Instalações Elétricas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instalações Elétricas"

Transcrição

1 Curso de Engenharia Civil Instalações Elétricas Prof.ª Letícia Chaves Fonseca

2 Normas Técnicas: Instalações Elétricas ABNT NBR 5410 Instalações Elétricas de Baixa Tensão CELG-D: NTC-04 Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão Exemplo

3 Normas Técnicas Normas Nacionais: ANEEL ABNT: NBR 5410 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR ISO/CIE :2013 Iluminação de ambientes de trabalho - Parte 1: Interior NBR 5419 Proteção de Estruturas contra Descargas Atmosféricas

4 Normas Técnicas Normas Regionais: CELG-D: NTC-03 Caixas para Medição, Proteção e Derivação NTC-04 Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição NTC-05 Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição

5 Normas Técnicas: CELG-D NTC-04 Introdução: Orientações ao consumidor quanto às instalações e fornecimento da energia elétrica; Exime a CELG-D de toda responsabilidade e qualidade da execução e materiais utilizados nas instalações elétricas; Projeto, especificações e construção das instalações internas das unidades consumidoras deverão atender às normas da ABNT;

6 Normas Técnicas: CELG-D NTC-04 Introdução: CELG-D pode vistoriar e suspender atendimento das UC caso não respeitam as normas da ABNT; Todo e qualquer serviço de instalação elétrica em via pública é privativo da CELG-D. Pode delegar execução a terceiros; Unidades consumidoras serão ligadas somente após vistória e aprovação do padrão de entrada pela CELG-D

7 Normas Técnicas: CELG-D NTC-04 Objetivo: Estabelecer as diretrizes técnicas para fornecimento de energia elétrica em tensão secundária;

8 Normas Técnicas: CELG-D NTC-04 Condições de Aplicação: Não existir, na edificação, unidade consumidora com carga instalada superior a 75kW; Demanda máxima na edificação individual: 66kVA; Cada fração da edificação (loja, apartamento, etc.), seja caracterizada como unidade consumidora independente (necessita de medição individualizada);

9 Normas Técnicas: CELG-D NTC-04 Atendimento Monofásico: Categoria M1: carga instalada até 5kW; Categoria M2: carga instalada entre 5,1kW e 9kW; Categoria M3: carga instalada entre 9,1kW e 12kW;

10 Normas Técnicas: CELG-D NTC-04 Atendimento Bifásico: Categoria B1: carga instalada entre 12,1kW e 20kW; Categoria B2: carga instalada entre 20,1kW e 25kW;

11 Normas Técnicas: CELG-D NTC-04 Atendimento Trifásico: Categoria T1: Carga instalada igual ou inferior a 75kW, cuja demanda seja menor ou igual a 26kVA; Categoria T2: Carga instalada igual ou inferior a 75kW, cuja demanda seja maior que 26kVA e, no máximo, igual a 39kVA; Categoria T3:

12 Normas Técnicas: CELG-D NTC-04 Atendimento Trifásico: Categoria T3: Carga instalada igual ou inferior a 75kW, cuja demanda seja maior que 39kVA e, no máximo, igual a 46kVA; Categoria T4: Carga instalada igual ou inferior a 75kW, cuja demanda seja maior que 39kVA e, no máximo, igual a 66kVA

13 Normas Técnicas: ABNT NBR-5410 O que são instalações elétricas de baixa tensão? Tensão nominal igual ou inferior a 1.000V em corrente alternada; Tensão nominal igual ou inferior a 1.500V em corrente contínua;

14 Normas Técnicas: ABNT NBR-5410 Campo de Aplicação: Edificações residenciais e comerciais; Estabelecimentos: Institucionais e de uso público; Industriais; Agropecuários; Trailers, campings, etc; Canteiros de obras, feiras, exposições e outras instalações temporárias;

15 Normas Técnicas: ABNT NBR-5410 A norma não se aplica a: Instalações de distribuição de energia elétrica; Iluminação pública; Instalações em mina; Instalações de veículos automotores, embarcações e aeronaves; Instalações específicas para proteção contra descargas atmosféricas diretas NBR 5419

16 Normas Técnicas: ABNT NBR-5410 Complementada por: NBR Instalações elétricas de locais de afluência de público, como estádios, escolas, teatros, cinemas, circos, etc. NBR Instalações elétricas de estabelecimentos assistenciais de saúde, como hospitais, ambulatórios, unidades sanitárias, etc.

17 Normas Técnicas: ABNT NBR-5410 Complementada por: NBR Instalações elétricas de locais de afluência de público, como estádios, escolas, teatros, cinemas, circos, etc. NBR Instalações elétricas de estabelecimentos assistenciais de saúde, como hospitais, ambulatórios, unidades sanitárias, etc.

18 Obrigada! Letícia Chaves Fonseca 18

Fundamentos. Prof. Dr. Gustavo Della Colletta 1 / 27

Fundamentos. Prof. Dr. Gustavo Della Colletta 1 / 27 Fundamentos Prof. Dr. Gustavo Della Colletta Universidade federal de Itajubá-UNIFEI 1 / 27 Agenda 1 Introdução Definições 2 Legislação NBR 5410 Normas específicas 3 Componentes das instalações Componente

Leia mais

ND CÁLCULO DE DEMANDA

ND CÁLCULO DE DEMANDA ND-5-2 5-1 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS CÁLCULO DE DEMANDA O dimensionamento dos componentes de entrada de serviço (ramais de ligação e de entrada, alimentadores) das edificações de uso coletivo e dos agrupamentos

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO A norma brasileira para instalações elétricas de baixa tensão é a NBR 5410 Fixa as condições que as instalações de baixa tensão devem atender; Primeira edição de 1941;

Leia mais

Principais alterações:

Principais alterações: 2 Principais alterações: Quantidade de medições De 1 a 2 medições no mesmo terreno Norma Norma número 13 Fornecimento em Tensão Secundária de Distribuição De 3 a 12 medições Unidade consumidora pertencente

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.021 PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA - SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT 1 OBJETIVO A presente Orientação Técnica altera e complementa as normas de fornecimento contemplando as mudanças ocorridas em conformidade com as alterações da REN 414/2010 da ANEEL, implementadas através

Leia mais

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015 CT-63 NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015 Norma Técnica da AES Eletropaulo Diretoria de Planejamento, Engenharia

Leia mais

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE II - Teoria)

COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE II - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL COMPREENSÃO DE PROJETOS (PARTE II - Teoria) Projeto Elétrico TC_042 - CONSTRUÇÃO CIVIL IV PROFESSORA: ELAINE SOUZA MARINHO CONCEITOS INICIAIS

Leia mais

Instalações Elétricas de BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira

Instalações Elétricas de BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira Instalações Elétricas de BT I Odailson Cavalcante de Oliveira NBR 5410 Evolução: Primeira edição em 1941 (Norma Brasileira para Execução de Instalações Elétricas). Segunda edição em 1960. Terceira edição

Leia mais

Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais

Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais OBJETIVO Estabelecer as condições que as instalações elétricas de baixa tensão devem satisfazer a fim de garantir a segurança de pessoas e animais Garantir o funcionamento adequado da instalação e a conservação

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS AULA 1

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS AULA 1 CEULP/ULBRA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL INSTALAÇÕES ELÉTRICAS AULA 1 Fernando Moreno Suarte Júnior Engenheiro Civil, Arquiteto e Urbanista Pós Graduação - MBA em Gestão Eficaz de Obras e Projetos Palmas

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT CÁLCULO DE DEMANDA DE EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS DE USO COLETIVO

COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT CÁLCULO DE DEMANDA DE EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS DE USO COLETIVO 1. OBJETIVO COMUNICADO TÉCNICO DT-SNT 01-07 CÁLCULO DE DEMANDA DE EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS DE USO COLETIVO Este comunicado técnico tem por objetivo estabelecer um novo processo de cálculo de demanda para

Leia mais

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal DDI/SCD/SED Maio/2010 Notas sobre esta revisão (maio/2010) Este manual, originalmente desenvolvido para Entrada

Leia mais

Procedimento para ligações provisórias

Procedimento para ligações provisórias Procedimento para ligações provisórias Da Resolução Art. 44. É de responsabilidade exclusiva do interessado o custeio das obras realizadas a seu pedido nos seguintes casos: I extensão de rede de reserva;

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) Prof. Marcos Fergütz fev/2014 - O Surto - Geração da Sobretensão(Surto): Descarga Atmosférica (raio) Direta; Indução por descarga

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS FASCÍCULO Edição de Julho de 2.002 OBJETIVO Este fascículo compõe um regulamento geral, que tem por objetivo estabelecer

Leia mais

LIGAÇÃO NOVA OU ALTERAÇÃO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM VIA PÚBLICA

LIGAÇÃO NOVA OU ALTERAÇÃO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM VIA PÚBLICA LIGAÇÃO NOVA OU ALTERAÇÃO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM VIA PÚBLICA Condições de atendimento Coordenação de Engenharia Gerência de Planejamento da Expansão e Engenharia da Distribuição

Leia mais

NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002

NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002 Página 1 de 12 NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002 APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE INSTALAÇÃO DE GRUPOS GERADORES PARTICULARES Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Planejamento do Sistema Gerência da

Leia mais

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura 1. FINALIDADE MEMORIAL DESCRITIVO Fornecimento de energia elétrica a três edifícios da Universidade Federal do Sul da Bahia, com a sede sendo a Reitoria localizada na Rua Itabuna, s/n, Rod. Ilhéus Vitória

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO N o 218, DE 18 DE ABRIL DE 2002 Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica, fixa os valores da Taxa de Fiscalização dos Serviços de Energia

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 52

COMUNICADO TÉCNICO Nº 52 Página 1 de 8 COMUNICADO TÉCNICO Nº 52 INSTALAÇÃO DE TRANSFORMADOR EM SEE SIMPLIFICADA QUE UTILIZA CONJUNTO BLINDADO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição ELABORADO

Leia mais

Laudo de Comissionamento das Instalações Elétricas de Baixa Tensão

Laudo de Comissionamento das Instalações Elétricas de Baixa Tensão LEGGA SOLUÇÕES EM ENERGIA Eng. Adriel de Oliveira Engenheiro Eletricista - CREA PR: 119.257/D Av. Santos Dumont, 633 Londrina PR Fones: (43) 3039-2142 / (43) 9150-1414 E-mail: adriel@legga.com.br Laudo

Leia mais

Diretoria Técnica Planejamento e Engenharia Engenharia e Obra

Diretoria Técnica Planejamento e Engenharia Engenharia e Obra PADRÃO DE MEDIÇÃO INDIVIDUAL DE CLIENTES EM BAIXA TENSÃO COMUNICADO A Ampla Energia e Serviços S/A comunica que visando favorecer ao consumidor na construção de instalação para medição de energia em baixa

Leia mais

ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE

ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE Junho/2016 1 Objetivo Este documento tem por objetivo estabelecer os procedimentos técnicos relativos à adequação

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas prediais/industriais. 2ª Edição

DICAS. Instalações elétricas prediais/industriais. 2ª Edição DICAS Instalações elétricas prediais/industriais 2ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PRE Flexibilidade Os cabos flexíveis estão substituindo, com vantagens, os cabos rígidos tradicionais. Veja porque:

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA.

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA. PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETRICAS DE BAIXA TENSÃO MERCADO DO SÃO JOAQUIM BAIRRO SÃO JOAQUIM, TERESINA - PI TERESINA PI AGOSTO/2014 MEMORIAL DESCRITIVO INST. ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO Obra:

Leia mais

INSTALAÇÃO COLECTIVA DE ENERGIA ELÉCTRICA

INSTALAÇÃO COLECTIVA DE ENERGIA ELÉCTRICA INSTALAÇÃO COLECTIVA DE ENERGIA ELÉCTRICA A instalação colectiva de edifícios deve obedecer ao Regulamento de Segurança de Instalações Colectivas de Edifícios e Entradas, sendo constituída por: Quadro

Leia mais

REVISÃO DO LIG AT 2017 ITENS 12.7, 14.1 E

REVISÃO DO LIG AT 2017 ITENS 12.7, 14.1 E CT-69 REVISÃO DO LIG AT 2017 ITENS 12.7, 14.1 E 20. Comunicado Técnico Diretoria de Planejamento, Engenharia e Obras da Distribuição Gerencia de Tecnologia da Distribuição 2 de 10 FOLHA DE CONTROLE Comunicado

Leia mais

Fornecimento Provisório de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Procedimento Interno Uso Exclusivo da Ampla)

Fornecimento Provisório de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Procedimento Interno Uso Exclusivo da Ampla) ITA - 010 Rev. 0 MAIO / 2005 Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Fornecimento Provisório de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Procedimento Interno Uso Exclusivo

Leia mais

ENE082: Intalações Elétricas

ENE082: Intalações Elétricas UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA ENE082: Intalações Elétricas (Turma A) Aula 01: Informações Gerais P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f.

Leia mais

Apostila de Instalações Elétricas

Apostila de Instalações Elétricas 6.10.9 - Mista: combina uma incandescente e um tubo de descarga com alta pressão. Funciona em tensão de 220 V, sem reator. Emite cerca de 30 lumen/w. Possui vida útil de cerca de 6.000h. É uma alternativa

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO Sistema de Ar-Condicionado Tipo Split. ÌNDICE 1. INTRODUÇÃO 1.1 NORMAS TÉCNICAS 1. 2 ORIENTAÇÕES INICIAIS 2. SERVIÇOS 3. EQUIPAMENTOS E MATERIAIS 4. REQUISITOS PARA FORNECEDORES

Leia mais

Projetos Elétricos Especiais

Projetos Elétricos Especiais Projetos Elétricos Especiais Prof. Laís Hauck de Oliveira Disciplina de Projetos Elétricos Especiais - PEE Departamento de Engenharia Elétrica - DEE Centro de Ciências Tecnológicas - CCT Universidade do

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 12/2015 ENGENHARIA ELÉTRICA Campus São João del-rei

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 12/2015 ENGENHARIA ELÉTRICA Campus São João del-rei Questão 01 Considere um instrumento de medição básico de tensão de alcance 10 V e corrente máxima igual a 5 ma. Foi calculado um resistor de 24 Ω, com a finalidade de aumentar o calibre para 130 V. Calcule

Leia mais

UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO. Módulo 2

UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO. Módulo 2 UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO Módulo 3 Módulo FRENTE MEDIDAS: Comprimento Total 2,0 m Comprimento módulo, m Comprimento módulo 2,00 m Comprimento módulo 3,0 m Largura 2,3 m

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 1: DISPOSIÇÕES GERAIS FINALIDADE Este manual estabelece os critérios, padrões e procedimentos a serem seguidos na elaboração de projeto e construção de tubulações telefônicas em edifícios. A SERCOMTEL

Leia mais

lectra Material Didático INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Centro de Formação Profissional

lectra Material Didático  INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Centro de Formação Profissional lectra Centro de Formação Profissional Material Didático INSTALAÇÕES ELÉTRICAS WWW.ESCOLAELECTRA.COM.BR ÍNDICE 1 Introdução - 5 Definição de eletricidade. Causas e efeitos da eletricidade. Geração, transmissão

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 44

COMUNICADO TÉCNICO Nº 44 COMUNICADO TÉCNICO Nº 44 PADRÃO DE ENTRADA ECONÔMICO PARA UTILIZAÇÃO EM NÚCLEOS DECLARADOS POR LEI COMO DE INTERESSE SOCIAL Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia ÍNDICE OBJETIVO...4

Leia mais

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN GERAÇÃO INCENTIVADA 01 MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA-ES (DEEE)

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN GERAÇÃO INCENTIVADA 01 MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA-ES (DEEE) SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.025 01 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA-ES (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. APLICAÇÃO... 3

Leia mais

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0 1. OBJETIVO Este informativo técnico tem como objetivo orientar o envio dos documentos e o preenchimento correto da planilha do Projeto Expresso v 2.0. 2. APLICAÇÃO O projeto expresso visa atender as ligações

Leia mais

PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR

PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para projeto de melhoria do fator de potência nas instalações elétricas das unidades

Leia mais

(12) Rod. Geraldo Scavone, 2080 Jd. Califórnia Condomínio Indusvale Incubadora CEP: Jacareí/SP

(12) Rod. Geraldo Scavone, 2080 Jd. Califórnia Condomínio Indusvale Incubadora CEP: Jacareí/SP (12) 9 7404.2887 Rod. Geraldo Scavone, 2080 Jd. Califórnia Condomínio Indusvale Incubadora CEP: 12.305-490 - Jacareí/SP 02 Localizada no Vale do Paraíba, a Energy Economy surgiu com o intuito de gerar

Leia mais

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E DO MUCURI CAMPUS JUSCELINO KUBITSCHEK DIAMANTINA - MG PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OUTUBRO / 2013 Página 1 de 6

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414/2010 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414/2010 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414/2010 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO Atualizada até a REN 499/2012 Resolução Normativa nº 414 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL A ANEEL consolidou os direitos e deveres

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROJETO RESIDENCIAL MÓDULO I Introdução Prof. Marcos Fergütz setembro/2016 LEGISLAÇÃO CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR LEI N 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990 Art. 10. O fornecedor

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 4 Níveis de Tensão Porto Alegre - 2012 Tópicos Níveis de tensão nos sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 254, DE 2 DE JULHO DE 2001

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 254, DE 2 DE JULHO DE 2001 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 254, DE 2 DE JULHO DE 2001 Homologa o reajuste das tarifas de fornecimento de energia elétrica da Eletropaulo Metropolitana Eletricidade de São

Leia mais

A N E X O VI M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E M E D I Ç Ã O D E E N E R G I A

A N E X O VI M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E M E D I Ç Ã O D E E N E R G I A A N E X O VI M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E M E D I Ç Ã O D E E N E R G I A C A T Á L O G O R E F E R E N C I A L DE M Ó D U L O S P A D R Õ E S D E C O N S T R U Ç Ã O D E S U B E S T A Ç Õ

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição. Norma Técnica N

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição. Norma Técnica N Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição Norma Técnica N-321.0001 Edição: Setembro de 2015 Apresentação Esta Norma Técnica apresenta os requisitos mínimos e as diretrizes necessárias

Leia mais

Pois é turma, agora que já foram estudados, os conceitos sobre eletricidade, o como se realiza o levantamento das potências e os dispositivos de

Pois é turma, agora que já foram estudados, os conceitos sobre eletricidade, o como se realiza o levantamento das potências e os dispositivos de Pois é turma, agora que já foram estudados, os conceitos sobre eletricidade, o como se realiza o levantamento das potências e os dispositivos de proteção que alimentam os circuitos terminais, pode-se dizer

Leia mais

NTD 6.07 Norma Técnica de Distribuição

NTD 6.07 Norma Técnica de Distribuição NTD 6.07 Norma Técnica de Distribuição DIRETORIA DE ENGENHARIA DE SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO SPP GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA GRNT FORNECIMENTO EM TENSÃO SECUNDÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO A PRÉDIOS

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica DECRETO N o 4.508, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2002. Dispõe sobre a regulamentação específica que define os níveis mínimos de eficiência energética de motores

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 2 Conceitos Fundamentais Porto Alegre - 2012 Tópicos Energia elétrica Fontes de eletricidade Fontes de tensão e corrente Geração

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m Proprietário: Secretaria de Estado de Goiás Autora: LUCIANA DUTRA MARTINS - Engenheira Eletricista - CREA_8646/D Sumário:

Leia mais

Os gases combustíveis e a eficiência nas edificações

Os gases combustíveis e a eficiência nas edificações Os gases combustíveis e a eficiência nas edificações Apresentação Eficiência energética em edificações Panorama internacional O caso Brasileiro PBE Edificação Custos nas instalações Eficiência energética

Leia mais

Avaliação de Demanda em Unidades Residenciais

Avaliação de Demanda em Unidades Residenciais Avaliação de Demanda em Unidades Residenciais 22/05/2014 Agenda Conceitos do Ambiente Regulado Metodologia de Avaliação: fundamentos Processo da RECON BT Nova realidade? Ponto de Atenção: Tarifa Branca

Leia mais

Cálculo de Demanda Rede para Acréscimo de Novas Cargas na Rede de Distribuição de Baixa Tensão

Cálculo de Demanda Rede para Acréscimo de Novas Cargas na Rede de Distribuição de Baixa Tensão XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil álculo de Demanda Rede para Acréscimo de Novas argas na Rede de Distribuição de Baixa

Leia mais

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ENERGIA DE IJUÍ DEMEI

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ENERGIA DE IJUÍ DEMEI DEMEI/BT - 2014 1 DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ENERGIA DE IJUÍ DEMEI REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS Fornecimento em Tensão Secundária Rede de Distribuição Aérea Edição Revisada 2014 1 de 125 DEMEI/BT

Leia mais

1-108 APRESENTAÇÃO. Brasília, dezembro de Antônio Dirceu Guimarães Neto Núcleo Estratégico de Disponibilização de Energia Diretor.

1-108 APRESENTAÇÃO. Brasília, dezembro de Antônio Dirceu Guimarães Neto Núcleo Estratégico de Disponibilização de Energia Diretor. APRESENTAÇÃO Com vistas a incorporar novas tecnologias, sugestões oriundas de eletricistas, técnicos da CEB e de prestadoras de serviços, bem como adequação aos novos dispositivos legais e às normas brasileiras,

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Especificação Sucinta de Caixa Modelo F5 Uso Externo Processo Planejamento, Ampliação e Melhoria da Rede Elétrica Atividade Planeja o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR.-00.198 2ª Folha 1 DE

Leia mais

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS EL2000 Disponível para aplicação residencial unifamiliar ou exclusivo para acessibilidade em locais públicos Capacidade: 3

Leia mais

Norma Técnica de Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Edificações Individuais)

Norma Técnica de Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Edificações Individuais) Norma Técnica de Fornecimento de Energia Elétrica em Baixa Tensão (Edificações Página: 2/157 RES nº 089/2014, de ÍNDICE 1. OBJETIVO... 4 2. ABRANGÊNCIA... 4 3. REFERÊNCIAS... 4 4. CONCEITOS... 6 5. DIRETRIZES...

Leia mais

UNIVERSIDADE CEUMA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS ANIL / RENASCENÇA. Professor Leonardo Gonsioroski

UNIVERSIDADE CEUMA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS ANIL / RENASCENÇA. Professor Leonardo Gonsioroski UNIVERSIDADE CEUMA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS ANIL / RENASCENÇA Professor Leonardo Gonsioroski O que é uma Instalação Elétrica? Uma instalação elétrica é definida pelo conjunto de materiais

Leia mais

QUALIDADE DO SERVIÇO NA PERSPECTIVA DO CONSUMIDOR - PESQUISA IASC

QUALIDADE DO SERVIÇO NA PERSPECTIVA DO CONSUMIDOR - PESQUISA IASC QUALIDADE DO SERVIÇO NA PERSPECTIVA DO CONSUMIDOR - PESQUISA IASC SOBRE OS SERVIÇOS DE ENERGIA ELÉTRICA Produto: energia elétrica (real, tangível e de alta periculosidade) Monopólio natural Ambiente Regulado

Leia mais

Potência total de iluminação prevista (VA) = 900 (VA)

Potência total de iluminação prevista (VA) = 900 (VA) MEMORAL DESCRTVO E DE CÁLCULO PROJETO......... ELÉTRCO PREDAL RESDECAL ORA............FSC. LOCALDADE...... Rua Pavão, 13,37 Costa e Silva - Joinville. PROPREDADE..... Dilma Rousseff. OJETVO........ APROVAÇÃO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº DE 2 DE AGOSTO DE 2011.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº DE 2 DE AGOSTO DE 2011. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.183 DE 2 DE AGOSTO DE 2011. Nota Técnica nº. 207/2011-SRE/ANEEL Relatório e Voto Homologa as tarifas de suprimento e de fornecimento

Leia mais

CIDADE DE CAMAQUÃ INSTRUÇÕES GERAIS. a c d

CIDADE DE CAMAQUÃ INSTRUÇÕES GERAIS. a c d SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC / SETEC CIDADE DE CAMAQUÃ INSTRUÇÕES GERAIS 1 - Este caderno de prova é constituído por 40 (quarenta) questões objetivas. 2 - A prova terá duração máxima de 04 (quatro) horas.

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 1 Apresentação Porto Alegre 2012/2 Tópicos Apresentação Súmula Objetivos Conteúdo Metodologia Avaliação Recuperação Bibliografia

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Kathiane Queiroz Esquemático Simplificado Instalação residencial 3-Medidor 1-levantamento das potências (cargas) a serem instaladas na residência. NT-001 NT-001 Potência Total instalada

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Inversores Fotovoltaicos SIW

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Inversores Fotovoltaicos SIW Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação Inversores Fotovoltaicos SIW Aplicações Fotovoltaicas www.weg.net Inversor Solar Central (137 kw - 1665 kw) A WEG conta com décadas

Leia mais

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ GTT Náutico, 12 de novembro de 2014 Marco Legal de Acessibilidade Lei 10.048 Lei 10.098 Decreto

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTC 015

NORMA TÉCNICA NTC 015 COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA COCEL NORMA TÉCNICA 015 POSTE DE DIVISA Divisão de medição e fiscalização Emissão: 2015 Versão : 01/2015 1 2 Sumário 1. OBJETIVO... 4 2. INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES...

Leia mais

TUSD TE TUSD TE R$/kW R$/MWh R$/MWh R$/kW R$/MWh R$/MWh AZUL P 27,35 199,80 60,49 29,79 216,38 65,65 FP 9,00 129,12 35,32 9,80 139,42 38,32 AZUL APE

TUSD TE TUSD TE R$/kW R$/MWh R$/MWh R$/kW R$/MWh R$/MWh AZUL P 27,35 199,80 60,49 29,79 216,38 65,65 FP 9,00 129,12 35,32 9,80 139,42 38,32 AZUL APE TABELA 1 TARIFAS DE APLICAÇÃO E BASE ECONÔMICA PARA O GRUPO A. - CERIPA TARIFAS DE APLICAÇÃO BASE ECONÔMICA SUBGRUPO MODALIDADE POSTO TUSD TE TUSD TE R$/kW R$/MWh R$/MWh R$/kW R$/MWh R$/MWh AZUL P 27,35

Leia mais

O presente documento contém as alterações, correções e inclusões da versão anterior, contempladas na versão 1.2, de junho de 2014.

O presente documento contém as alterações, correções e inclusões da versão anterior, contempladas na versão 1.2, de junho de 2014. O presente documento contém as alterações, correções e inclusões da versão anterior, contempladas na versão 1.2, de junho de 2014. TEXTO 3.16 Condutor de proteção Condutor que liga as massas e os elementos

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA AMARRAÇÕES, DERIVAÇÕES E ATERRAMENTO

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA AMARRAÇÕES, DERIVAÇÕES E ATERRAMENTO Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Amarrações e Ancoragens 6.1. Amarrações para Isoladores 6.2. Amarrações para Espaçadores

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição. Norma Técnica N

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição. Norma Técnica N Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição Norma Técnica N-321.0002 Edição: Maio de 2016 Apresentação Esta Norma Técnica apresenta os requisitos mínimos e as diretrizes necessárias

Leia mais

SANTA MARIA Empresa Luz e Força Santa Maria S.A. PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE FATURAMENTO (SMF)

SANTA MARIA Empresa Luz e Força Santa Maria S.A. PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE FATURAMENTO (SMF) PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE FATURAMENTO (SMF) JUNHO/2016 SUMÁRIO 1- OBJETIVO 2- REFERÊNCIAS 3- PROCESSO DE MIGRAÇÃO 4- RESPONSABILIDADES DO CONSUMIDOR 5- RESPONSABILIDADES DA

Leia mais

INSTRUÇÃO ÍNDICE. Revisão Data Natureza da Revisão APROVAÇÃO. Emissão inicial cancela e substitui a PRA-D-20098

INSTRUÇÃO ÍNDICE. Revisão Data Natureza da Revisão APROVAÇÃO. Emissão inicial cancela e substitui a PRA-D-20098 1/5 ÍNDICE ITEM TÓPICO I OBJETIVO 02 II ABRANGÊNCIA 02 III RESPONSÁVEIS 02 IV DOCUMENTOS RELACIONADOS 02 V NORMAS GERAIS 02 VI PROCEDIMENTOS 03 Revisão Data Natureza da Revisão APROVAÇÃO Emissão inicial

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL N o, DE DE DE 2005.

PORTARIA INTERMINISTERIAL N o, DE DE DE 2005. PORTARIA INTERMINISTERIAL N o, DE DE DE 2005. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, E DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR, no uso da atribuição que lhes confere

Leia mais

2 Condutores Elétricos

2 Condutores Elétricos 2 Condutores Elétricos 2.1 Introdução O dimensionamento de um condutor deve ser precedido de uma análise detalhada de sua instalação e da carga a ser suprida. Um condutor mal dimensionado, além de implicar

Leia mais

Título do Documento: Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição Tipo: NTC-D-03 Norma Técnica e Padronização

Título do Documento: Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição Tipo: NTC-D-03 Norma Técnica e Padronização Título do Documento: Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição Tipo: Norma Técnica e Padronização FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO PRIMÁRIA DE DISTRIBUIÇÃO 2 de 126

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÕES Divisão de Obras e Projetos - DIOP

CADERNO DE ORIENTAÇÕES Divisão de Obras e Projetos - DIOP CADERNO DE ORIENTAÇÕES Divisão de Obras e Projetos - DIOP 1. OBJETO 1.1 A Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência DATAPREV torna pública a necessidade de locação de imóvel na cidade de Campo

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 21 PROCEDIMENTOS PARA HOMOLOGAÇÃO DE CON- JUNTOS BLINDADOS PARA UTILIZAÇÃO EM SEE

COMUNICADO TÉCNICO Nº 21 PROCEDIMENTOS PARA HOMOLOGAÇÃO DE CON- JUNTOS BLINDADOS PARA UTILIZAÇÃO EM SEE 1 COMUNICADO TÉCNICO Nº 21 PROCEDIMENTOS PARA HOMOLOGAÇÃO DE CON- JUNTOS BLINDADOS PARA UTILIZAÇÃO EM SEE 2 1. OBJETIVO Comunicar os procedimentos que devem ser adotados para homologação de conjuntos blindados

Leia mais

ANEXO L.4 Padrões para Estacionamentos

ANEXO L.4 Padrões para Estacionamentos PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS PLANO DIRETOR ANEXO L.4 Padrões para Estacionamentos Uso Mínimo vagas para PGT - 1 * para automotores Vagas para bicicletas Vagas para motocicletas automotores 1.1

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO NOR-TDE-119 ATENDIMENTO A EDIFÍCIO DE USO COLETIVO EM BAIXA TENSÃO 220/ 127 V

MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO NOR-TDE-119 ATENDIMENTO A EDIFÍCIO DE USO COLETIVO EM BAIXA TENSÃO 220/ 127 V ATENDIMENTO A EDIFÍCIO DE USO COLETIVO EM BAIXA TENSÃO 220/ 127 V DIRETORIA DE DISTRIBUIÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DISTRIBUIÇÃO GERÊNCIA DE MEDIÇÃO MANUAL TÉCNICO DE DISTRIBUIÇÃO MAN-TDE NORMATIZAÇÃO MAN-TDE-100

Leia mais

Rede de Distribuição Aérea Edificações Individuais

Rede de Distribuição Aérea Edificações Individuais NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO - NTE - 013 FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA Rede de Distribuição Aérea Edificações Individuais Cuiabá Mato Grosso - Brasil SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 1.

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 GRUPOS MOTOGERADORES PROJETO PRELIMINAR GMG PROJETO PRELIMINAR Para dimensionar um GMG o primeiro passo é a determinação

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA INTERMINISTERIAL N o 132, DE 12 DE JUNHO DE 2006. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, E DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-04 Revisão 4

NORMA TÉCNICA CELG D. Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição. NTC-04 Revisão 4 NORMA TÉCNICA CELG D Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária de Distribuição NTC-04 Revisão 4 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA INTRODUÇÃO 1 1. OBJETIVO 2 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 3 3. TERMINOLOGIA

Leia mais

Item (Pág. 26) Foi inserida a Norma NR 10 Segurança em instalações e serviços em eletricidade.

Item (Pág. 26) Foi inserida a Norma NR 10 Segurança em instalações e serviços em eletricidade. O presente documento contém as alterações, correções e inclusões da versão anterior, contempladas na versão 1.2, que entrará em vigor a partir de 1º de novembro de 2014. TEXTO Item 10.3.2 (Pág. 26) Foi

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO: Contratação de empresa especializada para instalação de 04 (quatro) reservatórios P190, em regime de comodato, e fornecimento de Gás GLP pelo período de 12 (doze)

Leia mais

SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão

SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão 2 Moving together 1. PAINÉIS METÁLICOS, FILTROS DE HARMÔNICOS E BANCOS DE CAPACITORES 1. PAINÉIS METÁLICOS, FILTROS DE HARMÔNICOS E BANCOS

Leia mais

Eletrônica de Potência. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Eletrônica de Potência. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Eletrônica de Potência Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Conversores CA / CC Conversores CA /CC O fornecimento de energia elétrica é feito, essencialmente,

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ENERGIA E AMBIENTE LABORATÓRIO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS Roberto Zilles INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

Leia mais

COMPANHIA MUNICIPAL DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO RIOLUZ. Eng Roberto da Maia DTP/GPE-RIOLUZ

COMPANHIA MUNICIPAL DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO RIOLUZ. Eng Roberto da Maia DTP/GPE-RIOLUZ COMPANHIA MUNICIPAL DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO RIOLUZ Eng Roberto da Maia DTP/GPE-RIOLUZ Objetivo A empresa que se habilitar ao projeto de iluminação pública deverá ser especializada na área de Engenharia

Leia mais

PA.06/201.95/11597/00

PA.06/201.95/11597/00 EQUIPE DE APOIO TÉCNICO ESPECIALIDADE PROFISSIONAL CREA/ CAU RUBRICA Arquitetura e Urbanismo Arq. Márcia Soldera CAU 54.2403 Christine Borges Reffatti (estagiária) REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA

Leia mais

DISJUNTORES. Funções. b Proteção contra curtos-circuitos b Proteção dos cabos contra sobrecargas 1P. Disjuntores. 2P Disjuntores.

DISJUNTORES. Funções. b Proteção contra curtos-circuitos b Proteção dos cabos contra sobrecargas 1P. Disjuntores. 2P Disjuntores. 5 ka 127/230 V - 3 ka 230/400 V NOVIDADE NOVIDADE NOVIDADE DISJUNTORES b Proteção contra curtos-circuitos b Proteção dos cabos contra sobrecargas 2 A - EZ9F33102 4 A - EZ9F33104 6 A EZ9F13106 EZ9F33106

Leia mais

INVERSOR DE EMERGÊNCIA SLIM

INVERSOR DE EMERGÊNCIA SLIM INVERSOR DE EMERGÊNCIA SLIM O Inversor de Emergência SLIM trata-se de um dispositivo que deve ser acoplado juntamente com um reator, transformando as luminárias fluorescentes em sistemas de iluminação

Leia mais

Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa AEAMESP

Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa AEAMESP Eficiência Energética em Iluminação Estudo de Caso na Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre Cleber Correa 21ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP TRABALHO ESTE TRABALHO FOI SELECIONADO COMO

Leia mais