Ano XVII - nº Novembro/Dezembro 2011 Conquistas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "www.aborlccf.org.br jornal@aborlccf.org.br Ano XVII - nº 126 - Novembro/Dezembro 2011 Conquistas"

Transcrição

1 Jornal do otorrino Ano XVII - nº Novembro/Dezembro 2011 Realizações e Conquistas O ano de 2011 foi cheio de conquistas e grandes ações em prol dos otorrinolaringologistas e do desenvolvimento da especialidade. O balanço de um ano da diretoria executiva da ABORL-CCF é amplamente positivo. Muitas realizações e conquistas. Atualizado o Consenso sobre Rinite; o PROar promoveu 15 cursos este ano; foi organizado e votado o Consenso sobre Faringotonsilites; realizado o primeiro curso do PPA-Projeto Próteses Auditivas; aprovado o voto distrital para fortalecer a especialidade em todas as regiões brasileiras; o Projeto R4 deu importante passo no sentido de aumentar de três para quatro anos a residência em ORL; estabelecida a prova anual para residentes e estagiários de R1 e R2; inaugurada a nova sede, com a presença do Ministro da Saúde, Alexandre Padilha; aprovado o Implante Coclear bilateral pela ANS; lançado o novo Tratado de ORL; ampliação dos conhecimentos sobre doenças profissionais, com foco no tratamento das moléstias da voz e realização do curso de Polissonografia; valorização do honorário médico; realização do 41º Congresso, que foi um sucesso de público e crítica, em Curitiba (PR); indexação do Brazilian Journal of Otorhinolaryngology ao Journal of Clinical Reports, e mais. Veja nas páginas 8 e 9.

2 02 editoriais Palavra do Presidente Todas as grandes coisas são simples, dizia o líder dos aliados na Segunda Guerra Mundial, Winston Churchill. Concordo plenamente. Quando iniciamos nossa jornada rumo à diretoria da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF), tínhamos consciência de que nossas propostas não sairiam sozinhas do papel, por mais urgente que fosse sua execução. De que teríamos de começar no primeiro dia da gestão, caso contrário, pouco avançaríamos no curto espaço de um ano. Agora, concluída esta etapa de nossas vidas, posso afirmar que foi um período inesquecível, não somente pelas realizações, mas pelo intenso e próximo convívio com os colegas, caracterizado pela partilha de nosso escasso tempo com os nobres ideais da medicina e com as demandas específicas da otorrinolaringologia. Tenho plena confiança de que a ABORL-CCF estará em excelentes mãos no próximo exercício, liderada pelo doutor Marcelo Hueb. Da Casa do Otorrino, que tivemos a honra de concluir e de inaugurar, ele conduzirá nossa associação com sua visão e liderança. E nós estaremos sempre à disposição, porque ser médico otorrino não é somente uma escolha profissional. É uma opção de vida que sempre nos exige e gratifica amplamente. Muito obrigado a todos! Mais uma Etapa Vencida Dr. José Eduardo Lutaif Dolci diretoria Dr. José Eduardo Lutaif Dolci Diretor Presidente Dra. Eulália Sakano Diretora Secretária Geral Dr. Edson Ibrahim Mitre Assessor da Diretora Secretária Geral Dr. Salah Ali Osman Diretor Tesoureiro Dr. João Carlos Chazanas Assessor do Diretor Tesoureiro Dr. Marcelo Miguel Hueb Diretor primeiro Vice-Presidente Dr. Fábio Tadeu Moura Lorenzetti Diretor primeiro Secretário Adjunto Dr. Fabrizio Ricci Romano Diretor primeiro Tesoureiro Adjunto Dr. Agricio Nubiato Crespo Diretor segundo Vice-Presidente Dr. Marco César Jorge dos Santos Diretor Presidente da Comissão de Eventos e Cursos Dr. Marcelo Ribeiro de Toledo Piza Diretor Presidente da Comissão de Comunicação Dra. Wilma Terezinha Anselmo Lima Diretora Presidente da Comissão do BJORL Dra. Renata Cantisani Di Francesco Diretora Presidente da Comissão de Educação Médica Continuada Dr. Hélio Miranda Lessa Diretor Presidente da Comissão de Ética e Disciplina Dr. Alexandre Felippu Neto Diretor Presidente da Comissão de Residência e Treinamento Dr. Reginaldo Raimundo Fujita Diretor Presidente da Comissão de Título de Especialista Dra. Mara Edwirges Rocha Gandara Diretora Presidente da Comissão de Defesa Profissional Dr. Alex Antunes Correira Assessor do Presidente para assuntos do Norte/Nordeste Chegamos ao final do ano. E já começamos a colher os frutos semeados ao longo de Foi um ano bom, cheio de realizações, que vocês podem conferir aqui no jornal. Aliás, uma das mudanças de 2011, é que nossa publicação bimestral passou do formato tabloide para o formato revista, com uma diagramação mais clean e textos mais informais. Vejam as conquistas da atual diretoria, listadas nas páginas 8 e 9. Nesta edição você também poderá ler que os Residentes e Especializandos do 1º ano (R1/E1) e os Residentes e Especializandos do 2º ano (R2/ E2) em otorrinolaringologia deverão fazer prova no dia 21 de janeiro de 2012 ; que o 3º Curso de Foniatria da ABORL-CCF foi um sucesso; que a Casa do Otorrino ficou lotada no 1º Encontro de PPA; que o Instituto Georges Portmann está dando uma bolsa para estágio na França; que o interior realizou o XI Congresso Centro-Brasileiro, e o 3º Caipirão; que nosso curso de Polissonografia ainda tem vagas para 2012; que a clínica de Otorrinolaringologia do Hospital das Clínicas entregou aparelho auditivo para o paciente número 10 mil; e que, em abril de 2012, acontecerá nosso 2º Congresso Virtual de Otorrinolaringologia, via Internet e ao vivo. Aproveito para desejar a todos uma boa leitura e um bom Ano Novo! Dr. Marcelo R. de Toledo Piza Expediente Jornal do Otorrino é o órgão oficial da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial Diretor de Comunicação: Marcelo R. de Toledo Piza Jornalista Responsável: Nereu Leme - MTb: 9460 Textos: Siomara Lamoglie e Silvana Orsini Fotos: Sérgio Décourt Programação Visual: MP Publicidade Impressão: H. Máxima Periodicidade: Bimestral Tiragem: exemplares Sede: Av. Indianópolis, CEP São Paulo/SP Fone (11) Fax (11) Os artigos assinados são de inteira responsabilidade dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião da ABORL-CCF.

3 destaque Residentes e Especializandos Farão Prova em Janeiro Os Residentes e Especializandos do 1º ano (R1/E1) e os Residentes e Especializandos do 2º ano (R2/E2) em otorrinolaringologia deverão fazer prova no dia 21 de janeiro de 2012, concomitantemente em Brasília, Salvador, Rio de Janeiro, São Paulo (capital), Ribeirão Preto (SP) e Porto Alegre. Será igual tanto para os Residentes e Especializandos do 1º ano quanto para os Residentes e Especializandos do 2º ano (consulte o site da entidade). A prova visa estabelecer um perfil evolutivo dos residentes e especializandos e ajudar na nota final da prova de Título de Especialista. Não é eliminatória. O importante é que essa prova ajudará a obter um histórico de cada aluno, avaliando ainda o ensino de residência médica em otorrinolaringologia no Brasil, declara o Dr. Reginaldo Fujita, diretor-presidente do Comitê de Título de Especialista da ABORL-CCF. 03 Vantagem para o Candidato Haverá uma bonificação para os residentes de primeiro ano (R1) que obtiverem nota acima de 5 e os residentes de segundo ano (R2) que tirarem nota acima de 7. Ganharão 0,2 ponto de bonificação em cada ano na prova de Título de Especialista, ou seja, poderão acumular 0,4 ponto na prova de Título de Especialista. Residentes do 3º ano Farão Concurso de Especialista As inscrições para o concurso de Especialista para 2012 terminam dia 15 de dezembro de Não deixe passar o prazo. Providencie os documentos e entregue na sede da ABORL- CCF ou via Sedex (veja informações no site da instituição). A prova está marcada para os dias 3 e 4 de março de 2012, na sede da Fecomércio (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo), e terá o mesmo formato da prova aplicada este ano: realizada em duas etapas, a prova se dividirá em teórica escrita no primeiro dia e prática escrita no segundo dia. Para o presidente da ABORL-CCF, Dr. José Eduardo Lutaif Dolci, é um diferencial para a carreira. É o bem maior na vida profissional do otorrinolaringologista, afirma.

4 ação Um Dia de Imersão no Universo da Estimativas indicam que 30% a 40% dos brasileiros apresentam distúrbios de linguagem que poderiam ser resolvidos com diagnóstico e intervenção corretos, sendo que apenas 3% são considerados casos graves. A novidade é que esse contingente de pessoas poderá ter acesso a um diagnóstico de melhor qualidade já a partir do próximo ano, quando passarão a ser emitidos títulos de especialista em foniatria aos otorrinolaringologistas após prova específica, explicou a Dra. Sandra Cubas, coordenadora do 3º Curso de Foniatria da ABORL-CCF, realizado no último dia 3 de novembro, e que contou com a participação de 47 otorrinolaringologistas. Na ocasião, sete renomados profissionais abordaram questões fundamentais da especialidade, como função e formação do foniatra; otite média; distúrbio específico de linguagem; disartrias e dispraxias e disacusias centrais. Segundo Sandra, a especialidade exige formação complexa, baseada em conhecimentos profundos não somente de ORL, como de neurologia, psiquiatria e fonoaudiologia. Linguagem Graças aos avanços da medicina, os bebês prematuros agora sobrevivem e podem vir a apresentar distúrbios de linguagem. Hoje, os pais são alertados também pelas escolas a buscar ajuda especializada que deve ser precedida pelo diagnóstico médico e posterior tratamento de fonoaudiologia, opinou o palestrante Dr. Ariovaldo Silva. Disse que a linguagem existe há apenas 50 mil anos, tendo em vista a longa jornada do homem na Terra. Mas, se a genética providenciou o hardware, são a nossa herança cultural, e nosso contato com outros seres humanos que nos farão adquirir a linguagem, explicou. Mais do que reconhecer patologias, o foniatra deve interpretar sinais subjetivos de que algo muito importante está acontecendo na dinâmica familiar. O palestrante Dr. Mauro Fernandes trouxe um caso clínico de um garoto que aos sete anos tinha postura enrijecida, articulava poucas palavras e não conseguia olhar fixamente para pessoas ou objetos. Descartados problemas neurológicos e psquiátricos graves, verificou-se que a chave do enigma estava no ambiente familiar. Mãe e pai eram muito ausentes. Como resultado, havia uma desordem das fases de desenvolvimento: andar, falar e pensar. Foi preciso que pai e mãe se tornassem participativos. O garoto passou a frequentar uma escola com classes pequenas, a fazer equoterapia e tecelagem. Um ano e meio depois, ele já havia adquirido convergência ocular, compreensão do mundo, escrita minimamente própria e consciência do eu, comentou. Para o palestrante Dr. Alfredo Tabith Junior, os problemas da fala resultam de múltiplos fatores, como ambien-

5 tais e psíquicos. Mas também podem ser consequência de fatores orgânicos (paralisia cerebral e deficiência mental), auditivos (otite média, surdez coclear, surdez central) ou relacionados ao sistema estomatognático (disglossias e anomalias crânio-faciais). O método clínico de abordagem desses pacientes se baseia na interação com os pais e na observação da criança em situações espontâneas. Conforme o palestrante Dr. Arnaldo Guilherme, quando o paciente apresenta distúrbios articulatórios, em geral bastante comuns, o caminho é trabalhar pela reabilitação do indivíduo, muitas vezes vítima de bullying. O olhar do otorrino que faz foniatria é diferenciado, pois são observados detalhes como oclusão dental, pontos da língua, movimentação do palato, força do lábio ou o ato de engolir a saliva, acrescenta. Participantes conheceram mais sobre o universo da linguagem. A palestrante Dra. Sulene Pirana, salientou, por sua vez, a incidência de neuropatias auditivas que acometem o nervo auditivo, podendo se manifestar não somente na infância, como na adolescência e na idade adulta. Para esses casos, em que o paciente escuta porém não entende o que outros falam, não há testes 100% eficazes, daí mais uma vez a importância da avaliação clínica, concluiu a Dra. Sulene. 05 Otite Média Criança que chora a qualquer hora, acorda várias vezes à noite, demora para caminhar ou apresenta retardo na fala pode ter otites de repetição, muitas vezes sem manifestação de sintomas clássicos. Foi o que afirmou a palestrante Dra. Berenice Ramos, que fez questão de enfatizar: o problema da otite média é que ela ocorre num período crítico do desenvolvimento da linguagem, por isso requer atenção redobrada. Outro problema que afeta entre 5% e 10% da população em geral é o distúrbio específico de linguagem, salientou a palestrante Dra. Mariana Fávero. Detalhou que, embora o problema se manifeste como atraso significativo no desenvolvimento da linguagem, a criança apresenta limiares auditivos normais e inteligência preservada. Nesses casos, há déficits na memória de trabalho, na coordenação motora e nos processamentos visual e auditivo. Para resolvêlos, é necessário que a criança seja submetida à terapia de linguagem. Dr. Alfredo Tabith Junior e Drª Sandra Cubas, durante o curso. Dr. Arnaldo Guilherme: trabalhar pela reabilitação.

6 ESPECIAL Casa do Otorrino Lota em 1º Encontro do PPA 06 Com apoio de patrocinadores, projeto PPA continuará em A plateia atenta às informações sobre próteses auditivas. Especialistas de várias cidades brasileiras lotaram o auditório da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF) para conferir o primeiro encontro do Projeto Próteses Auditivas Aspectos Práticos para o Otorrinolaringologista - PPA, realizado no dia 29 de outubro de 2011, na sede da entidade, em São Paulo. Desenvolvido na gestão atual, sob a presidência do Dr. José Eduardo Lutaif Dolci, nele os otorrinolaringologistas compartilharam experiências, conhecimentos e tiveram acesso a informações sobre o funcionamento das diferentes próteses auditivas disponíveis no mercado, graças à parceria da ABORL-CCF, da Sociedade Brasileira de Otologia (SBO) e de seus patrocinadores Audibel, Micro Som, Oto-Sonic, Phonak, Politec Saúde, Siemens, Starkey, Telex e Widex. São informações preciosas que farão diferença nas mãos dos otorrinos em prol de seus pacientes. Uma educação continuada de grande importância para o especialista que, por mais experiente que seja, não tem domínio total do funcionamento de cada produto. Conhecimento que permitirá a indicação do aparelho mais adequado para seu paciente. É preciso conhecer bem todo o processo de indicação, seleção e adaptação do aparelho para não passar falsas expectativas e o paciente ficar insatisfeito, explica o diretor da ABORL-CCF e um dos coordenadores do curso, Dr. Marcelo Toledo Piza. A discussão das particularidades da indicação das próteses auditivas em crianças, adultos e idosos empolgou a plateia atenta às orientações sobre o uso adequado das diferentes próteses e a necessidade de envolver não apenas o candidato ao uso do aparelho, como também sua família. Este evento é o nosso piloto. Mas o projeto é itinerante. No próximo ano, 10 cidades brasileiras terão o mesmo curso, enfatiza o Dr. Marcelo de Toledo Piza. Para o Dr. Edson Ibrahim Mitre, também diretor da ABORL-CCF e coordenador do curso, o encontro objetiva dar informações de ordem prática aos especialistas. Não basta diagnosticar o problema e encaminhar o paciente para a loja. Nós, otorrinos, somos responsáveis e estamos comprometidos com o nosso paciente. Cada aparelho é personalizado, adequado à deficiência de cada paciente. Há tipos e graus de perdas auditivas, fatores que definem o aparelho mais adequado, diz o especialista, satisfeito com o encontro: Estamos no caminho certo.

7 Dr. Marcelo Hueb: em benefício da população. Dr. Marcelo Miguel Hueb, 1º vice-presidente da ABORL-CCF e Drs. Marcelo de Toledo Piza e Edson Ibrahim Mitre, coordenadores do PPA. Nosso associado agora tem acesso a informações importantíssimas. Estamos na direção correta para manter a otorrinolaringologia uma especialidade de altíssimo nível. Tudo começou com um curso piloto em Porto Alegre (RS) em 2008 com a SBO. Agora, em parceria com a ABORL-CCF e os patrocinadores, o PPA se cristalizou. Trata-se de uma Educação Continuada, gratuita, que objetiva o aperfeiçoamento do especialista em benefício da população, enfatiza o diretor primeiro vice-presidente da ABORL-CCF, Dr. Marcelo Hueb. Para o Dr. Marcelo Tepedino, que assumiu a presidência da SBO dia 1º de novembro, a iniciativa é necessária, principalmente hoje quando a poluição sonora está cada vez mais presente na vida das pessoas. É uma excelente oportunidade de os médicos se interarem sobre o assunto. É uma ação benéfica para o especialista e para o paciente, argumenta. Lugar de Aparelho Auditivo é na Orelha Apesar da lógica, não é raro a preciosa ferramenta ser abandonada numa gaveta qualquer por não atender à expectativa do paciente, seja por desconforto, como a reverberação do som e pressão, entre outros motivos. É fato que a má adaptação do molde, por elaboração incorreta (um molde ruim compromete todo o trabalho) ou, inadequada preparação dos ouvidos (como orelhas com tufos de pelos ou cerume), falta de informações ao paciente sobre o uso correto do aparelho, indicações do produto, falta de acompanhamento, próteses dentárias desgastadas, próteses dentárias bambas, cirurgias plásticas, flacidez e sensibilidade nos idosos, entre outros, são os grandes responsáveis pelo abandono do aparelho auditivo. Aparelhos para Todos os Gostos e Bolsos Os primeiros relatos de aparelhos para ajudar a audição vem da Itália em Desde então esses aparelhos vêm sofrendo constantes mudanças. Os modelos mais antigos e os atuais - digitais, multicanais ou multibandas, sistema FM (que trabalha em conjunto com o aparelho auditivo para melhorar a compreensão da fala em ambientes ruidosos e com ecos ou quando a fonte sonora está distante) e wireless - coloridos, acrílicos rígidos ou flexíveis, grandes, médios e pequenos parecem não agradar a maioria dos usuários. São incômodos, grandes, visíveis! Estas são as queixas mais comuns dos usuários. Incômodo mesmo é o preconceito, dizem os especialistas. Mas, se o paciente consegue se adaptar bem, logo aguarda ansioso por um modelo melhor, mais sofisticado. Orientação, Motivação e Treinamento O sucesso para a utilização dos aparelhos auditivos está na boa orientação do otorrino, na motivação, no treinamento e no envolvimento da família no processo todo, principalmente os idosos que muitas vezes levam mais de sete anos para aceitar que precisam utilizá-los. O tratamento auditivo é fundamental para evitar que o idoso passe por situações difíceis, como o de não ouvir sons de alerta (buzinas, por exemplo). Muitos idosos se isolam para não irritar ou incomodar a família. Têm vergonha, culpa, auto-estima baixa e estigma social. Nas crianças, a audição é fundamental para o aprendizado, para a evolução da fala e da socialização. O diagnóstico para a indicação da prótese é complexo e de grande responsabilidade. 07

8 nosso mundo Ações que Marcaram O mandato de um ano da diretoria executiva da ABORL-CCF está chegando ao fim. E o balanço é amplamente positivo. As Comissões de Ensino, de Cursos e Eventos, de Educação Médica Continuada, Defesa Profissional, do BJORL e de Comunicação empreenderam grandes ações em prol dos otorrinos e do desenvolvimento da especialidade. Veja, a seguir, as principais realizações. Consenso Sobre Rinite Catorze representantes da ABORL-CCF e da Sociedade Brasileira de Alergologia se reuniram em dezembro para atualizar o consenso sobre rinite, no que se refere ao diagnóstico e tratamento da doença. O último havia sido realizado em 2006 e de lá para cá muitas mudanças aconteceram. Os pareceres finais deverão ser publicados num suplemento especial do BJORL. Atualização em Rinossinusites Batizado de PROar, o Projeto de Atualização de Rinossinusites promoveu 15 cursos, em diversas cidades brasileiras. O objetivo? Levar informações atualizadas sobre diagnóstico e tratamento da doença, sempre por meio de dois professores especialistas de várias regiões do País. O projeto contou com o patrocínio da MSD. Consenso Inédito Pela primeira vez foi organizado e votado, em 13 de agosto, o Consenso sobre Faringotonsilites. São normas e condutas importantes que vão auxiliar o ORL no diagnóstico e tratamento das tão populares amigdalites. A publicação no BJORL está prevista para o início de Próteses Auditivas O primeiro curso do PPA-Projeto Próteses Auditivas foi realizado em São Paulo, no final de outubro. Outros 10 cursos serão realizados em diversas cidades do País. Um dos diferenciais é que os professores são otorrinos e tratam não somente das questões técnicas, mas também da correta indicação das diversas próteses e da orientação dos pacientes e de seus familiares. Voto Distrital O apoio e o fomento à regionalização sempre foi uma das bandeiras desta diretoria. A aprovação do voto distrital na última Assembleia Geral foi um importante passo para fortalecer a especialidade em todas as regiões brasileiras. Assim, cada Comissão Permanente passou a ter um representante com poder de decisão em cada uma das cinco regiões brasileiras. Dr. Dolci: balanço positivo. Projeto R4 Considerado a menina dos olhos desta diretoria, o Projeto R4 deu importante passo no sentido de aumentar de três para quatro anos a residência em ORL. Um convênio assinado entre a ABORL- CCF e a Sanofi garantiu durante todo este ano uma bolsa mensal no valor de 2 mil reais para 16 médicos continuarem sua formação por mais um ano. A boa notícia é que o Projeto R4 terá continuidade em 2012, graças à renovação do convênio com a Sanofi. Novamente serão contemplados os serviços de residência de todo o País que obtiveram classificação A. Prova para R1 e R2 Outra ação inédita: prova anual para residentes e estagiários de R1 e R2. Uma medida que ajudará os novos médicos a organizar e solidificar seus conhecimentos, visando conquista do futuro título de especialista. A nota desta prova também será considerada na nota final da prova de título de especialista. A prova já tem data marcada - 21/01/ e será realizada em várias cidades brasileiras.

9 Nova Sede O crescente desenvolvimento da especialidade garantiu a conquista de outra grande aspiração: investir em uma nova sede que conta com completa infraestrutura para reuniões e eventos, com espaço para as nossas supraespecialidades. A inauguração teve a presença do Ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Rol de Procedimentos ANS A participação da diretoria da ABORL- CCF na consulta pública rendeu frutos. O mais recente rol de procedimentos, definido pela Agência Nacional de Saúde Suplementar, contemplou, por exemplo, a atualização do Implante Coclear, para inclusão de implante bilateral. Dois dos novos procedimentos obrigatórios são: correção cirúrgica intranasal por videolaparoscopia e adenoidectomia por videoendoscopia. Novo Tratado de ORL Indispensável para a prática da especialidade, o novo Tratado de ORL foi lançado, em setembro, durante o 41º Congresso nove anos após o lançamento da primeira e bem-sucedida edição. participou ativamente das paralisações e na condução do movimento por honorários mais justos. Algumas batalhas foram vencidas: várias operadoras de planos de saúde já propuseram reajustes. Houve um caso em que a remuneração foi majorada em 144% em dezembro. Ainda não se chegou aos 80 reais, mas as operadoras foram forçadas a negociar. A meta também é a adoção da CBHPM plena e atualizada para Procedimentos. 41º Congresso O Congresso realizado em Curitiba recebeu mais de três mil Otorrinos e muitos elogios. Salas repletas durante o Pré-Congresso, conferências magnas lotadas durante o Congresso, mesas-redondas com discussão de casos difíceis, palestrantes de excelente nível e muita troca de figurinhas entre uma aula e outra. O evento, durante os cinco dias de Pré-Congresso e Congresso, atraiu acadêmicos, residentes, jovens médicos e profissionais experientes de todas as partes do País. Indexação do BJORL Notícia festejada pela comunidade acadêmica: a indexação do Brazilian Journal of Otorhinolaryngology ao Journal of Clinical Reports, por meio do ISI Web of Science da Thomson Reuters, poderosa base de dados internacional. Resultado: os programas de pós-graduação na área de ORL passaram a ter a importante opção de publicar seus resultados numa revista de maior importância científica, que já passa a ser B2 pela classificação da CAPES. Diretoria Executiva A diretoria executiva que termina o mandato de um ano é composta pelos Drs: José Eduardo Lutaif Dolci (Diretor-Presidente), Marcelo Hueb (Vice-Presidente), Agrício Nubiato Crespo (Segundo Vice-Presidente), Eulália Sakano (Diretora Secretária-Geral), Edson Ibrahim Mitre (Assessor da Diretora Secretária- Geral), Salah Ali Osman (Diretor Tesoureiro) e João Carlos Chazanas (Assessor do Diretor Tesoureiro), Fábio Tadeu Moura Lorenzetti (Diretor Primeiro Secretário), Fabrizio Ricci Romano (Diretor Primeiro Tesoureiro-Adjunto) e Alex Antunes, Assessor da Presidência para Assuntos do Norte e Nordeste. 09 Voz, Ronco e Apneia Mais uma preocupação desta gestão: a ampliação dos conhecimentos sobre doenças profissionais, com foco no tratamento das moléstias da voz e para o aperfeiçoamento dos diagnósticos e tratamentos de distúrbios de ronco e apneia do sono. Foram concedidas muitas entrevistas sobre esses temas, além da realização de Curso de Polissonografia, com um total de 160 horas, divididas em 10 meses. A propósito, a ABORL-CCF é a única entidade no Brasil que propicia um curso de Polissonografia aos seus associados. Da esquerda para a direita: Drs. Chazanas, Osman, Dolci, Eulália e Mitre. Valorização do Honorário Médico A luta de toda a classe médica é também da diretoria da ABORL-CCF, que

10 acontece Marília Realiza Primeiro Implante Coclear 10 A Faculdade de Medicina de Marília (Famema), Disciplina de ORL, também entrou para o rol dos hospitais que fazem implante coclear. No último dia 14 de outubro, realizou, com sucesso, o seu primeiro procedimento por intermédio do credenciamento do Sistema Único de Saúde (SUS). A beneficiada foi uma menina de nove anos de idade com dificuldade auditiva sensorioneural de grau profundo bilateral e usuária de prótese auditiva, paciente do SUS do Ambu- latório de ORL da Famema. O ato cirúrgico foi realizado sem intercorrências. A telemetria e neurotelemetria apresentaram respostas adequadas e, agora, é aguardar um mês para a ativação do implante, explicou o professor, doutor Alfredo Rafael Dell Aringa, chefe da Disciplina de Otorrinolaringologia da Famema. O implante coclear é um tratamento especializado para o tratamento de perdas da audição súbita, traumática, congênitas, de grau severo/profundo, apresentando melhora na aquisição de fala e linguagem nos casos em que a prótese auditiva convencional não apresenta bons resultados e desde que o candidato se enquadre aos protocolos de indicação de Implante Coclear. A equipe médica envolvida na cirurgia foi composta pelos doutores Prof. Domingos Lamônica, Prof. Alfredo Rafael Dell Aringa, Vanessa Ramos Pires Dinarte, Luthiana Carpes, Fga. Ana Helena B. Dell Aringa e Fga. Márcia Kimura. Bolsa de Estágio na França A Delegação para o Brasil do Institut Georges Portmann vai dar uma bolsa de estágio em Bordeux, na França, no período de outubro de 2012 a março de As inscrições estarão abertas de 1 a 15 de março de A bolsa constará de uma passagem aérea de ida e volta para Bordeaux, França, e de uma ajuda de custo no valor de U$ 3.000,00, oferecidas pelo Centro Auditivo Widex. O Candidato Deve: 1 - Ser brasileiro; 2 - Estar formado em Medicina há, no máximo, 5 anos; 3 - Ter completado a Residência Médica em ORL ou Estágio Reconhecido pela ABORL-CCF. Documentação Exigida: 1 - Duas cartas de recomendação; 2 - Diploma de Médico; 3 - Curriculum vitae com as atividades após a graduação. O Processo Seletivo Constará de Duas Etapas: 1ª) Prova de Títulos; 2ª) Entrevista em francês (esta segunda etapa será realizada apenas com o candidato selecionado em primeiro lugar na 1ª etapa, em local a ser definido). A documentação para a inscrição deve ser enviada até o dia 15 de março de 2012 (data de postagem) para: Dr. Silvio Caldas Neto, Real Instituto de Otorrino Real Hospital Português, Av. Agamenon Magalhães, 4760, Paissandu, Edifício Alfredo Arnóbio Marques, 1º. Andar, CEP: , Recife, PE.

11 notícias XI Congresso Centro-Brasileiro Dá Voz ao Sertão Dr. Dolci: acesso aos jovens. Drs. Hueb e Maniglia no evento. Drs. Agrício, Boccio, Pontes, Kume e Patrocínio. Mais de 250 otorrinolaringologistas participaram da XI edição do Congresso Centro-Brasileiro de Otorrinolaringologia, nos dias 4 a 5 de novembro, no Vitória Hotel Concept, Cambuí, Campinas (SP), realizada juntamente ao Terceiro Caipirão de Otorrinolaringologia. Apoiado pela Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF), o evento se repete a cada dois anos e objetiva congregar os especialistas de uma grande área do país que engloba o Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Minas Gerais, Goiás, Distrito Federal e todo o interior do Estado de São Paulo, suas universidades e centros de pesquisa. O encontro surgiu há 16 anos com a finalidade de divulgar os conhecimentos científicos mais recentes, os avanços tecnológicos e promover o congraçamento entre profissionais. O diferencial deste evento está na divulgação de conhecimentos prontamente incorporados à atividade profissional diária, declarou o presidente do Congresso, Dr. Agrício Nubiato Crespo. Para o presidente da Associação Centro-Brasileiro de Otorrinolaringologia, Dr. José Antonio Patrocínio, o encontro tem algo particular: A ideia é dar voz ao sertão. Oferecer aos profissionais do interior a oportunidade de participar de um Congresso, ministrar aulas, inteirar-se das novidades discutidas em grandes eventos de otorrino e mostrar o que regionalmente está sendo feito. Temos, na área abrangida pelo Centro-Brasileiro, aproximadamente otorrinolaringologistas. Aqui são discutidas as patologias voltadas mais para esta região. Na plástica de nariz, por exemplo, a cirurgia é um pouco diferente de outras regiões devido à miscigenação de raças, formato do nariz etc. A região que vai de Ribeirão a Brasília é seca com baixa umidade e o número de pacientes alérgicos é grande, disse o Dr. Patrocínio. Recordou, que o primeiro evento foi realizado em O Dr. José Eduardo Lutaif Dolci, presidente da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF), comentou que os eventos regionais permitem ao médico jovem acesso a congressos maiores bem como mostrar suas experiências em suas áreas de atuação: 11 Os congressos regionais Norte-Nordeste, Centro-Brasileiro e Sul e Sudeste devem permanecer com foco no médico regional. Essa política de descentralização é importante para o fortalecimento das regionais, enfatizou. Atualização terapêutica e diagnóstica é a proposta dos encontros regionais de otorrino. É imprescindível entrar em contato com as novas tecnologias, tratamentos e técnicas na área da otorrino. O evento é focado na discussão de casos clínicos. Seu formato privilegia as condutas com que os especialistas se deparam na prática do cotidiano, disse a otorrinolaringologista e também integrante da comissão organizadora do Congresso, Dra. Eulália Sakano. Dois convidados internacionais abriram os trabalhos em anfiteatro único: o Dr. Carlos Boccio, da Argentina, discorrendo sobre tratamento cirúrgico da hipoacusia neurossensorial unilateral, e Masao Kume, do México, que mostrou as novas tecnologias no diagnóstico das disfonias. Os Drs. Aldo Stamm e Paulo Pontes, especialistas nacionais, falaram, entre outros assuntos, do tratamento cirúrgico da rinossinusite crônica e da importância da laringe e da voz na evolução da espécie humana, respectivamente. Para o Dr. José Victor Maniglia, professor da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto e Secretário de Saúde daquela cidade homenageado pela entidade pelas inúmeras contribuições prestadas à especialidade e capacidade em vencer desafios - o encontro dá oportunidade ao médico jovem. Este é um local de renovação e oportunidades. Quem sabe não esteja aqui alguém com potencial para dar aulas ou palestras? O otorrinolaringologista da Unicamp e também membro da comissão organizadora do evento, Dr. Arthur Menino Castilho, destacou a importância do encontro em cidades regionais pouco visitadas. O contato físico é importante para interação entre os profissionais, a reciclagem do conhecimento e a troca de experiências. O encontro regional é mais enxuto e permite aos colegas permanecer menos tempo longe de seu consultório dois ou três dias. Em eventos maiores o profissional tem que trancar sua agenda por uma semana, disse o especialista. Ele detectou a presença de muitos profissionais de fora da região que aproveitaram um encontro mais curto para se reciclarem.

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Missão 03 Valores Institucionais 03 Escola Especial de Educação Básica 04 Clínica de Audição, Voz e Linguagem Prof. Dr. Mauro Spinelli

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EM REABILITAÇÃO AQUÁTICA

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 3 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 7 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EM REABILITAÇÃO

Leia mais

Boletim Informativo SIERJ. Continuação da Programação do I Congresso. de Infectologia do Estado do Rio de Janeiro

Boletim Informativo SIERJ. Continuação da Programação do I Congresso. de Infectologia do Estado do Rio de Janeiro Ano 07 Nº 20 Out/Nov/Dez de 2006 Boletim Informativo SIERJ Continuação da Programação do I Congresso de Infectologia do Estado do Rio de Janeiro 04 Congresso promove atualização e troca de experiência

Leia mais

FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 02.12.15 EDITORIA: NOTAS DA REDAÇÃO

FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 02.12.15 EDITORIA: NOTAS DA REDAÇÃO FECOMÉRCIO VEÍCULO: NOVO JORNAL DATA: 02.12.15 EDITORIA: NOTAS DA REDAÇÃO VEÍCULO: NATAL NOTÍCIAS DATA: 02.12.15 01 Dez 2015 Presidente Marcelo Queiroz participa da 17ª Convenção do Comércio e Serviços

Leia mais

Assessoria de Comunicação & Marketing Assessoria de Imprensa e Divulgação Científica

Assessoria de Comunicação & Marketing Assessoria de Imprensa e Divulgação Científica Assessoria de Comunicação & Marketing Assessoria de Imprensa e Divulgação Científica Monitoramento das Notícias da UNISUL Dia 27 de Fevereiro de 2013 JORNAIS Sobre a saúde e a doença no Mundo Diário Catarinense

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM NEUROLOGIA CLÍNICA E INTENSIVA Unidade

Leia mais

Ministério do Esporte. Cartilha do. Voluntário

Ministério do Esporte. Cartilha do. Voluntário Ministério do Esporte Cartilha do Voluntário O Programa O Brasil Voluntário é um programa de voluntariado coordenado pelo Governo Federal, criado para atender à Copa das Confederações da FIFA Brasil 2013

Leia mais

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Escola Técnica de Saúde Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 Proposta de trabalho apresentada como pré-requisito para inscrição no processo

Leia mais

EDITAL DO II CURSO EXTENSIVO DE FORMAÇÃO EM FONIATRIA DA ABORL- CCF - 2015

EDITAL DO II CURSO EXTENSIVO DE FORMAÇÃO EM FONIATRIA DA ABORL- CCF - 2015 EDITAL DO II CURSO EXTENSIVO DE FORMAÇÃO EM FONIATRIA DA ABORL- CCF - 2015 A Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial, faz saber por meio do presente edital que realizará

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

Considerando a necessidade de Cursos de Treinamento para formação de médicos otorrinolaringologistas para realização cirurgias de implante coclear;

Considerando a necessidade de Cursos de Treinamento para formação de médicos otorrinolaringologistas para realização cirurgias de implante coclear; NORMAS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OTORRINOLARINGOLOGIA E CIRURGIA CÉRVICO FACIAL (ABORL-CCF) E DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE OTOLOGIA (SBO) PARA ACREDITAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO E TREINAMENTO DE MÉDICOS

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ATIVIDADE FÍSICA PARA PREVENÇÃO, TRATAMENTO

Leia mais

MANUAL DE CONGRESSOS DA ABORL-CCF PARTE 1 - GRADE CIENTÍFICA PARTE 2 NORMAS GERAIS

MANUAL DE CONGRESSOS DA ABORL-CCF PARTE 1 - GRADE CIENTÍFICA PARTE 2 NORMAS GERAIS MANUAL DE CONGRESSOS DA ABORL-CCF PARTE 1 - GRADE CIENTÍFICA PARTE 2 NORMAS GERAIS COORDENAÇÃO: DR. AGRICIO NUBIATO CRESPO AUTORIA: DRA. FRANCINI GRECCO DE MELO PADUA DRA. FERNANDA LOUISE MARTINHO HADDAD

Leia mais

A experiência da Engenharia Clínica no Brasil

A experiência da Engenharia Clínica no Brasil Página 1 de 5 Sobre a Revista Ed 24 - fev 04 Home Medical Infocenter Med Atual Edição Atual Serviços Global Home Brasil Home Busca Mapa do Site Fale Conosco Edição Atual Edição Atual Matéria de Capa Artigo

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 3 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM ACONSELHAMENTO GENÉTICO

Leia mais

Serviço de Cirurgia Plástica Prof. Dr. Cassio M. Raposo do Amaral (Credenciado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e pelo MEC)

Serviço de Cirurgia Plástica Prof. Dr. Cassio M. Raposo do Amaral (Credenciado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e pelo MEC) Serviço de Cirurgia Plástica Prof. Dr. Cassio M. Raposo do Amaral (Credenciado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e pelo MEC) Instituto de Cirurgia Plástica Craniofacial Sociedade Brasileira

Leia mais

Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011

Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011 Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011 Tema: O papel do terapeuta ocupacional para pessoas em tratamento de leucemia, linfoma, mieloma múltiplo ou mielodisplasia Total atingido de pessoas na sala: 26

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 41 Discurso na cerimónia de celebração

Leia mais

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais!

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Por Rafael Piva Guia 33 Prático Passos para criar Ideias de Negócio Vencedores! Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Que bom que você já deu um dos

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA CLÍNICA Unidade Dias e Horários

Leia mais

X ENCONTRO NACIONAL: A MISSÃO DAS ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES DE ATENDIMENTO

X ENCONTRO NACIONAL: A MISSÃO DAS ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES DE ATENDIMENTO É NOTÍCIA - Nº 18 2011 EDIÇÃO ESPECIAL X ENCONTRO NACIONAL: A MISSÃO DAS ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES DE ATENDIMENTO FEBRAEDA - CAMP SÃO BERNARDO DO CAMPO 08 DE ABRIL

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA CLÍNICA Unidade Dias e Horários

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM ONCOLOGIA Unidade Dias

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM GERONTOLOGIA Unidade Dias e Horários

Leia mais

Serviço de Cirurgia Plástica Prof. Dr. Cassio M. Raposo do Amaral (Credenciado pelo MEC e pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica)

Serviço de Cirurgia Plástica Prof. Dr. Cassio M. Raposo do Amaral (Credenciado pelo MEC e pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica) Serviço de Cirurgia Plástica Prof. Dr. Cassio M. Raposo do Amaral (Credenciado pelo MEC e pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica) Instituto de Cirurgia Plástica SOBRAPAR Sociedade Brasileira de

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA E URGÊNCIA Unidade

Leia mais

Proposta de programa Científico do Congresso da Associação Paulista de Medicina do Trabalho 2012

Proposta de programa Científico do Congresso da Associação Paulista de Medicina do Trabalho 2012 Proposta de programa Científico do Congresso da Associação Paulista de Medicina do Trabalho 2012 Dia 20/01/2012 Sexta Feira Na Associação Paulista de Medicina. ATIVIDADE TEMA DA ATIVIDADE ( Observação

Leia mais

SISEB Informa. 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias. Ensino a distância (EAD) SisEB Curso: Ação cultural em bibliotecas

SISEB Informa. 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias. Ensino a distância (EAD) SisEB Curso: Ação cultural em bibliotecas Ano I Número 6 setembro 2014 3 Ensino a distância (EAD) SisEB Curso: Ação cultural em bibliotecas 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias página 4 6 Encontro Prêmio São Paulo

Leia mais

REGULAMENTO. Prêmio INCA - Ary Frauzino de Jornalismo

REGULAMENTO. Prêmio INCA - Ary Frauzino de Jornalismo REGULAMENTO Prêmio INCA - Ary Frauzino de Jornalismo O Prêmio INCA Ary Frauzino de Jornalismo 2007 será regido pelo presente Regulamento que se encontra arquivado no Cartório de Registro de Títulos e Documentos

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br RELAÇÃO DOS MÉDICOS COM A INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS, ÓRTESES/ PRÓTESE E EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES Conhecer

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

MUTIRÃO DE CIRURGIA DA CATARATA

MUTIRÃO DE CIRURGIA DA CATARATA MUTIRÃO DE CIRURGIA DA CATARATA A - Empresa Com um terreno de 1.000.000 m² e 354.000 m² de área construída, o Centro Comercial Leste Aricanduva surgiu em 1991 com a inauguração do primeiro shopping center

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 8. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 8. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 3 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 7 Cronograma de Aulas Pág. 8 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM DOR Unidade Dias e Horários

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ORTOPEDIA MULTIDISCIPLINAR Unidade Dias

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012

EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012 EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012 A Associação de Apoio ao AAPQ faz saber que realizará processo seletivo para contratação de: 02 Psiquiatras 01Farmacêutico 01 Assistentes Social 01

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS-CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC AVENIDA DR

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS-CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC AVENIDA DR SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS-CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC AVENIDA DR. ARNALDO, 351-6º ANDAR - SP/SP - CEP: 01246-902. EDITAL TURMA

Leia mais

Categoria Franqueado

Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2013 Dados da empresa FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado Razão Social: Natureza Comércio e Representações Ltda Nome Fantasia: O Boticário Data de fundação:

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO Unidade Dias

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

Edital para Complementação Especializada em Geriatria - 2016

Edital para Complementação Especializada em Geriatria - 2016 Edital para Complementação Especializada em Geriatria - 2016 Público Alvo: Médicos com residência ou especialização completa em Geriatria. Objetivos do Programa Aperfeiçoar os conhecimentos de médicos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Faculdade de Medicina Departamento de Cirurgia Grupo de Educação e Estudos Oncológicos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Faculdade de Medicina Departamento de Cirurgia Grupo de Educação e Estudos Oncológicos E D I T A L Nº 04/2007 Seleção ao II Curso de Especialização em Mastologia A Coordenação do, extensão do Departamento de Cirurgia da da Universidade Federal do Ceará FAZ SABER aos interessados que estarão

Leia mais

Clipping Eletrônico - Terça-feira dia 14/10/2014

Clipping Eletrônico - Terça-feira dia 14/10/2014 Clipping Eletrônico - Terça-feira dia 14/10/2014 Jornal Em Tempo País Página B6-14/10/2014 Jornal Acrítica Cidades Página C3-14/10/2014 Portal Amazonas Em Rede Amazonas - 13 de outubro de 2014 Fonte: http://www.amazonianarede.com.br/prefeitura-ja-vacinou-mais-de-

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE: ABORDAGEM

Leia mais

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil

Edital de Seleção. Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Edital de seleção PROGRAMA DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA E PROGRAMA JOVENS PESQUISADORES para organizações da sociedade civil Início das inscrições: 22 de fevereiro de 2013 Final das inscrições: 20 de março de

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 6 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 9 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM AUDITORIA EM SERVIÇOS

Leia mais

RESIDÊNCIA EM CIRURGIA VASCULAR SANTA CASA DE LONDRINA 2012. Prova de Seleção para Residência Médica em Cirurgia Vascular / 2012. Edital de Convocação

RESIDÊNCIA EM CIRURGIA VASCULAR SANTA CASA DE LONDRINA 2012. Prova de Seleção para Residência Médica em Cirurgia Vascular / 2012. Edital de Convocação RESIDÊNCIA EM CIRURGIA VASCULAR SANTA CASA DE LONDRINA 2012 Prova de Seleção para Residência Médica em Cirurgia Vascular / 2012 Edital de Convocação A Irmandade Santa Casa de Londrina faz saber que realizará

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

Eventos Fehosp 2012. Congresso Anual Audhosp Encontros Regionais

Eventos Fehosp 2012. Congresso Anual Audhosp Encontros Regionais Eventos Fehosp 2012 Congresso Anual Audhosp Encontros Regionais Hotel Palm Plaza Resort em Campinas 24 a 27 de abril de 2012 www.fehosp.com.br / eventos@fehosp.com.br FEHOSP Fundada em 1959, a Federação

Leia mais

O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea

O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea Ms Andréa Carla Lima Coelho Fgª Coordenadora do Núcleo de Acessibilidade e Profª nos Cursos da Escola de Saúde e Educação

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DA CLÍNICA DIMAGEM 2014

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DA CLÍNICA DIMAGEM 2014 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DA CLÍNICA DIMAGEM 2014 APRESENTAÇÃO O programa de pós-graduação em Radiologia e Diagnóstico por Imagem

Leia mais

Você conhece a Faculdade Sagrada Família? Quais os cursos que a FASF irá ofertar?

Você conhece a Faculdade Sagrada Família? Quais os cursos que a FASF irá ofertar? 1 Você conhece a Faculdade Sagrada Família? A FASF iniciou as suas atividades no ano de 2011, após ter passado por todos os processos burocráticos exigidos pelo Ministério da Educação para sua abertura

Leia mais

Será considerado também: A informação contida no texto de apresentação do trabalho. O relato autobiográfico do autor como informação complementar.

Será considerado também: A informação contida no texto de apresentação do trabalho. O relato autobiográfico do autor como informação complementar. Por favor, leia estas bases antes de iniciar o processo de inscrição. Se necessitar de informação ou esclarecimento adicional nos escreva por meio do endereço: premioroche@fnpi.org 1. Prêmio O é uma iniciativa

Leia mais

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos:

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos: Clínica Psicológica da UFPE Plano Institucional de Estágio Supervisionado Apresentação A Clínica Psicológica é uma entidade pública, ligada ao Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs Vendas - Cursos Curso Completo de Treinamento em Vendas com - 15 DVDs O DA VENDA Esta palestra mostra de maneira simples e direta como planejar o seu trabalho e, também, os seus objetivos pessoais. Através

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 Discurso na solenidade de abertura

Leia mais

NORMAS REGULADORAS DO PROCESSO SELETIVO Edital Nº 17/2014-SEDIS

NORMAS REGULADORAS DO PROCESSO SELETIVO Edital Nº 17/2014-SEDIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTOS DOS CONSELHOS ESCOLARES PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Leia mais

FAQ EDITAL PROVAB - JANEIRO 2014

FAQ EDITAL PROVAB - JANEIRO 2014 FAQ EDITAL PROVAB - JANEIRO 2014 1. O que é o Provab e qual o perfil de profissional que costuma se inscrever no programa? O Programa de Valorização do Profissional da Atenção Básica (Provab) é uma iniciativa

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

SONS ORAIS: P, B T, D, C, G, F, V, S, Z, CH/X, J, L, LH, R, RR e as vogais A, Ê, É, I, Ô, Ó, U

SONS ORAIS: P, B T, D, C, G, F, V, S, Z, CH/X, J, L, LH, R, RR e as vogais A, Ê, É, I, Ô, Ó, U 1 COMO PRODUZIMOS OS SONS DA FALA? Quando falamos, o ar que vem dos pulmões, passa pela laringe (garganta) onde a voz é produzida e sobe em direção à boca. Dependendo dos movimentos dos lábios, da língua,

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

O Capitão Avape contra o Fantasma Autismo

O Capitão Avape contra o Fantasma Autismo O Capitão Avape contra o Fantasma Autismo Esta é a segunda edição do manual sobre o autismo, elaborado pelo Grupo de Saúde Mental da Avape (Associação para Valorização de Pessoas com Deficiência), em parceria

Leia mais

PROGRAMA DO PÓS-GRADUAÇÃO EM SEXOLOGIA CLÍNICA

PROGRAMA DO PÓS-GRADUAÇÃO EM SEXOLOGIA CLÍNICA PROGRAMA DO PÓS-GRADUAÇÃO EM SEXOLOGIA CLÍNICA 1. Nome do curso e Área(s) do Conhecimento - Pós-Graduação/Especialização em Sexologia Clínica - Área do conhecimento: Medicina - Forma de oferta: presencial

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

Bate-papo: Uso do Scratch, uma nova linguagem de programação, no ensino fundamental - Web Currículo (25/05/2010)

Bate-papo: Uso do Scratch, uma nova linguagem de programação, no ensino fundamental - Web Currículo (25/05/2010) 1 of 6 02/12/2011 16:14 Bate-papo: Uso do Scratch, uma nova linguagem de programação, no ensino fundamental - Web Currículo (25/05/2010) 13:58:20 Bem-vindos ao Bate-papo Educarede! 14:00:54 II Seminário

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

O Amarelinho mantém liderança

O Amarelinho mantém liderança Mídia Kit O CAMPEÃO DAS BANCAS! O melhor jornal de empregos mídia exclusiva Empregos, estágios, cursos e concursos Páginas 6, 7 e 8 perfil do leitor Instituto define quem é o leitor do Amarelinho Página

Leia mais

(UNIDADE CEBRAC BOTUCATU)

(UNIDADE CEBRAC BOTUCATU) CAMPANHA MAIS CIDADÃO (UNIDADE CEBRAC BOTUCATU) APRESENTAÇÃO Nossa Missão: Desenvolver o potencial das pessoas e formar o cidadão profissional para atuar com brilhantismo no mercado de trabalho Estar sintonizados

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM HOTELARIA HOSPITALAR Unidade Dias e Horários

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM CARDIOLOGIA PARA MÉDICOS

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

REGULAMENTO PRÊMIO MINIEMPRESA 2014

REGULAMENTO PRÊMIO MINIEMPRESA 2014 REGULAMENTO PRÊMIO MINIEMPRESA 2014 O Prêmio Miniempresa é uma competição nacional entre as Miniempresas do Brasil, organizada pela Associação Junior Achievement do Brasil. O objetivo é incentivar nos

Leia mais

http://www.kwiksurveys.com/results-overview.php?mode=1&survey_id...

http://www.kwiksurveys.com/results-overview.php?mode=1&survey_id... Results Area Página 1 de 7 Invitations Invitations Sent: 0 Invitations Accepted: 0 Untracked Responses: 49 Total Completed s Received: 49 Total Incomplete s Received: 0 Total Responses Received: 49 Results

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 6 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 9 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM BASES DA MEDICINA INTEGRATIVA

Leia mais

Animal. Casa. Compras. Fitness. Ensino. Gastronomia. Ano 1. Nº 1. 20 mil exemplares. www.revistacomuniq.com.br facebook.

Animal. Casa. Compras. Fitness. Ensino. Gastronomia. Ano 1. Nº 1. 20 mil exemplares. www.revistacomuniq.com.br facebook. Animal Casa Ano 1. Nº 1. 20 mil exemplares www.revistacomuniq.com.br facebook.com/revistacomuniq 2013 Compras Gastronomia Ensino Fitness Animal Casa www.revistacomuniq.com.br facebook.com/revistacomuniq

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

UMA PARCERIA DE SUCESSO!

UMA PARCERIA DE SUCESSO! RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Parceria Santa Dorotéia e Junior Achievement de Minas Gerais: UMA PARCERIA DE SUCESSO! 1 SUMÁRIO 1. Resultados Conquistados... 3 2. Resultados 2013... 4 3. Resultados Pesquisas...

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes Financiamento e apoio técnico Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) e o Conselho Nacional dos Direitos

Leia mais

ATA DA REUNIÃO DE DIRETORIA EM 03.04.2014

ATA DA REUNIÃO DE DIRETORIA EM 03.04.2014 ATA DA REUNIÃO DE DIRETORIA EM 03.04.2014 Ao terceiro dia de abril do ano de dois mil e quatorze, às dez horas, reuniu-se, ordinariamente, a diretoria da AJUT Associação dos Servidores na Justiça do Trabalho

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

PESQUISA DE CABELEIREIRA/TÉCNICO DE ESTÉTICA:

PESQUISA DE CABELEIREIRA/TÉCNICO DE ESTÉTICA: Fundo Perpétuo de Educação PESQUISA DE CABELEIREIRA/TÉCNICO DE ESTÉTICA: Os depoimentos, ensinamentos e metas dos participantes mais bem sucedidos. A escolha da escola fez a diferença na sua colocação

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Unidade

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais