Brasília, 26 de abril de 2013 às 10h35 Seleção de Notícias. CNI NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS Clipping Nacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Brasília, 26 de abril de 2013 às 10h35 Seleção de Notícias. CNI NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS Clipping Nacional"

Transcrição

1 Brasília, 26 de abril de 2013 às 10h35 Seleção de Notícias CNI NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS Clipping Nacional

2 Valor Econômico BR Fabricantes crescem no exterior EMPRESAS Temas de Interesse Comércio Internacional Após encontro com Cristina, Dilma diz que Vale pode retomar projeto de potássio BRASIL Temas de Interesse Comércio Internacional Brasil domina as exportações de frango halal AGRONEGÓCIOS O Estado de S. Paulo BR Consumo de energia pela indústria cai 2,4% Chile, Colômbia, Peru e México debatem câmbio SP perde R$ 7,1 bilhões com mudanças no ICMS Espanha e França no topo do desemprego Segunda disputa brasileira Brasileiro e mexicano disputam final na OMC Brasil e Venezuela - a economia explica? Confiança da indústria apresenta nova queda

3 G-20 e FMI veem riscos globais de médio prazo Folha de S. Paulo BR Indústria paulista fecha vagas e emprego perde vigor MERCADO Entenda como pensam os economistas MERCADO Dilma sugere diálogo entre Vale e Argentina MERCADO Rodolfo Landim RODOLFO LANDIM Temas de Interesse Comércio Internacional Brasileiro é finalista em disputa na OMC MUNDO O Globo BR Dilma defende acordo da Vale na Argentina Brasileiro vai para reta final da disputa pela chefia da OMC com ex ministro do México Temas de Interesse Comércio Internacional Míriam Leitão MIRIAM LEITÃO

4 Valor Econômico Fabricantes crescem no exterior EMPRESAS Dinkelmann, da TOTVS: "Acompanhamos nossos clientes para sermos competitivos e estamos de olho em aquisições" Algumas preferem exportar. Outras, estar fisicamente em mercados considerados de alto interesse. Mas o fato é que independentemente da estratégia adotada, empresas nacionais de softwares e serviços de inteligência tecnológica furam o cerco das barreiras protecionistas ao se fixar em países como EUA, Japão, China, Itália, Alemanha, Espanha, México, Turquia, Egito e muitos outros do Oriente Médio, Ásia e Europa, além da América Latina. Elas ainda são poucas, mas se tornaram referências nas soluções que oferecem ao tornar-se modelos de excelência como Stefanini, TOTVS e Audaces, cada qual com as suas peculiaridades. As duas primeiras, com presença operacional em outros países. A Audaces, ampliando negócios com exportações. Tarefa nada fácil, em um mundo cheio de obstáculos comerciais. As restrições impostas em 2011 pelos Estados Unidos à importação de produtos de empresas que empreguem software pirata em qualquer etapa da cadeira produtiva podem ter assustado alguns, mas, certamente, motivou outros. "Esse tipo de decisão afeta positivamente o combate à pirataria de software no Brasil. Pois a empresa que quer exportar e se tornar global, tem que antes comprovar boas práticas", afirma Claudio Robert Grando, presidente da Audaces, especializada em software para o setor de moda. Nesse tipo de medida, também conta a favor, segundo Grando, a restrição de presença de piratas da China, Cingapura e Índia, grandes concorrentes da Audaces no desenvolvimento de soluções para a indústria de confecção. A empresa, que viu suas exportações darem um salto de 50% no ano passado, mesmo diante da crise da zona do euro, aproveitou para ampliar presença além da Itália e Espanha, onde já se consagrou. Países como Turquia, China, índia, Bangladesh, Peru e Argentina viraram grandes parceiros. "Com a crise, tivemos que trabalhar mais, reduzir preços, mas, mesmo assim, avançamos em 30% nossa receita global. Em 2013, queremos repetir a meta", aposta Grando, que estima que a pirataria no setor de soluções para moda esteja em torno de 50% no país. "Sempre encontramos site dentro e fora do Brasil que vendem versões desenvolvidas por nós. O que significa que poderíamos crescer bem mais", lamenta. A Audaces investe cerca de R$ 250 mil por ano em ações de combate à pirataria. Comercializou licenças no mercado nacional e 850 no internacional no ano passado. Entre os Estados americanos que desde 2011 adotam leis de concorrência desleal específicas do setor de TI estão Washington elouisiana. No entanto, em mais detrinta outros, o Ministério Público local tem expressado o seu comprometimento em aplicar as leis em vigor, especialmente a Federal Trade Commission Act (FTCA), para impedir a concorrência desleal no segmento de manufatura baseada no uso não licenciado de TI. "Leis americanas severas no combate à pirataria colaboram com a moralização de mercados como o Brasil na medida em que nos obriga a pensar em nossos processos. A proteção intelectual aqui deveria ser como nos EUA: quem usa a sua ideia tem que pagar", afirma Ailton Nascimento, vice-presidente da Stefanini, uma das maiores empresas brasileiras de serviços de TI, e que negocia suas soluções em 30 países onde mantém operações locais. "No Brasil, fazemos o papel de xerife, enquanto deveríamos antes garantir a propriedade intelectual. Ainda estamos engatinhando nisso. Além do mais ainda há muita impunidade para os infratores", avalia Nascimento, que garante que a Ste- pg.4

5 Valor Econômico Continuação: Fabricantes crescem no exterior fanini não é afetada pela pirataria por trabalhar com soluções em arquiteturas fechadas. Quanto às exportações, como o custo Brasil é considerado muito alto, a empresa prefere exportar a partir de outros países como México, Índia, China, Chile e Argentina. A Stefanini prevê crescer 15% organicamente este ano, sem contar as aquisições que tem em vista no Brasil e nos EUA ainda para este ano. A empresa fechou 2012 com receita bruta de R$ 1,9 bilhão, Ebitda de R$ 202 milhões e lucro líquido de R$ 85 milhões. As operações externas representam 35% dos seus negócios. As principais áreas de negócios que pretende avançar este ano são nas áreas financeiras, de seguros, meios e pagamentos, varejo e mineração e siderurgia. Saúde e educação, segmentos com elevada demanda, também serão alvo nos próximos anos. Com um forte histórico de aquisições (47 ao todo), a TOTVS, é exemplo de quem apostou na diversificação de mercados para crescer. "Como o mercado de software é global, acompanhamos nossos clientes para sermos competitivos e sempre estamos de olho nas oportunidades de novas aquisições", afirma Alexandre Dinkelmann, vice-presidente de estratégia e finanças. A empresa de software, serviços e tecnologia, é líder no Brasil e a 6ª maior desenvolvedora de sistemas de gestão integrada (ERP) do mundo e 1ª em países emergentes. Com presente em 23 países. A TOTVS terminou 2012 com lucro líquido de R$ 297 milhões, 22% acima de 2011, e receita líquida de R$ 1,4 bilhão, 10% a mais sob o ano anterior. Já em relação à pirataria, Dinkelmann está tranquilo. "Um usuário de software TOTVS não consegue piratear o nosso produto." (RL) pg.5

6 Temas de Interesse Comércio Internacional Valor Econômico Após encontro com Cristina, Dilma diz que Vale pode retomar projeto de potássio BRASIL A questão da Vale foi o único tema bilateral tratado na reunião mencionado pelas presidentes em sua declaração conjunta à imprensa. Dilma Rousseff e Cristina Kirchner não detalharam o que discutiram sobre as novas regras do regime automotivo ou sobre a venda dos ativos de refino e distribuição da Petrobras na Argentina. Também não mencionaram iniciativas para destravar o comércio bilateral, que teve o fluxo reduzido no último ano. Dilma e Cristina posam para os fotógrafos em frente à Casa Rosada: almoço reuniu quatro governadores Por César Felício De Buenos Aires As duas presidentes preferiram ressaltar o consenso para reincorporar o Paraguai ao Mercosul. O país, suspenso do bloco desde junho do ano passado, elegeu no domingo como presidente o empresário Horacio Cartes, que substituirá Federico Franco, vice-presidente que assumiu o lugar de Fernando Lugo, afastado em um processo de impeachment contestado pelo Brasil e pela Argentina. "O desenrolar dos últimos fatos demonstrou que é possível afirmar a democracia como um valor e manter a estabilidade na região. Temos uma capacidade elevada de elaborar consensos", disse Dilma. A presidente Dilma Rousseff afirmou ontem, em Buenos Aires, esperar que a mineradora Vale volte a negociar o projeto de exploração de potássio do rio Colorado com o governo da Argentina. "O diálogo é o melhor caminho para encontrar soluções e a Vale vai encontrar o caminho para construir um acordo com as autoridades argentinas", afirmou Dilma em declaração à imprensa, depois de seis horas e meia de reunião com a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, na Casa Rosada. O encontro ocorreu em um dia de agudização da crise política e econômica da Argentina. A cotação do dólar no câmbio paralelo atingiu 9,40 pesos, nível inédito nos últimos 20 anos, e um novo panelaço estava convocado para a noite em função da aprovação de uma reforma pelo Congresso, que diminuiu a autonomia do Poder Judiciário. A Vale suspendeu o projeto e o colocou à venda no inicio deste ano. Orçado inicialmente em US$ 6 bilhões, o projeto é o maior investimento direto estrangeiro na Argentina. De acordo com o ministro do Planejamento da Argentina, Julio devido, "a saída queestá apontada équeavale volte aexplorar e produzir". Mais cauteloso, o governador da província de Mendoza,Francisco Perez, disse quenareunião dehoje searmou novamente um cenário de diálogo entre as partes, embora tenha ressaltado que a presidente Dilma Rousseff deixou claro que "o governo do Brasil não é a Vale". pg.6

7 Temas de Interesse Comércio Internacional Valor Econômico Brasil domina as exportações de frango halal AGRONEGÓCIOS Balança Para ampliar sua liderança, país busca abrir mercados na Ásia Por Alda do Amaral Rocha De São Paulo O Brasil já é o maior exportador mundial de frango halal, produzido conforme os princípios do islã, mas ainda quer ganhar espaço nesse mercado em que concorre com EUA, Europa e Tailândia, principalmente. Depois de fechar 2012 com exportações de 1,789 milhão de toneladas em frango halal, o setor produtivo, junto com o governo, negocia a abertura de mercados considerados fundamentais para que o Brasil possa ampliarafatia de38%quejá detémno bolo global desse segmento. Um dos mercados mais cobiçados é a Malásia, onde cerca de 60% da população é muçulmana e existe até um ministério encarregado do assunto, para se ter uma ideia da importância que se dá ao cumprimento do preceito. "Na Malásia, os padrões de exigência são elevados. Assim, ter acesso ao mercado malaio abre caminho para outros mercados consumidores de frango halal", estima Ricardo Santin, diretor da União Brasileira de Avicultura (Ubabef). O país asiático é o maior fabricante de produtos processados halal no mundo e utilizaria a carne de frango brasileira como matéria-prima para industrializados. No ano passado, 45,6% do total de 3,918 milhões de toneladas de frango exportadas pelo Brasil foram destinados a mercados que exigem o abate halal. O principal cliente brasileiro é a Arábia Saudita, seguida por Emirados Árabes, África do Sul, Kuwait e Iraque. Agora, os exportadores brasileiros querem que o frango halal produzido aqui atinja outros mercados com população islâmica, em outras regiões do mundo. A Malásia já fez inspeções de plantas de abate de frango brasileiras, mas o processo de negociação ainda não foi finalizado. Santin diz que também há troca de documentos com o Paquistão, visando abrir o mercado do país, outro consumidor importante de frango halal. A Indonésia, onde mais de 85% da população é muçulmana, é outra meta dos exportadores brasileiros, mas resiste a abrir seu mercado ao frango nacional. Segundo Ricardo Santin, apesar de o Brasil ter atendido os requisitos para exportar frango à Indonésia, o país asiático não dá o sinal verde ao produto nacional. As negociações já duram seis anos. O Brasil não é o único a enfrentar a oposição do maior país muçulmano do mundo: os EUA também tentam vender seu frango halal ao país, mas não conseguem. Por isso, os americanos avaliam abrir painel na Organização Mundial do Comércio (OMC )para resolver a questão, afirma o executivo. Segundo ele, o Brasil pode entrar como parte interessada nesse processo, caso este seja aberto. Santin prevê queo acesso aesses mercadospoderia elevarasexportações de frango halal dos atuais 45,6% do total vendido ao exterior para 50% num prazo de cinco anos. A posição já consolidada do Brasil nesse mercado e o crescimento vegetativo da população também devem contribuir para o avanço, segundo o diretor da Ubabef. Ainda que esteja na liderança desse mercado, o Brasil enfrenta a pressão de alguns países importadores, que buscam ampliar sua produção local, e de competidores, como Tailândia, Argentina, Chile e Turquia, que também produzem frango de acordo com as regras do islã. Apesar de menores, esses produtores conseguiram ampliar sua fatia no mercado global de halal em 2012, fazendo a parcela brasileira no "bolo" internacional cair de 40% em 2011 para 38% ano passado, segundo Santin. Mas, para o diretor da Ubabef, o Brasil tem vantagens em relação aos concorrentes - o fato de ser um fornecedor tradicional é uma delas. Além disso, a disponibilidade de grãos para alimentação das aves é outro fator favorável ao Brasil em tempos de preços ainda elevados da matéria-prima para a ração. Países já tradicionais importadores, como o Iraque, têm mostrado a intenção de ampliar as compras do Brasil. No mês passado, uma comissão do Ministério do Planejamento do Iraque visitou frigoríficos e abatedouros brasileiros no Rio Grande do pg.7

8 Temas de Interesse Comércio Internacional Valor Econômico Continuação: Brasil domina as exportações de frango halal Sul, Santa Catarina, Paraná e São Paulo. Nisreen Sami Swadi, diretora-geral do Departamento de Qualidade e Controle do Ministério do Planejamento do Iraque, veio inspecionar as plantas e elogiou a qualidade dos procedimentos adotados no Brasil na produção de frango halal. O Brasil exporta dois tipos de frango halal para seus clientes: o griller, que pesa de 800 a gramas (mais de 80% do total exportado) e um frango desossado com dois quilos, em média, usado no tradicional shawarma, prato composto de fatias finas de frango assado em um espeto vertical. Mohamed Hussein El Zoghbi, presidente da Federação das Associações Muçulmanas no Brasil (Fambras), avalia que há espaço para o país crescer nesse mercado. "Um terço da população global é muçulmana, e os países islâmicos são importadores de alimentos", argumenta. Mas, acrescenta ele, o Brasil também depende do mercado halal, como atestam os números. pg.8

9 Temas de Interesse Comércio Internacional Valor Econômico Continuação: Brasil domina as exportações de frango halal pg.9

10 O Estado de S. Paulo Consumo de energia pela indústria cai 2,4% Menor. Queda da produção industrial se refletiu na energia Recuo foi apurado em pesquisa da EPE para o primeiro trimestre deste ano ante o mesmo período do ano passado; queda foi concentrada em março Sergio Torres O consumo de energia pelas indústrias brasileiras caiu 2,4% no primeiro trimestre deste ano na comparação com os três meses iniciais de 2012, revelou ontem a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), ao divulgar a Resenha Mensal do Mercado de Energia Elétrica. Para a EPE,instituição vinculada ao Ministério de Minas e Energia, a queda do consumo energético "remete à inconstância dos indicadores da produção industrial e, principalmente, ao comportamento dos setores eletrointensivos". A variação do consumo de energia pela indústria no trimestre ficou negativa, na comparação com o mesmo período de2012, por causa do indicador de março, que apontou queda de 3%. Em janeiro e fevereiro, a EPE captou altas de 0,4% e1,6%, res- pectivamente. O economista Sílvio Sales, consultor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), afirma que a queda do consumo de energia nos primeiros meses do ano está atrelada ao recuo da produção das indústrias. "A produção também terá caído na comparação de primeiro trimestre com primeiro trimestre. Em relação ao consumo de energia, a tendência (de queda) vem lá de trás, com a retração de setores mais voltados à exportação, como extração mineral e a siderurgia. Como um todo, a indústria anda de lado desde 2011", disse o especialista. Específica. Para Paulo Levy, economista do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a queda recém-registrada está ligada a segmentos de consumo intenso de energia. "Você pode até pensar que seja algo generalizado,mas a queda está concentrada em setores específicos.há indicadores com níveis positivos, apesar das oscilações. Acho que esse dado da EPE teria de ser melhor avaliado. Por si só não significa retração na indústria", afirmou. O consumo industrial de energia no primeiro trimestre foi de 44,1 mil gigawatts-hora (GHw), ante 45,2 mil GWh, no mesmo período do ano passado. Na comparação entre março de 2013 e março de 2012, a queda foi de 1,1%. No documento, a EPE credita a queda do consumo de energia pelas indústrias em março, principalmente,à retração produtiva nos segmentos de extração mineral e metalurgia. São destacadas as quedas em Minas Gerais, de 7,1%, Pará (12,8%),Mara nhão(12,9%),espírito Santo (3,6%) e Goiás (6,1%). Em São Paulo, o consumo industrial caiu 1,9%, por causa de retração dos setores automotivo e de fabricação de produtos de metal. No geral, o consumo de energia no Paísavançou2,5% no primeiro trimestre, em relação a igual período de 2012, atingindo 114,6 GWh. Na comparaçãodemarço de2012 ede2013, o consumo caiu 0,5%. Passou de 38,6 mil para 38,39 mil GWh. pg.10

11 O Estado de S. Paulo Continuação: Consumo de energia pela indústria cai 2,4% O documento mostra que o consumo residencial avançou 6,6% no período, devido, em grande parte, ao aumento da posse e do uso de eletrodomésticos. Ainda conforme a Resenha Mensal, o setor de comércio e serviços também apresentou" evolução importante", superior a 6%. Destaques 44,1 mil gigawatts-hora foi o consumo de energia da indústria no trimestre 1,9% foi a queda do consumo em SP -- pg.11

12 O Estado de S. Paulo Chile, Colômbia, Peru e México debatem câmbio AMÉRICA LATINA Quatro países da América Latina - Chile, Colômbia, México e Peru - avaliam maneiras de aliviar os efeitos negativos das entradas de capital que têm valorizado as suas moedas, informaram autoridades. Os ministros de Finanças desses países se reuniram esta semana em Lima, no Fórum Econômico Global na América Latina, para discutir os efeitos do câmbio valorizado, entre outros assuntos. pg.12

13 O Estado de S. Paulo SP perde R$ 7,1 bilhões com mudanças no ICMS Guerra fiscal. Os técnicos do governo paulista apoiavam o projeto original do governo Dilma, que visava reformar a legislação confusa do ICMS, de forma a unificar as alíquotas interestaduais em 4%e, assim, acabar com aguerra fiscal -adisputa entre os Estados que oferecem às empresas alíquota menor do ICMS, "roubando" investimentos uns dos outros. Andréa Calabi. Críticas à estratégia do Planalto Dois projetos em tramitação no Congresso, que contam com apoio do governo federal, se aprovados, vão reduzir a arrecadação do imposto no Estado João Villaverde O Estado de São Paulo vai perder R$ 7,1 bilhões por ano, dentro de quatro anos, caso dois projetos que contam com o apoio do governo federal sejam aprovados no Congresso Nacional nos próximos dias. O cálculo foi feito pelo governo paulista, em estudo da Secretaria de Fazenda, obtido pelo 'Estado', sobre o impacto no orçamento demudanças no ICMS, o principal imposto estadual, em negociação no Congresso. De acordo com a Secretaria de Fazenda paulista, comandada pelo economista Andréa Calabi, o mercado brasileiro "não é propício aos investimentos" por causa das "distorções à competitividade das empresas provocadas pela guerra fiscal". No documento interno, o governo paulista critica a estratégia do Palácio do Planalto e do Ministério da Fazenda, que desistiram da reforma proposta no ano passado. "No âmbito dos Estados - em particular no caso de São Paulo -, a capacidade de investimento se vê ameaçada pelo comprometimento de receitas financeiras com as mudanças em discussão nos temas federativos." As novas alíquotas do ICMS propostas também vão aumentar as perdas do Estado de São Paulo com um segundo projeto em tramitação no Congresso - a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 197, que regula a tributação dos Estados no comércio eletrônico. Como está, a PEC 197 já reduz em R$ 2,2 bilhões por ano a arrecadação do governo paulista. Se o projeto que busca acabar com a guerra fiscal for aprovado no Senado, o rombo será maior. "No contexto da reforma tributária", afirma o governo de São Paulo, "a perda total de arrecadação do Estado será de R$ 7,1 bilhões". O principal temor da equipe econômica do governo Geraldo Alckmin (PSDB) reside no projeto do senador Delcídio Amaral (PT-MT), que unifica em 4% a alíquota interestadual do ICMS para os Estados do Sul e Sudeste, e em 7% para a venda a essas regiões de produtos originários do Norte, Nordeste e Centro Oeste, além do Espírito Santo. O texto foi aprovado anteontem na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal. Agora, o projeto será votado pelo Plenário. Caso esse projeto, que conta com o apoio da presidente Dilma Rousseff, seja aprovado pelo Congresso, São Paulo vai perder R$ 3,75 bilhões, por ano, ao final do período de quatro anos, a partir de PARA ENTENDER Em votação simbólica, a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprovou na quarta-feira o parecer do senador Delcídio Amaral (PT-MS), que reduz de 12% para 7% as alíquotas de ICMS sobre produtos manufaturados e agroindustriais para os Estados do Norte, Nordeste, Centro- Oeste e o Espírito Santo. Para os demais casos, a alíquota cairá paulatinamente de 7% pa- pg.13

14 O Estado de S. Paulo Continuação: SP perde R$ 7,1 bilhões com mudanças no ICMS ra 4%. Queda de arrecadação O texto é resultado de acordo feito com o governo federal, que enviou originalmente a proposta de 4% para todas as operações. -- R$ 3,75 bi é quanto São Paulo vai perder, por ano, se o Congresso aprovar o projeto do senador Delcídio Amaral. Caso seja aprovada também a PEC 197, o Estado perderá no total R$ 7,1 bilhões pg.14

15 O Estado de S. Paulo Espanha e França no topo do desemprego São 6,2 milhões de espanhóis e 3,19 milhões de franceses sem trabalho; crescimento da economia no Reino Unido foi a notícia boa do dia Andrei Netto Confronto. Espanhóis saem em massa às ruas para protestar contra o governo do premiê Mariano Rajoy Duas das maiores potências econômicas da Europa registraram ontem recordes históricos de desemprego. Na Espanha, 6,2 milhões de pessoas estão sem trabalho, o equivalente a 27,16% da população ativa, o pior nível desde o início da série estatística no país. Na França, 3,19 milhões - ou 10,2% dapopulação ativa - estão desempregadas, o maior nível desde Em meio a tantas más notícias na Europa, houve uma positiva: o Reino Unido escapou de nova recessão e cresceu 0,3% no primeiro trimestre. As estatísticas nacionais vêm sendo divulgadas desde ontem em todo o continente. Até aqui, a que mais chocou foi o nível de desemprego na Espanha, que volta a ter o índice mais elevado da Europa, ao lado da Grécia, com 27,2% da população ativa fora do mercado de trabalho.o índice é o maior de todo o mundo industrializado. Em termos regionais, o recorde negativo continua a ser da Andaluzia, região agrícola do sul do país onde o desemprego chega a 36,87% da população ativa. Por outro lado, a situação é menos grave no País Basco,onde o índice é bem inferior: 16,28%. Como de praxe, a situação é mais dramática para os mais jovens. Na Espanha, 57,22% dos adolescentes e adultos com idade entre 16 e 24 anos não têm trabalho, nível2%pior do que o registrado no fim de 'Decrescimento'. O desemprego de jovens é uma das causas apontadas por demógrafos para uma nova realidade no país: o decrescimento populacional. Na segunda-feira, o Instituto Nacional de Estatística da Espanha informou que o total de habitantes do país caiu 260 mil em "O número de imigrantes aumentou entre 2000 e 2009, mas com a crise a tendência se inverteu", explicou à Rádio Nacional, o demógrafo do Centro de Estudos Demográficos de Barcelona, Albert Es- pg.15

16 O Estado de S. Paulo Continuação: Espanha e França no topo do desemprego teves. Muito menos grave, mas ainda assim preocupante, é a situação da França.Em março, o número de pessoas procurando emprego aumentou pelo 23.º mês seguido e chegou ao mais elevado nível desde o início da série estatística atual, em 1997, segundo o Ministério do Trabalho. Com mais 36,9 mil desempregados, o recorde foi batido. Considerando também trabalhadores em atividade reduzida e territórios além-mar,o número de franceses em situação precária aumenta para 5milhões. Segundo o economista Marion Cochard, analistado Escritório Francês de Conjuntura Econômica, a situação só não é pior porque algumas medidas de estímulo ao mercado de trabalho tomadas pelo governo para compensar a austeridade fiscal estão surtindo efeito. "Sem essas políticas, a alta seria de 300 mil desempregados por ano, enquanto devemos estar com 200 mil", estima Cochard. A boa surpresa veio do outro lado do Canal da Mancha. Contrariando as estimativas, o Reino Unido escapou de sua terceira recessão técnica desde 2008 ao registrar crescimento de 0,3% do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre de Satisfeito, o secretário do Tesouro britânico, George Osborne, demonstrou otimismo. "Os números representam um sinal encorajador de que a economia está se curando." Mais rigor O primeiro-ministro, Mariano Rajoy, anunciou que nova rodada de cortes nos gastos públicos é provável e iminente. pg.16

17 O Estado de S. Paulo Segunda disputa brasileira Para Lembrar Esta é a segunda vez, desde a fundação, em 1995, da Organização Mundial do Comércio (OMC ) que um brasileiro disputa a direção-geral da entidade. Na primeira ocasião, em 2005, o diplomata Luis Felipe de Seixas Correa foi apresentado como alternativa para evitar que um nome uruguaio saísse vencedor. O Brasil, naquele momento, desconfiava que o Uruguai, representado pelo diplomata Carlos Pérez del Castillo, defenderia a posição de países desenvolvidos. O brasileiro foi o primeiro a ser eliminado na disputa, vencida pelo francês Pascal Lamy, que termina o mandato em setembro. pg.17

18 O Estado de S. Paulo Brasileiro e mexicano disputam final na OMC O processo começou no início do ano, com nove candidatos. Até ontem, cinco ainda estavam no páreo. Mas um neozelandês, um sul-coreano e uma indonésia acabaram eliminados ontem por terem o menor número de votos. O eleito será anunciado em meados de maio e substituirá o francês Pascal Lamy no segundo semestre. União. Discurso de Azevêdo é de um diretor-geral de todos Apesar de a final ser disputada entre dois latino-americanos, ela reflete uma vez mais uma disputa entre países ricos e emergentes. O mexicano, preferido dos países ricos, não hesita em criticar a política comercial brasileira, com o objetivo claro de manchar a candidatura de Azevêdo e mostrar que o brasileiro não seria uma opção para a OMC, que precisa fechar a Rodada Doha. Escolha do diretor-geral chega à última etapa com o pior cenário, segundo o Itamaraty: Azevêdo contra Hermínio Blanco Jamil Chade Pela primeira vez,um brasileiro vai à final na disputa pelo cargo de diretor da Organização Mundial do Comércio (OMC ). Mas o escolhido - Roberto Azevêdo - terá de enfrentar o candidato apoiado pelos países ricos, o mexicano Hermínio Blanco. Países desenvolvidos tentarão barrar a eleição de um brasileiro apoiando um nome latino-americano, mas com uma visão mais próxima de seus interesses. A final contra o México era tudo o que o Itamaraty não queria. Seja quem for o vencedor, a realidade é que, pela primeira vez na história,uma das três organizações que formam o pilar da gestão da economia mundial - FMI, Banco Mundial e OMCserá dirigida por um latino-americano, um pleito que a região defendia há décadas. Mas Azevêdo e Blanco representam visões e alianças diferentes, tanto da região quanto sobre o papel do comércio no desenvolvimento. A disputa, agora, não será apenas entre dois nomes. Mas entre duas visões de comércio exterior e, de quebra,pela hegemonia comercial na América Latina. Já Azevêdo vem adotando um discurso diferente. Insiste que, se eleito, não adotará a visão do governo brasileiro e será um "diretor-geral de todos". Ele percorreu mais de 80 países em busca de votos e representa, para muitos, a linha de pensamento que aponta o comércio como vetor ao desenvolvimento, com espaço para que governos adotem estratégias de política industrial. Ou seja,uma certa cautela na liberalização comercial. Com esse discurso, temo apoio dos Brics e de dezenas de países emergentes. Blanco é o preferido tanto dos EUA quanto de parte substancial da União Europeia. Nesta semana, o bloco europeu indicou que apoiaria os dois nomes latino-americanos. No bloco, há quem prefira Azevêdo, como Portugal. Mas, ainda assim, o Estado apurou que o primeiro na lista da Europa foi Blanco. Diplomatas brasileiros admitiram que a final contra o mexicano era o pior cenário esperado. Isso porque, além do apoio da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico( OCDE), o México faz parte de alianças do Pacífico,como a Apec. Agora, o temor é de que o México convença toda a região a votar em Blanco. pg.18

19 O Estado de S. Paulo Brasil e Venezuela - a economia explica? Opinião SANDRA POLÓNIA RIOS E PEDRO DA MOTTA VEIGA A defesa dos interesses das empresas brasileiras tem sido evocada com freqüência para justificar posturas complacentes do governo brasileiro com os descaminhos da democracia em países da América do Sul, em particular da Venezuela. O crescimento das exportações brasileiras para o país vizinho desde o início do governo Chávez, que passaram de US$ 536 milhões em 1999 para US$ 5,056 bilhões em 2012, e a atuação de grandes grupos brasileiros na Venezuela, beneficiados pela "boa. vontade" do governo venezuelano, seriam motivos suficientes para estimular a pouco transparente manobra que resultou no ingresso da Venezuela no Mercosul ou o rápido reconhecimento de Nicolás Maduro como presidente eleito, mesmo antes que a controvérsia sobre a necessidade de recontagem dos votos estivesse superada. De fato, a participação da Venezuela como destino das exportações do Brasil cresceu de pouco mais de 1%, na década de 1990, para 2,08%, em 2012, ainda que o auge da relevância do país para as vendas externas brasileiras tenha sido alcançado em 2008, quandochegou arepresentarquase 3%do total dasexportações. Por outro lado, o Brasil só ganha participação no total das importações venezuelanas na primeira metade da década passada. De lá para cá, essa participação tem oscilado em torno de 9%, indicando que as boas relações entre os governos não têm representado benefícios especiais para os exportadores do Brasil em comparação com fornecedores de outros países. Também é verdade que grandes empresas do setor de construção civil atuam em obras públicas na Venezuela. Mas, embora possam ter sido beneficiadas pelo bom relacionamento do governo brasileiro com Chávez, a sustentação de seus interesses no país vizinho depende das boas condições das contas públicas venezuelanas, o que não parece estar garantido no médio prazo. Do mesmo modo, o propalado interesse de empresas brasileiras em investir na Venezuela tem-se esvanecido nos últimos anos. De acordo com o Indexlnvest Brasil - banco de dados de investimentos brasileiros na América do Sul e no México produzido pelo Centro de Estudos de Integração e Desenvolvimento (Cindes) -, entre 2007 e 2012 foram realizadas quatro operações de investimentos diretos por empresas brasileiras na Venezuela (duas em 2007, uma em 2008 e uma em 2010). Nesses seis anos, a Colômbia recebeu 20 operações de investimentos brasileiros; o Chile, 19; e o Peru, 8. De outro lado, Bolívia e Equador não receberam nenhum investimento brasileiro nesse período. Recentemente, mais do que a redução dos investimentos, empresas brasileiras têm anunciado o cancelamento de investimentos divulgados ou, mais grave, a decisão de encerrar suas atividades em países da região. Não por acaso, os anúncios de retirada são, na maioria dos casos, em países onde a instabilidade econômica é aliada à instabilidade política para gerar um clima de insegurança jurídica e reduzidas perspectivas de crescimento econômico. Assim, o expressivo investimento anunciado pela Braskem na Venezuela não se concretizou. A Ambev decidiu encerrar sua produção no país em razão da queda prolongada das vendas de seus produtos, além de um persistente aumento de seus custos operacionais. A Natura também anunciou o encerramento de suas atividades na Venezuela. Movimento semelhante vem sendo observado por empresas brasileiras com investimentos na Argentina. Não há dúvida de que a vizinhança é um espaço relevante para as empresas industriais brasileiras, tanto em suas relações de comércio como de investimentos diretos. Os crescentes investimentos brasileiros em países como Colômbia, Peru e Chile confirmam essa constatação. No entanto, a qualidade do entorno econômico e político importa. Sustentar os interesses econômicos em alianças com governantes que demonstram baixo compromisso com a democracia, transparência e segurança jurídica e buscam promover o crescimento recorrendo a medidas discricionárias, que protegem aliados e discriminam os supostos desafetos, não parece ser a melhor estratégia para promover o interesse das empresas brasileiras. A experiência dessas empresas na Amé- pg.19

20 O Estado de S. Paulo Continuação: Brasil e Venezuela - a economia explica? rica do Sul mostra que a melhor defesa dos seus interesses é a promoção de um ambiente de normalidade democrática e de políticas econômicas que privilegiem a transparência e a estabilidade de regras. O propalado interesse de empresas brasileiras em investir no país vizinho tem-se esvanecido nos últimos anos SÃO DIRETORES DO CINDES pg.20

21 O Estado de S. Paulo Confiança da indústria apresenta nova queda AVALIAÇÃO A percepção de que as vendas externas vão piorar está comprometendo a confiança da indústria, segundo a prévia do índice de Confiança da Indústria (IGI), que recuou 0,3% de março para abril. A avaliação de 807 empresários é que o mercado externo piorou, o que se refletirá, principalmente, nas vendas do setor intermediário e de bens de capital. "A indústria está entre o otimismo e o pessimismo", disse o economista Aloísio Campeio, do Instituto Brasileiro de Economia da FGV. pg.21

22 O Estado de S. Paulo G-20 e FMI veem riscos globais de médio prazo Relatório aponta que governos terão de fazer escolhas difíceis como, por exemplo, reformar o sistema financeiro Altamiro Silva Junior Os governos conseguiram reduzir significativamente os riscos de curto prazo para a recuperação da economia mundial, mas os riscos de médio prazo continuam elevados, a agenda de reformas não foi concluída e a recomendação é de que os países permaneçam vigilantes. Esse é o alerta do relatório Perspectivas Globais e Desafios Políticos, divulgado ontem pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e pelo G-20, o grupo dos países mais ricos do mundo. Os governos agora têm o grande desafio de passar de um cenário de relativa estabilidade para outro de maior crescimento das economias. Algumas recomendações políticas são discutidas no relatório, que nota que os governos terão de fazer escolhas difíceis pela frente. Por exemplo,uma reforma do sistema financeiro é essencial e urgente, mas mudanças muito rápidas podem afetar os bancos e a recuperação da economia. Muitos bancos ainda precisam ser reestruturados e/ou recapitalizados, sobretudo na zona do euro, ressalta o FMI. Outra recomendação é o ajuste nas contas dos governos, que também vai exigir decisões difíceis. As finanças públicas precisam ser saneadas, mas o ritmo como isso terá de ser feito também pode afetar a atividade econômica e deve ser levado em conta."o aperto fiscal deve continuar em um ritmo que preserve a recuperação", ressalta o relatório. Já as políticas monetárias"ultra- acomodatícias" dos países desenvolvidos devem permanecer como estão, pois são apropriadas neste momento,mas os governos precisam considerar os riscos e efeitos colaterais indesejados, ressalta o FMI e o G-20. Entre esses efeitos, está o aumento dos fluxos internacionais de capital e o endividamento excessivo das empresas em meio aos juros muito baixos nos países desenvolvidos. Para os países emergentes, o FMI e o G-20 fazem um alerta de que essas políticas monetárias dos países desenvolvidos criam vulnerabilidades e eles precisam ficar alertas, construir proteções e estar propensos a recalibrar políticas econômicas em meio aos crescentes fluxos de capital. Reunião de Primavera. Além dessas recomendações,o documentofaz um sumário do quefoi discutido nareunião deprimavera do FMI e Banco Mundial e no encontro ministerial do G-20, que terminou no domingo em Washington. Uma das principais conclusões é de que o mundo cresce hoje a três velocidades. Os emergentes se expandem com mais força, alguns países desenvolvidos se recuperam e a zona do euro está em marcha à ré. A zona do euro, aliás, é novamente citada como a região mais problemática do mundo em termos econômicos, como já foi alertado na reunião de primavera. Otimismo 3,0% é a estimativa de crescimento para o Brasil feita durante a Reunião de Primavera 0,9% foi o avanço do País em 2012 pg.22

23 Folha de S. Paulo Indústria paulista fecha vagas e emprego perde vigor MERCADO Menor procura por trabalho evita alta maior do índice de desemprego em março Taxa em março registra leve aumento de 5,6% para 5,7%, mas é a menor para o mês desde 2002, afirma IBGE PEDRO SOARES DO RIO Os primeiros sinais de esgotamento do mercado de trabalho tornaram-se mais evidentes com a queda do emprego na indústria paulista. Em março,o emprego no setorcaiu 2,2%, puxadopelo fraco desempenho na região metropolitana de São Paulo, maior parque fabril do país. Mesmo sem a economia esboçar uma reação mais firme, a taxa de desemprego no país ficou em 5,7% em março --a menor para o mês desde o início da série do IBGE, em O nível é levemente maior que o de fevereiro (5,6%). Segundo a LCA, os números de fevereiro e de março sobre a criação de novos postos "surpreenderam pelo arrefecimento", o que está ligado ao movimento de moderação das contratações diante do processo de retenção de trabalhadores em "Pelas dificuldades de obtenção de mão de obra qualificada, pelos custos de demissão e pela perspectiva de retomada da atividade econômica --que vem sendo frustrada--, os empresários optaram pela manutenção de boa parte de seus trabalhadores em 2012", diz a consultoria. O número de vagas na indústria encolheu 4,8% em São Paulo, o equivalente à dispensa de 93 mil trabalhadores de fevereiro para março. Considerando todos os setores, a ocupação caiu 1,3% em São Paulo --num ritmo superior à queda de 0,2% na média das seis regiões pesquisadas pelo IBGE. Segundo Cimar Azeredo Pereira, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, o resultado de São Paulo não era esperado, pois a dispensa de trabalhadores temporários na região costuma ocorrer em janeiro ou, no máximo, em fevereiro. "Espera-se uma reação da indústria a partir de março ou abril", diz. Num primeiro momento, diz, essa situação reduz o total de contratações neste ano. Já a indústria enfrenta problemas como o câmbio não competitivo, a perda de fôlego do consumo interno e a confiança abalada dos empresários. A criação de vagas já não se mostra tão vigorosa como no ano passado e sinaliza uma acomodação do mercado de trabalho em geral. O mesmo ocorre com o rendimento, que aumentou apenas 0,6% ante março de A taxa de desemprego só não subiu graças à menor procura por trabalho. Mas, para o coordenador do IBGE, não é possível falar ainda que, diante do fraco crescimento da economia, o desalento reduziu a procura por trabalho. pg.23

24 Folha de S. Paulo Continuação: Indústria paulista fecha vagas e emprego perde vigor pg.24

25 Folha de S. Paulo Entenda como pensam os economistas DE SÃO PAULO MERCADO Economistas normalmente classificados como ortodoxos defendem que o Banco Central persiga taxas baixas de inflação, mesmo que isso envolva subir os juros em momentos de alta de preços, freando a economia. Isso garantiria crescimento de longo prazo mais alto e estável. Economistas chamados heterodoxos acreditam que o Banco Central pode ser um pouco mais tolerante com a inflação para evitar freadas da economia, sem que isso prejudique a tendência de crescimento. pg.25

26 Folha de S. Paulo Dilma sugere diálogo entre Vale e Argentina MERCADO A retirada da Vale de megainvestimento de US$ 6 bilhões, na província de Mendoza, foi um dos temas que geraram mais expectativa com relação à reunião. O ministro Julio De Vido (Desenvolvimento) disse, ainda, que a saída seria "a Vale voltar e explorar as jazidas". O encontro contou com a participação dos ministros Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) e Antonio Patriota (Relações Exteriores) e de seus pares argentinos, além da secretaria de Comércio Exterior, Tatiana Prazeres, e da presidente da Petrobras, Graça Foster. A executiva não quis comentar as especulações de que a empresa estaria vendendo ativos no país vizinho. Dilma Rousseff e Cristina Kirchner em Buenos Aires Já o ministro da Agricultura, Norberto Yahuar, disse que houve muitos avanços nos acordos fitossanitários e que novos limites de exportações seriam anunciados. Mineradora anunciara retirada de investimento de US$ 6 bi no país vizinho SYLVIA COLOMBO DE BUENOS AIRES A presidente Dilma Rousseff disse ontem, em Buenos Aires, que a Vale, que anunciou a retirada de investimento bilionário em potássio na Argentina, "vai encontrar, com o diálogo, o melhor caminho possível com as autoridades" locais. A declaração foi feita em entrevista conjunta com a presidente argentina Cristina Kirchner, após reunião que durou cerca de sete horas. INTEGRAÇÃO Dilma reforçou, ainda, que a resposta às consequências da crise dos países desenvolvidos era a "integração". Elas comentaram as eleições na Venezuela e no Paraguai, elogiando ambos os processos e dizendo que o Mercosul sai deles reforçado. "Mas repudiamos com veemência os atos de violência, como ficou claro na declaração assinada em Lima pelos membros da Unasul", disse Cristina, referindo-se ao distúrbios na Venezuela. As duas presidentes disseram ter discutido todos os assuntos da agenda bilateral econômica e que eles serão aprofundados na semana que vem, em reunião técnica em Montevidéu, no Uruguai. Em 2012, as vendas brasileiras para a Argentina caíram 22%, enquanto no primeiro trimestre deste ano a queda foi de 10%. pg.26

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano Mais um plano CONJUNTURA ECONÔMICA A chave da agenda positiva tão perseguida pelo governo federal em tempos de crise política e volta da inflação parece ser a preservação dos empregos. Na última terça-feira

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 1/2 Julho de 2012 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA OBSERVATÓRIO POLÍTICO DOS ESTADOS UNIDOS INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA ESTUDOS SOBRE OS ESTADOS UNIDOS INCT-INEU ISSN 2317-7977 VOL.

Leia mais

Alguns preferem papéis federais mais curtos, de menor risco, mas há os que sugerem títulos um pouco mais longos corrigidos pela inflação.

Alguns preferem papéis federais mais curtos, de menor risco, mas há os que sugerem títulos um pouco mais longos corrigidos pela inflação. Empírica Investimentos na mídia EXAME Janeiro 23/12/2014 Com juro alto, renda fixa é mais atrativa e Petrobras, opção A alta dos juros na semana passada por conta da instabilidade externa tornou mais atrativos

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar AGENDA BAHIA Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar Além das reformas tributária e trabalhista, país precisa investir em infraestrutura eficaz, na redução do custo da energia

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento / Integração Franceline Hellen Fukuda 17 de maio de 2008 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA : Carta de Conjuntura do IPEA Apresentadoras: PET - Economia - UnB 25 de maio de 2012 1 Nível de atividade 2 Mercado de trabalho 3 4 5 Crédito e mercado financeiro 6 Finanças públicas Balanço de Riscos

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP O mercado de câmbio brasileiro, no primeiro bimestre de 2014 Grupo de Economia / Fundap O ano de 2014 começou com um clima bem agitado nos mercados financeiros internacionais, com o anúncio feito pelo

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro , Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro São Paulo-SP, 08 de novembro de 2008 Centrais, Senhoras e senhores ministros das Finanças e presidentes

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014 Ano III /2015 Uma das grandes questões no debate econômico atual está relacionada ao fraco desempenho da economia brasileira desde 2012. De fato, ocorreu uma desaceleração econômica em vários países a

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

O AMBIENTE ECONÔMICO. Boletim n.º 05 1º trimestre de 2013. Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM)

O AMBIENTE ECONÔMICO. Boletim n.º 05 1º trimestre de 2013. Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM) Boletim n.º 05 1º trimestre de O AMBIENTE ECONÔMICO Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM) Atividade econômica A economia brasileira, medida pelo desempenho do Produto Interno

Leia mais

A União Européia e o Euro

A União Européia e o Euro A União Européia e o Euro Crise na Grécia, Situações na Irlanda, em Portugal, Espanha e Itália Senado Federal Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional Audiência Pública - 12 de setembro de 2011

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega

Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega Brasília, 29 de setembro de 2014 1 A Crise mundial reduziu os mercados Baixo crescimento do comércio mundial, principalmente

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

MANTEGA ANUNCIA REDUÇÃO DE ICMS INTERESTADUAL

MANTEGA ANUNCIA REDUÇÃO DE ICMS INTERESTADUAL MANTEGA ANUNCIA REDUÇÃO DE ICMS INTERESTADUAL A unificação das alíquotas do ICMS para acabar com a guerra fiscal será gradual e levará oito anos, anunciou nesta quarta-feira (7/11) o ministro da Fazenda,

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos MERCOSUL e ALCA Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos Tendência recente, com origens na década de 50, com a CEE Comunidade Econômica Européia Em 2007 fez 50 anos Objetivos Fortalecer

Leia mais

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM Perspectivas para o setor de TI BM&F Bovespa 26 de junho de 2013 BRASSCOM Associados BRASSCOM 1 Mercado Mundial de TI Crescimento Mercado TI BRASIL (2012/2011) 10,8% Crescimento Mercado TI Mundo (2012/2011)

Leia mais

Tributação: entrave ou instrumento para o desenvolvimento. Roberto Abdenur Presidente-Executivo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO

Tributação: entrave ou instrumento para o desenvolvimento. Roberto Abdenur Presidente-Executivo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO ROBERTO ABDENUR DIPLOMATA DURANTE 44 ANOS, APOSENTADO; ATUA COMO CONSULTOR EM ASSUNTOS INTERNACIONAIS; FOI EMBAIXADOR DO BRASIL NO EQUADOR, NA CHINA, NA ALEMANHA NA ÁUSTRIA E PERANTE OS ORGANISMOS INTERNACIONAIS

Leia mais

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior A ALCA E OS INTERESSES BRASILEIROS Thomas Benes Felsberg Agnes Borges O Brasil no Mercado Internacional Respondemos hoje por menos de 1% do comércio mundial. Exportações brasileiras não superam a marca

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 21 de março de 2013 1 A economia

Leia mais

Brasil joga na terceira divisão do comércio mundial

Brasil joga na terceira divisão do comércio mundial Entrevista Arturo Porzecanski Brasil joga na terceira divisão do comércio mundial Para especialista em américa latina, próximo presidente terá trabalho para recuperar a imagem do país lá fora RAUL JUSTE

Leia mais

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Julio Hegedus Assunto: Balanço Semanal InterBolsa BALANÇO SEMANAL 24 DE SETEMBRO DE 2010 BALANÇO SEMANAL 20 A 24/09 CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Capitalização da Petrobras

Leia mais

Em Compasso de Espera

Em Compasso de Espera Carta do Gestor Em Compasso de Espera Caros Investidores, O mês de setembro será repleto de eventos nos quais importantes decisões políticas e econômicas serão tomadas. Depois de muitos discursos que demonstram

Leia mais

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM?

Valor: Qual a fatia de investidores da América Latina no ESM? Entrevista com Klaus Regling, Diretor Executivo do Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM) Valor Econômico, 16 de julho de 2013 Valor: Por que buscar investidores no Brasil agora? Klaus Regling: Visitamos

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Boa tarde. É com satisfação que estamos aqui hoje para anunciar o lançamento das novas cédulas de 10 e 20 reais, dando sequência ao projeto

Leia mais

Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009

Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009 Cenário macroeconômico 2009-2010 julho 2009 Economia global: conjuntura e projeções Economias maduras: recuperação mais lenta São cada vez mais claros os sinais de que a recessão mundial está sendo superada,

Leia mais

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda Câmara dos Deputados Brasília, 23 de novembro de 2011 1 Economia mundial deteriorou-se nos últimos meses

Leia mais

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana Câmbio X IOF Nesta apresentação será exposto e discutido parte do debate sobre a valorização do real frente outras moedas, em especial o dólar. Ao final será apresentado um resumo das notícias da semana.

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 2/2 - Janeiro de 2014

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 2/2 - Janeiro de 2014 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 - Janeiro de 2014 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175

Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175 Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175 Destaques do mês - Preocupado com a inflação, mas também com as incertezas do cenário internacional, Copom inicia ciclo de aperto monetário com elevação de apenas 0,25%

Leia mais

1º a 15 de agosto de 2011

1º a 15 de agosto de 2011 1º a 15 de agosto de 2011 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

PANORAMA NOVEMBRO / 2014

PANORAMA NOVEMBRO / 2014 PANORAMA NOVEMBRO / 2014 O mês de novembro foi pautado pelas expectativas em torno da formação da equipe econômica do governo central brasileiro. Muito se especulou em torno dos nomes que ocuparão as principais

Leia mais

4278866 - O ESTADO DE S. PAULO - NOTAS E INFORMAÇÕES - SÃO PAULO - SP - 16/04/2014 - Pág A3

4278866 - O ESTADO DE S. PAULO - NOTAS E INFORMAÇÕES - SÃO PAULO - SP - 16/04/2014 - Pág A3 Investimentos em queda 4278866 - O ESTADO DE S. PAULO - NOTAS E INFORMAÇÕES - SÃO PAULO - SP - 16/04/2014 - Pág A3 As mudanças de atitude do governo em relação ao novo Código de Mineração tornaram mais

Leia mais

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial BRICS Monitor A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial Outubro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento, Comércio, Finanças

Leia mais

27/02/2015 Fechar embaixadas seria retrocesso impraticável, diz Celso Amorim - 22/02/2015 - Mundo - Folha de S.Paulo

27/02/2015 Fechar embaixadas seria retrocesso impraticável, diz Celso Amorim - 22/02/2015 - Mundo - Folha de S.Paulo Fechar embaixadas seria retrocesso impraticável, diz Celso Amorim PATRÍCIA CAMPOS MELLO DE SÃO PAULO 22/02/2015 02h00 Fechar embaixadas e consulados do Brasil no exterior seria um "retrocesso impraticável",

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Abril 2013 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento José Sergio Gabrielli Superintendência de Estudos Econômicos

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

AS ELEIÇÕES DE 2014 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÔMICA. Abril/2013

AS ELEIÇÕES DE 2014 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÔMICA. Abril/2013 AS ELEIÇÕES DE 2014 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÔMICA Abril/2013 Cenário Político 2 A conjuntura política brasileira aponta uma antecipação dos debates em torno da eleição presidencial de 2014,

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa de juros Selic em 0,5 p.p., a 14,25% ao ano, conforme esperado pelo mercado. A decisão ocorreu após elevação de 0,5 p.p no último encontro.

Leia mais