A INFLUÊNCIA DA PUBLICAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO MERCADO DE CAPITAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INFLUÊNCIA DA PUBLICAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO MERCADO DE CAPITAIS"

Transcrição

1 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO Rafaela Almeida David de Castro A INFLUÊNCIA DA PUBLICAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO MERCADO DE CAPITAIS Belo Horizonte 2011

2 Rafaela Almeida David de Castro A INFLUÊNCIA DA PUBLICAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO MERCADO DE CAPITAIS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado no Curso de Graduação em Administração do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Administração. Prof. Orientador: Vagner Antônio Marques Belo Horizonte 2011

3 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ATA DE DEFESA FINAL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO II Ao primeiro dia do mês de julho de 2011, na sala 201 do Prédio Escolar da unidade Campus II do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, reuniram-se, às 20:00 horas, os professores Vagner Antônio Marques, Flávia Vital e Uajará Pessoa Araújo para participarem da banca de avaliação do Trabalho de Conclusão de Curso intitulado A influência da publicação das demonstrações contábeis no mercado de capitais de autoria da Aluna Rafaela Almeida David de Castro, como requisito parcial para aprovação na disciplina TCC II. Após a apresentação do trabalho, a aluna foi argüida pelos membros da banca, que em seguida reuniram-se para deliberar se o Trabalho apresentado atende os requisitos técnicos e acadêmicos exigidos. Uma vez avaliado, o trabalho foi declarado APROVADO. Nada mais havendo a tratar, o Professor Orientador, Presidente da Banca, declarou encerrada a sessão, cujas atividades são registradas nesta Ata, lavrada, a qual assina, juntamente com os demais membros da Banca Examinadora. Belo Horizonte, 01 de julho de Banca Examinadora: Prof. Orientador Vagner Antônio Marques (Presidente) Prof a. Flávia Vital Prof. Uajará Pessoa Araújo

4 Para Cléia Márcia, com amor.

5 RESUMO Segundo Fama (1970) os mercados de capitais são fundamentais para o desenvolvimento econômico de um país por alocar os recursos disponíveis para investimento, função que ao ser desenvolvida fornece sinais importantes à formação dos preços dos títulos, que devem refletir as informações existentes no sistema econômico a qualquer tempo. De acordo com Hendriksen e Van Breda (1999, p. 117) a informação é importante, pois permite aos investidores manter em suas carteiras as opções que atendam as suas preferências quanto ao risco e ao retorno. Takamatsu, Lamounier e Colauto (2008) afirmam que o conhecimento de especificidades das empresas e do mercado torna possível a elevação da eficiência e da rentabilidade das carteiras dos investidores no mercado financeiro. Neste sentido, as demonstrações contábeis apresentam ao usuário externo as situações financeiras, patrimoniais e econômicas das organizações. Por meio dessas informações, os investidores conseguem avaliar os riscos e o potencial de retorno de seus investimentos. Considerando a importância da informação para o desenvolvimento do mercado de capitais e também a relevância dos demonstrativos contábeis, esse trabalho propõe um estudo sobre a eficiência do mercado brasileiro e o impacto da divulgação das informações contábeis no preço das ações. Foi utilizada a técnica de Estudo de Eventos, sendo considerado como evento a data de divulgação das demonstrações contábeis trimestrais e anuais no período de 2007 a 2009 de 42 papéis de empresas listadas no Índice Bovespa (Ibovespa), consecutivamente, no período analisado. Os resultados indicaram que as demonstrações contábeis em sua maioria não afetaram significativamente nos preços dos títulos, salvo no período de 2009 em que observou-se efeito significativo, nos retornos dos títulos após a publicação. Palavras-Chaves: Eficiências de Mercado. Demonstrações Contábeis. Retornos Anormais.

6 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 - Janela de eventos QUADRO 1 Modalidades de atos ou fatos relevantes QUADRO 2 Demonstrações contábeis e suas informações QUADRO 3 Pesquisas Anteriores QUADRO 4 Síntese dos resultados dos testes aplicados para retornos diários em 2007, 2008 e QUADRO 5 Síntese dos resultados dos testes aplicados para retornos acumulados em 2007, 2008 e QUADRO 6 Resumo das conclusões por objetivos propostos... 67

7 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1 - Retornos anormais diários das demonstrações trimestrais de 2007, 2008 e GRÁFICO 2 - Retornos anormais acumulados das demonstrações anuais de 2007, 2008 e GRÁFICO 3 - Retornos anormais acumulados das demonstrações trimestrais de 2007, 2008 e GRÁFICO 4 - Retornos anormais acumulados das demonstrações anuais de 2007, 2008 e

8 LISTA DE TABELAS TABELA 1 Quantidade de eventos analisados TABELA 2 Estatística descritiva dos parâmetros da regressão do ano de TABELA 3 Teste de normalidade dos parâmetros da regressão do ano de TABELA 4 Estatística descritiva dos parâmetros da regressão do ano de TABELA 5 Teste de normalidade dos parâmetros da regressão do ano de TABELA 6 Estatística descritiva dos parâmetros da regressão do ano de TABELA 7 Teste de normalidade dos parâmetros da regressão do ano de TABELA 8 Resultado do teste de normalidade dos retornos anormais diários para 2007, 2008 e TABELA 9 Resultado do teste de normalidade dos retornos anormais acumulados para 2007, 2008 e TABELA 10 Resultados do teste T para retornos anormais diários em 2007, 2008 e TABELA 11 Resultado do teste T para retornos anormais acumulados em 2007, 2008 e TABELA 12 Resultado do teste dos sinais para retornos anormais diários em 2007, 2008 e TABELA 13 Resultado do teste dos sinais para retornos anormais acumulados em 2007, 2008 e TABELA 14 Resultado do teste Wilcoxon Mann Whitney para retornos anormais acumulados em 2007, 2008 e TABELA 15 Resultado do teste Wilcoxon Mann Whitney para retornos anormais acumulados em 2007, 2008 e

9 LISTA DE SIGLAS HME Hipótese de Mercados Eficientes CVM Comissão de Valores Mobiliários

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Apresentação Evolução do tema Problema de pesquisa Justificativa Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO Dados gerais Histórico Crescimento Principais legislações REFERENCIAL TEÓRICO Information approach na contabilidade Informação contábil e mercado de capitais Hipótese de mercado eficiente (HME) Pressupostos da HME Formas de eficiência Forma fraca (weak form) Forma semi-forte (semi-strong form) Forma forte (strong form) Relevância das informações contábeis Divulgação de informações contábeis Pesquisas anteriores METODOLOGIA Classificação da pesquisa... 36

11 4.2 Definição da amostra Estudo de eventos Definição do evento Retorno normal (R i ) Retornos estimados (R e ) Retorno anormal (AR it ) Retornos anormais acumulados Técnica de análise de dados Pressupostos econométricos Nível de significância dos testes Teste de normalidade Teste de diferença de médias Teste T para diferença de médias Testes não paramétricos Teste dos sinais Teste de Wilcoxon Mann Whitney Coleta de dados Hipóteses de pesquisa ANÁLISE DOS DADOS Análise descritiva dos parâmetros Teste de normalidade dos retornos anormais Retornos anormais diários Retornos anormais acumulados Resultados dos testes de diferença de médias aplicadas aos retornos anormais Teste T para diferença de médias Retornos anormais diários Retornos anormais acumulados Teste dos sinais Retornos anormais diários Retornos anormais acumulados Teste de Wilcoxon Mann Whitney Retornos anormais diários Retornos anormais acumulados... 60

12 5.4 Análise dos resultados CONCLUSÕES REFERÊNCIAS APÊNDICE A RELAÇÃO DE EMPRESAS PARTICIPANTES DA AMOSTRA APÊNDICE B DATAS DE APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APÊNDICE C TESTE DE NORMALIDADE DOS RETORNOS ANORMAIS... 79

13 12 1 INTRODUÇÃO 1.1 Apresentação Segundo Fama (1970) os mercados de capitais são fundamentais para o desenvolvimento econômico de um país por alocar os recursos disponíveis para investimento, função que ao ser desenvolvida fornece sinais importantes à formação dos preços dos títulos, que devem refletir as informações existentes no sistema econômico a qualquer tempo. Uma característica importante para que um mercado se desenvolva é a confiança entre os agentes de mercados. Promover a disciplina de divulgação de informações para os participantes do mercado é importante para fornecer condições para os investidores analisarem as empresas e tomarem decisões com mais certeza e confiança. De acordo com Hendriksen e Van Breda (1999, p. 117) a informação é importante, pois permite aos investidores manter em suas carteiras as opções que atendam as suas preferências quanto ao risco e ao retorno. Takamatsu, Lamounier e Colauto (2008) afirmam que o conhecimento de especificidades das empresas e do mercado torna possível a elevação da eficiência e da rentabilidade das carteiras dos investidores no mercado financeiro. Neste sentido, as demonstrações contábeis apresentam ao usuário externo as situações financeiras, patrimoniais e econômicas das organizações. Por meio dessas informações, os investidores conseguem avaliar os riscos e o potencial de retorno de seus investimentos. Estes autores atribuem à contabilidade e às informações por ela geradas uma importância fundamental no mercado de capitais, uma vez que a qualidade dessas informações está diretamente relacionada aos interesses peculiares dos usuários externos e às suas decisões. Fama (1970) supõe que num cenário em que o mercado é eficiente, as informações geradas pela contabilidade deveriam estar refletidas nos preços das ações, neste sentido, haveria uma forte relação entre as informações contábeis e o preço dos ativos no mercado, de forma que a alteração em uma variável contábil provocaria a variação dos preços das ações. Analisando a evolução do mercado de capitais no Brasil, podem-se observar diversas mudanças econômicas que afetaram o volume de negócios no país. Segundo Forti, Peixoto e Santiago (2009) o mercado de capitais brasileiro tem se expandido de forma vigorosa e as diversas mudanças ocorridas no quadro macroeconômico e regulatório brasileiro, como a

14 13 estabilização da economia e a abertura comercial, tornaram o mercado brasileiro mais atraente e acessível aos investidores. A consequência desse aumento foi o crescimento expressivo no valor das ações e dos volumes negociados na bolsa. Baesso et al. (2008) afirmam que a redução da inflação e do risco Brasil, a internacionalização dos mercados de capitais, a adesão do mercado brasileiro às regras contábeis internacionais e o aumento da base de investidores dispostos a transferir parte de sua poupança de renda fixa para ações são fatores que apontam para o aumento da eficiência do mercado de capitais no Brasil. Considerando a importância da informação para o desenvolvimento do mercado de capitais e também a relevância dos demonstrativos contábeis para o mercado, que as utiliza para mensurar o valor das empresas, os riscos e retornos esperados dos investimentos, esse trabalho se propõe a estudar a eficiência do mercado brasileiro e o impacto da divulgação das informações contábeis no preço das ações. Foi utilizado como evento a data de divulgação das demonstrações contábeis trimestrais e anuais no período de 2007 a 2009 dos papéis de empresas listadas no Índice Bovespa (Ibovespa) consecutivamente neste período. A amostra selecionada é composta por 42 papéis correspondente a 36 empresas. 1.2 Evolução do tema A Hipótese de Mercados Eficientes (HME) possibilitou um significativo avanço nas pesquisas empíricas de finanças em relação ao mercado de capitais, principalmente após o estudo de Fama (1970). Segundo Iudícibus e Lopes (2004) a HME proporcionou à contabilidade a possibilidade de verificação do relacionamento dos números contábeis e das variáveis econômicas. Os mesmos autores afirmam que com o início dos testes empíricos da HME na década de 60, começou-se a notar que as respostas do mercado para procedimento contábeis eram contraditórios ao esperado pelas regras contábeis existentes na época. Esse tipo de questionamento motivou os acadêmicos a verificarem se os números contábeis possuíam ou não conteúdo informacional relevante para o mercado de capitais. Yamamoto e Salotti (2006) afirmam que as pesquisas do final da década de 60 Ball e Brown (1968) e Beaver (1968) introduziram a metodologia financeira empírica, e a partir de então a literatura contábil passou a adotar a premissa de que a contabilidade fornece informações para o mercado de capitais, utilizando esse paradigma para investigar as relações entre a contabilidade e o preço das ações. Ball e Brown (1968) e Beaver (1968) afirmam que o tema divulgação de informações

15 contábeis tem tomado uma importância cada vez maior nos meios acadêmicos e profissionais, principalmente com o desenvolvimento do mercado de capitais brasileiro Problema de pesquisa Este trabalho preocupa-se em responder o seguinte problema de pesquisa: A publicação das demonstrações contábeis trimestrais e anuais afeta significativamente o preço das ações das empresas participantes do mercado de capitais? 1.4 Justificativa Segundo Fama (1970), todos os mercados são eficientes e se diferenciam em relação ao grau de eficiência, e pesquisas empíricas devem medir os efeitos do processo de formação dos preços com objetivo de identificar em qual forma de eficiência o mercado está inserido. Como consequência, a identificação da eficiência do mercado auxilia os agentes de mercados nas suas decisões e previsão de rentabilidade futura. Sob a perspectiva de crescimento econômico no país, este estudo é importante para mensurar o quão eficiente encontra-se o mercado brasileiro. Para Camargos e Barbosa (2003), o mercado de capitais brasileiro ainda carece de estudos que contemplem a sua eficiência, principalmente após a estabilização econômica e monetária ocorrida após Essas mudanças afetam diretamente o volume de negociações no mercado financeiro brasileiro. Forti, Peixoto e Santiago (2009) afirmam que a abertura financeira trouxe a possibilidade de que os investidores internacionais comprassem papéis nacionais diretamente no país, o reflexo desta mudança foi um crescimento expressivo no valor das ações e dos volumes negociados em bolsa. Baesso et al. (2008) indicam outros fatores que contribuíram para o aumento do volume financeiro negociado no mercado brasileiro como a redução da inflação e do risco Brasil, a internacionalização dos mercados de capitais e a progressiva adesão do mercado brasileiro às regras internacionais. Este trabalho contribui para o entendimento da reação dos acionistas às informações fornecidas pelas empresas em seus demonstrativos. Outro fator importante desse estudo é

16 identificar a ocorrência de retornos anormais gerados pela divulgação das informações contábeis dos principais ativos negociados no mercado. 15 O Índice Bovespa é o mais importante indicador do desempenho médio das cotações do mercado de ações brasileiro. Sua relevância advém do fato do Ibovespa retratar o comportamento dos principais papéis negociados na BM&F Bovespa pois, as ações que o integram respondem por mais de 80% do número de negócios e do volume financeiro verificado no mercado brasileiro. Dessa forma, este trabalho se torna importante por analisar o comportamento dos principais ativos financeiros no mercado financeiro, a influência das demonstrações contábeis no preço dos ativos e também, o grau de eficiência do mercado brasileiro atualmente. 1.5 Objetivos Objetivo geral O objetivo geral deste estudo é verificar empiricamente se a publicação das demonstrações contábeis afeta o comportamento dos preços das ações Objetivos específicos 1. Identificar a importância das informações contábeis para o mercado de capitais. 2. Identificar os tipos de efeitos possíveis pela publicação das demonstrações. 3. Identificar os retornos normais e anormais dos títulos avaliados. 4. Verificar a homogeneidade estatística dos retornos pré e pós-evento.

17 16 2 CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO 2.1 Dados gerais Segundo BMF& Bovespa (2010, p.13): O mercado de capitais é um sistema de distribuição de valores mobiliários que visa proporcionar liquidez aos títulos de emissão de empresas e viabilizar seu processo de capitalização. É constituído pelas bolsas, corretoras e outras instituições financeiras autorizadas. Gitman e Madura (2003) definem as bolsas de valores como o local no mercado onde as empresas podem levantar fundos por meio da venda de novos títulos e os compradores de títulos podem manter liquidez, sendo capazes de revendê-los facilmente quando necessário. Em 2008, foi criada a BM&F Bovespa, com a integração da Bolsa de Mercadorias e Futuros e a Bovespa Holding. A BM&F Bovespa hoje é responsável pela negociação de títulos e valores mobiliários no Brasil. Com objetivo de fiscalizar e normatizar o mercado de capitais no Brasil, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), é, segundo Bovespa (2010, p.23) A CVM é uma autarquia especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com a responsabilidade de disciplinar, fiscalizar e promover o mercado de valores mobiliários. Criada em 1976, a CVM assegura o exercício das práticas, a fim de coibir qualquer tipo de irregularidade nas negociações. 2.2 Histórico O crescimento das empresas e a expansão da economia brasileira fez surgir uma necessidade de crédito e de capital que permitisse o aumento da escala produtiva. Para Vieira e Mendes (2006), com a mudança do cenário econômico no Brasil, as empresas começaram um processo de abertura de capital e aumentou a necessidade de uma administração profissional evidente e também, de melhor fiscalização e regulamentação no mercado financeiro. Andrezo e Lima (2000) afirmam que a partir de 1964, a estrutura financeira nacional começou a se desenhar; até aquele ano as empresas tinham poucas opções de financiamento, o mercado acionário praticamente inexistia e haviam elevados índices de inflação e dificuldade de obtenção de informações sobre a real situação das empresas.

18 17 O mercado de capitais brasileiro, desde 1940, era regulamentado pelo Decreto-Lei A Lei do Mercado de Capitais n 4.728, aprovada em 1965, a Lei (criação da CVM) em 1976 e a Lei das Sociedades por Ações, aprovada em 1976 marcaram o desenvolvimento legal do mercado financeiro no país. Segundo Vieira e Mendes (2006), a Lei das S.A regulamentou a estrutura básica que as empresas deveriam seguir em sua contabilidade, forma organizacional, direitos e deveres de dirigentes e acionistas, além de padronizar as práticas existentes. A partir da década de 90, a entrada de capital estrangeiro no país se intensificou. Segundo Andrezo e Lima (2000), a abertura externa, a privatização de estatais, a estabilização econômica e a redução da participação do Estado no sistema bancário nacional, que passou a concentrar sua atuação como regulador e fiscalizador mudou a imagem do país perante os investidores. Os autores afirmam que esses fatores foram importantes para o desenvolvimento do mercado acionário no Brasil. A Lei n de 31 de outubro de 2001 aprovou ementas de modificações na Lei (Lei das S.A.) e na Lei (Criação da CVM). Souza (2002) afirma que esta Lei introduziu mudanças na estrutura de capital das companhias abertas, na administração e nos direitos dos acionistas não-controladores. Tais modificações, segundo o autor, acrescentaram ao mercado brasileiro princípios de Governança Corporativa e fortaleceu a estrutura do mercado de capitais no Brasil. Em 2008, a Bovespa se integrou com a Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) formando a BM&F Bovespa, atual instituição brasileira de intermediação para operações do mercado de capitais e mercadorias e futuros. Essa junção levou a BM&F Bovespa a se posicionar como a segunda maior bolsa de negociação das Américas. 2.3 Crescimento O mercado de capitais no Brasil teve um lento desenvolvimento que teve como fatores responsáveis o fechamento da economia e dos investimentos até a década de De acordo com Andrezo e Lima (2000), neste período a instabilidade econômica e a preocupação com a inflação não permitiam o desenvolvimento do mercado de capitais no país. Até este período, abrir o seu capital não era interessante para as empresas, visto que existiam outras formas de financiamento menos onerosas de recursos governamentais subsidiados.

19 18 A partir do início da década de 90, o mercado começou a se desenvolver com a entrada de recursos estrangeiros e a privatização de estatais, que refletiu em um crescimento expressivo no valor das ações e no volume de negociações. Segundo Bovespa (2000) já no final desta década, o mercado de capitais brasileiro perde sua atratividade com o fim das privatizações mais importantes, o aumento dos custos de transações (criação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira CPMF) e o surgimento e facilidade de acesso às bolsas internacionais. A retomada do crescimento no mercado de ações brasileiro se deu pela necessidade de investimento para as empresas, pois, com o fim de créditos subsidiados pelo governo as empresas precisaram buscar outras fontes de captação de recursos. Andrezo e Lima (2000) completam que do lado dos acionistas, a baixa inflação, a queda da taxa de juros e a maior transparência nas informações gerenciais da empresas são fatores que contribuiram para o crescimento do volume de negociações no mercado e para o crescimento dos mercados latinos-americanos.. Com objetivo de desenvolver o mercado de capitais brasileiro, nota-se o crescimento de práticas de transparencia gerencial adotadas pelas empresas e estimuladas pelos órgãos regulamentadores. Para Forti, Peixoto e Santiago (2009), o desenvolvimento atual do mercado de capitais brasileiro tem como uma das causa a crescente preocupação com a divulgação de informações e a adoção de práticas de de governança corporativa entre as empresas. 2.4 Principais legislações As principais legislações que regulamentam o mercado de capitais brasileiro são: Lei n (Mercado de Capitais); Lei n (criação da CVM); Lei n (Lei das S.A.) e a Lei n A Lei de Mercado de Capitais n foi instituída em 14 de julho de Nela foi atribuído ao Conselho Monetário Nacional e ao Banco Central do Brasil a autoridade de regulamentar e fiscalizar o mercado de capitais no país. Também foi instituído o sistema de distribuição no mercado de capitais e os seus participantes. A Lei formalizou o acesso ao mercado financeiro pelos investidores e pelas empresas; as obrigações das companhias abertas; as sociedades e fundos de investimentos.

20 19 A Lei n foi aprovada em 7 de dezembro de 1976, e nela foi criada a CVM. A partir da legislação, foi definida a CVM como órgão regulamentador e fiscalizador das atividades e os serviços do mercado de valores mobiliários. Cabe à CVM também, a veiculação de informações relativas ao mercado e às pessoas que dele participem. Posterior à criação da CVM, foi aprovada a Lei das S.A em 15 de dezembro de 1976, que descreveu uma empresa sociedade anônima e instituiu seus deveres e obrigações como participante do mercado de capitais brasileiro. Esta Lei definiu as condições necessárias para que uma empresa abra seu capital, diferenciou as sociedades anônimas abertas e fechadas, firmou a autoridade da CVM como órgão regulamentador e fiscalizador das S.A. Uma importante contribuição dessa lei foi a definição da obrigatoriedade de divulgação dos demonstrativos contábeis anuais com objetivo de exprimir com clareza a situação do patrimônio da companhia e as mutações ocorridas no período. Com objetivo de alterar e acrescentar disposições na Lei n 6.404/76 (Lei das S.A.) e na Lei n 6.385/76 (Criação da CVM) foi decretada a Lei n em 31 de outubro de Como principais mudanças, esta Lei firmou o direito de tag along para as ações ordinárias, o processo de fechamento de capital e fortaleceu a CVM como órgão regulador. Esta Lei também regulamentou as assembleias de investidores e a formação do conselho de administração das empresas sociedades anônimas.

21 20 3 REFERENCIAL TEÓRICO 3.1 Information approach na contabilidade No final da década de 60 a ênfase das pesquisas em contabilidade passou da abordagem normativa para uma perspectiva com base na informação, que ficou conhecida como information approach (abordagem da informação). Segundo Lopes (2002) essa nova visão dominou as pesquisas acadêmicas e foi premissa de importantes trabalhos anglo-saxões que se seguiram. Isso implicou que as pesquisas passaram, a partir dessa nova abordagem, a focar na observação empírica da relação entre a contabilidade e suas informações e o valor das empresas no mercado de capitais (abordagem positiva). Yamamoto e Salotti (2006) afirmam que os trabalhos de Ball e Brown (1968) e Beaver (1968) foram importantes contribuições para a pesquisa positiva em contabilidade, através da introdução da metodologia financeira empírica. Ball e Brown (1968) estudaram a reação dos preços de mercado à evidenciação de lucro contábil anormal. Beaver (1968) analisou o comportamento dos preços e do volume negociado nas semanas próximas da divulgação de informações contábeis. Para Lopes (2002) estes estudos demonstraram que tanto o preço quanto o volume de negociações reagem à divulgação das informações contábeis. Este autor ainda afirma que esta relação entre o mercado de capitais e as demonstrações contábeis descrita nos trabalhos de Ball e Brown (1968) e Beaver (1968) abriram uma nova era no campo de pesquisas em contabilidade. Yamamoto e Salotti (2006, p. 1) afirmam ainda que: A partir de então, a literatura contábil passa a adotar a premissa de que a contabilidade fornece informações para o mercado de capitais, utilizando esse paradigma para investigar as relações entre a contabilidade e o preço das ações. Segundo Lopes (2002), com essa nova visão, a contabilidade começou a ser vista de uma maneira diferente com a alteração dos mecanismos de pesquisa e o estabelecimento de hipóteses e testes empíricos para verificação do real comportamento dos agentes econômicos

22 21 em face da informação contábil. O autor considera ainda que a information approach concebe à contabilidade o seu papel de fornecedora de informações para os agentes econômicos. Assim, a contabilidade deve ser avaliada pela sua capacidade de fornecer informações que sejam úteis ao processo de tomada de decisões dos seus usuários. Segundo Yamamoto e Salotti (2006), para que a informação contábil seja eficiente em auxiliar a tomada de decisão dos seus usuários ela necessita de possuir as seguintes características: a) relevância: a qualidade da informação é dada pela sua capacidade de auxiliar o usuário a estimar os resultados da empresa (capacidade preditiva); b) confiabilidade: as mensurações são verificáveis quando podem ser avaliadas por outros profissionais qualificados, utilizando os mesmos métodos; c) oportunidade: disponibilização da informação contábil no momento em que sua utilização seja necessária; d) consistência em sua divulgação; e) comparabilidade: capacidade de comparação entre diferentes entidades. Observa-se que a evolução das pesquisas na área contábil trouxe uma nova visão em relação à informação contábil. As recorrentes pesquisas reforçam a hipótese de que essas informações tornaram-se base para a tomada de decisões pelos investidores, que utilizam os demonstrativos para projetar suas perspectivas em relação ao futuro da empresa e seu comportamento no mercado. 3.2 Informação contábil e mercado de capitais A contabilidade fornece dados passados sobre os fluxos de caixa, lucros, dividendos e outras informações que podem ser utilizadas como parâmetros de avaliação da empresa. Iudícibus e Lopes (2004) afirmam que as informações contábeis fornecem evidências de comportamentos de fluxos de caixa futuros, que são utilizados como determinantes do valor da empresa. Kam 1 (1986) apud Yamamoto e Salotti (2006) afirma que a informação é relevante para uma decisão se ela pode reduzir a sua incerteza, por exemplo, a informação sobre eventos passados fornecem apoio na previsão de resultados futuros. Para Lopes e Martins (2005, p. 77): A relação entre a informação contábil e o preço dos títulos negociados na bolsa de valores é central, pois os preços de mercado refletem as expectativas dos agentes econômicos acerca do futuro da empresa e da economia. 1 KAM, V. Accounting theory. New York : Wiley, 1986.

23 22 O estudo de Beaver (1968) apresenta os cinco grupos de usuários das informações contábeis: investidores, intermediários de informação (analistas, empresas de classificação de risco e outros), órgãos de regulamentação, administradores e auditores. O autor ainda afirma que a informação contábil pode afetar o comportamento de seus usuários, e estes possuem uma tendência natural de exigir um número cada vez maior de informações, com maior grau de precisão e menor espaço de tempo. Yamamoto e Salotti (2006) afirmam que a informação contábil divulgada pela empresa tem como principal função fornecer dados úteis aos usuários e ressaltam a importância do processo de divulgação. Os autores classificam os níveis de divulgação como completa, justa e adequada. O nível de divulgação completa (full disclosure) aborda a maximização da divulgação pelos agentes e contempla a ideia de que todas as informações são importantes e devem ser divulgadas. A divulgação justa pressupõe o tratamento equitativo a todos os usuários e a divulgação adequada afirma que devem ser divulgadas informações somente quando estas são relevantes para os usuários. Hendriksen e Breda (2007) acreditam que a divulgação das informações relevantes para os usuários deve ser adequada, justa e completa e não há diferença real entre esses conceitos, caso sejam utilizados no contexto apropriado. A divulgação das informações pode ser classificada como obrigatória ou voluntária. De acordo com Yamamoto e Salotti (2006), pesquisadores favoráveis à obrigatoriedade afirmam que as empresas não fornecem informações suficientes aos seus usuários, pois consideram que a divulgação em excesso favorece os concorrentes. Os defensores da divulgação voluntária argumentam que as empresas possuem estímulos necessários para fornecer informações de qualidade capazes de satisfazer seus usuários. Segundo Yamamoto e Salotti (2006, p. 12) o papel dos relatórios contábeis obrigatórios, fonte primária de informação, é confirmatório em relação à divulgação voluntária, uma vez que as demonstrações obrigatórias são auditadas elas podem ser utilizadas para averiguar a veracidade da divulgação voluntária. Dessa forma, essas demonstrações são úteis na criação de um ambiente em que os administradores possam comunicar com maior credibilidade suas informações relevantes que não são diretamente verificáveis.

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera as Instruções CVM n 247, de 27 de março de 1996 e 331, de 4 de abril de 2000. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA S.A. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E PRINCÍPIOS GERAIS 2. DEFINIÇÕES 3. OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA 4. PERÍODO DE VEDAÇÕES ÀS NEGOCIAÇÕES 5. AUTORIZAÇÃO

Leia mais

Um Estudo dos Relatórios da Administração de Empresas com Níveis Diferenciados de Governança Corporativa

Um Estudo dos Relatórios da Administração de Empresas com Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Um Estudo dos Relatórios da Administração de Empresas com Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Elizabeth Krauter ekrauter@usp.br Universidade de São Paulo (USP), FEA São Paulo, SP, Brasil RESUMO

Leia mais

Capital/Bolsa Capital/ Balcão. Mesmas informações para os 2 últimos exercícios

Capital/Bolsa Capital/ Balcão. Mesmas informações para os 2 últimos exercícios Identificação das pessoas responsáveis pelo formulário Capital/Bolsa Capital/ Balcão Declaração do Presidente e do Diretor de Relação com Investidores Dívida / Investimento Coletivo IAN Apenas informações

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 10º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Visando a redução de riscos nos investimentos internacionais, além de ter mais facilidade de comunicação internacional no mundo dos negócios, com o uso de

Leia mais

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo.

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo. MERCADO DE CAPITAIS 01/12/2015 CVM ALTERA INSTRUÇÃO QUE DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO, A ADMINISTRAÇÃO, O FUNCIONAMENTO, A OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO E A DIVULGAÇÃO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da KROTON EDUCACIONAL S.A. I Definições e Adesão

Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da KROTON EDUCACIONAL S.A. I Definições e Adesão Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da KROTON EDUCACIONAL S.A. I Definições e Adesão 1. As definições utilizadas no presente instrumento têm os significados que lhes são atribuídos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições financeiras que especifica. O Banco Central do Brasil,

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES 2 I. Finalidade A presente Política de Divulgação de Informações e de Negociação de Ações tem como finalidade estabelecer as práticas de divulgação

Leia mais

Apresentação. Apresentação. Adesão ao Nível 1 de Governança Corporativa. Requisitos para Adesão ao Nível 1

Apresentação. Apresentação. Adesão ao Nível 1 de Governança Corporativa. Requisitos para Adesão ao Nível 1 Apresentação Apresentação Implantados em dezembro de 2000 pela Bolsa de Valores de São Paulo BOVESPA, o Novo Mercado e os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Nível 1 e Nível 2 são segmentos

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. 1. OBJETIVO, ADESÃO E ADMINISTRAÇÃO 1.1 - A presente Política de Negociação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE RENAR MAÇÃS S/A

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE RENAR MAÇÃS S/A POLÍTCA DE DVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE RENAR MAÇÃS S/A A Política estabelece diretrizes e procedimentos a serem observados na divulgação de ato ou fato relevante e na manutenção do sigilo de tais

Leia mais

Gestão Financeira de Organizações

Gestão Financeira de Organizações Gestão Financeira de Organizações Módulo 10 - Política de Dividendos e Relações com Investidores Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail: luiz.campagnac@gmail.com Livro Texto Administração Financeira: princípios,

Leia mais

A. DEFINIÇÕES E ADESÃO

A. DEFINIÇÕES E ADESÃO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA CYRELA BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES APROVADA PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM REUNIÃO NO DIA 10 DE MAIO DE 2012 A. DEFINIÇÕES

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

Nível 1. Governança Corporativa

Nível 1. Governança Corporativa Nível 1 Governança Corporativa Apresentação Implantados em dezembro de 2000 pela antiga Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), o Novo Mercado e os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Nível

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 30 DE SETEMBRO

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre operações de fusão, cisão, incorporação e incorporação de ações envolvendo emissores de valores mobiliários registrados na categoria A. O PRESIDENTE

Leia mais

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC O Comitê de Pronunciamentos - CPC Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de - FBC Objetivo: O estudo, o preparo e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de e a divulgação de informações

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 2 Outras metodologias aplicadas 2.1 Metodologia do valor patrimonial de mercado Nesta metodologia, o enfoque é a determinação do valor da empresa a partir de seu valor patrimonial de mercado.

Leia mais

Deveres e Responsabilidades dos Membros do Conselho de Administração e do Conselho Fiscal. Os Deveres dos Conselheiros na Instrução CVM nº 358/02

Deveres e Responsabilidades dos Membros do Conselho de Administração e do Conselho Fiscal. Os Deveres dos Conselheiros na Instrução CVM nº 358/02 1 Deveres e Responsabilidades dos Membros do Conselho de Administração e do Conselho Fiscal Os Deveres dos Conselheiros na Instrução CVM nº 358/02 Elizabeth Lopez Rios Machado SUPERINTENDÊNCIA DE RELAÇÕES

Leia mais

Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante da Marisa Lojas S.A.

Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante da Marisa Lojas S.A. Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante da Marisa Lojas S.A. A presente Política de Divulgação de Informações relevantes tem como princípio geral estabelecer o dever da Marisa Lojas S.A. ( Companhia

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A. CNPJ 02.328.280/0001-97 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 02.238.280/0001-97 Rua Ary Antenor de Souza, nº 321,

Leia mais

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil Ferramentas da Contabilidade Tipos de Auditoria Escrituração Contabilidade de Custos Análise das Demonstrações Contábeis Auditoria * Balanço Patrimonial -- BP, BP, Demonstração do do Resultado do do Exercício

Leia mais

Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante do BRB BANCO DE BRASÍLIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 00.000.208/0001-00 NIRE 5330001430 CVM 01420-6

Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante do BRB BANCO DE BRASÍLIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 00.000.208/0001-00 NIRE 5330001430 CVM 01420-6 Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante do BRB BANCO DE BRASÍLIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 00.000.208/0001-00 NIRE 5330001430 CVM 01420-6 FINALIDADE 1. - São regulados pelas disposições da presente

Leia mais

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Julho/2008 Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Principal instrumento de captação de recursos de médio e longo prazos, a debênture representa para muitas companhias a porta de entrada no mercado

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras do exercício

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012

AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 Ações O que são ações? Uma ação é um título que representa uma fração do capital social de uma empresa, constituída sob a forma de uma

Leia mais

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES Prof Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 Pronunciamento CPC 013 Adoção Inicial da Lei nº 11.638/07 e da Medida Provisória no 449/08 Antônio Carlos Palácios Vice-Presidente

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 962/03

RESOLUÇÃO CFC Nº 962/03 RESOLUÇÃO CFC Nº 962/03 Aprova a NBC T 11 - IT - 09 - Estimativas Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/1999 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A.

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 27 de abril de 2012

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

MARCOPOLO S.A. C.N.P.J nr. 88.611.835/0001-29 NIRE Nº. 43 3 0000723 5 Companhia Aberta ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

MARCOPOLO S.A. C.N.P.J nr. 88.611.835/0001-29 NIRE Nº. 43 3 0000723 5 Companhia Aberta ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Reunião: Política de Negociação de Valores Mobiliários (Portuguese only) MARCOPOLO S.A. C.N.P.J nr. 88.611.835/0001-29 NIRE Nº. 43 3 0000723 5 Companhia Aberta ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INTRODUÇÃO O objetivo da Administração Financeira é maximizar o patrimônio dos acionistas. A função do administrador financeiro é orientar as decisões de investimentos

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DLPA DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS A DLPA expõe as variações ocorridas, durante o exercício, na conta Lucros ou Prejuízos Acumulados. Ela pode ser incluída na DMPL Demonstração das Mutações

Leia mais

Art. 2º A aquisição, de modo direto ou indireto, de ações de emissão da companhia, para permanência em tesouraria ou cancelamento, é vedada quando:

Art. 2º A aquisição, de modo direto ou indireto, de ações de emissão da companhia, para permanência em tesouraria ou cancelamento, é vedada quando: TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 10, DE 14 DE FEVEREIRO DE 1980, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 268, DE 13 DE NOVEMBRO DE 1997 E Nº 390, DE 8 DE JULHO DE 2003. Dispõe sobre a

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

Aprovada na Reunião do Conselho de Administração de 10.05.2012. Sumário

Aprovada na Reunião do Conselho de Administração de 10.05.2012. Sumário POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES Aprovada na Reunião do Conselho de Administração de 10.05.2012 Sumário I. Finalidade... 3 II. Abrangência... 3 III. Divulgação de Informação

Leia mais

A Importância do RI na Abertura de Capital. Etapas do Processo de IPO. José Luiz Homem de Mello 03 de outubro de 2007

A Importância do RI na Abertura de Capital. Etapas do Processo de IPO. José Luiz Homem de Mello 03 de outubro de 2007 A Importância do RI na Abertura de Capital Etapas do Processo de IPO José Luiz Homem de Mello 03 de outubro de 2007 Agenda Registro Inicial de Companhia Aberta Registro de Oferta Pública de Distribuição

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o objetivo de proporcionar liquidez

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil 1.0 - Introdução à Lei 11.638/07 Países com pouca tradição em mercados de capitais têm a tendência de sofrer, mais do que os demais, influências exógenas (externas) nos seus processos de desenvolvimento

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 partes

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.220/09 Aprova a NBC TA 510 Trabalhos Iniciais Saldos Iniciais. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o processo de

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. I - DEFINIÇÕES 1. As definições utilizadas na presente Política de Divulgação de

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA Sócio da Deloitte e autor de livros da Editora Atlas 1 EVOLUÇÃO Instrução CVM n 457/07 Demonstrações financeiras consolidadas a partir

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Regulamento - Perfil de Investimentos

Regulamento - Perfil de Investimentos Regulamento - Perfil de Investimentos 1. Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2689 Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARCOPOLO S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARCOPOLO S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARCOPOLO S.A. I - OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Art. 1 o. A presente Política de Negociação tem por objetivo estabelecer as regras e procedimentos

Leia mais

Demonstrativo de Preço

Demonstrativo de Preço 11:24 1/13 Demonstrativo de Preço 1. Sumário das Análises Apresentadas Nas análises apresentadas nesse documento demonstramos: (i) Como foi atingido o valor implícito da Telemig Celular (Operadora) (ii)

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 243, DE 1º DE MARÇO DE 1996. DAS ENTIDADES RESPONSÁVEIS PELO MERCADODE BALCÃO ORGANIZADO

INSTRUÇÃO CVM Nº 243, DE 1º DE MARÇO DE 1996. DAS ENTIDADES RESPONSÁVEIS PELO MERCADODE BALCÃO ORGANIZADO TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 243, DE 1 o DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N o 250/96, 343/00, 440/06 E 461/07.. Disciplina o funcionamento do mercado de balcão

Leia mais

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 MANUAL DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA VULCABRAS AZALEIA S. A. DE 31 DE JANEIRO DE 2011. O

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 28.03.2013 1. OBJETIVO 1.1 A presente Política de Transações com Partes Relacionadas da BB Seguridade Participações S.A.

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon:

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon: Norma Brasileira de Contabilidade CFC/CTA Nº 2 DE 27/02/2015 Publicado no DO em 9 mar 2015 Dá nova redação ao CTA 02 que trata da emissão do relatório do auditor independente sobre demonstrações contábeis

Leia mais

Original assinado por ROBERTO TEIXEIRA DA COSTA Presidente. NORMAS ANEXAS À INSTRUÇÃO N o 001 DE 27 DE ABRIL DE 1978.

Original assinado por ROBERTO TEIXEIRA DA COSTA Presidente. NORMAS ANEXAS À INSTRUÇÃO N o 001 DE 27 DE ABRIL DE 1978. Dispõe sobre as normas e procedimentos para contabilização e elaboração de demonstrações financeiras, relativas a ajustes decorrentes da avaliação de investimento relevante de companhia aberta em sociedades

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Participações - FIP

Cotas de Fundos de Investimento em Participações - FIP Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Participações - Fundo de Investimento em Participações Investimento estratégico com foco no resultado provocado pelo desenvolvimento das companhias O produto

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

Avaliação de Investimentos em Participações Societárias Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA I 7º Termo de Ciências Contábeis Profª MSc. Maria Cecilia Palácio Soares Regulamentação do Método da Equivalência Patrimonial

Leia mais