Alcácer do Sal Duna de Montalvo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alcácer do Sal Duna de Montalvo"

Transcrição

1 Alcácer do Sal Duna de Montalvo

2 Processo de Revisão 2010 / 2011 PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO V110317

3 PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO PROCESSO DE REVISÃO 2010 / 2011

4 Mogadouro

5 Mogadouro - Douro Internacional

6 Barca d Alva

7 Algoso, Rio Angueira 16 Mar 2011

8 Mogadouro, Rio Sabor 16 Mar 2011

9 Sepentinitos Monte Morais, 16 Mar 2011

10 A CNUCD é a peça central nos esforços da comunidade internacional para combater a desertificação e a degradação dos solos nas zonas áridas da Terra. A CNUCD foi adoptada em 17 de Junho de 1994 e entrou em aplicação em 26 de Dezembro de Presentemente tem 193 Partes. A UNCCD reconhece os aspectos físicos, biológicos e sócioeconómicos da desertificação, a importância de redireccionar as transferências tecnológicas para as zonas afectadas e o envolvimento das comunidades locais no combate à desertificação e degradação dos solos. Questão central da CNUCD é o desenvolvimento dos programas de acção nacionais, subregionais e regionais pelos governos das partes, em cooperação com as agências das Nações Unidas, as comunidades locais e as organizações da sociedade civil.

11 De acordo com a Convenção das Nações Unidas instituída para o seu controlo e combate (CNUCD), a Desertificação Desertificação corresponde à degradação da terra, nas zonas áridas, semi-áridas e sub-húmidas secas, em resultado da influência de vários factores, incluindo as variações climáticas e as actividades humanas. A Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação nos Países Afectados por Seca Grave e ou Desertificação, particularmente em África (CCD), decorrendo a uma das recomendações do Programa de Acção para o Desenvolvimento Sustentável - Acção 21 - da Conferência das Nações Unidas para o Ambiente e para o Desenvolvimento, realizada no Rio de Janeiro, entre 3 e 14 de Junho de foi aprovada em 17 de Junho de 1994 e ratificada por Portugal em 1 de Abril de Também a União Europeia aprovou a Convenção, através da Decisão do Conselho n.º 98/216/CE, de 9 de Março de 1998.

12

13

14 FAO 2000 in LADA Proj Hot Spots on Drylands

15 FAO 2000 in LADA Proj Hot Spots on Drylands

16 FAO 2000 in LADA Proj Hot Spots on Drylands

17

18 Do texto da Convenção das NU de Combate à Desertificação Article 8 Relationship with other conventions 1. The Parties shall encourage the coordination of activities carried out under this Convention and, if they are Parties to them, under other relevant international agreements, particularly the United Nations Framework Convention on Climate Change and the Convention on Biological Diversity, in order to derive maximum benefit from activities under each agreement while avoiding duplication of effort. The Parties shall encourage the conduct of joint programmes, particularly in the fields of research, training, systematic observation and information collection and exchange, to the extent that such activities may contribute to achieving the objectives of the agreements concerned. 2. The provisions of this Convention shall not affect the rights and obligations of any Party deriving from a bilateral, regional or international agreement into which it has entered prior to the entry into force of this Convention for it.

19 Para os países do Anexo IV (Norte Mediterrâneo) Article 6 Content of national action programmes Affected country Parties of the region may include, in their national action programmes, measures relating to: (a) legislative, institutional and administrative areas; (b) land use patterns, management of water resources, soil conservation, forestry, agricultural activities and pasture and range management; (c) management and conservation of wildlife and other forms of biological diversity; (d) protection against forest fires; (e) promotion of alternative livelihoods; and (f) research, training and public awareness.

20 Decision 17/COP.9 Advice on how best to measure progress on strategic objectives 1, 2 and 3 of The Strategy 4. Further requests the secretariat, under the guidance of the CST Bureau and using an iterative process, to develop proposals for consideration by future sessions of the COP commencing with its eleventh session to refine the set of impact indicators and associated methodologies, taking account of: (a) application and review of the impact indicators by affected countries; (b) scientific peer review of the relevance, accuracy and cost-effectiveness of the impact indicators; (c) possible synergies with relevant programmes, projects and institutions, including those associated with the other Rio conventions; (d) relevant contributions from UNCCD Scientific Conferences;

21 ICCD/COP(8)/16/Add.1 23 October /COP.8 Activities for the promotion and strengthening of relationships and synergies with other relevant conventions and relevant international organizations, institutions and agencies Operational objective 1: Advocacy, awareness raising and education To actively influence relevant international, national and local processes and actors in adequately addressing desertification/land degradation and drought-related issues. Outcome 1.1: Desertification/land degradation and drought issues and the synergies with climate change adaptation/mitigation and biodiversity conservation are effectively communicated among key constituencies at the international, national and local levels.

22 Decision 4/COP.8 Activities for the promotion and strengthening of relationships and synergies with other relevant conventions and relevant international organizations, institutions and agencies The Conference of the Parties, Recalling decisions 7/COP.5 and 12/COP.6, which called on the secretariat of the United Nations Convention to Combat Desertification (UNCCD) to contribute with other partners to strengthening the capacity of low forest cover countries (LFCCs) to combat desertification, land degradation and deforestation, Further recalling decision 12/COP.7 and reiterating its call for capacity-building and the development of operational synergies at the national level, Conscious of the importance of the conclusions of the Desertification Synthesis of the Millennium Ecosystem Assessment, Recognizing the need to strengthen transdisciplinary scientific understanding of linkages between biodiversity, climate change and land degradation in order to improve the scientific basis for enhancing cooperation and coordination among the Rio conventions and actions to implement them at the national level, Noting that national level market-based approaches, in accordance with international law, to combating desertification and land degradation represent an important new potential source of financing but require a supportive policy environment and associated financial and technical assistance, 1. Encourages affected country Parties to establish linkages between national action programmes (NAPs) and areas driving international support such as food security and the reduction of rural poverty, adaptation to climate change and connected issues, territorial planning and the prevention of natural catastrophes, in order to make the NAPs a more versatile and iterative tool that engages the sustainable land management policy formulation process; 2. Also encourages affected country Parties to promote transdisciplinary research in affected ecosystems, in rural areas and in coastal areas of small island developing States, in accordance with the NAPs, where appropriate, as a contribution to the achievement of the Millennium Development Goals;

23 3. Further encourages developed country Parties and invites multilateral institutions to assist developing countries, particularly those in Africa, and other eligible countries, where appropriate, to access new and additional financial resources through, inter alia, relevant complementarities with other multilateral environmental agreements in order successfully to address and reverse desertification and land degradation; 4. Invites all Parties to strengthen sustainable forest management and integrated water management in critical watershed areas in order to maintain ecosystem services in affected mountain areas, to prevent soil erosion and flooding, to increase the size of atmospheric carbon sinks, and to conserve and sustainably use biodiversity; 5. Urges developed country Parties, and invites multilateral institutions, to respond to the needs of small island developing States, which are threatened by extreme weather patterns and coastal erosion, and which favour regional coordination and integrated management strategies for coastal areas and watersheds; 6. Invites the secretariats of the Convention on Biological Diversity (CBD) and the UNCCD to pursue their work under the Joint Work Programme on biological diversity in dry and subhumid lands, and encourages developed country Parties to contribute on a voluntary basis to the Supplementary Fund to enable the secretariat to take the necessary measures to ensure effective implementation of the Joint Work Programme; 7. Encourages affected country Parties, where applicable, to develop a framework to promote synergies in the implementation of the national adaptation plans of action (NAPAs) of the United Nations Framework Convention on Climate Change, the CBD national biodiversity strategies and action Plans (NBSAPs) and UNCCD NAPs, including in their financial schemes; 8. Also invites the Joint Liaison Group of the Executive Secretaries of these conventions to advise on ways and means to strengthen the links between the NAPs, the NBSAPs and the NAPAs; 9. Requests the Executive Secretary to report to the COP at its ninth session on the implementation of this decision 9th plenary meeting 14 September 2007

24 Strategic objective 2: To improve the condition of affected ecosystems Expected impact 2.1. Land productivity and other ecosystem goods and services in affected areas are enhanced in a sustainable manner contributing to improved livelihoods. Expected impact 2.2. The vulnerability of affected ecosystems to climate change, climate variability and drought is reduced. Indicator S-4: Reduction in the total area affected by desertification/land degradation and drought. Indicator S-5: Increase in net primary productivity in affected areas.

25 Strategic objective 3: To generate global benefits through effective implementation of the UNCCD Expected impact 3.1. Sustainable land management and combating desertification/land degradation contribute to the conservation and sustainable use of biodiversity and the mitigation of climate change. Indicator S-6: Increase in carbon stocks (soil and plant biomass) in affected areas. Indicator S-7: Areas of forest, agricultural and aquaculture ecosystems under sustainable management.

26 PANCD / 10yS UNCCD SO1 - Promover as condições de vida das populações das áreas afectadas SO2 - Promover as condições dos ecossistemas afectados OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS SO3 - Gerar benefícios globais pela implementação da Convenção Contribuição da gestão sustentável dos solos e combate à desertificação / degradação dos solos para a conservação e uso sustentável SO4 - Mobilizar recursos para suportar a implementação da Convenção Populações das áreas2.1 - Incremento da produtividade Crescimento dos recursos afectadas com promoção nosda terra e de outros bens e financeiros, técnicos e modos de vida e benefíciosserviços do ecossistema tecnológicos postos à disposição resultantes de rendimentosbaseadas na sustentabilidade dos das Partes afectadas para da biodiversidade e para a gerados por SLM modos de vida implementar a CNUCD mitigação das alterações climáticas Impactes esperados Redução da vulnerabilidade Redução da vulnerabilidade Adequadas políticas sócio-económica e ambiental das dos ecossistemas afectados por ambientais são promovidas para a populações afectadas às alterações climáticas, variabilidade implementação da CNUCD a alterações climáticas, à climática e secas todos os níveis variabilidade climática e seca S-8 - Crescimento do nível e S-1 - Regressão no número de S-4 - Redução na área totals-6 - Incremento nos stocks dediversidade dos fundos pessoas negativamente afectadas afectada por desertificação / carbono (no solo e na biomassadisponíveis para combater a pelos processos de desertificação degradação dos solos e seca das plantas) nas áreas afectadas desertificação / degradação dos / degradação dos solos e seca Indicadores 10yS solos e mitigar os efeitos da seca S-9 - Políticas e medidas de S-2 - Crescimento da proporção S-7 - Áreas dos ecossistemas S-5 - Incremento da produtividade desenvolvimento dirigidas à de famílias que vivem acima do de florestas, agrícolas e primária líquida nas áreas desertificação / degradação dos limiar de pobreza nas áreas aquaculturas sob gestão afectadas afectadas sustentável S-3 - Redução da proporção da população abaixo do limiar mínimo da dieta / energia alimentar nas áreas afectadas I - Água disponível per capita II - Alterações no uso do solo nas áreas afectadas Indicadores Nacionais / Global II - Alterações no uso do solo (obrigatórios) III - Proporção da população abaixo do limiar de pobreza nas (ambos os níveis) áreas afectas IV - Mal nutrição infantil e/ou consumo de alimentos / ingestão de calorias per capita V - HDI - Índice de Desenvolvimento Humano (UNDP) III - Proporção da população abaixo do limiar de pobreza nas áreas afectas VI - Nível de degradação dosvii - Biodiversidade em plantas solos e animais VII - Biodiversidade em plantas ex - Stocks de carbono no solo e animais nas plantas VIII - ìndice de Aridez IX - Status da ocupação do solo XI - Terras sob gestão sustentável solos e mitigação dos efeitos da seca

27 The proposed metrics/proxies evaluated in support of the indicator refinement effort 1. I-KM-a Water stress 2. I-LA-a Pressure on water resources 3. I-KM-b Water availability 4. I-LA-b Water availability and use 5. I-KM-c Percentage of rural population with access to (safe) drinking water 6. I.LA-c Access to improved drinking water based on change in water quality 7. II-KM [see XI KM below] LUS and SLM practices 8. II-LA LUS and change in land use 9. III-KM Rural poverty rate 10. IV-KM Proportion of chronically undernourished children under the age of 5 in rural areas 11. V-KM MMR 12. VI-LA-a Level of land degradation (via ecosystem-services provision capacity) 13. VI-LA-b Level of land degradation 14. VII-KM Crop and livestock diversity (agro agro-biodiversity biodiversity) 15. VII-CBD Trends in abundance and distribution of selected species 16. VIII-KM Trends in seasonal precipitation 17. VIII-LA Aridity trend and rainfall variability 18. IX-KM Land cover 19. IX-KM&LA Land productivity 20. X-LA Above and below ground organic carbon stocks 21. XI-KM [see II-KM above] LUS and SLM practices 22. XI-LA Land under SLM KM:Land = KM; LADA = LA; CBD = CBD

28 Destino do desenvolvimento Preservar / reverter a degadação dos solos Manutenção / promoção segurança alimentar Redução da pobreza rural Gestão Agricultura de integrada conservação fertilidade solo Armazenamen to águas da chuva Gestão pequenos regadios Barreiras de nível / áreas declivosas Agroflorestas Gestão de cultivos / verdes Gestão pastoril / caça carne SLM florestas introduzias SLM florestas autóctones zonas áridas SLM florestas autóctones zonas húmidas ## ## ## # ## ### ## ## ### ### ### ### ## ## ### # ### ## ## # # # ## ## # ## # # # # ## ## # Criação de emprego rural Promover equidade grupos marginalizados Promover a produção de cultivos Promover a produção alimentar Promover a produção de fibras e madeiras Promover os produtos silvestres ñ florestais Preservar a biodiversidade Promover recursos solo (MO e nutrientes) Promover os recursos em água Promover a produtividade em água Prevenção / mitigação desastres naturais Mitigação / adaptação alterações climáticas # ## # ## # # # # ## ## ## ## ## # ## # ## ## ### na ## # ### ## ### ## ## ## ## # # # na # # ## # ## ## ## ### ## ## # # na ## na # ## # ## ### ## ### na na na na na # # ## ## ### # # # # na # ### ## ### # ### # ### ## # # # ### ## ## # ### # # ## ### #/- ## ## # ## na ## #/- ## ### ### ### ## ### ## ## na ## # # ## # # ## ### # ## # ### ## ## ## ### #/- ## ### ## ## ## ### ## na ñ aplicável (-- negativo) #/- neutro # ligeiro positivo ## positivo ### muito positivo

29 Desenvolvimentos/ alterações climáticas Gestão Agricultura de integrada conservação fertilidade solo Armazenamen toáguasda chuva Gestão pequenos regadios Barreiras de nível / áreas declivosas Agroflorestas Gestãode cultivos / verdes Gestão pastoril / caçacarne SLM florestas introduzias SLM florestas autóctones zonas áridas SLM florestas autóctones zonas húmidas Mitigação SequestroCO2 (t/há/yr) no data 0,57 (+/-0,141) 0,26a0,46 (+/- 0,35) * 0,15 (+/-0,012) * 0,5a1 (estimado) 0,3a6,5 0,11a0,81 até 3 (asp) ** 0,1a0,3 *** 1,2a2 (fl em za) **** no data no data Sequestro biomassa aérea # # # # # ## ## # ## ## ### Sequestro no solo # ## # # # ## ## ## ## ## ## Adaptação Incremento resiliência condições de seca extremas Incremento resiliência condições húmidas extremas Incremento resiliência à variabilidade da precipitação Incremento resiliência crescimento temperaturas e evapotranspiraçã Redução dos riscos de falha produtiva ## ## ### # ## ## ## ### # ## # ### ## ### ## # ### ## ## # ### ## # # # no data # ## # ## # ### ## # ## ## # # ## # ### # ## ## ## # # ## # ## ## ## # ### # na ñ aplicável (-- negativo) #/- neutro # ligeiramente positivo ## positivo ### muito positivo * Pretty et all ** Woodfine 2009 *** Schumann et all-2002 in FAO 2004 **** FAO 2004 e GTZ 2009 asap - agrosilvopastoril fl - florestas za - Zonas áridas

30 Custos/ benefícios Gestão integrada fertilidad esolo Agricultur a de conservaç ão Armazena mento águas da chuva Gestão pequenos regadios Barreiras de nível / áreas declivosa s Agroflore stas Gestão integrada cultivos / verdes Gestão pastoril / caça carne SLM florestas introduzi as SLM florestas autócton es zonas áridas SLM florestas autócton es zonas húmidas Curto prazo ## # #/-# # / ## - #/-# # no data -/ Longo prazo ### ### ## / ### ### ## ## ## / ### no data # / ## ## ## na ñ aplicável (-- negativo) #/- neutro # ligeiro positivo ## positivo ### muito positivo

31 Benefícios ecológicos Melhoria do coberto do solo Reduzir a erosão dos solos (/vento) Melhorar as disponibilidade s de água Incrementar a matéria orgânica e a fertilidade dos solos Gestão integrada fertilidad e solo Agricultur a de conserva ção Armazen amento águas da chuva Gestão pequeno s regadios Barreiras de nível / Agroflore áreas stas declivosa s Gestão de cultivos / verdes Gestão pastoril / caça carne SLM florestas introduzi as SLM florestas autócton es zonas áridas SLM florestas autócton es zonas húmidas ## ## # # # ## ## ## ## ## ### ## ## ## # ## ### ## ## ## ## ### # ### ### # / - ## ## # # # / - # ### ### ## # # # ### ### ## # ## ### Melhoria da biodiversidade ## # # # # ### ## ## # ### ### Melhoria micro - climática na ñ aplicável (-- negativo) # ## # # # ### # # ## ### ### #/- neutro # ligeiro positivo ## positivo ### muito positivo

32 Susceptibilidade à Desertificação Portugal Continental 2003 (DISMED Pt, 2003) Indicadores Sociais Indicadores Económicos Índice de Aridez Índice de Susceptiblidade dos Solos Nova Carta de Solos de Portugal ( ex-ihera & EAN, 2003) Índice de Qualidade da Vegetação Corine Land Cover (AEA e ex-cnig, 1987/90) Índice de Qualidade de Uso do Solo Precipitação anual média (1959/ /91) (Nicolau / INAG, 2003) Espessura Risco de Incêndio Ocupação Urbana, Industrial e Turística (Actual e Projectada) Ocupação do Solo (ex-cnig, 1995) Evapotranspiração anual média (Penman ) (IM, 2003) Permeabilidade Resistência à Seca Zonas Húmidas Interiores Ocupação do Solo (ex-cnig, 1995) e Inf. EDIA Estabilidade Estrutural Protecção à Erosão Regadios (Existentes e Projectados) Ocupação do Solo (ex-cnig, 1995) e Blocos de Rega (ex-ihera, 2003) Pedregosidade Coberto Vegetal (% coberto horizontal) Drenagem Coberto Estrutural (presença dos estratos) Declive Proximidade ao Climax (grau de naturalidade das estruturas)

33 28% Lower sensivity Sensivity Hight sensivity 8% 64% Map of Sensibility to Desertification and Drought in Portugal Jun 2003

34 DESERTWATCH PRODUCTS Código Produto / Indicador P1 Sensibilidade à desertificação P2 Abundância solo / rocha (%) P3 Áreas florestais P4 Incêndios florestais P5 Impermeabilização do solo P6 Coberto vegetal P7 Fragmentação florestal P8 Abandono agrícola P9 Áreas irrigadas P10 Cenários de Desertificação P11 Índice de Degradação dos Solos / Eficiência da Precipitação

35

36

37

38 del Barrio, G., et al (IA p 1970/2000)

39

40 NAP SP 2009, IA do IZAA

41 del Barrio, G., et al. 2010

42 Cristal Clima Change Adaptation and Livelihoods

43

44

45

46

47

48

49

50 Stocks de C médios nos solos Portugueses / tipos dominantes de ocupação (Gg C.kha -1.y -1 ) Solos 0-40 cm Folhada Pinhal bravo Sobreiro 54 2 Eucalipto 68 1 Azinheira 58 2 Carvalhos 98 2 Outras folhosas 88 2 Pinhal manso 38 2 Outras coníferas 77 4 Cultivos anuais de sequeiro 38 0 Cultivos irrigados 54 0 Vinhas 40 0 Olivais 55 0 Outras culturas permanentes 42 0 Matos e matagais 91 1

51

52

53 Cristal Clima Change Adaptation and Livelihoods

54 PROCESSO Horizonte PANCD 2010/ 2020 Até 2013 Identificar, avaliar e dar coerência aos instrumentos disponíveis (PRODER, FFP, 7ºPQ e PIDAC ) Preparar quadro de intervenções e instrumentos financeiros para o período 2013 / 2020

55 RELAÇÕES INTERNACIONAIS & COOPERAÇÃO / DESENVOLVIMENTO PANCD Península Ibérica: Programa Conjunto PT c/ ES e Comunidades Autónomas Norte Mediterrâneo (Coord. Anexo IV) : Programa de Acção Regional; Centros Temáticos; Projectos Regionais (Carbono no Solo; Gestão da àgua; Indicadores Regionais) União Europeia Fora EU, inc. WPIEI D: D Representação UE na CNUCD; Cooperação c/ Países em Desenvolvimento (Arquitectura de Paris); Sinergias c/ Outros Processos; Desenvolvimento Regional e Rural conexos (Zonas Agrícolas Desfavorecidas); 7ºPQ IDT; Directiva Solos Órgãos da CNUCD (COP, CRIC e CST) CPLP Programa de Combate à Desertificação na CPLP / Dimensões Brasil PALOP Timor Leste (PCT FAO CPLP, DesertWatch Ext, SemiLuso, etc.) Norte de África Cooperação Bilateral e Multilateral

56 METODOLOGIA E OBJECTIVOS GERAIS DA REVISÃO (VISANDO A PUBLICAÇÃO DO PANCD REVISTO / RCM 17 DE JUNHO DE 2011) CNCCD Programa Nacional: (Orientações estratégicas e estruturais) (i) Adequação à Estratégia Decenal 2008/2018 da Convenção Combate à Desertificação, na frente nacional e da cooperação / desenvolvimento; (ii) Integração das Orientações dos Instrumentos de Gestão do Território pós 1999, para curto prazo (até 2013) e para médio / longo prazos (até 2020); (iii) Estabelecimento de sinergias reais nas intervenções internas e externas com as outras Convenções do Rio (Alterações Climáticas e Biodiversidade). Sub Comissões Regionais Programas Regionais (5 Regiões Continente e 2 Regiões autónomas) (Orientações operacionais): (i) Programar e desenvolver as componentes operacionais / singularidades regionais do PANCD (CCDRs / Coord. Reg. Aut., ARHs, Dep Reg ICNB, DRFlorestas, DRAgricultura, Assoc. Municípios, Inst I&D e OrgSocCivil) ; (ii) Integrar programas de intervenções / Áreas Piloto do PANCD e Centros de Referência no Combate à Desertificação. Processo s de debate e de consulta / discussão pública: - Ciclo de Eventos Temáticos (i.g. Conservação do Solo / controlo da erosão; Gestão Eficiente da Água, inc. Regadios; Prevenção e Remediação de Secas; Arborizações das Áreas Afectadas; Regressão / degradação dos Montados; Incêndios Florestais; Crise na Agricultura Tradicional, Abandono Rural e Despovoamento; Crescimento Urbano / Pressões sobre o Litoral); Processo de Avaliação Ambiental Estratégica (Out 2010 / Mar 2011).

57 PANCD - REVISÃO DAS ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS Representação Nacional das Organizações da Sociedade Civil Desenvolver Comissão Nacional do PANCD (CNCCD) Rever as Instituições representadas (Organismos centrais MADRP, MNE, MAOT, MCES, ME -; Assoc. Nac. Municípios, Orgs I&D e Orgs Sociedade Civil) Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Criar e Desenvolver Representação na CNUCD ( CST (Inc. Roster Experts e Corresponte Nacional CT); Acompanhar Progs I&D EU e FCT; Prog e BD Realizações e Necessidades PAN I&D Observatório Nacional de Desertificação Formalizar o funcionamento: (i) Acompanhar o desenvolvimento de indicadores (globais, regionais, ibéricos,nacionais e locais) (ii) Monitorização das evoluções; Comissões Regionais do PANCD Liderança Operacional Regional do PANCD Rever as Instituições representadas (Organismos regionais CCDR, ARH, DRF, DRAP, Assoc. Municípios, Org. I&D e Org. Sociedade Civil) Áreas Piloto do PANCD (Demonstração Regional/ Local do Combate aos Sindromas Relevantes da Desertificação) Centros de Referência DDSS (Rede / contexto Global, Anexo IV, Europeu Ibérico e Nacional / Combate à Desertificação, Degradação dos Solos e Seca) (e. g. Vale Formoso, Terras de Ordem, Contenda, etc.)

58 CICLO DE EVENTOS TEMÁTICOS DDSS 2010/2011: CASOS DE SUCESSO NO COMBATE À DESERTIFICAÇÃO Status\\Mogad ouro Tema Evento Data Local Organização (AFN e DRFs c/) Representação Governo Realizado Arborizações das Áreas Á afectadas Seminário Nacional 8/3/2010 Alcoutim CMAlcoutim e Cumeadas SEFDR Realizado Incêndios Florestais Seminário Nacional 11/5/2010 Mação CM Mação SEFDR Realizado DesertWatch Ext - Metodologias e Resultados Preliminares Workshop Técnico 1/10/2010 Lisboa Critical,, IST e IGP Realizado Pressões sobre o Litoral Jornadas Técnicas 20ª22/10/2010 Faro CCDRAlg, ARHAlg e UAlg Realizado Biodiversidade e Desertificação Seminário Nacional 17e18/11/2010 Castro Verde e Mértola ICNB, LPN, ADPM e UNL-DG Realizado Abandono Rural e Despovoamento Seminário Ibérico 20e21/1/2010 Idanha-a-Nova Gov SP, JExtremadura,, e CM Idanha-a-Nova SEFDR e Rep. Gov SP e Junta Extremadura Em Realização Sinergias 3 Convenções do Rio Workshop Técnico 16e17/3/2011 Mogadouro CECAC, ICNB GPP e SPCF Em programação I&D Realizações / Necessidades Workshop Técnico 17/6/2011? Lisboa CNCTCD MCES e MADRP Em programação Orgs Sociedade Civil Seminário Nacional 0/5/2010 Distrito Portalegre RRN? CNADS? OPFs

59 Conclusões sumárias: Três ideias centrais - São imprescindíveis: (i) a participação efectiva das populações e agentes locais; (ii) tornar interessante i o rendimento florestal; (iii) não ficar à espera sempre de apoios e de que os outros resolvam os problemas; Quanto aos projectos de florestação na região foi referida a necessidade de resolver os problemas do passado e que seria desejável a sua abordagem tendo em conta essencialmente: (i) o cumprimento de exigências no âmbito da gestão do financiamento aos projectos,, cuja justificação técnica se afigura desadequada às condições edafo-climáticas da região, o que os resultados no tempo bem comprovam; (ii) a melhoria das práticas silvícolas, designadamente para controlo dos matos, prevenção dos incêndios e protecção do solo, cuja apreciação poderia ser promovida no quadro de debates técnicos sob iniciativa da CNCCD; No referente ao planeamento florestal foi salientada a necessidade de ter em conta a vegetação natural potencial nesta zona adaptada às novas condições climáticas previsíveis, por forma a precaver o que é expectável, garantindo uma floresta sustentável a prazo e capaz de fornecer os espectáveis serviços necessários em novos cenários;

60 Referida a necessidade de avaliar o papel do ensombramento (densidade arbórea e de matos desejáveis) para evitar que a vegetação heliófila compita com a vegetação principal no consumo de água; Assinalada a necessidade de estudar a silvicultura dos povoamentos mistos e avaliar / discutir o que fazer com o pinheiro manso após os 20 anos em que ele garante os prémios anuais por perda de rendimento. Foram referidos exemplos vários das tentativas que ao longo dos anos têm sido desenvolvidas para conferir à gestão dos espaços florestais dimensão suficiente para assegurar a multifuncionalidade desses espaços, questão que carece de diagnóstico/análise sistémica para entender as suas potencialidades endógenas; Relevado o papel que a produção de cogumelos e a própria produção de matos para várias indústrias podem / devem desempenhar nos projectos florestais; Sobre a necessidade de ultrapassar o estrangulamento dos rendimentos insuficientes foi apontada a imprescindibilidade de internalizar as externalidades,, ou seja, promover o pagamento aos produtores florestais dos benefícios ambientais que geram para a sociedade / contratualização de serviços públicos (sequestro do carbono, água, biodiversidade, paisagem, etc); Referido o papel dinamizador que representa a instalação da "Via Algarviana", a partir da qual já se desenvolvem variadas pequenas iniciativas rurais de cariz empresarial; Salientada a necessidade de os indicadores e as medidas próprias de cada programa reflectirem uma discriminação positiva das áreas susceptíveis à desertificação; Proposto que se promova um PEG - Plano de Estabilidade para a Região do Guadiana como quadro para que as transformações e os avanços necessários possam ser desenvolvidos com confiança, contrariando as sucessivas alterações que se abatem sobre os numerosos planos e programas que foram dirigidos a esta Região e potenciando os numerosos factores de esperança e vontade de vencer que aqui se evidenciam,, de que é exemplo a Estratégia das Furnazinhas para o Combate à Desertificação.

61 Conclusões sumárias: (i) O empenhamento e a criatividade pujantes na busca de soluções múltiplas e na criação de um quadro local propício de infra-estruturas e pessoas / instituições para as apoiar; (ii) O questionar das promessas da inclusão de Mação na rede de áreas piloto do PANCD, pelas vantagens não consubstanciadas e imagem de marca que pode até ser contraproducente; (iii) A profunda afectação pelos incêndios florestais da área concelhia e seus reflexos na desertificação e despovoamento, a que contrapõe a implantação de facto de uma ampla estrutura de prevenção e defesa cuja eficácia se avaliará; (iv) O desencanto com as iniciativas ZIF, pelas dificuldades reais até agora insupríveis na sua implementação; (v) A expressão local afirmada e continuada do querer sempre mais e ir mais além apesar das dificuldades; (vi) A visão / proposta para ZIF Totais, com gestão global das actividades rurais nas áreas incluídas.

62

PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO

PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO Processo de Revisão 2010 / 2011 PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO V100526 Cristal Clima Change Adaptation and Livelihoods Portugal Visto do Céu à Noite Público Cidades 100523 Capa

Leia mais

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Direcção Regional de Florestas do Alentejo Lisboa, 21 de Julho de 2011 Sistemas Fundamentais

Leia mais

A importância das Sinergias entre as 3 Convenções do Rio: Biodiversidade, Alterações Climáticas e Combate à Desertificação

A importância das Sinergias entre as 3 Convenções do Rio: Biodiversidade, Alterações Climáticas e Combate à Desertificação A importância das Sinergias entre as 3 Convenções do Rio: Biodiversidade, Alterações Climáticas e Combate à Desertificação Lúcio do Rosário Autoridade Florestal Nacional / Comissão Nacional de Coordenação

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

O que é a DESERTIFICAÇÃO?

O que é a DESERTIFICAÇÃO? Maria José Roxo Pedro Cortesão Casimiro Tiago Miguel Sousa O que é a DESERTIFICAÇÃO? Projecto DesertLinks Framework 5 União Europeia Geografia e Planeamento Regional Faculdade de Ciências Sociais e Humanas

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE DO SOLO E DESERTIFICAÇÃO

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE DO SOLO E DESERTIFICAÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE DO SOLO E DESERTIFICAÇÃO MundoGEO#Connect LatinAmerica Nuno Duro Centro de Convenções Frei Caneca - São Paulo 31-05-2012 2012 Critical Software, All rights

Leia mais

2015: O Ano Internacional do Solo Significado e Responsabilidades

2015: O Ano Internacional do Solo Significado e Responsabilidades 2015: O Ano Internacional do Solo Significado e Responsabilidades Manuel A. V. Madeira Professor Catedrático, Departamento de Recursos Naturais, Ambiente e Território, Instituto Superior de Agronomia,

Leia mais

síntese das propostas do seminário desertificação e biodiversidade de Castro Verde / Mértola.

síntese das propostas do seminário desertificação e biodiversidade de Castro Verde / Mértola. síntese das propostas do seminário desertificação e biodiversidade de Castro Verde / Mértola. desertificação, biodiversidade e alterações climáticas Mogadouro 2011 Desertificação e Biodiversidade Carta

Leia mais

O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água

O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água Porto, 9 de Fevereiro 2012 Paulo Areosa Feio Coordenador Calendário 5 th Report on Economic, Social and Territorial Cohesion & public

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

Desertificação um Problema Ambiental Global: Soluções Locais Caso da Região Centro. Maria José Roxo maria.roxo@gmail.com. Paula Gonçalves -2008

Desertificação um Problema Ambiental Global: Soluções Locais Caso da Região Centro. Maria José Roxo maria.roxo@gmail.com. Paula Gonçalves -2008 Desertificação um Problema Ambiental Global: Soluções Locais Caso da Região Centro Idanha-a-Nova / PNT / Arraial do Zambujo Paula Gonçalves -2008 Maria José Roxo maria.roxo@gmail.com Conceito - CNUCD UNCCD

Leia mais

PDR 2014-2020 - Análise SWOT

PDR 2014-2020 - Análise SWOT A - Sector Agroalimentar Os produtos do complexo agroflorestal são bens internacionalmente transacionáveis com peso importante no comércio internacional Indústrias agroalimentares dinâmicas, com elevada

Leia mais

Gestão e conservação de habitats prioritários dos Sítios de São Mamede e Nisa/Lage da Prata

Gestão e conservação de habitats prioritários dos Sítios de São Mamede e Nisa/Lage da Prata Projeto LIFE Natureza nº LIFE04/NAT/PT/000214 Gestão e conservação de habitats prioritários dos Sítios de São Mamede e Nisa/Lage da Prata Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo/José Conchinha 1. Como

Leia mais

MEDIDA 8 - PROTEÇÃO E REABILITAÇÃO DOS POVOAMENTOS FLORESTAIS PDR 2020

MEDIDA 8 - PROTEÇÃO E REABILITAÇÃO DOS POVOAMENTOS FLORESTAIS PDR 2020 MEDIDA 8 - PROTEÇÃO E REABILITAÇÃO DOS POVOAMENTOS FLORESTAIS PDR 2020 Programa de Desenvolvimento Rural Novas Medidas de Apoio ao Investimento Operação 8.1.1 Florestação de Terras Agrícolas e não Agrícolas

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

PRACTICE Acções de Recuperação e Prevenção para Combater a Desertificação. Uma Avaliação Integrada

PRACTICE Acções de Recuperação e Prevenção para Combater a Desertificação. Uma Avaliação Integrada PRACTICE Acções de Recuperação e Prevenção para Combater a Desertificação. Uma Avaliação Integrada Zona de Protecção Especial de Castro Verde: local de estudo em Portugal Projecto PRACTICE Prevention and

Leia mais

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal O apoio Inovação na Programação do Desenvolvimento Rural Eduardo Diniz Diretor do GPP Seminário Investigação,

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO ÍNDICE DE TEXTO VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO...219 217 218 VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO O presente capítulo tem como

Leia mais

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2,

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2, P6_TA(2009)0130 Degradação das terras agrícolas na UE Resolução do Parlamento Europeu, de 12 de Março de 2009, sobre o problema da degradação das terras agrícolas na UE e particularmente no Sul da Europa:

Leia mais

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e coordenado científico da AGR.GES) 16 de Abril de 2013 1. Evolução do pinheiro bravo

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.1 CAPACITAÇÃO E DIVULGAÇÃO Enquadramento Regulamentar Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Consequências da escassês ou desaparecimento dos serviços ambientais. Hannah Murray

Consequências da escassês ou desaparecimento dos serviços ambientais. Hannah Murray Consequências da escassês ou desaparecimento dos serviços ambientais Hannah Murray Objetivos Oferecer exemplos concretos de serviços das florestas relacionados aos recursos hídricos, seqüestro de carbono,

Leia mais

Iniciativa Portuguesa de Implementação Imediata em Matéria de Alterações Climáticas - Financiamento Fast-Start de Portugal - Relatório 2010

Iniciativa Portuguesa de Implementação Imediata em Matéria de Alterações Climáticas - Financiamento Fast-Start de Portugal - Relatório 2010 Iniciativa Portuguesa de Implementação Imediata em Matéria de Alterações Climáticas - Financiamento Fast-Start de Portugal - Relatório 2010 Índice 1. Enquadramento Geral... 2 2. Principais áreas de Financiamento

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Perspetiva histórica Fixação e arborização das dunas, 1802 José de Bonifácio Andrada

Leia mais

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação: Convocatória 2015

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação: Convocatória 2015 Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017 Sessão Divulgação: Convocatória 2015 Cristina Carreiras Pedro Baptista APA, 25-06-2015 LIFE 2014-2020 Áreas Prioritárias Subprograma Ambiente Ambiente

Leia mais

Síndromas e Casos de Sucesso no Combate à Desertificação em Portugal. Dia Mundial do Combate à Desertificação 2013

Síndromas e Casos de Sucesso no Combate à Desertificação em Portugal. Dia Mundial do Combate à Desertificação 2013 Síndromas e Casos de Sucesso no Combate à Desertificação em Portugal Dia Mundial do Combate à Desertificação 2013 A Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação identifica desde o seu texto

Leia mais

Alterações Climá/cas baixo carbono e adaptação

Alterações Climá/cas baixo carbono e adaptação Portugal e Alterações Climá/cas baixo carbono e adaptação Outubro de 2011 Comissão para as Alterações Climá/cas Comité Execu3vo Em 200 anos, emitimos a quantidade de carbono que havia sido emitida nos

Leia mais

A Sustentabilidade no Espaço Público Isabel Martinho da Silva e Maria José Curado CIBIO_UP A SUSTENTABILIDADE DO ESPAÇO PÚBLICO

A Sustentabilidade no Espaço Público Isabel Martinho da Silva e Maria José Curado CIBIO_UP A SUSTENTABILIDADE DO ESPAÇO PÚBLICO A Sustentabilidade no Espaço Público Isabel Martinho da Silva e Maria José Curado CIBIO_UP Rede de Parques Metropolitanos da Grande Área Metropolitana do Porto Rede de Parques Metropolitanos da Grande

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 PDR 2014-2020 do Continente Cláudia Costa Diretora Adjunta do Gabinete de Planeamento e Políticas

Leia mais

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé Essa consultoria nacional enquadra-se no âmbito do Projecto de Cooperação Técnica CPLP/FAO TCP/INT/3201 para assessorar o Comité Nacional

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Controlo de Vegetação Lenhosa Infestante JORNADAS TÉCNICAS DESERTIFICAÇÃO E LITORAL CASOS DE SUCESSO FARO, OUTUBRO DE 2010

Controlo de Vegetação Lenhosa Infestante JORNADAS TÉCNICAS DESERTIFICAÇÃO E LITORAL CASOS DE SUCESSO FARO, OUTUBRO DE 2010 Controlo de Vegetação Lenhosa Infestante JORNADAS TÉCNICAS DESERTIFICAÇÃO E LITORAL CASOS DE SUCESSO FARO, OUTUBRO DE 2010 CAUSAS DE INFESTAÇÃO Abandono: Colonização por pioneiras ruderais; Colonização

Leia mais

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins

Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins Mª Regina Menino Mª Amélia Castelo-Branco J. Casimiro Martins ? O QUE É O SOLO? É um meio natural, limitado, que tem origem na desagregação do material originário ou rocha-mãe, através de um processo designado

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

RELATÓRIO DA DISCUSSÃO PUBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE

RELATÓRIO DA DISCUSSÃO PUBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE RELATÓRIO DA DISCUSSÃO PUBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE SECRETARIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA AGOSTO DE 2001 ESTRATÉGIA

Leia mais

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA PLANO GIONAL ORDENAMENTO FLOSTAL DO TÂMEGA Objectivos específicos comuns a) Diminuir o número de ignições de incêndios florestais; b) Diminuir a área queimada; c) Reabilitação de ecossistemas florestais:

Leia mais

PDR 2014-2020 - Relação entre as Necessidades e as Prioridades / Áreas foco DR

PDR 2014-2020 - Relação entre as Necessidades e as Prioridades / Áreas foco DR Aumentar a capacidade de gerar valor acrescentado no setor agroflorestal de forma sustentável Aumentar a produção, a produtividade dos fatores e a rentabilidade económica da agricultura Melhorar a distribuição

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

ACTIVIDADES FLORESTAIS E AGRO-SILVICULTURA NOS PROGRAMAS MULTISSECTORIAIS DE COMBATE AO VIH/SIDA

ACTIVIDADES FLORESTAIS E AGRO-SILVICULTURA NOS PROGRAMAS MULTISSECTORIAIS DE COMBATE AO VIH/SIDA ACTIVIDADES FLORESTAIS E AGRO-SILVICULTURA NOS PROGRAMAS MULTISSECTORIAIS DE COMBATE AO VIH/SIDA Existem três aspectos transversais entre o sector das florestas e o VIH/SIDA: O potencial contributo das

Leia mais

Realidades e Perspectivas da Fileira Florestal de Cabo Verde

Realidades e Perspectivas da Fileira Florestal de Cabo Verde República de Cabo Verde Realidades e Perspectivas da Fileira Florestal de Cabo Verde I Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa A Engenharia como Fator Decisivo no Processo de Desenvolvimento LISBOA

Leia mais

CIRCLE-2 ERA-Net Adaptação às Alterações Climáticas

CIRCLE-2 ERA-Net Adaptação às Alterações Climáticas CIRCLE-2 ERA-Net Adaptação às Alterações Climáticas Tiago Capela Lourenço SIM/CCIAM - Faculdade Ciências - Universidade Lisboa Oportunidades de Financiamento no 7ºPQ para Alterações Climáticas (Espaço,

Leia mais

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES)

A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM. Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) A REFORMA DA PAC E O APOIO À ACTIVIDADE DE RESINAGEM Francisco Avillez (Prof. Emérito do Isa/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) Esquema da apresentação: Objectivos da PAC pós-2013 Orientações propostas

Leia mais

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance

Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Revisão do PDM de Vila Real de Santo António Avaliação ação Ambiental be Estratégica: Desenvolvimento do Âmbito e Alcance Pedro Bettencourt 1, Pedro Afonso Fernandes 2 1 Geólogo, Director-Geral; 2 Economista

Leia mais

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7)

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7) REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7) Junho 2015 Índice Anexo III Fichas de massa de água subterrânea... 5 Código: PTA0x1RH7_C2... 1 Código: PTA0z1RH7_C2... 7 Código: PTA5... 13 Código: PTA9... 23 Código:

Leia mais

Os 3 Paradoxos. Água! Abundante ou Escassa? Amenidade ou Indústria? Abundante ou escassa?! Amenidade ou indústria?! Page 1

Os 3 Paradoxos. Água! Abundante ou Escassa? Amenidade ou Indústria? Abundante ou escassa?! Amenidade ou indústria?! Page 1 Mestrado em Engenharia Civil Desafios Ambientais e de Sustentabilidade em Engenharia e Sustentabilidade Francisco Nunes Correia Instituto Superior Técnico Ano Lectivo 2010/2011 1º Semestre da Gestão dos

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural

Programa de Desenvolvimento Rural Programa de Desenvolvimento Rural PDR 2020 do Continente Terra no Horizonte 2014-2020 Tavira, 13 Março 2014 1 2 Panorama Principais constatações Atuação Constrangimentos e Necessidades 3 Arquitetura 4

Leia mais

Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima

Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima 8ª Semana de Integração Tecnológica - EMBRAPA 26/05/2015 Plano de Energia e Mudanças Climáticas Energia Cooperação internacional Processo Participativo Agricultura,

Leia mais

Monitoramento da Seca através de dados Meteorológicos e Sensoriamento Remoto Paulo Barbosa

Monitoramento da Seca através de dados Meteorológicos e Sensoriamento Remoto Paulo Barbosa 1 Monitoramento da Seca através de dados Meteorológicos e Sensoriamento Remoto Paulo Barbosa Comissão Europeia Centro Comum de Investigação Instituto para o Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (IES)

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3.1 QUADRO INSTITUCIONAL O Ministério para a Coordenação da Acção Ambiental (MICOA) criado pelo Decreto Presidencial 6/95 de 16 de Novembro, é responsável por todas as actividades

Leia mais

LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE José Ivaldo Barbosa de Brito (1); Ioneide Alves de Souza; José Oribe Rocha Aragão (1) Departamento de Ciências

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil PROGRAMA DE AÇÃO A NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Coordenação de Combate à Desertificação

Leia mais

Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro. O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia

Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro. O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia José Nuncio Auditório do IPQ, Caparica 29 Maio 2013 Definição POLUIÇÃO DIFUSA

Leia mais

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO FICHA DE TRABALHO CADERNO FICHA 5. GESTÃO DO CONHECIMENTO 5.5. ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado,

Leia mais

Dia Mundial da Agricultura

Dia Mundial da Agricultura Dia Mundial da Agricultura Diz-me como produzes os teus alimentos, dir-te te-ei ei quem és Lisboa, 18 de Março de 2011 No âmbito das comemorações do Dia Mundial da Agricultura (20 de Março) o GEOTA emite

Leia mais

das Portugal, 19/05/2009

das Portugal, 19/05/2009 O Mecanismo Mundial da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Portugal, 19/05/2009 CONTEUDO 1. Introdução à UNCCD e ao Mecanismo Mundial (MM) 2. Apoio do MM à mobilização de recursos no

Leia mais

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial 5 Augusto Ferreira Departamento Técnico - CONFAGRI MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 20.Set.2013 Hotel da Estrela

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

Projeto de Cooperação Técnica CPLP Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Termos de Referência. Consultoria Nacional Guiné-Bissau

Projeto de Cooperação Técnica CPLP Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Termos de Referência. Consultoria Nacional Guiné-Bissau Projeto de Cooperação Técnica CPLP Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Termos de Referência Consultoria Nacional Guiné-Bissau Identificação da Consultoria Contratação de consultoria

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA 9.º ANO DE GEOGRAFIA 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Dentro do domínio das redes e modos de transporte e telecomunicação, o aluno deve compreender a importância dos transportes nas dinâmicas dos territórios,

Leia mais

6. Emissão e Remoção de GEE Associados às Alterações de Uso e Ocupação do Solo

6. Emissão e Remoção de GEE Associados às Alterações de Uso e Ocupação do Solo 6. Emissão e Remoção de GEE Associados às Alterações de Uso e Ocupação do Solo Joana Melo; Maria José Vasconcelos; Maria José Vale; Rui Reis 6.1. Introdução De acordo com os Artigos 4. o e 12. o da Convenção-Quadro

Leia mais

Agricultura e Desenvolvimento Rural: Que instrumentos de Financiamento 2014-2020

Agricultura e Desenvolvimento Rural: Que instrumentos de Financiamento 2014-2020 Agricultura e Desenvolvimento Rural: Que instrumentos de Financiamento 2014-2020 Painel Pararelo II Desenvolvimento Florestal do Alto Minho: Principais prioridades 2014-2020 Estratégia Territorial de Valorização

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 9 MANUTENÇÃO DA ATIVIDADE AGRÍCOLA EM ZONAS DESFAVORECIDAS

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 9 MANUTENÇÃO DA ATIVIDADE AGRÍCOLA EM ZONAS DESFAVORECIDAS Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 9 MANUTENÇÃO DA ATIVIDADE AGRÍCOLA EM ZONAS DESFAVORECIDAS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do

Leia mais

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 micro-empresas e actividade económica TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégia com o objectivo único de contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e

Leia mais

Federal Court of Accounts Brazil (TCU) Auditing Climate Change Policies

Federal Court of Accounts Brazil (TCU) Auditing Climate Change Policies Federal Court of Accounts Brazil (TCU) Auditing Climate Change Policies JUNNIUS MARQUES ARIFA Head of Department of Agriculture and Environmental Audit TCU s mandate and jurisdiction 1. Role of Supreme

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

INVENTÁRIO DE RECURSOS FLORESTAIS Conceitos básicos

INVENTÁRIO DE RECURSOS FLORESTAIS Conceitos básicos INVENTÁRIO DE RECURSOS FLORESTAIS Conceitos básicos Introdução Introdução Silvicultura (Forestry) Silvicultura é a ciência, a arte, o negócio, a prática, de conservar e gerir florestas e áreas florestais

Leia mais

ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian. 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com

ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian. 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com Paisagem: designa uma parte do território, tal como é apreendida pelas

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013 do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão"

Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão Seminário Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão Alcácer do Sal Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão" Nélia Aires Eng.ª Florestal UNAC -União da Floresta Mediterrânica 18. 09. 2012 Índice

Leia mais

"Modos de produção agrícola, Agro-biodiversidade e Sustentabilidade"

Modos de produção agrícola, Agro-biodiversidade e Sustentabilidade "Modos de produção agrícola, Agro-biodiversidade e Sustentabilidade" Seminário Sustentabilidade em Espaço Rural 18 de Setembro 2009 Algarve Pedro Fevereiro Quem sou eu Professor Regente da Disciplina de

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural

Programa de Desenvolvimento Rural Programa de Desenvolvimento Rural PDR 2014-2020 do Continente Eduardo Diniz Diretor do Gabinete de Planeamento e Políticas Seminário PDR 2014-2020 INIAV / Oeiras 30 Outubro 2013 PDR 2014-2020 do Continente

Leia mais

Biodiversidade na base dos serviços dos ecossistemas Pobreza, desenvolvimento e recursos naturais. 5ª aula

Biodiversidade na base dos serviços dos ecossistemas Pobreza, desenvolvimento e recursos naturais. 5ª aula Mestrado em Engenharia do Ambiente 1º ano / 1º semestre GESTÃO DE AMBIENTE E TERRITÓRIO Biodiversidade na base dos serviços dos ecossistemas Pobreza, desenvolvimento e recursos naturais 5ª aula Convenção

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET INTRODUÇÃO O Ministério do Ambiente, através do Instituto da Água (INAG) e Direcções Regionais do Ambiente (DRA) dispõe actualmente de

Leia mais

CARTA DE RECOMENDAÇÃO E PRINCÍPIOS DO FORUM EMPRESARIAL RIO+20 PARA A UNCSD-2012

CARTA DE RECOMENDAÇÃO E PRINCÍPIOS DO FORUM EMPRESARIAL RIO+20 PARA A UNCSD-2012 CARTA DE RECOMENDAÇÃO E PRINCÍPIOS DO FORUM EMPRESARIAL RIO+20 PARA A UNCSD-2012 (CHARTER OF RECOMMENDATION AND PRINCIPLES OF FORUM EMPRESARIAL RIO+20 TO UNCSD-2012) Nós, membros participantes do FÓRUM

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

7264 Diário da República, 1.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015

7264 Diário da República, 1.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015 7264 Diário da República, 1.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015 Portaria n.º 274/2015 de 8 de setembro O Decreto -Lei n.º 137/2014, de 12 de setembro, estabeleceu o modelo de governação dos fundos europeus

Leia mais

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia

Metas Curriculares Ensino Básico Geografia Metas Curriculares Ensino Básico Geografia 9.º ano Versão para discussão pública Novembro de 2013 Autores Adelaide Nunes António Campar de Almeida Cristina Nolasco Geografia 9.º ano CONTRASTES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Research briefing: Como a EMBRAPA catalisou os ganhos de produtividade nas Indústrias de Soja e Pasta & Papel

Research briefing: Como a EMBRAPA catalisou os ganhos de produtividade nas Indústrias de Soja e Pasta & Papel O que podem os países africanos aprender do desenvolvimento e crescimento inclusivo do Brasil? Research briefing: Como a EMBRAPA catalisou os ganhos de produtividade nas Indústrias de Soja e Pasta & Papel

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR Concurso com Previa Qualificação Convite para a Manifestação de Interesse

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Ministério para Coordenação da Acção Ambiental Direcção Nacional de Gestão Ambiental

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Ministério para Coordenação da Acção Ambiental Direcção Nacional de Gestão Ambiental REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Ministério para Coordenação da Acção Ambiental Direcção Nacional de Gestão Ambiental Estudo sobre o Papel das Convenções Internacionais sobre meio ambiente no Alívio a Pobreza em

Leia mais

Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso Básico

Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso Básico Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso Básico Planificação Anual da disciplina de GEOGRAFIA 7 º Ano

Leia mais

O Risco dos Incêndios Florestais

O Risco dos Incêndios Florestais Estratégias de Gestão do Risco de Incêndio Florestal, 18 de Março, Lisboa O Risco dos Incêndios Florestais Paulo Fernandes Dept. Ciências Florestais e Arquitectura Paisagista, Universidade de Trás-os-Montes

Leia mais

Desastres Naturais: causas e relações com as mudanças climáticas

Desastres Naturais: causas e relações com as mudanças climáticas Desastres Naturais: causas e relações com as mudanças climáticas Luiz Augusto Toledo Machado Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) Luiz.Machado@cptec.inpe.br

Leia mais

Seminário de Pré-lançamento. Madrid 1 de julho de 2015

Seminário de Pré-lançamento. Madrid 1 de julho de 2015 Seminário de Pré-lançamento Madrid 1 de julho de 2015 Balanço do Programa Sudoe 2007-2013 Resultados quantitativos 2007/2013 Eixo FEDER Nº de projetos Nº de beneficiários Nº Beneficiários Principais PT

Leia mais

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021 Documento de apoio à participação pública 22 de dezembro 2012 Atualização maio 2013 Departamento

Leia mais

Prioridades para o Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 e outros mecanismos de sustentabilidade ambiental da PAC em Portugal

Prioridades para o Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 e outros mecanismos de sustentabilidade ambiental da PAC em Portugal Prioridades para o Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 e outros mecanismos de sustentabilidade ambiental da PAC em Portugal Posição da SPEA Outubro 2013 Coordenação: Dr. Domingos Leitão Introdução

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais