Apesar do tom positivo das análises para o

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apesar do tom positivo das análises para o"

Transcrição

1 ESTRATÉGIAS RIO BRAVO JANEIRO 2010 Contas a pagar Apesar do tom positivo das análises para o ano fechado de 2009, todas elas exaltando progressos e os contrastes com o que se esperava há um ano, a percepção de que a recuperação econômica está sujeita a riscos azedou os mercados financeiros. Assim, no início de 2010 as atenções voltaram-se para os problemas não resolvidos, que não são poucos nem novos. No que se refere à atividade econômica global, acentuam-se os contrastes em relação à recuperação. No primeiro nível, o maior diferencial de crescimento dos países emergentes em relação aos desenvolvidos, e em segundo plano, a recuperação mais forte dos EUA em relação à zona do Euro e o Japão. É verdade que com o fim dos estímulos para a compra de casas nos EUA, os dados do setor imobiliário apresentaram forte deterioração em relação ao mês anterior, bem como os indicadores de mercado de trabalho, que pioraram em relação a dezembro. Entretanto, os PMIs continuam sugerindo que a atividade nos EUA está crescendo acima de seu potencial, o que foi confirmado pela divulgação do PIB do 4º trimestre, que cresceu 5,7%, o maior registro em seis anos. Os bons números dos indicadores de atividade tiveram o efeito de trazer para o centro das atenções os negócios inacabados referentes às medidas excepcionais introduzidas durante os piores momentos da crise. Uma vez ultrapassadas as urgências, há contas a ajustar. De um lado, em sua última reunião, o Fomc confirmou que o quantitative easing terminará no primeiro semestre deste ano, assim finalizando os principais programas de abastecimento de liquidez que tanto expandiram o balanço do Fed. No statement posterior à reunião, ressalta-se a melhora na percepção da situação corrente da atividade e já se registra um voto contrário à manutenção das medidas excepcionais. A normalização da política monetária, se consumada com sucesso ao longo do primeiro semestre, terá sido uma grande vitória do Fed. Porém, o vitorioso tem contra si o desgaste causado pelas falhas que originaram a crise; assim se explica a dificuldade na recondução de Bernanke a mais um mandato. De outro lado, o presidente Barack Obama fez um polêmico pronunciamento sobre as novas direções que deverá tomar a reforma regulatória norte-americana, e as indicações que forneceu na direção de uma filosofia de narrow banking, associada ao ex-presidente do Fed Paul Volcker, não foram bem recebidas pelos mercados. Na verdade, seu pronunciamento segue-se a depoimentos decepcionantes de dirigentes de grandes bancos americanos no Congresso e a notícias sobre bons resultados e distribuições de bônus em valores considerados mirabolantes. As pressões políticas para medidas hostis aos bancos em geral, e em particular os que obtiveram ajuda governamental e parecem retornar às mesmas práticas anteriores à crise, ao menos quando se trata de compensation, parecem estar na raiz do tom agressivo das falas do presidente Obama. Não se usa a designação populista para os grandes debates de políticas públicas nos EUA desde as querelas sobre o padrão-ouro anteriores à fundação do Federal Reserve em

2 ESTRATÉGIAS RIO BRAVO Janeiro Encarnações posteriores dessas idéias tomaram formas tanto mais genéricas como menos relevantes; no século XX o populismo ganhou um sentido mais específico na América Latina, e este nós sabemos bem o que significa. Seria difícil enquadrar os movimentos de Obama no cânone populista latino, mas não há dúvida que o sentimento hostil a bancos, e por extensão, à globalização e à economia de mercado encontra muito respaldo em foros internacionais, e sobretudo na Europa. Na zona do Euro e no Japão os dados continuam mistos, e mostrando algum arrefecimento nos impulsos na direção da recuperação. Os sinais de melhora do consumo nestes países ainda são fracos. Mais preocupantes do que os sinais de atividade relativamente fraca têm sido as notícias sobre os desequilíbrios fiscais e externos dos países da periferia europeia, destacadamente a Grécia. Essas preocupações acentuaram o movimento de depreciação do euro relativamente ao dólar; as tensões nos países designados como Piigs (Portugal, Irlanda, Itália, Grécia e Espanha) podem ser facilmente magnificadas quando se imagina cada um desses países como se estivessem em um currency board, ou seja, amarrados a uma taxa de câmbio fixa relativamente a uma moeda externa e impossibilitados de desvalorizar sua moeda e suas dívidas. A experiência de currency board para países médios, a julgar pelo que se passou com a Argentina, não é nada encorajadora. Porém, é certo que os Piigs têm uma relação com o restante da Europa que transcende a política cambial; a integração econômica avançou de forma provavelmente irreversível, o que faz crer que os ajustamentos de desequilíbrios regionais tenham de ocorrer através de movimentos de fatores de produção, o que, na prática, quer dizer venda de ativos e migração. As tensões sociais associadas a esses movimentos podem ser muito expressivas, ocasionando muito dispêndio de energia política dentro da União Europeia, com consequências adversas para a moeda comum. O crescimento nos países emergentes continua forte, principalmente na Ásia. O PIB da China cresceu 8,7% em 2009, bem acima das projeções catastróficas feitas no início do ano. Os índices de preço mostraram que a inflação dá sinais de acordar, de tal sorte a alterar o balanço dos riscos (clássica linguagem de bancos centrais para designar riscos negativamente correlacionados, de recessão e de inflação) com o qual trabalham os bancos centrais. Diversos deles, pela Ásia, fizeram movimentos relevantes em janeiro, como os da China, Índia e Indonésia, que subiram suas respectivas taxas de recolhimento compulsório. Não se trata aqui de sinais recessivos emanados da Ásia, mas dos primeiros movimentos de bancos centrais na direção de exit strategies, vale dizer, de normalização das políticas monetárias diante de riscos inflacionários já bem mais relevantes que os de recessão. No Brasil, o enredo é semelhante, porém, com atraso. Os indicadores de atividade continuam a mostrar crescimento forte, ainda que uma oitava abaixo dos níveis asiáticos. O desemprego continua baixo, o crédito continua crescendo em ritmo forte, e com aumento de prazo médio e queda na inadimplência. A mensagem do Copom, em seu statement posterior à primeira reunião do ano, deixa a porta aberta para o início de mais um ciclo de ajuste monetário. Desta forma, o gatilho para o aumento de juros será a continuidade dos sinais de superaquecimento da economia e a confirmação das surpresas negativas dos índices de inflação, mostrando que este não é apenas um efeito sazonal. Não se pode dizer que janeiro tenha trazido más notícias sobre os fundamentos da economia brasileira, talvez até pelo contrário. Nesse contexto, não se deve interpretar o movimento observado na Bovespa como tendência, pois as perspectivas para resultados nas empresas brasileiras continuam muito boas. Já o enfraquecimento do real decorre em boa medida do fortalecimento do dólar em escala global decorrente da percepção de que a crise cruzou o Atlântico e enfraqueceu o euro. É verdade que o real depreciou mais do que o que se poderia explicar pelo fortalecimento do dólar, e isto se deveu à queda no preço das commodities, ao enfraquecimento do fluxo cambial e às perspectivas ruins do saldo em conta corrente para 2010.A teoria econômica indica que o câmbio deve responder às expectativas piores sobre as contas externas, porém, o ajuste da moeda em países com menor restrição da conta financeira mostra que a piora da expectativa da conta corrente tem impacto limitado quando há expectativa de financiamento e boas perspectivas de crescimento. 2

3 ESTRATÉGIAS RIO BRAVO Janeiro 2010 Estratégias Renda Fixa e Multimercados No mês de janeiro, o Fundamental Macro teve desempenho negativo de 1,41%, contra um CDI de 0,66%. Foi o primeiro mês negativo do fundo desde outubro de 2008, quando ainda estávamos no meio da crise. A estratégia que gerou maior impacto ao fundo foi a de moedas, com perdas de 1,22% no mês. Iniciamos o mês com posição comprada em real, financiada por dólar, euro e iene. A moeda brasileira teve o pior desempenho mensal desde outubro 2008, que pode ser justificada por uma conjunção de fatores tais como o início do aperto monetário na China, a discussão mais intensa sobre regulação do sistema financeiro, a piora acentuada na conta corrente, as incertezas sobre a recondução de Bernanke à presidência do Fed e a instabilidade na Grécia. Estes motivos trazem preocupação, mas em nossa visão não devem alterar o curso de apreciação do real. O aperto na China era esperado para o ano em função de seu forte crescimento, mas deve ser feito de forma gradual, não prejudicando o crescimento global. A nova regulamentação do sistema financeiro será algo para o longo prazo, feita de maneira gradual e coordenada entre as nações. Na nossa opinião, a piora da conta corrente será tranquilamente financiada pela conta de capital, principalmente pelo investimento estrangeiro direto. Nossa posição em juros gerou um retorno negativo de 0,16%. Temos aumentado nossa posição tomada em juros, em função de demanda doméstica aquecida, expansão do crédito, inflação de curto prazo acima do esperado e política fiscal expansionista, o que deverá gerar pressões inflacionárias e por consequência elevação de juros pelo Banco Central. Nossa carteira de ações se desvalorizou 2,77%, gerando um retorno negativo para o fundo de 0,7%. No mesmo período, o Ibovespa acumulou queda de 4,6%. Neste mês as ações da carteira que merecem destaque são Copasa e Bematech; ambas são abordadas em detalhe na parte de renda variável desta carta. A Copasa sofreu um duro revés este mês, caindo 23,3% após um reajuste tarifário que veio abaixo do esperado, aumentando a percepção de risco político e regulatório. A Bematech teve um mês excelente e, impulsionada pela sinalização de um bom quarto trimestre, subiu 11,6%. Esta valorização foi mais relevante para o Macro, que possui cerca de 10% de sua carteira de renda variável no papel, enquanto o Fundamental possui cerca de 5%. Renda Variável Em janeiro, o Fundamental FIA teve uma performance negativa de 4%. Desde seu início, em setembro de 2004, o fundo acumula uma rentabilidade de 370,4%, ou 508,9% do benchmark, IGP-M + 6. Copasa A Copasa sofreu um duro revés já no começo do ano e suas ações caíram 23,3% em janeiro. A recém criada Arsae, agência reguladora de saneamento de Minas Gerais, divulgou um reajuste tarifário de 2,90%, revisando-o posteriormente para 3,96%. A empresa, que não tinha suas tarifas reajustadas desde março de 2008, estava pleiteando um reajuste próximo de 9%, número que repassaria para sua tarifa a inflação verificada no período. Em nossa opinião, a Arsae utilizou uma metodologia falha e com caráter provisório, dando a impressão de ter feito uma conta de chegada que acomodasse interesses políticos e minimizasse conflitos com representantes dos consumidores, nesta sua primeira ação como regulador do mercado. A agência também anunciou que desenvolverá uma metodologia de revisão tarifária mais clara (provavelmente nos moldes da Aneel, agência reguladora federal do setor de energia elétrica), mas a proximidade das eleições e a forma com que a agência trabalhou neste primeiro momento nos deixou céticos quanto ao tema. Acompanharemos de perto o trabalho da Arsae durante o ano e esperamos poder contribuir de alguma forma para a evolução do ambiente regulatório no Estado. É importante mencionar que, durante os quase três anos em que investimos na Copasa, diversos fundamentos da empresa melhoraram sensivelmente, tais como a qualidade de seu balanço (constituiram-se provisões para alguns passivos antes negligenciados, por exemplo), expansão de 15% em sua margem Ebitda, o acentuado crescimento do volume de esgoto coletado, a implementação do sistema de gestão SAP, a criação de uma política de 3

4 ESTRATÉGIAS RIO BRAVO Janeiro 2010 dividendos e o aumento do payout. Apenas alguns destes pontos já seriam suficientes para justificar a valorização das ações e a expansão de seus múltiplos, mas o fato é que o retorno deste investimento para o fundo está próximo de zero. No atual nível de preço de suas ações (próximo de 4x sua geração de caixa), seguimos confortáveis com o investimento, entretanto discutimos com mais frequência o tamanho do desconto que deve ser dado para fatores políticos e regulatórios aos quais a companhia está exposta. Bematech As ações da Bematech começaram o ano com um desempenho positivo de 11,6%, ante retorno negativo do Ibovespa em janeiro. A empresa já sinalizou que teve um bom quarto trimestre de 2009, podendo ter alcançado resultado recorde para o período (realidade nem imaginada no começo do ano, quando chegou a operar no vermelho). Com a forte recuperação da economia na segunda metade do ano, os pequenos varejistas ganharam confiança e voltaram a investir, impulsionando assim as vendas de impressoras fiscais e aplicativos de automação comercial. Carlos Costa Pinto, que assumiu formalmente a presidência da Bematech no primeiro dia do ano, tem uma agenda cheia pela frente que deve passar por: (i) finalizar o processo de incorporação das oito aquisições feitas desde o recente IPO; (ii) dar uma solução definitiva para a problemática Gemco (uma de suas aquisições que enfrenta sérios problemas operacionais e vem consumindo recorrentemente o caixa da companhia); (iii) definir uma estratégia coesa e unificada para a atuação no mercado de software (passando pelo amadurecimento da sua área de inteligência de mercado, com o objetivo principalmente de entender melhor seu cliente final). Entretanto, acreditamos que este é um bom momento para enfrentar tais desafios, pois verifica-se um ambiente de negócios favorável, a empresa está com um balanço sólido e seu novo sistema de ERP já está rodando a todo vapor. Private Equity O Fundo Nordeste II adquiriu uma participação acionária relevante na Multdia S.A., uma das maiores empresas de alimentos do Nordeste, com sede em Natal. De janeiro de 2006 a maio de 2009, houve 123 operações de fusões e aquisições envolvendo indústrias de alimentos brasileiras, de acordo com a base de dados ISI Emerging Markets. Entre as principais motivações por trás deste movimento, destacam-se: (i) necessidade de expansão da capacidade produtiva; (ii) aquisição de uma marca bem posicionada junto ao público-alvo; (iii) extensão horizontal da linha de produtos por meio de entrada em segmentos onde hoje a empresa não atua; e (iv) penetração em uma nova região geográfica. Consolidado de maneira geral nos países desenvolvidos, este mercado vem crescendo substancialmente nos países em desenvolvimento. Na China, por exemplo, fundos de private equity têm participado ativamente deste mercado, principalmente através de segmentos que crescem acima da média, caso dos alimentos infantis como cereais, mingau, leite, etc. Em agosto, o fundo Sequoia Capital investiu US$ 63 milhões numa participação de 10% na empresa chinesa Feihe Dairy, e o Carlyle comprou a Guangdong Yashili Group, uma das maiores empresas produtoras de alimentos infantis da China, por uma quantia não revelada. No Brasil, apesar do crescimento do consumo ter ocorrido em todo o país, é na região Nordeste que os números são mais expressivos. O aumento de renda ocasionou mudanças substanciais nos hábitos de consumo da população. Neste contexto, a indústria alimentícia do Nordeste merece um destaque ainda maior, em especial nos segmentos de farináceos e de massas. Produtos como mingaus, cereais, misturas para bolo, achocolatados, massas secas, frescas e instantâneas respondem por 8% da despesa mensal com alimentação das famílias nordestinas, contra uma média nacional de 5,7%, de acordo com o IBGE. Além de nossa confiança nos fundamentos do mercado de alimentos industrializados, a decisão pelo investimento na Multdia considerou o fato da empresa possuir uma rede de distribuição própria, o que garante a colocação de seus produtos em uma rede composta por mais de 12 mil pontos de venda em todo o Nordeste. Em uma região onde o pequeno varejo ainda responde por uma parcela relevante das vendas de bens de consumo nãoduráveis, o investimento em uma empresa com o perfil da Multdia permite o acesso a um canal que muitas vezes é o principal ponto de abastecimento de uma parcela relevante da população. 4

5 Investimentos Imobiliários A sexta emissão de cotas do Fundo de Investimento Imobiliário Shopping Pátio Higienópolis foi encerrada com sucesso. A emissão foi dividida em duas fases: direito de preferência na subscrição e integralização da 6ª emissão de cotas do fundo, realizada em dezembro de 2009, na mesma proporção de sua participação. Nesta fase, 404 dos 636 cotistas subscreveram e integralizaram cotas, totalizando o valor total de R$ 9,702 milhões, correspondente a 81,5% da emissão. Na segunda fase, em 7 de janeiro de 2010, foi realizado o leilão das sobras das cotas no âmbito da BM&F Bovespa. O leilão iniciou a negociação das cotas pelo valor mínimo de R$ 251,30 e foi encerrado no valor de R$ 302,01. Foram negociadas todas as cotas remanescentes da primeira fase, resultando num volume captado de R$ 2,641 milhões. A demanda pela 6ª emissão superou em três vezes a oferta das sobras. Com isso, a 6ª emissão foi encerrada com a captação de R$ 12,343 milhões. Com relação à 3ª emissão de cotas do FII Rio Bravo Renda Corporativa, encaminhamos no mês de janeiro uma nova consulta formalizada (Consulta 01/2010) solicitando aos cotistas a autorização para a emissão de novas cotas no valor mínimo de R$ 1,25, totalizando R$ 100 milhões. O prazo para os cotistas se manifestarem vai até dia 22 de fevereiro. Apenas após a aprovação pela maioria, a poderá solicitar à CVM a concessão do registro para a nova emissão e, consequentemente, divulgar o cronograma definitivo da oferta pública de cotas do fundo e o prospecto definitivo. Os atuais cotistas do fundo terão direito de preferência para a aquisição de novas cotas dessa emissão, quantia esta limitada à participação que atualmente possuem no fundo. Após o encerramento do prazo do exercício de preferência dos cotistas, a oferta será aberta ao mercado. A rentabilidade do fundo em 2009, calculada com base na taxa interna de retorno (TIR), foi de 53,59% e o dividend yield (percentual dos rendimentos pagos nos últimos 12 meses em relação ao valor da cota de mercado no início do período) foi de 12,60%. O Fundo Brasílio Machado, proprietário de 13 conjuntos comerciais do Ed. Brasílio Machado, localizado na R. Dr. Cardoso de Melo em São Paulo, também está passando por processo de consulta formalizada. Os cotistas irão deliberar quanto ao registro das cotas do fundo para negociação no âmbito da BM&F Bovespa. ESTRATÉGIAS RIO BRAVO Janeiro

6 Performance (%) Fundamental FIA Fundamental Macro FIM Crédito Privado FI RF Liquidez DI FI Referenciado CDI Ibovespa Jan-10-4,01-1,41 0,69 0,62 0,66-4,65 1,05 7,67 Dez-09 5,65 1,39 0,79 0,69 0,72 2,30 0,37-0,53 Nov-09 7,53 1,66 0,70 0,63 0,66 8,93 0,60 0,37 Out-09 3,17 2,58 0,77 0,65 0,69 0,05 0,55-1,92 Set-09 4,72 2,17 0,72 0,66 0,69 8,90 0,87-5,74 Ago-09 8,10 2,59 0,69 0,66 0,69 3,15 0,12 0,74 Jul-09 8,94 3,89 0,82 0,75 0,79 6,41 0,14-4,05 Jun-09 4,51 0,57 0,77 0,73 0,76-3,26 0,50-1,08 Mai-09 9,98 7,14 0,80 0,74 0,77 12,49 0,43-9,42 Abr-09 16,80 3,84 0,88 0,81 0,84 15,55 0,17-5,91 Mar-09 0,35 1,55 0,99 0,94 0,97 7,18-0,19-2,66 Fev-09 1,53 0,88 0,90 0,82 0,85-2,84 0,68 2, ,01-1,41 0,69 0,62 0,66-4,65 1,05 7,67 12 meses 89,41 30,42 9,98 9,09 9,53 65,00 5,43-17,63 24 meses 66,12 35,07-22,18 23,17 9,94 20,98 6,50 36 meses 102, ,52 46,50 38,89-11,76 48 meses 187, ,66 70,39 52,15-15,40 60 meses 284, ,70 168,59 64,05-28,57 Desde o início 370,40 38,70 16,72 23,38 PL médio (R$Mil) , , , ,60 PL Atual , , , ,12 Data de início 8-Set Jul Ago Dez-07 Taxa de administração ( a.a.) 2,00 2,00 0,45 0,35 Taxa de performance ( a.a.) 20% do que 20% do que exceder exceder - - IGP-M+6 CDI IGP-M +6% Dólar ESTRATÉGIAS RIO BRAVO Janeiro

7 RIO BRAVO INVESTIMENTOS Mario Fleck Chief Executive Officer Gustavo Franco Estrategista-chefe Paulo Bilyk Chief Investment Officer Miguel Russo Diretor de Risco e Compliance Joaquim Kokudai Renda Fixa e Multimercados Rafael Alves Rodrigues Renda Variável Paulo Silvestri Private Equity Martim Fass Investimentos Imobiliários Geraldo Samor Editor de Conteúdo Contatos Investidores Institucionais Fabio Ohara Ishigami André Tavares Castanheira Scheila Lofrano Private Banking Felipe Vaz Guimarães Julio Ortiz Neto Carolina Amaral Carazzato Márcia Ávila Investimentos S.A. Av. Chedid Jafet, 222, Bloco B, 3.º andar São Paulo SP Brasil Tel. (11) Fax (11) ESTRATÉGIAS RIO BRAVO Janeiro 2010 Recomendações ao investidor: As informações contidas neste material são de caráter exclusivamente informativo. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador do fundo, do gestor da carteira, de qualquer mecanismo de seguro ou, ainda, do Fundo Garantidor de Crédito FGC. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de rentabilidade futura. Ao investidor é recomendada a leitura cuidadosa do regulamento do fundo de investimento ao aplicar seus recursos. Para avaliação da performance dos fundos de investimento, é recomendável uma análise de períodos de, no mínimo, 12 (doze) meses. A Fundamental Investimentos Ltda. não se responsabiliza pela publicação acidental de informações incorretas, nem por decisões de investimentos tomadas com base neste material. 7

Em Compasso de Espera

Em Compasso de Espera Carta do Gestor Em Compasso de Espera Caros Investidores, O mês de setembro será repleto de eventos nos quais importantes decisões políticas e econômicas serão tomadas. Depois de muitos discursos que demonstram

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 06 de julho de 2010. CENÁRIO ECONÔMICO EM JUNHO A persistência dos temores em relação à continuidade do processo de recuperação das economias centrais após a divulgação dos recentes dados de

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 07 de março de 2012. CENÁRIO ECONÔMICO EM FEVEREIRO O mês de fevereiro foi marcado pela continuidade do movimento de alta dos mercados de ações em todo o mundo, ainda que em um ritmo bem menor

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 01 de Setembro de 2015 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 03/08/2015 a 31/08/2015 Panorama Mensal Agosto 2015 O mês de agosto novamente foi marcado por grande volatilidade nos mercados

Leia mais

Relatório Mensal Dezembro de 2015

Relatório Mensal Dezembro de 2015 Relatório Mensal Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa teve um desfecho melancólico no ultimo mês de 2015, fechando com queda de 3,92% e acumulando uma retração de 13,31% no ano. O cenário econômico

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 02 de Janeiro de 2015 Prezado(a) Período de Movimentação FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 01/12/2014 a 31/12/2014 Panorama Mensal Dezembro 2014 A volatilidade

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram bom desempenho em abril. A produção industrial

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 01 de Abril de 2015 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 02/03/2015 a 31/03/2015 Panorama Mensal Março 2015 Os mercados financeiros seguiram voláteis ao longo do mês de março, em especial

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 04 de Maio de 2015 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 01/04/2015 a 30/04/2015 Panorama Mensal Abril 2015 No cenário internacional, o mês de abril foi marcado por surpresas negativas em

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram baixo desempenho em maio. A produção industrial

Leia mais

Relatório Mensal - Fevereiro de 2015

Relatório Mensal - Fevereiro de 2015 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa encerrou o mês de fevereiro com alta de 9,97%, recuperando as perdas do início do ano. Mesmo com o cenário macroeconômico bastante nebuloso

Leia mais

Relatório Mensal - Junho de 2013

Relatório Mensal - Junho de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor Junho foi mais um mês bastante negativo para o Ibovespa. O índice fechou em queda pelo sexto mês consecutivo impactado pela forte saída de capital estrangeiro

Leia mais

Relatório Mensal - Novembro de 2013

Relatório Mensal - Novembro de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor Depois de quatro meses consecutivos de alta, o Ibovespa terminou o mês de novembro com queda de 3,27%, aos 52.842 pontos. No cenário externo, os dados

Leia mais

Relatório Mensal - Setembro de 2013

Relatório Mensal - Setembro de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa emplacou o terceiro mês de alta consecutiva e fechou setembro com valorização de 4,65%. Apesar dos indicadores econômicos domésticos ainda

Leia mais

Respostas Erradas para Perguntas Difíceis

Respostas Erradas para Perguntas Difíceis Carta do Gestor Respostas Erradas para Perguntas Difíceis Caros Investidores, Ao longo das últimas semanas, continuamos a observar a piora dos fundamentos da economia brasileira. Os problemas que surgem

Leia mais

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil VII Congresso Anbima de Fundos de Investimentos Rodrigo R. Azevedo Maio 2013 2 Principal direcionador macro de estratégias de

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM FEVEREIRO São Paulo, 04 de março de 2011. O mês de fevereiro foi positivo para os mercados de ações. Entretanto, o período foi marcado pelo aumento das tensões geopolíticas, com diversos

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO- DEZEMBRO -2011

RELATÓRIO DE GESTÃO- DEZEMBRO -2011 O ano de 11 terminou sem grandes surpresas. Na tentativa de manter aquecido o mercado consumidor brasileiro, a taxa básica de juros, que chegou a 1,5% ao longo do ano, encerrou o período em 11%. O crescimento

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2014 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2014 1 No segundo trimestre de 2014, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de 1,41%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 2,51% e o mercado de bolsa valorizou-se

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

Relatório de Gestão Invext FIA. Maio - Junho

Relatório de Gestão Invext FIA. Maio - Junho Relatório de Gestão Maio - Junho 2013 1 Filosofia O é um fundo de ações alinhado com a filosofia de value investing. O fundo possui uma estratégia de gestão que busca capturar de forma contínua oportunidades

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

Relatório Mensal Agosto/2015

Relatório Mensal Agosto/2015 1. Cenário Econômico Relatório Mensal GLOBAL: A ata da reunião de julho do FOMC (Federal Open Market Committee) trouxe um tom mais conciliador. Embora a avaliação em relação à atividade econômica tenha

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

CAIXA RIO BRAVO FUNDO DE FII (CXRI11) Informativo Mensal Janeiro/2015

CAIXA RIO BRAVO FUNDO DE FII (CXRI11) Informativo Mensal Janeiro/2015 Objetivo e Política do Fundo O fundo CAIXA RIO BRAVO FUNDO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII tem como objetivo proporcionar retorno aos seus cotistas por meio de uma carteira diversificada de

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 01 de Outubro de 2012 Prezado(a) Período de Movimentação FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 03/09/2012 a 28/09/2012 Panorama Mensal Setembro de 2012 O mês de setembro

Leia mais

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Abril 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional O fraco resultado dos indicadores econômicos chineses mostrou que a segunda maior economia mundial continua em desaceleração. Os dados

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JULHO/13

Relatório Econômico Mensal JULHO/13 Relatório Econômico Mensal JULHO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS mês

Leia mais

CARTA MENSAL SulAmérica Total Return FI Ações Novembro 2014

CARTA MENSAL SulAmérica Total Return FI Ações Novembro 2014 CARTA MENSAL SulAmérica Total Return FI Ações Novembro 2014 Cenário Internacional Crescimento mundial: gradual e desequilibrado A economia mundial fecha 2014 com um desempenho não muito diferente daquele

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO- JANEIRO -2012

RELATÓRIO DE GESTÃO- JANEIRO -2012 O pessimismo amplamente precificado em bolsa ao longo de 2011 parece ter sofrido uma mudança de rota em direção a céus mais azuis. Em janeiro de 2012, o Ibovespa subiu 11,13%, de tal forma a recuperar

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE OUTUBRO DE 2014 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE OUTUBRO DE 2014 1 No terceiro trimestre de 2014, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de -0,07%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 2,72% e o mercado de bolsa valorizou-se

Leia mais

Carta Mensal Mauá Sekular

Carta Mensal Mauá Sekular Mauá Participações I e II www.mauasekular.com.br contato@mauasekular.com.br Carta Mensal Mauá Sekular Fundos Macro Maio 2015 Sumário (I) (II) (III) Cenário Internacional Cenário Doméstico Principais Estratégias

Leia mais

Cenário Econômico. Alocação de Recursos

Cenário Econômico. Alocação de Recursos BB Gestão de Recursos DTVM S.A. Cenário Econômico UGP- Unidade de Gestão Previdenciária BB Gestão de Recursos DTVM S. A. Alocação de Recursos setembro/2015 Outubro/2015 Cenário Econômico Economia Internacional

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

NOTA MENSAL Dezembro/2006. Quest Fundos Multimercados

NOTA MENSAL Dezembro/2006. Quest Fundos Multimercados NOTA MENSAL Dezembro/20 Quest Fundos Multimercados O ambiente de mercado foi bastante positivo em dezembro, em função do aumento da confiança de um pouso suave da economia americana, apesar dos riscos

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015 18/05/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Semana bastante volátil de mercado, com uma agenda mais restrita em termos de indicadores macroeconômicos. Entre os principais destaques, os resultados de Produto

Leia mais

Carta do Gestor. Vento Contra. Caros Investidores,

Carta do Gestor. Vento Contra. Caros Investidores, Carta do Gestor Vento Contra Caros Investidores, Há alguns meses temos ressaltado em nossas cartas a piora do ambiente global para as economias emergentes. Esse vento contra, formado inicialmente pela

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

PARECER MENSAL - 6/2015 20/07/2015. Regime Próprio de Previdência Social do município de Sorriso - MT PREVISO

PARECER MENSAL - 6/2015 20/07/2015. Regime Próprio de Previdência Social do município de Sorriso - MT PREVISO PARECER MENSAL - 6/2015 20/07/2015 Regime Próprio de Previdência Social do município de Sorriso - MT PREVISO Prezado(a) Diretor(a) Executivo(a), Sr(a). Adélio Dalmolin; Atendendo a necessidade do Instituto

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM JULHO São Paulo, 05 de agosto de 2011. O desordenado cenário externo seguiu impondo fortes perdas aos mercados de ações em todo o mundo durante o mês de julho. As bolsas de valores

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175

Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175 Carta Mensal Abr/Mai de 2013 nº 175 Destaques do mês - Preocupado com a inflação, mas também com as incertezas do cenário internacional, Copom inicia ciclo de aperto monetário com elevação de apenas 0,25%

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO JANEIRO 2015

CENÁRIO MACROECONÔMICO JANEIRO 2015 Avaliação da Carteira de Investimentos Janeiro/2015 1 CENÁRIO MACROECONÔMICO JANEIRO 2015 O ano de 2015 inicia com grandes desafios no ambiente econômico internacional, principalmente em relação as incertezas

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE OUTUBRO DE 2015 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE OUTUBRO DE 2015 1 No terceiro trimestre de 2015, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de -2,75%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 3,43% e o mercado de bolsa apresentou

Leia mais

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP São Paulo, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio SPX Capital Agosto 2013 Perspectivas Macroeconômicas Inflação acumulada em 12

Leia mais

XP FIA BDR NÍVEL 1. Análise do Trimestre

XP FIA BDR NÍVEL 1. Análise do Trimestre XP FIA BDR NÍVEL 1 O XP FIA BDR NÍVEL I é um Fundo de Ações que tem como objetivo proporcionar ganhos de capital no longo prazo a seus cotistas, através de gestão ativa no mercado acionário internacional,

Leia mais

INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES GERAL DIVIDENDO - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. Química 12% Papel e Celulose 8%

INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES GERAL DIVIDENDO - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. Química 12% Papel e Celulose 8% Outubro de 2015 INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES O Geral Asset Long Term - GALT FIA é um fundo de investimento que investe em ações, selecionadas pela metodologia de análise

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012 DESTAQUES DO RELATÓRIO: Carteira Recomendada A nossa carteira para este mês de Outubro continua estruturada considerando a expectativa de aumento da taxa de juros a partir do próximo ano. Acreditamos que

Leia mais

DI BLASI CONSULTORIA FINANCEIRA LTDA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE CAMAÇARI. Relatório dos Investimentos Março/2011

DI BLASI CONSULTORIA FINANCEIRA LTDA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE CAMAÇARI. Relatório dos Investimentos Março/2011 DI BLASI CONSULTORIA FINANCEIRA LTDA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE CAMAÇARI Relatório dos Investimentos Março/2011 Rio de Janeiro (RJ), 12 de abril de 2011 CENÁRIO ECONÔMICO No primeiro trimestre

Leia mais

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário 1. Objetivo do fundo O Fundo JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento

Leia mais

PORTFÓLIOS RIO BRAVO. EDUARDO LEVY MULTI-ASSETS & PORTFOLIOS INVESTOR S DAY / 15 de Abril de 2015. Rentabilidade, Classes de Ativos

PORTFÓLIOS RIO BRAVO. EDUARDO LEVY MULTI-ASSETS & PORTFOLIOS INVESTOR S DAY / 15 de Abril de 2015. Rentabilidade, Classes de Ativos PORTFÓLIOS RIO BRAVO Rentabilidade, Classes de Ativos EDUARDO LEVY MULTI-ASSETS & PORTFOLIOS INVESTOR S DAY / 15 de Abril de 2015 Recomendações ao investidor: As informações contidas neste material são

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Julho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Inflação e Salários...Pág.3 Europa: Grexit foi Evitado,

Leia mais

1 - BTG Pactual Corporate Office Fund BRCR11

1 - BTG Pactual Corporate Office Fund BRCR11 1 - BTG Pactual Corporate Office Fund BRCR11 O FII BTG Pactual Corporate Office Fund é um fundo de investimento imobiliário do tipo corporativo, ou seja, tem como objetivo investir em ativos imobiliários

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

A semana em revista. Relatório Semanal 8/12/2014

A semana em revista. Relatório Semanal 8/12/2014 Relatório Semanal 8/12/2014 A semana em revista No cenário doméstico, os destaques da semana foram a Pesquisa Industrial Mensal (PIM) e a taxa de inflação (IPCA). A produção industrial do mês de outubro

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

Carta de Gestão Dezembro 2009

Carta de Gestão Dezembro 2009 Carta de Gestão Dezembro 2009 Em meio à continuidade no processo de recuperação da economia global, e do bom desempenho das economias emergentes, o último mês de 2009 foi marcado pela divulgação de indicadores

Leia mais

Carta de Gestão Agosto 2009

Carta de Gestão Agosto 2009 Carta de Gestão Agosto 2009 O mês de agosto foi marcado pela continuidade no processo de recuperação da economia global, com indicadores econômicos surpreendendo positivamente as expectativas dos agentes.

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX BENCHMARK 100.00%CDI Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética dos Ativos em 30/04/2015 Financeiro % PL FUNDOS

Leia mais

1. Objetivo e Descrição do fundo

1. Objetivo e Descrição do fundo FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: 11.664.201/0001-00 Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ: 33.644.196/0001-06 RELATÓRIO SEMESTRAL 1º. SEM. 2013 1. Objetivo e Descrição do fundo

Leia mais

1. Ambiente Global...2. 2. Brasil: Tsunami Tupiniquim...2. 3. Fundo Mirae Asset MM Macro Strategy FI Comentário do Gestor...5

1. Ambiente Global...2. 2. Brasil: Tsunami Tupiniquim...2. 3. Fundo Mirae Asset MM Macro Strategy FI Comentário do Gestor...5 Tsunami tupiniquim Fonte: www.shutterstock.com Índice 1. Ambiente Global...2 2. Brasil: Tsunami Tupiniquim...2 3. Fundo Mirae Asset MM Macro Strategy FI Comentário do Gestor...5 4. Desempenho e Atribuição

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO JANEIRO 2008

RELATÓRIO DE GESTÃO JANEIRO 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO JANEIRO 2008 Este material tem o único propósito de divulgar informações e dar transparência à gestão executada pela Edge Investimentos, não deve ser considerado como oferta de venda

Leia mais

ABRIL/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO

ABRIL/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO ABRIL/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO ÍNDICE Indicadores Financeiros Pág. 3 Projeções Pág. 4-5 Cenário Externo Pág. 6 Cenário Doméstico Pág. 7 Renda Fixa e Renda Variável Pág. 8 INDICADORES FINANCEIROS BOLSA

Leia mais

Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos

Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos Conjuntura Economia Americana Crescimento e Mercado de trabalho PIB EUA (%) 11 Desemprego EUA 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 1,6 3,9 2,8 2,8 3,2 1,4

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JANEIRO DE 2015 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JANEIRO DE 2015 1 No quarto trimestre de 2014, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de 0,79%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 2,76% e o mercado de bolsa mostrou queda

Leia mais

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013 Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo Setembro 2013 2 Melhoras institucionais do Brasil desde 1994: aceleração do crescimento e queda da inflação 9% Brasil: Crescimento do PIB 24% IPCA Inflação Anual 7%

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20 BENCHMARK RF:80.00% ( 100.00%CDI ) + RV:20.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 06 de abril de 2011. CENÁRIO ECONÔMICO EM MARÇO O otimismo relativo à continuidade do processo de recuperação econômica perdeu um pouco do ímpeto no mês de março após os eventos catastróficos

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

RB CAPITAL RENDA I FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII

RB CAPITAL RENDA I FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII RB CAPITAL RENDA I FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CÓDIGO BM&FBOVESPA: FIIP11B ISIN: BRFIIPCTF001 Relatório de Análise 2º Semestre de 2015 Sumário Sumário... 2 Introdução... 3 FIIP11B na BM&F Bovespa...

Leia mais

Relatório Gerencial HG Brasil Shopping FII 1 Trimestre de 2007. 1. Palavra da Administradora. Prezado Investidor,

Relatório Gerencial HG Brasil Shopping FII 1 Trimestre de 2007. 1. Palavra da Administradora. Prezado Investidor, Relatório Gerencial 1 Trimestre de 2007 1. Palavra da Administradora Prezado Investidor, Este é o primeiro de uma série de relatórios gerenciais trimestrais destinados aos cotistas do HG Brasil Shopping,

Leia mais

Relatório de Gestão Invext FIA. Janeiro - Março

Relatório de Gestão Invext FIA. Janeiro - Março Relatório de Gestão Invext FIA Janeiro - Março 2015 1 Filosofia O Invext FIA é um fundo de ações alinhado com a filosofia de value investing. O fundo possui uma estratégia de gestão que busca capturar

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros Projeções Economia Global

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Carta do gestor Setembro 2013

Carta do gestor Setembro 2013 Carta do gestor Setembro 2013 Em setembro, observamos significativa desvalorização do dólar e alta dos preços dos ativos de risco em geral. Por trás destes movimentos temos, principalmente, a percepção

Leia mais

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV INVESTIMENTOS Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV Uma questão de suma importância para a consolidação e perenidade de um Fundo de Pensão é a sua saúde financeira, que garante

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2015 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2015 1 No segundo trimestre de 2015, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de 3,61%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 3,03% e o mercado de bolsa valorizou-se

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

Carta Mensal Iporanga Agosto de 2015

Carta Mensal Iporanga Agosto de 2015 O fundo Iporanga Macro FIC FIM apresentou rendimento mensal de 2.30% (208% do CDI) em Agosto. No acumulado de 2015, o fundo obteve um rendimento de 27.73% (332% do CDI). Brasil O mês de Agosto marcou a

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Carta Mensal Iporanga Julho de 2015

Carta Mensal Iporanga Julho de 2015 O fundo Iporanga Macro FIC FIM apresentou rendimento mensal de 3.7% (318% do CDI) em Julho. O mês também marca os primeiros doze meses de atividades do fundo, que durante o período obteve um rendimento

Leia mais

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA OBSERVATÓRIO POLÍTICO DOS ESTADOS UNIDOS INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA ESTUDOS SOBRE OS ESTADOS UNIDOS INCT-INEU ISSN 2317-7977 VOL.

Leia mais

1. Objetivo e Descrição do fundo

1. Objetivo e Descrição do fundo FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: 11.664.201/0001-00 Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ: 33.644.196/0001-06 RELATÓRIO SEMESTRAL 1º. SEM. 2012 1. Objetivo e Descrição do fundo

Leia mais