UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIENCIAS AGRARIAS E AMBIENTAIS MEDICINA VETERINÁRIA PARALISIA FACIAL. Amine do Vale Meira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIENCIAS AGRARIAS E AMBIENTAIS MEDICINA VETERINÁRIA PARALISIA FACIAL. Amine do Vale Meira"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIENCIAS AGRARIAS E AMBIENTAIS MEDICINA VETERINÁRIA PARALISIA FACIAL Amine do Vale Meira Curitiba, agosto de 2012.

2 AMINE DO VALE MEIRA Aluna do curso de pós graduação de clínica médica e cirúrgica de animais de companhia. PARALISIA FACIAL Trabalho monográfico de conclusão de curso de pós graduação de clinica médica e cirúrgica de animais de companhia, apresentado a UCB como requisito parcial para a obtenção do titulo de especialização, sob a orientação da Mestre Deise Cristiane Ebert Curitiba, agosto de 2012.

3 PARALISIA FACIAL Elaborado por Amine do Vale Meira Aluna do curso de Especialização latu sensu Clinica Médica e Cirúrgica de Animais de Companhia. Foi analisado e aprovado com Grau: Rio de Janeiro, de de. Membro Orientador Presidente

4 Dedico aos meus amores.

5 RESUMO A paralisia do nervo facial é a neuropatia craniana aguda mais comum. Quanto à etiologia, tal ocorrência pode ser classificada de duas formas: idiopática ou sintomática, sendo assim, o objetivo deste trabalho é relatar as principais causas desta patologia e seu prognostico. A principal complicação da paralisia do nervo facial, além da estética, é a possibilidade de ceratite por exposição, se as glândulas lacrimais estiverem denervadas.

6 ABSTRACT The facial nerve palsy is the most common acute cranial neuropathy. Regarding etiology, such an occurrence can be classified in two ways: idiopathic or symptomatic, so the goal is to describe the main causes of this disease and its prognosis. The principal complication of facial nerve paralysis, besides the aesthetics, is the possibility of exposure keratitis, if the tear glands are denervated.

7 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO ANATOMIA DOS NERVOS CRANIANOS PARALISIA FACIAL CAUSAS DA PATOLOGIA Otite Hipotireoidismo Neoplasias Traumatismo Espasmo Hemifacial Idiopática Causas inflamatórias ou infecciosas DIAGNOSTICO TRATAMENTO PROGNOSTICO CERATOCONJUNTIVITE SECA CONSIDERAÇÕES FINAIS BIBLIOGRAFIA... 21

8 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 Localização dos nervos cranianos. FIGURA 2 Anatomia canina, nervo facial.

9 9 1. INTRODUÇÃO A paralisia facial é comum nos cães, especialmente na raça Cocker Spaniel e tem sido relatada em cães adultos com mais de 5 anos de idade. Trata-se de uma doença associada á paralisia do VII nervo craniano (OLIVER et al., 1997). A perda da expressão facial, devido à ausência de movimentos auriculares e labiais, e a incapacidade de cerrar as pálpebras, é o sintoma principal associado à paralisia do nervo facial. Na paralisia unilateral do nervo facial, fica prontamente aparente uma assimetria da face. A denervação crônica e completa da face pode levar a fibrose e contratura dos lábios e orelhas no lado afetado. Se fibras parassimpáticas às glândulas salivares e lacrimais estão afetadas, a córnea e membranas mucosas neste lado podem estar ressecadas (CHRISMAN, 1992).

10 10 2. ANATOMIA DOS NERVOS CRANIANOS Os nervos cranianos compreendem 12 pares, que se denominam numericamente e por seu nome. I Olfatório. II Óptico. III Oculomotor. IV Troclear. V Trigêmeo. VI Abducente. VII Facial. VIII Vestibulococlear. IX Glossofaríngeo. X Vago. XI Acessório. XII Hipoglosso. FIGURA 1 Localização dos nervos cranianos. Fonte: COLLEGE OF VETERINARY MEDICINE UNIVERSITY OF MINNESOTA. Veterinary anatomy. Disponível na internet pelo endereço: Consulta em 01 de agosto de 2012.

11 11 O nervo facial é misto e possui fibras sensitivas e motoras, atuando também no sistema nervoso autônomo, divisão parassimpática. Emerge do encéfalo através da porção rostral do corpo trapezóde e acompanha por uma curta distância o nervo vestíbulo coclear. Estes dois nervos penetram no meato acústico interno do osso temporal, sendo que o nervo facial segue o seu trajeto isolado, penetrando no canal facial e deixando o crânio através do forame estilomastóideo. (SISSON & GROSSMAN, 1974) Suas fibras inervam os principais músculos e glândulas da face, músculos da orelha média, uma parte da faringe, das pálpebras e dos músculos auriculares. (SISSON & GROSSMAN, 1974) Na porção do sistema nervoso as fibras pré-ganglionares parassimpáticas do nervo facial deixam o tronco do encéfalo e dirigem-se para o gânglio pterigopalatino, onde ocorre sinapse com fibras pós-ganglionares que irão à glândula lacrimal. Outras fibras pré-ganglionares do nervo facial, dirigemse ao gânglio mandibular, onde existe sinapse com fibras pós-ganglionares que irão suprir de inervação parassimpática as glândulas salivares (mandibular e sublingual). (SISSON & GROSSMAN, 1974)

12 12 FIGURA 2 Anatomia canina, nervo facial. Fonte: BIOSPHERA. Disponível na internet pelo endereço. Consulta em 01 de agosto de 2012.

13 13 3. PARALISIA FACIAL Lesões do núcleo e nervo até o nível das terminações nos ramos que suprem os diferentes grupos musculares resultam na completa paresia ou paralisia do nervo facial, com inabilidade de mover esses músculos normalmente. A paralisia pode ser vista com uma posição assimétrica das orelhas, pálpebras, lábios e nariz. Naqueles animais que possuem a posição ereta da orelha, esta pode apresentar-se inclinada. Se a cartilagem da orelha for dura, como em cães e gatos, ela pode manter-se ereta apesar da paralisia muscular. O lábio pode cair do lado afetado permitindo que saliva escorra a partir do canto da boca. O nariz pode estar puxado em direção ao lado normal devido a não oposição do músculo nasal, em cães e gatos esse desvio é leve. Em pequenos animais a fissura palpebral é frequentemente ligeiramente maior que a média e não se fecha com a estimulação da córnea e pálpebras. (De LAHUNTA, 1983) Lesões dos ramos individuais do nervo facial podem produzir uma paresia ou paralisia restrita de um grupo muscular. Por exemplo, lesões no ramo bucal produzem paralisia do músculo masseter. (De LAHUNTA, 1983) Por causa da estreita relação dos nervos facial e vestíbulo coclear, eles são frequentemente afetados simultaneamente pela mesma lesão. Isso pode acontecer na medula ou osso petroso; é importante saber distinguir entre as duas localizações para assim definir melhor terapia e prognóstico. Ambas a neoplasia medular e otite média interna podem afetar a função dos dois nervos craniais. O primeiro normalmente afeta as funções de outras estruturas do tronco encefálico, que auxilia na localização da lesão. Estas estruturas incluem: o neurônio motor superior, causando tetra ou hemiparesia; propriocepção em geral, causando ataxia; ativa o sistema reticular ascendente, resultando em sinais que variam de depressão à coma; e o núcleo abducente, levado ao estrabismo medial. (De LAHUNTA, 1983) A paralisisa facial pode ter como origem diversas causas e deste modo diferentes diagnósticos e tratamentos para as causas de base.

14 CAUSAS DA PATOLOGIA Otite Os tratos de alguns nervos periféricos situam-se nas proximidades da orelha média, como nervo facial, que transcorre pelo osso petroso próximo da orelha interna. Ao longo do seu curso, o nervo passa em proximidade da bula, da qual esta separada unicamente por uma fina camada de tecido conjuntivo frouxo. Devido esta particularidade anatômica, a otite pode ter como conseqüência a paralisia facial. (De LAHUNTA, 1983; FERNANDEZ, 2010) A otite média causa comumente paralisia do nervo facial sem outros sinais, especialmente em cães com otite externa crônica. Porém, em otites media e interna, paresia ou paralisia facial normalmente está associada com sinais de ataxia vestibular causada por uma lesão no nervo vestíbulo coclear na orelha interna. A síndrome de Horner pode acompanhar uma inflamação da orelha média pelo envolvimento dos axônios simpáticos pós-ganglionares que passam através da orelha média. (CHRISMAN, 1992; De LAHUNTA, 1983) A causa mais comum da otite media è a infecção bacteriana, e os patogenos comumente cultivados são Staphylococcus, Streptococcus, Pseudômonas, Escherichia coli, e Proteus mirabilis.. A causa da otite deve ser investigada para tratá-la e consequentemente restaurar a paralesia facial. (MACY, 1992) Apesar dos autores acima considerarem a otite média como uma possível causa da paralisia facial, segundo Braund 2003 a otite quando ocorre na porção média do ouvido não possui a capacidade de produzir a paralesia descrita Hipotireoidismo O hipotireoidismo pode ter origem primária e ser causado pela destruição da glândula tireóide, correspondendo a 95% dos casos clínicos, a causa secundária se deve ao prejuízo de secreção do hormônio estimulante da tireóide (TSH) por parte da hipófise, correspondente a 5% dos casos

15 15 diagnosticados, e pode ser de origem terciária por uma deficiência de produção e/ou liberação do hormônio liberador de tireotrofina (TRH) sendo está muito rara (PANCIERA, 2003). O hipotireoidismo também pode causar paralisia facial, neste caso alterações no hemograma e no perfil bioquímico podem ajudar no diagnostico, será encontrada respectivamente anemia microcítica e elevação de colesterol, mas o hipotireoidismo e mais diagnosticado pela demonstração do nível sérico de T4 total ou livre baixo em conjunto com TSH elevado. (CHRISMAN, 2005) O sucesso da terapia ocorre através da monitoração terapêutica por testes de função da tireóide. Observa-se uma resposta ao tratamento com aumento na atividade e melhora na atitude, geralmente dentro de uma a duas semanas. O ganho de peso e as anormalidades neurológicas começam a melhorar dentro de uma a quatro semanas após o início do tratamento (PANCIERA, 2003). O prognóstico para caninos com hipotireoidismo depende da causa subjacente. A expectativa de vida de um canino adulto com hipotireoidismo primário, submetido a um adequado tratamento deve ser normal. A maioria das manifestações clínicas será resolvida como resposta à suplementação com hormônio da tireóide. O prognóstico para os filhotes com hipotireoidismo é reservado e depende da gravidade das anomalias esqueléticas e articulares no momento em que o tratamento é iniciado. O prognóstico para os caninos com hipotireoidismo secundário causado por malformação ou destruição da glândula hipofisária é reservado. O prognóstico no coma mixedematoso depende da identificação precoce (CATHERINE, 2004). Assim como o traumatismo do nervo fácil causa paralisia e os sinais desta se resolvem com o tempo, na paralisia pelo hipotireoidismo, o uso da levotireoxina sódica, faz com que haja a resolução dos sinais. (CHRISMAN, 1992)

16 Neoplasias As neoplasias que envolvem o nervo ao longo do seu curso podem afetar sua função. Elas podem ser externas ao crânio, envolvendo somente o nervo periférico, ou dentro da cavidade craniana, envolvendo osso ou meninges ou os nervos periféricos em seu trajeto. (De LAHUNTA, 1983) Neoplasia do nervo facial pode produzir sintomas apenas de paralisia facial, se o tumor afeta o nervo ao nível do ouvido médio, ou mais perifericamente. Deficiências vestibulares concomitantes são observadas nos tumores desde o ouvido interno até, o tronco cerebral. Meningiomas da junção pontino-bulbar podem, de inicio, produzir deficiências dos nervos facial e vestibular, mas a medida que eles crescem e se expandem são observados hemiparesia dos membros e outros sintomas associados a compressão do tronco cerebral (MACY, 1992) Quando o quadro de paralesia facial é ocasionado por neoplasias o objetivo do tratamento é a erradicação do tumor e o controle dos efeitos secundários. Os quatro principais tratamentos para a erradicação do tumor são: quimioterapia, radioterapia, imunoterapia e cirurgia. Corticosteróides são efetivos para diminuir o edema e também para controlar o crescimento de alguns tipos de tumores (OLIVER, 1997; SEIM, 2002) Traumatismo Uma lesão traumática no nervo facial pode ocorrer no lado da face, ou base da orelha, produzindo paralisia do lábio ou olho. Como orientação para o prognostico, o nervo facial pode ser estimulado eletricamente na base da orelha, para que se determine se os segmentos distais estão intactos. Caso não haja resposta a estimulação elétrica, o prognostico será sombrio. Lesões traumáticas da porção petrosa do osso temporal freqüentemente produzem, simultaneamente, deficiências dos nervos facial e vestibular. (MACY, 1992)

17 Espasmo Hemifacial O espasmo hemifacial é a constante contração de todos os músculos faciais em um lado da cabeça, e tem sido observado em cães. No lado afetado da face o nariz ficará repuxado caudalmente e os lábios estarão hipertônicos. A fissura palpebral estará pequena devido ao fechamento parcial das pálpebras, e a orelha pode estar levemente elevada. (De LAHUNTA, 1983) Esta síndrome pode ser observada em pacientes com otite média com ou sem sinais vestibulares ou da síndrome de Horner. A explicação para esta enfermidade seria a hiper irritabilidade do nervo facial. (De LAHUNTA, 1983) Anestesia local ou geral dos ramos que envolvem o nervo facial diminuiria os sinais clínicos. Isto significa que os sinais não são os resultados de uma paralisia facial completa, ela é seguida de atrofia neurogênica e contração do músculo facial pelas células musculares encurtadas e atrofiadas. Uma vez iniciado os sinais clínicos, estes persistem inalterados, apesar do uso de antibiótico ou corticóides. (De LAHUNTA, 1983) Idiopática A paralisia nervo facial de causa idiopática quando de início agudo foi relatada em cães adultos e gatos com menos de 5 anos. Aparentemente há uma predisposição por raças, como Cocker Spaniel, Gales Pembroke Corgis, Boxers, Setter Inglês, e os gatos domésticos Longhair. Os sinais clínicos da paralisia idiopática são os mesmos já relatados anteriormente; como os reflexos palpebrais no teste de ameaça que estarão ausentes. A paralisia facial idiopática pode também ser bilateral em alguns animais. (BRAUND, 2003) Causas inflamatórias ou infecciosas Algumas doenças inflamatórias podem levar a paralisia facial. Uma dessas é a cinomose. O mecanismo certo pelo qual o vírus da cinomose penetra e se dispersa pelo tecido nervoso ainda não é compreendido. Acreditase que o mesmo adentra o SNC através de células mononucleares infectadas provenientes da circulação sistêmica distribuindo-se nas grandes células

18 18 mononucleares da pia-máter, células gliais, de Purkinje, do cerebelo, nos neurônios do córtex cerebral, gânglio basal e hipocampo (ORSINI, 2008). O vírus da cinomose causa encefalite crônica em cães mais velhos, levando aos sinais clínicos neurológicos como incoordenação, fraqueza dos membros pélvicos, déficits do reflexo à ameaça, diminuição da acuidade visual, inclinação da cabeça, nistagmo e paralisia facial (CORREA & CORREA, 1992). Outras enfermidades infecciosas ou inflamatórias que podem causar a paralesia facial são a polirradiculoneurite, o botulismo e a borreliose. (BRAUND, 2003). 4. DIAGNOSTICO O diagnóstico de paralesia facial geralmente é feito como exame clínico onde se observa queda da orelha, lábio, sialorréia, desvio do nariz, acúmulo de alimento no lado paralizado; e o teste neurológico adequado, neste pode-se observar os teste de ameaça e reflexo palpebral que estarão ausentes. (BRAUND, 2003) Devem-se investigar possíveis causas de base da paralesia facial. Quando esta é de origem idiopática, pode-se fazer o teste eletrodiagnóstico, que frequentemente revela potencias de denervação espontâneas na superfície dos músculos faciais. Radiografias e estudos de imagem normalmente não contribuem no diagnóstico. (BRAUND, 2003) Exames patológicos de biópsia do nervo facial geralmente revelam degeneração ativa em fibras mielinizadas e ausência de inflamação. (BRAUND, 2003) 5. TRATAMENTO Não existe um tratamento especifico para a paralisia facial. Depende de sua causa de base, sendo assim a paralisia facial tem seu tratamento baseado em muitas enfermidades.

19 19 6. PROGNOSTICO O prognostico desta patologia é reservado, a melhora clinica pode ocorrer em poucas semanas ou meses, ou pode ainda nunca ocorrer. Uma conseqüência da paralisia é a ceratoconjuntivite seca. (BRAUND, 2003) 6.1. CERATOCONJUNTIVITE SECA A paralisia do nervo facial pode levar a CCS, devido à ausência de movimentação da pálpebra e diminuição da produção de lagrima. (Fernandez, 2003). Mas a CCS na maioria dos casos, trata-se de uma afecção imunomediada. A afecção pode ser observada em qualquer raça e idade. A patologia indica a infiltração linfoplasmocitaria das glândulas lacrimais e glândulas labiais. A síndrome dos olhos secos também pode ser uma conseqüência do tratamento clinico prolongado de outras afecções sistêmicas. (BOLDY, 1992) Além da paralesia palpebral que pode impedir a lubrificação da córnea, a CCS pode ser o resultado de danos aos neurônios parassimpático préganglionares no nervo facial que passam para a glândula lacrimal. (BRAUND, 2003) O diagnostico é baseado nos sinais clínicos e nos resultados obtidos com o teste lacrimal de Schirmer. O sinal marcante em pacientes acometidos caracteriza-se por secreção ocular mucóide a muco-purulenta, que se adere ao epitélio e que, normalmente, acompanha perda de brilho na córnea e hiperemia conjuntival. Casos agudos podem produzir ulcerações superficiais, profundas e até a perfuração da córnea. Também podem ocorrer manifestações superficiais crônicas com deterioração progressiva da visão, bem como vascularização e pigmentação da córnea (LAUS & ORIA, 1999). A abordagem terapêutica inclui o uso de lágrima artificial, substâncias antiinflamatórias, mucolíticos e antibióticos. Atualmente, a ciclosporina A, na forma de colírio ou pomada, em diferentes concentrações e intervalos de 12 ou 24 horas, tem sido empregada no alívio dos sinais clínicos e na lacrimogênese.

20 20 O tratamento da CCS consiste no uso de medicamentos imunossupressores (LAUS & ORIA, 1999). 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS Visto que a paralisia do nervo facial não possui um tratamento especifico, a escolha do tratamento será definida de acordo a causa de base. Por este motivo o tratamento nem sempre será eficaz, pois algumas causas não há tratamento especifico somente suporte para os sinais clínicos que o paciente apresentar.

21 21 8. BIBLIOGRAFIA BRAUND, K.G. Neuropathic disorders. Disponível em: _Paralysis. Consulta em 25 de julho de 2012 BOLDY, K. L.; CLERC, B. in: ETTINGER, S. J.; FELDMAN, E. C. Tratado de Medicina Interna Veterinária. V1. 3ª ed. Sao Paulo, 1992 cap. 45 p. 80. CATHARINE, R. J.; SCOTT, M.; YORAN, L.G. Tratado de Medicina Interna veterinária. 5 ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, v. 2, p CORRÊA W. M.; CORRÊA C. N. M. Enfermidades infecciosas dos mamíferos domésticos, 2ª edição. Rio de Janeiro, Medsi, 1992, p CHRISMAN, CHERYL C. Neurologia para o clinico de Pequenos Animais, 1ª edição. São Paulo, Roca, p 155. CHRISMAN, CHERYL C. in: ETTINGER, S. J.; FELDMAN, E. C. Tratado de Medicina Interna Veterinária. V1. 3ª ed. São Paulo, 1992 cap. 45 p DELAHUNTA, A. General somatic efferent system, special visceral efferent system. In:. Veterinary Neuroanatomy and Clinical Neurology. 2 ed. Filadélfia: W.B. Saunders Company,1983. p ETTINGER, S. J, FELDMAN E.C.; Tratado de Medicina Interna Moléstias dos cães e gatos. 3 ed, São Paulo, FERNANDEZ, V. L.; BERNARDINI, M. Neurologia em cães e gatos. 1ª ed, São Paulo, Editora Medvet, HOSKINS, J. D. Doenças Virais Caninas. In: ETTINGER, S. J.; FELDMAN, E. C. Tratado de Medicina Interna Veterinária. v ed. São Paulo, Manole, 2004, Cap. 88, p

22 22 LAUS, J.L.; ORIÁ, A.P. Doenças corneanas em Pequenos Animais, Disponível em <http://www.blacklab.com.br/cornea.htm>. Acesso em 13 de julho de MACY, D. W. Moléstias do aparelho auditivo. in: ETTINGER, S. J.; FELDMAN, E. C. Tratado de Medicina Interna Veterinária. V1. 3ª ed. Sao Paulo, 1992 cap. 45 p OLIVER J. E., LORENZ, M. D., KORNEGAY, J. N. Disorders of the face, tongue, esofhagus, larynx and hearing. In. Handbook of veterinary neurology. 3 ed., Philadelphia, W.B Saunders, 1997, p ORSINI, H.; BONDAN, E. F. Patogenia das lesões do sistema nervoso central (SNC) na cinomose canina. Clínica Veterinária, São Paulo, ano XIII, n. 74, p , maio/junho PANCIERA, D. L.; PETERSON, M. E.; BICHARD, S. J. Doenças tireoidinas. In: BIRCHARD, S. J.; SHERDING, R. G. Manual Saunders: clínica médica de pequenos animais. São Paulo: Roca, p ). SEIM, H. B. Surgery of the Brain. In.: FOSSUM, Theresa Welch; et al. Small Animal Surgery, 2 ed. St. Louis: Mosby, p SISSON, S. GROSSMAN, J D. Anatomia de los Animales Domésticos. Reimpresion 4ed, Salvat Editores. Barcelona, 1974, p

Exame Neurológico dos Nervos Cranianos Prof.ª Viviane Marques

Exame Neurológico dos Nervos Cranianos Prof.ª Viviane Marques Exame Neurológico dos Nervos Cranianos Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Chefe da Empresa FONOVIM Fonoaudiologia Neurológica Ltda Coordenadora da Pós-graduação

Leia mais

Nervos Cranianos. M.Sc. Profª Viviane Marques

Nervos Cranianos. M.Sc. Profª Viviane Marques Nervos Cranianos M.Sc. Profª Viviane Marques Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar UVA Docente do mestrado de HIV/AIDS e Hepatites Virais UNIRIO Tutora da Residência Multiprofissional

Leia mais

Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010)

Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010) Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010) Klomp MA, Striekwold MP, Teunissen H, Verdaasdonk AL traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo www.bioloja.com EMBRIOGÊNESE DO SN DIVISÃO DO SN O SISTEMA NERVOSO O SNC recebe, analisa e integra informações. É o local onde ocorre a tomada de decisões e o envio

Leia mais

Divisão anatômica 15/09/2014. Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Função. Sistema Nervoso Estrutura. Cérebro Cerebelo Tronco encefálico ENCÉFALO

Divisão anatômica 15/09/2014. Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Função. Sistema Nervoso Estrutura. Cérebro Cerebelo Tronco encefálico ENCÉFALO Função o sistema nervoso é responsável pelo controle do ambiente interno e seu relacionamento com o ambiente externo (função sensorial), pela programação dos reflexos na medula espinhal, pela assimilação

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

Paralisia Facial M.Sc. Prof.ª Viviane Marques

Paralisia Facial M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Paralisia Facial M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar Chefe da Equipe de Fonoaudiologia do

Leia mais

EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite

EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite SOMENTE SERÃO ACEITOS OS ESTUDOS DIRIGIDOS COMPLETOS, MANUSCRITOS, NA DATA DA PROVA TERÁ O VALOR

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE PAPEL DE FILTRO MELLITA COMO ALTERNATIVA PARA AVALIAÇÃO DO TESTE DE SCHIRMER EM CÃES

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE PAPEL DE FILTRO MELLITA COMO ALTERNATIVA PARA AVALIAÇÃO DO TESTE DE SCHIRMER EM CÃES Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE PAPEL DE FILTRO MELLITA COMO ALTERNATIVA PARA AVALIAÇÃO DO TESTE DE SCHIRMER EM

Leia mais

Tratamento das patologias vestibulares segundo a MVTC. Carolina C. T. Haddad Congresso da ABRAVET Março de 2012

Tratamento das patologias vestibulares segundo a MVTC. Carolina C. T. Haddad Congresso da ABRAVET Março de 2012 Tratamento das patologias vestibulares segundo a MVTC Carolina C. T. Haddad Congresso da ABRAVET Março de 2012 Sistema Vestibular Introdução Função: transmitir a informação do ouvido interno até o cérebro

Leia mais

Aula III Classificação do Sistema Nervoso segundo Critérios Funcionais. (Transcrição da aula vídeo)

Aula III Classificação do Sistema Nervoso segundo Critérios Funcionais. (Transcrição da aula vídeo) Aula III Classificação do Sistema Nervoso segundo Critérios Funcionais (Transcrição da aula vídeo) Hoje vamos estudar uma nova forma de classificação do Sistema Nervoso. Seguiremos os princípios que nortearam

Leia mais

Costuma- se classificar o Schwannoma em quatro estágios evolutivos:

Costuma- se classificar o Schwannoma em quatro estágios evolutivos: O ângulo pontocerebelar é uma área vital para o tecido neurológico, tumores que crescem nessa região podem causar graves disfunções cerebrais e até mesmo a morte dependendo do tamanho e velocidade de crescimento.

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Tecido Nervoso Compreende basicamente dois tipos celulares Neurônios unidade estrutural e funcional

Leia mais

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006-1 - SISTEMA NERVOSO CENTRAL E SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO SUMÁRIO

Leia mais

Meningites são processos agudos que comprometem as leptomeninges (pia-aracnóide), ocasionando reação inflamatória do espaço subaracnóide e das

Meningites são processos agudos que comprometem as leptomeninges (pia-aracnóide), ocasionando reação inflamatória do espaço subaracnóide e das Meningite M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar Chefe da Equipe de Fonoaudiologia do Hospital

Leia mais

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL

Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. ESQUELETO AXIAL ESQUELETO AXIAL Não risque as peças, utilize os estiletes marcadores para apontar as estruturas. Vamos estudar o esqueleto que forma o eixo do corpo iniciando o estudo da CABEÇA óssea que se divide em

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

NOÇÕES DE NEUROANATOMIA

NOÇÕES DE NEUROANATOMIA Divisões do Sistema Nervoso Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Encéfalo Medula Espinhal Sistema Nervoso Periférico Nervos Espinhais Nervos Cranianos Gânglios Periféricos 1 Os órgãos do SNC são protegidos

Leia mais

Sistema Nervoso Organização Geral

Sistema Nervoso Organização Geral Sistema Nervoso Organização Geral O encéfalo é o centro da razão e da inteligência: cognição, percepção, atenção, memória e emoção, Também é responsável pelo controle da postura e movimentos, Permite o

Leia mais

Agentes Virais de Cães e Gatos

Agentes Virais de Cães e Gatos V e t e r i n a r i a n D o c s Agentes Virais de Cães e Gatos Cinomose Etiologia Vírus da família Paramyxoviridae, subfamília Paramyxovirinae e gênero Morbilivirus; -Características: -Vírus grande; -RNA;

Leia mais

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota

Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Matéria: biologia Assunto: fisiologia humana Sistema NERVOSO Prof. Enrico blota Biologia FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA NERVOSO Tem por função receber, associar, armazenar ou emitir informações garantindo assim

Leia mais

ATENDIMENTO CLÍNICO E CIRÚRGICO DE OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA

ATENDIMENTO CLÍNICO E CIRÚRGICO DE OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA ATENDIMENTO CLÍNICO E CIRÚRGICO DE OFTALMOLOGIA VETERINÁRIA ANDRADE 1, Ana de Fátima de Souza BEZERRA 2, Karla Priscila Garrido BOPP 3, Simone DANTAS 1, Emmanuel Freire TALIERI 4, Ivia Carmem Departamento

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO O sistema Nervoso é um todo. Sua divisão em partes tem um significado exclusivamente didático, pois as várias partes estão intimamente

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br H00-H59 CAPÍTULO VII : Doenças do olho e anexos H00-H06 Transtornos da pálpebra, do aparelho lacrimal e da órbita H10-H13 Transtornos da conjuntiva H15-H19 Transtornos da esclera e da córnea H20-H22 Transtornos

Leia mais

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL SISTEMA NERVOSO O Sistema Nervoso se divide em a) Sistema Nervoso Central e b) Sistema Nervoso Periférico. No sistema nervoso central existem dois tipos de células: a) os neurônios e b) as células da glia

Leia mais

EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA. Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular.

EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA. Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular. EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA EXOFTALMIA Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular. Fisiopatologia Secundário a um aumento do volume de gordura

Leia mais

Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS

Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS Área de concentração: CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS 1. Terapêutica Clínica Geral: a. Equilíbrio ácido-básico e hidro-eletrolítico. b. Fluidoterapia. c. Terapêutica hematológica (transfusões). d. Utilização

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso SISTEMA NERVOSO Nos organismos menos complexos as funções de comunicação entre as várias

Leia mais

Qual é a função do Sistema Nervoso Central?

Qual é a função do Sistema Nervoso Central? Câncer de SNC Qual é a função do Sistema Nervoso Central? O Sistema Nervoso Central (SNC) é constituído pelo cérebro, cerebelo e tronco cerebral. O cérebro é dividido em quatro lobos que controlam funções

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a:

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: SISTEMA NERVOSO Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: perceber as variações do meio (interno e externo), a difundir as modificações que essas variações produzem executar as respostas

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO NEUROLOGISTA

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO NEUROLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO NEUROLOGISTA QUESTÃO 21 Crises convulsivas, hemiplegias, afasia e hemianopsias como sinais isolados ou em associação, sugerem patologia neurológica de topografia:

Leia mais

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente.

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo 1 LOCALIZAÇÃO: SISTEMA NERVOSO - CORPOS CELULARES:

Leia mais

5/13/2010. Conjunto de sinais e sintomas específicos previsíveis, que resulta de uma determinada lesão do SNC, SNP ou músculos esqueléticos;

5/13/2010. Conjunto de sinais e sintomas específicos previsíveis, que resulta de uma determinada lesão do SNC, SNP ou músculos esqueléticos; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VETERINÁRIA Conjunto de sinais e sintomas específicos previsíveis, que resulta de uma determinada lesão do SNC, SNP

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro SISTEMA NERVOSO. Enfermagem. Sistema Nervoso. Prof. Me. Fabio Milioni 17/09/2015

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro SISTEMA NERVOSO. Enfermagem. Sistema Nervoso. Prof. Me. Fabio Milioni 17/09/2015 ANATOMIA HUMANA II Enfermagem Sistema Nervoso Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro SISTEMA NERVOSO Conceito Função Divisão Sistema Nervoso Central Tecido Nervoso Cerebelo Diencéfalo Telencéfalo Meninges Líquor

Leia mais

EPM Mieloencefalite Protozoária Equina (Bambeira)

EPM Mieloencefalite Protozoária Equina (Bambeira) Apoio: Escrito por: Faculdade de Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi. São Paulo Maio/2013 Sumário Resumo... 3 Introdução... 3 Etiologia... 3 Epidemiologia... 5 Sinais clínicos... 5 Diagnóstico...

Leia mais

TUMORES CEREBRAIS. Maria da Conceição Muniz Ribeiro

TUMORES CEREBRAIS. Maria da Conceição Muniz Ribeiro TUMORES CEREBRAIS Maria da Conceição Muniz Ribeiro Tumor Cerebral é uma lesão localizada que ocupa o espaço intracerebral e tende a acusar um aumento de PIC. Em adulto, a maior parte dos tumores se origina

Leia mais

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular.

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Neurônio Sistema Nervoso Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Dendritos prolongamentos ramificados que captam os estímulos nervosos. Axônio prolongamento único e responsável

Leia mais

Doença do Neurônio Motor

Doença do Neurônio Motor FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Doença do Neurônio Motor Acd. Mauro Rios w w w. s c n s. c o m. b r Relato de Caso Paciente M.V., sexo masculino, 62 anos,

Leia mais

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso Aula Programada Biologia Tema: Sistema Nervoso 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas,

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO

OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO OS SENTIDOS AUDIÇÃO E VISÃO Profª Ana Cláudia Reis Pedroso AUDIÇÃO O ÓRGÃO DA AUDIÇÃO: A ORELHA O órgão responsável pela audição é a orelha (antigamente denominado ouvido), também chamada órgão vestíbulo-coclear

Leia mais

Neurofobia. O Exame Neurológico. O Monstro Neurológico... 17/08/15. Neurophobia, the Fear of Neurology Among Medical Students

Neurofobia. O Exame Neurológico. O Monstro Neurológico... 17/08/15. Neurophobia, the Fear of Neurology Among Medical Students O Exame Neurológico Neurologia - FEPAR Neurofepar Dr. Carlos Caron Jean Martin Charcot (1825-1893) Jean Martin Charcot (1825-1893) O Monstro Neurológico... Neurofobia Neurophobia, the Fear of Neurology

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Tratamento endodôntico em Gato Doméstico (Felis Catus): Relato de caso Jaime Sardá Aramburú Junior 1, Cristiano Gomes 2, Ney Luis Pippi 3, Paulo

Leia mais

Noções básicas do Exame Neurológico

Noções básicas do Exame Neurológico Noções básicas do Exame Neurológico Prof Alexandre Alessi Semiologia Médica II - 2012 Componentes 1- Estado Mental 2- Pares Cranianos 3- Exame Motor 4- Exame Sensorial 5- Reflexos 6- Coordenação e Exame

Leia mais

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES Veruska Martins da Rosa 1, Caio Henrique de Oliveira Carniato 2, Geovana Campanerutti Cavalaro 3 RESUMO: O hiperadrenocorticismo

Leia mais

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional V juliana.pinheiro@kroton.com.br O sistema nervoso é um sistema complexo de comunicação e controle no corpo animal.

Leia mais

6º par craneano - nervo abducens

6º par craneano - nervo abducens 6º par craneano - nervo abducens O 6º par craneano é responsável unicamente pelo movimento de abducção ocular. O núcleo deste par localiza-se na junção pontomedular, junto ao fascículo do 7º par craneano.

Leia mais

SÍNDROMES MEDULARES. Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira

SÍNDROMES MEDULARES. Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira SÍNDROMES MEDULARES Profa Dra Cláudia Ferreira da Rosa Sobreira Divisão de Neurologia Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Universidade de São

Leia mais

O CÓRTEX MOTOR CÓRTEX MOTOR PRIMÁRIO

O CÓRTEX MOTOR CÓRTEX MOTOR PRIMÁRIO O CÓRTEX MOTOR - Movimentos VOLUNTÁRIOS executados pela ativação cortical de padrões de função armazenados em áreas medulares e encefálicas inferiores na MEDULA ESPINHAL, TRONCO CEREBRAL, GÂNGLIOS DA BASE

Leia mais

DIPLOPIA DIPLOPIA MONOCULAR

DIPLOPIA DIPLOPIA MONOCULAR DIPLOPIA Definição - Visão dupla dum objecto único. 1) DIPLOPIA MONOCULAR Diplopia que desaparece com a oclusão dum olho atingido 2) DIPLOPIA BINOCULAR ligada a um desequilíbrio binocular de oculomotricidade

Leia mais

DISCOESPONDILITE EM CÃO (Canis familiaris)

DISCOESPONDILITE EM CÃO (Canis familiaris) REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE M EDICINA V ETERINÁRIA E Z OOTECNIA DE G ARÇA/FAMED A NO III, NÚMERO, 06, JANEIRO DE 2006.

Leia mais

Introdução. Graduanda do Curso de Medicina Veterinária UNIVIÇOSA. E-mail: isapvet@hotmail.com. 2

Introdução. Graduanda do Curso de Medicina Veterinária UNIVIÇOSA. E-mail: isapvet@hotmail.com. 2 HEMIVÉRTEBRA EM CÃES - REVISÃO Isabella de Paula Valeriano 1, Ronaldo Oliveira Silveira 2, João Paulo Machado 3, Waleska de Melo Ferreira Dantas 4, Paula Piccolo Miatan 5 Resumo: A hemivértebra é uma malformação,

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

OTITE CRÔNICA. Margareth Balbi MV, MS

OTITE CRÔNICA. Margareth Balbi MV, MS Margareth Balbi MV, MS Pós Graduada em Dermatologia Veterinária Profa. Clínica Pequenos Animais Universidade Estácio de Sá RJ Responsável Serviço de Dermatologia CTI Veterinário ESTRUTURAS DO APARELHO

Leia mais

Sistema Nervoso. Funções. - Controla as funções orgânicas do organismo - Integração com o meio ambiente NEURÔNIOS. Estímulo do meio ambiente

Sistema Nervoso. Funções. - Controla as funções orgânicas do organismo - Integração com o meio ambiente NEURÔNIOS. Estímulo do meio ambiente Sistema Nervoso Funções - Controla as funções orgânicas do organismo - Integração com o meio ambiente Estímulo do meio ambiente Interpretação Desencadeamento de resposta adequada NEURÔNIOS Divisão Anatômica

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

SINAIS OCULARES de MEDICINA GERAL(SISTEMICOS) / SINAIS OCULARES LOCAIS

SINAIS OCULARES de MEDICINA GERAL(SISTEMICOS) / SINAIS OCULARES LOCAIS SINAIS OCULARES de MEDICINA GERAL(SISTEMICOS) / SINAIS OCULARES LOCAIS SEMIOLOGIA DOS OLHOS. Sinais e sintomas: Pupilares. Aparelho neuromuscular dos olhos. Fundo de olho. Manifestações: a) cardiovasculares

Leia mais

01/03/2013. O Homúnculo de Penfield. Sistema Nervoso. Desenvolvimento embriológico do SN. Neurulação (início da 4ª semana) = formação do tubo neural

01/03/2013. O Homúnculo de Penfield. Sistema Nervoso. Desenvolvimento embriológico do SN. Neurulação (início da 4ª semana) = formação do tubo neural O Homúnculo de Penfield Sistema Nervoso Desenvolvimento embriológico do SN Neurulação (início da 4ª semana) = formação do tubo neural 1 Fechamento dos neuróporos 2 Importância do fechamento do tubo neural

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Otite externa

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Otite externa PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Otite externa Fabrieli Tatiane Lusa 1 e Rodrigo Vieira do Amaral 2 1 Médica Veterinária, pós-graduanda em Clínica Médica e Cirúrgica de Pequenos

Leia mais

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES Dr. Marcio R. Studart da Fonseca Cirurgia de Cabeça e Pescoço-HUWC/UFC Sistema Salivar 3 pares de Glândulas Salivares Maiores Parótidas Submandibulares Sublinguais Centenas de Glândulas Salivares Menores

Leia mais

NEUROLOGIA. Profa Vanessa C Costa da Silva

NEUROLOGIA. Profa Vanessa C Costa da Silva NEUROLOGIA Profa Vanessa C Costa da Silva CONTEÚDO: SNC Sistema piramidal Sistema extrapiramidal SNP Paralisia facial Esclerose lateral amiotrófica Distrofia muscular Síndrome de Brown-Sequard Lesão medular

Leia mais

Etiologia. Infecciosa Auto-imune Traumática. DCP / APN Dulce Cabelho Passarelli / André Passarelli Neto. Tratamento. Depende: Origem Diagnóstico

Etiologia. Infecciosa Auto-imune Traumática. DCP / APN Dulce Cabelho Passarelli / André Passarelli Neto. Tratamento. Depende: Origem Diagnóstico Infecciosa Auto-imune Traumática Evidência Clínica Inicialmente, vesículas ou bolhas, na pele ou mucosa, podendo ocorrer concomitantemente nessas regiões. Dulce Cabelho Passarelli / André Passarelli Neto

Leia mais

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula Introdução O corpo humano é coordenado por dois sistemas: o nervoso e o endócrino. O sistema nervoso é o que coordena, por meio da ação dos neurônios, as respostas fisiológicas, como a ação dos músculos

Leia mais

Graças a ele, podemos perceber melhor o mundo e nosso corpo.

Graças a ele, podemos perceber melhor o mundo e nosso corpo. Graças a ele, podemos perceber melhor o mundo e nosso corpo. Assim, além de boas sensações, podemos escapar de problemas sérios, como evitar a ingestão de um alimento estragado, ao sentir o cheiro e gosto

Leia mais

Introdução. Herpesvírus felino

Introdução. Herpesvírus felino Infecções de vias respiratórias em gatos herpesvirose e calicivirose Prof. Msc. Alexandre G. T. Daniel Universidade Metodista de São Paulo H.V. Santa Inês São Paulo SP Consultoria e atendimento especializado

Leia mais

NEURORRADIOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS

NEURORRADIOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS NEURORRADIOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS Arnolfo de Carvalho Neto (arnolfo@ufpr.br) É importante lembrar que os métodos de imagem estudam a anatomia e, por isto, são melhores para investigar as doenças que alteram

Leia mais

Desenvolvimento do SISTEMA NERVOSO

Desenvolvimento do SISTEMA NERVOSO Desenvolvimento do SISTEMA NERVOSO INTRODUÇÃO divisões do sistema nervoso DIVISÕES DO SISTEMA NEVOSO Sistema Nervoso Central (SNC): DERIVADO DO TUBO NEURAL consiste em encéfalo e medula espinhal Sistema

Leia mais

TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) - REVISÃO DE LITERATURA TRANSMISSIBLE VENERAL TUMOR (TVT) REVIEW

TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) - REVISÃO DE LITERATURA TRANSMISSIBLE VENERAL TUMOR (TVT) REVIEW TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL (TVT) - REVISÃO DE LITERATURA TRANSMISSIBLE VENERAL TUMOR (TVT) REVIEW SANTOS, Mariana Soares Pereira dos Acadêmica do curso de Medicina Veterinária da Faculdade de Medicina

Leia mais

Solução para Limpeza de Ouvido em Cães Prevenção de Otites em Animais

Solução para Limpeza de Ouvido em Cães Prevenção de Otites em Animais versão 2014 Solução para Limpeza de Ouvido em Cães Prevenção de Otites em Animais >>01 Índice 03........... Solução para Limpeza de Ouvido em Cães 03............................... A Orelha do Cão 04.................................

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

Coordenação do Organismo

Coordenação do Organismo Sistema Nervoso Coordenação do Organismo Sistema Nervoso Sistema responsável pela transmissão de estímulos de uma zona do corpo para outra. Sistema Hormonal Sistema responsável pela síntese de substâncias

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL. Ataxias. Acd. Flora Paz. w w w. s c n s. c o m.

FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL. Ataxias. Acd. Flora Paz. w w w. s c n s. c o m. FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Ataxias Acd. Flora Paz w w w. s c n s. c o m. b r Caso clínico Paciente F.C.S, 50 anos, sexo masculino, etilista crônico

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006

ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006 ANATOMIA E FISIOLOGIA OCULAR MARIA DE JESUS CLARA 2005/2006 PÁLPEBRAS - 1 Pálpebras Formações musculomembranosas -finas -móveis -adaptadas à parte anterior dos olhos Função protecção contra agressões externas,

Leia mais

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um

podem desenvolver-se até atingirem um tamanho considerável antes dos sintomas se manifestarem. Por outro lado, em outras partes do cérebro, mesmo um Um tumor é uma massa anormal em qualquer parte do corpo. Ainda que tecnicamente ele possa ser um foco de infecção (um abcesso) ou de inflamação; o termo habitualmente significa um novo crescimento anormal

Leia mais

Sistema Vestíbulo-Coclear. Matheus Lordelo Camila Paula Graduandos em Medicina pela EBMSP

Sistema Vestíbulo-Coclear. Matheus Lordelo Camila Paula Graduandos em Medicina pela EBMSP Sistema Vestíbulo-Coclear Matheus Lordelo Camila Paula Graduandos em Medicina pela EBMSP Salvador BA 27 de março de 2012 Componentes Orelha Externa Pavilhão Auditivo Meato Acústico Externo até a membrana

Leia mais

Pâncreas: Vascularização e Inervação

Pâncreas: Vascularização e Inervação Universidade de Rio Verde UniRV Faculdade de Medicina de Rio Verde Famerv Liga de Acadêmica de Anatomia Humana - LiAAna Pâncreas: Vascularização e Inervação Ligantes: Janayna Matumoto Mota Thiago Huei

Leia mais

Audição. Audição. Audição e equilíbrio. Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo.

Audição. Audição. Audição e equilíbrio. Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo. Sistema auditivo Audição Audição Audição e equilíbrio Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo. Possui glândulas sebáceas e glândulas sudoríparas apócrinas modificadas glândulas

Leia mais

Boletim Informativo 1-2007

Boletim Informativo 1-2007 PEETT IMAGEEM I DIAGNÓSSTTI ICOSS VEETTEERRI INÁRRI IOSS O AANNO DDEE 22000077 Aos Amigos do PET IMAGEM DIAGNÓSTICOS VETERINÁRIOS 2006 vai deixar muitas saudades... Não esqueceremos dos novos amigos, que

Leia mais

Ano VII Número 12 Janeiro de 2009 Periódicos Semestral OTITE EXTERNA

Ano VII Número 12 Janeiro de 2009 Periódicos Semestral OTITE EXTERNA OTITE EXTERNA LINZMEIER, Geise Lissiane ENDO, Rosilaine Mieko ge_linzmeier@hotmail.com Acadêmicas da Faculdade de Medicina Veterinária e zootecnia da FAMED LOT, Rômulo Francis Estangari e-mail: romulovet@yahoo.com.br

Leia mais

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO) Roberto Sergio Martins A síndrome do túnel do carpo (STC) é a neuropatia de origem compressiva mais frequente, incidindo em cerca de 1%

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS PROGRAMA DE ENSINO Curso: Nutrição (04) Ano: 2013 Semestre: 1 Período: 1 Disciplina: Anatomia Humana (Human Anatomy) Carga Horária Total: 90 Teórica: 60 Atividade Prática: 30 Prática Pedagógica: 0 Aulas Compl. Tutorial:

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso Funções: Coordena o funcionamento dos outros sistemas. Controla os movimentos (voluntários e involuntários). É responsável pela recepção de estímulos externos e pela resposta

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais.

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. Histologia Animal - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. - Tecidos: Grupamento de células harmonizadas e diferenciadas que realizam uma determinada função. - Principais

Leia mais

Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR

Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR Orelha Interna -Sistema Vestibular Movimentos rotacionais (aceleração angular) As células sensoriais são ciliadas mas são estimuladas

Leia mais

4º par craneano - nervo troclear

4º par craneano - nervo troclear 4º par craneano - nervo troclear O 4º par craneano é responsável pela inervação do músculo oblíquo superior, tendo este como principal acção a infraducção do olho, principalmente quando este se encontra

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA O DOENTE PORQUE É IMPORTANTE A HIGIENE PALPEBRAL EM CASO DE DISFUNÇÃO DAS GLÂNDULAS DE MEIBOMIUS?

INFORMAÇÃO PARA O DOENTE PORQUE É IMPORTANTE A HIGIENE PALPEBRAL EM CASO DE DISFUNÇÃO DAS GLÂNDULAS DE MEIBOMIUS? INFORMAÇÃO PARA O DOENTE PORQUE É IMPORTANTE A HIGIENE PALPEBRAL EM CASO DE DISFUNÇÃO DAS GLÂNDULAS DE MEIBOMIUS? ÍNDICE PERGUNTAS E RESPOSTAS O QUE É A DGM?...3 O QUE SÃO AS LÁGRIMAS?.....................................................................................4

Leia mais

DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS

DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS Curso: Graduação em Odontologia 4º e 5º Períodos Disciplina: Patologia Oral DOENÇAS AUTO-IMUNES MUCOCUTÂNEAS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 DOENÇAS AUTO-IMUNES

Leia mais

Agentes Virais de Cães e Gatos

Agentes Virais de Cães e Gatos V e t e r i n a r i a n D o c s Agentes Virais de Cães e Gatos Cinomose -Etiologia: vírus da família Paramyxoviridae, subfamília Paramyxovirinae e gênero Morbilivirus; -Características: -Vírus grande;

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LUCIANE CAMILA HISCHING 1, FABIOLA DALMOLIN 2, JOELMA LUCIOLI 3, THIAGO NEVES BATISTA 3, JOSÉ EDUARDO BASILIO DE OLIVEIRA GNEIDING 3. 1 Discente Medicina

Leia mais

Síndromes Neurológicos

Síndromes Neurológicos Síndromes Neurológicos Neurologia - FEPAR Neurofepar Dr. Roberto Caron O Monstro Neurológico... Os 4 Passos do Diagnós?co Neurológico Elicitação dos fatos clínicos Anamnese Exame Clínico Diagnóstico Síndrômico

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

FATORES PREDISPONENTES À OTITE EXTERNA EM CÃES ATENDIDOS NA CLÍNICA ESCOLA VETERINÁRIA (CEVET) DO DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA, DA UNICENTRO.

FATORES PREDISPONENTES À OTITE EXTERNA EM CÃES ATENDIDOS NA CLÍNICA ESCOLA VETERINÁRIA (CEVET) DO DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA, DA UNICENTRO. FATORES PREDISPONENTES À OTITE EXTERNA EM CÃES ATENDIDOS NA CLÍNICA ESCOLA VETERINÁRIA (CEVET) DO DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA, DA UNICENTRO. Jyan Lucas Benevenute (PAIC- Fundação Araucária/UNICENTRO),

Leia mais

Mapeamento do córtex motor

Mapeamento do córtex motor Motricidade Mapeamento do córtex motor 1. Principal região controladora para início dos movimentos voluntários: Área motora primária- Giro pré-central 2.Área somatossensorial primária (giro pós central)

Leia mais

GLIOMA CEREBELAR E A CONTRIBUIÇÃO DA NEURORREABILITAÇÃO: RELATO DE CASO

GLIOMA CEREBELAR E A CONTRIBUIÇÃO DA NEURORREABILITAÇÃO: RELATO DE CASO NEURORREABILITAÇÃO: RELATO DE CASO ( Introdução Os tumores do sistema central (SNC) são responsáveis por 1,5% dos cânceres, e por 2,4% de suas mortes. Os tumores localizados no ângulopontocerebelar (APC)

Leia mais