180 Telefónica, S.A. Relatório Anual de Responsabilidade Corporativa Fornecedores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "180 Telefónica, S.A. Relatório Anual de Responsabilidade Corporativa 2004. Fornecedores"

Transcrição

1 180 Telefónica, S.A. Relatório Anual de Responsabilidade Corporativa Fornecedores

2 Relatório Anual de Responsabilidade Corporativa 2004 Telefónica, S.A /01 Grande número de fornecedores 09/02 Objetividade e transparência 09/03 beneficio mutuo A atividade da Telefónica gera riqueza para mais de fornecedores em todo o mundo A Telefónica administra suas compras através do Sistema Avançado de Compras Os novos sistemas de comércio eletrônico facilitam e agilizam a relação com os fornecedores FORNECEDORES ADJUDICADOS CATÁLOGO DE FORNECEDORES fornecedores inscritos em 31 de dezembro VOLUME DE NEGÓCIO NA PLATAFORMA ADQUIRA milhões de euros 09/04 Desenvolvimento sustentável A Telefónica estende seus compromissos com o Global Compact em sua cadeia de fornecedores VOLUME DE COMPRAS DE FORNECEDORES LOCAIS 92% A confiança de nossos fornecedores e sócios é o resultado da transparência, da igualdade de oportunidades e da busca do benefício mútuo em todas as operações que desenvolvemos de maneira conjunta

3 182 Telefónica, S.A. Relatório Anual de Responsabilidade Corporativa 2004 DISTRIBUIÇÃO DO VOLUME DE COMPRAS POR PAÍSES (09-1) (Dados em porcentagem) Argentina 3 Brasil 20 Argentina 4,8 Brasil 32,1 Demais países 12 Demais países 9,1 Peru Chile 4 Peru 4, Chile 4,1 Espanha 56 Espanha 45,8 NÚMERO DE FORNECEDORES ADJUDICADOS (09-2) (Dados em unidades) Argentina Brasil Chile Espanha Peru Demais Países

4 Relatório Anual de Responsabilidade Corporativa 2004 Telefónica, S.A. 183 DISTRIBUIÇÃO DO VOLUME DE COMPRAS PRO LINHAS DE PRODUTOS (09-3) (Dados em porcentagem) Linha de produto Descrição Infra-estrutura de redes Sistema de comutação, transmissão, dados e energia Serviços e obras Manutenção e expansão da planta externa, obras e serviços em geral Produtos do mercado Sistemas de informação Materiais, equipamento terminal, instrumentos e ferramentas Hardware, software, desenvolvimento e manutenção de sistemas de informação Publicidade e Marketing Ações de publicidade e marketing GRANDE NÚMERO DE FORNECEDORES Durante o ano de 2004, o volume de compra do Grupo Telefónica cresceu para mais de 12 bilhões de euros. Este volume de compra foi declarado a mais de fornecedores. Os dez principais fornecedores por importância declarada foram os seguintes (organizados de forma alfabética): Alcatel, Brightstar, Ericsson, IBM, LG, Lucent, Motorola, Nokia, Siemens, Vitelcom. 02 PRINCÍPIOS DE OBJETIVIDADE, TRANSPARÊNCIA E IGUALDADE DE OPORTUNIDADES Consciente da importância de que as compras e a relação com os fornecedores têm nos resultados do negócio, a Telefónica gerencia as compras em todas suas empresas por meio de um modelo de gestão comum: o Sistema Avançado de Compras (SAC). Seu objetivo é otimizar as compras em sua tripla dimensão de preço, qualidade e serviço, para reduzir custos, melhorar a competitividade e gerar valor. Em dezembro de 2004, eram gerenciadas por este modelo as compras de 118 empresas do Grupo, repartidas entre os 19 principais países nos quais a Telefónica opera. O processo, de acordo com este modelo, é articulado em torno das Mesas de Compras, foros onde se reúnem as diferentes áreas implicadas na compra para analisar a mesma, estabelecer preços, objetivos e finalmente decidir, por unanimidade, sobre a declaração. Atualmente existem sete Mesas de Compras localizadas em Madri, São Paulo, Rio de Janeiro, Lima, Buenos Aires, Santiago do Chile e México D.F., o que permite realizar uma gestão global ou local das compras de acordo com o resultado mais adequado. Em 2005, está previsto implantar duas novas Mesas de Compras: uma na Venezuela e outra na Colômbia. O Modelo de Compras da Telefónica possui uma série de características que facilitam a objetividade e a transparência das mesmas: A possibilidade de inscrição global no Catálogo de Fornecedores da Telefónica está disponível para todas aquelas empresas que tenham interesses em trabalhar com a Empresa. Este Catálogo é comum para todo o Grupo e a inscrição nele pode ser realizada pelo Portal do Provedor. O número de fornecedores inscritos como possíveis ofertantes no Catálogo de Fornecedores da Telefónica no fim de 2004 era de Nas Mesas de Compras participam todas as áreas implicadas na compra,e as decisões são tomadas por unanimidade entre todas elas,o que contribui com objetividade e transparência, tanto para a análise como para a tomada de decisões. A Telefónica dispõe de um Manual de Estilo que descreve os Princípios Gerais e as pautas de conduta que devem reger as atuações de todas as pessoas que intervêm em um processo de compra. Entre estes princípios cabe destacar a igualdade de oportunidades para todos os fornecedores ofertantes. Desta forma, as aplicações de comércio eletrônico que estão sendo utilizadas e desenvolvidas no Grupo Telefónica permitem, além da automação e otimização dos processos, uma maior transparência na gestão de ofertas com os fornecedores. Especificamente no Brasil, em cumprimento da resolução 155 da ANATEL, a TeleSP tem a obrigação de anunciar publicamente todos seus processos de compra de serviços de comunicações e aquisição de equipamentos com valor superior a um milhão de reais. Por este motivo, é anunciado quando são aplicadas estas condições na página web para a abertura de concurso público, incentivando a igualdade de oportunidades. EMPRESAS INSCRITAS NO CATÁLOGO DE FORNECEDORES (09-4) (Dados em unidades)

5 184 Telefónica, S.A. Relatório Anual de Responsabilidade Corporativa 2004 MERCADO ELETRÔNICO DO ADQUIRA (09-5) Volume de compras (mill e) Nº de processos negociados País País 2004 Argentina 33,89 343,73 Argentina Brasil 78,27 405,94 Brasil Chile 7,72 186,01 Chile 647 Espanha , , 15 Espanha México 264,05 México 371 Peru 6,13 274,20 Peru Total , ,10 Total BENEFÍCIO MÚTUO A Telefónica desenvolveu uma série de ferramentas para ampliar as melhorias para toda sua cadeia de fornecimento e colaborar com seus fornecedores. a) O comércio eletrônico A Telefónica está utilizando a tecnologia mais avançada em sua relação com fornecedores, com o objeto de automatizar e otimizar todo o processo de compra, e estabelecer novos e melhores canais de comunicação com seus fornecedores. Neste sentido, a Telefónica, por meio da Adquira España, está implantando e desenvolvendo uma plataforma global de comércio eletrônico para a gestão de todo o processo de compras e fornecimento. A Adquira España é uma empresa líder em soluções e serviços de negociação e fornecimento que está ligada a quatro grandes empresas espanholas: BBVA, Iberia, Repsol-YPF e Telefónica (por meio da Telefónica de España e TPI).Esta plataforma de comércio eletrônico permite realizar de forma automatizada: a gestão de ofertas e negociação das mesmas, assim como a realização de leilões (e-sourcing). a elaboração, aprovação e assinatura eletrônica de compromissos com fornecedores (contratos e cartas de declaração). a gestão de pedidos e ordens de serviço por parte das áreas usuárias sobre catálogos previamente negociados por Compras (e-procurement), envio da nota de entrega ou pedido de compra para o fornecedora, assim como a aceitação do bem ou serviço por parte da área correspondente. o processo de faturamento por parte dos fornecedores a partir dos pedidos emitidos de forma eletrônica e já aceitos. a avaliação de fornecedores: qualidade, cumprimento de compromissos, prazos de entrega, atendimento prestado etc. Para os fornecedores, estas iniciativas de comércio eletrônico supõem numerosas vantagens, entre as quais se destacam: a redução dos custos associados ao processo como conseqüência da automação do mesmo. uma maior agilidade no intercâmbio de informação. a possibilidade de integração da plataforma com seus sistemas informáticos. uma maior transparência na negociação e, em geral, em todo o processo de compra, assim como a igualdade de oportunidades para todos os fornecedores, ao garantir que a informação para a preparação de suas ofertas se coloca à disposição de todos os fornecedores, simultaneamente, e é a mesma para todos os ofertantes. um aumento das possibilidades de venda dos fornecedores por meio do acesso a um mercado virtual no qual, além de todas as empresas da Telefónica, se encontram empresas tais como BBVA, Iberia ou Repsol-YPF e outras empresas clientes da Adquira. Atualmente, a gestão eletrônica de ofertas para determinados produtos e serviços já é uma realidade na Espanha, Brasil, Argentina, Peru, Chile e México. O volume de compras negociado no ano de 2004 por meio do mercado eletrônico da Adquira foi de milhões de euros, correspondente a processos de compra, existindo no fim do ano um total de fornecedores incorporados ao mesmo. Em 2004, foi implantada na Telefónica uma nova modalidade de negociação de compras por meio de leilões eletrônicos, que proporcionam uma maior transparência e objetividade no processo de compra, plena igualdade de oportunidades para todos os fornecedores, além de contribuir com maior agilidade e de simplificar a gestão da compra.

6 Relatório Anual de Responsabilidade Corporativa 2004 Telefónica, S.A. 185 FORNECEDORES INCORPORADOS AO MERCADO ELETRÔNICO (09-6) (Dados em unidades) País Argentina Brasil Chile Espanha Peru México Total Quanto ao resto das iniciativas de comércio eletrônico, durante 2004, continuou-se com a implantação do e-procurement (modelo corporativo de abastecimento eletrônico) nas empresas espanholas do Grupo Telefónica, e foi iniciado nas empresas do Brasil e do Peru. Desta forma, começou a implantação do faturamento eletrônico, estando operacional na Telefónica S.A. Por último, durante 2004, foi desenvolvido também um projeto corporativo de formalização eletrônica de contratos. b) Portal do Fornecedor O Portal do fornecedor, acessível no endereço de internet: é o principal canal de informação entre a Telefónica e seus fornecedores. Estes podem acessar a informação global que explica sobre como ser fornecedor do Grupo Telefónica, sobre o processo de compra seguido pela Telefónica, e sobre os principais projetos que a Telefónica possui e que são relacionados com o comércio eletrônico. Desta forma, por meio do Portal do Fornecedor pode-se gerenciar a solicitação de inscrição no Catálogo de Fornecedores, assim como acessar a plataforma de comércio eletrônico da Adquira. Permite também o acesso a outros portais específicos das empresas da Telefónica como o e- Agora da Telefónica de España. 04 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS SOCIEDADES a) Fomento de padrões éticos na cadeia de abastecimento Nas Condições Gerais para o Fornecimento de Bens para a Telefónica S.A., a Telefónica exige o cumprimento da legislação vigente em questões de condições trabalhistas, segurança e higiene no trabalho ou impacto para o meio ambiente de seus fornecedores. Os critérios são de aplicação geral, sem diminuir a possibilidade de que em alguns países ou empresas possam adquirir outros adicionais. Desta forma, no caso de determinados produtos e serviços, são inclusos nos contratos outros aspectos adicionais, mais diretamente relacionados com o produto ou serviço objeto de compra. Adicionalmente, o Grupo Telefónica deseja contribuir com a promoção de práticas responsáveis em toda sua cadeia de fornecimento, por meio da colaboração com outras empresas e outras iniciativas que ultrapassem os requisitos legais. Colaboração com outras empresas Este compromisso se torna público por meio de sua adesão ao Pacto Mundial das Nações Unidas (UM Global Compact) ou às iniciativas desenvolvidas pelo ETNO (European Telecommunication Network Operators) ou GeSI (Global e-sustainability Initiative). Neste sentido, a Telefónica participou na Conferência Européia sobre Telecomunicações e Sustentabilidade organizada pelo ETNO em que se subscreveu, junto a outras 17 empresas européias, para a Carta de Sustentabilidade, que inclui como um de seus princípios a extensão dos critérios de sustentabilidade para a cadeia de fornecimento. Desta forma, a Telefónica participa no Grupo de Trabalho sobre Cadeia de Abastecimento de GeSI, cujo objetivo será transmitir ao longo da cadeia de fornecimento das empresas participantes, as práticas impulsoras de sustentabilidade. Como primeiro passo, em 2005 irá realizar um diagnóstico sobre o interesse e o grau de aceitação entre fornecedores com a inclusão de critérios de sustentabilidade nas relações comerciais. Iniciativas que excedem os requisitos da legislação A Telefónica desenvolve diversas iniciativas para promover práticas responsáveis em sua cadeia de abastecimento. Em matéria de meio ambiente, algumas das iniciativas se encontram descritas no capítulo 08 deste relatório. Incluem atividades de formação aos funcionários das empresas colaboradoras,a valorização positiva de certificados de gestão ambiental na fase de declaração de contratos ou atividades de avaliação e controle de fornecedores com incidência

7 186 Telefónica, S.A. Relatório Anual de Responsabilidade Corporativa 2004 CUMPRIMENTO DOS PRAZOS DE PAGAMENTO FATURAS DE TERCEIROS (09-07) (Dados em porcentagem) pagamentos em prazo definido pagamentos fora do prazo definido Nº de faturas 96,9 Valor 88,19 Dados correspondentes às faturas pagas pela Telefónica de España e Telefónica Móviles de España CASO PRÁTICO COMPRE TRABALHO ARGENTINO (09-8) Em 28/11/01, o Governo Argentino sancionou a Lei , por meio da qual foi estabelecido o Regime de Compras do Estado Nacional, Concessionários e Licenciatários de Serviços Públicos, denominado Compre Trabalho Argentino. Este regime outorga preferências às empresas ou produtos nacionais diante de empresas ou produtos estrangeiros. A Telefónica da Argentina S.A., em seu caráter de prestadora de serviços públicos teve que realizar uma série de modificações em seus processos para cumprir com o Regime do Compre Trabalho Argentino: Adequação de suas contratações às normas estabelecidas na lei e seu decreto regulamentar. Dar preferência em suas contratações às ofertas nacionais de bens, obras e serviços, dentro das pautas fixadas pela Lei. Cumprimento do regime de publicidade de suas contratações e demais normas contidas na legislação. Cumprimento do procedimento de informação à autoridade de aplicação referentes a observação da Lei em suas contratações. CAPACITAÇÃO DE FORNECEDORES PEMES NA ARGENTINA (09-9) Em 2004, a Telefónica da Argentina capacitou na Universidade Católica Argentina 12 fornecedores PEMES (Pequenas e médias empresas) que fornecem atendimento às diferentes empresas do Grupo. A dinâmica consiste em identificar fatores-chave e variáveis de controle para o crescimento de seus negócios, desenvolver conhecimentos sobre a gestão empresarial e incorporar ferramentas para a sobrevivência e crescimento. Finalmente, fazer um diagnóstico estratégico de cada uma das empresas e elaborar um plano para enfrentar os desafios da competitividade e do desenvolvimento de novos negócios a médio e longo prazo. Inclui um coaching para a elaboração do plano de negócios, que implica um crescimento da Peme e permite que a Telefónica conte com fornecedores mais qualificados do ponto de vista acadêmico. Dado o sucesso do programa, deseja-se continuar com o modelo durante o ano 2005, ampliando o benefício a um número maior de fornecedores.

8 Relatório Anual de Responsabilidade Corporativa 2004 Telefónica, S.A. 187 IMPULSO DA TELEFÓNICA AOS FORNECEDORES LOCAIS (09-10) % Volume de compra local % fornecedores adjudicados locais País País Argentina Argentina Brasil Brasil Chile Chile Espanha Espanha México 94 México 90 Peru Peru Demais Países Demais Países Total Total para o meio ambiente (como as realizadas pela Telefónica Móviles España ou TPI). No Brasil, as contratações de serviços do Grupo Telefónica são submetidas à aprovação das áreas jurídicas e de relações trabalhistas, antes da aprovação por Mesa de Compras. Os representantes destas áreas realizam visitas para verificar se a empresa está em conformidade com a legislação vigente, visitas que se repetem depois da contratação com o objetivo de verificar o cumprimento das condições de segurança e saúde no trabalho. Na Espanha, a Telefónica Móviles España tem o objetivo de que todos os empreiteiros contem com a formação necessária em riscos trabalhistas. Fruto deste objetivo foi elaborado o Módulo de Coordenação de Contratos de Prevenção de Riscos Trabalhistas, com o apoio do Comitê Intercentros de Segurança e Saúde, que estabelece um sistema de crédito e controle dos trabalhadores de tais empresas e do cumprimento de um mínimo em prevenção de riscos trabalhistas. Além disso, inclui informação genérica com relação aos riscos que a empresa empreiteira pode encontrar nas instalações da Telefónica Móviles España. Por sua vez, a Telefónica de España celebrou seu encontro anual com as empresas colaboradoras de operações, nas quais mais de pessoas desenvolvem seu trabalho. Nele, foi destacada a importância de melhorar no cumprimento da Lei de Riscos Trabalhistas e na Formação, para a qual se dedicaram mais de horas ao longo de Como iniciativa destacada em matéria de integração, a Telefónica estabelecerá a exigência de cumprimento da Lei de Integração de Pessoas com Deficiência para todos os fornecedores que prestem serviço no Distrito C. Para aquelas empresas que não cumprirem com o requisito, é oferecido o Serviço de Integração Trabalhista da ATAM. b) Incentivos para fornecedores locais A Telefónica é uma empresa comprometida com o progresso econômico e social dos países nos quais está presente. Este compromisso se concretiza na alta porcentagem de atribuições para fornecedores localizados no próprio país, cuja média foi de 92% em IMPULSO DA TELEFÓNICA AOS FORNECEDORES LOCAIS (09-11) % Volume de compra local 90 % fornecedores adjudicados locais

Informe Anual de Responsabilidade Corporativa Telefónica, S.A.

Informe Anual de Responsabilidade Corporativa Telefónica, S.A. Informe Anual de Responsabilidade Corporativa Telefónica, S.A. 08 Fornecedores: igualdade de oportunidades e benefício mútuo 122 Telefónica, S.A. Informe Anual de Responsabilidade Corporativa 2003 01 Grande

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Padrões para Fornecedores da GS1 BRASIL

Padrões para Fornecedores da GS1 BRASIL Padrões para Fornecedores da GS1 BRASIL O objetivo deste documento é informar aos fornecedores dos pontos e valores fundamentais de nosso processo de compras. A GS1 Brasil mantém a ética, a transparência

Leia mais

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL APRESENTAÇÃO A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais do mundo, com operações em

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

II O contato com culturas distintas constitui-se em um importante instrumento de formação intelectual dos estudantes da IES;

II O contato com culturas distintas constitui-se em um importante instrumento de formação intelectual dos estudantes da IES; CONSIDERANDO QUE: I É de interesse da IES aprimorar o ensino, propiciando aos seus estudantes, estabelecer e desenvolver relações com instituições de ensino localizadas em países distintos através da participação

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

MANUAL DE RELACIONAMENTO DO FORNECEDOR Diretoria de Compras Construindo Resultados

MANUAL DE RELACIONAMENTO DO FORNECEDOR Diretoria de Compras Construindo Resultados MANUAL DE RELACIONAMENTO DO FORNECEDOR Diretoria de Compras Construindo Resultados As informações contidas neste documento são proprietárias e para uso confidencial dos destinatários explicitados. Propriedade

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N o 02/01 ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N o 38/95 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS

CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS Arranjo Produtivo Local de Tecnologia da Informação e Comunicação da Região Central do Centro do Rio Grande do Sul CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS Outubro de 2013 MISSÃO Fortalecer, qualificar,

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

Proposta Comercial EDUNIX SISTEMA DE GESTÃO PARA INSTITUIÇÕES DE ENSINO

Proposta Comercial EDUNIX SISTEMA DE GESTÃO PARA INSTITUIÇÕES DE ENSINO Proposta Comercial EDUNIX SISTEMA DE GESTÃO PARA INSTITUIÇÕES DE ENSINO Sumário Empresa... 3 Missão... 3 Visão... 3 Valores... 3 Solução... 4 Principais características... 4 Lista de funcionalidades...

Leia mais

Abra. e conheça as oportunidades de fazer bons negócios...

Abra. e conheça as oportunidades de fazer bons negócios... Abra e conheça as oportunidades de fazer bons negócios... anos Chegou a hora de crescer! Conte com a Todescredi e faça bons negócios. Há 5 anos, iniciavam as operações daquela que se tornou a única financeira

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC)

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) O texto deste Contrato foi submetido à aprovação da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL, estando sujeito a

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

CASOS DE SUCESSO. Dezembro 2010

CASOS DE SUCESSO. Dezembro 2010 CASOS DE SUCESSO Dezembro 2010 Agenda O que é um Caso de Sucesso? A importância dos Casos de Sucesso Benefícios Critérios de Avaliação Etapas do Processo Resultados Definição 1 2 Breve história que apresenta

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

LINHA DE APRENDIZADO. Departamento de Compras. Modelo de Negócio. Central de Compras. Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar

LINHA DE APRENDIZADO. Departamento de Compras. Modelo de Negócio. Central de Compras. Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar AGOSTO/2015 LINHA DE APRENDIZADO Departamento de Compras Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar Central de Compras Modelo de Negócio Fundada há 120 anos. Atendimento de média e alta

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Banco Cooperativo Sicredi S.A. Versão: Julho/2015 Página 1 de 1 1 INTRODUÇÃO O Sicredi é um sistema de crédito cooperativo que valoriza a

Leia mais

Outsourcing em Telecom. BI Telecom. Gestão em Telecomunicações. Tarifação e Administração de Ligações. SGTC Corporativo. Auditoria em Telecom

Outsourcing em Telecom. BI Telecom. Gestão em Telecomunicações. Tarifação e Administração de Ligações. SGTC Corporativo. Auditoria em Telecom Sobre a TeleGestão A TeleGestão, especialista em gestão de telecomunicações, dedica-se há mais de 20 anos ao desafio de adequar recursos de telefonia ao perfil corporativo de diversos setores. As soluções

Leia mais

PROGRAMA DE ASSUNÇÃO SOBRE MEDIDAS DE SIMPLIFICAÇÃO OPERACIONAL E TRÂMITES DE COMÉRCIO EXTERIOR E DE FRONTEIRA

PROGRAMA DE ASSUNÇÃO SOBRE MEDIDAS DE SIMPLIFICAÇÃO OPERACIONAL E TRÂMITES DE COMÉRCIO EXTERIOR E DE FRONTEIRA MERCOSUL/CMC/DEC N 2/99 PROGRAMA DE ASSUNÇÃO SOBRE MEDIDAS DE SIMPLIFICAÇÃO OPERACIONAL E TRÂMITES DE COMÉRCIO EXTERIOR E DE FRONTEIRA TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto,

Leia mais

Visão Geral da Certificação CERTICS

Visão Geral da Certificação CERTICS Projeto 0113009300 - Implementação da CERTICS - Certificação de Tecnologia Nacional de Software IX Workshop Anual do MPS WAMPS 2013 Visão Geral da Certificação CERTICS Palestrante: Adalberto Nobiato Crespo

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA Resolução CFFa nº 427, de 1º de março de 2013 "Dispõe sobre a regulamentação da Telessaúde em Fonoaudiologia e dá outras providências." O Conselho Federal de Fonoaudiologia no uso de suas atribuições legais

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA EVOLUÇÃO DO SEGMENTO DE PROMOÇÃO DE CRÉDITO: A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA Desenvolvendo Pessoas e Fortalecendo o Sistema Renato Martins Oliva Agenda O que é ABBC Missão e valores Bancos de pequena e média

Leia mais

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ?

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ? PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES AVALIAÇÃO SASSMAQ (P.COM.26.00) O SASSMAQ é um Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade, elaborado pela Comissão de Transportes da ABIQUIM, dirigido

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

clientes milhões relatórios mil linhas detalhados +de +de +de +de recuperados em negociações gerenciadas por mês por mês

clientes milhões relatórios mil linhas detalhados +de +de +de +de recuperados em negociações gerenciadas por mês por mês A TeleGestão, especialista em gestão de telecomunicações, dedica-se há mais de 20 anos ao desafio de adequar recursos de telefonia ao perfil corporativo de diversos setores. As soluções da TeleGestão,

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários de qualidade.

VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários de qualidade. MISSÃO Oferecer serviços imobiliários de qualidade, gerando valor para os clientes, colaboradores, sociedade e acionistas. VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários

Leia mais

GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL

GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL A Sytel Reply foi comissionada por uma grande operadora global de Telecom para o fornecimento de um Service Assurance de qualidade.

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA 23 de julho de 2015 ÍNDICE Pág. Introdução... 3 Objetivos... 3 Princípios gerais de atuação... 4 Princípios específicos de atuação... 7 Mecanismos de desenvolvimento,

Leia mais

Responsabilidade social empresarial

Responsabilidade social empresarial A ISA e os Direitos Humanos Responsabilidade social empresarial A norma ISO 26000 permitiu que a ISA fortalecesse sua gestão e a promoção dos direitos humanos ao colocar em prática ações concretas nos

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

EXPLORE SEUS POTENCIAIS. Junte-se aos 128 concessionários mundiais que escolheram ser parceiros da FG Wilson.

EXPLORE SEUS POTENCIAIS. Junte-se aos 128 concessionários mundiais que escolheram ser parceiros da FG Wilson. Expanda seu portfólio de produtos e aumente o seu negócio com a marca líder GLOBAL na indústria. EXPLORE SEUS NEGÓCIOS POTENCIAIS Junte-se aos 128 concessionários mundiais que escolheram ser parceiros

Leia mais

Quem somos? Por que a sua empresa merece o Sistema de Gestão ERP da Otimizy?

Quem somos? Por que a sua empresa merece o Sistema de Gestão ERP da Otimizy? Por que a sua empresa merece Quem somos? A Otimizy Sistemas Inteligentes é a desenvolvedora do software ErpSoft, um Sistema de Gestão Empresarial voltado a resultados, que automatiza processos operacionais

Leia mais

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações?

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? SESI Empreendedorismo Social Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? REGULAMENTO SESI Empreendedorismo Social A inovação social é o ponto de partida para um novo modelo que atende

Leia mais

Sistema de Incentivos Internacionalização das PME

Sistema de Incentivos Internacionalização das PME Sistema de Incentivos Internacionalização das PME Objetivos e prioridades: Conceder apoios financeiros a projetos que reforcem a capacitação empresarial das PME para a internacionalização, com vista a

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

GUIA DO PROGRAMA IBM SOLUTION ACCELERATOR

GUIA DO PROGRAMA IBM SOLUTION ACCELERATOR IBM GUIA DO PROGRAMA IBM SOLUTION ACCELERATOR Guia para Parceiros Comerciais: Provedores de Solução, Revendas T2 Maio de 2013 LA413-P15 Programa IBM Solution Accelerator LA413-P15 Anúncio do Revendedor

Leia mais

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta Em início de nova fase, alarga a oferta Com o objectivo de ajudar as empresas a controlar e reduzir custos relacionados com transacções de bens e serviços, o adicionou à sua oferta um conjunto de aplicações

Leia mais

Comunicação com o Consumidor:

Comunicação com o Consumidor: Comunicação com o Consumidor: Questões éticas no Telemarketing e na Publicidade PROBARE Programa de Auto-Regulamenta Regulamentação do Setor de Relacionamento Setembro 2007 1 Cenário - Mercado - Faturamento

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL E SUAS INTERFACES COM O LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DA BAHIA

A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL E SUAS INTERFACES COM O LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DA BAHIA A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL E SUAS INTERFACES COM O LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DA BAHIA Hosana Gaspar dos Santos II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 55: Gestão do meio ambiente A CERTIFICAÇÃO

Leia mais

Apresentação... 5. 1. Convocação... 6. 2. Valor da bolsa... 7. 3. Requisitos dos solicitantes... 7. 4. Solicitação e documentação...

Apresentação... 5. 1. Convocação... 6. 2. Valor da bolsa... 7. 3. Requisitos dos solicitantes... 7. 4. Solicitação e documentação... Bolsas de estudo de pós-graduação em Seguros, Prevenção, Saúde e Meio Ambiente 2013-2014 Índice Apresentação... 5 1. Convocação... 6 2. Valor da bolsa... 7 3. Requisitos dos solicitantes... 7 4. Solicitação

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Elaborado por: GT Especial do ABNT/CB-25 Grupo de Aperfeiçoamento do

Leia mais

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Vitor Seravalli Diretoria Responsabilidade Social do CIESP Sorocaba 26 de Maio de 2009 Responsabilidade Social Empresarial (RSE) é uma forma de conduzir

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO

GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO José Maria Villac Pinheiro (1) Engenheiro pela Universidade de São Paulo USP Escola de Engenharia de São Carlos EESC. Especialização

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Sistema Gestão Comercial 2012

Sistema Gestão Comercial 2012 Sistema Gestão Comercial 2012 Charles Mendonça Analista de Sistemas Charles Informática Tecnologia & Sistemas Charles System Gestão Empresarial O Charles System é um software para empresas ou profissionais

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

Declaração de Praia 6.º Encontro das Associações Profissionais de Engenheiros Civis dos Países de Língua Oficial Portuguesa e Castelhana

Declaração de Praia 6.º Encontro das Associações Profissionais de Engenheiros Civis dos Países de Língua Oficial Portuguesa e Castelhana CONSELHO DAS ASSOCIAÇÕES PROFISSIONAIS DE ENGENHEIROS CIVIS DOS PAÍSES DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA E CASTELHANA Declaração de Praia 6.º Encontro das Associações Profissionais de Engenheiros Civis dos

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

Como ter sucesso na educação a distância

Como ter sucesso na educação a distância Metodologia Diferenciada Ambiente de Aprendizagem Moderno Inovação Continuada e Empreendedorismo Como ter sucesso na educação a distância 1 Regulamento 2 1 Como ter sucesso na educação a distância Para

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

associados do Mukhero

associados do Mukhero Oportunidades e Desafios do Comércio Externo em Moçambique Principais serviços do IPEME que contribuem formalização dos associados do Mukhero Por: Adriano Claire Zimba, Director Geral 27 de Maio de 2014

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Introdução O International Accreditation Forum (IAF) é uma associação mundial de Organismos de Acreditação, Associações de Organismos de Certificação e outras

Leia mais

REGULAMENTO (7) Promoção Fale e Navegue à Vontade

REGULAMENTO (7) Promoção Fale e Navegue à Vontade REGULAMENTO (7) Promoção Fale e Navegue à Vontade Esta Promoção é realizada pela TELEFÔNICA BRASIL S.A, com sede na Rua Martiniano de Carvalho, 851 - São Paulo - SP, inscrita no CNPJ sob o nº 02.558.157/0001-62

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais