O ADOECIMENTO PSICOLÓGICO DO POLICIAL MILITAR DO CEARÁ THE ILLNESS PSYCHOLOGICAL THRILLER OF MILITARY CEARÁ Fábio Rodrigues Paulino 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ADOECIMENTO PSICOLÓGICO DO POLICIAL MILITAR DO CEARÁ THE ILLNESS PSYCHOLOGICAL THRILLER OF MILITARY CEARÁ Fábio Rodrigues Paulino 1"

Transcrição

1 THE ILLNESS PSYCHOLOGICAL THRILLER OF MILITARY CEARÁ Fábio Rodrigues Paulino 1 Lídia Andrade Lourinho 2 Resumo Com as mudanças sociais surgem inúmeros conflitos de interesses no seio da sociedade e mais especificamente o aumento da criminalidade, fazendo com que se estabeleça desordem e consequentemente os mais variados tipos de violências. Por conta disso, a atividade policial vem sendo uma das, senão a mais importante ferramenta estatal na manutenção da lei e da ordem pública no controle das regras sociais. Em consequência dessa atividade permeada de fatores de riscos o profissional policial vem sendo acometido por diversas patologias, sendo que, uma das mais graves e comuns são os transtornos mentais. Desse modo, centenas de policiais militares afastam-se de suas atividades laborais devido estarem acometidos por patologias de natureza psicológica, acarretando, por conseguinte grande prejuízo para o Estado e para população. Então, entender como esse profissional adoece é de fundamental importância para que sirva de subsidio para as políticas de melhoramento das condições de trabalho e de promoção da saúde desses agentes de segurança pública do Estado do Ceará. Na perspectiva de subsidiar o desenvolvimento de uma Política Estadual de melhoramento das condições de trabalho e promoção de uma boa qualidade de vida, o presente estudo tem como objetivo entender o processo de adoecimento psicológico dos trabalhadores policiais militares, de modo a identificar os fatores determinantes e condicionantes desse infortúnio laboral e descobrir como a Organização Policia Militar e seus agentes desenvolve a qualidade de vida no trabalho. Como estratégias metodológicas foram adotados três procedimentos: pesquisa documental, acompanhamento do cotidiano de trabalho e realização de entrevistas semiestruturadas dirigidas aos policiais militares que desempenha diferentes funções. O adoecimento mental dos policiais militares do Estado do Ceará não é diferente do adoecimento dos policiais militares de outros Estados, nem suas causas são diferentes das já especificadas pelos diversos autores que tratam do tema em tela. Mas também a não busca pela instituição (Policia Militar do Ceará) da solução para o problema é um fator que se evidencia. A grande questão dessa problemática é a inexistência de um mecanismo de verificação sistemática que possa identificar o aparecimento desses fatores de adoecimento, para que no início seja estabelecida uma forma de combate ou controle, evitando assim o acometimento crônico do policial militar a esses fatores doentios. Palavras chaves: Saúde do Trabalhador, Saúde Mental, Doença ocupacional, Trabalho Policial. ABSTRACT With social changes numerous conflicts of interest arise in society and specifically the rise in crime, causing disorder and consequently to establish all kinds of violence. Because of this, police activity has been one of, if not the most important state tool in maintaining law and order in the control of social rules. As a result of this activity fraught with risk factors professional police has been affected by various diseases, and one of the most serious and common are mental disorders. Thus, hundreds of policemen shun their work activities because they are affected by psychological pathologies, leading consequently great loss for the state and population. So understand how sick this professional is crucial to serve as a subsidy for policies to improve working conditions and health promotion of these public safety officers of the State of Ceará. From the perspective of supporting the development of a state policy to improve 1 Concludente do curso de Segurança no Trabalho pela Faculdade Ratio. 2 Orientadora, professora doutoranda em Saúde Pública.

2 59 working conditions and promote a good quality of life, this study aims to understand the process of psychological illness among military police workers, in order to identify the determinants and labor constraints that misfortune and discover how the Military Police Organization and its agents develops quality of life at work. Documentary research, observation of daily work and conducting semi-structured interviews addressed to military officers who plays different roles as methodological strategies: three procedures were adopted. The mental illness of the military police of the State of Ceará is no different from illness of the military police of other states or their causes are different from those already specified by the various authors who treat the theme in question. But also not search by institution (Military Police of Ceará) the solution to the problem is a factor that is evident. The big question of this problem is the lack of a mechanism for systematic verification that can identify the onset of illness of these factors, so that at the beginning a form of combat or control is established, thus avoiding chronic involvement of the military police to these unhealthy factors. Key words: Occupational Health, Mental Health, Occupational Illness, Police Work. INTRODUÇÃO Em todo o país, a segurança pública vem sofrendo com uma realidade que aponta para o crescimento frequente e contínuo das mais diversas formas de violência e criminalidade. As políticas adotadas pelas polícias civil e militar tem se mostrado pouco eficazes e por vezes, ineficientes no combate a tal situação (PONCIONI, 2005). São muitas as críticas acerca da segurança pública no Brasil, principalmente no que diz respeito à atuação do policial. Nesse sentido, esta pesquisa se propõe a contemplar os aspectos que permeiam a saúde mental de policiais militares, trabalhadores que arriscam suas vidas para proteger outras. Portanto, trata-se de um tema relevante que gera, tanto interesse acadêmico, como social. Considera-se servidor militar, os indivíduos que trabalham, permanente ou transitório, nos serviços militares no plano da administração da União e dos Estados. Então, pode-se dizer que os policiais militares são profissionais que desempenham atividade no contexto federal ou no estadual, recebendo por este serviço um custeio. Para exercer uma boa atividade profissional, o militar deve saber lidar com o conjunto de tarefas a ele atribuídas, não podendo abster-se de cumpri-las, mesmo que isso acarrete um dilema pessoal (GASPARINI, 2001; JESUS, 2001). De acordo com Protásio (2011,pg.35) as relações de trabalho referem-se à hierarquia militar como um fator que prejudica as relações de trabalho, pois vai desde a

3 60 adaptação do conteúdo das tarefas às competências reais do trabalhador. Mas não só as condições como a organização do trabalho são determinantes no processo saúde/doença do profissional de segurança pública, pois existem fatores secundários, investimento ineficaz e falta de investimento, que podem aumentar a velocidade do processo de adoecimento desses trabalhadores. Alguns autores assinalam que a atividade militar não se resume apenas ao serviço diário, a função também implica em constante estado de alerta, mesmo quando o profissional encontra-se no seu momento de descanso. Sendo assim, a profissão do policial requer que o mesmo atue constantemente no confronto contra a conduta indevida ou criminosa da sociedade, defendendo cidadãos (MIRABETE, 1998; GUIMARÃES, 1999). Os policiais militares recebem influências de vários elementos negativos que podem gerar estresse. Tanto o cansaço físico, como a falta de equilíbrio emocional podem levar esses profissionais a se comportarem de forma irracional no decorrer das crises e das situações caóticas. A profissão militar tem como característica a exigência de inúmeros sacrifícios, incluindo o da própria vida, em prol da vida do outro. A morte é uma realidade constante na vida profissional desse sujeito, visto que o mesmo tem que aprender a lidar com a morte dos criminosos, das vítimas, dos companheiros de trabalho e também com a sua própria morte (VALLA, 2000, 2002). De acordo com Souza e Minayo (2005), os policiais são vítimas de acidentes e violências que podem leva-los à morte prematura. Em um estudo realizado por Souza et al (2007), com policiais civis, comprovou que esses policiais estão expostos a estresse contínuo no seu contexto laboral que lhes causam sofrimento psíquico e por conseguinte, diminui a eficácia profissional. Esta realidade não é diferente quando se considera o policial militar, segundo Porto (2004). No Brasil, ainda há poucas pesquisas desenvolvidas em âmbito nacional com os muitos batalhões da Polícia Militar, que permitam conhecer como o policial militar se percebe e avalia sua saúde mental. Na perspectiva de subsidiar o desenvolvimento de uma Política Estadual de melhoramento das condições de trabalho e promoção de uma boa qualidade de vida, o presente estudo tem como objetivo entender o processo de adoecimento psicológico dos

4 61 trabalhadores policiais militares, de modo a identificar os fatores determinantes e condicionantes desse infortúnio laboral e descobrir como a Organização Policia Militar e seus agentes desenvolve a qualidade de vida no trabalho. Como estratégias metodológicas foram adotados três procedimentos: pesquisa documental, acompanhamento do cotidiano de trabalho e realização de entrevistas. 1. O CAMPO DE TRABALHO DO POLICIAL MILITAR A organização policial brasileira teve seu início no período imperial e passou por vários outros períodos tendo deixado sua história atrelada à história do País. Um dos momentos de grandes transformações veio com a Proclamação da República, devido à abolição da escravatura e a instalação de um feudalismo altamente descentralizado associado a um rápido crescimento urbano das principais cidades brasileiras. Mas um dos períodos marcantes para o País, como para a Polícia, foi o Regime Militar. Marcado por muita repressão e restrição de direitos, a Polícia foi um instrumento, senão o mais importante do sistema ditatorial da época. Embora a instituição policial venha se moldando ao longo do tempo ainda tem raízes da ditadura militar brasileira (DE SOUSA, 2011). Segundo De Sousa (2011, p. 2): O conceito da instituição Polícia indica sua própria função, e essa vem se moldando no decorrer da história, conforme o contexto sócio-econômicocultural vigente. Porém alguns habitus persistem, de acordo com a pesquisa realizada por Costa (2004), através da análise de duas Instituições Policiais: a Polícia do Rio de Janeiro e a Polícia de Nova York, onde o mencionado autor constata que muitas práticas policiais do tempo da ditadura brasileira ainda vivem na operacionalidade policial carioca e das demais corporações policiais do Brasil. No Ceará, desde 1947, a instituição Policia Militar, alicerçada na hierarquia e disciplina, pilares das instituições militares, desenvolve a atividade de segurança pública no território cearense, através de seus agentes (policiais militares). Segundo a Constituição do Estado: Incumbe a Policia Militar, a atividade da preservação da ordem pública em todas as suas modalidades e proteção individual, com desempenhos ostensivos para inibir os atos atentatórios a pessoas e bens (Art. 188). Com mais de 15 mil policias, entre homens e mulheres, a instituição está presente em todo o território

5 62 cearense, com suas diversas Unidades Operacional, realizando sua atividade fim: o policiamento ostensivo e preventivo (POLICIA MILITAR). A Polícia Militar é uma organização administrativa do Estado, politicamente organizado, que tem por atribuição impor limitação à liberdade na exata medida necessária à salvaguarda e manutenção da ordem pública (LAZZARINI, 2008 apud DE SOUSA, 2011). Segundo os dados estatísticos da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Ceará, publicados no jornal Diário do Nordeste, a criminalidade no Estado é um problema social que vem crescendo ano a ano. A quantidade de homicídios no Ceará aumentou 11,4% no primeiro semestre do ano de 2014 em relação a igual período de Nada menos que pessoas assassinadas - no ano passado foram Os roubos reduziram 53,8 % nos três primeiros meses (JORNAL DIÁRIO DO NORDESTE 14/07/2014). Dentro desse cenário cada vez mais caótico estão os profissionais que lidam diretamente com o problema e que por vezes, por conta da importância e repercussão do fenômeno violência, são esquecidos no tocante a saúde ocupacional. Tais dados revelam que o ambiente em que esse profissional de segurança pública labora, é repleto de fatores que podem levá-lo ao adoecimento, mais especificamente, os transtornos mentais relacionados ao trabalho.

6 63 Não só o número de homicídios, mas também o número de profissionais policiais militares que vem se afastando de suas atividades laborais por acometimento de patologias psiquiátricas é alarmante. Segundo dados divulgados pela ASPRAMECE (associação de Praças da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros do Ceará) e publicado pelo jornal Diário do nordeste em 07/04/2014 mostra que somente em 2013 foram homologados afastamentos, por motivos desta natureza. E somente nos três primeiros meses de 2014 (de janeiro a março), foram 661 (JORNAL DIÁRIO DO NORDESTE 07/04/2014). Para o presidente da referida associação, o adoecimento dos policiais militares se deve a vares fatores. No entanto, para o Comando da Policia Militar o número de é o cumulativo no ano de 2013, não correspondendo o número real de afastamento de policiais militares, já que a média de afastamento, segundo o comando da polícia, gira em torno de 200 policiais afastados mensalmente por problemas de natureza psiquiátrica (Jornal Diário do nordeste 07/04/2014). Tais números revelam que 1,5% de todo efetivo policial do Estado do Ceara, são mensalmente afastados de suas atividades laborais por problemas psiquiátricos, revelando dessa forma, um grande problema a ser enfrentado pela

7 64 instituição. Contudo, nesse mesmo período, a instituição ao invés de buscar identificar as causas e solucionar o problema endurece cada vez mais as relações de trabalho. Decidindo por pôr em pratica a fiscalização dos policiais que estão afastados do serviço por licença médica (CNEWS 17/10/2013). E caso alguma irregularidade seja identificada, as punições cabíveis seriam aplicadas aos trabalhadores afastados (CNEWS, 17/10/2013). Partindo do pressuposto que as condições e a organização do trabalho contribuem para o adoecimento do policial militar, esta pesquisa tem com o objetivo, entender o processo de adoecimento de um importante ator social, o policial militar, de modo a identificar os fatores de riscos, revelando as causas e a interação entre elas, possibilitando desta forma, o melhoramento de suas condições de trabalho e consequentemente a melhoria da sua qualidade de vida no trabalho. 2. SAÚDE DO TRABALHADOR Segundo o Decreto Nº de 07 de novembro de 2011 que cria a Política Nacional de Saúde e Segurança no Trabalho PNSST - tem como objetivo a promoção da saúde e a melhoria da qualidade de vida do trabalhador e a prevenção de acidentes e de danos à saúde advindos, relacionados ao trabalho ou que ocorram no curso dele, por meio da eliminação ou redução dos riscos nos ambientes de trabalho (DECRETO Nº7. 602/2011 PNSST). Sendo que um dos princípios da PNSST é a universalidade, sendo assim a política vem a colaborar com a estratégia de segurança e saúde do policial militar, pois esse agente de segurança além de ser trabalhador estar exposto a inúmeros riscos ocupacionais que afeta diretamente sua saúde e qualidade de vida. Mas a grande problemática deste campo é o estabelecimento do nexo causal entre os transtornos mentais e os aspectos organizacionais do trabalho. Embora seja difícil a resolução desta questão, para melhor analise do problema, que é trabalhar com fatores de riscos que podem desenvolver transtornos mentais. O Manual de Procedimento Para o Serviço de Saúde 2001, do Ministério da Saúde do Brasil explica que: A prevenção dos transtornos mentais e do comportamento relacionados ao trabalho baseia-se nos procedimentos de vigilância dos agravos à saúde e dos ambientes e condições de trabalho. Utilizar conhecimentos médico-clínicos,

8 65 epidemiológicos, de higiene ocupacional, toxicologia, ergonomia, psicologia, entre outras disciplinas, valoriza a percepção dos trabalhadores sobre seu trabalho e a saúde e baseia-se nas normas técnicas e regulamentos vigentes, envolvendo: I - reconhecimento prévio das atividades e locais de trabalho onde existam substâncias químicas, agentes físicos e/ou biológicos e os fatores de risco decorrentes da organização do trabalho potencialmente causadores de doença; II - identificação dos problemas ou danos potenciais para a saúde, decorrentes da exposição aos fatores de risco identificados; III - identificação e proposição de medidas que devem ser adotadas para a eliminação ou controle da exposição aos fatores de risco e para proteção dos trabalhadores; IV - educação e informação aos trabalhadores e empregadores. A atual legislação que disciplina a matéria sobre acidente, lei nº 8.213/91, trata a doença do trabalho (mesopatia) e doença profissional/ocupacional (tecnopatia) para todos os efeitos como acidentes de trabalho. Assim: Art. 20. Consideram-se acidente do trabalho, nos termos do artigo anterior, as seguintes entidades mórbidas: I - doença profissional, assim entendida a produzida ou desencadeada pelo exercício do trabalho peculiar a determinada atividade e constante da respectiva relação elaborada pelo Ministério do Trabalho e da Previdência Social; II - doença do trabalho, assim entendida a adquirida ou desencadeada em função de condições especiais em que o trabalho é realizado e com ele se relacione diretamente, constante da relação mencionada no inciso I. Segundo o grupo V da tabela B do anexo II do decreto 3.038/99, as doenças mentais relacionadas com o trabalho são: neurose profissional, transtorno do ciclo vigila-sono, reação ao estresse grave/transtorno de adaptação e síndrome de burnout. Todos resultantes do fator estresse oriundo das relações de trabalho. As relações sociais tipificadas na citada norma legal causadoras dessas doenças são: Outras dificuldades físicas e mentais relacionadas com o trabalho, reação após acidente do trabalho grave ou catastrófico, ou após assalto no trabalho, Circunstância relativa às condições de trabalho, Problemas relacionados com o emprego e com o desemprego, Desemprego, Mudança de emprego, Ameaça de perda de emprego, Ritmo de trabalho penoso, Desacordo com patrão e colegas de trabalho (Condições difíceis de trabalho), Outras dificuldades físicas e mentais relacionadas com o trabalho, Problemas relacionados com o emprego e com o desemprego, Má adaptação à organização do horário de trabalho (Trabalho em

9 66 Turnos ou Trabalho Noturno), Ritmo de trabalho penoso, Outras dificuldades físicas e mentais relacionadas com o trabalho (Decreto 3.038/99). De modo geral, os trabalhadores em algum momento de sua vida laboral já foram submetidos a condições e organização de trabalho desfavoráveis, causadoras de estresse. Conforme é observado no presente estudo os agentes estressores é o fator primário no processo de adoecimento mental do trabalhador, mas outros Fatores, secundários, devem ser analisados para que se possa ter um melhor entendimento do que realmente determina o desencadeamento das referidas doenças ocupacionais. Estresse Deriva do latim, a palavra estresse foi empregada popularmente no século XVII significando fadiga, cansaço. A partir do século XVIII e XIX, o termo estresse aparece relacionado com conceito de força, esforço e tensão (FARIAS, 1992 Apud PEREIRA, 2010:24). Desta forma, segundo leciona PEREIRA 2010, é um processo temporário de adaptação que compreende modificações no organismo do trabalhador. Sendo que ele pode ser ou não resultante das relações do ambiente do trabalho, diferenciando o estresse de estresse ocupacional (estresse oriundo do ambiente de trabalho), pois é o fator principal das doenças mentais dos trabalhadores. Os trabalhadores estão sujeitos a diversos agentes estressores que causam sensação de tensão e/ou expectativa, como crise econômica, violência urbana ou rural, movimentos políticos e conflitos familiares, dentre outros fatores que alheios às condições de trabalho, podem afetar diretamente o trabalhador no ambiente laboral (JUNIOR 2013, Pg. 118). Neurose Profissional É um estado de desorganização persistente da personalidade, com consequente instalação de uma patologia vinculada a uma situação profissional ou organizacional determinada (ELEVATO, 1999, Apud JUNIOR, 2013). A neurose ocupacional instala-se no trabalhador em razão do elevado nível de tensão no ambiente laboral de modo a desenvolver no obreiro sentimento de insegurança, favorecendo o deterioramento da capacidade mental do trabalhador para desenvolver suas atividades laborais. Atualmente essa doença mental associada ao trabalho vem sendo desencadeada principalmente pela pratica de assédio moral e do assédio sexual no ambiente de trabalho (JUNIOR 2013).

10 67 Síndrome de Burnout É um processo que se dá em resposta pela crônificação do estresse ocupacional, trazendo com sigo consequências negativas tanto em nível individual como profissional, familiar e social (PEREIRA 2010). Desse modo conforme ensina MORAIS, o Burnout, Síndrome do Esgotamento Profissional, é o resultado do acometimento crônico do trabalhador ao estresse através de fatores estressores como: ruído, calor, medo, violência, desmotivação, assédio moral etc (MORAIS, 1997 Apud PREIRA, 2010). Entretanto pode-se notar que diante de determinado agente estressor observa-se reação distinta em diferentes pessoas, ou na mesma pessoa, esta pode apresentar formas heterogenias de resposta de estresse em momentos, ambientes ou contextos diversos. Estas diferenças se dão em razão de experiências anteriores, características de personalidades, pré-disposição genética, condições atuais de vida e outros fatores que, individualmente ou associado, acabam por dar formas diferentes às reações de estresse (PEREIRA, 2010). O estresse ocupacional é o meio para se chegar ao Burnout, e esse é o resultado do acometimento crônico aquele. O estresse tem características positivas ou negativas, já o Burnout tem sempre caráter negativo. Sendo que o Burnout, esta relacionado com o mundo laboral, tipo de atividade, e comporta uma dimensão social, interrelacional, através da despersonalização, alteração da personalidade do trabalhador o que não ocorre no estresse. Na concepção clinica, a síndrome de Burnout é caracterizada como um conjunto de sintomas (fadiga física e mental, falta de entusiasmo pelo trabalho, sentimento de impotência e inutilidade, baixa autoestima) podendo levar o profissional a estados depressivos e até mesmo ao suicídio (FREUDENBERG, 1974 Apud PEREIRA 2010, Pg. 34). De acordo com a concepção psicológica, os aspectos individuais associados às condições e relações de trabalho formam o conjunto que favorece o aparecimento dos fatores multidimensionais da síndrome; exaustão emocional, despersonalização e reduzida realização profissional (Chistina Maslach e Susan Jacson, 1997 Apud PEREIRA 2010, Pg. 35). Concepção mais aceta atualmente. Já na concepção organizacional, baseada na teoria das organizações, o Burnout é um desajuste entre as necessidades do trabalhador e os interesses da instituição de modo

11 68 a causar desencadeamento do processo da doença, e tem como protagonista os agentes estressores organizacionais e revela que a concepção psicológica (exaustão emocional, despersonalização e reduzida realização profissional) é um modo de enfrentamento (PEREIRA 2010, Pg. 36). Para a concepção sócio-histórica, prioridade é dada ao papel da sociedade, mais do que os fatores sociais e institucionais. De maneira genérica todos os teóricos reconhecem a relevância do papel desempenhado pelo trabalho bem como a dimensão social, relacional da síndrome (PEREIRA 2010, Pg. 36). 3. METODOLOGIA O estudo buscou compreender o processo de adoecimento mental do Policial Militar do Estado do Cerará utilizando-se de uma abordagem qualitativa, tendo como fonte primária entrevistas semiestruturadas que foram realizadas com policiais militares do Estado do Ceará que se encontra em atividade e que exercem diferentes atividades, tanto no policiamento ostensivo, como no preventivo. Também foram realizadas observações e busca e análise de dados quantitativos relativos ao número de afastamento de policiais por problemas psiquiátricos divulgados pela ASPRAMECE, como também a identificação de dados atinentes ao aumento da criminalidade no estado do cerará divulgados pela SSPDS (Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social). A nossa maior fonte de dados foi à imprensa cearense, mais especificamente, as informações divulgadas pelo Jornal Diário do Nordeste. As entrevistas foram elaboradas através de um questionário contendo questões abertas que abordava fatores institucionais como: condições e organização do trabalho. Mas também foram abordados fatores relativos à atividade policial como: stress e motivação. A entrevista foi realizada com uma amostra de seis policiais do cargo de soldado e tenente de diferentes unidades operacionais, todos com mais de cinco anos de efetivo serviço de policiamento na instituição Policia Militar do Ceara. Os entrevistados no cargo de soldado e tenente foram escolhidos por serem dentro de cada carreira, praças e oficiais, os que menos detêm poder de gestão (poder de comando), sendo os que, dentro das respectivas carreiras, mais executam as atividades e

12 69 consequentemente sofrem as maiores pressões. Os profissionais entrevistados, com relatos inseridos no estudo, tiveram seus nomes abreviados para preservar suas imagens. Já os dados estatísticos relativos ao número de policiais afastados acometidos por problemas psiquiátricos foram coletados junto a COPEM (Coordenadoria de Pericia Média), mas segundo o setor responsável onde foram solicitadas as informações, o sistema de dados do órgão não disponibilizava as informações referentes somente a afastamentos por problemas psicológicos, fornecia apenas o numero total de policiais afastados pelos mais diversos problemas de saúde. Dessa forma, por dificuldades em obter dados estatísticos do órgão que coleta essas informações, foram utilizados os dados divulgados pela ASPRAMECE e publicado pelo Jornal Diário do nordeste 07/04/2014. Os dados referentes ao aumento da criminalidade foram obtidos através da publicação pela SSPDS e divulgados, também pelo Jornal Diário do nordeste 14/07/1014. Os dados relativos aos programas de prevenção dos transtornos mentais relativos à atividade policial, a promoção da saúde dos policiais, a assistência aos policiais acometidos por problemas psiquiátricos e aos profissionais da área de psicologia que atuam na problemática abordada, foram solicitados junto ao Centro de Assistência Biopsicossocial da Policia Militar do Ceará. 3.1 Discussão dos resultados São vários os fatores de riscos a que se submetem os profissionais no ambiente de trabalho, gerando, por conta da exposição a esses fatores, diferentes patologias. Umas advêm de exposição a produtos químicos e substâncias que causam alucinações, outras relacionadas exclusivamente à atividade profissional. A forma com o trabalho se desenvolve (organização do trabalho) aliada a condições precária dos equipamentos (condições de trabalho) fazem com que surja ou aumente o fator estresse no desenvolvimento da atividade laboral. E levando em consideração que a maioria das doenças mentais que atingem os policiais é oriunda desse fator, pode, dessa forma, engendrar o adoecimento desses profissionais (GONÇALVES, VEIGAS, RODRIGUES, 2012).

13 70 Segundo Ramos (2007): A jornada de horas trabalhadas, associada com o sofrimento e o desgaste, conforme Laureel e Noriega (1985) podem ser definidas como: Elementos físicos, químicos e mecânicos, fisiológicos e psíquicos que interagem dinamicamente entre si e com o corpo. Quando uma força é despendida para a realização de uma atividade desmedida ou indesejada, suas resultantes são desgastes e sofrimento que repercutem na saúde. Em contrapartida, o incentivo e a satisfação no desenvolvimento das atividades dão início ao prazer da realização (Ramos, 2007 apud Gonçalves, Veiga, Rodrigues). Como já afirmado, várias são as doenças mentais inerentes ao exercício laboral, mas segundo o grupo V da tabela B do anexo II do decreto 3.048/99 (Regulamento da Previdência Social), as doenças mentais relacionadas com o trabalho são: neurose profissional, transtorno do ciclo vigília/sono, reação ao estresse grave (transtorno de adaptação) e síndrome de burnout. Todos resultantes do fator estresse oriundo das relações de trabalho. Os fatos tipificados na citada norma legal, causadores dessas doenças são: Outras dificuldades físicas e mentais relacionadas com o trabalho, reação após acidente do trabalho grave ou catastrófico, ou após assalto no trabalho, circunstância relativa às condições de trabalho, problemas relacionados com o emprego e com o desemprego, mudança de emprego, ameaça de perda de emprego, ritmo de trabalho penoso, desacordo com patrão e colegas de trabalho (Decreto 3.048/99, grupo V, tabela B, anexo II). Dessa forma, pode-se observar que as relações tipificadas no citado regulamento da previdência social, também são inerentes à atividade do policial militar associando-se a essas relações o poderoso sistema de vigilância e disciplina imposto pela instituição. Pois as relações sociais existentes dentro da instituição policial militar são relações de uma comunidade diferente de todas as outras, pois tem seus costumes, relações de conduta tipificada em lei especial, solenidades diferentes e uma legislação que lhe é própria. Esse modelo teve papel fundamental na forma como o Estado foi constituído, principalmente relacionado ao princípio de soberania, através do Exército na defesa do território nacional, o qual foi empregado também para manutenção da ordem e promoção da segurança pública. Muniz (1999, p. 111), explica que: As imagens que evocam o universo propriamente militar estão sempre presentes em qualquer discussão sobre as questões relativas à segurança

14 71 pública. No caso das polícias ostensivas brasileiras, que adotaram historicamente o modelo militar de organização profissional, essas figuras se fazem presentes não só no nome (Polícias Militares), como também na própria estrutura burocrática. A PM está dividida internamente em Organizações Policiais Militares (OPMs) executivas, setoriais e operacionais que prestam os serviços de policiamento. Assim como no Exército, ela possui Estado Maior, Cadeia de Comando, Batalhões, Companhias, Destacamentos, Regimentos, tropas etc. A disciplina e o poderoso sistema de vigilância impostos pelas instituições militares tentam adestrar e condicionar a força de trabalho para atender aos anseios da organização. Esses instrumentos organizacionais buscam eliminar os sistemas de defesas /enfrentamento dos trabalhadores. No entanto, para Dejours, o trabalhador é efetivamente a pessoa mais qualificada para saber o que é compatível com a sua saúde. Do choque entre o indivíduo dotado de uma história personalizada, e a organização do trabalho, portadora de uma injunção despersonalizante emerge uma vivencia e um sofrimento que podemos tentar esclarecer (DEJOURS, 1992, p. 43). Portanto, a Policia Militar do Ceará, como as outras polícias militares do restante do país é detentora de um código disciplinar muito rígido que impõe uma disciplina totalmente diferente do restante da sociedade, estabelecenhdo transgressões e referentes punições que vão desde uma simples advertência verbal até uma custódia disciplinar, ou seja, uma prisão administrativa. A obediência aos superiores é cobrada de forma enfática, estabelecendo um poder hierárquico vertical, de forma a revelar que os pilares institucionais são a hierarquia e disciplina, constituindo, como é conhecido pelos trabalhadores submetidos a esse regime, o militarismo (Código Disciplinar dos Militares do Estado do Ceara). Para Dejours, as relações de trabalho referem-se à hierarquia militar como um fator que prejudica as relações de trabalho, pois vai desde a adaptação do conteúdo das tarefas às competências reais do trabalhador. (Dejours, 1992 Apud PROTÁSIO, 2011, p. 3). Para Dwyer (2006), a teoria social dos acidentes trata os infortúnios laborais como um produto das relações que regem as relações de trabalho nos níveis, social (recompensa, comando e organizacional) e pessoal (individuo membro). De modo que as formas como essas relações são gerenciadas, como o trabalho é organizado, levam ao acarretamento de acidentes, pois a organização associada a condições de trabalho pode engendrar o adoecimento do trabalhador.

15 72 Entende-se, seguindo a linha de raciocínio de Dwyer (2006) com a Teoria Sociológica dos Acidentes de Trabalho que a desagregação do grupo de trabalho, proibição de sindicaliza-se no caso dos policiais, é outro fator que contribuem para a ocorrência de infortúnios laborais. Pois quando um grupo de trabalhadores não consegue agregar-se fica difícil buscar melhores condições de trabalho, ocasionando um desanimo nos trabalhadores. O mesmo autor afirma que o sistema de recompensa, se mal utilizado, é outro fator que pode engendrar o aparecimento de infortúnios. O exemplo claro, no caso da Policia Militar do Ceara, é que Estado através de seus gestores, com o objetivo de atender às demandas de segurança, impostas pelo crescimento da criminalidade, busca de todas as formas maximizarem a eficiência na prestação do serviço de segurança pública. E para chegar nesse objetivo instituiu uma gratificação incentivando ao cumprimento de metas no tocante à redução da criminalidade. Em uma entrevista publicada pelo Jornal Diário do Nordeste, em abril de 2014, o presidente da ASPRAMECE, Pedro Queiroz, relata que é um fator que irá alavancar o número de PMs sob efeito de psicotrópicos nas ruas. É grave que uma pessoa com a capacidade alterada porte uma arma, mas isto existe não é pouco, até porque é comum o policial sofrer represálias, como transferências, por pedir licenças médicas, então, eles a evitam. Vão acabar demonstrando estarem aptos ao trabalho, para ganharem as gratificações, quando não estão capacitados a estarem nas ruas" (Jornal Diário do nordeste 07/04/2014). O fato é que o governo do estado criou um incentivo financeiro através da lei complementar Nº133/2014 na qual estabelece uma gratificação que varia de acordo com o cargo. O funcionário que detém um maior cargo (cargo de gestão) recebe um maior valor, consequentemente essa forma de buscar produtividade pode gerar maior pressão nos trabalhadores de cargos inferiores, por parte dos gestores, agravando ainda mais o estado patológico que acomete esses profissionais. Outro fato a ressaltar, consequência dos incentivos financeiros mal utilizados é o presenteismo que pode ser gerado: por vantagens econômicas, quando o trabalhador doente deixa de se afastar do trabalho para não ter perdas salariais, ou por vaidade, quando não se ausenta do serviço para não perder o condicionamento produtivo (habilidade e presteza na realização da atividade). Há nessa prática um ciclo

16 73 vicioso de alienação de forma a gerar uma síndrome patológica, fazendo com que, no fim, o culpado pelo sofrimento seja o próprio trabalhador (DEJOURS, 1992, p. 47). No caso da gratificação instituída pelo governo do Estado do Ceara, além de causar uma maior pressão por partes dos gestores para o cumprimenta de metas. Ocasiona, também, a permanência dos policiais em estado patológico no trabalho, uma vez que se esse profissional se licenciar por tempo superior a seis meses deixa de receber o incentivo financeiro. A maioria dos entrevistados entende que o adoecimento mental dos policias militares é uma combinação de fatores, agindo de forma sistêmica e produzindo um resultado, que é o adoecimento e afastamento desses profissionais do ambiente de trabalho. Os fatores causadores do adoecimento psicológico expostos pelos policiais militares são os mesmos expostos, anteriormente, por diversos autores, só que de forma simples e menos técnica. enfrenta na instituição: Sobre o processo de adoecimento, um dos entrevistados relata o que ele Enfrentei e enfrento atualmente: falta de estimulo, falta de salário digno, falta de reconhecimento, falta de folga, falta de material adequado e etc. E pior, tenho que sofrer calado perante a sociedade. O adoecimento é consequência de um trabalho estressante, desestimulante e com perseguições (A.F.B. policial militar há 13 anos). policial: De acordo com outro pesquisado, no que se refere ao adoecimento do com objetivo específico de verificar o adoecimento dos policiais militares, vejo que o apoio de um bom plano de saúde e um efetivo acompanhamento psicossocial seria um bom começo (N.C.F.,policial militar há 8 anos). Segundo o Centro Biopsicossocial (CBS) da Policia Militar são muitos os atendimentos do centro a policiais militares e seus de pendentes. E dentre os atendimentos estão os médicos, psicológicos e de assistência social, mas os que são atendidos com maior frequência são os pacientes com problemas psicológicos. Só no ano de 2012, dos atendimentos realizados pelo CBS, foram atendimentos psicológicos. Desses numero de atendimentos, foram para policiais militares e para dar assistência a dependentes. Correspondendo a uma relação de 52,8% de

17 74 atendimento para policiais e 47.8%, para dependentes. Isso mostra que o Centro atende a uma relação proporcional de quase um policial para um dependente. Revelando dessa forma que os dependentes desses policiais também estão acometidos pelo adoecimento psicológico, que pode ser advindo de fatores estranhos à atividade do policial como pode ser influenciado pelo estresse sofrido por esse profissional e refletido em seus familiares. O CBS destaca ter diversos programas de assistência a policiais e dependentes que foram acometidos de alguma forma a problemas psicossociais, mas os programas desenvolvidos pelo Centro Biopsicossocial são de apoio ou assistência. Contudo, programas de prevenção como: monitoramento dos fatores de riscos, avaliação sistemática do nível de estresse dos policiais dentre outras ações são inexistentes. Muitos fatores contribuem para que essas ações de prevenção não sejam desenvolvidas. A falta de pessoal é um fator que dificulta essas ações preventivas, pois são apenas três, os profissionais de psicologia e três de serviço social que fazem parte do CBS para atender todo o efetivo policial militar do Estado do Ceara. Outro fator a ser destacado é a centralização do Centro Biopsicossocial na cidade de fortaleza, sendo que, policiais de regiões distantes que quiserem usufruir dos serviços do CBS têm que se deslocarem para a capital cearense. Dessa forma é revelado que além da existência de vários fatores, há associação com a falta de investimento em prevenção e promoção da saúde dos policiais militares, interferindo decisivamente na qualidade de vida desses profissionais e por consequência na de seus familiares. Consequentemente, os trabalhadores policiais além de adoecerem, adoecem também as pessoas com quem convivem, estabelecendo assim um círculo doentio difícil de ser quebrado. CONSIDERAÇÕES FINAIS Um dos grandes percalços para o desenvolvimento deste estudo foi a dificuldade na obtenção de dados, relativos à problemática, junto aos órgãos competentes. Pois por se tratando de uma instituição fechada (militar) a dificuldade se tornou ainda maior. O adoecimento mental dos policiais militares do Estado do Ceará não é diferente do adoecimento dos policiais militares de outros Estados, nem suas causas são

18 75 diferentes das já especificadas pelos diversos autores que tratam do tema em tela. Mas também a não busca pela instituição (Policia Militar do Ceará) da solução para o problema é um fator que se evidencia. A grande questão dessa problemática é a inexistência de um mecanismo de verificação sistemática que possa identificar o aparecimento desses fatores de adoecimento, para que no início seja estabelecida uma forma de combate ou controle, evitando assim o acometimento crônico do policial militar a esses fatores doentios. Sabe-se que esses fatores são pertinentes e inerentes às policias militares e a atividade policial em todo o Brasil, mas o que foi evidenciado neste estudo foi, por conta da Policia Militar cearense, a falta de investimento para prevenir o adoecimento mental e promover uma boa qualidade de vida para esses trabalhadores. Dessa forma conclui-se que os fatores de riscos associados a falta de investimento em prevenção são determinantes no processo de adoecimento do policial militar do Estado do Ceará. REFENRÊNCIAS ARAUJO JUNIOR, Francisoc Milton. Doença ocupacional e acidente de trabalho: analise multidisciplinar. Editora LTr, 2ª ed. São Paulo, BRASIL, Decreto Lei 3.048: Regulamento da previdência social e dá outras providencias, BRASIL, Lei nº 8.213: Planos de benefícios da previdência social e dá outras providencias, BRASIL, Ministério da Saúde. Manual de procedimento para o serviço de saúde BRASIL, Ministério do trabalho e emprego: Portaria 3.214, Normas Regulamentadoras, BRASIL, Ministério do trabalho e emprego: Manual de aplicação da norma regulamentadora nº17, CEARÁ, Constituição do Estado do Ceará, CEARÁ, Lei : Estatudo dos militares do estado do Ceara, CEARÁ, Lei : Código disciplinar dos militares do Estado do Ceará, 2003.

19 76 DEJOURS, Christophe A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho/ Christophe Dejours; tradução de Ana Isabel Paraguai e Lúcia Leal Ferreira. Editora Cortez Oboé, 5ª ed. Ampliada. São Paulo, DE SOUSA, Reginaldo canuto. Uma análise da história da segurança pública Brasileira, V Jornada internacional de puliticas públicas. São Luiz. UFMA, DWYER, Thomas Patrik. Vida e morte no trabalho: acidentes do trabalho e produção social de erros/ Tom Dwyer. Cmpinas, SP: Editora Unicamp, GASPARINI, D. Direito Administrativo. São Paulo: Saraiva, GONÇALVES, Fabrício da Silva, Prevalência de Transtornos Mentais Comuns entre policiais militares de Ceilândia/Distrito Federal GUIMARÃES, A. F. O contrato de trabalho do policial militar. Revista Direito Milita da Associação dos Magistrados das Justiças Militares Estaduais, Florianópolis, v. 3, n. 17, p. 6-8, mai./jun JESUS, F. Psicologia aplicada à justiça. Goiânia: Editora: AB, 2001 MINAYO, M. C. S.; SOUZA, E. R.; CONSTANTINO, P. Riscos percebidos e vitimização de policiais civis e militares na (in) segurança pública. Cadernos de Saúde Pública, v. 23, n. 11, p , jan./mar MIRABETE, J. F. Processo Penal. São Paulo: Atlas, MUNIZ, Jaqueline. Ser policial é, sobretudo uma razão de ser - Cultura e Cotidiano da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro. IUPERJ, PEREIRA, Ana Maria T. Benevides. Quando o trabalho ameaça o bem estar do trabalhador. 4ª ed., São Paulo: Casa do Psicólogo, PONCIONI, P. O modelo policial profissional e a formação profissional do futuro policial nas academias de polícia do estado do Rio de Janeiro. Sociedade e Estado, v. 20, n. 3, p , set./dez PORTO, M. S. G. Polícia e violência: representações sociais de elites policiais do Distrito Federal. São Paulo em Perspectiva, v. 18, n. 1, p , jan./mar PROTÁSIO, Isabela Siqueira. Saúde mental do trabalhador policial militar da Radiopatrulha. V Colóquio Internacional, Educação e Contemporaneidade. Sergipe, 2011.

20 77 SOUZA, E. R.; MINAYO, M. C. S. Policial risco como profissão: morbimortalidade vinculada ao trabalho. Ciência e Saúde Coletiva, v. 10, n. 4, p , out./dez VALLA, W. O. Ética e a atividade do policial militar. Revista Direito Militar da Associação dos Magistrados das Justiças Militares Estaduais, Florianópolis, v. 4, n. 21, p. 5-6, jan./fev VALLA, W. O. O compromisso e as implicações deontológicas para o militar de polícia. Revista Direito Militar da Associação dos Magistrados das Justiças Militares Estaduais, Florianópolis, v. 7, n. 37, p , set./out GONÇALVES, Sebastião Jorge da Cunha - VEIGA Alan João da Silva - RODRIGUES Lília Marques Simões. Qualidade de Vida dos Policiais Militares que Atuam na Área da 2ª CIA do 10 Batalhão Militar, Revista Fluminense de Extensão Universitária, Vassouras, v. 2, n. 2, p , jul./dez.,

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE Ângela Maria Fenner Assistente Social do INSS Conselheira do

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT, A SÍNDROME DA ESTAFA PROFISSIONAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA.

SÍNDROME DE BURNOUT, A SÍNDROME DA ESTAFA PROFISSIONAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA. SÍNDROME DE BURNOUT, A SÍNDROME DA ESTAFA PROFISSIONAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA. Vanessa Parizotto Ramos¹; Dayanne Cristina Ribeiro¹; Tamires Aparecida Camarini¹; Carina Bortolato Garcia². Resumo: A

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT e a equipe de enfrmagem

SÍNDROME DE BURNOUT e a equipe de enfrmagem UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ SÍNDROME DE BURNOUT e a equipe de enfrmagem CURITIBA, 2010 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ CURITIBA, 2010 1 INTRODUÇÃO A partir do artigo de Freudenberger em 1974, denominado

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

VIII Fórum de Saúde e Segurança no Trabalho FEBRABAN 2011

VIII Fórum de Saúde e Segurança no Trabalho FEBRABAN 2011 VIII Fórum de Saúde e Segurança no Trabalho FEBRABAN 2011 Psiquiatria Ocupacional Prof. Duílio Antero de Camargo Psiquiatra clínico e forense Médico do Trabalho Instituto de Psiquiatria HC FM USP Núcleo

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N o 193, DE 2015 Regulamenta o 7º do art. 144 da Constituição Federal, que versa sobre organização e funcionamento dos Órgãos

Leia mais

Saúde é um direito fundamental.

Saúde é um direito fundamental. Saúde é um direito fundamental. A Constituição de 1988 elevou a saúde à categoria de direito fundamental, um dos conhecidos direitos sociais, como se vê nos artigos 6º e 7º. A partir dessa Constituição,

Leia mais

COLÓQUIO POLÍTICAS DE PREVENÇÃO E DE ATENDIMENTO À SAÚDE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO. Cássio Filipe Galvão Bessa Executiva CONTEE

COLÓQUIO POLÍTICAS DE PREVENÇÃO E DE ATENDIMENTO À SAÚDE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO. Cássio Filipe Galvão Bessa Executiva CONTEE COLÓQUIO POLÍTICAS DE PREVENÇÃO E DE ATENDIMENTO À SAÚDE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO Cássio Filipe Galvão Bessa Executiva CONTEE Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores do Ensino Privado no Estado

Leia mais

ALERTA PARA OS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM SOBRE OS SINTOMAS DA SÍNDROME DE BURNOUT

ALERTA PARA OS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM SOBRE OS SINTOMAS DA SÍNDROME DE BURNOUT ALERTA PARA OS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM SOBRE OS SINTOMAS DA SÍNDROME DE BURNOUT CASTRO, Wagner Aparecido Oliveira Discente do curso de Enfermagem da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva.

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF

GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF Autor(a): Karla Theonila Vidal Maciel Freitas 1 Introdução As empresas estão dando, cada vez mais,

Leia mais

RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS

RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO BANCÁRIO Em consequência das mudanças sociais, econômicas e, sobretudo, tecnológicas, a organização do trabalho bancário

Leia mais

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios mentais relacionados ao trabalho Dra Ana Paula Schmidt Waldrich Médica do Trabalho CRM-SC 13.384 Doença Ocupacional Quais as formas de caracterização de

Leia mais

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010 SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010 Estabelece orientações básicas sobre a Norma Operacional de Saúde do Servidor - NOSS aos órgãos e entidades do Sistema de Pessoal

Leia mais

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Serviço o de Apoio Psicossocial (SAP) Carla Valéria Nogueira

Serviço o de Apoio Psicossocial (SAP) Carla Valéria Nogueira Serviço o de Apoio Psicossocial (SAP) Carla Valéria Nogueira Contextualizando... Grande número de licenças por períodos prolongados, sem avaliação criteriosa de cada caso Cerca de 40% das licenças tem

Leia mais

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho 25/03/2009 Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho: O Caso de um Hospital Sandrina Nunes Violência no Sector da Saúde Ilustração

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ROSÂNGELA MARION DA SILVA 1 LUCIMARA ROCHA 2 JULIANA PETRI TAVARES 3 O presente estudo, uma pesquisa descritiva bibliográfica, tem por

Leia mais

Amanda Furtado Mascarenhas Lustosa 1. 1 Estudante de Pós-graduação. Universidade Federal do Piauí (UFPI). amanda-facime@hotmail.

Amanda Furtado Mascarenhas Lustosa 1. 1 Estudante de Pós-graduação. Universidade Federal do Piauí (UFPI). amanda-facime@hotmail. DETERMINANTES DO SOFRIMENTO NO TRABALHO EM SAÚDE MENTAL: um estudo de caso no Centro de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil Dr. Martinelli Cavalca- CAPSi, Teresina (PI) Amanda Furtado Mascarenhas Lustosa

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 O vácuo moral na contemporaneidade: narrativas e experiência da violência no cotidiano laboral Ana Karina Loiola

Leia mais

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante:

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante: Palestrante: Seminário Nacional de Saúde Mental e Trabalho São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008 Maria Izabel Azevedo Noronha Oficina 2 SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO 29 de Novembro de 2008

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES 1 QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES Alguns pesquisadores brasileiros que se destacaram por seus trabalhos sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) consideram que só recentemente a abordagem da Qualidade

Leia mais

Paula A.S.F. Martins Enfermeira, doutora em Enfermagem Psiquiátrica (EEUSP), especialista e mestre em Enfermagem Psiquiátrica e em Saúde Mental

Paula A.S.F. Martins Enfermeira, doutora em Enfermagem Psiquiátrica (EEUSP), especialista e mestre em Enfermagem Psiquiátrica e em Saúde Mental Paula A.S.F. Martins Enfermeira, doutora em Enfermagem Psiquiátrica (EEUSP), especialista e mestre em Enfermagem Psiquiátrica e em Saúde Mental (UNIFESP/ EEUSP), MBA em Economia da Saúde) (CPES/ UNIFESP)

Leia mais

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE Izabel Cristina Brito da Silva 1 Emanuela Batista Ferreira 2 Jael Maria de Aquino 3 Sílvia Elizabeth Gomes de Medeiros

Leia mais

RH Saúde Ocupacional

RH Saúde Ocupacional Programa de Promoção da Saúde no Ambiente de Trabalho RH Saúde Ocupacional Objetivo Tem como principal objetivo propiciar ambiente de Tem como principal objetivo propiciar ambiente de trabalho e clima

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE DE MUNICÍPIO DE MÉDIO PORTE NA BAHIA

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE DE MUNICÍPIO DE MÉDIO PORTE NA BAHIA 1142 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DE SAÚDE DE MUNICÍPIO DE MÉDIO PORTE NA BAHIA Andrei Souza Teles¹; Thereza Christina Bahia Coelho² 1. Bolsista PIBIC/CNPq, Graduando em Enfermagem,

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.645, DE 2014. Altera o art. 18 do Decreto-Lei nº 667, de 2 de julho de 1969, que extingue a pena de prisão disciplinar para as polícias

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

FETEESUL AVALIAÇÃO DO ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO PRIVADO NO RIO GRANDE DO SUL

FETEESUL AVALIAÇÃO DO ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO PRIVADO NO RIO GRANDE DO SUL FETEESUL AVALIAÇÃO DO ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO PRIVADO NO RIO GRANDE DO SUL Coordenadora:Profa. Dra. Janine Kieling Monteiro - UNISINOS Colaboradora: Dra. Carolina Saraiva de Macedo Lisboa Mestranda:

Leia mais

A SÍNDROME DE BURNOUT NO TRABALHO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE: ESTUDO JUNTO AOS PROFISSIONAIS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM HOSPITALAR 1

A SÍNDROME DE BURNOUT NO TRABALHO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE: ESTUDO JUNTO AOS PROFISSIONAIS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM HOSPITALAR 1 A SÍNDROME DE BURNOUT NO TRABALHO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE: ESTUDO JUNTO AOS PROFISSIONAIS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM HOSPITALAR 1 LANA, Letice Dalla 2 ; MÜLLER, Daniela Virote Kassick 3 ; SCHNEIDER, Rodolfo

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO FÓRUM CLÓVIS BEVILÁQUA

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO FÓRUM CLÓVIS BEVILÁQUA ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO FÓRUM CLÓVIS BEVILÁQUA APRESENTAÇÃO E-mail para contato: ctifor@tjce.jus.br Nome do trabalho: Projeto Qualidade de Vida: celebrando o equilíbrio mente/corpo no ambiente

Leia mais

Vol. VII. Instituições de Saúde. Manual de Segurança. Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br

Vol. VII. Instituições de Saúde. Manual de Segurança. Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br Instituições de Saúde Vol. VII Manual de Segurança A Apresentação s instituições de saúde, principalmente os hospitais, são freqüentemente vítimas de ataques externos

Leia mais

São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008. Oficina 5

São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008. Oficina 5 Palestrante: Selma Lancman Seminário Nacional de Saúde Mental e Trabalho São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008 Oficina 5 REABILITAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE MENTAL 29 de Novembro de 2008 Terapeuta Ocupacional.

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA PROFISSIONAIS DE SAÚDE. NOTIFICAÇÃO ON-LINE 2014.

VIOLÊNCIA CONTRA PROFISSIONAIS DE SAÚDE. NOTIFICAÇÃO ON-LINE 2014. VIOLÊNCIA CONTRA PROFISSIONAIS DE SAÚDE. NOTIFICAÇÃO ON-LINE 2014. Departamento da Qualidade na Saúde Março 2015 Índice Introdução... 3 Notificação de Violência contra Profissionais de Saúde... 6 Conclusão...

Leia mais

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA SEGURANÇA PÚBLICA Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 Ser humano x Humor VARIAÇÕES : SIM( X) NÃO( ) EXTREMOS: SIM( ) NÃO( X) CONTROLE Sensações normais Saúde mental x doença mental

Leia mais

A RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR NOS ACIDENTES DO TRABALHO: APLICAÇÃO DA TEORIA DA PERDA DE UMA CHANCE

A RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR NOS ACIDENTES DO TRABALHO: APLICAÇÃO DA TEORIA DA PERDA DE UMA CHANCE A RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR NOS ACIDENTES DO TRABALHO: APLICAÇÃO DA TEORIA DA PERDA DE UMA CHANCE CHAMORRO, N. A. A. Resumo: O estudo baseia-se na responsabilidade civil do empregador pela perda

Leia mais

O PROFESSOR, O SOFRIMENTO PSÍQUICO E O ESTRESSE: APLICAÇÃO DO ISSL EM UMA IES PARTICULAR DE FORTALEZA.

O PROFESSOR, O SOFRIMENTO PSÍQUICO E O ESTRESSE: APLICAÇÃO DO ISSL EM UMA IES PARTICULAR DE FORTALEZA. O PROFESSOR, O SOFRIMENTO PSÍQUICO E O ESTRESSE: APLICAÇÃO DO ISSL EM UMA IES PARTICULAR DE FORTALEZA. Autora: Daniele Gruska Benevides Prata; Orientadora: Juliana Brito Cavalcante Universidade Estadual

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE COMITÊ DE ACOMPANHAMENTO DE TRABALHADORES COM RESTRIÇÕES LABORAIS E RESULTADOS INICIAIS

IMPLANTAÇÃO DE COMITÊ DE ACOMPANHAMENTO DE TRABALHADORES COM RESTRIÇÕES LABORAIS E RESULTADOS INICIAIS IMPLANTAÇÃO DE COMITÊ DE ACOMPANHAMENTO DE TRABALHADORES COM RESTRIÇÕES LABORAIS E RESULTADOS INICIAIS Autores Fernanda Cabral Schveitzer ITAIPU BINACIONAL RESUMO Introdução: Em 2009 a ITAIPU Binacional

Leia mais

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 DEFINIÇÕES Moral: É o conjunto de regras adquiridas através da cultura, da educação, da tradição e do cotidiano, e que orientam

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

O ESTRESSE NO MUNDO DO TRABALHO: UMA ABORDAGEM INDIVIDUAL E ORGANIZACIONAL

O ESTRESSE NO MUNDO DO TRABALHO: UMA ABORDAGEM INDIVIDUAL E ORGANIZACIONAL O ESTRESSE NO MUNDO DO TRABALHO: UMA ABORDAGEM INDIVIDUAL E ORGANIZACIONAL COUTINHO, Daniele Aparecida Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail:

Leia mais

OS DESAFIOS DA FUNÇÃO DOCENTE NA ESCOLA DE HOJE

OS DESAFIOS DA FUNÇÃO DOCENTE NA ESCOLA DE HOJE OS DESAFIOS DA FUNÇÃO DOCENTE NA ESCOLA DE HOJE RESUMO Lourdes Keila Casado Pulucena 1 Lucieni Vaz dos Santos 2 Rosana Maria dos Anjos 3 Devido às mudanças trazidas à sociedade humana nos últimos tempos

Leia mais

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde SILVIA CURY ISMAEL HOSPITAL DO CORAÇÃO DE SÃO PAULO III Congresso dos Servidores de Saúde

Leia mais

G.S.E. ATENDIMENTO PSIQUIÁTRICO

G.S.E. ATENDIMENTO PSIQUIÁTRICO G.S.E. ATENDIMENTO PSIQUIÁTRICO O ESTADO! A CARTA MAGNA CRIA O ESTADO ORGANIZADO E DETERMINA AS SUAS ATRIBUIÇÕES QUE OBEDECEM A UM ORDENAMENTO JURÍDICO E ADMINISTRATIVO.! AS FUNÇÕES DO ESTADO SÃO DISTRIBUÍDAS

Leia mais

Atualização sobre a violência no trabalho. Profª Andréa Maria Silveira UFMG

Atualização sobre a violência no trabalho. Profª Andréa Maria Silveira UFMG Atualização sobre a violência no trabalho Profª Andréa Maria Silveira UFMG VIOLÊNCIA Uso intencional de força física ou poder em ameaça ou ato, contra si mesmo, outra pessoa, grupo ou comunidade que resulte

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

TÍTULO V DA SEGURANÇA, SAÚDE E AMBIENTE DE TRABALHO DOS SERVIDORES DA SES/MT CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

TÍTULO V DA SEGURANÇA, SAÚDE E AMBIENTE DE TRABALHO DOS SERVIDORES DA SES/MT CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO V DA SEGURANÇA, SAÚDE E AMBIENTE DE TRABALHO DOS SERVIDORES DA SES/MT CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 29 Para efeitos desta lei complementar considera-se segurança, saúde e ambiente de trabalho

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Homem

Política Nacional de Saúde do Homem Política Nacional de Saúde do Homem O Ministério da Saúde lançou a Política Nacional de Saúde do Homem. O objetivo é facilitar e ampliar o acesso da população masculina aos serviços de saúde. A iniciativa

Leia mais

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil Trabalho de educação continuada desenvolvido pelo CRM-AL em 2002. Atendimento de profissionais

Leia mais

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO DA SÍNDROME S DE BURNOUT EM TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AUTORES: KALINE LÍGIA F. CAUDURO VICTOR N. FONTANIVE PAULO V. N. FONTANIVE INTRODUÇÃO A saúde do trabalhador

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

Projeto Laborar Saúde do Trabalhador (1)

Projeto Laborar Saúde do Trabalhador (1) Projeto Laborar Saúde do Trabalhador (1) Introdução Após um percurso de mais de dez anos de pesquisa sobre trauma, violência, exclusão social, herança e transmissão da subjetividade o Grupo de trabalho

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Qualidade de Vida no Trabalho O conceito de QVT é muito abrangente, e precisa ser definido com clareza, uma vez que as posições profissionais dos trabalhadores dentro de uma organização

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Publicado no D.O.U de 12 de março de 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Publicado no D.O.U de 12 de março de 2010. INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Publicado no D.O.U de 12 de março de 2010. Institui o Projeto Qualidade de Vida dos Profissionais de Segurança Pública e Agentes Penitenciários.

Leia mais

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO.

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. EMPRESA Conforme o Art. 157 da CLT - Consolidação das Leis Trabalhistas Cabe às empresas: Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; Instruir os empregados, através de ordens

Leia mais

Ambientes de Trabalho Saudáveis e Produtividade. Samuel Antunes 25.11.15

Ambientes de Trabalho Saudáveis e Produtividade. Samuel Antunes 25.11.15 Ambientes de Trabalho Saudáveis e Produtividade Samuel Antunes 25.11.15 Local de Trabalho Saudável As Organizações que são lugares de trabalho saudáveis: Desenvolvem acções de promoção da saúde física

Leia mais

PROFISSÃO ESTRESSE : A SÍNDROME DE BURNOUT NA ENFERMAGEM

PROFISSÃO ESTRESSE : A SÍNDROME DE BURNOUT NA ENFERMAGEM PROFISSÃO ESTRESSE : A SÍNDROME DE BURNOUT NA ENFERMAGEM Alex Henrique de Oliveira 1 Resumo: A Síndrome de Burnout é um transtorno adaptativo crônico que gera no profissional um sentimento de impotência,

Leia mais

PAF Programa de Acompanhamento Funcional

PAF Programa de Acompanhamento Funcional PAF Programa de Acompanhamento Funcional MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR Márcio de Moura Pereira Motivação do Projeto SITUAÇÃO PROBLEMA Necessidade de atender a demandas já existentes de servidores e membros

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 VOIGT, Bruna Francisco 2 ; PREIGSCHADT, Gláucia Pinheiro 2 ; MACHADO, Rafaela Oliveira 2

Leia mais

Rede de Defesa e Segurança

Rede de Defesa e Segurança Rede de Defesa e Segurança 1 PROGRAMA ALIANÇA PELA VIDA Objetivo: Estruturar ações integradas de prevenção, acolhimento e tratamento dos usuários e dependentes de álcool e outras drogas e seus familiares,

Leia mais

INCIDÊNCIA DA SÍNDROME DE BURNOUT EM PROFESSORES DA ÁREA DA SAÚDE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ PR

INCIDÊNCIA DA SÍNDROME DE BURNOUT EM PROFESSORES DA ÁREA DA SAÚDE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ PR 20 a 24 de outubro de 2008 INCIDÊNCIA DA SÍNDROME DE BURNOUT EM PROFESSORES DA ÁREA DA SAÚDE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ PR Ilario Eing Granado 1 ; Fernanda Ferreti Vasconcelos¹; Joaquim Martins

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTIFICA SOBRE A SAÚDE DO TRABALHADOR: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA

PRODUÇÃO CIENTIFICA SOBRE A SAÚDE DO TRABALHADOR: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA PRODUÇÃO CIENTIFICA SOBRE A SAÚDE DO TRABALHADOR: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA Neide Tiemi Murofuse 1 Rejane Rodrigues da Silva 2 INTRODUÇÃO: A área da Saúde do Trabalhador surge no contexto do Movimento

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

Antecedentes individuais do comportamento organizacional

Antecedentes individuais do comportamento organizacional Antecedentes individuais do comportamento organizacional Capacidades - Intelectuais - Físicas Personalidade Valores Percepções Atribuições Atitudes Motivação Stress Comportamento Desempenho Satisfação

Leia mais

DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO RESUMO

DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO RESUMO 1 DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO Beatriz Adrieli Braz (Discente do 4º ano de administração AEMS) Bruna P. Freitas Godoi (Discente do 4º ano de administração AEMS) Ângela de Souza Brasil (Docente Esp.

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS

IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS Cayla Aparecida de Sousa 1 ; Cícero Marcelo Félix Junior 1 ; Sandra Cristina Catelan- Mainardes

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE

Leia mais

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ Princípio A segurança pública deve promover a cidadania e prevenir a criminalidade. Princípio As políticas de segurança pública devem ser transversais.

Leia mais

sua terceira versão, o PNDH-3 lançado em 2009 governo do ex-presidente Lula (2003-2010).

sua terceira versão, o PNDH-3 lançado em 2009 governo do ex-presidente Lula (2003-2010). FORMAÇÃO CONTINUADA NA LIDA DO POLICIAL CIVIL: estudo sobre as estratégias de formação continuada de policiais civis para o atendimento aos grupos vulneráveis Bárbara Aragão Teodoro Silva UFMG Este pôster

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

CONDIÇÕES DE TRABALHO E ASSÉDIO MORAL

CONDIÇÕES DE TRABALHO E ASSÉDIO MORAL CONDIÇÕES DE TRABALHO E ASSÉDIO MORAL DATA: 03, 04 e 05 de Setembro de 2014 LOCAL: Centro de Formação 18 de Agosto: Rua Barão de Itapetininga, 163-2º andar Centro de São Paulo. O QUE É ORGANIZACIONAL NA

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOBRE A GINÁSTICA LABORAL

A PERCEPÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOBRE A GINÁSTICA LABORAL 10. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade O

Leia mais

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES FORMA DE DISCRIMINAÇÃO E VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS A violência é global e sistêmica.

Leia mais

IV Encontro Ibérico MAPFRE Lisboa, 18 de Novembro de 2010. Stress relacionado com o trabalho e outros riscos psicossociais.

IV Encontro Ibérico MAPFRE Lisboa, 18 de Novembro de 2010. Stress relacionado com o trabalho e outros riscos psicossociais. Stress relacionado com o trabalho e outros riscos psicossociais. Saúde mental: mito ou realidade? Finlândia - 50% da população activa com sintomas de stress; Alemanha - a depressão é responsável por 7%

Leia mais

Administração e Planejamento em Serviço Social Profa. Edilene Maria de Oliveira

Administração e Planejamento em Serviço Social Profa. Edilene Maria de Oliveira Administração e Planejamento em Serviço Social Profa. Edilene Maria de Oliveira Teoria das Organizações Palavras chave: Planejamento, organização, empresas 1 Teoria das organizações Aula Tema 3 e 4 Gestão

Leia mais

A Qualidade de Vida no trabalho do servidor público da administração estadual e o papel do gerente de recursos humanos. Mário Augusto Porto

A Qualidade de Vida no trabalho do servidor público da administração estadual e o papel do gerente de recursos humanos. Mário Augusto Porto A Qualidade de Vida no trabalho do servidor público da administração estadual e o papel do gerente de recursos humanos. Mário Augusto Porto O objetivo deste artigo é o de sensibilizar o gerente de recursos

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

A SÍNDROME DE BURNOUT E SUAS CONSEQUÊNCIAS EM PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO

A SÍNDROME DE BURNOUT E SUAS CONSEQUÊNCIAS EM PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO Autores: VIEIRA, L. T. J; RA: 404682 SILVA, V. K. A. A SÍNDROME DE BURNOUT E SUAS CONSEQUÊNCIAS EM Resumo PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO A pesquisa será realizada com profissionais da educação infantil e ensino

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO 1) História da Terapia Ocupacional (30 hs) EMENTA: Marcos históricos que antecederam o surgimento formal da profissão de

Leia mais

Síndrome de Burnout e Resiliência na vida do Educador. João Eudes de Sousa Encontro de Educadores Centro Cultural Poveda 9 de Abril de 2011 1

Síndrome de Burnout e Resiliência na vida do Educador. João Eudes de Sousa Encontro de Educadores Centro Cultural Poveda 9 de Abril de 2011 1 Síndrome de Burnout e Resiliência na vida do Educador João Eudes de Sousa Encontro de Educadores Centro Cultural Poveda 9 de Abril de 2011 1 É freqüentemente referida por processos que explicam a superação

Leia mais

SAÚDE E TRABALHO: QUANDO SE VAI ALÉM DO LIMITE

SAÚDE E TRABALHO: QUANDO SE VAI ALÉM DO LIMITE VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL XII CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL SAÚDE E TRABALHO: QUANDO SE VAI ALÉM DO LIMITE Jaqueline Brito Vidal Batista Saúde é quando

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

O Papel dos Municípios na Política de Segurança

O Papel dos Municípios na Política de Segurança 1 O Papel dos Municípios na Política de Segurança Jacqueline Muniz Centro de Estudos de Segurança e Cidadania - UCAM Jajamuniz@candidomendes.br Junho de 2000 Belo Horizonte Tradicionalmente, os problemas

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

Projeto de Qualidade de Vida para Motoristas de Ônibus Urbano

Projeto de Qualidade de Vida para Motoristas de Ônibus Urbano 17 Projeto de Qualidade de Vida para Motoristas de Ônibus Urbano Lilian de Fatima Zanoni Terapeuta Ocupacional pela Universidade de Sorocaba Especialista em Gestão de Qualidade de Vida na Empresa pela

Leia mais

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Prof.MSc.Gonçalo Siqueira Santos / SP Segurança no trabalho Qual a sua atividade? Esta frase é uma das mais utilizadas entre os médicos

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar www.proenem.com.br INSTRUÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação,

Leia mais

CAUSAS DAS PATOLOGIAS RELACIONADAS AO TRABALHO DOCENTE: DECLARAÇÕES DOS PROFESSORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE ALTA FLORESTA - MT

CAUSAS DAS PATOLOGIAS RELACIONADAS AO TRABALHO DOCENTE: DECLARAÇÕES DOS PROFESSORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE ALTA FLORESTA - MT 1 CAUSAS DAS PATOLOGIAS RELACIONADAS AO TRABALHO DOCENTE: DECLARAÇÕES DOS PROFESSORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE ALTA FLORESTA - MT MELO, Maria de Fátima Martins de (Agende de Saúde / Secretaria de Saúde

Leia mais