Regimes Militares e a Segurança Nacional no Cone Sul

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regimes Militares e a Segurança Nacional no Cone Sul"

Transcrição

1 Regimes Militares e a Segurança Nacional no Cone Sul Sérgio Luiz Cruz Aguilar Resumo: A implantação dos regimes militares no Cone Sul, a partir de meados da década de 1960, aconteceu no âmbito da Guerra Fria. Em consequência, tanto a ocorrência dos golpes militares como os planejamentos e ações para a defesa nacional dos Estados da sub-região se deram seguindo a lógica daquele período e a concepção de defesa hemisférica pregada pelos Estados Unidos, com prioridade no combate a chamada subversão interna. Dessa forma, a necessidade de combater o inimigo interno levou os países a participarem de mecanismos hemisféricos ou criarem arranjos próprios de coordenação. O artigo parte das hipóteses de conflito utilizadas nos planejamentos dos governos militares para analisar as ações empregadas contra os movimentos de esquerda, incluindo a coordenação entre os governos do Cone Sul. O entendimento das concepções de defesa contra o comunismo soviético permite compreender que os grupos que se colocavam contra os regimes eram entendidos como um perigo ao Estado e, nesse estado de guerra, os meios justificavam os fins. Palavras-chave: Cone Sul; Regimes Militares; Defesa Nacional. Abstract: The implantation of military regimes in South America, from the mid-1960s, happened in the context of the Cold War. As a result, both the occurrence of military coups and the plans and actions for the national defense of the Southern Cone States occurred following the logic of that period and the concept of hemispheric defense preached by the United States, with priority in combating the so-called internal subversion. Thus, the need to combat the internal enemy has led these countries to participate in hemispheric mechanisms or create his own arrangements for coordination. The article starts from the conflict hypothesis used by the military governments in their military planning to analyze the actions carried out against leftist movements, including coordination between the governments of the Southern Cone. The understanding of the defense concepts against Soviet communism allows us to understand that the groups placed against the military governments were seen as a danger to the State and, in that state of war, the means justified the ends. Keywords: Southern Cone; Military Regimes; National Defense Doutor em História. Departamento de Sociologia e Antropologia da Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC) da Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho (UNESP) Campus de Marília/SP. Autor de Segurança e Defesa no Cone Sul. São Paulo: Porto de Ideias, 2010 e A Guerra da Iugoslávia. São Paulo: Usina do Livro,

2 Regimes Militares e a Segurança Nacional no Cone Sul 65 Introdução A partir da década de 1960 ocorreu a implantação dos regimes militares em todos os países do Cone Sul, que se prolongariam até o final da década de O estabelecimento desses regimes se deu no âmbito da Guerra Fria, período em que a prioridade de segurança dos Estados Unidos (EUA) era o de conter a expansão comunista em todo o mundo, especialmente no continente americano. A Doutrina Truman, anunciada ao Congresso norte-americano em 1947, baseada na Lei de Segurança Nacional (National Security Act), daquele mesmo ano, deu origem à chamada Doutrina de Segurança Nacional (DSN) que foi propagada pelos EUA e assimilada pela maior parte dos países latino-americanos. 1 Na realidade, a Lei de Segurança Nacional foi criada como medida para reorganizar o setor militar e impor restrições aos seus gastos, mas se transformou na lei básica para a comunidade de inteligência e para a política externa norte-americana, além de fornecer a base para a estrutura militar da Guerra Fria. 2 A partir de então, a contenção comunista se deu por meio do binômio armamento repressão aos movimentos de esquerda. Enquanto o armamento era exclusividade dos EUA com o desenvolvimento de armas de destruição em massa e seus lançadores, a repressão foi compartilhada com os governos do continente. O presente artigo tem por objetivo apresentar as concepções de segurança e o combate aos movimentos de esquerda no Cone Sul durante os regimes militares, no contexto da Guerra Fria. O texto foi baseado em documentos da Biblioteca do Congresso Nacional (BCN) de Buenos Aires - Argentina, Arquivo Nacional (AN) de Brasília, Serviço de Documentação da Marinha (SDM) e Arquivo Histórico do Exército (AHE), ambos no Rio de Janeiro, do Arquivo Histórico Diplomático (AHD) de Montevidéu - Uruguai, e do Centro de Documentação e Arquivo para a Defesa dos Direitos Humanos (CDyA) de Assunção - Paraguai, dentre outros, além de bibliografia diversa sobre o assunto. 1 COMBLIN, Joseph. A Ideologia da Segurança Nacional: O Poder Militar na América Latina. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, STEVENSON, Charles A. Underlying Assumptions of the National Security Act of In: JFQ, n. 48, 1st quarter 2008, p Disponível em Acesso em: 21 de março de 2012.

3 66 Sérgio Luiz Cruz Aguilar Guerra Fria e as Concepções de Segurança e Defesa no Cone Sul O sistema interamericano de segurança começou a ser formado com a Conferência Interamericana sobre Problemas de Guerra e Paz, realizada na cidade do México, em 1945, quando foi aprovada a Ata de Chapultepec. 3 Baseado nesse documento foi celebrado o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR), em setembro de 1947, e criada a Organização dos Estados Americanos (OEA), em A partir de então o sistema de segurança continental foi organizado com base em um inimigo externo comum. Os Estados Unidos estabeleceram acordos de assistência militar e, em alguns países latino-americanos, planos de defesa mútua 4 e a Junta Interamericana de Defesa (JID) levantou três hipóteses para a defesa do continente: a primeira em relação à chamada guerra revolucionária ; a segunda sobre uma guerra limitada ou intervenção militar consentida, fomentada pelo Grupamento Oriental ; e a terceira sobre ataque armado do Grupamento Oriental ao Continente, no âmbito de uma guerra geral. 5 Para as duas últimas hipóteses de conflito, a defesa coletiva baseada no TIAR se daria com uma força liderada pelos norte-americanos e composta pelas forças armadas dos demais países do continente. Para fazer frente à primeira hipótese, as forças armadas dos países latino-americanos se estruturaram e realizaram planejamentos militares para lutar contra a subversão, priorizando a chamada defesa interna com operações contraguerrilha em ambientes rural e urbano. Além dessas hipóteses, seguindo a normalidade de planejamento de defesa de qualquer Estado, cada país do continente estruturou suas forças armadas e realizou planejamentos para a defesa externa contra os possíveis inimigos no entorno de suas 3 THE AVALON PROJECT AT YALE LAW SCHOOL. Inter-American Reciprocal Assistance and Solidarity (Act of Chapultepec). March 6, Disponível em Acesso em: 5 de fevereiro de A Conferência teve como precedentes as conferências internacionais americanas (realizadas a partir de 1889), as reuniões de Ministros das Relações Exteriores e as reuniões especiais entre os Estados do continente, que resultaram na criação da Junta Interamericana de Defesa (JID), em Mas, a Conferência do México foi a primeira realizada ao final da Segunda Guerra Mundial e a partir dela é que se conformaram os pilares do Sistema Interamericano. 4 GUYER, Julián González. La Política Exterior Del Uruguay en el Ámbito de la Defensa. Tesis de Maestria. Universidad de la República. Montevideo, 2002; PERRY, William. As Forças Armadas brasileiras: política militar e possibilidades convencionais de uma potência em ascensão. In: A Defesa Nacional, a. 66, n Rio de Janeiro, Bibliex, mar./abr BRASIL. AN. CSN. Memória (Secreta). Brasília, 24 de abril de 1981, Anexo B. p, 9.

4 Regimes Militares e a Segurança Nacional no Cone Sul 67 fronteiras. Nesse caso, as hipóteses tiveram estreita relação com pendências históricas, indefinição de fronteiras que se arrastavam desde o final da colonização espanhola, ou de rivalidades surgidas em decorrência de conflitos pós-independência desses países. No Cone Sul, os exemplos mais marcantes foram as questões da fronteira entre a Argentina e o Chile e do território perdido pela Bolívia para o Chile em consequência do resultado da Guerra do Pacífico no século XIX. No caso da defesa interna, os regimes militares dos países do Cone Sul incorporaram em suas legislações nacionais dispositivos legais que permitiam o uso das forças armadas na luta contra a subversão com medidas destinadas à preservação da segurança externa e interna contra ameaças que se manifestassem ou produzissem efeito dentro do Estado. Dessa forma, entendiam como guerra revolucionária o conflito interno, geralmente inspirado em uma ideologia ou auxiliado do exterior que visava à conquista do poder. 6 Na década de 1960, com a propensão dos soviéticos a evitar cada vez mais o conflito aberto com os EUA e optar pela expansão ideológica, houve o patrocínio das ações contra os governos pró-ocidentais das mais diversas formas (agitação de massas, infiltração em órgãos governamentais, guerrilha rural e urbana, atos terroristas etc.). Em consequência, todos os países do Cone Sul colocaram a segurança nacional no topo das suas agendas de prioridades. Comblin destacou que DSN apresentava os conceitos básicos da geopolítica, bipolaridade e da guerra total. 7 A geopolítica forneceu à Doutrina duas contribuições calcadas nos conceitos de Nação e de bipolaridade. Segundo o autor: A Nação age pelo Estado: como vontade, poder e poderio, ela se exprime pelo Estado. É impossível encontrar ou fazer uma distinção real entre a Nação e o Estado: a Nação acrescenta ao Estado os materiais, uma população, um território, recursos, apenas o passivo. O que faz formalmente a Nação não difere do que constitui formalmente o Estado. É esse o conceito de Nação com o qual joga a Doutrina de Segurança Nacional. 8 O conceito de bipolaridade apresentava o mundo dividido em dois blocos nos quais as nações deveriam se posicionar. A opção pelo bloco ocidental significava, por si 6 BRASIL. AHE. Decreto-Lei n. 314 de 13 mar Define os crimes contra a segurança nacional, a ordem política e social e dá outras providências. Boletim do Exército, n de abril de 1967, p COMBLIN, Joseph. Op. cit. 8 Ibidem, p. 28.

5 68 Sérgio Luiz Cruz Aguilar só, se opor ao comunismo. Já o fundamento da guerra total foi decorrente da guerra fria que era praticada pelos soviéticos, segundo a doutrina Truman. Como esse tipo de guerra não ocorre apenas no âmbito militar, mas também nos campos cultural, econômico e social, em qualquer lugar que houvesse ideias, movimentos, ações etc. contra os interesses norte-americanos, essas eram apresentadas como sendo fruto da atuação soviética e, em consequência, legitimavam a interferência dos EUA em defesa do mundo livre. Assim, segundo Mix as ditaduras militares no Cone Sul se enquadraram em um projeto articulado em nível continental. 9 Não houve a personificação individual (ditador), mas de um grupo militar (na maioria dos países e na maior parte do tempo, o Exército) que permaneceu no poder norteado pela DSN. Pode-se afirmar que a Doutrina tinha o objetivo principal de obstruir qualquer forma de questionamento à ordem capitalista e destruir qualquer grupo contrário a ela. Ao priorizar a defesa interna, as forças armadas foram deslocadas de suas funções de defesa externa para a de controle interno das sociedades. Segundo Mix, [...] la concepción fundamental de esta doctrina es que entiende la política como continuación de la guerra. Lo que tiene varias consecuencias: entrega el poder al ejército, transforma éste en un ejército de ocupación dentro de su proprio país y militariza la sociedad civil; ideológicamente la militariza pues la hace funcionar por la represión. 10 Assim, a segurança da nação significava segurança dos governos e vice-versa. Qualquer posicionamento contra os regimes militares era visto como sendo contra a própria segurança do Estado, justificando as políticas repressivas e a supressão de direitos e liberdades. Nesse contexto, os planejamentos militares dos países do Cone Sul apresentaram as hipóteses de: a) um conflito regional contra algum vizinho específico ou uma coligação de países sul-americanos; b) a guerra revolucionária, de cunho interno, contra movimentos de esquerda e; c) uma guerra extracontinental, participando como força 9 MIX, Miguel Rojas. La dictadura militar en Chile e América Latina. In WASSERMANN, Claudia e GUAZZELLI, Cesar Augusto Barcellos (Org.). Ditaduras Militares na América Latina. Porto Alegre: EDUFRGS, 2004, p Ibidem, p. 14.

6 Regimes Militares e a Segurança Nacional no Cone Sul 69 aliada aos Estados Unidos e demais potências ocidentais contra as forças do bloco comunista lideradas pela União Soviética. A primeira hipótese, relativa ao conflito externo com um vizinho ou uma coligação de vizinhos, dentro das percepções de ameaças e das necessidades de defesa de cada país, determinou que as forças armadas procurassem manter efetivos preparados para fazer frente ao opositor. Os planejamentos, treinamentos e a estrutura das forças armadas levava em consideração a necessidade de ter poder suficiente para fazer frente a esse potencial inimigo empregando ação armada ou, ao menos, demonstrando poder militar suficiente para dissuadi-lo de qualquer propósito agressivo. A segunda hipótese, da guerra revolucionária, ganhou corpo na década de 1960 em razão da vitória da Castro em Cuba e, posteriormente, da assunção do poder pelos sandinistas na Nicarágua. O combate à subversão foi colocado como prioridade e, para isso, as forças armadas deveriam ser treinadas para atuar contra guerrilheiros rurais e urbanos, cujas ações necessitavam de grande quantidade de homens e de pouco material pesado ou sofisticado. Para Stepan, ocorreu uma alteração da missão tradicional das forças armadas, do velho para o novo profissionalismo voltado para a defesa interna. 11 A terceira hipótese, relativa a um conflito contra forças soviéticas, estava inserida na lógica da confrontação global entre as duas superpotências, segundo a qual a segurança da periferia estaria garantida por uma delas. As forças militares latinoamericanos deveriam estar preparadas para lutar com as forças norte-americanas em uma guerra convencional. Para isso, os países receberiam, a baixo custo, material bélico convencional dos EUA, oferecidos desde o final da 2ª Guerra Mundial por conta de acordos e de programas de assistência militar. Dessa forma, como observou Aravena, os norte-americanos, simultaneamente, organizaram o sistema de segurança e forneceram armas e ajuda militar no continente. 12 O preparo das forças americanas para compor uma força regional liderada pelos EUA contra as tropas do Pacto de Varsóvia implicava também em treinamento comum. Para isso, foram criados programas pelo Departamento de Defesa que permitiram que 11 STEPAN, Alfred (Ed.). Authoritarian Brazil. New Haven: Yale University Press, ARAVENA, Francisco Rojas. Factores de cambio en el sistema hemisférico de seguridad. In: Fuerzas Armadas y Sociedad, Santiago, a. 17, n. 3, jul.-set. 2002, p. 15.

7 70 Sérgio Luiz Cruz Aguilar militares latino-americanos realizassem cursos, estágios e intercâmbios nas escolas militares norte-americanas e possibilitaram a realização de diversos exercícios conjuntos com forças armadas sul-americanas. Como essas forças teriam papel fundamental na defesa do Atlântico e do Pacífico Sul, o primeiro exercício conjunto concebido e patrocinado pelos norte-americanos foi a operação naval chamada UNITAS, iniciada em 1959 e realizada até hoje. 13 Depois dela, vários outros exercícios conjuntos foram realizados, com diversas concepções e diferentes nomes. Assim, no contexto da Guerra Fria, a segurança nacional nos países do Cone Sul se resumiu às hipóteses de conflito com os vizinhos, ao combate aos movimentos de esquerda e à participação como coadjuvante em uma guerra entre os dois grandes blocos. Todos os países seguiram a lógica de segurança dos Estados Unidos, adestrando suas forças armadas dentro da concepção de defesa hemisférica da potência, recebendo o armamento que os norte-americanos entendiam como sendo necessário e priorizando a segurança interna. A Guerra Revolucionária no Cone Sul O avanço do chamado Movimento Comunista Internacional (MCI), as mudanças ocorridas na China, no Sudeste Asiático, e, especialmente, em Cuba, fizeram com que os Estados Unidos procurassem manter o controle do continente americano, apoiando os governos de exceção, patrocinando exercícios militares conjuntos, criando foros militares para o intercâmbio de informações e de experiências e agregando as forças armadas dos países latino-americanos em torno da estratégia da contenção da expansão ideológica soviética. Nesse âmbito, baseadas nas resoluções IV e VII da Ata de Chapultepec, foram criadas a Conferência dos Exércitos Americanos (CEA), 14 a Conferência Naval Interamericana (CNI) 15 e o Sistema de Cooperação das Forças Aéreas Americanas 13 AGUILAR, Sérgio Luiz Cruz. Segurança e Defesa no Cone Sul: da rivalidade da Guerra Fria à cooperação atual. São Paulo: Porto de Ideias, 2010, p A CEA foi fundada em 1960 com a finalidade de constituir-se num foro de debates para a troca de experiências entre os exércitos do continente. 15 Criada em 1959 com o objetivo de proporcionar intercâmbio de ideias, conhecimentos e compreensão mútua dos problemas marítimos que afetavam o continente.

8 Regimes Militares e a Segurança Nacional no Cone Sul 71 (SICOFAA). 16 Esses foros estavam ligados ao programa conduzido pelo Departamento de Defesa denominado Foreign Military Interaction, que tinha como principal objetivo manter o contato militar direto com autoridades dos países latino-americanos. 17 No âmbito dessas instituições, foi fomentada a discussão sobre as atividades do MCI, buscando-se formas de enfrentá-lo. Utilizando a CEA como exemplo, é possível verificar que, desde a sua criação até o final da década de 1980, os principais assuntos tratados diziam respeito: ao comunismo internacional, sua ameaça e objetivos em relação ao hemisfério ocidental; os programas de segurança interna; a subversão e a espionagem comunistas; a doutrina militar para atividades de contrainsurreição; o papel dos militares latino-americanos na segurança interna; a cooperação entre os exércitos americanos para fazer face à subversão; o comportamento estratégico comum dos exércitos americanos para garantir a segurança nacional contra a subversão. 18 Os EUA forneceram bolsas de estudos, financiaram projetos na área acadêmica, criaram políticas de auxílio às forças armadas e de intercâmbio para militares. Um dos exemplos foram o cursos destinados a militares dos países latino-americanos na antiga Escola das Américas, localizada no Forte Gullick na Zona do Canal do Panamá, que tinham o foco nas operações contrainsurgência. 19 A tentativa de aglutinação dos movimentos de esquerda da América Latina era vista como a maior ameaça ao continente e resultou em arranjos de coordenação e repressão criados pelos regimes militares do Cone Sul. A teoria do foco, lançada por Ernesto Che Guevara em seu livro A Guerra de Guerrilha, em 1961, pregou que as condições objetivas para uma revolução poderiam ser criadas a partir do estabelecimento de focos guerrilheiros. Em consequência, surgiu o conceito estratégico do antifoco, a aplicação da contrainsurgência, da formação nacional e da ação cívica dos militares em projetos 16 O Sistema tinha a finalidade de promover e fortalecer os laços de amizade, cooperação e apoio mútuo entre seus membros por meio do intercâmbio de experiências, meios, treinamento e instrução de pessoal e tudo que facilitasse a elaboração de procedimentos para atuar de forma integrada. SICOFAA. Carta Constitutiva. Disponível em documentos_normativos/carta%20constitutiva% pdf. Acesso em: 25 de dezembro de CENTRE FOR INTERNATIONAL POLICY. Latin America Working Group. Foreign Military Interaction (FMI). Disponível em Acesso em: 25 julho de LUNA, Joaquim Silva e. Uma Concepção do Exército Brasileiro para a CEA do Século XXI. Monografia. Rio de Janeiro: ECEME, EUA. General Accounting Office. GAO/NSIAD School of the Americas: US military training for Latin American countries. Washington, 22 ago

9 72 Sérgio Luiz Cruz Aguilar capazes de melhorar a situação econômica e social eliminando as causas das revoluções e auxiliando o apoio popular contra os movimentos guerrilheiros. 20 A Segunda Declaração de Havana, apresentada por Fidel Castro em fevereiro de 1962, conclamou as massas à revolução por meio da guerrilha. Apoiada no slogan o dever de todo revolucionário é fazer a revolução, Cuba passou a ministrar cursos de guerrilha para membros de movimentos de esquerda dos países latino-americanos. 21 Em 1966, foi realizada a Tricontinental em Cuba, sendo criada a Organização Continental Latino Americana de Estudantes (OCLAE) para cooptar estudantes e orientar e apoiar as entidades estudantis nacionais nas atividades contra os regimes. Em meados de 1967, Cuba patrocinou a Conferência da Organização Latino-Americana de Solidariedade (OLAS) com o objetivo de articular a ação revolucionária no continente latino americano. Durante a conferência, Fidel Castro enfatizou que a Revolução Cubana seria o catalisador e a OLAS deveria estabelecer as linhas fundamentais para o desenvolvimento da revolução continental. 22 A Tricontinental estabeleceu a Junta de Coordenação Revolucionária (JCR) para hacer más difícil la tarea represiva del imperialismo yanqui y facilitar la própria causa a partir do primeiro número do seu autodenominado órgão oficial de informação, a Revista Che Guevara. Faziam parte da Junta o Ejército de Libertación Nacional (ELN) da Bolívia, o Movimiento de Izquierda Revolucionária (MIR) do Chile, o Movimiento Libertación Nacional-Tupamaros (MLN) do Uruguai e o Ejército Revolucionário Popular (ERP) da Argentina. 23 Para fazer frente aos movimentos de esquerda e, sobretudo, às tentativas de coordenação entre eles, os governos dos países do Cone Sul estabeleceram mecanismos de cooperação e coordenação, principalmente no campo da inteligência, para a proteção do que McSherry denominou estado de segurança nacional. 24 Essa relação de 20 CHILD, John. América Latina: conceitos de estratégia militar. In: A Defesa Nacional, Rio de Janeiro, a. 65, n. 677, mai./jun. 1978, p. 39 a ROLLEMBERG, Denise. O apoio de Cuba à luta armada no Brasil: o treinamento guerrilheiro. Rio de Janeiro: UFF, s/d. Disponível em artigos/ rollemberg_apoio.pdf. Acesso em: 21 de junho de 2008, p. 9 e JOSÉ, Emiliano. Carlos Marighela. São Paulo: Casa Amarela, 1997, p PARAGUAI, CDyA. Documento 00143F0252, Assunção, s/d /55414/143F0252display.pdf. Acesso em: 15 de julho de McSHERRY, J. Patrice. Operation Condor and Covert War in Latin America. New York: Roman & Littlefield Publishers, 2005.

10 Regimes Militares e a Segurança Nacional no Cone Sul 73 colaboração entre os governos e, em alguns casos, de coordenação de ações policiais e militares voltadas para a desarticulação de grupos de oposição, se deu entre as décadas de 1960 e 1980 por meio dos serviços de inteligência, da diplomacia e de instituições militares. Um dos exemplos foi a criação, na década de 1970, pelos exércitos do Cone Sul, das reuniões de inteligência. O regime militar brasileiro estabeleceu esse tipo de reunião com os demais países da sub-região como forma de intercâmbio de informações. O Paraguai manteve foro semelhante com os exércitos da Bolívia 25 e da Argentina. 26 A colaboração entre os governos por meio da troca de informações foi se desenvolvendo na medida em que ocorria a tomada do poder pelos militares nos países da sub-região. Na mesma proporção, aumentava a perseguição a estrangeiros exilados que haviam conseguido abrigo seguro nas leis de asilo dos países do Cone Sul antes dos golpes militares. Por exemplo, vários dirigentes do MIR boliviano que estavam refugiados no Chile desapareceram após o golpe de 1973 e exilados na Argentina passaram a ser perseguidos após o golpe de Durante o carnaval de fevereiro de 1974, foi realizada uma conferência de chefes de polícias do Cone Sul em Buenos Aires, chamada de Primeiro Seminário Policial para a Luta Anti-Subversiva no Cone Sul. 27 O Brasil foi o único país a não enviar representante para essa reunião, que teria dado os primeiros passos para o estabelecimento do que se chamou de Operação Condor, 28 um sistema secreto de inteligência e operações pelo qual os estados militares agiram contra seus oponentes políticos. 29 As discussões sobre a necessidade de uma coordenação entre os governos foram realizadas também no âmbito da Conferência dos Exércitos Americanos como, por exemplo, na sua 11ª edição, realizada em Montevidéu em outubro de PARAGUAI. CDyA. Documento 00143F0201. Informe n. 65. Assunção, 22 out. 1975d. Disponível em Acesso em: 15 de julho de PARAGUAI. CDyA. Documento 00143F0332. Nota B/836 de 5 set Disponível em Acesso em: 15 de julho de McSHERRY, J. Patrice. Op. cit., p FOLHA DE SÃO PAULO. São Paulo, 22 ago Disponível em Acesso em: 13 de janeiro de McSHERRY, J. Patrice. Op. cit., p URUGUAI. PR. Investigación Histórica sobre Detenidos Desaparecidos. Montevideo: Dirección Nacional de Impresiones y Publicaciones Oficiales, 2007.

11 74 Sérgio Luiz Cruz Aguilar Na sequência, no final de novembro de 1975, realizou-se em Santiago a 1ª Reunião de Trabalho de Inteligência Nacional, de caráter secreto, para coordenação e melhor acionamento dos serviços de inteligência. Os assuntos tratados foram o estabelecimento: de um arquivo centralizado de antecedentes de pessoas, organizações e outras atividades ligadas direta ou indiretamente com a subversão; um banco de dados e um sistema de comunicações operados pelos serviços de inteligência; e a realização de reuniões de trabalho regulares e extraordinárias. 31 Os acertos sobre a implantação do banco de dados e da rede internacional de comunicações foram feitos em meados de 1976, 32 e sua coordenação ficou a cargo da Direção Nacional de Informações (DINA) chilena, passando, em dezembro daquele ano, para a Secretaria de Inteligência de Estado (SIDE) argentina. 33 A documentação disponibilizada sobre a Operação Condor pelo Centro de Documentação e Arquivo para a Defesa dos Direitos Humanos (CDyA) do Paraguai apresenta uma extensa ligação entre diversos órgãos dos países do Cone Sul ligados ao combate dos movimentos de esquerda. Os documentos foram produzidos dos serviços de inteligência, polícias, órgãos das forças armadas e aditâncias militares que funcionavam junto às embaixadas e neles constavam desde a solicitação de informações diversas sobre pessoas, como dados, localização, acompanhamento, e detenção, até a troca de pessoas detidas entre os países. Há desde a simples troca de informações até a indicação da realização de operações que só poderiam ser executadas de maneira conjunta. Os serviços de inteligência se ocupavam, ainda, de conexões entre os grupos de esquerda dos diversos países e suas atividades, o possível estabelecimento de um centro de coordenação desses grupos 34 e a presença de assessores estrangeiros junto a eles PARAGUAI. CDyA. Documento 00143F0011. Santiago, outubro de 1975a. Disponível em display.pdf. Acesso em: 15 de junho de Documento 00143F0013. Primera Reunión de Trabajo de Inteligência Nacional. Santiago, 29 out. 1975b. Disponível em bitstream/2041/55385/143f display.pdf. Acesso em: 15 de julho de EUA. National Security Archive. CIA Weekly Summary, 2 de julho de Disponível em Acesso em: 12 de fevereiro de URUGUAI. PR. Investigación Histórica sobre Detenidos Desaparecidos. Op. cit. p PARAGUAI. CDyA. Documento 00143F0201. Informe n. 65. Op. cit.; BRASIL. AN. SNI. Encaminhamento n. 848/16/AC/72. Brasília, 20 de julho de SDM. Relatório Anual da Marinha (Conf.). Rio de Janeiro, dezembro de Ver a documentação disponibilizada pelo CDyA, especialmente os documentos 00143F Informação 965/B/74 (Secreta), de 27 nov. 1974; 00143F0061, de abr. 1975; 00143F Pedido de Búsqueda n. 28/76, de 5 ago. 1975;

12 Regimes Militares e a Segurança Nacional no Cone Sul 75 A documentação deixa claro, também, que a coordenação da repressão tinha a participação e o acompanhamento do governo norte-americano, uma vez que vários documentos da Operação Condor eram distribuídos para autoridades norteamericanas. 36 A coordenação de operações foi mais intensa entre os serviços de inteligência do Uruguai e da Argentina. Em Buenos Aires, inclusive, foi criado, em meados de 1976, um centro de detenção clandestino denominado Automotores Orletti, como Base de Operações Táticas, a partir do qual agentes dos dois países realizaram várias prisões de membros da esquerda uruguaia. Em decorrência dessas operações, o governo uruguaio organizou os chamados translados de integrantes do Partido pela Vitória do Povo (PVP) da Argentina para o Uruguai, entre aquele ano e maio de O Brasil teria participado com restrições na Operação Condor, limitando sua atuação em algumas instâncias de coordenação regional, fornecendo e solicitando informações e ordens de captura de militantes brasileiros nos demais países e acompanhando membros de organizações desses países no Brasil. 38 Segundo a imprensa, essa colaboração teria permitido, inclusive, a instalação de bases do serviço de inteligência argentino em São Paulo, Rio de Janeiro e no interior do Rio Grande do Sul, com o objetivo de detectar pessoas vinculadas à subversão, controlá-las e manterem-se informados sobre todos seus movimentos F Informe n. 65, de 22 out. 1975; 00143F Nota B/323, de 7 mai. 1975; 00143F Ofício n. 876/CCP/IP/D5056, de 9 mai. 1975; 00143F Nota n. B/650, de 6 ago. 1976; 00143F Informe n. 069/80, de 1 dez. 1980; 00143F Informe n. 075/81, de 4 jul. 1981; 00143F Nota B/027, de 11 jan. 1982; 00143F0370, de 20 mai. 1977; 00143F Pedido de Busca n. 014/77, de 2 mai. 1977; 00143F Pedido de Busca n. 154 da Polícia da Capital, de 22 fev. 1977; 00143F Pedido de Busca 13/75, de 13 out. 1975; e 00143F Pedido de Busca nº 14/75 (Conf.), de 13 out. 1975, dentre outros. Disponíveis em Acesso em: 15 de julho PARAGUAI. CDyA. Documento 00143F0079. Informe n. 13. Assunção, 14 mar. 1975c. Disponível em Acesso em: 15 de julho de El EJÉRCITO admite el segundo vuelo. La República. Sección Política. Montevideo, 28 abr Disponível em politica/ el-ejercito-admite-el-segundo-vuelo. Acesso em: 15 de julho de 2008; DÍAZ..., 2007; SEGUNDO vuelo: Bonelli y Alvarez a la Justicia Citaciones. Luego tocará el turno a militares presos. El País. Montevidéu, 02 mai Disponível em Acesso em: 15 de julho de 2008; BONELLI rechazó dar nombres de pilotos del segundo vuelo. El País. Montevidéu, 03 mai Disponível em Acesso em: 15 de julho de BEGUOCI, Leandro. Brasil participou da Operação Condor, diz Passarinho. In: Folha Online. São Paulo, 4 jan Disponível em fsp/brasil/fc htm. Acesso em: 3 de março de VALENTE, Rubens. Ditadura argentina montou bases no Brasil. In: Folha de São Paulo. São Paulo, 6 jan Disponível em fc htm. Acesso em: 15 de março de 2008.

13 76 Sérgio Luiz Cruz Aguilar Segundo o conjunto de volumes Investigación Histórica sobre Detenidos Desaparecidos publicados pelo governo do Uruguai, em junho de 2007, como resultado de investigações sobre os desaparecidos no país, a Operação Condor teria tido três fases: a criação de uma base centralizada de informação, a ação com a identificação e o ataque aos inimigos políticos e a realização de operações para encontrar e eliminar pessoas que se encontravam em outros países da América e Europa. 40 O estudo, embora tenha apresentado exemplos de ações coordenadas realizadas em 1978, afirmou que a colaboração entre las fuerzas represivas de lá región foi mais sistemática entre os anos de 1975 e 1977, diminuindo a partir de então. 41 Conclusão A implantação dos regimes militares no Cone Sul ocorreu dentro da lógica da Guerra Fria e as relações estabelecidas pelos Estados da sub-região durante esse período se deram em diversos níveis de segurança. No plano global, o sistema internacional formado por Estados soberanos e sem uma autoridade central, apresentava uma estrutura bipolar e o desenho de segurança mundial era ditado pela oposição entre as duas potências e suas ideologias. Nesse sistema, EUA e a União Soviética se esforçavam para aglutinar o maior número de Estados possíveis nas suas esferas de influência. A guerra entre ambos foi travada, especialmente após a crise dos mísseis em Cuba em 1962 e o período de relativa distensão que se seguiu, no chamado Terceiro Mundo. Alguns dos exemplos mais clássicos podem ser os de Angola e Moçambique, onde, após a independência, a luta pelo poder entre grupos apoiados por uma ou outra potência levou esses países a uma guerra civil. Dentro dessa realidade, tanto os Estados Unidos como a União Soviética fariam o possível para não permitir a implantação, na sua vizinhança, de qualquer regime ligado à ideologia contrária. Os soviéticos, dentro da chamada Cortina de Ferro e os EUA, no continente americano. Nesse contexto, de uma forma direta, os soviéticos intervieram na Tchecoslováquia e na Hungria e os norte-americanos patrocinaram o treinamento dos contras para derrubar o regime sandinista na Nicarágua e, de uma 40 URUGUAI. PR. Investigación Histórica sobre Detenidos Desaparecidos. Op. cit., p Ibidem, p. 300.

14 Regimes Militares e a Segurança Nacional no Cone Sul 77 forma indireta, realizaram ações junto aos governos dos Estados dessas regiões para mantê-los fiéis à suas ideologias. No plano regional, sendo a ameaça de uma guerra convencional contra o bloco comunista de pequena probabilidade, a tarefa principal da defesa do continente americano ficaria com os Estados Unidos, e os demais países ficariam em condições de integrar uma força hemisférica em caso de necessidade, cumprindo missões específicas. No caso do Cone Sul, a tarefa principal tinha relação com a defesa do sul dos oceanos Atlântico e do Pacífico. No nível doméstico, a ameaça do movimento comunista internacional e da expansão da ideologia soviética, que patrocinava movimentos de esquerda, serviu de justificativa, por conta da doutrina de segurança nacional, para a implantação de regimes militares, apoiados pelos Estados Unidos. Com base na ameaça comunista que agredia o Estado, os militares no poder formaram, estruturaram, prepararam e empregaram as forças armadas para combater esses movimentos. Nesse mesmo nível, fruto de divergências históricas, os Estados do Cone Sul elegeram, dentre as hipóteses de guerra, a possibilidade de um conflito contra alguns de seus vizinhos ou uma associação de países limítrofes. Dessa forma, os militares conduziram as questões de segurança e defesa como um estado de guerra interna onde a oposição aos regimes configurava um perigo para os valores fundamentais das instituições e do próprio Estado. Em contraposição à revolução do povo pregada pela esquerda, os governos militares lançaram uma guerra contra o inimigo interno que agredia a nação. Tanto que os planejamentos de defesa trabalhavam exatamente com esses termos, guerra interna e inimigo interno. Ou seja, nesse estado de guerra os opositores aos regimes militares eram inimigos do Estado e deveriam ser combatidos como tal. Essa percepção era difundida pelos Estados Unidos para os países do continente, diretamente ou por meio da Junta Interamericana de Defesa, e pode ser verificada nas escolas militares e policiais cujos currículos incluíam disciplinas, palestras e treinamento prático relacionados com o assunto. Sobre o papel da JID, o embaixador uruguaio no Brasil Polleri-Carrió, no final da década de 1960, num documento enviado a chancelaria de seu país, ressaltou que a praga de governos militares não havia se dado apenas pela veleidade dos militares de apoderar-se do poder

15 78 Sérgio Luiz Cruz Aguilar sino también y quizá sobre todo por la inusitada prédica de la Junta Interamericana de Defensa que, desde hace ya varios años, inculca que cuando los gobiernos civiles no atinan a detener las acechanzas esquierdizantes para demoler las instituciones del mundo libre, el baluarte de la democracia está en los cuarteles. 42 Por conta da visão dos regimes militares de que as esquerdas constituíam o maior perigo para a segurança e a prioridade conferida à luta contra esses inimigos internos, os governos do Cone Sul verificaram a necessidade da troca de experiências e de dados e da realização de operações conjuntas. Pode-se afirmar que o combate às esquerdas e a manutenção dos regimes foram colocados acima das desavenças entre os países da sub-região. Apesar dos problemas de fronteiras entre a Argentina e o Chile nas regiões da Cordilheira dos Andes e do Canal de Beagle, que quase levou os dois países a uma guerra em 1978, ambos os governos mantiveram estreita cooperação no campo do combate aos movimentos de esquerda. Da mesma forma, a Bolívia e o Chile tinham problemas em decorrência do objetivo nacional permanente boliviano de recuperar a saída para o mar perdida na Guerra do Pacífico. Mas, apesar das relações diplomáticas entre os dois países terem sido rompidas em 1962 e em 1978, ambos mantiveram cooperação no âmbito da Operação Condor. Tanto o Brasil como a Argentina tinham como uma das hipóteses de conflito uma guerra convencional entre ambos. Os planejamentos militares dos dois países priorizavam essa hipótese e suas forças armadas foram dispostas em seus territórios levando em consideração a possibilidade desse conflito. Os problemas diplomáticos, por conta da construção da Usina de Itaipu e a corrida em busca do domínio da tecnologia nuclear têm relação com a rivalidade explícita entre ambos. No entanto, na mesma época os dois governos cooperaram na luta contra as esquerdas. Da mesma forma, apesar das divergências e rivalidades existentes, os governos militares participaram de foros coletivos instituídos pelos Estados Unidos como a CEA, CNI e o SICOFAA. Diferentemente da América Central, que viveu um período de guerras civis (El Salvador, Guatemala e Nicarágua), no Cone Sul, a barreira contra o avanço do comunismo estabelecida pelos governos militares teve sucesso na luta contra os 42 URUGUAI. AHD. Documento 564/ /69 (Conf.). Situación política brasileña. Embaixada do Uruguai no Brasil. Rio de Janeiro, 17 abr

16 Regimes Militares e a Segurança Nacional no Cone Sul 79 opositores, em parte pela cooperação e coordenação estabelecidas entre seus órgãos de inteligência e de segurança. A Doutrina de Segurança Nacional, para Comblin, combinou: 1. Um quadro conceitual ligando segurança nacional, estratégia, objetivos nacionais e política nacional; 2. Hipóteses de conflito salientando a segurança interna, especificamente a ameaça das insurgências revolucionárias patrocinadas pelo MCI, acima das ameaças convencionais externas; 3. Uma teoria da guerra revolucionária, definindo a natureza da ameaça interna a segurança e as respostas apropriadas, militares e policiais, para essas ameaças; 4. Uma justificativa racional para violações de direitos humanos (tortura, desaparecimentos) como meios necessários para eliminar a ameaça revolucionária; 5. Uma tese de segurança e desenvolvimento, casualmente ligando a ameaça interna à segurança com o subdesenvolvimento socioeconômico; 6. A crença de que o regime militar se justifica quando as falhas da política dos governos civis colocam em perigo a segurança nacional. 43 Com aproximação do fim da Guerra Fria, a arquitetura do sistema de segurança regional e as concepções da DSN não cabiam mais dentro da redefinição do sistema internacional, muito menos para os interesses norte-americanos. A política baseada na relação dicotômica amigo-inimigo típica do mundo bipolarizado ideologicamente tinha que ser alterada. Assim, os norte-americanos, que elegeram os regimes militares como necessários para eliminar a suposta subversão em seus países e construir estruturas econômicas e políticas para a modernização e desenvolvimento das suas sociedades dentro do modelo capitalista por eles proposto, passaram a não só condenar esses mesmos regimes e a apoiar a redemocratização do continente, como também se esforçaram para estabelecer a democracia ocidental liberal como um valor universal dominante. Nesse quadro, ganharam importância temas como o fortalecimento dos governos civis, o controle civil das forças armadas, o direito à verdade e à reparação pelos danos causados pelos agentes do Estado, e a punição pelos crimes contra os direitos humanos cometidos durante os regimes militares. 43 FITCH, J. Samuel. The armed forces and Democracy in Latin America. Baltimore: The John Hopkins University Press, 1998, p Tradução nossa.

17 80 Sérgio Luiz Cruz Aguilar Referências Bibliográficas AGUILAR, Sérgio Luiz Cruz. Segurança e Defesa no Cone Sul: da rivalidade da Guerra Fria à cooperação atual. São Paulo: Porto de Ideias, ARAVENA, Francisco Rojas. Factores de cambio en el sistema hemisférico de seguridad. In: Fuerzas Armadas y Sociedad, Santiago, a. 17, n. 3, jul.-set. 2002, p BEGUOCI, Leandro. Brasil participou da Operação Condor, diz Passarinho. In Folha Online. São Paulo, 4 jan Disponível em fsp/brasil/fc htm. Acesso em: 3 de março de BONELLI rechazó dar nombres de pilotos del segundo vuelo. El País. Montevidéu, 03 mai Disponível em Acesso em: 15 de julho de BRASIL. AHE. Decreto-Lei n. 314 de 13 mar Define os crimes contra a segurança nacional, a ordem política e social e dá outras providências. Boletim do Exército, n de abril de AN. CSN. Memória (Secreta). Brasília, 24 de abril de 1981, Anexo B.. AN. SNI. Encaminhamento n. 848/16/AC/72. Brasília, 20 de julho de SDM. Relatório Anual da Marinha (Conf.). Rio de Janeiro, dezembro de CENTRE FOR INTERNATIONAL POLICY. Latin America Working Group. Foreign Military Interaction (FMI). Disponível em Acesso em: 25 julho de CHILD, John. América Latina: conceitos de estratégia militar. In A Defesa Nacional, Rio de Janeiro, a. 65, n. 677, mai./jun. 1978, p COMBLIN, Joseph. A Ideologia da Segurança Nacional: O Poder Militar na América Latina. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, DÍAZ confirmó versión de asesinato de presos Pero aclaró que su se basa en una "deducción". El País. Montevidéu, 28 abr Disponível em Acesso em: 15 de julho de El EJÉRCITO admite el segundo vuelo. La República. Sección Política. Montevideo, 28 abr Disponível em politica/ elejercito-admite-el-segundo-vuelo. Acesso em: 15 de julho de EUA. General Accounting Office. GAO/NSIAD School of the Americas: US military training for Latin American countries. Washington, 22 ago National Security Archive. CIA Weekly Summary, 2 de julho de Disponível em Acesso em: 12 de fevereiro de FITCH, J. Samuel. The armed forces and Democracy in Latin America. Baltimore: The John Hopkins University Press, FOLHA DE SÃO PAULO. São Paulo, 22 ago Disponível em Acesso em: 13 de janeiro de 2008.

18 Regimes Militares e a Segurança Nacional no Cone Sul 81 GUYER, Julián González. La Política Exterior Del Uruguay en el Ámbito de la Defensa. Tesis de Maestria. Universidad de la República. Montevideo, JOSÉ, Emiliano. Carlos Marighela. São Paulo: Casa Amarela, LUNA, Joaquim Silva e. Uma Concepção do Exército Brasileiro para a CEA do Século XXI. Monografia. Rio de Janeiro: ECEME, McSHERRY, J. Patrice. Operation Condor and Covert War in Latin America. New York: Roman & Littlefield Publishers, MIX, Miguel Rojas. La dictadura militar en Chile e América Latina. In: WASSERMANN, Claudia e GUAZZELLI, Cesar Augusto Barcellos (Org.). Ditaduras Militares na América Latina. Porto Alegre: EDUFRGS, 2004, p PARAGUAI. CDyA. Documento 00143F0011. Santiago, outubro de 1975a. Disponível em display.pdf. Acesso em: 15 de junho de Documento 00143F0013. Primera Reunión de Trabajo de Inteligência Nacional. Santiago, 29 out. 1975b. Disponível em bitstream/2041/55385/143f display.pdf. Acesso em: 15 de julho de Documento 00143F0079. Informe n. 13. Assunção, 14 mar. 1975c. Disponível em Acesso em: 15 de julho de Documento 00143F0201. Informe n. 65. Assunção, 22 out. 1975d. Disponível em Acesso em: 15 de julho de Documento 00143F0252, Assunção, s/d /55414/143F0252display.pdf. Acesso em: 15 de julho de Documento 00143F0332. Nota B/836 de 5 set Disponível em Acesso em: 15 de julho de PERRY, William. As Forças Armadas brasileiras: política militar e possibilidades convencionais de uma potência em ascensão. In: A Defesa Nacional, a. 66, n Rio de Janeiro, Bibliex, mar./abr ROLLEMBERG, Denise. O apoio de Cuba à luta armada no Brasil: o treinamento guerrilheiro. Rio de Janeiro: UFF, s/d. Disponível em artigos/ rollemberg_apoio.pdf. Acesso em: 21 de junho de SEGUNDO vuelo: Bonelli y Alvarez a la Justicia Citaciones. Luego tocará el turno a militares presos. El País. Montevidéu, 02 mai Disponível em: Acesso em: 15 de julho de SICOFAA. Carta Constitutiva. Disponível em documentos_normativos/carta%20constitutiva% pdf. Acesso em: 25 de dezembro de STEPAN, Alfred (Ed.). Authoritarian Brazil. New Haven: Yale University Press, 1973.

19 82 Sérgio Luiz Cruz Aguilar STEVENSON, Charles A. Underlying Assumptions of the National Security Act of In: JFQ, n. 48, 1st quarter 2008, p Disponível em Acesso em: 21 de março de THE AVALON PROJECT AT YALE LAW SCHOOL. Inter-American Reciprocal Assistance and Solidarity (Act of Chapultepec). March 6, Disponível em Acesso em: 5 de fevereiro de URUGUAI. AHD. Documento 564/ /69 (Conf.). Situación política brasileña. Embaixada do Uruguai no Brasil. Rio de Janeiro, 17 abr URUGUAI. PR. Investigación Histórica sobre Detenidos Desaparecidos. Montevideo: Dirección Nacional de Impresiones y Publicaciones Oficiales, VALENTE, Rubens. Ditadura argentina montou bases no Brasil. In: Folha de São Paulo. São Paulo, 6 jan Disponível em fc htm. Acesso em: 15 de março de 2008.

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

Disputa pela hegemonia mundial entre Estados Unidos e URSS após a II Guerra Mundial. É uma intensa guerra econômica, diplomática e tecnológica pela conquista de zonas de influência. Ela divide o mundo

Leia mais

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE A FORMAÇÃO DOS ESTADOS LATINO- AMERICANOS OS PAÍSES DA AMÉRICA LATINA FORMARAM-SE A PARTIR DA INDEPENDÊNCIA DA ESPANHA E PORTUGAL. AMÉRICA

Leia mais

DITADURAS DE SEGURANÇA NACIONAL NA AMÉRICA LATINA ENRIQUE SERRA PADRÓS 2012

DITADURAS DE SEGURANÇA NACIONAL NA AMÉRICA LATINA ENRIQUE SERRA PADRÓS 2012 DITADURAS DE SEGURANÇA NACIONAL NA AMÉRICA LATINA ENRIQUE SERRA PADRÓS 2012 ANTECEDENTES GUERRA FRIA - REVOLUÇÃO BOLIVIANA (1952) - INTERVENÇÃO NA GUATEMALA (1954) - QUEDA DE GETÚLIO VARGAS (1954) - QUEDA

Leia mais

Associação Nacional dos Professores Universitários de História Secção São Paulo Comunicação em Seminário Temático ST 26

Associação Nacional dos Professores Universitários de História Secção São Paulo Comunicação em Seminário Temático ST 26 Associação Nacional dos Professores Universitários de História Secção São Paulo Comunicação em Seminário Temático ST 26 Operação Condor A atuação da Usina de Itaipu na conexão repressiva entre o Brasil

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

POLÍCIA E POLÍTICA: RELAÇÕES ESTADOS UNIDOS/AMÉRICA LATINA Police and Politics: the United States/Latin America relations

POLÍCIA E POLÍTICA: RELAÇÕES ESTADOS UNIDOS/AMÉRICA LATINA Police and Politics: the United States/Latin America relations POLÍCIA E POLÍTICA: RELAÇÕES ESTADOS UNIDOS/AMÉRICA LATINA Police and Politics: the United States/Latin America relations Andréa Roloff Lopes * HUGGINS, Martha K. Polícia e Política: relações Estados Unidos/América

Leia mais

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do p. 110 A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do México até sua independência a partir de 1823; Em 1839 tornam-se independentes fracasso da

Leia mais

TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA

TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA Em nome de seus Povos, os Governos representados naconferência Interamericana para a Manutenção da Paz e da Segurança no Continente, animados pelo desejo

Leia mais

DÉCADA DE 50. Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista

DÉCADA DE 50. Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista Corrida Espacial REVOLUÇÃO CHINESA Após um longo período de divisões e lutas internas,

Leia mais

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar A GUERRA FRIA 1. Conceito Conflito político, econômico, ideológico, cultural, militar entre os EUA e a URSS sem que tenha havido confronto direto entre as duas superpotências. O conflito militar ocorria

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012

X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012 X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012 DECLARAÇÃO DE PUNTA DEL ESTE (10 de outubro de 2012) Os Ministros da Defesa e

Leia mais

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança Bernardo Hoffman Versieux 15 de abril de 2005 A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança

Leia mais

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial ONU A ONU (Organização das Nações Unidas) foi fundada no dia 24 de outubro de 1945, em São Francisco, Estados Unidos. O encontro

Leia mais

GUERRA FRIA 1945 1991

GUERRA FRIA 1945 1991 GUERRA FRIA 1945 1991 Guerra Fria 1945-1991 Conceito: Conflitos políticos, ideológicos e militares (indiretos), que aconteceram no pós guerra entre as duas potências mundiais EUA e URSS entre 1945-1991.

Leia mais

As Relações Brasil Oriente Médio (1964-1991): face à rivalidade argentina e sob a égide estadunidense.

As Relações Brasil Oriente Médio (1964-1991): face à rivalidade argentina e sob a égide estadunidense. 970 As Relações Brasil Oriente Médio (1964-1991): face à rivalidade argentina e sob a égide estadunidense. José Luiz Silva Preiss, Prof. Dr. Helder Gordim da Silveira (Orientador) PPG História - PUCRS

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Movimento operário e sindicalismo no Brasil H43 2 Urbanização nas regiões brasileiras H8,

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.10 17 a 19 de março de 2010 CICTE/DEC.1/10 Washington, D.C. 19 março 2010 Original: inglês DECLARAÇÃO

Leia mais

O Brasil e os entendimentos em Defesa e Segurança na América do Sul

O Brasil e os entendimentos em Defesa e Segurança na América do Sul O Brasil e os entendimentos em Defesa e Segurança na América do Sul Ana Claudia Jaquetto Pereira UNESP/Franca Orientador: Héctor Luis Saint-Pierre As mudanças arquitetadas no sistema internacional após

Leia mais

Guerra por domínio territorial e econômico.

Guerra por domínio territorial e econômico. Guerra da Crimeia Quando: De 1853 até 1856 Guerra por domínio territorial e econômico. Cerca de 595 mil mortos Por que começou: A Rússia invocou o direito de proteger os lugares santos dos cristãos em

Leia mais

A Política, a Estratégia e o Livro Branco de Defesa Nacional como instrumentos geradores de confiança mútua na América do Sul

A Política, a Estratégia e o Livro Branco de Defesa Nacional como instrumentos geradores de confiança mútua na América do Sul A Política, a Estratégia e o Livro Branco de Defesa Nacional como instrumentos geradores de confiança mútua na América do Sul Luiz Antônio Gusmão, pesquisador IPC/MD IX Curso de Extensão sobre Defesa Nacional

Leia mais

Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã

Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã 1. As mudanças no panorama internacional representadas pela vitória socialista de Mao-Tsé-tung na China, pela eclosão da Guerra da Coréia e pelas crescentes

Leia mais

A EXPANSÃO DA GUERRA FRIA (1947-1989)

A EXPANSÃO DA GUERRA FRIA (1947-1989) A EXPANSÃO DA GUERRA FRIA (1947-1989) RECAPITULANDO -GUERRA FRIA: Disputa pela hegemonia mundial entre duas potências: EUA e URSS. -ACORDOS ECONOMICOS: -Plano Marshall (1947) -Plano Comecon (1949) ACORDOS

Leia mais

COLEGIO NACIONAL BARTOLOME MITRE, S.M. de Tucumán, Bachiller, dezembro 1976.

COLEGIO NACIONAL BARTOLOME MITRE, S.M. de Tucumán, Bachiller, dezembro 1976. SECRETÁRIO DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS PARA A DEFESA Bel. Alfredo Forti FORMAÇÃO HARVARD UNIVERSITY, John F. Kennedy School of Government Título: Mestrado em Administração Pública. Concentração: política

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) China, Japão e Índia são três dos principais países asiáticos. Sobre sua História, cultura e relações com o Ocidente, analise as afirmações a seguir. l A China passou por um forte processo de modernização

Leia mais

REPÚBLICA ÁRABE SÍRIA MINISTÉRIO DA INFORMAÇÃO. Ministério da Informação

REPÚBLICA ÁRABE SÍRIA MINISTÉRIO DA INFORMAÇÃO. Ministério da Informação REPÚBLICA ÁRABE SÍRIA MINISTÉRIO DA INFORMAÇÃO O Ministério da Informação da República Árabe Síria expressa seus protestos de alta estima e consideração a Vossa Excelência e anexa ao presente texto a Declaração

Leia mais

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL BASES COMUNS DO SISTEMA COLONIAL PACTO-COLONIAL Dominação Política Monopólio Comercial Sistema de Produção Escravista ESTRUTURA SOCIAL DAS COLONIAS ESPANHOLAS Chapetones

Leia mais

DÉCADA DE 70. Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana

DÉCADA DE 70. Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana GUERRA DO VIETNÃ Após o fim da Guerra da Indochina (1954), Vietnã é dividido na altura do paralelo 17: Norte: república

Leia mais

A ESTRATÉGIA MILITAR DO EXÉRCITO BRASILEIRO PARA A AMAZÔNIA. FUNDAMENTOS E IMPLICAÇÕES PARA A COOPERAÇÃO

A ESTRATÉGIA MILITAR DO EXÉRCITO BRASILEIRO PARA A AMAZÔNIA. FUNDAMENTOS E IMPLICAÇÕES PARA A COOPERAÇÃO A ESTRATÉGIA MILITAR DO EXÉRCITO BRASILEIRO PARA A AMAZÔNIA. FUNDAMENTOS E IMPLICAÇÕES PARA A COOPERAÇÃO MILITAR NO SUL DA AMÉRICA LATINA i ADRIANA A. MARQUES PPG-USP Dois processos são fundamentais para

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

Prof. Marcelo Gandolfi da Silva Multimídia em aulas de História. História Geral 4ª Edição 2008. www.historiageral.net

Prof. Marcelo Gandolfi da Silva Multimídia em aulas de História. História Geral 4ª Edição 2008. www.historiageral.net Prof. Marcelo Gandolfi da Silva Multimídia em aulas de História História Geral 4ª Edição 2008 www.historiageral.net História Geral 3ª Edição - 2007 Guerra Fria Depois da Segunda Guerra Mundial, a Europa

Leia mais

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido.

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido. Confronto entre os aliados, vencedores da 2ª Guerra: Inglaterra, França, EUA e União Soviética. Acordo pós-guerra definiria a área de influência da URSS, onde estavam suas tropas (leste europeu). Conferência

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 Discurso em jantar oferecido ao

Leia mais

A Tríplice Fronteira e a Guerra ao Terror

A Tríplice Fronteira e a Guerra ao Terror AMARAL, Arthur Bernardes do. A Tríplice Fronteira e a Guerra ao Terror. Rio de Janeiro: Apicuri, 2010. 312 p. A Tríplice Fronteira e a Guerra ao Terror The Triple Frontier and the Terror War Carlos Alexandre

Leia mais

aprovado no Foro de Ministros de Meio Ambiente (2004-2006) para 2005-2007.

aprovado no Foro de Ministros de Meio Ambiente (2004-2006) para 2005-2007. PROGRAMA LATINO-AMERICANO E CARIBENHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ACORDOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PLACEA: 2005-2007 1 (DOCUMENTO EM VERSÃO PRELIMINAR) Introdução: Os especialistas em Gestão Pública

Leia mais

XXVI REUNIÃO DE ALTAS AUTORIDADES EM DIREITOS HUMANOS (RAADH)

XXVI REUNIÃO DE ALTAS AUTORIDADES EM DIREITOS HUMANOS (RAADH) MERCOSUL/RAADH/ATA N 01/15 XXVI REUNIÃO DE ALTAS AUTORIDADES EM DIREITOS HUMANOS (RAADH) Realizou-se na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, no dia 6 de julho de 2015, sob a Presidência

Leia mais

1 A ditadura brasileira e a vigilância sobre seu inimigo interno no Uruguai (1964-1967): os órgãos de repressão e de espionagem

1 A ditadura brasileira e a vigilância sobre seu inimigo interno no Uruguai (1964-1967): os órgãos de repressão e de espionagem 1 A ditadura brasileira e a vigilância sobre seu inimigo interno no Uruguai (1964-1967): os órgãos de repressão e de espionagem Ananda Simões Fernandes Resumo: Este trabalho pretende demonstrar o intercâmbio

Leia mais

ATIVIDADES ON-LINE 9º ANO GUERRA FRIA PROF. JOSÉ CARLOS PROVA DIA 21/08

ATIVIDADES ON-LINE 9º ANO GUERRA FRIA PROF. JOSÉ CARLOS PROVA DIA 21/08 ATIVIDADES ON-LINE 9º ANO GUERRA FRIA PROF. JOSÉ CARLOS PROVA DIA 21/08 1-Na fase Pós-Guerra emergiram e se consolidaram dois grandes blocos rivais, liderados pelos EUA e a URSS, originando a Guerra Fria.

Leia mais

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0)

CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) O mundo que se esfacelou no fim da década de 1980 foi o mundo formado pelo impacto da Revolução Russa de

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

ABERTURA DOS ARQUIVOS DA DITADURA (CIVIL) MILITAR

ABERTURA DOS ARQUIVOS DA DITADURA (CIVIL) MILITAR CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X ABERTURA DOS ARQUIVOS DA DITADURA (CIVIL) MILITAR Cesar

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

Acerca da Luta Armada

Acerca da Luta Armada VALOR E VIOLÊNCIA Acerca da Luta Armada Conferência Pronunciada no Anfiteatro de História da USP em 2011 Wilson do Nascimento Barbosa Professor Titular de História Econômica na USP Boa noite! Direi em

Leia mais

O voto de estrangeiros nos países do Cone Sul: Uma análise de direito comparado 1

O voto de estrangeiros nos países do Cone Sul: Uma análise de direito comparado 1 O voto de estrangeiros nos países do Cone Sul: Uma análise de direito comparado 1 The foreigners vote at the American Southern Cone countries: A comparative law analysis Gustavo Luiz von Bahten 2 RESUMO

Leia mais

P á g i n a 1. Coordenação: Rosa Cardoso GRUPO DE TRABALHO OPERAÇÃO CONDOR

P á g i n a 1. Coordenação: Rosa Cardoso GRUPO DE TRABALHO OPERAÇÃO CONDOR P á g i n a 1 Coordenação: Rosa Cardoso GRUPO DE TRABALHO OPERAÇÃO CONDOR P á g i n a 2 A Comissão Nacional da Verdade (CNV) registra, abaixo, a lista de nomes de brasileiros desaparecidos no sul do continente

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. Leia o texto sobre a Guerra Fria e responda. O termo tornou-se perfeito para se entender o momento político internacional, pois

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa *Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

Guerra Fria e o Mundo Bipolar

Guerra Fria e o Mundo Bipolar Guerra Fria e o Mundo Bipolar A formação do Mundo Bipolar Os Aliados vencem a 2.ª Guerra (1939-1945). Apesar de na guerra lutarem lado a lado, os EUA e a URSS vão afastar-se a partir de 1945. Guerra Fria

Leia mais

2013 Global Peace Index: Aumento dramático de homicídios diminuiu a paz mundial no ano passado

2013 Global Peace Index: Aumento dramático de homicídios diminuiu a paz mundial no ano passado 2013 Global Peace Index: Aumento dramático de homicídios diminuiu a paz mundial no ano passado - Medidas de terrorismo patrocinado por governos e a possibilidade de manifestações violentas foram os indicadores

Leia mais

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil ID/ES Tão perto e ainda tão distante A 90 milhas de Key West. Visite Cuba. Cartão postal de 1941, incentivando o turismo em Cuba. 1 Desde a Revolução de 1959, Cuba sofre sanções econômicas dos Estados

Leia mais

Brasil e América do Sul

Brasil e América do Sul Brasil e América do Sul Brasil Linha do equador Tropico de Capricórnio O Brasil é o quinto país mais extenso e populoso do mundo. É a sétima maior economia mundial. É um país capitalista à apresenta propriedade

Leia mais

A Defesa Anti-Míssil e a Segurança da Europa

A Defesa Anti-Míssil e a Segurança da Europa A Defesa Anti-Míssil e a Segurança da Europa Marcelo Rech, Editor do InfoRel. inforel@inforel.org O aumento da potência militar próxima da fronteira da Rússia não vai contribuir para o fortalecimento das

Leia mais

SUPREMACIA REGIONAL NO CONE SUL: A USINA DE ITAIPU COMO INSTRUMENTO DA LUTA DIPLOMÁTICA ENTRE BRASIL E ARGENTINA NA DÉCADA DE 1970

SUPREMACIA REGIONAL NO CONE SUL: A USINA DE ITAIPU COMO INSTRUMENTO DA LUTA DIPLOMÁTICA ENTRE BRASIL E ARGENTINA NA DÉCADA DE 1970 DOI: 10.4025/4cih.pphuem.373 SUPREMACIA REGIONAL NO CONE SUL: A USINA DE ITAIPU COMO INSTRUMENTO DA LUTA DIPLOMÁTICA ENTRE BRASIL E ARGENTINA NA DÉCADA DE 1970 Camila Nehring Belo UFGD/PPGH Aluna regular

Leia mais

Patrocínios: Governos Nacionais e Locais, empresas, organismos de cooperação internacional, universidades, doações.

Patrocínios: Governos Nacionais e Locais, empresas, organismos de cooperação internacional, universidades, doações. Criando ferramentas para a garantia ao direito à convivência familiar e comunitária. Documento Preparatório do Seminário Relaf 2013 Fortalecendo os Avanços. Criando ferramentas para a Garantia do Direito

Leia mais

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes).

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). RESUMO: O principal objetivo deste artigo é apresentar os problemas relacionados

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

Guerra Fria. Geografia - Prof. Marcos

Guerra Fria. Geografia - Prof. Marcos Guerra Fria Geografia - Prof. Marcos CONCEITO Denominamos Guerra Fria o período histórico caracterizado pela disputa política-ideológica e seus desdobramentos (econômicos, militares, tecnológicos, territoriais...)

Leia mais

Quatro grandes temas nos convocaram a este Encontro, na busca de uma nova etapa de integração latino-americana e caribenha.

Quatro grandes temas nos convocaram a este Encontro, na busca de uma nova etapa de integração latino-americana e caribenha. Declaração final do XIII Encontro De 12 a 14 de janeiro de 2007, em San Salvador, El Salvador, com a Frente Farabundo Martí para a Libertação Nacional (FMLN) como anfitriã, desenvolveu-se o XIII Encontro

Leia mais

A Economia da América Latina

A Economia da América Latina A Economia da América Latina adsense1 Agricultura A agricultura de subsistência era a principal atividade econômica dos povos originais da América Latina, Essa atividade era complementada pela caça, pela

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES CURSO DE HISTÓRIA ÉRIC TRATZ HUBIE CARDOZO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES CURSO DE HISTÓRIA ÉRIC TRATZ HUBIE CARDOZO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES CURSO DE HISTÓRIA ÉRIC TRATZ HUBIE CARDOZO OPERAÇÃO CONDOR: A CONEXÃO REPRESSIVA ENTRE AS DITADURAS MILITARES DO CONE SUL (1975-1980)

Leia mais

50 anos depois, ainda vivemos o horror

50 anos depois, ainda vivemos o horror Especial 50 anos do golpe 50 anos depois, ainda vivemos o horror Tratar o passado de violações é constatar que o presente está marcado pela continuidade das violências por João Ricardo W. Dornelles publicado

Leia mais

Proposta de Recomendações. GT dos Trabalhadores da CNV

Proposta de Recomendações. GT dos Trabalhadores da CNV Proposta de Recomendações GT dos Trabalhadores da CNV DOS CRIMES CONTRA A HUMANIDADE 1. Reconhecer e acatar as normas do direito internacional sobre crimes contra a humanidade. Ratificação da Convenção

Leia mais

Implantação do Programa Visa Waiver. 26.11.2013 Audiência pública: Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado

Implantação do Programa Visa Waiver. 26.11.2013 Audiência pública: Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado Implantação do Programa Visa Waiver 26.11.2013 Audiência pública: Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado Chegadas internacionais Brasil XAmérica Latina Turistas internacionais (milhões)

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

As Novas Migrações Internacionais

As Novas Migrações Internacionais As Novas Migrações Internacionais As novas migrações ganharam novas direções, as realizações partem de países subdesenvolvidos para países desenvolvidos, e o novo modelo de migração internacional surge

Leia mais

Clique Professor. Ensino Médio

Clique Professor. Ensino Médio Revolução Cubana A queda de Batista (1953 1959) Cuba vivia, desde 1952, sob a ditadura de Fulgêncio Batista, que chegara ao poder através de um golpe militar. Batista era um ex sargento, promovido de uma

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

Fichamento. Texto: O Terceiro Mundo

Fichamento. Texto: O Terceiro Mundo Fichamento Texto: O Terceiro Mundo I Descolonização e a revolução transformaram o mapa politico do globo. Consequência de uma espantosa explosão demográfica no mundo dependente da 2º Guerra Mundial, que

Leia mais

VII. VIAGENS DO SECRETÁRIO-GERAL E DO SECRETÁRIO-GERAL ADJUNTO

VII. VIAGENS DO SECRETÁRIO-GERAL E DO SECRETÁRIO-GERAL ADJUNTO VII. VIAGENS DO SECRETÁRIO-GERAL E DO SECRETÁRIO-GERAL ADJUNTO 140 Viagens do Secretário-Geral Conferência sobre o Sistema Interamericano São Domingos, República Dominicana, 2 e 3 de junho de 2005 Trigésimo

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Causas da Hegemonia atual dos EUA Hegemonia dos EUA Influência Cultural: músicas, alimentações, vestuários e língua Poderio Econômico: 20% do PIB global Capacidade Militar sem

Leia mais

DIPLOMACIA E CHANCELARIA CONCURSOS DA. 2 a EDIÇÃO COMENTADAS. 1 a FASE 1.200 QUESTÕES NOS. Renan Flumian Coordenador da obra

DIPLOMACIA E CHANCELARIA CONCURSOS DA. 2 a EDIÇÃO COMENTADAS. 1 a FASE 1.200 QUESTÕES NOS. Renan Flumian Coordenador da obra 2 a EDIÇÃO Renan Flumian Coordenador da obra NOS CONCURSOS DA DIPLOMACIA E CHANCELARIA 1 a FASE 1.200 QUESTÕES COMENTADAS Wander Garcia coordenador da coleção SUMÁRIO SUMÁRIO COMO USAR O LIVRO? 15 01.

Leia mais

Os BRICS e as Operações de Paz

Os BRICS e as Operações de Paz Os BRICS e as Operações de Paz Policy Brief #3 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS Maio de 2011 Os BRICS e as Operações de Paz

Leia mais

República Popular Chinesa (1912-1949)

República Popular Chinesa (1912-1949) China atual Revolução Chinesa Primeiro momento (1911): revolução nacionalista contra neocolonialismo, liderada por SunYat-sen e fundador do Kuomitang (Partido Nacionalista) Segundo momento (1949): revolução

Leia mais

May 2015 Só uma voz, do Norte ao Sul do nosso Continente BASTA JÁ de violação aos Direitos Humanos na Prosegur

May 2015 Só uma voz, do Norte ao Sul do nosso Continente BASTA JÁ de violação aos Direitos Humanos na Prosegur May 2015 Só uma voz, do Norte ao Sul do nosso Continente BASTA JÁ de violação aos Direitos Humanos na Prosegur Durante a semana de ação em defesa dos direitos humanos na Prosegur sindicatos, centrais sindicais,

Leia mais

Kennan, Mackinder e Huntington: as Estratégias de Contenção ao Serviço do Poder Ocidental

Kennan, Mackinder e Huntington: as Estratégias de Contenção ao Serviço do Poder Ocidental Kennan, Mackinder e Huntington: as Estratégias de Contenção ao Serviço do Poder Ocidental Higor Ferreira BRIGOLA e Edu Silvestre de ALBUQUERQUE Universidade Estadual de Ponta Grossa O presente trabalho

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO Os Estados Partes nesta Convenção, Tendo presente os propósitos e princípios da Carta da Organização dos Estados Americanos e da Carta das Nações Unidas; Considerando

Leia mais

PROVA GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010

PROVA GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010 PROVA GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2010 PROF. FERNANDO NOME N o 8 o ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

O Cebrapaz é uma expressão organizada do sentimento da sociedade brasileira contra as guerras e em solidariedade aos povos em luta no mundo.

O Cebrapaz é uma expressão organizada do sentimento da sociedade brasileira contra as guerras e em solidariedade aos povos em luta no mundo. O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) aprovou na Assembleia Nacional encerrada sábado (9), uma Declaração em que renova as convicções dos ativistas brasileiros pela

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Elabore um texto utilizando as palavras do quadro. França Napoleão Bonaparte Egito 18 Brumário guerra Constituição 2. Sobre

Leia mais

História B Aula 21. Os Agitados Anos da

História B Aula 21. Os Agitados Anos da História B Aula 21 Os Agitados Anos da Década de 1930 Salazarismo Português Monarquia portuguesa foi derrubada em 1910 por grupos liberais e republicanos. 1ª Guerra - participação modesta ao lado da ING

Leia mais

Guerra Fria. - Conceito: Foi um conflito político, econômico e ideológico em que

Guerra Fria. - Conceito: Foi um conflito político, econômico e ideológico em que - Conceito: Foi um conflito político, econômico e ideológico em que os dois rivais (EUA capitalista X URSS socialista) não tiveram combates diretos, eles disputavam zonas de influência. EUA Doutrina Truman

Leia mais

Defesa Cibernética entra em nova fase O Sistema Militar de Defesa Cibernética protege e explora um setor em constante mudança

Defesa Cibernética entra em nova fase O Sistema Militar de Defesa Cibernética protege e explora um setor em constante mudança Defesa Cibernética entra em nova fase O Sistema Militar de Defesa Cibernética protege e explora um setor em constante mudança Brasília (DF) O Exército Brasileiro ativou dois núcleos de Defesa Cibernética,

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 9º Turma: Data: / /2012 Nota: Professor(a): Edvaldo Valor da Prova: 65 pontos Orientações gerais: 1)

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais

Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais Operações Interagências na Faixa de Fronteira e Relações Internacionais Cláudio Medeiros Leopoldino Coordenador-Geral Adjunto Brasil: 16.886 km de fronteiras terrestres 10 países vizinhos fronteiras plenamente

Leia mais

José Augusto Zague Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas (Unesp, Unicamp, PUC-SP)

José Augusto Zague Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas (Unesp, Unicamp, PUC-SP) Perspectivas para o desenvolvimento de uma indústria Sul- Americana de material de defesa: o Conselho de Defesa Sul- Americano como catalisador da cooperação regional. José Augusto Zague Programa de Pós-Graduação

Leia mais

POLÍTICA EXTERNA, DEMOCRACIA. DESENVOLVIMENTO

POLÍTICA EXTERNA, DEMOCRACIA. DESENVOLVIMENTO POLÍTICA EXTERNA, DEMOCRACIA. DESENVOLVIMENTO GESTÃO do MÍNÍSTRO CEISO AMORÍM NO itamaraty AqosTO 95A DEZEMBRO 94 / FUNDAÇÃO ALEXANDRE DE GUSMÃO Brasília 1995 Tricentenário do nascimento de Alexandre de

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 18 22 de junho de 2012 Tema 4.10 da Agenda Provisória CE150/20, Rev. 1 (Port.) 23

Leia mais

Estes são os conteúdos e sugestões de atividades para os estudos de recuperação semestral.

Estes são os conteúdos e sugestões de atividades para os estudos de recuperação semestral. Nome: Nº: Ano: 8º ano Ensino Fundamental Disciplina: Geografia Data: / / Prof: Flávio Alexander Ribeiro Nota: Roteiro de Recuperação 2ª etapa Caro aluno, Estes são os conteúdos e sugestões de atividades

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

Carga horária total: 360 horas. Dias e horários das aulas: Aulas às terças e quintas, das 18:30h às 22:00h. Professores:

Carga horária total: 360 horas. Dias e horários das aulas: Aulas às terças e quintas, das 18:30h às 22:00h. Professores: Título do Curso: Pós-graduação em Segurança e Defesa Departamento: Ciência Política e Relações Internacionais Área de Conhecimento: Ciência Política e Relações Internacionais Dados dos Coordenadores: Gustavo

Leia mais

COLÔMBIA: AS FARC E OS DIÁLOGOS DE PAZ

COLÔMBIA: AS FARC E OS DIÁLOGOS DE PAZ V. 2, n. 1 - Fevereiro de 2015 COLÔMBIA: AS FARC E OS DIÁLOGOS DE PAZ Letícia Pereira 1 POLÍTICA E O CONFLITO A República da Colômbia é considerada a quarta maior economia latino -americana. Apesar de

Leia mais

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História ENEM 2014 - Caderno Rosa Resolução da Prova de História 5. Alternativa (E) Uma das características basilares do contato entre jesuítas e os povos nativos na América, entre os séculos XVI e XVIII, foi o

Leia mais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Mundo está fragmentado em centenas de países, mas ao mesmo tempo, os países se agrupam a partir de interesses em comum. Esses agrupamentos, embora não deixem de refletir

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 50 AMÉRICA CENTRAL: DEPENDÊNCIA E O CASO CUBANO

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 50 AMÉRICA CENTRAL: DEPENDÊNCIA E O CASO CUBANO GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 50 AMÉRICA CENTRAL: DEPENDÊNCIA E O CASO CUBANO Como pode cair no enem Em fevereiro de 2008, após 49 anos no poder, Fidel Castro cedeu a chefia do Estado a seu irmão Raúl. O

Leia mais