UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO E PLANEJAMENTO REGIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO E PLANEJAMENTO REGIONAL"

Transcrição

1 CEDEPLAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO E PLANEJAMENTO REGIONAL ESTIMATIVAS DECENAIS E QÜINQÜENAIS DE SALDOS MIGRATÓRIOS E TAXAS LÍQUIDAS DE MIGRAÇÃO DO BRASIL, POR SITUAÇÃO DO DOMICÍLIO, SEXO E IDADE, SEGUNDO UNIDADE DA FEDERAÇÃO E MACRORREGIÃO, ENTRE 1960 E 1990, E ESTIMATIVAS DE EMIGRANTES INTERNACIONAIS DO PERÍODO 1985/1990. José Alberto Magno de Carvalho Ricardo Alexandrino Garcia Belo Horizonte, Outubro de 2002 Rua Curitiba, 832-9º andar - Centro Belo Horizonte, MG - Brasil Tel.: (31) Fax: (31)

2 ESTIMATIVAS DECENAIS E QÜINQÜENAIS DE SALDOS MIGRATÓRIOS E TAXAS LÍQUIDAS DE MIGRAÇÃO DO BRASIL, POR SITUAÇÃO DO DOMICÍLIO, SEXO E IDADE, SEGUNDO UNIDADE DA FEDERAÇÃO E MACRORREGIÃO, ENTRE 1960 E 1990, E ESTIMATIVAS DE EMIGRANTES INTERNACIONAIS DO PERÍODO 1985/1990. José Alberto Magno de Carvalho Ricardo Alexandrino Garcia 1. INTRODUÇÃO Os últimos censos demográficos brasileiros contêm um notável conjunto de dados sobre movimentos populacionais que, se adequadamente trabalhados, podem proporcionar estimativas sobre importantes aspectos dos fluxos migratórios. Por outro lado, dados não diretamente ligados à migração, manipulados através de técnicas indiretas, permitem chegar à estimação de saldos migratórios. (CARVALHO, 1980). A geração de estimativas de fluxos migratórios internos e, mais recentemente, internacionais, através da combinação de técnicas diretas e indiretas, representa um desafio metodológico que vem sendo enfrentado por uma equipe de professores, pesquisadores e alunos do CEDEPLAR, dedicada aos estudos de migração. Assim, diversas teses, dissertações, relatórios de pesquisa e artigos investiram no desenvolvimento e aperfeiçoamento de métodos e técnicas direcionados à estimação de categorias analíticas, tais como saldos migratórios intercensitários, migração de retorno, migração por etapas, migração de passagem e emigração internacional. Nesse sentido, o conjunto de procedimentos desenvolvidos em CARVALHO (1980 e 1996), CARVALHO e FERNANDES (1996), RIBEIRO (1997), CARVALHO e RIGOTTI (1998), RIGOTTI (1999) e CARVALHO et al. (2001) são referência básica. Dados os objetivos deste trabalho, serão descritos os procedimentos para se estimar, nas décadas de 60, 70 e 80, os saldos e taxas líquidas, decenais e qüinqüenais, por sexo e idade, da migração no Brasil e nas unidades da federação (UF), nela incluídos, sem desagregação, os migrantes internos e internacionais. Outrossim, se discorrerá sobre os procedimentos para se estimar, no qüinqüênio 1986/1991, o número de emigrantes internacionais e os saldos migratórios internacionais do País e das UF. Tanto os procedimentos metodológicos, quanto as estimativas a ser apresentadas, referem-se a migrantes de data fixa. Imigrante de data fixa é o indivíduo que, no início do período em análise, residia em outra região e, no final, reside na região em questão. Emigrante de data fixa é a pessoa que residia na região em estudo, no início do período, e reside em outra, no final do período. Professor do Departamento de Demografia e pesquisador do CEDEPLAR FACE/UFMG CEDEPLAR/UFMG 2

3 2. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 2.1. Saldo migratório e taxa líquida de migração - alguns comentários O saldo migratório (SM) constitui, para determinado período, o resultado da diferença entre imigrantes e emigrantes de data fixa e leva em consideração os efeitos indiretos do fluxo. O SM mede a contribuição das migrações ao crescimento populacional do período (CARVALHO & RIGOTTI, 1998). Já a taxa líquida de migração (TLM) pode ser construída de duas formas: pela razão entre o SM e a população esperada fechada no final do período ou pela razão entre o SM e a população observada, também no final do período. Neste caso, a TLM consiste na... proporção da população observada no segundo censo resultante do processo migratório, quando a taxa for positiva, e a proporção em que a população seria acrescida na ausência de migração, se negativa (CARVALHO & RIGOTTI, 1998). Se o denominador for a população esperada fechada no final do período, a TLM corresponde à proporção em que a população fechada foi acrescida, se positiva, ou diminuída, se negativa, como conseqüência dos fluxos migratórios do período. O SM intercensitário, quando estimado através de técnica indireta, é obtido por resíduo, ou seja, pela diferença, no segundo censo, entre a população observada e a esperada (fechada). Dado um período intercensitário de n anos, a população esperada na região j, no segundo censo, no grupo etário x+n, x+n+m, corresponde à população observada no primeiro censo, no grupo etário x, x+m, multiplicada pela relação de sobrevivência do período. Então: m P = j,n j,0 n j x+ n,esp m Px,ob* ms x (1), na qual, P j,n m x+ n,esp = a população esperada (fechada) na região j, do grupo etário x+n, x+n+m, no m j,0 x,ob segundo censo (ano n); P = população observada na região, no primeiro censo (ano 0), no grupo etário x, x+m; n j m S x = a relação de sobrevivência do grupo etário x, x+m, do ano 0, durante o período de n anos. O SM é dado pela seguinte expressão: Doutorando em Demografia do CEDEPLAR - FACE/UFMG. CEDEPLAR/UFMG 3

4 = (2), na qual, n j,n j,n j,n m SM x+ n m Px + n,ob m Px+ n,esp n j,n m SM x + n = SM do período de n anos, no grupo etário x+n, x+n+m, ao final do período (no ano n). Já a taxa líquida de migração do grupo etário, ao final do período, x+n, x+n+m n j n ( mtlm, x+ n ) é dada por uma das seguintes equações: SM + = (3) ou n j, n n j, n m x+ n mtlm x n j, n m Px + n, ob SM + = (4) n j, n n j, n m x+ n mtlm x n j, n m Px+ n, esp A TLM corresponde ao quociente entre o saldo migratório ( m n SM j x+n) e a população j,n ao final do período, observada ( P m x+ n,ob ), ou esperada ( P j,n m x+ n,esp ) (CARVALHO & RIGOTTI, 1998). Tanto nos SM, quanto nas TLM, de determinado período, estão contidos os migrantes de data fixa da região, isto é, os que lá não residiam no início do período e residem ao final (imigrantes) e os que lá residiam no início do período e residem fora da região ao final (emigrantes) A técnica das razões intercensitárias de sobrevivência decenais Devido a erros de declaração de idade e a deficiência de cobertura censitária, se a população do país, como um todo, puder ser considerada fechada, é aconselhável o uso das razões intercensitárias de sobrevivência (RIS) do país, ajustadas ao nível de mortalidade da região em estudo, ao invés de se usar, como poderia parecer, à primeira vista, mais apropriado, as relações de sobrevivência retiradas de tabelas de mortalidade da região. (CARVALHO & RIGOTTI, 1998). A partir das RIS do país, estimam-se as RIS da região, isto é, suas razões intercensitárias de sobrevivência, caso tivesse população fechada. Para um período intercensitário de 10 anos se teria: CEDEPLAR/UFMG 4

5 10 j x 10 5 RIS j x 10 5 BR, x L j 5 x+ 10 j 5 Lx BR 5 Lx+ 10 BR 5 Lx = RIS * (5), na qual, 5 RIS é a razão intercensitária de sobrevivência estimada da população fechada da região j, 10 BR, referente ao decênio em questão, do grupo etário x, x+5; 5 RIS x é a razão intercensitária de sobrevivência decenal observada do país, do grupo etário x, x+5; L j 5 x+10 j 5 Lx e L BR 5 x+10 BR 5 Lx são as relações de sobrevivência decenal, do grupo etário x, x+5, das tabelas de mortalidade, referentes ao decênio em questão, da região e do país, respectivamente. Assim, a população esperada de determinada região j, em um determinado grupo etário, ao final do decênio, quando se consideram os grupos etários a partir de 10 anos, é o produto da população observada no início do período pelas RIS estimadas para essa mesma região. É o que põe em evidência, para a década de 60, por exemplo, a seguinte equação: j,70 j, P x+, esp = 5 Px,ob * 5 RIS j,60/70 x 10 (6) O saldo migratório decenal das pessoas com idade superior a 10 anos de idade, que resulta da diferença entre a população observada na região j, em 1970, e a população esperada, nesse mesmo ano, na mesma região, deve ser entendido como a contribuição dos fluxos migratórios do período 1960/1970 para o (de)crescimento populacional da região. Obtém-se os SM dos grupos etários de 0-4 e 5-9 anos, no final do decênio, multiplicando-se a soma dos SM da região, referentes às mulheres em idade reprodutiva, pelas razões crianças/mulher observadas na população da região, sendo uma razão correspondente às crianças de 0-4 anos e a outra às crianças de 5-9 anos (LEE, 1957) O problema da aplicação da técnica das RIS na década de 1980 A aplicação do método das RIS exige o pressuposto de que a população do país manteve-se fechada no período, o que não ocorreu no caso brasileiro na década de 80 (a emigração internacional foi significativa nesse período). CARVALHO (1996) propõe que se estime as RIS da população fechada do Brasil dos anos 80 a partir daquelas observadas nos anos 70, quando o País tinha população praticamente fechada. Para tal, há de se ajustá-las aos níveis de mortalidade da década de 80 e pressupor que as variações no padrão de erros de declaração de idade e no grau de cobertura censitária entre os Censos de 1980 e 1991 foram as mesmas ocorridas entre os Censos de 1970 e CEDEPLAR/UFMG 5

6 BR,80/90 5 x+ 10 BR,80/90 BR,80 / 90 BR,70 / 80 5 Lx 5 RIS x = 5RIS x (7) BR,70/80 5 Lx+ 10 BR,70/80 5 Lx L onde: 5 BR,80 / 90 x RIS = RIS estimada da população fechada do Brasil, período 1980/1990, grupo etário x, x+5; 5 RIS = RIS observada do Brasil, período 1970/1980, grupo etário x, x+5; BR,70 / 80 x L L L L BR,80 / 90 x+ 10 BR,80 / 90 x BR,70 / 80 x+ 10 BR,70 / 80 x = diferencial do nível de sobrevivência decenal do grupo etário x, x+5, entre as décadas de 70 e 80. As RIS dos anos 80 estimadas da região j, necessárias para se estimar seus SM, serão dadas por (CARVALHO e RIGOTTI, 1998): 10 5 j,80 / 90 L j,80/90 5 x+ 10 j,80/90 5 Lx BR,70/80 5 Lx+ 10 BR,70/80 5 Lx 10 BR,70 /80 RIS x = RIS (8) 5 x Como as perdas internacionais de população no Brasil nos anos 80 concentraram-se nas idades ativas (Carvalho, 1996), decidiu-se por considerar, na década, fechados os grupos etários, em 1980, abaixo de 5 anos e acima de 55 anos. Para esses, as RIS regionais foram estimadas diretamente das RIS do Brasil observadas nos anos 80: j,80 / 90 L j,80/90 5 x+ 10 j,80/90 5 Lx BR,80/90 5 Lx+ 10 BR,80/90 5 Lx 10 BR,80 / 90 RIS x = RIS (9), na qual, 5 x para, em 1980, 5 > x 55 1 Para tanto, foi necessário estimar a população residente em 1990, por meio da taxa média anual de crescimento geométrico calculada para o período 1980/1991, por grupo etário. CEDEPLAR/UFMG 6

7 2.3. Como obter estimativas qüinqüenais de SM e TLM a partir das RIS decenais Para se estimar os saldos migratórios qüinqüenais, quando o intervalo entre os censos for de 10 anos, é necessário estimar tanto a população residente, quanto a população esperada (fechada) da região j, no meio do período intercensitário. Para isso, aplicou-se, em ambos os casos, o método de relação de coortes, proposto por Duchesne (1989) 2. Segundo Duchesne, dadas as razões decenais de sobrevivência observadas de dois grupos etários qüinqüenais consecutivos, S S, a razão de sobrevivência qüinqüenal 5 x e 5 x+ 5 5 comum, 5 S x+ 5, implícita nas duas razões decenais, será dada, aproximadamente, pela média das raízes quadradas delas. 3 Ou seja: S x + 5 S x+ 5 S x+ 5 (10) 2 As relações de coortes observadas, aqui denominadas razões decenais de sobrevivência observadas, que fazem parte do algoritmo proposto por Duchesne, referem-se a populações abertas. Logo, nelas estão incluídos os efeitos de mortalidade, dos fluxos migratórios, dos erros de declaração de idade e das mudanças de grau de cobertura entre os dois levantamentos censitários. A aplicação do mesmo algoritmo a populações fechadas, deveria, em princípio, produzir melhores estimativas, por não estarem influenciadas pelos fluxos migratórios. Neste trabalho, adota-se o algoritmo de Duchesne com duas finalidades diferentes: 2 O método de Duchesnes, na verdade, foi desenvolvido para projetar populações abertas de pequenas áreas, a partir da projeção, pelo método das componentes, da população da área maior composta pelas pequenas áreas, cujas populações estão sendo objeto de projeção. Trata-se, neste trabalho, de uma adaptação da proposta original do autor. Como exemplo de aplicação do método em projeção populacional de pequenas áreas no Brasil, veja: Waldvogel, S x = 5S x 5 S x S x+ 5 = 5S x+ 5 5 S x S = x 5 S x 5 S x+ 5 5S x+ 2, S x+ 5 = 5 Sx+ 5 5 Sx+ 10 5Sx+ 7, S x S x S x+ 2, S 2 Para o grupo aberto (último grupo etário) S x 5 + x + S x 2 + S x+ 7,5 5 + S x 5 5 S x+ 5 CEDEPLAR/UFMG 7

8 Estimação das relações qüinqüenais de coorte da população aberta, com o objetivo de obter a população residente da região no final do primeiro qüinqüênio da década onde: 5 5 RC j x j 10 j 5 RC x + 5 RC x+ 5 = (11), 2 RC 5 5 j 5 x+ = relação de coorte qüinqüenal estimada da população aberta, grupo etário inicial x+5, x+10, da região j; 10 j 5 RC x = relação de coorte decenal observada, grupo etário inicial x, x+5, da região j; RC 5 10 j 5 x+ = relação de coorte decenal observada, grupo etário inicial x+5, x+10, da região j. No caso das relações qüinqüenais de coorte estimadas, todas se referem ao primeiro qüinqüênio do decênio. A população residente estimada, com 10 ou mais anos de idade, no meio da década, é o produto da população aí observada com 5 ou mais anos, no início do período, pelas relações de coorte estimadas para o qüinqüênio. 4 onde: j,5 j,0 5 j 5 P x+ 10, r 5Px + 5, ob 5 RC x+ 5 = (12), 5 j,5 x 10, r P + = população estimada residente na região j, no ano 5, grupo etário x+10, x+15 j,0 5 P x + 5, ob = população observada na região j, no ano 0, grupo etário x+5, x+10. Para o grupo etário de 0 a 4 anos, no início do qüinqüênio, estima-se indiretamente a relação de coorte qüinqüenal, dividindo-se a relação decenal observada, do grupo inicial de 0 a 4 anos, pela relação qüinqüenal estimada, através do algoritmo, do grupo de 5 a 9 anos. A população residente estimada de 0 a 4 anos no meio do decênio foi obtida aplicando-se, às mulheres residentes (estimadas) em idade reprodutiva, a média das razões crianças/mulher observadas no início e no final do decênio. 4 A primeira relação estimada através do algoritmo de Duchesnes refere-se ao grupo etário de 5 a 9 anos no início do período. CEDEPLAR/UFMG 8

9 Desagregação de cada RIS decenal estimada da população fechada da região (equação 5) em duas RIS, uma referente ao primeiro qüinqüênio do decênio e a outra ao segundo qüinqüênio. 5 5 RIS j, I x j 10 5 RIS x + 5 RIS x+ 5 = (13) e 2 j onde: j x+ 5 RIS j, II 5 RIS x+ 10 = (14) 5,6 5 j I RIS, 5 x+ 5 5 j I x RIS, = RIS estimada da população fechada, no primeiro qüinqüênio, grupo etário inicial x+5, x+10, região j; 5 j II RIS, x = RIS estimada do segundo qüinqüênio da população fechada, com idade x+10, x+15 no início do qüinqüênio, região j Estimação do SM qüinqüenais Multiplicando-se as RIS estimadas do primeiro qüinqüênio (equação 13) pela população observada no início do período, obtém-se a população esperada (fechada) estimada ao final do qüinqüênio, para os grupos etários com idade igual ou superior a 10 anos. 7 Subtraída esta população, em cada grupo etário, daquela residente estimada (equação 12), obtém-se o SM do primeiro qüinqüênio. j,5 j,0 5 j, I 5 P x+ 10, esp 5Px + 5, ob 5 RIS x+ 5 = (15) e j,5 j,5 j,5 5 SM x P x+ 10, r 5 P x+ 10, esp = (16), 5 Há de se observar que, para uma mesma coorte, a razão decenal de sobrevivência é igual ao produto das razões de sobrevivência nos dois qüinqüênios que compõem o decênio. Assim: 10 j 5 j, I 5 j, II 5 RIS x+ 5= 5 RIS x+ 5 5 RIS x A primeira RIS estimada do segundo qüinqüênio, através desta equação, é a do grupo etário inicial de 10 a 14 anos. 7 A primeira RIS do primeiro qüinqüênio, estimada através do algoritmo de Duchesne, corresponde à do grupo etário inicial de 5 a 9 anos de idade. CEDEPLAR/UFMG 9

10 onde: j,5 5 P x+ 10, esp j I SM, x 10, esp = população esperada (fechada) da região j, no ano 5, grupo etário x+10, x+15; 5 + = SM estimado do primeiro qüinqüênio da região j, grupo etário (ao final do qüinqüênio) x+10, x+15. Para se obter a população residente no grupo etário de 5 a 9 anos, ao final do primeiro qüinqüênio, e o correspondente SM, necessita-se de uma estimativa da RIS do grupo etário 5 j I de 0 a 4 anos ( RIS ), j II Para tal, pressupõe-se que a RIS, 5 5 seja igual a 5 j I RIS, 5 5, já estimada. Deve-se lembrar j II que não é possível estimar RIS, 5 5 através da equação (12). Aceito o pressuposto, se terá que 10 j 5 j I RIS, 5 RIS = 5 j, I 5 5 RIS (17) O SM do primeiro qüinqüênio no grupo etário de 0 a 4 anos é obtido mediante o mesmo procedimento adotado para se estimar a população residente de 0 a 4 anos ao final do qüinqüênio, isto é, aplicando-se a razão crianças/mulher à soma do SM das mulheres em idade reprodutiva. Para se obter os SM do segundo qüinqüênio, estima-se, para os grupos etários acima de 5 anos, a população esperada (fechada) ao final do qüinqüênio 8. Para tal, multiplica-se, em cada grupo etário, a população residente, já estimada (equação 12), no final do primeiro qüinqüênio, pelas RIS estimadas do segundo qüinqüênio 9 (equação 14). j,0(5 10) j,5 5 P x 5, esp = 5 P x, r 5 + RIS (17), onde j, II x 5 P j,0(5,10) x+ 5, esp = população esperada (fechada entre os anos 5 e 10) na região j, no ano 10, grupo etário x+5, x A população fechada ao final do decênio é diferente da fechada ao final do segundo qüinqüênio. No primeiro caso, mantém-se fechada durante todo o decênio. No segundo caso, é a população residente no início do segundo qüinqüênio que se mantém fechada. 9 Como para o segundo qüinqüênio a equação (14) só fornece estimativas de RIS a partir da idade de 10 anos, adota-se, para os grupos etários 0 a 4 e 5 a 9 anos, o pressuposto de que suas RIS são, respectivamente, as mesmas, já estimadas, do primeiro qüinqüênio. Ou seja, que 5 j, II 5 RIS 0 = 5 j, II 5 5 RIS 5 = 5 RIS RIS j, I 0 j, I 5 CEDEPLAR/UFMG 10

11 Os SM do segundo qüinqüênio serão dados por onde: 5 j, II j,10 x+ 5 = 5Px + 5, ob 5 j,10(5 10) x+ 5, esp SM P (19), j,10 5 P x + 5, ob = população observada na região j, no ano 10, grupo etário x+5, x+10. O SM qüinqüenal do grupo etário de 0 a 4 anos, no final do período, é obtido através da aplicação da relação de criança/mulher observada, ao final do decênio, à soma dos SM das mulheres em idade reprodutiva. Tais procedimentos produzem boas estimativas qüinqüenais de SM e de TLM, que se referem, porém, ao resultado líquido das trocas populacionais, entre duas datas fixas, da região em estudo com as demais regiões do país e com o exterior Estimação dos emigrantes internacionais do qüinqüênio Para estimar os emigrantes internacionais do período 1985/1990, o primeiro passo consiste em extrair, do Censo de 1991, o número de imigrantes intra e internacionais e o número de emigrantes intranacionais desse período, referentes a determinada unidade espacial. 10 Em seguida, do saldo migratório estimado para o segundo qüinqüênio 11, dessa mesma unidade espacial, deve ser excluída a participação dos emigrantes internacional e dos imigrantes intra e internacionais, mensurados anteriormente a partir do quesito diretamente ligado ao tema no censo (migração de data fixa), para se chegar ao número aproximado de emigrantes internacionais do período 1985/1990. Isso se expressa formalmente da seguinte maneira: j,ii j,ii J,II j,ii j,ii 5 SM x 5 I x,int + 5I x,dom 5 E x,int 5 E x,dom = (20) e j,ii x,int 5 E = I + I E SM (21), 5 j,ii x,int 5 j,ii x,dom 5 j,ii x,dom 5 j,ii x 10 Na verdade, esses números de migrantes são relativos ao período 1986/1991 e não 1985/1990, mas, para efeito de compatibilidade das séries históricas, assumiu-se que eles não devam se diferenciar dos verdadeiros números, caso o Censo Demográfico fosse realizado em Como já referidos, nos SM estimados por resíduo, estão incluídos todos os migrantes de data fixa, tanto intra, quanto internacionais. CEDEPLAR/UFMG 11

12 onde: j,ii 5 SM x = saldo migratório da região, relativo ao mesmo qüinqüênio; j,ii 5 E x,int = emigrantes internacionais ; data fixa estimadas, do qüinqüênio 1985/1990; I = imigrantes internacionais, data fixa, do período 1985/1990; j,ii x,int I = imigrantes, data fixa, do período 1985/1990, cuja origem foram outros locais do j,ii x,dom j,ii x,dom Brasil; e E = emigrantes, data fixa, no segundo qüinqüênio, cujo destino foram outros locais do Brasil. O SM internacional do qüinqüênio será dado por j, II j, II 5 SM x,int x I x,int 5 j, II x,int = E (22) 2.5. Algumas observações para o bom entendimento dos resultados a ser apresentados Os SM decenais não são a simples soma dos SM dos qüinqüênios que compõem cada decênio. Resultam da soma do saldo do segundo qüinqüênio com os sobreviventes do saldo migratório do primeiro qüinqüênio (CARVALHO & RIGOTTI, 1998), como registra a expressão que se segue. 10 j,d 5 j,i 5 j,ii 5 j,ii 5SM x+ 10 5SM x+ 5* 5 RISx SM x+ 10 = (23), na qual, para a região j: 10 j d SM, x = SM decenal; 5 j I SM, x = SM do primeiro qüinqüênio; 5 j II x RIS, = razão de sobrevivência estimada, do segundo qüinqüênio; e 5 j II SM, x = SM do qüinqüênio 1985/1990. De forma análoga, a taxa líquida de migração decenal também não corresponde ao produto das taxas líquidas de migração qüinqüenais. Quando as taxas líquidas têm como denominador a população observada ao final do período, a TLM decenal é igual `a soma das duas TLM qüinqüenais do período menos o produto delas (CARVALHO&RIGOTTI, 1998). Assim: CEDEPLAR/UFMG 12

13 5 10 TLM j,d x+10 = 5 5 TLM j,i x TLM j,ii x+10 - ( 5 5 TLM j,i x+5 * 5 5 TLM j,ii x+10) (24) Quando as taxas líquidas têm como denominador a população esperada ao final do período, a TLM decenal é igual à soma das duas TLM qüinqüenais do período mais o produto delas (CARVALHO&RIGOTTI, 1998). Então: 5 10 TLM j,d x+10 = 5 5 TLM j,i x TLM j,ii x+10 + ( 5 5 TLM j,i x+5 * 5 5 TLM j,ii x+10) (25) 3. APRESENTAÇÃO DAS ESTIMATIVAS Para realizar as estimativas que se seguem, foi necessário lançar mão de tábuas de mortalidade estaduais, com desagregação por sexo, desenvolvidas pelo CEDEPLAR para a década de 80, a partir de dados de óbitos provenientes do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, corrigidos por fatores de correção de subregistro, estimados através das técnicas de Growth Balance e de Preston e Coale (CEDEPLAR, 1999). Já as tabelas de sobrevivência estimadas para o Brasil e suas unidades federativas, também desagregadas por sexo e idade, referentes às décadas de 70 e 60, foram tomadas, respectivamente, de CARVALHO e PINHEIRO (1986) e CARVALHO (1978). Com base nos procedimentos tratados nas seções anteriores, estimaram-se os saldos e as taxas líquidas de migração decenais e qüinqüenais do Brasil, por unidade da federação e Macrorregião, segundo idade e sexo e situação de domicílio, entre 1960 e 1990, e o número de emigrantes internacionais do qüinqüênio 1985/1990. Em cada UF, as estimativas referentes à população total correspondem à soma das respectivas estimativas das populações rural e urbana. As estimativas das Macrorregiões resultam da agregação das estimativas das respectivas UF. Por sua vez, aquelas do Brasil, como um todo, correspondem à soma das Macrorregiões. Há de se atentar para o fato de que o modelo proposto para estimação do número de emigrantes internacionais, embora logicamente acurado, chega à estimativa do número de emigrantes como o resíduo dos resíduos, pois, antes, obtém-se, também por resíduo, o saldo migratório qüinqüenal da unidade da federação. Ora, sabe-se muito bem que os erros advindos dos próprios dados básicos (erros de declaração de idade e de deficiência de cobertura censitária), assim como os vieses introduzidos no processo de estimação, através, por exemplo, dos pressupostos adotados e das funções de mortalidade empregadas, transferem-se, em termos absolutos, para as estimativas obtidas por resíduo. A seguir, serão apresentadas as Tabelas com informações a respeito da população residente, os saldos e as taxas líquidas decenais e qüinqüenais de migração, por situação de CEDEPLAR/UFMG 13

14 domicílio, para o Brasil, UF e macrorregiões, entre 1960 e 1990, bem como as estimativas do número de emigrantes internacionais do qüinqüênio 1985/1990, segundo idade e sexo. Tabela 1 ACRE : População Rural Estimativas dos Saldos e das Taxas Líquidas de Migração Rural por Sexo e Grupo Etário Para o Decênio 1960/1970 e Quinquênios 1960/1965 e 1965/ /09/60 01/09/ /1970 Taxas Líquidas de Migração (%): 1960/1970 Grupo População Observada: População Observada: Saldo Migratório: População Esperada* População Observada** 0 a 4 anos , , , , a 9 anos , , , , a 14 anos , , , , a 19 anos , , , , a 24 anos , , , , a 29 anos , , , , a 34 anos , , , , a 39 anos , , , , a 44 anos , , , , a 49 anos , , , , a 54 anos , , , , a 59 anos , , , , anos e mais , , , ,8428 Total , , , , /09/60 01/09/ /1965 Taxas Líquidas de Migração (%): 1960/ a 4 anos , , , , a 9 anos , , , , a 14 anos , ,3734-9, , a 19 anos , ,3270-9, , a 24 anos , ,2834-7, , a 29 anos ,4791-8,8851-8,0837-9, a 34 anos ,2417-8,0020-8,9819-8, a 39 anos ,6027-8,4465-7,0695-9, a 44 anos , ,2749-9, , a 49 anos , , , , a 54 anos , , , , anos e mais , , , ,9604 Total , , , , /09/65 01/09/ /1970 Taxas Líquidas de Migração (%): 1965/ a 4 anos , , , , a 9 anos , , , , a 14 anos ,0027-8,9317-6,3860-9, a 19 anos , , , , a 24 anos , ,8884-7, , a 29 anos ,6694-6,3050-4,8981-6, a 34 anos ,9882-8, ,3446-9, a 39 anos ,2708-6,1878-6,6903-6, a 44 anos , ,0766-5, , a 49 anos , , , , a 54 anos , , , , a 59 anos , , , , anos e mais*** , , , ,5553 Total , , , ,8091 Fonte: IBGE. Censos Demográficos de 1960 e *** Em relação à População Estimada para 01/09/1965, considerar 55 e anos e mais CEDEPLAR/UFMG 14

15 Tabela 2 ACRE : População Urbana Estimativas dos Saldos e das Taxas Líquidas de Migração Urbana por Sexo e Grupo Etário Para o Decênio 1960/1970 e Quinquênios 1960/1965 e 1965/ /09/60 01/09/ /1970 Taxas Líquidas de Migração (%): 1960/1970 Grupo População Observada: População Estimada Saldo Migratório: População Esperada* População Observada** 0 a 4 anos , , , , a 9 anos , , , , a 14 anos , , , , a 19 anos , , , , a 24 anos , , , , a 29 anos , , , , a 34 anos , , , , a 39 anos , , , , a 44 anos , , , , a 49 anos , , , , a 54 anos , , , , a 59 anos , , , , anos e mais , , , ,4205 Total , , , , /09/60 01/09/ /1965 Taxas Líquidas de Migração (%): 1960/ a 4 anos , , , , a 9 anos , , , , a 14 anos , , , , a 19 anos , , , , a 24 anos , , , , a 29 anos , , , , a 34 anos , , , , a 39 anos , , , , a 44 anos , , , , a 49 anos , , , , a 54 anos , , , , anos e mais , , ,5596 9,5401 Total , , , , /09/65 01/09/ /1970 Taxas Líquidas de Migração (%): 1965/ a 4 anos , , , , a 9 anos , , , , a 14 anos , , , , a 19 anos , , , , a 24 anos ,8699 8,6902 5,5444 7, a 29 anos ,6405 5, ,4267 5, a 34 anos , , ,7918 9, a 39 anos ,1143 7, ,1298 7, a 44 anos , ,0465 9,3138 9, a 49 anos ,3005 9, ,2701 8, a 54 anos ,9117 6,0178 6,4649 5, a 59 anos , , , , anos e mais*** ,9469 6,5605 8,2121 6,1566 Total , , , ,8664 Fonte: IBGE. Censos Demográficos de 1960 e *** Em relação à População Estimada para 01/09/1965, considerar 55 e anos e mais CEDEPLAR/UFMG 15

16 Tabela 3 ACRE : População Total Estimativas dos Saldos e das Taxas Líquidas de Migração por Sexo e Grupo Etário Para o Decênio 1960/1970 e Quinquênios 1960/1965 e 1965/ /09/60 01/09/ /1970 Taxas Líquidas de Migração (%): 1960/1970 Grupo População Observada: População Observada: Saldo Migratório: População Esperada* População Observada** 0 a 4 anos ,5352-9, , , a 9 anos ,2082-9, , , a 14 anos ,1317-6,2184-6,5323-6, a 19 anos , ,9537-7, , a 24 anos , ,9546-8, , a 29 anos ,8179-7,9994-3,9695-8, a 34 anos ,7494-7,7476-9,5883-8, a 39 anos ,6638-5,8507-6,0038-6, a 44 anos ,3437-8,4343-4,5409-9, a 49 anos , , , , a 54 anos , , , , a 59 anos ,3884-8, ,8520-9, anos e mais , , , ,6169 Total ,1215-9,2591-8, , /09/60 01/09/ /1965 Taxas Líquidas de Migração (%): 1960/ a 4 anos ,7883-4,7883-5,0291-5, a 9 anos ,7290-4,5915-4,9638-4, a 14 anos ,3852-4,3906-3,5038-4, a 19 anos ,7340-5,8976-3,8788-6, a 24 anos ,8698-5,1527-2,9546-5, a 29 anos ,2038-4,0176-3,3098-4, a 34 anos ,6640-3,4506-3,8034-3, a 39 anos ,5323-3,6452-2,5981-3, a 44 anos ,8067-5,2385-3,9573-5, a 49 anos ,5128-7,4722-5,8345-8, a 54 anos ,6883-6,5246-6,0313-6, anos e mais ,3336-5,4703-7,9140-5,7869 Total ,1969-4,8378-4,3807-5, /09/65 01/09/ /1970 Taxas Líquidas de Migração (%): 1965/ a 4 anos ,1307-5,1307-5,4082-5, a 9 anos ,8748-4,8225-5,1246-5, a 14 anos ,4442-1,5258-1,4654-1, a 19 anos ,9476-6,8645-4,1098-7, a 24 anos ,8699-6,4366-4,0256-6, a 29 anos ,9761-3,0013-0,9858-3, a 34 anos ,7291-3,8861-6,0773-4, a 39 anos ,0758-2,4859-2,1198-2, a 44 anos ,8584-4,9702-1,8936-5, a 49 anos ,1816-7,2022-7,7372-7, a 54 anos ,5202-9,8940-5, , a 59 anos ,0439-1,9757-6,4327-2, anos e mais*** ,9852-6,0649-8,6782-6,4564 Total ,0699-4,7061-4,2426-4,9385 Fonte: IBGE. Censos Demográficos de 1960 e *** Em relação à População Estimada para 01/09/1965, considerar 55 e anos e mais CEDEPLAR/UFMG 16

17 Tabela 4 AMAPÁ : População Rural Estimativas dos Saldos e das Taxas Líquidas de Migração Rural por Sexo e Grupo Etário Para o Decênio 1960/1970 e Quinquênios 1960/1965 e 1965/ /09/60 01/09/ /1970 Taxas Líquidas de Migração (%): 1960/1970 Grupo População Observada: População Observada: Saldo Migratório: População Esperada* População Observada** 0 a 4 anos ,1201 4,1150 3,9570 3, a 9 anos ,9176 5,9183 5,5870 5, a 14 anos ,6917-4,3457 2,6212-4, a 19 anos ,1498-2,3044-0,1500-2, a 24 anos , , ,6696 9, a 29 anos , , , , a 34 anos ,8884 5, ,4169 5, a 39 anos ,0714-9,4188 0, , a 44 anos ,1410 0,6076-3,2429 0, a 49 anos ,0022-2,7706-7,5295-2, a 54 anos ,6809-0,3910 6,2625-0, a 59 anos ,6294 4,6459-2,7004 4, anos e mais ,6929 0, ,3050 0,7410 Total ,7390 2,7888 5,4275 2, /09/60 01/09/ /1965 Taxas Líquidas de Migração (%): 1960/ a 4 anos ,6502 2,6502 2,5818 2, a 9 anos ,5427 2,4610 2,4796 2, a 14 anos ,6451-1,6807 0,6410-1, a 19 anos ,7508 1,9797 3,6152 1, a 24 anos ,9606 7,5155 9,0583 6, a 29 anos ,2774 6,4030 8,4898 6, a 34 anos ,0974-1,0765 3,0043-1, a 39 anos ,7801-2,2395-0,7863-2, a 44 anos ,5464-0,5199-2,6130-0, a 49 anos ,1529-0,7884-0,1532-0, a 54 anos ,0243 1,0273 1,0139 1, anos e mais ,1369 0,7332 5,7820 0,7278 Total ,0784 1,8086 2,9865 1, /09/65 01/09/ /1970 Taxas Líquidas de Migração (%): 1965/ a 4 anos ,5423 2,5423 2,4793 2, a 9 anos ,1880 2,9380 3,0895 2, a 14 anos ,1914-6,5470 0,1911-7, a 19 anos ,7898-0,6343-0,7961-0, a 24 anos ,6465 8, ,4316 7, a 29 anos , , , , a 34 anos ,3044-0,6252 3,1987-0, a 39 anos ,9351-8,4332-3,0239-9, a 44 anos ,3794 2,9124-2,4374 2, a 49 anos ,5722-2,2625-4,7913-2, a 54 anos ,8443 0,4006 6,4058 0, a 59 anos ,6166 3,5818-3,7523 3, anos e mais*** ,9457 0,0133 9,0460 0,0133 Total ,9262 1,0332 2,8430 1,0227 Fonte: IBGE. Censos Demográficos de 1960 e *** Em relação à População Estimada para 01/09/1965, considerar 55 e anos e mais CEDEPLAR/UFMG 17

18 Tabela 5 AMAPÁ : População Urbana Estimativas dos Saldos e das Taxas Líquidas de Migração Urbana por Sexo e Grupo Etário Para o Decênio 1960/1970 e Quinquênios 1960/1965 e 1965/ /09/60 01/09/ /1970 Taxas Líquidas de Migração (%): 1960/1970 Grupo População Observada: População Estimada Saldo Migratório: População Esperada* População Observada** 0 a 4 anos , , , , a 9 anos , , , , a 14 anos , , , , a 19 anos , , , , a 24 anos , , , , a 29 anos , , , , a 34 anos , , , , a 39 anos , , , , a 44 anos , , , , a 49 anos , , ,2843 9, a 54 anos , , , , a 59 anos ,6977 1, ,8292 1, anos e mais , , , ,4881 Total , , , , /09/60 01/09/ /1965 Taxas Líquidas de Migração (%): 1960/ a 4 anos , ,7036 9,6051 9, a 9 anos ,0806 8,8648 8,3247 8, a 14 anos , ,6255 9, , a 19 anos , ,6906 8, , a 24 anos , ,7048 7,1799 9, a 29 anos , , ,0478 9, a 34 anos ,6854 8, ,4628 7, a 39 anos ,6702 6,4098 7,1238 6, a 44 anos ,7490 6,6406 5,4365 6, a 49 anos ,7208 9,4840 6,2975 8, a 54 anos ,1284 6,8337 8,3648 6, anos e mais ,0029 8,6284 7,4099 7,9430 Total , ,2780 8,6651 9, /09/65 01/09/ /1970 Taxas Líquidas de Migração (%): 1965/ a 4 anos , , , , a 9 anos ,6300 8,2696 7,9444 7, a 14 anos , ,4734 8, , a 19 anos , , , , a 24 anos ,0136 8,5793 2,9254 7, a 29 anos , , ,1047 9, a 34 anos , , ,8116 9, a 39 anos ,3617 3,1378 7,7165 3, a 44 anos ,5797 8,5585 3,4560 7, a 49 anos ,3399 4,0834 5,0692 3, a 54 anos , ,0822 7, , a 59 anos ,4299-4, ,2575-4, anos e mais*** , ,5794 6, ,3777 Total , ,6882 8,6921 9,6561 Fonte: IBGE. Censos Demográficos de 1960 e *** Em relação à População Estimada para 01/09/1965, considerar 55 e anos e mais CEDEPLAR/UFMG 18

19 Tabela 6 AMAPÁ : População Total Estimativas dos Saldos e das Taxas Líquidas de Migração por Sexo e Grupo Etário Para o Decênio 1960/1970 e Quinquênios 1960/1965 e 1965/ /09/60 01/09/ /1970 Taxas Líquidas de Migração (%): 1960/1970 Grupo População Observada: População Observada: Saldo Migratório: População Esperada* População Observada** 0 a 4 anos , , , , a 9 anos , , , , a 14 anos , , , , a 19 anos , , , , a 24 anos , , , , a 29 anos , , , , a 34 anos , , , , a 39 anos ,8006 1,5149 8,9258 1, a 44 anos ,0305 8,9158 3,8744 8, a 49 anos ,8996 4,7441 1,8642 4, a 54 anos , ,0594 9, , a 59 anos ,5971 3,1257 7,9165 3, anos e mais , , , ,1135 Total , , , , /09/60 01/09/ /1965 Taxas Líquidas de Migração (%): 1960/ a 4 anos ,6163 6,6163 6,2057 6, a 9 anos ,9420 5,8576 5,6087 5, a 14 anos ,9816 6,3757 5,6440 5, a 19 anos ,6087 7,7110 6,1990 7, a 24 anos ,8328 9,2702 8,1160 8, a 29 anos ,2087 8,8065 9,2631 8, a 34 anos ,1159 3,8707 6,6432 3, a 39 anos ,3811 2,5764 3,2706 2, a 44 anos ,4835 3,3838 1,4618 3, a 49 anos ,1533 4,5991 3,0569 4, a 54 anos ,8039 4,2261 4,5837 4, anos e mais ,0839 5,2661 6,6153 5,0027 Total ,3016 6,2810 5,9281 5, /09/65 01/09/ /1970 Taxas Líquidas de Migração (%): 1965/ a 4 anos ,9512 6,9512 6,4994 6, a 9 anos ,0279 5,8572 5,6852 5, a 14 anos ,3279 5,0913 5,0584 4, a 19 anos ,8408 8,2324 6,4028 7, a 24 anos ,0106 8,5576 6,5513 7, a 29 anos , , , , a 34 anos ,8340 5,4683 8,1169 5, a 39 anos ,5063-2,2680 2,4450-2, a 44 anos ,6282 6,1802 0,6242 5, a 49 anos ,4101 1,3157 0,4084 1, a 54 anos ,6468 9,0444 7,1036 8, a 59 anos ,6193-1,0558 3,4929-1, anos e mais*** ,4812 6,8748 7,8181 6,4326 Total ,3120 6,2545 5,9373 5,8863 Fonte: IBGE. Censos Demográficos de 1960 e *** Em relação à População Estimada para 01/09/1965, considerar 55 e anos e mais CEDEPLAR/UFMG 19

20 Tabela 7 AMAZONAS : População Rural Estimativas dos Saldos e das Taxas Líquidas de Migração Rural por Sexo e Grupo Etário Para o Decênio 1960/1970 e Quinquênios 1960/1965 e 1965/ /09/60 01/09/ /1970 Taxas Líquidas de Migração (%): 1960/1970 Grupo População Observada: População Observada: Saldo Migratório: População Esperada* População Observada** 0 a 4 anos , , , , a 9 anos , , , , a 14 anos , , , , a 19 anos , , , , a 24 anos , , , , a 29 anos , , , , a 34 anos , , , , a 39 anos , , , , a 44 anos , , , , a 49 anos , , , , a 54 anos , , , , a 59 anos , , , , anos e mais , , , ,3178 Total , , , , /09/60 01/09/ /1965 Taxas Líquidas de Migração (%): 1960/ a 4 anos , , , , a 9 anos , , , , a 14 anos , , , , a 19 anos , , , , a 24 anos , , , , a 29 anos , , , , a 34 anos , , , , a 39 anos , , , , a 44 anos , , , , a 49 anos , , , , a 54 anos , , , , anos e mais , , , ,9126 Total , , , , /09/65 01/09/ /1970 Taxas Líquidas de Migração (%): 1965/ a 4 anos , , , , a 9 anos , , , , a 14 anos , ,8622-8, , a 19 anos , , , , a 24 anos , , , , a 29 anos ,3946-7,8178-9,1639-8, a 34 anos , , , , a 39 anos , , , , a 44 anos , ,9255-8, , a 49 anos , , , , a 54 anos , , , , a 59 anos , , , , anos e mais*** , , , ,1531 Total , , , ,0120 Fonte: IBGE. Censos Demográficos de 1960 e *** Em relação à População Estimada para 01/09/1965, considerar 55 e anos e mais CEDEPLAR/UFMG 20

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA MIGRAÇÃO Os resultados da migração interna e internacional apresentados foram analisados tomando por base a informação do lugar de residência (Unidade da Federação ou país estrangeiro) há exatamente cinco

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.1 Taxa de mortalidade infantil O indicador estima o risco de morte dos nascidos vivos durante o seu primeiro ano de vida e consiste em relacionar o número de óbitos de menores de um ano de idade, por

Leia mais

PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030

PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030 PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2060 PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030 Agosto de 2013 1 Presidenta da República

Leia mais

F.19 - Cobertura de coleta de lixo

F.19 - Cobertura de coleta de lixo Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.19 - Cobertura de coleta de lixo Limitações: Requer informações adicionais sobre as condições de funcionamento (freqüência, assiduidade, volume transportado

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 Isaac A. Coimbra Lou SEI/BA Lis Helena Borges Bolsista/IPEA Roberta Pimenta Bolsista/IPEA Brasília, Março de 2013 SUMÁRIO

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Eduardo Pereira Nunes Presidente do IBGE Teresina, 12 de Agosto de 2011 Brasil Todos os domicílios residenciais particulares foram recenseados A coleta

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

Parte I Conceitos básicos de Demografia

Parte I Conceitos básicos de Demografia Parte I Conceitos básicos de Demografia Capítulo 1 Conceitos básicos em Demografia e dinâmica demográfica brasileira Cézar Augusto Cerqueira e Gustavo Henrique Naves Givisiez Capítulo 2 Introdução a métodos

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Estatísticas do Registro Civil 2013

Estatísticas do Registro Civil 2013 Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estatísticas Vitais e Estimativas Populacionais Estatísticas do Registro Civil 2013 Dezembro de 2014 Estatísticas do Registro

Leia mais

Linha Temática II - Migrações Internas e Internacionais Contemporâneas em São Paulo... 55

Linha Temática II - Migrações Internas e Internacionais Contemporâneas em São Paulo... 55 Linha Temática II - Migrações Internas e Internacionais Contemporâneas em São Paulo...... 55 Distribuição relativa (%) de imigrantes bolivianos no Estado de São Paulo em 20 I O..._... 62 Distribuição relativa

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Novos Espaços da Migração no Brasil: Anos 80 e 90

Novos Espaços da Migração no Brasil: Anos 80 e 90 Novos Espaços da Migração no Brasil: Anos 80 e 90 Rosana Baeninger * Introdução No panorama da mobilidade espacial da população brasileira, nas últimas décadas, destaca-se justamente a complexidade e diversificação

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS Elaine Toldo Pazello FEA-RP / USP epazello@usp.br Instituto Fonte 26/11/2013 Roteiro da apresentação Descrever o cálculo do IDEB, procurando

Leia mais

VOLUME 3. Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar.

VOLUME 3. Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar. VOLUME 3 Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar. 69 PARTE I PROJEÇÃO DEMOGRÁFICA 70 1 Introdução A atualização de projeções

Leia mais

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades Apresentação A AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa apresentar uma visão do cenário das Unidades de Terapias Intensivas (UTI) no país. Objetivos Elaborar

Leia mais

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG Diretoria de Pesquisas - Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010 Sistema Nacional de Informações

Leia mais

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS A população brasileira foi estimada em 184,4 milhões de habitantes, em 2005, segundo a PNAD, sendo que 91 milhões de pessoas se declararam de cor/raça parda ou preta, aproximando-se

Leia mais

Equipe técnica. Juarez de Castro Oliveira 1 Fernando Roberto P. de C. e Albuquerque 2 Ivan Braga Lins 3. Rio de Janeiro, outubro de 2004

Equipe técnica. Juarez de Castro Oliveira 1 Fernando Roberto P. de C. e Albuquerque 2 Ivan Braga Lins 3. Rio de Janeiro, outubro de 2004 Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 1980-2050 Revisão 2004 Metodologia e Resultados ESTIMATIVAS

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 2 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 3 Variáveis de conteúdo... 3 %Pessoas

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.9 Taxa de mortalidade por causas externas O indicador mede o número de óbitos por causas externas (conjunto de acidentes e violências) por 1. habitantes, estimando o risco de morrer por essas causas.

Leia mais

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006.

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006. DEMOGRAFIA E EDUCAÇÃO NO BRASIL: AS DESIGUALDADES REGIONAIS* FERNANDA R. BECKER UERJ Resumo: A População brasileira está se transformando, passando por mudanças significativas nas últimas décadas. Estas

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS. ano III nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS. ano III nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO HEPATITES VIRAIS ano III nº 01 2012. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Expediente Boletim Epidemiológico Hepatites

Leia mais

Sala de Imprensa Notícias do Enem

Sala de Imprensa Notícias do Enem Imprimir Fechar janela Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Sala de Imprensa Notícias do En 07 de fevereiro de 2007 Inep divulga os resultados do En 2006 por UF e Maioria

Leia mais

O esquema metodológico da pesquisa está ilustrado na seguinte figura: FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 REUNIÕES DE GRUPO CO/CRA-DF SE/CRA-SP INSUMOS

O esquema metodológico da pesquisa está ilustrado na seguinte figura: FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 REUNIÕES DE GRUPO CO/CRA-DF SE/CRA-SP INSUMOS Metodologia da Pesquisa O esquema metodológico da pesquisa está ilustrado na seguinte figura: 1ª ETAPA PESQUISAS EXPLORATÓRIAS 2ª ETAPA PESQUISA QUANTITATIVA FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 DESK RESEARCH ENTREVISTAS

Leia mais

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS,

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, Análise de alguns indicadores da pesquisa Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, com seu caráter censitário junto aos estabelecimentos de saúde, tem sido um elemento valioso para

Leia mais

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços?

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? Nº 19 Novembro de 2011 A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991

Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991 ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991 Nº 20010504 Maio - 2001 Kaizô Beltrão - IBGE PREFEITURA

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Resultados gerais da amostra

Censo Demográfico 2010. Resultados gerais da amostra Censo Demográfico 2010 Resultados gerais da amostra Rio de Janeiro, 27 de abril de 2012 População e distribuição relativa População e distribuição relativa (%) para o Brasil e as Grandes Regiões 2000/2010

Leia mais

ATLAS. de Desenvolvimento Sustentável e Saúde. Brasil 1991 a 2010

ATLAS. de Desenvolvimento Sustentável e Saúde. Brasil 1991 a 2010 ATLAS de Desenvolvimento Sustentável e Saúde Brasil 1991 a 2010 Organização Pan-Americana da Saúde Organização Mundial da Saúde Representação no Brasil Atlas de Desenvolvimento Sustentável e Saúde Brasil

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

Meta 2 EDUCAÇÃO E POPULAÇÃO

Meta 2 EDUCAÇÃO E POPULAÇÃO Meta 2 EDUCAÇÃO E POPULAÇÃO Ação 2.2 Módulo Produtividade Educacional com Base nas Pesquisas Domiciliares e no Censo Demográfico 1.6 Sumário Executivo ANÁLISE DOS INDICADORES EDUCACIONAIS CALCULADOS DURANTE

Leia mais

Amazônia Legal e infância

Amazônia Legal e infância Amazônia Legal e infância Área de Abrangência 750 Municípios distribuídos em 09 Unidades Federativas: Amazonas (62), Amapá (16), Acre (22), Roraima (15), Rondônia (52), Pará (143), Tocantins (139), Maranhão

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados

Leia mais

MIGRAÇÃO INTERNACIONAL DE RETORNO AO BRASIL: EFEITOS DIRETOS E INDIRETOS

MIGRAÇÃO INTERNACIONAL DE RETORNO AO BRASIL: EFEITOS DIRETOS E INDIRETOS MIGRAÇÃO INTERNACIONAL DE RETORNO AO BRASIL: EFEITOS DIRETOS E INDIRETOS Ricardo Alexandrino Garcia Doutor em Demografia e pesquisador do IGC/UFMG Weber Soares Professor do IGC/UFMG Resumo As perdas demográficas

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 29 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 29 E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS,

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,59% em Junho O Índice Nacional da Construção

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social Oferta de vagas por instituição UNIVERSIDADES FEDERAIS FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE 408 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA 636 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,52% em agosto O Índice Nacional da Construção

Leia mais

O BOXPLOT. Ana Maria Lima de Farias Departamento de Estatística (GET/UFF)

O BOXPLOT. Ana Maria Lima de Farias Departamento de Estatística (GET/UFF) O BOXPLOT Ana Maria Lima de Farias Departamento de Estatística (GET/UFF) Introdução O boxplot é um gráfico construído com base no resumo dos cinco números, constituído por: Valor mínimo Primeiro quartil

Leia mais

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Vitória, 29 de Maio de 2012 Indicador de PIB trimestral 17 atividades econômicas pesquisadas, em consonância com os setores das Contas Regionais

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco Estudo Estratégico n o 4 Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco PANORAMA GERAL ERJ receberá investimentos recordes da ordem

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Dimensão econômica. Quadro econômico

Dimensão econômica. Quadro econômico Dimensão econômica Quadro econômico Dimensão econômica 42 Produto interno bruto per capita O Produto Interno Bruto per capita indica a renda média da população em um país ou território e sua variação é

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Pessoas c/alguma

Leia mais

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Estado Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte

Leia mais

Indicadores Sociodemográficos. Prospectivos para o Brasil 1991-2030

Indicadores Sociodemográficos. Prospectivos para o Brasil 1991-2030 Indicadores Sociodemográficos Prospectivos para o Brasil 1991-2030 Indicadores Sociodemográficos Prospectivos para o Brasil 1991-2030 Diretoria de Pesquisas DPE Coordenação de População e Indicadores

Leia mais

AS TENDÊNCIAS RECENTES DAS MIGRAÇÕES INTERESTADUAIS E O PADRÃO MIGRATÓRIO

AS TENDÊNCIAS RECENTES DAS MIGRAÇÕES INTERESTADUAIS E O PADRÃO MIGRATÓRIO AS TENDÊNCIAS RECENTES DAS MIGRAÇÕES INTERESTADUAIS E O PADRÃO MIGRATÓRIO Fausto Brito Ricardo Alexandrino Garcia Renata G. Vieira de Souza Resumo O objetivo do artigo é deenvolver uma avaliação teórica

Leia mais

A migração no Brasil no começo do século 21: continuidades e novidades trazidas pela PNAD 2004

A migração no Brasil no começo do século 21: continuidades e novidades trazidas pela PNAD 2004 Taller Nacional sobre Migración interna y desarrollo en Brasil: diagnóstico, perspectivas y políticas 30 de Abril 2007, Brasilia, Brasil Organizado por la Comisión Económica para América Latina y el Caribe,

Leia mais

INTRODUÇÃO. As análises de impacto e de vidas poupadas foram realizadas desagregando Unidades da Federação, Capitais e Regiões Metropolitanas.

INTRODUÇÃO. As análises de impacto e de vidas poupadas foram realizadas desagregando Unidades da Federação, Capitais e Regiões Metropolitanas. UNESCO INTRODUÇÃO O presente documento sintetiza os resultados da análise dos dados de mortalidade por armas de fogo divulgados no Ministério da Saúde em 2 de setembro de 2005. A análise foi realizada

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SERVIÇO DE INFORMAÇÃO AO CIDADÃO Brasília Mensagem eletrônica n.º 229/2015-SIC/DIREX/DPF Prezada Senhora, 1. Trata-se de requerimento de informação

Leia mais

ESTUDO SOBRE IPVA EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO

ESTUDO SOBRE IPVA EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO 1 ESTUDO SOBRE IPVA EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO - O IPVA é o tributo estadual, cuja arrecadação é a segunda mais importante, depois do ICMS; - A estimativa de arrecadação de IPVA (Imposto

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL GEOGRAFIA CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL 1. ASPECTOS GERAIS O Brasil atualmente apresenta-se como o quinto país mais populoso do mundo, ficando atrás apenas da China, Índia, Estados Unidos e Indonésia.

Leia mais

F.13 Cobertura vacinal

F.13 Cobertura vacinal F.13 Cobertura vacinal Trata-se de um conjunto de 8 indicadores que avaliam a cobertura vacinal em menores de um ano para as seguintes doenças: hepatite B, sarampo, rubéola, caxumba, difteria, tétano,

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400 ORGAO : 33000 - MINISTERIO DA PREVIDENCIA SOCIAL UNIDADE : 33201 - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ANEXO CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

OS DADOS CENSITÁRIOS BRASILEIROS SOBRE MIGRAÇÕES INTERNAS: CRÍTICAS E SUGESTÕES PARA ANÁLISE

OS DADOS CENSITÁRIOS BRASILEIROS SOBRE MIGRAÇÕES INTERNAS: CRÍTICAS E SUGESTÕES PARA ANÁLISE SOLO PARA PARTICIPANTES DOCUMENTO DE REFERENCIA SÓ PORTUGÊS SEMINARIO-TALLER LOS CENSOS DE 2010 Y LA MIGRACIÓN INTERNA, INTERNACIONAL Y OTRAS FORMAS DE MOVILIDAD TERRITORIAL CELADE División de Población

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE INDICADORES DEMOGRÁFICOS E SOCIAIS E ECONÔMICOS DO NORDESTE Verônica Maria Miranda Brasileiro Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

QUADRO 1 - COMPOSIÇÃO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA COMPOSIÇÃO ORIGINAL (1) MUNICÍPIOS DESMEMBRADOS INCLUÍDOS POR LEGISLAÇÕES ESTADUAIS (2) Almirante Tamandaré Araucária Balsa Nova Bocaiúva do Sul

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

ESTIMATIVA DA COBERTURA DO REGISTRO DE ÓBITOS ATRAVÉS DO SIM/MS PARA OS ESTADOS DO NORDESTE, 1991

ESTIMATIVA DA COBERTURA DO REGISTRO DE ÓBITOS ATRAVÉS DO SIM/MS PARA OS ESTADOS DO NORDESTE, 1991 ESTIMATIVA DA COBERTURA DO REGISTRO DE ÓBITOS ATRAVÉS DO SIM/MS PARA OS ESTADOS DO NORDESTE, 1991 Sandra Valongueiro 1 Marta Vaz de Aguiar 2 1 INTRODUÇÃO No mundo menos desenvolvido costuma-se conviver

Leia mais

Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação MIGRAÇÕES ENTRE OS MUNICÍPIOS BRASILEIROS, A PARTIR DAS INFORMAÇÕES DOS CENSOS DEMOGRÁFICOS DE 1991 E 2000 Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Geografia Tratamento da Informação Espacial,

Leia mais

XI ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR. Título: UMA ANÁLISE DO MOVIMENTO PENDULAR NA DEFINIÇÃO DA ESPACIALIDADE TERRITORIAL E SOCIAL NA RMNATAL.

XI ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR. Título: UMA ANÁLISE DO MOVIMENTO PENDULAR NA DEFINIÇÃO DA ESPACIALIDADE TERRITORIAL E SOCIAL NA RMNATAL. XI ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR Título: UMA ANÁLISE DO MOVIMENTO PENDULAR NA DEFINIÇÃO DA ESPACIALIDADE TERRITORIAL E SOCIAL NA RMNATAL. Autor: Zoraide Souza Pessoa, Mestre em Ciências Sociais. Instituição:

Leia mais

ESTUDO SOBRE ARRECADAÇÃO DE IPVA E SUA PROPORCIONALIDADE EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO BRASILEIRA

ESTUDO SOBRE ARRECADAÇÃO DE IPVA E SUA PROPORCIONALIDADE EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO BRASILEIRA ESTUDO SOBRE ARRECADAÇÃO DE IPVA E SUA PROPORCIONALIDADE EM RELAÇÃO À FROTA DE VEÍCULOS E À POPULAÇÃO BRASILEIRA JOÃO ELOI OLENIKE GILBERTO LUIZ DO AMARAL LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL FERNANDO STEINBRUCH

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Informações do Domicílio Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Informações do Domicílio Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Informações do Domicílio Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 Média moradores/domicílios...

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

1. DISTRIBUIÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR NO TERRITÓRIO NACIONAL POR REGIÕES

1. DISTRIBUIÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR NO TERRITÓRIO NACIONAL POR REGIÕES Nº 72 Fevereiro 2014 Análise da Distribuição Espacial das Instituições de Ensino Superior Brasileiras a partir dos Dados do Censo da Educação Superior de 2011 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes

Leia mais