OS RESQUÍCIOS DA DOUTRINA DE SEGURANÇA NACIONAL NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SERVIÇO SOCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS RESQUÍCIOS DA DOUTRINA DE SEGURANÇA NACIONAL NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SERVIÇO SOCIAL"

Transcrição

1 1 OS RESQUÍCIOS DA DOUTRINA DE SEGURANÇA NACIONAL NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SERVIÇO SOCIAL Flávia Gonçalves Canesqui 1 Monícia Paula Lemos 2 Palloma Sthéfanie Ramos 3 RESUMO A ditadura civil-militar ( ) impregnou no conjunto do tecido social a Doutrina de Segurança Nacional (DSN), que previa, dentre outras coisas, uma guerra contra o comunismo. A DSN influenciou a formação cultural dos brasileiros por diversos vetores, sendo um deles a formatação de estruturas curriculares de cursos de Graduação, como as do Serviço Social. O presente trabalho busca identificar, por meio da análise das estruturas curriculares do período em questão, influências da DSN na formação acadêmica de assistentes sociais. Palavras-chave: Ditadura civil-militar, Doutrina de Segurança Nacional, Formação Profissional, Serviço Social 1 Assistente Social e mestre em Serviço Social pela UNESP-Franca, Coordenadora e professora do Curso de Serviço Social do Centro Universitário de Formiga UNIFOR-MG 2 Graduanda em Serviço Social pelo Centro Universitário de Formiga UNIFOR-MG 3 Graduanda em Serviço Social pelo Centro Universitário de Formiga UNIFOR-MG, bolsista de Iniciação Científica - FAPEMIG

2 2 INTRODUÇÃO O presente artigo é parte das reflexões advindas do desenvolvimento do projeto de pesquisa A influência da Doutrina de Segurança Nacional na formação de Assistentes Sociais desenvolvido ao longo do ano de 2012 com o apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG). O projeto intenta, em grandes linhas, entender como aconteceu o processo de formação de assistentes sociais em Minas Gerais durante o período da ditadura civil militar por meio da análise das matrizes curriculares dos cursos de graduação em Serviço Social existentes no estado mineiro naquele tempo histórico. Importa esclarecer que tal proposta encontra-se em andamento e, agora, sem financiamento, mas, inscrito em proposta de estudo para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) que inicia-se neste ano letivo. Sendo assim, resultados que construam mediações para contribuir no alcance dos objetivos propostos estão em gestação e, portanto, sem condições de apresentações concretas para este momento, o que, não obstante, inabilita as observações urdidas para este trabalho, as quais passaremos a apresentar a seguir. O GOLPE MILITAR DE 1964 E A DOUTRINA DE SEGURANÇA NACIONAL Primeiramente, é preciso salientar que vivemos um tempo bastante distinto daquele da ditadura civil militar iniciado em 1964 e prolongado até o ano de Nestes anos sombrios, a sociedade, sob vários ângulos, foi acometida pela Doutrina de Segurança Nacional, que se pautava, sobremaneira, pelo autoritarismo e pelo combate ao comunismo. Áreas profissionais de vários matizes, incluindo-se aí o Serviço Social, foram especialmente selecionadas para absorver mais profundamente os fundamentos da referida Doutrina. Isto porque ao regime não interessava apenas controlar a dinâmica social e o fazer político das classes populares, mas também, principalmente, impedir a proliferação de ideias contrárias ao ideário burguês do regime. Posta a necessidade de controle ideológico, não é difícil imaginar os esforços empreendidos pela autocracia burguesa para influenciar ou controlar o processo de formação de profissionais, como a dos Assistentes Sociais.

3 3 A importância econômica, demográfica e geográfica brasileira tornou, na América Latina, o golpe civil militar decisivo. O quadro apresentado pelos setores sindicais e camponeses apontava para permanentes conflitos que fugiam ao controle do presidente João Goulart. Duas grandes manifestações, ocorridas em março, têm sido apontadas como o estopim para o golpe deferido em abril de 1964 contra o governo João Goulart. A primeira retrata um comício realizado pelo então presidente, no Rio de Janeiro. Tal acontecimento acabou por alarmar as classes conservadoras. Cada vez mais, Goulart demonstrava que seu projeto de sociedade era completamente contrário ao que sempre foi vigente. Suas atitudes se mostravam ainda mais radicais e presumiam não só a fala, mas a publicação de decretos que tinham por compromisso alterar completamente a conjuntura brasileira. Os setores conservadores e militares viram-se com apenas uma possibilidade para manter seus interesses: abortar o processo que estava em curso. Desde a posse de Jango, arquitetavam uma maneira de retirá-lo da presidência, pois não admitiam que o poder estivesse nas mãos de um político ligado às classes populares. A outra manifestação popular, por sua vez, demonstrou o interesse dos militares em alterar a ordem social que estava se formando. Trata-se da Marcha da Família com Deus pela Liberdade, realizada em São Paulo, que reuniu cerca de 400 mil pessoas. Incentivada pelos conspiradores militares, a Marcha foi organizada por diversos movimentos, alguns ligados a setores da Igreja Católica. Embora muitas vezes essa manifestação seja apontada como uma resposta ao comício realizado pelo Presidente, não se pode estabelecer essa relação. O apoio da Igreja foi de extrema importância, pois através de um controle ideológico, essa dissipou entre os fiéis a ideia da existência de uma grande ameaça internacional: o comunismo. A participação de outros setores como, por exemplo, o IPES Instituto de Pesquisa e Estudos Sociais contribuiu significativamente na formulação de uma grande cruzada em nome da fé. Tudo isto deu origem a um antagonismo: de um lado, o projeto defendido por João Goulart, de um capitalismo nacional-popular, que contava com o apoio das forças de esquerda. De outro, os militares juntamente com os setores conservadores, articulavam um projeto que previa a expansão capitalista internacional e dependente. Em resumo, é um conjunto de forças e acontecimentos que acabam por contribuir para a efetivação do golpe.

4 4 O apoio norte-americano foi incontestável para o golpe acontecer. As elites brasileiras foram generosamente contempladas com uma série de recursos financeiros por parte do governo americano para derrubar o Poder Executivo federal. [...] liberação de verbas da Aliança para o Progresso, sistema de ajuda econômica continental montada pelos Estados Unidos, apenas para aqueles estados cujos governadores eram hostis ao governo federal. Dessa forma foram beneficiados, entre outros, os estados da Guanabara, São Paulo e Minas Gerais. (COAGGIOLA, 2001:13). O objetivo de todo esse apoio financeiro era fornecer as condições ideais nas esferas material e logística para os militares golpistas. O Estado militar se credenciaria como principal guardião do capital internacional e defensor da restauração da economia cambaleante e anarquizada pelas constantes greves por meio de um programa de desenvolvimento baseado na livre iniciativa (COAGGIOLA, 2001:16). Dessa forma, uma série de dispositivos legais passou a reger toda a vida política e social do país. Se a conspiração civil-militar de 31 de março de 1964 significou o fim do governo constitucional de João Goulart, o Ato Institucional decretou a morte do regime baseado na Constituição de 1946, na harmonia e independência dos Poderes, na inviolabilidade do mandato parlamentar (COAGGIOLA, 2001: 17). É neste contexto, do golpe civil militar de 1964, que abre-se um cenário favorável às operações de mudançcas no Serviço Social. Primeiro, devido à necessidade de manter, tal como em outros períodos históricos da sociedade brasileira, por meio de agentes qualificados, a reprodução das relações sociais próprias daquela conjuntura e, desta maneira, conservar a acumulação de capital. No período em tela, o Serviço Social vivenciou três alterações. A primeira delas, se relacionou às condições de exercício profissional. Um aumento significativo de novos campos de trabalho, devido ao desenvolvimento de políticas sociais, ingressou os assistentes socais nas fileiras do trabalho assalariado. A segunda, ligada à primeira, referiu-se à auto representação profissional. As condições do trabalho assalariado ofuscou (e não eliminou) os traços históricos caritativos que conformavam o perfil profissional.

5 5 E, por fim, a terceira modificação foram as relacionadas às demandas práticas colocadas ao assistentes sociais, notadamente as da indústria urbana. As três alterações contribuiram decisivamente para a renovação profissional. Do estrito ponto de vista profissional, o fenômeno mais característico desta quadra relaciona-se à renovação do Serviço Social. No âmbito das suas natureza e funcionalidade constitutivas, alteraram-se muitas demandas práticas a ele colocadas e sua inserção nas estruturas organizacional-institucionais (donde, pois, a alteração das condições de seu exercício profissional); a reprodução da categoria profissional a formação dos seus quadros técnicos viu-se profundamente redimensionada (bem como os padrões da sua organização como categoria); e seus referenciais teóricos-culturais e ideológicos sofreram giros sensíveis (assim como suas auto representações). Este rearranjo global indica que os movimentos ocorridos neste marco configuram bem mais que a resultante do acúmulo que a profissão vinha operando desde antes. Articulam especialmente uma diferenciação e redefinição profissionais sem precedentes, desenhando mais particularmente a renovação. (NETTO, 2004: 119) Essas mudanças significativas, como já apontado, deram-se no duro e obscuro contexto de militarização da vida política, social e cultural brasileira, açambarcado pela agudização da Guerra Fria, que desde o final da Segunda Mundial, opunha União Soviética e Estados Unidos como representantes dos sistemas socialista e capitalista. Os Estados Unidos, diante da possibilidade de uma vitória comunista, se inseriram em uma permanente estratégia para bloquear o fortalecimento das ideias comunistas. Tratava-se de um conjunto de ações militares, políticas, econômicas, psicológicas para neutralizar a influência da União Soviética. Desenvolve-se, desta maneira, a Doutrina de Segurança Nacional. A Doutrina de Segurança Nacional era a nova arma contra o comunismo internacional. Daí decorria um segundo princípio segundo o qual o comunismo estaria por trás de todos os fenômenos revolucionários do Terceiro Mundo, não sendo, portanto, necessário fazer distinção entre guerra revolucionária e guerra de libertação nacional, assim como não teria diferença entre subversão, crítica, oposição, política, guerrilha, terrorismo, guerra, já que tudo isso era manifestação de um único fenômeno: a guerra revolucionária. [...] Trata-se, portanto, da força do Estado, capaz de derrotar todas as forças adversas e fazer triunfar os Objetivos Nacionais. [...] é a força do Estado presente em todos os lugares em que haja suspeita do fantasma do comunismo. Às vezes atacam um objetivo, às vezes outro: à onipresença do comunismo responde-se com a onipresença da Segurança Nacional. (COMBLIN, 1978: 47). A ideologia de Segurança Nacional não era secreta, entretanto, os militares reservavam sua explicação e conhecimento aos mais altos responsáveis pelos grandes setores da vida

6 6 nacional. O objetivo maior era manter as massas populares isoladas do processo de condução do Estado. Para tanto, a definição de segurança, mesmo sendo o centro de toda a doutrina, não foi explicitada, de maneira a fazer da guerra a resposta a todas as questões. A ideia de guerra envolvia três conceitos fundamentais: guerra generalizada, guerra fria e guerra revolucionária. A primeira dizia respeito ao conflito armado entre grandes potências. A guerra fria era tida como uma guerra permanente e atual e, tratada em todos os planos psicológico, militar, político e econômico porém, sem confronto armado, a guerra revolucionária era combatida em prol da segurança nacional. Mais exatamente, guerra revolucionária era entendida como a nova estratégia do comunismo internacional: em qualquer lugar que haja uma guerra revolucionária, é preciso ver, daí por diante, a presença do comunismo (COMBLIN, 1978: 44). Derivados desta concepção de guerra e de segurança foram criados os objetivos nacionais com o intuito de respaldar a Ideologia de Segurança Nacional. Os Objetivos Nacionais são ao mesmo tempo a meta da guerra e a meta da política. Como a Doutrina de Segurança Nacional assimila permanentemente a política e a guerra, isso não é de surpreender. A meta da guerra é a meta da política e vice-versa, já que toda nação esta engajada numa guerra para sua sobrevivência. (COMBLIN, 1978: 50). A segurança do Estado era o valor de alta grandeza. Partia-se do pressuposto de que cidadãos subversivos, o inimigo interno, estavam inseridos na sociedade, justificando, desta maneira, o controle e a vigilância, como também o uso de armas contra aqueles que supostamente teriam cometido crimes contra o Estado e a ordem política, criando uma atmosfera de desconfiança e medo. Os princípios da Doutrina de Segurança Nacional foram formulados pela Escola Superior de Guerra (ESG) e contaram com um amplo aparato institucional, como o Serviço Nacional de Informações (SNI) para levar a cabo seus princípios. Esta conjuntura marcada pelos elementos mencionados interferiu profundamente na formação dos assistentes sociais. Como se sabe, os assistentes sociais exercem na divisão sócia técnica do trabalho, em sua maioria, a função de executores terminais das políticas sociais (NETTO, 2006) e, desta maneira, relacionam-se diretamente com o povo. Por essa característica, a necessidade, naquele contexto, de controle da formação universitária fazia-se imperativa. Para tanto, uma formação acadêmica tecnicista, instrumentalista e burocrática era

7 7 essencial para sintonizar profissão aos ditames da autocracia burguesa, especialmente na gestão e execução de políticas sociais. DITADURA CIVIL MILITAR E SERVIÇO SOCIAL De acordo com NETTO (2004, p. 118), a reorganização do Estado e as modificações profundas na sociedade feriram o Serviço Social, não exclusivo, mas especialmente, em dois níveis: o da sua prática e o da sua formação profissionais. Novas exigências foram apresentadas aos assistentes sociais. Era necessário, a partir de então, um profissional moderno, laicizado e descolado do confessionalismo. Neste contexto, a efetiva inserção do Serviço Social no âmbito universitário corroborou para subverter a formação acadêmica e o recebimento de influxos de outras áreas das ciências humanas, como a sociologia, a antropologia e a psicologia social, também contribuíram para a formatação de um novo velho profissional. Dizemos novo velho profissional em razão do próprio processo de renovação do Serviço Social, onde o novo apareceu mesclado ao velho de maneira muito complexa, em que rompimentos se entrecruzaram a continuidades, em uma tensão entre elementos de transformação e permanência, elementos típicos da modernização da conservadora. Uma nova onda expansiva atinge a oferta de Cursos de Serviço Social no Brasil, pois segundo NETTO (2004, p.124): Em pouco mais de uma dezena de anos, o sistema de ensino superior (público e privado) passou a oferecer, em todo o país cursos de Serviço Social numa escala impensável uma década antes - se, em 1960, havia 1289 estudantes de Serviço Social, em 1971 o seu número chegava a Os 28 cursos existentes em 1959 [...] passaram a 57 em 1976 (23 públicos e 34 privados) e 61 em 1982 (26 públicos e 35 privados); os dados mais recentes, de 1988, apontam a existência de 66 cursos (26 públicos e 40 privados) [...]. Vale observar que, em 1988, o Brasil reunia mais de 20% do total das escolas superiores de Serviço Social então existentes na América Latina, que ascendia a 307 unidades universitárias. Pode-se afirmar que fora neste contexto que a profissão experimentou significativas modificações teóricas e metodológicas desde que surgiu no País. O Serviço Social passou a pautar-se por três matrizes teóricas distintas, entrecruzadas em seu desenvolvimento

8 8 histórico, e que contribuíram sobejamente para a emergência de debates e polêmicas epistemológicas no interior da profissão. O processo de renovação do Serviço Social, em certa medida e principalmente por meio das duas primeiras perspectivas teóricas desenvolvidas - modernizadora e reatualização do conservadorismo, nos dizeres de NETTO (2004)-, resgatou suas raízes conservadoras. Nas palavras de IAMAMOTO (2002, p.22), a fonte de inspiração do pensamento conservador provém de um modo de vida do passado, resgatado e proposto para interpretar o presente. Diante do clima repressivo que se instalou no país durante o período da ditadura civil militar, os assistentes sociais iniciaram discussões acerca do objeto, objetivos, métodos e procedimentos de intervenção, enfatizando a metodologia profissional, pois à medida que se fechava o caminho para efetivar a crítica à vida social da lógica do capital, o Serviço Social brasileiro iniciava, então, uma revisão de sua própria modalidade de intervenção. Impossibilitado de questionar-se socialmente, o Serviço Social brasileiro se questionou metodologicamente. As preocupações sobre a função social do Serviço Social, a análise de seus valores ideológicos, o tratamento de suas implicações sociopolíticas, tudo isso foi substituído pelo debate exclusivo do exercício profissional. A teoria metodológica invadiu os círculos institucionalizados. Essa atualização se manifesta em mudanças no discurso, nos métodos de ação e no projeto de prática profissional diante das novas estratégias de controle e repressão da classe trabalhadora, efetivadas pelo Estado e pelo grande capital, para atender às exigências da política de desenvolvimento com segurança. Traduz-se numa modernização da instituição do Serviço Social. De um lado, é preciso aperfeiçoar o instrumental operativo, com as metodologias de ação, com a busca de padrões de eficiência, a sofisticação de modelos de análise, diagnóstico e planejamento; enfim é preciso dar suporte técnico à ação profissional. (IAMAMOTO, 2002:32) No entanto, e por outro lado, o processo de renovação também comportou setores que contribuíram de uma certa forma para a ruptura com o conservadorismo. A ruptura com a herança conservadora expressa-se como uma procura, uma luta por alcançar novas bases de legitimidade da ação profissional do assistente social, que, reconhecendo as contradições sociais presentes nas condições do exercício profissional, busca colocar-se objetivamente a serviço dos interesses dos usuários, isto é, dos setores dominados da sociedade. Não se reduz a um movimento interno da profissão. Faz parte de um movimento social mais geral, determinado pelo confronto e a correlação de forças entre as classes fundamentais da

9 9 sociedade, o que não exclui a responsabilidade da categoria pelo rumo dado às suas atividades e pela forma de conduzi-las. (IAMAMOTO, 2002:37) A conjuntura econômica do final dos anos de ditatoriais aliada às manifestações populares influenciou o Serviço Social no sentido da reorganização de sua prática profissional, perpassando, preponderantemente, pela análise política do papel a ser desempenhado por este profissional em sua atuação, daí a necessidade de requalificar os instrumentais e buscar novos fundamentos científicos para orientar as intervenções. Nesta nova perspectiva, batizada por NETTO (2004) de intenção de ruptura, os assistentes sociais recusavam em conceber o exercício profissional reduzido à mera execução de políticas sociais. Para tanto, a inserção dos profissionais no universo da pesquisa acadêmica foi fundamental para romper com a divisão consagrada de trabalho entre cientistas sociais (os teóricos) e assistentes sociais (os profissionais da prática) (NETTO apud IAMAMOTO, 2002 p ). Paradoxalmente, a ditadura civil militar no Brasil propiciou no Serviço Social, por um lado, o fortalecimento do conservadorismo e, por outro, a ruptura com mesmo, inaugurando um debate crítico e de vinculação marxista, mesmo que frágil. Não obstante o marco negativo das fragilidades e lacunas deste momento, muito em função de um ecletismo pouco produtivo e até incoerente, o processo de renovação profissional do Serviço Social serviu para chancelar a ruptura, por um setor expressivo da categoria profissional, com o conservadorismo. O exposto até agora permite-nos afirmar que o Serviço Social acompanhou, em maior ou menor grau, o movimento do Estado na direção do obscurecimento das contradições sociais e na contenção do avanço e amadurecimento da luta de classes. Depreende-se daí o centro de nossas indagações: considerando que os cursos de graduação em Serviço Social tiveram aumento significativo no período da ditadura civil militar no Brasil, cabe-nos indagar, em um primeiro momento, qual foi o grau de consonância e submissão destes cursos à ordem social estabelecida naquele momento? Esta questão leva-nos à refletir sobre o papel que o Estado brasileiro desempenhou (e desempenha?) na conformação do conservadorismo no Serviço Social, especialmente em seus meios de formação acadêmica, pois o Estado, no período retratado (como nos últimos anos?) desenvolveu políticas sociais e requereu (e requer?), por conseguinte, assistentes

10 10 sociais para executá-las. Desta forma, acabou, intencionalmente ou não (?), moldando a formação dos assistentes sociais que ingressaram no mundo trabalho. Por sua vez, os cursos de graduação em Serviço Social, por meio de seus projetos pedagógicos e estruturas curriculares, acabaram, desta maneira, submetendo suas propostas formativas à lógica dominante. São esses questionamentos que instigam nossa vontade de continuar a perquirir o Serviço Social no contexto histórico brasileiro a fim de encontrar pistas que contribuam também no entendimento da conjuntura atual da formação acadêmica em Serviço Social marcada essencialmente pela privatização e precarização, em um contexto de ampliação (precária) de vagas no mercado de trabalho, especialmente no campo das políticas assistenciais estatais.

11 11 REFERÊNCIAS COAGGIOLA Osvaldo. Governos Militares na América Latina: A era das ditaduras Chile, Argentina e Brasil Luta armada e repressão. São Paulo: Editora Contexto, COMBLIN Joseph. A ideologia da Segurança Nacional: O poder militar na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, NETTO José Paulo. Ditadura e Serviço Social: uma análise do Serviço Social no Brasil pós ed. São Paulo: Cortez, Capitalismo monopolista e Serviço Social. 5ed. São Paulo: Cortez, IAMAMOTO, Marilda Villela. Renovação e Conservadorismo no Serviço Social: ensaios críticos. 6 ed. São Paulo: Cortez, Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. 4ed. São Paulo: Cortez, RÉMOND, René. Uma história presente In: RÉMOND, René. Por uma História Política. RJ: Ed. da UFRJ, FGV, 1996.

50 anos depois, ainda vivemos o horror

50 anos depois, ainda vivemos o horror Especial 50 anos do golpe 50 anos depois, ainda vivemos o horror Tratar o passado de violações é constatar que o presente está marcado pela continuidade das violências por João Ricardo W. Dornelles publicado

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 AVILA, Lisélen 2 ; AVILA, Evelisen 3 ; AGUINSKY, Beatriz 4 1 Trabalho do tipo bibliográfico 2 Assistente Social, Mestranda em Serviço Social

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA Fixação 1) Em perfeita sintonia com o espírito restaurador do Congresso de Viena, a criação da Santa Aliança tinha por objetivo: a)

Leia mais

A PROFISSÃO DO SERVIÇO SOCIAL: DA GÊNESE A ATUALIDADE Sibeli Ribas

A PROFISSÃO DO SERVIÇO SOCIAL: DA GÊNESE A ATUALIDADE Sibeli Ribas A PROFISSÃO DO SERVIÇO SOCIAL: DA GÊNESE A ATUALIDADE Sibeli Ribas A emancipação dos trabalhadores será obra dos próprios trabalhadores. Karl Marx e Friederich Engels Resumo O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

DIREITOS HUMANOS COMO CONTRAVENÇÃO E ARMA

DIREITOS HUMANOS COMO CONTRAVENÇÃO E ARMA HISTÓRIA CULTURAL: ESCRITAS, CIRCULAÇÃO, LEITURAS E RECEPÇÕES Universidade de São Paulo USP São Paulo SP 10 e 14 de Novembro de 2014 DIREITOS HUMANOS COMO CONTRAVENÇÃO E ARMA RETÓRICA : CRÍTICA E RECEPÇÃO

Leia mais

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI

OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI Ariana Célis Leite Lívia Hernandes de Carvalho Lívia Moura Marinho Thiago Agenor dos Santos de Lima RESUMO: O presente artigo tem como

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

DIMENSÃO EDUCATIVA DO ASSISTENTE SOCIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR. A investigação sobre a dimensão educativa que também caracteriza o

DIMENSÃO EDUCATIVA DO ASSISTENTE SOCIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR. A investigação sobre a dimensão educativa que também caracteriza o 1 DIMENSÃO EDUCATIVA DO ASSISTENTE SOCIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR Iris de Lima Souza 1 A investigação sobre a dimensão educativa que também caracteriza o fazer profissional do Assistente Social, é parte de

Leia mais

Portanto, a conjuntura pós-1970 foi marcada pelo protagonismo de entidades e pessoas que

Portanto, a conjuntura pós-1970 foi marcada pelo protagonismo de entidades e pessoas que Os vigilantes da ordem: a cooperação DEOPS/SP e SNI e a suspeição aos movimentos pela anistia (1975-1983). Pâmela de Almeida Resende 1 Mestrado em História Social pela Universidade Estadual de Campinas

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social O materialismo-histórico dialético e o projeto ético-político do Serviço Social: algumas aproximações Emelin Caroline Tarantini Cremasco (PIBIC/CNPq-UEL), Olegna Souza Guedes (Orientadora), e-mail: olegnasg@gmail.com

Leia mais

1 a Questão: (2,0 pontos) APRESENTAÇÃO

1 a Questão: (2,0 pontos) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO Para dar uma definição compreensível de revolução, diremos que ela é uma tentativa de substituir o poder estabelecido por outro poder, usando meios ilegais. Esses meios, geralmente, implicam

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

OS SABERES E AS HABILIDADES NECESSÁRIAS A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOS ASSISTENTES SOCIAIS

OS SABERES E AS HABILIDADES NECESSÁRIAS A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOS ASSISTENTES SOCIAIS OS SABERES E AS HABILIDADES NECESSÁRIAS A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOS ASSISTENTES SOCIAIS Autoras: Eliana Andrade da Silva(DESSO-UFRN) e Priscilla Gracia do Nascimento (UFRN) RESUMO Esta investigação objetiva

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Serviço Social; Questão Social; Movimento de Reconceituação.

PALAVRAS-CHAVE: Serviço Social; Questão Social; Movimento de Reconceituação. Da Institucionalização do Serviço Social na América Latina à Inserção da Questão Social na Agenda Pública: reflexões sobre o Movimento de Reconceituação Bruno Alvarenga Ribeiro 1 Aline Mendonça Silva 2

Leia mais

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Sobre o trabalho social O trabalho social nos programas de, exercido pelo (a) assistente

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

A dimensão técnico-operativa do Serviço Social um debate sobre demandas e atribuições do assistente social

A dimensão técnico-operativa do Serviço Social um debate sobre demandas e atribuições do assistente social A dimensão técnico-operativa do Serviço Social um debate sobre demandas e atribuições do assistente social Luciana Gonçalves Pereira de Paula O debate sobre a dimensão técnico-operativa do Serviço Social

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

CURSO de SERVIÇO SOCIAL NITERÓI - Gabarito

CURSO de SERVIÇO SOCIAL NITERÓI - Gabarito PROAC / COSEAC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2008 e 1 o semestre letivo de 2009 CURSO de SERVIÇO SOCIAL NITERÓI - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

Desenvolvimento Social em Comunidades Costeiras: revisitando a pesquisaação

Desenvolvimento Social em Comunidades Costeiras: revisitando a pesquisaação Desenvolvimento Social em Comunidades Costeiras: revisitando a pesquisaação 1 Modalidade: Eixo: Maria das Graças e Silva 2 graça_pe@yahoo.com.br Nailsa Maria Souza Araújo 3 nayaraujo5@yahoo.com.br Apresentação

Leia mais

ABERTURA DOS ARQUIVOS DA DITADURA (CIVIL) MILITAR

ABERTURA DOS ARQUIVOS DA DITADURA (CIVIL) MILITAR CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X ABERTURA DOS ARQUIVOS DA DITADURA (CIVIL) MILITAR Cesar

Leia mais

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH MELO, Alessandro de (Orientador/UNICENTRO) BATISTA, Viviane Silveira (UNICENTRO) SIGNORI, Zenira Maria Malacarne (UNICENTRO) Trabalhos realizados

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS.

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. CLáudia Mônica dos Santos RESUMO: Esse estudo tem por objetivo conhecer como a prática profissional vem

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência.

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Nome: Glauco Costa de Souza (Graduando Unesp/Assis). e-mail: glaucojerusalem@hotmail.com

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3 A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3 1 Catyelle Maria de Arruda Ferreira, autora, aluna do Curso de Ciências

Leia mais

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas 54ª Reunião Anual da SBPC Goiânia/GO Julho/2002 O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas João Ferreira de Oliveira (UFG) A universalização do acesso à educação superior constitui-se

Leia mais

O manual do guerrilheiro: práticas e normas da vida clandestina no Recife em tempos de Ditadura Militar

O manual do guerrilheiro: práticas e normas da vida clandestina no Recife em tempos de Ditadura Militar O manual do guerrilheiro: práticas e normas da vida clandestina no Recife em tempos de Ditadura Militar Roberto Diego de Lima 1 Resumo Durante o regime Civil-militar brasileiro (1964-1985) sempre houve

Leia mais

Profª: Sabrine Viviane Welzel

Profª: Sabrine Viviane Welzel História 9 ano Ditadura Militar 1 Leia com a tençao, o depoimento do general bandeira a respeito da participaçao dos militares na politica brasileira: no movimento de 1964, a ideologia politica foi puramente

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem Resumo Maria Rita Leal da Silveira Barbosa * Angélica Pinho Rocha Martins ** É sabido que a prática de avaliação é uma intervenção

Leia mais

A POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO BRASIL: DA DITADURA MILITAR AO PROCESSO DE REDEMOCRATIZAÇÃO INTRODUÇÃO

A POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO BRASIL: DA DITADURA MILITAR AO PROCESSO DE REDEMOCRATIZAÇÃO INTRODUÇÃO V SIMPÓSIO REGIONAL DE FORMACAO PROFISSIONAL 1 E XXI A POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO BRASIL: DA DITADURA MILITAR AO PROCESSO DE REDEMOCRATIZAÇÃO Ana Carolina de Paula 1 Carla Thomaz Januário 2 Solange da Cruz

Leia mais

CENTROS DE INFORMAÇÃO POPULAR E O BIBLIOTECÁRIO

CENTROS DE INFORMAÇÃO POPULAR E O BIBLIOTECÁRIO CENTROS DE INFORMAÇÃO POPULAR E O BIBLIOTECÁRIO Eliany Alvarenga de Araújo' 1 1 - INTRODUÇÃO Inicialmente eu gostaria de agradecer a Comissão Organizadora do 15 Painel Biblioteconomia em Santa Catarina,

Leia mais

PROJETO ÉTICO POLÍTICO: QUAIS OS FIOS PARA A SUA CONSOLIDAÇÃO? UMA ANÁLISE DA EFETIVAÇÃO DO PROJETO ÉTICO-POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL

PROJETO ÉTICO POLÍTICO: QUAIS OS FIOS PARA A SUA CONSOLIDAÇÃO? UMA ANÁLISE DA EFETIVAÇÃO DO PROJETO ÉTICO-POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL 1 PROJETO ÉTICO POLÍTICO: QUAIS OS FIOS PARA A SUA CONSOLIDAÇÃO? UMA ANÁLISE DA EFETIVAÇÃO DO PROJETO ÉTICO-POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL Débora Begati Viana 1 Rafaela Marangon Dia 2 RESUMO O artigo em questão

Leia mais

RESENHA O trabalho docente voluntário: a experiência da UFSC

RESENHA O trabalho docente voluntário: a experiência da UFSC RESENHA O trabalho docente voluntário: a experiência da UFSC, de Maria Izabel da Silva. Florianópolis, Editora da UFSC, 2010, 152 p., ISBN 978-85-328-0372-6. Numa época de profundas transformações no mundo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes.

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes. Ditadura: É uma forma de governo em que o governante (presidente, rei, primeiro ministro) exerce seu poder sem respeitar a democracia, ou seja, governa de acordo com suas vontades ou com as do grupo político

Leia mais

Quem são os inimigos? Imagens e memórias através dos cartazes, panfletos e jornais confiscados pela Delegacia de Ordem Política e Social do Estado do

Quem são os inimigos? Imagens e memórias através dos cartazes, panfletos e jornais confiscados pela Delegacia de Ordem Política e Social do Estado do Espírito Santo (DOPS/ES). 1 Pedro Ernesto Fagundes 2 Quem são os inimigos? Imagens e memórias através dos cartazes, panfletos e jornais confiscados pela Delegacia de Ordem Política e Social do Estado do

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: TUTELA E COOPERAÇÃO

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: TUTELA E COOPERAÇÃO BRASIL E ESTADOS UNIDOS: TUTELA E COOPERAÇÃO Luiz Carlos Bresser-Pereira Folha de S. Paulo, 28.11.1982 As relações de cooperação e conflito que unem os Estados Unidos e o Brasil são o pano de fundo da

Leia mais

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 624 A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Fabiane Carniel 1,

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES Luiz Carlos Bresser-Pereira Senhor, nº 24, março de 1980 Estou passando pelos corredores e ouço: Quando as empresas brasileiras forem dirigidas por administradores

Leia mais

Acerca da Luta Armada

Acerca da Luta Armada VALOR E VIOLÊNCIA Acerca da Luta Armada Conferência Pronunciada no Anfiteatro de História da USP em 2011 Wilson do Nascimento Barbosa Professor Titular de História Econômica na USP Boa noite! Direi em

Leia mais

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça!

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Tânia Miranda * A memória histórica constitui uma das mais fortes e sutis formas de dominação. A institucionalização da memória oficial

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

2. Projeto Ético-Político do Serviço Social

2. Projeto Ético-Político do Serviço Social Projeto Ético-político do Serviço Social: a passagem do âmbito da possibilidade ao âmbito da efetividade Cláudia Mônica dos Santos Discente: Janaina Menegueli Início: agosto de 2013. Objeto: Projeto Ético-político

Leia mais

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do p. 110 A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do México até sua independência a partir de 1823; Em 1839 tornam-se independentes fracasso da

Leia mais

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela *

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * Este artigo traz indagações referentes a uma pesquisa mais

Leia mais

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História 1. Assinale V(verdadeira) e F(falsa): a) ( ) Em 1929, o mundo capitalista enfrentou grave crise econômica, causada principalmente pelo crescimento exagerado

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S INTRODUÇÃO Identidade: não é um propriedade das coisas, mas das

Leia mais

MOVIMENTO DE RECONCEITUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL: um reflexo no exercício profissional na contemporaneidade

MOVIMENTO DE RECONCEITUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL: um reflexo no exercício profissional na contemporaneidade MOVIMENTO DE RECONCEITUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL: um reflexo no exercício profissional na contemporaneidade Beatriz Borges Viana Acadêmica do curso de Serviço Social da Universidade Federal do Amazonas UFAM/Campus

Leia mais

O POTENCIAL DE CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSESSORIA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA PELA SAÚDE

O POTENCIAL DE CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSESSORIA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA PELA SAÚDE O POTENCIAL DE CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSESSORIA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA PELA SAÚDE Maria Inês Souza Bravo * Maurílio Castro de Matos ** Introdução O presente trabalho é fruto de reflexões

Leia mais

Formulação de projeto de trabalho profissional

Formulação de projeto de trabalho profissional Formulação de projeto de trabalho profissional Berenice Rojas Couto Professora de Política Social nos cursos de Graduação e Pós-Graduação da Faculdade de Serviço Social da PUCRS/Rio Grande do Sul. 0 1

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR Fátima Grave Ortiz é assistente social, mestre e doutora em Serviço Social pela UFRJ. É professora da Escola de Serviço Social da mesma universidade, e compõe

Leia mais

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil ID/ES Tão perto e ainda tão distante A 90 milhas de Key West. Visite Cuba. Cartão postal de 1941, incentivando o turismo em Cuba. 1 Desde a Revolução de 1959, Cuba sofre sanções econômicas dos Estados

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente.

OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente. OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente. Universidade do Vale do Paraíba, Faculdade de Ciências da Saúde,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL Alex Silva Costa 1 Resumo O artigo procura analisar o desenvolvimento do ensino da disciplina de História na educação brasileira,

Leia mais

Rever ou não rever. Eis a questão? O debate atual sobre a lei de anistia de 1979.

Rever ou não rever. Eis a questão? O debate atual sobre a lei de anistia de 1979. Rever ou não rever. Eis a questão? O debate atual sobre a lei de anistia de 1979. Comunicação apresentada no I Seminário Nacional Práticas Sociais, Narrativas Visuais e Relações de Poder, Universidade

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

AS ORIGENS DO SERVIÇO SOCIAL NO BRASIL

AS ORIGENS DO SERVIÇO SOCIAL NO BRASIL AS ORIGENS DO SERVIÇO SOCIAL NO BRASIL Christiane Varela Coimbra 1 - FATERN Prof. Ms. Ilena Felipe Barros (orientadora) 2 - FATERN RESUMO O artigo trata das origens do Serviço Social no Brasil. Para tanto,

Leia mais

[REVISTA CONTEMPORÂNEA DOSSIÊ 1964-2014: 50 ANOS DEPOIS, A CULTURA AUTORITÁRIA EM QUESTÃO]

[REVISTA CONTEMPORÂNEA DOSSIÊ 1964-2014: 50 ANOS DEPOIS, A CULTURA AUTORITÁRIA EM QUESTÃO] 1 Os incontáveis matizes de cinza (NAPOLITANO, Marcos. 1964: História do Regime Militar Brasileiro. São Paulo: Contexto, 2014.) Luisa Quarti Lamarão * A julgar por sua aparência, o livro 1964: História

Leia mais

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL Profa. Rosemara Soares de Souza Caires Unidade II SERVIÇO SOCIAL INTERDISCIPLINAR Aproximações entre o Serviço Social e a Interdisciplinaridade A interdisciplinaridade se manifesta na profissão por meio

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

50 ANOS DO GOLPE MILITAR

50 ANOS DO GOLPE MILITAR 50 ANOS DO GOLPE MILITAR (1964-1985) Prof. Dr. Rogério de Souza CAUSAS Guerra Fria Contexto Internacional: Construção do Muro de Berlim (1961) Cuba torna-se Socialista (1961) Crise dos Mísseis (1962) CAUSAS

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo O Consulado: Economia, Educação

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DOCENTE

AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DOCENTE AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DOCENTE RESUMO: Este artigo tem como objetivo apresentar as contribuições do PIBID Pedagogia do Campus Avançado de Patu CAP/UERN para a formação docente.

Leia mais

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos EDUCAÇÃO CONTRA O TRABALHO INFANTOJUVENIL: CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODO E VULNERABILIDADES Felipe Pitaro * Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos de partida. O primeiro diz

Leia mais

ATIVIDADES ON LINE 9º ANO DITADURA MILITAR

ATIVIDADES ON LINE 9º ANO DITADURA MILITAR ATIVIDADES ON LINE 9º ANO DITADURA MILITAR 1-"O movimento de 31 de março de 1964 tinha sido lançado aparentemente para livrar o país da corrupção e do comunismo e para restaurar a democracia, mas o novo

Leia mais

A Revolução Comunista na China 1949 Organização : Prof.: Fabrício Fernandes

A Revolução Comunista na China 1949 Organização : Prof.: Fabrício Fernandes A Revolução Comunista na China 1949 Organização : Prof.: Fabrício Fernandes Antecedentes Guerra Civil A partir de 1925 nacionalistas / kuomintang (Chiang Kai-shek) X comunistas (derrotados) desfecho: Partido

Leia mais

ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA

ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA Prof.ª Dra. Irizelda Martins de Souza e Silva UEM Caroline Mari de Oliveira UEM Kethlen Leite de Moura UEM Thaís Godoi de Souza UEM Agência Financiadora:

Leia mais

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA Ana Carolina Caldas Mestra em História de Educação UFPR Resumo Este artigo é parte da dissertação

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI ABRIL, 2005 Introdução A Universidade Federal da Bahia ao elaborar o seu Plano de Desenvolvimento Institucional PDI (2004-2008), incluiu

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social.

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL NA CONSOLIDAÇÃO DO PROJETO ÉTICO-POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL 1

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL NA CONSOLIDAÇÃO DO PROJETO ÉTICO-POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL 1 A FORMAÇÃO PROFISSIONAL NA CONSOLIDAÇÃO DO PROJETO ÉTICO-POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL 1 Cristiane Carla Konno 2 Resumo: O presente trabalho é parte do debate acirrado no Grupo de Pesquisa: Fundamentos do

Leia mais

A DIMENSÃO EDUCATIVA DO SERVIÇO SOCIAL E A INSTRUMENTALIDADE ARTÍSTICA

A DIMENSÃO EDUCATIVA DO SERVIÇO SOCIAL E A INSTRUMENTALIDADE ARTÍSTICA 118 Introdução A DIMENSÃO EDUCATIVA DO SERVIÇO SOCIAL E A INSTRUMENTALIDADE ARTÍSTICA Ana Flavia Luca de Castro Uni-FACEF Bianca Nogueira Mattos Uni-FACEF Eliana Bolorino Canteiro Martins Uni-FACEF Iara

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DESPORTO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DESPORTO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DESPORTO P R O J E T O D E L E I N º 3. 0 7 4 / 2 0 0 0 Propõe a criação de um novo exame a ser aplicado aos ingressantes nos cursos de graduação. I RELATÓRIO O projeto

Leia mais