UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA INSTITUTO DE SAÚDE COLETIVA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA: CONCENTRAÇÃO EM GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA INSTITUTO DE SAÚDE COLETIVA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA: CONCENTRAÇÃO EM GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA INSTITUTO DE SAÚDE COLETIVA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA: CONCENTRAÇÃO EM GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA MARIANA NASCIMENTO DE CARVALHO A importância da Triagem Auditiva Neonatal na Unidade Básica de Saúde Salvador 2014

2 MARIANA NASCIMENTO DE CARVALHO A importância da Triagem Auditiva Neonatal na Atenção Básica Trabalho de Conclusão de Curso apresentado no Programa de Pós-Graduação do Instituto de Saúde Coletiva DA Universidade Federal da Bahia ISC/UFBA, no Curso de Especialização em Saúde Coletiva: concentração em Gestão da atenção Básica,como requisito para obtenção do título de especialista em Saúde Coletiva. Área de concentração: Gestão da Atenção Básica. Orientador: Yara Oyram Linha de pesquisa: Acadêmica Salvador 2014

3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS METODOLOGIA RESULTADOS DISCUSSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIASBIBLIOGRÁFICAS...18 ANEXO

4 1. INTRODUÇÃO O SUS tem como função realizar ações de promoção de saúde, vigilância em saúde, controle de vetores e educação sanitária, além de assegurar a continuidade do cuidado nos níveis primário, ambulatorial especializado e hospitalar (Paim et al, 2011). De acordo com este autor, o desenvolvimento da atenção primária ou atenção básica (AB), como é chamada no Brasil tem recebido muito destaque no SUS. Impulsionada pelo processo de descentralização e apoiada por programas inovadores, a atenção básica tem o objetivo de oferecer acesso universal e serviços abrangentes, coordenar e expandir a cobertura para níveis mais complexos de cuidado, a exemplo da assistência especializada e hospitalar, bem como da implementação de ações intersetoriais de promoção de saúde e prevenção de doenças. A atenção básica caracteriza-se por ações individuais e coletivas de promoção e proteção à saúde, de prevenção de doenças, de diagnóstico, de tratamento, de reabilitação e de manutenção da saúde. Estas ações constituem fases da assistência à saúde e são desenvolvidas com enfoque multiprofissional, por meio de atribuições privativas ou compartilhadas entre os integrantes da equipe de saúde. Segundo Andrade e colaboradores (2013), o Sistema Único de Saúde tem investido na expansão e qualificação da Atenção Básica como prioridade político-organizacional. As práticas de cuidado em saúde no nível da AB constituem um dos desafios do sistema, considerando a necessidade de tecnologias próprias que atendam os atributos de eficácia e efetividade no sentido de fazer mais e melhor. O Sistema Único de Saúde é integrado por uma rede regionalizada de ações e serviços, que visa a redução de doenças e o acesso universal e igualitário da população. Tem como prioridade as ações preventivas, garantindo a participação da comunidade nas decisões e garantindo igualmente a gratuidade dos serviços. Para o fortalecimento das políticas públicas de saúde auditiva, proposta em 2004, os profissionais envolvidos no atendimento do deficiente auditivo em todo o país devem conhecer os preceitos, as características administrativas e sua repercussão em um contexto mais amplo do Sistema Único de Saúde (GARBIN, 1995).

5 A Organização Mundial de Saúde (2000) relata que há mais de 120 milhões de pessoas no mundo com perda auditiva, sendo que 8,7 milhões dessas têm entre 0 e 19 anos, ou seja, uma grande parte das crianças nascem ou adquirem uma perda auditiva antes de chegar à vida adulta. Por esse motivo, faz-se necessário o diagnóstico precoce da deficiência auditiva, pois quando diagnosticada tardiamente acarreta para criança atrasos na sua vida social, familiar, escolar e em seu desenvolvimento linguístico, cognitivo e psicológico. Desta forma, é importante que hospitais, maternidades e Unidades Básicas de Saúde insiram em sua prática clínica a triagem auditiva neonatal universal (TANU) que tem por objetivo diagnosticar a perda auditiva que acomete o recém-nascido no período, prénatal, perinatal e pós-natal. A avaliação auditiva do neonato é realizada através das Emissões Otoacústicas (EOA) e o Potencial Evocado Auditivo do Tronco Encefálico (PEATE), que são exames eletrofisiológicos que dão o parecer sobre a integridade de vários níveis do sistema auditivo, estas técnicas são testes objetivos de maior especificidade e sensibilidade para detectar possíveis alterações audiológicas, em recém-nascidos e crianças pequenas (RUSSO, 1994). A perda auditiva em bebês se for diagnosticada ao nascimento e ocorrer a intervenção de uma equipe multidisciplinar composta por médicos, fonoaudiólogos, assistentes sociais, psicólogos e entre outros, até os seis meses as mesmas podem apresentar um desenvolvimento muito próximo ao de uma criança ouvinte. Com vista à importância e necessidade de que a deficiência auditiva seja diagnosticada o quanto antes, para que sejam minimizados os seus prejuízos na vida de uma criança, torna-se imprescindível a implantação de Programas de Triagem Auditiva Neonatal. A motivação para realizar este trabalho surdiu após a percepção em estudar e divulgar a atuação fonoaudiológica no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), pois a mesma vem crescendo nos últimos anos por todo o Brasil. Como as vantagens do diagnóstico precoce de uma perda auditiva são imensas, através da Triagem Auditiva Neonatal, e essa prevenção pode ocorrer, porque o Brasil possui quase 35 mil fonoaudiólogos, muitos deles inseridos no Sistema Único de Saúde ou em

6 outros locais que podem oferecer esse tipo de atendimento. Portanto, melhorar a qualidade vida é o principal objetivo de qualquer cuidado com a saúde, através do direcionamento da quantidade e qualidade das medidas e serviços preventivos que, graças a procedimentos globais e específicos, permitam que as pessoas estejam menos expostas às doenças e melhor capacidade para resisti-las (ANDRADE, 2006). 2. OBJETIVO GERAL Básica de Saúde. Discutir a importância do Programa de Saúde Auditiva Neonatal na Unidade 2.1OBJETIVO ESPECÍFICO: Identificar na literatura os benefícios para a saúde auditiva das crianças com a implantação da Triagem Auditiva Neonatal na Atenção Básica

7 3. METODOLOGIA Este presente estudo refere-se a uma revisão na literatura sobre a Triagem Auditiva Neonatal na Atenção Básica, com abordagem qualitativa, tipo descritivo na qual foram analisados artigos do seguinte site de busca, o Google Acadêmico. Para execução da pesquisa foram utilizados os seguintes descritores: Triagem Auditiva Neonatal e Atenção Básica. O período para a seleção de artigos ocorreu de novembro 2013 a março 2014, durante o levantamento obteve-se 122 artigos, contudo, apenas 25 corresponderam ao objetivo da pesquisa (ANEXO I). Obteve-se o melhor aproveitamento dos artigos que fazem referência a triagem auditiva e atenção básica, os que referem a triagem auditiva em escolares e reabilitação auditiva foram descartados por não responder o objetivo estabelecido. Este estudo buscou fazer uma revisão sobre o papel da triagem auditiva neonatal no diagnóstico precoce dos problemas auditivos na infância. Ressaltamos, que é fundamental que os profissionais do Sistema Único de Saúde reconheçam a importância da realização da triagem auditiva, pois exercem influência significativa na vida do usuário. A presente pesquisa não foi submetida ao Comitê de Ética e Pesquisa (CEP) do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (ISC/UFA) em função de se tratar apenas de uma revisão de literatura, onde não envolve pesquisa com seres humanos e não viola a resolução n.196/96 do conselho Nacional de Saúde que estabelece os princípios referenciais da bioética.

8 4. RESULTADOS O Brasil é considerado um país em desenvolvimento, por apresentar problemas como: desigualdade na distribuição de rendas e difícil acesso na qualidade de serviços prestados nas áreas de educação e saúde. Os determinantes e as responsabilidades com a saúde são explicitados a partir de quatro dimensões: As condições, situações e estilos de vida; a situação ambiental; o desenvolvimento da biologia e a organização da assistência a saúde (LIMA et.al, 2008). Existe a convicção de que saúde não é apenas a ausência de doença, mas sim boas condições biológicas, ecológicas, ambientais, emocionais, políticas, econômicas, sociais, e culturais. Levando em consideração a importância da saúde auditiva, hoje existe um consenso em que se destaca a importância da realização da triagem auditiva em todos os bebês (LIMA et.al, 2008). A Audição é um dos sentidos mais importantes do ser humano. Com ela, pode-se saber as condições climáticas, de alerta, e de prazer do meio ambiente, mesmo de olhos fechados. É ainda devido a audição que os humanos habitualmente se comunicam verbalmente. Toda cultura humana baseia-se em comunicação, sendo a maior dela feita por padrões sonoros (IORIO, 2004). Segundo Lewis (1996), a audição é um dos sentidos que traz informações importantes para o desenvolvimento humano, principalmente nos aspectos lingüísticos e psicossociais. As implicações decorrentes de uma perda auditiva são várias, ressaltandose aquelas que se referem à comunicação. Para que o desenvolvimento da linguagem falada aconteça, a audição é muito importante. Primeiramente o ser humano deve ser capaz de receber, reconhecer, identificar, discriminar e manipular as características e processos do mundo sonoro que nos cerca. Para que isso seja possível, a integridade do sistema auditivo periférico e central é fundamental, uma vez que será por meio da audição que nos manteremos informados sobre tudo que esta acontecendo ao nosso redor (AITA et al, 2002).As autoras Kaminski, Tochetto e Mota (2006) confirmam que a função auditiva é

9 considerada peça fundamental do complexo sistema de comunicação do ser humano. A integridade e o funcionamento adequado dos órgãos responsáveis pela audição são prérequisitos para garantir a aquisição da linguagem. O desenvolvimento da linguagem depende do funcionamento normal dos processos auditivos para receber e transmitir, perceber, relembrar os sons e integrar as experiências. De acordo com Pereira (2004), a percepção e a produção da fala são eventos relacionados. A habilidade para produzir fala inteligível depende, em grande parte, das habilidades para processar os paradigmas de espectro acústico e da prosódia da fala do locutor. A partir da implantação da Politica Pública de Atenção a Saúde Auditiva, em 2004, muitos avanços foram conquistados, com o intuito de beneficiar a população. A avaliação dos serviços de saúde auditiva vem como forma de acrescentar melhorias a esta política, a partir da otimização da verba pública para um atendimento de qualidade para um maior número de indivíduos (BEVILACQUA et.al, 2009). A avaliação das ações de saúde vem se destacando entre as iniciativas de planejamento e gestão das práticas deste setor, a fim de fornecer informações relevantes para o processo de tomada de decisões, baseado em evidências, e pode enfocar a avaliação de programas, de serviços e de tecnologias. A avaliação de programas de saúde, tem como foco de análises os programas, ou seja, práticas com macro objetivo voltadas para populações específicas, como o programa da triagem auditiva neonatal (BEVILACQUA et.al, 2009). Os objetivos da triagem auditiva para as autoras Aita e colaboradores (2002), além da detecção de alterações auditivas, visam à necessidade de se desenvolver guias e critérios para os testes utilizados na avaliação dos bebês quando esses deixarem o hospital, incluindo referências sobre as avaliações auditivas e os serviços realizados, identificar as necessidades reais de cada população quanto às questões de saúde e de prevenção desta, desenvolver materiais educativos para serem distribuídos a médicos, à comunidade e aos familiares, estabelecer sistemas apropriados para assegurar a qualidade do programa e o seguimento das famílias após a alta hospitalar.

10 O serviço de Fonoaudiologia vem apresentando avanços significativos no Sistema Único de Saúde. Desde sua inserção no SUS, entre as décadas de 70 e 80, muitos conceitos e práticas têm sido reavaliados. No entanto, é preciso que se tenha conhecimento desta caminhada para que seja possível fazê-la avançar cada vez mais, acredita-se que este serviço merece importante atenção das ações de saúde pública (MOREIRA, MOTA, 2009). A realização da triagem auditiva é possível em ambientes como as Unidades Básicas de Saúde (UBS), no berçário comum, no alojamento conjunto ou na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), sendo esta realizada na ocasião do teste do pezinho, no qual o vérnix do meato acústico externo do neonato já teria sido absorvido, reduzindo assim o número de falso positivo (AZEVEDO, 2004). Costa Filho e Lewis (2002) ressaltam ainda que, atualmente os programas de triagem auditiva neonatal têm sido idealizados, desenhados e implementados por médicos otorrinolaringologistas e fonoaudiólogos, na maioria dos serviços e, em alguns casos, por médicos pediatras ou neonatologistas. No entanto, é de grande importância que os programas de triagem auditiva neonatal possam contar com a colaboração de equipes multidisciplinares, ou seja, pelas equipes de pediatria e neonatologia, principalmente pela obstetrícia, enfermagem, serviço social e setores de neurologia, otorrinolaringologia e principalmente fonoaudiologia, quando esses serviços estiverem disponíveis no hospital. O setor administrativo, e principalmente os atendentes, recepcionistas e auxiliares deverão conhecer e apoiar o programa de triagem auditiva neonatal. Seminários e reuniões podem ser necessários para que uma atualização seja oferecida a esses profissionais. Ribeiro e Mitre (2004) relatam que é importante realizar um trabalho de conscientização das mães sobre a importância do diagnóstico precoce da perda auditiva e esse trabalho deve ser feito antes do nascimento do bebê. A mãe precisa ter consciência que no caso de uma perda auditiva, a intervenção precoce irá proporcionar a chance da criança se desenvolver o mais próximo do normal. A média de idade para a detecção de perdas auditivas na infância tem sido de 14 meses. No Brasil, essa média se da por volta do

11 terceiro ano de vida, ambas as idades consideradas tardias para o desenvolvimento da criança. Através deste estudo observamos que o diagnóstico da perda auditiva na criança deve se rprecoce, através do programa de triagem auditiva neonatal. Os casos suspeitos devem ser encaminhados pelos diversos profissionais da saúde para avaliação especializada, para evitar sequelas (VIEIRA, 2007). 5. DISCUSSÃO Quanto antes uma deficiência auditiva for identificada e diagnosticada, medidas adequadas podem ser tomadas para que as dificuldades sejam minimizadas e, em alguns casos, até totalmente eliminadas. Assim sendo, tem-se como objetivo o diagnóstico precoce da deficiência auditiva, visando o tratamento médico e a intervenção fonoaudiológica, sempre que necessário e o mais rápido possível, sendo esta afirmação ainda mais importante quando se refere à criança (LEWIS, 1996). Para Northen e Downs (2005), a triagem é o processo de aplicar testes, exames ou outros procedimentos rápidos e simples a um número geralmente grande de indivíduos, dos quais serão identificados aqueles que possuam alta probabilidade de um distúrbio e aqueles que provavelmente não têm distúrbio. Por não ter a pretensão de ser um procedimento diagnóstico, a triagem simplesmente avalia grandes populações de pessoas tipicamente assintomáticas sem diagnóstico, para identificar aquelas com suspeita de serem portadoras do distúrbio e que exigem procedimentos diagnósticos mais elaborados. A triagem auditiva tem por objetivo a identificação precoce da perda auditiva, possibilitando a intervenção fonoaudiológica imediata (AZEVEDO, 2004). Para Basseto (1998) o sucesso de um programa de triagem depende da eficácia das medidas adotadas para a identificação do suspeito, portanto, a escolha do procedimento mais adequado é fundamental. Atualmente as técnicas mais empregadas são: as

12 emissões otoacústicas (EOAE), o potencial evocado auditivo de tronco cerebral (PEATC) e a audiometria de observação comportamental. Entre os métodos mais indicados para a realização da triagem auditiva neonatal está o registro das Emissões Otoacústicas (EOA), um exame rápido, não invasivo e com resultados confiáveis (Joint Committee on Infant Hearing, 2000).As emissões otoacústicas foram observadas por Kemp (1978) que as definiu como uma liberação de energia sonora produzida na cóclea que se propaga pela orelha média até o meato acústico externo. Segundo Lonsbury Martin (2001) as emissões otoacústicas têm várias aplicações clínicas na avaliação de recém-nascidos, bebês e crianças. Os tipos de emissões otoacústicas utilizados extensivamente para propósitos clínicos são as emissões otoacústicas evocadas por click e as emissões por produto de distorção. As emissões otoacústicas evocadas transientes (EOAT) são aquelas que ocorrem em resposta a um estímulo sonoro bem breve, geralmente click, que é muito estimulante para a membrana basilar, porém é desprovido de seletividade de frequência. Estão presentes em todos os indivíduos com audição normal, desta forma, sendo muito utilizado em procedimentos de triagem auditiva neonatal (MUNHOZ, 2000). É por esse motivo que as ações que visam à identificação das perdas auditivas em recém-nascidos devem ter início no nascimento. Atualmente, preconiza-se a implementação de programas de triagem auditiva universal, ou seja, em todos recémnascidos, e não somente naqueles de maior risco para a deficiência auditiva (COSTA FILHO, LEWIS, 2003). Para Barreira e colaboradores (2007), a implantação e a discussão de programas de triagem auditiva neonatal têm sido temas constantes de preocupação entre audiologistas e pediatras. A audição é fundamental para o desenvolvimento da fala e linguagem. Os estudos dos últimos anos vêm comprovando que a detecção e a intervenção precoces das alterações na audição garantem à criança o desenvolvimento da compreensão e da expressão da linguagem, comparáveis com as crianças ouvintes da mesma faixa etária.

13 No Brasil, o Ministério da Saúde, instituiu em 2004, por meio da portaria GMMS nº a Política Nacional de Atenção a Saúde Auditiva, esta portaria promove uma organização das ações direcionadas a atenção básica e estruturando os serviços de média e alta complexidade (DANIELI et al, 2011). Os mesmos autores, referem que a constituição destas redes possibilitou um grande avanço no aprimoramento das ações de Saúde Auditiva do Sistema único de Saúde, na medida em que propôs uma organização, de uma rede hierarquizada, regionalizada e integrada, aos diversos serviços de saúde contemplando ações de promoção e proteção a saúde. Segundo Campos e colaboradores (2012) no SUS o cuidado com a saúde está ordenado em níveis de atenção (básica, média e de alta complexidade), essa estruturação visa a melhor programação e planejamento das ações e serviços do sistema. Não se deve, porém, considerar um desses níveis de atenção mais relevante que outro, porque a atenção à Saúde deve ser integral. A prioridade para todos os munícipes é ter a atenção básica operando em condições plenas e com eficácia, visto que a Atenção Básica considera o sujeito em sua singularidade e inserção sócio-cultural. Buscando produzir a atenção integral, o Fonoaudiólogo poderá desenvolver suas atividades nos campos da promoção, prevenção e proteção da saúde, bem como na redução de agravos. De acordo com os mesmos autores citados acima, a inserção do Fonoaudiólogo na APS objetiva contemplar os três níveis de Atenção à Saúde, conforme preconizado pelo SUS, o que significa promover a prevenção, promoção, proteção e recuperação da saúde nas diferentes fases da vida. A adoção dessas concepções de saúde traz à cena a necessidade tanto de uma visão holística de homem como de um sistema integrado, superando a visão curativa, biológica e reducionista do indivíduo. As diretrizes do SUS apontam para a importância de uma atenção universal, equânime e integral à saúde, organizada por meio da descentralização, regionalização e hierarquização dos serviços, de forma que sejam acessíveis a todos os cidadãos, resolutivos e contem com a participação social (BRASIL, 1990) A atenção primária à saúde, segundo Befi (1997) e Sampaio (1997) tem uma capacidade resolutiva de 85% a 90% dos problemas da população, sendo a chave para que seja

14 alcançada a saúde para todos. As Unidades Básicas e os Centros de Saúde, responsáveis pela APS, devem solucionar os problemas de menor dificuldade técnica, diagnóstica e terapêutica. Caso seja necessário, será realizado um encaminhamento aos demais níveis: Atenção Secundária à Saúde (Clínicas e/ou Ambulatórios de Especialidades) e AtençãoTerciária à Saúde (Rede Hospitalar de Referência). Como o atendimento está próximo ao indivíduo e à sua família, os profissionais podem eleger suas estratégias a partir das necessidades daquela região. Oliveira, Pedrozo e Macedo (1997) consideram a triagem como um momento próprio para esclarecer o paciente sobre o funcionamento da instituição e para levantar uma hipótese-diagnóstica. A Triagem Audtiva Neonatal é um procedimento utilizado para detectar precocemente as perdas auditivas. Quanto antes uma perda auditiva for diagnosticada haverá melhores resultados para a intervenção imediata da criança; pois se a educação auditiva por meio de prótese tiver início antes dos seis meses de idade, haverá maior aproveitamento das capacidades auditivas e menor atraso de linguagem (MAZZA, CAMARGO, PINTO, 2007). A importância da Triagem Auditiva Neonatal na Atenção Básica, de acordo com Andrade (2006) é de grande significado na saúde da população infantil, pois através da prevenção das doenças da comunicação conduz, diretamente, à melhoria da mais significativa das características humanas. Melhorar a qualidade vida é o principal objetivo de qualquer cuidado com a saúde, através do direcionamento da quantidade e qualidade das medidas e serviços preventivos que, graças a procedimentos globais e específicos, permitam que as pessoas estejam menos expostas às doenças e melhor capacidade para resisti-las (ANDRADE, 2006).

15 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Pesquisas realizadas vêm comprovando a importância da atuação na prevenção, detecção e atendimento precoce; as crianças atendidas em programas de intervenção precoce necessitam de menor assistência no futuro. Desta forma, o presente estudo visa conscientizar e expandir conhecimento sobre os benefícios da realização de um programa de Triagem Auditiva Neonatal na Atenção Básica para o desenvolvimento das crianças submetidas ao mesmo. Este trabalho também tem o interesse de subsidiar informações a cerca do conceito comunicação humana, tida como importante, mas não essencial, para o reconhecimento amplo de funcionalmente crítica e determinante do bem-estar, da saúde geral, do desenvolvimento pessoal e de toda sociedade, sem privilégio e poder de poucos, como preconiza uma das diretrizes do Sistema Único de Saúde. Por meio deste estudo, observamos que seria relevante a elaboração de outras pesquisas a fim de contribuir com as leis relacionadas a Política Pública de Saúde Auditiva, na Atenção Básica, pois esta seria uma forma de aumentar a consciência coletiva quanto a prevenção da perda auditiva. Percebemos avanços no movimento da reforma sanitária brasileira, porém são relevantes os percalços e as dificuldades no que se refere as melhores condições de saúde e de trabalho em saúde no Brasil. Desta forma, é necessário realizar um levantamento do que está sendo feito em termos de prevenção a perda auditiva, e é preciso tomar providências para adequar os serviços à realidade atual. Portanto, para isto requer maior número de fonoaudiólogos atuando na Saúde Pública, profissionais preparados para lidar com Saúde Pública e mais atenção do governo ao que se refere a Política Pública de Saúde Auditiva. Contudo concluímos que precisa-se investir em pesquisas e estudos nessa área afim de fundamentar a importância dessas ações na Atenção Básica.

16 7.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AITA, A. et al. Triagem auditiva de 0 a 2 anos: Uma proposta para unidades básicas de saúde. Revista Fonoaudiologia Brasil, São Paulo, dezembro, ANDRADE, C. Fonoaudiologia em Berçário Normal e de Risco. In: LEWIS, D. As habilidades auditivas do recém-nascido e a triagem auditiva neonatal. São Paulo: Editora Lovise, 1996, pg ANDRADE, C. Fases e Níveis de Prevenção em Fonoaudiologia Ações Coletivas e Individuais. São Paulo, AZEVEDO, M.F. Triagem auditiva neonatal. In: FERREIRA, L.P; BEFI-LOPES, D.M e LUMONGI, S.C.O.Tratado de Fonoaudiologia, São Paulo, Roca, BARREIRA-NIELSEN, C.; NETO, H. e GATTAZ, G. Processo de implantação de Programas de Saúde Auditiva em duas maternidades públicas. Revista Brasileira da Sociedade de Fonoaudiologia, São Paulo, v.12, p , março, BASSETO, M.CA. Triagem Auditiva em berçário. In: BASSETO, M.C.A; BROCK, R e WAJNSZTEIN, R. Neonatologia: Um Convite à AtuaçãoFonoaudiológica. São Paulo, Lovise, BEVILACQUA et.al. A avaliação de serviços em Audiologia: concepções e perspectiva. Revista Brasileira da Sociedade de Fonoaudiologia,São Paulo,2009, p BITTAR, M. L. - A construção da relação fonoaudiólogo - creche. In: BEFI, D. - Fonoaudiologia na atenção primária à saúde. São Paulo, Lovise,1997. p BRASIL, 1990 Lei Federal nº Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. CAMPOS, P.Ret.alAtuaçãoFonoaudiológica na atenção primária à saúde proposta para Prefeitura Municipal de Curitiba-PR,2012. CHAPCHAP, M. Potencial Evocado Auditivo de Tronco Cerebral e das Emissões Otoacústicas Evocadas em Unidade Neonatal. In: ANDRADE, C. Fonoaudiologia emberçário normal e de risco.sãopaulo,lovise, DANIELE et.al. Avaliação do nível de satisfação de usuários de aparelhos de amplificação sonora individuais dispensados pelo Sistema Único de Saúde. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, São Paulo, p , 2011.

17 FERNANDES, Jet.al.O atendimento de crianças deficientes auditivas: Da suspeita a reabilitação, um problema a ser refletido. Revista Fonoaudiologia Brasil, São Paulo, v.2, nº2, p.13-17, dezembro, FILHO, O e LEWIS, D. Surdez no recém-nascido. Tratado deotorrinolaringologia. São Paulo: Roca, 2003, pg GATANU[ acesso em: pais bebe.php] HERNANDEZ, A e MARCHESAN, I. Atuação Fonoaudiológica no Ambiente hospitalar. In: RIBEIRO, F. Programa de Triagem Auditiva Neonatal. Rio de Janeiro: Editora Revinter, 2001, pg JOINT COMMITTEE ON INFANT HAEARING (JCIH). Year 2000 Position Statement: Principles and Guidelines for Early Hearing Detection and Intervention Programs. Pediatrics 2000; 106:108. Disponível em http: jcih2000.pdf. Acesso em 29 novembro KAMINSKI, J; TOCHETTO, T e MOTA, H. Maturação da função auditiva e desenvolvimento de linguagem. Revista Brasileira da Sociedade defonoaudiologia, São Paulo, v.11, p.17-21, fevereiro, KEMP, D.T. Stimulated acoustic emissions from within the human auditory system LEWIS, D.R. Habilidades Auditivas do Recém-Nascido e a Triagem Auiditiva Neonatal. In: ANDRADE, C.R.F. Fonoaudiologia em Berçário Normal e derisco: São Paulo, Lovise, LONSBURY-MARTIN, B.L; MARTIN, G.K e TELISCHI, F.F. Emissões otoacústicas na prática clínica. In: MUSIEK, F.E; RINTELMANN, W.F. Perspectivas atuais em avaliação auditiva. São paulo: Manole, MACHADO, M.S; OLIVEIRA, T.M.T e COSER, P.L. Triagem auditiva neonatal universal:projeto piloto no Hospital Universitário de Santa Maria (RS)- Brasil. Pró- Fono Revista de Atualização Científica. Carapicuíba (SP), v. 14, n2, p , maio agosto, MARTINS, L e FERNANDES, L. Conhecimento das mães e da equipe multidisciplinar em relação à avaliação auditiva dos neonatos de uma maternidade de rede. Lauro de Freitas, MUNHOZ, M.S.L et.al. Audiologia Clínica. São Paulo: Atheneu, NORTHERN, J e DOWS, M. Audição na Infância, 5ª ed., Rio de Janeiro, Guanabara, p.359, 2005.

18 ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE[ acesso , em: http: PAIM, J. S. et al. O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios. The Lancet, London, v. 377, n. 9779, p , maio, Disponível em: <http://download.thelancet.com/flatcontentassets/pdfs/brazil/brazilpor1.pdf>. PEREIRA,L.D. Sistema Auditivo e desenvolvimento das habilidades auditivas. In: FERREIRA, L.P; BETI-LOPES, D.M e LUMONGII, S.C.O. Tratado de Fonoaudiologia, São Paulo, Roca, p.1706, RIBEIRO, F.G e MITRE, E.I. Avaliação do conhecimento sobre Triagem Auditiva Neonatal de Pacientes no Pós- Parto Imediato. Revista CEFAC. São Paulo, v.6, n.3, p , julho setembro, RUSSO, I e SANTOS, T. A audição e o desenvolvimento da linguagem. Audiologia Infantil. São Paulo: Cortez, 1994, pgs WERTZNER, H. F. - Ambulatórios de fonoaudiologia em unidade básica de saúde. In: BEFI, D. - Fonoaudiologia na atenção primária à saúde. São Paulo,Lovise, p

19 ANEXO

20 Base de Dados: Google Acadêmico Descritor: Triagem Auditiva Neonatal e Atenção Básica Data: Novembro 2013 a Março 2014 Quantidade encontrada: 122 Quantidade validada: 25 Matriz para organização dos textos da revisão de literatura

21 Ano Referencia (Fonte) Titulo Resumo script=sci_arttext&pid=s &lng=pt&n rm=iso n3/04.pdf Saúde auditiva neonatal Contribuições para análise da política de saúde auditiva no Brasil Criado em 2007, o COMUSA é um comitê multiprofissional que agrega áreas de estudo da Fonoaudiologia, Otologia, Otorrinolaringologia e Pediatria e tem como objetivo discutir e referendar ações voltadas à saúde auditiva de neonatos, lactentes, préescolares e escolares, adolescentes, adultos e idosos. Fazem parte do COMUSA representantes da Academia Brasileira de Audiologia (ABA), Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial (ABORL), Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (SBFa), Sociedade Brasileira de Otologia (SBO) e Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Objetivo: Realizar o levantamento do quantitativo dos procedimentos relacionados à adaptação de aparelho de amplificação sonora individual (AASI) incluídos na Tabela do Sistema Único de Saúde (Tabela SUS). Métodos: Os dados sobre os procedimentos relacionados à adaptação de AASI incluídos na tabela SUS foram levantados no site: Após o levantamento desses dados, foi realizada a organização e a análise descritiva da produção dos atendimentos ambulatoriais registrados pelos serviços de saúde auditiva do Brasil, durante o período de novembro de 2004 a julho de Os dados foram analisados estatisticamente. Resultados: Quanto aos procedimentos relacionados à dispensação de AASI no território nacional no âmbito da saúde auditiva, em 2006, a terapiafonoaudiológica ultrapassou o quantitativo obtido pela adaptação de AASI e, o acompanhamento fonoaudiológico, por sua vez, foi pouco realizado no país. Os AASI com tecnologias B e C vem sendo mais adaptados do que os AASI de tecnologia A e a realização de medida com microfone sonda ou acoplador de 2cc na

TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL OPCIONAL: RESULTADOS DE UMA MATERNIDADE EM MARINGÁ-PR

TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL OPCIONAL: RESULTADOS DE UMA MATERNIDADE EM MARINGÁ-PR TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL OPCIONAL: RESULTADOS DE UMA MATERNIDADE EM MARINGÁ-PR Autores: Ana Angelica Melo do Nascimento Fonoaudióloga,especialista em audiologia clínica. Título obtido pela Especialização

Leia mais

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Dispõe sobre a atuação fonoaudiológica na área hospitalar privada, pública e filantrópica e em atendimento domiciliar e dá outras providências O presente Parecer tem

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.303, DE 2 DE AGOSTO DE 2010. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização do exame denominado Emissões Otoacústicas Evocadas.

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS NO RESULTADO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL

INFLUÊNCIA DOS ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS NO RESULTADO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL INFLUÊNCIA DOS ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS NO RESULTADO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL CARNEIRO 1 Cláudia; CAVALVANTI 2 Hannalice; NETA 3 Ivanilde; SOUZA 4 Dayse Centro de Ciências da Saúde /Departamento de

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL EM MATERNIDADE NA CIDADE DE BARBALHA-CE

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL EM MATERNIDADE NA CIDADE DE BARBALHA-CE PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL EM MATERNIDADE NA CIDADE DE BARBALHA-CE Séfora Batista Almeida¹; Maria Auxiliadora Ferreira Brito² ¹Estudante do Curso de Medicina da Faculdade de Medicina

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS INDICADORES DE RISCO PARA A DEFICIÊNCIA AUDITIVA NUM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA PERDA AUDITIVA NO RECÉM NASCIDO

PREVALÊNCIA DOS INDICADORES DE RISCO PARA A DEFICIÊNCIA AUDITIVA NUM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA PERDA AUDITIVA NO RECÉM NASCIDO PREVALÊNCIA DOS INDICADORES DE RISCO PARA A DEFICIÊNCIA AUDITIVA NUM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA PERDA AUDITIVA NO RECÉM NASCIDO BURITI¹, Ana CARNEIRO², Cláudia CAVALVANTI³, Hannalice FERREIRA 4, Danilo OLIVEIRA

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Missão 03 Valores Institucionais 03 Escola Especial de Educação Básica 04 Clínica de Audição, Voz e Linguagem Prof. Dr. Mauro Spinelli

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PRIMEIRO ANO DE IMPLANTAÇÃO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL NO HULW-UFPB

AVALIAÇÃO DO PRIMEIRO ANO DE IMPLANTAÇÃO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL NO HULW-UFPB AVALIAÇÃO DO PRIMEIRO ANO DE IMPLANTAÇÃO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL NO HULW-UFPB ANTAS 1, Letícia CARNEIRO 2, Cláudia CAVALVANTI 3, Hannalice LIMA 4, Adriça MALHEIROS 5, Maria Centro de Ciências da Saúde

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAIS AASI- EM ADULTOS

PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAIS AASI- EM ADULTOS PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAIS AASI- EM ADULTOS 1 Introdução: Dentre as diversas áreas de atuação do profissional fonoaudiólogo, a audiologia compreende desde o

Leia mais

Triagem Auditiva Neonatal

Triagem Auditiva Neonatal Triagem Auditiva Neonatal (Revisado e aprovado pelo autor em 30/11/2010) Mauro Silva de Athayde Bohrer* Introdução A intensidade da fala situa-se entre 40 e 80 decibéis, sendo considerada perda auditiva

Leia mais

Grupo de Rastreio e Intervenção da Surdez Infantil GRISI Documento de Trabalho

Grupo de Rastreio e Intervenção da Surdez Infantil GRISI Documento de Trabalho Grupo de Rastreio e Intervenção da Surdez Infantil GRISI Documento de Trabalho PARTICIPANTES: Adelina Lopes Motta da Cruz Enfermeira Ana Sena Alvarenga Audiologista Eunice Soares - Pediatra Eusébio Gamez

Leia mais

Texto apresentado para consulta pública. PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE AASI EM ADULTOS (com adendo para idosos)

Texto apresentado para consulta pública. PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE AASI EM ADULTOS (com adendo para idosos) Fórum: AASI / Protocolo de Adaptação de AASI em Adultos Data: 15 de abril de 2012 EIA Bauru 10h30 as 12h00 Coordenadores: Maria Cecilia Bevilacqua, Thelma Costa, Sonia Bortoluzzi Convidados: Deborah Ferrari,

Leia mais

Relações entre handicap

Relações entre handicap Relações entre handicap auditivo, desempenho dos aparelhos de amplificação sonora individuais, benefício e satisfação em adultos atendidos por um programa de saúde auditiva credenciado ao SUS. Palavras

Leia mais

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos auditivos Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia Karlin Fabianne Klagenberg Fonoaudióloga Doutorado em Distúrbios

Leia mais

Programa de triagem auditiva neonatal:

Programa de triagem auditiva neonatal: Artigo Original Programa de triagem auditiva neonatal: resultados de um Hospital Universitário de Porto Alegre Newborn hearing screening program: Results from a University Hospital in Porto Alegre Mara

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA NOTA TÉCNICA 05 2007 POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA Versão preliminar Brasília, 20 de março de 2007. POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA 1. Antecedentes

Leia mais

ESPECTRO DA NEUROPATIA AUDITIVA Profa. Dra. Doris R. Lewis dorislewis@pucsp.br drlewis@uol.com.br

ESPECTRO DA NEUROPATIA AUDITIVA Profa. Dra. Doris R. Lewis dorislewis@pucsp.br drlewis@uol.com.br 4a. Conferência Latino Americana de Adaptação Pediátrica ESPECTRO DA NEUROPATIA AUDITIVA Profa. Dra. Doris R. Lewis dorislewis@pucsp.br drlewis@uol.com.br São Paulo 21 de Agosto de 2015 Definições Distúrbios

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

PARECER Nº, DE 2006. Em 1º de agosto de 2003, a CAS recebeu emenda à proposição, apresentada pela Senadora Lúcia Vânia.

PARECER Nº, DE 2006. Em 1º de agosto de 2003, a CAS recebeu emenda à proposição, apresentada pela Senadora Lúcia Vânia. PARECER Nº, DE 2006 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em caráter não-terminativo, sobre os Projetos de Leis do Senado n os 237 e 504, de 2003, e nº 80, de 2004; e sobre os Projetos de Leis da Câmara n os

Leia mais

Sound for a Young Generation Second Latin American Pediatric Conference

Sound for a Young Generation Second Latin American Pediatric Conference Sound for a Young Generation Second Latin American Pediatric Conference Foto criança Espectro da Neuropatia Auditiva Santiago - Chile 26-27 Novembro de 2010 Phonak Profa. Dra. Doris R. Lewis Pontifícia

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE - SES DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AMBULATORIAL - DAHA

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE - SES DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AMBULATORIAL - DAHA GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE - SES DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AMBULATORIAL - DAHA PLANO ESTADUAL DE PREVENÇÃO, TRATAMENTO E REABILITAÇÃO AUDITIVA 2005

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DANIELLY MEDEIROS SILVA IMPLANTAÇÃO DO TESTE DA ORELHINHA NO MUNICÍPIO DE QUATRO BARRAS PR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DANIELLY MEDEIROS SILVA IMPLANTAÇÃO DO TESTE DA ORELHINHA NO MUNICÍPIO DE QUATRO BARRAS PR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DANIELLY MEDEIROS SILVA IMPLANTAÇÃO DO TESTE DA ORELHINHA NO MUNICÍPIO DE QUATRO BARRAS PR Curitiba 2011 DANIELLY MEDEIROS SILVA IMPLANTAÇÃO DO TESTE DA ORELHINHA NO MUNICÍPIO

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

CONHECIMENTO MATERNO SOBRE O DESENVOLVIMENTO MOTOR NORMAL NO PRIMEIRO ANO DE VIDA

CONHECIMENTO MATERNO SOBRE O DESENVOLVIMENTO MOTOR NORMAL NO PRIMEIRO ANO DE VIDA 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 CONHECIMENTO MATERNO SOBRE O DESENVOLVIMENTO MOTOR NORMAL NO PRIMEIRO ANO DE VIDA Janaina de Fátima Poteriko 1 ; Ana Lucia de Sá Yamazaki 2 RESUMO: O desenvolvimento

Leia mais

POLÍTICA ESTADUAL DE ATENÇÃO INTEGRAL ÀS PESSOAS COM DOENÇA FALCIFORME E OUTRAS HEMOGLOBINOPATIAS

POLÍTICA ESTADUAL DE ATENÇÃO INTEGRAL ÀS PESSOAS COM DOENÇA FALCIFORME E OUTRAS HEMOGLOBINOPATIAS POLÍTICA ESTADUAL DE ATENÇÃO INTEGRAL ÀS PESSOAS COM DOENÇA FALCIFORME E OUTRAS HEMOGLOBINOPATIAS Introdução As Hemoglobinopatias compreendem um grupo de distúrbios hereditários que afetam a síntese de

Leia mais

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a seguir. COLÉGIO NOTRE DAME FONOAUDIOLOGIA PREVENTIVA

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Declaração de posicionamento do ano de 2007: Princípios e diretrizes para os programas de detecção e intervenção auditiva precoces

Declaração de posicionamento do ano de 2007: Princípios e diretrizes para os programas de detecção e intervenção auditiva precoces DECLARAÇÃO DE POLÍTICAS Declaração de posicionamento do ano de 2007: Princípios e diretrizes para os programas de detecção e intervenção auditiva precoces COMITÊ CONJUNTO PARA A AUDIÇÃO INFANTIL DECLARAÇÃO

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e

A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e interdisciplinares, visando à melhoria da qualidade de vida

Leia mais

I - ÁREA PROFISSIONAL FONOAUDIOLOGIA

I - ÁREA PROFISSIONAL FONOAUDIOLOGIA I - ÁREA PROFISSIONAL FONOAUDIOLOGIA FONOAUDIOLOGIA HOSPITALAR EM FUNÇÕES OROFACIAIS Titulação: Aprimoramento Supervisora: Profª Drª Cláudia Regina Furquim de Andrade Características: (duração 12 meses)

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

EDITAL Nº 005/2009 RE-RATIFICAR

EDITAL Nº 005/2009 RE-RATIFICAR EDITAL Nº 005/2009 O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ, no uso de suas atribuições, atendendo aos termos da Lei Complementar nº 108, de 18 de maio de 2005, com alteração dada pela Lei Complementar

Leia mais

PORTARIA Nº 589, DE 08 DE OUTUBRO DE 2004

PORTARIA Nº 589, DE 08 DE OUTUBRO DE 2004 PORTARIA Nº 589, DE 08 DE OUTUBRO DE 2004 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria GM nº 2.073, de 28 de setembro de 2004, que institui a Política Nacional de

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE 1º período Saúde, Trabalho e Meio- Ambiente I 150 10 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE Identificação da relação entre os modos de viver e o processo

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 VOIGT, Bruna Francisco 2 ; PREIGSCHADT, Gláucia Pinheiro 2 ; MACHADO, Rafaela Oliveira 2

Leia mais

Considerando a necessidade de Cursos de Treinamento para formação de médicos otorrinolaringologistas para realização cirurgias de implante coclear;

Considerando a necessidade de Cursos de Treinamento para formação de médicos otorrinolaringologistas para realização cirurgias de implante coclear; NORMAS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OTORRINOLARINGOLOGIA E CIRURGIA CÉRVICO FACIAL (ABORL-CCF) E DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE OTOLOGIA (SBO) PARA ACREDITAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO E TREINAMENTO DE MÉDICOS

Leia mais

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal Grupo temático: Direito à vida, à saúde e a condições

Leia mais

TEMA: Intervenção cirúrgica para tratamento de otosclerose coclear

TEMA: Intervenção cirúrgica para tratamento de otosclerose coclear NTRR 79/2014 Solicitante: Juiz Dr Eduardo Soares de Araújo Comarca de Andradas Número do processo: 0019642-3.2014.8.13.0026 Réu: Estado de Minas Data: 03/05/2014 Medicamento Material Procedimento x Cobertura

Leia mais

ESTUDO DE CASO MATERNIDADE DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO

ESTUDO DE CASO MATERNIDADE DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO INSTITUTO DE SAÚDE DA COMUNIDADE DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO EM SAÚDE PLANEJAMENTO E GERÊNCIA EM SAÚDE II ESTUDO DE CASO MATERNIDADE DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO Professores: Dra. Luciana Alves

Leia mais

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS 1 ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS I. PROPÓSITOS A Política Estadual em Saúde do Trabalhador tem por propósito definir princípios, diretrizes e estratégias para

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

RETIFICAÇÃO DE EDITAL - 01/2016

RETIFICAÇÃO DE EDITAL - 01/2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL RETIFICAÇÃO DE EDITAL - 01/2016 PROCESSO

Leia mais

OBJETIVO. Palavras-chave: Saúde pública, perda auditiva e linguagem

OBJETIVO. Palavras-chave: Saúde pública, perda auditiva e linguagem LEVANTAMENTO DOS ASPECTOS RELACIONADOS AO USO E MANUTENÇÃO DO AASI E À TERAPIA FONOAUDIOLÓGICA EM CRIANÇAS E JOVENS COM PERDA AUDITIVA NA CIDADE DE SÃO PAULO. Palavras-chave: Saúde pública, perda auditiva

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA O CURRÍCULO DA FAMEMA (2012) Os currículos dos Cursos de Enfermagem e Medicina da Faculdade de Medicina de Marília (Famema) estão em permanente transformação por entendermos que esse processo permite uma

Leia mais

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar Jacqueline Alves Torres CONASEMS Belém, 2008 O Setor Suplementar de Saúde Antes da Regulamentação:

Leia mais

FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES. Ana Claudia Tenor. Secretaria Municipal de Educação de Botucatu

FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES. Ana Claudia Tenor. Secretaria Municipal de Educação de Botucatu II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES Ana Claudia Tenor

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO Armigliato ME; Prado DAG; Melo TM; Lopes AC; Martinez MANS; Amantini RCB; Bevilacqua MC. Palavras-chaves: Avaliação

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Proposta de ações para elaboração do. Plano Estadual da Pessoa com Deficiência;

Proposta de ações para elaboração do. Plano Estadual da Pessoa com Deficiência; 1 Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação das diretrizes e metas na garantia de direitos às pessoas com deficiência

Leia mais

EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM E A PRÁXIS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE 1

EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM E A PRÁXIS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE 1 EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM E A PRÁXIS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE 1 Márcia Maria Bragança Lopes 2 Marta Lenise do Prado 3 Denise Maria Guerreiro Vieira da Silva 4 Alacoque Lorenzini Erdmann 5

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE: OO"TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO" EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios

Leia mais

A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado

A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado HUMANIZAÇÃO E ACESSO DE QUALIDADE A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado Alexandre Mont Alverne 25/11/2015 Regulação Significado: Michaelis: Regular+ção: ato ou efeito de

Leia mais

XXVII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO

XXVII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO XXVII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO NECESSIDADES DAS DIFERENTES POPULAÇÕES E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS NA CONSTRUÇÃO DA REDE DE CUIDADOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

Leia mais

ATA DO FÓRUM DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL 27º. ENCONTRO INTERNACIONAL DE AUDIOLOGIA, BAURU SÃO PAULO - 15 DE ABRIL DE 2012

ATA DO FÓRUM DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL 27º. ENCONTRO INTERNACIONAL DE AUDIOLOGIA, BAURU SÃO PAULO - 15 DE ABRIL DE 2012 ATA DO FÓRUM DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL 27º. ENCONTRO INTERNACIONAL DE AUDIOLOGIA, BAURU SÃO PAULO - 15 DE ABRIL DE 2012 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

ESTIMULAÇÃO ESSENCIAL: HUMANIZANDO A INCLUSÃO INTRODUÇÃO

ESTIMULAÇÃO ESSENCIAL: HUMANIZANDO A INCLUSÃO INTRODUÇÃO ESTIMULAÇÃO ESSENCIAL: HUMANIZANDO A INCLUSÃO INTRODUÇÃO A Escola Especial Ulisses Pernambucano pioneira no Brasil no atendimento pedagógico a pessoas com deficiência mental, pensada pelo médico Dr. Ulisses

Leia mais

Transtornos do Espectro do Autismo

Transtornos do Espectro do Autismo Transtornos do Espectro do Autismo O Município adotou o documento Ministerial, LINHA DE CUIDADO PARA A ATENÇÃO ÀS PESSOAS COM TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO E SUAS FAMILIAS NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL,

Leia mais

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar Communication for All - In Search of the Social and Pertaining to School Inclusion Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS Carolina

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM O que o sistema processamento auditivo

Leia mais

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

Suplementar após s 10 anos de regulamentação

Suplementar após s 10 anos de regulamentação Atenção à Saúde Mental na Saúde Suplementar após s 10 anos de regulamentação Kátia Audi Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre, 2008 Mercado de planos e seguros de saúde: cenários pré e pós-regulamentap

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS

Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica Saúde da Pessoa com Deficiência Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS Érika Pisaneschi

Leia mais

FORMAÇÃO ACADÊMICA Curso de Fonoaudiologia na Fundação Lusíada Centro Universitário Lusíada UNILUS - Santos SP.

FORMAÇÃO ACADÊMICA Curso de Fonoaudiologia na Fundação Lusíada Centro Universitário Lusíada UNILUS - Santos SP. Dra. GISELLE ITRIA Fonoaudióloga FORMAÇÃO ACADÊMICA Curso de Fonoaudiologia na Fundação Lusíada Centro Universitário Lusíada UNILUS - Santos SP. EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Centro de Estimulação Terapêutica

Leia mais

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Os esforços devem se concentrar em garantir que cesáreas sejam feitas nos casos em que são necessárias, em vez de buscar atingir uma taxa específica de cesáreas.

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/SAÚDE DA FAMÍLIA III CONCURSO NACIONAL DE EXPERIÊNCIAS EM SAÚDE DA FAMÍLIA 05 A 08 DE AGOSTO DE 2008 -

Leia mais

Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro

Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro 2013 Dimensão demográfica População em 2010: 190.755.799

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE CAPACITAÇÃO EM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM URGÊNCIA E

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais

Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais Palavras Chave: Audiometria, limiar auditivo, criança. Introdução: Além do exame audiométrico convencional, que testa as freqüências

Leia mais

PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO. da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais.

PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO. da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais. PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO Nome do projeto Nome da Instituição Proponente Construindo Pontes Garantia da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais.

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 60 2011 Rede de Atenção Psicossocial Minuta de portaria que aprova as normas de funcionamento e habilitação do Serviço Hospitalar de Referência para atenção às pessoas com sofrimento ou transtorno

Leia mais

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPIA OCUPACIONAL UMA PROFISSÃO NATURALMENTE PARA A SAÚDE PUBLICA Senhor Gestor, gostaríamos de apresentar as possibilidades de cuidado que o terapeuta ocupacional oferece

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

Modelos de atenção revisando conceitos e práticas no SUS

Modelos de atenção revisando conceitos e práticas no SUS Modelos de atenção revisando conceitos e práticas no SUS Voltando às perguntas simples O que é atenção à saúde? O que é saúde? O que é atenção à saúde? Prestar atenção= Cuidar? Cuidar de si, cuidar do

Leia mais

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO

Leia mais

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo.

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. Porém, traz para o surdo consequências sociais, educacionais e emocionais amplas e intangíveis.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES NO SUS Sobre o SUS A Constituição Federal do Brasil define, em seu artigo 196 que a saúde é um direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas,

Leia mais

PAPEL DE ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA EQUIPE SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF)

PAPEL DE ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA EQUIPE SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF) PAPEL DE ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA EQUIPE SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF) 2013 Larissa de Oliveira Pena Graduanda no curso de Psicologia na União de Ensino Superior (UNIVIÇOSA)/ Faculdade de Ciências Biológicas e

Leia mais

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE DIRETORIA GERAL DE REGULAÇÃO DO SISTEMA GERÊNCIA DE ATENÇÃO BÁSICA Recife em Defesa da Vida Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

O CONHECIMENTO, A VALORIZAÇÃO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL E A INTERVENÇÃO PRECOCE DA PERDA AUDITIVA

O CONHECIMENTO, A VALORIZAÇÃO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL E A INTERVENÇÃO PRECOCE DA PERDA AUDITIVA 563 O CONHECIMENTO, A VALORIZAÇÃO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL E A INTERVENÇÃO PRECOCE DA PERDA AUDITIVA The knowledge and valorization of neonatal auditory screening and the early intervention of hearing

Leia mais

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Trabalho de Conclusão de Curso 2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Instituto Terzius Faculdade Redentor Análise dos Óbitos Neonatais Ocorridos na Maternidade Municipal

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais