Avaliação: por que? Técnicas de Avaliação. Avaliação: Estudos em Laboratório. Objetivos da Avaliação. Avaliação Outros Grupos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação: por que? Técnicas de Avaliação. Avaliação: Estudos em Laboratório. Objetivos da Avaliação. Avaliação Outros Grupos"

Transcrição

1 intemidia.usp.b Avaliação: po que? intemidia.usp.b Técnicas de Avaliação Avalia adequação de designs Testa a usabilidade e a funcionalidade do sistema Requisitos dos usuáios estão efetivamente sendo atendidos? Sistema compota-se como espeado? Usuáio fica satisfeito e consegue ealiza suas taefas? Pode ocoe Em laboatóio In loco, i.e., no local de uso Pode ou não envolve usuáios finais Objetivos da Avaliação intemidia.usp.b Avaliação Gupos de Métodos intemidia.usp.b Analisa a cobetua da funcionalidade do sistema Apopiada? Supota as taefas necessáias? Atende às expectativas? Pemite bom desempenho? Inspeção de usabilidade (pedictive evaluation) Sem envolve usuáios e aplicável a qualque fase do desenvolvimento de um sistema (implementado ou não) Analisa o efeito da inteface sobe o usuáio Usabilidade? Agada? Fácil de usa? Identifica possíveis poblemas específicos do sistema Resultados inespeados? Confusão? Métodos de avaliação centados no usuáio Métodos expeimentais ou empíicos Métodos obsevacionais Métodos consultivos Avaliação não deve se uma fase única no final do pocesso de design Método de avaliação deve se cuidadosamente escolhido Avaliação Outos Gupos intemidia.usp.b Avaliação: Estudos em Laboatóio intemidia.usp.b Expeimentos Contolados Expeimentos contolados cuidadosamente planejados e executados em laboatóio Tatamento estatístico paa pepaa expeimento Hipótese a se testada Vaiáveis de inteesse contoladas Laboatóios pojetados, igo na obsevação e monitoamento do uso do sistema Tatamento estatístico paa valida os esultados Métodos Intepetativos Como o usuáio utiliza o sistema em seu ambiente de tabalho, e como esse uso se intega com outas atividades Avaliação paticipativa, avaliação etnogáfica Registo em vídeo/áudio paa apoia a análise Com os designes, sem usuáios Com usuáios () Facilidades de egisto audio-visual Espelhos de duas faces Computadoes instumentados 1

2 Avaliação: Estudos em Laboatóio intemidia.usp.b Avaliação: in Loco intemidia.usp.b Situação atificial: sem inteupção, sem contexto, sem convesas Inteessante quando: Situação de uso eal é peigosa ou emota Deseja-se avalia taefas estitas Deseja-se delibeadamente manipula o contexto Paa compaa designs altenativos em um contexto contolado Detecta poblemas/ estuda aspectos específicos Obseva pocedimentos pouco usados Designe/avaliado vai ao ambiente de tabalho do usuáio paa obsevá-lo em ação com o sistema Situação de uso eal, quase natual poém Inteupções, uído, influência da pesença do obsevado, humano ou não Cetas taefas são difíceis de obseva em laboatóio ou em loco Ex. as muito longas, que consomem dias ou meses Custo é um aspecto elevante Tia usuáio do tabalho vs. monta uma infa-estua de obsevação no local (e talvez atapalha ) Métodos Intepetativos intemidia.usp.b Métodos Intepetativos intemidia.usp.b Expeimental: Fomal e objetiva Intepetativa: subjetiva Peocupada com usuáios Abodagem sociológica e antopológica Envolve dietamente os usuáios Questiona/obseva usuáios (fomal ou infomalmente) Cítica as limitações de testa hipóteses científicas em um ambiente fechado Lab não é o mundo eal Não pode contola todas as vaiáveis Contexto é negligenciado Taefas testadas são atificiais e cutas Avaliação do Design intemidia.usp.b intemidia.usp.b Pode ocoe mais cedo no pocesso Quanto antes detecta poblemas, melho Muitas técnicas que não envolvem necessaiamente usuáios Dependem do designe, de um especialista em fatoes humanos Objetivo: identifica se pincípios cognitivos ou esultados empíicos aceitos estão sendo violados Em geal, métodos analíticos Métodos de Inspeção Também podem se usados paa avalia implementação Inspeção de Usabilidade 2

3 Avaliação do Design: Inspeção de Usabilidade Avaliadoes inspecionam ou examinam aspectos elacionados à usabilidade da inteface Avaliadoes Especialistas em usabilidade, consultoes de desenvolvimento de softwae, usuáios finais, especialistas em um deteminado padão de inteface, Resultados dependem dos avaliadoes Sustentados pela confiança depositada em seus julgamentos Métodos vaiam Quanto à foma de efetua julgamentos Quanto aos citéios a seem adotados pelos julgadoes intemidia.usp.b Avaliação do Design: Inspeção de Usabilidade Métodos infomais de avaliação (empíicos) Usam a habilidade e a expeiência dos avaliadoes Estudos demonstam que são um bom complemento aos testes de usabilidade com usuáios Alguns métodos (não mutuamente exclusivos) Pecuso Cognitivo (Cognitive walkthough ) Avaliação heuística Revisão de Guidelines Inspeção de Consistência intemidia.usp.b Inspeção de Usabilidade: Objetivos Enconta poblemas de usabilidade no design de uma inteface Faze ecomendações no sentido de melhoa a usabilidade do design Usabilidade Facilidade de apendizado, eficiência de uso, quão agadável ao usuáio, feqüência de ocoência e seveidade de eos do usuáio Tabalho de inspeção: identifica, classifica e conta o númeo de poblemas de usabilidade intemidia.usp.b Inspeção de Usabilidade: Dificuldades O que é um poblema de usabilidade? Muitas vezes um único poblema se manifesta de váias fomas Um único elemento da inteface pode dificulta o apendizado, toná-lo lento, causa eos, ou simplesmente se feio/desagadável Difícil estabelece definições, mas Na maioia dos casos bom senso é suficiente Poblema de usabilidade Qualque aspecto do design onde uma mudança pode afeta uma ou mais medidas de usabilidade intemidia.usp.b Inspeção de Usabilidade Identifica os poblemas é apenas uma pate do pocesso A equipe deve faze um edesign da inteface Tenta coigi a maio quantidade possível de poblemas Tipicamente, os elatóios geados a pati da lista de poblemas contêm sugestões Muitos métodos sugeem euniões ente a equipe de avaliadoes e a equipe de desenvolvimento Discussão de soluções de edesign Custo associado ao edesign Poblemas devem se pioizados quanto a sua gavidade gaus de seveidade: gealmente deivados do impacto causado pelo poblema no usuáio e no mecado Compomisso: custo vs. seveidade intemidia.usp.b Inspeção de Usabilidade: Métodos Avaliação heuística Inspeção da inteface tendo como base uma pequena lista de heuísticas de usabilidade Pecuso Cognitivo (Cognitive walkthough ) Avaliado simula um usuáio típico pecoendo a inteface paa executa taefas típicas + Taefas feqüentes, cíticas, intemidia.usp.b 3

4 Inspeção de Usabilidade: Métodos Revisão de Guidelines Inteface é analisada paa veifica se está de acodo com uma lista de guidelines de usabilidade ~1.000 guidelines, exige expetise do eviso Inspeção de Consistência Avaliado veifica consistência dento de uma família de intefaces Teminologia, coes, layout, fomatos de entada e saída, mateial on line de teinamento e ajuda, intemidia.usp.b Inspeção de Usabilidade: Vantagens Métodos facilmente integáveis a pocessos convencionais de desenvolvimento de softwae Não exigem muita expeiência e longo teinamento paa que possam se utilizados Boa expeiência educacional paa designes novatos intemidia.usp.b intemidia.usp.b Avaliação Heuística intemidia.usp.b Inspeção de Usabilidade Avaliação Heuística Nielsen (www.usetit.com) Adequada tanto paa detecta poblemas gaves como poblemas menoes Adequada paa avalia o design (em estágios iniciais ou avançados) Pode se usada mesmo po quem não tem muita expeiência com avaliação Também pode se usada paa avalia implementações Pocedimento intemidia.usp.b 1. Obte entadas intemidia.usp.b 1. Obte entadas Time de avaliação (teinado no método) 2. Realiza avaliação independente Familiaiza com o domínio 3. Discussão/Coleta 4. Atibuição de taxa de seveidade Stoyboads/scenaios que mostam detalhes suficientes Heuísticas! 4

5 2. Realiza avaliação independente intemidia.usp.b O que é um bug de usabilidade? intemidia.usp.b Julga potótipo elativamente ao conjunto de heuísticas Quais heuísticas Nielsen: 10 heuísticas outas O que que que o avaliado julgue como tal! Duante a avaliação não se deve foca no fato do eo se elavante ou não. 3. Discussão/Coleta intemidia.usp.b Gaduação da seveidade intemidia.usp.b Oganiza todos os poblemas encontados Filta quais são os poblemas impotantes. Baseada na Fequência Impacto Pesistência Impacto no mecado Escala de 0 a 4 Custo benefício intemidia.usp.b Quantos avaliadoes? intemidia.usp.b Estudo de 1994 mosta economia de 48 vezes 5

6 Inspeção de Usabilidade Avaliação Heuística Jakob Nielsen 10 heuísticas de usabilidade intemidia.usp.b 1 Visibilidade do status do sistema O sistema deve sempe mante os usuáios infomados sobe o que está acontecendo, atavés de feedback apopiado dento de um tempo de esposta azoável 2 Casamento ente o sistema e o mundo eal O sistema deve fala a linguagem do usuáio, com palavas, fases e conceitos familiaes ao usuáio (em vez de temos do sistema). O pojeto deve segui convenções do mundo eal numa odem natual e lógica. 3 Contole e libedade do usuáio O sistema deve ofeece saídas claas paa situações nas quais usuáios se encontam po teem escolhido funções do sistema po: não deve se necessáio um diálogo extenso. O sistema deve supota undo e edo. 4 Consistência e padões O sistema deve apesenta infomações de modo consistente e padonizado (sejam os padões fomais ou não). Os usuáios não devem te que imagina que palavas ou situações ou ações difeentes significam, de fato, a mesma coisa. 5 Pevenção de eos Melho que boas mensagens de eo é pepaa um pojeto que impede os eos de acontece. intemidia.usp.b Reconhecimento em vez de lembança O sistema deve faze com que objetos, ações e opções estejam claamente visíveis. O usuáio não deve se obigado a lemba intemidia.usp.b infomações de uma pate do diálogo paa outa. Instuções paa uso do sistema devem esta visíveis ou facilmente acessíveis sempe que apopiado. Flexibilidade e eficiência de uso O sistema deve ofeece aceleladoes ao usuáio especialista, os quais são invisíveis aos novatos. O sistema deve pemiti que usuáios pogamem ações fequentes. Pojeto estético e minimalista Os diálogos usuáio-sistema não devem conte infomações que são ielevantes ou aamente utilizadas. Cada unidade de infomação no diálogo compete com as unidade que são de fato elevantes e, assim, diminuem a sua visibilidade elativa. Ajuda usuáios a econhece, diagnostica e se ecupea de eos Mensagens de eo deve se expessas em linguaem simples, sem códigos, indicando pecisamente o polblema e sugei uma solução de modo constutivo. Ajuda e documentação Apesa de se melho se o sistema pude se utilizado sem documentação alguma, há situações em que ajuda e documentação se fazem necessáios. Tal apoio deve se fácil de se encontado, esta focado na taefa do usuáio, lista passos concetos a se ealizados, e não seem gandes. Avaliação Heuística Nielsen, 1993: discount usability engineeing Métodos baatos, ápidos e fáceis de seem usados Avaliação heuística é o pincipal método Fácil: pode se ensinada em 4 hs. Rápida: maioia das avaliações eque ceca de um dia Baata: tanto quanto se deseje Pequeno conjunto de avaliadoes examina a inteface e julga suas caacteísticas em face de econhecidos pincípios de usabilidade (heuísticas) intemidia.usp.b Avaliação Heuística intemidia.usp.b Avaliação Heuística intemidia.usp.b Deve se feita po mais de uma pessoa Expeiência indica que difeentes pessoas encontam difeentes poblemas Resultados melhoam significativamente utilizando múltiplos avaliadoes Tês a cinco Em um pimeio momento: avaliações individuais Sessão de avaliação Cada avaliado pecoe a inteface pelo menos duas vezes inspecionando os difeentes componentes de diálogo Poblemas detectados são associados às heuísticas violadas Heuísticas Regas geais que objetivam desceve popiedades comuns de intefaces usáveis Poque múltiplos avaliadoes? Um avaliado não detecta todos os poblemas Bons avaliadoes acham poblemas simples e poblemas complexos 6

7 Avaliação Heuística intemidia.usp.b Avaliação Heuística intemidia.usp.b Sessões de avaliação individual Tipicamente 2 hs. Mais tempo paa intefaces gandes ou complexas (muitos componentes de diálogo) Melho dividi a avaliação em sessões cutas, cada qual avaliando um cenáio específico de inteação Além das heuísticas geais, pode-se também considea heuísticas específicas da categoia do poduto analisado Avaliado deve justifica o que considea um poblema com base nas heuísticas que considea violadas Deve se o mais específico possível Deve lista cada poblema sepaadamente Sessões de avaliação individual Avaliado pode se deixado po conta pópia Caso seja um peito no domínio do sistema, ou caso o sistema seja de domínio geal (voltado paa população em geal) caso contáio deve se auxiliado Acompanhamento po pessoa da equipe de desenvolvimento Pove cenáios típicos de uso Constuído com base na análise de taefas eais Listas de poblemas dos avaliadoes consolidadas em uma única Atibuição de gaus de seveidade aos poblemas Discussão com equipe de desenvolvimento A pati da lista de poblemas não é difícil gea um design evisado Redesign baseado na dietizes fonecidas pelos pincípios de usabilidade violados Avaliação Heuística intemidia.usp.b Avaliação Heuística intemidia.usp.b Exemplos de poblemas encontados com o uso: Rocha e Baanauskas, Design e Avaliação de Intefaces Humano Computado, Cap. 4 ts/p1/tavelite_he.htm (alunos aplicando ) (poblema eal) Ve também (HE step by step guide) Gaus de seveidade do poblema Combinação de tês fatoes Feqüência de ocoência (comum ou ao) Impacto do poblema (fácil ou difícil) Pesistência do poblema (espoádica ou epetidamente) Impacto do poblema no mecado (populaidade do poduto) Avaliação Heuística intemidia.usp.b intemidia.usp.b Gaus de Seveidade Não concodo que isso é um poblema de usabilidade Poblema cosmético coeção pode se feita se houve tempo Poblema meno coeção pode te baixa pioidade Poblema gave coeção deve te alta pioidade Catástofe de usabilidade coeção é impeativa Valoes atibuídos depois da consolidação dos poblemas em uma lista única, pelo gupo de avaliadoes Coeênciana atibuição de valoes depende da expeiência dos avaliadoes Inspeção de Usabilidade Pecuso Cognitivo 7

8 Pecuso Cognitivo intemidia.usp.b Pecuso Cognitivo intemidia.usp.b Revisoes avaliam a inteface poposta no contexto da execução de uma ou mais taefas do usuáio Oigem: walkthough paa inspeção de código (Engenhaia de Softwae) Pecoe uma seqüência de código, passo a passo, detalhadamente, paa checa cetas caacteísticas Pecuso Cognitivo Passos a seem seguidos pelo usuáio paa executa uma ceta taefa Avaliadoes pecoem a seqüência de taefas e ações, passo a passo, paa detecta potenciais poblemas de usabilidade Método de Inspeção de Usabilidade Foco: avalia um design quanto à sua facilidade de apendizagem, paticulamente apendizagem po exploação Avaliadoes veificam se cada passo é ou não adequado a um usuáio novato O usuáio seia bem sucedido ao tenta executá-lo? Pocesso de pecuso dividido em duas fases básicas Fase pepaatóia Fase de análise Paa ealiza um pecuso cognitivo intemidia.usp.b Paa ealiza um pecuso cognitivo intemidia.usp.b É necessáio (fase pepaatóia): Uma descição do potótipo do sistema Pode se incompleta, mas azoavelmente detalhada Detalhes como posicionamento e temos usados no menu podem faze enome difeença Uma descição da taefa do usuáio Deve se uma taefa epesentativa Uma lista completa das ações Necessáias paa completa a taefa com o potótipo dado Uma descição dos usuáios Quem são e que tipo de expeiência e conhecimento os avaliadoes podem assumi que eles têm Fase de análise Conta uma estóia veossímil sobe como o usuáio iia inteagi Paa cada ação, em cada uma das taefas, os analistas espondem quato questões: Os usuáios Faão a ação coeta paa atingi o esultado desejado? Pecebeão que a ação coeta está disponível? Ião associa a ação coeta ao efeito desejado? Se a ação coeta fo executada, pecebeão um pogesso em elação à taefa? Estóia veossímel de sucesso Estóia veossímel de facasso Se a esposta a alguma das questões acima é negativa Pecuso Cognitivo intemidia.usp.b Pecuso Cognitivo intemidia.usp.b Pode se efetuado sobe uma especificação da inteface Em papel Potótipo não funcional Potótipo funcional Pode se individual ou em gupo Gupo pode envolve Outos designes, engenheios de softwae, epesentantes de outas unidades oganizacionais (publicidade, teinamento, documentação) Definindo as entadas Quem são os usuáios do sistema? Qual sua expeiência e conhecimento técnico? Ex. Usuáios de Linux, pessoas que tabalham com o MS Wod Quais taefas seão analisadas? Todas as que o sistema supota ou as mais elevantes ou as mais poblemáticas Coleção de taefas deve se epesentativa Qual a seqüência de ações coeta paa cada taefa? Desceve Ganulaidade da descição depende da expetise do usuáio alvo Qual a inteface? Como cada taefa/ação é pompted pelo sistema? Potótipo em papel ou implementação 8

9 Pecuso Cognitivo intemidia.usp.b Pecuso Cognitivo intemidia.usp.b Pecoendo as taefas/ações, espondendo às 4 peguntas Usuáios faão a ação coeta paa atingi o esultado desejado? Usuáio vai sabe como inicia a taefa? Ex. Sabe o que pecisa se feito paa começa a taefa? Usuáios pecebeão que a ação coeta está disponível? Ex. Opção paa dispaa a taefa é claamente indicada no menu? Usuáios ião associa a ação coeta ao efeito desejado? Ex. Associa um ícone com o que deseja faze? Se a ação coeta fo executada, pecebeão um pogesso em elação à taefa? Há feedback do que ocoeu? Questões sevem de guia paa constui as estóias Exemplos de estóias: DFAB, ; Rocha e Baanauskas, Cap. 4 Impotante egista a infomação geada duante o pecuso Anotações, vídeo Resultados do pecuso podem se usados paa coigi poblemas Pecuso Cognitivo intemidia.usp.b intemidia.usp.b Limitações Enfoque em um único atibuto de usabilidade Não deve se usado como único método de avaliação Vantagens Detecta conflitos ente designe e usuáio quanto à concepção das taefas Detecta escolhas uins/inconsistentes de nomes, ótulos, teminologia Detecta espostas inadequadas à ações Teste de Usabilidade intemidia.usp.b intemidia.usp.b Teste com usuáio é fundamental! Restições de tempo e ecusos... mas pode eduzi tempo e custos! Laboatóios de Usabilidade: Equipe de especialistas em teste e design de intefaces, equipamento paa monitoação Usability Laboatoies: A 1994 Suvey Micosoft Sun Empesa que vende equipamentos paa labs. de usabilidade Não necessaiamente eque um laboatóio especializado, entetanto Testes devem se cuidadosamente planejados e pepaados Qual o objetivo do teste? Melhoa um design em desenvolvimento, ou Avalia a qualidade global de uma inteface em fase final de definição 9

10 intemidia.usp.b intemidia.usp.b Plano detalhado de teste O que se deseja obte? Quando e aonde vai acontece? Qual a duação pevista de cada sessão? Qual o supote computacional e softwae necessáios? Qual o estado do sistema no início do teste? Quem seão os expeimentadoes? Quem seão os usuáios, quantos, como consegui-los? Que taefas seão solicitadas aos usuáios? Qual citéio seá utilizado paa decidi que os usuáios teminaam cada taefa coetamente? Quanto o expeimentado podeá ajuda cada usuáio? Quais dados seão coletados, como seão analisados? Qual o citéio paa detemina que a inteface é um sucesso? Poblemas: confiabilidade e validade Confiabilidade: gau de ceteza de que o mesmo esultado seá obtido se o teste fo epetido Validade: esultados do teste efletem os aspectos de inteface que se deseja testa Resultados obtidos têm significado foa do laboatóio? Cuidados: difeenças individuais ente usuáios, escolha de usuáios, escolha de taefas, difeença ente equipamentos Validade eque planejamento cuidadoso e tatamento estatístico adequado dos dados coletados intemidia.usp.b intemidia.usp.b Escolha de usuáios Repesentativos de usuáios eais do sistema Idade, nível educacional, Expeiência pévia com uso de computadoes, conhecimento do domínio,... Ideal: usuáios eais!! Nem sempe é possível... Expeimentadoes Pepaação: conhecimento sobe a aplicação, sobe a inteface Pode até se os pópios pojetistas, mas isso eque um ceto cuidado... Taefas Repesentativas do uso da inteface Da boa cobetua aos componentes mais significativos Pode se completadas no tempo azoável paa uma sessão de teste (1 a 3 hoas) Gau de dificuldade gadativa Planejadas paa que possam se inteompidas a qualque tempo Descição de cada taefa s se efetuada deve se fonecida po escito Realista e inseida em um cenáio de uso Teste piloto 1 a 3 usuáios Paa efina os pocedimentos definidos Dados obtidos são descatados paa efeito de análise Etapas de um Teste intemidia.usp.b Etapas de um Teste intemidia.usp.b Pepaação O local, os equipamentos... Intodução Explica aos usuáios, colocá-los a vontade, esclaece objetivos Teste Evita intefei, evita ajuda Sessão Final Ouvi usuáios O que os usuáios devem sabe Popósito do teste é avalia o sistema, não o usuáio Podem expessa suas opiniões livemente Resultados do teste sevião paa melhoa a inteface O sistema é confidencial Paticipação no teste é voluntáia, e pode se inteompida po ele Resultados do teste não são públicos, anonimato dos paticipantes é gaantido Caso estejam sendo feitas gavações em vídeo/áudio, explica Explica que pode pegunta, mas nem sempe o expeimentado pode esponde Instuções específicas sobe o teste 10

11 intemidia.usp.b intemidia.usp.b Gavações em vídeo podem se um ecuso valioso paa avaliação posteio Ideal é não identifica as pessoas Entetanto, a análise é difícil Impotante complementa egisto com anotações, log files... Potocolo Think-aloud Atmosfea infomal e agadável Medidas quantitativas de desempenho Impotantes Paa avalia se objetivos de usabilidade foam atendidos Cetos objetivos podem se avaliados po medidas quantificáveis Paa compaa podutos competitivos Paa pesquisas em fatoes humanos Ex. Eficiência de uso (uma guideline de usabilidade) Medi tempos paa executa taefas... Medidas Típicas Quantificáveis intemidia.usp.b intemidia.usp.b Tempo que o usuáio gasta paa executa uma taefa Númeo de taefas completadas em um intevalo de tempo Razão ente inteações de sucesso e de eo Númeo de eos do usuáio Númeo de ações eôneas imediatamente subsequentes Númeo de comandos distintos utilizados pelo usuáio Númeo de comandos nunca utilizados Feqüência de uso do help ou manuais, tempo de consulta Quantas vezes o manual esolveu o poblema do usuáio Popoção ente comentáios do usuáio favoáveis e cíticos Quantidade de tempo moto Númeo de vezes que o usuáio desviou do objetivo da taefa... Em geal, um único teste coleta um pequeno sub-conjunto de medidas Testes de campo Sistemas colocados em ambientes de uso eais Coleta de dados automática pelo sistema Obsevação síncona ou emota intemidia.usp.b : THINK ALOUD intemidia.usp.b THINK ALOUD Pensando em voz alta (THINK ALOUD) Usuáio vebaliza o que está pensando enquanto usa o sistema Expectativa é que os pensamentos mostem como o usuáio intepeta cada item da inteface Inadequada quando o objetivo é obte medidas de desempenho Usuáios tendem a fica mais lentos e comete mais eos Reque expeimentado bem-pepaado Estimula o usuáio a fala Não intefei no uso do sistema Vantagem: mosta o que o usuáio está fazendo e poque está fazendo, enquanto está fazendo Boa estatégia: usuáios tabalhando aos paes Outa altenativa: pedi que os usuáios comentem depois suas ações gavadas em vídeo 11

12 Ve tb intemidia.usp.b - Avaliação de Intefaces de Usuáio Conceitos e Métodos - Raquel Oliveia Pates, Simone Diniz Junqueia Babosa cao_inteface.pdf 12

Análise de Correlação e medidas de associação

Análise de Correlação e medidas de associação Análise de Coelação e medidas de associação Pof. Paulo Ricado B. Guimaães 1. Intodução Muitas vezes pecisamos avalia o gau de elacionamento ente duas ou mais vaiáveis. É possível descobi com pecisão, o

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: MF 1000 FRANQUIA DE COSMÉTICOS LTDA Nome Fantasia: VITA DERM DAY CLINIC Data de fundação: 12/03/1984

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Escola Secundáia com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Medi - é compaa uma gandeza com outa da mesma espécie, que se toma paa unidade. Medição de uma gandeza

Leia mais

EM423A Resistência dos Materiais

EM423A Resistência dos Materiais UNICAMP Univesidade Estadual de Campinas EM43A esistência dos Mateiais Pojeto Tação-Defomação via Medidas de esistência Pofesso: obeto de Toledo Assumpção Alunos: Daniel obson Pinto A: 070545 Gustavo de

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 1 COMPLETE AS FASES USANDO AS PALAVAS DO QUADO: CUIDADOS INTENET CONTAS DIGITA TAEFAS COMPUTADO A COM O COMPUTADO É POSSÍVEL DE TEXTO B O COMPUTADO FACILITA AS tarefas digitar VÁIOS

Leia mais

Bem-vindo à Wizards Play Network! Esse documento explica os aspectos básicos de hospedar uma Liga para começar a organizar torneios na sua loja.

Bem-vindo à Wizards Play Network! Esse documento explica os aspectos básicos de hospedar uma Liga para começar a organizar torneios na sua loja. Bem-vindo à Wizads Play Netwok! Esse documento explica os aspectos básicos de hospeda uma Liga paa começa a oganiza toneios na sua loja. Paa mais infomações sobe como oganiza um toneio, veja também o Guia

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Pé Vemelho Ensino Pofissionalizante SS LTDA Nome Fantasia: BIT Company Data de fundação: 23/05/2009

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Infotec Cusos Pofissionalizantes Ltda. Nome Fantasia: CEBRAC Cento Basileio de Cusos Data de fundação:

Leia mais

1 - Nome do projeto ou do programa de responsabilidade social: Programa SOS na Escola

1 - Nome do projeto ou do programa de responsabilidade social: Programa SOS na Escola PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Montese Educação pofissional Ltda. Nome Fantasia: SOS Educação Pofissional Data de fundação: 10/03/2010

Leia mais

Renato Frade Eliane Scheid Gazire

Renato Frade Eliane Scheid Gazire APÊNDICE A CADENO DE ATIVIDADES PONTIFÍCIA UNIVESIDADE CATÓLICA DE MINAS GEAIS Mestado em Ensino de Ciências e Matemática COMPOSIÇÃO E/OU DECOMPOSIÇÃO DE FIGUAS PLANAS NO ENSINO MÉDIO: VAN HIELE, UMA OPÇÃO

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Depyl Action Depilações Ltda-ME Nome Fantasia: Depyl Action - Especializada em Depilação Data

Leia mais

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep.

Ivan Correr (UNIMEP) ivcorrer@unimep.br. Ronaldo de Oliveira Martins (UNIMEP) romartin@unimep.br. Milton Vieira Junior (UNIMEP) mvieira@unimep. X SMPEP Bauu, SP, Basil, 7 a 9 de ovembo de 2005 Avaliação do índice de utilização de máquinas feamentas CC em uma empesa de usinagem, po meio da análise da técnica de pé ajustagem de feamentas. - van

Leia mais

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO NÁLIE D IBILIDDE D REDE DE TRNPORTE E DITRIBUIÇÃO. Maciel Babosa Janeio 03 nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição. Maciel Babosa nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição ÍNDICE

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE ROTAS PARA EMPRESAS DE ENTREGA EXPRESSA

DETERMINAÇÃO DE ROTAS PARA EMPRESAS DE ENTREGA EXPRESSA DETERMINAÇÃO DE ROTAS PARA EMPRESAS DE ENTREGA EXPRESSA Femin A. Tang Montané Pogama de Engenhaia de Sistemas, COPPE/UFRJ Vigílio José Matins Feeia Filho Depatamento de Engenhaia Industial/ UFRJ/ Escola

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Cultua Anglo Ameicana de Petolina LTDA Nome Fantasia: Yázigi Petolina Data de fundação 03 de janeio

Leia mais

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009 Temodinâmica - FMT 59 Notuno segundo semeste de 2009 Execícios em classe: máquinas témicas 30/0/2009 Há divesos tipos de motoes témicos que funcionam tanfeindo calo ente esevatóios témicos e ealizando

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Spoleto Fanchising LTDA. Nome Fantasia: Spoleto. Data de fundação: 07 de feveeio de 1999. Númeo

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 5 Pof. D. Maco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo paa Aula 5 Poduto Vetoial - Intepetação do poduto vetoial Compaação com as funções

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice:

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice: ANEXO 4 ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO DO CÁLCULO DO CUSTO DO CAPITAL Roteio de Veificação do Cálculo do Custo do Capital Índice: Índice: Conceitos Veificações 1 VISÃO GERAL... 3 1.1 O QUE É CUSTO DE CAPITAL...

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Soidents Fanchising Ltda Nome Fantasia: Soidents Clínicas Odontológicas Data de fundação: 20

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Aprovado pela Assembleia Geral de Associados realizada em.

REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Aprovado pela Assembleia Geral de Associados realizada em. REGIMENTO INTERNO DO FUNDO PATRIMONIAL DE APOIO AO JORNALISMO INVESTIGATIVO (F/ABRAJI) Apovado pela Assembleia Geal de Associados ealizada em. Capítulo I Disposições Peliminaes At. 1º O pesente egimento

Leia mais

GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FUNCEF/ DIATI / GETIF Enconto da Qualidade e Podutividade em Softwae EQPS Belo Hoizonte - 2008 Basília, 25 de Setembo de 2008 Agenda Sobe a FUNCEF Beve históico Objetivo

Leia mais

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2016 IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CENTRO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL CREDENCIADO PELO COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES (CBC) EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO

Leia mais

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng.

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng. UNIVERSIDDE FEDERL DO PRÁ MESTRDO EM ENGENHRI MECÂNIC GRUPO DE VIRÇÕES E CÚSTIC nálise Modal Expeimental Pofesso: Newton Sue Soeio, D. Eng. elém Paá Outubo/00 Gupo de Vibações e cústica UFP nálise Modal

Leia mais

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista.

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Cao cusista, Todas as dúvidas deste cuso podem se esclaecidas atavés do nosso plantão de atendimento ao cusista. Plantão de Atendimento Hoáio: quatas e quintas-feias das 14:00 às 15:30 MSN: lizado@if.uff.b

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO PARA MONITORAMENTO EM LINHA E CONTROLE DE REATORES DE POLIMERIZAÇÃO Macelo Esposito, Calos A. Claumann, Ricado A. F. Machado, Claudia Saye, Pedo H. H. Aaújo* Univesidade Fedeal

Leia mais

Simulador de Transmissões Digitais

Simulador de Transmissões Digitais Simulado de Tansmissões Digitais Fancisco A. Taveia Banco. Monteio, Fancisco A. B. Cecas IST - Depatamento de Engenhaia Electotécnica e de Computadoes Instituto de Telecomunicações, IST - Toe ote -9, Av.

Leia mais

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST 58-2BR Comando linea modelos, -B e I Gaiola de esfeas Esfea Eixo Castanha Vedação Fig.1 Estutua do comando linea modelo Estutua e caacteísticas O modelo possui uma gaiola de esfeas e esfeas incopoadas

Leia mais

Avaliação de Interfaces

Avaliação de Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Avaliação de Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces: Ambiente Web

Leia mais

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTIO EPESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS José obeto Secuato ESUMO O atigo tata da possibilidade de obtemos um título sintético que seja uma mímica em temos de isco e etono de

Leia mais

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ LISA de GRAVIAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ 1. (Ufgs 01) Em 6 de agosto de 01, o jipe Cuiosity" pousou em ate. Em um dos mais espetaculaes empeendimentos da ea espacial, o veículo foi colocado na supefície do planeta

Leia mais

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2015

EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL PARA O ANO DE 2015 SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CENTRO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA GERAL CREDENCIADO PELO COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES (CBC) EDITAL E NORMAS PARA O CONCURSO DE TREINAMENTO EM CIRURGIA

Leia mais

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET ELETRÔNICA II Engenaia Elética Campus Pelotas Revisão Modelo CA dos tansistoes BJT e MOSFET Pof. Mácio Bende Macado, Adaptado do mateial desenvolvido pelos pofessoes Eduado Costa da Motta e Andeson da

Leia mais

Excipientes: benzoato de sódio, ácido benzóico, propilenoglicol, álcool absoluto, álcool benzílico e água bidestilada.

Excipientes: benzoato de sódio, ácido benzóico, propilenoglicol, álcool absoluto, álcool benzílico e água bidestilada. ANSIOLÍTICO E MIORRELAXANTE IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome do poduto: Valium / Valium injetável Nome genéico: diazepam Foma famacêutica e apesentação Caixas com 20 e 30 compimidos de 5 e 10 mg Solução injetável

Leia mais

Recomenda-se a leitura atenta de todo o Edital antes de realizar a inscrição.

Recomenda-se a leitura atenta de todo o Edital antes de realizar a inscrição. EDITAL PARA O PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA RESIDÊNCIA MÉDICA - ANO 2016 Recomenda-se a leitua atenta

Leia mais

João Eduardo de Souza Grossi

João Eduardo de Souza Grossi UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA MESTRADO PROFISSIONALIZANTE, MODELAGEM MATEMÁTICA EM FINANÇAS MODELO DISCRETO DE APREÇAMENTO

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Fornecedor

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Fornecedor PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fonecedo Dados da Empesa Razão Social: Visa do Basil Empeendimentos Ltda. Nome Fantasia: Visa Data de Fundação: 08 de junho de 1987 Númeo

Leia mais

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL SEUNDA LEI DE NEWON PARA FORÇA RAVIACIONAL, PESO E NORMAL Um copo de ssa m em queda live na ea está submetido a u aceleação de módulo g. Se despezamos os efeitos do a, a única foça que age sobe o copo

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: Spoleto Fanchising LTDA. Nome Fantasia: Spoleto Data de fundação: 07 de feveeio de 1999 Númeo

Leia mais

Transformador de Corrente com Núcleo Toroidal de Liga Nanocristalina

Transformador de Corrente com Núcleo Toroidal de Liga Nanocristalina 1 Tansfomado de Coente com Núcleo Tooidal de Liga Nanocistalina Benedito A. Luciano, Membe, EEE, Raimundo C. S. Feie, José Gutembegue A. Lia, Glauco Fontgalland, Membe, EEE, e Walman B. de Casto. Abstact-

Leia mais

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA ELETOMAGNETMO 75 9 CAMPO MAGNETOTÁTCO PODUZDO PO COENTE ELÉTCA Nos capítulos anteioes estudamos divesos fenômenos envolvendo cagas eléticas, (foças de oigem eletostática, campo elético, potencial escala

Leia mais

2.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD. 2.6.1 Introdução

2.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD. 2.6.1 Introdução Capítulo Técnicas de Caacteização Estutual: RS.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD.6. Intodução De modo a complementa a análise estutual das váias amostas poduzidas paa este tabalho, foi utilizada a técnica

Leia mais

2. Projetos de Investimento como Opções Reais

2. Projetos de Investimento como Opções Reais 8. Pojetos de nvestimento como Opções Reais Uma fima que possui uma opotunidade de investimento adquiiu algo semelhante a uma opção de compa financeia: ela possui o dieito, mas não necessaiamente a obigação

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

PATROCINADORES 2011. Federação das Indústrias do Estado do Amazonas - FIEAM. Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Amazonas SEBRAE/AM

PATROCINADORES 2011. Federação das Indústrias do Estado do Amazonas - FIEAM. Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Amazonas SEBRAE/AM PATOCINADOES 2011 EALIZAÇÃO: Federação das Indústrias do Estado do Amazonas - FIEAM Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Amazonas SEBAE/AM PATOCÍNIO: Confederação Nacional da Indústria CNI

Leia mais

Prova Teórica. Terça-feira, 5 de Julho de 2005

Prova Teórica. Terça-feira, 5 de Julho de 2005 36 a Olimpíada Intenacional de Física. Salamanca (Espanha) 5 Pova Teóica Teça-feia, 5 de Julho de 5 Po favo, le estas instuções antes de inicia a pova:. O tempo disponível paa a pova teóica é de 5 hoas..

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Manzaa e Manzaa Com. Sev. Ltda Nome Fantasia: Yázigi Loena Data de fundação: Abil/1983 Númeo de funcionáios:

Leia mais

PARTE IV COORDENADAS POLARES

PARTE IV COORDENADAS POLARES PARTE IV CRDENADAS PLARES Existem váios sistemas de coodenadas planas e espaciais que, dependendo da áea de aplicação, podem ajuda a simplifica e esolve impotantes poblemas geométicos ou físicos. Nesta

Leia mais

Exp. 10 - RESSONÂNCIA

Exp. 10 - RESSONÂNCIA apítulo Exp. 0 - RESSONÂNIA EÉTRIA. OBJETIVOS Estudo das oscilações eléticas foçadas em cicuitos essonantes em séie e em paalelo..2 PARTE TEÓRIA Muitos sistemas físicos estáticos e estáveis, quando momentaneamente

Leia mais

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material.

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material. Campo magnético Um ímã, com seus pólos note e sul, também pode poduzi movimentos em patículas, devido ao seu magnetismo. Contudo, essas patículas, paa sofeem esses deslocamentos, têm que te popiedades

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA O MONITORAMENTO E CONTROLE EM TEMPO REAL DE REDES DE ESCOAMENTO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA O MONITORAMENTO E CONTROLE EM TEMPO REAL DE REDES DE ESCOAMENTO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA O MONITORAMENTO E CONTROLE EM TEMPO REAL DE REDES DE ESCOAMENTO Calos de O. Galvão 11, Fancisco V. Basileio 1, Cledson Souto Santana 1, Éica Machado 1, Esthe V. Basileio 1, Buno

Leia mais

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA ESTRATÉGA DE CONTROLE PARA ACONAMENTO A VELOCDADE VARÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSCOS COM OPERAÇÃO OTMZADA Ronilson Rocha * Pedo F Donoso Gacia * Selênio Rocha Silva * Mácio Fonte Boa Cotez x UFMG -CPDEE *

Leia mais

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang LABORATÓRIO DE ÓPTICA E MECÂNICA EXPERIMENTAL Relatóio Inteno Método de Calibação de Câmaas Poposto po Zhang Maia Cândida F. S. P. Coelho João Manuel R. S. Tavaes Setembo de 23 Resumo O pesente elatóio

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo.

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. GEOMETRIA ESPACIAL ) Uma metalúgica ecebeu uma encomenda paa fabica, em gande quantidade, uma peça com o fomato de um pisma eto com base tiangula, cujas dimensões da base são 6cm, 8cm e 0cm e cuja altua

Leia mais

física eletrodinâmica GERADORES

física eletrodinâmica GERADORES eletodinâmica GDOS 01. (Santa Casa) O gáfico abaixo epesenta um geado. Qual o endimento desse geado quando a intensidade da coente que o pecoe é de 1? 40 U(V) i() 0 4 Do gáfico, temos que = 40V (pois quando

Leia mais

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL Aula 0 EORIA DA GRAVIAÇÃO UNIVERSAL MEA Mosta aos alunos a teoia da gavitação de Newton, peda de toque da Mecânica newtoniana, elemento fundamental da pimeia gande síntese da Física. OBJEIVOS Abi a pespectiva,

Leia mais

Dimensionamento de uma placa de orifício

Dimensionamento de uma placa de orifício Eata de atigo do engenheio Henique Bum da REBEQ 7-1 Po um eo de fechamento de mateial de ilustação, pate do atigo do Engenheio Químico Henique Bum, publicado na seção EQ na Palma da Mão, na edição 7-1

Leia mais

2. A INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DE ESTRUTURAS. 2.1 Aplicação da Análise Experimental de Estruturas

2. A INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DE ESTRUTURAS. 2.1 Aplicação da Análise Experimental de Estruturas 3. A INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DE ESTRUTURAS.1 Aplicação da Análise Expeimental de Estutuas A qualidade de um sistema estutual é caacteizada po um deteminado conjunto de seus atibutos chamados de vaiáveis

Leia mais

Introdução. Base de Dados: Linha de Calibração Observatório Nacional Agulhas Negras

Introdução. Base de Dados: Linha de Calibração Observatório Nacional Agulhas Negras A impotância da eestutuação da Linha de Calibação Obsevatóio Nacional Agulhas Negas paa atende as caacteísticas dos gavímetos Scintex CG5. Fancisma Rimoli Bequó, IFF, Itapeuna, Basil*. Iis Peeia Escoba,

Leia mais

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético Pof. Alexande A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Cuitiba EMENTA Caga Elética Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitância Coente e esistência Cicuitos Eléticos em

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2013) No dia 5 de junho de 2012, pôde-se obseva, de deteminadas egiões da Tea, o fenômeno celeste chamado tânsito de Vênus, cuja póxima ocoência se daá em 2117. Tal fenômeno só é possível poque

Leia mais

Fundação Getulio Vargas Escola de Pós-Graduação em Economia Mestrado em Finanças e Economia Empresarial

Fundação Getulio Vargas Escola de Pós-Graduação em Economia Mestrado em Finanças e Economia Empresarial Fundação Getulio Vagas Escola de Pós-Gaduação em Economia Mestado em Finanças e Economia Empesaial UTILIZAÇÃO DO MODELO DE BLACK-LITTERMAN PARA GESTÃO DE HEDGE FUNDS DO BRASIL Ricado Lafayette Stockle

Leia mais

Movimentos: Variações e Conservações

Movimentos: Variações e Conservações Movimentos: Vaiações e Consevações Volume único Calos Magno S. da Conceição Licinio Potugal Lizado H. C. M. Nunes Raphael N. Púbio Maia Apoio: Fundação Ceciej / Extensão Rua Visconde de Niteói, 1364 Mangueia

Leia mais

Ensaio não destrutivo. Cargas dinâmicas. Procedimento.

Ensaio não destrutivo. Cargas dinâmicas. Procedimento. 2006 ABNT Associação Basileia de Nomas Técnicas Ensaios não destutivos Povas de cagas dinâmicas em gandes estutuas - Pocedimento Sede: Rio de Janeio Av. Teze de Maio, 13 28º anda CEP 20003-900 Caixa Postal

Leia mais

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da algeba geomética) 008 DEEC IST Pof. Calos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da álgeba geomética) 1 De Keple a Newton Vamos aqui mosta como, a pati das tês leis de Keple sobe

Leia mais

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites OK Necessito de ee esta página... Necessito de apoio paa compeende esta página... Moimentos de satélites geoestacionáios: caacteísticas e aplicações destes satélites Um dos tipos de moimento mais impotantes

Leia mais

Simulador Computacional para Poços de Petróleo com Método de Elevação Artificial por Bombeio Mecânico

Simulador Computacional para Poços de Petróleo com Método de Elevação Artificial por Bombeio Mecânico Univesidade Fedeal do Rio Gande do Note Cento de Tecnologia Pogama de Pós-Gaduação em Engenhaia Elética Simulado Computacional paa Poços de Petóleo com Método de Elevação Atificial po Bombeio Mecânico

Leia mais

EDITAL PARA O PROGRAMA DE RESIDENCIA MÉDICA SANTA CASA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA RESIDÊNCIA MÉDICA ANO 2014

EDITAL PARA O PROGRAMA DE RESIDENCIA MÉDICA SANTA CASA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA RESIDÊNCIA MÉDICA ANO 2014 EDITAL PARA O PROGRAMA DE RESIDENCIA MÉDICA SANTA CASA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA RESIDÊNCIA MÉDICA ANO 2014 Recomenda-se a leitua atenta de todo o Edital antes de ealiza

Leia mais

Índice de Sharpe e outros Indicadores de Performance Aplicados a Fundos de Ações Brasileiros

Índice de Sharpe e outros Indicadores de Performance Aplicados a Fundos de Ações Brasileiros Índice de Shape e outos Indicadoes de Pefomance Aplicados a Fundos de Ações Basileios Gyogy Vaga RESUMO Implementamos e aplicamos divesas medidas estatísticas de avaliação de pefomance aos dez maioes fundos

Leia mais

3 - DESCRIÇÃO DO ELEVADOR. Abaixo apresentamos o diagrama esquemático de um elevador (obtido no site da Atlas Schindler).

3 - DESCRIÇÃO DO ELEVADOR. Abaixo apresentamos o diagrama esquemático de um elevador (obtido no site da Atlas Schindler). 3 - DESCRIÇÃO DO EEVADOR Abaixo apesentamos o diagama esquemático de um elevado (obtido no site da Atlas Schindle). Figua 1: Diagama esquemático de um elevado e suas pates. No elevado alvo do pojeto, a

Leia mais

EDITAL PARA O PROGRAMA DE RESIDENCIA MÉDICA SANTA CASA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA RESIDÊNCIA MÉDICA ANO 2015

EDITAL PARA O PROGRAMA DE RESIDENCIA MÉDICA SANTA CASA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA RESIDÊNCIA MÉDICA ANO 2015 EDITAL PARA O PROGRAMA DE RESIDENCIA MÉDICA SANTA CASA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA RESIDÊNCIA MÉDICA ANO 2015 Recomenda-se a leitua atenta de todo o Edital antes de ealiza

Leia mais

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Pofa Stela Maia de Cavalho Fenandes 1 PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Dinâmica estudo dos movimentos juntamente com as causas que os oiginam. As teoias da dinâmica são desenvolvidas com base no conceito

Leia mais

2 Compressor Automotivo

2 Compressor Automotivo Compesso Automotivo Neste capítulo seá apesentado o desenvolvimento de um modelo de simulação de compessoes altenativos automotivos..1. Intodução O compesso é o componente mais impotante de um sistema

Leia mais

il:11..: I.1 :!:i': t':.: j : t. :.;:Ï

il:11..: I.1 :!:i': t':.: j : t. :.;:Ï ::=-::Í::Ì:::-.i;: il:11..: I.1 :!:i': t':.: j : t. :.;:Ï ìi NOTICIAS DO SETOR Um anô de ouo paa a constltção basileia.ô,: lïcnet {lnfomações da Constução) avaliou positivamènte o mêcado de Constução CivÍl

Leia mais

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas CCUEC Roberto Romani UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas Usabilidadena WEB Tópicos Principais O que é usabilidade? Por que usabilidade na Web 7 regras básicas de usabilidade na Web Inspeção de usabilidade

Leia mais

REDUÇÃO DE CROMO HEXAVALENTE UTILIZANDO-SE FILMES DE POLIANILINA. ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO DE POTENCIAL ELÉTRICO NO INTERIOR DO ELETRODO POROSO

REDUÇÃO DE CROMO HEXAVALENTE UTILIZANDO-SE FILMES DE POLIANILINA. ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO DE POTENCIAL ELÉTRICO NO INTERIOR DO ELETRODO POROSO REDUÇÃO DE CROMO HEXAVALENTE UTILIZANDO-SE FILMES DE POLIANILINA. ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO DE POTENCIAL ELÉTRICO NO INTERIOR DO ELETRODO POROSO L.A.M. Ruotolo 1 e J. C. Gubulin Depatamento de Engenhaia Química,

Leia mais

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2 3 75$%$/+(37(&,$/ (/(7567È7,& Ao final deste capítulo você deveá se capa de: ½ Obte a epessão paa o tabalho ealiado Calcula o tabalho que é ealiado ao se movimenta uma caga elética em um campo elético

Leia mais

e A Formação do Circuito Equivalente

e A Formação do Circuito Equivalente Cadeno de Estudos de MÁQUINAS ELÉCTRICAS nº 4 A Coe nte Eléctica de Magnetização e A Fomação do Cicuito Equivalente Manuel Vaz Guedes (Pof. Associado com Agegação) Núcleo de Estudos de Máquinas Elécticas

Leia mais

Capítulo III Lei de Gauss

Capítulo III Lei de Gauss ELECTROMAGNETISMO Cuso de Electotecnia e de Computadoes 1º Ano º Semeste 1-11 3.1 Fluxo eléctico e lei de Gauss Capítulo III Lei de Gauss A lei de Gauss aplicada ao campo eléctico, pemite-nos esolve de

Leia mais

Divulgação completa e detalhada de cookies técnicos

Divulgação completa e detalhada de cookies técnicos Divulgação completa e detalhada de cookies técnicos Website auditado: http://www.espig.pt/ Data da auditoia: 01 Aug 2015 Este documento é fonecido paa apoia a gestão de consentimento da "Meck Shap & Dohme

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Cusos e Empeendimentos VER Ltda Nome Fantasia: Micolins Unidade Nova Lima Data de fundação: 09/03/2007

Leia mais

Importância do setor florestal para a economia brasileira

Importância do setor florestal para a economia brasileira IMPORTÂNCIA DO SETOR FLORESTAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA NAISY SILVA SOARES; ELIANE PINHEIRO DE SOUSA; MÁRCIO LOPES DA SILVA; UFV VIÇOSA - MG - BRASIL pinheioeliane@hotmail.com APRESENTAÇÃO ORAL Evolução

Leia mais

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br F-38 - º Semeste de 013 Coodenado. José Antonio Rovesi IFGW-DEQ-Sala 16 ovesi@ifi.unicamp.b 1- Ementa: Caga Elética Lei de Coulomb Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitoes e Dieléticos Coente

Leia mais

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação:

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação: Capítulo Gavitação ecusos com copyight incluídos nesta apesentação: Intodução A lei da gavitação univesal é um exemplo de que as mesmas leis natuais se aplicam em qualque ponto do univeso. Fim da dicotomia

Leia mais

x p - O Valor do total das actividades consideradas, na região padrão p.

x p - O Valor do total das actividades consideradas, na região padrão p. Conceitos e Metodologias Medidas de Especialização Regional As medidas de análise egional, tadicionalmente utilizadas na análise dos tecidos podutivos egionais e em análises económicas sectoiais à escala

Leia mais

A Disposição a Pagar pelo Uso da Água na Bacia Hidrográfica do Rio Pardinho

A Disposição a Pagar pelo Uso da Água na Bacia Hidrográfica do Rio Pardinho A Disposição a Paga pelo Uso da Água na Bacia Hidogáfica do Rio Padinho Auto: Augusto Mussi Alvim (CPF: 564402430-04). Douto em Economia, Pofesso Adunto do Depatamento de Ciências Econômicas, PUCRS. Av.

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Aula de UNIDADE - MOVIMENTO VERTICAL NO VÁCUO 1) (UFJF-MG) Um astonauta está na supefície da Lua quando solta, simultaneamente, duas bolas maciças, uma de chumbo e outa de madeia, de uma altua de,0 m em

Leia mais

Aula ONDAS ELETROMAGNÉTICAS

Aula ONDAS ELETROMAGNÉTICAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS Aula 6 META Intoduzi aos alunos conceitos básicos das ondas eletomagnéticas: como elas são poduzidas, quais são suas caacteísticas físicas, e como desceve matematicamente sua popagação.

Leia mais

As grandezas vetoriais

As grandezas vetoriais As gandezas vetoiais No capítulo I, vimos o poquê da utilização de vetoes na caacteização de algumas gandezas físicas, difeenciando as gandezas escalaes das vetoiais. As gandezas escalaes são aquelas pefeitamente

Leia mais

Bragantia ISSN: 0006-8705 editor@iac.sp.gov.br Instituto Agronômico de Campinas Brasil

Bragantia ISSN: 0006-8705 editor@iac.sp.gov.br Instituto Agronômico de Campinas Brasil Baantia ISSN: 0006-8705 edito@iac.sp.ov. Instituto Aonômico de Campinas Basil SILVA, HEYDER DINIZ; FERREIRA, DANIEL FURTADO; PATTO PACHECO, CLESO ANTÔNIO Avaliação de quato altenativas de análise de expeimentos

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Polícia odoviáia edeal Pof. Diceu Peeia ísica 3.4. OÇAS EM TAJETÓIAS CUILÍNEAS Se lançamos um copo hoizontalmente, póximo a supefície da Tea, com uma velocidade inicial de gande intensidade, da odem de

Leia mais

EDITAL PARA O PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA SANTA CASA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA RESIDÊNCIA MÉDICA ANO 2015

EDITAL PARA O PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA SANTA CASA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA RESIDÊNCIA MÉDICA ANO 2015 EDITAL PARA O PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA SANTA CASA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA RESIDÊNCIA MÉDICA ANO 2015 Recomenda-se a leitua atenta de todo o Edital antes de ealiza

Leia mais

UMA ANÁLISE EM JOGOS PARA O RISCO OPERACIONAL EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

UMA ANÁLISE EM JOGOS PARA O RISCO OPERACIONAL EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS UMA ANÁLISE EM JOGOS PARA O RISCO OPERACIONAL EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Helde Mendonça heldefm@hotmailcom Pogama de pós-gaduação em Economia /UFF Renata R Del-Vecchio enata@vmuffb Pogama de pós-gaduação

Leia mais

PR I. Teoria das Linhas de Transmissão. Carlos Alberto Barreiro Mendes Henrique José da Silva

PR I. Teoria das Linhas de Transmissão. Carlos Alberto Barreiro Mendes Henrique José da Silva PR I II Teoia das Linhas de Tansmissão Calos Albeto Baeio Mendes Henique José da Silva 5 Linhas de Tansmissão 1 LINHAS DE TRANSMISSÃO 1.1 Paâmetos distibuídos Um cabo coaxial ou uma linha bifila (mostados

Leia mais

Structural changes in employment in the economy: 1996 and 2002 compared

Structural changes in employment in the economy: 1996 and 2002 compared MPRA Munich Pesonal RePEc Achive Stuctual changes in employment in the economy: 1996 and 22 compaed Ichihaa, Silvio Massau; Guilhoto, Joaquim J.M. and Amoim, Mácio Guea 27 Online at http://mpa.ub.uni-muenchen.de/31514/

Leia mais

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling Sejam todos bem-vindos! Física II Pof. D. Cesa Vandelei Deimling Bibliogafia: Plano de Ensino Qual a impotância da Física em um cuso de Engenhaia? A engenhaia é a ciência e a pofissão de adquii e de aplica

Leia mais