UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE JUSSARA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA LUIZ CARLOS DOS SANTOS OLIVEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE JUSSARA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA LUIZ CARLOS DOS SANTOS OLIVEIRA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE JUSSARA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA LUIZ CARLOS DOS SANTOS OLIVEIRA O PROCESSO DE INCLUSÃO DO DEFICIENTE AUDITIVO EM TURMAS REGULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL JUSSARA-GO 2010

2 1 Luiz Carlos dos Santos Oliveira O PROCESSO DE INCLUSÃO DO DEFICIENTE AUDITIVO EM TURMAS REGULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL Trabalho monográfico apresentado para fins de conclusão do Curso de Licenciatura em Matemática, da Universidade Estadual de Goiás, Unidade Universitária de Jussara, sob a orientação da Professor Deusaguimar Divino da Silva. JUSSARA-GO 2010

3 2

4 3 Dedico este trabalho aos meus pais, irmã e ao meu amigo Danilo que foram de extrema importância para vencer mais essa etapa da minha vida. Um abraço a todos!!!

5 4 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus pela paciência e força no desenvolvimento deste trabalho. Aos meus familiares pela compreensão das inúmeras vezes que estive ausente em alguns momentos de suas vidas.

6 5 RESUMO Esta pesquisa refere-se ao Processo de Inclusão do Deficiente Auditivo em Turmas Regulares do Ensino Fundamental, uma pesquisa que mostra as grandes dificuldades que os alunos deficientes auditivos e surdos enfrentam em sala de aula e fora do ambiente escolar, pela falta de conhecimento por parte dos alunos e professores da Língua Brasileira de Sinais LIBRAS. Além disso, há ainda o descomprometimento dos pais de alunos deficientes auditivos em acompanhar de perto o desenvolvimento escolar de seus filhos e como é importante a participação da família na vida escolar do portador de deficiência auditiva. Temos também algumas contribuições da sociedade à inclusão dos surdos, a forma de como eles aprendem a língua portuguesa e também a inclusão de LIBRAS como componente curricular nos cursos de formação de professores. A presente pesquisa é bibliográfica e está dividida em dois capítulos. Como fonte de pesquisa, foram pesquisados livros e artigos que falam do assunto abordado. No que se refere à inclusão, significamente ela não se limita somente a incluir o aluno deficiente auditivo nas classes de ensino regular, a inclusão se faz através de um ensino de qualidade, utilizando metodologia adequada, com professores capacitados, uma estruturação apropriada que deve ser feito pela escola para a aprendizagem e o desenvolvimento da criança ou adolescente portador da deficiência auditiva. PALAVRAS CHAVE: Inclusão. Ensino-Aprendizagem. LIBRAS.

7 6 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 07 CAPÍTULO 01 A INCLUSÃO NO ENSINO REGULAR 1.1 O Conceito de Educação Inclusiva: A Problemática Encontrada na Inclusão do Surdo na Escola Características do Portador de Deficiência Auditiva Projetos e os Princípios Fundamentais de uma Escola Inclusiva O Papel da Família e as Contribuições da Sociedade à Inclusão dos Surdos 24 CAPÍTULO 02 A IMPORTÂNCIA DE LIBRAS (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS) NA VIDA DO SURDO 2.1 Falhas na Comunicação Desencadeia a Exclusão A Situação da Aprendizagem dos Surdos em Relação à Língua Portuguesa A Inclusão da Língua Brasileira de Sinais como Disciplina Curricular na Formação dos professores. 36 CONSIDERAÇÕES FINAIS 38 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 40 ANEXOS 42

8 7 INTRODUÇÃO A presente pesquisa possui como tema: O Processo de Inclusão do Deficiente Auditivo em Turmas Regulares do Ensino Fundamental, um assunto que vem se tornando cada vez mais importante e estudado, por se tratar de um processo que exige maior estruturação das escolas de ensino regular para poder proporcionar aos alunos deficientes auditivos um ensino mais adequado. O objetivo deste trabalho é levar ao leitor o conhecimento do que o processo de inclusão do surdo exige da escola, sociedade e família para realmente acontecer, mostrando que há maneiras do portador de deficiência auditiva ser incluso em salas regulares, desde que as escolas se estruturem para isto. O deficiente auditivo ao longo dos anos vem sofrendo por se sentir rejeitado e excluído da sociedade, pouco se vê o que é feito para seu processo de inclusão, pouco sabem se comunicar em LIBRAS e a maioria dos ouvintes não têm o interesse em aprender esta língua, negando assim o direito de comunicação daqueles que usam a LIBRAS para se comunicar. A pesquisa foi dividida em 02 (dois) capítulos sendo o primeiro referente a Inclusão no Ensino Regular; neste primeiro capítulo foi procurado lhes trazer o conhecimento sobre os Conceitos de Educação Inclusiva, seus principais ideais perante o processo de inclusão. Temos também A Problemática Encontrada na Inclusão do Surdo na Escola, onde estão alguns fatores negativos que o deficiente auditivo vivencia em sala de aula e fora dela e alguns desafios para que a escola se torne inclusiva. Neste mesmo capítulo, procurei mostrar as Características do Portador de Deficiência Auditiva, que são essências as pessoas terem conhecimento para que entendam melhor como surdo ou o deficiente auditivo se sente perante as suas limitações impostas pela deficiência e suas identidades que podem ser formadas. Com a idéia de escola inclusiva, surgiram alguns projetos e princípios retratando a inclusão, procurei através dos Projetos e os Princípios Fundamentais de uma Escola Inclusiva trazer as características dos projetos selecionados, do que cada um propõem e há também alguns princípios que são fundamentais para que a escola seja realmente inclusiva trazendo a você leitor, o que algumas leis exigem das escolas e profissionais que trabalham neste processo. Temos também O Papel da Família e as Contribuições da Sociedade à Inclusão dos Surdos, Neste procurei trazer o conhecimento do quanto à família se torna importante no desenvolvimento da criança ou adolescente surdo

9 8 quando há uma participação ativa em sua vida tanto em casa como na escola e algumas contribuições que a sociedade vem fazendo para cada vez mais incluir o surdo na cultura ouvinte e matérias que trazem aos ouvintes maior conhecimento da cultura surda. No segundo capítulo A Importância de LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) na Vida do Surdo, foi procurado ser exposto que quando a comunicação em sala de aula entre surdo e professores ouvintes e surdo com colegas ouvintes não é feito em LIBRAS, o aluno que apresenta a surdez está propicio à sua exclusão neste ambiente, pelo motivo de outras técnicas de comunicação serem falhas. Em, A Situação da Aprendizagem dos Surdos em Relação a Língua Portuguesa, foi procurado mostrar de como os surdos e deficientes auditivos aprendem a língua portuguesa, os materiais mais adequados para esta aprendizagem e a utilização da tecnologia como auxílio. E por último temos A Inclusão da Língua Brasileira de Sinais como Disciplina Curricular na Formação dos Professores, que tem como intuito, trazer ao conhecimento do leitor desta pesquisa, que a Língua Brasileira de Sinais é algo fundamental para que ocorra o processo de inclusão dos surdos e deficientes auditivos nas escolas regulares, cabendo aos professores possuírem o curso específico nesta língua, que agora de fato, será obrigatório nos cursos de Licenciatura como disciplina curricular como você verá neste trabalho.

10 9 CAPÍTULO 01 A INCLUSÃO NO ENSINO REGULAR. 1.1 O Conceito de Educação Inclusiva. É um aperfeiçoamento pedagógico que visa a proporcionar aos alunos que possuem necessidades especiais uma educação de qualidade de acordo com suas limitações geradas pela deficiência. A educação inclusiva busca oferecer aos alunos com necessidades especiais, iguais condições de aprendizado, de oportunidades, tanto fora como dentro da instituição escolar, de acordo com (Revista Da Educação Especial / Secretaria De Educação Especial, Brasília, 2008, p.11) [...] A Educação Inclusiva tem por objetivo alterar as práticas tradicionais, removendo as barreiras à aprendizagem e valorizando as diferenças dos alunos [...]. A educação inclusiva visa proporcionar aos alunos uma aprendizagem através de uma estrutura voltada para as necessidades do aluno, que consiga alcançar um ensino de qualidade que às diferenças entre os alunos sejam valorizadas. [...] A Educação Inclusiva organiza e promove um conjunto de valores e práticas que procuram responder a uma situação existente e problemática de insucesso seleção precoce ou abandono escolar [...], (INCLUSÃO: REVISTA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL / SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, BRASÍLIA, 2008, p.11). O papel da educação inclusiva é a de proporcionar aos alunos um ensino de qualidade independente das barreiras encontradas devido às necessidades especiais de cada aluno, ela tenta se adequar as limitações de aprendizado de cada um. A escola que busca a educação inclusiva precisa ter materiais pedagógicos adequados às necessidades do aluno, um quadro de funcionários capacitados que a educação inclusiva exige, como é o caso abordado neste estudo LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais), e ter conhecimento de metodologias importantes que possam contribuir para o desenvolvimento da criança que possui alguma deficiência.

11 A Problemática Encontrada na Inclusão do Surdo na Escola. Os alunos que possuem a deficiência auditiva vivenciam em turmas regulares um ensino que não vêm conseguindo proporcionar a eles um aprendizado de qualidade, muitos que possuem esta deficiência não conseguem alcançar no Ensino Fundamental alguns objetivos importantes como a capacidade de leitura e escrita de maneira satisfatória, a maioria concluem o Ensino Fundamental sem saberem ler e escrever corretamente e sem ter um domínio adequado dos conteúdos. A inclusão nas escolas regulares visa proporcionar aos alunos que possuem necessidades especiais iguais condições de aprendizado com materiais pedagógicos adequados e docentes qualificados a estarem trabalhando estes materiais com estes alunos, mas as discussões à respeito da inclusão dos surdos é rodeado por indefinições e ambigüidades, o Plano Nacional de Educação Especial (MEC/SEEP) defendem o uso da Língua Brasileira de Sinais nas escolas comuns (regulares) por seus professores, mas muito pouco é feito para estas escolas se adequarem a ter o domínio desta língua e até de ter condições de oferecer um ensino desenvolvido em LIBRAS. Segundo o Senador Eduardo Azeredo/Senado Federal (LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS UMA CONQUISTA HISTÓRICA, Brasília, 2006) diz que: A comunidade de surdos é procurada por educadores e interessados para terem mais detalhes sobre a LIBRAS. Ou seja, a maioria dos professores não possui o apoio necessário dentro das escolas para estarem adquirindo o conhecimento da Língua de Sinais, estão buscando conhecimento por conta própria procurando comunidades surdas que lhes possam ensinar esta língua que é essencial para haver a comunicação entre alunos surdos e professores e com os colegas ouvintes. Existem discursos dizendo que o aluno portador de necessidades especiais deve com urgência ser incluído na escola regular, um deles é a Declaração de Salamanca junto com outros 87 governos, que foi uma conferência mundial realizada na cidade de Salamanca na Espanha no ano de 1994 que assegurou como lei que toda criança que possui necessidades especiais tem o direito de estudar no ensino regular com direito a toda adequação estrutural que precisar para obter um ensino de qualidade. Em seu artigo 19 diz o seguinte:

12 11 Políticas educacionais deveriam levar em total consideração as diferenças e situações individuais. A importância da linguagem de signos como meio de comunicação entre os surdos, por exemplo, deveria ser reconhecida e provisão deveria ser feita no sentido de garantir que todas as pessoas surdas tenham acesso a educação em sua língua nacional de signos [...]. (DECLARAÇÃO DE SALAMANCA, 1994, Art.19). Mas a realidade enfrentada pelos deficientes auditivos nas escolas é bem diferente do que diz o art. 19 da Declaração de Salamanca, pois a maioria dos alunos surdos e com deficiência auditiva não possuem um ensino apropriado feito na sua linguagem (LIBRAS) é como se as palavras deste artigo estivesse no esquecimento, o uso da língua de sinais é dadolhes de direito, mas o que se vê são apenas recomendações para que os professores e pais aprendam essa língua. Em relação à administração das escolas, o artigo 33 da Declaração de Salamanca diz o seguinte: Administradores locais e diretores de escolas podem ter um papel significativo quanto a fazer com que as escolas respondam mais às crianças com necessidades educacionais especiais desde de que a eles sejam fornecidos a devida autonomia e adequado treinamento para que o possam fazê-lo. Eles (administradores e diretores) deveriam ser convidados a desenvolver uma administração com procedimentos mais flexíveis, à reaplicar recursos instrucionais a diversificar opções de aprendizagem, a mobilizar auxílio individual, a oferecer apoio aos alunos experimentando dificuldades e a desenvolver relações com pais e comunidades. Uma administração escolar bem sucedida depende de um envolvimento ativo e reativo de professores e do pessoal e do desenvolvimento de cooperação efetiva e de trabalho em grupo no sentido de atender as necessidades dos estudantes. (DECLARAÇÃO DE SALAMANCA, 1994, Art.33). A citação acima nos revela como deveria ser na atualidade a administração das escolas de ensino regular, professores, administradores locais e diretores de escolas deveriam receber treinamentos para estarem plenamente capacitados para participarem no processo educacional destas crianças que possuem necessidades especiais, além disso, eles deveriam promover a participação dos pais destas crianças juntamente com a comunidade local na escola para participarem no processo de inclusão, mas com a falta de treinamento daqueles que fazem parte da administração da escola e dos professores, os alunos com necessidades especiais que neste trabalho em questão trata-se dos deficientes auditivos, ficam prejudicados, pois o processo de inclusão não acontece satisfatoriamente, deixando no processo de aprendizagem

13 12 das crianças uma falha que só poderia ser corrigida através de funcionários bem preparados que realmente sabem lhe dar com as necessidades especiais de cada um, em questão a surdez. A inclusão do aluno surdo não deve ser baseada na questão de igualdade com os ouvintes, com o deficiente auditivo em sala, será preciso ser incluída uma nova língua (LIBRAS), isso pode causar uma série de tensões principalmente por haver um grupo maior de ouvintes e um menor daqueles que não ouvem. O surdo não pode ser tratado de forma igual ao ouvinte dentro de sala de aula, pois o deficiente auditivo possui suas necessidades especiais, limitações que devem ser bem conhecidas pelo professor para que não venha excluí-lo da aula. Quando o professor prepara uma aula que só os alunos ouvintes vão entender, ele está causando a exclusão, está negando o direito do aluno deficiente auditivo de ter um aprendizado mais digno, adequado daquilo que lhe foi dado de direito na Declaração de Salamanca e na Lei de LIBRAS, um Decreto que visa à implantação do curso de LIBRAS nos cursos de licenciatura, para que os futuros professores já saem da faculdade dominando a língua de sinais. O surdo ou o deficiente auditivo deve ser submetido à aulas bem preparadas que consigam fazer com que ele entenda o conteúdo através de simples ações feitas pelo professor dentro de sala de aula, como por exemplo; falar pausadamente para que o aluno faça leitura labial, pode ser usado também a comunicação através da escrita, ou da maneira mais adequada que é a aula sendo lecionada através da língua de sinais. A inclusão do aluno surdo no ensino regular deveria ser um fator preponderante para o seu desenvolvimento sócio-cultural, pois traria ao aluno deficiente auditivo um convívio social maior do que a ele era submetido fora da escola de ensino regular; o que era para ser um ensino de qualidade através de uma comunicação adequada com estrutura pedagógica direcionado às necessidades de cada um e com administradores e professores capacitados acabam se transformando totalmente ao inverso, com professores que dizem não estar preparados para estarem trabalhando com alunos que possuem deficiência, logo abaixo temos um trecho da fala de uma professora que atua no ensino regular. Eu entendo e concordo que todas as crianças tem os mesmos direitos à educação, mas como eu vou dar conta de todos os meus alunos (as) e ainda dar atenção e cuidar de uma criança com deficiência? Eu não estou preparada para receber uma criança especial na minha sala de aula. (REVISTA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL / SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL. V.1, N.1, BRASÍLIA, 2005, p.41).

14 13 Os professores precisam se capacitar profissionalmente para estarem recebendo alunos com necessidades especiais em suas salas de aula, que a maioria estão com uma quantidade de alunos fora do comum, superlotadas, com tudo isto acontecendo, o deficiente auditivo está participando de um sistema voltado mais para exclusão do que para inclusão. A escolarização necessária é aquela capaz de proporcionar a todos os alunos, em igualdade de condições, o domínio dos conhecimentos sistematizados e o desenvolvimento de suas capacidades intelectuais requeridos para a continuidade dos estudos, série a série, e para as tarefas sociais e profissionais, entre as quais se destacam as lutas pela democratização da sociedade. (LIBÂNEO, 1994, p.34). Além do despreparo de alguns professores, os alunos deficientes auditivos ainda se deparam com classes com quantidade de alunos acima do ideal, sendo que estes alunos deveriam ser inclusos em salas com menos quantidade de alunos com uma estrutura adequada para o seu desenvolvimento de acordo com sua capacidade, caso contrário, os professores não conseguem aplicar suas aulas de modo a propiciar o desenvolvimento de seus alunos para a continuidade de seus estudos e convívio social. Para acontecer a inclusão é preciso que nas escolas haja diferenças, onde os alunos possam vivenciar novas experiências, aprender com o outro, onde cada um aprenda respeitando os limites do próximo. Será que o processo de inclusão implantado nas escolas regulares vai algum dia conseguir incluir e dar um ensino de qualidade a todas as crianças que possuem necessidades especiais, em especial o deficiente auditivo? Se não houver uma modificação estrutural no sistema educacional brasileiro, a inclusão de alunos portadores de necessidades especiais, principalmente os mais prejudicados, nunca será concretizado, logo a noção de inclusão total não é uma proposta, e sim uma utopia. (GLAT, 1988, p.11). Logo podemos ver que o aluno deficiente auditivo (surdo) só é submetido à desvantagens quando freqüenta salas de aula onde todo material preparado pelo professor está voltado para os ouvintes, ali ele não consegue compreender a aula, não vai conseguir fazer os mesmos trabalhos feitos por seus colegas. Nota-se que houve e ainda há um grande esforço por parte de determinados políticos e alguns segmentos sociais em garantir os direitos dos portadores de necessidades especiais em relação a inclusão com um ensino de qualidade nas leis voltadas para o ensino regular, mas

15 14 mesmo com essas leis elaboradas e aprovadas, pouco se vê o cumprimento destas nas escolas, pois elas não se referem apenas aos deficientes auditivos, mas sim, a todo tipo de deficiência que o aluno venha a ter e grande parte das escolas de ensino regular não estão aptas a cumprir estas leis como devia ser. O aluno surdo como foi visto, encontra inúmeras barreiras na rede regular de ensino, é uma verdadeira problemática encontrada nestas escolas que tentam ser inclusivas mas não conseguem dar a estrutura adequada a estas pessoas que precisam de um ensino qualificado administrado em sua linguagem por professores capacitados dando apoio ao aluno de acordo com a sua necessidade e fazer com que haja uma interação mais digna com os colegas ouvintes de classe, pois se isto for feito, o deficiente auditivo perceberá que realmente está sendo incluso, fortalecendo seu desenvolvimento intelectual através de um ensino adequado e modulado para ele. 1.3 Características do Portador de Deficiência Auditiva. Segundo o Art.2 do capítulo 1 do Decreto Lei de LIBRAS que regulamenta a Lei n , de 24 de Abril de 2002, que dispõem sobre a Língua Brasileira de Sinais LIBRAS, e o Art.18 da Lei n , de 19 de Dezembro de 2000 diz o seguinte: Para os fins deste Decreto, considera-se pessoa surda aquela que, por ter perda auditiva, compreende e interage com o mundo por meio de experiências visuais, manifestando sua cultura principalmente pelo uso da Língua Brasileira de Sinais LIBRAS. Parágrafo Único Considera-se deficiência auditiva a perda bilateral, parcial ou total, de quarenta e um (db) ou mais, aferida por audiograma nas freqüências de 500Hz, 1000Hz, 2000Hz e 3000Hz. Os livros da psicologia da surdez definem os surdos como linguisticamente pobres, intelectualmente primitivos e concretos, socialmente isolados e psicologicamente imaturos e agressivos. (SKLIAR, 1997, p.115). Talvez por estes conceitos retratados na maioria dos livros de psicologia sobre a surdez, venha a ser um dos motivos que caracterizou na sociedade ao longo dos anos o preconceito visto na atualidade pela grande população de ouvintes que tratam as pessoas

16 15 surdas como seres inferiores, como se fossem incapazes de aprender algo, de terem uma vida social normal assim como os outros. A maioria das crianças ouvintes cresceram ouvindo relatos de que pessoas deficientes são incapazes de fazer quase tudo, ou seja; o processo de exclusão vai crescendo por causa do preconceito, pouco se vê casos de grande interação entre um aluno ouvinte e um que seja surdo, como agora existem leis visando a inclusão de alunos deficientes auditivos nas escolas regulares, os ouvintes verão que nem tudo o que diziam as pessoas e livros preconceituosos é verdade; de que a incapacidade de ouvir não impede o aluno de aprender, de ter uma vida social confortável, o que falta à ele são materiais adequados de ensino e professores bilíngües, que sabem se comunicar adequadamente na linguagem do surdo. A maioria dos deficientes auditivos possui barreiras que os impedem de se comunicar, principalmente problemas na fala, alguns tentam se comunicar através da escrita, mas mesmo utilizando este método, a comunicação não é realizada satisfatoriamente. Alguns alunos se sentem constrangidos pelo motivo de precisarem se comunicar de uma maneira diferente, isso vai fazendo com que o aluno se sinta inferior ao seu colega ouvinte de sala de aula, muitos acabam se isolando, praticamente minimizando a pouca interação já existente com seus colegas e professores. Gil descreve: A adaptabilidade do surdo fica prejudicada em sala de aula por dificuldades óbvia de comunicação, que os leva a buscar o isolamento e a proteção do grupo. (GIL, 2010, p.03). A criança que possui a deficiência auditiva sofre um grande atraso de linguagem, isso pode acarretar uma série de problemas na vida desta criança que vai impedindo o seu desenvolvimento. Lacerda diz: [...] No caso de crianças surdas, o atraso de linguagem pode trazer conseqüências emocionais, sociais e cognitivas, mesmo que realizem o aprendizado tardio de uma língua. (LACERDA, 2006, p. 165). Existem crianças que possuem a deficiência auditiva, mas que não tiveram a total perda de audição, a deficiência auditiva pode ser classificada como: - Surdez Leve / Moderada: Consiste em uma perda auditiva de 70 decibéis, dificulta mas não impede a pessoa de estar se expressando oralmente, consegue perceber a voz humana utilizando aparelho auditivo ou não. - Surdez Severa / Profunda: Consiste em uma perda auditiva acima dos 70 decibéis, a pessoa fica impossibilitada de entender a voz humana mesmo utilizando aparelho auditivo ou não. Uma pessoa é considerada deficiente auditivo quando possui perda total ou parcial de resíduos auditivos causadas por doenças congênitas ou adquiridas que dificultam a compreensão da fala através do órgão (ouvido).

17 16 Essas crianças que possuem algum tipo de deficiência em questão a surdez, sofrem vários tipos de preconceitos, que prejudicam seu desenvolvimento cognitivo, moral, emocional e social, pois é na fase da formação de sua auto-imagem que as crianças acabam sofrendo vários tipos de preconceitos tanto fora como dentro do âmbito escolar. [...] Os preconceitos sociais são especialmente nocivos porque atingem a criança na formação da sua auto-imagem, o que pode significar um prejuízo ainda maior para a superação das dificuldades no âmbito escolar. (SKLIAR, 1997, p.72) Em muitos casos a deficiência auditiva existe na criança, mas ela ainda não notou que a possui. Às vezes só é percebida quando o rendimento escolar vai ficando abaixo do esperado, quando deixa de entender algo que o professor pronunciou, ou seja, uma palavra, uma frase; em primeira instância a criança pode até perceber alguma alteração em sua audição, mas deixa de contar para seus responsáveis e colegas de sala por pensar que possa ser algo não tão importante, a inocência acaba prevalecendo em muitas situações, e é o professor que acaba notando a deficiência auditiva dentro de sua sala de aula, através de observações feitas por ele, quando percebe que o aluno possui dificuldades de entender os diálogos, as explicações, quando precisa repetir mais de duas vezes uma frase para que o aluno entenda, isso tudo podem ser evidências da deficiência auditiva. Crianças que nasceram surdas, que possuem um histórico familiar marcado pela surdez às vezes demoram mais a perceber a deficiência do que uma criança que adquiriu a certa idade, isso se deve ao seu convívio familiar, com pais surdos. Nesse ambiente a criança vai crescendo utilizando a Língua de Sinais, ou gestos, mímica criada pelos próprios pais para estarem se comunicando entre eles, a criança vai vivendo em um mundo que para ela é normal, principalmente quando ainda não houve contato com pessoas ouvintes. Quando esta criança visa ultrapassar as fronteiras de sua casa (ambiente familiar) para o convívio com ouvintes, ela percebe que há algo de errado com a pessoa que ela tentou um contato (comunicação), seu modo de se comunicar não é entendido pelo ouvinte; ali ela percebe que há algo de anormal não com ela, mas com o próximo (ouvinte). Através desse momento, o mundo do preconceito abre para ela como se fosse um leque; ali através das explicações realizada por seus pais, ela percebe de modo embaraçosa que o anormal não são os ouvintes, mas sim aqueles que apresentam a surdez por serem minorias. No livro da Salles, temos um depoimento citado por Perlmutter (1986, apud Padden e Humphies, op. cit.), descrito por Sam

18 17 Supalla, surdo, em seu contato com uma amiga de infância ouvinte, que morava num apartamento ao lado do seu. Sam nasceu numa Família Surda, com muitos irmãos surdos mais velhos que ele e, por isso, demorou a sentir a falta de amigos. Quando seu interesse saiu do mundo familiar, notou, no apartamento ao lado do seu, uma garotinha, cuja idade era mais ou menos a sua. Após algumas tentativas, se tornaram amigos. Ela era legal, mas era esquisita: ele não conseguia conversar com ela como conversava com seus pais e irmãos mais velhos. Ela tinha dificuldade de entender gestos elementares! Depois de tentativas frustradas de se comunicar, ele começou apontar para o que queria ou, simplesmente, arrastava a amiga para onde ele queria ir. Ele imaginava como deveria ser ruim para a amiga não conseguir se comunicar, mas, uma vez que eles desenvolveram uma forma de interagir, ele estava contente em se acomodar às necessidades peculiares da amiga. Um dia a mãe da menina aproximou-se e moveu seus lábios e, como mágica, a menina pegou sua casa de boneca e moveu-a para outro lugar. Sam ficou estupefato e foi para sua casa perguntar a sua mãe sobre, exatamente, qual era o tipo de problema da vizinha. Sua mãe lhe explicou que a amiga dele, bem como a mãe dela, eram ouvintes e, por isso, não sabiam sinais. Elas falavam, moviam seus lábios para se comunicar com os outros. Sam perguntou se somente a amiga e sua mãe era assim, e sua mãe lhe explicou que era sua família que era incomum e não a da amiga. As outras pessoas eram como sua amiga e a mãe. Sam não possuía a sensação de perda. Imerso no mundo de sua família, eram os vizinhos que tinham uma perda, uma desabilidade de comunicação. (SALLES... [et. al.], 2004, p.37-38). Perder um sentido pode significar ganhar outro, nem sempre a falta de audição caracteriza o deficiente auditivo como um ser inferior ao ouvinte. Quebrar o paradigma da deficiência é enxergar as restrições de ambos: surdos e ouvintes. Por exemplo, enquanto um surdo não conversa no escuro, o ouvinte não conversa debaixo d água; em local barulhento, o ouvinte não consegue se comunicar, a menos que grite e, nesse caso, o surdo se comunica sem problemas. Além disso, o ouvinte não consegue comer e falar ao mesmo tempo, educadamente, e sem engasgar, enquanto o surdo não sofre essa restrição. (SALLES...[et. al.], 2004, p.38). O deficiente auditivo ou a pessoa que apresenta a surdez constrói dentro de uma cultura surda uma identidade e é essa identidade que ele assume dentro da sociedade onde vive, ela pode ser definida como:

19 18 Identidade Flutuante, na qual o surdo se espelha na representação hegemônica do ouvinte, vivendo e se manifestando de acordo com o mundo ouvinte; Identidade Inconformada, na qual o surdo não consegue captar a representação da identidade ouvinte, hegemônica, e se sente numa identidade subalterna; Identidade de Transição, na qual o contato dos surdos com a comunidade surda é tardio, o que os faz passar da comunicação visual-oral (na maioria das vezes truncada) para a comunicação visual sinalizada o surdo passa por um conflito cultural; Identidade híbrida, reconhecida nos surdos que nasceram ouvintes e se ensurdeceram e terão presentes as duas línguas numa dependência dos sinais e do pensamento na língua oral; Identidade Surda, na qual ser surdo é estar no mundo visual e desenvolver sua experiência na Língua de Sinais. Os surdos que assumem a identidade surda são representados por discursos que os vêem capazes como sujeitos culturais, uma formação de identidade que só ocorre entre os espaços culturais surdos. (SALLES, [et. al.], 2004, p.41). Como foi visto na Identidade Flutuante o surdo tenta viver como se fosse um ouvinte, possui hábitos de uma pessoa que ouve, freqüenta lugares onde talvez não há nenhum tipo de estruturação adequada, para ele não é problema estar em ambientes onde há na maioria ouvintes. Na Identidade Inconformada, percebe-se que o deficiente auditivo não consegue captar a representação da Identidade Ouvinte, ou seja, tenta mais não consegue fazer algo que um ouvinte faria, com isto, ele se sente numa Identidade Subalterna. Na Identidade de Transição, estão as pessoas surdas que possuem como única forma de comunicação a fala, que na maioria dos casos se encontra truncada, quando o contato com a comunidade surda é feito de forma tardio, estas pessoas precisam mudar sua forma de se comunicar, mudando da linguagem oral para a visual sinalizada, nesta situação é desencadeada um conflito cultural por causa da transição desta linguagem. Na Identidade Híbrida estão aquelas pessoas que nasceram ouvintes e por algum motivo se tornaram deficientes auditivos, neste caso, estas pessoas vão ter duas formas de comunicação, a do pensamento na língua oral e da língua de sinais. E por último, temos a Identidade Surda, que estão aquelas pessoas que se aceitam como realmente são. Freqüentam comunidades surdas, buscam aprimorar a comunicação através da língua de sinais, sempre estão organizando programas de lazer, como festas e viagens com amigos que possuem a mesma deficiência; em ambientes onde só estão pessoas que apresentam a surdez não há preconceito, ninguém se sente inferior ao próximo, pelo contrário, se sentem capazes como sujeitos culturais. A maioria das pessoas que são surdas preferem ter mais contato com aquelas que possuem a mesma deficiência, em ambientes onde só há ouvintes o deficiente auditivo se sente inseguro A preferência dos surdos em se relacionar com seus semelhantes fortalece sua identidade e lhes traz segurança [...]. (SALLES,...[et al], 2004, p.41), ou seja, o contato surdo-surdo fortalece a identidade e traz segurança para o deficiente auditivo.

20 Projetos e os Princípios Fundamentais de uma Escola Inclusiva. No Estado de Goiás segundo o artigo, existem dez projetos, os quais são: Escola Inclusiva: Uma proposta de escola para todos / garantia de respeito à diferença. Dentro dos aspectos organizacionais tem como eixo a aprendizagem, utilizando iniciativas institucionais e práticas, tais como o Plano Individualizado de Educação PIE, adaptação curricular, avaliação referencial, estilos e ritmos de aprendizagem, instrução multinível, múltiplas inteligências, avaliação e promoção. Prevenir: prevenção e detecção de deficiências em uma perspectiva de inclusão escolar e social. Articulação e parcerias com outros órgãos, sobretudo com os relacionados à área de saúde. Projeto Depende de Nós: norteia e acompanha a participação da família e da comunidade no processo de implementação da educação inclusiva em Goiás. Hoje: uma proposta de atendimento educacional hospitalar, em classes hospitalares, para alunos com necessidades educacionais especiais internados com prognóstico de média e / ou longa duração. Espaço Criativo: inclusão pela arte, visando à utilização dos vários tipos de artes para promover a construção da aprendizagem no ensino regular e especial. Comunicação: uma proposta educacional para pessoas surdas, visando a promoção de comunicação com o mundo ouvinte. Despertar: uma proposta de atendimento educacional inclusiva para alunos com indícios de altas habilidades. Refazer: Atendimento educacional para artistas em escolas especiais e de ensino regular. É necessário enfatizar que apesar desse projeto ser expresso no documento que visa à inclusão, ele é voltado para as escolas de Educação Especial fundamentadas no paradigma de integração. Unidades de Referência: unidades de atendimento que favorecem a inclusão dos alunos com necessidades especiais na escola, na família e na sociedade. (SANTOS; LIMA; SILVA, ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DO ESTADO DE GOIÁS PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS NA REDE REGULAR DE ENSINO, p.10). No Programa Estadual de Educação para a Diversidade numa Perspectiva Inclusiva destaca-se o projeto Escola Inclusiva que tem como ênfase a inclusão escolar na rede regular de ensino de pessoas que possuem necessidades educacionais especiais pelo motivo de alguma deficiência. Trata-se de um projeto que tem como princípio democrático a educação para todos, ou seja, também para os não deficientes. Este projeto tem como objetivo consolidar uma política de educação inclusiva no Estado, o PEEDI (Programa Estadual para a Diversidade numa Perspectiva Inclusiva) nos afirma que as escolas terão assessoria e acompanhamento técnico pedagógico por uma equipe formada por profissionais de várias áreas do conhecimento e esta equipe será composta por psicólogos, pedagogos, fonoaudiólogos, assistentes social, intérprete, instrutor, professor de apoio e professor de recursos, denominados como Setor de apoio à inclusão. O documento Programa Estadual para a Diversidade numa Perspectiva Inclusiva (1999), nesse contexto diz que a escola se

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular Entrevistas PARTICIPAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular 1 DE JUNHO DE 2015 A inclusão da pessoa com deficiência na escola regular está prevista

Leia mais

A LEI E A REALIDADE: A REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DO SURDO NOS DOCUMENTOS SOBRE A PROPOSTA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A LEI E A REALIDADE: A REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DO SURDO NOS DOCUMENTOS SOBRE A PROPOSTA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA A LEI E A REALIDADE: A REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DO SURDO NOS DOCUMENTOS SOBRE A PROPOSTA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com RESUMO No início do século

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE NEDEL¹, Vera SILVA²,Maria Elena Neves da Resumo O presente artigo relata a importância do uso das tecnologias. As lutas dos surdos pelo direito

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Profª Drª Profª Drª Mirlene Ferreira Macedo Damázio psmirlenefm@gmail.com DESAFIOS DA POLÍTICA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INCLUSIVA

Leia mais

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 As Instituições de Ensino Superior se vêem, cada vez mais, diante do desafio de criar estratégias eficazes que promovam a inclusão,

Leia mais

INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLAS DE ENSINO REGULAR. Palavras chave: Deficiência auditiva; Educação; Inclusão; LIBRAS.

INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLAS DE ENSINO REGULAR. Palavras chave: Deficiência auditiva; Educação; Inclusão; LIBRAS. 1 INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLAS DE ENSINO REGULAR Palavras chave: Deficiência auditiva; Educação; Inclusão; LIBRAS. 1 INTRODUÇÃO Susana Michels 1 Maria Preis Welter 2 O presente

Leia mais

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão Modalidade: Comunicação oral/sinais Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão TÍTULO: QUEM É O INTÉRPRETE DE LIBRAS: A PERSPECTIVA DO ALUNO SURDO NO CONTEXTO DO

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 13/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 13/2015 Campus São João del-rei Tema 01: ASPECTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO DOS SURDOS NO BRASIL Imbricada em relações de poder, a educação dos surdos vem sendo pensada e definida, historicamente, por educadores ouvintes, embora possamos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

Prof. Neemias Gomes Santana UESB Graduação em Letras/Libras UFSC/UFBA Especialista em Tradução e Interpretação de Libras Mestrando em Tradução

Prof. Neemias Gomes Santana UESB Graduação em Letras/Libras UFSC/UFBA Especialista em Tradução e Interpretação de Libras Mestrando em Tradução Prof. Neemias Gomes Santana UESB Graduação em Letras/Libras UFSC/UFBA Especialista em Tradução e Interpretação de Libras Mestrando em Tradução Audiovisual e Acessibilidade - UFBA O papel do intérprete

Leia mais

Rede Nacional Primeira Infância

Rede Nacional Primeira Infância Rede Nacional Primeira Infância O lugar da Educação Infantil nas políticas para a primeira infância Seminário Nacional Currículo e Avaliação da Educação Infantil: Políticas para a primeira infância. Rio

Leia mais

Decreto Lei de LIBRAS

Decreto Lei de LIBRAS Decreto Lei de LIBRAS Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe

Leia mais

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência INOCÊNCIO, Sibelle Williane Dias dos Santos DAXENBERGER, Ana Cristina Silva Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Agrárias Departamento

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS.

A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS. A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS. Rosane Batista Miranda¹ Eliane Vasconcelos Soares² Introdução O presente artigo visa á

Leia mais

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva Instituto Paradigma O Instituto Paradigma é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), dedicada a desenvolver e implementar projetos nas

Leia mais

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo:

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo: Resumo: Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1 Este artigo apresenta uma breve análise de como esta se desencadeando o processo de inclusão de crianças com necessidades especiais nas instituições

Leia mais

A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA

A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA Francisca Clelma da Costa Aluna do Curso de Pedagogia da UESPI Campus Clóvis Moura, PIBIC/UESPI Voluntária 2009/2010

Leia mais

A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Elisabeth, FIGUEIREDO CUNHA, UFU 1 Atna, Gomes Silva PELET, UFU 2 Eleuza, SOUZA, UFU 3 Resumo: Este estudo apresenta o

Leia mais

EXPEDIENTE CONSULTA Nº 006.350/2013 ASSUNTO: Possibilidade de um deficiente auditivo cursar medicina. RELATORA: Consa.ª Lícia Maria Cavalcanti Silva

EXPEDIENTE CONSULTA Nº 006.350/2013 ASSUNTO: Possibilidade de um deficiente auditivo cursar medicina. RELATORA: Consa.ª Lícia Maria Cavalcanti Silva PARECER CREMEB Nº 30/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 02/08/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 006.350/2013 ASSUNTO: Possibilidade de um deficiente auditivo cursar medicina. RELATORA: Consa.ª Lícia Maria Cavalcanti

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

X Encontro Gaúcho de Educação Matemática

X Encontro Gaúcho de Educação Matemática INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NO ENSINO REGULAR: INVESTIGAÇÃO DAS PROPOSTAS DIDÁTICO-METODOLÓGICAS DESENVOLVIDAS POR PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO ENSINO MÉDIO DA EENAV GT 07 Educação Matemática, avaliação

Leia mais

KARLA PATRÍCIA RAMOS DA COSTA; JULIANA FALCÃO; MARIA LÚCIA GURGEL DA COSTA; WANILDA MARIA ALVES CAVALCANTI.

KARLA PATRÍCIA RAMOS DA COSTA; JULIANA FALCÃO; MARIA LÚCIA GURGEL DA COSTA; WANILDA MARIA ALVES CAVALCANTI. RESUMO DEPOIMENTOS DE ALUNOS UNIVERSITÁRIOS SURDOS SOBRE SUA INCLUSÃO NA SOCIEDADE. KARLA PATRÍCIA RAMOS DA COSTA; JULIANA FALCÃO; MARIA LÚCIA GURGEL DA COSTA; WANILDA MARIA ALVES CAVALCANTI. Karla_fono@yahoo.com.br

Leia mais

ELIZANETE FÁVARO TÉCNICO- PEDAGÓGICA SEED/DEEIN DIRETORA REGIONAL FENEIS Pedagoga e Professora da Língua de Sinais netefavaro@hotmail.

ELIZANETE FÁVARO TÉCNICO- PEDAGÓGICA SEED/DEEIN DIRETORA REGIONAL FENEIS Pedagoga e Professora da Língua de Sinais netefavaro@hotmail. MOVIMENTO SURDO E CIDADANIA ELIZANETE FÁVARO TÉCNICO- PEDAGÓGICA SEED/DEEIN DIRETORA REGIONAL FENEIS Pedagoga e Professora da Língua de Sinais netefavaro@hotmail.com Extermínio e abandono social EXISTE

Leia mais

Responde às singularidades

Responde às singularidades A ESCOLA INCLUSIVA Garante a aprendizagem de TODOS. Responde às singularidades (característica única ou especial, particularidade). Respeita as modalidades de aprendizagem (compreender a forma pessoal

Leia mais

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar:

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar: A Educação Bilíngüe Proposta de educação na qual o bilingüismo atua como possibilidade de integração do indivíduo ao meio sociocultural a que naturalmente pertence.(eulália Fernandes) 1 A Educação Bilíngüe»

Leia mais

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA Programa de Promoção da Acessibilidade PPA O que é o Programa de Promoção da Acessibilidade? É um programa institucional que tem como objetivo criar condições de acesso ao conhecimento as pessoas com deficiência

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA Merlânia Lino da Silva (1); Ana Cristina Silva Daxenberger (2) (1) Universidade Federal da Paraíba (CCA), merlaniaareiapb@gmail.com

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

OS DESAFIOS DE CONSTRUIR ESCOLAS INCLUSIVAS

OS DESAFIOS DE CONSTRUIR ESCOLAS INCLUSIVAS 1 OS DESAFIOS DE CONSTRUIR ESCOLAS INCLUSIVAS Patrícia Oliveira Fontes Pedagoga. Especialista em Educação Inclusiva. Especialista em Libras. Professora Tutora da Universidade Tiradentes (UNIT) e Professora

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS LETRASLIBRAS 83 LETRASLIBRAS 84 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS Wanilda Maria Alves Cavalcanti APRESENTAÇÃO Cara(o)aluna(o) Iniciandoumnovociclodeestudos,aUniversidadeFederaldaParaíbaincorporaaoscursosquejá

Leia mais

O Intérprete de Libras no Contexto da Sala de Aula na Cidade de Pelotas-RS

O Intérprete de Libras no Contexto da Sala de Aula na Cidade de Pelotas-RS INTRODUÇÃO Tecnicamente a diferença que existe entre tradutor e tradutor-intérprete é que o tradutor envolve pelo menos uma língua escrita entre as envolvidas e seu processo é consecutivo, ou seja, há

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores REGISTRO DE UMA EXPERIÊNCIA: INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS NO PROCESSO DE INCLUSÃO DO SURDO EM UMA

Leia mais

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS EDUCAÇÃO E SURDEZ Daniele Campos Laino Cardoso 1 Sebastiana Rosa da Silva 2 Solange Conceição da Cruz Machado 3 A Língua Brasileira de Sinais (Libras) - embora reconhecida oficialmente em todo o território

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A IMPORTÂNCIA DO ENSINO-APRENDIZAGEM DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS (LIBRAS) PARA O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DO DEFICIENTE AUDITIVO Daisy Mara Moreira de Oliveira (UFS) dayseoliveira01@hotmail.com Derli

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO Secretaria de Educação Especial/ MEC Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Objetivo Orientar os sistemas

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU.

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. Autora: MARIA JOSÉ CALADO Introdução Diante da necessidade e do direito

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE)

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) Aleksandra Debom Garcia 1 Fatima Gomes Nogueira Daguiel 2 Fernanda Pereira Santana Francisco 3 O atendimento educacional especializado foi criado para dar um

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL RESOLUÇÃO 003, de 06 de abril de 2006. Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Municipal de Ensino Teresina. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA, no uso de suas atribuições

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais

Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais Ex ore parvulorum veritas A A verdade sai da boca das crianças as. Ditado Latino Inclusão a qualquer custo? Má Inclusão Inferiorização + Aprendizado

Leia mais

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR Andréa Oliveira Almeida andrea.libras@hotmail.com UniFOA Centro Universitário de Volta Redonda Maria da Conceição Vinciprova Fonseca concyvf@uol.com.br Associação

Leia mais

Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior

Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior Prof. Francisco Ricardo Lins V. de Melo Departamento

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PENA, Fernanda Santos, UFU 1 SAMPAIO, Adriany de Ávila Melo, UFU 2 Resumo: O presente trabalho apresenta o projeto de pesquisa

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PROJETO PARA INCLUSÃO SOCIAL DOS SURDOS DA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA

FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PROJETO PARA INCLUSÃO SOCIAL DOS SURDOS DA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PROJETO PARA INCLUSÃO SOCIAL DOS SURDOS DA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PARNAÍBA-PI 2014 FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA DIRETOR ADMINISTRATIVO Prof. Esp. Walter Roberto

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*)

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) 1 Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) Este trabalho prende-se com o estudo que fizemos na formação na área das Competências Interpessoais, sendo que o grande objectivo é o de sermos capazes, nas nossas

Leia mais

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Experiência Brasil Eliane Ribeiro UNIRIO/UERJ/ Secretaria Nacional

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL: UMA PEDAGOGIA DIFERENTE

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL: UMA PEDAGOGIA DIFERENTE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL: UMA PEDAGOGIA DIFERENTE SILVA.Thiago Pereira da ¹ Universidade Estadual da Paraíba-UEPB e-mail: thiagoellisson@yahoo.com.br MOURA.Camila

Leia mais

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Respeito à Diversidade Devemos respeitar as pessoas exatamente como elas são. O respeito à diversidade humana é o primeiro passo para construirmos

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Carlos Gomes) Assegura às pessoas com deficiência auditiva o direito a atendimento por tradutor ou interprete de LIBRAS nos órgãos e entidades da administração pública,

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 008/08- SUED/SEED

INSTRUÇÃO N.º 008/08- SUED/SEED INSTRUÇÃO N.º 008/08- SUED/SEED Estabelece normas para atuação do profissional tradutor e intérprete de Língua Brasileira de Sinais - Libras/Língua Portuguesa - TILS nos Estabelecimentos de Ensino da rede

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Maria dos Prazeres Nunes 1 INTRODUÇÃO No Brasil a expansão da educação ocorre de forma lenta, mas, crescente nas últimas décadas. Com base nas determinações

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

Voluntariado. Cabe na sua vida. Ser voluntário #issomudaomundo NOTÍCIAS. Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco

Voluntariado. Cabe na sua vida. Ser voluntário #issomudaomundo NOTÍCIAS. Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco NOTÍCIAS Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco Mobilizar. Colaborar. Transformar. Muitas foram as motivações que levaram você e mais 791 colaboradores Itaú Unibanco (e

Leia mais

Autorizada reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte.

Autorizada reprodução total ou parcial, desde que citada a fonte. 3 Presidente da República Fernando Henrique Cardoso Ministro de Estado da Educação Paulo Renato Souza Secretário Executivo Luciano Oliva Patrício Secretária de Educação Especial Marilene Ribeiro dos Santos

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS 1 1 Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS Rosimar Bortolini Poker A principal conseqüência da surdez refere-se aos prejuízos na comunicação natural dos sujeitos surdos que atingem

Leia mais

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ESPAÇO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E AMPLIAÇÃO DE CONHECIMENTOS REFERENTES À INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Florianópolis SC - maio 2012 Categoria: C Setor

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

FACULDADE DO VALE DO JURUEMA

FACULDADE DO VALE DO JURUEMA FACULDADE DO VALE DO JURUEMA CURSO: PSICOPEDAGOGIA COM ENFASE NA INCLUSÃO SOCIAL DISCIPLINA:LIBRAS LIBRAS NO PROCESSO EDUCATIVO Professora Esp. Graziela Christine da Silva A J E S - F A C U L D A D E S

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais