Caracterização e Enquadramento da região ZV de Estremoz-Cano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caracterização e Enquadramento da região ZV de Estremoz-Cano"

Transcrição

1 Caracterização e Enquadramento da região ZV de Estremoz-Cano Sousel 7 de outubro de 2014

2 Enquadramento Geográfico Distritos: Portalegre e Évora Concelhos: Sousel e Estremoz Sistema Aquífero: Estremoz-Cano Fonte: Área: km ha

3 Divisão Administrativa DRAP / Zona Vulnerável de Estremoz-Cano

4 Freguesias abrangidas / Zona Vulnerável de Estremoz-Cano SANTO ANDRÉ

5 Indicadores RGA-INE-2009 Representatividade da SAU dentro da área das freguesias em ZV Área (ha) de SAU da freguesia dentro da ZV Área (ha) de SAU na freguesia Total de SAU nas freguesias: ha SAU dentro da ZV: ha Corresponde a 44% da SAU dentro da ZV Fonte: Superfície agrícola utilizada (ha) por Localização geográfica (NUTS ) e Forma de exploração (superfície agrícola utilizada); Decenal - INE, Recenseamento agrícola - séries históricas

6 Capacidade de uso dos solos

7 Orografia A zona vulnerável de Estremoz-Cano integra-se numa região com um relevo plano ou quase plano (66% da área), 21% apresenta um declive moderado a ligeiramente acentuado e os restantes 13% moderadamente acentuado a acentuado. Agropecuária Os sistemas agrícolas predominantes são os sistemas culturais de sequeiro, nomeadamente o olival tradicional, pastagens sob-coberto, arvenses e vinha. No que diz respeito à pressão agropecuária a pecuária em regime extensivo assume a maior relevância.

8 Indicadores RGA-INE-2009 Representatividade das áreas das culturas permanentes nos concelhos de Sousel e de Estremoz Sousel 0% 1% 1% 3% Estremoz 5% 29% Frutos frescos (excepto citrinos) ha Frutos de casca rija ha Olival ha 94% 67% Vinha ha Fonte: Superfície das culturas permanentes (ha) por Localização geográfica (NUTS ) e Tipo (culturas permanentes); Decenal - INE, Recenseamento agrícola - séries históricas

9 Indicadores RGA-INE-2009 Representatividade das áreas (ha) de culturas temporárias por freguesia dentro da ZV Cereais para grão ha Leguminosas secas para grão ha Prados temporários ha Culturas forrageiras ha Culturas industriais ha Culturas hortícolas ha Fonte: Superfície das culturas temporárias (ha) por Localização geográfica (NUTS ) e Tipo (culturas temporárias); Decenal - INE, Recenseamento agrícola - séries históricas

10 Indicadores RGA-INE-2009 Representatividade das áreas (ha) de prados e pastagens permanentes por freguesia dentro da ZV Superfície de prados e pastagens permanentes (ha) Sousel Casa Branca Cano São Lourenço de Mamporcão São Domingos de Ana Loura São Bento do Ameixial Santo Estêvão Estremoz (Santo André) Santa Vitória do Ameixial Estremoz (Santa Maria) Glória Arcos Superfície de prados e pastagens permanentes (ha) Fonte: Superfície de prados e pastagens permanentes (ha) por Localização geográfica (NUTS ); Decenal - INE, Recenseamento agrícola - séries históricas

11 Indicadores RGA-INE-2009 Representatividade do Efetivo Animal (n.º) na área das Freguesias dentro de ZV Sousel Casa Branca Cano São Lourenço de Mamporcão São Domingos de Ana Loura São Bento do Ameixial Santo Estêvão Estremoz (Santo André) Ovinos/Caprinos Suinos Bovinos Santa Vitória do Ameixial Estremoz (Santa Maria) Glória Arcos Fonte: Efetivo animal (N.º) da exploração agrícola por Localização geográfica (NUTS ) e Espécie animal; Decenal - INE, Recenseamento agrícola - séries históricas Média de N org/ha na área da ZV 22,20 kg N org/ha/ano

12 Localização de eventuais locais de contaminação vs. Rede de Monitorização da qualidade da água (APA,IP)

13 ZV de Estremoz-Cano Situação atual dos 14 pontos de amostragem Teor de Nitratos (mg/l) Com teor de NO3 superior a 50 mg/l Com teor de NO3 inferior a 50 mg/l 43% 57% Fonte: - dados referentes ao período compreendido entre

14 Apesar de 21% dos pontos apresentarem uma linha de tendência decrescente, esses pontos ainda apresentam valores superiores a 50mg/l ZV de Estremoz-Cano Análise da Série Geral de dados referentes a 14 pontos de monitorização - parametro Nitratos mg/l 21% Com tendência crescente Com tendência decrescente 79% Fonte:

15 Obrigado pela atenção Contactos: DRAP-Alentejo Telefone

O que mudou na agricultura portuguesa nos últimos dez anos

O que mudou na agricultura portuguesa nos últimos dez anos RECENSEAMENTO AGRÍCOLA DADOS PRELIMINARES 15 Dezembro 2010 15 de Dezembro de 2010 O que mudou na agricultura portuguesa nos últimos dez anos O INE divulga os primeiros resultados do Recenseamento Agrícola

Leia mais

Caracterização Agrícola do Alentejo Central

Caracterização Agrícola do Alentejo Central Caracterização Agrícola do Alentejo Central Direção Regional de Agricultura e Pescas do Alentejo Serviço Regional do Alentejo Central Évora/2013 DIREÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA E PESCAS DO ALENTEJO Caracterização

Leia mais

Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro. O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia

Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro. O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia Encontro Técnico Poluição difusa desafios para o futuro O caso prático da agricultura: Perímetro de Rega do Vale do Sorraia José Nuncio Auditório do IPQ, Caparica 29 Maio 2013 Definição POLUIÇÃO DIFUSA

Leia mais

ECONOMIA AGRÁRIA. O sector agrícola. Estruturas, recursos e resultados económicos: alguns conceitos. Sinopse das aulas Versão Provisória

ECONOMIA AGRÁRIA. O sector agrícola. Estruturas, recursos e resultados económicos: alguns conceitos. Sinopse das aulas Versão Provisória ECONOMIA AGRÁRIA Sinopse das aulas Versão Provisória O sector agrícola Estruturas, recursos e resultados económicos alguns conceitos O sector agrícola A agricultura e o complexo agroflorestal alguns conceitos

Leia mais

Projecto de PORTARIA n.º /2009. de dia de mês

Projecto de PORTARIA n.º /2009. de dia de mês Projecto de PORTARIA n.º /2009 de dia de mês O Decreto-Lei n.º 235/97, de 3 de Setembro, com a redacção que lhe foi dada pelo Decreto-Lei n.º 68/99, de 11 de Março, transpôs para o direito interno a Directiva

Leia mais

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7)

REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7) REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUADIANA (RH7) Junho 2015 Índice Anexo III Fichas de massa de água subterrânea... 5 Código: PTA0x1RH7_C2... 1 Código: PTA0z1RH7_C2... 7 Código: PTA5... 13 Código: PTA9... 23 Código:

Leia mais

Promoção da Biodiversidade em Pastagens Extensivas

Promoção da Biodiversidade em Pastagens Extensivas Seminário Boas Práticas Agrícolas para a Biodiversidade Promoção da Biodiversidade em Pastagens Extensivas Santarém 14.06.2013, João Madeira Estrutura da Apresentação 1. situação de partida (demografia,

Leia mais

Explorações Agrícolas

Explorações Agrícolas Agricultura, Floresta e Pescas PORTUGAL ISSN 0871-8040 F Inquérito Estatísticas à Estrutura da Pesca das Explorações Agrícolas 2005 Ano de edição 2006 FICHA TÉCNICA Título Inquérito à Estrutura das Explorações

Leia mais

O TERRITÓRIO PORTUGUÊS: Dimensões, Localização, Organização Territorial e Posição Geográfica

O TERRITÓRIO PORTUGUÊS: Dimensões, Localização, Organização Territorial e Posição Geográfica UC História e Geografia de Portugal II Geografia de Portugal 1. O TERRITÓRIO PORTUGUÊS: Dimensões, Localização, Organização Territorial e Posição Geográfica IPS-ESE ME12C André Silva O TERRITÓRIO PORTUGUÊS

Leia mais

ANEXO AO REQUERIMENTO DO PEDIDO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS PESQUISA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO DOMÍNIO PÚBLICO

ANEXO AO REQUERIMENTO DO PEDIDO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS PESQUISA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO DOMÍNIO PÚBLICO ANEXO AO REQUERIMENTO DO PEDIDO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS PESQUISA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO DOMÍNIO PÚBLICO I. IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social identificação fiscal nº, residência/sede

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO 4772 Diário da República, 1.ª série N.º 166 28 de agosto de 2012 Aviso n.º 84/2012 Por ordem superior se torna público que, em 16 de dezembro de 2011, a República do Panamá depositou, nos termos do artigo

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 27 9 de fevereiro de 2015 781. Artigo 2.º

Diário da República, 1.ª série N.º 27 9 de fevereiro de 2015 781. Artigo 2.º Diário da República, 1.ª série N.º 27 9 de fevereiro de 2015 781 ANEXO II Tabela de conversão em cabeças normais (a que se refere o n.º 7 do artigo 10.º) Espécies Cabeças normais (CN) Equídeos com mais

Leia mais

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL ANÁLISE DO IMPACTO POTENCIAL DAS CANDIDATURAS CONTRATADAS SOBRE O SECTOR AGRÍCOLA E AGRO-INDUSTRIAL NOVEMBRO DE 2011 1 ÍNDICE 0. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Portaria nº 259/2012 de 28 de agosto Direção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo

Portaria nº 259/2012 de 28 de agosto Direção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo Portaria nº 259/2012 de 28 de agosto Fernanda Fenyves Agenda 1. Definição de Zona Vulnerável a Nitratos 2. Enquadramento da Diretiva Nitratos e objetivos 3. Destinatários e intervenientes 4. Obrigações

Leia mais

1ª FASE DO SISTEMA DE PREVISÃO E GESTÃO DE SECAS (SPGS) Domínio agronómico

1ª FASE DO SISTEMA DE PREVISÃO E GESTÃO DE SECAS (SPGS) Domínio agronómico PROJECTO CO-FINANCIADO PELA UNIÃO EUROPEIA FUNDO DE COESÃO 1ª FASE DO SISTEMA DE PREVISÃO E GESTÃO DE SECAS (SPGS) Domínio agronómico REGIÃO HIDROGRÁFICA ALGARVE JULHO DE 2011 1 Trabalho Realizado pela

Leia mais

As diversas etapas indispensáveis à sua realização são as que passamos a descrever:

As diversas etapas indispensáveis à sua realização são as que passamos a descrever: Sistema de Aconselhamento Agrícola Trata-se de um sistema que é composto por serviços de aconselhamento agrícola e que visa fundamentalmente consciencializar e ajudar os agricultores a cumprirem as normas

Leia mais

OS JOVENS AGRICULTORES NO PRODER. Alguns Indicadores

OS JOVENS AGRICULTORES NO PRODER. Alguns Indicadores OS JOVENS AGRICULTORES NO PRODER Alguns Indicadores NOTA DE ABERTURA Este documento tem como objetivo a divulgação de um conjunto de indicadores relativos à Ação 1.1.3 - Instalação de Jovens Agricultores

Leia mais

Dieta portuguesa afasta-se se das boas práticas nutricionais

Dieta portuguesa afasta-se se das boas práticas nutricionais Dieta portuguesa afasta-se se das boas práticas nutricionais Balança Alimentar Portuguesa 2003-2008 No período entre 2003 e 2008 acentuaram-se os desequilíbrios da dieta alimentar portuguesa. Excesso de

Leia mais

PDM_ETZ_F1_Vol_VIII_a.doc 1/17

PDM_ETZ_F1_Vol_VIII_a.doc 1/17 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. ENQUADRAMENTO...3 3. SISTEMA BIOFÍSICO E AMBIENTAL...5 4. SISTEMA SÓCIO-ECONÓMICO...8 5. SISTEMA DE EQUIPAMENTOS, ACESSIBILIDADES E INFRA-ESTRUTURAS11 6. SISTEMA URBANO...15

Leia mais

A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010

A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010 26 de setembro de 2012 A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010 Empresas agrícolas: o futuro da agricultura portuguesa? As 43 972 empresas da atividade agrícola (divisão 01 da CAE Rev.3)

Leia mais

Inquérito à Estrutura das Explorações Agrícolas 2013

Inquérito à Estrutura das Explorações Agrícolas 2013 Inquérito à Estrutura das Explorações Agrícolas 2013 e Estatísticas oficiais Edição 2014 Inquérito à Estrutura das Explorações Agrícolas 2013 Edição 2014 FICHA TÉCNICA Título Inquérito à Estrutura das

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES Departamento de Geografia Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Largo da Porta Férrea 3004-530

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

Avaliação das ajudas directas ao sector da produção de bovinos

Avaliação das ajudas directas ao sector da produção de bovinos 1 10 Boulevard de Bonne Nouvelle - 75010 Paris Avaliação das ajudas directas ao sector da produção de bovinos Convite à apresentação de propostas n.º AGRI 2009 EVAL 04 Para a DG AGRI Comissão Europeia

Leia mais

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes.

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Deolinda Alberto 1, José Pedro Fragoso Almeida 2 1 Professor Adjunto, Escola Superior Agrária de Castelo Branco,

Leia mais

Índice de Figuras 4. Índice de Quadros 7. Lista de siglas 8 NOTA INTRODUTÓRIA 9. CADERNO I DIAGNÓSTICO (informação de base) 14

Índice de Figuras 4. Índice de Quadros 7. Lista de siglas 8 NOTA INTRODUTÓRIA 9. CADERNO I DIAGNÓSTICO (informação de base) 14 ÍNDICE Índice de Figuras 4 Índice de Quadros 7 Lista de siglas 8 NOTA INTRODUTÓRIA 9 CADERNO I DIAGNÓSTICO (informação de base) 14 1. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA 15 1.1. Enquadramento geográfico 15 1.2. Hipsometria

Leia mais

Rendimento da Atividade Agrícola deverá aumentar 4,5% em 2013

Rendimento da Atividade Agrícola deverá aumentar 4,5% em 2013 Contas Económicas da Agricultura 213 1ª estimativa 13 de dezembro de 213 Rendimento da Atividade Agrícola deverá aumentar 4,5% em 213 De acordo com a primeira estimativa das Contas Económicas da Agricultura

Leia mais

O INVESTIMENTO PRODER NO ALQUEVA. Alguns Indicadores

O INVESTIMENTO PRODER NO ALQUEVA. Alguns Indicadores O INVESTIMENTO PRODER NO ALQUEVA Alguns Indicadores 1 NOTA DE ABERTURA Este documento tem como objetivo a divulgação de um conjunto de indicadores relativos ao investimento no Alqueva, efetuado no âmbito

Leia mais

Situação da Agricultura em Portugal

Situação da Agricultura em Portugal COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DE AGRICULTURA Direcção G. Análises económicas e avaliação G.1. Análises e concepção de conjunto Documento de trabalho DG AGRI Situação da Agricultura em Portugal PREFÁCIO

Leia mais

ANEXO I - ANÁLISE SETORIAL AZEITE

ANEXO I - ANÁLISE SETORIAL AZEITE ANEXO I - ANÁLISE SETORIAL AZEITE O AUMENTO DA PRODUÇÃO DE AZEITE REFLETE O FORTE CRESCIMENTO DA PRODUÇÃO DE AZEITONA, RESULTADO DAS CONDIÇÕES METEOROLÓGICAS FAVORÁVEIS E DA ENTRADA EM PRODUÇÃO DE NOVOS

Leia mais

CARTA DO ASSOCIATIVISMO DA ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ESTREMOZ ANEXOS

CARTA DO ASSOCIATIVISMO DA ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ESTREMOZ ANEXOS Carta do Associativismo da Acção Social 2007 - Anexos CARTA DO ASSOCIATIVISMO DA ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ESTREMOZ ANEXOS 2007 Carta do Associativismo da Acção Social 2007 - Anexos CARTA DO ASSOCIATIVISMO

Leia mais

Batalha 2015 PLANO DE AÇÃO PARA A ENERGIA SUSTENTÁVEL

Batalha 2015 PLANO DE AÇÃO PARA A ENERGIA SUSTENTÁVEL 1 Batalha 2015 PLANO DE AÇÃO PARA A ENERGIA SUSTENTÁVEL 2 ÍNDICE Batalha... 8 Matriz energética... 11 Nota Metodológica 12 Vetores Energéticos 13 Consumos Setoriais 16 Índices e Indicadores de Densidade

Leia mais

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA)

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Alicia Ruiz Olalde Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Exportações Agronegócio (CEPEA) Em 2012, a receita das exportações do agronegócio brasileiro alcançou US$ 97 bilhões. Em 2014,

Leia mais

Aplicação de metodologias de definição de áreas de interface urbano-rural (IUR) relacionadas com o risco de incêndio

Aplicação de metodologias de definição de áreas de interface urbano-rural (IUR) relacionadas com o risco de incêndio Aplicação de metodologias de definição de áreas de interface urbano-rural (IUR) relacionadas com o risco de incêndio António VIEIRA (CEGOT/NIGP-UMinho) António BENTO GONÇALVES (NIGP- UMinho) Luciano LOURENÇO

Leia mais

A RAÇA SUÍNA ALENTEJANA E A VALORIZAÇÃO DOS MONTADOS

A RAÇA SUÍNA ALENTEJANA E A VALORIZAÇÃO DOS MONTADOS A RAÇA SUÍNA ALENTEJANA E A VALORIZAÇÃO DOS MONTADOS Amadeu Borges de Freitas Universidade de Évora - Escola de Ciências e Tecnologia Departamento de Zootecnia A raça suína alentejana é, desde tempos remotos,

Leia mais

ANEXO AO REQUERIMENTO DO PEDIDO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS PESQUISA / CAPTAÇÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

ANEXO AO REQUERIMENTO DO PEDIDO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS PESQUISA / CAPTAÇÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS ANEXO AO REQUERIMENTO DO PEDIDO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS PESQUISA / CAPTAÇÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS I. IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social identificação fiscal nº, residência/sede

Leia mais

CLAUDINO MATOS. Pastor, pastorinho, onde vais sozinho? Vou àquela serra buscar uma ovelha.

CLAUDINO MATOS. Pastor, pastorinho, onde vais sozinho? Vou àquela serra buscar uma ovelha. Pastor, pastorinho, onde vais sozinho? Vou àquela serra buscar uma ovelha. Porque vais sozinho, pastor, pastorinho? Não tenho ninguém que me queira bem. Não tens um amigo? Deixa-me ir contigo. Eugénio

Leia mais

Problemas na Utilização da Água (poluição )

Problemas na Utilização da Água (poluição ) Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Problemas na Utilização da Água (poluição ) Disciplina: Geografia (módulo 3) Docente: Sandra Mendes Discente: Mariana Alfaiate 2007 2008 Índice Introdução

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

SERVIÇO REGIONAL DE ESTATÍSTICA DOS AÇORES

SERVIÇO REGIONAL DE ESTATÍSTICA DOS AÇORES R e g i ã o A u t ó n o m a d o s A ç o r e s V i c e - P r e s i d ê n c i a d o G o v e r n o SERVIÇO REGIONAL DE ESTATÍSTICA DOS AÇORES INQUÉRITO À VENDA DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS - Documento Metodológico

Leia mais

Análise de Vulnerabilidade 2004: Processo e o Ponto de Situação

Análise de Vulnerabilidade 2004: Processo e o Ponto de Situação Análise de Vulnerabilidade 2004: Processo e o Ponto de Situação Maputo, Junho de 2004 Mapa das regiões de AV 2004 41 distritos vulneráveis á insegurança alimentar devido aos efeitos combinados de seca

Leia mais

Plano Geral Municipal de Emergência de Proteção Civil 2012

Plano Geral Municipal de Emergência de Proteção Civil 2012 ÍNDICE PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 7 1. Introdução... 7 2 2. Âmbito de Aplicação... 7 3. Objetivos Gerais... 8 4. Enquadramento Legal... 9 5. Antecedentes do processo de planeamento... 9 6.

Leia mais

BLOCO 11. ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Análise de estrutura e de eficiência Análise de actividade PROBLEMAS:

BLOCO 11. ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Análise de estrutura e de eficiência Análise de actividade PROBLEMAS: BLOCO 11 ASSUNTOS: Controlo Análise dos Registos Contabilísticos Análise de estrutura e de eficiência Análise de actividade PROBLEMAS: PROBLEMA 1 O empresário do Monte da Ribeira pretende realizar uma

Leia mais

A Agricultura de Regadio em Portugal Continental: Contributo para o Plano Nacional de Regadio

A Agricultura de Regadio em Portugal Continental: Contributo para o Plano Nacional de Regadio A Agricultura de Regadio em Portugal Continental: Contributo para o Plano Nacional de Regadio LISBOA FEVEREIRO 2004 ÍNDICE 1. Introdução... 1 2. Evolução recente e situação actual do sector agrícola português

Leia mais

O Concelho de Beja. Localização

O Concelho de Beja. Localização O Concelho de Beja Localização Beja, capital de distrito, situa-se na região do Baixo Alentejo, no coração da vasta planície alentejana. É sede de um dos maiores concelhos de Portugal, com cerca de 1150

Leia mais

Seminário AGRICULTURA FAMILIAR E SUSTENTABILIDADE DOS TERRITÓRIOS RURAIS. Isabel Rodrigo

Seminário AGRICULTURA FAMILIAR E SUSTENTABILIDADE DOS TERRITÓRIOS RURAIS. Isabel Rodrigo Seminário AGRICULTURA FAMILIAR E SUSTENTABILIDADE DOS TERRITÓRIOS RURAIS Agricultura Familiar no Rural Baixa Densidade Sul: uma síntese Isabel Rodrigo Instituto Superior de Agronomia (ISA/UL) Sociedade

Leia mais

SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP ALENTEJO 25 fevereiro 2014

SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP ALENTEJO 25 fevereiro 2014 SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP ALENTEJO 25 fevereiro 2014 1. Síntese da evolução do SIPAC 2. Caracterização do novo seguro de colheitas 3. Operacionalização do novo seguro de colheitas 3 Síntese

Leia mais

Substituir este slide pelo slide de título escolhido

Substituir este slide pelo slide de título escolhido Substituir este slide pelo slide de título escolhido AS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E A AGRICULTURA PORTUGUESA Ana Paiva Brandão Coimbra, 7 de Abril de 2011 1 ÍNDICE 1. Alterações climáticas 2. Alterações climáticas

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

3.2.1. Caracterização da Situação Actual... 55 3.2.2. Avaliação... 58. 3.3.1. Caracterização da Situação Actual... 62 3.3.2. Avaliação...

3.2.1. Caracterização da Situação Actual... 55 3.2.2. Avaliação... 58. 3.3.1. Caracterização da Situação Actual... 62 3.3.2. Avaliação... ÍNDICE 1. EQUIPAMENTOS COLECTIVOS...3 1.1. INTRODUÇÃO... 3 1.2. EQUIPAMENTOS DE EDUCAÇÃO... 4 1.3. EQUIPAMENTOS DE SAÚDE... 11 1.4. EQUIPAMENTOS DE SOLIDARIEDADE E SEGURANÇA SOCIAL... 13 1.5. EQUIPAMENTOS

Leia mais

Grau de autossuficiência alimentar nacional situa-se nos 81%

Grau de autossuficiência alimentar nacional situa-se nos 81% 02 de abril de 2013 Abastecimento Alimentar em Portugal Grau de autossuficiência alimentar nacional situa-se nos 81% Portugal apresenta um grau de autossuficiência 1 alimentar de 81%, expresso em valor,

Leia mais

Moacyr Bernardino Dias-Filho Embrapa Amazônia Oriental www.diasfilho.com.br Importância das pastagens na pecuária brasileira A maioria (> 90%) do rebanho é criado a pasto Pastagem é a forma mais econômica

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

1ª FASE DO SISTEMA DE PREVISÃO E GESTÃO DE SECAS (SPGS)

1ª FASE DO SISTEMA DE PREVISÃO E GESTÃO DE SECAS (SPGS) PROJECTO CO-FINANCIADO PELA UNIÃO EUROPEIA FUNDO DE COESÃO 1ª FASE DO SISTEMA DE PREVISÃO E GESTÃO DE SECAS (SPGS) Domínio agronómico RELATÓRIO FINAL Outubro de 2011 Trabalho Realizado pela Equipa de Investigadores

Leia mais

REGISTO FITOSSANITÁRIO / LICENCIAMENTO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO E DE OPERADORES DE OUTROS PRODUTOS VEGETAIS

REGISTO FITOSSANITÁRIO / LICENCIAMENTO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO E DE OPERADORES DE OUTROS PRODUTOS VEGETAIS REGISTO FITOSSANITÁRIO / LICENCIAMENTO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO E DE OPERADORES DE OUTROS PRODUTOS VEGETAIS 1 IDENTFICAÇÃO Nº de Identificação Fiscal (NIF): (Reservado à DGADR) Nº de

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA USP de Concelho A. Identificação da Zona Balnear Zona Balnear Identificada: Zona Balnear (cod.) (designação) Bandeira Azul Praia Acessível (ano de atribuição) (ano de atribuição) Identificação do local

Leia mais

Esclarecimento 8/2014

Esclarecimento 8/2014 Segurança Alimentar Aprovação de estabelecimentos industriais em casas particulares Esclarecimento 8/2014 Resumo: O presente esclarecimento pretende clarificar o enquadramento legal da aprovação e atribuição

Leia mais

A FRUTICULTURA NO PRODER. Alguns Indicadores

A FRUTICULTURA NO PRODER. Alguns Indicadores A FRUTICULTURA NO PRODER Alguns Indicadores NOTA DE ABERTURA Este documento tem como objetivo a divulgação de um conjunto de indicadores relativos ao setor da fruticultura no âmbito do Programa de Desenvolvimento

Leia mais

Plano de Acção para a Energia Sustentável

Plano de Acção para a Energia Sustentável Lagoa, Plano de Acção para a Energia Sustentável Junho 2011 Lagoa, Junho 2011 2 / 167 Índice 1. Lagoa... 10 2. Introdução... 11 3. Matriz energética... 14 3.1. Nota Metodológica... 14 3.2. Vectores Energéticos...

Leia mais

Proposta de alteração aprovada pela Comunidade

Proposta de alteração aprovada pela Comunidade MEDIDAS AGRO-AMBIENTAIS Proposta de alteração aprovada pela Comunidade Por Ângela Dias O RURIS é constituído por quatro intervenções Florestação de Terras Agrícolas Reforma Antecipada Indemnizações Compensatórias

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIO-ECONÓMICA DA REGIÃO ALENTEJO Principais linhas de evolução e transformação da paisa social e económica regional População A região, inserida no contexto português

Leia mais

A melhoria da qualidade da água balnear no Concelho de Cascais, um fator decisivo para a sustentabilidade

A melhoria da qualidade da água balnear no Concelho de Cascais, um fator decisivo para a sustentabilidade Conferência Nacional do projeto SUSTAIN Promover a Sustentabilidade Local das Comunidades Costeiras A melhoria da qualidade da água balnear no Concelho de Cascais, um fator decisivo para a sustentabilidade

Leia mais

A PAC pós-2013 - Áreas potencialmente elegíveis e suas implicações nas decisões nacionais

A PAC pós-2013 - Áreas potencialmente elegíveis e suas implicações nas decisões nacionais A PAC pós-2013 - Áreas potencialmente elegíveis e suas implicações nas decisões nacionais Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e Coordenador Científico da AGRO.GES) CAP, 29 de Novembro de 2012

Leia mais

Consumo de proteínas e gorduras em Portugal é três vezes superior ao recomendado

Consumo de proteínas e gorduras em Portugal é três vezes superior ao recomendado Consumo de proteínas e gorduras em Portugal é três vezes superior ao recomendado A Balança Alimentar Portuguesa revela que os portugueses apresentam uma dieta alimentar desequilibrada com uma alimentação

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 26.6.2015 L 161/9 REGULAMENTO (UE) 2015/1005 DA COMISSÃO de 25 de junho de 2015 que altera o Regulamento (CE) n. o 1881/2006 no que diz respeito aos teores máximos de chumbo em certos géneros alimentícios

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

Relatório OP Outros Sectores Agrícolas e Pecuários

Relatório OP Outros Sectores Agrícolas e Pecuários Relatório OP Outros Sectores Agrícolas e Pecuários DRAPLVT Triénio 2010-2012 Agricultura Presente, um Projeto com Futuro Ficha técnica Ficha técnica Edição: DRAP LVT DADR Quinta das Oliveiras, Estrada

Leia mais

REGIÃO NORTE FILEIRAS TEMÁTICAS

REGIÃO NORTE FILEIRAS TEMÁTICAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO RURAL REGIÃO NORTE FILEIRAS TEMÁTICAS OUTUBRO 2007 INDICE 1 SUSTENTABILIDADE DO PATRIMÓNIO NATURAL...- 3-1.1 CARACTERIZAÇÃO DO TERRITÓRIO... - 3-1.2 OS RECURSOS NATURAIS...

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 8. Ribeira Brava MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.html (adaptado) A vila de Ribeira Brava, situada no

Leia mais

Perfil de Água Balnear de Carcavelos

Perfil de Água Balnear de Carcavelos Perfil de Água Balnear de Carcavelos Identificação da Água Balnear Nome da Água Balnear Carcavelos Código da Água Balnear PTCQ8X Ano de Identificação 1993 Categoria/Tipo Água balnear costeira/costa Atlântica

Leia mais

C I R C U L AR. Seca 2012 - Linha de Crédito de Apoio à Alimentação Animal. Continente INDICE

C I R C U L AR. Seca 2012 - Linha de Crédito de Apoio à Alimentação Animal. Continente INDICE CONSELHO DIRECTIVO C I R C U L AR CLASSIFICAÇÃO- DATA DE EMISSÃO: 09-04-2012 ENTRADA EM VIGOR: 10-04-2012 Âmbito: Continente INDICE 1. ÂMBITO E ENQUADRAMENTO LEGISLATIVO 2. INTERVENIENTES 3. BENEFICIÁRIOS

Leia mais

ÍNDICES DE PREÇOS NA CADEIA DE ABASTECIMENTO ALIMENTAR

ÍNDICES DE PREÇOS NA CADEIA DE ABASTECIMENTO ALIMENTAR ÍNDICES DE PREÇOS NA CADEIA DE ABASTECIMENTO ALIMENTAR CEREAIS PÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 4º RELATÓRIO MAIO 213 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 4 PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES... 5 CAPÍTULO I FILEIRA DO TRIGO...

Leia mais

Beja Camacho Escola Básica - Almodôvar dos 2.º e 3.º Ciclos com Ensino Secundário Dr. João Brito Concelho: Almodôvar Tel.: 286660120 EFA Escolar - B3

Beja Camacho Escola Básica - Almodôvar dos 2.º e 3.º Ciclos com Ensino Secundário Dr. João Brito Concelho: Almodôvar Tel.: 286660120 EFA Escolar - B3 Distrito Entidade ConcelhoEntidade Telefone Curso Beja Centro de Formação Profissional de Aljustrel Concelho: Aljustrel Tel.: 284602367 Acção Educativa Beja Centro de Formação Profissional de Aljustrel

Leia mais

Sistema Interno de Garantia da Qualidade

Sistema Interno de Garantia da Qualidade ISEL Sistema Interno de Garantia da Qualidade RELATÓRIO Inquérito Novos Alunos Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Gabinete de Avaliação e Qualidade Janeiro 2014 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 4 1.1

Leia mais

Notas sobre a população Lisboa: Área Metropolitana e cidade

Notas sobre a população Lisboa: Área Metropolitana e cidade Maria João Valente Rosa* Análise Social, vol. XXXIV (153), 2000, 1045-1055 Notas sobre a Lisboa: Área Metropolitana e cidade Em Portugal, os desequilíbrios de povoamento da são por de mais evidentes. Neste

Leia mais

Regulamento para a utilização do PDA com receptor GPS para a realização e interpretação de percursos pedestres no PNPG

Regulamento para a utilização do PDA com receptor GPS para a realização e interpretação de percursos pedestres no PNPG Regulamento para a utilização do PDA com receptor GPS para a realização e interpretação de percursos pedestres no PNPG 1. Os PDA s com receptor GPS, adiante designados por PDA s, constituem uma ferramenta

Leia mais

Índice. Baldios em Portugal Continental registados no Sistema de Identificação Parcelar

Índice. Baldios em Portugal Continental registados no Sistema de Identificação Parcelar O Sistema de Identificação Parcelar O que é? Implementação dos novos limites Administrativos - CAOP Baldios em Portugal Continental registados no Sistema de Identificação Parcelar Como estava a ser calculada

Leia mais

EFEITOS DA VARIABILIDADE DAS PRODUÇÕES VEGETAIS NA PRODUÇÃO PECUÁRIA

EFEITOS DA VARIABILIDADE DAS PRODUÇÕES VEGETAIS NA PRODUÇÃO PECUÁRIA MARIA LEONOR PIMENTA MARQUES VERDETE DA SILVA CARVALHO EFEITOS DA VARIABILIDADE DAS PRODUÇÕES VEGETAIS NA PRODUÇÃO PECUÁRIA APLICAÇÃOEM EXPLORAÇÕES AGO-PECUÁRIAS DO ALENTEJO: SITUAÇÕES ACTUAL E DECORRENTE

Leia mais

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) SUMÁRIO EXECUTIVO JULHO DE 2008 Inovação e Projectos em Ambiente 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

A importância institucional da cartografia de solos e a sua evolução do analógico ao digital. António Perdigão -DGADR

A importância institucional da cartografia de solos e a sua evolução do analógico ao digital. António Perdigão -DGADR A importância institucional da cartografia de solos e a sua evolução do analógico ao digital António Perdigão -DGADR Responsabilidades da DGADR, no contexto do Despacho nº 13434/2012 de 15 de Outubro de

Leia mais

20% Sector Promário Sector Secundário 79% Sector Terciário

20% Sector Promário Sector Secundário 79% Sector Terciário 3. ENQUADRAMENTO DO CONCELHO DE CASCAIS Relatório Agenda 21 - CASCAIS 2007 31 1 - LOCALIZAÇÃO, TOPONÍMIA E FREGUESIAS Situado a ocidente do Estuário do Tejo, entre a Serra de Sintra e o Oceano Atlântico,

Leia mais

INTRODUÇÃO. Localização geográfica. Grande Lisboa. Grande Porto

INTRODUÇÃO. Localização geográfica. Grande Lisboa. Grande Porto INTRODUÇÃO presente trabalho pretende mostrar uma caracterização geral de duas sub-regiões de Portugal: as NUTE III (Numencleatura de Unidade Territorial Estatística) da Grande Lisboa e do Grande Porto,

Leia mais

Fórum anual da m obilidade transfronteiriça

Fórum anual da m obilidade transfronteiriça Fórum anual da m obilidade transfronteiriça Formação para o emprego: experiências de êxito entre Estremadura e Portugal Cáceres, 23 de Fevereiro de 2010 O IEFP I.P. - Missão O Instituto do Emprego e Formação

Leia mais

FRUTAS HORTÍCOLAS FLORES DIAGNÓSTICO SECTORIAL

FRUTAS HORTÍCOLAS FLORES DIAGNÓSTICO SECTORIAL FRUTAS HORTÍCOLAS FLORES DIAGNÓSTICO SECTORIAL 2007 DOCUMENTO COORDENADO PELO GABINETE DE PLANEAMENTO E POLÍTICAS MADRP Fevereiro 2007 2 Índice Geral 1. Caracterização do Sector... 12 1.1. Importância

Leia mais

Alimentação Saudável

Alimentação Saudável Alimentação Saudável O que é a alimentação saudável? A Alimentação Saudável é uma forma racional de comer que assegura variedade, equilíbrio e quantidade justa de alimentos escolhidos pela sua qualidade

Leia mais

5.11 Vagos. 5.11.1 Forças motoras

5.11 Vagos. 5.11.1 Forças motoras 5.11 Vagos O concelho de Vagos, com uma área de aproximadamente 165 km 2 possui onze freguesias: Calvão, Covão do Lobo, Fonte de Angeão, Gafanha da Boa Hora, Ouca, Ponte de Vagos, Sosa, Vagos, Santo António

Leia mais

agricultura Utilização sustentável da água na da água Ricardo Serralheiro ICAAM UÉ

agricultura Utilização sustentável da água na da água Ricardo Serralheiro ICAAM UÉ CICLO DE COLÓQUIOS: Auditório Principal INIAV, Oeiras 2º Colóquio 26 de maio Utilização sustentável do solo e da água Utilização sustentável da água na agricultura Ricardo Serralheiro ICAAM UÉ A Sustentabilidade

Leia mais

Balança alimentar portuguesa evidencia desequilíbrio da roda dos alimentos. Figura 1

Balança alimentar portuguesa evidencia desequilíbrio da roda dos alimentos. Figura 1 BALANÇA ALIMENTAR PORTUGUESA 14 de Dezembro de 26 - CONSUMO DE PROTEÍNAS E GORDURAS EM PORTUGAL É TRÊS VEZES SUPERIOR AO RECOMENDADO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS DIMINUI 16% EM 14 ANOS E É ULTRAPASSADO

Leia mais

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria I Revisão do Plano Director Municipal de Caracterização biofísica Leiria Volume II 2004 1. ECOZONAS Ao percorrer o concelho de Leiria de Norte para Sul e de Este para Oeste a paisagem varia. Uma imagem

Leia mais

Química Ambiental no Ensino: uma aula de campo no rio Fervença com apoio de recursos digitais

Química Ambiental no Ensino: uma aula de campo no rio Fervença com apoio de recursos digitais Química Ambiental no Ensino: uma aula de campo no rio Fervença com apoio de recursos digitais Estrutura MOTIVAÇÃO PROBLEMÁTICA EM ESTUDO OBJECTIVOS BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO FERVENÇA ESTUDO DE CAMPO PÁGINA

Leia mais

Índice. Braga... 6 Matriz energética... 10. Modelo de implementação... 114

Índice. Braga... 6 Matriz energética... 10. Modelo de implementação... 114 Índice Braga... 6 Matriz energética... 10 Nota Metodológica... 11 Vetores Energéticos... 12 Consumos Setoriais... 13 Índices e Indicadores de Densidade e Intensidade Energética... 16 Desagregação subsetorial

Leia mais

Comissão Consultiva Setorial LEITE. GPP, 5 de junho 2015

Comissão Consultiva Setorial LEITE. GPP, 5 de junho 2015 Comissão Consultiva Setorial LEITE GPP, 5 de junho 2015 AGENDA I - Situação de mercado II Medidas PAC/Setor do Leite (pagamentos diretos, contratos, comunicação de entregas) III- Relatório da Comissão

Leia mais

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo?

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? 14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? ALAN BOJANIC Ph.D. REPRESENTANTE DA FAO NO BRASIL ALIMENTAR O MUNDO EM 2050 As novas

Leia mais

SITUAÇÃO DO REGADIO FACE À SUSTENTABILIDADE DO SISTEMA

SITUAÇÃO DO REGADIO FACE À SUSTENTABILIDADE DO SISTEMA SITUAÇÃO DO REGADIO FACE À SUSTENTABILIDADE DO SISTEMA Ricardo Serralheiro (ICAAM UÉ) Mário de Carvalho (ICAAM UÉ) Pedro Valverde (ICAAM UÉ) Rodrigo Maia (FEUP) Bruno Oliveira (FEUP) Vanessa Ramos (FEUP)

Leia mais

Plano de Mobilidade Sustentável de Vendas Novas. Relatório de Diagnóstico

Plano de Mobilidade Sustentável de Vendas Novas. Relatório de Diagnóstico Plano de Mobilidade Sustentável de Vendas Novas Relatório de Diagnóstico Setembro de 2007 Projecto: Projecto Mobilidade Sustentável Equipa Técnica: Av. Rovisco Pais, 1 Pav. Mecânica I, 2º andar 1049-001

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

1,7 milhões de estabelecimentos 50 Mha

1,7 milhões de estabelecimentos 50 Mha Ignacio H. Salcedo 1,7 milhões de estabelecimentos 50 Mha 200 ha 2,3% dos estabelec. 46% da área IBGE, 2006 1,0 milhão de

Leia mais