AGROTÓXICOS: REALIDADE BRASILEIRA E A RELAÇÃO COM A MEDICINA DE FAMILIA E COMUNIDADE. Por Ivi Tavares A.Castillero Medica de Família e Comunidade- RJ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGROTÓXICOS: REALIDADE BRASILEIRA E A RELAÇÃO COM A MEDICINA DE FAMILIA E COMUNIDADE. Por Ivi Tavares A.Castillero Medica de Família e Comunidade- RJ"

Transcrição

1 AGROTÓXICOS: REALIDADE BRASILEIRA E A RELAÇÃO COM A MEDICINA DE FAMILIA E COMUNIDADE Por Ivi Tavares A.Castillero Medica de Família e Comunidade- RJ

2 RELEVÂNCIA DO TEMA PARA SAÚDE: Aumento dos riscos dos agrotóxicos a Saúde cresce em paralelo a ampliação de seu uso e das evidências dos impactos que pode causar. Desde 2008, o Brasil se tornou o maior consumidor mundial de agrotóxicos ( SINDAG, 2009). Há cerca de 60 anos o uso de agrotóxicos vem se difundindo intensamente na agricultura, no tratamento de madeiras, construção e manutenção de estradas, domicílios e campanhas de saúde pública como malária, doença de Chagas e dengue. ( SILVA, et al, 2005).

3 RELEVÂNCIA DO TEMA PARA SAÚDE : Não é só um problema do campo. No meio urbano, por exemplo, no RJ foram registrados 12,6% de casos fatais de intoxicação pelo IML entre , com evidencias científicas de associação com agrotóxicos. (OLIVEIRA-SILVA et al, 2003) A limpeza dos alimentos não retira todo o agrotóxico, e esse já está nos solos, nas chuvas, na água e alimentos industrializados. O consumidor indireto também é atingido.

4 RELEVÂNCIA DO TEMA PARA SAÚDE: Para o setor de saúde, conhecer a classificação dos agrotóxicos quanto à ação no organismo, dependendo do grupo químico a que pertencem, é de extrema importância para prevenir os agravos decorrentes da exposição a eles, bem como para o diagnóstico das intoxicações e o tratamento adequado. Segundo OMS eles produzem a cada ano entre 3 a 5 milhões de pessoas contaminadas. ( MIRANDA, 2007)

5 COMEÇO DO USO DE VENENO MASSIVAMENTE NO MUNDO Esse uso começou a partir da segunda metade do sec. XX, com a chamada Revolução Verde, modelo de produção voltado para a expansão das agroindústrias, uso de sementes híbridas, fertilizantes e agrotóxicos, mecanização, da produção, tecnologia na irrigação, colheita e gerenciamento ( MOREIRA, 2000)

6 NO BRASIL: Plano Nacional de Desenvolvimento Agrícola PNDA, lançado em 1975, incentivava o uso de agrotóxicos, oferecendo grandes investimentos para financiar esses insumos e também ampliar a indústria de síntese. ( FIDELIS, 2006). O governo federal, desde 1997, concede isenção de 60% do ICMS, além de isenção do IPI, PIS/ PASEP e COFINS. ( TEIXEIRA, 2010). Hoje alguns estados concedem isenção fiscal de 100% ao agronegócio, ex Ceará.

7 Mercado Mundial (US$ bilhões) Vendas Brasil Vendas Mundiais

8 AGRONEGÓCIO: Articula o latifúndio, a indústria química, metalurgia, biotecnologia, capital financeiro e o mercado ( FERNANDES e WELCH, 2008) 20 grandes indústrias fabricantes de agrotóxicos no mundo, cerca de 20 bilhões de dólares ao ano. Faturamento cresce mais de 30 % desde ( SINDAG, 2009)

9 EXPOSIÇÃO HUMANA E CONSEQUENCIAS A SAÚDE: As principais vias de penetração do agrotóxico no corpo humano, em ordem crescente de importância, são: - Por ingestão - Respiração - Absorção dérmica ( OPAS, 1996) As temperaturas elevadas aumentam a volatilidade e a pressão de vapor das substâncias, assim como o esforço físico aumenta a ventilação pulmonar e a inalação. ( NOVATO-SILVA, et al,1999)

10 APLICADORES PREPARADORES DE CALDA RESPONSÁVEIS POR DEPÓSITOS TRABALHADORES DIRETOS DA LAVOURA MORADORES DE REGIÕES COM PREDOMÍNIO DO AGRONEGÓCIO PROFISSIONAIS QUE TRABALHAM COM CONTROLE DE VETORES FUNCIONÁRIOS DE EMPRESAS DEDETIZADORAS FUNCIONÁRIOS DE INDÚSTRIAS QUE FABRICAM AGROTÓXICOS TRABALHADOES QUE TRANSPORTAM E FAZEM COMÉRCIO CONSUMIDORES

11 carcinogênicos Intoxicações Efeitos reprodutivos Efeitos imunológicos Efeitos teratogênicos Efeitos neurológicos Efeitos genotóxicos Efeitos

12 CLASSIFICAÇÃO DOS AGROTÓXICOS 1) AÇÃO 2) GRUPO QUIMICO 3) TOXICIDADE CLASSE TOXICIDADE COR INDICADA NA EMBALAGEM I EXTREMAMENTE TÓXICO FAIXA VERMELHA II ALTAMENTE TÓXICA FAIXA AMARELA III MODERADAMENTE TÓXICO FAIXA AZUL IV POUCO TÓXICO FAIXA VERDE

13 COMO É VALIDADO? Pelo DL 50, que avalia a dose letal média capaz de matar a cobaia em 24 ou 48 horas. Padrão da cobaia: rato, macho, adulto. Medida frágil: pois só avalia o efeito agudo e as substâncias químicas não tem só efeito agudo. Pode ter DL50 baixo e ser super carcinogênico. Dependendo das evidências, a indústria vai ter que investigar efeitos subagudos (7 a 14 dias) ou cronicos, subcronicos. A indústria tenta não realizar outros estudos, quer aprovar logo o produto. È ruim para eles ser meio termo pois induz outras pesquisas.

14 Há 3 anos atráz eram 470 ingredientes ativos

15 Hoje são 998 ingredientes ativos!

16 CLASSIFICAÇÃO GRUPO QUIMICO SINTOMAS AGUDOS SINTOMAS CRONICOS ORGANOFOSFORA DOS -inibição de enzimas colinesterases, inibem impulso nervoso, ação SNC, hemáceas FRAQUEZA COLICAS ABDOMINAIS VOMITOS ESPASMOS CONVULSÕES EFEITOS NEUROTÓXICOS RETARDADOS ALTERAÇÕES CROMOSSOMIAIS INSETICIDAS Acumulam-se nas celulas gordurosas, biomagnificação ORGANOCLORA DOS EX DDT ( LIPOSSOLUVEIS, CONTAMINAÇÃO POR CADEIA ALIMENTAR ) NAUSEAS VOMITOS CONTRAÇÕES MUSCULARES INVOLUNTÁRIAS LESÕES HEPÁTICAS ARRITMIAS CARDIACAS LESÕES RENAIS NEUROPATIAS PERIFERICAS PTERIDÓIDES IRRITAÇÃO DE CONJUNTIVA ESPIRRO EXCITAÇÃO CONVULSÕES ALERGIAS ASMA IRRITAÇÕES DE MUCOSAS HIPERSENSIBILIDA DE

17 CLASSIFICAÇÃO GRUPO QUIMICO SINTOMAS AGUDOS SINTOMAS CRONICOS DITIOCARBA MATOS TONTEIRAS VOMITOS TREMORES MUSCULARES DOR DE CABEÇA ALERGIAS DERMATITES DOENÇA DE PARKINSON CANCERES FUNGICIDAS FENTALAMIDAS TERATOGENESE DINITROFENÓIS E PENTACLORO FENOL DIFICULDADES RESPIRATÓRIAS HIPERTERMIA CONVULSÕES CANCERES CLOROACNES

18 CLASSIFICAÇÃO GRUPO QUIMICO SINTOMAS AGUDOS SINTOMAS CRONICOS CUIDADO COM CRIANÇAS PELA COR DE COCA COLA FENOXIACÉTICOS PERDA DO APETITE ENJOO VOMITOS FASCICULAÇÃO MUSCULAR INDUÇÃO DE PRODUÇÃO DE ENZIMAS HEPÁTICAS CANCERES TERATOGENESE HERBICIDAS Paraquat: Gramoxone ; Glifosato: Round-up DIPIRIDILOS SANGRAMENTO NASAL FRAQUEZA DESMAIOS CONJUNTIVITES LESÕES HEPÁTICAS DERMATITES FIBROSE PULMONAR

19 MEDIANTE EXAMES HÁ POUCO RECURSOS UNICO MÉTODO NO SUS APLICA-SE SOMENTE AOS AGROTÓXICOS ORGANOFOSFORADOS E CARBAMATOS (SÓ ATÉ SETE DIAS APÓS A CONTAMINAÇÃO). TAMBÉM DÁ PARA DOSAR O PRINCÍPIO ATIVO DO QUAL SUSPEITA PELA HISTÓRIA CLÍNICA NO SANGUE OU NA URINA.

20 OMS: 3 milhões de intoxicações a cada ano 2/3 intencionais (suicídios e homicídios) 1/3 não intencionais (70% ocupacionais) mortes

21 AGROTÓXICOS E CANCER EM CONTRAPOSIÇÃO AOS FATORES GENÉTICOS OS FATOES AMBIENTAIS VEM TENDO CADA VEZ MAIS PARTICIPAÇÃO NO CÂNCER. EUA, CERCA DE CASOS DE CANCER ASSOCIADOS A AGROTÓXICOS. PRINCIPAIS: PULMÃO, MELANOMAS, PROSTATA, CEREBRO, TESTICULOS, SARCOMAS E LEUCEMIAS ( PIMENTEL, GRISOLIA, 2005)

22 Radiografias e aspectos morfológicos de anfíbios com malformações coletados me lagoas e córregos em Lucas do Rio Verde MT, em 2009 Ectromelia do Tibulare-fibulare em Rhinella schneideri. 2a- Aspecto radiográfico; 2b- Vista ventral; 2c- Vista dorsal; 2d- Vista geral. Rodrigues et al Congr Bras de Herpetologia Fonte: UFMT/Bio/Motti, 2010; in Moreira et al. 2010/CNPq A literatura científica nos informa que malformações em anfíbios podem ocorrer por vários fatores ambientais (radiação ultravioleta, ação de parasitos e agrotóxicos).

23 AGROTÓXICOS E CANCER ORGANOCLORADOS PRINCIPAIS COMO POSSIVELMENTE CANCERIGENOS PARA ESPECIE HUMANA. ( AGENCIA INTERNACIONAL D EPESQUISA DE CANCER) DDT E CA DE MAMA, TEM REVISÃO RECENTE LINFOMAS ( PP FOLICULAR) GANHAM GRANDE IMPORTANCIA NAS PESQUISAS MAIS RECENTES - HERBICIDAS

24 AGROTÓXICOS E DESREGULAÇÃO ENDÓCRINA ENTRE OS AGROTÓXICOS A AQUELES QUE MIMETIZAM HRS OU POSSUEM ATIVIDADE DE DESREGULAÇÃO ENDÓCRINA, ESPECIALMENTE COM PROPRIEDADES ESTROGENICAS OU DE HORMONIOS TIREOIDIANOS. ANORMALIDADES GENITAIS EM CRIANÇAS CA DE TESTICULO ENDOMETRIOSE

25 NORMALMENTE ACONTECE AO LONGO DE VÁRIOS ANOS A TOXICIDADE DA MISTURA NÃO É IGUAL A SOMA DAS ATIVIDADES TÓXICAS. PODE SER MAIS GRAVE DO QUE SEPARADAMENTE.

26 E QUANDO OS ATINGIDOS NÃO SÃO TRABALHADORES RURAIS? Em 03 de maio de 2013, um avião agrícola despejou inseticida sobre uma escola em Rio Verde, Goiás. 38 pessoas foram intoxicadas, das quais 36 eram crianças. Segundo a matéria: 122 crianças estavam na escola no momento do incidente, por volta das 10h. Dezenas delas começaram a apresentar coceira, náuseas e dor de cabeça e foram levadas ao hospital.

27 Indios Xavantes e uma chuva de agrotóxicos

28

29 agricultura acidente rural ampliado ou poluição intencional por agrotóxicos e fertilizantes químicos

30 monoculturas de soja e milho Lucas do Rio Verde - MT Fonte: Acidente rural ampliado: o caso da chuva de agrotóxicos sobre a cidade de Lucas do Rio Verde MT; em março 2006 Pignati, Machado, Cabral; Ciência & Saúde Coletiva, 12(1): , 2007

31 DESAFIOS A MFC: REDEFINIR FORMAS DE ATUAR NA COMPREENSÃO DO TERRITÓRIO. IDENTIFICAR A EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL OU AMBIENTAL CARACTERIZAR ESSA EXPOSIÇÃO NOTIFICAR SUSPEITAS, COLOCAR NO RELATO A OCUPAÇÃO É MUITO IMPORTANTE PARA A EPIDEMIOLOGIA.

32 DESAFIOS A MFC: MELHORAR O ACESSO DESSES TRABALHADORES AOS SERVIÇOS DE SAÚDE LIDAR COM A CONTRAINFORMAÇÃO PRODUZIDA PELAS EMPRESAS ESCASSEZ E ALTO CUSTO DE BIOMARCADORES. USO SIMULTANEO A DIVERSOS AGROTÓXICOS DIFICULTA DIAGNÓSTICOS.

33 DESAFIOS A MFC: PARCERIA E INCENTIVO A AMPLIAÇÃO DOS CEREST ( CENTROS DE REFERENCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR) PARCERIAS, PESQUISA- AÇÃO COM MORADORES

34 REGISTRO DE AGROTÓXICOS REAVALIAÇÃO EMPRESA SOLICITA REGISTRO MAPA ANVISA SIA IBAMA Dossiê Agronômico Conclusões agronômicas Dossiê Toxicológico Conclusões toxicológicas Dossiê Ambiental Conclusões ambientais Dados de impacto na população Resultado do Pleito RESTRIÇÃO ou EXCLUSÃO COMERCIALIZAÇÃO

35 RDC 10, de 26 de fevereiro de 2008 Ingredientes ativos em reavaliação desde fevereiro 2008 Cyhexatina - alta toxicidade aguda, suspeita de carcinogenicidade para seres humanos, toxicidade reprodutiva e neurotoxicidade Acefato - neurotoxicidade, suspeita de carcinogenicidade e de toxicidade reprodutiva e a necessidade de revisar a Ingestão Diária Aceitável Glifosato- utilização, intoxicação, solicitação de revisão da Ingesta Diária Aceitável (IDA) por empresa registrante, necessidade de controle de impurezas do produto técnico e possíveis efeitos toxicológicos adversos

36 Ingredientes ativos em reavaliação desde fevereiro 2008 Abamectina - toxicidade aguda e suspeita de toxicidade reprodutiva do IA e de seus metabólitos Lactofem - carcinogênico para humanos Triclorfom - neurotoxicidade, potencial carcinogênico e toxicidade reprodutiva Parationa Metílica - neurotoxicidade, suspeita de desregulação endócrina, mutagenicidade e carcinogenicidade

37 Ingredientes ativos em reavaliação desde fevereiro 2008 Metamidofós - alta toxicidade aguda e neurotoxicidade Fosmete neurotoxicidade Carbofurano - alta toxicidade aguda, suspeita de desregulação endócrina Forato - alta toxicidade aguda e neurotoxicidade

38 Ingredientes ativos a serem reavaliados em 2008 Paraquate - alta toxicidade aguda e toxicidade crônica Tiram - estudos demonstram mutagenicidade, toxicidade reprodutiva e suspeita de desregulação endócrina Endossulfam - alta toxicidade aguda, suspeita de desregulação endócrina e toxicidade reprodutiva Peixes mortos no rio / Foto: Felipe de Souza / Diário do Vale nov/2008

39 Modelo Tecnocrático de Decisão GOVERNO EMPRESAS ACADEMIA SOCIEDADE Pelaez, 2009

40 Como superar as estratégias? Modelo Democrático de Decisão. Indústria Estado Fóruns de discussões e controle social Universidades, IP Sociedade Pelaez, 2009

41 REALIDADE APÓS MAIS DE 60 ANOS DE USO: Embora tenha havido um aumento significativo da produtividade, é importante salientar que este não resolveu o problema da fome no mundo: boa parte dos excedentes são commoditties e a fome segue assolando cerca de 1 bilhão de seres humanos no mundo ( PNUD 2004)

42 A MODERNIZAÇÃO AGRÍCOLA PRODUZ DESENVOLVIEMNTO, TRABALHO E SAÚDE? Esse sistema ampliou a monocultura, a concentração de terras, de renda e de poder político dos grandes produtores. Elevou também a intensidade do trabalho, a migração campo-cidade e o desemprego rural. ( REZENDE,2005;PORTO E MILANEZ, 2009) GERA DOENÇAS, MORTES... E TEMOS ALTERNATIVAS VIÁVEIS DE PRODUÇÃO A ESSE MODELO. UMA OUTRA CONVERSA!!!

43 Obrigada! CONTATO:

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS CEREST ESTADUAL Enfª do Trabalho: Thaysa Zago CLASSIFICAÇÃO Inseticidas ou praguicidas: combatem insetos; Fungicidas: atingem os fungos; Herbicidas: matam as plantas

Leia mais

Leticia Rodrigues da Silva Gerência Geral de Toxicologia

Leticia Rodrigues da Silva Gerência Geral de Toxicologia Reavaliação de Agrotóxicos no Brasil Leticia Rodrigues da Silva Gerência Geral de Toxicologia Bases para a Reavaliação Lei 7.802/89 Quando organizações internacionais responsáveis pela saúde, alimentação

Leia mais

Impactos dos Agrotóxicos sobre a Saúde Humana Karen Friedrich

Impactos dos Agrotóxicos sobre a Saúde Humana Karen Friedrich Impactos dos Agrotóxicos sobre a Saúde Humana Karen Friedrich INCQS/FIOCRUZ Agosto/2014 CENÁRIO NACIONAL - Brasil maior mercado mundial de agrotóxicos desde 2008 (ANVISA) - U$ 7,3 bilhões em 2010; U$ 8,5

Leia mais

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico?

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? Dica de Bolso Agrotóxicos O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? 12 1 O QUE SÃO AGROTÓXICOS? Agrotóxicos, também chamados de pesticidas, praguicidas, biocidas, fitossanitários,

Leia mais

POSICIONAMENTO DO INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA ACERCA DOS AGROTÓXICOS

POSICIONAMENTO DO INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA ACERCA DOS AGROTÓXICOS POSICIONAMENTO DO INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA ACERCA DOS AGROTÓXICOS O Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), órgão do Ministério da Saúde, tem como

Leia mais

AGROTÓXICOS: UM GRAVE PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA. V Jornada em Saúde do Trabalhador- Ijuí - 2015

AGROTÓXICOS: UM GRAVE PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA. V Jornada em Saúde do Trabalhador- Ijuí - 2015 AGROTÓXICOS: UM GRAVE PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA V Jornada em Saúde do Trabalhador- Ijuí - 2015 Brasil campeão do mundo no uso de agrotóxicos e quem paga a conta é você! Nome Sobrenome Divisão (sigla)

Leia mais

Controvérsias sobre agrotóxicos no Brasil. Leticia Rodrigues da Silva Brasília, 20 de setembro de 2012

Controvérsias sobre agrotóxicos no Brasil. Leticia Rodrigues da Silva Brasília, 20 de setembro de 2012 Controvérsias sobre agrotóxicos no Brasil Leticia Rodrigues da Silva Brasília, 20 de setembro de 2012 Algum mau-olhado fôra atirado àquela comunidade. Por tôda parte se via uma sombra de morte. Os lavradores

Leia mais

AGROTÓXICOS USO E CONSUMO NO BRASIL GERÊNCIA GERAL DE TOXICOLOGIA

AGROTÓXICOS USO E CONSUMO NO BRASIL GERÊNCIA GERAL DE TOXICOLOGIA AGROTÓXICOS USO E CONSUMO NO BRASIL GERÊNCIA GERAL DE TOXICOLOGIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Abril de 2014 AGROTÓXICOS Definição legal Substância ou mistura de substâncias que atua sobre

Leia mais

AGROTÓXICOS E SAÚDE. Yamira Rodrigues - CCC Coletivo de Comunicação da Campanha

AGROTÓXICOS E SAÚDE. Yamira Rodrigues - CCC Coletivo de Comunicação da Campanha AGROTÓXICOS E SAÚDE Yamira Rodrigues - CCC Coletivo de Comunicação da Campanha Uma das matérias mais comentadas na nossa página no facebook foi com relação às amostras de alimentos com resíduos de agrotóxicos.

Leia mais

O VENENO ESTA NA MESA: MODELO DE ALIMENTAÇÃO, AGRICULTURA E SAÚDE NO BRASIL

O VENENO ESTA NA MESA: MODELO DE ALIMENTAÇÃO, AGRICULTURA E SAÚDE NO BRASIL O VENENO ESTA NA MESA: MODELO DE ALIMENTAÇÃO, AGRICULTURA E SAÚDE NO BRASIL Marilia Carla de Mello Gaia 1 Qual a primeira coisa que nos vem à cabeça quando nos deparamos com as lindas frutas e legumes

Leia mais

TOXICOLOGIA DOS PRINCIPAIS GRUPOS DE AGROTÓXICOS

TOXICOLOGIA DOS PRINCIPAIS GRUPOS DE AGROTÓXICOS TOXICOLOGIA DOS PRINCIPAIS GRUPOS DE AGROTÓXICOS I Extremamente tóxico II III Altamente tóxico Medianamente tóxico Classificação toxicológica IV Pouco tóxico ATENÇÃO!!! Não existe produto NÃO tóxico Inseticidas

Leia mais

Agrotóxicos. Raquel Maria Rigotto 1

Agrotóxicos. Raquel Maria Rigotto 1 Agrotóxicos Raquel Maria Rigotto 1 Desde a Antiguidade clássica agricultores desenvolvem maneiras de lidar com insetos, plantas e outros seres vivos que se difundem nos cultivos, competido pelo alimento.

Leia mais

03 de Dezembro: Dia Internacional de Não Uso de Agrotóxicos

03 de Dezembro: Dia Internacional de Não Uso de Agrotóxicos 03 de Dezembro: Dia Internacional de Não Uso de Agrotóxicos Por ocasião do dia 3 de dezembro, data em que se celebra o Dia Internacional do Não Uso dos Agrotóxicos, a Campanha Permanente contra os Agrotóxicos

Leia mais

TOXICIDADE DO AGROTÓXICO BENZOATO DE EMAMECTINA E O PAPEL DA AGENCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA-ANVISA

TOXICIDADE DO AGROTÓXICO BENZOATO DE EMAMECTINA E O PAPEL DA AGENCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA-ANVISA TOXICIDADE DO AGROTÓXICO BENZOATO DE EMAMECTINA E O PAPEL DA AGENCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA-ANVISA WÉLTIMA TEIXEIRA CUNHA SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA DIRETORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE AGROTOXICOS NO BRASIL 2003-2007

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE AGROTOXICOS NO BRASIL 2003-2007 EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE AGROTOXICOS NO BRASIL 2003-2007 Resumo com base em dados publicados pela Andef- Associação Nacional das Empresas de Defensivos Agrícolas (ORGANIZADOS pelo Diretor executivo da ANDEF

Leia mais

METAIS PESADOS NO AMBIENTE. PRINCIPAIS : Hg, Pb, Cd, As (USO EXTENSIVO, TOXICIDADE, LARGA DISTRIBUIÇÃO, OCORRÊNCIA FREQUENTE DE NÍVEIS TÓXICOS.

METAIS PESADOS NO AMBIENTE. PRINCIPAIS : Hg, Pb, Cd, As (USO EXTENSIVO, TOXICIDADE, LARGA DISTRIBUIÇÃO, OCORRÊNCIA FREQUENTE DE NÍVEIS TÓXICOS. METAIS PESADOS NO AMBIENTE PRINCIPAIS : Hg, Pb, Cd, As (USO EXTENSIVO, TOXICIDADE, LARGA DISTRIBUIÇÃO, OCORRÊNCIA FREQUENTE DE NÍVEIS TÓXICOS. COMPORTAMENTO NO AMBIENTE: NÃO SÃO DEGRADÁVEIS? ACUMULAM NO

Leia mais

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais.

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais. SEMEANDO A (IN) SUSTENTABILIDADE: DISCUSSÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE INSUMOS QUÍMICOS NA AGRICULTURA Autora: Doris Sayago 1 Instituição: Centro de Desenvolvimento Sustentável CDS/UnB Palavras chave: sustentabilidade,

Leia mais

Ficha de segurança DDVP ROGAMA 1000 CE

Ficha de segurança DDVP ROGAMA 1000 CE Rev. 00 18/07/06 Ficha de segurança 1. Identificação do Produto e da Empresa DDVP ROGAMA 1000 CE Empresa ROGAMA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. Av. Alexandrina das Chagas Moreira, 964, Distrito Industria Pindamonhangaba

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: A QUESTÃO DOS AGROTÓXICOS

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: A QUESTÃO DOS AGROTÓXICOS SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: A QUESTÃO DOS AGROTÓXICOS Giselle Freitas Nutricionista CRN1-576 Especialista em Saúde Pública USP Especialista em Consultoria Alimentar e Nutricional UFG Fiscal de Saúde Pública

Leia mais

Excelentíssima Senhora Presidenta da República,

Excelentíssima Senhora Presidenta da República, Brasília, 1º de julho de 2013 E.M. nº 003-2013/CONSEA Excelentíssima Senhora Presidenta da República, O Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA), reunido em plenária no dia 19 de

Leia mais

Avaliação da toxicidade

Avaliação da toxicidade Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/10 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial: ITA Anti Espumante. Nome químico do principal componente: Cola Coqueiro Granulada. Código interno de identificação do produto: ITA1228.

Leia mais

PERÍODO DE CARÊNCIA E LIMITE MÁXIMO DE RESÍDUO LUIZ ROBERTO PIMENTEL TREVIZAN

PERÍODO DE CARÊNCIA E LIMITE MÁXIMO DE RESÍDUO LUIZ ROBERTO PIMENTEL TREVIZAN PERÍODO DE CARÊNCIA E LIMITE MÁXIMO DE RESÍDUO LUIZ ROBERTO PIMENTEL TREVIZAN INTRODUÇÃO APESAR DO GRANDE PROGRESSO EM TÁTICAS DE CONTROLE NÃO QUÍMICO, OS PESTICIDAS AINDA SÃO INDISPENSÁVEIS PARA ALIMENTAR

Leia mais

IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL

IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL ATUALMENTE O BRASIL É O 1º CONSUMIDOR MUNDIAL DE AGROTÓXICOS E A BAHIA OCUPA O 7º LUGAR ENTRE OS ESTADOS DA FEDERAÇÃO IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL Vamos conhecer mais

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Informe Técnico nº 1 MERCÚRIO METÁLICO Diante da exposição por Mercúrio metálico de moradores do Distrito de Primavera, Município de Rosana, SP, a DOMA/CVE presta o seguinte Informe Técnico. Breve histórico

Leia mais

A PRODUÇÃO DE TABACO E AS DOENÇAS QUE AFETAM OS AGRICULTORES PELA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL.

A PRODUÇÃO DE TABACO E AS DOENÇAS QUE AFETAM OS AGRICULTORES PELA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESENVOLVIMENTO RURAL - PLAGEDER PAULO CESAR LOPES BECK A

Leia mais

Alexandre de Sene Pinto

Alexandre de Sene Pinto Alexandre de Sene Pinto transformação Crise dos alimentos Perdas na produção por fatores ambientais Crise dos alimentos Países estão comendo mais: China, Índia e Brasil Áreas agrícolas 450.000 Área (ha)

Leia mais

Efeitos do mercúrio na saúde e no meio ambiente Prof. Eloisa Dutra Caldas I Seminário Saúde Sem Mercúrio em Brasília Brasília, 16 de abril de 2013

Efeitos do mercúrio na saúde e no meio ambiente Prof. Eloisa Dutra Caldas I Seminário Saúde Sem Mercúrio em Brasília Brasília, 16 de abril de 2013 Universidade de Brasília Efeitos do mercúrio na saúde e no meio ambiente Prof. Eloisa Dutra Caldas I Seminário Saúde Sem Mercúrio em Brasília Brasília, 16 de abril de 2013 Século IX Mercúrio Amaciar pele

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 13

CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 13 CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 13 PESTICIDAS EM ÁGUAS Prof. Dr. Roque Passos Piveli 1 AULA 13 - PESTICIDAS EM ÁGUAS 1. Introdução De acordo com a Lei Federal n o 7802

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico SULFATO DE COBALTO

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico SULFATO DE COBALTO Página 1 de 7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa/Fornecedor: Endereço: Resimapi Produtos Químicos Ltda Av. Osaka, 800 Arujá São Paulo. Telefone da Empresa: (xx11)

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Pág. 1/6 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Nome do produto: REVESTIMENTO FOSFATADO PÓ Cód. Interno de Identificação do Produto: Nome da Empresa:

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: Cloreto de Níquel Solução 80%

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: Cloreto de Níquel Solução 80% 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Nome comercial: Cloreto de Níquel Solução 80% Código interno de identificação do produto: A022 Nome da Empresa: Endereço: Estrada Municipal Engenheiro Abílio Gondin

Leia mais

CARTA DE SANTO ANDRÉ SOBRE AGROTÓXICOS

CARTA DE SANTO ANDRÉ SOBRE AGROTÓXICOS 1 1 1 1 1 0 1 0 1 CARTA DE SANTO ANDRÉ SOBRE AGROTÓXICOS Os participantes da Audiência Pública Contaminação por agrotóxicos nos alimentos em Santo André, promovida pela Defensoria Pública do Estado de

Leia mais

Avanços e Desafios. Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA. Gerência Geral de Toxicologia

Avanços e Desafios. Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA. Gerência Geral de Toxicologia Gerência Geral de Toxicologia Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA Avanços e Desafios Carlos Alexandre Oliveira Gomes Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária Gerência

Leia mais

Agrotóxicos e seus Reflexos na Saúde

Agrotóxicos e seus Reflexos na Saúde Introdução Naara Ferreira Nicole Giacomolli Patrícia Guimarães Rosemere Gonçalves Agrotóxicos e seus Reflexos na Saúde De acordo com a legislação vigente, agrotóxicos são produtos e agentes de processos

Leia mais

SITUAÇÃO DO MERCADO DE AGROTÓXICOS NO MUNDO E NO BRASIL

SITUAÇÃO DO MERCADO DE AGROTÓXICOS NO MUNDO E NO BRASIL SITUAÇÃO DO MERCADO DE AGROTÓXICOS NO MUNDO E NO BRASIL - Fontes oficiais de diversos estudos realizados por: BNDES, FIESP, SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS, DIEESE E ANVISA CAMPANHA NACIONAL

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

USO DE AGROTÓXICO NO PERÍMETRO IRRIGADO VÁRZEAS DE SOUSA (PIVAS) - PB

USO DE AGROTÓXICO NO PERÍMETRO IRRIGADO VÁRZEAS DE SOUSA (PIVAS) - PB Raisa Maria de Sousa Regala UFPB raisa.mar@hotmail.com Emilia de Rodat Fernandes Moreira UFPB erodat@hotmail.com USO DE AGROTÓXICO NO PERÍMETRO IRRIGADO VÁRZEAS DE SOUSA (PIVAS) - PB INTRODUÇÃO Este trabalho

Leia mais

Saúdee Trabalho. Raphael Mendonça Guimarães, Ph.D

Saúdee Trabalho. Raphael Mendonça Guimarães, Ph.D Saúdee Trabalho Raphael Mendonça Guimarães, Ph.D TRABALHADORES X POPULAÇÃO GERAL Saúde do Trabalhador Medicina do Trabalho; Saúde Ocupacional; Saúde do Trabalhador. Exposição ambiental X Exposição ocupacional

Leia mais

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA Gerência Geral de Toxicologia Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA Rejeane Gonçalves Silva Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária Gerência Geral de Toxicologia Goiânia,

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico DPG. DPG (Difenilguanidina) Acelerador DPG. Principal uso como acelerador de vulcanização.

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico DPG. DPG (Difenilguanidina) Acelerador DPG. Principal uso como acelerador de vulcanização. Folha: 1 / 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Principais usos recomendados: (Difenilguanidina) Acelerador Principal uso como acelerador de vulcanização. Cas number:

Leia mais

Campanha permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

Campanha permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida Campanha permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida 13 de novembro de 2014 IX Seminário de Pesquisa do IMS/UERJ Agrotóxicos no Brasil: resistências, alternativas e reflexões sobre a ciência Alan Tygel

Leia mais

Conselhos para Colaboradores e Parceiros da Securitas Portugal securitas.pt

Conselhos para Colaboradores e Parceiros da Securitas Portugal securitas.pt Security, Health and Safety Conselhos para Colaboradores e Parceiros da Securitas Portugal securitas.pt O Regulamento (CE) 1272/2008 CLP (classificação, rotulagem e embalagem) harmoniza a legislação comunitária

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página 1 de 6 FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Em conformidade com NBR 14725-4/2012 FISPQ n : 223/14 Data: 01/09/14 Revisão: 0 Data Rev.: 01/09/14 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS. Nome do produto: Paratest Formalina 5 Data da última revisão: 18.08.2014

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS. Nome do produto: Paratest Formalina 5 Data da última revisão: 18.08.2014 FISPQ nº: 001 página: 01/05 SEÇÃO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA - NOME DO PRODUTO: PARATEST FORMALINA 5 - CÓDIGO INTERNO DE IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: 1500; 1660; 2096; 2559; 2092; 2928; 2929;

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos PENETROL CUPIM

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos PENETROL CUPIM 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Nome da empresa: Otto Baumgart Ind. e Com. S/A Endereço: Rua Coronel Marcílio Franco, 1063 São Paulo S.P. Telefone da empresa: (11) 6902-5522 Telefone

Leia mais

Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Preventiva Disciplina Saúde e Trabalho

Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Preventiva Disciplina Saúde e Trabalho Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Preventiva Disciplina Saúde e Trabalho Neurotoxicologia Dra Angelica dos Santos Vianna 18 e 19 novembro 2010 Neurotoxicidade (Medronho

Leia mais

Sob condições normais de uso não deve apresentar riscos significativos à saúde. Não se espera nenhum efeito sobre o meio ambiente

Sob condições normais de uso não deve apresentar riscos significativos à saúde. Não se espera nenhum efeito sobre o meio ambiente 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Lubrificante para corrente Código interno de identificação 00.00.000.000 Nome da empresa Endereço Aeroflex Indústria de Aerosol Ltda. Rod. BR 116

Leia mais

Profa. Dra. Adriana Gioda Pontifícia Universidade Católica PUC-Rio agioda@puc-rio.br

Profa. Dra. Adriana Gioda Pontifícia Universidade Católica PUC-Rio agioda@puc-rio.br Profa. Dra. Adriana Gioda Pontifícia Universidade Católica PUC-Rio agioda@puc-rio.br } Os contaminantes do ar de ambientes de interiores podem causar danos a saúde dos ocupantes. } Em muitos ambientes

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 Folha: 1 / 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Principais usos recomendados: Master de acelerador de vulcanização de borracha MBTS-80. Acelerador de vulcanização;

Leia mais

Riscos de contaminação e impacto ambiental

Riscos de contaminação e impacto ambiental Um informativo do Centro Estadual de Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado da Saúde, da EMATER, do Centro de Informações Toxicológicas da Fundação Estadual de Produção e Pesquisa em Saúde, da Secretaria

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 00 REVISÃO: 10/2014 PÁGINA 1/5 INDUCOLA A

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 00 REVISÃO: 10/2014 PÁGINA 1/5 INDUCOLA A FISPQ 00 REVISÃO: 10/2014 PÁGINA 1/5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Inducola A Código interno: 5003 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br Endereço:

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

HI 701-25 Reagente para Cloro Livre

HI 701-25 Reagente para Cloro Livre Data de revisão: 2013-07-15 Motivo da Revisão: Conformidade com o Regulamento (CE) No. 1272/2008 SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/MISTURA E DA SOCIEDADE/EMPRESA HI 701-25 Identificador do produto:

Leia mais

PROPOSTA DE ELABORAÇÃO ESCOPO. Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas Intoxicação por Agrotóxicos

PROPOSTA DE ELABORAÇÃO ESCOPO. Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas Intoxicação por Agrotóxicos PROPOSTA DE ELABORAÇÃO ESCOPO Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas Intoxicação por Agrotóxicos Novembro/2015 1 APRESENTAÇÃO A presente proposta de elaboração de Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas

Leia mais

Intoxicações. Suporte às funções vitais (respiração e circulação).

Intoxicações. Suporte às funções vitais (respiração e circulação). Intoxicações Quando estiver em casa, dê uma olhada no seu armário de medicamentos. Vá até a área de serviço e conte quantos produtos de limpeza existem lá. Imagine a felicidade de uma criança ao deparar-se

Leia mais

Acido Crômico Anidro FISPQ nº: 0007 Ultima Revisão: 08/11/2014

Acido Crômico Anidro FISPQ nº: 0007 Ultima Revisão: 08/11/2014 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto : Código do produto : 0007 Empresa : Jenifer Martins de Souza (MV Química / Lubrificantes Brasil) Rua José Carlos, 44 Jandira - SP Cep: 06608-330

Leia mais

1. Identificação do Produto e da Empresa. 2. Composição e informações sobre os ingredientes. 3. Identificação de Perigos

1. Identificação do Produto e da Empresa. 2. Composição e informações sobre os ingredientes. 3. Identificação de Perigos 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Nome da Empresa: Bayer Health Care - Área AH Endereço: Rua Domingos Jorge, 1000 - Socorro, CEP 04779-900, São Paulo - SP. Telefone: (11) 5694-5166 Telefone

Leia mais

agricultura familiar Os agrotóxicos e a

agricultura familiar Os agrotóxicos e a ideias 11 Os agrotóxicos e a agricultura familiar Após o advento da Revolução Industrial, a agricultura passou a incorporar uma série de inovações; entre elas, o uso de implementos e insumos agrícolas,

Leia mais

NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA

NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA ISONIAZIDA + RIFAMPICINA D.C.B. 05126.01-0 FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA é apresentado em: Cápsulas duras, para ADMINISTRAÇÃO ORAL,

Leia mais

EXPOSIÇÃO HUMANA E AMBIENTAL À AGROTÓXICOS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

EXPOSIÇÃO HUMANA E AMBIENTAL À AGROTÓXICOS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EXPOSIÇÃO HUMANA E AMBIENTAL À AGROTÓXICOS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIFUSÃO DO USO DE AGROTOXICOS 1ª Guerra Mundial organoclorados 1910/1914 Cultura do Café Região Sudeste e Sul década de 1920/1940

Leia mais

FICHADE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUíMICO. Jimo Dedetizador

FICHADE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUíMICO. Jimo Dedetizador @81110 1.1dentificação do produto e da empresa Nome do Produto Classe de uso Inseticida Domissanitário. Nome da empresa registrante Jimo Química Industrial Ltda. Endereço Telefone da empresa Telefone de

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Produto : NO-RUST D - Data da Atualização: 22/01/2014 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Empresa: R. Pref. Eurípedes de Siqueira, n.º 36 Distrito

Leia mais

AGROTÓXICOS: UM PROBLEMA INVISIBILIZADO.

AGROTÓXICOS: UM PROBLEMA INVISIBILIZADO. CARTILHA DE ESTUDO PARA A MILITÂNCIA. AGROTÓXICOS: UM PROBLEMA INVISIBILIZADO. Elaboração: Cleber Adriano Rodrigues Folgado MOVIMENTO DOS PEQUENOS AGRICULTORES -MPA CLOC - VIA CAMPESINA / BRASIL Brasília

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE HORTICULTURA XXVIII

INSTITUTO BRASILEIRO DE HORTICULTURA XXVIII XXVIII Congresso Brasileiro de Agronomia FRUTAS, HORTALIÇAS E A SEGURANÇA DOS ALIMENTOS: Dados de uma realidade para embasar o Receituario Agronômico. Eng. Agrônomo Ossir Gorenstein Cuiabá, 21 de novembro

Leia mais

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006.

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. Aspectos do biomonitoramento da toxicidade perinatal pelos agroquímicos Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. A contaminação ambiental por agroquímicos pode causar efeitos negativos aos recursos naturais

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página: 1 de 5 FISPQ Nº: 037 Data da última revisão: 26/10/2010 Nome do Produto: Betugrout 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Betugrout Código do Produto: 026050025. Nome da Empresa:

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Viabom 50 mg comprimidos Dimenidrinato APROVADO EM Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento pode ser adquirido

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Quimicos

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Quimicos Pág. 1/8 Ficha de Informação de Segurança de Produtos Quimicos 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: SHOOT Código do Produto: 101.012 Nome da Empresa: ROGAMA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA.

Leia mais

ENVENENADOS REPORTAGEM TIAGO MALI

ENVENENADOS REPORTAGEM TIAGO MALI ENVENENADOS REPORTAGEM TIAGO MALI DESCAMINHO DA ROÇA: Após a escola ter sido banhada por agrotóxicos, Iturival Cruvinel e sua filha, Sara, apresentaram problemas de saúde TODOS OS ANOS, MILHARES DE HABITANTES

Leia mais

Intoxicações por agrotóxicos no Brasil: o papel da vigilância em saúde

Intoxicações por agrotóxicos no Brasil: o papel da vigilância em saúde PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA Intoxicações por agrotóxicos no Brasil: o papel da vigilância em saúde Ysis Martins Aquino¹ Daniela Buosi Rohlfs²

Leia mais

SABONETE LÍQUIDO NEUTRO

SABONETE LÍQUIDO NEUTRO SABONETE LÍQUIDO NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Fornecedor: SABONETE LÍQUIDO NEUTRO Bluecare do Brasil Indústria e Comércio Ltda. CNPJ.: 94.003.753/0001-02 Endereço: Rua

Leia mais

Alex Luiz Pereira. www.coopermiti.com.br

Alex Luiz Pereira. www.coopermiti.com.br Alex Luiz Pereira www.coopermiti.com.br Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrônicos (REEE) Chumbo provavelmente, o elemento químico mais perigoso; acumulam-se nos ossos, cabelos, unhas, cérebro, fígado

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ Produto: ULTRACRIL SOLUÇÃO ACRÍLICA Página 1 de 6 1 Informação do Produto e da Empresa Nome do Produto: ULTRACRIL SOLUÇÃO ACRÍLICA Fornecedor Nome: Ultralub Química Ltda. Endereço: Estrada dos Crisântemos,

Leia mais

RISCOS À SAÚDE DOS TRABALHADORES NA EXPOSIÇÃO AOS AGROTÓXICOS

RISCOS À SAÚDE DOS TRABALHADORES NA EXPOSIÇÃO AOS AGROTÓXICOS RISCOS À SAÚDE DOS TRABALHADORES NA EXPOSIÇÃO AOS AGROTÓXICOS 1) UTILIZAÇÃO DE AGROTÓXICOS EM CULTURAS ERRADAS Em Gramorezinho, foram encontrados os compostos DIMETHOATE e IMIDACLOPRID O DIMETHOATE sequer

Leia mais

PLANTAS TÓXICAS EM PASTAGENS

PLANTAS TÓXICAS EM PASTAGENS PLANTAS TÓXICAS EM PASTAGENS No Brasil uma das principais causas da mortalidade em ruminantes acontece devido a ingestão de plantas tóxicas. Define-se planta tóxica como qualquer vegetal que quando ingerido

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR MOR ACELERADOR MOR ACELERADOR MOR. Acelerador de vulcanização

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR MOR ACELERADOR MOR ACELERADOR MOR. Acelerador de vulcanização Folha: 1 / 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Principais usos recomendados: Acelerador de vulcanização Cas number: 102-77-2 Empresa: Endereço: Basile Química Ind.

Leia mais

www.vivasustentavel.eco.br facebook.com/vivasustentavel.eco.br

www.vivasustentavel.eco.br facebook.com/vivasustentavel.eco.br CICLO DOS ALIMENTOS Ter uma alimentação saudável é fundamental para a saúde. Na feira, padaria ou no supermercado, devemos escolher os melhores legumes e frutas, pães frescos, leite e outros produtos de

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS PARA CASOS DE DVE. Maria Inês Pinheiro Costa

GESTÃO DE RISCOS PARA CASOS DE DVE. Maria Inês Pinheiro Costa GESTÃO DE RISCOS PARA CASOS DE DVE Maria Inês Pinheiro Costa O problema... O problema... Podemos afirmar? Não há nenhum caso suspeito ou confirmado da doença no país. Anvisa e Ministério recomendaram mais

Leia mais

A Regulação e o Mercado de Agrotóxicos no Brasil. José Agenor Alvares da Silva Diretor da ANVISA

A Regulação e o Mercado de Agrotóxicos no Brasil. José Agenor Alvares da Silva Diretor da ANVISA A Regulação e o Mercado de Agrotóxicos no Brasil José Agenor Alvares da Silva Diretor da ANVISA Agrotóxicos Por que regular? Agrotóxicos Art. 2º Lei 7.802/89 consideram-se agrotóxicos e afins: a) os produtos

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ Página 1 de 8 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Detergente Concentrado Oirad - Código interno de identificação do produto: LG 010 - Produto Notificado na ANVISA / MS: - Nome da

Leia mais

AGROTÓXICOS NO BRASIL um guia para ação em defesa da vida

AGROTÓXICOS NO BRASIL um guia para ação em defesa da vida AGROTÓXICOS NO BRASIL um guia para ação em defesa da vida Flavia Londres Realização ANA - Articulação Nacional de Agroecologia RBJA - Rede Brasileira de Justiça Ambiental 2011 Rio de Janeiro A AS-PTA e

Leia mais

Produto: Denvercril RA701 Nº FISPQ: 079 Revisão: 00. Denver Indústria e Comércio Ltda. denver.resinas@denverresinas.com.br

Produto: Denvercril RA701 Nº FISPQ: 079 Revisão: 00. Denver Indústria e Comércio Ltda. denver.resinas@denverresinas.com.br 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Nome da Empresa: Endereço: Denvercril RA701. Denver Indústria e Comércio Ltda. Rua Geny Gusmão dos Santos, 48 Rio Abaixo Suzano-SP. Telefone da

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO DESINFETANTES LEITOSOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO DESINFETANTES LEITOSOS 20/03/24 1 de 10 I. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E DO PRODUTO Nome do produto: Desinfetante Leitoso Búfalo BÚFALO INDÚSTRIA E COM. DE PROD. QUÍMICOS LTDA. Av. Hélio Ossamu Daikuara, Nº 3071 Vista Alegre Embu

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ANTIOXIDANTE BHT ANTIOXIDANTE BHT ANTIOXIDANTE BHT. Utilizado como antioxidante.

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ANTIOXIDANTE BHT ANTIOXIDANTE BHT ANTIOXIDANTE BHT. Utilizado como antioxidante. Folha: 1 / 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Principais usos recomendados: Utilizado como antioxidante. Cas number: 128-37-0 Empresa: Endereço: Basile Química

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 024 REVISÃO: 10/03/2011 PÁGINA 1/6

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 024 REVISÃO: 10/03/2011 PÁGINA 1/6 FISPQ 024 REVISÃO: 10/03/2011 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Promotor de aderência Selante para Indupiso Código interno: E172 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda.

Leia mais

T AGR X I C O S. Guerra química contra a saúde e o meio ambiente

T AGR X I C O S. Guerra química contra a saúde e o meio ambiente T AGR X I C O S Guerra química contra a saúde e o meio ambiente CONTEÚDO Apresentação Introdução Conhecendo mais sobre os agrotóxicos Todos sofrem as consequências do uso de agrotóxicos Como buscar minimizar

Leia mais

INDUSTRIAL QUÍMICA DO NORDESTE LTDA.

INDUSTRIAL QUÍMICA DO NORDESTE LTDA. Página 1 de 7 1. elaboração IDENTIFICAÇÃO AGOSTO/2008 DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do produto: CUPINOL 900 ML Fabricante: Nome da empresa: Chemone Industrial Química do Nordeste Ltda. Endereço: Rod. BR

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ Página 1 de 8 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Poliótimo Oirad - Código interno de identificação do produto: LP 010 - Produto Notificado na ANVISA / MS: - Nome da empresa: POLICLEAN

Leia mais

Mas se fumar é tão perigoso, por quê as pessoas começam a fumar? Introdução

Mas se fumar é tão perigoso, por quê as pessoas começam a fumar? Introdução Introdução O tabagismo é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a principal causa de morte evitável em todo o mundo. Introdução Introdução Cerca de um terço da população mundial adulta (1

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume VI Riscos Químicos Parte 1. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume VI Riscos Químicos Parte 1. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume VI Riscos Químicos Parte 1 um Guia Técnico de Março de 2008 Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

INTOXICAÇÕES POR CHUMBINHO (ALDICARB) PROVOCADA POR DETENTOS EM AGÊNCIA PRISIONAL (GO) PARA TENTATIVA DE FUGA

INTOXICAÇÕES POR CHUMBINHO (ALDICARB) PROVOCADA POR DETENTOS EM AGÊNCIA PRISIONAL (GO) PARA TENTATIVA DE FUGA Revista Eletrônica de Farmácia Suplemento Vol 2 (2), 29-31, 2005. ISSN 1808-0804 INTOXICAÇÕES POR CHUMBINHO (ALDICARB) PROVOCADA POR DETENTOS EM AGÊNCIA PRISIONAL (GO) PARA TENTATIVA DE FUGA AZEREDO, Flaubertt

Leia mais

INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTOS (FISPQ)

INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTOS (FISPQ) Página 1 de 5 TECNOCELL AGROFLORESTAL LTDA Rua dos Tucanos, 535 - Parque Industrial 06330-281 Carapicuíba SP FONE: (11) 4186-1433 4186-1278 4186-2857 comercial@tecnocellagro.com.br NOME: VECTOCELL 40 PM

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Noções básicas de toxicologia aplicadas às emergências químicas Dra. Susana I. García Ministerio de Salud

Leia mais

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com VIROSES Prof. Edilson Soares www.profedilson.com CATAPORA OU VARICELA TRANSMISSÃO Saliva Objetos contaminados SINTOMAS Feridas no corpo PROFILAXIA Vacinação HERPES SIMPLES LABIAL TRANSMISSÃO Contato

Leia mais