MODELO DE LOGÍSTICA REVERSA PÓS-CONSUMO PARA APARELHOS CELULARES POR MEIO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS DE CICLO ABERTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELO DE LOGÍSTICA REVERSA PÓS-CONSUMO PARA APARELHOS CELULARES POR MEIO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS DE CICLO ABERTO"

Transcrição

1 ISSN MODELO DE LOGÍSTICA REVERSA PÓS-CONSUMO PARA APARELHOS CELULARES POR MEIO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS DE CICLO ABERTO Reginaldo Rossi, Fabrício Molica de Mendonça, Susana A. Q. Feichas (Fundação Getútio Vargas; Universidade Federal de São João del-rei) Resumo: Este trabalho teve por finalidade a criação de um modelo de logística reversa pósconsumo de ciclo aberto de aparelhos celulares, de forma integrada, envolvendo todos os atores já existentes no mercado, de modo que o maior número de aparelhos celulares em desuso seja coletado, armazenado e destinado corretamente, atendendo a imposição da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e resolvendo problemas relacionados aos pontos de coletas, a falta de escala e os custos de transporte e tratamento de resíduos. Por meio da pesquisa bibliográfica, pesquisa documental nos relatórios de sustentabilidade das principais operadoras de telefonia celular do país e de entrevistas semiestruturadas aplicadas a empresas de logística reversa e pontos de comercialização de celulares foi possível levantar e analisar o modelo de logística reversa praticados pelas principais operadoras; propor um modelo de logística reversa e, ainda, construir um conjunto de ações a ser praticadas pelas principais operadoras, no sentido, de melhorar a eficiência e eficácia do novo modelo, com maior impacto no consumidor de aparelhos celulares. Palavras-chaves: Logística Reversa; Resíduos; Telefones Celulares

2 1 INTRODUÇÃO Os aparelhos de telefone celular quando chegam ao final do ciclo de vida, por qualquer motivo, tornam-se inúteis e, consequentemente, são tratados como lixo, descartados em aterros sanitários ou mantidos nas residências. O aquecimento do mercado de celulares tem feito com que esse tipo de lixo venha apresentando nível de significância dentro da categoria lixo eletrônico, considerado tóxico e nocivo, porque contamina o solo, os lençóis freáticos e as pessoas que frequentam tais ambientes em busca de materiais para vender e poder tirar seu sustento. No Brasil, por exemplo, no ano de 2012 foram vendidos 62 milhões de celulares (IDC CONSULTORIA, 2012) em um universo de mais de 256 milhões de linhas ativas de celulares (ANATEL, 2012), funcionando com aparelhos de menos de dois anos de uso (CPQD, 2012). Nesse contexto, no Brasil, foi aprovada a Lei nº de 02 de agosto de 2010, conhecida como Plano Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). Nessa lei há a obrigatoriedade da estruturação e implementação de sistemas de logística reversa por parte dos fabricantes, dos importadores, dos distribuidores e dos comerciantes de eletroeletrônicos, em consonância com os planos de gerenciamento de resíduos, desenvolvidos pelo poder público. A partir da aprovação do PNRS há registros de esforços isolados de fabricantes (Nokia, Motorola, Samsung e LG), operadoras (TIM, Vivo, Claro e Oi) e empresas e cooperativas especializadas em coleta e tratamento de resíduos eletroeletrônicos (Eco-Cel, Oxil, Cooperei, GM&C LOG e outras 200 empresas) no sentido de contribuir para solucionar o problema dos aparelhos celulares depois de não serem mais usados pelo consumidor. No entanto, os resultados de tais esforços para aparelhos celulares são bastante modestos, pois, pesquisas revelam que apenas 2% dos aparelhos são destinados ás empresas especializadas e 98% são descartados no lixo ou ficam guardados nas residências (ECO-CEL, 2011). No ano de 2012, 6.2 milhões de celulares foram parar nos lixões a céu aberto e 19,84 milhões de aparelhos permaneceram sem utilidade nas residências (ISC CONSULTORIA, 2012; DIÁRIO DO GRANDE ABC, 2012). Tal valor é expressivo quando comparado como volume de lixo eletrônico gerado no mesmo ano que foi de 97 mil toneladas (CPQD, 2012). Acredita-se que os resultados pouco expressivos dessas ações isoladas se devem à falta de uma estrutura de logística reversa organizada e integrada, com atribuições de responsabilidades para todas as partes envolvidas clientes, vendedores, distribuidores e produtores. Isso dificulta a divulgação junto aos consumidores, que continuam não sabendo o que fazer com o telefone 2

3 depois da aquisição de um novo e, consequentemente, não proporcionam ganhos de escala e continuidade de coleta desses aparelhos e baterias (ROSSI, 2013). Assim, este trabalho tem por finalidade propor um modelo de logística reversa pósconsumo de ciclo aberto, abrangendo, de forma integrada, todos os agentes envolvidos, de modo que o maior número de aparelhos de telefone celular em desuso seja coletado, armazenado e destinado corretamente. Mais especificamente, este estudo pretendeu: a) analisar as especificidades do mercado de aparelhos celulares no Brasil de modo a verificar o seu impacto na geração de resíduos eletroeletrônicos; b) Levantar o modelo de logística reversa pós-consumo de celulares no Brasil, praticado pelos principais fabricantes e operadoras de celulares do país, de modo a verificar possíveis falhas nesse modelo; c) Propor um modelo de logística reversa pósconsumo para aparelhos celulares que possa servir de base para a construção de ações das empresas de telefonia celular e de produção de aparelhos. 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 LOGÍSTICA REVERSA PÓS-CONSUMO DE CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS DE CICLO ABERTO A logística reversa pode ser entendida como o processo de planejamento, implementação e controle de um fluxo eficiente e de baixo custo de materiais, de produtos em processo, de produtos acabados e de informações relacionadas a produtos pós-venda ou pós-consumo (LEITE, 2009), desde o ponto de consumo até o ponto de origem, por meio de canais de distribuição reversos (ROGERS E TIBBEN-LEMBKE,1998; 2001; DIAS, 2005). Tem como propósito recuperar valor e garantir o reaproveitamento de materiais, peças e produtos no mesmo ciclo produtivo canal fechado em outros ciclos Canal aberto ou ainda dar outra destinação final ambientalmente adequada (CARTER & ELLRAM, 1998; LEITE, 2003; CORRÊA E XAVIER, 2013). Os canais reversos de pós-venda surgem motivados por aspectos relativos a garantia e a qualidade de produtos, assumida pelos fabricantes e varejistas, na devolução ou troca de um produto danificado; na troca de produtos que se tornaram obsoletos nos pontos comerciais, mediante acordos; substituição de componentes, por meio de assistência técnica. Os canais reversos de pós-consumo surgem quando os produtos se encontram no estágio de fim de uso ao proprietário anterior, porém, em condições de uso, ou que atingiram o fim de sua vida útil, em que 3

4 não há a possibilidade de ser reutilizado, por mail estado, implicações legais ou obsolescência (LEITE, 2009). Os canais reversos de ciclo fechado ocorrem quando os materiais reciclados podem ser utilizados para a fabricação do mesmo tipo de produto, como é o caso de óleos lubrificantes e suas embalagens que podem voltar como óleo lubrificante e embalagens. Os de ciclo aberto ocorrem quando os materiais são usados para a fabricação de produtos diferentes do original, como é o caso de pneus que podem ser transformados em matéria prima da indústria asfáltica (COSTA, MENDONÇA E SOUZA, 2014). A Lei /2010 define a logística reversa como Instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada (BRASIL, 2010). Miguez (2010) chama a atenção ao fato de que nem sempre há uma compreensão tão ampla da logística reversa, por parte dos gestores. Muitas vezes, as empresas se limitam a recolher produtos, sem gerenciar adequadamente o caminho destes até o descarte. Por isso, Leite (2009) ressalta os aspectos econômicos da logística reversa. De acordo com ele, as entidades relacionadas coma logística reversa devem atender a algumas condições, tais como: a) remunerar todas as etapas reversas; b) ser responsável pela qualidade e integridade dos materiais reciclados processados; c) preocupar com a escala econômica da atividade e a continuidade de recebimento de materiais; d) garantir a existência de mercado consumidor competitivo para produtos/matériasprimas com conteúdo de reciclados. Daher et al. (2003) consideram que a logística reversa diz respeito a todas as atividades logísticas de coletar, desmontar e processar produtos, materiais ou peças após seu uso, para assegurar uma recuperação sustentável. Rogers e Tibben-Lembke (2001) listam as seguintes atividades: retorno, reuso, recuperação, reforma, remanufatura, reempacotamento, reciclagem ou descarte em aterro. Tais atividades foram classificadas por Prahinski & Kocabasoglu (2006) em quatro grupos: 1) reuso por meio de revenda imediata ou reutilização do produto; 2) upgrade do produto graças a sua reembalagem, reparação, reforma ou remanufatura; 3) recuperação do produto tanto por canibalização - reaproveitamento de alguns componentes dos produtos retornáveis (KUMAR & MALEGEANT, 2006). quanto por reciclagem; 4) gerenciamento dos resíduos a serem incinerados ou enviados para aterro. 4

5 O aparelho celular, por exemplo, é considerado um bem de consumo durável composto por diversos tipos de materiais como plásticos, circuitos, metais, cristal líquido e placa de magnésio, que podem retornar para a linha de produção de novos produtos, ou, então, que seus componentes passam a ser reaproveitados ou simplesmente servir como fonte de energia para a produção de outros produtos. Por isso, sua logística reversa é caracterizada como de ciclo aberto (TADEU, 2012). 2.2 Especificidades do mercado de aparelhos celulares no Brasil e a necessidade de sua logística reversa No Brasil, a existência de 256 milhões de linhas ativas de celulares (ANATEL, 2012) e o tempo médio de vida de dois anos para cada aparelho celular (CPQD, 2012) que é o tempo transcorrido desde a sua produção original até o momento em que o primeiro possuidor se desfaz dele (TADEU, 2012) representam, por um lado, o aquecimento no mercado de eletrônicos, mas, por outro, significa o aumento do descarte de aparelhos usados e de seus componentes de forma inapropriada, contribuindo para a geração do lixo eletrônico, que contém substâncias nocivas como chumbo, mercúrio, cádmio ou berílio (SEPROJ, 2012). No ano de 2012, do volume de vendas de 62 milhões de novos celulares, há uma estimativa de que 6,2 milhões foram descartados em aterros sanitários a céu aberto e 19,84 milhões de aparelhos são mantidos nas residências sem utilidade (IDC CONSULTORIA, 2012), totalizando 26,40 milhões de aparelhos. Considerando uma média de 192 gramas por celular (considerando aparelhos, baterias e carregadores), esse volume é equivalente a toneladas de resíduos gerados. Além disso, o aumento da demanda pelos celulares aumenta a pressão pela extração de recursos naturais, intensificando as atividades extrativistas de mineração e de petróleo (SEPROJ, 2012), provocando aumento nas duas pontas do processo de insumos e de lixo. De acordo com a Eco-Cel (2011), os aparelhos de telefone celular são compostos de diferentes tipos de materiais, sendo que, 80% desses componentes podem ser reciclados. Os plásticos representam 45% do aparelho; a placa de circuito, 40%; os metais diversos como prata, ouro, paládio, cobre e cobalto e outros representam 8%; o cristal líquido, 4%; e a placa de magnésio, 3%. Em relação aos metais preciosos que fazem parte do celular, estudos desenvolvidos pela UNEP (2009) mostram que, um celular contém 0,25 gramas de Prata (Ag), 0,024 gramas de ouro (Au), 0,09 gramas de paládio (Pd), 9 gramas de Cobre (Cu) e 3,8g de Cobalto (Co). Considerando 5

6 essas informações e, ainda, que, no ano de 2012, 26,40 deixaram de ter uso (6,2 milhões descartados no lixo e 19,84 milhões mantidos nas residências), caso houvesse um processo eficiente de logística reversa de telefones celulares, estes contribuiriam com 42% de materiais preciosos que deixariam de ser extraídos para a fabricação de novos celulares, conforme mostra a Tabela 1 Tabela 1 Quantidade de metais preciosos em celulares novos e descartados em 2012 Metais Quantidade Quantidade de metais em toneladas contidos em celulares Preciosos por celular Novos Sem uso Em aterros Nas residências (em gramas) ( ) ( ) ( ) ( ) Prata (Ag) 0,250 15,5 6,5 1,6 5,0 Ouro (Au) 0,024 1,5 0,6 0,1 0,5 Paládio (Pd) 0,009 0,6 0,2 0,1 0,2 Cobre (Cu) 9, ,0 234,4 55,8 178,6 Cobalto (Co) 3, ,6 99,0 23,6 75,4 Total 13, ,1 340,7 81,1 259,6 Fonte: Adaptado de UNEP (2009) e IDC CONSULTORIA (2012) Apesar da importância da implantação da logística reversa de celulares no Brasil como estratégia de reduzir o volume de resíduos eletrônicos descartados nos aterros, atender o PNRS e, ainda, reduzir o uso de recursos naturais, a implantação da logística reversa está atrelada a fatores econômicos, tecnológicos, logísticos, ecológicos e legais (LEITE, 2009). Segundo o autor: a) Os fatores econômicos estão relacionados com as economias necessárias e escalas econômicas para que as matérias-primas secundárias possam reintegrar aos processos produtivos e possibilitar o retorno financeiro adequado aos agentes da cadeia produtiva reversa; b) Os fatores tecnológicos estão relacionados a existência de tecnologia que permita o tratamento econômico de resíduos a partir de seu descarte, passando por sua coleta, desmontagem, seleção e separação de materiais constituintes, no processo de reciclagem ou tratamento no processo de transformação de resíduos em matérias-primas recicladas, as quais substituirão as novas quando de sua reintegração ao ciclo produtivo; c) Os fatores logísticos estão relacionados à existência de sistemas de transporte, localização e à organização da cadeia de distribuição reversa, ressaltando as fontes primárias e secundárias de captação, centros de coleta, separação, consolidação e adensamento de materiais de pósconsumo, processadores intermediários, centros de processamento de reciclagem e mercado consumidor para tais materiais reciclados; d) Os fatores ecológicos devem-se às pressões geradas pelo comportamento de consumidores, bem como às exigências de ordem legal, competitividade e imagem corporativa das 6

7 organizações. São incentivados pelas iniciativas dos agentes que compõem a cadeia como o governo, a sociedade, os consumidores e as empresas; e) Os fatores legais visam à educação, regulamentação, promoção e incentivos para a melhoria de condições de retorno dos produtos ao ciclo produtivo, possibilitando a organização dos canais reversos. Outros fatores são: incentivo à redução da captação de matéria-prima na fonte, menor agressão ao meio ambiente e crescimento sustentável de populações e países. No caso de telefones celulares, o estudo de Rossi (2013) mostra que, apesar de existir diversas ações isoladas para coletar, destinar e tratar celulares, mas, que, falta um modelo mais eficaz de logística reversa. O maior problema pode estar relacionado à dispersão geográfica dos celulares, o que exigiria uma coleta capilar. Para casos envolvendo coleta capilar, o estudo de Mendonça et al (2013) propõe que sejam adotados modelos de logística reversa que envolvam parcerias e responsabilidade compartilhada envolvendo fabricantes, distribuidores, cooperativas, associações e o próprio usuário. A combinação adequada entre a coleta capilar e o transporte concentrado, garante a eficiência e eficácia desde a geração até a destinação do resíduo. Em muitos casos, um modelo que envolve parcerias e responsabilidade compartilhada acaba exigindo a presença de operadores logísticos, que acabam surgindo como oportunidades de negócio, com retornos atrativos, associados aos benefícios sociais e ambientais (MIGUEZ, 2010). Um operador logístico é conceituado pela Associação Brasileira de Movimentação e Logística (ABML) como o fornecedor de serviços logísticos com especialização no gerenciamento de todas as atividades logísticas ou parte delas, nas diversas fases da cadeia de abastecimento de seus clientes, agregando valor ao produto e que tenha competência para prestar serviços, simultaneamente, nas áreas de controle de estoques, armazenagem e gestão de transportes (NOVAES, 2001). 3 METODOLOGIA Para descrever um modelo de logística reversa pós-consumo de ciclo aberto de aparelhos celulares, abrangendo, de forma integrada, todos os agentes envolvidos, de modo que o maior número de aparelhos de telefone celular em desuso seja coletado, armazenado e destinado corretamente, foi realizada uma pesquisa qualitativa de cunho descritivo. A coleta de dados foi realizada por meio de três técnicas: a) pesquisa bibliográfica, que visou conhecer as contribuições científicas, relacionadas aos estudos de alternativas de logística 7

8 reversa de equipamentos eletroeletrônicos e de aparelhos de celular; b) pesquisa documental (BLACK & CHAMPION, 1976), que usou dados secundários extraídos dos relatórios de sustentabilidade das principais operadoras de celular do Brasil e de seus sites, contendo reportagens e informações disponibilizadas na mídia digital; c) entrevistas semi-estruturadas realizadas junto às empresas que atuam em operações de logística reversa e celulares, como Ecocel, Oxil, Cooperei, GM&C LOG e ILOS e entrevistas semi-estruturadas aplicadas nas lojas das principais operadoras de telefonia celular TIM, Vivo, Claro e Oi. A aplicação dessas técnicas de coleta de dados contribuiu para conhecer o modelo de logística reversa adotado no Brasil para aparelhos de telefones celulares; as ações que as operadoras têm desenvolvido ao longo dos anos, no sentido de contribuir para o aumento do retorno de celulares, a eficiência e eficácia dessas ações; a atuação das empresas de logística reversa; o envolvimento entre fabricantes, operadoras de telefonia e empresas de logística reversa para tratamento desses resíduos; o envolvimento da população; e, ainda, investigar possíveis estratégias conjuntas entre os elementos da cadeia produtiva. A partir dos resultados levantados com a pesquisa foi desenvolvido um modelo de logística reversa de aparelhos celulares, combinando adequadamente a coleta capilar com transporte concentrado, abrangendo desde a geração do resíduo até a sua destinação correta. Para aumentar a eficiência do modelo, foi incorporado a ele ações que podem ser desenvolvidas em conjunto, pelas operadoras de telefonia celular, no sentido de criar uma cultura de reciclagem envolvendo toda a população do país. 4 RESULTADO E DISCUSSÃO 4.1 O modelo de logística reversa pós-consumo de celulares no Brasil e principais dificuldades de funcionamento A estruturação e implantação de um processo de logística reversa para bens eletroeletrônicos é um desafio hoje no Brasil. A Lei de 02 de agosto de 2010, conhecida como Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) exige a criação de mecanismos que viabilizem a estruturação e implementação de sistemas de logística reversa por parte dos fabricantes, dos importadores, dos distribuidores e dos comerciantes de eletroeletrônicos, em consonância com os planos de gerenciamento de resíduos, desenvolvidos pelo poder público (BRASIL, 2010). No entanto, essa exigência tem sido considerada, no Brasil, como um desafio, 8

9 visto que, exige que sejam desenhados modelos eficientes e capazes de concretizar os objetivos e metas exigidos pela legislação. Em relação aos aparelhos de telefones celulares e seus acessórios não há um modelo consolidado de logística reversa pós-consumo integrado envolvendo os diversos atores que fazem parte da cadeia de valor desses produtos (ROSSI, 2013). O que se tem percebido é a ocorrência de inciativas isoladas de cada ator envolvido, tais como: a) Os fabricantes como Nokia, Motorola, Samsung e LG recebem em suas fábricas e em estabelecimentos de assistência técnica os aparelhos usados e seus respectivos componentes; b) As operadoras como a TIM, Vivo, Claro e Oi possuem programas específicos para coletar aparelhos em seus postos de vendas de serviços e de aparelhos de telefones celulares (Tabela 2); c) As empresas Eco-Cel, Oxil, Cooperei, GM&C LOG e outras atuam em operações de logística, efetuando a coleta, triagem e separação das partes, destinando alguns componentes como o plástico para a reciclagem, e placas de circuito para empresas especializadas na extração de metais. A Eco-cel, por exemplo, é uma empresa pioneira na expertise de sustentabilidade de resíduos sólidos de celulares no Brasil, atuando no recolhimento, implantação e logística de resíduos sólidos de celulares. Utiliza a logística de fornecimento gratuito de urnas para recolhimento de celulares que são disponibilizadas em espaços comerciais, com grande fluxo de pessoas (shoppings, universidades e áreas residenciais). Tais urnas, quando cheias, são recolhidas e enviadas para o armazém da Eco-cel. No armazém os materiais coletados são contados, pesados e identificados; os componentes reutilizáveis são direcionados para a reciclagem e testados para assegurar que cumpram as especificações exigidas e devolvidos ao mercado; as placas eletrônicas são trituradas e redirecionadas para a recuperação de metal precioso, armazenado em tambores selados e enviados ao destino final. Os resultados obtidos por meio dessas iniciativas isoladas são pouco expressivos. Os trabalhos desenvolvidos pelos fabricantes de celulares e pelas operadoras como podem ser visto por meio da Tabela 2, estão conseguindo recolher em torno de 1% do volume de celulares relacionados a novas linhas que são adicionadas por ano, revelando que tais estratégias não tem conseguido a adesão dos consumidores de aparelhos celulares. As entrevistas realizadas junto às empresas que atuam em operações de logística reversa e celulares, como Eco-cel, Oxil, Cooperei, GM&C LOG, mostram dificuldades na coleta capilar nas residências e nos postos de coleta 9

10 porque o consumidor não é informado suficiente sobre onde dispor dos celulares e acessórios pósconsumo e os postos de coleta serem localizados somente nas grandes capitais. De acordo com a consultora da empresa ILOS, entrevistada nesta pesquisa, um dos pontos que dificulta o desenho de uma operação conjunta de logística reversa desde a coleta até a destinação de celulares pós-consumo e dos demais aparelhos eletrônicos está relacionada ao volume de produtos piratas em circulação no Brasil. Isso acaba dificultando a gestão da responsabilidade dos agentes envolvidos ao longo da cadeia reversa. Outra dificuldade está relacionada ao destino dos resíduos, principalmente os de maior valor agregado, como as placas e circuitos contendo metais preciosos que são destinados para fora do país porque na América Latina não há uma empresa de urban mining mineração em áreas urbanas para buscar nos resíduos produzidos pela sociedade os insumos que possam entrar novamente em processos produtivos, especialmente encontrados em aparelhos eletrônicos descartados como obsoletos. Tabela 2 Programas voltados para a coleta de aparelhos celulares e acessórios das principais operadoras de telefonia do Brasil e a participação percentual desses resultados no volume de linhas anuais adicionadas Operadora TIM VIVO CLARO OI Programa Recarregue e Planeta Recicle seu celular Claro Recicla Descarte certo Papa-pilhas Início Material coletado Aparelhos celulares, baterias acessórios e Aparelhos celulares, baterias e acessórios. Aparelhos celulares, baterias, Aparelhos celulares, baterias, pilhas. Método Urnas em lojas próprias, autorizadas e pontos de revenda TIM Resultados Representação percentual aparelhos coletados no ano de 2012, representando 13,9 toneladas de aparelhos. Envio de 87,8 kg de resíduos para a Bélgica 1,11% das novas linhas no ano (6,3 milhões de linha) Urnas em lojas próprias, autorizadas e pontos de revenda VIVO aparelhos em 2011 ( no período de 2008 a 2011). 1,11% do volume de novas linhas do período acessórios. Urnas em lojas próprias, pontos de venda e autorizadas. Cartilha sobre lixo eletrônico celulares e baterias, e 1,7 toneladas de acessórios e pilhas (no período de 2008 a 2011) 1,04% do volume de celulares de novas linhas da operadora acessórios. Urnas em lojas próprias, autorizadas e pontos de revenda celulares em ,18% do volume de celulares proveniente de novas linhas da operadora no ano de 2011 Fonte (TIM, 2012) (VIVO, 2011) (CLARO, 2012) (Oi, 2011) Fonte: Dados da pesquisa. 10

11 4.1 Proposta de um modelo de logística reversa pós-consumo para aparelhos celulares Durante a realização do estudo, pôde-se perceber que apesar de haver iniciativas dos fabricantes em receber aparelhos celulares pós-consumo, disponibilidade de pontos de coleta pelas operadoras de telefonia celular, atuação de coleta e tratamento por empresas especializadas, a maior parte dos consumidores não sabe como destinar corretamente o seu aparelho pós-consumo. Isso requer uma atuação mais integrada entre os diversos agentes que fazem parte do ciclo de vida de aparelhos celulares, incluindo o consumidor final. Por isso, é apresentada uma proposta de um modelo integrado de logística reversa pósconsumo destinado a aparelhos celulares, envolvendo os principais atores que fazem parte do ciclo de vida dos aparelhos celulares que são: os importadores e os fabricantes de celulares Nokia, Samsung, LG, Motorola, Apple e outras os distribuidores, os comerciantes e as operadoras de telefonia celular Vivo, Tim, Claro e Oi as empresas especializadas na reciclagem de componentes de celulares como plásticos, baterias, placas de circuitos; as empresas ou organizações que trabalham na coleta, tratamento e destinação dos componentes de celulares; e os consumidores. No modelo, os diferentes atores têm seu papel e responsabilidade para que o fluxo seja executado com sucesso (Figura 1). Esse modelo é formado por cinco etapas: Coleta e transporte; Desmonte e triagem; Teste de componentes reutilizáveis; Embalagem; Destinação. Coleta e Transporte - envolve o consumidor que tem o papel de entregar os aparelhos pósconsumo nos postos de coletas das lojas das operadoras, das lojas comerciais ou dos postos de assistência técnica. A partir de um volume de celulares e acessórios os postos de coletas acionam o transporte para que possa retirar o conteúdo e transportar até o armazém de triagem e tratamento. Desmonte e triagem - No armazém o material é contado, pesado, identificado e embalado. Na área de desmonte o material é retirado da embalagem, desmontado e separado em elementos tais como: Plásticos, placas e circuitos; componentes reutilizáveis e componentes não reutilizáveis. Teste de componentes reutilizáveis - Esse teste é feito em cima dos componentes reutilizáveis como câmeras, placa de cristal líquido, acessórios. Caso estejam em perfeita condições são vendidas para o próprio fabricante de celular. Se não estiverem em boas condições são embalados, identificados e destinados corretamente. 11

12 Embalagem Os plásticos são triturados e guardados em um tambor. As placas e circuitos são triturados e guardados em um tambor selado. Os materiais reutilizáveis são embalados e os não utilizados são identificados e encaixotados. Figura 1 - Modelo de logística reversa pós-consumo para aparelhos celulares Fonte: autoria própria. Destinação Os plásticos são vendidos para a indústria de reciclagem. As placas e circuitos triturados são enviados para empresas especializadas em retirar esse material preciso. Os componentes servíveis são vendidos para a indústria de celular. Os não servíveis e os contaminados são destinados para o aterro. 12

13 O modelo busca criar um elo entre os principais atores do segmento de telefonia celular; aproveitar a estrutura atual de canais de coleta dos aparelhos celulares; unificar as atividades das empresas que atuam na operação logística de celulares e aparelhos eletrônicos dentro de uma estrutura de logística reversa. 4.2 Ações que podem ser aplicadas pelas empresas de telefonia celular para proporcionar mais eficiência ao modelo Os resultados da pesquisa mostraram que mesmo as operadoras possuírem programas de coletas de aparelhos celulares pós-consumo, a aderência dos consumidores é considerada baixa, pois o percentual que é destinado corretamente gira em torno de 1% das linhas adicionadas a cada ano. Assim, as ações que são apresentadas para as operadoras de telefonia celular têm como meta ampliar e difundir entre os clientes dessas operadoras a importância de destinar corretamente os aparelhos que não serão mais utilizados para terem uma destinação correta. Dessa forma, contribuem para o funcionamento do modelo de logística reversa pós-consumo proposto. Como as operadoras de telefonia celular são empresas que provêm serviços na área de telecomunicações, ou seja, possuem um canal de comunicação com o poder de atingir hoje no Brasil cerca de 70% da população (IBGE. 2013), tais ações podem ter grande impacto em um processo de logística reversa pós-consumo de celulares. Essas ações podem ser especificadas e detalhadas em um Plano de Comunicação Efetivo, envolvendo todas as partes: consumidores, colaboradores, representantes, parceiros externos e fornecedores. Nesse plano, serão destacadas ações que as operadoras podem implementar de forma simples e de baixo custo que envolvem ações sistêmicas junto aos consumidores que são clientes das operadoras, ações internas dentro das operadoras e ações nos pontos de venda de celulares Ações sistêmicas As ações sistêmicas são consideradas como o conjunto de ações que as operadoras podem fazer com o foco no seu cliente. Tais ações envolvem envio de mensagens de textos (SMS), comunicados e orientações nas faturas mensais, programas de bonificações, e disponibilização de informações no site da operadora. Envio de mensagens de texto (SMS) O envio de mensagens curtas e de impacto para o celular do cliente é uma ferramenta de comunicação eficiente que tem por finalidade sensibilizá-lo e de lembra-lo de descartar corretamente o aparelho usado que não será mais utilizado. 13

14 Essas mensagens podem ser enviadas também quando o cliente faz a troca do aparelho, por meio da operadora, via call center. Neste caso, o cliente receberia uma informação da importância de entregar o aparelho não mais usado em um ponto de entrega, juntamente com os acessórios desse aparelho. Orientações nas faturas mensais Nas faturas de cobrança eletrônica ou em papel, há espaços que podem ser aproveitados para serem colocadas mensagens de orientação e incentivo para o descarte correto dos aparelhos e acessórios celulares sem uso. Programas de bonificações As operadoras podem adotar programas de bonificação ou de pontos para os clientes que desejam adquirir um novo celular, associando quantidade de pontos à entrega de aparelhos pósconsumo, no momento da troca do aparelho. Disponibilizar informações no site da operadora As informações relacionadas a necessidade do descarte correto de aparelhos celulares, por meio do site das operadoras, devem ser de fácil acesso e visualização, destacando os locais de disposição dos aparelhos usados e os incentivos que a operadora oferece para seus clientes que dispõem os aparelhos para a reciclagem Ações internas na operadora As ações internas na operadora envolvem promover informações aos parceiros e colaboradores e estabelecer parcerias com operadores logísticos. Promover informações aos parceiros A informação dada aos parceiros, colaboradores e representantes sobre o posicionamento da empresa na articulação da logística reversa pós-consumo de aparelhos celulares deve ser contínua e os mecanismos usados para isso são workshops, fóruns e treinamentos. Parcerias com operadores logísticos As operadoras devem fazer parceiras com empresas que já atuam no ramo de operações logísticas de telefones celulares em desuso, ou seja, que já possuam uma estrutura montada. Um exemplo é a empresa Eco-Cel, que tem como proposta disponibilizar em locais de alto movimento de pessoas urnas de recolhimento de aparelhos celulares usados. Quando a urna fica cheia, a empresa recolhe todo o material coletado, que será levado para o local de armazenagem e tratamento dos aparelhos, onde a mesma irá fazer todo o trabalho de desmonte, triagem e 14

15 destinação dos componentes. A disponibilização das urnas é de custo zero. A empresa não faz cobrança para disponibilizar as urnas Ações nos pontos de venda As ações nos pontos de venda estão relacionadas com estratégias mais agressivas para alertar o cliente da necessidade de devolver os seus aparelhos celulares nos lugares corretos. Essas ações envolvem: canal de comunicação voltado para o cliente; quadros informativos sobre descarte correto e, ainda, urnas de coleta de celulares. Canal de comunicação voltado para o cliente Esse canal tem por finalidade informar ao cliente, por meio do vendedor, de usa responsabilidade de dispor corretamente seu aparelho celular usado. Para isso, os vendedores devem receber treinamento mais específico para o assunto. Quadros informativos sobre descarte de aparelhos e acessórios Esses quadros informativos sobre descarte correto de celular e de lixo eletrônico deve estar em locais de fácil visualização de modo a chamar a atenção dos clientes. Implantação de urnas de coleta de celulares nos postos de atendimento A implantação de urnas nos postos de atendimento, em posições de fácil visualização tem por finalidade ampliar o programa de coleta de aparelhos nas lojas. 5 CONCLUSÃO Este trabalho teve por finalidade a criação de um modelo de logística reversa pós-consumo de ciclo aberto de aparelhos celulares, de forma integrada, envolvendo todos os atores já existentes no mercado, de modo que o maior número de aparelhos celulares em desuso seja coletado, armazenado e destinado corretamente, atendendo a imposição da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e resolvendo problemas relacionados aos pontos de coletas, a falta de escala e os custos de transporte e tratamento de resíduos. Por meio da pesquisa bibliográfica, pesquisa documental nos relatórios de sustentabilidade das principais operadoras de telefonia celular do país e de entrevistas semiestruturadas aplicadas a empresas de logística reversa e pontos de comercialização de celulares foi possível levantar e analisar o modelo de logística reversa praticados pelas principais operadoras; propor um modelo de logística reversa e, ainda, construir um conjunto de ações a ser praticadas pelas principais operadoras, no sentido, de melhorar a eficiência e eficácia do novo modelo, com maior impacto no consumidor de aparelhos celulares. 15

16 O modelo de logística reversa, adotado pelas principais operadoras de telefonia celular no Brasil, têm se limitado a algumas ações individuais e isoladas praticadas por fabricantes, operadores logísticos e operadoras, sem esforços no sentido de obter a realização de práticas conjuntas e compartilhadas. Como resultado, o volume de celulares coletados e direcionados ao processo produtivo é bastante modesto quando comparados com o volume de novos celulares que são vendidos para substituir os aparelhos mais antigos. O modelo proposto, então, consistiu em criar uma estrutura de logística reversa formado por ações conjuntas entre fabricantes, distribuidoras, operadoras de telefonia e o consumidor, capaz de conjugar a coleta capilar, o transporte concentrado, a estrutura de armazenamento, desmanche e distribuição de componentes de aparelhos celulares, por meio de parcerias e responsabilidade compartilhada. Acredita-se que, por meio de ações desenvolvidas pelas operadoras de telefonia celular, o consumidor seja incentivado a descartar de forma segura seus celulares, aumentando o percentual de coleta e o correto tratamento e destinação de aparelhos celulares fora de uso e, consequentemente, a diminuição de aparelhos eletroeletrônicos descartados no lixo. Além da redução do volume de resíduos de aparelhos celulares descartados em lixões, espera-se também que uma parte da matéria-prima utilizada para a fabricação de novos aparelhos celulares tenha como fonte o material reciclado de aparelhos usados, contribuindo para a redução de extração de recursos naturais que servem como insumo para a produção de eletroeletrônicos. REFERÊNCIAS ANATEL. Números do setor, Disponível em: <http://www.anatel.gov.br/portal/exibirportalinternet.do>. Acesso em: 12 jan BLACK, J. A.; CHAMPION, D. J. Methods and issues in social research. New York: John Wiley & Sons, BRASIL, Presidência da República. Lei nº de 2 de agosto de Disponível em Acesso em 16 mai CARTER, C.R.; ELLRAM, L. M. Reverse logistics: a review of the literature and framework for future investigation. International Journal of Business Logistics, v.19, n.1, p , CLARO, Relatório anual de sustentabilidade, ano

17 CORRÊA, L. H. XAVIER; L. H. SISTEMAS DE LOGÍSTICA REVERSA - CRIANDO CADEIAS DE SUPRIMENTOS SUSTENTÁVEIS. SÃO PAULO: ATLAS, COSTA, L., MENDONÇA, F.M, SOUZA, R.G. O que é Logística Reversa, in VALLE, R. SOUZA, R.G (Org), Logística Reversa: processo a processo. São Paulo: Atlas, CPQD. Baterias de celular usadas: 42 toneladas serão descartadas no Brasil este ano. Disponível em: <http://www.cpqd.com.br/midia-eventos/noticias-2012/baterias-celular-usadas-42-toneladasserao-descartadas-brasil-este-ano>. Acesso em: 29 jul DAHER, C.E.; SILVA, E.P.L.S.; FONSECA, A.P. Logística Reversa: Oportunidade para Redução de Custos através do Gerenciamento da Cadeia Integrada de Valor. VIII Congresso Internacional de Custos. Anais, Punta del Este, DIÁRIO DO GRANDE ABC. Quase 5 toneladas de celulares irão para o lixo neste ano, diz pesquisa. Disponível em: <http://www.dgabc.com.br/noticia/12601/quase-5-toneladas-decelulares-irao-para-o-lixo-neste-ano-diz-pesquisa>. Acesso em: 29 jul DIAS, J. C., Logística Global e macrologística. Lisboa: Sílabo, ECO-CEL, Reciclagem Sustentável. Disponível em: <http://www.eco-cel.com/>. Acesso em: 14 jan IBGE, PNAD: De 2005 para 2011, número de internautas cresce 143,8% e o de pessoas com celular, 107,2%. Disponível em: <http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias?view=noticia&id=1&busca=1&idnoticia =2382>. Acesso em: 31 jul IDC. Mercado brasileiro de celular atinge a marca de 27,3 milhões de unidades vendidas no primeiro semestre deste ano, revela estudo da IDC (2012). Disponível em: <http://br.idclatin.com/releases/news.aspx?id=769>. Acesso em: 12 jan KUMAR, S.; MALEGEANT, P. Strategic alliance in a closed-loop supply chain, a case of manufacturer and eco-non-profit organization. Technovation, v. 26, n. 10, p ,2006. LEITE, P. R., Logística Reversa Meio Ambiente e Competitividade. 2. ed. São Paulo: Pearson,

18 LEITE, P.R. Logística reversa meio ambiente e competitividade. São Paulo: Pearson Prentice Hall, MENDONÇA, F. M. INFANTE, C.E.D., VALLE, R., MIGUEZ, E.C. Model of reverse logistics by means of a logistics operator. International Journal of Business Performance and Supply Chain Modelling, v. 5, p. 1-13, MIGUEZ, E.C, Logística reversa como solução para o problema do lixo eletrônico: benefícios ambientais e financeiros. Rio de Janeiro: Qualitymark, NOVAES, A.G. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição, estratégia, operação e avaliação. Rio de Janeiro: Campus, OI. Relatório Anual de Sustentabilidade PRAHINSKI, C.; KOCABASOGLU, C. Empirical research opportunities in reverse supply chains. Omega, v. 34, n. 6, p , ROGERS, D. S.; TIBBEN-LEMBKE, R. S. Going Backwards: Reverse Logistics Trends and Practices. Reno: University of Nevada, ROGERS, D.S., TIBBEN-LEMBKE, RONALD S. An examination of reverse logistics practices. Journal of Business Logistics. v. 22, n.2, p , ROSSI, R. Ações para operadoras de telefonia celular em um modelo de logística reversa pós-consumo para aparelhos celulares por meio de canais de distribuição reversos de ciclo aberto. Trabalho de Conclusão de Curso MBA em Gestão da Sustentabilidade e do Ambiente (TCC). Santo André: FGV, SEPROJ, Cartilha do E-lixo no Brasil. Disponível em: <http://www.tirio.org.br/media/cartilhae-lixo-ti-rio-versao-site.pdf>. Acesso em: 29 jul TADEU, H. F. B., Logística reversa e sustentabilidade. São Paulo: Cengage Learning, TIM, Relatório de Sustentabilidade UNEP. Sustainable innovation and technology transfer industrial sector studies, Recycling From E-Waste to Resources VIVO. Relatório anual de sustentabilidade

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS Autora: PATRICIA GUARNIERI i para o Portal Direito Ambiental 1. Introdução A extração desenfreada dos recursos naturais, o pensamento errôneo de que os mesmos são

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

06/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 4ª Apostila. Objetivos da aula. Canais de distribuição de pós-consumo de bens duráveis e semiduráveis

06/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 4ª Apostila. Objetivos da aula. Canais de distribuição de pós-consumo de bens duráveis e semiduráveis Logística Reversa Meio Ambiente 4ª Apostila Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Objetivos da aula 1. Entender a importância dos fluxos logísticos reversos dos produtos e materiais de pós-consumo; 2. Perceber

Leia mais

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. 1 PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. É do conhecimento de todos que o consumo é uma constante na contemporaneidade. Em decorrência, os gestores das organizações planejam e operacionalizam

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

INTELIGÊNCIA EM GESTÃO DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS. Ronylson Rodrigues Freitas Reciclo Ambiental

INTELIGÊNCIA EM GESTÃO DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS. Ronylson Rodrigues Freitas Reciclo Ambiental INTELIGÊNCIA EM GESTÃO DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS Ronylson Rodrigues Freitas Cenário Atual: A pesquisa Brazil Quarterly PC Tracker, da IDC Brasil, apurou quer foram vendidos 3,86 milhões de computadores

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br

SENALIMP 2010 CLRB. CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br SENALIMP 2010 CLRB CONSELHO DE LOGÍSTICA REVERSA DO BRASIL www.clrb.com.br clrb@clrb.com.br Missão Oferecer oportunidades de aumento de competitividade empresarial através da Logística Reversa. Objetivos

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS

GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS Prof. Hugo M. Veit Laboratório de Corrosão, Proteção e Reciclagem de Materiais Escola de Engenharia Universidade Federal do Rio Grande do Sul O QUE PODE

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA AGREGANDO VALORES AOS RESÍDUOS DE MADEIRAS E DERIVADOS NA MADEIREIRA SANTA BÁRBARA GASPAR WESLEY DE SOUSA BATISTA R.

LOGÍSTICA REVERSA AGREGANDO VALORES AOS RESÍDUOS DE MADEIRAS E DERIVADOS NA MADEIREIRA SANTA BÁRBARA GASPAR WESLEY DE SOUSA BATISTA R. . CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: MONOGRAFIA ÁREA: LOGÍSTICA LOGÍSTICA REVERSA AGREGANDO VALORES AOS RESÍDUOS

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR Política Nacional de Resíduos Sólidos BASE LEGAL : Lei Federal nº 12305, de 02.08.2010 Decreto Federal nº 7404, de 23.12.2010 Princípio

Leia mais

PATRICIA GUARNIERI. LOGÍSTICA REVERSA: Em busca do equilíbrio econômico e ambiental

PATRICIA GUARNIERI. LOGÍSTICA REVERSA: Em busca do equilíbrio econômico e ambiental PATRICIA GUARNIERI LOGÍSTICA REVERSA: Em busca do equilíbrio econômico e ambiental EDITORA CLUBE DE AUTORES RECIFE, 2011 2011 Patricia Guarnieri TODOS OS DIREITOS RESERVADOS AO AUTOR. Proibida a reprodução

Leia mais

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido 1. Introdução Objetivo da pesquisa: analisar a possibilidade de uma destinação dos resíduos de poliestireno expandido (EPS), utilizados

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

CLRB. clrb@clrb.com.br www.clrb.com.br PAULO ROBERTO LEITE. http://meusite.mackenzie.br/leitepr PAULO ROBERTO LEITE

CLRB. clrb@clrb.com.br www.clrb.com.br PAULO ROBERTO LEITE. http://meusite.mackenzie.br/leitepr PAULO ROBERTO LEITE CLRB PAULO ROBERTO LEITE clrb@clrb.com.br www.clrb.com.br http://meusite.mackenzie.br/leitepr MISSÃO DO CLRB Oferecer ganhos de competitividade empresarial através da Logística Reversa. SERVIÇOS OFERECIDOS

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DO LIXO ELETRÔNICO

GESTÃO SUSTENTÁVEL DO LIXO ELETRÔNICO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X) TECNOLOGIA GESTÃO SUSTENTÁVEL

Leia mais

Fernando Dândaro Uni-FACEF. Melissa Franchini Cavalcanti-Bandos Uni-FACEF INTRODUÇÃO

Fernando Dândaro Uni-FACEF. Melissa Franchini Cavalcanti-Bandos Uni-FACEF INTRODUÇÃO 40 Logística Reversa como Política Pública para o Desenvolvimento Regional: Uma Proposta de Pesquisa sobre a Aplicabilidade da Política Nacional de Resíduos Sólidos no município de Franca (SP) Fernando

Leia mais

DIRETORIA TI RIO. Presidente Benito Paret

DIRETORIA TI RIO. Presidente Benito Paret DIRETORIA TI RIO Presidente Benito Paret Diretoria Bruno Salgado Custodio Rodrigues Henrique Faulhaber Barbosa Kauê Silva Ladmir da Penha Carvalho Luiz Bursztyn Pablo Braga Conselheiro Fiscal Titular Giosafatte

Leia mais

13/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila. Objetivos da aula. Características das empresas da cadeia produtiva reversa

13/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila. Objetivos da aula. Características das empresas da cadeia produtiva reversa Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Objetivos da aula 1. Avaliar as diferenças entre as empresas da cadeia direta e da cadeia reversa; 2. Compreender o papel

Leia mais

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Uma Mudança

Leia mais

2 Logística Reversa. 2.1. Conceito

2 Logística Reversa. 2.1. Conceito 2 Logística Reversa 2.1. Conceito A reutilização de produtos e materiais não é um fato novo. A reciclagem de metais, plásticos e papéis são processos realizados já há algum tempo. Nesses casos, a reciclagem

Leia mais

Destinação dos Resíduos Sólidos

Destinação dos Resíduos Sólidos Palestrante João Salles Neto Engenheiro de produção Mecânica Pós Graduação em Logística Empresarial Universidade Mackenzie Pós Graduação em Administração Fundação Vanzolini Sócio Diretor da Consultoria

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA: A PREOCUPAÇÃO COM O PÓS- CONSUMO

LOGÍSTICA REVERSA: A PREOCUPAÇÃO COM O PÓS- CONSUMO LOGÍSTICA REVERSA: A PREOCUPAÇÃO COM O PÓS- CONSUMO José Augusto Arnuti Aita (UFSM) cecesm@gmail.com Janis Elisa Ruppenthal (UFSM) janis@ct.ufsm.br Muito se fala em logística reversa sob o prisma de uma

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

Logística reversa de pós-consumo: Aplicação do processo em uma empresa do ramo de construção civil.

Logística reversa de pós-consumo: Aplicação do processo em uma empresa do ramo de construção civil. Logística reversa de pós-consumo: Aplicação do processo em uma empresa do ramo de construção civil. Cristiane Duarte de Souza Graduada em Administração cridrds@ig.com.br Natália Pecorone de Sá Graduada

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa Do lixo ao valor O caminho da Logística Reversa O problema do lixo A sociedade, hoje, vive com um grande desafio: o lixo. Calcula-se que, por dia, no Brasil, são gerados 1 Kg de resíduos por habitante.

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS LOGÍSTICA REVERSA E A RESPONSABILIDADE EMPRESARIAL Os bens industriais apresentam ciclos de vida útil de algumas semanas ou de alguns anos, após o que serão descartados

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA

9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA 9º Congresso de Pós-Graduação UMA ANÁLISE GERENCIAL NA LOGÍSTICA REVERSA DE PÓS-VENDA Autor(es) ELIACY CAVALCANTI LELIS Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON 1. Introdução Atualmente, a preocupação da gestão

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NO ÂMBITO SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO.

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NO ÂMBITO SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NO ÂMBITO SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. Tamara Amaral Soares Aluna do Curso de Logística FATEC JAHU tamara-as@hotmail.com Priscila Thais Rodrigues Aluna do Curso de

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Gestão de Resíduos Sólidos ( São Paulo ) Lei 997/76 e regulamento: Dec. 8468/76 Foco: Comando e Controle Resíduos Disposição Final Disposição inadequada

Leia mais

A logística reversa agregando valor aos resíduos de madeira através de uma visão empreendedora

A logística reversa agregando valor aos resíduos de madeira através de uma visão empreendedora A logística reversa agregando valor aos resíduos de madeira através de uma visão empreendedora Resumo Leozenir Betim (CEFET PR) leobetim@visaonet.com.br Patrícia Guarnieri (CEFET PR) patriciaguarnieri@ibest.com.br

Leia mais

RECICLAGEM E PRODUÇÃO DE ARTE ALIADA A TECNOLOGIA UTILIZANDO A LOGÍSTICA REVERSA

RECICLAGEM E PRODUÇÃO DE ARTE ALIADA A TECNOLOGIA UTILIZANDO A LOGÍSTICA REVERSA RECICLAGEM E PRODUÇÃO DE ARTE ALIADA A TECNOLOGIA UTILIZANDO A LOGÍSTICA REVERSA Maria do Carmo Jampaulo Plácido Palhaci UNESP, Departamento de Artes e Representação Gráfica palhaci@faac.unesp.br Ricardo

Leia mais

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores.

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores. ECONOMIA - 19/08/14 BRIEFING DE POSICIONAMENTO SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1. CONTEXTO Posicionamento geral para quaisquer entrevistas realizadas no âmbito da terceira edição do projeto

Leia mais

Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo

Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo RIBEIRO, F.M. a, *; KRUGLIANSKAS, I. b a- CETESB- Companhia Ambiental do Estado de São Paulo b- FEA-USP Faculdade

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PNRS)

LOGÍSTICA REVERSA E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PNRS) LOGÍSTICA REVERSA E A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PNRS) A Logística Reversa tem sido motivo de muitas manifestações seja na mídia em geral, seja nas empresas, academias e do publico em geral

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA - I Patrícia Beaumord Gomes Liva Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão da Logística pelo IETEC.

LOGÍSTICA REVERSA - I Patrícia Beaumord Gomes Liva Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão da Logística pelo IETEC. LOGÍSTICA REVERSA - I Patrícia Beaumord Gomes Liva Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão da Logística pelo IETEC. Viviane Santos Lacerda Pontelo Administradora de Empresas, Pós Graduada em

Leia mais

Uma visão sobre os conceitos básicos da logística reversa

Uma visão sobre os conceitos básicos da logística reversa Uma visão sobre os conceitos básicos da logística reversa Vanina Macowski Durski Silva (UFSC/CNPQ) vaninadurski@gmail.com Rosely Antunes de Souza (UTFPR) roselypr@gmail.com Silvana Ligia Vincenzi Bortolotti

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E APLICAÇÃO DA LEI 12.305/2010 PARA O DESCARTE DE COMPUTADORES E NOTEBOOKS.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E APLICAÇÃO DA LEI 12.305/2010 PARA O DESCARTE DE COMPUTADORES E NOTEBOOKS. - 1-1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E APLICAÇÃO DA LEI 12.305/2010 PARA O DESCARTE DE COMPUTADORES E NOTEBOOKS. Carlos Rogério dos Santos Carvalho 1 Karen dos Santos Carvalho 2 Palavras-chave: Lixo tecnológico -

Leia mais

Ecologia Industrial: contribuições para a Logística Reversa de Pós-Consumo

Ecologia Industrial: contribuições para a Logística Reversa de Pós-Consumo Ecologia Industrial: contribuições para a Logística Reversa de Pós-Consumo J. C. F. Lima a, A. Avoleta b, O. F. Lima c, E. W. Rutkowski d a. Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, julianacfl@fec.unicamp.br

Leia mais

Gestão da Logística Reversa

Gestão da Logística Reversa Gestão da Logística Reversa Custos com a Logística Reversa nos EUA (em US$) e no Brasil Custo Logístico Total nos EUA $1,006,000,000 Custo Aproximado da LR % 4.00% Custos Estimados com LR $40,240,000 Source

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR Armando Madalosso Vieira Filho (UEPG/UTFPR) armandovieiraf@gmail.com Ivanir Luiz de Oliveira

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

O estudo de caso do projeto de logística reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag

O estudo de caso do projeto de logística reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag O estudo de caso do projeto de logística reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag Paulo Daniel Pessoa (FAGEN/UFU) pd.pessoa@hotmail.com Claúdio Luis Miotto (FAGEN/UFU) miotto@ufu.br Resumo Estudo

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA CURITIBA 2012 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Carla Klassen A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA REVERSA NA

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE: ENFOQUE ECONÔMICO E AMBIENTAL

LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE: ENFOQUE ECONÔMICO E AMBIENTAL LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE: ENFOQUE ECONÔMICO E AMBIENTAL Aline Pereira dos Anjos 1 Larissa Fabiana Oliveira Caetano 1 Luciana Pereira Mendonça 1 Clézio Antônio Lara 2 RESUMO O objetivo deste

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS Mineração Urbana no Brasil Lúcia Helena Xavier São José dos Campos SP Junho de 2015 REGULAMENTAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL LEI Nº 6.938 DE 1981 PNMA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz

A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz A logística reversa é importante instrumento de desenvolvimento econômico e social previsto na Política Nacional de Resíduos

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA LOGÍSTICA REVERSA E SUSTENTABILIDADE COMO INSTRUMENTOS DE CONTROLE GERENCIAL Por: Auremilia Vilena de Almeida Orientador Prof.

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

Um estudo das melhores práticas de logística reversa de vasilhames tipo A.

Um estudo das melhores práticas de logística reversa de vasilhames tipo A. Um estudo das melhores práticas de logística reversa de vasilhames tipo A. (1) Guilherme Damo; (2) Cristiane Ferreira da Silva Barros; (3) Antonio Nilton; (4) Marcelo Almeida (1, 2, 3 e 4) Programa de

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO ILIDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional DEZEMBRO/2000

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS? UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA DE RECICLAGEM AM SUCATAS

LOGÍSTICA REVERSA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS? UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA DE RECICLAGEM AM SUCATAS LOGÍSTICA REVERSA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS? UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA DE RECICLAGEM AM SUCATAS Edilaine Gomes Fiuza edilainefiuza@hotmail.com Fatec Zona Leste Marcos José Corrêa Bueno mjvm@ig.com.br

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

Reciclagem do e-lixo (ou lixo eletro-eletrônico)

Reciclagem do e-lixo (ou lixo eletro-eletrônico) Reciclagem do e-lixo (ou lixo eletro-eletrônico) Dérick DA COSTA FERREIRA (1); Josivan BEZERRA DA SILVA (2); Jean CARLOS DA SILVA GALDINO(3) (1) IFRN, T.V TENENTE AUGUSTO PINTO DE SOUSA 22, Centro, e-mail:

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA. Reverse Logistics. Josiane de Medeiros da Silva 1

LOGÍSTICA REVERSA. Reverse Logistics. Josiane de Medeiros da Silva 1 LOGÍSTICA REVERSA Reverse Logistics Josiane de Medeiros da Silva 1 Resumo: Conforme Ribeiro e Gomes (2004), logística é o processo de gerenciar estrategicamente a aquisição, movimentação e armazenagem

Leia mais

Estudo de caso sobre Logística Reversa

Estudo de caso sobre Logística Reversa Estudo de caso sobre Logística Reversa Autores Cristiane Meneghel Dorizotto Angelita Barski Orientador Rosangela Vanalle 1. Introdução Na sociedade moderna, os resíduos sejam eles industriais ou residenciais,

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA CONCEITOS E COMPONENTES DO SISTEMA

LOGÍSTICA REVERSA CONCEITOS E COMPONENTES DO SISTEMA LOGÍSTICA REVERSA CONCEITOS E COMPONENTES DO SISTEMA Déborah Francisco Rodrigues Departamento de Engenharia Industrial PUC-Rio Rua Marquês de São Vicente, 225 Gávea - RJ Gisela Gonzaga Rodrigues Departamento

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 TRAMITAÇÃO DA PNRS 1989 Projeto de Lei Nº N 354/89 do Senado 1991 Projeto de Lei Nº N 203/91

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT X SIGA: Seminário para Interação em Gestão Ambiental GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS VERDE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Linéia Jollembeck Lopes GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MARCO LEGAL Diálogo do Governo Federal com Sociedade Civil (Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis MNCR). Código Brasileiro de Ocupações - 2002 Reconhecimento a Categoria profissional

Leia mais

V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL. Carlos Afonso Instituto de Química. Universidade Federal do Rio de Janeiro

V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL. Carlos Afonso Instituto de Química. Universidade Federal do Rio de Janeiro V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICAP Impactos SócioS cio-ambientais do LIXO ELETROELETRÔNICO Prof. Júlio J Carlos Afonso Instituto de Química Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasília,

Leia mais

A Solução de Reciclagem de Residuos de Eletrônicos da USP Perspectiva CEDIR & LASSU

A Solução de Reciclagem de Residuos de Eletrônicos da USP Perspectiva CEDIR & LASSU A Solução de Reciclagem de Residuos de Eletrônicos da USP Perspectiva CEDIR & LASSU Tereza Cristina M. B. Carvalho Coordenadora Geral CEDIR e LASSU/PCS/EPUSP Assessora de Projetos Especiais CTI -USP terezacarvalho@usp.br

Leia mais

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente A Lei e Políticas Públicas de de Resíduos Sólidos

Leia mais

Resíduos Sólidos. Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos

Resíduos Sólidos. Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos 1 Diagnóstico regional Geração média resíduos na região: 1,0 kg/hab/dia Média nacional: 1,1 kg/hab/dia Alta temporada: acréscimo estimado em 54% do total gerado

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

O F I C I N A ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP. LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais.

O F I C I N A ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP. LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais. O F I C I N A D E ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais. Walter Françolin DMA FIESP Agosto 2010 ou outra destinação final ambientalmente adequada; Art. 3º - XII

Leia mais

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014.

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Rio de Janeiro, 24 de junho de 2014. Of. Circ. Nº 212/14 Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Senhor Presidente, Fazendo referência à Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e logística reversa Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Relatório da Pesquisa Pagamento por Serviços Ambientais

Leia mais

A Logística Reversa na hotelaria: estudo de caso em um hotel de grande porte da Cidade de Ponta Grossa - Pr

A Logística Reversa na hotelaria: estudo de caso em um hotel de grande porte da Cidade de Ponta Grossa - Pr A Logística Reversa na hotelaria: estudo de caso em um hotel de grande porte da Cidade de Ponta Grossa - Pr Esp. Mayara Cristina Ghedini da Silva (PPGEP/UTFPR) mayara_ghedini@hotmail.com Prof. Dr. João

Leia mais

Modelagem da Logística Reversa dos Resíduos Eletroeletrônicos

Modelagem da Logística Reversa dos Resíduos Eletroeletrônicos DISCLAIMER: O conteúdo apresentado neste documento encontra-se em construção pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) em parceria com o Grupo de Trabalho Temático Resíduos de Equipamentos

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Porto Alegre RS

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Porto Alegre RS Política Nacional de Resíduos Sólidos Porto Alegre RS Data: 04 Julho 2015 Apresentação PNRS: Atores e obrigações Panorama Geral: Implementação da PNRS no Brasil Pesquisa CNM (2015) Sanções PNRS PNRS PNRS

Leia mais

Logística reversa e PNRS

Logística reversa e PNRS Videoconferência Logística reversa e PNRS Cristiane de S. Soares Assessora especial da CNC Julho, 2015 Rio de Janeiro RJ Política Nacional de Resíduos Sólidos Instrumento que institui a Responsabilidade

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS A COLETA SELETIVA A Coleta Seletiva como Fonte Primária Temos analisado as diversas formas de desembaraço dos bens após o seu uso original, os quais darão origem aos chamados

Leia mais

Sustentabilidade: A Visão do Ministério Público

Sustentabilidade: A Visão do Ministério Público WORKSHOP NOVAS DEMANDAS AMBIENTAIS E SEUS IMPACTOS ECONÔMICOS NA INDÚSTRIA DO VIDRO Sustentabilidade: A Visão do Ministério Público SÃO PAULO - MARÇO/2015 LEI DE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (Lei

Leia mais