa a ser mais importante que o ter. O que eu sou não é o que eu tenho. O homem se separa da coisa ARONNE, Ricardo. Os Direitos Reais no Paradigma do Direito Civil-Constitucional. In: CONFERÊNCIA DA ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO, I, Disponível em: <http://video.google.com/videoplay?docid= &q=agu+aronne&total=2&start=0&num=10 &so=0&type=search&plindex=1>. Acesso em: 10 de ago BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de out. de Organização do texto: Juarez de Oliveira. 31ª ed. São Paulo: Saraiva, p ARONNE, Ricardo. Os Direitos Reais no Paradigma do Direito Civil-Constitucional. In: CONFERÊNCIA DA ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO, I, Disponível em: <http://video.google.com/videoplay?docid= &q=agu+aronne&total=2&start=0&num=10 &so=0&type=search&plindex=1>. Acesso em: 10 de ago O personalismo coloca o ser humano no centro do sistema jurídico, retirando o patrimônio dessa posição de bem a ser primordialmente tutelado, ao contrário do que faz o individualismo proprietário. Propõe o autor a superação do individualismo por um solidarismo jurídico, que valorize a coexistencialidade. O ser humano não pode ser pensado nem compreendido em contaposição à sociedade, exceto na dimensão abstrata do individualismo, que deve ser afastada. FACHIN, Luiz Edson. Estatuto Jurídico do Patrimônio Mínimo.Rio de Janeiro: Renovar, p ARONNE, Ricardo. Por uma Nova Hermenêutica dos Direitos Reais Limitados: das Raízes aos Fundamentos Contemporâneos. Rio de Janeiro: Renovar, p FACHIN, Luiz Edson. Teoria Crítica do Direito Civil. Rio de Janeiro: Renovar, p Ibidem. p. 88 à MEIRELLES, Jussara. O Ser e o Ter na Codificação Civil Brasileira: Do Sujeito Virtual à Clausura Patrimonial. In: FACHIN, Luis Edson (Coord.) Repensando Fundamentos do Direito Civil Contemporâneo. Rio de Janeiro: Renovar, p. 111.

16 16 Por essa razão, entende-se que o homem não possui somente um papel privado na sociedade, mas também um público ou social. Não se trata de um ser sozinho, isolado; necessita do outro para ver seus objetivos também realizados, ou seja: o que encaro no outro nada mais é que aquilo que encontro em mim mesmo. 70 O homem é o sujeito de interesse. O bem, ou bens, são o objeto do interesse. A relação é o vínculo que explica, em face dos demais integrantes do grupo social, a dominação do sujeito sobre o bem, ou bens, em todos ou alguns de seus aspectos. Ocorre que as necessidades humanas são ilimitadas, crescentes, na medida em que se desenvolve o processo civilizatório. Acontece, por outro lado, que os bens são finitos, ou, pelo menos, sua reprodução, em princípio, não se realiza na mesma velocidade com que aquelas aumentam ou se renovam. A finitude dos bens e o acrescentamento das necessidades humanas fazem surgir o conflito de interesses. Surge o conflito quando a situação favorável à satisfação de uma necessidade exclui a situação favorável à satisfação de uma outra necessidade. 71 O problema surge quando o interesse de um não é atingido em razão do outro, surgindo o conflito. Este é o âmago de todo o problema: não é mais admissível soerguer a vida empregando como apoio somente o indivíduo isolado. A vida não é uma Ilíada de um só. A complexidade do mundo moderno repele o pensamento autocrata (Cogito) que se obstina em aprisionar a existência em um elemento simples, desviado do espaço humano circundante. A unidade do singular só é conquistada através da progressiva associação com o mundo exterior, que se torna tão mais verdadeira e íntima quanto maior for o desapego à estabilidade particular e mais vasta a união com valores e princípios universalizáveis. [...] A subjetividade, mais do que a confrontante auto-satisfação individual, desenvolvese, antes, no sentido da reflexão, fruto de uma vontade dialogada e universalizável, produzida por um sujeito não apenas consagrado a si mesmo, mas que, na multiplicidade diferenciada dos seus interesses, descobre que sua própria emancipação depende, em ampla margem, da emancipação da pessoa humana. 72 A propriedade privada assume um novo papel. O direito subjetivo do proprietário torna-se social uma vez que a propriedade privada não serve mais para mera satisfação daquele. 73 A Constituição Federal declara que, antes da propriedade privada servir de mera autonomia da vontade do proprietário, esta, deverá atender a uma função social. Nasce o princípio da Função Social da Propriedade como direito fundamental SARTRE, Jean-Paul. O Ser e o Nada: Ensaio de Ontologia Fenomenológica. Rio de Janeiro: Vozes, p LIRA, Ricardo Pereira. Elementos de Direito Urbanístico. Rio de Janeiro: Renovar, p. 309 e 310. PASQUALINI, Alexandre. O Público e o Privado. In: SARLET, Ingo Wolfgang Sarlet (Org.) O Direito Público em Tempos de Crise: Estudos em Homenagem a Ruy Ruben Ruschel. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p. 34 e 35. Considerando o patrimônio, por vezes dotado de um determinado fim, espera-se a compreensão de que o patrimônio individual não é apenas fruto das oportunidades individuais, mas algo que é antes definido pelo coletivo, dotado de um sentido social. daí a superação proposta dessas concepções clássicas sobre a pessoa e patrimônio. FACHIN, Luiz Edson. Estatuto Jurídico do Patrimônio Mínimo. Rio de Janeiro: Renovar, 2006.p. 39.

17 17 interesses extraproprietários, de natureza pública ou social, passam a concorrer com o respectivo interesse privado, sem que necessariamente prepondere este último, como natural na arquitetura absoluta das titularidades. A propriedade desloca-se para uma condição de meio para a realização do homem, e não mais condição de fim para que este ascenda à dimensão jurídica. 74 Cai por terra o caráter absoluto e individual da propriedade privada dada pela codificação civil, tornando-se, agora, relativa. 75 O que a Constituição vem a regular é que não se pode deixar de pensar em direito de propriedade sem pensar na sua função social. Observa-se, dessa forma, a publicização da propriedade privada. A Constituição Federal prevê o direito de propriedade desde que esta atenda sua função social. 76 Tem-se a abertura do sistema e a amplitude de direitos. O conceito de propriedade a emergir do sistema, assim como se verifica no domínio, há de conter a necessária abertura para tratar as tantas espécies que o instituo compreende e que não podem ficar a descoberto do Direito. Essa mobilidade e abertura conceitual é importante para que não se perpetue o regime de exclusão que se verifica na abordagem de sistemas fechados, e é alcançável pelo preenchimento tópico e axiológico do conceito. 77 A igualdade está na Constituição, pois aquele que estava fora agora está dentro, e, através dela, terá proteção todos são sujeitos de direito independente de possuir patrimônio ou não. Os sistemas, em sua evolutividade e superação histórica, fulminam a perspectiva oitocentista, por via de seus dispositivos de instrumentalidade e abertura, inerente ao axiologismo de sua essência, de modo que o Direito, como revela a própria jurisprudência, deve acompanhar a sociedade para o qual se dirige, como instrumental não só de segurança, como também de justiça, conteúdo material do Estado, positivado na Constituição, de modo vinculante ao operador do Direito. 78 A função social da propriedade nasce através de princípios e não por regras; dá-se naquela determinada propriedade. Avalia-se o caso concreto, pois cada caso possui suas 74 ARONNE, Ricardo. Direito Civil Constitucional e Teoria do Caos: Estudos Preliminares. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p A identificação das posições dominiais (estáticas), que encerram vínculos reais de natureza absoluta com as titularidades (no caso a propriedade), implicam contradição substancial para com o princípio da função social, positivado no inciso XXIII do art. 5º, com eficácia prevista no respectivo 1º desta regra da codificação. A propriedade é uma titularidade (entre outras) instrumentalizadora do domínio, traduzindo-lhe a oponibilidade, o dever passivo universal, a obrigação de abstenção do não-titulares. Obrigacionaliza o domínio. A propriedade, no sistema atual, portanto, é relativa e dinâmica, não mais absoluta e estática. O 3º e 4º do presente artigo também substanciam o explicitado. ARONNE, Ricardo. Código Civil Anotado Direito das Coisas Disposições Finais e Legislação Especial Selecionada. São Paulo: IOB Thomson, p BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de out. de Organização do texto: Juarez de Oliveira. 31ª ed. São Paulo: Saraiva, p ARONNE, Ricardo. Propriedade e Domínio: Reexame Sistemático das Noções Nucleares de Direitos Reais. Rio de Janeiro: Renovar, p Idem. Por uma Nova Hermenêutica dos Direitos Reais Limitados: das Raízes aos Fundamentos Contemporâneos. Rio de Janeiro: Renovar, p. 23 e 24.

18 18 peculiaridades. 79 De acordo com a Constituição de 1988, o direito de propriedade vem previsto no caput do art. 5º e no inciso XXII como direito fundamental e é elevado a princípio da ordem econômica (art. 170, inciso II). No entanto, logo em seguida ao inciso XXII, encontra-se também no inciso XXIII 80, o princípio da função social da propriedade que limita tal direito, afirmando que a propriedade privada deverá atender a sua função social. 81 Dessa maneira, o princípio da função social da propriedade possui caráter especial 82 por se tratar de uma área específica do direito. 83 O sistema jurídico passa a demonstrar problemas em relação aos conflitos em que se discutem tanto interesses públicos quanto privados. Indivíduo e sociedade: tais são os dois principais ângulos da geografia humana. Esses dois ângulos são, ao mesmo tempo, as suas duas necessidades (ananke). Uma não existe sem a outra. Mas há duas guerras nestas duas fronteiras: a guerra da opressão, que é a preponderância do Estado sobre o indivíduo; a guerra do individualismo, que é a supremacia do indivíduo sobre o Estado. Dois excessos produtos de um único erro: a falta de identidade moral entre ambos. 84 Trata-se da chamada publicização do direito privado a qual remete à despatrimonialização do Direito Civil, ou, ainda, repersonalização 85 do Direito que consiste no deslocamento de enfoque dos códigos do patrimônio para a pessoa humana. 86 O Privado deve lembrar que antes de tudo há um Público e que, este, em muitas situações, irá limitar aquele. Esta despatrimonialização do direito civil não significa a exclusão do conteúdo patrimonial no direito civil, mas a funcionalização do próprio sistema econômico, diversificando sua valoração qualitativa, no sentido de direcioná-lo para produzir Idem. Os Direitos Reais no Paradigma do Direito Civil-Constitucional. In: CONFERÊNCIA DA ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO, I, Disponível em: <http://video.google.com/videoplay?docid= &q=agu+aronne&total=2&start=0&num=10 &so=0&type=search&plindex=1>. Acesso em: 10 de ago Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade nos termos seguintes: [...] XXII é garantido o direito de propriedade; XXIII- a propriedade atenderá a sua função social. BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de out. de Organização do texto: Juarez de Oliveira. 31ª ed. São Paulo: Saraiva, p. 7. RESCHKE, Alexandra; AGUSTINI, Camila; GUERESI, Simone. Um Novo Parâmetro para a Gestão dos Bens da União: Função Socioambiental da Propriedade. Revista Magister de Direito Ambiental e Urbanístico, Porto Alegre, vol. 8, out./nov p. 36 e 37. ARONNE, Ricardo. Por uma Nova Hermenêutica dos Direitos Reais Limitados: das Raízes aos Fundamentos Contemporâneos. Rio de Janeiro: Renovar, p. 72. LIRA, Ricardo Pereira. Elementos de Direito Urbanístico. Rio de Janeiro: Renovar, p PASQUALINI, Alexandre. O Público e o Privado. In: SARLET, Ingo Wolfgang Sarlet (Org.) O Direito Público em Tempos de Crise: Estudos em Homenagem a Ruy Ruben Ruschel. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p. 36. A repersonalização do Direito assenta-se na premissa de que patrimônio e pessoa não estão absolutamente entrelaçados, nem ocupa um primeiro plano a relação entre eles; ademais nem sempre o conceito de universalidade jurídica é aplicável à mesma massa patrimonial. FACHIN, Luiz Edson. Estatuto Jurídico do Patrimônio Mínimo. Rio de Janeiro: Renovar, 2006.p. 39. ARONNE, Ricardo. Propriedade e Domínio: Reexame Sistemático das Noções Nucleares de Direitos Reais. Rio de Janeiro: Renovar, p. 41.

19 19 respeitando a dignidade da pessoa humana (e o meio ambiente) e distribuir as riquezas como maior justiça. [...] Assim, embora se mantenha, como princípio, um direito centrado no homem, construído segundo o imaginário racionalista-liberal, estabelece-se restrições e limites, voltados para a preservação dos interesses coletivos, bem como para o desenvolvimento e preservação da dignidade do cidadão, ausentes no sistema clássico do direito civil, consolidado no Código de O civilista deve ler o Código Civil à luz da Constituição Federal Carta Magna que rege todas as relações jurídicas. 88 O Código Civil de 1916 não correspondia mais à realidade social, e essa crise suscita, antes de mais nada, questões concernentes à sua historicidade, à análise da interrelação entre Direito e Sociedade, ao principio do dinamismo que impinge ao Direito seu eterno diálogo com o meio social, seu tempo e seu espaço. 89 A Constituição de 1988 confirmou tal problemática. Pensava-se em uma nova codificação, uma vez que a atual era totalmente incoerente com a Carta Maior, principalmente no que tange a propriedade privada. Após anos de formulação e tramitação, em 2002, entra em vigor o Novo Código Civil. Dentro dele veio embutido o princípio constitucional da função social da propriedade 90, assim como tantos outros princípios já previstos na constituição. Observa-se que o novo Código se manteve privado, apenas, foi adaptado para mostrar que atende à Constituição Federal. A unidade abstrata do patrimônio é fundada na teoria clássica, adotada pelo legislador brasileiro de 1916 e reproduzida pelo Código de 2002, em sua ligação necessária com a pessoa, por ser atributo ou projeção da personalidade. [...] A função social da propriedade prevista pelo novo Código Civil é um passo relevante na direção do que já apontava a Constituição de 1946, o Estatuto da Terra e especialmente a Constituição de Nada obstante, a estrutura da disciplina codificada se manteve rente ao horizonte da modernidade em atraso. 91 Muito se critica quanto às inovações do Código Civil de 2002, uma vez que nada mudou. Veio apenas para confirmar aquilo que já estava na Constituição, e para isso, não haveria a necessidade de um novo Código. A função social da propriedade não necessita de SILVEIRA RAMOS, Carmem Lucia. A Constitucionalização do Direito Privado e a Sociedade Sem Fronteiras. In: FACHIN, Luis Edson (Coord.) Repensando Fundamentos do Direito Civil Contemporâneo. Rio de Janeiro: Renovar, p. 16 e17. ARONNE, Ricardo. Por uma Nova Hermenêutica dos Direitos Reais Limitados: das Raízes aos Fundamentos Contemporâneos. Rio de Janeiro: Renovar, p. 36. FACHIN, Luiz Edson. Teoria Crítica do Direito Civil. Rio de Janeiro: Renovar, p. 22. Art O proprietário tem a faculdade de usar, gozar e dispor da coisa, e o direito de reavê-la do poder de quem quer que injustamente a possua ou detenha. 1º O direito de propriedade deve ser exercido em consonância com as suas finalidades econômicas e sociais e de modo que sejam preservados, de conformidade com o estabelecido em lei especial, a flora, a fauna, as belezas naturais, o equilíbrio ecológico e o patrimônio histórico e artístico, bem como evitada a poluição do ar e das águas. Idem. Código Civil Anotado Direito das Coisas Disposições Finais e Legislação Especial Selecionada. São Paulo: IOB Thomson, p FACHIN, Luiz Edson. Estatuto Jurídico do Patrimônio Mínimo.Rio de Janeiro: Renovar, p. 39 e 40.

20 20 lei especial para dar eficácia; a Carta Magna tem eficácia direta e horizontal. A contemporaneidade do código veio na Constituição Federal de Um novo Direito Civil, independente do asfalto, que suba o morro e reencontre a sociedade, não se fez em códigos, é fruto de uma reconstrução epistemológica, capitaneada pela jurisprudência mais compromissada, nucleada na nova dimensão existencial do Direito Privado, que teve por ante-sala um substancioso Diploma Constitucional, destinado a uma sociedade advinda de vinte e um anos de militarismo totalitário. 93 A preocupação com o coletivo remete também à questão do bem-estar social advinda das transformações econômico-sociais, como a preocupação com o meio ambiente, através de uma melhor qualidade de vida em que se consiga vislumbrar um atual e futuro desenvolvimento sustentável, obtendo-se, dessa maneira, maior eficácia à função social da propriedade privada. Dentro do meio ambiente se encontram o ambiente natural e o cultural. Nessa esteira, entende-se que o homem é histórico, tem de construir-se a si mesmo, colocado entre outros homens e os objetos, condicionado pelo passado e projetando-se para o futuro. 94 O art. 170 da Constituição Federal 95 traz tal preocupação, ao estabelecer que a ordem econômica, fundada na livre iniciativa (sistema de produção capitalista) e na valorização do trabalho humano (limite ao capitalismo selvagem, deverá regrar-se pelos ditames de justiça social, respeitando o princípio da defesa do meio ambiente [...]. 96 Novas questões foram se configurando, a ponto de fazerem surgir novos ramos do Direito, tais como o Direito do Trabalho, o Direito Agrário, o Direito Previdenciário, e legislação específica para o inquilinato, a proteção do meio ambiente, a atividade bancária, a engenharia genética, a propriedade industrial, intelectual e urbana, e tantas outras situações novas a reclamar disciplina jurídica. Desse modo, rompeu-se a generalidade do Código Civil, configurando-se, outrossim, uma crescente intervenção estatal nos assuntos que, aos olhos do sistema clássico, referiam-se à ordem privada ARONNE, Ricardo. Os Direitos Reais no Paradigma do Direito Civil-Constitucional. In: CONFERÊNCIA DA ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO, I, Disponível em: <http://video.google.com/videoplay?docid= &q=agu+aronne&total=2&start=0&num=10 &so=0&type=search&plindex=1>. Acesso em: 10 de ago ARONNE, Ricardo. Direito Civil Constitucional e Teoria do Caos: Estudos Preliminares. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p FACHIN, Luiz Edson. Estatuto Jurídico do Patrimônio Mínimo.Rio de Janeiro: Renovar, p Art A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados os seguintes princípios: [...] VI defesa do meio ambiente. BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de out. de Organização do texto: Juarez de Oliveira. 31ª ed. São Paulo: Saraiva, p FIORILLO, Celso Antônio Pacheco. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. São Paulo: Saraiva, p MEIRELLES, Jussara. O Ser e o Ter na Codificação Civil Brasileira: Do Sujeito Virtual à Clausura Patrimonial. In: FACHIN, Luis Edson (Coord.) Repensando Fundamentos do Direito Civil Contemporâneo. Rio de Janeiro: Renovar, p. 110.

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU Resumo: Este artigo tem como objetivo apresentar a concepção de homem na obra Do contrato social de Rousseau. O contrato de doação é o reflexo da complacência

Leia mais

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE JOCEANE CRISTIANE OLDERS VIDAL Lucas do Rio Verde MT Setembro 2008 FACULDADE

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática Neusa Chaves Batista 1 1. Introdução O modelo de gestão para a escola pública requerido na atualidade encontra-se expresso no ordenamento

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

O REGISTRO DE IMÓVEIS COMO INSTRUMENTO DE CONCRETIZAÇÃO DA FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE

O REGISTRO DE IMÓVEIS COMO INSTRUMENTO DE CONCRETIZAÇÃO DA FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE Daniélle Dornelles 1 Bárbara Michele Morais Kunde 2 O REGISTRO DE IMÓVEIS COMO INSTRUMENTO DE CONCRETIZAÇÃO DA FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE A propriedade é um instituto de extrema importância para o sistema

Leia mais

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Noeli Manini Remonti 1 A lei, ao criar o instituto dos alimentos, estipulou a obrigação alimentar para garantir a subsistência

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional Poder e Dominação Segundo Max Weber Poder significa toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA Giovanna Filomena Silveira Teles Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos 1. BREVE HISTÓRICO DO DIREITO EMPRESARIAL Para melhor compreendermos

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO QUESTÃO PARA DISCUSSÃO: EXPLIQUE A DEFINIÇÃO DE CONSTITUCIONALISMO POR CANOTILHO, como uma Técnica específica de limitação

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E UNIVERSALIDADE Gisele Aparecida Pereira da Silva (Advogada, membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB-Bauru/SP)

DIREITOS HUMANOS E UNIVERSALIDADE Gisele Aparecida Pereira da Silva (Advogada, membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB-Bauru/SP) DIREITOS HUMANOS E UNIVERSALIDADE Gisele Aparecida Pereira da Silva (Advogada, membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB-Bauru/SP) A concepção contemporânea dos direitos humanos fundamentais nasceu

Leia mais

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES 1. Introdução. Diversas são as formas e critérios de classificação uma Constituição. O domínio de tais formas e critérios mostra-se como fundamental à compreensão

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

Distinção entre Norma Moral e Jurídica

Distinção entre Norma Moral e Jurídica Distinção entre Norma Moral e Jurídica Filosofia do direito = nascimento na Grécia Não havia distinção entre Direito e Moral Direito absorvia questões que se referiam ao plano da consciência, da Moral,

Leia mais

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações 1 Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 A OBRIGATORIEDADE DA GUARDA COMPARTILHADA Patrícia Serafini Gross 1 Júlia Bagatini 2 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 A FAMÍLIA E O PODER FAMILIAR. 3 A GUARDA DE FILHOS. 4 A GUARDA COMPARTILHADA. 5 CONCLUSÃO.

Leia mais

CONSTITUCIONALIZAÇÃO DO DIREITO CIVIL

CONSTITUCIONALIZAÇÃO DO DIREITO CIVIL 1 CONSTITUCIONALIZAÇÃO DO DIREITO CIVIL Flavio Meirelles Vettori 1 RESUMO: Neste artigo, apresentam-se aspectos gerais do direito civil, de forma sintética e introdutiva para, na seqüência, tratar da constitucionalização

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL É o ato de intervir (tomar parte), toda vez que a ação de um Estado- Membro perturbe o sistema constitucional federativo ou provoque grave anormalidade

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT

CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT Jéssica de Farias Mesquita 1 RESUMO: O seguinte trabalho trata de fazer uma abordagem sobre o que se pode considerar uma filosofia

Leia mais

A FORMAÇÃO DO ESTADO MODERNO SOB A CONCEPÇÃO DOS TEÓRICOS CONTRATUALISTAS RESUMO

A FORMAÇÃO DO ESTADO MODERNO SOB A CONCEPÇÃO DOS TEÓRICOS CONTRATUALISTAS RESUMO 51 A FORMAÇÃO DO ESTADO MODERNO SOB A CONCEPÇÃO DOS TEÓRICOS CONTRATUALISTAS Andreia Aparecida D Moreira Arruda Mestranda em Direito Constitucional pela FDSM Pouso Alegre-MG Recebido em: 10/04/2013 Aprovado

Leia mais

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA.

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. NOGUEIRA, Ione da Silva Cunha - UNESP/Araraquara Uma educação conscientizadora e emancipadora, que garanta qualidade de ensino e acesso

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

V - ESTADO. O ASPECTO HISTÓRICO É aquele que vê o Estado como um fato social em constante evolução.

V - ESTADO. O ASPECTO HISTÓRICO É aquele que vê o Estado como um fato social em constante evolução. V - ESTADO 1 ORIGEM E FORMAÇÃO DO ESTADO Origem da Palavra: A denominação de Estado tem sua origem do latim status = estar firme, significando situação permanente de convivência e ligada à sociedade política.

Leia mais

O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana

O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana Hannah Arendt na obra A condição Humana trata especificamente da questão do público e do privado. 1) Designa três condições/atividades humanas fundamentais:

Leia mais

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1

Seja Bem-vindo(a)! AULA 1 Seja Bem-vindo(a)! Neste módulo vamos trabalhar os principais conceitos de Administração Pública que apareceram com mais frequência nas últimas provas. AULA 1 Estado, origens e funções Teoria Burocrática

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

CÓDIGO CIVIL DE 1916

CÓDIGO CIVIL DE 1916 CÓDIGO CIVIL DE 1916 Código instituído pela Lei n 3.071, de 1º de janeiro de 1916, também conhecido como Código Beviláqua. Entrou em vigor em janeiro de 1917 e permaneceu vigente no país até janeiro de

Leia mais

DIREITOS HUMANOS. Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana

DIREITOS HUMANOS. Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana DIREITOS HUMANOS Noções Gerais Evolução Histórica i Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana Positivismo e Jusnaturalismo Universalismo

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E SUAS IMPLICAÇÕES NO DIREITO BRASILEIRO.

A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E SUAS IMPLICAÇÕES NO DIREITO BRASILEIRO. A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE E SUAS IMPLICAÇÕES NO DIREITO BRASILEIRO. 1 AS SANÇÕES APLICÁVEIS NO CASO DE SOLO NÃO EDIFICADO, SUBUTILIZADO, OU NÃO UTILIZADO. Gina Copola (outubro de 2.012) I Tema atual

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO Projeto de Pesquisa Individual Prof. FREDERICO VIEGAS DIREITO CIVIL- CONSTITUCIONAL

Leia mais

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA D OLIVEIRA, Marcele Camargo 1 ; D OLIVEIRA, Mariane Camargo 2 ; CAMARGO, Maria Aparecida Santana 3 Palavras-Chave: Interpretação.

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI Introdução O pensamento político moderno, de Hobbes a Hegel, caracteriza-se pela tendência a considerar o Estado ou sociedade

Leia mais

Direito Constitucional II Organização do Estado Político-Administrativa. Arts. 18 e seguintes da Constituição Federal

Direito Constitucional II Organização do Estado Político-Administrativa. Arts. 18 e seguintes da Constituição Federal Direito Constitucional II Organização do Estado Político-Administrativa Arts. 18 e seguintes da Constituição Federal Conceitos Organização político-administrativa, em sentido próprio, significam por um

Leia mais

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno* * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós- Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA Renata Martins Sena Advogada Pós-graduada em Direito Constitucional As inúmeras mudanças sociais ocorridas nos últimos tempos têm refletido sobremaneira

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber:

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber: Posição Compromissória da CRFB e a Doutrina da Efetividade A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos,

Leia mais

O DANO MORAL E SUA BREVE HISTÓRIA DESDE O ANTIGO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO (LEI Nº 3.071/1916) Caio Rogério da Costa Brandão

O DANO MORAL E SUA BREVE HISTÓRIA DESDE O ANTIGO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO (LEI Nº 3.071/1916) Caio Rogério da Costa Brandão O DANO MORAL E SUA BREVE HISTÓRIA DESDE O ANTIGO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO (LEI Nº 3.071/1916) Caio Rogério da Costa Brandão O DANO MORAL E SUA BREVE HISTÓRIA DESDE O ANTIGO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO (LEI

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

Sociologia: ciência da sociedade

Sociologia: ciência da sociedade Sociologia: ciência da sociedade O QUE É SOCIOLOGIA? Sociologia: Autoconsciência crítica da realidade social. Ciência que estuda os fenômenos sociais. A Sociologia procura emancipar o entendimento humano

Leia mais

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 DEUS, Josiani Camargo & 1 AMARAL, Anelize Queiroz 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste RESUMO Nos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO LINHA DE PESQUISA TEORIA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROJETO IDENTIDADE E A PRÁTICA PEDAGÓGICA

Leia mais

DIREITO DE ACESSIBILIDADE NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA

DIREITO DE ACESSIBILIDADE NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA 1 DIREITO DE ACESSIBILIDADE NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA Cezar E. Martinelli 1 RESUMO: O artigo fala sobre o Direito de Acessibilidade e sua importância, ligado aos movimentos sociais que promovem

Leia mais

Declaração Universal dos. Direitos Humanos

Declaração Universal dos. Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Ilustrações gentilmente cedidas pelo Fórum Nacional de Educação em Direitos Humanos Apresentação Esta é mais uma publicação da Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

REDES PÚBLICAS DE ENSINO

REDES PÚBLICAS DE ENSINO REDES PÚBLICAS DE ENSINO Na atualidade, a expressão redes públicas de ensino é polêmica, pois o termo público, que as qualifica, teve suas fronteiras diluídas. Por sua vez, o termo redes remete à apreensão

Leia mais

Direitos Fundamentais i

Direitos Fundamentais i Direitos Fundamentais i Os direitos do homem são direitos válidos para todos os povos e em todos os tempos. Esses direitos advêm da própria natureza humana, daí seu caráter inviolável, intemporal e universal

Leia mais

O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA

O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA 71 O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA Camilla Mendonça Martins Acadêmica do 2º ano do curso de Direito das FITL AEMS Mariana Ineah Fernandes Acadêmica do 2º ano do curso de Direito das FITL AEMS

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: (com adaptações).

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: <www.planalto.gov.br> (com adaptações). Texto para os itens de 1 a 15 A Constituição Federal, em seu artigo 5.º, que trata dos direitos e deveres individuais e coletivos, estabelece o direito à proteção das criações intelectuais. No inciso XXVII,

Leia mais

Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria

Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria Juversino Júnior Lisandro Braga "Em lugar da mercadoria aparecer como resultado de relações sociais enquanto relações de produção, ela aparece como um bem que

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Vinculação do estudo do impacto ambiental Gabriela Mansur Soares Estudo Do Impacto Ambiental Vinculação Do Estudo Do Impacto Ambiental (Eia) O objetivo desse artigo é demonstrar

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL

CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA PÓLOS DE CIDADANIA CONSTITUIÇÃO DE CAPITAL SOCIAL PARA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA SUSTENTÁVEL MIRACY BARBOSA DE SOUSA GUSTIN MARIANNA VIEIRA

Leia mais

Bateria de exercícios Sociologia - II trimestre

Bateria de exercícios Sociologia - II trimestre Colégio: Nome: Nº Sem limite para crescer! Professor (a): Série: 1º ano Turma: Bateria de exercícios Sociologia - II trimestre Questão 01: Pela exploração do mercado mundial a burguesia imprime um caráter

Leia mais

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011 Reginaldo Minaré Diferente do Estado unitário, que se caracteriza pela existência de um poder central que é o núcleo do poder político, o Estado federal é

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CIVIL

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CIVIL PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO CIVIL P á g i n a 1 QUESTÃO 1 - Como se resolve, à luz do Direito Civil brasileiro contemporâneo, e do ponto de vista de uma racionalidade tópicosistemática, o

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR DIREITOS FUNDAMENTAIS BRUNO PRISINZANO PEREIRA CREADO: Advogado trabalhista e Membro do Conselho Nacional de Pesquisa e Pós- Graduação em Direito. Mestre em direitos sociais e trabalhistas. Graduado em

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Cipriano Carlos Luckesi 1 Recentemente participei, no Programa de Mestrado em Educação, da Universidade do Estado da Bahia --- UNEB, Campus de Salvador,

Leia mais

AS GERAÇÕES DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS E O ESTADO COMO SEU DESTINATÁRIO. Filipo Bruno Silva Amorim

AS GERAÇÕES DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS E O ESTADO COMO SEU DESTINATÁRIO. Filipo Bruno Silva Amorim AS GERAÇÕES DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS E O ESTADO COMO SEU DESTINATÁRIO. Filipo Bruno Silva Amorim AS GERAÇÕES DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS E O ESTADO COMO SEU DESTINATÁRIO. UMA BREVE REFLEXÃO Filipo Bruno

Leia mais

A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade

A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade Direitos humanos: considerações gerais Camila Bressanelli * A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade Análise contextual: Para o estudo dos direitos humanos

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

Direitos e Garantias Fundamentais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direitos e Garantias Fundamentais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direitos e Garantias Fundamentais Objetivos Definir Direitos Humanos. Estabelecer os Direitos e Garantias Fundamentais. Direitos e Garantias Fundamentais Os direitos humanos são os direitos e liberdades

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

Evolução histórica da Moral/Ética

Evolução histórica da Moral/Ética (3) Evolução histórica da Moral/Ética Zeila Susan Keli Silva 1º Semestre 2013 1 O homem vive em sociedade, convive com outros homens e, portanto, cabe-lhe pensar e responder à seguinte pergunta: Importância

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS Prof. Gabriel Dezen Junior (autor das obras CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS e TEORIA CONSTITUCIONAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS, publicadas pela Editora Leya

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini

A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini A INFLUÊNCIA DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL NO DIREITO POSITIVO Cíntia Cecília Pellegrini RESUMO: Após a Segunda Guerra Mundial, a sociedade internacional passou a ter como principal objetivo a criação de acordos

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Perosa Junior, Edson José Como mudar

Leia mais

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

Globalização e solidariedade Jean Louis Laville

Globalização e solidariedade Jean Louis Laville CAPÍTULO I Globalização e solidariedade Jean Louis Laville Cadernos Flem V - Economia Solidária 14 Devemos lembrar, para entender a economia solidária, que no final do século XIX, houve uma polêmica sobre

Leia mais

A NOÇÃO DE PROPRIEDADE NO DIREITO CIVIL CONTEMPORÂNEO

A NOÇÃO DE PROPRIEDADE NO DIREITO CIVIL CONTEMPORÂNEO Revista Internauta de Práctica Jurídica. Agosto-Diciembre 2006 A NOÇÃO DE PROPRIEDADE NO DIREITO CIVIL CONTEMPORÂNEO Daniela Vasconcellos Gomes Especialista em Direito Civil Contemporâneo pela Universidade

Leia mais

Categorias Sociológicas

Categorias Sociológicas Categorias Sociológicas Fato Social DURKHEIM, E.; AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO.São Paulo, Abril, Os Pensadores, 1973 p. 389-90. O que é fato social O objeto de estudo da Sociologia é o fato social.

Leia mais

CRITÉRIOS DETERMINANTES DA RELAÇÃO DE

CRITÉRIOS DETERMINANTES DA RELAÇÃO DE CRITÉRIOS DETERMINANTES DA RELAÇÃO DE FILIAÇÃO NO DIREITO CONTEMPORÂNEO JULIETA LÍDIA LUNZ I. INTRODUÇÃO e parentesco no sentido amplo. Os integrantes de uma família são unidos por laços de consangüinidade

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq Introdução a análise Histórica Feudalismo Fernando Del pozzo hjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzxc

Leia mais

O Servidor Celetista e a Estabilidade

O Servidor Celetista e a Estabilidade O Servidor Celetista e a Estabilidade Resumo Objetiva o presente ensaio estimular a apreciação da questão da estabilidade do servidor público vinculado ao regime da Consolidação das Leis do Trabalho CLT,

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais