Aula-8Gasometria Arterial. Profª Tatiani

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula-8Gasometria Arterial. Profª Tatiani"

Transcrição

1 Aula-8Gasometria Arterial Profª Tatiani

2 Gasometria Arterial A gasometria arterial é um exame invasivo que mede as concentrações de oxigênio, a ventilação e o estado ácido-básico. Tipicamente, os valores gasométricos são obtidos quando o quadro clínico do paciente sugere uma anormalidade na oxigenação, na ventilação e no estado ácidobásico. *BIOSSEGURANÇA

3 Os achados da GA testam a eficácia de: Ventilação através da mensuração do PaCO2( dióxido de carbono no sangue arterial) e; Difusão e oxigenação através da medição da PaO2( oxigênio no sangue arterial).

4 COLETA DA AMOSTRA BRAQUIAL é uma importante artéria, e que assegura o principal suprimento sangüíneo para o braço, termina aproximadamente um centímetro distal à articulação do cotovelo. RADIAL artéria radial começa cerca de um centímetro distal à prega do cotovelo antebraço e termina ao nível do meio da palma da mão

5 ULNAR Artéria ulnar começa imediatamente distal à prega do cotovelo, irriga os músculos mediais no antebraço e na mão e o nervo ulnar. FEMORAL Artéria em continuação direta com a artéria ilíaca externa, percorre a face ântero-medial da coxa, e na fossa poplítea prossegue com nome de artéria poplítea.

6 Tibial a dorsal do pé é a continuação direta da artéria tibial anterior, irriga através de seus ramos as artérias társicas (lateral e mediais), arqueada e seus ramos (metatársicos dorsais e digitais dorsais), e a região dorsal do pé.

7 Material : para preparo e a Coleta Seringa ; solução aquosa de heparina ( 1:1000), agulha, algodão com álcool, gazes, luvas, tampa de borracha para o corpo da seringa ou protetor de borracha para a agulha, etiquetas, formulário para solicitação de exames de laboratório, curativo e solução de lidocaína a 1% (opcional). OBS: para cada coleta utilizar apenas uma quantidade aproximadamente de 0,1 ml de heparina no interior da seringa.

8 A TÉCNICA TESTE DE ALLEN Existe a possibilidade de que a punção da artéria radial possa ocluir a circulação arterial da mão. Por isso é importante a avaliação colateral da mão pela artéria ulnar através do Teste de Allen antes de cada punção da artéria radial.

9 A TÉCNICA: Peça para o paciente fechar a mão fortemente formando um punho. Força-se assim a saída do sangue da mão. Usando os seus dedos indicador e médio de ambas as mãos, palpe as artérias ulnar e radial. Comprima e obstrua o fluxo do sangue em ambas as artérias enquanto o paciente abre parcialmente e fecha a mão 4 a 5 vezes. Mantenha a mão do paciente com a palma para cima. Esta deverá aparecer esbranquiçada.

10 Reduza a pressão na artéria ulnar enquanto observa a cor da palma, dedos e em especial o polegar. A mão e os dedos deverão ficar preenchidos dentro de 10 a 15 segundos se a circulação ulnar for adequada. Se a mão permanecer esbranquiçada, a circulação não é adequada nessa mão( teste de Allen negativo) e a punção da radial não deve ser ai realizada. Se a cor é retomada( teste de Allen positivo), a punção da artéria radial pode ser efetuada em segurança.

11 TÉCNICA PARA PUNÇÃO ARTERIAL orientar o paciente sobre o procedimento a ser realizado; lavar as mãos e colocar luvas; realizar antissepsia para evitar introdução de flora de pele potencialmente infecciosas no vaso sangüíneo durante o procedimento; palpar a artéria usando os dedos indicador e médio de uma das mãos;

12

13 segurar a agulha com o bisel para cima, inclinado num ângulo de 30 a 45 graus, na punção da artéria; - perfurar a pele e a parede arterial com apenas um movimento, obedecendo ao sentido da artéria; - não puxar o êmbolo para trás porque o sangue arterial deve entrar automaticamente na seringa;

14 após coletar a amostra, pressionar o local com algodão ou compressa durante 5 minutos ou até 10 minutos em caso do paciente estiver em terapia anticoagulante; verificar se a seringa apresenta bolhas de ar e, caso possua deve-se removêlas ejetando lentamente uma parte do sangue em uma compressa. - inserir a agulha no protetor de borracha, o que impede vazamentos da amostra e mantém o ar afastado da seringa;

15 colocar a amostra etiquetada no saco plástico; Encaminhar ao laboratório; - monitorar os sinais vitais do paciente, observando sinais de problemas circulatórios como edema, hematomas, dores, dormência ou formigamentos na perna ou braço.

16 Complicações As complicações de sangramento e formação de hematoma após punção arterial são mais comuns em relação às venopunções. A maioria dos hematomas podem ser evitados com aplicação de pressão da ponta do dedo no local da punção, durante tempo suficiente para cessar o sangramento.

17 Gasometria é o exame que fornece os valores que permitem analisar os gases sangüíneos e o equilíbrio ácido-base. Os aparelhos utilizados para a determinação dos gases sangüíneos e do ph são os Analisadores de Gases Sangüíneos.

18 Os equipamentos mais modernos já oferecem além da análise de gases e ph, os valores medidos dos íons (Na +, K +, Cl - e Ca ++ ), da saturação de O 2 (SO 2 ), hemoglobina, hematócrito entre outros. Analisador portátil:

19 Verificação do ph (potencial hidrogênico) Índice de concentração de Hidrogênio ph está abaixo de 7,35, acidose; ph está acima de 7,45, alcalose. Um ph normal demonstra a ausência de distúrbio ácido-basico ou há dois distúrbios que se compensaram.

20 ph

21 Avaliação do ph A análise do ph demonstra, simplesmente, a existência de acidose ou alcalose. ph igual ou inferior a 7,25 acidose severa, ph igual ou superior a 7,55 alcalose severa. A avaliação isolada do ph, obviamente, não oferece qualquer indicação sobre a origem do distúrbio, que pode ser respiratória ou metabólica.

22 VERIFICAÇÃO DA PaCO2 (Pressão Parcial de gás carbônico)

23 PaO2 exprime a eficácia das trocas de oxigênio entre os alvéolos e os capilares pulmonares. PaCO2 => A pressão parcial de CO2 do sangue arterial exprime a eficácia da ventilação alveolar, sendo praticamente a mesma do CO2 alveolar, dada a grande difusibilidade deste gás. Se a PaCO2 estiver < que 35 mmhg, o paciente está hiperventilando, Se o ph estiver >que 7,45 ele está em Alcalose Respiratória. Se a PCO2 estiver > que 45 mmhg, o paciente está hipoventilando, Se o ph estiver < que 7,35 ele está em Acidose Respiratória.

24 BICARBONATO

25 HCO3- => As alterações na concentração de bicarbonato no plasma podem desencadear desequilíbrios ácido-básicos por distúrbios metabólicos. Se o HCO3- estiver > que 28 meq/l com desvio do ph > 7,45, o paciente está em Alcalose Metabólica. Se o HCO3- estiver < que 22 meq/l com desvio do ph < 7,35, o paciente está em Acidose Metabólica.

26 Valores de Referência ph 7,35 a 7,45 po 2 80 a 100mmHg pco 2 35 a 45mmHg HCO 3 22 a 28mmol/l BE -2 a +2 Sat >95%

27 INTERPRETAÇÃO DO EXAME Verificação do ph; Verificação da PCO2; Verificação das bases (bicarbonato); Verificação da diferença de bases (excesso ou déficit).

28 ACIDOSE RESPIRATÓRIA Segue abaixo, um exemplo de uma acidose respiratória: ph = 7.30 PaO2 = 140 PaCO2 = 50 HCO3 = 24 SatO2 = 99%

29 ALCALOSE RESPIRATÓRIA Segue abaixo, um exemplo de uma alcalose respiratória: ph = 7.58 PaO2 = 50 PaCO2 = 23 HCO3 = 22 SatO2 = 87%

30 ACIDOSE METABÓLICA Segue abaixo, um exemplo de uma acidose metabólica: ph = 7.32 PaO2 = 89 PaCO2 = 38 HCO3 = 15 SatO2 = 97%

31 ALCALOSE METABÓLICA Segue abaixo, um exemplo de uma alcalose metabólica: ph = 7.50 PaO2 = 93 PaCO2 = 43 HCO3 = 31 SatO2 = 96%

32 A analise da gasometria arterial e o estudo ácido base são importantes na avaliação clínica dos estados que se acompanham de acidose, hipoxemia, hiperventilação, hipoventilação ou alcalose.

33 Estados Clínicos associados a distúrbios ácido-base Embolia pulmonar alcalose respiratória Hipotensão / choque acidose metabólica Vômitos / SNG alcalose metabólica Diarréia grave acidose metabólica Cirrose hepática alcalose respiratória Insuficiência renal acidose metabólica Sepse alcalose respiratória acidose metabólica Gravidez alcalose respiratória Uso de diuréticos alcalose metabólica DPOC acidose respiratória

34 CORREÇÃO DA GASOMETRIA

35 Correção Gasometria Acidose Metabólica A administração de bicarbonato de sódio pode corrigir a acidose do sangue e minimizar os seus efeitos ao nível do interstício e do espaço intracelular. A dose de bicarbonato de sódio para a correção da acidose metabólica pode ser estimada, à partir do déficit de bases (BD).

36 Correção Gasometria Acidose Metabólica V (ml)= Peso (Kg) x 0,3 x BD V = representa o volume de bicarbonato de sódio a 8,4% a ser administrado. Peso = representa o peso do indivíduo, expresso em Kg. 0,3 = representa a constante para o líquido extracelular (30% do peso corporal) BD = representa o déficit de bases obtido na gasometria arterial. Déficit de bases (BD) representa a quantidade de bases necessárias para elevar o ph até o valor médio de 7,40.

37 Correção Gasometria Alcalose Metabólica De um modo geral a alcalose metabólica é leve ou moderada e não requer tratamento especial a não ser a remoção da sua causa, quando possível. O uso mais moderado dos diuréticos e a administração de cloreto de potássio tendem à normalizar os demais quadros.

38 Correção Gasometria Acidose Respiratória O tratamento consiste de medidas para estimular a ventilação pulmonar que vão desde o incentivo à tosse e eliminação de secreções bronco-pulmonares até a entubação traqueal e ventilação mecânica.

39 Correção Gasometria Alcalose Respiratória O tratamento consiste em remover as causas da hiperventilação. Nos casos mais severos pode ocorrer hipopotassemia, capaz de gerar arritmias cardíacas, pela entrada rápida de potássio nas células em troca pelos íons hidrogênio. Os casos mais frequentes de alcalose respiratória severa são secundários à ventilação mecânica prolongada; o tratamento consiste em ajustar os controles do aparelho adequando a ventilação às necessidades do paciente.

GASOMETRIA ARTERIAL- ARTIGO DE REVISÃO. interpretação

GASOMETRIA ARTERIAL- ARTIGO DE REVISÃO. interpretação TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO GASOMETRIA ARTERIAL- ARTIGO DE REVISÃO interpretação Dra Leticia Godoy Dias Sanderson Porto Ferreira, fevereiro 2012 Resumo O objetivo do estudo é identificar na literatura

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA

INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA Clínica Médica e Cirúrgica I INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA João Adriano de Barros Disciplina de Pneumologia Universidade Federal do Paraná Objetivos da Aula... Importância da IRA devido a sua alta mortalidade

Leia mais

GASOMETRIA ph E GASES SANGUÍNEOS

GASOMETRIA ph E GASES SANGUÍNEOS GASOMETRIA ph E GASES SANGUÍNEOS CBHPM 4.03.0.01-6 AMB 8.01.096-5 CBHPM 4.14.01.16-6 Sinonímia: Gasometria de Siggaard-Andersen. Teste de exercício em ergômetro com realização de gasometria arterial. Gasometria

Leia mais

Considerações Gerais sobre Hemogasometria

Considerações Gerais sobre Hemogasometria Considerações Gerais sobre Hemogasometria Exame hemogasométrico Grande importância na avaliação do equilíbrio ácido-básico Diagnóstico e prognóstico de inúmeras enfermidades Cuidados importantes para obtenção

Leia mais

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Distúrbio hidro-eletrolítico e ácido-básico Distúrbios da regulação da água; Disnatremias; Alterações do potássio; Acidoses

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

Coleta de Amostras Biológicas. Prof. Fernando Ananias

Coleta de Amostras Biológicas. Prof. Fernando Ananias Coleta de Amostras Biológicas Prof. Fernando Ananias Material Biológico (Amostras): Líquidos Secreções Excreções Fragmentos de tecido Mais utilizados: sangue e urina INTRUÇÕES GERAIS O jejum recomendado

Leia mais

Conceito de ph ph = - Log [H + ] Aumento [H + ] => diminuição do ph => acidose Diminuição [H + ] => aumento do ph => alcalose Alterações são dependent

Conceito de ph ph = - Log [H + ] Aumento [H + ] => diminuição do ph => acidose Diminuição [H + ] => aumento do ph => alcalose Alterações são dependent Equilíbrio ácido-básico A concentração de H no FEC é mantida dentro de um limite extremamente estreito: 40 nmol/l = 1.000.000 menor que a Concentração dos outros íons!! [H] tem profundo efeito nos eventos

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 004 /2013 CT PRCI n /2012

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 004 /2013 CT PRCI n /2012 PARECER COREN-SP 004 /2013 CT PRCI n 102.931/2012 Ementa: Realização de Gasometria Arterial por profissional de enfermagem. 1. Do fato Ofício 1815/2012, encaminhado a este Conselho pela Juíza do Trabalho

Leia mais

Fisioterapia em Terapia Intensiva

Fisioterapia em Terapia Intensiva Ácidos e Bases Fisioterapia em Terapia Intensiva ÁCIDO moléculas que contem átomos de hidrogênio capazes de liberar íons de hidrogênio. HCl H + + Cl BASE molécula que pode aceitar um íon de hidrogênio

Leia mais

VALIDAÇÃO: Isolamento Infantil e Unidade Intermediária Cirúrgica

VALIDAÇÃO: Isolamento Infantil e Unidade Intermediária Cirúrgica Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na amostra de sangue arterial para análise gasométrica. FINALIDADE Auxiliar no diagnóstico, conduzir terapêutica e detectar o nível dos gases (02 e CO2) no sangue,

Leia mais

Ciclo Respiratório Normal. Como Respiramos? Prova de Função Pulmonar. Que diz a espirometria? Espirômetro. Sensível ao volume.

Ciclo Respiratório Normal. Como Respiramos? Prova de Função Pulmonar. Que diz a espirometria? Espirômetro. Sensível ao volume. Ciclo Respiratório Normal Como Respiramos? Prova de Função Pulmonar Que diz a espirometria? Espirômetro Sensível ao volume Sensível ao fluxo 1 FEV1 / FVC % Visão Geral da Hematose O índice espirométrico

Leia mais

TROCAS GASOSAS TRANSPORTE DE O 2 E CO 2 FUNÇOES DA HEMOGLOBINA QUÍMICA DA RESPIRAÇÃO. Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes

TROCAS GASOSAS TRANSPORTE DE O 2 E CO 2 FUNÇOES DA HEMOGLOBINA QUÍMICA DA RESPIRAÇÃO. Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes TROCAS GASOSAS TRANSPORTE DE O 2 E CO 2 FUNÇOES DA HEMOGLOBINA QUÍMICA DA RESPIRAÇÃO Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Plasma sanguíneo ph normal Acidose Alcalose Líquido extracelular Sangue arterial

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO 1 Ventilação e metabolismo energético Equivalente ventilatório de oxigênio: Relação entre volume de ar ventilado (VaV) e a quantidade de oxigênio consumida pelos tecidos (VO2) indica

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE V: SISTEMA RESPIRATÓRIO

FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE V: SISTEMA RESPIRATÓRIO FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE V: SISTEMA RESPIRATÓRIO Funções Troca de gases com o ar atmosférico; Manutenção da concentração de oxigênio; Eliminação da concentração de dióxido de carbônico; Regulação da ventilação.

Leia mais

Manutenção do ph do sangue

Manutenção do ph do sangue Manutenção do ph do sangue Muitos dos fluidos biológicos, quer no interior, quer no exterior das células, apresentam intervalos de ph muito apertados, ou seja um valor de ph praticamente constante, uma

Leia mais

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Sequência de interpretação e estratificação de risco 08/01/2013 Daniela Carvalho Objectivos da Tertúlia Sequência de interpretação da GSA - Método dos 3

Leia mais

Objetivo: Estudar os mecanismos fisiológicos responsáveis pelas trocas gasosas e pelo controle do transporte de gases Roteiro:

Objetivo: Estudar os mecanismos fisiológicos responsáveis pelas trocas gasosas e pelo controle do transporte de gases Roteiro: TROCAS GASOSAS E CONTROLE DO TRANSPORTE DE GASES Objetivo: Estudar os mecanismos fisiológicos responsáveis pelas trocas gasosas e pelo controle do transporte de gases Roteiro: 1. Trocas gasosas 1.1. Locais

Leia mais

INTERVENÇÃO DE ENFERMAGEM - ADMINISTRAR MEDICAMENTOS POR VIA INTRAMUSCULAR PROCEDIMENTO. Objectivo: Administrar medicamento no tecido muscular.

INTERVENÇÃO DE ENFERMAGEM - ADMINISTRAR MEDICAMENTOS POR VIA INTRAMUSCULAR PROCEDIMENTO. Objectivo: Administrar medicamento no tecido muscular. INTERVENÇÃO DE ENFERMAGEM - ADMINISTRAR MEDICAMENTOS POR VIA INTRAMUSCULAR PROCEDIMENTO Objectivo: Administrar medicamento no tecido muscular. Considerações Prévias/Avaliação Inicial: Prescrição de toda

Leia mais

RETIRADA DE INTRODUTOR VASCULAR FEMURAL

RETIRADA DE INTRODUTOR VASCULAR FEMURAL 1 de 7 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial RN, JM 1 Objetivo: A realização da retirada do introdutor femoral realizada pelo

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Biologia Trocas Gasosas

Exercícios de Aprofundamento Biologia Trocas Gasosas 1. (Unesp 2014) Os gráficos representam a concentração de três gases no sangue assim que passam pelos alvéolos pulmonares. É correto afirmar que os gráficos que representam as concentrações dos gases O

Leia mais

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel CATETERISMO CARDÍACO CATETERISMO CARDÍACO Método diagnóstico invasivo É avaliada a presença ou não de estreitamentos nas artérias coronárias secundário às "placas de gordura" além do funcionamento das

Leia mais

Embolia Pulmonar. Profº. Enf.º Diógenes Trevizan Especialização em urgência e Emergência

Embolia Pulmonar. Profº. Enf.º Diógenes Trevizan Especialização em urgência e Emergência Embolia Pulmonar Profº. Enf.º Diógenes Trevizan Especialização em urgência e Emergência Embolia Pulmonar - Conceito Entre os agravos respiratórios que apresentam elevados índices de morbidade destaca-se

Leia mais

Analisador portátil MELHOR + MELHOR

Analisador portátil MELHOR + MELHOR Analisador portátil MELHOR + MELHOR Resultados onde você estiver O VetScan i-stat 1 fornece resultados precisos de gasometria arterial, eletrólitos, bioquímica e hematologia em minutos com 2 a 3 gotas

Leia mais

Tampão. O que é? MISTURA DE UM ÁCIDO FRACO COM SUA BASE CONJUGADA, QUE ESTABILIZA O P H DE UMA SOLUÇÃO

Tampão. O que é? MISTURA DE UM ÁCIDO FRACO COM SUA BASE CONJUGADA, QUE ESTABILIZA O P H DE UMA SOLUÇÃO Tampões biológicos Relembrar os conceitos de ácido e base (Brönsted-Lowry), ph, pka; Compreender a importância do ph na manutenção da estrutura tridimensional das biomoléculas; Conhecer os valores de ph

Leia mais

artéria renal arteríola aferente capilares glomerulares artéria renal capilares glomerulares veia renal

artéria renal arteríola aferente capilares glomerulares artéria renal capilares glomerulares veia renal FUNÇÕES DOS RINS Controle da osmolaridade dos fluidos corporais Regulação do volume dos fluidos corporais (controle a longo prazo da pressão arterial) Regulação da concentração de eletrólitos: Na +, K

Leia mais

Pressão Arterial Invasiva

Pressão Arterial Invasiva Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro Serviço de Educação em Enfermagem Pressão Arterial Invasiva Renata Afonso Barcelos 2016 Definição Método de medida realizado por um cateter

Leia mais

INTRODUÇÃO À FISIOLOGIA HUMANA CMF-1

INTRODUÇÃO À FISIOLOGIA HUMANA CMF-1 INTRODUÇÃO À FISIOLOGIA HUMANA CMF-1 Professores: Clarissa, Lillian, Lucinda e Ricardo O QUE É FISIOLOGIA HUMANA? Estudo do funcionamento dos órgãos e sistemas que constituem o organismo humano. ANATOMIA

Leia mais

FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA NO AVE FT RAFAELA DE ALMEIDA SILVA APAE-BAURU

FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA NO AVE FT RAFAELA DE ALMEIDA SILVA APAE-BAURU FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA NO AVE FT RAFAELA DE ALMEIDA SILVA APAE-BAURU INTERNAÇÃO HOSPITALAR Toda pessoa com quadro suspeito de AVE deve ser levada imediatamente ao serviço de urgência para avaliação

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesu@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

Técnicas de administração de medicamentos

Técnicas de administração de medicamentos Técnicas de administração de medicamentos Profª Ana Cássia Equipamentos de proteção individual e materiais Luva de procedimento Máscara Bandeja ou cuba Algodão Álcool Seringa, agulha Scalpou jelco Garrote

Leia mais

Classificação. Diuréticos Tiazídicos Hidroclorotiazida Diuréticos de Alça Furosemida Diuréticos Poupadores de Potássio Espironolactona e Amilorida

Classificação. Diuréticos Tiazídicos Hidroclorotiazida Diuréticos de Alça Furosemida Diuréticos Poupadores de Potássio Espironolactona e Amilorida Diuréticos Classificação Diuréticos Tiazídicos Hidroclorotiazida Diuréticos de Alça Furosemida Diuréticos Poupadores de Potássio Espironolactona e Amilorida Diuréticos Tiazídicos Hidroclorotiazida Hidroclorotiazida:

Leia mais

Fraturas e Luxações Prof Fabio Azevedo Definição Fratura é a ruptura total ou parcial da estrutura óssea 1 Fraturas Raramente representam causa de morte, quando isoladas. Porém quando combinadas a outras

Leia mais

Farmacologia I, Aulas Práticas

Farmacologia I, Aulas Práticas Farmacologia I, Aulas Práticas Aula 4 TÉCNICAS ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIAS DE EXCREÇÃO DE MEDICAMENTOS Conhecimentos a adquirir: Conhecer as vias de eliminação de fármacos, sabendo adaptar a dose.

Leia mais

Interpretação da Gasometria Arterial. Dra Isabel Cristina Machado Carvalho

Interpretação da Gasometria Arterial. Dra Isabel Cristina Machado Carvalho Interpretação da Gasometria Arterial Dra Isabel Cristina Machado Carvalho Distúrbios Ácido-Base O reconhecimento dos mecanismos homeostáticos que controlam o equilíbrio ácido-base é fundamental, pois os

Leia mais

COMO MEDIR A PRESSÃO ARTERIAL

COMO MEDIR A PRESSÃO ARTERIAL COMO MEDIR A PRESSÃO ARTERIAL REQUISITOS BÁSICOS PARA ADEQUADA AFERIÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL Tele-educação REDE DE TELEASSISTÊNCIA DE MINAS GERAIS Organizadores Edênia S. G. Oliveira Lidiane A. Pereira

Leia mais

Biofísica renal. Estrutura e função dos rins

Biofísica renal. Estrutura e função dos rins Biofísica renal Estrutura e função dos rins Múltiplas funções do sistema renal Regulação do balanço hídrico e eletrolítico (volume e osmolaridade) Regulação do equilíbrio ácidobásico (ph) Excreção de produtos

Leia mais

COLETA DE MATERIAIS PARA EXAMES

COLETA DE MATERIAIS PARA EXAMES COLETA DE MATERIAIS PARA EXAMES PROFESSOR ENFERMEIRO DIÓGENES TREVIZAN Definição Consiste em colher sangue, urina, fezes e secreções, solicitados pelo médico, durante a internação do paciente. Em muitos

Leia mais

Recursos manuais da Fisioterapia Respiratória

Recursos manuais da Fisioterapia Respiratória Recursos manuais da Fisioterapia Respiratória (aula 2) AVALIAÇÃO INICIAL DA NECESSIDADE DA TERAPIA DE HB AVALIAR: Prontuário médico (HMA e HMP). Pctes c/ indicação de cirurgia abdominal alta ou torácica,

Leia mais

PROTOCOLO PARA COLETA DE HEMOCULTURA

PROTOCOLO PARA COLETA DE HEMOCULTURA PARA COLETA 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO Descrever técnica correta para coleta de hemocultura e conduta frente a possíveis

Leia mais

MODELO DE BULA (Profissionais de Saúde)

MODELO DE BULA (Profissionais de Saúde) MODELO DE BULA (Profissionais de Saúde) CPHD SMP 35 FRAÇÃO ÁCIDA cloreto de sódio + cloreto de potássio + associações APRESENTAÇÃO E FORMA FARMACÊUTICA Solução para hemodiálise bombona plástica de 5 ou

Leia mais

DISTÚRBIOS DO EQUILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO REVISÃO DE LITERATURA

DISTÚRBIOS DO EQUILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO REVISÃO DE LITERATURA DISTÚRBIOS DO EQUILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO REVISÃO DE LITERATURA SOUZA, Camila Carolina Discente do Curso de Medicina Veterinária da FAMED Garça SACCO, Soraya Regina ZAPPA, Vanessa Docente do Curso de Medicina

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR

SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR Fisiologia do Sistema Respiratório A respiração pode ser interpretada como um processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio, ou como um conjunto de reações químicas

Leia mais

Base teórica SINAIS VITAIS. Tópicos relevantes. Objetivos da aula. Quando aferir SV? Fisiologia

Base teórica SINAIS VITAIS. Tópicos relevantes. Objetivos da aula. Quando aferir SV? Fisiologia Base teórica SINAIS VITAIS Prof. Jorge Luiz Lima Os sinais vitais são informações básicas b colhidas pelo enfermeiro para avaliação do estado de saúde do cliente. O enfermeiro(a) deve saber avaliar e orientar

Leia mais

y Para viver, viver os seres aeróbios necessitam da entrada constante de oxigénio para as células e da eliminação eficaz do dióxido de carbono que se

y Para viver, viver os seres aeróbios necessitam da entrada constante de oxigénio para as células e da eliminação eficaz do dióxido de carbono que se Trocas gasosas nos seres multicelulares y Para viver, viver os seres aeróbios necessitam da entrada constante de oxigénio para as células e da eliminação eficaz do dióxido de carbono que se forma como

Leia mais

Promover o acesso da via endovenosa para administração de medicamentos e soluções parenterais.

Promover o acesso da via endovenosa para administração de medicamentos e soluções parenterais. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Título: Punção Venosa Periférica em Recémnascidos Responsável pela prescrição do POP Responsável pela execução do POP 1. Definição POP N 14 Área de Aplicação: Neonatologia

Leia mais

Universidade Federal Rural de Pernambuco

Universidade Federal Rural de Pernambuco Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal Área de Biofísica Medindo o potencial Hidrogeniônico Prof. Romildo Nogueira 1. Entendendo as bases A manutenção da

Leia mais

FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M

FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M DEFINIÇÃO É a inflamação de uma veia, na qual as células endoteliais da parede venosa ficam bem irritadas.

Leia mais

NÃO SE TRATA APENAS DE UMA INGESTÃO DE FLUIDOS

NÃO SE TRATA APENAS DE UMA INGESTÃO DE FLUIDOS REIDRATAÇÃO DE VITELOS NÃO SE TRATA APENAS DE UMA INGESTÃO DE FLUIDOS A nova solução para diarreias em vitelos Compatível com o leite Boa palatibilidade Correção da acidose, desidratação e hipoglicémia

Leia mais

BIOQUÍMICA II SISTEMAS TAMPÃO NOS ORGANISMOS ANIMAIS 3/1/2012

BIOQUÍMICA II SISTEMAS TAMPÃO NOS ORGANISMOS ANIMAIS 3/1/2012 BIOQUÍMICA II Professora: Ms. Renata Fontes Medicina Veterinária 3º Período O conteúdo de Bioquímica II utiliza os conhecimentos adquiridos referentes ao estudo do metabolismo celular e fenômenos físicos

Leia mais

Colheita e manuseamento de fluidos biológicos

Colheita e manuseamento de fluidos biológicos Colheita e manuseamento de fluidos biológicos Na aula de hoje, vamos falar de: 1. Importância da análise de amostras biológicas como ferramentas de diagnóstico 2. Composição dos dois fluidos mais analisados:

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 2015 PRÉ-REQUISITO (R1) / CLÍNICA MÉDICA PROVA DISCURSIVA

RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 2015 PRÉ-REQUISITO (R1) / CLÍNICA MÉDICA PROVA DISCURSIVA RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 0 PRÉ-REQUISITO (R) / CLÍNICA MÉDICA PROVA DISCURSIVA RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 0 PRÉ-REQUISITO (R) / CLÍNICA MÉDICA PROVA DISCURSIVA ) Idosa de 8 anos, ex-tabagista (carga

Leia mais

Dica de Manejo - Coleta de Sangue

Dica de Manejo - Coleta de Sangue Dica de Manejo - Coleta de Sangue Introdução A coleta de sangue deve ser uma prática conhecida pelos encarregados das granjas. A partir do sangue coletado, uma grande quantidade de testes pode ser realizada,

Leia mais

Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio de ionização da amônia

Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio de ionização da amônia Experimento Deslocamento de equilíbrios químicos (Princípio de Le Chatelier) Objetivo: Estudar e compreender alguns fatores que deslocam equilíbrios químicos. Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO 1. Titulo: MONITORIZAÇÃO CARDÍACA 2. Definição: Consiste em manter a visualização contínua da atividade elétrica (ritmo e frequência) do coração, através de um monitor cardíaco. 3. Objetivos: Visualizar

Leia mais

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes terão de. Definir:

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes terão de. Definir: Estado de Choque OBJETIVOS Ao final da aula os participantes terão de Definir: Estado de Choque; Classificação do Estado de Choque; Sinais e sintomas; Choque compensado / descompensado; Conduta no tratamento

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA AUTO APLICAÇÃO DE INSULINA

ORIENTAÇÕES PARA AUTO APLICAÇÃO DE INSULINA rte INFORMAÇÕES GERAIS Em caso de dúvidas, alterações no estado de saúde do paciente, você pode entrar em contato com o Ambulatório da ALA I do HUSM através do telefone 3220 8538. Telefones úteis: Bombeiros:

Leia mais

Transporte de nutrientes e oxigénio até às células

Transporte de nutrientes e oxigénio até às células Transporte de nutrientes e oxigénio até às células Sistema Circulatório Apresentação feita por Prof. Mónica Moreira Conceito e função do sistema circulatório O sistema circulatório é responsável pela circulação

Leia mais

SOLUÇÃO INJETÁVEL DE RINGER COM LACTATO BEKER Cloreto de sódio, Cloreto de potássio, Cloreto de cálcio, Lactato de sódio

SOLUÇÃO INJETÁVEL DE RINGER COM LACTATO BEKER Cloreto de sódio, Cloreto de potássio, Cloreto de cálcio, Lactato de sódio BULA PARA PACIENTE 1 SOLUÇÃO INJETÁVEL DE RINGER COM LACTATO BEKER Cloreto de sódio, Cloreto de potássio, Cloreto de cálcio, Lactato de sódio Solução Injetável SOLUÇÃO INJETÁVEL DE RINGER COM LACTATO BEKER

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência Urgência e Emergência CHOQUE Choque Um estado de extrema gravidade que coloca em risco a vida do paciente. Dica: Em TODOS os tipos de choques ocorre a queda da pressão arterial e, consequentemente, um

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE BIOFÍSICA PARA O CONCURSO PÚBLICO DE TÍTULOS E PROVAS PARA PROFESSOR ASSISTENTE DA DISCIPLINA DE BIOFÍSICA

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE BIOFÍSICA PARA O CONCURSO PÚBLICO DE TÍTULOS E PROVAS PARA PROFESSOR ASSISTENTE DA DISCIPLINA DE BIOFÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE INSTITUTO BIOMÉDICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS PROGRAMA DA DISCIPLINA DE BIOFÍSICA PARA O CONCURSO

Leia mais

Cronograma. Introdução à disciplina de FISIOLOGIA. Conceito de Homeostasia AULA 1 - FISIOLOGIA APLIC. A ATIV. MOTORA

Cronograma. Introdução à disciplina de FISIOLOGIA. Conceito de Homeostasia AULA 1 - FISIOLOGIA APLIC. A ATIV. MOTORA Cronograma Introdução à disciplina de FISIOLOGIA Conceito de Homeostasia EMENTA: Estudo do funcionamento dos órgãos e sistemas orgânicos (cardiovascular, respiratório, muscular e neuroendócrino) no repouso

Leia mais

phmetros e eletrodos eletrodos de ph¹ Características Especificações Técnicas Embalagem contém: equipamentos

phmetros e eletrodos eletrodos de ph¹ Características Especificações Técnicas Embalagem contém: equipamentos phmetros e eletrodos eletrodos de ph¹ Ideais para uso em rotinas de aferições de ph em soluções. Ampla possibilidade de uso em escolas, laboratórios, indústrias, universidades, centros de pesquisa, entre

Leia mais

DISTÚRBIOS DO SÓDIO E DO POTÁSSIO

DISTÚRBIOS DO SÓDIO E DO POTÁSSIO DISTÚRBIOS DO SÓDIO E DO POTÁSSIO HIPONATREMIA Dosagem de sódio ( Na ) sérico < 130mEq/L Oferta hídrica aumentada; Baixa oferta de sódio; Redistribuição osmótica de água ( p.ex. hiperglicemia); Excreção

Leia mais

Centro Universitário Maurício de Nassau Prof. Douglas Monteiro. Sistema Circulatório

Centro Universitário Maurício de Nassau Prof. Douglas Monteiro. Sistema Circulatório Centro Universitário Maurício de Nassau Prof. Douglas Monteiro Sistema Circulatório Coração Conceito: É um órgão muscular central do aparelho circulatório, que funciona como uma bomba dupla de sucção e

Leia mais

CONCEITOS DE ÁCIDO, BASE E ph

CONCEITOS DE ÁCIDO, BASE E ph ÁGUA, ph E TAMPÕES- DISTÚRBIOS ÁCIDO-BÁSICOS (Adaptado de http://perfline.com/cursos/cursos/acbas) A regulação dos líquidos do organismo inclui a regulação da concentração do íon hidrogênio, para assegurar

Leia mais

Profa Maria Clorinda EV/UFG

Profa Maria Clorinda EV/UFG Escola de Veterinária e Zootecnia da UFG Departamento de Medicina Veterinária Maria Clorinda Soares Fioravanti (clorinda@vet.ufg.br) Disciplina: Clínica Médica de Pequenos Animais Profa Maria Clorinda

Leia mais

Cuidados com Portacath

Cuidados com Portacath Procedimento médico tipo pequena cirurgia para a implantação. Este cateter(portacath) é instalado após anestesia local, o procedimento leva de 30minutos a 1 hora. A incisão para colocação é fechada por

Leia mais

Resolução UNIFESP 2015

Resolução UNIFESP 2015 Resolução UNIFESP 2015 1-Utilizando o aparato indicado na figura, certo volume de solução aquosa de sulfato de cobre(ii) hidratado foi colocado dentro do béquer. Quando o plugue foi conectado à tomada

Leia mais

Solução Glicofisiológica

Solução Glicofisiológica Solução Glicofisiológica Solução injetável cloreto de sódio + glicose 9 mg/ml + 50 mg/ml 1 Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável MODELO DE BULA Solução Glicofisiológica cloreto de sódio

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Anexo III Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude da mobilização dos ombros e parte superior Modo de execução: na posição

Leia mais

Como funciona o sistema respiratório?

Como funciona o sistema respiratório? Como funciona o sistema respiratório? O sistema respiratório é responsável pela ventilação pulmonar. " O diafragma contrai-se e desloca-se para baixo. " Os músculos intercostais contraem-se, afastando

Leia mais

Diuréticos. Classificação da diurese. FUNÇÕES RENAIS A manutenção do meio interno através s da: Secreção de hormônios. Excreção de drogas

Diuréticos. Classificação da diurese. FUNÇÕES RENAIS A manutenção do meio interno através s da: Secreção de hormônios. Excreção de drogas Diuréticos Os diuréticos são fármacos f que tem a propriedade de causar Diuréticos aumento do volume urinário rio e cujo mecanismo é a inibição da reabsorção tubular de sódio s e água. Prof. Carlos Cezar

Leia mais

A bioquímica celular é o ramo da biologia que estuda a composição e as propriedades químicas dos seres vivos.

A bioquímica celular é o ramo da biologia que estuda a composição e as propriedades químicas dos seres vivos. 1) Introdução A bioquímica celular é o ramo da biologia que estuda a composição e as propriedades químicas dos seres vivos. 2) Elementos químicos da matéria viva Existem 96 elementos químicos que ocorrem

Leia mais

Vasos e Nervos do Membro Superior

Vasos e Nervos do Membro Superior UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Vasos e Nervos do Membro Superior Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br n. músculocutâneo n. axilar n. radial Fascículos

Leia mais

Retirada do Suporte Ventilatório DESMAME

Retirada do Suporte Ventilatório DESMAME Retirada do Suporte Ventilatório DESMAME Sete Estágios do Desmame Pré-desmame Preditores Extubação Reintubação Suspeita Tentativas VNI pósextubação Admissão Alta Desmame Processo gradual Deve ser iniciado

Leia mais

ACESSOS VASCULARES PREVENÇÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE ENFª FRANCIELE TONIOLO ENFª LUIZA CASABURI

ACESSOS VASCULARES PREVENÇÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE ENFª FRANCIELE TONIOLO ENFª LUIZA CASABURI ACESSOS VASCULARES PREVENÇÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE ENFª FRANCIELE TONIOLO ENFª LUIZA CASABURI A inserção de CVP é atualmente uma prática indispensável

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE ESCOLA DE ENFERMAGEM SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA II. Administração de Medicamentos via endovenosa Parte II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE ESCOLA DE ENFERMAGEM SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA II. Administração de Medicamentos via endovenosa Parte II UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE ESCOLA DE ENFERMAGEM SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA II Administração de Medicamentos via endovenosa Parte II Profª Bárbara Tarouco da Silva Rio Grande 2012/1 semestre Complicações

Leia mais

Coleta de Amostras Biológicas. Enf Karin

Coleta de Amostras Biológicas. Enf Karin Coleta de Amostras Biológicas Enf Karin Material Biológico (Amostras): Líquidos Secreções Excreções Fragmentos de tecido Mais utilizados: sangue e urina Coletas laboratoriais Normas e Rotinas O resultado

Leia mais

UNISALESIANO. Profª Tatiani

UNISALESIANO. Profª Tatiani UNISALESIANO Profª Tatiani CONTROLE DAS FUNÇÕES DO CORPO.BIOFEEDBACK As diversas funções do corpo humano são decorrentes de processos físico-químicos que continuamente ocorrem em aproximadamente 100 trilhões

Leia mais

Aula 6: Sistema respiratório

Aula 6: Sistema respiratório Aula 6: Sistema respiratório Sistema respiratório Tem início no nariz e na boca e continua através das vias aéreas até os pulmões, onde ocorre a troca dos gases. Sistema respiratório - Funções Condução

Leia mais

Sistema Circulatório. Prof. Dr.Thiago Cabral

Sistema Circulatório. Prof. Dr.Thiago Cabral Circulação Pulmonar e Sistêmica Passagem do sangue através do coração e dos vasos. Ocorre através de duas correntes sanguíneas que partem ao mesmo tempo do coração: 1 Sai do ventrículo direito através

Leia mais

Trocas Gasosas em Seres Unicelulares

Trocas Gasosas em Seres Unicelulares Trocas Gasosas em Seres Unicelulares Respiração celular Nos seres unicelulares as trocas ocorrem diretamente com o meio. Trocas Gasosas em Seres Multicelulares Trocas gasosas nas plantas Trocas gasosas

Leia mais

Como reconhecer uma criança criticamente enferma? Ney Boa Sorte

Como reconhecer uma criança criticamente enferma? Ney Boa Sorte Como reconhecer uma criança criticamente enferma? Ney Boa Sorte Passo 1 - Avaliar a criança Prevendo a parada cardiopulmonar A parada cardiopulmonar em lactentes e crianças raramente é um evento súbito!

Leia mais

98% intracelular extracelular

98% intracelular extracelular DISTRIBUIÇÃO CORPORAL DE 98% intracelular extracelular 2% HOMEOSTASE DE POTÁSSIO BALANÇO EXTERNO vs BALANÇO INTERNO BALANÇO INTERNO BALANÇO EXTERNO HOMEOSTASE DE POTÁSSIO BALANÇO EXTERNO vs BALANÇO INTERNO

Leia mais

ANEURISMA CEREBRAL M A R I A D A C O N C E I Ç Ã O M. R I B E I R O

ANEURISMA CEREBRAL M A R I A D A C O N C E I Ç Ã O M. R I B E I R O ANEURISMA CEREBRAL M A R I A D A C O N C E I Ç Ã O M. R I B E I R O O aneurisma intracraniano (cerebral) representa a dilatação das paredes de uma artéria cerebral, que se desenvolve como resultado da

Leia mais

Sistema Circulatório. Aparelho Circulatório Aparelho cárdio-vascular. Sistema Vascular Sistema Cárdio-Vascular. Angiologia

Sistema Circulatório. Aparelho Circulatório Aparelho cárdio-vascular. Sistema Vascular Sistema Cárdio-Vascular. Angiologia Sistema Circulatório Aparelho Circulatório Aparelho cárdio-vascular Sistema Vascular Sistema Cárdio-Vascular Angiologia Sistema Circulatório Funções Meio de transporte Ligação metabólica entre diferentes

Leia mais

A respiração pode ser interpretada como: - processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio.

A respiração pode ser interpretada como: - processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio. INTRODUÇÃO A respiração pode ser interpretada como: - processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio. - conjunto de reações químicas do metabolismo energético (respiração celular). RESPIRAÇÃO CELULAR

Leia mais

CYRO ALBUQUERQUE NETO MODELO INTEGRADO DOS SISTEMAS TÉRMICO E RESPIRATÓRIO DO CORPO HUMANO

CYRO ALBUQUERQUE NETO MODELO INTEGRADO DOS SISTEMAS TÉRMICO E RESPIRATÓRIO DO CORPO HUMANO CYRO ALBUQUERQUE NETO MODELO INTEGRADO DOS SISTEMAS TÉRMICO E RESPIRATÓRIO DO CORPO HUMANO São Paulo 2010 CYRO ALBUQUERQUE NETO MODELO INTEGRADO DOS SISTEMAS TÉRMICO E RESPIRATÓRIO DO CORPO HUMANO Tese

Leia mais

[273] O) e/ ou FiO 2. Parte VI P R O T O C O L O S D E P R O C E D I M E N T O S

[273] O) e/ ou FiO 2. Parte VI P R O T O C O L O S D E P R O C E D I M E N T O S [273] Fixar bem tubos e cateteres. Abrir cateter gástrico, mantendo-o em sifonagem. Verificar o ventilador de transporte, circuitos e pressão do cilindro de oxigênio. Transportar sempre oxigênio de reserva.

Leia mais

Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros. Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros

Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros. Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros Formador Credenciado Eng. Paulo Resende Dezembro de 2013 Anatomia e fisiologia do corpo humano OBJETIVOS Caracterizar os diversos sistemas que constituem

Leia mais

Passo a passo para a coleta do Teste do Pezinho.

Passo a passo para a coleta do Teste do Pezinho. Passo a passo para a coleta do Teste do Pezinho. A coleta de amostras para a triagem neonatal requer cuidados especiais para que se possa obter os resultados desejados. Todas as atividades envolvidas direta

Leia mais

Vertigens, desmaios e crises convulsivas. Prof. Sabrina Cunha da Fonseca Site:

Vertigens, desmaios e crises convulsivas. Prof. Sabrina Cunha da Fonseca   Site: Vertigens, desmaios e crises convulsivas Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Site: www.profsabrina.comunidades.net Vertigens: Vertigem refere-se a diminuição da força, visão

Leia mais

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana.

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. : 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. Conteúdo: Doenças relacionadas ao sedentarismo Diabetes. Doenças relacionadas ao sedentarismo Hipertensão arterial e dislipidemias. Habilidades:

Leia mais

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Corpo humano: Hemorragia: É a perda de sangue através de ferimentos, pelas cavidades naturais como: nariz, boca, ouvido; ela pode ser

Leia mais

Bicarbonato de Sódio Farmace Indústria Químico-Farmacêutica Cearense LTDA Solução Injetável 84mg/mL e 100mg/mL

Bicarbonato de Sódio Farmace Indústria Químico-Farmacêutica Cearense LTDA Solução Injetável 84mg/mL e 100mg/mL Bicarbonato de Sódio Farmace Indústria Químico-Farmacêutica Cearense LTDA Solução Injetável 84mg/mL e 100mg/mL IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BICARBONATO DE SÓDIO A 8,4% e 10% APRESENTAÇÃO Bicarbonato de

Leia mais

BCG. LÚCIA HELENA ZANARDO Cuiabá, setembro de 2015 UFMT

BCG. LÚCIA HELENA ZANARDO Cuiabá, setembro de 2015 UFMT BCG LÚCIA HELENA ZANARDO Cuiabá, setembro de 2015 UFMT HISTÓRIA 1920 Instituto Pasteur Paris; Homenagem aos dois cientistas que a desenvolveram: Camille Calmett e Albert Guerin; 1921 primeira aplicação

Leia mais

Prof. Hélder Mauad 2012

Prof. Hélder Mauad 2012 Prof. Hélder Mauad 2012 FORMAÇÃO DE URINA CONCENTRADA E DILUÍDA REGULAÇÃO DA OSMOLARIDADE DO LIQUIDO EXTRACELULAR E DA CONCENTRAÇÃO DE SÓDIO As células do corpo são banhadas por LEC com concentração constante

Leia mais