ÍNDICE INTRODUÇÃO 005 MENSAGEM DO PRESIDENTE GRUPO VODAFONE VODAFONE PORTUGAL FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL 013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE INTRODUÇÃO 005 MENSAGEM DO PRESIDENTE 006 01.1 GRUPO VODAFONE 011 01.2 VODAFONE PORTUGAL 011 01.3 FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL 013"

Transcrição

1

2 ÍNDICE PERFIL ORGANIZACIONAL 02 ÉTICA E CORPORATE GOVERNANCE 03 ESTRATÉGIA E SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO 04 ENVOLVIMENTO COM OS STAKEHOLDERS 05 GESTÃO DOS ASPECTOS MATERIAIS INTRODUÇÃO 005 MENSAGEM DO PRESIDENTE GRUPO VODAFONE VODAFONE PORTUGAL FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL PRINCÍPIOS DE NEGÓCIO MODELO DE GESTÃO VISÃO E VALORES ESTRATÉGIA DE NEGÓCIO DA VODAFONE PORTUGAL GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL ASPECTOS MATERIAIS IMPACTOS, RISCOS E OPORTUNIDADES COLABORADORES 038 A VODAFONE PORTUGAL E OS SEUS COLABORADORES 038 COMPENSAÇÃO E BENEFÍCIOS 039 FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL 041 GESTÃO PARTICIPATIVA 042 CLUBE VODAFONE 044 SAÚDE, SEGURANÇA E BEM-ESTAR CLIENTES FORNECEDORES ENTIDADES GOVERNAMENTAIS REGULADOR DESENVOLVIMENTO DA REDE 053 AS ESTAÇÕES-BASE 054 A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ESTAÇÃO-BASE 054 PARTILHA DE INFRA-ESTRUTURAS 055 GESTÃO DE ESCLARECIMENTOS 055 SIMULAÇÕES E PROCEDIMENTOS DE MEDIDA TELEFONES MÓVEIS, ANTENAS E SAÚDE 058 PESQUISAS RELEVANTES EM CURSO 059 INFORMAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO EXTERNA 060 ACÇÕES DESENVOLVIDAS NO ANO FISCAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NA CADEIA DE VALOR 063 GRUPO VODAFONE 063 VODAFONE PORTUGAL 063 CÓDIGO DE ÉTICA DAS COMPRAS 064 QUALIFICAÇÃO DOS FORNECEDORES 065

3 RELATÓRIO RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE E CONTAS 06SOCIAL LAÇOS COM A COMUNIDADE 07 DESEMPENHO ECONÓMICO 08 FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL 09 COMPROMISSOS, ANEXOS GRI E VERIFICAÇÃO EXTERNA 10 AGRADECIMENTOS, GLOSSÁRIO, CONTACTOS E PEDIDO DE OPINIÃO AUDITORIAS AMBIENTAIS E DE HIGIENE E SEGURANÇA 065 AVALIAÇÃO DE BENS E SERVIÇOS FORNECIDOS 065 MECANISMO DE WHISTLE BLOWING IMPACTOS AMBIENTAIS DECORRENTES DO NEGÓCIO 066 RECICLAGEM E REUTILIZAÇÃO DOS TELEFONES, BATERIAS E ACESSÓRIOS 067 GESTÃO DE RESÍDUOS 069 SUBSTÂNCIAS POLUENTES 070 CONSUMOS DE ÁGUA 071 CONSUMOS DE ENERGIA E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ACESSO A CONTEÚDOS PRODUTOS PARA A INCLUSÃO SOCIAL ACÇÕES INTERNAS ACÇÕES EXTERNAS PROGRAMA INTERNO DE VOLUNTARIADO ASSOCIAÇÕES DE QUE A VODAFONE PORTUGAL É MEMBRO 081 DESEMPENHO ECONÓMICO 085 FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL GRAU DE CUMPRIMENTO DOS COMPROMISSOS DE NOVOS COMPROMISSOS ÍNDICE DE CORRESPONDÊNCIA GRI G INDICADORES DE DESEMPENHO GRI VERIFICADOS E PRESSUPOSTOS INDICADORES DE DESEMPENHO ESPECÍFICOS DA VODAFONE PORTUGAL VERIFICADOS E PRESSUPOSTOS ETAPAS DE ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO METODOLOGIA DE CLASSIFICAÇÃO DOS ASPECTOS MATERIAIS VERIFICAÇÃO EXTERNA AGRADECIMENTOS GLOSSÁRIO CONTACTOS PEDIDO DE OPINIÃO 125

4

5

6 INTRODUÇÃO O IV Relatório de Responsabilidade Social da Vodafone Portugal abrange o período entre 1 de Abril de 2006 e 31 de Março de Foi elaborado de forma a observar as directrizes do nível A+ do Global Reporting Initiative (GRI G3), continuando a seguir princípios definidos pela norma Account Ability 1000 Assurance Standard (AA1000 AS). NÍVEL DE APLICAÇÃO GRI 2002 In Accordance C C+ B B+ A A+ Obrigatório Auto declaração Opcional Verificação por entidade externa Verificado pelo GRI A Vodafone Portugal foi a primeira empresa portuguesa a publicar (desde 2004) relatórios de Responsabilidade Social verificados por uma entidade independente de reconhecida credibilidade. Esta entidade avalia os processos de recolha, tratamento, validação e reporte dos principais dados ambientais, económicos e sociais constantes nesses relatórios, assim como o grau de realização dos compromissos assumidos no exercício anterior. No presente relatório foi, igualmente, avaliada a fiabilidade das informações relacionadas com os indicadores de desempenho essenciais e com os conteúdos definidos nas Directrizes GRI G3. Em comparação com o último relatório publicado, referente ao período decorrido entre 1 de Abril de 2005 e 31 de Março de 2006, não ocorreram alterações significativas ao nível do modelo de gestão, da estrutura organizacional e do negócio. A elaboração deste relatório teve em consideração os princípios de materialidade, de inclusão dos Stakeholders e do contexto de sustentabilidade e abrangência. A identificação dos temas e indicadores divulgados decorreu da aplicabilidade destes princípios. Nos capítulos Perfil Organizacional, Ética e Corporate Governance e Estratégia e Sustentabilidade do Negócio, são apresentadas informações gerais sobre a Vodafone Portugal, tal como uma breve descrição do negócio, da estrutura organizacional e do modelo societário. É, também, apresentada a abordagem da Empresa à temática da Responsabilidade Social. Nos capítulos Gestão dos Aspectos Materiais, Desempenho Económico, Laços com a Comunidade e Fundação Vodafone Portugal, descreve-se o modo como a Empresa trata tanto os aspectos materialmente relevantes, como os não relevantes, ainda que geridos no âmbito da estratégia de sustentabilidade. Ao longo destes capítulos também são apresentados indicadores de desempenho, como suporte dos vários projectos descritos. Sempre que possível, foram introduzidos dados referentes a mais do que um período. Não foi, contudo, possível seguir esta abordagem para alguns indicadores agora reportados pela primeira vez devido a questões relacionadas com o processo de recolha e análise, e por ser o primeiro relatório em que são adoptadas formalmente as Directrizes GRI. No próximo relatório serão reportados os dados sobre esses indicadores referentes a dois anos consecutivos (Abril de 2006 a Março de 2008). Todos os dados reportados no presente relatório decorrem dos processos e das actividades executadas nas instalações sob responsabilidade da Vodafone Portugal, designadamente escritórios, instalações técnicas e lojas.

7 MENSAGEM DO PRESIDENTE Desde o início da sua actividade, ainda com o nome de Telecel, a nossa Empresa pretendeu ser reconhecida como uma das melhores empresas portuguesas, apostada no desenvolvimento das comunicações móveis, da economia e da sociedade em geral. A Vodafone Portugal, dada a sua dimensão e natureza da sua actividade, tem plena consciência do vasto conjunto de impactos positivos que origina, continuamente traduzidos nas interacções com Clientes, Colaboradores, Parceiros, Meios de Comunicação Social e Fornecedores. A sua actividade é criadora de riqueza, tanto a nível dos resultados económicos e financeiros, como nas suas diversas interacções com o exterior. Refiram-se, a título de exemplo, o seu impacto positivo no mercado de trabalho, as relações de colaboração e rigor que estabelece com os seus fornecedores, a criteriosa exigência nos seus recrutamentos e as suas políticas de valorização dos Recursos Humanos, a qualidade formal e ética da sua Comunicação Interna, a sua preocupação com a Qualidade, o Ambiente e a Segurança, o contributo para o desenvolvimento cultural na sociedade portuguesa e o vasto conjunto de relações que estabelece com todos os seus parceiros. ANTÓNIO CARRAPATOSO PRESIDENTE A Vodafone Portugal está empenhada em ser um exemplo de empresa sustentável, que procura desenvolver o seu negócio tendo por base princípios éticos e socialmente responsáveis, estabelecendo com os vários agentes económicos um relacionamento duradouro, baseado na confiança mútua, respeito e partilha destes mesmos princípios ao longo de toda a cadeia de valor. Para além do compromisso de seguir rigorosamente a legislação e as normas aplicáveis à sua actividade, a Empresa é gerida tendo em consideração as preocupações sociais e ambientais, bem como os aspectos relacionados com a ética e a transparência do negócio. Estes compromissos, sustentados pelos Princípios de Negócio da Empresa, são postos em prática no dia-a-dia através dos requisitos definidos pelas várias políticas estabelecidas. Refira-se, a título de exemplo, a Política Ambiental, o Código de Conduta das Compras, a Política de Qualidade, a Política de Saúde e Segurança, a Política de Desenvolvimento Responsável da Rede. Tal como se pode verificar em pormenor no interior deste relatório, a Vodafone Portugal tem vindo a cumprir com os seus compromissos em matéria de Sustentabilidade e Responsabilidade Social, quer directamente, quer em colaboração com a FundaçãoVodafone Portugal. O acesso às Tecnologias da Informação, a defesa do Ambiente, a promoção da Formação e Ensino, o apoio à Investigação Científica, o Mecenato Cultural na Internet, a Protecção Civil, Saúde e Segurança, foram algumas das áreas em que incidiram as iniciativas de Responsabilidade Social da Empresa. Uma especial atenção foi, igualmente, dedicada à informação sobre os efeitos dos campos electromagnéticos, criando métodos e mecanismos rápidos e eficazes de resposta às questões levantadas sobre esta temática.

8 RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL 06 A Vodafone Portugal, assim como o Grupo em que se insere, está apostada em aplicar as melhores práticas de gestão, através de uma estrutura simples e flexível, orientada para a criação de valor. Acreditamos que o nosso sucesso resulta não só de uma conduta empresarial sã, mas também do modo como interagimos com os nossos diferentes interlocutores: Accionistas, Colaboradores, Clientes, Parceiros de Negócio e Fornecedores, assim como Governo e Entidades Reguladoras, Comunidade, Sociedade e Meio Ambiente. Iremos continuar a gerir a nossa Empresa no rigoroso respeito das legislações e normas, nacionais e internacionais, aplicadas à nossa actividade, tendo em consideração as preocupações sociais e ambientais, bem como todos os imperativos da Ética, da lealdade e da transparência do negócio.

9 01 PERFIL ORGANIZACIONAL GRUPO VODAFONE VODAFONE PORTUGAL FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL

10

11 01 PERFIL ORGANIZACIONAL Perfil Organizacional 01.1 Grupo Vodafone A Vodafone Portugal faz parte do Grupo Vodafone, a maior empresa de comunicações móveis do Mundo, presente na Europa, Estados Unidos da América, Extremo Oriente, África e Oceânia. É também o Grupo Vodafone que, a nível global, disponibiliza a mais alargada gama de serviços de comunicações móveis de Voz e de Dados. A 31 de Março de 2007, o Grupo Vodafone alcançava um total de 206,4 milhões de Clientes proporcionais, um número calculado com base nas participações em cada uma das suas 25 Operações. Tal dimensão exige a aplicação rigorosa de políticas específicas de Responsabilidade Social. Nesse sentido, a Vodafone tem-se empenhado na sistematização de práticas e procedimentos socialmente responsáveis, definindo anualmente os seus objectivos e compromissos públicos nessa matéria, quer ao nível do Grupo, quer ao nível dos vários países onde opera. Para mais informação sobre o Grupo Vodafone poderá consultar o website start/about vodafone.html Vodafone Portugal A Empresa opera uma rede móvel GSM/GPRS de âmbito nacional. Foi pioneira no lançamento comercial de serviços de Terceira Geração (3G/UMTS) em Portugal e o primeiro operador português a disponibilizar serviços de 3G Banda Larga, também designada por Terceira Geração e Meia (3.5G) ou HSDPA (High Speed Downlink Packet Access). A Vodafone Portugal centra a sua actividade na prestação de serviços móveis de voz e dados, além de serviços fixos e Internet, com o objectivo de satisfazer todas as necessidades de comunicação dos Clientes Consumo e Empresariais. Além da vasta e diversificada oferta de serviços móveis úteis e inovadores, a Vodafone Portugal dispõe de um Serviço de Apoio a Clientes de excelência. No ano de 2006, o seu Contact Center foi galardoado pela Associação Portuguesa de Contact Centers (APCC) com dois prémios: na categoria de Grande CRC (Customer Relationship Center), o prémio para Melhor Nível de Satisfação Final de Clientes e, na categoria geral, o prémio para Melhor CRC Estes galardões traduzem o reconhecimento da forte aposta da Vodafone Portugal em duas linhas de actuação consideradas, desde o início da sua actividade, como factores decisivos para o crescimento sustentado da Empresa e o seu sucesso no mercado: a satisfação dos Clientes e a qualidade dos serviços prestados.

12 RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL 06 Informação chave: Nome: Vodafone Portugal - Comunicações Pessoais, S.A. Sede: Av. D. João II, lote , Ala Sul 8º piso Lisboa Accionista: Grupo Vodafone Actividade: O estabelecimento, gestão e exploração de infra-estruturas e a prestação de serviços de telecomunicações, bem como o exercício de qualquer actividade complementar ou acessória. Nº de Colaboradores: Nº de Clientes Celulares Registados: 4,751 milhões de Clientes Quota de Mercado de Clientes: 36,3% Indicadores financeiros *: 31 de Março de 2007 Milhões de Euros Proveitos 1.381,42 Custos Operacionais 777,10 Custos com pessoal 79,90 Donativos e outros investimentos na comunidade 0,77 Resultados retidos - Pagamentos a entidades governamentais e investidores - Dividendos pagos - Pagamentos ao Estado 167,36 * Para informação adicional, consultar o Capítulo Compromissos, Anexos GRI e Verificação Externa»» Indicadores de Desempenho GRI Verificados e Pressupostos A estrutura organizativa da Vodafone Portugal encontra-se definida de acordo com o seguinte diagrama funcional: CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Dir. Regulação e Relação com Operadores Dir. Legal Dir. Comunicação Institucional, Apoio à Gestão e Responsabilidade Social Dir. Estratégica e Gestão de Programas Dir. Recursos Humanos ADM. FINANANCEIRA E ADMINISTRATIVA ADM. MARKETING, VENDAS E OPERAÇÕES ADM. TECNOLOGIA Para mais informação sobre a Vodafone Portugal poderá consultar o website

13 01 PERFIL ORGANIZACIONAL Fundação Vodafone Portugal A Fundação Vodafone Portugal, constituída em 2001, é uma instituição sem fins lucrativos com personalidade jurídica e fundos próprios. Tem por missão o incentivo ao desenvolvimento da Sociedade da Informação e o combate à info-exclusão, designadamente através das seguin tes linhas de actuação: Promoção da investigação científica e tecnológica, bem como da formação e da qualificação profissional no sector das telecomunicações e das tecnologias de informação; Apoio a projectos especiais de integração social e de manifesta utilidade geral; Mecenato direccionado para a promoção de conteúdos e para o desenvolvimento de iniciativas de defesa e promoção da Língua e da Cultura portuguesas, sobretudo nas novas tecnologias da comunicação. Nesse quadro, as acções da Fundação Vodafone Portugal têm incidido prioritariamente nas seguintes áreas: Acesso às Tecnologias da Informação Ambiente Educação e Ensino Investigação Científica Mecenato Cultural na Internet Protecção Civil Saúde Segurança Para a prossecução dos seus objectivos, a Fundação Vodafone Portugal recebeu euros da Vodafone Group Foundation entre Abril de 2006 e Março de A esta quantia foram adicionados euros provenientes da Vodafone Portugal. Tanto as competências profissionais, como o espaço físico e os demais recursos indispensáveis ao exercício das actividades da Fundação Vodafone Portugal, são cedidos pela Vodafone Portugal.

14 02 ÉTICA E PRINCÍPIOS DE NEGÓCIO MODELO DE GESTÃO

15

16 02 ÉTICA E CORPORATE GOVERNANCE ÉTICA E CORPORATE GOVERNANCE 02.1 Princípios de Negócio Acreditamos que o sucesso da Vodafone Portugal resulta não só de uma conduta empresarial sã, mas também do modo como interage com os diferentes interlocutores: Accionistas, Colaboradores, Clientes, Parceiros de Negócio e Fornecedores, assim como Governo e Entidades Reguladoras, Comunidades e Meio Ambiente. Para além do compromisso de seguir rigorosamente a legislação e as normas aplicáveis à sua actividade, a Vodafone Portugal é gerida tendo em consideração preocupações éticas, sociais e ambientais. Estes compromissos, sustentados pelos Princípios de Negócio da Empresa, são postos em prática no dia a dia através dos requisitos definidos pelas várias políticas. Refira-se, a título de exemplo, a Política Ambiental, o Código de Conduta das Compras, a Política de Qualidade, a Política de Saúde e Segurança ou a Política de Desenvolvimento Responsável da Rede. Nos Princípios de Negócio, é também definida a linha de actuação da Empresa no que concerne à condução do negócio e à forma de relacionamento com os Stakeholders. Os Princípios de Negócio incidem em diversas áreas, tais como o Ambiente, a Saúde, a Segurança ou em matérias do domínio da Ética, tais como os Direitos Humanos, a corrupção, os conflitos de interesse ou a protecção de dados: Criação de Valor - Acreditamos que numa economia de mercado, quando exercida de forma ética, a concorrência é a melhor forma de gerar benefícios para os nossos Stakeholders; Actuação Pública - Manifestaremos as nossas opiniões acerca das propostas governamentais e de outros assuntos que possam afectar os nossos Stakeholders mas, enquanto Empresa, não faremos ofertas nem donativos a partidos políticos, nem interviremos em assuntos de política partidária; Comunicação - Comunicaremos abertamente e com transparência com todos os nossos interlocutores, nos limites da confidencialidade comercial; Clientes - Comprometemo-nos a oferecer aos nossos Clientes produtos e serviços seguros, de confiança e com uma excelente relação qualidade / preço; Colaboradores - As relações com e entre Colaboradores são baseadas no respeito pelo indivíduo e nos Direitos Humanos; Conduta Individual - Esperamos que todos os nossos Colaboradores actuem com honestidade, integridade e justiça;

17 RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL 06 Meio Ambiente - Comprometemo-nos a levar a cabo práticas de negócio sustentadas e de protecção do Meio Ambiente; Comunidades e Sociedade - Aceitamos a nossa responsabilidade de envolvimento com as comunidades e investiremos no âmbito social, usando eficazmente os nossos recursos; Saúde e Segurança - Comprometemo-nos a zelar pela saúde e segurança dos nossos Colaboradores, assim como dos nossos Clientes e das comunidades onde operamos; Parceiros de Negócio e Fornecedores - Procuraremos relações de benefício mútuo com os nossos Parceiros de Negócio e Fornecedores. Os Princípios de Negócio estão disponíveis para consulta a todos os Colaboradores através da rede informática interna da Empresa, fazendo igualmente parte do conteúdo da formação de novos Colaboradores Modelo de Gestão O Grupo Vodafone segue as melhores práticas de gestão, tendo desenvolvido estruturas simples e flexíveis, orientadas para a criação de valor. Como Empresa global, a Vodafone opera em vários enquadramentos regulamentares. Nessa condição, observa o respeito pelo primado do Direito local e o apoio sem reservas às normas internacionalmente aceites, sobretudo em tudo o que diz respeito aos Direitos Humanos. No âmbito do Grupo Vodafone, cada operador é responsável pelos resultados apresentados aos organismos reguladores nacionais e ao próprio Grupo. Através da elaboração de relatórios detalhados, devidamente examinados por auditores externos e acrescidos de rigorosos processos de controlo, é possível analisar os resultados obtidos localmente e compará-los com os compromissos e objectivos previamente estabelecidos. Estes processos de controlo traduzem-se quer na participação activa, consciente e responsável dos Colaboradores, quer no empenho e responsabilização da Gestão, cujo exemplo mais recente é a aplicação da Lei de Sarbarnes-Oxley a todos os operadores do Grupo. Um dos requisitos definidos pela Lei de Sarbanes-Oxley de 2002 (secção 404) exige que a Administração de cada empresa cotada nos mercados financeiros dos Estados Unidos da América, avalie anualmente a eficácia dos seus controlos internos sobre a integridade das suas Demonstrações Financeiras. Exige, igualmente, que emita um relatório com as respectivas conclusões. Possuindo títulos admitidos na Bolsa de Nova Iorque, o Grupo Vodafone, na qualidade de empresa não americana, é solicitado a dar resposta à secção 404 da Lei de Sarbanes-Oxley, a partir do ano fiscal que terminou a 31 de Março de A Vodafone Portugal concluiu com sucesso a sua avaliação, comprovando assim a robustez e a eficácia do seu sistema de controlo interno.

18 02 ÉTICA E CORPORATE GOVERNANCE Modelo de Governação Societária da Vodafone Portugal ESTRUTURA ORGÂNICA DA VODAFONE PORTUGAL VODAFONE PORTUGAL ASSEMBLEIA GERAL CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO FISCAL ÚNICO A Assembleia Geral é, por definição, o órgão de decisão dos accionistas da Vodafone Portugal, reunindo obrigatoriamente uma vez por ano, com o objectivo de proceder à apreciação geral da administração e fiscalização da Sociedade e de deliberar sobre o relatório de gestão e as contas do exercício. Fora o caso acima referido, a Assembleia Geral é convocada sempre que o Conselho de Administração ou o Fiscal Único entendam ser conveniente. Como principais competências, cabe à Assembleia Geral aprovar as contas da Sociedade, eleger os membros dos órgãos sociais e definir a remuneração dos Administradores. A gestão corrente da Sociedade encontra-se a cargo do Conselho de Administração, actualmente composto por seis membros, sendo que os Accionistas apenas deliberam sobre as respectivas matérias a pedido desse órgão. Para além do Presidente do Conselho de Administração, responsável de modo global pela condução de toda a actividade da Sociedade, a estrutura do Conselho de Administração da Vodafone Portugal contempla a atribuição de determinadas áreas de responsabilidade aos restantes membros deste órgão social. Os membros do Conselho de Administração são eleitos pela Assembleia Geral por um período correspondente a três anos civis, renováveis por iguais períodos. Compete, ainda, à Assembleia Geral designar um dos Administradores eleitos para Presidente do Conselho de Administração. O Conselho de Administração poderá, nos termos e limites da Lei, delegar a gestão corrente da Sociedade num ou mais Administradores ou numa Comissão Executiva composta por três ou cinco membros, e para a qual deverá designar o respectivo Presidente que terá voto de qualidade nas deliberações a adoptar. A estrutura da Administração da Vodafone Portugal não contempla distinções entre funções executivas

19 RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL 06 e não executivas. Existe, sim, um Administrador Delegado (Presidente do Conselho de Administração), que toma as decisões necessárias no âmbito da sua delegação de poderes (gestão corrente da Sociedade), depois de reunir com os responsáveis pelas diversas unidades de negócio. Todos os membros do Conselho de Administração podem ser qualificados como independentes, no sentido em que nenhum deles está de modo algum ligado, por conta própria ou de terceiros, a interesses específicos da Sociedade. Sem prejuízo de outros poderes atribuídos por Lei ou pelos estatutos da Sociedade, compete em especial ao Conselho de Administração deliberar sobre as seguintes matérias: a) Cooptação de Administradores b) Aprovação de Relatórios e Contas c) Prestação de cauções e garantias pessoais ou reais pela Sociedade d) Projectos de fusão, cisão e de transformação da Sociedade e) Aprovação de planos de actividade e orçamentos anuais No âmbito da sua actividade de gestão corrente, o Conselho de Administração procura acompanhar de perto toda a actividade da Empresa, a evolução do mercado e do negócio, bem como os principais projectos em curso. Nesse sentido, são efectuadas reuniões quinzenais, com o objectivo de alinhar estratégias, gerir eventuais conflitos de interesse, discutir a integração e a interligação do negócio local com o global, definir as políticas internas a desenvolver, debater os principais assuntos organizacionais e analisar os principais riscos e controlos da Empresa. As referidas reuniões constituem um importante suporte às decisões tomadas no seio do Conselho de Administração e contam com a presença dos responsáveis das principais áreas de negócio da Empresa. Periodicamente os elementos do Conselho de Administração reúnem com representantes do Grupo Vodafone, com o intuito de se efectuarem avaliações do negócio, assim como partilharem possíveis recomendações.

20 02 ÉTICA E CORPORATE GOVERNANCE Composição dos Órgãos Sociais Em 31 de Março de 2007, o Grupo Vodafone detinha, directa e indirectamente, a totalidade do capital social e dos direitos de voto da Vodafone Portugal. Na mesma data, os Órgãos Sociais da Vodafone Portugal tinham a seguinte composição: Conselho de Administração António Rui de Lacerda Carrapatoso (Presidente) António Manuel da Costa Coimbra (Marketing, Vendas & Operações) Miguel Veiga Martins (Tecnologia) Stephen Collins (Financeira) José Miguel Alarcão Júdice Paulo Rodrigues da Silva Fiscal Único Deloitte & Associados, SROC S.A., representada por Luís Augusto Gonçalves Magalhães, Revisor Oficial de Contas Secretário da Sociedade Cristina Minoya Perez Carla Matos (Suplente)

21 03 ESTRATÉGIA E SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO VISÃO E VALORES ESTRATÉGIA DE NEGÓCIO DA VODAFONE PORTUGAL GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL ASPECTOS MATERIAIS IMPACTOS, RISCOS E OPORTUNIDADES

22

23 03 ESTRATÉGIA E SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO Estratégia e Sustentabilidade do Negócio 03.1 Visão e Valores A dimensão do Grupo Vodafone, o número das Empresas que o integram e dos seus Colaboradores, a especificidade e importância do sector em que se insere, a incidência da sua actividade na economia, exigem uma particular preocupação com os modos de sentir e agir nas áreas da Responsabilidade Social. A Visão, os Valores e os Princípios de Negócio da Vodafone Portugal são os três vectores da sua actuação. A Visão representa o que a Empresa pensa em termos de futuro colectivo; os Valores reflectem sentimentos, as Paixões da Empresa e os Princípios de Negócios norteiam a actuação de todos os Colaboradores da Vodafone Portugal. A Visão do Grupo Vodafone O Grupo Vodafone tem como objectivo ser o líder mundial em telecomunicações móveis, enriquecendo a vida dos Clientes, ajudando pessoas, empresas e comunidades a estarem mais ligados num mundo em permanente movimento e transformação. A Visão da Vodafone Portugal Ser reconhecida como uma das melhores empresas Portuguesas, líder do desenvolvimento das comunicações móveis, contribuindo para o bem-estar das pessoas, da economia e da sociedade em geral. Na prossecução da sua Visão e no cumprimento da sua Missão, a Vodafone Portugal orienta a sua actuação segundo quatro Valores fundamentais: Paixão pelos Clientes - Os nossos Clientes optaram por confiar em nós. Em contrapartida, esforçamo-nos por antecipar e compreender as suas necessidades e por conseguir satisfazê-los plenamente com o nosso serviço; Paixão pelas nossas Pessoas São as pessoas excepcionais que, ao trabalharem em conjunto, fazem o sucesso da Vodafone; Paixão pelos Resultados - Somos orientados para a acção e impelidos pela vontade de sermos os melhores; Paixão pelo Mundo que nos Rodeia - Queremos ajudar as pessoas a ter uma vida melhor, tanto através dos serviços que prestamos, como do impacto que causamos nas comunidades que nos rodeiam. Os Valores da Vodafone Portugal estão amplamente divulgados internamente e todos os Colaboradores são encorajados a reflectir sobre a melhor forma de os pôr em prática no decurso da sua actividade diária - uma dinâmica que culminou na criação dos Princípios de Negócio.

24 RELATÓRIO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL Estratégia de Negócio da Vodafone Portugal Na Vodafone Portugal pratica-se uma gestão por objectivos participada pelos Colaboradores, no sentido de garantir que o trabalho desenvolvido diariamente pelas equipas se enquadre na Visão e a orientação estratégica geral da Empresa. A redefinição permanente do negócio (cada vez mais abrangente), a evolução das necessidades dos Clientes, a concorrência acrescida e a constante inovação tecnológica que este sector tem vindo a registar, têm como consequência a revisão regular dos objectivos estratégicos. Em resultado deste processo foi possível estabelecer cinco objectivos estratégicos para a Vodafone Portugal: 1. Continuar a ser uma empresa em crescimento, apostando, em particular, na Banda Larga e na convergência do móvel com o PC e a Internet; 2. Consolidar uma diferenciação consistente face à concorrência, mantendo a liderança em termos de marca, satisfação do Cliente, value for money e inovação; 3. Continuar a construir uma empresa eficiente e lucrativa, aumentando os resultados operacionais (EBIT) e o Free Cash-Flow ; 4. Ser uma das empresas com os Colaboradores mais qualificados, motivados e satisfeitos quer de Portugal, quer do Grupo Vodafone; 5. Continuar a ser uma empresa altamente credível e que se posicione entre as três mais éticas, prestigiadas e socialmente responsáveis empresas de Portugal. É inegável o sucesso alcançado pela Vodafone Portugal nestes últimos anos: ganhou quotas de mercado significativas de Clientes e de receitas e atingiu claramente a liderança na satisfação de Clientes. Duas conquistas que funcionarão como base e inspiração do desenvolvimento e da concretização das novas linhas estratégicas. A prossecução destes objectivos permitirá uma gestão cada vez mais eficaz, contribuindo, em paralelo, para os objectivos globais do Grupo Vodafone e para a materialização da visão da Vodafone Portugal de ser a melhor Empresa Portuguesa. Para que a Empresa possa responder eficazmente às necessidades dos Clientes e da organização, a Vodafone Portugal recorre à subcontratação de serviços sempre que necessário. Estes aumentam em cerca de 97% o número total dos Colaboradores. Contudo, a responsabilidade pela qualidade final do serviço fornecido ao Cliente é da Vodafone Portugal, pelo que lhe cabe negociar as condições e exercer o indispensável controlo que garanta o cumprimento das especificações do serviço ou produto pretendidos. São exemplos da utilização de serviços de outsourcing (parcial ou total), o atendimento no call center e nas lojas, a montagem de equipamentos e a assistência técnica.

25 03 ESTRATÉGIA E SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO A SUSTENTABILIDADE NA ESTRATÉGIA DO NEGÓCIO Gerindo o negócio de forma a criar riqueza tanto a nível económico e financeiro como na cadeia de valor de que é protagonista. ECONÓMICA SOCIAL Desenvolvendo projectos, colocando a nossa tecnologia, a capacidade de gestão e coordenação de projectos ao serviço da sociedade. AMBIENTE Desenvolvendo a actividade da empresa de forma a maximizar os aspectos positivos e minimizar os aspectos negativos para o Meio Ambiente Gestão da Responsabilidade Social Os programas de Responsabilidade Social são geridos pelo Departamento de Responsabilidade Social, criado em 2002 e integrado na Direcção de Comunicação Institucional, Apoio à Gestão e Responsabilidade Social. Esta Direcção reporta directamente ao Presidente do Conselho de Administração da Vodafone Portugal e funciona como órgão consultivo dos membros da Administração para os assuntos relacionados com a temática da Responsabilidade Social. PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Comunicação Institucional, Apoio à Gestão e Responsabilidade Social RESPONSABILIDADE SOCIAL COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL E APOIO À GESTÃO Gestão Ambiental Ambiente Radioeléctrico Investimento Social Fundação Vodafone Portugal Os projectos e iniciativas de Responsabilidade Social da Vodafone Portugal são definidos com base em inputs das várias áreas operacionais (identificadas no organigrama apresentado no Capítulo Perfil Organizacional) e em requisitos do Grupo Vodafone, tendo em consideração as necessidades dos Stakeholders. Os projectos e iniciativas de Responsabilidade Social são aprovados pela Direcção de Comunicação Institucional, Apoio à Gestão e Responsabilidade Social ou pelo Conselho de Administração, em função dos montantes envolvidos.

ÍNDICE PERFIL ORGANIZACIONAL ÉTICA E CORPORATE GOVERNANCE ESTRATÉGIA E SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO ENVOLVIMENTO COM OS STAKEHOLDERS

ÍNDICE PERFIL ORGANIZACIONAL ÉTICA E CORPORATE GOVERNANCE ESTRATÉGIA E SUSTENTABILIDADE DO NEGÓCIO ENVOLVIMENTO COM OS STAKEHOLDERS ÍNDICE Introdução 05 Mensagem do Presidente 07 PERFIL ORGANIZACIONAL 01.1 Grupo Vodafone 11 01.2 Vodafone Portugal 11 01.3 Fundação Vodafone Portugal 13 ÉTICA E CORPORATE GOVERNANCE 02.1 Princípios de

Leia mais

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA ARTIGO 1.º COMPOSIÇÃO DO CONSELHO E COMISSÕES 1. O Conselho de

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO (Natureza) A Fundação Vodafone Portugal, adiante designada abreviadamente por Fundação, é uma instituição de direito

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT 1 Janeiro de 2014 a 31 de Dezembro de 2014 Construir um mundo melhor começa num Sonho. Quem sonha, partilha o sonho e envolve os outros para agirem. E como diz o poeta a obra nasce! 2 Índice 1. Introdução

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS 1. JUSTIFICAÇÃO Decorrente da Recomendação do Conselho de Prevenção da Corrupção, datada de 1 de Julho de 2009, entendeu o Conselho de Administração

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL Uma Paixão pela Integridade Integridade em Acção - Conformidade nos Cuidados de Saúde A Conformidade nos Cuidados de Saúde é uma Responsabilidade de Todos A DePuy Synthes é reconhecida mundialmente pelas

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO ESPAÇO RESERVADO AO TI: PROPOSTA Nº DATA DA ENTRADA: / / RECEBIDO POR: I. IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR NOME: Nº DE SÓCIO: MORADA: CÓDIGO POSTAL - LOCALIDADE: CONCELHO: TELEFONE:

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas

Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas Introdução O desenvolvimento dos mercados de valores mobiliários tem conduzido a uma intensa reflexão sobre a estrutura e o controlo das sociedades

Leia mais

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 2011/07/07 NOTA: No caso de imprimir este documento, o mesmo passa automaticamente a Cópia Não Controlada ; a sua utilização implica a confirmação prévia de que corresponde à

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO 1. Objectivos da Política de Remuneração dos órgãos de administração e fiscalização da Companhia de Seguros Açoreana, SA (

Leia mais

CTT Correios de Portugal, S.A. Âmbito e limite do Relatório Tem sido objectivo da empresa fazer uma cobertura de reporte progressivamente alargada das empresas do Grupo. Estas são bastante diversas entre

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SUMOL+COMPAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SUMOL+COMPAL REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SUMOL+COMPAL Incluindo: (I) CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO (II) COMISSÃO EXECUTIVA (III) COMITÉ DE AUDITORIA INTERNA Este regulamento aplica-se à SUMOL+COMPAL considerando

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas the world leading fleet and vehicle management company LeasePlan Portugal Lagoas Park - Edifício 6-2740-244 Porto Salvo Ed. Cristal Douro - R. do Campo Alegre, nº 830 - sala 35-4150-171 Porto Tel.: 707

Leia mais

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Introdução Considerando que nos Açores, são já muitas as empresas e organizações que assumem convictamente

Leia mais

3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade WORKSHOP RESPONSABILIDADE SOCIAL

3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade WORKSHOP RESPONSABILIDADE SOCIAL 3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade WORKSHOP RESPONSABILIDADE SOCIAL João de Sá Nogueira Administrador / Director Executivo Fundação Infantil Ronald McDonald joao.sanogueira@pt.mcd.com

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A.

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1.º Denominação e duração 1 - A sociedade adopta a forma de sociedade anónima de capitais

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES

RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES Capital Social: 115.000.000 Capital Próprio a 30 de Junho de 2009: ( 11.790.198) Sede: Av. General Norton de Matos Estádio do Sport Lisboa e Benfica 1500-313 Lisboa Matriculada na Conservatória do Registo

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

SERVIÇOS FINANCEIROS PROFISSIONAIS. www.svc.pt www.areaeconomica.net

SERVIÇOS FINANCEIROS PROFISSIONAIS. www.svc.pt www.areaeconomica.net SERVIÇOS FINANCEIROS PROFISSIONAIS www.svc.pt www.areaeconomica.net DEPARTAMENTOS E DIVISÕES Contabilidade e Fiscalidade [Accounting/Tax/Reporting] Oferecemos um serviço diferenciado no âmbito da execução

Leia mais

APGC. Associação Portuguesa de Gestão Cultural. Pacto Social

APGC. Associação Portuguesa de Gestão Cultural. Pacto Social APGC Associação Portuguesa de Gestão Cultural Pacto Social Constituída por escritura pública a 09 de Novembro de 2001 Capítulo I Denominação, Natureza, Sede, Objecto, Missão e Objectivos Artigo 1.º - Denominação

Leia mais

O que é a Responsabilidade Social Empresarial?

O que é a Responsabilidade Social Empresarial? O que é a Responsabilidade Social Empresarial? 1.5. Campos de acção da RSE Resumo O mundo dos negócios é extremamente heterogéneo. Assim as diferentes abordagens e estratégias sobre responsabilidade compromisso

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CORAÇÕES COM COROA ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO CORAÇÕES COM COROA ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO CORAÇÕES COM COROA ESTATUTOS Estatutos aprovados em Acta de fundação em 4 de Janeiro de 2012 Alterações estatutárias aprovadas em 28 de Fevereiro de 2012 Publicados e disponíveis no site publicacoes.mj.pt

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

Corporate Governance e responsabilidade social das empresas

Corporate Governance e responsabilidade social das empresas Corporate Governance e responsabilidade social das empresas Fernando Teixeira dos Santos Presidente da CMVM 1 - Os recentes escândalos financeiros e falências de importantes empresas cotadas chocaram os

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE ÍNDICE Artigo 1.º Instituição

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA 1. Introdução A materialização da Missão, Visão e Valores de uma Empresa traduz-se na actuação quotidiana dos seus colaboradores, de acordo com práticas éticas consensuais

Leia mais

Governo societário de Sistemas de Informação

Governo societário de Sistemas de Informação Governo societário de Sistemas de Proposta de princípios e recomendações para o governo societário de Sistemas de «Governo do Sistema de : O conjunto de práticas relativas à tomada de decisões políticas

Leia mais

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007 BANIF SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30, 9004 509 Funchal Capital Social: 250.000.000 Euros * Número único de matrícula

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Notas 1. Portugal tem uma estrutura legal e regulatória muito evoluída, apesar da reduzida dimensão do seu

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado Business Case 2013 AGENDA ENQUADRAMENTO COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL CLARA, RIGOROSA E TRANSPARENTE COM O MERCADO ENQUADRAMENTO Na economia

Leia mais

Relatório de Transparência

Relatório de Transparência Relatório de Transparência Exercício de 2013 Relatório de Transparência 1. Introdução Em cumprimento do disposto no art. 62-A do Dec Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, vem esta sociedade apresentar o seu

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional Programa FINICIA 02.02.2006 retirado de www.iapmei.pt Caracterização dos eixos de intervenção Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas

Leia mais

Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP

Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP 12 de Outubro 2005 Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP Neves de Carvalho EDP Energias de Portugal SA Existe globalmente uma crise de credibilidade nas instituições que

Leia mais

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências:

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências: RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO DESENVOLVIDAS NO EXERCÍCIO DE 2011 I Introdução O âmbito de actuação da Comissão de Auditoria e Controlo da EDP Renováveis, SA, como Comissão

Leia mais

Programa de Acção da Candidatura a Presidente

Programa de Acção da Candidatura a Presidente Programa de Acção da Candidatura a Presidente do Instituto Politécnico de Beja de Manuel Alberto Ramos Maçães 1 Índice I. O Porquê da Candidatura II. III. IV. Intenção Estratégica: Visão, Envolvimento

Leia mais

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações Livro de actas do XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações 20 e 21 de Maio de 2011 Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Formamos Pessoas! Concebemos Soluções! Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Elaborado por Revisto por Aprovado por GT-ISO GT-ISO DT 17 de Novembro de 2011 Código do Documento : MP_DG_MSGQ Versão 2.1

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1 MANUAL DA QUALIDADE Rev.: 02 Data: 05-07-2013 pág. 1 Designação Social: Dupliconta Sociedade de Contabilidade, Consultadoria e Gestão Lda. Morada: Caminho do Pilar, Conjunto Habitacional do Pilar, Lote

Leia mais

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas)

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas) CURSO DE GESTÃO DE VENDAS Inedem- Apotec Outono 2007 25 e 26 de Setembro 9h00 às 18h30 Dirigido a gestores da área financeira com necessidade de ferramentas informáticas de elevada eficácia na avaliação

Leia mais

A VISÃO, MISSÃO, VALORES E OBJECTIVOS ORGANIZACIONAIS

A VISÃO, MISSÃO, VALORES E OBJECTIVOS ORGANIZACIONAIS A VISÃO, MISSÃO, VALORES E OBJECTIVOS ORGANIZACIONAIS VISÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO Há duas regras básicas da economia que não se aprende nos manuais: a primeira diz-nos que os ajustamentos ocorrem sempre;

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS

CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS MENSAGEM DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Caros Colaboradores, A missão de Jerónimo Martins é promover a eficiência em todas as suas áreas de negócio,

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122 Fazer hoje melhor do que ontem Manual da Qualidade Índice Parte 1 - Estrutura da organização Breve enquadramento histórico Organograma Parte 2 - Personalidade da organização Modelo de enquadramento da

Leia mais

Responsabilidade Social das Empresas

Responsabilidade Social das Empresas Responsabilidade Social das Empresas A responsabilidade social das empresas, também designada por cidadania empresarial, começa a assumir um relevo crescente. É uma área que interliga as acções e os objectivos

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores

Leia mais

Guia do Voluntário a

Guia do Voluntário a Guia do Voluntário a 1. A AIDGLOBAL A AIDGLOBAL é uma Organização Não Governamental para o Desenvolvimento (ONGD), sem fins lucrativos, com sede em Loures, que promove Acções nos domínios da Integração

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém

Escola Superior de Gestão de Santarém Escola Superior de Gestão de Santarém Marketing & Publicidade Marketing II Docente: Fernando Gaspar Discente: Tiago Louro nº 7014 Santarém, 20 de Maio 2008 1 Índice História da Vodafone pag. 3 Missão Vodafone

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

PACTO SOCIAL (Março 2009)

PACTO SOCIAL (Março 2009) NORMA-AÇORES, SOCIEDADE DE ESTUDOS E APOIO AO DESENVOLVIMENTO REGIONAL, S. A. E S T A T U T O S CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO Artigo 1.º (Firma) 1. Nos termos da lei e dos presentes estatutos,

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ARTIGO 1º 1. É constituida uma associação portuguesa científica e técnica, por tempo indeterminado e sem fins lucrativos,

Leia mais

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA

INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL A SUPERVISÃO DAS ENTIDADES GESTORAS DOS SISTEMAS COMPLEMENTARES DE REFORMA 1 A regulação e a supervisão prudencial são um dos pilares essenciais para a criação de um clima

Leia mais

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública 2011 DESIGNAÇÃO A inscrição poderá DO CURSO ser efectuada Nº através DE do PREÇO site POR www.significado.pt Para mais informações, por favor contacte

Leia mais

oikos desafio de profissionalização de uma ONG gestão da mudança responsabilidade perante os stakeholders

oikos desafio de profissionalização de uma ONG gestão da mudança responsabilidade perante os stakeholders oikos desafio de profissionalização de uma ONG gestão da mudança responsabilidade perante os stakeholders João José Fernandes director geral executivo jjfernandes@oikos.pt Lisboa, 24 Junho 2008 oikos desafio

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Sustentabilidade e mercado de capitais. Luís d Eça Pinheiro Direcção de Relações com Investidores, Comunicação e Sustentabilidade

Sustentabilidade e mercado de capitais. Luís d Eça Pinheiro Direcção de Relações com Investidores, Comunicação e Sustentabilidade Sustentabilidade e mercado de capitais Luís d Eça Pinheiro Direcção de Relações com Investidores, Comunicação e Sustentabilidade Brisa e mercado de capitais Título Brisa 2000-2004 Dividendo por acção Cêntimos

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

COMMUNICATION ON PROGRESS

COMMUNICATION ON PROGRESS COMMUNICATION ON PROGRESS (COP) 2014 1. Declaração de Compromisso Esta é a primeira comunicação de Progresso (COP) que fazemos abrangendo o período de Dezembro de 2013 a Dezembro de 2014. Quero reforçar

Leia mais

Recomendações para Empresas e Grupos Empresariais Familiares RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES

Recomendações para Empresas e Grupos Empresariais Familiares RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES 2014 1 RELATÓRIO FINAL 1. Objectivos do Grupo de Trabalho 1.1. Caracterizar as Empresas Familiares, em termos da sua definição, especificidades

Leia mais

O presente documento é uma tradução do sumário do prospecto do Plano de Acções para os Empregados do Grupo DHV ("O Prospecto") da exclusiva

O presente documento é uma tradução do sumário do prospecto do Plano de Acções para os Empregados do Grupo DHV (O Prospecto) da exclusiva O presente documento é uma tradução do sumário do prospecto do Plano de Acções para os Empregados do Grupo DHV ("O Prospecto") da exclusiva responsabilidade da DHV Holding B.V. O Prospecto foi aprovado

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social: Os primeiros passos. Abril de 2003 a Março de 2004. Vodafone Portugal

Relatório de Responsabilidade Social: Os primeiros passos. Abril de 2003 a Março de 2004. Vodafone Portugal Relatório de Responsabilidade Social: Os primeiros passos Abril de 2003 a Março de 2004 Vodafone Portugal Mensagem do presidente Presidente António Carrapatoso Presidente A rede celular da Vodafone Portugal,

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

-AUDITORIA- PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS. A sua protecção, com os melhores especialistas.

-AUDITORIA- PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS. A sua protecção, com os melhores especialistas. -AUDITORIA- PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS A sua protecção, com os melhores especialistas. Porquê a auditoria ao tratamento de dados pessoais? A regulamentação do tratamento de dados pessoais é uma área complexa

Leia mais

Associação Contraditório. Estatutos

Associação Contraditório. Estatutos Associação Contraditório Estatutos CAPÍTULO I Denominação, Princípios e Objectivos Artigo 1º (Denominação, sede e duração) 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação ASSOCIAÇÃO CONTRADITÓRIO,

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS

BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS APLICAÇÃO DA METODOLOGIA BALANCED SCORECARD NA ABORDAGEM POR PROCESSOS -1- AGENDA Quem somos Modelo de Gestão Gestão por Objectivos - BSC Conclusões e Resultados -2- AGENDA Quem somos -3- O QUE FAZEMOS

Leia mais

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) CAPÍTULO I Objectivos e caracterização do controlo de qualidade

Leia mais