CARMÓPOLIS DE MINAS-MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARMÓPOLIS DE MINAS-MG"

Transcrição

1 CARMÓPOLIS DE MINAS-MG PLANO DECENAL DE EDUCAÇÃO 2006/2015 MUNICÍPIO DE CARMÓPOLIS DE MINAS ADMINISTRAÇÃO 2005 A 2008

2 Prefeito Municipal: Dr. Silas Faleiro Vice Prefeito: Eliseo Domingos de Souza Diretora Municipal de Educação e Cultura: Maria das Graças de Assis Câmara Municipal Presidente: Gilberto Rabelo Silveira Vice Presidente: João Evangelista Diniz Secretário: Ricardo Lúcio Camilo Vereadores: Antônio Pinto de Vasconcelos Carlos Roberto Ananias Dirceu da Silva Francisco de Assis Costa Renato Faleiro de Oliveira Sebastião Arcanjo de Góes

3 Plano Decenal de Educação Carmópolis de Minas ANO: 2005 ÓRGÃO PROPONENTE: Diretoria Municipal de Educação ENDEREÇO: Rua Coração de Jesus, 170 Telefax: (37) / Coordenadora: Maria das Graças Assis Diretora Municipal de Educação e Cultura MEMBROS DA COMISSÃO: Ceci de Carvalho Vasconcelos Gilberto Rabelo Silveira Leila Rabelo Silva Luci Lebron de Oliveira Assis Maria Aparecida Santos Maria de Lourdes Costa Santos Maria do Carmo Silva Márcia de Lourdes Assis Venâncio Mônica Regina Barros

4 CARMÓPOLIS DE MINAS E SUA HISTÓRIA Reza a tradição ter o local, onde se ergue a sede do município de Carmópolis de Minas, recebido os primeiros brancos, portugueses e paulistas, em demanda ao sertão goiano, por volta do de Prosseguindo em sua aventura, teriam estes brancos deixado alguns remanescentes, cuidando da lavoura, para garantirem o suprimento durante o regresso. Realmente, anos depois, ao voltarem, encontraram o lugar já desenvolvido, tendo-lhes sido servido até pão manufaturado com trigo do plantio local. Foi tamanha a surpresa e espanto dos viajantes, que teriam exclamado: Já há pão, o que dito rapidamente, resultou numa forma que se transformou em topônimo JAPÃO. Assim se explica o primitivo nome local. Em 1982, sendo Vice Presidente da Província de Minas, o Cel. Joaquim Camilo Teixeira da Mata, foi criada a freguesia do Japão, pela Lei Provincial nº 1.144, de Setembro de A freguesia recém criada abrangia as fazendas do Catucá e Água Preá, que se localizavam aquém da Serra do Quilombo, e se estendia por 24 km. no sentido leste/oeste, por 30 km. no sentido norte/sul e por 96 km. de circunferência. Este núcleo inicial do município que se chamava Japão de Oliveira,viria mais tarde a chamar-se Carmópolis de Minas. A Igreja Matriz teve sua Construção iniciada no ano de 1707, pelo Padre Domingos da Costa Guimarães e terminada pelo Pároco José da Costa Ribeiro. HISTÓRICO A Constituição da República de 1988 estabeleceu um planejamento específico para cada município, com o objetivo de implantar a universalização do ensino e uma educação de qualidade para todos. Em 1994 este município implantou seu primeiro plano decenal de educação para todos. Em janeiro de 2001 foi sancionada a lei nº que estabelece o Plano Nacional de Educação e determina em seu artigo 2º que estados e municípios elaborem, em consonância com o nacional, planos estaduais e municipais para os próximos dez anos. Em atendimento a referida Legislação, Carmópolis deu início aos trabalhos de elaboração do plano, sob a coordenação da Secretária Municipal de Educação. Num primeiro passo, formamos uma comissão que foi designada pelo prefeito com a incumbência de coordenar a elaboração do plano municipal de educação que contou com a participação efetiva das seguintes entidades.. Diretoria Municipal de Educação;. Conselho Municipal de Educação;. Câmara Municipal de Vereadores;. Escola Estadual de Ensino Fundamental;. Escola Estadual de Ensino Médio;. APAE e Escola Especial Padre Vicente Assunção;. Conselho Municipal da Criança e Adolescente;

5 . Poder Executivo da Prefeitura. A primeira medida da comissão foi convocar o Conselho Municipal de Educação representantes do Ensino Superior, Câmara de Vereadores e as instituições de ensino público do município para mobilização da cidade no sentido de envolver maior número possível de segmentos da sociedade na discussão dos rumos da educação de Carmópolis para os últimos dez anos. Num segundo momento em uma reunião da comissão foram determinadas seis câmaras responsáveis pela elaboração dos objetivos, diagnósticos, metas e ações dos seguintes níveis de ensino:. Educação Especial;. Educação Infantil;. Ensino Fundamental;. Educação de jovens e adultos;. Ensino Médio;. Ensino Superior, Educação tecnológica e valorização dos profissionais da educação. Cada câmara reuniu com membros de seu segmento para discutirem metas, ações e até apresentação de prepostas para elaboração do plano. Foi marcada uma audiência pública no plenário da Câmara Municipal para o dia 07 de junho, quando seriam apresentadas propostas, fundamentais às necessidades e discutida soluções e consenso pela comissão responsável e representantes de diversos segmentos da sociedade envolvidas com a educação do município. Superfície Quadro Geral de Dados Fisiográficos O Território do município possui uma área de 396 Km2, equivalente a 3,63% da superfície total da micro região. Localização A sede do município de Carmópolis de Minas situa-se na interseção das coordenadas geográficas 20º32 30 de latitude sul e de longitude oeste. O município limita-se ao norte com Itaguara; ao sul, com Oliveira; a leste, com Piracema e Passa Tempo; a Oeste, com Cláudio e Carmo da Mata. Divisão Políticoadministrativo e Regional Carmópolis de Minas está inserida nas seguintes regiões políticoadministrativas: Categoria Código Denominação Microrregião 191 Formiga Macrorregião 1 Metalúrgica e Campo das Vertentes Mesorregião 46 Centro-oeste Zona Geográfica 7 Campo das Vertentes Carmópolis pertence à Associação Mineira de Municípios - AMM

6 RELEVO, CLIMA,VEGETAÇÃO E HIDROGRAFIA Geologicamente,o município de Carmópolis de Minas apresenta-se em sua quase totalidade composto pelo Complexo Gnáissico-Mgmatíco, na qual predomina a biotitagnaisse, localmente migmático. No leste do município, ao longo do Rio Pará e dos ribeirões do Engenho, Mata, Paciência e do Curral, encontram-se depósitos de aluviões quaternários recentes e inconsolidados. Tem-se como recurso mineral conhecido no município, a argila. Geomorfologicamente, o município situa-se na área de transição do Planalto Dissecado do Alto Rio Grande para a Depressão São Franciscana. O relevo municipal, montanhoso, de altitude média entre 900 e metros, apresenta as maiores elevações nos setores oeste-noroeste nas serras da Montoeira ou Laje (1.259 metros), Peão (1.119 metros), Barro Branco (1.092), do Palmital (1.091) e Canoa ou Cedro (1.014 metros), e sul-sudeste, nas serras do Pé-do-Morro (1.183 metros), do Ambrósio (1.062 metros), e do Ribeirão ( 1019 metros). A menor altitude (762 metros) situa-se no norte do município, no terraço do Rio Pará, próximo a localidade denominada Tocas. O clima que segundo a classificação de Koppen, e o Aw-tropical semi-úmido caracteriza-se por significativa regularidade térmica, registrando uma amplitude anual em torno 5ºC. A região de Carmópolis apresenta as seguintes características térmicas: Médias de Temperaturas (ºC) Mês mais quente (fevereiro) 23,5 Mês mais frio (julho) 18,5 Média das máximas 26,2 Média das mínimas 15,3 Máxima do mês mais quente 28,2 Mínima do mês mais frio 11,1 Anual 21,3 Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia/5º DISME. O índice pluviométrico anual é da ordem de mm, sendo novembro, dezembro e janeiro, os meses mais chuvosos (precipitações médias de 283mm). Os meses mais secos, junho, julho e agosto, registram precipitações médias de 24mm. A primitiva cobertura vegetal de Carmópolis de Minas, a Floresta Tropical Subcaducifolia, que caracterizava a região, praticamente já não mais existe, por ter sido substituída principalmente por pastagem. Mantém-se preservada apenas em poucas áreas, nas encostas fluviais. Mesmo assim, em 1982, o aproveitamento florestal resultou na produção de 34870m³ de lenha, 434,5 toneladas de carvão e 4180m³ de madeira (EMATER). Atualmente predominam os cerrados e principalmente,os campos, que cobrem área mais extensas. A rede de drenagem municipal pertence a Bacia do Rio São Francisco, através do Rio Pará, seu tributário, que banha o município ao norte e nordeste, constituindo a divisa natural com Itaguara. Entre os municípios afluentes do rio Pará no município destacam-se o Ribeirão do Engenho, que constitui o limite com Oliveira, e os ribeirões Paciência (até o Ribeirão da Mata) e Curral Recreio, na divisa com o município de Passa-Tempo. Também são importantes os ribeirões do Japão Grande e Paiol ou Lava-pés e o córrego do bananal.

7 ASPECTOS ECONÔMICOS DE CARMÓPOLIS DE MINAS A economia do município baseia-se principalmente no setor de hortifrutigranjeiros e na agropecuária. Carmópolis destaca-se entre os principais produtores de tomates do Estado de Minas Gerais, com aproximadamente oito mil toneladas; além da cultura do tomate, destacamos também como produtores expressivos de abobrinha, pepinos, pimentão, jiló, e milho verde, além do café, milho, arroz, feijão e do leite. Na década de 90, passou-se a firmar-se no processo de Industrialização do município. A Prefeitura Municipal destinou a estas atividades uma área de 51 mil metros quadrados, às margens da Fernão Dias, onde instalado o Parque Industrial Jovelino Rabelo, dotado hoje de todas as obras de infraestrutura, com indústrias em pleno funcionamento. Entre elas destacar: a Metalúrgica Fercar, a Copobrás Descartáveis, a Gelocar Refrigeradores, além de indústrias de móveis, etc. Destacam-se ainda, em nosso município, vários estabelecimentos comerciais, incluindo supermercados, boutiques, padarias, lanchonetes, bares, açougues, farmácias, drogarias, floricultura, casa funerária, restaurante, barzinhos e outros. SERVIÇOS DE UTILIDADE PÚBLICA Dentre os serviços de utilidade pública destacamos: - CEMIG (Companhia Energética de Minas Gerais) - TELEMAR; - SAAE (órgão vinculado à fundação SESP Serviço Estadual de Saúde Pública) - Serviço de Correios e Telégrafos; - Agência do Banco do Brasil S/A; - Agência do BANCOB; - Cadeia Pública e Delegacia de Polícia; - Cemitério Municipal; - Conselho Municipal; - Programa de Saúde da Família; - Santa Casa da Misericórdia; - Associação dos Vicentinos; - Sindicato dos Trabalhadores Rurais; - Creche D. Dinica e Dr. Odilon da Costa Paolinelli; - Vila Vicentina; - Emater; - IMA; - Ascincar; - em breve instalação da Comarca já criada.

8 DIAGNÓSTICO EDUCACIONAL DE CARMÓPOLIS DE MINAS MG DADOS GERAIS Quadro I. Carmópolis de Minas/MG População Estudantil Educação Infantil 2. Ensino Fundamental Rede Estadual 41 Rede Municipal Rede Municipal 216 Rede Particular 56 Rede Particular 38 Rede Estadual Total 295 Total Educação Especial 4. Educação de Jovens e Adultos Rede Municipal 9 Rede Municipal 0 Rede Estadual 0 Rede Particular 0 Rede Particular (APAE) 63 Rede Estadual 38 Total 132 Total 38 Ensino Médio 6. Ensino Superior Rede Estadual 590 Rede Particular 11 Rede Particular 82 Total 601 Total 82 TOTAL GERAL DA POPULAÇÃO ESTUDANTIL POR REDE Rede Estadual Rede Municipal Rede Particular 187 Total Geral FONTE: Censo 2005 Diretoria Municipal de Educação APAE

9 Região Distribuição das Escolas Públicas por Regiões Geográficas União de Endereço Ensino Rua/Número Bairro Oeste E. E. Lígia Beatriz Amaral Sudeste E. E. Pres. Tancredo Neves Central E. M. Américo Leite Norte E. M. Prof.ª Lygia Vaz de Oliveira Sul E. M. Prof.ª Conceição R. de Avelar Sul E. M. Prof.ª Conceição R. de Avelar Zona Rural E. M. Prof.ª Márcia Regina Santos Zona Rural E. M. José Flávio Batista Rua Maria de Lourdes Costa, 107 Rua Avelino Faleiro, 130 Bairro Amaral Bairro João Gonçalves Nível de Ensino Educação infantil Educação Especial Creche Pré Escolar Ensino Fundamental X Ensino Médio X X X Praça dos Passos, 33 Centro X X Praça Santo Antônio, 25 Bairro Sto. Antônio X X Rua Joviano dos Santos, 25 Bairro N. S. de Fátima X X Rua Joviano dos Santos, 25 Bairro N. S. de Fátima X Rua Newton Ferreira Pov. Bom Jardim das Pedras Rua Desidério Cordeiro, 701 Pov. Japão Grande X X Zona Rural E. M. Geni X X X

10 Costa Azevedo Zona Rural E. M. Newton Ferreira Leite Sudeste Creche Municipal Dona Dinica Zona Rural Creche Municipal Dr. Odilon Costa Paolinelli Região Sudeste Rua Prof. Paulo Bicalho Amorim, 45 Rua Newton Ferreira Leite Pov. São José Pov. Pé do Morro Bairro Cacimba Pov. Bom Jardim das Pedras Rede Privada e Filantrópica de Ensino Nível de Ensino Unidade de Rua/Número Bairro Educação Educação Ensino Ensino Ensino Ensino Especial Infantil Superior Fundamental Médio Núcleo Rua José Silveira Júnior, 45 Bairro Glória X X X Pedagógico Aprendiz Sudoeste APAE Rua Avelino Faleiro, 380 Bairro Cacimba X Norte UNIPAC Praça Sto. Antônio, 25 Bairro Santo Antônio X X X X X

11 Regionalização Funcional Regiões de Planejamento Unidade de Estruturação Territorial Urbana Região de Localização Bairros (ruas) Planejamento 1 Central Praça Nossa Senhora do Carmo; Praça dos Passos; Praça do Rosário; Praça 27 de Dezembro; Rua Coração de Jesus; Rua Luis Alves; Rua Américo Paolinelli; Rua Padre Francisco; Avenida Américo Leite; Rua Antenor de Castro; Rua Dr. Francisco Paolinelli; Rua Coração de Jesus; Rua Maria Cirilo; Rua Orides Pinheiro. 2 Sudeste Bairro Cacimba; Bairro São Gonçalves. 3 Leste Bairro Aparecida; Bairro Lava-Pés; Bairro Jardim América. 4 Nordeste Bairro Granja Santa Marta; Bairro São Francisco. 5 Norte Bairro Santo Antônio 6 Noroeste Bairro Cachoeirinha 7 Oeste Bairro Amaral; Bairro Bela Vista. 8 Sudoeste Bairro Glória; Bairro São José. 9 Sul Bairro Nossa Senhora de Fátima; Parque Industrial Jovelino Rabelo. Nível de Escolaridade da População, Segundo a Faixa Etária (2000) Faixas % DE Analfabetos % com menos de 4 anos de estudo % com menos de 8 anos de estudo % com menos de11 anos de estudo 7 a 10 6, a 2,14 21, a 1,3 10,92 57, a 20 6,45 21,12 54,6 74,23

12 21 a 1,97 13,14 54,1 71, ou 13,86 39,48 80,53 87,54 mais FONTE: IBGE, Censo Demográfico de OBJETIVOS E METAS Seguindo as orientações do Plano Nacional da Educação, a construção do Plano Decenal de Educação de Carmópolis de Minas terá como objetivo: 1- A elevação global do nível de escolaridade da população; 2- A melhoria da qualidade em todos os níveis de ensino; 3- A redução das desigualdades sociais no tocante ao acesso e a permanência com sucesso, na educação pública. 4- Democratização da gestão de ensino público nos estabelecimentos oficiais, com a participação da comunidade escolar e profissionais da educação em conselhos escolares e na elaboração de projetos políticos pedagógicos. Considerando que os recursos destinados a educação são limitados e que a extensão e qualidade da educação devem ser construídas constante e progressivamente, foram estabelecidas prioridades neste plano, cujas as ações devem ser realizadas independentemente da sequência abaixo apresentada: 1. Garantia do Ensino Fundamental obrigatório a todas as crianças de 6 a 14 anos. 2. Garantia de Ensino Fundamental a todos os que a ele não tiveram acesso na idade própria ou não o concluíram. A erradicação do analfabetismo faz parte dessa prioridade. 3. Ampliação do atendimento da Educação Infantil. 4. Ampliação do atendimento no Ensino Médio e Superior em articulação com as esferas estadual e federal. 5. Valorização dos profissionais da educação com implantação de planos de carreira específicos dos profissionais da Educação. 6. Desenvolvimento de sistemas de informação e processo de avaliação sistêmica em todos os níveis e modalidades de ensino para subsidiar a gestão educacional e a melhoria da educação. DAIGNÓSTICO: EDUCAÇÃO INFANTIL A partir da vigência da Lei de Diretrizes e base da Educação LBV número 9394/96, a Educação Infantil ganha importância passando a desempenhar papel fundamental no conjunto da educação sendo reconhecida como necessária para o ensino aprendizagem do educando nas fases iniciais de alfabetização. Da década de 80 a infância passa a ser considerada como um compromisso político social e com a Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208 afirma o dever do Estado com a educação será efetivado mediante a garantia de (...) atendimento em creches e pré-escolas às crianças de zero a seis anos de idade. Com a inclusão da creche no capítulo da educação a Constituição explicita a função eminentemente educativa da mesma a qual se agregam as ações de cuidado. Com a promulgação da LDB na qual a Educação Infantil ganha destaque e passa a ser regulamentada em âmbito nacional, estadual e municipal, houve um grande avanço já que a nova lei estabilidade no atendimento nas creches e pré-escola.

13 De acordo com o 4º do capítulo III da Constituição Federal (Do Direito à Educação e do Dever de Educar) e a Seção II do Capítulo da Educação Básica tratam especificamente da Educação Infantil, nos seguintes termos: Art. 29 A educação infantil, primeira etapa da educação básica, tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança até os seis anos de idade, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade. Art.30 - A Educação infantil será oferecida em: 1 Creches, ou entidades equivalente, para crianças de até três anos de idade: Préescolas para crianças de quatro a seis anos de idade. Art.31 Na educação infantil a avaliação far-se-á mediante acompanhamento e registro do seu desenvolvimento, sem o objetivo de promoção mesmo para o acesso ao ensino fundamental. A quase uma década da vigência da Lei de Diretrizes e Bases, podemos avaliar o quanto já se constituiu e se implementou, mas também o quanto ainda falta para alcançar plenamente os seus objetivos. Questões como financiamento, rede física, formação dos professores e gestão. A Educação infantil do nosso município teve início em 1964, ano em que se formou a primeira turma de Jardim da Infância de 6 anos. Em 1966 teve início a Educação Infantil de cinco anos. Ambas as turmas pertenciam à rede estadual. Atualmente as escolas municipais atendem 216 alunos e as escolas estaduais atendem 41 alunos da Educação infantil. O município conta ainda com duas creches, sendo a Creche Municipal Dona Dinica, na zona urbana, que atende em média 20 crianças de dois e três anos em horário integral e dez crianças de quatro a seis anos que permanecem na creche somente em um turno. Creche Municipal Dr. Odilon da Costa Paolinelli, na zona rural,que atende em média oito crianças de dois e três anos em horário integral e cinco crianças de dois e três anos em horário integral e cinco crianças de quatro a seis anos que permanecem na creche somente em um turno. As escolas públicas do nosso município não oferecem a educação infantil para crianças de 4 anos, somente uma escola particular oferece a educação infantil para esta faixa etária. A educação infantil pública no município precisa de mais investimentos em material pedagógico, na capacitação dos professores, na adaptação da rede física às necessidades dos alunos. Atualmente a rede municipal de ensino oferece educação infantil para crianças de cinco anos em três escolas da zona urbana que são: E. M. Américo Leite, E. M. Profª. Lygia Vaz de Oliveira e E. M. Profª. Conceição Rabelo de Avelar. Em duas escolas na zona rural: E. M. Profª. Márcia Regina Santos e E. M. José Flávio Batista.

14 DIAGNÓSTICO - As escolas que oferecem Educação Infantil da rede pública municipal precisam de reformas do espaço interno com iluminação, segurança, água potável, esgoto, instalações sanitárias para higiene pessoal das crianças, bem como ambiente externo para desenvolvimento das atividades conforme a metodologia da Educação Infantil, mobiliário, equipamentos e materiais pedagógicos. - A clientela atendida nas escolas públicas de Carmópolis estão na faixa etária de 4 (quatro ) anos, apesar de existir uma demanda considerável de crianças que procuram vagas na préescola. - Os Professores que lecionam na Educação Infantil são todos Habilitados no Curso de magistério. Muitos precisam de aperfeiçoamento e especialização própria para educação infantil. - As escolas de Educação Infantil e as creches recebem crianças portadoras de necessidades especiais e muitas apresentam problemas de audição, visão, etc. - As escolas com turmas de Educação Infantil necessitam do apoio de outras instituições não governamentais. - Os recursos financeiros para os gastos com a Educação Infantil são insuficientes para atender as necessidades básicas que exigem o desenvolvimento do ensino aprendizagem, especialmente para aquisição de material pedagógico. - A Creche Dona Dinica precisa de ampliações como: construção de banheiros, lavanderia, área coberta para recreação e aquisição de mobiliário. -A demanda de crianças que necessitam de assistência às creches cresce muito em Carmópolis devido a abertura de novas indústrias. - Apenas 2,5% da demanda das crianças de 0 a 3 anos foram atendidas nas creches do município no ano de OBJETIVOS E METAS - Elaborar, no prazo de 2 (dois) anos, os padrões mínimos de infra estrutura para o funcionamento instituições de Educação Infantil. - Assegurar ao longo de 5 (cinco) anos, o fornecimento de materiais pedagógicos adequados a faixa etária e as necessidades do trabalho educacional. - Ampliar a Educação Infantil de forma a atender, em cinco anos, a 50% da população de 4 (quatro) anos e 90% da população até o final da década. - A partir da vigência deste Plano somente admitir profissionais que possuam a titulação mínima de Ensino Médio, modalidade Normal, dando preferência à admissão de profissionais em curso específico de Nível Superior. - Identificar e qualificar a necessidade de pessoal especializado e capacitado a possibilitar a consecução dos objetivos e metas fixadas neste plano. - Implementar, anualmente, matriz de capacitação para os profissionais da Educação de acordo com as necessidades. - No prazo de um ano, articular as redes de ensino para estabelecer diretrizes. - Estabelecer parcerias para criações de serviços para diagnosticar as dificuldades (auditivas, visuais, lingüísticas e outras) de desenvolvimento da criança para realizar um trabalho preventivo, curativo e oferecer apoio adequado as crianças com necessidades educacionais especiais. - Estabelecer programas de orientação e apoio aos pais com filhos entre zero e cinco anos, ao longo de dez anos com a colaboração dos setores responsáveis pela saúde. Poder Judiciário. Assistência Social e de organizações não governamentais. - Promover debates com a sociedade civil sobre os direitos dos trabalhadores à assistência gratuita a seus filhos e dependentes em creches e pré-escolas, estabelecido no Art. 7º inciso XXV da Constituição Federal. - Articular um sistema de comunicação entre superintendência, secretaria municipal de educação da câmara para discussão e encaminhamento de ações voltadas para a Educação Infantil. - Promover programas, projetos e companhias em parcerias com órgãos públicos responsáveis pelas áreas de saúde,assistência social, esporte e cultura. - Ampliar os recursos financeiros disponíveis através de convênios r parcerias com órgãos governamentais e não governamentais. -As turmas de Educação Infantil de quatro e cinco anos deverão ser formadas com o máximo de 20 (vinte) alunos e mínimo de 15 (quinze) alunos. - No prazo de um ano, ampliar, reformar e adquirir novos mobiliários para a creche Dona Dinica. - Ampliar o número de vagas nas creches de modo que sejam atendidas num período de dois anos 30% da demanda e na década atender 80% da demanda. - Construir uma creche no bairro Santo Antônio para atender crescente demanda da comunidade, no prazo previsto de dois anos.

15 ATENDIMENTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM CARMÓPOLIS 2002 Modalidade Demanda Crianças Atendidas % Creche de 0 a ,4 anos Pré-escola 4 a anos Total , Modalidade Demanda Crianças Atendidas % Creche de 0 a ,8 anos Pré-escola de 4 a ,2 anos Total , Modalidade Demanda Crianças Atendidas % Creche de 0 a ,5 anos Pré-escola de 4 a ,5 anos Total ,1 ATENDIMENTO À EDUCAÇÃO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE CARMÓPOLIS NOS ÚLTIMOS 3 ANOS

16 ENSINO FUNDAMENTAL DIAGNÓSTICO De acordo com a Constituição Federal o Ensino Fundamental é obrigatório e gratuito a todas as crianças em idade escolar e aquelas que não tiveram acesso na idade própria. Esta lei está sendo cumprida no Brasil e principalmente em Minas Gerais após a criação do FUNDEB, que fixa os recursos para o ensino fundamental. As vagas estão garantidas e os alunos freqüentando, más isto não basta, é preciso assegurar a permanência e o sucesso escolar. Portanto a qualidade tem que ser tratada coma quantidade. A evasão escolar tem sofrido uma redução em nosso município, especialmente nas séries iniciais, mas nas séries finais do Ensino Fundamental e ainda ocorre com índices consideráveis. O desafio do Ensino Fundamental está praticamente resolvido no Brasil, mas outros desafios permanecem. Segundo os dados estatísticos do Atlas da Educação a universalização do ensino fundamental de Carmópolis atingiu 99% graças, dentre outros fatores, ao planejamento conjunto entre estado e município. O grande desafio do Ensino Fundamental de Carmópolis é o de garantir a permanência e a conclusão do Ensino Fundamental no tempo certo e com qualidade. Dados do diagnóstico educacional de Carmópolis de1977 demonstram expressiva taxa de abandono, tanto nas séries iniciais quanto nas séries finais do Ensino Fundamental, especialmente na 8ª série gerando, num futuro bem próximo, uma demanda para EJA (Educação de Jovens e Adultos). Em 1998 as escolas do ensino de 1ª a 4ª Série viveram momentos de transição com a municipalização do ensino, houve nucleação de escolas, fusão e extinção de escolas rurais e adjunção de professores da rede estadual na municipal. Estes fatos deram origem a muitos conflitos e insatisfação tanto dos professores quanto dos pais e alunos, repercutindo no rendimento escolar do aluno e na qualidade do ensino. Outro problema oriundo da municipalização foi o aumento do transporte escolar que a cada dia consome grande parte dos recursos da educação destinada aos alunos do Ensino Fundamental, já que os recursos do PNATE são insuficientes para pagar o transporte dos alunos. Em 1999, as escolas municipais substituíram o ensino organizado por séries, por uma educação através dos ciclos de formação. As turmas passaram a ser organizadas considerando a idade do aluno, superando a divisão entre aprovados e reprovados. A idéia de reprovação é retirada dos currículos. No momento em que o aluno apresenta dificuldade, a solução é buscada pelos grupos de educadores, com atenção redobrada e as dificuldades são removidas em favor do educando. Nesse momento de transição, com objetivo de corrigir o fluxo escolar no Ensino Fundamental, houve condições de avanços dos alunos defasados adequando-se a idade ao ciclo de formação. Apesar das diferenças na forma de organização do ciclo, estado e município comungam a mesma diretriz, adotando nas escolas de Ensino Fundamental, objetivando: - respeitar o tempo e desenvolvimento do educando;

17 - aumentar o tempo para o processo de alfabetização; - construir o conhecimento tendo o educando como sujeito do processo; - evoluir no processo de avaliação contínua e quantitativa; - organizar as turmas por idade, possibilitando inclusive, o melhor aproveitamento do potencial cognitivo do educando; - reduzir a repetência; - diminuir a evasão. Outra alternativa pedagógica que contribui para redução para redução do número de educandos fora da faixa etária, no Ensino Fundamental, e os projetos de aceleração de aprendizagem do ensino de suplência e o projeto acertando o passo na rede estadual, ambos fundamentados no art.24, incisov, alíea B, da lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. O problema da evasão e repetência no Ensino Fundamental foi gradativamente reduzido com a implantação dos ciclos de um novo modelo pedagógico, mas dados estatísticos do Censo e Escolar demonstram que tanto a evasão quanto à repetência são mais elevadas nas séries finais do Ensino Fundamental. Há que se repensar uma política pedagógica capaz de garantir o acesso, a permanência e o sucesso dos educandos, tanto do ensino regular que da EJA. Evasão no Ensino Fundamental Rede Municipal de Ensino Nível do Ensino Matrícula % de Matrícula % de Matrícula % de Fundamental Inicial Evasão Inicial Evasão Inicial Evasão 1º Ciclo , , ,72 2º Ciclo , , ,42 3º Ciclo 291 6, , ,62 4º Ciclo , , ,00 5ª a 8ª Resultado Final do Ensino Fundamental Rede Municipal de Ensino Nível do Ensino Matrícula % de Matrícula % de Matrícula % de Fundamental Inicial aprovação Inicial aprovação Inicial aprovação 1º Ciclo , , ,28 2º Ciclo , , ,58 3º Ciclo , , ,38 4º Ciclo , , ,00 5ª a 8ª

18 Ano de Referência MATRÍCULAS Indicadores Selecionados Anos Matrículas- Creche Municipal Matrículas- Pré - escola Municipal Matrículas- Pré - escola Estadual Matrículas Fundamental Total Matrículas- Fundamental Estadual Anos de Referência Indicadores Selecionados Anos Matrículas- Fundamental Matrículas 1ª a 4ª Série Matrículas 1ª a 4ª Série Matrículas 5ª a 8ª Série Matrículas Médio Estadual Municipal Estadual Municipal Estadual Fonte: Atlas da Educação de Minas Gerais Indicadores de qualidade do ensino por disciplina e segundo a série (2003)¹ Série 4ª série fundamental 8ª série fundamental 3ª série médio Proficiência média² % de alunos acima do nível Índices de Qualidade 5 Básico³ Recomendado 4 Mat. Port. Mat. Port. Mat. Port. Mat. Port. Geral Fonte: SIMAVE

19 Classificação do município pelo Índice de Qualidade Geral do Ensino, segundo a série: Elaboração: SOARES, José Francisco (prof. Do depto. De Estatística da UFMG e coord. Do Grupo de Avaliação em Medidas Educacionais) Notas: 1) Os indicadores de qualidade do ensino foram baseados nos resultados dos exames de Matemática e de Língua Portuguesa do SIMAVE, aplicados, respectivamente, em 2003 e 2002, nas escolas da rede pública estadual. 2) Corresponde à pontuação média obtida pelos alunos nos exames do SISMAVE; 3) Corresponde ao percentual de alunos da 4ª e da 8ª séries do ensino fundamental e da 3ª série do ensino médio que obtiveram, respectivamente,um número de pontos superior a 175, 250 e 325, no caso do exame de língua portuguesa; Série No Estado 6 Na SRE 7 4ª série fundamental 2 (544) 1 (30) 8ª série fundamental 204 (774) 25 (44) 3ª série médio 161 (808) 19 (45) 4) Corresponde ao percentual de alunos da 4ª e da 8ª séries do fundamental e da 3ª série do ensino médio que obtiveram, respectivamente, um número de pontos superior a 200, 300 e 375, no caso do exame de matemática do SIMAVE e a 200, 275 e 300, no caso do exame de língua portuguesa; 5) Estes índices consideram a distância da distribuição das notas obtidas pelos alunos do município nos exames do SIMAVE e uma distribuição padrão ou ideal, dos alunos das escolas de maior média de proficiência no SEAB. O índice geral é a média, ponderada pelo número de alunos, dos índices de matemática e de língua portuguesa.os índices variam de 0 a 1 e, quanto mais próximo de 1, melhor a qualidade de ensino do município. 6) Este índice não pode ser computado para alguns municípios. O número entre parênteses é o número de municípios no Estado para os quais o índice foi computado; 7) Este índice não pode ser computado para alguns municípios. O número entre parênteses é o número de municípios na Superintendência Regional de Ensino para os quais o índice foi computado. 2.6 ATENDIMENTO EDUCAÇÃO INFANTIL REDE MUNICIPAL/2005 Itens Creche 1º Período 2º Período 3º Período TOTAL Alunos Professor/monitor Aluno/ professores

20 2.7 ATENDIMENTO ENSINO FUNDAMENTAL REDE MUNICIPAL/2005 Itens 1ª a 4ª 5ª a 8ª TOTAL Alunos Professores Aluno/Professores Alunos/ASG ATENDIMENTO DE ALUNOS PORTADORES DE NECESSIDADE ESPECIAIS/2004 Atendimento Atendidos em turmas Regulares Atendidos em turmas especiais de Escolas Regulares Atendidos em Escolas Especiais Deficiente Auditivo Deficiente Físico Deficiente Mental Deficiente Visual Outros TOTAL M E M E M E M E M E Distorção idade-série, por dependência administrativa e segundo a série (2003) Série Total Dependência Administrativa Estadual Municipal Particular Fundamental 1ª série ,00 2ª série ,00 3ª série ,00 4ª série ,00 5ª série ª série ,00 7ª série ,00 8ª série Médio 1ª série ª série ª série FONTE: Secretaria de Estado da Educação Censo Escolar

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO BÁSICA: EDUCAÇÃO BÁSICA: 1. Definir os padrões mínimos de qualidade estabelecidos pela LDB, considerando as especificidades

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

Plano Nacional de Educação. Programa Bolsa Família e MDS

Plano Nacional de Educação. Programa Bolsa Família e MDS Plano Nacional de Educação COORDENAÇÃO GERAL DE INTEGRAÇÃO E ANÁLISE DE INFORMAÇÕES Departamento de Condicionalidades x Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Ministério do Desenvolvimento Social e

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Mesa Redonda: PNE pra Valer!

Mesa Redonda: PNE pra Valer! Mesa Redonda: PNE pra Valer! Construindo o futuro ou reeditando o passado? Um esboço comparativo entre a Lei 10.172/2001 e o PL 8035/2010 Idevaldo da Silva Bodião Faculdade de Educação da UFC Comitê Ceará

Leia mais

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Segundo substitutivo do PNE, apresentado pelo Deputado Angelo Vanhoni, Abril de 2012 Profa. Dra. Rosilene Lagares PPGE/PET PedPalmas Palmas,

Leia mais

Educação Infantil ESTRATÉGIAS:

Educação Infantil ESTRATÉGIAS: Educação Infantil META 1: Ampliar a oferta de educação infantil de forma a atender, em 100% da população de 4 e 5 anos até 2016 e, até o final da década, alcançar a meta de 50% das crianças de 0 a 3 anos,

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

PPAG 2016-2019 EM DISCUSSÃO

PPAG 2016-2019 EM DISCUSSÃO PPAG 2016-2019 EM DISCUSSÃO EIXO: EDUCAÇÃO E CULTURA RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO TEMA: NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO O grupo discutiu o Programa 214 DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA. O grupo entendeu

Leia mais

PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087

PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087 PARECER Nº 717/05 APROVADO EM 22.08.05 PROCESSO Nº 34.087 Consulta oriunda da Gerência da Educação Básica da FIEMG com pedido de orientações de ordem prática para cumprimento da Lei Federal nº 11.114,

Leia mais

O Lugar da Educação Infantil nas Políticas para a Primeira Infância. Rio de Janeiro/RJ Setembro/2015

O Lugar da Educação Infantil nas Políticas para a Primeira Infância. Rio de Janeiro/RJ Setembro/2015 SEMINÁRIO NACIONAL CURRÍCULO E AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: POLÍTICAS PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA O Lugar da Educação Infantil nas Políticas para a Primeira Infância Rio de Janeiro/RJ Setembro/2015 Secretaria

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - 2015 Á 2025

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - 2015 Á 2025 PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - 2015 Á 2025 Profº Esmeria de Lourdes Saveli Secretária Municipal de Educação 1. CONCEITO O Plano Municipal de Educação é um orientador da ação do município na política educacional.

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Consulta Pública ESTRATÉGIAS

Consulta Pública ESTRATÉGIAS Plano Municipal de Educação PME Secretaria Municipal de Educação São Francisco do Sul Fórum Municipal de Educação Consulta Pública META 3: Universalizar, até 2016, o atendimento escolar para toda a população

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO Marcos Neves Comissão Central PDI do IFSC PNE EXIGÊNCIA CONSTITUCIONAL O art.

Leia mais

Constituição Federal

Constituição Federal Constituição Federal CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - 1988 COM A INCORPORAÇÃO DA EMENDA 14 Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

4º.Fórum Nacional Extraordinário UNDIME

4º.Fórum Nacional Extraordinário UNDIME 4º.Fórum Nacional Extraordinário UNDIME Mata de São João Bahia 02 de setembro de 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão SECADI/MEC Diretoria

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Estabelece Normas Operacionais Complementares em conformidade com o Parecer CNE/CEB nº 06/2010, Resoluções CNE/CEB nº 02/2010

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES PLANO DE GOVERNO 2009 / 2012 EDUCAÇÃO O que buscamos Proporcionar educação com qualidade social para todas as crianças. Erradicar o analfabetismo, ampliar o nível

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

Política Nacional de Educação Infantil. Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação

Política Nacional de Educação Infantil. Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação Política Nacional de Educação Infantil Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação Principais Marcos Normativos Constituição Federal - 1988 Lei de Diretrizes e Bases (LDB) - 1996 Estatuto da Criança

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

Dispõe sobre a Educação Infantil no âmbito do Sistema de Ensino do Ceará.

Dispõe sobre a Educação Infantil no âmbito do Sistema de Ensino do Ceará. RESOLUÇÃO N.º 361/2000 Dispõe sobre a Educação Infantil no âmbito do Sistema de Ensino do Ceará. O Conselho de Educação do Ceará (CEC), no uso de suas atribuições e tendo em vista a necessidade de regulamentar

Leia mais

EDUCAÇÃO INTANTIL NOS PLANOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

EDUCAÇÃO INTANTIL NOS PLANOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO INTANTIL NOS PLANOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO O atendimento na creche e o PIM Porto Alegre/RS Março/2015 Secretaria de Educação Básica É direito dos trabalhadores urbanos e rurais à assistência gratuita

Leia mais

PPAG 2012-2015 Monitoramento Janeiro a Junho de 2012. Rede de Educação e Desenvolvimento Humano PROGRAMA 003 MELHOR EMPREGO 003 MELHOR EMPREGO

PPAG 2012-2015 Monitoramento Janeiro a Junho de 2012. Rede de Educação e Desenvolvimento Humano PROGRAMA 003 MELHOR EMPREGO 003 MELHOR EMPREGO 003 MELHOR EMPREGO PROGRAMA 003 MELHOR EMPREGO (A) (F) REALIZADA % C/B REPROGRA % F/E JAN A JUN MADA IMPLEMENTAR E ARTICULAR AÇÕES VISANDO A DIMINUIÇÃO DO TEMPO DE DE DESEMPREGO DO ATENDIMENTO TRABALHADOR

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PAULINO NEVES SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PAULINO NEVES SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO 2015 / 2025 Raimundo de Oliveira Filho Prefeito Municipal José Ferreira dos Reis Vice-prefeito Mª Estaciana Silva Gomes Secretária de Educação DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO SEÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL Maria do

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

DOS FINS E PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

DOS FINS E PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MUNICÍPIO DE RIO VERDE - GOIÁS SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO COMERV RESOLUÇÃO Nº 23/ 04 COMERV, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2004 Dá nova redação à Resolução n.º. 001/99 que normatiza

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO LEI N o 5.641, DE 23 DE JUNHO DE 2014. RECONHECE A PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA COMO PORTADORA DE DEFICIÊNCIA PARA OS FINS DE FRUIÇÃO DOS DIREITOS ASSEGURADOS PELA LEI ORGÂNICA E PELAS DEMAIS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Inclusão A concepção da inclusão educacional expressa o conceito

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO III DA EDUCAÇÃO, DA CULTURA E DO DESPORTO Seção I Da Educação Art. 208. O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Art. 3º. O Plano Municipal Decenal de Educação observará os seguintes elementos e princípios: I diagnóstico e realidade sócio-educacional e história;

Art. 3º. O Plano Municipal Decenal de Educação observará os seguintes elementos e princípios: I diagnóstico e realidade sócio-educacional e história; Lei nº 1.315, de 25 de agosto de 2003. Dispõe sobre o Plano Municipal Decenal de Educação e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CODÓ, ESTADO DO MARANHÃO: Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior)

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) Dispõe sobre o diagnóstico e o tratamento da dislexia na educação básica. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA;

Leia mais

ATA DA AUDIENCIA PÚBLICA REALIZADA EM 23 DE JUNHO DE 2.015. PARA DEBATE DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI Nº57/2015

ATA DA AUDIENCIA PÚBLICA REALIZADA EM 23 DE JUNHO DE 2.015. PARA DEBATE DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI Nº57/2015 ATA DA AUDIENCIA PÚBLICA REALIZADA EM 23 DE JUNHO DE 2.015. PARA DEBATE DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI Nº57/2015 Aos vinte e três (23) dias do mês de Junho, do ano de dois mil e quinze,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 97/2012. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova:

PROJETO DE LEI Nº 97/2012. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: PROJETO DE LEI Nº 97/2012 Aprova o Plano Municipal de Educação para o decênio 2012-2021 e dá outras providências. Autor: Prefeito Municipal Mensagem nº 074/2012 A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado

Leia mais

É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010

É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010 É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010 Em que contexto de gestão estão inseridos os usos de seus resultados? Nível

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

Políticas Educacionais para a Primeira Infância

Políticas Educacionais para a Primeira Infância Políticas Educacionais para a Primeira Infância Secretaria de Educação Básica A creche - Albert Samuel Anker Ministério da Educação Principais Marcos Normativos Constituição Federal - 1988 Lei de Diretrizes

Leia mais

LEI N 588, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011.

LEI N 588, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. Pág. 1 de 6 LEI N 588, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. ALTERA A LEI N 302, DE 28/12/2001, QUE DISCIPLINA SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL/AC E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS.

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

Capítulo I Da Educação Infantil

Capítulo I Da Educação Infantil RESOLUÇÃO Nº 443, de 29 de maio de 2001 Dispõe sobre a Educação Infantil no Sistema Estadual de Ensino de Minas Gerais e dá outras providências. O Presidente do Conselho Estadual de Educação, no uso das

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI SENADO FEDERAL COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE AUDIÊNCIA PÚBLICA: IDÉIAS E PROPOSTAS PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SESI

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO NO SISTEMA PRISIONAL PLANO DE AÇÃO

PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO NO SISTEMA PRISIONAL PLANO DE AÇÃO EIXO: GESTÂO Fortalecer a parceria entre e instituições parceiras para o desenvolvimento de ações educacionais Formalização de Termo de Cooperação Técnica entre e SEC do Estado para a efetivação de políticas

Leia mais

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil Fernando Jose Spanhol, Dr www.egc.ufsc.br www.led.ufsc.br O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede

Leia mais

Capítulo I Dos Princípios. Art. 2º - A Política de Assuntos Estudantis do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas

Capítulo I Dos Princípios. Art. 2º - A Política de Assuntos Estudantis do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas REGULAMENTO DA POLÍTICA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CEFET-MG Aprovado pela Resolução CD-083/04, de 13/12/2004 Capítulo I Dos Princípios Art. 1º - A

Leia mais

Censo Escolar INEP. Júlia Pampillon. Abril 2012. Universidade Federal de Juiz de Fora. UFJF (Institute) ECONS - Laboratório de Economia 23/04 1 / 15

Censo Escolar INEP. Júlia Pampillon. Abril 2012. Universidade Federal de Juiz de Fora. UFJF (Institute) ECONS - Laboratório de Economia 23/04 1 / 15 Censo Escolar INEP Júlia Pampillon Universidade Federal de Juiz de Fora Abril 2012 UFJF (Institute) ECONS - Laboratório de Economia 23/04 1 / 15 Introdução O Censo Escolar é um levantamento de dados estatístico-educacionais

Leia mais

2. DIAGNÓSTICO EDUCACIONAL FLORIANÓPOLIS

2. DIAGNÓSTICO EDUCACIONAL FLORIANÓPOLIS VERSÃO PRELIMINAR PME / 2015 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO 1. BASE LEGAL 2. DIAGNÓSTICO EDUCACIONAL FLORIANÓPOLIS 2.1. FLORIANÓPOLIS ASPECTOS HISTÓRICOS, GEOGRÁFICOS E SOCIOECONÔMICOS 2.2. EDUCAÇÃO

Leia mais

Rua da Educação. Municipalino:

Rua da Educação. Municipalino: Todas as crianças e adolescentes tem direito à educação e devem freqüentar a escola. As diretrizes para a área da educação são dadas pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) Lei 9394 de

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

Planejando a Próxima Década. Alinhando os Planos de Educação

Planejando a Próxima Década. Alinhando os Planos de Educação Planejando a Próxima Década Alinhando os Planos de Educação EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 59, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2009 Art. 4º O caput do art. 214 da Constituição Federal passa a vigorar com a seguinte redação,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua Deveria ter sido aprovado um PNE para o período 2011-2020, mas não o foi. O último PNE ( Lei nº 10.172, de 2001) criou metas para a educação

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional SEB DCE CGMID COGTEC PROINFO SEB SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

Leia mais

MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR

MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR Este projeto visa investir na melhoria da infraestrutura escolar, por meio de construção, ampliação e reforma, bem como dotá-las com equipamentos e mobiliários

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4

Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4 Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4 Sumário Assistência Social Saúde Educação Infraestrutura - Comunicação e Energia Moradia Bolsa Família Bolsa Verde Direitos Culturais A

Leia mais

METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Meta 01. Universalizar, até 2016, o atendimento escolar da população de 04 a 5 anos de idade e ampliar, a oferta de educação infantil em creches de forma a atender a 50% da população

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010 Institui Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos nos aspectos relativos à duração dos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

O papel do gestor na garantia da educação de qualidade

O papel do gestor na garantia da educação de qualidade O papel do gestor na garantia da educação de qualidade Simone Beatriz Coradini Dirigente Municipal de Educação de Vila Nova do Sul/ RS Vice-presidente da Undime/ RS A Undime como organização É uma associação

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO INFANTIL

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO INFANTIL SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO INFANTIL Meta 1 (PNE): Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta de educação infantil

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE MODALIDADES E TEMÁTICAS

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE MODALIDADES E TEMÁTICAS SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE MODALIDADES E TEMÁTICAS ESPECIAIS DE ENSINO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL A Política

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE Cidade Monumento da História Pátria Cellula Mater da Nacionalidade

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE Cidade Monumento da História Pátria Cellula Mater da Nacionalidade Cria o Sistema Municipal de Ensino e estabelece normas gerais para a sua adequada implantação. Proc. n.º 5193/02 PAULO DE SOUZA, Vice-Prefeito no exercício do cargo de Prefeito do Município de São Vicente,

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO 2015 Professor João Medeiros de Sá Filho Conferência Municipal de Educação CEMUR 27/04-14h Lei 13.005, de 25 de junho de 2014 que aprova o Plano nacional de Educação O PNE -

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 030/2013.

PROJETO DE LEI N.º 030/2013. PROJETO DE LEI N.º 030/2013. Institui o Programa Menor Aprendiz no âmbito do Município de Bela Vista de Minas e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Bela Vista de Minas, Estado de Minas Gerais,

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS LEI COMPLEMENTAR Nº 38, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2011. Altera dispositivos e Cria Secretaria de Esporte, Cultura, Lazer e Turismo na Lei Complementar nº 24, de 23 de abril de 2009, que dispõe sobre a Organização

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

PUBLICADO DOC 27/09/2012, PÁG 85

PUBLICADO DOC 27/09/2012, PÁG 85 PUBLICADO DOC 27/09/2012, PÁG 85 PROJETO DE LEI 01-00415/2012 do Executivo (Encaminhado à Câmara pelo Sr. Prefeito com o ofício ATL 96/12). Aprova o Plano Municipal de Educação da Cidade de São Paulo para

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) Estabelece Diretrizes Nacionais para a

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - Educação Especial

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - Educação Especial PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - Educação Especial 8. EDUCAÇÃO ESPECIAL 8.1 Diagnóstico A Constituição Federal estabelece o direito de as pessoas com necessidades especiais receberem educação preferencialmente

Leia mais

O Plano Nacional de Educação 2011 2020 e a política educacional Mineira. 22 Fórum Estadual da UNDIME MG

O Plano Nacional de Educação 2011 2020 e a política educacional Mineira. 22 Fórum Estadual da UNDIME MG O Plano Nacional de Educação 2011 2020 e a política educacional Mineira 22 Fórum Estadual da UNDIME MG 26 à 28/04 2011 Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Desenvolvimento da Educação Básica

Leia mais