UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Rodrigo Manrich dos Santos A REMOÇÃO DO SERVIDOR MILITAR DO ESTADO NO PARANÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Rodrigo Manrich dos Santos A REMOÇÃO DO SERVIDOR MILITAR DO ESTADO NO PARANÁ"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Rodrigo Manrich dos Santos A REMOÇÃO DO SERVIDOR MILITAR DO ESTADO NO PARANÁ CURITIBA 2010

2 A REMOÇÃO DO SERVIDOR MILITAR DO ESTADO NO PARANÁ CURITIBA 2010

3 Rodrigo Manrich dos Santos A REMOÇÃO DO SERVIDOR MILITAR DO ESTADO NO PARANÁ Monografia apresentada ao curso de Direito da Faculdade de Ciências Jurídicas da Universidade Tuiuti do Paraná como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Direito. Orientador: Thiago Lima Breus CURITIBA 2010

4 TERMO DE APROVAÇÃO Rodrigo Manrich dos Santos A REMOÇÃO DO SERVIDOR MILITAR DO ESTADO NO PARANÁ Esta monografia foi julgada e aprovada para a obtenção do grau de Bacharel em Direito no Curso de Direito da Faculdade de Ciências Jurídicas da Universidade Tuiuti do Paraná. Curitiba, de de Prof. Dr. Eduardo de Oliveira Leite Coordenador do Núcleo de Monografia Universidade Tuiuti do Paraná Curso de Direito Orientador Prof. Thiago Lima Breus Universidade Tuiuti do Paraná Curso de Direito Prof. Universidade Tuiuti do Paraná Curso de Direito Prof. Universidade Tuiuti do Paraná Curso de Direito

5 Ao meu filho, Guilherme, que mesmo sem saber foi quem inspirou e deu forças para enfrentar a jornada, obrigado pelo carinho transmitido nesses cinco anos em que lhe faltei. A primeira e mais talentosa professora, Sra. Clelia Salete Manrich, muito obrigado Mãe. Ao excelente corpo docente da Faculdade de Ciências Jurídicas da Universidade Tuiuti do Paraná e, em especial, ao Professor Orientador Thiago Lima Breus, obrigado pelos ensinamentos. Aos colegas pela paciência que demonstraram nesse longo convívio, que o fim do Curso não signifique o fim da parceria.

6 RESUMO O objeto da pesquisa é a Remoção do Servidor Militar do Estado no Paraná. Em primeiro plano, identifica qual é a competência que a Constituição atribuiu a Polícia Militar e apresenta sua estrutura. Em seguida, examina o procedimento de movimentação de pessoal na seara da Administração Pública Militar, demonstra que a remoção deve preencher os requisitos legais próprios do ato administrativo para se conformar com o ordenamento jurídico. Expõe a maneira pela qual o procedimento ocorre interna corporis. Constata que o Poder Judiciário tem invalidado atos de remoção quando presentes vícios de finalidade ou carência de motivação. É relevante o estudo porquanto a remoção do servidor militar é procedimento que reflete nos direitos individuais dos servidores e na segurança pública. Palavras-chave: Servidor Militar do Estado do Paraná; Ato administrativo; remoção; requisitos legais.

7 LISTA DE ABREVIATURAS ADI... Ação Direta de Inconstitucionalidade ABERGS... Associação dos Bombeiros do Estado do Rio Grande do Sul BG... Boletim Geral BPAMB... Batalhão de Polícia Ambiental BPEC... Batalhão de Patrulha Escolar Comunitária BPGD... Batalhão de Polícia de Guarda BPM... Batalhão de Polícia Militar BPTRAN... Batalhão de Polícia de Trânsito Cap.... Capitão Cb.... Cabo Cel.... Coronel CIA... Companhia CIA FRONT... Companhia Independente de Policiamento e Operações de Fronteira CIA IND... Companhia Independente CIA P CHOQ... Companhia de Polícia de Choque CIA POL GDA... Companhia de Polícia de Guarda CIA P PORT... Companhia Independente de Polícia Portuária CIPM... Companhia Independente de Polícia Militar CPC... Comando do Policiamento da Capital CPI... Comando do Policiamento do Interior EM... Estado Maior LOB... Lei de Organização Básica Maj.... Major Pel... Pelotão PGE... Procuradoria Geral do Estado PMAM... Polícia Militar do Amazonas PMMT... Polícia Militar do Mato Grosso PMPR... Polícia Militar do Paraná QPM... Quadro Policial Militar RISG... Regulamento Interno de Serviços Gerais RPMON... Regimento de Polícia Montada Sd.... Soldado Seç.....Seção Sgt.... Sargento STJ... Superior Tribunal de Justiça Sub-Ten... Sub-Tenente Ten.... Tenente Ten-Cel...Tenente-Coronel TJPR... Tribunal de Justiça do Estado do Paraná

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO A DISCIPLINA CONSTITUCIONAL DA SEGURANÇA PÚBLICA A COMPETÊNCIA DA POLÍCIA MILITAR A POLÍCIA MILITAR DO PARANÁ A ESTRUTURA PMPR A APLICAÇÃO DO REGIME JURÍDICO ADMINISTRATIVO À PMPR A NATUREZA JURÍDICA DA REMOÇÃO A REMOÇÃO E OS REQUISITOS DO ATO ADMINISTRATIVO Competência Finalidade Forma Objeto Motivo e Motivação A INVALIDADE DO ATO ADMINISTRATIVO E A REMOÇÃO Da invalidade do ato de remoção por falta de motivação Da invalidade do ato de remoção por desvio de finalidade CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS Código da Polícia Militar do Estado - Lei de Junho de Portaria do Comando-Geral nº 825, de 26 de junho de

9 7 1 INTRODUÇÃO A Polícia Militar, órgão da administração direta do Estado e componente do sistema da segurança pública, é responsável pela polícia ostensiva e a preservação da ordem pública. É uma instituição que exerce funções fundamentais para a manutenção do Estado de Direito, consolidou-se como o principal mecanismo do sistema de segurança pública. Sua estrutura básica, para a execução da atividade fim é composta por unidades militares denominadas de Batalhões ou Regimentos, os quais são distribuídos proporcionalmente no território por critérios funcionais ou de responsabilidade territorial. A fim de preencher seus quadros efetivos, a Polícia Militar utiliza-se do concurso público para contratar seus servidores. Após a formação técnica, o integrante da corporação é designado para assumir encargos em uma determinada unidade, compondo o efetivo. Ocorre que a atividade de segurança pública é dinâmica e está sempre influenciada por fatores sociais, como a variação da densidade demográfica, as transformações econômicas, ambientais e políticas. Devido à natureza da atividade desempenhada, a necessidade de movimentar o efetivo militar de uma unidade a outra é constante, ora em substituição das perdas, ora para modernizar a atividade fim. Esta pesquisa buscará compreender, sob o ponto de vista jurídico, como ocorre o procedimento administrativo de remoção do efetivo da Polícia Militar do Paraná e quais são os requisitos exigidos para a adequação deste ato administrativo ao ordenamento jurídico. Para desenvolvimento do tema, preliminarmente, verificar-se-á qual é a competência que a Constituição Federal de 1988 atribuiu a Polícia Militar, bem como qual estrutura possui o órgão para o desempenho de seus encargos. Buscou-se amparo na doutrina administrativista e nos julgados dos Tribunais Pátrios. Constatou-se que, frequentemente, o Poder Judiciário tem invalidado atos de remoção de servidores, por entender contrário às prescrições legais.

10 8 Ao eleger o tema A Remoção do Servidor Militar do Estado no Paraná procurou-se conciliar o cumprimento da imposição curricular do Curso de Graduação em Direito ao interesse relacionado à minha atividade profissional, nos nove anos de serviços prestados junto a PMPR. A pesquisa se concentra na instituição paranaense, pois, como se verá, cada Estado possui competência para organizar administrativamente sua força policial, cada qual com Leis e Regulamentos próprios e distintos entre si, o que impede que as considerações tecidas sirvam para todas as instituições policiais militares.

11 9 2 A DISCIPLINA CONSTITUCIONAL DA SEGURANÇA PÚBLICA A segurança pública é um tema que sempre esteve inserido nas normas nacionais, pois está diretamente relacionada ao dever do estado de proteção da sociedade e a consequente possibilidade de imposição de sanções aos seus cidadãos. O marco normativo moderno que disciplina a segurança pública é a própria Constituição de 1988, nela se encontra um capítulo específico sobre a temática. Art A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes órgãos: I - polícia federal; II - polícia rodoviária federal; III - polícia ferroviária federal; IV - polícias civis; V - polícias militares e corpos de bombeiros militares. Toda essa sistemática não tem razão de ser senão para assegurar os direitos e garantias individuais consagrados no art. 5º, em especial, o direito fundamental a segurança, previsto em seu caput: Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos seguintes termos [...]. O art. 144 define a quem compete promover a segurança pública, a quem ela beneficiará e de que forma será exercida. O dever de promover a segurança pública volta-se principalmente aos Estados membros, contudo, a responsabilidade pela segurança pública é de todos, não prescindindo da participação da sociedade, quer pessoas físicas ou jurídicas. Para que a Administração Pública cumpra essa função essencial, o Constituinte dividiu o encargo a uma multiplicidade de órgãos policiais, uns subordinados a União e outros aos Estados, cada qual com competência distinta, formando o sistema de segurança pública. Essa divisão, segundo o Constitucionalista Alexandre de Moraes, tem dupla finalidade: o atendimento aos reclamos sociais e a redução da possibilidade de

12 10 intervenção das Forças Armadas na segurança interna (2007, p. 767). Ou seja, o Constituinte vislumbrou a necessidade de um conjunto de órgão com funções específicas para combater a insegurança, cada vez mais presente no cotidiano nacional e, por razões históricas, afastou as Forças Armadas desse mister. Ao definir as atribuições, o Constituinte delimitou a competência da União por meio de um rol taxativo de deveres: Art. 144 [...] 1º A polícia federal, instituída por lei como órgão permanente, organizado e mantido pela União e estruturado em carreira, destina-se a: I - apurar infrações penais contra a ordem política e social ou em detrimento de bens, serviços e interesses da União ou de suas entidades autárquicas e empresas públicas, assim como outras infrações cuja prática tenha repercussão interestadual ou internacional e exija repressão uniforme, segundo se dispuser em lei; II - prevenir e reprimir o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, o contrabando e o descaminho, sem prejuízo da ação fazendária e de outros órgãos públicos nas respectivas áreas de competência; III - exercer as funções de polícia marítima, aeroportuária e de fronteiras; IV - exercer, com exclusividade, as funções de polícia judiciária da União. 2º A polícia rodoviária federal, órgão permanente, organizado e mantido pela União e estruturado em carreira, destina-se, na forma da lei, ao patrulhamento ostensivo das rodovias federais. 3º A polícia ferroviária federal, órgão permanente, organizado e mantido pela União e estruturado em carreira, destina-se, na forma da lei, ao patrulhamento ostensivo das ferrovias federais. Com efeito, ressalvadas as competências federais, aos Estados membros foi atribuída à responsabilidade central da segurança pública. Sobre o tema, os atuais ensinamentos de José Afonso da Silva: Quando a Constituição atribuiu as Polícias Federais a competência na matéria, logo se vê que são atribuições em campo e questões delimitados e estritamente enumerados, de maneira que, afastadas essas áreas especificadas, a segurança pública é de competência da organização policial dos estados, na forma mesma prevista no art. 144, 4º, 5º e 6º. (2009, p. 637). No Paraná, em linhas gerais, o Constituinte Estadual ratificou a sistemática nacional. No entanto, no que diz respeito à estrutura, instituiu a Polícia Científica, por meio de Emenda Constitucional, como órgão da segurança pública autônomo. O art. 46 da Carta Estadual define:

13 11 A segurança Pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos é exercida, para a preservação da ordem pública e incolumidade das pessoas e do patrimônio, pelos seguintes órgãos: I - Polícia Civil; II - Polícia Militar; III - Polícia Científica. (Incluído pela Emenda Constitucional 10 de 16/10/2001) Parágrafo único: O Corpo de Bombeiros é integrante da Polícia Militar. Logo, o Estado dispõe, para a realização da segurança pública, da Polícia Civil, da Militar, da Científica e do Corpo de Bombeiros. Destaca-se no Paraná, a instituição da Polícia Científica como órgão independente da Polícia Civil. Formato que, segundo alguns, é inconstitucional 1. Em contrário, o Corpo de Bombeiros ainda integrado à Polícia Militar tornouse exceção no Brasil. Há uma tendência nacional pela independência 2 dos bombeiros, em alguns Estados, como no Paraná e no Rio Grande do Sul, por exemplo, ainda resiste o modelo de Corpo de Bombeiros vinculado e dependente da Polícia Militar. Quanto às competências, extrai-se do texto constitucional federal que incumbe à Polícia Civil, excetuada a competência da União, as funções de polícia judiciária e a apuração de infrações penais, exceto as militares. Cabe a Polícia Militar a polícia ostensiva e a preservação da ordem pública e, ao Corpo de Bombeiros Militar, além das atribuições definidas em lei, incumbe à execução de atividades de defesa civil. O parágrafo 6º do art. 144 da CF ainda acrescenta que as polícias militares e os corpos de bombeiros militares são forças auxiliares e reserva do Exército, outorgando-lhes uma competência especial, pois poderão ser convocados pela União para compor o efetivo das Forças Armadas, nas hipóteses enumeradas pelo Decreto nº : 1 Tramitam no STF duas Ações Diretas de Inconstitucionalidade: a) ADI 2616, proposta pelo Governador do Estado, sob o argumento de que a instituição da Pol. Científica autônoma padece de vício de constitucionalidade, por contrariar o art. 144 da CF e suprimir competência da Pol. Civil; b) ADI 2574, proposta pelo Partido Liberal Social, sob os mesmos argumentos. Ambas estão aguardando julgamento. (consulta no endereço eletrônico do STF em junho de 2010). 2 Ainda no final do século passado, alguns Estados do Brasil começaram a emancipar seus Corpos de Bombeiros Militares (desvincular das Polícias Militares). Atualmente, no Brasil, são 23 Estados com as Corporações completamente desvinculadas das Polícias Militares, gozando de grandes avanços no quesito técnico profissional e reaparelhamento. Em nenhum outro lugar do mundo, o Corpo de Bombeiros está ligado à atividade Policial. (ABERGS Associação dos Bombeiros do Estado do Rio Grande do Sul).

14 12 Art. 4º - A Polícia Militar poderá ser convocada, total ou parcialmente, nas seguintes hipóteses: 1) Em caso de guerra externa; 2) Para prevenir ou reprimir grave perturbação da ordem ou ameaça de sua irrupção, e nos casos de calamidade pública declarada pelo Governo Federal e no estado de emergência, de acordo com diretrizes especiais baixadas pelo Presidente da República. A norma é taxativa, são circunstâncias especiais que justificam a convocação, infere-se que, quando da convocação, o comando das tropas fica a cargo do Chefe do Poder Executivo Federal. 2.1 A COMPETÊNCIA DA POLÍCIA MILITAR A normatização trazida pela Constituição, delimitando a competência da Polícia Militar, define a atividade a ser desempenhada pelo órgão. Essa prévia cognição é essencial para a abordagem do tema da remoção do servidor militar. O art. 144 da Constituição em seu parágrafo 5º fixa a competência das polícias militares: cabem a polícia ostensiva e a preservação da ordem pública; aos corpos de bombeiros militares, além das atribuições definidas em lei, incumbe a execução de atividades de defesa civil. A Constituição do Estado do Paraná foi mais além: Art. 48. À Polícia Militar, força estadual, instituição permanente e regular, organizada com base na hierarquia e disciplina militares, cabe a polícia ostensiva, a preservação da ordem pública, a execução de atividades de defesa civil, prevenção e combate a incêndio, buscas, salvamentos e socorros públicos, o policiamento de trânsito urbano e rodoviário, de florestas e de mananciais, além de outras formas e funções definidas em lei. Prima facie, a Constituição Estadual parece ampliar as competências da Polícia Militar, impondo-lhe atividades que a Constituição da República não o fez. Em verdade, o art. 48 da Carta Estadual dispõe sobre a atribuição de polícia ostensiva juntamente com a competência dos bombeiros, de forma aglutinada em um só parágrafo, pois em nosso Estado o Corpo de Bombeiros e Polícia Militar compreendem a mesma instituição.

15 13 O artigo também inclui algumas espécies 3 de policiamento ostensivo, como o policiamento de trânsito e o rodoviário. Enumeração parcial e desnecessária, porquanto essas atividades decorrem naturalmente da execução da atividade de polícia ostensiva. Não obstante a impropriedade, o dispositivo em nada altera a competência nuclear da Polícia Militar, qual seja, a execução do policiamento ostensivo com o objetivo de manter a ordem pública. Para melhor compreensão dessas atribuições, faz-se necessário buscar o sentido dos termos polícia ostensiva e ordem pública. O vocábulo polícia há tempo se distanciou do seu significado epistemológico 4. Ordinariamente, pode servir para designar a instituição (genérica) encarregada da manutenção da ordem pública, podendo ser individualizada com os mais diversos adjetivos: federal, civil, militar e etc. Nesses termos, polícia ostensiva é a instituição policial qualificada com o adjetivo ostensivo, que por sua vez significa: 1. Que se pode mostrar ou ostentar; ostensível, ostensório. 2. Próprio para se mostrar; ostensível, ostensório. 3. Que se patenteia; aparente, ostensível, ostensório. 4. Que ostenta [v. ostentar (1)]; ostentativo; ostentoso, ostensível, ostensório. (FERREIRA, 2004). Não é esse o sentido da expressão polícia ostensiva inserida no parágrafo 5º do art. 144 da CF/1988. Quando a Constituição menciona que à Polícia Militar caberá a polícia ostensiva, significa que o desenvolvimento das atividades das Polícias Militares se dará por meio do exercício do poder de polícia. Para Alexandre de Morais, poder de polícia é a atividade do Estado consistente em limitar o exercício dos direitos individuais em benefício do interesse público. (2007, p. 117). 3 São tipos de Policiamento ostensivo: ostensivo geral, urbano e rural; de trânsito; florestal e de mananciais; rodoviária e ferroviário, nas estradas estaduais; portuário; fluvial e lacustre; de radiopatrulha terrestre e aérea; de segurança externa dos estabelecimentos penais do Estado; outros, fixados em legislação da Unidade Federativa, ouvido o Estado-Maior do Exército através da Inspetoria-Geral das Polícias Militares. (Decreto nº /1983, art. 2º, item 27). 4 Origina-se do grego politeia, sendo utilizado para designar todas as atividades da cidade-estado (polis), sem qualquer relação com o sentido atual. (MORAIS, 2007, p. 115).

16 14 Na doutrina administrativista desenvolveram-se os conceitos de polícia administrativa e polícia judiciária, esta direcionada a obtenção de dados relativos à ocorrência de condutas tipificadas como infração penal e, aquela, se constitui do instrumento que possui o Estado para limitar a atuação dos particulares, com o fim de assegurar o exercício dos direitos fundamentais da coletividade. O exercício da polícia administrativa não é exclusividade dos órgãos de segurança pública, a atuação se dá nas mais diversas áreas, como na saúde, educação, trabalho, previdência e etc. Por isso, diz-se que o poder de polícia administrativa exercido pelos órgãos da segurança pública é apenas uma das faces da intervenção do Estado na conduta dos particulares. (MORAIS, 2007). O legislador Constituinte, ao definir que cabe a Polícia Militar a polícia ostensiva, constituiu o órgão de competência para o exercício da polícia administrativa. Competência que deve ser realizada por meio da execução do policiamento ostensivo. Policiamento ostensivo, por sua vez, não é termo novo na seara da segurança pública, o Executivo Federal já o tratava, mesmo antes da Constituição de 1988: Decreto 5 nº /1983 Art. 2º, item 27: policiamento ostensivo é ação policial, exclusiva das Polícias Militares em cujo emprego o homem ou a fração de tropa engajados sejam identificados de relance, quer pela farda quer pelo equipamento, ou viatura, objetivando a manutenção da ordem pública. Entretanto, policiamento ostensivo tem significado mais largo. Tecnicamente, policiamento ostensivo é aquele executado por Policiais identificados de imediato pelo uniforme ou equipamento que utilizam. Sua função imediata é preventiva, é revelar a presença física diuturna do aparato policial do Estado nas áreas públicas para que, assim, as condutas criminosas sejam inibidas. A atuação repressiva, em primeiro plano, não está contida no conceito de policiamento ostensivo, a repreensão é atividade secundária, só desempenhada quando 5 O Decreto nº /1983 aprovou o regulamento para as polícias militares e corpos de bombeiros militares, denominado R-200, seu art. 2º trás uma série de conceitos relativos à atividade policial militar, como policiamento ostensivo. (item 27).

17 15 o estado de tranquilidade é rompido, quando infrações penais são praticadas ou estão na iminência de acontecer. Entretanto, a possibilidade de uma atuação repressiva instantânea é o fator que sustenta a eficácia do policiamento ostensivo. Ou seja, a presença ostensiva da Polícia Militar não inspira condutas criminosas no local em que ela estiver, pois o potencial infrator teme a repreensão dos policiais, que poderá culminar na privação de sua liberdade. Este efeito só é possível devido à característica ostensiva que se atribuiu a Polícia Militar. O mesmo efeito não é alcançado com o policiamento velado. Ressalta-se que a execução do policiamento ostensivo - estar presente junto ao público - é a função principal que a Constituição impôs a Polícia Militar. É verdade que muitas outras atribuições lhe são delegadas. Em alguns casos, tantas são as funções imputadas, que a função primordial torna-se segundo plano. Resta delimitar o significado de ordem pública, porquanto seu conceito somase ao de polícia ostensiva, definindo as atividades do órgão. O citado R-200, aprovado pelo Decreto nº /1983, tratou de conceituar ordem pública: Art. 2º, item 21: Ordem Pública - Conjunto de regras formais, que emanam do ordenamento jurídico da Nação, tendo por escopo regular as relações sociais de todos os níveis, do interesse público, estabelecendo um clima de convivência harmoniosa e pacífica, fiscalizado pelo poder de polícia, e constituindo uma situação ou condição que conduza ao bem comum. Segundo Álvaro Lazzarini (1998), o conceito aprovado pelo Decreto se mostra inadequado e confuso. Ordem pública não pode se reduzir a um conjunto de regras formais, nem tão pouco delimitar a atuação ao exercício da fiscalização. Também é visível no conceito a confusão entre o ordenamento jurídico e a própria ordem pública, como se esta fosse o reflexo daquele. Ora, o conjunto de regras formais que visa regular as relações sociais de todos os níveis constitui o próprio ordenamento jurídico e não a ordem pública. Melhor definição se encontra nas lições de Meirelles, o qual conceituou ordem pública como situação de tranquilidade e normalidade que o Estado assegura ou

18 16 deve assegurar às instituições e a todos os membros da sociedade, consoante às normas jurídicas legalmente estabelecidas (1998, p. 92). Com efeito, ordem pública é situação fática que transcende a figura jurídica. Resumidamente, pode-se afirmar que ordem pública é o estado de convivência pacífica entre os membros da sociedade. Quando há a deflagração de ilícitos penais, há a ruptura da convivência pacífica e, por consequência, alteração na ordem pública. O texto constitucional, ao dispor que às Polícias Militares cabem a polícia ostensiva e a preservação da ordem pública, em outras palavras, definiu que a função do órgão é a manutenção do estado de convivência pacífica entre os membros da sociedade por meio do policiamento ostensivo. Essa compreensão é importante, porquanto define o modo de agir do órgão, restringindo a atuação. Trata-se de delimitar e conter a atividade policial, para evitar a atuação ampla e irrestrita, que poderia ensejar em violação de direitos fundamentais, sob o pretexto da manutenção da ordem pública. Pontuada a competência, indaga-se qual é a forma pela qual o órgão vai desempenhar seu encargo. Entretanto, esta questão se distancia dos conceitos jurídicos e adentra na esfera da ciência da Administração Pública. Cada corporação considerada desenvolve seu próprio processo de policiamento ostensivo, nos quais é possível se encontrar semelhanças e diferenças. Não poderia ser de outra forma, pois o vasto território brasileiro com suas diferenças regionais impõe a variação na forma de execução do policiamento ostensivo, com as adaptações de cada região. Em última análise, a função precípua da Polícia Militar, definida pela Constituição da República, é promover a manutenção da ordem pública por meio do policiamento ostensivo, este realizado com a presença física de policiais no ambiente público antes da eclosão dos ilícitos.

19 17 3 A POLÍCIA MILITAR DO PARANÁ As Polícias Militares do Brasil são originárias das primeiras forças que constituem hoje o Exército brasileiro. Afirma-se 6 que a criação da Polícia Militar do Paraná deu-se em 10 de agosto de 1854, na forma de uma unidade de caçadores, com a denominação de Companhia de Força Policial. A história da PMPR mostra sua participação em vários episódios importantes do País, como a Guerra do Paraguai, a Revolução Federalista, a Guerra do Contestado e a Revolução de Somente com o fim do Estado Novo é que a PMPR passou a voltar-se para a proteção do cidadão. Desde então, progressivamente o órgão tem evoluído, buscando adequar-se aos anseios da sociedade paranaense. 3.1 A ESTRUTURA PMPR A Polícia Militar do Paraná PMPR está organizada por um complexo de leis, cuja grande maioria é anterior a Constituição de 1988 e foram alteradas paulatinamente, com o propósito formal de se adequarem a evolução da instituição e da sociedade. A própria Constituição da República prevê no parágrafo 7º do art. 144 que a lei disciplinará a organização e o funcionamento dos órgãos responsáveis pela segurança pública, de maneira a garantir a eficiência de suas atividades. Segundo José Afonso da Silva, no plano federal a lei, como o Constituinte quisera, ainda não se concretizou (2009, p. 638). Portanto, naquilo que não confronta a Constituição da República, foi recepcionado o Decreto-Lei nº 677 de 02 de julho de 1969, o qual traz regras importantes como as hipóteses de convocação pela União das Polícias Militares, como deve ser a estrutura dos órgãos, a fiscalização exercida pelo Exército e etc Fonte: acesso em 25 abr.

20 18 Ainda assim, cada unidade da federação possui competência 7 para organizar sua Polícia. Com efeito, cada estado estrutura o órgão de modo à melhor satisfazer as necessidades locais. No que é pertinente à estrutura administrativa, a PMPR está basicamente organizada pela Constituição Estadual; Lei Estadual nº de 23 de Junho de 1954, denominada de Código da PMPR e Lei Estadual nº de 08 de Janeiro de 1976, chamada de Lei de Organização Básica. A Constituição Estadual, no art. 48, definiu a PMPR como força estadual, instituição permanente e regular, organizada com base na hierarquia e disciplina militares. Com exceção do contido na Constituição Estadual, aquelas normas possuem uma série de dispositivos que foram alterados por leis posteriores à medida que o órgão evoluiu. Ademais, possuem regras não mais aplicáveis por contrariarem preceitos constitucionais, mas que não sofreram revogação expressa. Esse arcaísmo legal impõe ao administrador uma hermenêutica apurada e que não prescinde do cotejamento com a Constituição da República. Superada essas preliminares, convém destacar os dispositivos que se relacionam com o tema remoção do servidor militar do Estado no Paraná. O primeiro apontamento denota que a PMPR é órgão permanente que compõe estrutura administrativa do Estado. A Lei Estadual nº de 08 de Janeiro de 1976, a Lei de Organização Básica, ordenou a estrutura administrativa interna da corporação, subdividindo-a em órgãos de direção, de apoio e execução: Art. 5º. A Polícia Militar é estruturada em órgãos de direção, órgãos de apoio e órgãos de execução. Art. 6º. Os órgãos de direção realizam o comando e a administração da Corporação, competindo-lhes: I - Incumbir-se do planejamento em geral, visando à organização da Corporação, às necessidades em pessoal e em material e ao emprego da Polícia Militar para o cumprimento de suas missões; II - acionar, por meio de diretrizes e ordens, os órgãos de apoio e os de execução; 7 Art. 25 Os Estados organizam-se e regem-se pelas Constituições e leis que adotarem, observados os princípios desta Constituição. 1º - São reservadas aos Estados as competências que não lhes sejam vedadas por esta Constituição.

21 19 III - coordenar, controlar e fiscalizar a atuação dos órgãos de apoio e dos de execução. Art. 7º. Os órgãos de apoio realizam as atividades-meio da Corporação, atendendo às necessidades de pessoal, de animais e de material de toda a Polícia Militar. Atuam em cumprimento das diretrizes e ordens dos órgãos de direção. Art. 8º. Os órgãos de execução são constituídos pelas unidades operacionais da Corporação e realizam as atividades-fim da Polícia Militar; cumprem as missões ou a destinação da Corporação. Para isso executam as diretrizes e ordens emanadas dos órgãos de direção e são apoiados, em suas necessidades de pessoal, de animais, de material e de serviços, pelos órgãos de apoio. [grifo nosso] Como se vê, a estrutura básica para a execução da atividade fim o próprio policiamento ostensivo é composta por unidades operacionais 8, denominadas de Batalhões ou Regimentos, os quais são distribuídos proporcionalmente no território por critérios funcionais ou de responsabilidade territorial. A responsabilidade territorial é um dos princípios que orienta a execução do policiamento ostensivo. Trata-se de conferir a determinado grupo de militares comandados a responsabilidade pela manutenção da ordem pública em um dado espaço físico previamente delimitado, ou seja, a circunscrição territorial. A mencionada Lei de organização básica estruturou o Estado com o seguinte desdobramento: Art. 49. O Estado será dividido em áreas, em função das necessidades decorrentes das missões normais de Polícia Militar e das características regionais; essas áreas serão atribuídas à responsabilidade total dos batalhões ou companhias independentes de Polícia Militar. 1º. Cada área de batalhão de Polícia Militar será dividida em subáreas atribuídas às companhias de Polícia Militar subordinadas; as subáreas, por sua vez, serão divididas em setores de responsabilidade de pelotões de Polícia Militar. 2º. Na Capital e nas grandes cidades do Interior, as áreas de responsabilidade dos batalhões de Polícia Militar poderão deixar de ser divididas. 3º. Os Comandos de Batalhões, em todo o Estado, e os comandos de companhia e pelotão de Polícia Militar, no interior, deverão ser sediados na área, subárea ou setor de sua responsabilidade. 8 Unidades Operacionais, Organização Policial Militar (OPM), Unidade Militar, Batalhão de Polícia Militar ou Regimento de Polícia Militar são todos termos sinônimos.

Guarda Municipal de Fortaleza Direito Constitucional Segurança Pública Emilly Albuquerque

Guarda Municipal de Fortaleza Direito Constitucional Segurança Pública Emilly Albuquerque Guarda Municipal de Fortaleza Direito Constitucional Segurança Pública Emilly Albuquerque 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. SEGURANÇA PÚBLICA Art. 144 CF Art.

Leia mais

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Segurança Pública, no entendimento do professor Orlando Soares (in Comentários à Constituição da República Federativa do Brasil), traduz o estado

Leia mais

Universidade Federal de Alagoas Faculdade de Direito TEMA: O DIREITO À SEGURANÇA A COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL

Universidade Federal de Alagoas Faculdade de Direito TEMA: O DIREITO À SEGURANÇA A COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL TEMA: O DIREITO À SEGURANÇA A COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL O QUE É DIREITO? O QUE É DIREITO FUNDAMENTAL? O QUE É SEGURANÇA? A? COMO GARANTIR O DIREITO À SEGURANÇA NUM ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO? MAPA

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL DANIELA MURARO DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS

DIREITO CONSTITUCIONAL DANIELA MURARO DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS 11.1 DEFINIÇÃO A Constituição de 1988, nos arts. 136 a 141, prescreve as regras relativas ao Estado de Defesa e ao Estado Sítio. São normas que visam à

Leia mais

PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário.

PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário. 1 DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário. 1)Poderes Administrativos: Poder hierárquico continuação:

Leia mais

Consultor Legislativo da Área XVII Segurança e Defesa Nacional

Consultor Legislativo da Área XVII Segurança e Defesa Nacional OBRIGATORIED ORIEDADE DE CRIAÇÃO DE GUARD ARDAS AS MUNICIPAIS EM TODOS OS MUNICÍPIOS BRASILEIROS JOÃO RICARDO CARVALHO DE SOUZA Consultor Legislativo da Área XVII Segurança e Defesa Nacional OUTUBRO/2000

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art.5º Todos são iguais perante a lei.. XI a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR

POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR Maslow e as necessidades humanas: A preocupação com a segurança. Qualificando a palavra segurança : Conceito

Leia mais

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos - Conceito São os meios ou instrumentos através dos quais a Administração Pública exerce a atividade administrativa na gestão dos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

Leia mais

Informativo diário de dicas para concursos públicos - Nr 05 de 71/07/2011 P R A Z O S

Informativo diário de dicas para concursos públicos - Nr 05 de 71/07/2011 P R A Z O S P R A Z O S Processo/Procedimento Prazo Fundamento Comunicação Disciplinar 05 dias úteis art 56, parág 2º CEDM Entrada em vigor da Lei 14.310 45 dias artigo 98 CEDM Mudança de conceito cada ano sem punição

Leia mais

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA Publicada no Diário Oficial nº 1.880 de 10 de setembro de 1998 LEI COMPLEMENTAR Nº 027 DE 09 DE SETEMBRO

Leia mais

POLÍCIA CIVIL DO RJ- FEC www.beabadoconcurso.com.br Todos os direitos reservados. - 1 -

POLÍCIA CIVIL DO RJ- FEC www.beabadoconcurso.com.br Todos os direitos reservados. - 1 - f POLÍCIA CIVIL DO RJ- FEC www.beabadoconcurso.com.br Todos os direitos reservados. - 1 - DIREITO ADMINISTRATIVO SÚMARIO UNIDADE 1. Direito Administrativo: conceito, fontes, princípios. Conceito de Estado,

Leia mais

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei 9.786, de 8 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre o ensino no Exército Brasileiro e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VIII - tenha a orientação técnico-pedagógica do DECEx. Art. 3º Determinar que a presente

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR

ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Subordinação: Finalidade: ASSISTÊNCIA MILITAR DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR - ADMINISTRAÇÃO DIRETA AO PREFEITO

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

O PRINCÍPIO DA PUBLICIDADE E OS INSTITUTOS DA HIERARQUIA E DISCIPLINA NO ART. 40 DO REGULAMENTO DISCIPLINAR DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

O PRINCÍPIO DA PUBLICIDADE E OS INSTITUTOS DA HIERARQUIA E DISCIPLINA NO ART. 40 DO REGULAMENTO DISCIPLINAR DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR MILITAR MARCELO VITUZZO PERCIANI O PRINCÍPIO DA PUBLICIDADE E OS INSTITUTOS DA HIERARQUIA E DISCIPLINA NO

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.645, DE 2014. Altera o art. 18 do Decreto-Lei nº 667, de 2 de julho de 1969, que extingue a pena de prisão disciplinar para as polícias

Leia mais

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE ESPECIAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO Marcelo Vituzzo Perciani

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º A Unidade de Auditoria

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Competência da Justiça Militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* A Justiça Militar é um dos órgãos do Poder Judiciário, com previsão constitucional e Lei de Organização Judiciária que

Leia mais

LEI DELEGADA N.º 79, DE 18 DE MAIO DE 2.007

LEI DELEGADA N.º 79, DE 18 DE MAIO DE 2.007 LEI DELEGADA N.º 79, DE 18 DE MAIO DE 2.007 DISPÕE sobre a SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA SSP, definindo suas finalidades, competências e estrutura organizacional, fixando o seu quadro de cargos

Leia mais

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 Destaques da Proposta de Programa de Capacitação dos Servidores Técnico- Administrativos em Educação aprovados durante a 435ª Reunião do Conselho Diretor PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 ALTERAÇÕES GERAIS

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015.

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MORMAÇO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio

Leia mais

PROJETO DE LEI CRIAÇÃO DO QOPMA

PROJETO DE LEI CRIAÇÃO DO QOPMA PROJETO DE LEI CRIAÇÃO DO QOPMA QUADRO DE OFICIAL POLICIAL MILITAR DE ADMINISTRAÇÃO (Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Administração Policial Militar) SÚMULA: A fim de dar continuidade na carreira

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO - AME/RJ

ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO - AME/RJ ot nojo ~ /20U Rio de Janeiro, 27 de setembro de ~OU. Do: Presidente da AMEIRJ. ;\0: ~xmo Sr. Procurador Geral de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Assunto: Desvio de função. Esta Associação, considerando

Leia mais

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo LEONARDO COSTA SCHÜLER Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública ABRIL/2013 Leonardo Costa Schüler 2 SUMÁRIO O presente trabalho aborda

Leia mais

GUARDA MUNICIPAL E SEGURANÇA PÚBLICA

GUARDA MUNICIPAL E SEGURANÇA PÚBLICA GUARDA MUNICIPAL E SEGURANÇA PÚBLICA Aristides Medeiros ADVOGADO Consoante estabelecido no art. 144, caput, da Constituição Federal, os órgãos incumbidos da segurança pública, isto é, da segurança geral,

Leia mais

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT]

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] 1. Os Tribunais de Contas somente podem realizar suas tarefas quando são independentes da entidade auditada e são protegidos

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 88 DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.127 a art.130- A Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem

Leia mais

REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO

REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1.988 ACABA POR NÃO CONCEITUAR O QUE SEJA TRIBUTO. ENTRETANTO, LEVA EM CONSIDERAÇÃO, IMPLICITAMENTE,

Leia mais

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA A 1 CNPJ 04.214.41910001-05 DECRETO N 3.091, DE 05 DE JANEIRO DE 2014. "Dispõe sobre a estrutura organizacional da Procuradoria Geral do Município ". O PREFEITO MUNICIPAL DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES,, no

Leia mais

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL O Regime Próprio de Previdência Social RPPS, de caráter contributivo, é o regime assegurado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) Fixa as Diretrizes Nacionais para os Planos de Carreira e Remuneração dos Funcionários

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Psicopedagogo, cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicopedagogia

Leia mais

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado Resumo: A Administração Pública se liga ao interesse público e às necessidades sociais,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR 54 1999 de 13/12/1999

LEI COMPLEMENTAR 54 1999 de 13/12/1999 LEI COMPLEMENTAR 54 1999 de 13/12/1999 Dispõe sobre a organização básica do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais - CBMMG - e dá outras providências. O Povo do Estado de Minas Gerais, por seus representantes,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Princípio da Legalidade na Administração Pública Heletícia Oliveira* 1. INTRODUÇÃO O presente artigo tem como objeto elucidar, resumidamente, a relação do Princípio da Legalidade

Leia mais

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores,

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores, Carta 035/ 2015 Brasília, 12 de maio de 2015 Carta Aberta da Undime às Senadoras e aos Senadores integrantes da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal referente ao PLS 532/ 2009

Leia mais

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais.

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. X Encontro Nacional- PROIFES-Federação Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. Apresentação PROIFES-Federação A Constituição Brasileira de 1988 determinou, em seu artigo

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura para que, na

Leia mais

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL SINDICÂNCIA PATRIMONIAL A sindicância patrimonial, assim como os demais procedimentos investigativos, conforma um procedimento inquisitorial, sigiloso, não contraditório e não punitivo, que visa colher

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO 1 O art. 19 da Lei nº 8.112/90, com a redação dada pela Lei nº 8.270/91, estabelece que os servidores públicos deverão cumprir jornada de trabalho fixada em razão das

Leia mais

PARECER. 1 Gasparini, Diogenes. Direito Administrativo. 5ed. São Paulo: Saraiva, 2000. Pág.237.

PARECER. 1 Gasparini, Diogenes. Direito Administrativo. 5ed. São Paulo: Saraiva, 2000. Pág.237. PARECER Trata-se de parecer em resposta à consulta formulada pela Presidência da Câmara Municipal de sobre a constitucionalidade do instituto do acesso a cargo público. Em sua solicitação, o Presidente

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito:

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: 1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: (A) desapropriação de terras improdutivas. (B) penhora de bens em execução

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL João e José são pessoas com deficiência física, tendo concluído curso de nível superior. Diante da abertura de vagas para preenchimento de cargos vinculados ao Ministério

Leia mais

PARECER. Por intermédio da indicação 129/2011, o Consócio Marcos Silas solicita

PARECER. Por intermédio da indicação 129/2011, o Consócio Marcos Silas solicita PARECER Bombeiros militares. Porte de Arma de Fogo. ínclusão dos- corpos de bombeiros militares como órgãos de segurança pública não garante direito ao porte de arma. Direito atribuído por tel, A CONSULTA

Leia mais

Processo seletivo vestibular nas universidades e faculdades particulares e a nova LDB (Lei 9.394/96)

Processo seletivo vestibular nas universidades e faculdades particulares e a nova LDB (Lei 9.394/96) Processo seletivo vestibular nas universidades e faculdades particulares e a nova LDB (Lei 9.394/96) Fernando José Araújo Ferreira Procurador da República no Paraná Recentemente o Ministério Público Federal

Leia mais

Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro AASSIJUR Fundada em 13 de maio de 1963 RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS

Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro AASSIJUR Fundada em 13 de maio de 1963 RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS Para incluir no site da ABRAP A Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro -, com sede própria localizada na Travessa do Ouvidor n 8, 3 andar,

Leia mais

O ATO DISCIPLINAR MILITAR

O ATO DISCIPLINAR MILITAR O ATO DISCIPLINAR MILITAR FERNANDO EDSON MENDES 1 1. INTRODUÇÃO Com a promulgação, em 08 de dezembro de 2004, da Emenda Constitucional nº. 45, conhecida como Reforma do Judiciário, houve profunda alteração

Leia mais

Características das Autarquias

Características das Autarquias ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Almir Morgado Administração Indireta: As entidades Administrativas. Autarquias Define-se autarquia como o serviço autônomo criado por lei específica, com personalidade d

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 463, DE 03 DE JANEIRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 463, DE 03 DE JANEIRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 463, DE 03 DE JANEIRO DE 2012. Dispõe sobre o subsídio dos Militares do Estado e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC Nº 6566/08 ASSUNTO: RESPONSABILIDADE MÉDICA PARECERISTA: CÂMARA TÉCNICA DE AUDITORIA DO CREMEC EMENTA O ato médico é responsabilidade

Leia mais

AS POLÍCIAS MILITARES E A PRESERVAÇÃO DA ORDEM PÚBLICA

AS POLÍCIAS MILITARES E A PRESERVAÇÃO DA ORDEM PÚBLICA AS POLÍCIAS MILITARES E A PRESERVAÇÃO DA ORDEM PÚBLICA INTRODUÇÃO O constituinte de 1988 inaugurou no Direito Constitucional brasileiro um capítulo sobre a segurança pública, e o fez repartindo competência

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

Noções Gerais de Direito Administrativo. Profª Paula d Oran Pinheiro Manaus/AM 23 a 27 de julho 2012 1 / 1

Noções Gerais de Direito Administrativo. Profª Paula d Oran Pinheiro Manaus/AM 23 a 27 de julho 2012 1 / 1 Noções Gerais de Direito Administrativo Profª Paula d Oran Pinheiro Manaus/AM 23 a 27 de julho 2012 1 / 1 Unidade I - Noções Preliminares 1.Conceito de Direito Conjunto de regras impostas pelo Estado,

Leia mais

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa Vitória, 07 de julho de 2008. Mensagem n º 156/ 2008 Senhor Presidente: Comunico a V. Exa. que vetei totalmente o Projeto de Lei n 116/2007, por considerá-lo inconstitucional, pois padece dos vícios de

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 Regulamenta o exercício das profissões de transcritor e de revisor de textos em braille. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Na produção de textos no sistema

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

Atos administrativos Parte 1

Atos administrativos Parte 1 Parte 1 Todos os direitos reservados. A comercialização não autorizada desta obra, por qualquer meio, eletrônico ou reprográfico, ainda que parcial, constitui ato ilícito, respondendo os infratores nos

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS)

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) Toda lesão de direito deve ser reparada. A lesão pode decorrer de ato ou omissão de uma pessoa física ou jurídica. Quando o autor da lesão

Leia mais

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Banca: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO/RJ Edital SMA Nº 84/2010 (data da publicação: 27/09/2010) Carga horária (aulas presenciais): 126 horas

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO ESQUEMATIZADO INSS FCC

DIREITO ADMINISTRATIVO ESQUEMATIZADO INSS FCC CARGOS: Técnico do INSS www.beabadoconcurso.com.br TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. - 1 - APOSTILA ESQUEMATIZADA SUMÁRIO UNIDADE 1 Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União (Lei n 8.112/90) 1.1

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 368, de 2012, da Senadora Ana Amélia, que altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE Atualizado em 12/11/2015 CLASSIFICAÇÕES E SISTEMAS DE CONTROLE CLASSIFICAÇÕES DO CONTROLE Quanto ao posicionamento do órgão controlador: Externo: exercido por um ente que

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR ESTADO-MAIOR 1ª SEÇÃO PORTARIA DO COMANDO-GERAL Nº 919, DE 16 DE JULHO DE 2009

ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR ESTADO-MAIOR 1ª SEÇÃO PORTARIA DO COMANDO-GERAL Nº 919, DE 16 DE JULHO DE 2009 ESTADO DO PARANÁ POLÍCIA MILITAR ESTADO-MAIOR 1ª SEÇÃO PORTARIA DO COMANDO-GERAL Nº 919, DE 16 DE JULHO DE 2009 Regula os afastamentos temporários na PMPR O Comandante-Geral da Polícia Militar do Estado

Leia mais

LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS UniCEUB Centro Universitário de Brasília FAJS Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais Curso de Direito Turno: Vespertino Disciplina: Direito Administrativo I Professor: Hédel Torres LICITAÇÕES E CONTRATOS

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO Aula 01 Servidores PúblicosP Profº.. Francisco De Poli de Oliveira 1. INTRODUÇÃO Trata o nosso estudo sobre os servidores públicos, quando abordaremos os elementos introdutórios

Leia mais

Marcel Brasil F. Capiberibe. Subprocurador do Ministério Público Especial Junto ao Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul

Marcel Brasil F. Capiberibe. Subprocurador do Ministério Público Especial Junto ao Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Critérios institucionais diferençados entre as funções do Ministério Público junto à justiça ordinária e as atribuições funcionais do Ministério Público especial junto ao Tribunal de Contas Marcel Brasil

Leia mais

Direito Tributário Toque 1 Competência Tributária (1)

Direito Tributário Toque 1 Competência Tributária (1) É com grande satisfação que inicio minha jornada no site da Editora Ferreira. Neste espaço, iremos abordar o Direito Tributário com um único objetivo: obter, nesta disciplina, uma ótima pontuação em qualquer

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 0155/09 - AL Autor: Deputado Manoel Mandi Dispõe sobre a criação do Arquivo Público Estadual e define as diretrizes da Política Estadual de Arquivos Públicos e Privados

Leia mais

Objetivo das definições: conferir contornos à RFB, definindo o papel do órgão e a sua inserção na Administração Pública Federal.

Objetivo das definições: conferir contornos à RFB, definindo o papel do órgão e a sua inserção na Administração Pública Federal. LEI ORGÂNICA DA RFB Definição: Trata-se de projeto de lei com a finalidade de regulamentar o disposto no art. 50 da Lei nº 11.457, que criou a Receita Federal do Brasil, englobando as atividades da extinta

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

LEI Nº 6.456, DE 20 DE JANEIRO DE 2004.

LEI Nº 6.456, DE 20 DE JANEIRO DE 2004. LEI Nº 6.456, DE 20 DE JANEIRO DE 2004. FIXA O SUBSÍDIO DOS MEMBROS DA POLÍCIA MILITAR E DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE ALAGOAS, DEFINE AS VERBAS DE CARÁTER INDENIZATÓRIO, OS CARGOS E FUNÇÕES

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENTANIA Estado do Paraná

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENTANIA Estado do Paraná LEI Nº 548, DE 21 DE JUNHO DE 2011 DISPÕE SOBRE A CONTRATAÇÃO DE PESSOAL POR TEMPO DETERMINADO, PARA ATENDER A NECESSIDADE TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL E RELEVANTE INTERESSE PÚBLICO, CONFORME ESPECIFICA.

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 398, de 2012, do Senador Pedro Taques, que

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS Atualizado em 03/11/2015 4. Competência Material Ratione Materiae: Divide-se em competência da Justiça Estadual, Federal, Eleitoral e Militar (não falamos da Justiça

Leia mais

NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014)

NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014) NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014) Referência: Expediente n.º 3896/2014 Origem: Câmaras Técnicas EMENTA: RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 460/13. EXAME TOXICOLÓGICO DE

Leia mais

Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas

Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas 01. ( FUNIVESA/SEPLAG/AFC 2009) Assinale a alternativa correta acerca da organização administrativa brasileira. ( A ) Toda a sociedade em que

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

CONSTITUIÇÃO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL

CONSTITUIÇÃO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL CONSTITUIÇÃO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL A CE-MS segue um padrão semelhante à Constituição Federal, reproduzindo em muitos artigos o que foi estabelecido na CF de 1988. Trataremos apenas de algumas

Leia mais