Bernardo Vilela Ribeiro Bacharel em Relações Internacionais Uni BH e Pós Graduado em Administração FGV

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bernardo Vilela Ribeiro Bacharel em Relações Internacionais Uni BH e Pós Graduado em Administração FGV"

Transcrição

1 1 RESENHA DO LIVRO A CONSTRUÇÃO DA SOCIEDADE DO TRABALHO NO BRASIL: UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE A PERSISTÊNCIA SECULAR DAS DESIGUALDADES, DE ADALBERTO CARDOSO Bernardo Vilela Ribeiro Bacharel em Relações Internacionais Uni BH e Pós Graduado em Administração FGV Ao realizar uma interpretação sobre a persistência da desigualdade no Brasil temos, diante dos olhos, uma tarefa que não é das mais fáceis, pois a raiz da questão remonta há séculos. No livro, Adalberto Cardoso propõe, em conjunto com a história, um exercício de reflexão para demonstrar que uma série de fatores cruciais fizeram e fazem com que o Brasil seja caracterizado como um país de grandes discrepâncias sociais. Neste sentido, a estrutura política dos últimos 250 anos contribuiu de forma enfática para a permanência da ordem vigente. Na exegese do autor, ao determinar que uma dada ordem se encontra desigual, devemos inicialmente lançar mão de um parâmetro de comparação. Neste sentido, Cardoso sugere que a percepção da igualdade ou da desigualdade pode variar de uma sociedade para outra. Além disso, carece perguntar em que sentido seria esta igualdade, aludindo à pergunta de Amartya Sen (1973) Igualdade de que?. Em uma lógica capitalista este sentimento é pautado principalmente em recursos materiais que proporcione bem estar ao indivíduo. Tal fato se encontra intimamente imbricado à noção e percepção da conjuntura como sendo justa/injusta e legítima/ilegítima, o que está amplamente ligado à consciência que o indivíduo a percebe, com relação ao outro, na reprodução da ordem. Critérios de justiça equitativa estão ligados às comparações interpessoais e às experiências vividas. Mesmo a percepção de ampla desigualdade em uma determinada sociedade, pode não ser elemento suficiente para se colocar em questionamento o quadro vigente. Determinados recursos podem desviar o clamor das classes menos favorecidas para outros horizontes através de elementos como a apatia, resignação ou fuga mística, caracterizando uma taxa de desconto diante de um futuro que possa vir a ser melhor, mesmo que este futuro seja extraterreno. O trabalho de Cardoso é dividido em duas partes. Na primeira vislumbramos uma reflexão histórica, na qual propõe se que o passado escravocrata e a sua lenta transição para o trabalho

2 2 livre, aliados à desconfiança das elites com os negros e seus descendentes, representam o alicerce do padrão social brasileiro, ou seja, exclui se grande parte da população no acesso ao trabalho e mobilidade social. Já a segunda parte se detém na significação da ruptura na era Vargas, com a criação de um arranjo jurídico que arrefeceu os ânimos da população economicamente ativa, o que fora denominado cidadania regulada, pautada em leis de organização das relações trabalhistas. Voltando ao ponto de partida podemos dizer que o embrião da desigualdade brasileira está relacionado principalmente pelo padrão de incorporação dos trabalhadores na ordem capitalista do final do Império e do início da República. Concomitante a esta lógica, destacam se a fragilidade do Estado, a persistência da violência estatal contra o trabalho organizado, a diminuta participação do operariado e a fragmentação de obtenção dos meios de vida fora do trabalho formal. Adiantando o resultado da análise, podemos dizer que, tais elementos contribuíram enfaticamente para que a sociabilidade capitalista no Brasil tenha se caracterizado por uma inércia estrutural e, que atualizou os padrões sociais de divisão hierárquica muito resistentes às mudanças até meados de Da independência do Brasil até o fim da monarquia, o Estado brasileiro pode ser definido, de acordo com suas fraquezas, como possuidor de uma dificuldade em se enraizar. Neste sentido, o aparato burocrático atuava juntamente com os interesses das elites locais que garantiam a unicidade territorial. No âmbito econômico, a dependência dos recursos auferidos pela exportação de produtos agrícolas, majoritariamente o café, fizeram com que o poder central passasse por um processo de estrangulamento, sem vislumbrar uma alternativa que alavancasse as estruturas do Estado. Desta maneira, podemos dizer que o império constituiu um máquina centralizada com virtual monopólio de arrecadação de tributos (dificuldade de taxar o comércio interno) e com agente privados dotados de armas, que esperavam não mais que a não intervenção do poder público. Resumi se que, o Estado brasileiro, nas palavras do próprio autor, figurava como um Leviatã de múltiplas cabeças e com o corpo raquítico, em que a cabeça do imperador era apenas mais uma, nem sempre a mais importante. Nesta estrutura a desigualdade da sociedade brasileira esteve pautada na relação com propriedade, violência (privada ou estatal), favores e religião, regida por algum chefe local, resultando no distanciamento entre Estado e sociedade. O longo período escravocrata e a abolição da mesma no fim do século XVIII, fez com que cinco impactos decisivos, para a nossa sociabilidade trabalhista no capitalismo, se sobressaíssem: a opção paulista pelos imigrantes; a degradação do trabalho manual pela escravidão, em que o negro

3 3 só trabalharia se fosse forçado constituem as duas primeiras. O fraco aparato repressivo por parte do Estado para o financiamento, a reprodução, a supervisão e a repreensão do trabalho escravo; a consolidação de um padrão de violência estatal e privada, que sobreviveu ao fim da escravidão, refletindo na esfera trabalhista. O quinto impacto foi a sobrevivência no padrão de relações sociais entre capitalistas e operários, no início da industrialização (século XX), criou a percepção de que o brasileiro é cordial, ordeiro e pacífico. Por fim, a longevidade escravocrata fez com que as expectativas dos trabalhadores, de uma vida melhor, fosse delimitada pelo trabalho escravo, ou seja, pautada em mínimos vitais. Dessa maneira os trabalhadores brasileiros continuaram escravos da necessidade, em que se forjavam aspirações de vida. A pobreza generalizada no campo e as posições superiores inacessíveis, manteve fechado, por décadas, a expectativa de melhoria de vida. A Rigidez da ordem social pode ser traduzida, ainda, na desqualificação do negro e do elemento nacional como trabalhador, ou seja, o próprio povo brasileiro não era suficientemente qualificado para o trabalho, ao passo que se assistiu o encastelamento da elite econômica. Ainda discorrendo sobre a transição da Monarquia para a República, poucos fatores se alteraram. O mundo privado provincial continuava ditando as regras e impedindo a emergência da questão social na cena nacional, contribuindo para continuidade da desigualdade e a carência nos serviços de saúdes e educação. A distinção, desta vez, encontra se em dois fatores: a escolha dos arranjos legais que na constituição federativa de 1891 legava aos federados a tarefa de promover às próprias expensas suas necessidades, fazendo com que alguns estados se desenvolvessem mais que outros, como São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. E as resoluções internacionais como o Tratado de Versalhes e a criação da OIT que repercutiram positivamente nas questões sociais brasileiras, determinando a instituição de legislação de proteção social. A ascensão de Getúlio Vargas representa um momento de ruptura da ordem mantida até então, o que não caracterizou diminuição das desigualdades, pelo contrário, esta só aumentou. Ao instituir uma série de leis que regulamentava o trabalho no Brasil, Vargas criou um processo que viabilizou a continuação de uma utopia brasileira, regulando a cidade, mas não o campo. A cidadania, pautada em símbolos como a carteira de trabalho e CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) nos traz a impressão de ter se constituído como um conjunto de direitos, que demarcou a linha de fronteira entre incluídos e excluídos. O que se sustenta é que a legislação trabalhista afogou o brasileiro em leis, que não foram instituídas a sério. O patronato, pautado nas ideias liberais vigentes, não aceitava a regulamentação por parte do Estado. A CLT torna se um

4 4 instrumento de luta dos trabalhadores, tendo que se qualificar para ser merecedor do seus próprios direitos. A cidadania regulada pelo Estado converte se na forma institucional da luta de classe, uma luta por efetividade dos direitos existentes. O projeto varguista trouxe consigo uma consequência desastrosa, um instrumento poderoso de força centrípeta, o êxodo rural. Diante da expectativa de melhora de vida gerou se um campo gravitacional urbano, atraindo muito mais gente para as cidades do que o mercado era capaz de absorver. A crença na promessa integradora de direitos serviu como forma de reprodução das desigualdades sociais no Brasil que se refletem até os dias de hoje. Entre 1940 e 1980 o Brasil passa por um período de grandes transformações, em um padrão econômico que se denominou desenvolvimentista. Cardoso avalia os traços marcantes dessa nova etapa que concentrou renda e gerou pobreza. Nesses 40 anos, Mesmo o PIB tendo se multiplicado por 15, o mercado de trabalho não conseguiu absorver grande parte dos candidatos, de forma que os que conseguiram alguma posição, não lograram de grandes êxitos no que tange à mobilidade social. Tal fato se deve à concentração de renda no Brasil que aumentou ascendentemente, atingindo seu auge na década de Os 10% mais ricos em 1960 detinham 39,6% da renda nacional, 46,7% em 1970 e 51% em 1980, em dados obtidos pelas PNAD s (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio). No último contexto histórico do livro, Cardoso analisa os impactos que o alargamento educacional trouxe para o Brasil. As décadas de 1980 e 1990 foram caracterizadas pelo aumento das credenciais escolares e entrada maciça das mulheres no mercado de trabalho. Contudo, a educação não foi capaz de fazer com que os jovens alcançassem as melhores posições. Um mercado de trabalho pouco estruturado e regulado incorporou de forma não organizada a maioria dos jovens egressos do sistema escolar. Neste padrão culmina se o adiamento da entrada dos jovens no trabalho, desemprego no início da trajetória de vida e aumento da competição pelas posições superiores, o contribui mais uma vez para a continuidade das frustrações das expectativas e a manutenção das desigualdades no Brasil. Diante disso, quais os mecanismos que legitimam esta ordem tão desigual no Brasil? Cardoso interliga como argumentos, no início do livro, os critério de desigualdade social percebida, legitimidade da ordem e justiça distributiva. Desenvolve ainda uma discussão acerca de critérios de justiça baseado nas capacidades e nas necessidades. Na última parte do trabalho, tendo como base um Survey realizado pelo Iuperj/ISSP, Cardoso realiza um comparação entre trabalhadores do Brasil, da Alemanha, da Suécia e da

5 5 Polônia, questionando quais critério eram importantes para saber quanto uma pessoa deveria ganhar em termos financeiros. Foram alocados critérios distributivos, associados às capacidades e méritos. (i) se a pessoa faz bem o trabalho, (ii) se a pessoa é dedicada ao emprego (iii) as responsabilidades que o trabalho exige (iv) anos gastos em educação e treinamento (v) se o emprego é de chefia ou supervisão. O resultado é que o brasileiro, diferentemente dos outros países, tende a valorizar todos os aspectos, tanto os de capacidade, quanto os de mérito, mesmo se comparado com a Polônia, que tem níveis de desigualdade semelhantes aos do Brasil. A conclusão deste survey é a de que o brasileiro tende a legitimar a desigualdade no país, mesmo percebendo que a ordem é injusta e desigual, ela não é ilegítima, pois aqueles que ascenderam as melhores posições, que são mais exceção que regra, o fizeram porque aproveitaram melhor as oportunidades que apareceram em seu caminho e tiveram o benefício de contar com a sorte ou com a graça divina, encontrando melhores oportunidades ou as pessoas certas, quando na verdade o que ocorreu foi a falta de uma política que distribuísse de maneira equitativa recursos e oportunidades. Assim, a sociedade brasileira se apresentou para a maioria da população fechada no topo da pirâmide durante séculos, porém aberta nas posições inferiores. Transferiu se para cada indivíduo a responsabilidade de acesso ou não aos benefícios. Dado interessante levantado pelo autor é que, se criássemos uma categoria de trabalhador vulnerável que inclua os trabalhadores assalariados sem carteira e os não remunerados, temos como resultado a semelhança da estrutura do mercado de trabalho em 2006 com a do de Por fim sugere se que o que move o brasileiro é a fé na esperança de que o futuro será melhor do que o presente, mesmo que não exista tais garantias para a efetivação.

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014 45ª Semana de Serviço Social OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade 14 a 16 de maio de 2014 Na Copa, comemorar o quê?. É com este mote criativo e provocativo que o Conjunto

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades Unidade As desigualdades sociais instalaram se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda

Leia mais

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Rita de Cássia da Conceição Gomes Natal, 11/09/2011 As Desigualdades socioespacias em nossa agenda de pesquisa: Dialética apresentada Pesquisa

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

A União Europeia vive, hoje, uma verdadeira questão social. Uma questão que é, ao mesmo tempo, económica, financeira e política. São muitas as razões:

A União Europeia vive, hoje, uma verdadeira questão social. Uma questão que é, ao mesmo tempo, económica, financeira e política. São muitas as razões: DISCURSO DE S. EXA A PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA CONFERÊNCIA DE PRESIDENTES DOS PARLAMENTOS DA UNIÃO EUROPEIA NICÓSIA, CHIPRE Sessão III: Coesão social em tempos de austeridade o que podem

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades As desigualdades sociais instalaram-se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda hoje são

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação

4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação 4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação A desigualdade, em suas várias formas, é um fenômeno bastante antigo nas sociedades e reflete sempre uma relação de poder, na medida em que representa um padrão

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) Institui feriado nacional no dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, data que lembra o dia em que foi assassinado, em 1695, o líder Zumbi,

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Por Carlos ley Noção e Significados A expressão direitos humanos é uma forma abreviada de mencionar os direitos fundamentais da pessoa humana. Sem esses direitos a pessoa não

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

A Constituição das desigualdades

A Constituição das desigualdades Introdução Muitos estudos, especialmente na área da sociologia da educação, têm demonstrado que os projetos de democratização das sociedades modernas enfrentam dificuldades relacionadas à efetivação dos

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2012.

PROJETO DE LEI N.º, DE 2012. PROJETO DE LEI N.º, DE 2012. (Do Sr. Irajá Abreu) Altera a redação do art. 611 da Consolidação das Leis do Trabalho, aprovado pelo Decreto-lei nº 5452, de 1º de maio de 1943, para dispor sobre a eficácia

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Aspectos culturais e relações de gênero 1

Aspectos culturais e relações de gênero 1 Aspectos culturais e relações de gênero 1 Objetivo da Aula A questão de gênero realiza-se culturalmente por ideologias que tomam formas específicas em cada momento histórico e, tais formas, estão associadas

Leia mais

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD ,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD 'RFXPHQWRDSUHVHQWDGRSRURFDVLmRGRODQoDPHQWRGD &RPLVVmR1DFLRQDOVREUH'HWHUPLQDQWHV6RFLDLVHP6D~GHGR %UDVLO&1'66 0DUoR ,QLTXLGDGHVHPVD~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado Ana Carolyna Muniz Estrela 1 Andreza de Souza Véras 2 Flávia Lustosa Nogueira 3 Jainara Castro da Silva 4 Talita Cabral

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: VIABILIDADE ECONÔMICA, RESPONSABILIDADE AMBIENTAL E JUSTIÇA SOCIAL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: VIABILIDADE ECONÔMICA, RESPONSABILIDADE AMBIENTAL E JUSTIÇA SOCIAL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: VIABILIDADE ECONÔMICA, RESPONSABILIDADE AMBIENTAL E JUSTIÇA SOCIAL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Na busca por uma definição de desenvolvimento, alguns extremos devem ser

Leia mais

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas)

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) 1) O que é tributo? Considerando a classificação doutrinária que, ao seguir estritamente as disposições do Código Tributário Nacional, divide os tributos em "impostos",

Leia mais

Recorde: Revista de História de Esporte volume 1, número 2, dezembro de 2008

Recorde: Revista de História de Esporte volume 1, número 2, dezembro de 2008 CAPOEIRA THE HISTORY OF AN AFRO-BRAZILIAN MARTIAL ART RESENHA Prof. Vivian Luiz Fonseca Fundação Getúlio Vargas - PPHPBC CPDOC/FGV Rio de Janeiro, Brasil vivianluizfonseca@gmail.com Recebido em 9 de setembro

Leia mais

PROPOSTA PARA DEBATE. Reforma Tributária com Transparência das Contas Públicas: a sociedade e o Estado Brasileiro merecem essa conquista

PROPOSTA PARA DEBATE. Reforma Tributária com Transparência das Contas Públicas: a sociedade e o Estado Brasileiro merecem essa conquista 1 PROPOSTA PARA DEBATE Reforma Tributária com Transparência das Contas Públicas: a sociedade e o Estado Brasileiro merecem essa conquista Introdução O Sindicato dos Economistas no Estado de São Paulo e

Leia mais

Marco Aurélio Santana Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia (PPGSA/UFRJ) RESENHAS REVIEWS

Marco Aurélio Santana Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia (PPGSA/UFRJ) <marcosilvasantana@gmail.com> RESENHAS REVIEWS RESENHAS REVIEWS 699 A construção da sociedade do trabalho no Brasil: uma investigação sobre a persistência secular das desigualdades. Adalberto Cardoso. Rio de Janeiro, Editora FGV/Faperj, 2010, 463 p.

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS Prof. Gabriel Dezen Junior (autor das obras CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS e TEORIA CONSTITUCIONAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS, publicadas pela Editora Leya

Leia mais

CURSO: BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL

CURSO: BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL CURSO: BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL ALINE OLIVEIRA DA CRUZ 440398 DAIANE MENEZES DA SILVA 412736 ESTER GONÇALVES DA SILVA 431653 FABIANA ESPÍNDOLA RODRIGUES 429013 TÁSSIA CRUZ DO NASCIMENTO 420298 Gestão

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas 54ª Reunião Anual da SBPC Goiânia/GO Julho/2002 O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas João Ferreira de Oliveira (UFG) A universalização do acesso à educação superior constitui-se

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca DURANTE OS TRABALHOS DA 8? CONFERÊNCIA

Leia mais

PROEJA: UMA POSSIBILIDADE DE DIMINUIÇÃO DAS DIFERENÇAS EDUCACIONAIS PARA SUJEITOS COM DISTORÇÃO IDADE/ESCOLARIDADE

PROEJA: UMA POSSIBILIDADE DE DIMINUIÇÃO DAS DIFERENÇAS EDUCACIONAIS PARA SUJEITOS COM DISTORÇÃO IDADE/ESCOLARIDADE PROEJA: UMA POSSIBILIDADE DE DIMINUIÇÃO DAS DIFERENÇAS EDUCACIONAIS PARA SUJEITOS COM DISTORÇÃO IDADE/ESCOLARIDADE Mércia Maria de Santi Estácio 1 Moísés Alberto Calle Aguirre 2 Maria do Livramento M.

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

O PAPEL DA INICIATIVA PRIVADA NO ENSINO SUPERIOR: REALIDADE E DESAFIOS PARA O FUTURO

O PAPEL DA INICIATIVA PRIVADA NO ENSINO SUPERIOR: REALIDADE E DESAFIOS PARA O FUTURO O PAPEL DA INICIATIVA PRIVADA NO ENSINO SUPERIOR: REALIDADE E DESAFIOS PARA O FUTURO Participação no Desenvolvimento Econômico Social Brasileiro Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

Sugestão de Atividades Geografia 8º ano Unidade 1

Sugestão de Atividades Geografia 8º ano Unidade 1 1. Complete a cruzadinha: I - C II - A III - P IV - I V - T VI - A VII - L VIII I IX - S X - M XI - O I. A lei da oferta e da procura é que determina os valores das mercadorias, pois o sistema capitalista

Leia mais

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional Poder e Dominação Segundo Max Weber Poder significa toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal

Leia mais

Sociedade assalariada: precariedade.

Sociedade assalariada: precariedade. Sociedade assalariada: precariedade. Acimarney Correia Silva Freitas¹, Ana Paula Ferreira Barbosa² ¹Orientador deste Artigo e Professor de Direito - IFBA. E-mail acimarney@gmail.com ²Discente Curso Técnico

Leia mais

CURSO de SERVIÇO SOCIAL NITERÓI - Gabarito

CURSO de SERVIÇO SOCIAL NITERÓI - Gabarito PROAC / COSEAC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2008 e 1 o semestre letivo de 2009 CURSO de SERVIÇO SOCIAL NITERÓI - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este

Leia mais

Contratos de Trabalho e Formas de Contratação. História do Direito do Trabalho. Direito do Trabalho

Contratos de Trabalho e Formas de Contratação. História do Direito do Trabalho. Direito do Trabalho Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Profa. Barbara Mourão Contratos de Trabalho e Formas de Contratação História do Direito do Trabalho Origem do trabalho: desde o início da humanidade.

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Senhor Ministro Chris Alexander, Senhoras e senhores, Primeiramente, gostaria cumprimentar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 3 DIREITO DO TRABALHO 3.1 Conceito de empregador e empregado De acordo com o que estabelece a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), considera-se empregador a empresa, individual ou coletiva

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PARA A PESSOA IDOSA

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PARA A PESSOA IDOSA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PARA A PESSOA IDOSA Potyara A. P. Pereira 1 Introdução Do conjunto de leis, direitos e políticas que, a partir da Constituição Federal de 1988, compõem a nova institucionalidade

Leia mais

O PAPEL DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO DESENVOLVIMENTO LOCAL E NA TRANSFORMAÇÃO DA REALIDADE

O PAPEL DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO DESENVOLVIMENTO LOCAL E NA TRANSFORMAÇÃO DA REALIDADE O PAPEL DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO DESENVOLVIMENTO LOCAL E NA TRANSFORMAÇÃO DA REALIDADE 1. Introdução Elenaldo Celso Teixeira Com um conceito claro de políticas públicas, todos entendem a linguagem usada..

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina. Centro Sócio Econômico Departamento de Economia e Relações Internacionais Florianópolis.

Universidade Federal de Santa Catarina. Centro Sócio Econômico Departamento de Economia e Relações Internacionais Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina Centro Sócio Econômico Departamento de Economia e Relações Internacionais Florianópolis Novembro 2014 Análise do Coeficiente de Gini e do Índice de Desenvolvimento

Leia mais

EDUCAÇÃO: DE POLÍTICA GOVERNAMENTAL A ESTRATÉGIA DO ESTADO

EDUCAÇÃO: DE POLÍTICA GOVERNAMENTAL A ESTRATÉGIA DO ESTADO EDUCAÇÃO: DE POLÍTICA GOVERNAMENTAL A ESTRATÉGIA DO ESTADO Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita No apagar das luzes do século XX, o mundo constata preocupado o quanto os recursos

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

Síntese Usando o Conhecimento para o Desenvolvimento

Síntese Usando o Conhecimento para o Desenvolvimento Síntese Usando o Conhecimento para o Desenvolvimento A Experiência Brasileira Overview Using Knowledge for Development The Brazilian Experience As Sínteses constituem-se em excertos de publicações da OCDE.

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais

CARTA À POPULAÇÃO BRASILEIRA Construindo um Projeto Político do Povo Negro para o Brasil

CARTA À POPULAÇÃO BRASILEIRA Construindo um Projeto Político do Povo Negro para o Brasil CARTA À POPULAÇÃO BRASILEIRA Construindo um Projeto Político do Povo Negro para o Brasil Há séculos que estamos em luta. Antes contra a escravidão, hoje enfrentamos a discriminação e o racismo. Os anos

Leia mais

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História ENEM 2014 - Caderno Rosa Resolução da Prova de História 5. Alternativa (E) Uma das características basilares do contato entre jesuítas e os povos nativos na América, entre os séculos XVI e XVIII, foi o

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Os direitos das crianças e adolescentes no contexto das famílias contemporâneas. Ana Paula Motta Costa anapaulamottacosta@gmail.

Os direitos das crianças e adolescentes no contexto das famílias contemporâneas. Ana Paula Motta Costa anapaulamottacosta@gmail. Os direitos das crianças e adolescentes no contexto das famílias contemporâneas Ana Paula Motta Costa anapaulamottacosta@gmail.com Pressuposto: Direito à Convivência Familiar, um direito fundamental de

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

REDES PÚBLICAS DE ENSINO

REDES PÚBLICAS DE ENSINO REDES PÚBLICAS DE ENSINO Na atualidade, a expressão redes públicas de ensino é polêmica, pois o termo público, que as qualifica, teve suas fronteiras diluídas. Por sua vez, o termo redes remete à apreensão

Leia mais

Desigualdades raciais, racismo e políticas públicas: 120 anos após a abolição

Desigualdades raciais, racismo e políticas públicas: 120 anos após a abolição missão: produzir e articular conhecimento para o planejamento do desenvolvimento brasileiro Comunicado da Presidência nº 4 Desigualdades raciais, racismo e políticas públicas: 120 anos após a abolição

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE SOBRE A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO NAVCV. Cultura Política em Perspectiva

CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE SOBRE A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO NAVCV. Cultura Política em Perspectiva CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE SOBRE A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO NAVCV Cultura Política em Perspectiva Maria Raquel Lino de Freitas Dezembro de 2006 UMA BREVE COLOCAÇÃO DO PROBLEMA Sociedade Civil Estado

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Reforma sanitária e sus primeira parte

Reforma sanitária e sus primeira parte Reforma sanitária e sus primeira parte Cidadão é o indivíduo que tem consciência de seus direitos e deveres e participa ativamente de todas as questões da sociedade (Herbert de Souza - Betinho) No alvorecer

Leia mais

Metade da humanidade não come...

Metade da humanidade não come... Metade da humanidade não come... ...e a outra metade não dorme com medo da que não come. Josué de Castro DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM Art. 1º Todos os homens nascem livres e iguais em dignidade

Leia mais

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Por Agnaldo dos Santos* Publicado em: 05/01/2009 Longe de esgotar o assunto, o artigo Privatização, Terceirização e

Leia mais

3. Experiências de Reformas Administrativas

3. Experiências de Reformas Administrativas A Máquina Administrativa no Brasil: da Burocracia à New Public Management 3. Experiências de Reformas Administrativas - 1930/45 A Burocratização da Era Vargas. - 1956/60 A Administração Paralela de JK.

Leia mais

Tensões Separatistas na Bélgica

Tensões Separatistas na Bélgica Tensões Separatistas na Bélgica Resenha Integração Regional Diego Cristóvão Alves de Souza Paes 18 de fevereiro de 2008 Tensões Separatistas na Bélgica Resenha Integração Regional Diego Cristóvão Alves

Leia mais

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida As ações afirmativas na construção de um horizonte ético Democracia, Republicanismo e Cidadania - Questão racial:

Leia mais

Palavras-chave: Administração Pública. Gestão Participativa e Democrática. Responsabilidade Socioambiental.

Palavras-chave: Administração Pública. Gestão Participativa e Democrática. Responsabilidade Socioambiental. ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: gestão participativa e democrática e a responsabilidade socioambiental Pedro Cássio CABRAL 1 Kerla Cristina Parreira LIMA 2 Wilson Alves de MELO 3 RESUMO A administração Pública

Leia mais

POBREZA: DEFINIÇÕES E FACTORES EXPLICATIVOS

POBREZA: DEFINIÇÕES E FACTORES EXPLICATIVOS POBREZA: DEFINIÇÕES E FACTORES EXPLICATIVOS 2013-03-16 1 Alfredo Bruto da Costa Pontos de reflexão: 1.Desde o século XII, a sociedade portuguesa revela uma preocupação activa pelos pobres (em termos culturais,

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL TRANSFORMAR ASSENTAMENTOS IRREGULARES EM BAIRROS Autor(es): Gabriel Carvalho Soares de Souza, Alexandre Klüppel, Bruno Michel, Irisa Parada e Rodrigo Scorcelli Ao considerar a Favela como um fenômeno que

Leia mais

PerCursos. Editorial 1 9 8 4-7 2 4 6

PerCursos. Editorial 1 9 8 4-7 2 4 6 1 9 8 4-7 2 4 6 DOI: 10.5965/1984724616322015001 http://dx.doi.org/10.5965/1984724616322015001 Editorial Temos o prazer de apresentar o novo número da Revista, periódico editado quadrimestralmente em formato

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora do Escritório da OIT no Brasil Salvador,

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS CAS Subcomissão Permanente em Defesa do Emprego e da Previdência Social CASEMP

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS CAS Subcomissão Permanente em Defesa do Emprego e da Previdência Social CASEMP COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS CAS Subcomissão Permanente em Defesa do Emprego e da Previdência Social CASEMP AUDIÊNCIA PÚBLICA Assunto: Os direitos da mulher no Sistema de Seguridade Social Data: 27/04/2010

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL OBJETIVO DO CURSO Capacitar trabalhadores da assistência social para a utilização dos instrumentos técnico-operativos trabalho

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução RH NA ÁREA Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net Resumo: Considerando a necessidade de orientação das pessoas para o aproveitamento de vagas disponíveis

Leia mais

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Pesquisa Ibope Pesquisa Qualitativa Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Metodologia Estudo do tipo qualitativo, envolvendo duas técnicas complementares: 1) Entrevistas

Leia mais

Participação Social em Políticas Públicas de Esporte e Lazer no Brasil: O Exemplo das Conferências Nacionais do Esporte

Participação Social em Políticas Públicas de Esporte e Lazer no Brasil: O Exemplo das Conferências Nacionais do Esporte Capítulo 2 Participação Social em Políticas Públicas de Esporte e Lazer no Brasil: O Exemplo das Conferências Nacionais do Esporte Renato Francisco Rodrigues Marques Doutor em Educação Física UNICAMP Docente

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

AMPLITUDE DO DEBATE: DO CONCEITUAL AO LEGAL

AMPLITUDE DO DEBATE: DO CONCEITUAL AO LEGAL AMPLITUDE DO DEBATE: DO CONCEITUAL AO LEGAL Especialmente nos últimos anos, a implementação da Educação Integral no Sistema Formal de Ensino Brasileiro expressou-se por meio da promulgação de legislação

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO sumário executivo Organização Internacional do Trabalho PERSPETIVAS SOCIAIS E DE EMPREGO NO MUNDO Mudança nas modalidades do emprego 2 015 perspetivas sociais e de emprego no mundo Mudança nas modalidades

Leia mais

Desigualdade entre gêneros no mercado de trabalho: desafio para o sindicalismo

Desigualdade entre gêneros no mercado de trabalho: desafio para o sindicalismo Desigualdade entre gêneros no mercado de trabalho: desafio para o sindicalismo Lorena Ferraz C. Gonçalves 1 Para se tratar das desigualdades de gênero na esfera laboral é prudente considerar primeiro o

Leia mais