ESTÁGIO CURRICULAR I ATIVIDADES REALIZADAS NO SUPORTE TI DA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTÁGIO CURRICULAR I ATIVIDADES REALIZADAS NO SUPORTE TI DA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE"

Transcrição

1 MARCOS EDUARDO CRIVELLARO ESTÁGIO CURRICULAR I ATIVIDADES REALIZADAS NO SUPORTE TI DA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE EMPRESA: Prefeitura Municipal de Joinville SETOR: Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão Suporte TI SUPERVISOR: Jefferson Mendonça Alves ORIENTADOR: Rafael Rodrigues Obelheiro CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGIAS - CCT UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC JOINVILLE SANTA CATARINA - BRASIL MAIO/2010

2 APROVADO EM.../.../... Professor Titulação Professor Orientador Professor Titulação Professor Titulação Supervisor da CONCEDENTE

3 UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - FEJ RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR FOLHA DE AVALIAÇÃO FINAL Carimbo da Empresa UNIDADE CONCEDENTE Razão Social: Prefeitura Municipal de Joinville CGC/MF: /10 Endereço: Av. Herman August Lepper, 10 Bairro: Centro CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: (47) Supervisor: Jefferson Mendonça Alves Cargo: Coordenador Suporte-TI ESTAGIÁRIO Nome: Marcos Eduardo Crivellaro Matrícula: Endereço: Rua Saguaçu 109 ap 503 Bairro: Saguaçu CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: (47) Curso de: Bacharelado em Ciências da Computação Título do Estágio: Período: 12/04/2010/ a 21/05/2010 Carga horária: 30 horas AVALIAÇÃO FINAL DO ESTÁGIO PELO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS Representada pelo Professor Orientador: Rafael Rodrigues Obelheiro CONCEITO FINAL NOTA Rubrica do Professor Orientador Excelente (9,1 a 10) Muito Bom (8,1 a 9,0) Bom (7,1 a 8,0) Regular (5,0 a 7,0) Reprovado (0,0 a 4,9) Local e data:

4 UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - FEJ RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR AVALIAÇÃO DO ESTAGIÁRIO PELA EMPRESA Nome do Estagiário: Marcos Eduardo Crivellaro QUADRO I a) AVALIAÇÃO NOS ASPECTOS PROFISSIONAIS Pontos 1 - QUALIDADE DO TRABALHO - Considerando o possível 2 - ENGENHOSIDADE - Capacidade de sugerir, projetar, executar modificações ou inovações. 3 - CONHECIMENTO - Demonstrado no desenvolvimento das atividades programadas. 4 - CUMPRIMENTO DAS TAREFAS - Considerar o volume de atividades dentro do padrão razoável 5 - ESPÍRITO INQUISITIVO - Disposição demonstrada para aprender 6 - INICIATIVA - No desenvolvimento das atividades SOMA Pontuação para o Quadro I e II Sofrível - 1 ponto, Regular - 2 pontos, Bom - 3 pontos, Muito Bom - 4 pontos, Excelente - 5 pontos. QUADRO II b) AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS HUMANOS Pontos 1 - ASSIDUIDADE - Cumprimento do horário e ausência de faltas 2 -.DISCIPLINA - Observância das normas internas da Empresa. 3 - SOCIABILIDADE - Facilidade de se integrar com os outros no ambiente de trabalho. 4 - COOPERAÇÃO - Disposição para cooperar com os demais para atender as atividades. 5 -SENSO DE RESPONSABILIDADE - Zelo pelo material, equipamentos e bens da empresa. SOMA c) AVALIAÇÃO FINAL Pontos LIMITES PARA CONCEITUAÇÃO SOMA do Quadro I multiplicada por 7 De 57 a SOFRÍVEL SOMA do Quadro II multiplicada por 3 De 102 a REGULAR SOMA TOTAL De 148 a BOM De 195 a MUITO BOM De 241 a EXCELENTE Nome da Empresa: Prefeitura Municipal de Joinville Representada pelo Supervisor: Jefferson Mendonça Alves CONCEITO CONFORME SOMA TOTAL Rubrica do Supervisor da Empresa Local: Data : Carimbo da Empresa

5 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO ESTAGIÁRIO Nome: Marcos Eduardo Crivellaro Matrícula: Endereço (Em Jlle): Saguaçu 109 ap 503 Bairro: Saguaçu CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: (47) Endereço (Local estágio): Av. Herman August Lepper, 10 Bairro: Centro CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: (47) Regularmente matriculado no semestre: 2010/1 Curso: Ciências da Computação Formatura (prevista) Semestre/Ano: 2010/2 UNIDADE CONCEDENTE Razão Social: Prefeitura Municipal de Joinville CGC/MF: /10 Endereço: Av. Herman August Lepper, 10 Bairro: Centro CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: (47) Atividade Principal : Prestação de Serviços Supervisor: Jefferson Mendonça Alves Cargo: Coordenador Suporte TI DADOS DO ESTÁGIO Área de atuação: Suporte em Redes e Montagem e Manutenção de Microcomputadores Departamento de atuação: SEPLAN Suporte TI Fone: (47) Ramal: 3232 Horário do estágio: 12:00 18:00 Total de horas do Estágio: 180 Período: 12/04/2010 a 21/05/2010 Total de horas semanais: 30 Nome do Professor Orientador: Departamento: Disciplina(s) simultânea(s) com o estágio Quantas: 5 Quais: IA Inteligência Artificial SDI Sistemas Distribuídos CGR Computação Gráfica TOCi 08 Segurança em Redes de Computadores TOCi 09 Segurança em Redes de Computadores OBJETIVO GERAL Realizar atividades relacionadas a montagem e manutenção de microcomputadores, suporte em redes de computadores e suporte à utilização de microcomputadores e softwares.

6 ATIVIDADES OBJETIVO ESPECÍFICO HORAS Montagem e Manutenção de Microcomputadores. - Conserto e substituição de peças (hardware) em 45 horas microcomputadores. - Manutenção e instalação de softwares. 45 horas 45 horas Suporte em Redes - Auxílio de acesso ao domínio aos usuários. - Suporte de redes de computadores (camada física). 45 horas Rubrica do Professor Orientador Aprovação do Membro do Comitê de Estágio Rubrica do Coordenador de Estágio Rubrica do Supervisor da Empresa Data: Data: Data: Prof César Malutta Data: Carimbo da Empresa

7 CRONOGRAMA FÍSICO E REAL PERÍODO (20 horas) P ATIVIDADES R Conhecer as normas e procedimentos padrões utilizados pela P X X X equipe de suporte, bem como o ambiente de trabalho. R X X Solução de problemas relacionados à estrutura de redes e P X X X configuração de máquinas para utilização em rede. R X X X X X Manutenção de microcomputadores relacionada ao hardware. P X X X R X X X X X X Instalação, configuração e manutenção de softwares. P X X X X X Manutenção de sistemas operacionais. R X X X X X X X X Compreensão do funcionamento do domínio: serviços, P X X X configurações de proxy, firewall e permissões. R X X Auxiliar o usuário utilizando métodos de comunicação nãopresenciais P X X X (telefone, VNC, Web) R X X X X X X Formatação de discos rígidos e reinstalação de sistemas P X X X operacionais nos procedimentos e normas da concedente. R X X X X X X X Contribuir com sugestões de melhoria dos procedimentos P X X adotados, sugerindo softwares e/ou métodos. R X X 1 0

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Distribuição das atividades realizadas Figura 2 - Rack com componentes de rede Figura 3 - Patch Panel Figura 4 - Cabos UTP ligados a portas em um switch Figura 5 - Como segurar uma placa corretamente ANEXO A - Padrões T-568A e T568B para crimpagem de cabos UTP

9 SUMÁRIO RESUMO INTRODUÇÃO ASPECTOS GERAIS DO ESTÁGIO Geral Específicos Justificativa ASPECTOS GERAIS DO ESTÁGIO ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO A EMPRESA HISTÓRICO PRODUTOS CONSIDERAÇÕES GERAIS RELATÓRIO DAS ATIVIDADES REALIZADAS ATENDIMENTO AO USUÁRIO ATIVIDADES PRÁTICAS Normas e padrões da Prefeitura Municipal de Joinville Instalação e manutenção do cabeamento estruturado Montagem e manutenção de hardware Instalação, configuração e manutenção de softwares Formatação, manutenção e reinstalação de sistemas operacionais Distribuição das atividades Principais dificuldades na realização de atividades REVISÃO DA LITERATURA Cabeamento estruturado Controle de domínio Montagem e manutenção de microcomputadores Eletricidade estática Manuseio de componentes de máquinas CONSIDERAÇÕES FINAIS ANEXOS GLOSSÁRIO REFERÊNCIAS... 36

10 RESUMO Quando as máquinas apresentam defeitos, mau funcionamento, problemas de acesso à rede ou de arquivos em máquinas da rede e comportamentos de sistema operacional ou de software indesejados, cabe a profissionais qualificados e com devido conhecimento da estrutura, dos padrões e permissões, prestar auxílio e manutenção, restaurar informações, conceder acessos de rede internos e externos aos usuários de forma a garantir a segurança da rede interna e configurar corretamente as máquinas para uso corporativo. A equipe de Tecnologia da Informação na Prefeitura Municipal de Joinville é dividida nas equipes de Sistemas, Infra-Estrutura de Redes e Suporte. Com exceção de ocorrências ligadas a administração do domínio ou logística estrutural da rede, pode-se afirmar que a equipe de suporte é também responsável pela resolução total dos chamados de usuário. É comum que cada organização tenha normas, procedimentos e padrões para utilização dos recursos computacionais e de redes de computadores. Uma das principais funções das equipes da equipe de Tecnologia da Informação é estabelecer parte destas regras, utilizando de seu conhecimento profissional para determinar um conjunto que garanta a segurança, integridade, confiabilidade e disponibilidade das informações da corporação, sendo estas aprovadas pelos superiores responsáveis da SEPLAN. A responsabilidade de auxílio ao usuário em relação à configuração de softwares, manutenção de equipamentos, análise de necessidades diversas e verificação inicial dos problemas relacionados à estrutura física e lógica de rede são algumas das responsabilidades da equipe de Suporte. De forma geral, o estágio pode ser amplamente ligado ao curso de Bacharelado em Ciências da Computação através da matéria AOC (Arquitetura e Organização de Microcomputadores). Também foram verificadas ligações com as matérias REC (Redes de Computadores) e TOCI-09 (Interconexões de Redes de Computadores).

11 11 1 INTRODUÇÃO 1.2 ASPECTOS GERAIS DO ESTÁGIO Geral Realizar atividades relacionadas à montagem e manutenção de microcomputadores, suporte em redes de computadores e suporte à utilização de softwares Específicos Conserto e substituição de peças (hardware) em microcomputadores; Configuração e instalação de softwares; Auxílio de acesso aos usuários no domínio; Suporte de redes de computadores (camada física) Justificativa Quando as máquinas apresentam defeitos, mau funcionamento, problemas de acesso à rede ou de arquivos em máquinas da rede e comportamentos de sistema operacional ou de software indesejados, cabe a profissionais qualificados e com devido conhecimento da estrutura, dos padrões e permissões, prestar auxílio e manutenção, restaurar informações, conceder acessos de rede internos e externos aos usuários de forma a garantir a segurança da rede interna e configurar corretamente as máquinas para uso corporativo. 1.2 ASPECTOS GERAIS DO ESTÁGIO A receptividade por parte do pessoal da Prefeitura Municipal de Joinville foi um fator importante para o desenvolvimento das atividades realizadas, pois devido ao bom resultado da junção da iniciativa de aprendizado com o auxílio e explicações precisas dos veteranos, foi possível rapidamente aprender, compreender e aplicar as normas da corporação durante as

12 12 atividades, de forma que a margem de erros ou equívocos relacionados às mesmas fossem reduzidos. Uma dificuldade encontrada durante o período de estágio foi o fato da corporação se tratar de um órgão público e, por consequência, possuir restrições na compra dos materiais necessários para realizar algumas das atividades, estando a liberação para tal na dependência de outras secretarias e setores da corporação, resultando em aumento de prazos de entrega ou na não possibilidade de cumprir determinadas solicitações. De forma geral, o estágio pode ser amplamente ligado ao curso de Bacharelado em Ciências da Computação através da matéria AOC (Arquitetura e Organização de Microcomputadores). Também foram verificadas ligações com as matérias REC (Redes de Computadores) e TOCI-09 (Interconexões de Redes de Computadores). 1.3 ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO Primeiramente será feita uma breve apresentação da concedente, com informações relacionadas à mesma. Em seguida, serão apresentadas as atividades da rotina de trabalho, levantamento geral de grupos de ocorrências atendidas, suas proporções e uma discussão sobre o levantamento realizado. Nesta discussão, serão comentados assuntos como as possíveis causas das ocorrências, procedimentos e soluções e uma revisão da literatura relacionada com as atividades praticadas. 2 A EMPRESA Neste capítulo serão apresentadas informações breves da concedente. 2.1 HISTÓRICO Antes de ser oficialmente Prefeitura Municipal, existia apenas a administração da Colônia Dona Francisca. Desde 1850 até 1898, esta administração possuiu três sedes. Em 1898, foi construída a quarta sede, ainda administrando a vila como colônia. Contudo Joinville deixou de ser uma colônia para ser identificada como cidade, e o local de administração passou a ser identificado como Prefeitura Municipal de Joinville. A quarta sede perdurou até No início

13 13 do ano seguinte, 1937, a Prefeitura Municipal mudou para sua quinta sede, onde ficou até 1974, mudando então para a sexta sede. Foi somente em 1996 que a administração da cidade foi transferida para a atual sede, sétima desde a fundação da Colônia. O crescimento da cidade de Joinville criou a necessidade de tantas mudanças, visto que as sedes se tornavam pequenas para comportar os funcionários necessários e atender os contribuintes, que se tornavam mais numerosos, devido ao rápido crescimento da população. 2.2 PRODUTOS A Prefeitura Municipal de Joinville é a sede do poder executivo do município de Joinville. Ela é dividida em secretarias de governo, possuindo cada uma a função de administrar diversas áreas de interesse da população da cidade. Seu principal produto provém da prestação de serviços para a comunidade que satisfaçam e promovam o município, em busca de seu desenvolvimento e melhoria da qualidade de vida. 2.3 CONSIDERAÇÕES GERAIS Sendo um órgão público, a Prefeitura Municipal de Joinville não pode gerar renda de nenhuma espécie. Ela recebe verba governamental para seus investimentos e os serviços prestados são cobertos pelos impostos e tributos da cidade e do país. O órgão é responsável, além de prestar serviços municipais, pela arrecadação tributária e gerenciamento dos órgãos públicos municipais. 3 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES REALIZADAS Nesta sessão serão apresentadas diversas características da rotina de trabalho, primeiramente descrevendo o método de atendimento aos usuários. Em seguida, serão discutidas as atividades em si, apresentando levantamentos, descrições e considerações sobre as atividades realizadas durante o período de estágio. Também está incluída nesta sessão uma revisão da literatura relacionada com as atividades realizadas.

14 ATENDIMENTO AO USUÁRIO A equipe de Tecnologia da Informação é dividida nas equipes de Sistemas, Infra-Estrutura de Redes e Suporte. A responsabilidade de auxílio ao usuário em relação à configuração de softwares, manutenção de equipamentos, análise de necessidades diversas e verificação inicial dos problemas relacionados à estrutura física e lógica de rede são algumas das responsabilidades da equipe de Suporte. Portanto, esta equipe é responsável pela interação inicial com o usuário. Com exceção de ocorrências ligadas a administração do domínio ou logística estrutural da rede (organização da estrutura de cabos, switchs, patch panels, etc.), pode-se afirmar que a equipe de suporte é também responsável pela resolução total dos chamados de usuário. Para realizar o atendimento ao usuário, o setor conta com um sistema Help Desk de auxílio local, via telefone, via Virtual Network Computing (VNC) e via web. O atendimento local é o modo mais comum de auxílio, onde os técnicos com disponibilidade no setor realizam o atendimento de uma ocorrência, geralmente solicitada através de um telefonema ou quando este visualiza um chamado no sistema web. No auxílio via telefone, as instruções de como resolver determinado problema são passadas através do mesmo. O atendimento via VNC geralmente é realizado juntamente com uma conversa através do telefone, pois assim usuário e técnico trocam informações enquanto o técnico é capaz de visualizar a área de trabalho do usuário, facilitando a compreensão e possibilitando um auxílio mais específico. Por mim, o atendimento via web é realizado através de uma ferramenta web chamada de Gestão Livre de Parque de Informática (GLPI - Gestion Libre de Parc Informatique, conforme website do projeto). Nesta ferramenta, os usuários podem usar sua conta de domínio para efetuar acesso e adicionar um chamado. O técnico tem a opção de responder ao chamado com alguma informação, verificar pessoalmente, via VNC e/ou telefone. Na prática o atendimento pessoal após visualização dos chamados no GLPI ou solicitação através de telefone, e o atendimento via VNC com auxílio do telefone para trocas de informação são os tipos de atendimento mais comuns, visto que são os que proporcionam maiores informações ao técnico e, por consequência, melhor compreensão do problema. Contudo, existiram algumas situações onde os métodos se provaram eficientes individualmente, apesar de, com exceção do atendimento via telefone, as situações onde tal fato ocorreu foram pouco comuns.

15 ATIVIDADES PRÁTICAS Normas e padrões da Prefeitura Municipal de Joinville É comum que cada organização tenha normas, procedimentos e padrões para utilização dos recursos computacionais e de redes de computadores. Uma das principais funções das equipes da equipe de Tecnologia da Informação é estabelecer parte destas regras, utilizando de seu conhecimento profissional para determinar um conjunto que garanta a segurança, integridade, confiabilidade e disponibilidade das informações da corporação, sendo estas aprovadas pelos superiores responsáveis da SEPLAN (Secretaria de Planejamento, Controle e Gestão). Da mesma forma, estas equipes devem garantir que conjuntos de regras determinados por superiores (como o Prefeito, chefes de Gabinete, Secretários, etc.), e também pela constituição no que se refere a tecnologia da informação, sejam devidamente cumpridas da mesma forma. Para tanto, a equipe de Suporte é responsável por impedir que softwares não-autorizados e não-licenciados sejam instalados, além de ter responsabilidade pela remoção dos mesmos. Além disso, a equipe de Suporte é responsável por não autorizar manutenção de hardware e software por parte do usuário, ficando incumbida de realizar instalações, atualizações, configurações e manutenção (neste último caso, para softwares mais avançados). Por padrão, os usuários comuns, que consiste a grande maioria dos funcionários da PMJ (Prefeitura Municipal de Joinville), já possuem restrições que os impede de realizar estas operações, o que facilita o controle dos softwares instalados nas máquinas. Estas restrições também impedem que os usuários modifiquem pontos vitais do sistema, como é o caso da pasta do sistema operacional, pastas de configurações de usuários e o próprio registro do sistema. Outra restrição imposta aos usuários é não permiti-los instalar máquinas ou hardware pessoal ou de terceiros no local de trabalho, bem como retirar as máquinas do complexo da PMJ. Este procedimento é realizado para evitar contaminação na rede e depredação do patrimônio. Existem exceções a esta regra (como os fiscais públicos, que necessitam de seus laptops tanto dentro quanto fora da corporação), mas devem ser autorizadas com justificativa plausível. Quanto ao sistema operacional, a PMJ possui licença geral para utilização do Microsoft Windows 2000 Professional nas máquinas. A utilização deste sistema operacional é padrão para máquinas que não possuam outro tipo de licença, e é instalado o Service Pack 4 desta versão. Contudo, algumas das máquinas possuem o selo de licença para instalação do Microsoft Windows XP. Para estes casos, este é o sistema operacional padrão, visto que oferece muitas

16 16 inovações e vantagens em relação ao Windows Além disto, a prefeitura possui uma lista de softwares padrão para instalação, a qual todos os elementos são instalados incondicionalmente. Contudo, é possível instalar softwares adicionais, dependendo da necessidade do usuário ao qual o equipamento é destinado, bem como o setor onde o mesmo trabalha. As máquinas também são configuradas para pertencerem ao domínio PMJLLE, que possui boa parte das configurações da corporação, incluindo contas de usuário e scripts de configuração do sistema operacional. A PMJ utiliza também utiliza um antivírus que fiscaliza tráfego de rede, para maior segurança na troca de informações entre máquinas. Quanto ao hardware, não são utilizadas máquinas com processadores inferiores a 850MHz, memória RAM com capacidade inferior a 256MB e/ou HD com espaço em disco inferior a 20GB. As máquinas com capacidade inferior a estas especificações têm seus componentes removidos e são descartadas, ou são formatadas e preparadas para transferência a outros órgãos públicos. Quanto às permissões de acesso e segurança da rede interna e externa, estes são gerenciados, fiscalizados e controlados pela equipe de Infra-Estrutura de Redes, não havendo participação direta equipe de suporte nas medidas tomadas para tanto. No entanto, as duas equipes interagem trocando informações, pois em alguns pontos o trabalho deve ser realizado em conjunto para atingir o objetivo desejado. Em adição, a equipe de Infra-Estrutura é responsável pelo domínio e pelos scripts de configuração, parte que influencia no trabalho da equipe de suporte. Devido ao não conhecimento das políticas por parte do usuário, muitas vezes se fez necessário explicar as normas e procedimentos que o mesmo deve tomar se deseja prosseguir com a solicitação de algum software específico, portanto conhecer este conjunto de regras é importante para melhor atendimento sem infligir políticas internas e para o desenvolvimento das atividades práticas na corporação Instalação e manutenção do cabeamento estruturado Grande parte dos problemas relacionados à perda de sinal de rede na PMJ eram relacionados ao cabeamento estruturado de alguma forma, mesmo que não diretamente associados aos cabos. Quando não havia problemas com cabos arrebentados ou com os conectores RJ45 quebrados, poderia se tratar de um problema em um dos patch panel ou nas portas dos switchs relacionados com determinado ponto particular na estrutura.

17 17 Na PMJ, assim como em muitas organizações de grande porte, existe uma sala onde estão localizados os servidores e meios de comunicação com as redes externas (internet), bem como os switchs e patch panels que compõe a rede interna da PMJ. Os problemas mais comuns de cabeamento estruturado estão nos próprios cabos, geralmente ocorrendo por descuidos ou acidentes (como tropeço nos cabos, arrastar suportes com pesadas impressoras por cima dos cabos, entre outros). Independente da razão, muitas vezes se faz necessário refazer as pontas do cabo por algum tipo de dano ao conector RJ45, ou mesmo por cortes no cabo que o partem ou puxões que o arrebentam. Aconteceram ocorrências onde durante a limpeza de determinados setores degradou o cabo internamente, devido à água e aos produtos químicos utilizados durante o processo. Para fazer um cabo para uso em redes de computadores (popularmente conhecido como cabos de rede ou cabos UTP), é necessário utilizar um alicate de crimpagem, dois conectores RJ45 e um cabo com pares trançados (cuja cor geralmente é azul para cabos que circulam a estrutura predial, mas existem outras cores para denotar cabos que não tem fim do switch para um ponto de máquina, e sim em um roteador ou servidor). Os padrões de crimpagem mais utilizados são o T-568A e T-569B, apresentados na figura referida em ANEXO A. É importante mencionar que o padrão escolhido é normalmente utilizado de forma igual nas duas ponteiras, formando um cabo straight (reto), que é o cabo utilizado para ligar uma máquina a um switch ou roteador na rede. Como as máquinas são ligadas a switchs na PMJ, esse tipo de cabo é o ideal para uso. Existe também o cabo cross-over, que utiliza os dois padrões referidos, um em cada ponta do cabo. Apesar dos switchs atuais serem capazes de descruzar o cabo, utilizar a configuração straight é mais conveniente, portanto não foi trabalhado com cabos cross-over durante o estágio, afinal não foram desenvolvidas atividades onde este tipo de cabo se tornava mais conveniente. Entretanto, o cabo cross-over seria uma excelente opção caso houvesse necessidade de interligar duas máquinas diretamente, sem utilizar roteadores, hubs ou switchs. Outros problemas relacionados a estrutura de cabos pode se encontrar nos próprios switchs ou patch panels. Durante o estágio, foram encontrados problemas onde um patch panel, durante manutenção, teve um de seus pontos acidentalmente desligado, derrubando parte da rede de uma das secretarias da prefeitura. Em outra ocorrência, uma das portas de um switch deixou de funcionar corretamente. Encontrar esse problema foi bastante difícil, pois os aparelhos para verificar sinal de rede acusavam existência de sinal. Pelos procedimentos comuns, a busca inicial foi na máquina e no ponto final de rede, bem como no cabeamento. Mas o problema foi resolvido, por fim, somente quando uma sugestão de solução foi trocar a porta em que o

18 18 computador se conectava. Quando esta foi trocada, a máquina conseguiu se conectar, levando a conclusão que a porta estava apresentando defeito Montagem e manutenção de hardware Antes de relatar as atividades relacionadas a parte lógica (softwares), que foram as atividades desenvolvidas mais comuns dentro do período de estágio referentes a ocorrências, serão relatadas as atividades desenvolvidas na parte física (hardware), que é base dos computadores e tão importante quanto os componentes lógicos. O hardware é composto de placas e componentes eletrônicos, criando nas placas circuitos integrados com funções específicas a serem manipuladas pelo software. Na PMJ, o setor de suporte não é responsável pelo conserto destas placas e circuitos, mas sim por procurar defeitos nestas peças e substituir as defeituosas. Quanto a estas últimas, são descartadas, pois a PMJ não tem interesse no conserto, mesmo pelo fato da maioria das peças substituídas serem antigas. Um computador básico atual necessita apenas de um conjunto de quatro peças computacionais: Um microprocessador, responsável pelas tomadas de decisões e realizar as funções de cálculo do computador. Memória RAM, que pode ser acessada diretamente pelo processador para armazenar informações, com capacidades variadas e acesso aleatório. As memórias RAM são voláteis, ou seja, as informações guardadas são perdidas quando a alimentação da memória é cortada. Placa de vídeo ou placa gráfica, que é um componente do computador que envia sinais deste para o monitor, de forma que possam ser apresentadas imagens ao usuário. Algumas destas placas possuem alta capacidade de processamento gráfico. Placa-mãe, que é o principal componente do computador. A placa mãe não possui somente uma função; cada região específica da mesma é voltada para uma finalidade. Ela contém vários slots (encaixes), cada qual suportando um tipo de peça específico (como, por exemplo, os slots de memória RAM, slot do processador e os slots PCI, bastante comuns nas placas-mãe). Estas placas também possuem conjuntos de chips (chipset) que controlam os dispositivos de entrada e saída da máquina. Igualmente importante as demais funções, a placa-mãe também deve conectar todos os

19 19 componentes do computador através de barramentos, para que estes sejam possam ser chamados e utilizados pela CPU. Estas quatro peças eletrônicas recebem energia elétrica através de uma fonte de alimentação. A fonte de alimentação é responsável por transformar a energia elétrica sob a forma de corrente alternada da rede em uma energia elétrica de corrente contínua, que é o tipo de energia utilizado pelos componentes de máquina. Com a fonte alimentada e as quatro peças citadas, é possível ligar um computador, mas o número de operações ainda é limitado. Para utilizar os sistemas operacionais e softwares fornecidos pela PMJ, é necessário usar componentes extras de máquina, pois apenas o básico para ligar o computador não basta. Primeiramente, é necessário um teclado, dispositivo de entrada de informações fundamental para a interação usuário-máquina. Para armazenamento de dados, é necessário um dispositivo de memória secundário com boa quantidade de espaço disponível. Nas máquinas atuais, o dispositivo mais utilizado para esta finalidade é o disco rígido (popular HD hard disk). Por fim, a corporação também disponibiliza servidores e acesso a intranet e internet. Para que uma máquina possa ter tal acesso, precisa de uma placa de rede, geralmente inserida nos slots PCI. Esta placa tem a função de tratar, juntamente com o sistema operacional, todas as funções, protocolos de comunicação e acessos de rede. Mais dois dispositivos a serem adicionados a máquina são: Um leitor/gravador de CD e/ou CD/DVD, componente de entrada e saída de informações, utilizado para ler estas mídias, bastante utilizadas para fácil transferência e armazenamento de informações. Um mouse/touchpad/trackball, dispositivo de entrada de informações utilizado para mover o cursor existente na interface gráfica de alguns sistemas operacionais, para auxílio. Como o mouse é o dispositivo de maior usabilidade, é o mais utilizado nas máquinas. Isso inclui mesmo notebooks que possuem touchpad/trackball de fábrica. Geralmente um mouse USB é instalado nos mesmos, devido facilidade de uso que promove. Quanto à manutenção destes componentes, conforme fora citado, as peças defeituosas com problemas relacionados são substituídas e descartadas. O objetivo do técnico uma vez que encontre uma máquina com problemas relacionados ao hardware é identificar o componente defeituoso e tentar conserta-lo sem mexer em seus circuitos. Este procedimento é amplamente utilizado para memórias RAM. Muitas vezes este tipo de memória apenas de uma limpeza na

20 20 parte de contato com o slot. Esta limpeza é geralmente realizada com uma borracha branca, mas existem sprays específicos para limpeza de contatos de componentes eletrônicos que fazem um trabalho superior, pois removem a oxidação mais facilmente e, tratando-se de líquido, alcança profundidades maiores que a borracha. Ainda se não for possível ligar a máquina, testar a memória em uma segunda máquina que está funcionando normalmente pode ajudar a concluir se é a memória que está com problemas. Caso a segunda máquina funcione, o problema não está na memória, e trocar de slot na placa mãe pode resolver o problema, levando a conclusão que o slot pode estar queimado. Caso também não seja este o problema, analisar outros componentes básicos pode ser a solução. Para tal basta testa-los em uma segunda máquina que esteja funcionando normalmente. Se nenhum dos componentes apresenta problema, pode ser a organização dos jumpers ou das chaves que controlam o processador na placa mãe. Se a máquina liga, mas algum componente de hardware não está funcionando corretamente, o próximo passo é analisar as configurações da placa mãe na BIOS para verificar se o componente está habilitado ou se a configuração não está inferior ou superior ao especificado pelo hardware. Um exemplo de mau funcionamento de hardware por motivo de configuração na BIOS é o próprio microprocessador. Se na BIOS for configurada uma capacidade superior ao que o processador suporta, a maquina reinicia após realizar o teste de memória e controladoras. Durante o estágio, foram encontradas algumas máquinas que possuíam este problema, estando configuradas para 1800MHz de processamento enquanto o dispositivo suportava apenas 1350Mhz. Em componentes como o disco rígido, é possível identificar quando este se encontra perto de perder seu funcionamento. Um dos sinais mais comuns deste fato é o próprio som que o HD faz quando gira o disco para leitura. Se o som é alto e transmite dificuldade de girar o disco, é um sinal de que se deve realizar backup dos arquivos e trocá-lo, antes que seja tarde e não seja mais possível sua utilização. Outro sinal que denota possível problema no HD são erros relacionados ao S.M.A.R.T, que é justamente um chip no disco rígido que tem a função de armazenar quantidades de erro de leitura e escrita, RPM e tempo de aceleração. É possível que esta função esteja apresentando algum erro ou que esteja desativada na BIOS, mas se a máquina apresenta comportamentos estranhos, como demora para leitura do HD ou muitas falhas na identificação do mesmo, é um sinal de que o S.M.A.R.T está apontando corretamente e o ideal é criar um backup dos arquivos e substituir o HD. Um outro problema comum é quando a máquina está esquentando demais. A equipe de suporte transmite aos usuários recomendações para que não utilizem as máquinas em lugares

ESTÁGIO CURRICULAR I e II SISTEMA DE MONITORAMENTO DE TI EM SOFTWARE LIVRE

ESTÁGIO CURRICULAR I e II SISTEMA DE MONITORAMENTO DE TI EM SOFTWARE LIVRE FERNANDO RODRIGO NASCIMENTO GUSE i ESTÁGIO CURRICULAR I e II SISTEMA DE MONITORAMENTO DE TI EM SOFTWARE LIVRE EMPRESA: Globalmind Serviços em Tecnologia da Informação LTDA. SETOR: Infra Estrutura SUPERVISOR:

Leia mais

INFORMÁTICA BÁSICA PARA FUNCIONÁRIOS IFPE AULA 06. Wilson Rubens Galindo

INFORMÁTICA BÁSICA PARA FUNCIONÁRIOS IFPE AULA 06. Wilson Rubens Galindo INFORMÁTICA BÁSICA PARA FUNCIONÁRIOS IFPE AULA 06 Wilson Rubens Galindo SITE DO CURSO: http://www.wilsongalindo.rg3.net Caminho: Cursos Informática Básica para Servidores Grupo de e-mail: ibps2010@googlegroups.com

Leia mais

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação Informática Aplicada Revisão para a Avaliação 1) Sobre o sistema operacional Windows 7, marque verdadeira ou falsa para cada afirmação: a) Por meio do recurso Windows Update é possível manter o sistema

Leia mais

Guia de Instalação SIAM. Procedimento de Instalação do Servidor SIAM

Guia de Instalação SIAM. Procedimento de Instalação do Servidor SIAM Guia de Instalação SIAM Procedimento de Instalação do Servidor SIAM Documento Gerado por: Amir Bavar Criado em: 18/10/2006 Última modificação: 27/09/2008 Guia de Instalação SIAM Procedimento de Instalação

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR I e II SUPORTE TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE

ESTÁGIO CURRICULAR I e II SUPORTE TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE DIOGO MEDEIROS ESTÁGIO CURRICULAR I e II SUPORTE TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE EMPRESA: Prefeitura Municipal de Joinville SETOR: Suporte - TI SUPERVISOR: Jefferson Mendonça

Leia mais

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves Conceitos Básicos de Informática Antônio Maurício Medeiros Alves Objetivo do Material Esse material tem como objetivo apresentar alguns conceitos básicos de informática, para que os alunos possam se familiarizar

Leia mais

Introdução à redes de computadores

Introdução à redes de computadores 1/8 Introdução à redes de computadores Faz todo o sentido ligar os computadores em rede. Você não precisa ter uma impressora, um HD de grande capacidade, um gravador de DVDs e conexão via ADSL para cada

Leia mais

Como resolver 9 problemas comuns em PCs Por Redação Olhar Digital - em 01/06/2015 às 18h06

Como resolver 9 problemas comuns em PCs Por Redação Olhar Digital - em 01/06/2015 às 18h06 Como resolver 9 problemas comuns em PCs Por Redação Olhar Digital - em 01/06/2015 às 18h06 Tela azul Se você utiliza computadores Windows com frequência, provavelmente você já se deparou com problemas

Leia mais

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Conteúdo Etapa 1: Saiba se o computador está pronto para o Windows 7... 3 Baixar e instalar o Windows 7 Upgrade Advisor... 3 Abra e execute o Windows 7

Leia mais

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Um guia para pequenas empresas Conteúdo Seção 1: Introdução ao Modo Windows XP para Windows 7 2 Seção 2: Introdução ao Modo Windows XP 4 Seção 3: Usando

Leia mais

MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES

MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com MANUTENÇÃO EM COMPUTADORES Carga horária: 32 horas/aula Competência: Conhecer a arquitetura

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 4.1 HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS Qualquer PC é composto pelos mesmos componentes básicos: Processador, memória, HD, placa-mãe, placa de vídeo e monitor

Leia mais

MANUAL CFTV DIGITAL - LINHA LIGHT 16 CANAIS 120 FPS / VID 120-LI CONFIGURAÇÃO DO COMPUTADOR 16 Canais - 120 FPS Processador Dual Core 2.0GHZ ou superior; Placa Mãe Intel ou Gigabyte com chipset Intel;

Leia mais

Atualizando do Windows XP para o Windows 7

Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizar o seu PC do Windows XP para o Windows 7 requer uma instalação personalizada, que não preserva seus programas, arquivos ou configurações. Às vezes, ela

Leia mais

Manual de Resoluções de Problemas de Hardware e do Sistema Operacional Linux nos Computadores do Beija-Flor

Manual de Resoluções de Problemas de Hardware e do Sistema Operacional Linux nos Computadores do Beija-Flor Manual de Resoluções de Problemas de Hardware e do Sistema Operacional Linux nos Computadores do Beija-Flor 1 1. Introdução. O objetivo desta documentação é ajudar o leitor a identificar os problemas físicos,

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

GOVBR- UEM-MARINGA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEROLA

GOVBR- UEM-MARINGA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEROLA GERENCIAMENTO DE PROJETOS PRONIM, IMPLANTAÇÃO SQL SERVER GOVBR- UEM-MARINGA PREFEITURA MUNICIPAL DE PEROLA Cliente GOVBR, UEM-MARINGA / Prefeitura Municipal de PEROLA Data 10/09/2015 Versão 1.0 Objeto:

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Componentes Sistema Informação Hardware - Computadores - Periféricos Software - Sistemas Operacionais - Aplicativos - Suítes Peopleware - Analistas - Programadores - Digitadores

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

ÁRVORE DE FALHAS DESKTOP. SINTOMA ITEM OBSERVADO POSSÍVEIS FALHAS POSSÍVEIS SOLUÇÕES Sem tensão Tensão incorreta. Corrigir instalação elétrica

ÁRVORE DE FALHAS DESKTOP. SINTOMA ITEM OBSERVADO POSSÍVEIS FALHAS POSSÍVEIS SOLUÇÕES Sem tensão Tensão incorreta. Corrigir instalação elétrica Lento Não liga ÁRVORE DE FALHAS DESKTOP Rede elétrica Sem tensão Tensão incorreta Corrigir instalação elétrica Substituir fonte Fonte Chave seletora na posição incorreta Selecionar de acordo com a tensão

Leia mais

Seu manual do usuário HP COMPAQ EVO D310 DESKTOP http://pt.yourpdfguides.com/dref/870005

Seu manual do usuário HP COMPAQ EVO D310 DESKTOP http://pt.yourpdfguides.com/dref/870005 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para HP COMPAQ EVO D310 DESKTOP. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no

Leia mais

Formação Modular Certificada. Arquitetura interna do computador. Hardware e Software UFCD - 0769. Joaquim Frias

Formação Modular Certificada. Arquitetura interna do computador. Hardware e Software UFCD - 0769. Joaquim Frias Formação Modular Certificada Arquitetura interna do computador Hardware e Software UFCD - 0769 Joaquim Frias Computador É um conjunto de dispositivos eletrónicos capaz de aceitar dados e instruções, executa

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

Informática para Banca IADES. Hardware e Software

Informática para Banca IADES. Hardware e Software Informática para Banca IADES Conceitos Básicos e Modos de Utilização de Tecnologias, Ferramentas, Aplicativos e Procedimentos Associados ao Uso de Informática no Ambiente de Escritório. 1 Computador É

Leia mais

Índice. Mamut Gravador Telefônico Digital MGC Manual de Instalação Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0

Índice. Mamut Gravador Telefônico Digital MGC Manual de Instalação Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0 Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0 Índice 1- Preparação da CPU para o funcionamento do Gravador Digital Mamut 1.1 - Preparação da CPU 1.2 - Instalação do Firebird 2 - Instalação

Leia mais

A plac a a c a de e re r d e e

A plac a a c a de e re r d e e Placa de rede A placa de rede Este é o primeiro requisito para um PC poder operar em rede. Essas placas têm hoje preços bastante acessíveis. As genéricas funcionam muito bem, e custam abaixo de 50 reais.

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Montando Redes Ponto-a-Ponto... 3 1.2.1 Parte lógica... 3 1.2.2 Escolhendo o sistema operacional... 3 1.2.3 Instalação

Leia mais

RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR I e II ATIVIDADES DE SUPORTE EM TI REALIZADAS NA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE.

RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR I e II ATIVIDADES DE SUPORTE EM TI REALIZADAS NA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE. VINICIUS ULBRICH RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR I e II ATIVIDADES DE SUPORTE EM TI REALIZADAS NA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE. Empresa: Prefeitura Municipal de Joinville Setor: SEPLAN Supervisor:

Leia mais

Manual de solução para problemas de hardware

Manual de solução para problemas de hardware Manual de solução para problemas de hardware 1º- PROBLEMA: O COMPUTADOR NÃO LIGA Tomada: em alguns casos, o defeito está na tomada e acabamos por pensar que está no sistema. Se necessário, verifique se

Leia mais

Tabela de Preços. 10 - Computador com tela preta ou azul = R$ 110 / R$ 180 (problemas de software)

Tabela de Preços. 10 - Computador com tela preta ou azul = R$ 110 / R$ 180 (problemas de software) Tabela de Preços DETALHES DOS SERVIÇOS MAIS COMUNS PC WINDOWS 01 - Laudo técnico/diagnóstico = R$ 50 02 - Troca de fonte: R$110 + peça 03 - Super-aquecimento = R$110 04 - Configuração wireless = R$ 110

Leia mais

Programa A busca da formação integral de adolescentes que habitam as periferias e bolsões de miséria em Cascavel/PR através da saúde, do meio

Programa A busca da formação integral de adolescentes que habitam as periferias e bolsões de miséria em Cascavel/PR através da saúde, do meio Programa A busca da formação integral de adolescentes que habitam as periferias e bolsões de miséria em Cascavel/PR através da saúde, do meio ambiente, da cultura e da tecnologia O que é computador? O

Leia mais

LIGANDO MICROS EM REDE

LIGANDO MICROS EM REDE LAÉRCIO VASCONCELOS MARCELO VASCONCELOS LIGANDO MICROS EM REDE Rio de Janeiro 2007 LIGANDO MICROS EM REDE Copyright 2007, Laércio Vasconcelos Computação LTDA DIREITOS AUTORAIS Este livro possui registro

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

Auslogics BoostSpeed 5 Manual

Auslogics BoostSpeed 5 Manual Página 1 Auslogics BoostSpeed 5 Manual [ Instalando e usando o Auslogics BoostSpeed 5 ] Página 2 Sumário O que é o Auslogics BoostSpeed?... 3 Recursos... 3 Comparando edições... 4 Instalação do programa...

Leia mais

Sumário. Capítulo I Introdução à Informática... 13. Capítulo II Hardware... 23. INFORMATICA 29jun.indd 7 22/07/2014 15:18:01

Sumário. Capítulo I Introdução à Informática... 13. Capítulo II Hardware... 23. INFORMATICA 29jun.indd 7 22/07/2014 15:18:01 Sumário Capítulo I Introdução à Informática... 13 1. Conceitos Básicos... 13 2. Hardware... 15 3. Software... 15 4. Peopleware... 16 5. Os Profissionais de Informática:... 16 6. Linguagem de Computador

Leia mais

Guia de Upgrade e Serviços

Guia de Upgrade e Serviços Guia de Upgrade e Serviços Informações sobre Direitos Autorais As únicas garantias para produtos e serviços da Hewlett-Packard são estabelecidas nas declarações expressas que os acompanham. Nada contido

Leia mais

PORTARIA Nº 7876. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que lhe confere a Legislação vigente,

PORTARIA Nº 7876. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que lhe confere a Legislação vigente, PORTARIA Nº 7876 Dispõe sobre a Norma PSI/N.0001 - Utilização da Estação de Trabalho, nos termos dos arts. 20 e 24, da Resolução nº 041/2010-SPDE. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Configurando e Implantando o Windows Server 2003 Fabricio Breve Requisitos de Hardware de Sistema Processador Mínimo: 266 MHz Mínimo ideal:

Leia mais

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento.

sobre Hardware Conceitos básicos b Hardware = é o equipamento. Conceitos básicos b sobre Hardware O primeiro componente de um sistema de computação é o HARDWARE(Ferragem), que corresponde à parte material, aos componentes físicos do sistema; é o computador propriamente

Leia mais

Informática básica Telecentro/Infocentro Acessa-SP

Informática básica Telecentro/Infocentro Acessa-SP Informática básica Telecentro/Infocentro Acessa-SP Aula de hoje: Periférico de entrada/saída, memória, vírus, Windows, barra tarefas. Prof: Lucas Aureo Guidastre Memória A memória RAM é um componente essencial

Leia mais

Capítulo 3 Hardware de redes

Capítulo 3 Hardware de redes Capítulo 3 Hardware de redes Placa de rede Hub e Switch Equipamentos montados em rack KVM Switch Print server Bridge Ligação em cascata Placa de rede 3 A placa de rede Este é o primeiro requisito para

Leia mais

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware Professor: Renato B. dos Santos 1 O computador é composto, basicamente, por duas partes:» Hardware» Parte física do computador» Elementos concretos» Ex.: memória, teclado,

Leia mais

Noções de Hardware. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Hardware. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Hardware André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Gerações de hardware Tipos de computadores Partes do Microcomputador Periféricos Armazenamento de

Leia mais

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 Pela grande necessidade de controlar a internet de diversos clientes, a NSC Soluções em Informática desenvolveu um novo produto capaz de gerenciar todos os recursos

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR II SUPORTE E MONITORAMENTO

ESTÁGIO CURRICULAR II SUPORTE E MONITORAMENTO THALLES GRESCHECHEN ESTÁGIO CURRICULAR II SUPORTE E MONITORAMENTO EMPRESA: NEOGRID INFORMÁTICA S/A SETOR: SUPORTE E MONITORAMENTO SUPERVISOR: FÁBIO ROBERTO MENDES ORIENTADOR: PROF. GERSON VOLNEY LAGEMANN

Leia mais

INSTITUTO MARTIN LUTHER KING CURSO PROCESSAMENTO DE DADOS DISCIPLINA: HARDWARE

INSTITUTO MARTIN LUTHER KING CURSO PROCESSAMENTO DE DADOS DISCIPLINA: HARDWARE Memória ROM Vamos iniciar com a memória ROM que significa Read Only Memory, ou seja, uma memória somente para leitura. Isso quer dizer que as instruções que esta memória contém só podem ser lidas e executadas,

Leia mais

Arquitetura Genérica

Arquitetura Genérica Arquitetura Genérica Antes de tudo, vamos revisar o Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador. Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador O funcionamento de um computador pode ser

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia da Informação Núcleo de Segurança da Informação Revisão: 00 Vigência:20/04/2012 Classificação:

Leia mais

Hardware e Software Conceitos Básicos. ATES Associação do Trabalho e Economia Solidária

Hardware e Software Conceitos Básicos. ATES Associação do Trabalho e Economia Solidária Hardware e Software Conceitos Básicos ATES Associação do Trabalho e Economia Solidária Conceitos Básicos Hardware É a parte física do computador, ou seja, é o conjunto de componentes eletrônicos, circuitos

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

Mandriva Pulse - Especificações e recursos

Mandriva Pulse - Especificações e recursos Mandriva Pulse - Especificações e recursos Mandriva Brasil 2 de abril de 2015 Lista de Tabelas 1 Tabela resumo dos diferenciais do Pulse....................... 9 Lista de Figuras 1 Interface web do Mandriva

Leia mais

Guia do Usuário. PCtel E1

Guia do Usuário. PCtel E1 Guia do Usuário PCtel E1 Conteúdo Conhecendo o Produto...05 Instalação Física...08 Módulo Supervidor...10 Política de Garantia...12 Aspectos gerais Conhecendo o produto A Pctel desenvolveu uma plataforma

Leia mais

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução Autor Público Alvo Rodrigo Cristiano dos Santos Suporte Técnico, Consultoria e Desenvolvimento. Histórico Data 13/06/2012 Autor Rodrigo Cristiano Descrição

Leia mais

Microinformática Introdução ao hardware. Jeronimo Costa Penha SENAI - CFP/JIP

Microinformática Introdução ao hardware. Jeronimo Costa Penha SENAI - CFP/JIP Microinformática Introdução ao hardware Jeronimo Costa Penha SENAI - CFP/JIP Informática Informática é o termo usado para se descrever o conjunto das ciências da informação, estando incluídas neste grupo:

Leia mais

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

Componentes de um computador típico

Componentes de um computador típico Componentes de um computador típico Assim como em um videocassete, no qual é necessário ter o aparelho de vídeo e uma fita contendo o filme que será reproduzido, o computador possui a parte física, chamada

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO. A Grisoft Sistemas Digitais de Segurança agradece a você, usuário do

MANUAL DE INSTALAÇÃO. A Grisoft Sistemas Digitais de Segurança agradece a você, usuário do A Grisoft Sistemas Digitais de Segurança agradece a você, usuário do MultView - Sistema de Monitoramento Digital, por adquiri-lo. Este Manual é indicado tanto para instaladores quanto para usuários do

Leia mais

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES FAQ PERGUNTAS FREQUENTES 1 SUMÁRIO SUMÁRIO...2 1.Quais são as características do Programa?...4 2.Quais são os pré-requisitos para instalação do Sigep Web?...4 3.Como obter o aplicativo para instalação?...4

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Leia antes de utilizar. Sistema de Software de Desenho de Bordados Personalizados. Guia de Instalação

Leia antes de utilizar. Sistema de Software de Desenho de Bordados Personalizados. Guia de Instalação Leia antes de utilizar Sistema de Software de Desenho de Bordados Personalizados Guia de Instalação Leia este guia antes de abrir o pacote do CD-ROM Obrigado por adquirir este software. Antes de abrir

Leia mais

GILMAR ARAUJO ESTÁGIO CURRICULAR I SUPORTE TI HOSPITALAR

GILMAR ARAUJO ESTÁGIO CURRICULAR I SUPORTE TI HOSPITALAR GILMAR ARAUJO ESTÁGIO CURRICULAR I SUPORTE TI HOSPITALAR EMPRESA: TRÍPLICE CONSULTORIA E SERVIÇOS LTDA. SETOR: INFORMÁTICA SUPERVISOR: RONALDO GUIZARDI ORIENTADOR: VILSON VIEIRA CURSO DE BACHARELADO EM

Leia mais

Guia de comunicações de rede e Internet Computadores Desktop Comerciais

Guia de comunicações de rede e Internet Computadores Desktop Comerciais Guia de comunicações de rede e Internet Computadores Desktop Comerciais Número de peça: 312968-201 Fevereiro de 2003 Este guia apresenta definições e instruções para uso dos recursos dos controladores

Leia mais

Seu manual do usuário HP DC72 BLADE CLIENT http://pt.yourpdfguides.com/dref/887902

Seu manual do usuário HP DC72 BLADE CLIENT http://pt.yourpdfguides.com/dref/887902 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para HP DC72 BLADE CLIENT. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a HP DC72

Leia mais

PLANATC. Manual de Instalação. Scanner SC-7000

PLANATC. Manual de Instalação. Scanner SC-7000 Manual de Instalação Scanner SC-7000 1 Sistema de comunicação e análise da injeção eletrônica - Scanner SC-7000. O Scanner SC-7000 é um equipamento de fácil utilização para profissionais em injeção eletrônica

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Introdução a microinformática William S. Rodrigues HARDWARE BÁSICO O hardware é a parte física do computador. Em complemento ao hardware, o software é a parte lógica, ou seja,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO FNDE 23/2012

MANUAL DE INSTALAÇÃO FNDE 23/2012 MANUAL DE INSTALAÇÃO FNDE 23/2012 Índice 1 INSTALAÇÃO PROINFO 23... 4 1.1 Material necessário para instalação ou manutenção... 4 1.2 Componentes... 4 1.3 Kit de Segurança... 5 2 Composições... 5 2.1 Servidor...

Leia mais

Manual Sistema WEB 1

Manual Sistema WEB 1 Manual Sistema WEB 1 APRESENTAÇÃO Nosso site na internet é o www.tercred.com.br onde apresentamos um pouco da nossa história, nossos produtos, a rede credenciada e outros serviços. Para acessar o Sistema

Leia mais

Como è feito computador

Como è feito computador Como è feito computador O computador contém uma parte elétrica e uma parte eletrónica. Parte elétrica é usada para transformar e dinstribuir a eletricidade que vem para os vários componentes. Parte eletrónica

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Verificando os componentes

Verificando os componentes PPC-4542-01PT Agradecemos a aquisição do scanner de imagem em cores fi-65f. Este manual descreve os preparativos necessários para o uso deste produto. Siga os procedimentos aqui descritos. Certifique-se

Leia mais

CIINF SISTEMA DE INFRA-ESTRUTURA DE INFORMÁTICA

CIINF SISTEMA DE INFRA-ESTRUTURA DE INFORMÁTICA CIINF SISTEMA DE INFRA-ESTRUTURA DE INFORMÁTICA Agenor Costa Filho 1 agenor.costa@pop.com.b r Jéssica Lehmann de Morais 1 jessicalehmann@pop.com. br Renata Sant Anna Krauss 1 renatakrauss@superonda.com.br

Leia mais

Técnicas de Manutenção de Computadores

Técnicas de Manutenção de Computadores Técnicas de Manutenção de Computadores Professor: Luiz Claudio Ferreira de Souza Placa Mãe Dispositivos (Onboard) São aqueles encontrados na própria Placa Mãe. Ex: Rede, Som, Vídeo e etc... Prof. Luiz

Leia mais

SUMÁRIO 3 DAJE. 3 cartórios online E cartórios off-line

SUMÁRIO 3 DAJE. 3 cartórios online E cartórios off-line SUMÁRIO 3 introdução 3 DEFINIÇÕES 3 DAJE 3 cartórios online E cartórios off-line 4 instalação 4 Requisitos básicos de equipamentos para a instalação 4 Verificações a serem feitas antes de instalar o sistema

Leia mais

Defeitos Comuns e Diagnósticos. Prof. Leandro Dourado

Defeitos Comuns e Diagnósticos. Prof. Leandro Dourado Defeitos Comuns e Diagnósticos Prof. Leandro Dourado Fonte Danos: Instabilidades nas tensões de saídas afetando completamente o micro geralmente fruto de falha em seus componentes (mosfets em geral), instabilidade

Leia mais

LIGANDO MICROS EM REDE

LIGANDO MICROS EM REDE LAÉRCIO VASCONCELOS MARCELO VASCONCELOS LIGANDO MICROS EM REDE Rio de Janeiro 2007 ÍNDICE Capítulo 1: Iniciando em redes Redes domésticas...3 Redes corporativas...5 Servidor...5 Cliente...6 Estação de

Leia mais

GUIA DE MELHORES PRATICAS NA AREA DE TI

GUIA DE MELHORES PRATICAS NA AREA DE TI GUIA DE MELHORES PRATICAS NA AREA DE TI Ambiente Windows Small Business Rev 10501 DATA : 5 / 07/ 2007 Pag : 1 de7 1) Servidores a) Hardware o Servidor Alocado em Rack Fechado em ambiente reservado e refrigerado

Leia mais

Processadores clock, bits, memória cachê e múltiplos núcleos

Processadores clock, bits, memória cachê e múltiplos núcleos Processadores clock, bits, memória cachê e múltiplos núcleos Introdução Os processadores (ou CPUs, de Central Processing Unit) são chips responsáveis pela execução de cálculos, decisões lógicas e instruções

Leia mais

Volume ACRONUS SOFTWARE GUIA DE UTILIZAÇÃO DO ACRONUS SYSTEM. Manual Técnico 4.28

Volume ACRONUS SOFTWARE GUIA DE UTILIZAÇÃO DO ACRONUS SYSTEM. Manual Técnico 4.28 Volume 1 ACRONUS SOFTWARE GUIA DE UTILIZAÇÃO DO ACRONUS SYSTEM Manual Técnico 4.28 P A C O T E I N S T I T U I Ç Õ E S D E E N S I N 0 - E M P R E S A S Manual Técnico 4.28 ACRONUS SOFTWARE 08.104.732/0001-33

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais

MONTAGEM E MANUTENÇÃO

MONTAGEM E MANUTENÇÃO MONTAGEM E MANUTENÇÃO 1 Introdução: Chamada para conferência. Apresentação do professor e da equipe de coordenação, explanação do funcionamento do curso incluindo carga horária e conteúdo seguindo o esclarecimento

Leia mais

RICS. Remote Integrated Control System Release 2.76. Apresentação do Produto

RICS. Remote Integrated Control System Release 2.76. Apresentação do Produto RICS Remote Integrated Control System Release 2.76 Apresentação do Produto Índice Informações Principais Instalação do RICS Configuração do RICS Introdução Capítulo I Requisitos dos Instrumentos Requisitos

Leia mais

I - A COMUNICAÇÃO (INTERFACE) COM O USUÁRIO:

I - A COMUNICAÇÃO (INTERFACE) COM O USUÁRIO: I - A COMUNICAÇÃO (INTERFACE) COM O USUÁRIO: Os dispositivos de comunicação com o usuário explicados a seguir servem para dar entrada nos dados, obter os resultados e interagir com os programas do computador.

Leia mais

Informática para Concursos 1 leitejuniorbr@yahoo.com.br

Informática para Concursos 1 leitejuniorbr@yahoo.com.br QUESTÕES TRE / TJ FCC 2007 CARGO: TÉCNICO JUDICIÁRIO ÁREA QUESTÃO 11 -. Com relação a hardware, é correto afirmar que: (A) Computadores com placas-mãe alimentadas por fontes ATX suportam o uso do comando

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

Manual de primeiros socorros para computadores

Manual de primeiros socorros para computadores Manual de primeiros socorros para computadores Manual prático com procedimentos de manutenção, configuração e dicas de emergência para computadores de mesa. Por : www.confrariadigital.com Distribuição

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES TEXTOS DE REFORÇO Michel da Rocha Fragoso 2010 2 Saudações Olá, meus caros alunos. Esta é uma série de textos de reforço de minha autoria sobre o nosso próximo módulo a ser estudado

Leia mais

QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EM HARDWARE

QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EM HARDWARE OPORTUNIDADE Estamos diante de um fato: o computador está presente em estabelecimentos dos mais diversos ramos e em muitos lares brasileiros. Sem dúvida este dado revela uma grande oportunidade no mercado

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

GUIA DE AUXÍLIO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE DE DADOS DO IAU GUIA DE AUXÍLIO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE DE DADOS DO INSTITUTO DE ARQUITETURA E URBANISMO (IAU)

GUIA DE AUXÍLIO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE DE DADOS DO IAU GUIA DE AUXÍLIO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE DE DADOS DO INSTITUTO DE ARQUITETURA E URBANISMO (IAU) GUIA DE AUXÍLIO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE DE DADOS DO INSTITUTO DE ARQUITETURA E URBANISMO (IAU) O presente guia tem como objetivo auxiliar os usuários da rede de dados do Instituto de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Este documento consiste em 48 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Janeiro de 2010.

Este documento consiste em 48 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Janeiro de 2010. Manual de Configuração Este documento consiste em 48 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Janeiro de 2010. Impresso no Brasil. Sujeito a alterações técnicas. A reprodução

Leia mais

Manual de backup de dados

Manual de backup de dados Manual de backup Manual de backup de dados Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1 Objetivo... 2 2. MÍDIAS APROPRIADAS PARA GRAVAÇÃO DE DADOS... 2 2.1 Pen Drive... 2 2.2 HD Externo... 3 3. PROCEDIMENTO... 4 3.1

Leia mais

MEMÓRIA. MEMÓRIA RAM (Randon acess memory) Memória de acesso aleatório

MEMÓRIA. MEMÓRIA RAM (Randon acess memory) Memória de acesso aleatório O papel do processador é apenas um, pegar os dados e processa-los não importando de onde vem ou para onde vão estes dados. Como os processadores não possuem uma área de armazenamento grande, ele buscas

Leia mais

1. EZ300 GENESIS II - 1 -

1. EZ300 GENESIS II - 1 - EZ300 GENESIS II 1. EZ300 GENESIS II O EZ300 GENESIS II é uma solução competitiva para acesso a serviços de terminal Windows, Linux e a emuladores terminais diversos. Possui um desenho arrojado e formato

Leia mais

MANUAL MEEBOOK WIRELESS Android acima da Versão 4

MANUAL MEEBOOK WIRELESS Android acima da Versão 4 MANUAL MEEBOOK WIRELESS Android acima da Versão 4 Estes equipamentos operam em caráter secundário, isto é, não tem direito a proteção contra Interferência prejudicial, mesmo de estações do mesmo tipo,

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Microsoft Windows XP William S. Rodrigues APRESENTAÇÃO WINDOWS XP PROFISSIONAL O Windows XP, desenvolvido pela Microsoft, é o Sistema Operacional mais conhecido e utilizado

Leia mais

Informática. Rodrigo Schaeffer

Informática. Rodrigo Schaeffer Informática Rodrigo Schaeffer PREFEITURA DE PORTO ALEGRE- INFORMÁTICA Conceitos básicos de Word 2007; formatar, salvar e visualizar arquivos e documentos; alinhar, configurar página e abrir arquivos; copiar,

Leia mais

SIAFRO Módulo de Devolução 1.0

SIAFRO Módulo de Devolução 1.0 Conteúdo do Manual. Introdução. Capítulo Requisitos. Capítulo Instalação 4. Capítulo Configuração 5. Capítulo 4 Cadastro de Devolução 6. Capítulo 5 Relatório 7. Capítulo 6 Backup 8. Capítulo 7 Atualização

Leia mais

Tecnologia e Informática

Tecnologia e Informática Tecnologia e Informática Centro Para Juventude - 2014 Capitulo 1 O que define um computador? O computador será sempre definido pelo modelo de sua CPU, sendo que cada CPU terá um desempenho diferente. Para

Leia mais