IFRS Conference: São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IFRS Conference: São Paulo"

Transcrição

1 IFRS Conference: São Paulo Monday 15 April 2013 Special Interest Sessions (pre-conference) Implementing IFRS 13 Fair Value Measurement To assist you to prepare for the implementation of IFRS 13 Fair Value Measurement, the IFRS Foundation will hold an intensive half-day session immediately before the IFRS conference, on the morning of 15 April :00 Registration and refreshments 09:30 Introduction Amaro Gomes Member IASB 09:35 Technical update and IFRS Foundation implementation support Sue Lloyd Senior Director IASB 10:15 Valuing financial instruments and non-financial assets/liabilities Ivan Nacsa Partner Grupo FBM 11:15 Round-table Q&A Panellists: Amaro Gomes Sue Lloyd Ivan Nacsa 11:55 Concluding comments Amaro Gomes Member IASB 12:00 Close of session

2 15 April 2013 International Financial Reporting Standards IFRS 13 Fair Value Measurement Sue Lloyd, IASB Senior Director Technical Activities The views expressed in this presentation are those of the presenter, not necessarily those of the IASB or IFRS Foundation. Agenda Why IFRS 13 was necessary Fair value measurement principles Answering what, where, who and how Measuring the fair value of non-financial assets and financial and non-financial liabilities Valuation techniques Bid and ask, premiums and discounts and portfolios Disclosures Comparison with US GAAP Effective date Recent developments 2

3 International Financial Reporting Standards Why IFRS 13 was necessary The views expressed in this presentation are those of the presenter, not necessarily those of the IASB or IFRS Foundation Dispersed and conflicting guidance 4 IAS 36 IAS 39/ IAS 40 IAS 41 IFRS 9 Topic 820 in US GAAP (codified SFAS 157) Etc. IFRS 13 Single source of measurement guidance Clear measurement objective Consistent and transparent disclosures about fair value

4 International Financial Reporting Standards Fair value measurement principles The views expressed in this presentation are those of the presenter, not necessarily those of the IASB or IFRS Foundation When does IFRS 13 apply? 6 If you own a biological asset IAS 41 A biological asset shall be measured on initial recognition and at the end of each reporting period at its fair value less cost to sell What and when IFRS 13 How

5 What does IFRS 13 not apply to? 7 Excluded from the scope IFRS 2 and IAS 17 Disclosures in IFRS 13 not required for Not required for measurement similar to fair value Plan assets (IAS 19) Retirement benefit plan investments (IAS 26) Assets for which recoverable amount is fair value less cost of disposal (IAS 36) IAS 2 (net realisable value) IAS 36 (value in use) The previous definition of fair value 8 Fair value definition The amount for which an asset could be exchanged or a liability settled between knowledgeable, willing parties in an arms length transaction.? Its weaknesses It did not specify whether an entity is buying or selling the asset. It was unclear about what settling meant because it did not refer to the creditor. It was unclear about whether it was market-based. It did not state explicitly when the exchange or settlement takes place.

6 IFRS 13 s new definition of fair value 9 New fair value definition The price that would be received to sell an asset or paid to transfer a liability in an orderly transaction between market participants at the measurement date. Its improvements It specifies that the entity is selling the asset. It refers to the transfer of a liability. It is not a forced or distressed sale. It is clear it is market-based. It states explicitly when the sale or transfer takes place. Fair value at initial recognition 10 Transaction price (entry price) = Fair value (exit price) unless: Transaction takes place in different markets Transactions are for different units of account Seller is distressed or forced Transactions are between related parties

7 International Financial Reporting Standards Answering what, where, who and how The views expressed in this presentation are those of the presenter, not necessarily those of the IASB or IFRS Foundation A hypothetical transaction price 12 Principal market (or most advantageous market) Market participant buyer Market participant seller Fair value of an asset a liability at the measurement date

8 What is being measured? 13 Unit of account IAS 41: A biological asset shall be measured at its fair value less costs to sell Characteristics Which characteristics would a market participant buyer take into account? age and remaining economic life? condition location restrictions on use or sale contractual terms Where would the transaction take place? 14 Fair value is the price in the Principal market The market with the greatest volume and level of activity for the asset or liability Or, if no principal market, The most advantageous market The market that maximises the amount that would be received to sell the asset and minimises the amount that would be paid to transfer the liability In most cases, these markets will be the same. arbitrage opportunities will be competed away The entity must have access to the principal (or most advantageous) market.

9 Transaction and transportation costs 15 Description Included in fair value? Transaction costs The costs to sell the asset or transfer the liability that are directly attributable to the disposal of the asset or the transfer of the liability No (Although they are considered in the assessment of which market is most advantageous) They are a characteristic of the transaction, not of the asset or liability. Transport costs The costs that would be incurred to transport an asset from its current location to its exit market Yes Transportation changes a characteristic of the asset (its location) Who would transact for the item? 16 Market participants are buyers and sellers in the principal (or most advantageous) market who are: Independent Knowledgeable Able to enter into a transaction Willing to enter into a transaction Market participants act in their economic best interest Maximise the value of the asset Minimise the value of the liability

10 How do we arrive to a market-based measurement? 17 Is there a quoted price in an active market for an identical asset or liability? Yes Use this quoted price to measure fair value (Level 1) No Replicate a market price through a valuation technique* (using observable + and unobservable inputs: Levels 2 and 3) Must use without adjustment * Valuation techniques include the market approach, income approach and cost approach. No use of significant unobservable (Level 3) inputs = Level 2 measurement + Maximise the use of relevant observable inputs and minimise the use of unobservable inputs. Observable inputs include market data (prices and other information that is publicly available). Use of significant unobservable (Level 3) inputs = Level 3 measurement Unobservable inputs include the entity s own data (budgets, forecasts) which must be adjusted if market participants would use different assumptions. International Financial Reporting Standards Measuring the fair value of non-financial assets and financial and non-financial liabilities The views expressed in this presentation are those of the presenter, not necessarily those of the IASB or IFRS Foundation

11 Highest and best use 19 Fair value assumes a non-financial asset is used by market participants at its highest and best use. the use of a non-financial asset by market participants that maximises the value of the asset physically possible legally permissible financially feasible Highest and best use continued 20 Highest and best use is usually (but not always) the current use. if for competitive reasons an entity does not intend to use the asset at its highest and best use, the fair value of the asset still reflects its highest and best use by market participants (defensive value) Does not apply to financial instruments or liabilities.

12 Valuation premise 21 A non-financial asset either: provides maximum value through its use in combination with other assets and liabilities as a group is its value influenced by it being operated with other assets? an example: equipment used in production facility market participants are assumed to hold complementary assets provides maximum value through its use on a stand-alone basis is its value independent of its use with other assets? an example: a vehicle or an investment property Does not apply to financial instruments or liabilities. Transfer notion 22 Fair value assumes a transfer to a market participant who takes on the obligation. The transfer assumes: Liability or equity remains outstanding Restrictions on transfer are already reflected in inputs; no additional adjustment required Fair value of a liability reflects the effect of non-performance risk

13 Is there a corresponding asset? 23 Yes Fair value = observable market price of instrument Fair value = observable market price of asset Yes No Fair value = another valuation technique Is there an observable market price to transfer the instrument? Yes Fair value = fair value of the corresponding asset Is there an observable market price for the instrument traded as an asset? No Does somebody hold the corresponding asset? No Fair value = another valuation technique* * Using the perspective of a market participant that owes the liability or issued the claim on equity No corresponding asset 24 Two possible ways to approach it: 1. Use the future cash flows that a market participant would expect to incur in fulfilling the obligation, including the compensation that a market participant would require for taking on the obligation. Such compensation includes: the cost to fulfil the obligation plus return for undertaking the activity; and arisk premium to compensate for the risk that actual cash flows might differ from expected cash flows.

14 No corresponding asset continued 25 Two possible ways to approach it: 2. Use the amount that a market participant would receive to enter into or issue an identical liability or equity instrument. International Financial Reporting Standards Valuation techniques The views expressed in this presentation are those of the presenter, not necessarily those of the IASB or IFRS Foundation

15 Valuation techniques 27 Measure fair value using valuation techniques that are appropriate in the circumstances and for which sufficient data are available. Market approach prices from market transactions for identical or similar assets or liabilities, for example: using market multiples (eg of earnings or cash flows) from a set of comparable companies and applying those multiples to the earnings or cash flows of the company being valued Valuation techniques continued 28 Cost approach the cost to acquire or reconstruct a substitute asset of comparable utility, adjusted for physical, functional and economic obsolescence often used for PP&E and some intangibles Income approach converts future amounts (eg cash flows) to a single current amount, for example: discounted cash flow/present values option pricing models multi-period excess earnings method

16 Level 2 Level 1 Selecting a valuation technique 29 Market approach Market price is available Price is for an identical asset or liability and must be used No adjustment is necessary or allowed Price needs adjustment Observable inputs Income approach (eg discounted cash flow) Directly identifiable cash flows Observable inputs Rarely seen in practice Cost approach (eg replacement cost) Not directly income producing No identical market price Price needs adjustment Observable inputs Rarely seen in practice Level 3 Price needs adjustment Unobservable inputs Unobservable inputs Unobservable inputs International Financial Reporting Standards Bid and ask spread, premiums and discounts and portfolios The views expressed in this presentation are those of the presenter, not necessarily those of the IASB or IFRS Foundation

17 Pricing within a bid-ask spread 31 The price at which the dealer will For an asset, the non-dealer entity s For a liability, the non-dealer entity s Bid price buy exit price entry price Ask (offer) price sell entry price exit price Pricing within a bid-ask spread continued 32 If an asset or a liability measured at fair value has a bid and an ask price, use the price within the bid-ask spread that is most representative of fair value. Mid-market pricing or other pricing conventions can be used as a practical expedient for fair value measurements within a bid-ask spread if these conventions do not contravene the principle.

18 Premiums and discounts 33 Any premium or discount applied must be consistent with: characteristics of asset or liability the unit of account in the IFRS requiring fair value No block discounts an adjustment to a quoted price for reduction that would occur if a market participant were to sell a large holding of assets or liabilities in one or a few transactions Premiums and discounts continued 34 Is a level 1 input available? Would market participants incorporate premium or discount in transaction? Does fair value include premium or discount Yes n/a FV = Level 1 price x quantity held (P x Q) No Yes No Yes No

19 Portfolios of financial instruments 35 IFRS 13 permits an entity to measure a group of financial assets and financial liabilities on the basis of the net risk exposure to either market risks or credit risks. Conditions to be met: must have documented risk management strategy provide information on basis of net risk exposure to key management personnel only for portfolios of instruments measured at FV Accounting policy decision Does not affect presentation in IAS 32. Allocations shall be performed on a reasonable and consistent basis. Portfolios of financial instruments continued 36 If there are offsetting market risks: can apply bid-ask spread to net open risk position offsetting risks must be substantially the same duration of instruments leading to exposure to market risk must be substantially the same Market risk: The risk that the price will fluctuate because of changes in market prices (currency risk, interest rate risk and other price risk)

20 Portfolios of financial instruments continued 37 If the entity is exposed to the credit risk of a particular counterparty, an entity shall include the effect of: its net exposure to the credit risk of the counterparty; the counterparty s net exposure to its credit risk; any existing arrangements that mitigate credit risk exposure if market participants expect that such arrangements would be legally enforceable in the event of default. Credit risk: The risk the entity or the counterparty will not pay or otherwise perform as agreed International Financial Reporting Standards Disclosures The views expressed in this presentation are those of the presenter, not necessarily those of the IASB or IFRS Foundation

21 General 39 Fair value at end of reporting period Level in hierarchy Transfers between levels Valuation techniques and inputs used If highest and best use is different from current use General continued 40 Disclosures also required for disclosed (but not recognised) fair values, even if on SFP at different amount eg financial asset at amortised cost, but IFRS 7 requires disclosure of asset s fair value Quantitative disclosures in a table unless another format is better

22 More information about Level 3 41 Quantitative disclosure of unobservable inputs and assumptions used Reconciliation of opening to closing balances Description of valuation process in place More information about Level 3 continued 42 Sensitivity analysis: narrative discussion about sensitivity to changes in unobservable inputs, including inter-relationships between inputs that magnify or mitigate the effect on the measurement quantitative sensitivity analysis for financial instruments More granularity in determining classes

23 International Financial Reporting Standards Effective date The views expressed in this presentation are those of the presenter, not necessarily those of the IASB or IFRS Foundation Effective date 44 Effective 1 January 2013 Earlier application permitted Prospective application, no comparatives

24 International Financial Reporting Standards Recent developments The views expressed in this presentation are those of the presenter, not necessarily those of the IASB or IFRS Foundation Recent developments 46 Educational material IFRS Foundation Education Initiative is developing educational material with assistance from a valuation expert group. Will cover a number of topics in chapters. The first chapter covering measurement of unquoted equity instruments at fair value was published in December The chapter was published by the IFRS Foundation. Its content is non-authoritative.

25 Recent developments continued 47 Interpretations Committee: Request for clarification on paragraph 25 of IAS 41 Agriculture 25 Biological assets are often physically attached to land (for example, trees in a plantation forest). There may be no separate market for biological assets that are attached to the land but an active market may exist for the combined assets, that is, the biological assets, raw land, and land improvements, as a package. An entity may use information regarding the combined assets to measure the fair value of the biological assets. For example, the fair value of raw land and land improvements may be deducted from the fair value of the combined assets to arrive at the fair value of biological assets. Recent developments continued 48 Exposure Draft : Recoverable Amount Disclosures for Non-Financial Assets: Narrow-scope amendment to IAS 36 clarify scope of disclosures Measurement of subsidiaries, joint ventures and associates at fair value tentatively decided unit of account investment as a whole (rather than the underlying individual financial instruments) also tentatively decided, notwithstanding that unit of account, when Level 1 inputs are available shall use P*Q exposure draft will be published during 2Q 2013.

26 Thank you Obrigada IFRS Foundation. 30 Cannon Street London EC4M 6XH UK.

27 15 April 2013 International Financial Reporting Standards Implementando o IFRS 13 Ivan Nacsa, Sócio-Diretor da FBM The views expressed in this presentation are those of the presenter, not necessarily those of the IASB or IFRS Foundation. Agenda Passivo Financeiro Base normativa para mensuração Exemplo de mensuração Títulos emitidos (passivo) Mercado secundário (Nível 1); Desconto a valor presente títulos (Nível 2) Desconto a valor presente agências de rating (Nível 2) Ativo Intangível Base normativa para mensuração Métodos para avaliação e exemplos ilustrativos: Relief from Royalty Excess Earnings Cost With or Without 2

28 International Financial Reporting Standards Valor Justo: Passivo Financeiro The views expressed in this presentation are those of the presenter, not necessarily those of the IASB or IFRS Foundation Nível 2 Nível 1 Base Normativa 4 Mercado Preço de mercado está disponível Preço e informações relevantes geradas por transações de mercado Nenhum ajuste é necessário ou permitido É necessário ajuste do preço Dados observáveis Receita (ex fluxo de caixa descontado) Converte valores futuros em um valor único atual Dados observáveis Custo (ex custo de reposição) Produção de renda indireta Não há preço idêntico no mercado É necessário ajuste do preço Dados observáveis Raramente visto na prática Nível 3 É necessário ajuste do preço Dados não observáveis Dados não observáveis Dados não observáveis

29 Base Normativa continuação 5 Passivos mantidos por outras partes como ativos A entidade deve mensurar o valor justo do passivo ou instrumento patrimonial da seguinte forma: a) Utilizando o preço cotado em mercado ativo para o item idêntico mantido por outra parte como um ativo, se esse preço estiver disponível; b) Se esse preço não estiver disponível, utilizando outros dados observáveis, tais como o preço cotado em mercado que não seja ativo para o item idêntico mantido por outra parte como um ativo; c) Se os preços observáveis de (a) e (b) não estiverem disponíveis, utilizando outra técnica de avaliação, por exemplo: a) abordagem de receita (valor presente dos fluxos de caixa que o participante de mercado esperaria receber por deter o passivo ou o instrumento patrimonial como ativo; b) Abordagem de mercado (preço cotado para passivos similares mantidos por outra entidade como ativos). Base Normativa continuação 6 Risco de descumprimento (non-performance) O valor justo de um passivo reflete o efeito do risco de descumprimento que inclui, entre outros o risco de crédito da própria entidade; Ao mensurar o valor justo de um passivo, a entidade deve levar em conta o efeito de seu risco de crédito (situação de crédito) e quaisquer outros fatores que possam influenciar a probabilidade de que a obrigação não seja satisfeita. Esse efeito pode diferir dependendo do passivo; por exemplo: (a) se o Passivo é uma obrigação de entregar caixa (passivo financeiro) ou entregar bens e serviços (um passivo não financeiro); (b) os termos de melhorias de crédito relacionadas ao passivo, se houver.

30 Passivo Financeiro: Métodos de Avaliação continuação 7 Técnicas de Valor Presente Nível 2 Fluxos de Caixa Taxa livre de risco Spread de crédito Operação 1 Operação 2 Operação n Carteira ( + ) ( + ) ( = ) Outros instrumentos de mercado (bonds e CDS)* Agências de rating *Considerar características do bond e da empresa. Cálculo do valor justo (sem risco de descumprimento) Cálculo do valor justo (com risco de descumprimento) IFRS 13 Passivo Financeiro 8 Métodos para Avaliação de Dívidas Externas (bonds) Mercado secundário (Nível 1) Cotação do preço de mercado do bond da própria empresa Desconto a valor presente (Nível 2) Derivativos de crédito (CDS) da própria empresa Derivativos de crédito (CDS) de outras empresas CDS Bonds emitidos por outras empresas Agências de rating

31 Passivo Financeiro: Métodos de Avaliação 9 Mercado secundário ativo Preços observáveis diretamente; Mercado ativo e amplo (ativos negociado por um amplo número de participantes e com alto volume); e igualdade de avaliação dos preços tanto para compradores como para vendedores. Mercado ativo: analisar Nível 1 Volume, número de negócios, diferencial entre preços de oferta e demanda... Voltar Passivo Financeiro: Métodos de Avaliação continuação 10 CDS líquidos Nível 2 CDS emitidos no mesmo mercado e moeda de outras empresas do mesmo setor e porte da instituição (ou mesmo nível de risco) cotados em mercados ativos e líquidos. Entradas Tratamentos Saídas 1.Cotação de CDS 2.Informações das empresas emissoras 3.Curvas de juros risk-free atuais Formação da matriz de spread por mercado/moeda e maturidade Interpolação dos pontos não observáveis Construção da curva de spread de crédito Determinação dos spreads de crédito de cada operação 1.Taxa de desconto para cada grupo de CDS DI x Pre Cupom de IGP-M Onde: D = taxa de desconto rcontrato = taxa de contrato R livre risco = taxa livre de risco para o prazo m S spread = spread de crédito Voltar Cupom de Euro 2.MtM dos bonds considerando as taxas risk-free e o spread de crédito

32 Passivo Financeiro: Métodos de Avaliação continuação 11 Bond líquidos Bonds emitidos no mesmo mercado e moeda de outras empresas do mesmo setor e porte da instituição (ou mesmo nível de risco) cotados em mercados ativos e líquidos. Entradas Tratamentos Saídas 1.Cotação de Bond das empresas emissoras 2.Informações das empresas emissoras 3.Curvas de juros risk-free atuais Separação dos bonds por características e duration Formação da matriz de spread por mercado/moeda, maturidade e típo de bond Determinação dos spreads de crédito de cada operação, de acordo com o mercado, maturidade e tipo de bond Nível 2 1.Taxa de desconto para cada bond DI x Pre Cupom de IGP-M Onde: D = taxa de desconto rcontrato = taxa de contrato R livre risco = taxa livre de risco para o prazo m S spread = spread de crédito Voltar Cupom de Euro 2.MtM dos bonds considerando as taxas risk-free e o spread de crédito Passivo Financeiro: Métodos de Avaliação continuação Agência de rating Matriz com informações de spread de crédito ou PD e LGD por emissor. 12 Nível 2 Entradas Tratamentos Saídas 1.Tabela de rating ou spread por emissor disponibilizado por agência de rating 2.Informações das empresas emissoras 3.Curvas de juros riskfree atuais Formação da matriz de spread por das empresas do mesmo setor e porte Interpolação dos pontos não observáveis Construção da curva de spread de crédito Determinação dos spreads de crédito de cada operação 1.Taxa de desconto para cada bond DI x Pre Cupom de IGP-M Onde: D = taxa de desconto rcontrato = taxa de contrato R livre risco = taxa livre de risco para o prazo m S spread = spread de crédito Cupom de Euro 2.MtM dos bonds considerando as taxas risk-free e o spread de crédito Voltar

33 International Financial Reporting Standards Valor Justo: Ativo Intangível The views expressed in this presentation are those of the presenter, not necessarily those of the IASB or IFRS Foundation Ativo Intangível 14 Fundamentação da técnica de valor presente Metodologias e exemplos ilustrativos Relief from Royalty Excess Earnings (Ganhos Econômicos) Cost With or Without

34 Fundamentação técnica 15 Técnicas de valor presente A mensuração do valor justo de ativo ou passivo utilizando uma técnica de valor presente captura todos os seguintes elementos: (a) uma estimativa dos fluxos de caixa futuros para o ativo ou passivo que está sendo mensurado; (b) expectativas sobre possíveis variações no valor e época dos fluxos de caixa que representam a incerteza inerente aos fluxos de caixa; (c) o valor do dinheiro no tempo, representado pela taxa sobre ativos monetários livres de risco com datas de vencimento ou prazos que coincidem com o período coberto pelo fluxos de caixa e que não apresentam incerteza em relação à época ou risco de inadimplência para o titular; (d) o preço para suportar a incerteza inerente aos fluxos de caixa (ou seja, prêmio de risco); (e) outros fatores relevantes para os participantes do mercado. Ativo Intangível: Relief from Royalty 16 Descrição Determina o valor de referência para os pagamentos de royalties hipotéticos que seriam salvos pela aquisição do ativo, em comparação com o licenciamento do ativo a um terceiro. Aplicações Inputs Chaves Pontos de atenção Marca (mais comum); Tecnologia; e Patentes (capital intelectual) Projeção das receitas associadas ao ativo avaliado; Expectativa de vida do ativo; Percentual de taxa de royalty aplicado a ativos similares; e Taxa de desconto. Receitas que não são atribuíveis ao ativo; Duração do benefício econômico do ativo; Utilização de taxas de royalty adequadas na comparação; e Inclusão de um prêmio de risco na taxa de desconto.

35 Empresa S.A.: Marca Relief From Royalty 17 Taxa do Royalty Comparação com o Mercado de 3% a 6%; Definição da taxa utilizada pela alocação da Margem EBITDA pelo percentual de representatividade da marca. Composição Taxa do Royalty Margem EBITDA Média 10,72% Percentual atribído a Marca 35,00% Margem EBITDA atribuída a Marca 3,75% Receitas Baseadas na projeção da avaliação econômico-financeira da Empresa. Taxa de Desconto Baseada do WACC da Empresa; Compatível ao risco do ativo intangível; Reconciliada com o WARA;. Benefício Fiscal (TAB) Como exemplo ilustrativo, assumimos que será possível a amortização do intangível para fins fiscais e adicionamos o valor presente do benefício fiscal proveniente da amortização da marca ao valor do intangível. Relief From Royalty Receita Bruta Taxa de Royalty 3,75% 3,75% 3,75% 3,75% 3,75% 3,75% 3,75% 3,75% 3,75% Royalties Impostos 34% ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Royalties, após impostos Taxa de Desconto 17,10% Fator de Desconto 1,17 1,37 1,61 1,88 2,20 2,58 3,02 3,54 4,14 (=) VP do Fluxo de Caixa (=) Soma do VP do Fluxo de Caixa (+) Benefício Fiscal (TAB) (=) Valor da Marca WACC 15,10% - Prêmico de Risco 2% Ativo Intangível: Excess Earnings 18 Descrição É o valor presente dos ganhos atribuíveis ao ativo intangível alvo da avaliação após os retornos dos ativos contributórios. Aplicações Inputs Chaves Pontos de atenção Clientes; Tecnologia; Licenças; P&D; e CRM Projeção das receitas associadas ao ativo; Despesas associadas ao ativo; Ativos Contributórios; Taxa de Impostos; Expectativa de vida do ativo; Taxa de Desconto; VP do Benefício Fiscal (TAB) Migração de receita e Taxa de atração; Despesas atribuídas ao ativo; Avaliação dos ativos contributórios e das taxas de retorno; Consistência das despesas e dos ativos contributórios; e Inclusão de um prêmio de risco na taxa de desconto.

36 Empresa S.A.: Carteira de Clientes Excess Earnings 19 Carteira de Clientes A formação da carteira de cliente se dá pela existência de contratos com os clientes para a distribuição em todo território nacional de produtos comercializados via e-commerce. A attrition rate destes contratos é de 10%, conforme informado pela Administração da Empresa S.A. Carteira de Clientes (=) EBIT / Lucro Operacional (-) Impostos ajustados ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) (26.703) (=) NOPLAT (+) Depreciação e Amortização (=) NOPLAT Ajustado (=) Capital de Giro Líquido (x) Taxa de retorno 12,61% 12,61% 12,61% 12,61% 12,61% 12,61% 12,61% 12,61% 12,61% 12,61% Contributório Capital de Giro Líquido (=) Imobilizado (x) Taxa de retorno 9,04% 9,04% 9,04% 9,04% 9,04% 9,04% 9,04% 9,04% 9,04% 9,04% Retorno sobre o ativo imobilizado (=) Força de Trabalho (x) Taxa de retorno 11,65% 11,65% 11,65% 11,65% 11,65% 11,65% 11,65% 11,65% 11,65% 11,65% Contributório Força de Trabalho (=) Non compete agreement (x) Taxa de retorno 15,10% 15,10% 15,10% 15,10% 15,10% 15,10% 15,10% 15,10% 15,10% 15,10% Contributório Non-Compete (=) Total At. Op. Descontados (=) VEA ( ) Taxa de retorno da carteira 15,10% 15,10% 15,10% 15,10% 15,10% 15,10% 15,10% 15,10% 15,10% 15,10% fator de desconto 1,31 1,51 1,73 2,00 2,30 2,65 3,04 3,50 4,03 (=) VPL do VEA (39.126) Valor da carteira Benefício Fiscal (TAB) WACC 11,10% Valor da carteira com TAB Prêmio de Risco 4% Ativo Intangível: Cost 20 Descrição Estima que o valor de custo de um ativo, o que inclui todos os custos necessários para a construção de um ativo semelhante de utilidade equivalente a preços aplicáveis no momento da reconstrução. Aplicações Inputs Chaves Pontos de atenção Certificados; Força de trabalho; Licenças; e Softwares desenvolvidos internamente. 1 2 Todos os custos necessários para a construção de um ativo semelhante; e Fatores para ajustar o ativo a condição funcional, econômica e financeira atual Inclusão de quaisquer custos de mão-de-obra; Inclusão do custo de oportunidade; Fatores de ajustes a condição funcional, econômica e financeita atual; Inclusão dos impostos. 2

IFRS Conference: São Paulo

IFRS Conference: São Paulo IFRS Conference: São Paulo Monday 15 April 2013 Special Interest Sessions (pre-conference) Implementing IFRS 11 Joint Arrangements and IFRS 12 Disclosure of Interests in Other Entities To assist you to

Leia mais

IFRS 13 Mensuração do Valor Justo

IFRS 13 Mensuração do Valor Justo IFRS 13 Mensuração do Valor Justo Determinação do Valor Justo Ativos Intangiveis 16 setembro 2013 Adoção do Valor Justo/Avaliação de Intangíveis EUA 2001 -FAS 141, Business Combinations (agora ASC 805)

Leia mais

Avaliação de Intangíveis. Avaliação de intangíveis Osório Gatto Seminário de avaliações IBAPE

Avaliação de Intangíveis. Avaliação de intangíveis Osório Gatto Seminário de avaliações IBAPE Avaliação de Intangíveis Avaliação de intangíveis Osório Gatto Seminário de avaliações IBAPE Brasília 2014 Conceitos básicos em Combinação de negócios (CPC 15 / IFRS 13) A definição de ativo intangível

Leia mais

COSEC. Valorização do Real e Mercado Futuro de Câmbio

COSEC. Valorização do Real e Mercado Futuro de Câmbio COSEC 8 de Agosto de 2011 Valorização do Real e Mercado Futuro de Câmbio Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Mitos e Mistérios do Mercado

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS THE CAPITAL STRUCTURE: AN ANALYSE ON INSURANCE COMPANIES FREDERIKE MONIKA BUDINER METTE MARCO ANTÔNIO DOS SANTOS MARTINS PAULA FERNANDA BUTZEN

Leia mais

SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009

SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009 SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009 A SAP continua a demonstrar um forte crescimento das suas margens, aumentando a previsão, para o ano de 2009, referente à sua margem operacional Non-GAAP

Leia mais

Administração de Capital de Giro e Planejamento a Curto Prazo. Chapter Outline

Administração de Capital de Giro e Planejamento a Curto Prazo. Chapter Outline 26-0 Universidade Federal de Itajubá Instituto de Engenharia de Produção e Gestão Curso de Finanças Corporativas Prof. Edson Pamplona (www.iem.efei.br/edson) CAPÍTULO 27 Administração de Capital de Giro

Leia mais

Estatísticas do Setor Externo Adoção da 6ª Edição do Manual de Balanço de Pagamentos e Posição Internacional de Investimentos (BPM6)

Estatísticas do Setor Externo Adoção da 6ª Edição do Manual de Balanço de Pagamentos e Posição Internacional de Investimentos (BPM6) Estatísticas do Setor Externo Adoção da 6ª Edição do Manual de Balanço de Pagamentos e Posição Internacional de Investimentos (BPM6) Nota Metodológica nº 4 Dívida externa Junho de 2015 1. Introdução A

Leia mais

106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico

106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico 106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico B.7.1.1 Taxas de juro sobre novas operações de empréstimos (1) concedidos por instituições financeiras monetárias a residentes na área do euro (a) Interest rates

Leia mais

Parte 1 Part 1. Mercado das Comunicações. na Economia Nacional (2006-2010)

Parte 1 Part 1. Mercado das Comunicações. na Economia Nacional (2006-2010) Parte 1 Part 1 Mercado das Comunicações na Economia Nacional (2006-2010) Communications Market in National Economy (2006/2010) Parte 1 Mercado das Comunicações na Economia Nacional (2006-2010) / Part 1

Leia mais

05. Demonstrações Financeiras Financial Statements

05. Demonstrações Financeiras Financial Statements 05. Demonstrações Financeiras Financial Statements Demonstrações Financeiras Financial Statements 060 Balanços em 31 de Dezembro de 2007 e 2006 Balance at 31 December 2007 and 2006 Activo Assets 2007 2006

Leia mais

Subject: The finance source/ new application/ project submission form COMPANY / PROJECT INFORMATION. Date of Submission: Registered Company Name

Subject: The finance source/ new application/ project submission form COMPANY / PROJECT INFORMATION. Date of Submission: Registered Company Name Subject: The finance source/ new application/ project submission form All questions must be answered in details to receive an informed response. All information & data are to be provided directly by the

Leia mais

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br Institutional Skills Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS Passo a passo 2 2 British Council e Newton Fund O British Council é a organização internacional do Reino Unido para relações culturais e oportunidades

Leia mais

Project Management Activities

Project Management Activities Id Name Duração Início Término Predecessoras 1 Project Management Activities 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 2 Plan the Project 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 3 Define the work 15 dias Sex 05/10/12

Leia mais

Senhores Acionistas: FATURAMENTO CRESCE 47% E SUPERA A MARCA DOS R$ 4 BILHÕES

Senhores Acionistas: FATURAMENTO CRESCE 47% E SUPERA A MARCA DOS R$ 4 BILHÕES Senhores Acionistas: Após sofrer o impacto causado pela desvalorização da moeda brasileira no início de 1999, a economia do País, de um modo geral, mostrou resultados bastante positivos no encerramento

Leia mais

05. Demonstrações Financeiras Financial Statements

05. Demonstrações Financeiras Financial Statements 05. Demonstrações Financeiras Financial Statements Demonstrações Financeiras Financial Statements 068 Balanços em 31 de Dezembro de 2008 e 2007 Balance at 31 December 2008 and 2007 Activo Assets 2008 2007

Leia mais

Demonstrações financeiras em IFRS 31 de dezembro de 2012

Demonstrações financeiras em IFRS 31 de dezembro de 2012 KPMG Auditores Independentes Fevereiro de 2013 KPDS 52109 Conteudo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais consolidados 5 Demonstrações de resultados

Leia mais

SAP fecha 2008 com Crescimento de Dois Dígitos

SAP fecha 2008 com Crescimento de Dois Dígitos SAP fecha 2008 com Crescimento de Dois Dígitos A SAP aumenta a um ritmo de 14% as receitas de software e de serviços relacionados com software em 2008 e apresenta um crescimento nas receitas totais de

Leia mais

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2012

Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2012 Demonstrações Contábeis Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2012 RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Acionistas e Administradores do Banco Daycoval S.A. São Paulo - SP Examinamos as demonstrações

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 46 Mensuração do Valor Justo

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 46 Mensuração do Valor Justo COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 46 Mensuração do Valor Justo Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 13 (IASB - BV 2012) Índice Item OBJETIVO 1 4 ALCANCE

Leia mais

1 Políticas contabilísticas a) Bases de apresentação A F&C Portugal, Gestão de Patrimónios, S.A. ( Sociedade ) é uma sociedade privada constituída a 31 de Outubro de 2001, tendo iniciado a sua actividade

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 14. Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 14. Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 e IAS 32 (IASB)

Leia mais

Transação de Ações na sua Conta de Planos de Ações (Stock Plan Account)

Transação de Ações na sua Conta de Planos de Ações (Stock Plan Account) Transação de Ações na sua Conta de Planos de Ações (Stock Plan Account) Português - Portuguese Siga os passos que se seguem para vender as ações da sua empresa.* Antes de fazer a sua transação Recomendamos

Leia mais

E o Vento Levou: A experiência da Fitch com Estudos de Vento. Bruno Pahl, Associate Director

E o Vento Levou: A experiência da Fitch com Estudos de Vento. Bruno Pahl, Associate Director E o Vento Levou: A experiência da Fitch com Estudos de Vento Bruno Pahl, Associate Director Agenda Panorama Geral: Porfolio de ratings da Fitch Produção real vs. Cenários da Fitch Perfomance financeira

Leia mais

A Aviação no Comércio Europeu de Licenças de Emissão Especificidades para pequenos emissores

A Aviação no Comércio Europeu de Licenças de Emissão Especificidades para pequenos emissores A Aviação no Comércio Europeu de Licenças de Emissão Especificidades para pequenos emissores Departamento de Alterações Climáticas, Ar e Ruído (DACAR) Divisão de Poluição Atmosférica e Alterações Climáticas

Leia mais

Session 8 The Economy of Information and Information Strategy for e-business

Session 8 The Economy of Information and Information Strategy for e-business Session 8 The Economy of Information and Information Strategy for e-business Information economics Internet strategic positioning Price discrimination Versioning Price matching The future of B2C InformationManagement

Leia mais

www.pwc.com.br The PECEX Method

www.pwc.com.br The PECEX Method www.pwc.com.br The PECEX Method Comparison between Brazil and OECD approach Main aspects of Brazilian TP rules as compared with OCDE Guidelines: Sixth Method Few countries adopt the Sixth Method for commodities,

Leia mais

Uma comparação prática entre a aplicação dos modelos VPL-WACC e APV na avaliação de investimentos.

Uma comparação prática entre a aplicação dos modelos VPL-WACC e APV na avaliação de investimentos. Uma comparação prática entre a aplicação dos modelos VPL-WACC e APV na avaliação de investimentos. Cleber Gonçalves Junior (cgj@unifei.edu.br) Universidade Federal de Itajubá Edson de Oliveira Pamplona

Leia mais

Um Estudo de Caso da Abertura de Capital no Brasil: O IPO da América Latina Logística ALL

Um Estudo de Caso da Abertura de Capital no Brasil: O IPO da América Latina Logística ALL Carla Dodsworth Albano Um Estudo de Caso da Abertura de Capital no Brasil: O IPO da América Latina Logística ALL Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do

Leia mais

Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS

Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS Banco Fator S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS 31 de dezembro 2013 e 2012 BANCO FATOR S.A. BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Valores expressos em

Leia mais

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO 1 Índice Volume II 5 Relatório do Conselho Geral e de Supervisão 12 Parecer do Conselho Geral e de Supervisão incluíndo declaração de conformidade 14 Relatório da Comissão para as Matérias Financeiras

Leia mais

USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 USPTO No. 15143095 WORK PLAN FOR IMPLEMENTATION OF THE UNITED STATES PATENT AND

Leia mais

1 - Principais características das acções a emitir (código ISIN PTS3P8AM0001) 107,1428571428571 novas acçõe(s) por 1 direito(s)

1 - Principais características das acções a emitir (código ISIN PTS3P8AM0001) 107,1428571428571 novas acçõe(s) por 1 direito(s) AVISO DO EVENTO CORPORATIVO: Aumento de capital por subscrição SONAE INDUSTRIA - SGPS S.A. LOCALIZACAO: Lisbon N DO AVISO: LIS_20141105_01106_EUR DATA DE DISSEMINACAO: 05/11/2014 MERCADO: EURONEXT LISBON

Leia mais

2012 State of the Industry Survey

2012 State of the Industry Survey 2012 State of the Industry Survey Contact Information Por favor, preencha suas informações de contato (* indicates required information) Nome * Título * Title Razão Social completa da Empresa/Organização

Leia mais

IFRS em Destaque Dezembro 2011. Destaques. Valor justo definido como preço de saída.

IFRS em Destaque Dezembro 2011. Destaques. Valor justo definido como preço de saída. IFRS em Destaque Dezembro 2011 Orientação unificada para mensuração e divulgação do valor justo para IFRS Departamento de Práticas Profissionais - DPP Destaques Valor justo definido como preço de saída.

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 14. Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 14. Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 14 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 e IAS 32

Leia mais

Deposits and Withdrawals policy

Deposits and Withdrawals policy Deposits and Withdrawals policy TeleTrade-DJ International Consulting Ltd **** Política de Depósitos e Levantamentos TeleTrade-DJ International Consulting Ltd 2011-2015 TeleTrade-DJ International Consulting

Leia mais

Teoria Económica Clássica e Neoclássica

Teoria Económica Clássica e Neoclássica Teoria Económica Clássica e Neoclássica Nuno Martins Universidade dos Açores Jornadas de Estatística Regional 29 de Novembro, Angra do Heroísmo, Portugal Definição de ciência económica Teoria clássica:

Leia mais

ATIVO IMOBILIZADO SEGUNDO AS NORMAS IFRS

ATIVO IMOBILIZADO SEGUNDO AS NORMAS IFRS ATIVO IMOBILIZADO SEGUNDO AS NORMAS IFRS PERMANENT ASSETS UNDER IFRS Daniel de Mattos Camargo (UNISEPE/FVR) Anderson Gomes (UNISEPE/FVR) Maria Aparecida Lameu (UNISEPE/FVR) Marise Gonçalves de Oliveira

Leia mais

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks Intellectual Property IFAC Formatting Guidelines Translated Handbooks AUTHORIZED TRANSLATIONS OF HANDBOOKS PUBLISHED BY IFAC Formatting Guidelines for Use of Trademarks/Logos and Related Acknowledgements

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO APRESENTADA POR. Rafaela Guedes Monteiro TÍTULO. Um Estudo de Caso sobre a entrada da PETROBRAS no Retail Norte Americano

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO APRESENTADA POR. Rafaela Guedes Monteiro TÍTULO. Um Estudo de Caso sobre a entrada da PETROBRAS no Retail Norte Americano FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS CENTRO DE FORMAÇÃO ACADÊMICA E PESQUISA MESTRADO EXECUTIVO EM GESTÃO EMPRESARIAL DISSERTAÇÃO DE MESTRADO APRESENTADA POR

Leia mais

Perguntas & Respostas

Perguntas & Respostas Perguntas & Respostas 17 de Abril de 2008 Versão Portuguesa 1. O que é uma Certidão Permanente?...4 2. Como posso ter acesso a uma Certidão Permanente?...4 3. Onde posso pedir uma Certidão Permanente?...4

Leia mais

WULAIA CONSULTORIA E ASSESSORIA FINANCEIRA LTDA. Carta Externa 130621-1. Rio de Janeiro, 22 de julho de 2013

WULAIA CONSULTORIA E ASSESSORIA FINANCEIRA LTDA. Carta Externa 130621-1. Rio de Janeiro, 22 de julho de 2013 WULAIA CONSULTORIA E ASSESSORIA FINANCEIRA LTDA. Carta Externa 130621-1 Rio de Janeiro, 22 de julho de 2013 À Comissão de Valores Mobiliários CVM Superintendência de Desenvolvimento De Mercado (SDM) Rua

Leia mais

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 37 (R) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade - IFRS (BV200)

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO José Carlos Franco de Abreu Neto Quantificação do Risco de Crédito: Uma abordagem utilizando o modelo estrutural de Merton Dissertação de Mestrado Dissertação

Leia mais

Aluna: Raquel Wille Sarquis Orientador: Prof. Ariovaldo dos Santos 30/09/14

Aluna: Raquel Wille Sarquis Orientador: Prof. Ariovaldo dos Santos 30/09/14 1 ELIMINAÇÃO DO MÉTODO DE CONSOLIDAÇÃO PROPORCIONAL PARA CONTABILIZAÇÃO DOS INVESTIMENTOS EM JOINT VENTURE: QUAIS OS IMPACTOS PARA AS EMPRESAS DO MERCADO BRASILEIRO Aluna: Raquel Wille Sarquis Orientador:

Leia mais

BUSINESS TO WORLD COMPANHIA GLOBAL DO VAREJO

BUSINESS TO WORLD COMPANHIA GLOBAL DO VAREJO BUSINESS TO WORLD COMPANHIA GLOBAL DO VAREJO 4Q08 Results Conference Call Friday: March 13, 2008 Time: 12:00 p.m (Brazil) 11:00 a.m (US EDT) Phone: +1 (888) 700.0802 (USA) +1 (786) 924.6977 (other countries)

Leia mais

Visão Geral das Demonstrações Financeiras (Balanço Econômico x Balanço Patrimonial)

Visão Geral das Demonstrações Financeiras (Balanço Econômico x Balanço Patrimonial) Visão Geral das Demonstrações Financeiras (Balanço Econômico x Balanço Patrimonial) 1 Prof. Dr. Jorge Andrade Costa 15/09/2015 2 Agenda Capital Econômico para Mercados Regulados Capital Mínimo Requerimento

Leia mais

Os direitos não exercidos no fim do período de subs crição expirarão

Os direitos não exercidos no fim do período de subs crição expirarão AVISO DO EVENTO CORPORATIVO: Aumento de capital por subscrição INTELLIGENT SENSING ANYWHERE LOCALIZACAO: Lisbon N DO AVISO: LIS_20150814_00713_ALT DATA DE DISSEMINACAO: 14/08/2015 MERCADO: ALTERNEXT LISBON

Leia mais

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing Kern, Bryan; B.S.; The State University of New York at Oswego kern@oswego.edu Tavares, Tatiana; PhD;

Leia mais

BDO FLASH REPORT EXPOSURE DRAFT REVISADO SOBRE RECEITA DE CONTRATOS COM CLIENTES RESUMO

BDO FLASH REPORT EXPOSURE DRAFT REVISADO SOBRE RECEITA DE CONTRATOS COM CLIENTES RESUMO UM ALERTA DA PRÁTICA DE ASSEGURAÇÃO NACIONAL DA BDO ABRIL 2012 BDO FLASH REPORT EXPOSURE DRAFT REVISADO SOBRE RECEITA DE CONTRATOS COM CLIENTES RESUMO Em 14 de novembro de 2011, o FASB e o IASB emitiram

Leia mais

Versão: 1.0. Segue abaixo, os passos para o processo de publicação de artigos que envolvem as etapas de Usuário/Autor. Figura 1 Creating new user.

Versão: 1.0. Segue abaixo, os passos para o processo de publicação de artigos que envolvem as etapas de Usuário/Autor. Figura 1 Creating new user. Órgão: Ministry of Science, Technology and Innovation Documento: Flow and interaction between users of the system for submitting files to the periodicals RJO - Brazilian Journal of Ornithology Responsável:

Leia mais

A Importância da Informação Contabilística e do Relato Financeiro

A Importância da Informação Contabilística e do Relato Financeiro A Importância da Informação Contabilística e do Relato Financeiro Pedro Silva Ferreira Diretor do Departamento de Contabilidade e Controlo do Banco de Portugal 7 outubro 0 Lisboa XIII Conferência sobre

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

directive on private enforcement Quantification of damage & passing on

directive on private enforcement Quantification of damage & passing on directive on private enforcement uantification of damage & passing on 3rd Portuguese and Spanish Conference on Competition Law Auditório Vieira de Almeida Lisboa, 28 e 29 de Novembro de 2013 A aculdade

Leia mais

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA EAbrief: Medida de incentivo ao emprego mediante o reembolso da taxa social única EAbrief: Employment incentive measure through the unique social rate reimbursement Portaria n.º 229/2012, de 03 de Agosto

Leia mais

Efficient Locally Trackable Deduplication in Replicated Systems. www.gsd.inesc-id.pt. technology from seed

Efficient Locally Trackable Deduplication in Replicated Systems. www.gsd.inesc-id.pt. technology from seed Efficient Locally Trackable Deduplication in Replicated Systems João Barreto and Paulo Ferreira Distributed Systems Group INESC-ID/Technical University Lisbon, Portugal www.gsd.inesc-id.pt Bandwidth remains

Leia mais

AVISO DE EVENTO CORPORATIVO: BANIF BCO INTER DO FUNCHAL SA

AVISO DE EVENTO CORPORATIVO: BANIF BCO INTER DO FUNCHAL SA AVISO DE EVENTO CORPORATIVO: Aviso BANIF BCO INTER DO FUNCHAL SA LOCALIZACAO: Lisbon N DE AVISO: LIS_20130927_00754_EUR DATA DE DISSEMINACAO: 27/09/2013 MERCADO: EURONEXT LISBON AVISO DA REALIZAÇÃO DA

Leia mais

2010 Incapital Finance - 3

2010 Incapital Finance - 3 METODOLOGIAS PARA AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BELO HORIZONTE - MG Apresentação: Palestra Fusões e Aquisições Cenários e Perspectivas Valuation Metodologias e Aplicações Desenvolvimento: Índice: 1. Introdução

Leia mais

relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas

relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas Índice 01 02 Demonstrações financeiras consolidadas 6 Demonstração

Leia mais

AVISO DE EVENTO CORPORATIVO: SPORT LISBOA E BENFICA-FUTEBOL

AVISO DE EVENTO CORPORATIVO: SPORT LISBOA E BENFICA-FUTEBOL AVISO DE EVENTO CORPORATIVO: Aviso SPORT LISBOA E BENFICA-FUTEBOL LOCALIZACAO: Lisbon N DE AVISO: LIS_20150629_00549_EUR DATA DE DISSEMINACAO: 29/06/2015 MERCADO: EURONEXT LISBON AVISO DA REALIZAÇÃO DA

Leia mais

ENTENDIMENTO DOS ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE VALORAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE EMPRESAS. Domingos A. Laudisio São Paulo, 13 de dezembro de 2006

ENTENDIMENTO DOS ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE VALORAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE EMPRESAS. Domingos A. Laudisio São Paulo, 13 de dezembro de 2006 ENTENDIMENTO DOS ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE VALORAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE EMPRESAS Domingos A. Laudisio São Paulo, 13 de dezembro de 2006 No balanço real de uma empresa ativos e capacitações são financiados

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

A Teoria de Opções Reais: Uma Abordagem para Avaliar Investimentos da Indústria de Venture Capital

A Teoria de Opções Reais: Uma Abordagem para Avaliar Investimentos da Indústria de Venture Capital Rafael Campos Laskier A Teoria de Opções Reais: Uma Abordagem para Avaliar Investimentos da Indústria de Venture Capital Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

Addition of Fields in Line Item Display Report Output for TCode FBL1N/FBL5N

Addition of Fields in Line Item Display Report Output for TCode FBL1N/FBL5N Addition of Fields in Line Item Display Report Output for TCode FBL1N/FBL5N Applies to: Any business user who uses the transactions FBL1N and FBL5N to display line item reports for vendors and customers.

Leia mais

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16 Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito Unidade curricular História do Direito Português I (1º sem). Docente responsável e respectiva carga lectiva na unidade curricular Prof.

Leia mais

Redução de Volatilidade de Resultados

Redução de Volatilidade de Resultados Redução de Volatilidade de Resultados 4º. Encontro Nacional de Atuários São Paulo, 15 de Setembro de 2015 Agenda ETTJ no Brasil 20 minutos Alternativa Contábil 25 minutos Perguntas e respostas 15 minutos

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 7 Cash Flow Statements

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 7 Cash Flow Statements Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 7 Cash Flow Statements Situação: NÃO REGULAMENTADO 1. Introdução O IASB reformulou o IAS 7 em 1992, substituindo a Statement of Changes in Financial

Leia mais

Operação de Instalações Marítimas

Operação de Instalações Marítimas ENIDH, Abril 2011 Sumário 1 Steering Gear 2 Bow Thrust 3 Propeller Servo 1 Steering Gear 2 Bow Thrust 3 Propeller Servo Steering Gear System Comprises two identical hydraulic systems. Each system includes:

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

DATE July 04 th and 05 th, 2009. VENUE Ginásio Gilberto Cardoso Maracanãzinho Rua Professor Eurico Rabelo, S/Nr. Rio de Janeiro/RJ Brasil

DATE July 04 th and 05 th, 2009. VENUE Ginásio Gilberto Cardoso Maracanãzinho Rua Professor Eurico Rabelo, S/Nr. Rio de Janeiro/RJ Brasil DATE July 04 th and 05 th, 2009. VENUE Ginásio Gilberto Cardoso Rua Professor Eurico Rabelo, S/Nr Rio de Janeiro RJ Brazil ORGANIZER Confederação Brasileira de Judô Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação: uma Perspectiva de Opções Reais

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação: uma Perspectiva de Opções Reais André Fichel Nascimento Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação: uma Perspectiva de Opções Reais Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia

Leia mais

Patrimônio Líquido De acordo com o BRGAAP 4.309 23.564

Patrimônio Líquido De acordo com o BRGAAP 4.309 23.564 RECONCILIAÇÃO ENTRE AS PRÁTICAS CONTÁBEIS ADOTADAS NO BRASIL (BR GAAP) E AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE (IFRS) APLICÁVEIS AO PATRIMÔNIO LÍQUIDO E LUCRO LÍQUIDO CONSOLIDADO DO BANCO ITAÚ HOLDING

Leia mais

INTERNATIONAL CRIMINAL COURT. Article 98 TREATIES AND OTHER INTERNATIONAL ACTS SERIES 04-1119

INTERNATIONAL CRIMINAL COURT. Article 98 TREATIES AND OTHER INTERNATIONAL ACTS SERIES 04-1119 TREATIES AND OTHER INTERNATIONAL ACTS SERIES 04-1119 INTERNATIONAL CRIMINAL COURT Article 98 Agreement between the UNITED STATES OF AMERICA and CAPE VERDE Signed at Washington April 16, 2004 NOTE BY THE

Leia mais

Instrumentos financeiros - A norma completa

Instrumentos financeiros - A norma completa Instrumentos financeiros - A norma completa Mudanças nos fundamentos requerem planejamento cuidadoso Setembro de 2014, Edição 04/2014 IFRS EM DESTAQUE kpmg.com/br A nova norma irá ter um impacto significativo

Leia mais

SONAE, SGPS, SA DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA PARA OS EXERCÍCIO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010

SONAE, SGPS, SA DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA PARA OS EXERCÍCIO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 SONAE, SGPS, SA DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA PARA OS EXERCÍCIO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 (Montantes expressos em euros) ATIVO Notas 31 dezembro 2011 31 dezembro 2010

Leia mais

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2014

Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2014 Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2014 KPDS 114064 Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro

Leia mais

International Financial Reporting Standards - IFRS. Associação Brasileira de Bancos - ABBC 7 de Julho de 2009

International Financial Reporting Standards - IFRS. Associação Brasileira de Bancos - ABBC 7 de Julho de 2009 International Financial Reporting Standards - IFRS Associação Brasileira de Bancos - ABBC 7 de Julho de 2009 Novas realidades Uma nova perspectiva para a elaboração das demonstrações financeiras: Foco

Leia mais

APRESENTAÇÃO. ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410

APRESENTAÇÃO. ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410 APRESENTAÇÃO ABNT CB-3 Comitê Brasileiro de Eletricidade Comissão de Estudo CE 03:064.01 Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR 5410 Instalações elétricas de baixa tensão NBR 5410:1997 NBR 5410:2004

Leia mais

Demonstrações financeiras consolidadas em IFRS

Demonstrações financeiras consolidadas em IFRS Demonstrações financeiras consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2011 Demonstrações financeiras consolidadas Exercícios findos em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Índice 1- Relatório dos auditores independentes...

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE)

ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE) ATIVO IMOBILIZADO (GESTÃO, APURAÇÃO E CONTROLE) Ativo Imobilizado e Intangível OBJETIVOS Possibilitar a compreensão da importância da informação contábil adequada do Ativo Imobilizado e sua gestão, apuração

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática São Paulo 2010 JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

Leia mais

Ficha de unidade curricular Curso de Doutoramento

Ficha de unidade curricular Curso de Doutoramento Ficha de unidade curricular Curso de Doutoramento Unidade curricular História do Direito Português I (Doutoramento - 1º semestre) Docente responsável e respectiva carga lectiva na unidade curricular Prof.

Leia mais

Reach. Reach. A legislação européia que alcança a todos, inclusive você. The European legislation that reaches everyone, including you

Reach. Reach. A legislação européia que alcança a todos, inclusive você. The European legislation that reaches everyone, including you Reach A legislação européia que alcança a todos, inclusive você Reach The European legislation that reaches everyone, including you São Paulo, 24 de Novembro de 2011 08:45h Invitation Programa 8.45 ABERTURA

Leia mais

Sourcing Travel Management Services. Patrocinado por

Sourcing Travel Management Services. Patrocinado por Sourcing Travel Management Services Patrocinado por February 2009 Components Moderator: Ricardo Mandarino Santander, Brasil Panelists: Robert Suquet DuPont, América Latina Paulo Lima TSA, Brasil Federico

Leia mais

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho GUIÃO A 1º Momento Intervenientes e Tempos Descrição das actividades Good morning / afternoon / evening, A and B. For about three minutes, I would like

Leia mais

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio Teste Intermédio de Inglês Parte IV Interação oral em pares Teste Intermédio Inglês Guião Duração do Teste: 10 a 15 minutos De 25.02.2013 a 10.04.2013 9.º Ano de Escolaridade D TI de Inglês Página 1/ 7

Leia mais

Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water

Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water André Rauen Leonardo Ribeiro Rodnei Fagundes Dias Taiana Fortunato Araujo Taynah Lopes de Souza Inmetro / Brasil

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 37 (R1) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 37 (R1) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 37 (R1) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 1 (BV2010) Índice

Leia mais

2 Categorias Categories Todas as categorias de actividade são apresentadas neste espaço All activity categories are presented in this space

2 Categorias Categories Todas as categorias de actividade são apresentadas neste espaço All activity categories are presented in this space 1 Próximas Actividades Next Activities Visualiza as próximas actividades a ter inicio, com a indicação do tempo restante Displays upcoming activities and indicating the remaining time 2 Categorias Categories

Leia mais

Governação Novo Código e Exigências da Função Auditoria

Governação Novo Código e Exigências da Função Auditoria Novo Código e Exigências da Função Auditoria Fórum de Auditoria Interna - IPAI 19 de Junho de 2014 Direito societário e auditoria interna fontes legais 1. CSC artigo 420,º, n.º 1, i) - fiscalizar a eficácia

Leia mais

ADJUSTMENTS IN BRAZIL S ECONOMIC POLICY IN 2015 WILL LIKELY PRODUCE MORE SUSTAINABLE GDP GROWTH RATES GOING FORWARD

ADJUSTMENTS IN BRAZIL S ECONOMIC POLICY IN 2015 WILL LIKELY PRODUCE MORE SUSTAINABLE GDP GROWTH RATES GOING FORWARD PRESENTATION APIMEC BRASÍLIA ADJUSTMENTS IN BRAZIL S ECONOMIC POLICY IN 2015 WILL LIKELY PRODUCE MORE SUSTAINABLE GDP GROWTH RATES GOING FORWARD 1 1 Brasília, February, 5th 2015 Ellen Regina Steter WORLD

Leia mais

Full Ship Charter Qualification / Formulário de Fretamento de Navio

Full Ship Charter Qualification / Formulário de Fretamento de Navio Full Ship Charter Qualification / Formulário de Fretamento de Navio Qualification Completed By / Qualificação completada por: Country/Region / País/Região: Royal Caribbean LTD Lead Source & Contact Information

Leia mais

Mariana de Lemos Alves. Carro Flex Fuel: Uma Avaliação por Opções Reais. Dissertação de Mestrado

Mariana de Lemos Alves. Carro Flex Fuel: Uma Avaliação por Opções Reais. Dissertação de Mestrado Mariana de Lemos Alves Carro Flex Fuel: Uma Avaliação por Opções Reais Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo Programa de Pós- Graduação

Leia mais

Mestrado em Economia Monetária e

Mestrado em Economia Monetária e Mestrado em Economia Monetária e Financeira Ficha de Unidade Curricular Nome da Unidade Curricular (NUC) Departamento Área Científica Activa nos Planos Curriculares Estado Código da disciplina Nome (pt)

Leia mais

Histórico do setor florestal no MDL e expectativas internacionais com relação a este mecanismo de flexibilização

Histórico do setor florestal no MDL e expectativas internacionais com relação a este mecanismo de flexibilização Histórico do setor florestal no MDL e expectativas internacionais com relação a este mecanismo de flexibilização Marcelo Theoto Rocha matrocha@esalq.usp.br 1 2 O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL)

Leia mais

Certificação de software Precisa-se se de uma Política... Manuel Lousada MDIC/STI

Certificação de software Precisa-se se de uma Política... Manuel Lousada MDIC/STI Certificação de software Precisa-se se de uma Política... Manuel Lousada MDIC/STI Imagino que outros já tenham mostrado o panorama internacional... Mas pode ser interessante olhar dados recentes Recomendo

Leia mais