ANÁLISE DA EXPOSIÇÃO AO RUÍDO E DOS PRINCIPAIS SINTOMAS AUDITIVOS E EXTRA-AUDITIVOS EM MOTORISTAS DO TRANSPORTE COLETIVO DE GOIÂNIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DA EXPOSIÇÃO AO RUÍDO E DOS PRINCIPAIS SINTOMAS AUDITIVOS E EXTRA-AUDITIVOS EM MOTORISTAS DO TRANSPORTE COLETIVO DE GOIÂNIA"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS E SAÚDE ANÁLISE DA EXPOSIÇÃO AO RUÍDO E DOS PRINCIPAIS SINTOMAS AUDITIVOS E EXTRA-AUDITIVOS EM MOTORISTAS DO TRANSPORTE COLETIVO DE GOIÂNIA ROSANE CUNHA DE LIMA SIQUEIRA Goiânia GO 2012

2 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS E SAÚDE ANÁLISE DA EXPOSIÇÃO AO RUÍDO E DOS PRINCIPAIS SINTOMAS AUDITIVOS E EXTRA-AUDITIVOS EM MOTORISTAS DO TRANSPORTE COLETIVO DE GOIÂNIA ROSANE CUNHA DE LIMA SIQUEIRA Orientadora: Profª Drª Vera Aparecida Saddi Co-orientadora: Prof a Me. Danya Ribeiro Moreira Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação Stricto Sensu em Ciências Ambientais e Saúde, da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação da Pontifícia Universidade Católica de Goiás, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Ciências Ambientais e Saúde. Goiânia - GO 2012

3 2 Dedicatória Dedico este trabalho à minha família, meu pai sempre presente, à minha mãe, meu esposo Jucelino, aos meus filhos Frederico e Eduardo, e aos meus sobrinhos pela ajuda, apoio e paciência durante minha ausência na dedicação ao mestrado.

4 3 Agradecimentos Agradeço a Deus a conclusão de mais esta etapa da minha vida. Para que esta pesquisa pudesse ser concluída, muitas pessoas contribuíram ao longo de sua realização. A todos aqueles que direta ou indiretamente, me apoiaram, agradeço pela atenção, paciência e carinho. À minha orientadora, Vera Aparecida Saddi, pelo incentivo ao ingressar no mestrado e por ter me ensinado nas entrelinhas das orientações, muito além do que seu papel exigia. Agradeço imensamente pela paciência, dedicação, compromisso e seriedade dispensadas, para que chegássemos ao fim. À minha amiga e co-orientadora, Danya Ribeiro Moreira, por toda ajuda e conhecimento que tanto somaram para melhoria deste trabalho. À empresa HP transportes LTDA que permitiu a realização deste estudo, na pessoa da coordenadora geral, Indiara Ferreira. A todos os funcionários da empresa que se prontificaram a ajudar, fornecendo informações necessárias. Agradeço imensamente a todos os motoristas que participaram desta pesquisa, pelo carinho, disponibilidade e atenção dispensados. À Mariela Santos Anjo pelo incentivo presente desde o início. Aos meus filhos, Frederico e Eduardo, um agradecimento afetuoso e um pedido de desculpas pela ausência. Ao meu esposo Jucelino, pela sua compreensão e por acreditar e depositar confiança na minha capacidade, possibilitando a realização deste mestrado. À minha mãe que tanto me ajudou e ajuda, meu eterno agradecimento. Aos meus irmãos, Patrícia e Paulo, que tanto me deram suporte para a realização deste mestrado. Ao amigo Danylo Luz, por toda prontidão em me ajudar nas horas de desespero. Ao professor Antônio Márcio, pela ajuda na análise dos dados. À amiga, Yvone Portilho do Nascimento, pela sua dedicação incontestável, por sua vontade de ajudar em qualquer circunstância.

5 4 RESUMO Os motoristas de ônibus urbano, particularmente, os que atuam em áreas metropolitanas, estão expostos a vários agentes físicos agressores presentes no ambiente de trabalho, dentre eles, o ruído. Níveis elevados de ruído, são originados de diversas fontes como o trânsito, sons de buzinas e alto-falantes, apitos dos guardas, conversas entre usuários no interior do veículo, dentre outros. A exposição ocupacional ao ruído intenso pode ocasionar alterações no organismo do trabalhador, sendo essas manifestações mais conhecidas no sistema auditivo. Porém, a exposição a níveis elevados de ruído pode ocasionar também alterações em outros órgãos e sistemas, refletindo, na capacidade de comunicação, distúrbios digestivos, endócrinos, no sistema nervoso e na qualidade do sono, interferindo assim, nos aspectos cognitivos, emocionais, sociais e laborais do individuo. O presente estudo teve como objetivo avaliar os níveis de exposição ao ruído urbano e caracterizar suas possíveis associações com os sintomas auditivos e extra-auditivos, em um grupo de 100 motoristas de transporte coletivo da cidade de Goiânia. O modelo usado consistiu em um estudo transversal que quantificou os níveis de exposição ao ruído urbano e suas possíveis consequências na saúde geral e auditiva de motoristas de uma empresa de transporte coletivo da cidade de Goiânia. Para tanto, foram realizadas mensurações objetivas por meio de um medidor de nível de pressão sonora, com a finalidade de verificar o nível de ruído próximo à zona auditiva direita dos motoristas. As avaliações subjetivas foram obtidas por meio de um questionário contendo questões referentes à saúde auditiva e geral. Os resultados obtidos para diferentes níveis de pressão sonora, bem como aqueles obtidos por meio do questionário, foram processados para as análises estatísticas descritivas e comparativas. Os principais resultados encontrados neste estudo, demonstraram que as médias dos NPS encontrados nos seis ônibus das duas linhas selecionadas variaram de 80.3 db (A) a 83.3 db (A), ou seja, medições dentro do recomendado pelas Normas NR 15 e NHO-01. Quanto aos sintomas auditivos decorrentes da exposição ao ruído, a queixa de zumbido foi a mais relatada pelos motoristas. Dentre os sintomas extra-auditivos, as alterações psicológicas e comportamentais foram as mais verificadas, seguidas pelas alterações orgânicas como problemas do aparelho osteomuscular, aparelho digestivo e a cefaleia. As associações entre tempo de exposição e sintomas auditivos e extra-auditivos investigados não apresentaram resultados estatisticamente significativos. Palavras-chave: Ruído; Motoristas; Audição.

6 5 ABSTRACT Bus drivers working at metropolitan areas are often exposed to several aggressive physical agents in their work environment, such as noise. Inside the busses, high noise pressure level (NPL) can derive from several sources, including the traffic itself, horns, loud speakers, whistles, passengers chatting inside the vehicle, among others. Occupational exposition to high NPL can cause changes in the employees health, especially those affecting the auditory system. However, high NPL exposition can also be associated to other physiological changes affecting personal communication abilities, digestion, endocrine and nervous system, sleeping functions, and interfering with cognitive, emotional, social and labor performances. The present study aimed to evaluate the exposition to urban NPL and its possible association with auditory and extra auditory symptoms in a group of 100 urban bus drivers from Goiânia, Goiás, Brazil. It comprised a cross-sectional study that quantified the exposition to urban NPL and its possible consequences on the general and auditory health of bus drivers from an urban transportation company in the city. In order to quantify NPL, objective measurements were taken close to the right ear of the bus drivers, by using a dosimeter. Subjective evaluations were taken by using a structured questionnaire comprising general and auditory health questions. The results obtained for different NPL measurements and for the questionnaire were processed for descriptive and comparative statistical analysis. In this study, noise pressure levels measured on six selected vehicles varied from 80.3 db (A) to 83.3 db (A), following the rules established by the national policies (NR 15 and NHO-01). Tinnitus was the most common auditory symptom reported by the group. Among extra auditory symptoms, psychological and behavioral changes were the most frequent complaints, followed by organic changes, such as musculoskeletal problems, digestive disorders and headaches. In this study, no significant statistical association was demonstrated between the noise pressure exposure time (duration of bus driving) and auditory or extra-auditory symptoms. Keywords: noise, bus drivers, hearing

7 6 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Distribuição dos motoristas de ônibus de acordo com a faixa etária Tabela 2. Distribuição dos motoristas de ônibus de acordo com a escolaridade Tabela 3. Distribuição dos motoristas de ônibus de acordo com a percepção de trabalhar com equipamentos ruidosos Tabela 4. Distribuição dos motoristas de ônibus de acordo com a sensação de mal estar após o período de trabalho Tabela 5. Distribuição dos motoristas de ônibus de acordo com a moradia em locais ruidosos Tabela 6. Distribuição dos motoristas de ônibus de acordo com sua frequência em locais ruidosos Tabela 7. Distribuição dos motoristas de ônibus de acordo com a prática de atividades ruidosas fora o ambiente de trabalho

8 7 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Limites de níveis de exposição ao ruído ocupacional, conforme as normas de vários países. Fonte: FLEIG (2004) Quadro 2: Limites de tolerância ao ruído ocupacional segundo a norma brasileira NR -15. Fonte: NR Quadro 3: Limites de tolerância ao ruído ocupacional segundo a norma de Higiene ocupacional NHO-01. Fonte: NHO-01 Fundacentro Quadro 4: Quantidade de linhas por tipo e área operacional. Fonte: RMTC, GOIÂNIA Quadro 5: Categorização dos sintomas extra-auditivos... 51

9 8 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Níveis de ruído registrados na linha 003 (Terminal Maranata- Rodoviária) nos diferentes picos e horários Figura 2: Níveis de ruído registrados na linha 020 (Terminal Garavelo-Terminal da Bíblia) nos diferentes picos e horários Figura 3: Gráfico de distribuição dos 100 motoristas avaliados neste estudo de acordo com o tempo de exercício na profissão Figura 4: Gráfico de distribuição dos 100 motoristas avaliados neste estudo de acordo com a presença de sintomas auditivos Figura 5: Gráfico de distribuição dos 100 motoristas avaliados neste estudo de acordo com alterações psicológicas e comportamentais Figura 6: Gráfico de distribuição dos 100 motoristas avaliados neste estudo de acordo às alterações cognitivas Figura 7: Gráfico de distribuição dos 100 motoristas avaliados neste estudo de acordo às alterações orgânicas Figura 8: Gráfico de distribuição dos 100 motoristas avaliados neste estudo de acordo com a exposição à vibração Figura 9: Gráfico de distribuição dos 100 motoristas avaliados neste estudo de acordo com o uso de medicamentos e fatores agravantes para perda auditiva

10 9 LISTA DE ABREVIATURAS ACOEM American College of Occupational and Environmental Medicine ANTP Associação Nacional de Transporte Público APL Alteração Permanente do Limiar ATL Alteração Temporária do Limiar CID Classificação Internacional de Doenças db Decibel db (NA) Decibel Nível de audição db(a) Decibel A (com ponderação do filtro A) DPM Distúrbios psiquiátricos menores FUNDACENTRO Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho HAS Hipertensão arterial sistêmica Hz Hertz ISO International Standard Organization ISO International Standardization Organization KHz Quilo Hertz LA eq Nível de Energia equivalente NHO Norma de Higiene Ocupacional NPS Níveis de Pressão Sonora NR Norma Regulamentadora PAINPSE Perda Auditiva Induzida por Níveis de Pressão Sonora Elevados PUC-GO Pontifícia Universidade Católica de Goiás REM Rapid Eyes Moviment RMTC Rede Metropolitana de Transporte Coletivo SNC Sistema Nervoso Central TCLE Termo de Consentimento Livre e esclarecido VCI Vibração de corpo inteiro WHO World Health Organization

11 10 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA Fundamentação Teórica Conceitos físicos de som Ruído O ruído como agente ocupacional Sintomas apresentados pelo trabalhador em decorrência da exposição ao ruído ocupacional Sintomas Auditivos Sintomas extra-auditivos decorrentes da exposição ao ruído ocupacional O Transporte Coletivo Urbano Brasileiro A profissão de motorista de ônibus urbano Revisão de literatura Sintomas auditivos e extra-auditivos da exposição sonora em motoristas de ônibus OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos específicos METODOLOGIA População de estudo Procedimentos utilizados na coleta de dados Análise Estatística dos Dados RESULTADOS Medições do ruído nas linhas de ônibus urbano Resultados obtidos no questionário Exposição ao Ruído Ocupacional Exposição ao Ruído Não Ocupacional Sintomas auditivos investigados no grupo de motoristas Sintomas extra-auditivos avaliados... 50

12 Sintomas relativos à exposição a vibração investigados no grupo de motoristas Fatores agravantes para perda auditiva Associações entre o tempo de exposição ao ruído e os sintomas auditivos e extra-auditivos investigados nos motoristas de ônibus DISCUSSÃO CONCLUSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICES ANEXOS... 96

13 12 1. INTRODUÇÃO O avanço tecnológico industrial ocorrido nas últimas décadas inegavelmente trouxe vários benefícios à sociedade. Porém, esse avanço vem acontecendo de forma acelerada, indiscriminada e não planejada, resultando em uma série de implicações que podem comprometer a saúde física e mental dos trabalhadores, bem como sua qualidade de vida (BATTISTON; CRUZ; HOFFMAN, 2006). Vários agentes estressores podem ser encontrados no ambiente de trabalho, dentre eles, ruído, calor, vibrações, pressões, radiação e agentes químicos, como cigarro, gases e vapores (FERNANDES; MORATA, 2002). Existem também os estressores organizacionais, que são aqueles relacionados à organização do trabalho, como ritmo, turno e ergonomia. Esses estressores podem ser encontrados de forma combinada no ambiente de trabalho, acarretando condições capazes de influenciar na saúde geral e no bem estar dos trabalhadores (BATTISTON; CRUZ; HOFFMAN, 2006). Dentre os agentes físicos nocivos, o ruído é o mais comumente encontrado no ambiente de trabalho (SELIGMAN, 1997; SUTER, 2001; DIAS; CORDEIRO, 2007; BARROS et al, 2007). Segundo Kwitko (2001), o ruído é definido como um som indesejável, que constitui um real e presente perigo à saúde das pessoas, pois pode produzir um sério estresse físico e psicológico ao individuo. A Organização Pan-Americana de Saúde (2001) enfatiza que o ruído constitui um importante agravo à saúde dos trabalhadores em todo o mundo. O ruído pode ocasionar alterações no organismo do trabalhador assim como, afetar seus aspectos cognitivos, emocionais, sociais e laborais (MEDEIROS, 1999). A exposição ocupacional ao ruído intenso está associada a várias manifestações, sendo que a mais conhecida ocorre no sistema auditivo, podendo ser classificada em três categorias: Trauma Acústico, Alteração Temporária do Limiar (ATL) e Alteração Permanente do Liminar (APL) (MEDEIROS, 1999). Porém, níveis elevados de ruído podem atingir outros órgãos e sistemas, além do auditivo, ocasionando distúrbios de comunicação, neurológicos, vestibulares,

14 13 cardiovasculares, endócrinos, respiratórios, hormonais e comportamentais (SELIGMAN; SCHNEIDER; IBÃNEZ, 2001). Dentre as diversas profissões que expõem o trabalhador aos níveis elevados de ruído, destaca-se a de motoristas de ônibus. Esses trabalhadores, especificamente, estão expostos aos Níveis de Pressão Sonora (NPS) elevados em toda a sua jornada de trabalho, sendo o ruído originado de diferentes pontos. A partir da década de 50, ocorreu no Brasil, aumento significativo da demanda no setor de transporte, sendo considerado um dos serviços mais essenciais à sociedade, refletindo também na economia do país (HOFFMAN, 2000). A exposição aos ruídos de forte intensidade verificada no interior de transportes coletivos urbanos, associada à poluição sonora ambiental dos grandes centros, fator idade e longo tempo de exposição podem gerar consequências sobre a saúde dos condutores desse tipo de transporte. Assim, a identificação dos sintomas auditivos e extra-auditivos, decorrentes da exposição diária aos ruídos intensos, torna-se fundamental nessa população de trabalhadores. Analisando a importância desse profissional, qualquer distúrbio em sua saúde, como perda auditiva, déficit na atenção e concentração, alterações cardiovasculares e neurológicas, dentre outras, podem ocasionar acidentes e erros na condução, comprometendo não somente os motoristas, mas também passageiros e pedestres. Consultando os bancos de dados bibliográficos nacionais e internacionais, nenhum estudo sobre as condições de saúde auditiva e extra-auditiva em motoristas do transporte coletivo de Goiânia foi encontrado, justificando assim o presente estudo. Neste contexto, a presente pesquisa teve como objetivo quantificar os níveis de ruídos ocupacionais a que os motoristas de ônibus urbano são expostos em Goiânia, bem como caracterizar a presença de sintomas auditivos e extraauditivos nesta classe de trabalhadores.

15 14 2. REVISÃO DA LITERATURA Neste capítulo, serão abordados conceitos referentes aos sons e aos ruídos e suas influências sobre a saúde geral do trabalhador, especificamente sobre os motoristas de transporte coletivo urbano. 2.1 Fundamentação Teórica Conceitos físicos de som A parte da física que estuda o som é a acústica, que apresenta duas importantes modalidades: a acústica física, que trata do estudo puro das vibrações e ondas mecânicas e a acústica fisiológica ou psicoacústica, que estuda a sensação que o som produz no indivíduo. A psicoacústica refere-se à percepção individual de ruídos, sons, músicas e vozes humanas e está relacionada ao relato do ouvinte quanto à sensação para a altura (Picth) e a intensidade do som, o Loudness (RUSSO, 1993). A acústica pode ser definida como geração, transmissão e recepção de energia na forma de ondas vibracionais na matéria. Isso ocorre quando átomos e moléculas de um fluido ou sólido são deslocados de sua posição normal e uma força interna elástica de restauração atua no sentido de fazê-los voltar a essa posição. O fenômeno acústico mais familiar é a sensibilidade ao som. Um distúrbio vibracional é interpretado como som quando sua frequência atinge uma faixa de 20 a Hz com uma intensidade capaz de produzir uma sensação auditiva (FROTA, 2000). A World Health Organization (WHO, 1995) define o som como um agente físico resultante da vibração de moléculas do ar e que se transmite como uma onda longitudinal. É, portanto, uma forma de energia mecânica. O som evoca uma resposta fisiológica nos sistemas auditivos, periférico e central. Essa resposta pode ser descrita e medida por métodos apropriados, por meio de parâmetros físicos (como um movimento vibratório da membrana do tímpano), ou de parâmetros eletrofisiológicos (alterações nos potenciais sensoriais bioelétricos e do tecido neural). No entanto, nem toda onda sonora evoca a

16 15 sensação auditiva. Por exemplo, o ultrassom tem uma frequência muito alta para excitar o sistema auditivo e, assim, para evocar a percepção do som. Para um som ser detectado pelo aparelho auditivo é preciso que ele esteja dentro da faixa de frequência de 20 a Hz (WHO, 1995). O som apresenta três características fundamentais incluindo a frequência, a intensidade e o timbre. A frequência é definida como o número de ciclos que as partículas materiais realizam em um segundo ou o número de vibrações por unidade de tempo. É medida pela unidade chamada Hertz (Hz) e refere-se à altura do som, permitindo classificá-lo em uma escala que varia de baixo a alto. A intensidade é definida como a energia que atravessa uma área num intervalo de tempo, ou a força exercida pelas partículas materiais sobre a superfície na qual incidem, podendo ser expressa em função da amplitude, que é a medida do afastamento máximo das partículas materiais de sua posição de equilíbrio. A intensidade permite classificar o som em uma escala de fraco a forte. Já o timbre, é uma qualidade da fonte sonora e não do som, permitindo diferenciar a mesma nota musical emitida por instrumentos diferentes, por meio de diversas frequências harmônicas, as quais compõem um determinado som complexo (RUSSO, 1993) Ruído O ruído é uma palavra derivada do latim rugitu, que significa estrondo. A Comissão de Saúde Pública da Espanha em 2000, definiu o ruído como um som inarticulado e confuso, mais ou menos forte(uña; GARCÍA; BETEGÓN, 2000). Segundo a WHO (1995), o ruído é comumente definido como energia acústica audível que pode afetar ou prejudicar o bem estar fisiológico ou psicológico das pessoas. Fisicamente, não existe distinção entre som e ruído, sendo que o conceito de ruído está associado a qualquer som definido como desagradável ou indesejável. Frota (2000) assinala que o ruído é um sinal acústico aperiódico, originado da superposição de vários movimentos de vibração com diferentes frequências que não apresentam relação entre si. Segundo Kwitko (2001), o ruído é definido como um som indesejável, que constitui um real e presente perigo à saúde das pessoas, pois pode produzir um sério estresse físico e psicológico.

17 16 Do ponto de vista da higiene do trabalho, o ruído é um fenômeno físico vibratório com características indefinidas de vibrações de pressão em função da frequência. Isto é, para uma dada frequência, podem existir variações de diferentes pressões ao longo do tempo (SALIBA, 2004). De acordo com a Norma - ISO 2204/1973 (INTERNATIONAL ORGANIZATION STANDARD, 1973), os ruídos podem ser classificados, segundo a variação do nível de intensidade com o tempo, como contínuos, intermitentes e de impacto. Os ruídos contínuos apresentam níveis de variações desprezíveis (aproximadamente 3 db), com maior duração durante o período de observação. Os ruídos intermitentes apresentam uma variação contínua de valor aplicável (aproximadamente 3 db) no período de observação. E os ruídos de impacto ou impulso apresentam picos de energia acústica de duração inferiores a um segundo O ruído como agente ocupacional A audição é um sentido fundamental à vida, pois é a base da comunicação humana. Como qualquer outra função do corpo, apresenta um ponto de equilíbrio para que funcione adequadamente. O aparelho auditivo deve ser exercitado e estimulado para o seu desenvolvimento e aprimoramento, porém, sofrerá exaustão se for por demais exigido e exposto a agentes que possam lesá-lo (SALIBA, 2004). O trabalhador, em seu ambiente de trabalho, é constantemente exposto a diversos riscos ambientais nocivos. Dentre eles, destaca-se o ruído, um agente físico presente em diversas atividades profissionais e no cotidiano da população. Os efeitos do ruído na audição são estudados desde o primeiro século. No texto de história natural de PLÍNIO, o velho, casos de surdez são relatados em moradores próximos às Cataratas do Rio Nilo. Ramazzini, em 1713, descreveu a surdez como uma das doenças dos bronzistas. Thomas Barr, em 1800, relatou a presença de surdez em trabalhadores na produção de vidros. Porém, de maneira mais contundente, somente neste século os estudos foram impulsionados pela constatação de surdez em soldados da Segunda Guerra Mundial (SANTOS, 1994). Nos anos 90, o processo denominado Terceira Revolução Industrial ou Reestruturação Produtiva representou uma nova forma de produzir, viabilizada pelos avanços tecnológicos e por novas formas de organização do trabalho. Tal revolução

18 17 teve abrangência global, introduzindo mudanças radicais na vida e relações de pessoas e países, tendo consequências no viver e adoecer das pessoas (SANTOS JUNIOR, 2003). A Conferência da Terra (ECO 92), realizada no Rio de Janeiro, em 1992, elaborou a Agenda 21, um programa de ação mundial para promoção do desenvolvimento sustentável, que envolve modificação de conceitos e práticas referentes ao desenvolvimento econômico e social. Neste contexto, o ruído foi considerado a terceira maior causa de poluição ambiental, precedido pela poluição da água e do ar. O ruído pode ser visto como um risco de agravo à saúde que atinge grande número de trabalhadores. Estudos ali apresentados indicaram que 16% da população dos países ligados à Cooperação de Desenvolvimento Econômico (ODCE), está exposta a níveis de ruído que provocam doenças no ser humano (apud MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006) São vários os sintomas do ruído no organismo humano, não só no funcionamento do sistema auditivo, mas também nas atividades físicas, mentais e fisiológicas do individuo, comprometendo o seu bem estar e podendo causar irritação, estresse e desequilíbrio bioquímico (CALIXTO, 2002). De acordo com a Organização Panamericana de Saúde (2001) e a WHO (1980), o ruído pode perturbar o trabalho, o descanso, o sono e a comunicação dos seres humanos, podendo causar reações psicológicas, fisiológicas e até mesmo patológicas. A World Health Organization (WHO, 2003) recomenda que em áreas residenciais, o nível de ruído não ultrapasse 55 db(a). A partir de 55 db(a), pode ocorrer estresse leve, acompanhado de desconforto. O nível de 70 db(a) é tido como o nível inicial de desgaste do organismo, aumentando o risco de infarto, acidente vascular cerebral, infecções, hipertensão arterial e outras patologias. No nível de 80 db(a), ocorre a liberação de endorfinas, tornando o organismo dependente, enquanto que em 100 db(a), pode haver danos e ou perda da acuidade auditiva. Ferreira Júnior (1998) ressalta que os riscos de danos à saúde para a maioria dos agentes de natureza ocupacional dependem da sua quantidade ou intensidade de tempo de exposição diária. Com relação ao ruído, o parâmetro fundamental é o Nível de Pressão Sonora (NPS) ao qual o trabalhador se expõe durante as horas da jornada diária de trabalho.

19 18 No quadro 1 podem ser verificados os limites de níveis de exposição ao ruído ocupacional, conforme as normas de vários países, evidenciando diferenças entre as várias legislações. Quadro 1: Limites de níveis de exposição ao ruído ocupacional, conforme as normas de vários países. Fonte: FLEIG (2004). País Nível de ruído db(a) Tempo de Exposição (h/d) Nível máximo db(a) Alemanha 85 8 Japão 90 8 França 85 8 Inglaterra Itália Dinamarca Suécia Estados Unidos OSHA Estados Unidos NIOSH 85 8 Canadá Austrália Brasil No quadro 2 podem ser observados os limites de tolerância aos níveis de exposição ao ruído ocupacional, conforme norma nacional expedida pelo Ministério do Trabalho, por meio da Portaria nº. 3214, de 08 de junho de Quadro 2: Limites de tolerância ao ruído ocupacional segundo a norma brasileira NR -15. Fonte: NR- 15. Nível de ruído db(a) Máxima exposição diária permissível 85 8 horas 86 7 horas 87 6 horas 88 5 horas 89 4 horas e 30 minutos 90 4 horas 91 3 horas e 30 minutos 92 3 horas 93 2 horas e 40 minutos 94 2 horas e 15 minutos 95 2 horas 96 1 hora e 45 minutos 98 1 hora e 15 minutos hora minutos minutos minutos minutos minutos

20 19 A Norma de Higiene Ocupacional (NHO) 01 de 2001, estabelece critérios e procedimentos para avaliação de exposição ocupacional ao ruído contínuo ou intermitente e ao ruído de impacto, em diferentes situações de trabalho que impliquem em risco potencial de surdez ocupacional, como pode ser observado no Quadro 3(MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO, 2001). Quadro 3: Limites de tolerância ao ruído ocupacional segundo a norma de Higiene ocupacional NHO- 01. Fonte: NHO-01 Fundacentro. Nível de ruído db(a) Máxima exposição diária permissível horas e 10 minutos horas horas e 41 minutos horas e 4 minutos 85 8 horas 86 6 horas e 20 minutos 87 5 horas 88 4 horas 89 3 horas e 10 minutos 90 2 horas e 30 minutos 91 2 horas 92 1 hora e 45 minutos 93 1 hora e 15 minutos 94 1 hora 95 47,62 minutos 96 37,79 minutos minutos Embora tanto a NR 15, quanto a NHO 01 sejam documentos de responsabilidade do Ministério do Trabalho e Emprego, divergências são observadas sobre a avaliação do ruído ocupacional. Por exemplo, de acordo com a NR-15, para um nível contínuo de 90 db(a), o limite de tolerância para um trabalhador seria a exposição máxima de 4h, enquanto que na NHO-01, esta exposição é de apenas 2h e 30min. A NHO-01 utiliza o princípio da energia equivalente (LA eq ) para o cálculo da dose de exposição, enquanto que a NR-15 não menciona este tipo de princípio. A NHO-01 adota o valor "3" como incremento de duplicação da dose, enquanto que a NR-15 utiliza como incremento da dose o valor "5". Incremento de duplicação da dose é um incremento em decibéis que, quando adicionado a um determinado nível, implica em redução para a metade do tempo máximo de exposição permitido (PORTELA, 2008). Outros fatores que potencializam o ruído e interferem na saúde geral dos

21 20 indivíduos incluem a duração e distribuição espectral do ruído, além da suscetibilidade individual (MELNICK, 1989). Silva (2002) e Gonçalves (2009) acrescentam que além das características físicas do ruído (intensidade, frequência e duração), são descritos outros riscos ocupacionais que atuam juntamente em ambientes ruidosos, afetando a audição do trabalhador. Entre os fatores exógenos de risco para as alterações auditivas ocupacionais, destacam-se alguns produtos químicos ototóxicos, as vibrações e os fatores organizacionais do trabalho Sintomas apresentados pelo trabalhador em decorrência da exposição ao ruído ocupacional O ruído pode trazer alterações ao organismo do trabalhador, assim como afetar seus aspectos cognitivos, emocionais, sociais e laborais. Esses efeitos são comumente classificados de duas maneiras. A primeira corresponde à ação direta no sistema auditivo e é chamada de efeitos auditivos. A segunda resulta numa ação sistêmica sobre várias funções orgânicas e é chamada de efeitos extraauditivos (MEDEIROS, 1999) Sintomas Auditivos O sistema auditivo desempenha funções importantes no organismo humano, pois é por meio dele que as informações chegam até nós, possibilitando a comunicação e interação entre o homem e o meio ambiente. Segundo Melnick (1989), os efeitos do ruído no sistema auditivo podem gerar sintomas que são classificados em três categorias: trauma acústico, alteração temporária do limiar (ATL) e alteração permanente do limiar (APL). O termo trauma acústico é restrito aos efeitos de exposição única a níveis de pressão sonoros elevados, como no caso de uma explosão (Melnick, 1989). Sons de curta duração e forte intensidade (explosões, estampidos de arma de fogo, detonações, etc.) podem resultar em perda auditiva imediata, severa e permanente, conceituada como trauma acústico. Todas as estruturas do sistema auditivo periférico podem ser lesadas, em particular, o órgão espiral, a delicada estrutura sensorial da parte auditiva da orelha interna (cóclea). O aparelho auditivo apresenta

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR Perda Auditiva Induzida Disciplina Medicina Social e do Trabalho MLS 0412 Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Graduação 3º Ano Grupo A1 Trata-se de uma perda auditiva do tipo neuro-sensorial,

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F. B. Moreira O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva decorrente da

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva

Leia mais

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM POLUIÇÃO SONORA O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM SOM É o resultado de movimentos de flutuação de partículas de ar

Leia mais

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes RUÍDO Trabalho Elaborado por: Bruno Pereira nº 13791 Engenharia Mecânica Fábio Oliveira nº 15434 Engenharia Química Filipe Ataíde nº 15909 Engenharia Química Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006

Leia mais

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Introdução O ruído pode ser definido como um som desagradável e indesejável que pode afetar

Leia mais

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

PAIRO. Carla Marineli

PAIRO. Carla Marineli PAIRO Carla Marineli Fonoaudióloga / Psicopedagogia Especialista em Audiologia Mestranda em Ciências Médicas - UNIFOR Coordenadora e Docente da Especialização em Audiologia da UNIFOR Coordenadora dos Cursos

Leia mais

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno SOM Isabel Lopes Nunes FCT/UNL toda a vibração mecânica que se propaga num meio elástico (ar, metais, líquidos ), desde que as frequências que a compõem se encontrem dentro de uma determinada faixa audível

Leia mais

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Conceito Poluição sonora é qualquer alteração nas características do som ambiente provocada por ruídos. Som e Ruído SOM É o resultado

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS As doenças otorrinolaringológicas relacionadas ao trabalho são causadas por agentes ou mecanismos irritativos, alérgicos

Leia mais

Avaliação de ruído no interior de ônibus urbanos: Um estudo de caso de linhas de ônibus de Campina Grande-PB.

Avaliação de ruído no interior de ônibus urbanos: Um estudo de caso de linhas de ônibus de Campina Grande-PB. Avaliação de ruído no interior de ônibus urbanos: Um estudo de caso de linhas de ônibus de Campina Grande-PB. Augusto Rafael Carvalho de Sousa 1 ; Walter Santa Cruz 2 ; Izabelle Marie Trindade Bezerra

Leia mais

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira Audição e Trabalho Marcelo Madureira Som Qualquer perturbação vibratória em meio elástico, a qual produz uma sensação auditiva Energia transmitida por vibrações no ar (ou outros materiais) e que causa

Leia mais

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem 71 Capítulo 9 Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem Nos últimos anos, os altos níveis de ruído se transformaram em uma das formas de poluição que atinge maior número de pessoas. A poluição sonora

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA PRESENÇA DE QUEIXAS AUDITIVAS E EXTRA- AUDITIVAS EM PROFISSIONAIS QUE ATUAM EM CENTROS DE BELEZA: ESTUDO PRELIMINAR

VERIFICAÇÃO DA PRESENÇA DE QUEIXAS AUDITIVAS E EXTRA- AUDITIVAS EM PROFISSIONAIS QUE ATUAM EM CENTROS DE BELEZA: ESTUDO PRELIMINAR VERIFICAÇÃO DA PRESENÇA DE QUEIXAS AUDITIVAS E EXTRA- AUDITIVAS EM PROFISSIONAIS QUE ATUAM EM CENTROS DE BELEZA: ESTUDO PRELIMINAR Verification of presence of auditory and extra-auditory complaints of

Leia mais

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações Um pouco sobre nós. Referência em Medicina Ocupacional, Saúde do Trabalhador em Uberlândia e Região. Nosso objetivo é solucionar os problemas ligados à preservação da saúde e segurança do trabalhador,

Leia mais

Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O)

Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O) Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O) Objetivos da Aula Saber Reconhecer: Características do som e do ruído ocupacional Noções de fisiologia auditiva e de audiometria clínicas Tipos de

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO Formadora - Magda Sousa O Ruído no Meio Ambiente O problema do Ruído no meio ambiente tem-se tornado, cada vez mais, numa

Leia mais

Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo

Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 451/2009 "Estabelece políticas públicas para garantir a saúde auditiva da população Capixaba, através de medidas e políticas para a redução

Leia mais

RUÍDO E SEUS EFEITOS NO HOMEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL

RUÍDO E SEUS EFEITOS NO HOMEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL VII ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO QUALIDADE NO PROCESSO CONSTRUTIVO 27 A 30 DE ABRIL DE 1998 FLORIANÓPOLIS - SC ANTAC NÚCLEO DE PESQUISA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA

Leia mais

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares Treinamento de Prot. Auditiva Treinamento aos usuários de protetores auriculares 1 Objetivo Reconhecer o agente físico ruído Conhecer os efeitos à saúde causado por exposição ao ruído Conhecer os tipos

Leia mais

Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Introdução Material e Método

Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Introdução Material e Método Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Palavras Chaves: Perda auditiva induzida por ruído, audição, militares. Introdução

Leia mais

PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO. PALAVRAS-CHAVE: Perda Auditiva. Saúde Auditiva. Aparelhos Telefônicos. Traçado Audiométrico.

PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO. PALAVRAS-CHAVE: Perda Auditiva. Saúde Auditiva. Aparelhos Telefônicos. Traçado Audiométrico. PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO Aleciane Aleni Thomazi 1 Dr. Euclides Antônio Pereira Lima 2 RESUMO A perda auditiva em ambientes de trabalho é a alteração mais frequente à saúde dos trabalhadores

Leia mais

O nível de ruído próximo aos motoristas de ônibus urbano na cidade de Porto Alegre, RS

O nível de ruído próximo aos motoristas de ônibus urbano na cidade de Porto Alegre, RS O nível de ruído próximo aos motoristas de ônibus urbano na cidade de Porto Alegre, RS Alessandro Giuliani 1 Resumo Apesar das grandes vantagens propiciadas pelo avanço tecnológico, o progresso tem trazido

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva O ouvido humano pode ser separado em três grandes partes, de acordo com

Leia mais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais Riscos Ambientais Riscos Ambientais São os agentes, elementos ou substâncias presentes nos locais de trabalho. A exposição dos trabalhadores a estes agentes pode causar acidentes com lesões ou danos à

Leia mais

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO Humberto J. P. Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO O ruído é um dos agentes físicos que gera mais incomodidade. É responsável por conflitos entre pessoas, entre pessoas

Leia mais

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO As vibrações afetam as pessoas de muitas formas causando desconforto, problemas de saúde, diminuição da

Leia mais

EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1

EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1 1 EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1 RESUMO. Os efeitos do ruído decorrentes do desenvolvimento tecnológico alcançado pela Sociedade atual, não podem mais ser relegados

Leia mais

Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil

Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil Paulo Alves Maia FUNDACENTRO / Campinas Introdução O ruído gerado nos canteiros de obra

Leia mais

Perda Auditiva Ocupacional. Profa. Ms. Angélica Pezzin Palheta

Perda Auditiva Ocupacional. Profa. Ms. Angélica Pezzin Palheta Perda Auditiva Ocupacional Profa. Ms. Angélica Pezzin Palheta Fatores para a Perda Auditiva Ocupacional Agentes físicos: ruído, vibrações, radiações, temperaturas extremas, pressões anormais, umidade;

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1

PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1 PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1 Apesar dos diversos benefícios trazidos pelo progresso, os impactos ambientais decorrentes

Leia mais

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação;

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação; O SOM Segundo a Diciopédia, o som pode ser: 1. Física: sensação auditiva produzida por vibrações mecânicas de frequência compreendida entre determinados valores (20 e 20 000 vibrações por segundo, em média);

Leia mais

Gestão ambiental e poluição sonora

Gestão ambiental e poluição sonora Gestão ambiental e poluição sonora João Candido Fernandes (UNESP) jcandido@feb.unesp.br Resumo: Este trabalho tem como objetivo apresentar os principais problemas causados pela poluição sonora, a forma

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE FUNDO EM MARINGÁ

AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE FUNDO EM MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE FUNDO EM MARINGÁ Camila Fernanda Giannini 1, Paulo José Moraes Monteiro e Teixeira

Leia mais

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008 Ruído Acção de Formação Associação de Municípios do Oeste Outubro de 2008 Objectivos Impacte do Ruído no Ser Humano; Introdução à Acústica; Quantificação do Ruído; Legislação Aplicável (D.L. n.º 9/2007

Leia mais

OTORRINOLARINGOLOGIA Labirintite e Zumbido no Ouvido

OTORRINOLARINGOLOGIA Labirintite e Zumbido no Ouvido Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira OTORRINOLARINGOLOGIA Labirintite e Zumbido no Ouvido Labirintite é um termo com significado popular

Leia mais

A poluição sonora difere bastante da poluição do ar e da água quanto aos seguintes aspectos:

A poluição sonora difere bastante da poluição do ar e da água quanto aos seguintes aspectos: Poluição Sonora Existe, na natureza, um equilíbrio biológico entre todos os seres vivos. Nesse sistema em equilíbrio os organismos produzem substâncias que são úteis para outros organismos e assim sucessivamente.

Leia mais

SIQUEIRA, Édina Siméia Campos de 1 CERVI, João Antônio 2 FEMA 3

SIQUEIRA, Édina Siméia Campos de 1 CERVI, João Antônio 2 FEMA 3 PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO EM TRABALHADORES DE EMPRESA METALÚRGICA SIQUEIRA, Édina Siméia Campos de 1 CERVI, João Antônio 2 FEMA 3 RESUMO: O ruído é, na maioria dos países, o agente nocivo mais

Leia mais

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA INTRODUÇÃO À ACÚSTICA 1. Introdução As sociedades industriais com o seu desenvolvimento tecnológico têm contribuído para o aumento dos níveis de ruído, sendo um dos principais factores de risco para a

Leia mais

A NATUREZA DO SOM. Diogo Maia

A NATUREZA DO SOM. Diogo Maia A NATUREZA DO SOM Diogo Maia "SE UMA ÁRVORE CAÍSSE NA FLORESTA E NÃO HOUVESSE NINGUÉM LÁ PARA OUVIR, ELA FARIA BARULHO...? "SE UMA ÁRVORE CAÍSSE NA FLORESTA E NÃO HOUVESSE NINGUÉM LÁ PARA OUVIR, ELA FARIA

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

Unitermos Saúde Ocupacional Saúde Ambiental Ruído Análise do Nível de Ruído Ambiental em uma Central de Call Center

Unitermos Saúde Ocupacional Saúde Ambiental Ruído Análise do Nível de Ruído Ambiental em uma Central de Call Center Teresa M. Momensohn-Santos Marielaine I.M. M.Gimenes Valeria R C Moura Unitermos Saúde Ocupacional Saúde Ambiental Ruído Análise do Nível de Ruído Ambiental em uma Central de Call Center Resumo: A proposta

Leia mais

Análise dos níveis de ruído em máquinas florestais no estado Paraná

Análise dos níveis de ruído em máquinas florestais no estado Paraná Análise dos níveis de ruído em máquinas florestais no estado Paraná David Yuri Stocco (UTFPR) angimedi@terra.com.br Rodrigo Eduardo Catai (UTFPR) catai@utfpr.edu.br Jayme Passos Rachadel (UTFPR) jaymerachadel@terra.com.br

Leia mais

O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea

O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea Ms Andréa Carla Lima Coelho Fgª Coordenadora do Núcleo de Acessibilidade e Profª nos Cursos da Escola de Saúde e Educação

Leia mais

UM ESTUDO DO RUÍDO E SUA REPERCUSSÃO NA PRODUTIVIDADE E SAÚDE DO TRABALHADOR

UM ESTUDO DO RUÍDO E SUA REPERCUSSÃO NA PRODUTIVIDADE E SAÚDE DO TRABALHADOR UM ESTUDO DO RUÍDO E SUA REPERCUSSÃO NA PRODUTIVIDADE E SAÚDE DO TRABALHADOR Claudia C. Almeida davidv@fatecnet.ufsm.br Helga H. S. Perlin helgaperlin@zipmail.com.br Janis E. Ruppenthal PPGEP- Programa

Leia mais

Esse barulho me deixa surda!

Esse barulho me deixa surda! Esse barulho me deixa surda! A UU L AL A Você já reparou na quantidade de ruídos ao seu redor? Basta ficar dez segundos prestando atenção aos sons para notar o som da TV, um carro passando, um cachorro

Leia mais

Resumo. 1 Alunos do Curso de Fonoaudiologia, componentes do programa de Iniciação Científica.

Resumo. 1 Alunos do Curso de Fonoaudiologia, componentes do programa de Iniciação Científica. O RUÍDO URBANO E A SAÚDE AUDITIVA Aretuza Serrão Pinto 1 Leandro Jares P. da Cunha 1 Lucianna Daniella S. dos Santos 1 Erick Maklin Machado Távora 2 Jarbas da Silveira Coelho Sarmento Filho 2 Leano Nobuyuki

Leia mais

PERDA AUDITIVA RELACIONADA COM O TRABALHO *DIRETRIZES DE ATENDIMENTO * IDENTIFICAÇÃO ANAMNESE

PERDA AUDITIVA RELACIONADA COM O TRABALHO *DIRETRIZES DE ATENDIMENTO * IDENTIFICAÇÃO ANAMNESE PERDA AUDITIVA RELACIONADA COM O TRABALHO *DIRETRIZES DE ATENDIMENTO * IDENTIFICAÇÃO Data: / / Nº Registro: Tipo de exame: Nome: Documento: Idade: Data Nascimento: / / Sexo: Etnia: Estado civil Endereço:

Leia mais

EFEITOS AUDITIVOS E EXTRA-AUDITIVOS RELACIONADOS À EXPOSIÇÃO AO RUÍDO EM TRABALHADORES COM PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO OCUPACIONAL EM UMA

EFEITOS AUDITIVOS E EXTRA-AUDITIVOS RELACIONADOS À EXPOSIÇÃO AO RUÍDO EM TRABALHADORES COM PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO OCUPACIONAL EM UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE, AMBIENTE E TRABALHO EFEITOS AUDITIVOS E EXTRA-AUDITIVOS RELACIONADOS À EXPOSIÇÃO AO RUÍDO EM TRABALHADORES

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO Projeto de Trabalho - Ergonomia CST Gestão da Produção Industrial Módulo C2012

ESTUDO DIRIGIDO Projeto de Trabalho - Ergonomia CST Gestão da Produção Industrial Módulo C2012 ESTUDO DIRIGIDO Projeto de Trabalho - Ergonomia CST Gestão da Produção Industrial Módulo C2012 Olá pessoal! Ao longo das aulas neste módulo Planejamento da Produção C 2012 do CST Gestão da Produção Industrial,

Leia mais

Perda Auditiva Induzida por Ruído

Perda Auditiva Induzida por Ruído AUDIÇÃO E TRABALHO Audição e Trabalho Ouvir é essencial para a comunicação verbal. É pela audição que percebemos os sons e temos uma boa orientação ambiental. A audição é um canal importante de entrada

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG Análise descritiva da poluição sonora na área central da cidade de Governador Valadares- MG Governador Valadares,

Leia mais

Projeto de Qualidade de Vida para Motoristas de Ônibus Urbano

Projeto de Qualidade de Vida para Motoristas de Ônibus Urbano 17 Projeto de Qualidade de Vida para Motoristas de Ônibus Urbano Lilian de Fatima Zanoni Terapeuta Ocupacional pela Universidade de Sorocaba Especialista em Gestão de Qualidade de Vida na Empresa pela

Leia mais

A Importância do Sono

A Importância do Sono 1 A Importância do Sono Dra. Regeane Trabulsi Cronfli É um total contra-senso o fato de que, num mundo em que cerca de 16 a 40% das pessoas em geral sofrem de insônia, haja aquelas que, iludidas pelos

Leia mais

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição Ouvir melhor é viver melhor Descobrindo sua audição O mundo o está chamando A capacidade de ouvir é uma parte tão importante da nossa vida e a maioria das pessoas nem se dá conta disso. Ouvir é um dom,

Leia mais

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA Laboratório de Psicofísica e Percepção AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA Fga. Joseane dos Santos Piola Doutoranda do Programa de Pós graduação em Psicobiologia 2009 AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA CLÍNICA: sentimentos-k-sinto-no-coraxao.blogspot.com

Leia mais

PROJETO: Fundição de Alumínio Redução do Risco a Saúde dos Trabalhadores e População Exposta

PROJETO: Fundição de Alumínio Redução do Risco a Saúde dos Trabalhadores e População Exposta Sistema Único de Saúde Ministério da Saúde Governo do Estado de Goiás Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância Sanitária e Ambiental Gerência de Desenvolvimento Técnico em Serviços

Leia mais

Deficiência Auditiva. Definição. Definição, Classificação, Características e Causas

Deficiência Auditiva. Definição. Definição, Classificação, Características e Causas Deficiência Auditiva Definição, Classificação, Características e Causas Definição Impossibilidade total ou parcial de ouvir, e possui níveis de graduação que vão do leve ao profundo. Diferença existente

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante:

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante: Palestrante: Seminário Nacional de Saúde Mental e Trabalho São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008 Maria Izabel Azevedo Noronha Oficina 2 SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO 29 de Novembro de 2008

Leia mais

Propriedades Físicas do Som

Propriedades Físicas do Som 12 Capítulo 2 Propriedades Físicas do Som 1. - Introdução O som é um fenômeno vibratório resultante de variações da pressão no ar. Essas variações de pressão se dão em torno da pressão atmosférica e se

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

Avaliação dos Níveis de Ruído e da Perda Auditiva em Motoristas de Ônibus na Cidade de São Paulo

Avaliação dos Níveis de Ruído e da Perda Auditiva em Motoristas de Ônibus na Cidade de São Paulo Avaliação dos Níveis de Ruído e da Perda Auditiva em Motoristas de Ônibus na Cidade de São Paulo João Candido Fernandes (UNESP) jcandido@feb.unesp.br Teresa Marinho (UNESP) marinhoteresa@yahoo.com.br Viviane

Leia mais

Introdução à perda auditiva

Introdução à perda auditiva Introdução à perda auditiva A importância da audição Ser capaz de ouvir é uma parte importante para uma vida ativa e agradável. A audição normal nos permite conectar-se com o mundo ao nosso redor, para

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 12

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 12 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 12 AUDIÇÃO HUMANA A função do ouvido é captar e converter ondas de pressão em sinais elétricos que são transmitidos ao cérebro para produzir

Leia mais

NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA EM ÔNIBUS URBANOS COM DIFERENTES LOCALIZAÇÕES DE MOTOR

NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA EM ÔNIBUS URBANOS COM DIFERENTES LOCALIZAÇÕES DE MOTOR VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campina Grande Paraíba Brazil NÍVEIS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RUÍDO NA ÁREA CENTRAL DE IJUÍ, RS1

AVALIAÇÃO DO RUÍDO NA ÁREA CENTRAL DE IJUÍ, RS1 AVALIAÇÃO DO RUÍDO NA ÁREA CENTRAL DE IJUÍ, RS1 Jaciele Schirmer Strieder 2, Luiza A. U. Scortegagna 3, Thiana D. Herrmann 4, Raquel Kohler 5. 1 Pesquisa Institucional desenvolvida no Departamento de Ciências

Leia mais

LAUDO 007 / 2014 DELIMITAÇÃO DE ATIVIDADES AUXILIAR DE COZINHEIRA / SMED LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE 1.

LAUDO 007 / 2014 DELIMITAÇÃO DE ATIVIDADES AUXILIAR DE COZINHEIRA / SMED LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE 1. PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE SMS GERÊNCIA DE SAÚDE DO SERVIDOR MUNICIPAL EQUIPE DE PERÍCIA TÉCNICA EPT LAUDO 007 / 2014 DELIMITAÇÃO DE ATIVIDADES AUXILIAR DE COZINHEIRA

Leia mais

Estudo do perfil audiológico de pacientes com idade acima de 60 anos

Estudo do perfil audiológico de pacientes com idade acima de 60 anos Estudo do perfil audiológico de idade acima de 60 anos Ana Paula Krempel Jurca 1 Fernanda Carla Chagas Pinheiro 1 Karina de Castro Martins 1 Lilian Francisca Herrera 1 Luciane Marins Colleone Sandra de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LAUDO AUDIOLÓGICO NA SAÚDE DO TRABALHADOR FGA DRA MARCIA MENDES

A IMPORTÂNCIA DO LAUDO AUDIOLÓGICO NA SAÚDE DO TRABALHADOR FGA DRA MARCIA MENDES A IMPORTÂNCIA DO LAUDO AUDIOLÓGICO NA SAÚDE DO TRABALHADOR FGA DRA MARCIA MENDES LAUDO AUDIOLÓGICO LAUDO: peça escrita fundamentada, onde os peritos expõem suas observações.. PARECER: opinião fundamentada

Leia mais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais Introdução ao Ruído Vibrações e Ruído (10375) 2014 Tópicos Som. Pressão Sonora e Potência Sonora. Níveis Sonoros. 2 1. Som O som pode ser definido como uma manifestação positiva resultante da variação

Leia mais

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Universidade Federal de Minas Gerais Pampulha Ciências da Computação Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Trabalho apresentado à disciplina Processamento Digital de Som e Vídeo Leonel Fonseca Ivo 2007041418

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar www.proenem.com.br INSTRUÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação,

Leia mais

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: A nova lei do ruído AUTORIA: Ricardo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO Foi publicado no passado dia 6 de Setembro o Decreto-Lei n.º 182/2006 que transpõe

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS GARÇONS À EXPOSIÇÃO DA PRESSÃO SONORA EM AMBIENTES FECHADOS COM MÚSICA AO VIVO

AVALIAÇÃO DOS GARÇONS À EXPOSIÇÃO DA PRESSÃO SONORA EM AMBIENTES FECHADOS COM MÚSICA AO VIVO AVALIAÇÃO DOS GARÇONS À EXPOSIÇÃO DA PRESSÃO SONORA EM AMBIENTES FECHADOS COM MÚSICA AO VIVO Felyppe Blum Goncalves (UTFPR) felyppeblumg5@hotmail.com Rodrigo Eduardo Catai (UTFPR) catai@utfpr.edu.br LUISA

Leia mais

Ouvido Externo. Ouvido Médio. Bigorna. Martelo. Canal. Estribo. Tímpano. Figura 1 - Ouvido Humano

Ouvido Externo. Ouvido Médio. Bigorna. Martelo. Canal. Estribo. Tímpano. Figura 1 - Ouvido Humano O Ouvido Humano Eng. Adriano Luiz Spada Attack do Brasil 1- Introdução Neste artigo abordaremos as principais características do ouvido humano, uma das principais ferramentas para quem trabalha com áudio.

Leia mais

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ILDO MENEGHETTI

Leia mais

PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAIS AASI- EM ADULTOS

PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAIS AASI- EM ADULTOS PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAIS AASI- EM ADULTOS 1 Introdução: Dentre as diversas áreas de atuação do profissional fonoaudiólogo, a audiologia compreende desde o

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO 1. Objetivos 1.1 Definir critérios para a caracterização e controle dos riscos à saúde dos trabalhadores decorrentes

Leia mais

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo.

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. Porém, traz para o surdo consequências sociais, educacionais e emocionais amplas e intangíveis.

Leia mais

Análise das Condições Acústicas em Sala de Aula Climatizada de Ambiente Universitário.

Análise das Condições Acústicas em Sala de Aula Climatizada de Ambiente Universitário. Análise das Condições Acústicas em Sala de Aula Climatizada de Ambiente Universitário. Thalita Christina Brandão Pereira (UFPB) thalitajp@ig.com.br Luis Bueno da Silva (UFPB) bueno@producao.ct.ufpb.br

Leia mais

EFEITO DA EXPOSIÇÃO A ELEVADOS NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA SOBRE O ORGANISMO DE TRABALHADORES DE PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO DE SHOPPING CENTER

EFEITO DA EXPOSIÇÃO A ELEVADOS NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA SOBRE O ORGANISMO DE TRABALHADORES DE PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO DE SHOPPING CENTER EFEITO DA EXPOSIÇÃO A ELEVADOS NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA SOBRE O ORGANISMO DE TRABALHADORES DE PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO DE SHOPPING CENTER Formatad margem: Ligocki, CG; Teixeira, APV; Parreira, LMMV. Curso

Leia mais

PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA PCA PASSOS: 1-LEVANTAMENTO/MONITORAMENTO AMBIENTAL 2-MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA 3-MEDIDAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local. Vibrações. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local. Vibrações. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS Vibrações Formadora - Magda Sousa Enquadramento Legal Decreto - Lei n.º 46/2006 transpõe para a ordem jurídica nacional a Directiva

Leia mais

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015 EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES PCMSO (NR-7) estabelece que o programa deverá ser desenvolvido sob a responsabilidade de um médico coordenador (OBRIGATORIAMENTE MT, podendo este repassar responsabilidades

Leia mais

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014 A 4 Work - Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, Lda., vai realizar a partir do início do mês de Outubro, uma campanha de vacinação antigripal, desenvolvida e dirigida às empresas, independentemente

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ PERFIL AUDITIVO DE POLICIAIS MILITARES INGRESSANTES NA CARREIRA DE OFICIAL. CURITIBA PR

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ PERFIL AUDITIVO DE POLICIAIS MILITARES INGRESSANTES NA CARREIRA DE OFICIAL. CURITIBA PR UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ PERFIL AUDITIVO DE POLICIAIS MILITARES INGRESSANTES NA CARREIRA DE OFICIAL. CURITIBA PR 2014 Patrícia Souza Dos Santos PERFIL AUDITIVO DE POLICIAIS MILITARES INGRESSANTES

Leia mais

NOTIFICAÇÃO RECOMENDATÓRIA Nº 7101/2013

NOTIFICAÇÃO RECOMENDATÓRIA Nº 7101/2013 Ao Excelentíssimo Senhor Prefeito do Município do Natal CARLOS EDUARDO NUNES ALVES Prefeitura Municipal de Natal Natal/RN NOTIFICAÇÃO RECOMENDATÓRIA Nº 7101/2013 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO, por intermédio

Leia mais

Proteção Auditiva. Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja-se! Itabira/2007

Proteção Auditiva. Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja-se! Itabira/2007 Proteção Auditiva Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja-se! Itabira/2007 O Som O som é definido como qualquer variação na pressão do ar que o ouvido humano possa detectar.

Leia mais

A ATUAÇÃO DA SECRETÁRIA NUM AMBIENTE DE MUDANÇAS: A PREDISPOSIÇÃO AO ESTRESSE.

A ATUAÇÃO DA SECRETÁRIA NUM AMBIENTE DE MUDANÇAS: A PREDISPOSIÇÃO AO ESTRESSE. A ATUAÇÃO DA SECRETÁRIA NUM AMBIENTE DE MUDANÇAS: A PREDISPOSIÇÃO AO ESTRESSE. Glaucilene A. Martinez Toledo¹, Maria Luiza G. Ferreira², Valquíria A. Saraiva de Moraes³, Cidália Gomes 1 UNIVAP/FCSA Av.

Leia mais

NÍVEL DE RUÍDO NAS AULAS DE GINÁSTICA E AS QUEIXAS AUDITIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES

NÍVEL DE RUÍDO NAS AULAS DE GINÁSTICA E AS QUEIXAS AUDITIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES NÍVEL DE RUÍDO NAS AULAS DE GINÁSTICA E AS QUEIXAS AUDITIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES Gabriela Campion de Oliveira 1, Carla Cristiane da Silva 2 RESUMO Esta pesquisa mostra a importância da música

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Poluição Sonora, Meio-ambiente, Aprendizagem.

PALAVRAS-CHAVE: Poluição Sonora, Meio-ambiente, Aprendizagem. 1 A POLUIÇÃO SONORA NO AMBIENTE ESCOLAR Edite Terezinha Marx Pricila Rocha dos Santos Orientadora RESUMO Existem barulhos no ambiente escolar que podem fazer com que os alunos e pessoas deste ambiente

Leia mais

SENADO FEDERAL SONO COM QUALIDADE SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL SONO COM QUALIDADE SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL SONO COM QUALIDADE SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Sono com qualidade apresentação Uma boa noite de sono nos fazer sentir bem e com as forças renovadas. O contrário também vale. Uma péssima noite

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE TRÁFEGO NA AVENIDA COLOMBO EM MARINGÁ-PR.

AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE TRÁFEGO NA AVENIDA COLOMBO EM MARINGÁ-PR. AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE TRÁFEGO NA AVENIDA COLOMBO EM MARINGÁ-PR. Laurence Damasceno de Oliveira 1, Camila Fernanda Giannini 2, Paulo José Moraes Monteiro

Leia mais

VII-Pasqualetto-Brasil-8

VII-Pasqualetto-Brasil-8 VII-Pasqualetto-Brasil-8 POLUÍÇÃO SONORA NA CIDADE DE GOIÂNIA GERADA POR VEÍCULOS MOTORIZADOS. Antônio Pasqualetto 1 Engenheiro Agrônomo formado pela UFSM, Mestre e Doutor em Fitotecnia pela Universidade

Leia mais

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA 1 INTRODUÇÃO A audição possibilita a aquisição da linguagem e a conseqüente integração do homem com o mundo sonoro e social.

Leia mais

Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro

Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro Doenças, Sono e Trânsito ObjeBvos Relacionar sintomas de doenças e efeitos de medicamentos com o perigo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais