JULIANA ROSA CORRÊA A EVOLUÇÃO DA FOTOGRAFIA E UMA ANÁLISE DA TECNOLOGIA DIGITAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JULIANA ROSA CORRÊA A EVOLUÇÃO DA FOTOGRAFIA E UMA ANÁLISE DA TECNOLOGIA DIGITAL"

Transcrição

1 JULIANA ROSA CORRÊA A EVOLUÇÃO DA FOTOGRAFIA E UMA ANÁLISE DA TECNOLOGIA DIGITAL Viçosa - MG Curso de Comunicação Social/Jornalismo da UFV 2013

2 JULIANA ROSA CORRÊA A EVOLUÇÃO DA FOTOGRAFIA E UMA ANÁLISE DA TECNOLOGIA DIGITAL Monografia apresentada ao Curso de Comunicação Social/ Jornalismo da universidade Federal de Viçosa, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Jornalismo. Orientadora:Mariana Lopes Bretas Viçosa MG Curso de Comunicação Social/Jornalismo da UFV 2009

3 Aos amigos que conheci em Viçosa. Que marcaram e que vão fazer parte para sempre da minha história.

4 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por sempre me dar forças e me auxiliar em minhas dificuldades. Pelo amor demonstrado em cada instante da minha vida. Aos meus pais e familiares pelo apoio incondicional e pelo exemplo de vida. Aos amigos por todos os momentos compartilhados, orações e palavras encorajadoras. Aos professores pela sabedoria e ensinamentos transmitidos. À professora Mariana Bretas pela orientação neste trabalho, por toda a paciência e conhecimento compartilhado. Enfim, agradeço a todos que, de alguma forma, contribuíram para a construção deste trabalho e que marcaram minha passagem pela UFV.

5 Universidade Federal de Viçosa Departamento de Artes e Humanidades Curso de Comunicação Social/Jornalismo Monografia intitulada A evolução da fotografia e uma análise da tecnologia digital, de autoria da estudante Juliana Rosa Corrêa, aprovada pela banca examinadora constituída pelos seguintes professores: Prof. Dr. Mariana Lopes Bretas Curso de Comunicação Social/Jornalismo Prof. Ma. Laene Mucci Daniel Curso de Comunicação Social/Jornalismo Prof. Dr. Francisco Xavier Ribeiro do Vale Curso de Agronomia/Fitopatologia Viçosa, 11 de maio de 2013

6 RESUMO A fotografia passou por vários estágios desde que foi criada, no início do século XIX, até chegar à tecnologia digital, bastante utilizada nos dias de hoje. Durante muito tempo enfrentou o dilema se poderia ou não ser considerada arte, e hoje é uma das mais expressivas formas de manifestações artísticas. A presente monografia analisa a fotografia como uma forma de arte e as consequências que a popularização e a tecnologia digital trouxeram para esta atividade, como a possível banalização do exercício da fotografia. PALAVRAS CHAVE Fotografia; tecnologia digital; arte; banalização. ABSTRACT The photograph went through several stages since it was created, in the early nineteenth century, until it reaches the digital technology, widely used today. Long faced the dilemma if it could or not to be considered art, and today is one of the most importantways of artistic expressions. This monograph examines photography as an art form and the consequences that the popularization and digital technology have brought to this activity, as a possible trivialization of exercise photography. KEY-WORDS Photograph; digital technology; art; trivialization.

7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura Página 13 Figura Página 15 Figura Página 17 Figura Página 19 Figura Página 21 Figura Página 22 Figura Página 25 Figura Página 26 Figura Página 32 Figura Página 33 Figura Página 34 Figura Página 35 Figura Página 35 Figura Página 37 Figura Página 38 Figura Página 39 Figura Página 40 Figura Página 40 Figura Página 41 Figura Página 42 Figura Página 44 Figura Página 45 Figura Página 47 Figura Página 48

8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...10 CAPÍTULO 1 SURGIMENTO E EVOLUÇÃO DA FOTOGRAFIA A câmara escura e o surgimento do daguerreótipo Kodak e a fotografia analógica A fotografia instantânea Fotografia e tecnologia digital...20 CAPÍTULO 2 TECNOLOGIA DIGITAL E BANALIZAÇÃO DA FOTOGRAFIA Popularização da fotografia e facilidades da câmera digital Banalização da fotografia...27 CAPÍTULO 3 FOTOGRAFIA COMO UMA FORMA DE EXPRESSÃO ARTÍSTICA Pintura e cinema: Antecessor e sucessor da fotografia Os primeiros a enxergar a fotografia como arte Fotografia dentro da arte contemporânea Lomografia...43 CAPÍTULO 4 BANALIZAÇÃO E ARTE DO PONTO DE VISTA DE FOTÓGRAFOS AMADORES USUÁRIOS DE REDES SOCIAIS As redes sociais Flickr e Instagram Pesquisa e perfil dos usuários Pesquisa e resultados qualitatvos...50

9 CONSIDERAÇÕES FINAIS...55 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...58 ANEXOS...64

10 INTRODUÇÃO Desde o século XVI a humanidade tem conhecimento de alguns conceitos relacionados à fotografia, como a câmara escura e o escurecimento da prata pela luz; era possível gravar imagens em uma superfície revestida por sais de prata, quando esta era colocada no interior de uma câmara escura, mas tais imagens desapareciam rapidamente, quando entravam em contato com a luz ambiente. Esta técnica de congelar as imagens não surgiu de uma hora para outra; ela foi se desenvolvendo com o tempo, até que em 1826, Joseph Nicéphore Niépce registra a primeira fotografia reconhecida da história. Nos 187 anos que separam a criação de Niépce até os dias de hoje muita coisa mudou. A fotografia passou por diferentes estágios: com o daguerreótipo, invenção de Daguerre, teve a técnica reconhecida cientificamente em 1839 e possibilitou a grvação de imagens sem possibilidade de reprodução. A partir da câmera de filme, em 1888 por George Eastman, a fotografia passou a ser acessível, por esta ser mais rápida, barata e prática. Este momento foi de tal importância que predominou na fotografia por cerca de um século. A fotografia instantânea, lançada em 1948 por Edwin Lnad, possibilitou visualisar as imagens assim que estas eram tiradas, sem a necessidade de enviar o filme para o laboratório para revelação. Por fim a tecnologia digital, que fez suas primeiras imagens em 1965, mas só passou a ser comercializada em 1981, é altamente difundida na sociedade dos dias atuais, com equipamentos na maioria das vezes automáticos, gravando as imagens em formato digital. A tecnologia digital acarretou em grandes mudanças para a fotografia; a popularização desta tecnologia democratizou a atividade, permitindo a um grande número de pessoas o acesso à produção fotográfica e possibilitando a estas o registro de momentos, pessoas e o que mais queiram fotografar. No entanto, equipamentos automáticos, registrando fotografias pixelizadas em formato digital trouxeram como consequência a perda da qualidade para as imagens. E o fato de a fotografia digital não agregar valor com a compra e revelação de filmes, não possuir um original e não exigir que as imagens sejam impressas fazem com que seja produzidas um número muito grande de fotografias, muitas das quais não possuiem qualidade ou técnica, o que pode por vezes banalizar a atividade fotográfica. Quando a fotografia surgiu, os pintores da época se sentiram ameaçados pela nova atividade. Como a pintura era o único meio de retratar pessoas e registrar cenas, esta teve que encontrar novos meios para se destacar diante da nova atividade que surgia. Durante certo 10

11 tempo, houve uma discussão se a fotografia poderia ou não ser considerada uma manifestação de arte e hoje, após o esforço de alguns artistas-fotógrafos e de movimentos que pretendiam elevar a fotografia à categoria das artes, como o pictorialismo, ela é considerada uma das mais importantes formas de expressões artísticas. A prova disto é que hoje se encontram exposições de fotografias em museus e galerias de arte. Para o fotógrafo nem sempre é fácil encontrar espaço para expor suas obras, especialmente se este for amador ou estiver no início da carreira. Uma opção encontrada para solucionar este problema seria expor suas imagens na internet. Algumas redes sociais permitem aos usuários publicar gratuitamente fotografias e outras imagens e visualizar o conteúdo de outros usuários. Duas das redes sociais que permitem aos fotógrafos expor suas imagens na internet são o Flickr e o Instagram. Neste projeto, a fim de analisar as opiniões e preferências dos usuários das redes sociais citadas acima, aplicou-se um questionário, que será analisado juntamente com o material coletado através da pesquisa bibliográfica, a qual tem por base livros dos autores Roland Barthes, Susan Sontag e Walter Benjamin. 11

12 CAPÍTULO 1 Surgimento e evolução da fotografia No ano de 1839, em Paris, o inventor Louis Jacques Mandé Daguerre apresenta ao mundo sua mais recente invenção, que mudaria para sempre o modo de se registrar acontecimentos, momentos históricos e cenas cotidianas: o daguerreótipo, método para se gravar imagens sobra uma superfície (PATRÍCIO, 2011). Um longo caminho foi percorrido pela humanidade até se chegar na invenção de Daguerre, passando pela criação e desenvolvimento da câmara escura, que é o princípio básico da fotografia, até o uso de produtos químicos, principalmente sais de prata, para se fixar a imagem em determinada superfície. A grande revolução causada pela invenção da fotografia foi na verdade, não o mecanismo/aparato de captação, que já era conhecido, mas sim a criação de um suporte químico sobre o qual a imagem projetada pudesse ser fixada sem precisar que o artista realizasse um desenho manual sobre o suporte. (ANJOS, 2012, p. 2) De mecanismos demorados, complicados e obsoletos, como eram o daguerreótipo e outros processos similares de captura de imagem, a fotografia deu um salto, em 1888, com a criação da primeira câmera fotográfica comercial, criada por George Eastman, a Kodak Nº1. Este segundo momento da fotografia, utilizando filmes fotográficos, permitiu a pessoas comuns o acesso ao registro de imagens e dominou a história da fotografia por mais de um século. Com a Kodak, a fotografia se tornou instantânea e qualquer amador poderia tirar boas fotos. Com o slogan "You press the button, we do the rest", Eastman tentou fazer da fotografia algo popular, fácil, que não necessitava muita técnica. Seu argumento persuasivo era a possibilidade de uma história do dia-a-dia contada por imagens feitas pelos próprios protagonistas. (BRUNET, 2001, p. 2) O terceiro momento de grande importância na história da fotografia surgiu da necessidade de se ver na hora as imagens que eram fotografadas. Surge a fotografia instantânea, através da câmera Polaroid, idealizada em 1948 pelo inventor e físico Edwin Land. Estes três momentos da fotografia (daguerreótipo, fotografia de filme e fotografia instantânea) têm como base a câmara escura e a fotoquímica acontecendo devido à presença de sais de prata. Durante muitos anos gravar imagens teve estas características, até o lançamento da fotografia digital. 12

13 Alguns autores defendem que o ato de congelar imagens utilizando tecnologia digital não pode ser chamado de fotografia, pois fotografia significa escrita com a luz, e as câmeras digitais apenas captam sinais luminosos através de um sensor. O <digital> - sistema de codificação discreto acaba por se opor ao <fotográfico> - sistema analógico de registro numa emulsão sensível, à base de sais de prata, das variações contínuas da luz refletida pelos objetos (MENDES, 2002, p. 51). No entanto, os equívocos da linguagem são aceitos na linguagem popular e comercial. Somente os filmes podem ser revelados. Utilizar esse termo para o digital, é um erro aceito somente no comércio, para melhor entendimento da pessoa leiga no assunto. Fotografia capturada com a tecnologia digital se imprime e não se revela. (PATRÍCIO, 2011, p. 70) O atual momento da fotografia, que utiliza a tecnologia digital, teve seu início na década de 1980 e vem cada vez mais ganhando espaço com equipamentos compactos e automáticos. Embora tenha se popularizado, ainda divide opiniões, principalmente, entre os fotógrafos profissionais e aqueles mais antigos que não abandonaram os filmes analógicos. 1.1 A câmara escura e o surgimento do daguerreótipo A história da fotografia está intimamente ligada ao conceito da câmara escura. A câmara escura é um ambiente (que pode ser tanto uma sala quanto uma caixa) isento de luz em seu interior, exceto por um orifício muito pequeno no centro de um de seus lados. A luz, ao ultrapassar este orifício, forma uma imagem invertida e pouco nítida na parede oposta dentro da câmara escura. Figura 1: Representação do funcionamento de uma câmara escura 13

14 A câmara escura é usada na fotografia tanto analógica quanto digital. A imagem é formada no interior da mesma, quando a luz que atravessa o orifício atinge o material fotossensível. O tempo de exposição e a nitidez da imagem dependem do tamanho do orifício: se este é grande, a imagem fica menos nítida, e o tempo de exposição é menor. Da mesma forma, quanto menor o orifício, mais nítida é a imagem, e maior o tempo de exposição. A primeira descrição de uma câmara escura vem do século IV a.c, pelo filósofo Aristóteles, quando este observa um eclipse solar. Ele utiliza um aparelho que contém um pequeno orifício, por onde a luz atravessa e se expande antes de chegar ao chão. A evolução da câmara escura se deu principalmente por físicos e astrônomos que observavam eclipses solares através dela, como o astrônomo árabe Al Hazen no século XI e o filósofo e matemático Roger Bacon no século XIII. (CALAÇA, 2012) Durante a Renascença, alguns pintores utilizavam a câmara escura como um aparelho auxiliar em seus desenhos, já que esta poderia refletir uma imagem real a uma tela mantendo as mesmas proporções, contudo, com uma nitidez muito baixa. No início do século XVI, pintor e inventor italiano Leonardo Da Vinci resolveu esta questão, colocando uma lente de vidro no lugar do orifício. Nos séculos XVII e XVIII, vários pesquisadores utilizavam a câmara escura a fim de gerar imagens em um material fotossensibilizado. Utilizando sais de prata (pois já se sabia na época que a prata escurecia em contato com a luz), estes pesquisadores obtinham sucesso no ato de gravar as imagens, mas não sabiam como interromper o processo de gravação. Assim, elas desapareciam rapidamente, pouco depois de serem retiradas da câmara escura, mesmo se permanecessem em um ambiente com pouca luz. Encontrar um material que servisse como fixador de imagens foi um grande desafio para estes pesquisadores até o século XVIII. No ano de 1826, um francês chamado Joseph Nicéphore Niépce, fazendo testes com um material coberto com betume da Judéia e sais de prata, consegue gravar e fixar uma imagem (CALAÇA, 2012). Esta, que retrata a vista de uma janela, é considerada a primeira fotografia da história, e a técnica foi batizada pelo próprio Niépce de heliografia. Contudo, Niépce não quis revelar ao mundo sua descoberta. Ele guarda para si os segredos da heliografia até que conhece o também francês Louis Jacques Mandé Daguerre. Este já utilizava a câmara escura na produção de desenhos e dioramas quando se interessa pelo que viria a ser um dia a fotografia. Ao conhecer Niépce e a heliografia, ambos decidem 14

15 assinar um contrato de sociedade, em 1829, para dar continuidade às pesquisas (TURAZZI, 2008). Figura 2:Vista da Janela, a primeira fotografia criada por Niépce Diante dos poucos avanços da sociedade, Daguerre decide dar continuidade às suas pesquisas sem a ajuda de Niépce, utilizando sais de prata. Niépce morre em 1833, Daguerre segue seus trabalhos e descobre dois anos depois que o vapor do mercúrio funciona como revelador nas imagens. Diz-se que esta descoberta foi acidental, aconteceu em um dia quando Daguerre guardou algumas placas sensibilizadas em um armário e, ao retirá-las no dia seguinte, percebeu que as imagens estavam muito mais nítidas e não escureciam com a luz ambiente. Constatou então que um termômetro havia quebrado dentro do armário e passou a incluir o mercúrio em suas pesquisas. Descobriu que este material, além de servir de revelador, diminui de horas para alguns minutos o tempo de exposição. Com isto, tornou-se possível a fotografia não somente de paisagens e objetos inanimados, como acontecia antes, mas também de pessoas, desde que estas ficassem sentadas e imóveis diante da câmara escura. Surge o daguerreótipo. O processo para obtenção de um consiste em sensibilizar uma placa de cobre revestida de prata polida e sensibilizada com vapor de iodo. Coloca-se o material, que é sensível à luz, em uma câmara escura por alguns minutos e ao se retirar, o 15

16 utiliza-se o vapor de mercúrio como revelador. Para se fixar a imagem, era usado o cloreto de sódio, sendo substituído mais tarde pelo tiossulfato de sódio, que dava maior durabilidade à imagem (OKA, ROPERTO). O resultado era um positivo único, nítido, sem caráter reprodutivo, que deveria ser protegido por um vidro a fim de evitar a oxidação. O novo invento foi revelado ao mundo no dia 19 de agosto de 1839, sendo reconhecido pela Academia de Ciências de Paris. Além de ter seu nome na invenção, Daguerre passou a receber uma pensão vitalícia do governo, para que qualquer pessoa pudesse utilizar o daguerreótipo sem precisar pagar patente, o que fez com que este se espalhasse com certa rapidez, visto que era de fácil reprodução. O tempo de hegemonia do daguerreótipo foi curto; durou até por volta da década de 1850, pois nesta época outros processos de gravação de imagem mais baratos, rápidos, e que proporcionavam a reprodutibilidade foram criados, como o Calótipo, do inglês Willian Fox Talbot, o que não diminui a importância histórica do daguerreótipo Diz-se muitas vezes que foram os pintores que inventaram a fotografia (transmitindo-lhe o enquadramento, a perspectiva albertiniana e a óptica da câmara obscura. E eu digo: não, foram os químicos. Porque o noema <isto foi> só foi possível a partir do dia em que uma circunstância científica (a descoberta da sensibilidade à luz dos sais de prata) permitiu captar e imprimir diretamente os raios luminosos emitidos por um objecto diretamente iluminado. (BARTHES, 2009, p. 91) Barthes atribui toda a criação da fotografia aos químicos, no momento em que o daguerreótipo surge e revoluciona toda uma geração e muda a maneira de registrar a história. 1.2 Kodak e a fotografia analógica Durante as décadas que se seguiram desde a invenção do daguerreótipo a fotografia pouco evoluiu. O ato de registrar imagens ainda era algo trabalhoso e demorado, que exigia técnica, capital, equipamento e conhecimento de química por parte dos fotógrafos; eram poucos os que podiam trabalhar neste novo ramo. É neste contexto que ocorre uma revolução, provocada por George Eastman. Eastman teve seu primeiro contato com a fotografia em 1878, aos 24 anos de idade, quando planejava uma viagem e um amigo de trabalho sugeriu que fizesse um registro da mesma. Eastman adquiriu todo o pesado equipamento, a câmera com tripé, os produtos químicos e as placas de vidro, além de pagar para aprender a usar. Ele não fez a viagem, mas 16

17 ficou completamente absorvido pela fotografia e passou a buscar um meio mais simples de fazê-la. Eastman começa a trabalhar com placas secas feitas de gelatina, descoberta por Richard Maddox em Este material tinha o inconveniente de ser pesado, frágil e levavase muito tempo para substituir a placa na câmera. A solução foi sensibilizar folhas de celulóide, que eram pequenas e maleáveis. Em 1888, era lançada a Kodak Nº1, câmera portátil de fácil manuseio (CHIEZA, TELES, 2012; OKA, ROPERTO). A primeira câmera comercial da história tinha um rolo de filme maleável enrolado em carretel e fazia 100 fotos em negativo por rolo. A câmera, já carregada, era vendida a U$$25,00 e para recarregá-la com um novo filme, custava U$$10,00 (OLIVEIRA, 2009). Eastman investia muito em publicidade e o slogan da Kodak era: You press the button, we do the rest (você aperta o botão, nós fazemos o resto). Figura 3: Câmera Kodak Nº 1 Uma câmera pequena, simples, acessível, que dava ao fotógrafo apenas o trabalho de enquadrar a imagem e apertar o botão, como o próprio slogan diz, que a empresa se encarrega de revelar e recarregar a máquina, deu a muitas pessoas a possibilidade de se tornarem fotógrafas, especialmente aquelas que tinham interesse apenas na imagem pronta e não no processo para obtê-las. Com este sistema de prestação de serviço Eastman dissemina a fotografia para aqueles que desejavam apenas tirar fotos sem ter que se preocupar com infraestrutura como lugar escuro, emulsionar vidro ou papel, para muitos só interessavam a foto e foi isto de Eastman proporcionou. (OLIVEIRA, 2009, p. 665) 17

18 A fotografia com filme predominou desde sua criação até o final do século XX, com poucas mudanças ao longo deste tempo. O filme utilizado neste período e usado até hoje por amantes da fotografia analógica é formado por várias camadas unidas por gelatina. A reação fotoquímica que vai formar a imagem se dá devido a grãos de sais de prata sensíveis à luz. Após a revelação o resultado é uma tira de imagens em negativo, que pode ser positivada quantas vezes forem necessárias. Para se positivar um negativo (ou simplesmente fazer cópias), utiliza-se um ampliador (projetor com uma lente para focar a imagem e uma fonte de luz controlada), aonde o negativo é posto e projetado sobre o papel sensibilizado e depois de ficar certo tempo exposto sob o negativo o papel irá formar um negativo deste, ou seja, um positivo, que é a fotografia de fato, o que interessa à maioria das pessoas (WOODWORTH). Enquanto os filmes continuaram utilizando os mesmos produtos base de sua fabricação, as câmeras fotográficas analógicas evoluíram drasticamente ao longo do tempo; de câmeras grandes e pesadas do início do século XX, que davam ao fotógrafo apenas a função de enquadrar e apertar o botão, hoje se encontram câmeras compactas, feitas de diferentes materiais (metal, plástico), com maiores possibilidades ao se fazer a foto, através da escolha da lente, do controle de velocidade e abertura de diafragma, que dão ao fotógrafo maior autonomia na hora de fotografar, apesar de dar também maior responsabilidade, pois qualquer erro da parte dos fotógrafos pode acarretar na perda da fotografia. Depois de reinar absoluto por mais de um século, o filme fotográfico se viu ameaçado pelo advento da tecnologia digital. Foi o que aconteceu com a Kodak no dia 19 de janeiro de 2012, 131 anos após sua criação. A empresa fracassou na tentativa de levantar fundos para financiar sua reestruturação financeira e se viu obrigada a pedir concordata. (NASCIMENTO). Mas a empresa não fechou, e no início de 2013 a Kodak diversificou parcialmente o ramo da fotografia, trabalhando com comunicação gráfica, scanners, câmeras digitais, impressoras para fotografias, artigos para cinema, contudo, não abandonou a produção de filmes e câmeras analógicas. 1.3 A fotografia instantânea Os filmes fotográficos haviam se difundido, mas fotografar ainda era algo que levava tempo, especialmente na hora de revelar. Ao bater a foto, o fotógrafo precisava esperar até 18

19 que o filme fosse levado ao estúdio de revelação, passasse pelos processos químicos, o negativo fosse positivado em um papel fotográfico e finalmente devolvido. O questionamento que viria a solucionar este problema veio de uma criança de cinco anos; nas férias de verão de 1944, a filha do físico e inventor estado-unidense Edwin Land lhe pergunta por que tinha de esperar tantos dias para ver as fotos que seu pai fazia dela. Diante desta pergunta tão simples, Land enxerga uma nova possibilidade para a fotografia. Quatro anos mais tarde cria e lança no mercado a Polaroid, primeira câmera instantânea da história. A fotografia instantânea surgiu não como um capricho, mas como uma necessidade da época. Como não existia a tecnologia digital e muitas vezes era necessário ver na hora o que se foi fotografado, a invenção de Land veio como uma solução a este dilema. Figura 4: Câmera Polaroid A Polaroid produz fotos sem negativos. A luz entra em contato direto com o papel fotográfico sensibilizado com sais de prata e a câmera expele uma foto preta, que depois de 60 segundos revela a imagem (posteriormente, este tempo foi reduzido para 10 segundos). A fotografia produzida é uma imagem única, sem possibilidade de reprodução, de baixa qualidade. A fotografia instantânea foi muito difundida, visto que as câmeras eram destinadas a um público amador, pois eram de fácil manuseio e vendidas a preço acessíveis (embora os 19

20 papéis fotográficos fossem vendidos a um valor elevado, o que garantia o lucro da Polaroid Corporation). Assim como a Kodak, a Polaroid não resistiu à concorrência da fotografia digital e em fevereiro de 2008 anunciou o fim da produção das câmeras instantâneas (FERRAZ, 2012). Diante disto, duas empresas começaram na produção da fotografia instantânea: a Fujifilm, com a linha instax que produz câmeras e filmes próprios, e a Impossible, empresa sediada em uma fábrica fechada da Polaroid, formada por ex-funcionários da mesma, que fabricam filmes para as antigas câmeras Polaroid. Estes funcionários foram motivados a trabalhar em um projeto com pouca chance de lucro, em um mercado já bastante prejudicado pela concorrência das câmeras digitais, apenas pela paixão à fotografia analógica, especialmente a fotografia instantânea (CORRÊA; FERRAZ, 2012). O conceito de instantaneidade da Polaroid foi resgatado pela rede social Instagram algumas décadas mais tarde; o Instagram, aplicativo para celulares e outros aparelhos, além de aplicar filtros que dão um tom vintage à fotografia, permite adicionar imagens, pelo celular, ao perfil da rede social, no mesmo instante que foram tiradas, sem a necessidade de descarregar em um computador, da mesma forma que a Polaroid não tinha a necessidade de levar a câmera ou negativo em um estúdio para revelação. 1.4 Fotografia e tecnologia digital A fotografia analógica, tanto a instantânea quanto a de filme, havia se tornado popular e ocupava um espaço único na sociedade no final do século XX. Mas os equipamentos evoluíram, as residências passaram a ser abastecidas por computadores, telefones sem fio. Meios de transporte e comunicação cada vez mais rápidos, tanta tecnologia que a própria fotografia começou a se tornar obsoleta. A sociedade em modernização encontrava muitos problemas para fotografar nas décadas finais do século XX: os papéis fotográficos instantâneos eram caros, as fotografias não eram de alta qualidade e não permitiam reprodução. Os filmes em negativo demoravam a serem revelados, dependiam de investimento tanto para aquisição do filme quanto para revelação e nestes dois modos de fotografar existia o risco de ocorrer algum erro na hora de bater a foto, perdendo assim tanto o dinheiro quanto a fotografia. 20

21 É neste contexto que surge a fotografia digital. As primeiras imagens digitais vêm da Guerra fria, do programa espacial norte americano. As primeiras imagens sem filme registraram a superfície de Marte e foram capturadas por uma câmera de televisão a bordo da sonda Mariner 4, em Eram 22 imagens em preto e branco de apenas 0,04 megapixels, mas que levaram quatro dias para chegar à Terra. (PATRÍCIO, 2011, p. 60) Figura 5: Uma da imagens de Marte capturadas pela sonda Mariner Estas imagens digitais de Marte, embora tivessem sido o embrião de uma grande inovação tecnológica, não surgem com este propósito, mas devido a uma necessidade específica daquele momento; seria totalmente inviável a sonda fazer imagens analógicas do planeta visinho e retornar à Terra para que estas pudessem ser reveladas. Dez anos depois de ter-se feito as imagens em Marte, a Kodak apresenta o primeiro protótipo de câmera sem filme. Pesava quatro quilos e gravava imagens em uma fita cassete. Mas a primeira câmera digital comercial da história foi lançada pela Sony em Esta câmera, a Mavica, capturava imagens de 0,3 megapixels e tinha capacidade de armazenar até 50 fotos (AYRES). Era um produto totalmente voltado para as classes mais altas (a Mavica custava cerca de U$$12.000,00 dólares), com fotografias de qualidade tão baixa que ela poderia ser considerada um produto de luxo, pouco funcional. 21

22 Figura 6: Câmera fotográfica Mavica As imagens geradas pela Mavica e pelas primeiras câmeras digitais eram como imagens congeladas de TV. Ao longo das décadas de 1990 e 2000, as câmeras digitais sofreram grandes evoluções; se tornaram compactas, automáticas, passaram a desempenhar múltiplas funções (filmadora, webcam), receberam cartões de memória capazes de armazenar centenas de fotos e suas imagens passaram a ser gravadas em resoluções muito altas (algumas câmeras amadoras superam 14 megapixels). A câmera digital não utiliza processos químicos na captura de imagens. A luz, ao passar pela lente, é registrada em um sensor e armazenada em um cartão de memória. As imagens em formato digital são formadas em pixels, com resolução maior ou menor, dependendo das configurações e qualidade da câmera. Geralmente, um visor presente na câmera permite a visualização do enquadramento da imagem e da fotografia depois de pronta. Depois de tiradas, as fotos podem ser enviadas (através de um cabo ou pelo próprio cartão de memória) e visualizadas em um computador ou algum outro dispositivo eletrônico, podendo ou não ser impressas. Alguns fotógrafos ainda têm resistência à fotografia digital. Estes alegam que, pelo fato de as câmeras serem na maioria das vezes automáticas, a pessoa que a manuseia não conseguirá aprender as técnicas para se tirar uma boa foto e nem conhecerá termos essenciais dentro da fotografia (como diafragma, obturador, ISO). Outro problema das câmeras automáticas é que o fotógrafo dificilmente vai conseguir uma imagem com os ajustes de foco, luz, velocidade e profundidade de campo que deseja. 22

23 Entretanto, as facilidades da fotografia digital possibilitam a um maior número de pessoas adquirir um equipamento fotográfico, visto que estes são mais fáceis de usar. Embora a câmera em si possa ser mais cara (se comparada com uma câmera analógica com as mesmas funções) não há gastos ao longo do tempo com filmes e revelação. A fotografia digital também contribuiu para o fotojornalismo, pois os equipamentos atuais transferem as imagens instantaneamente para o computador, de modo que estas podem atualizar websites e portais jornalísticos em tempo real. A fotografia digital também permite enviar uma imagem para qualquer lugar do mundo pela internet, sem a demora e os riscos dos meios de transporte convencionais ao enviarem uma imagem em papel fotográfico ou negativo. 23

Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544

Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544 Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544 2 A luz entrava na câmara através de uma pequena abertura (pinhole ou buraco de agulha) projectando a imagem na parede oposta. 3 No

Leia mais

Com a Fotografia foi assim também. Ela nasce movida pela curiosidade, em um processo que envolveu estudo, observação e muita experimentação.

Com a Fotografia foi assim também. Ela nasce movida pela curiosidade, em um processo que envolveu estudo, observação e muita experimentação. Capítulo I. História da Fotografia As leis da Física Ao longo de sua evolução o Homem foi descobrindo e inventando coisas, desenvolvendo conhecimento, tecnologia e instrumentos para suprir suas necessidades.

Leia mais

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA A luz é o princípio da fotografia Tentativa do homem de tornar perene a realidade Luz refletida nos objetos permite que os vejamos Quando a luz refletida atravessa um pequeno orifício

Leia mais

Fotografia(Photographia)

Fotografia(Photographia) FOTOGRAFIA Fotografia(Photographia) Photon significa luz, Graphos pincel, em outras palavras fotografia significa desenhar com a luz. É uma técnica de gravação,por meios mecânicos e químicos ou digitais,de

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 2 Produzindo uma foto

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 2 Produzindo uma foto Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 2 Produzindo uma foto Objetivos 1 Entender um pouco da história da fotografia. 2 Identificar o que observar na escolha do equipamento fotográfico. 3 Compreender

Leia mais

As origens do processo fotográfico

As origens do processo fotográfico Capítulo 1 As origens do processo fotográfico "De hoje em diante, a pintura está morta". Paul Delaroche. A fotografia é uma atividade com pouco mais de 150 anos, embora ela seja uma síntese de várias observações

Leia mais

MODA. www.lojistas.net acessado em 07/12/2005

MODA. www.lojistas.net acessado em 07/12/2005 Moda 03 Diferentes épocas 04 Velazquez 07 Auto-retrato 08 Fotografia 10 Câmera escura 12 Cinema 15 Taumatrópio e fenacistoscópio 19 Desenho animado 27 Andy Warhol 33 MODA www.lojistas.net acessado em 07/12/2005

Leia mais

Link para acesso à Revista Digital: http://douglasdim.blogspot.com.br/2012/08/fotografia.html

Link para acesso à Revista Digital: http://douglasdim.blogspot.com.br/2012/08/fotografia.html SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 2º SÉRIE

Leia mais

CÂMERAS. fotográficas

CÂMERAS. fotográficas CÂMERAS fotográficas Quanto ao suporte: Digital Analógico Como classificar e diferenciar os tipos de Câmeras? Quanto a automação: Automáticas Semi-automáticas Auto e manual Quanto ao visor: Visor direto

Leia mais

FOTOGRAFIA O MUNDO FOTOGRAFICO Hoje, as fotografias fazem parte do nosso mundo de uma maneira impressionante. Seja em computadores, smartphones, tablets, câmeras digitais, não importa, aonde olharmos

Leia mais

ENSAIO FOTOGRÁFICO URBANO. Arthur Felipe Pereira Souza UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

ENSAIO FOTOGRÁFICO URBANO. Arthur Felipe Pereira Souza UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS ENSAIO FOTOGRÁFICO URBANO Arthur Felipe Pereira Souza UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INTRODUÇÃO Apesar de muitos considerarem Joseph Nicéphore Niépce como sendo o inventor da fotografia, ela não é uma

Leia mais

Endereço: Rua 1. Mércia ARAÚJO 2 Nelson SOARES 3 Faculdade Social da Bahia, Salvador, BA

Endereço: Rua 1. Mércia ARAÚJO 2 Nelson SOARES 3 Faculdade Social da Bahia, Salvador, BA Endereço: Rua 1 Mércia ARAÚJO 2 Nelson SOARES 3 Faculdade Social da Bahia, Salvador, BA RESUMO: O presente trabalho foi apresentado à disciplina Fotojornalismo II e consistiu na produção de um ensaio fotodocumental.

Leia mais

O Olhar por Trás da Câmera 1

O Olhar por Trás da Câmera 1 O Olhar por Trás da Câmera 1 Letícia Mainardi Tamiozzo 2 RadharaniTarumim Souza Kuhn 3 Orientador: Muryllo Lorensoni 4 Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT. RESUMO O trabalho de Produção Transdisciplinar

Leia mais

Vivaldo Armelin Júnior

Vivaldo Armelin Júnior Foto & Viagem I FotoMBoé 2014 Vivaldo Armelin Júnior Foto & Viagem I FotoMBoé 3 Em viagens mais longas é recomendado levar um notebook para transferir as fotos armazenadas no cartão de memória. Um bom

Leia mais

O OBTURADOR 1. FUNCIONAMENTO:

O OBTURADOR 1. FUNCIONAMENTO: Esse anexo é um complemento do material didático exclusivo do Curso de Fotografia Digital - A fotografia sob uma nova óptica e função, com Célio Ricardo, constituindo uma parte que completa o total de

Leia mais

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA Aspectos sociais, culturais e tecnológicos

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA Aspectos sociais, culturais e tecnológicos Aspectos sociais, culturais e tecnológicos A luz é o princípio da fotografia Tentativa do homem de tornar perene a realidade Luz refletida nos objetos permite que os vejamos Quando a luz refletida atravessa

Leia mais

Fotografia: conceitos e técnicas

Fotografia: conceitos e técnicas ca leo Carlos Leonardo S Mendes wwwcaleocombr caleo Carlos Leonardo dos S Mendes Fotografia: conceitos e técnicas Exposição Setembro de 2008 Versão 10 Nota: os textos ou fotos contidos neste material não

Leia mais

Conceito Técnico de Fotografia

Conceito Técnico de Fotografia Fotografia Digital Conceito Técnico de Fotografia Fotografar é, por princípio, registrar a luz refletida pelo assunto (entende-se por assunto o que está sendo fotografado). Na câmara digital, como na convencional,

Leia mais

Historia da Arte e da Técnica

Historia da Arte e da Técnica IADE Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing Licenciatura em : Design Historia da Arte e da Técnica Fotografia Analógica Autores: Nome: Marta Bessa Leite Turma: 1ºB1 Nº: 2011-0400 Nome: Mafalda

Leia mais

MANUAL DE FOTOGRAFIA

MANUAL DE FOTOGRAFIA MANUAL DE FOTOGRAFIA 1. A máquina fotográfica. Breve história As primeiras fotografias tiradas, datam de 1826, mas só em 1870, é que foi possível obter um sistema que permitisse a comercialização de chapas

Leia mais

O Impressionismo foi um movimento artístico que revolucionou profundamente a pintura e deu início às grandes tendências da arte do

O Impressionismo foi um movimento artístico que revolucionou profundamente a pintura e deu início às grandes tendências da arte do Impressionismo Impressionismo O Impressionismo foi um movimento artístico que revolucionou profundamente a pintura e deu início às grandes tendências da arte do século XX; O termo impressionismo foi imprimido

Leia mais

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão 1 Diferenças entre o CCD e o Filme: O filme como já vimos, é uma película de poliéster, coberta em um dos lados por uma gelatina de origem animal com partículas

Leia mais

POR TRÁS DA LENTE E DIANTE DA CÂMERA A EVOLUÇÃO DO RETRATO

POR TRÁS DA LENTE E DIANTE DA CÂMERA A EVOLUÇÃO DO RETRATO 1 POR TRÁS DA LENTE E DIANTE DA CÂMERA A EVOLUÇÃO DO RETRATO RESUMO Colégio Londrinense Alunos (as): Laís Knott Oliveira Silva; Clóvis Begnozzi Neto; Lucas Assis; Rafael Noriaki Yamamoto Orientadora: Wiviane

Leia mais

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 01

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 01 Oficina de fotografia e tratamento de imagem Facilitadora: Camila Silva Aula: 01 Histórico da Fotografia A fotografia surgiu do desejo do homem retratar o mundo a sua volta. Desde os primórdios, com a

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico)

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) CÂMERA FOTOGRÁFICA Foto analógica Foto digital Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) O DIAFRAGMA OBJETO DIAFRAGMA EM IRIS OBJETO IRIS RETINA ABERTURA PUPILA LENTE CRISTANILO

Leia mais

160 anos de fotografia Artigo de Paulo Pereira da Costa

160 anos de fotografia Artigo de Paulo Pereira da Costa 160 anos de fotografia Artigo de Paulo Pereira da Costa Há 160 anos, a Academia de Artes e Ciências da França anunciava oficialmente o nascimento da fotografia. Entretanto o desejo de retratar a natureza

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

Fotografia Digital 1

Fotografia Digital 1 Fotografia Digital 1 Apresentação Constituída em 2007 é referência nacional no ensino da fotografia de paisagem natural 2 Uma das entidades que mais workshops lecciona anualmente em Portugal Cursos de

Leia mais

Câmera de vídeo PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 1 MOURA LACERDA

Câmera de vídeo PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STRS 1 MOURA LACERDA MATÉRIA: STRS 1 MOURA LACERDA Câmera de vídeo Filmadora, câmera de vídeo ou câmara de filmar, também conhecida simplesmente por câmara ou câmera, é um dispositivo dotado de mecanismos que capturam imagens

Leia mais

TUTORIAL FOTOGRAFIA BÁSICA

TUTORIAL FOTOGRAFIA BÁSICA TUTORIAL FOTOGRAFIA BÁSICA História da Fotografia 1727 - Na Alemanha - John Heinrich. Inventou a fotossensibilidade em sais de prata. 1826 Na França Joseph Nicéphore Nièpce. Inventa a Héliohraphia. Morreu

Leia mais

Os diferentes modos de registro imagético expressam. o espírito de seu tempo utilizando materiais. e meios que são produtos próprios da época.

Os diferentes modos de registro imagético expressam. o espírito de seu tempo utilizando materiais. e meios que são produtos próprios da época. IMAGEM E HISTÓRIA Os diferentes modos de registro imagético expressam o espírito de seu tempo utilizando materiais e meios que são produtos próprios da época. Pintura Rupestre mãos pincéis de penas e pêlos

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

EXPOSIÇÕES FOTOJORNALÍSTICAS DO FOCA FOTO: UMA MUDANÇA NA PERCEPÇÃO DA IMAGEM

EXPOSIÇÕES FOTOJORNALÍSTICAS DO FOCA FOTO: UMA MUDANÇA NA PERCEPÇÃO DA IMAGEM 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÕES

Leia mais

UM REGISTRO FOTOGRÁFICO DAS ETAPAS DO PROCESSO CRIATIVO: A ARTE FINAL 1

UM REGISTRO FOTOGRÁFICO DAS ETAPAS DO PROCESSO CRIATIVO: A ARTE FINAL 1 UM REGISTRO FOTOGRÁFICO DAS ETAPAS DO PROCESSO CRIATIVO: A ARTE FINAL 1 Luiz Henrique Oliveira Silva Carlos de PAIVA 2 Lamounier Lucas PEREIRA JÚNIOR 3 Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte,

Leia mais

Aprender a fotografar não é difícil quando temos um material de apoio e muita vontade de pesquisar e treinar. Este é somente um ponto de partida!

Aprender a fotografar não é difícil quando temos um material de apoio e muita vontade de pesquisar e treinar. Este é somente um ponto de partida! Introdução e índice Eu sou a Claudia Regina (www.claudiaregina.com) e resolvi criar este pequeno Manual Básico de Fotografia para ajudar quem procura por bom conteúdo para iniciantes, em português. Aprender

Leia mais

Dicas & Sugestões www.fotomboe.com. São Paulo - SP Brasil 2014

Dicas & Sugestões www.fotomboe.com. São Paulo - SP Brasil 2014 Módulo I Dicas & Sugestões www.fotomboe.com Este é o primeiro módulo do curso Dicas & Sugestões, do Site FotoMBoé, para não perder tempo comecemos com o curso para que seja possível você aprimorar suas

Leia mais

FOTOGRAFIA BÁSICA PROFº MIVACYR FILHO

FOTOGRAFIA BÁSICA PROFº MIVACYR FILHO FOTOGRAFIA BÁSICA PROFº MIVACYR FILHO Fotografia: o inicio Contexto Histórico O homem sempre teve a necessidade de se expressar visualmente, de mostrar ao mundo o que seus olhos percebem a as figuras criadas

Leia mais

São Paulo, SP Brasil Todos os direitos reservados!

São Paulo, SP Brasil Todos os direitos reservados! Sua Câmera fotográfica Digital Mód03Bas_Cs00B01 www.fotomboe.com São Paulo, SP Brasil Todos os direitos reservados! 2014 Vivaldo Armelin Júnior www.fotomboe.com Lembretes A Proposta do curso Chegamos ao

Leia mais

ESTUDANDO A FOTOGRAFIA POR UMA ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA

ESTUDANDO A FOTOGRAFIA POR UMA ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA ISSN 2316-7785 ESTUDANDO A FOTOGRAFIA POR UMA ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA Luciane Bichet Luz UFPEL lbichet615@hotmail.com Amanda Prank UFPEL amandaprank@ymail.com RESUMO Esta pesquisa busca relacionar a Matemática

Leia mais

IDENTIDADE E AUTORRETRATO

IDENTIDADE E AUTORRETRATO IDENTIDADE E AUTORRETRATO Greice Silveira Monica Neves Rodrigues Justificativa O desenho é de grande importância na construção da identidade da criança, colocando-a presente no mundo, criando relações

Leia mais

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos VERSÃO FOTOGRAFIA 10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos Existem várias formas de alterar o resultado final de uma foto, seja através do ISO, da velocidade do obturador, da abertura

Leia mais

Experimento 1 Como funciona uma máquina fotográfica? Construção de uma câmera escura

Experimento 1 Como funciona uma máquina fotográfica? Construção de uma câmera escura 9 o ano abril/2011 Experimento 1 Como funciona uma máquina fotográfica? Construção de uma câmera escura Já faz tempo que o ser humano tenta desenvolver objetivos para formar e armazenar imagens. Leonardo

Leia mais

19/11/2015. Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA. James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático.

19/11/2015. Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA. James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático. Prof. Reginaldo Brito Um pouco de história antes... A FOTOGRAFIA Joseph-Nicéphore Niepce * França, (1765-1833) James Clerk Maxwell (1831 1879) Escócia (Reino Unido) físico, filósofo e matemático. 1826,

Leia mais

ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 8º D V. DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - 1 2º trimestre TATIANE

ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 8º D V. DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - 1 2º trimestre TATIANE Fonte: http://www.musee-orsay.fr/fr/collections/catalogue-des-oeuvres/resultatcollection.html?no_cache=1&zoom=1&tx_damzoom_pi1%5bzoom%5d=0&tx_da mzoom_pi1%5bxmlid%5d=001089&tx_damzoom_pi1%5bback%5d=fr%2fcollec

Leia mais

Sumário do livro 1. APRESENTAÇÃO. 1.1. A Fotografi a é Necessária

Sumário do livro 1. APRESENTAÇÃO. 1.1. A Fotografi a é Necessária Sumário do livro 1. APRESENTAÇÃO 1.1. A Fotografi a é Necessária 1.2. Problema Léxico: Câmera ou Câmara Fotográfica? 1.3. Da Prata ao Silício 2. DICAS 2.1. 25 Questões Básicas sobre Fotografi a Digital

Leia mais

Reflexão acerca da Fotografia Digital

Reflexão acerca da Fotografia Digital Universidade Estadual de Campinas UNICAMP Instituto de Artes IA Departamento de Multimeios, Mídia e Comunicação DMM Reflexão acerca da Fotografia Digital Lucas Corazzini RA: 103130 Profº Drº Muricius Farina

Leia mais

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA A CÂMERA ESCURA SÉCULO XVI U"lizada para auxiliar desenhos. 1! PERFIS DE SOMBRA SÉCULO XVIII NIÉPCE 1826 2! NIÉPCE 1826 Primeira fotografia de Niépce em 1826, "rada da janela do

Leia mais

8 c o i s a s FOTOGRAFAR. Ana Flor www.anaflor.fot.br

8 c o i s a s FOTOGRAFAR. Ana Flor www.anaflor.fot.br 8 c o i s a s que vocêê precisa saber para FOTOGRAFAR Ana Flor www.anaflor.fot.br Introdução Esta apostila não pretende ser um manual de como ser um ótimo fotógrafo ou como usar sua câmera. Aqui você encontrará

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 1 Criando um vídeo Objetivos 1 Conhecer um pouco da história dos filmes. 2 Identificar a importância de um planejamento. 3 Entender como criar um roteiro. 4

Leia mais

O futuro do YouTube - VEJA.com

O futuro do YouTube - VEJA.com Entrevista O futuro do YouTube 29/08/2009 10:49 Por Leo Branco Nesta semana, Chad Hurley, de 32 anos, um dos criadores do YouTube, esteve no Brasil e falou a VEJA sobre o futuro do maior site de vídeos

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: Fundamental II 8ª série) DISCIPLINA: Artes PROFESSOR (A): Equipe de Artes TURMA: TURNO: Roteiro e Lista de estudo para recuperação

Leia mais

câmera pinhole versão 2.0.4.0 montagem de papel autor Jaroslav Juřica

câmera pinhole versão 2.0.4.0 montagem de papel autor Jaroslav Juřica câmera pinhole versão 2.0.4.0 montagem de papel autor Jaroslav Juřica 2 edição especial http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/ rubikon câmera pinhole / montagem de papel Introdução A Rubikon

Leia mais

Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1

Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1 Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1 Gustavo KRELLING 2 Maria Zaclis Veiga FERREIRA 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO O produto artístico é uma releitura fotográfica

Leia mais

Neste capítulo iremos ver as diferentes partes da

Neste capítulo iremos ver as diferentes partes da A ANATOMIA DA CÂMARA Thomaz. W.M. Harrell CAPITULO II A ANATOMIA DA CAMARA FOTOGRÁFICA (A Câmara Fotográfica e Suas Partes) Neste capítulo iremos ver as diferentes partes da câmara fotográfica de forma

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica 3. Uso de diagonais 4. Regra dos terços 5. O Ponto Dourado Composição fotográfica 15 dicas para ter imagens com harmonia e proporção. Este tutorial vai ajudá-lo a usar melhor uma câmera fotográfica, compacta

Leia mais

10 Grandes Dicas. Faça algumas anotações. para Organizar, Compartilhar e Imprimir suas Fotos

10 Grandes Dicas. Faça algumas anotações. para Organizar, Compartilhar e Imprimir suas Fotos 10 Faça algumas anotações 10 Grandes Dicas para Organizar, Compartilhar e Imprimir suas Fotos Agora que você já imprimiu algumas fotos, faça algumas anotações você vai ficar feliz de ter feito. Quando

Leia mais

Dispositivos e Adaptações ANTONIO BORGES

Dispositivos e Adaptações ANTONIO BORGES Dispositivos e Adaptações ANTONIO BORGES Há uma imensa quantidade de dispositivos tecnológicos que podem ser usados para auxiliar um deficiente visual e inseri lo no processo escolar. Os dispositivos mais

Leia mais

Entre o Ser e o Mar, o olhar fotográfico de Antônio David

Entre o Ser e o Mar, o olhar fotográfico de Antônio David Entre o Ser e o Mar, o olhar fotográfico de Antônio David Linaldo Guedes linaldo.guedes@gmail.com Filho de Gregório David, fotógrafo da pequena cidade de Taperoá, localizada no Cariri paraibano, a visão

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

esags.edu.br Santo André > Av. Industrial, 1455 - Bairro Jardim (11) 4433-6161 Santos > Av. Conselheiro Nébias, 159 (13) 2127-0003

esags.edu.br Santo André > Av. Industrial, 1455 - Bairro Jardim (11) 4433-6161 Santos > Av. Conselheiro Nébias, 159 (13) 2127-0003 FOTOGRAFIA PARA INICIANTES APRESENTAÇÃO: A fotografia atinge vários segmentos da vida e do cotidiano humano, pois é o instrumento que permite registrar um momento, o eternizando. A imagem fotográfica contribui

Leia mais

FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas

FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas Tirar fotos não é apenas uma ação de apontar a máquina e apertar o botão (a menos que essa seja sua intenção artística). É necessário saber o que vai retratar e como vai

Leia mais

Foto de Henri Cartier-Bresson, Place de l Europe, 1932.

Foto de Henri Cartier-Bresson, Place de l Europe, 1932. Guia Fotográfico 1 Este guia fornece a base do conhecimento técnico necessário para o aproveitamento deste curso básico de fotografia. A necessária expansão do conhecimento enunciado nestas páginas passa

Leia mais

PINHOLE SARDINHA POR MARCOS CAMPOS. www.marcoscampos.com.br - contato@marcoscampos.com.br - www.flickr.com/photos/marcoscampos

PINHOLE SARDINHA POR MARCOS CAMPOS. www.marcoscampos.com.br - contato@marcoscampos.com.br - www.flickr.com/photos/marcoscampos POR MARCOS CAMPOS PINHOLE SARDINHA - - http://creativecommons.org/licenses/by-nc/2.5/br/ MATERIAL NECESSÁRIO 16 15 7 6 4 1 13 14 17 8 9 11 12 5 2 3 4 10 1 - Lata de Sardinha (marca Gomes da Costa) 2 -

Leia mais

Os Elementos da máquina Fotográfica

Os Elementos da máquina Fotográfica Os Elementos da máquina Fotográfica Os Elementos da máquina Fotográfica 1. Obturador de velocidade 2. Diafragma 3. Objetiva 4. Visor 5. Sapata 6. Botão disparador 7. Sensor 8. LCD Os Elementos da máquina

Leia mais

Construindo a câmara escura

Construindo a câmara escura Construindo a câmara escura Shizue Introdução Captar e registrar imagens tornou-se possível com a câmara escura de orifício. Essa câmara nada mais é do que uma lata, preta por dentro para não refletir

Leia mais

10 Grandes Dicas de Fotografia

10 Grandes Dicas de Fotografia É fácil imprimir suas fotos. KODAK EASYSHARE Gallery*: A maneira mais fácil de imprimir suas fotos. Basta transferir suas fotos para o site www.kodakgallery.com, fazer seu pedido e, em poucos dias, suas

Leia mais

PROFISSIONAL. 7 Passos para Gerencar um Eficiente Estúdio Fotográfico de Produtos

PROFISSIONAL. 7 Passos para Gerencar um Eficiente Estúdio Fotográfico de Produtos EDIÇÃO Nº 04 GRÁTIS FOTOGRAFIA PROFISSIONAL SOLUÇÕES PARA IMAGENS DE PRODUTO QUE CONQUISTARAM OS LÍDERES DO COMÉRCIO ELETRÔNICO 7 Passos para Gerencar um Eficiente Estúdio Fotográfico de Produtos Do início

Leia mais

Afotografia de casamento é uma. O equipamento certo para

Afotografia de casamento é uma. O equipamento certo para Técnica&Prática Fotografia Social O equipamento certo para clicar casamentos Do cartão de memória à câmera: saiba em quais objetivas investir, o tipo de luz ideal e o que não pode ficar de fora da bolsa

Leia mais

FOTOGRAFIA. Apostila das Oficinas do Projeto Olha a Gente Aqui

FOTOGRAFIA. Apostila das Oficinas do Projeto Olha a Gente Aqui FOTOGRAFIA Apostila das Oficinas do Projeto Olha a Gente Aqui 1500-1800 A evolução da câmera obscura Conhecida pelos árabes desde a antiguidade, a câmera obscura evoluiu de maneira constante a partir do

Leia mais

A ARTE APÓS O ADVENTO DA FOTOGRAFIA

A ARTE APÓS O ADVENTO DA FOTOGRAFIA A ARTE APÓS O ADVENTO DA FOTOGRAFIA Bruno Carrijo Porto Débora Soares Oliveira Kamila Nogueira de Oliveira 1 Orientadora: Dra. Ana Lúcia Furquim Campos Toscano Resumo: O presente artigo tem como objetivo

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Introdução à Fotografia Digital

Introdução à Fotografia Digital Introdução à Fotografia Digital Aula 1 Fundamentos, Câmeras, Obje3vas Disponível em www.ecoclics.com/wp- content/pdf/aula_ifd_1.pdf Roteiro da Aula Apresentações Programação do curso Câmeras Objetivas

Leia mais

WORKSHOP DE FOTOGRAFIA com Giancarlo Mecarelli, José Roberto Pedroza e Carlos Nascimento Paraty dias 27, 28 e 29 de novembro

WORKSHOP DE FOTOGRAFIA com Giancarlo Mecarelli, José Roberto Pedroza e Carlos Nascimento Paraty dias 27, 28 e 29 de novembro WORKSHOP DE FOTOGRAFIA com Giancarlo Mecarelli, José Roberto Pedroza e Carlos Nascimento Paraty dias 27, 28 e 29 de novembro Nunca se fotografou tanto na história, porém grande parte dessas imagens ficam

Leia mais

Glossário de Fotopublicidade

Glossário de Fotopublicidade Glossário de Fotopublicidade Câmera analógica: câmera que captura as imagens em filme/película. Câmera digital: câmera que salva imagens como arquivos digitais em algum tipo de disco de memória em vez

Leia mais

Cópia. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Cópia. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Cópia Este capítulo inclui: Cópia básica na página 3-2 Ajustando as opções de cópia na página 3-4 Configuração básica na página 3-5 Ajustes de imagem na página 3-9 Ajustes de posicionamento de imagem na

Leia mais

História da Fotografia e um pouco da sua linguagem. Claudio Feijó www.olhar.com.br fev2011

História da Fotografia e um pouco da sua linguagem. Claudio Feijó www.olhar.com.br fev2011 História da Fotografia e um pouco da sua linguagem Claudio Feijó www.olhar.com.br fev2011 Foi através da fotografia que o homem encontrou uma das formas mais perfeitas e práticas para gravar e reproduzir

Leia mais

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli

Câmera Digital. Autor: Darllene Negri Nicioli Câmera Digital Autor: Darllene Negri Nicioli 2 OBJETIVO Têm como objetivo este trabalho mostrar o princípio de funcionamento geral de uma câmera digital até as vantagens e desvantagens do produto final,

Leia mais

Inventos e Inventores

Inventos e Inventores BIP Inventos e Inventores agosto/2007 O ser humano é, por natureza, curioso. E essa curiosidade aliada à necessidade de tornar a vida mais prática e confortável fez, e faz, com que uma infinidade de produtos

Leia mais

Fotografia: Rumos 1. Mahamed PRATA 2 Wilton MARTINS 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza - CE

Fotografia: Rumos 1. Mahamed PRATA 2 Wilton MARTINS 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza - CE Fotografia: Rumos 1 Mahamed PRATA 2 Wilton MARTINS 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza - CE RESUMO O presente artigo descreve o processo criativo e produtivo da fotografia de capa da revista A Ponte

Leia mais

Guia para fotografar com pouca luz. Versão 1. Texto e fotografias de Christian Camilo. 2 Christian Camilo Camiloart.com 2015

Guia para fotografar com pouca luz. Versão 1. Texto e fotografias de Christian Camilo. 2 Christian Camilo Camiloart.com 2015 1 Christian Camilo Camiloart.com 2015 1 2 Guia para fotografar com pouca luz Versão 1 Texto e fotografias de Christian Camilo T 2 Christian Camilo Camiloart.com 2015 3 Índice FOTOGRAFANDO EM AMBIENTES

Leia mais

Curso Básico de Fotografia Digital. Por Daniel Barboza

Curso Básico de Fotografia Digital. Por Daniel Barboza Curso Básico de Fotografia Digital Por Daniel Barboza Curso Básico de Fotografia Digital 57ª Turma Ementa Objetivos: Aprimorar conhecimentos gerais; Aprender a fazer fotos em viagens; Ter noção de como

Leia mais

A importância de personalizar a sua loja virtual

A importância de personalizar a sua loja virtual A importância de personalizar a sua loja virtual Ter uma loja virtual de sucesso é o sonho de muitos empresários que avançam por esse nicho econômico. Porém, como as lojas virtuais são mais baratas e mais

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

aprenda a fotografar em 7 lições CLAUDIA REGINA dicasdefotografia.com.br

aprenda a fotografar em 7 lições CLAUDIA REGINA dicasdefotografia.com.br aprenda a fotografar em 7 lições CLAUDIA REGINA dicasdefotografia.com.br Prefácio à publicação de 2013 Publiquei este manual pela primeira vez em março de 2009, quando o blog Dicas de Fotografia estava

Leia mais

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO Eletiva VOCÊ EM VÍDEO E.E. Princesa Isabel Número da sala e sessão Professor(es) Apresentador(es): Adriana Prado Aparecida Pereira da Silva Realização: Foco A Escola Estadual Princesa Isabel, por meio

Leia mais

Impressionismo. a) Apenas o item IV está correto. b) Apenas os itens II, III e V são corretos. c) Apenas os itens II, III e V estão incorretos.

Impressionismo. a) Apenas o item IV está correto. b) Apenas os itens II, III e V são corretos. c) Apenas os itens II, III e V estão incorretos. Impressionismo Questão 01 - Como os artistas realistas, que com a ciência haviam aprendido a utilizar determinados conhecimentos, os impressionistas se viram na necessidade de interpretar com maior vivacidade

Leia mais

O Mouse. Doug Engelbart - O inventor do mouse

O Mouse. Doug Engelbart - O inventor do mouse O Mouse Mouse é um dispositivo no qual o usuário do computador desliza sobre uma superfície para apontar em um local do vídeo (monitor) e selecionar uma ou mais ações daquela posição. O mouse tornou-se

Leia mais

Peripécias Analógicas: Descoberta, experimentação e vivência do ato de queimar o filme 1

Peripécias Analógicas: Descoberta, experimentação e vivência do ato de queimar o filme 1 Peripécias Analógicas: Descoberta, experimentação e vivência do ato de queimar o filme 1 Sarah Emanuelle Marques PEREIRA 2 Marina Muniz MENDES 3 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO RESUMO No mundo

Leia mais

SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010. Marcus Ramos UNIVASF

SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010. Marcus Ramos UNIVASF SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010 Marcus Ramos UNIVASF Engenheiro elétrico (USP/82); Mestre em Sistemas Digitais (USP/91); Professor do curso de Engenharia de Computação da UNIVASF em Juazeiro-BA

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO

3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO 3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO Fazer vídeos hoje em dia já não é o bicho de 7 cabeças que realmente foi a pouco tempo atrás. Nesse e-book você vai começar a aprender

Leia mais

Alexander Parkes. Camila Welikson. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons.

Alexander Parkes. Camila Welikson. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. Camila Welikson Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode O

Leia mais

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação

ebook Aprenda como aumentar o poder de captação do seu site. por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação por Rodrigo Pereira Publicitário e CEO da Agência Retina Comunicação Sobre o Autor: Sempre fui comprometido com um objetivo de vida: TER MINHA PRÓPRIA EMPRESA. Mas assim como você, eu também ralei bastante

Leia mais

Tire suas dúvidas sobre os leitores digitais

Tire suas dúvidas sobre os leitores digitais Tire suas dúvidas sobre os leitores digitais Amazon anuncia lançamento do Kindle no Brasil por cerca de R$ 1 mil. G1 lista o que você precisa saber antes de comprar esse tipo de eletrônico. Juliana Carpanez

Leia mais

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos?

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? 1 TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? Willians Cerozzi Balan Setembro/2009 Autores, pesquisadores e profissionais da área de produção em televisão reconhecem que a imagem exerce

Leia mais

Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8

Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8 Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8 Pré-requisitos: Possuir modalidade scanner no software Sphinx A SPHINX Brasil propõe uma solução de leitura automática de questionários por scanner. O Sphinx

Leia mais

A câmera fotográfica. 1) Definição 2) Tipos de câmeras 3) Estrutura e funcionamento

A câmera fotográfica. 1) Definição 2) Tipos de câmeras 3) Estrutura e funcionamento A câmera fotográfica 1) Definição 2) Tipos de câmeras 3) Estrutura e funcionamento Definição Câmera fotográfica é uma câmara escura projetada segundo características específicas (quanto a ótica, mecânica

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA"

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DIREITO E CINEMA Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA" Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Cornélio

Leia mais