POESIAS EM LÍNGUA DE SINAIS: PRODUZINDO SENTIDOS SOBRE O IMPLANTE COCLEAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POESIAS EM LÍNGUA DE SINAIS: PRODUZINDO SENTIDOS SOBRE O IMPLANTE COCLEAR"

Transcrição

1 POESIAS EM LÍNGUA DE SINAIS: PRODUZINDO SENTIDOS SOBRE O IMPLANTE COCLEAR Juliana de Oliveira Pokorski E. Especial para Surdos Frei Pacífico Bianca Ribeiro Pontin Universidade Federal do Rio Grande do Sul A representação, em conexão com o poder, está centralmente envolvida naquilo que nos tornamos. Não há identidade, nem alteridade fora da representação. (SILVA, 2006, p.68) Esse artigo surge do diálogo entre duas dissertações produzidas na linha de pesquisa dos Estudos Culturais em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Uma discutindo os discursos e processos de normalização dos sujeitos surdos através de próteses auditivas entre elas o Implante Coclear (I.C.) 1, e outra analisando a produção de sentidos sobre surdos e surdez através das representações postas em circulação pela literatura surda 2. É desta interlocução que surge o interesse de olhar para a produção de sentidos sobre o implante coclear e sobre o sujeito que o utiliza, tendo como objeto de análise quatro poesias produzidas em língua de sinais por surdos. O conceito ferramenta para as análises é o de representação (Hall, 1997), pois acreditamos que os significados postos em circulação através das representações regulam práticas, influenciam condutas e deste modo produzem os objetos sobre o qual se fala, no caso deste artigo: o implante coclear e os sujeitos que dele se utilizam. Nos termos de Hall (2007, p.21) O significado não está no objeto, nem na pessoa, nem na coisa, nem mesmo na palavra. Somos nós que estabelecemos o significado de forma tão forte que, após certo tempo, vem a parecer natural ou inevitável. O significado é construído pelo sistema de representação. (tradução nossa) 1 PONTIN, Bianca R. Discursos e processos de normalização dos sujeitos surdos através de próteses auditivas nas políticas de governo da atualidade. Porto Alegre: UFRGS, Disponível em https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/95664/ pdf?sequence=1 2 POKORSKI, Juliana de O.. Representações na literatura surda: Produção da diferença surda no curso de Letras- Libras, Porto Alegre: UFRGS, Disponível em

2 Escolhemos a literatura surda sinalizada, produzida por surdos, como material a ser analisado, por perceber a legitimidade que essas produções têm tido junto a comunidade surda, sendo produtivas na constituição das identidades desses sujeitos. Além disso, por conta do advento das tecnologias audiovisuais, da democratização do acesso a esses artefatos e da formação acadêmica de um grande número de surdos nos cursos de Letras-Libras, nos últimos anos tem se presenciado uma ampliação significativa de publicações deste tipo de literatura. A temática do Implante Coclear, por sua vez, vem sendo bastante discutida na comunidade surda ao longo dos últimos anos (PONTIN, 2013; 2014; REZENDE, 2012) uma vez que os discursos clínicos que posicionam a surdez como uma deficiência a ser curada ou apagada vem ganhando força, além disso, tal temática tem sido apresentada com relativa frequência nas diferentes mídias. Poesias em Língua de sinais: artefatos para empoderamento da comunidade surda No presente artigo são analisadas quatro poesias: 1. Número Sangrento, de autoria de Cláudio Henrique Nunes Mourão, disponível no site 2. Proibido o Implante Coclear, de autoria de Fabrício Mähler Ramos, produzida na disciplina de Literatura Surda do curso de graduação em Letras-Libras. 3. Menino surdo, de autoria de Eleonora Scheid, também produzida na disciplina de Literatura Surda do curso de graduação em Letras-Libras. 4. Deaf, de autoria de Nigel Howard, apresentado por Rachel Sutton-Spence no documentário Ser é Ver Sentir 3. Tais produções foram escolhidas para análise por abordarem centralmente o tema do implante coclear e por serem de autoria surda. Não queremos com isso dizer que os surdos teriam uma autoridade maior para realizarem produções sobre temáticas como esta, mas não se pode negar o valor que essas vozes possuem perante a comunidade a que pertencem. O gênero literário escolhido para estudo também tem suas particularidades. A poesia é caracterizada por um uso estético da língua (SUTTON-SPENCE, 2006) e no caso das línguas de sinais, dá ênfase às expressões faciais e outros recursos linguísticos. O uso criativo da língua em um gênero historicamente marcado pela escrita e pelo status linguístico, empodera 3 Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=uedeuvfvyn0 acesso em 20/04/2015.

3 a comunidade linguística que o produz. Tal empoderamento, tal como afirma Sutton-Spence e Quadros (2006, p. 115) pode ocorrer simplesmente pelo uso da língua, ou pela expressão de determinadas ideias e significados que se fortalecem pela instrução, pela inspiração ou pela celebração. Produzir poesias em línguas de sinais sobre o implante coclear pode ser visto como um ato de resistência da comunidade surda frente a representações sobre o sujeito surdo que o posicionam como um sujeito a corrigir. Tal ato de resistência pode se dar a partir da exaltação da língua de sinais, da ênfase a questões como identidade e identificação entre os pares surdos, a comunidade surda, etc, mas também pode ser dar pela crítica direta a algumas práticas como a exclusão dos surdos ou até mesmo o uso do implante coclear. Em Proibido o implante coclear, por exemplo, há uma narrativa que se desenrola ao longo da poesia. No início da poesia, dois pais surdos tem um bebê também surdo em seus braços, há ênfase em expressões faciais de alegria e satisfação na comunicação em língua de sinais até que o bebê é retirado deste aconchego para ser criado pelos avós ouvintes, que lhe encaminham para a cirurgia do implante coclear. O sujeito surdo cresce tolhido do contato com seus pares, há a marcação da angústia dos pais pela perda do filho, e a angústia do filho por crescer sem reconhecer-se como surdo. Tal clima de insatisfação tem sua trajetória mudada quando, caminhando pela rua, o sujeito surdo vê um grupo de pessoas sinalizando. No primeiro olhar relembra sua infância remota, na qual seus pais surdos sinalizavam com ele ainda bebê. Esse encontro o faz dar adeus ao mundo dos sons, simbolizado na poesia pelo momento em que o sujeito arranca a parte externa do implante e quebra com as próprias mãos. O encontro com a língua de sinais e a comunidade surda representada pelo grupo de surdos sinalizantes faz com que o sujeito corra ao encontro de seus pais, representando que a comunidade é tal como um lar, que é não somente um espaço de segurança e fortalecimento, mas um espaço de aconchego onde as necessidades individuais são supridas. É interessante demarcar que em nenhum momento da poesia é trazido um possível ganho do sujeito ao utilizar o IC, há ênfase no prazer da sinalização, do encontro com os pares, que mesmo ao menor contato tornam-se centrais na vida do sujeito. Há, na poesia, uma secção entre o uso da língua de sinais e do implante coclear, como se essas duas questões representassem dois caminhos que não se cruzam. Tal apontamento é trazido de modo bastante concreto em Menino Surdo. Nesta poesia uma menina, irmã de um bebê surdo, sonha com três portas que levam a três

4 possibilidades diferentes de experienciar a surdez. Somente uma das portas é aberta por vez, é possível observar seu conteúdo, mas antes que se abra a próxima, a menina fecha a porta anterior. Não é possível entrar em cada porta, selecionar o que lhe agrada e seguir por outro caminho. Tal como na poesia discutida anteriormente, os caminhos não se intersecionam. Cada porta é marcada por uma cor e uma letra diferente. A porta D, possivelmente fazendo referência a palavra deficiente, abre para um cômodo no qual é posto em evidência o aparelho auditivo, que é apresentado como pouco eficiente. Na porta I é apresentado o Implante Coclear, ao abrir a porta a menina se depara um bebê que vivia em meio a inúmeras vozes, mas parecia alheio a todas elas. A menina decide novamente fechar a porta. A terceira porta, por sua vez, a porta S (surdo) ao ser aberta, faz jorrar luz e movimento. É nitidamente mais atrativa, dentro do aposento a que ela dá acesso vê-se um menino feliz com mãos que sinalizam a sua volta. Novamente é no encontro com a língua de sinais que se dá o prazer de ser surdo. A língua é associada ao movimento e a luz, vinculada a uma representação de que é somente ela que tem a capacidade de interpelar o sujeito surdo, iluminar e desta forma o tornar visível à sociedade que o cerca. Em todas as portas o bebê surdo encontrava-se em meio a outras pessoas, mas somente na terceira porta aquelas presenças fizeram sentido a ele. Ainda sobre a poesia Menino surdo é importante chamar atenção para a idade do personagem surdo: um pequeno bebê, que não tem idade suficiente para dizer sobre seus sentimentos, ou fazer suas escolhas em relação aos caminhos a seguir, necessitando que os outros o façam por ele. Está nas mãos dos pais fazer escolhas que direcionarão o sujeito a se constituir como surdo sinalizante, como surdo implantado ou usuário de aparelho auditivo. No entanto, diferentemente do que acontece na poesia, nem sempre os pais entram em contato com as diferentes possibilidades de ser surdo e acabam pensando que existe apenas um caminho a seguir. A escolha dos pais ou a questão de ser surdo é mais do que uma opção. É preciso pensar que as escolhas são influenciadas pelas representações que produzem os conceitos sobre ser surdo e ser ouvinte. Muitos pais e crianças sequer possuem contato com outros surdos e com a língua de sinais, e uma representação que é bastante forte é a que posiciona a deficiência auditiva como um problema, o que acaba fazendo com que busquem a cura. Ainda sobre esta questão da opção, Pontin (2013) em seu trabalho de conclusão da especialização, analisa um manual de aconselhamento sobre o IC distribuído em diversos hospitais do país com o objetivo de informar os pais sobre o implante coclear de forma que

5 eles pudessem tomar a decisão de fazer ou não a cirurgia. Durante a pesquisa a autora, atenta a legitimação que o discurso médico possui, encontrou recorrências nos enunciados que apontavam para as vantagens de ouvir, o sucesso comprovado através de números e a urgência em realizar o implante. Com isso refletimos que a exaltação a língua de sinais, apresentada nas poesias, é uma forma de resistência a discursos como esse apresentado nos manuais analisados por Pontin. Da exaltação da língua a violência associada ao implante: diferentes modos de contestação Eu sou surdo. Jamais diria que preferiria ouvir. Sou muito feliz sendo surdo, é muito tranquilo. Quem iria querer mudar? [...] Se me dessem uma pílula que me fizesse ouvir, será que engoliria? Jamais! Iria a um hospital para vomitar e voltar a ser surdo. Eu quero ser surdo. 4 Iniciamos essa sessão com a frase acima por ela ilustrar a discussão que iniciaremos a seguir. Até o momento apresentamos poesias que exaltavam a língua de sinais, trazendo a ênfase ao IC apenas através de seu apagamento na vida do sujeito, como que não fazendo uma diferença significativa. As duas poesias que discutiremos nesta sessão são bastante semelhantes e colocam em circulação uma representação do implante coclear vinculado à violência, a morte do sujeito surdo. Tanto a poesia Número sangrento quanto a poesia Deaf são poesias curtas com poucos sinais, que enfatizam o uso de expressões faciais vinculadas a sentimentos e ações. Na poesia Número Sangrento o autor recorre ao recurso linguístico das configurações de mão utilizando os números em sequência do 1 ao 5. A poesia inicia com a presença de uma criança (número 1) feliz com a presença dos pais (número 2). Há ênfase nas expressões faciais na marcação dos personagens e sentimentos associados a cada etapa da narrativa poética, deste modo na poesia há uma quebra no momento em que os pais se despedem da criança: a expressão facial tranquila e carinhosa dá espaço a expressão de medo da criança, quando submetida a exames (número 3). O clima de tensão segue quando os médicos (número 4) se aproximam da criança, conversam entre si e aprovam a cirurgia do implante coclear. A poesia termina associando o pavor da criança (ou do público que assiste a cena) ao ser implantada, o poeta faz um movimento brusco e ligeiro, que talvez pudesse ser 4 Frase proferida pelo surdo Peter Artinian no documentário Som e Furia (2000) que discute a questão do implante coclear a partir da experiência de Heather, também surda, filha de Peter, que decide optar pelo I.C. Trecho disponível em https://www.youtube.com/watch?v=yj6uyie63co, acesso em 23 de abril de 2015.

6 associado ao bote de uma cobra 5, marcando o momento da cirurgia do implante coclear (número 5) do qual escorre sangue, justificando o nome da poesia. Bastante semelhante, a poesia Deaf de Nigel Howard, apresentada por Rachel Sutton-Spence, é a mais curta poesia. Como toda a poesia, há recursos estéticos, e no caso desta enfatiza-se as expressões faciais, as configurações de mão e a velocidade, todos esses recursos produzem significados. Nesta poesia inicialmente há um bebê surdo no colo que é apresentado a alguém, possivelmente um médico, que rapidamente realiza o implante. No ato de pegar o bebê e apresentar a alguém é utilizada a mesma configuração de mão (mão aberta com os dedos encostados) e a expressão facial transmite aconchego e acolhimento, logo em sequência a configuração de mão muda tal como a expressão facial que remete a um clima de tensão, o bebê deitado em uma maca é rapidamente e violentamente implantado. Ambas poesias se utilizam de classificadores 6 e expressões faciais facilitando a compreensão de seu conteúdo por usuários de diferentes línguas de sinais. Em nenhum momento é apresentada a língua de sinais, nem mesmo nos momentos de carinho que antecedem a cirurgia do implante. A representação sobre o Implante Coclear é fortemente marcada por um caráter de violência, enfatizada por expressões faciais e também pelo fato de que ambas poesias terminam no momento em que é feito o implante, como se não existisse o que ser contado a partir desse ocorrido. A imagem do sangue na primeira poesia faz relação com a dor, com uma ferida que é aberta com esse procedimento cirúrgico, não somente em um sentido físico mas, talvez até mesmo, de modo mais profundo, no sentido de ferir um modo de ser surdo que não vê necessidade no implante coclear. Para aqueles que percebem a surdez a partir de representações vinculadas à falta, à deficiência, fica difícil pensar no porquê de alguém se negar a fazer o implante coclear, no entanto para aquele que vê a surdez a partir de sua produtividade cultural pode pensar que tal procedimento poderia apagar sua cultura. A ênfase nos sentimentos de prazer e satisfação no 5 O sinal implante coclear e o sinal de cobra são articulados com a mesma configuração de mão (número 5), deste modo a forma que o poeta realiza o sinal, de modo rápido e com uma expressão facial que remete a um ataque, torna possível realizar a associação. 6 Os classificadores são um dos elementos da língua de sinais que representam visualmente os objetos e ações de forma quase que transparente, embora apresente características convencionadas de forma arbitrária (QUADROS; PIZZIO; REZENDE, 2009). Atualmente, alguns pesquisadores tem utilizado o termo descrição imagética como um termo análogo ao termo classificadores.

7 inicio das poesias fazem referência a uma vida que está completa sem o IC, desta forma este aparato é representado como um intruso que desestabiliza esse clima harmônico. Percebe-se uma nítida crítica que pode ser vinculada a uma discursividade de resistência a práticas que historicamente posicionaram os surdos em uma situação de anormalidade. Práticas normalizadoras que deram (e dão) ênfase ao treinamento fonoaudiológico, a oralização e correção dos ouvidos através de aparelhos e cirurgias. Práticas audistas entendidas como práticas que são produzidas por discursos que colocam na condição auditiva um valor normativo, e desta forma, consideram aquele que não escuta ou que tem perdas auditivas, como anormais. Dentro de uma discursividade que visibiliza o sujeito surdo a partir de uma condição identitária, construída pela possibilidade de pertencimento a uma comunidade linguística e cultural minoritária, há a possibilidade de se falar em orgulho surdo, orgulho da sua diferença. Nesse contexto, o Implante Coclear é visto, por alguns surdos como genocídio 7, pois dá a ideia de que pode provocar a extinção da cultura surda, da língua de sinais, da comunidade surda. Fechando o texto, mas não os sentidos por ele produzidos Ao final desta escrita é possível perceber uma certa regularidade das poesias surdas a respeito do implante coclear: Há uma ênfase na língua de sinais, no prazer da comunicação e da importância do contato surdo-surdo. O implante coclear, por sua vez, é visto como desnecessário, não afetando substancialmente a vida dos surdos, ou como algo que violenta a condição de ser surdo. Além disso, fica evidente nas análises a oposição demarcada entre o implante coclear e a língua de sinais, como que apresentando cada um como caminho distinto a ser seguido. E é a partir deste ponto que queremos refletir nesse momento e convidar o leitor a pensar conosco: Existiria de fato essa separação rígida entre aquele que utiliza o implante coclear e o surdo sinalizante? Não seria possível existir um sujeito implantado e sinalizante? De fato, há na comunidade surda usuários de IC e de língua de sinais, e tem aumentado nas escolas de surdos, alunos com IC que utilizam a Libras como primeira língua; por outro lado sabe-se que até os dias de hoje é presente o mito de que uma língua atrapalha a aquisição da outra e muitos surdos implantados tem sido matriculados em classes comuns sem nunca ter 7 Esse termo foi relacionado por Gesser (2009, p.71) ao comparar a resolução no Congresso de Milão de 1880 sobre a proibição do uso da Língua de Sinais pelos surdos com a atitude de Hitler em relação aos judeus.

8 contato com a língua de sinais. Muitas vezes tais sujeitos tem os primeiros anos de sua vida privados de uma língua efetiva, uma vez que a adaptação ao IC não ocorre da mesma forma com todos os seus usuários. Deste modo, em algumas ocorrências, alunos surdos implantados, após o fracasso na escola inclusiva, são transferidos para a escola de surdos com o atraso de linguagem justamente por não ter desenvolvido a língua de sinais que poderia ser acessível desde o nascimento da criança. Talvez essas representações sobre o implante coclear trazidas nas poesias pareçam radicais, no entanto podem também ser vistas como uma resposta a tantas experiências vividas pela comunidade surda ao longo dos anos. Mesmo que a língua de sinais tenha sempre existido, produzida no contato entre pares surdos, por muitos anos ela foi proibida. Hoje, após estudos na área da educação e linguística, movimentos sociais e políticos, tem-se a Libras reconhecida e garantida em nível nacional, no entanto os surdos seguem lutando pelo reconhecimento de sua diferença, pela cidadania, pela educação bilíngue, pela acessibilidade. De fato a garantia legal não assegura o status da língua de sinais e ela segue sendo compreendida, em muitas instâncias, como um apoio, um recurso para o aprendizado do português e não uma língua de fato. Produzir poesias em língua de sinais e as colocar em circulação, é deste modo, também um ato político, de apresentar a língua em sua produção, em suas potencialidades. A discussão sobre o implante coclear mobiliza a comunidade surda, não são raras as discussões nas redes sociais, ou as críticas a esta tecnologia. O fato é que as tecnologias tem modificado os modos de vida surda, ampliando as possibilidades de acesso, de comunicação, mas também produzindo novos olhares, novas práticas que muitas vezes visam exaltar ou apagar a diferença surda. Ao se falar sobre surdos é frequente trazer presente dois grandes modelos: o clínico e o sócio antropológico, que posicionam os sujeitos a partir da falta, da deficiência ou a partir de uma noção de diferença cultural, respectivamente. Embora o presente estudo se alinhe a esta segunda perspectiva, por compreender os sujeitos surdos a partir da produtividade da língua de sinais e da experiência visual a que esses sujeitos estão inseridos, cabe salientar que os significados sobre os surdos e a surdez são produzidos em uma pluralidade de representações, e que, portanto não é possível demarcá-los de maneira fixa nesses dois modelos apresentados. Tal como reflete Skliar (1998, p. 9) é preciso atentar para os matizes, os espaços vazios, os interstícios, os territórios intermediários que não estão presentes nesses modelos, mas que transitam, flutuam entre eles.

9 É a partir desta reflexão que se pensou essa escrita. Ao discutir a produção de sentidos sobre o Implante Coclear e sobre os sujeitos que os utilizam é necessário pensar os significados como produzidos histórica, social e culturalmente, estando sempre em movimento. Tal entendimento nos impede de fixar conceitos e possibilita pensar em contestar verdades e produzir sentidos, em processos aos quais as representações são centrais (POKORSKI, 2014). Cabe, portanto, ao final desta escrita, deixar em aberto a reflexão de que se está diante de novos modos de ser surdo, os sujeitos surdos implantados vivem em uma situação híbrida, de fronteira, escapando dos binarismos: surdo x ouvinte; surdo x deficiente auditivo. Há que se pensar que não é mais possível pensar nesse modo moderno, tais binarismos já não dão conta das multiplicidades de sentidos, identidades e formas de experienciar a surdez. REFERÊNCIAS: GESSER, Audrei. Libras? Que língua é essa? São Paulo: Parábola Editorial, HALL, Stuart. The Work of Representation. In: HALL, Stuart (org.) Representation: Cultural representations and Signifying Practices. Sage/Open University: London/Thousand Oaks/New Delhi, POKORSKI, Juliana de Oliveira. Representações na literatura surda: produção da diferença surda no curso de Letras-Libras. Porto Alegre, Dissertação de mestrado Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Educação, Porto Alegre, PONTIN, Bianca R. Discursos sobre a Surdez, os Surdos e o Implante Coclear: análise do manual de informações para os pais de crianças surdas candidatas ao implante. Porto Alegre: UFRGS, TCCE [Especialização Os Estudos Culturais e os Currículos Escolares Contemporâneos na Educação Básica], Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Educação, Porto Alegre, PONTIN, Bianca R. Discursos e processos de normalização dos sujeitos surdos através de próteses auditivas nas políticas de governo da atualidade. Porto Alegre: UFRGS, Dissertação de mestrado Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós- Graduação em Educação, Porto Alegre, QUADROS, Ronice Muller de; PIZZIO, Aline Lemos; REZENDE, Patrícia Luiza Ferreira. Língua Brasileira de Sinais I. Florianópolis: UFSC, Disponível em aisi/assets/459/texto_base.pdf Acesso em 23/04/2016

10 QUADROS, Ronice M.; SUTTON-SPENCE, Rachel. Poesia em língua de sinais: traços da identidade surda. In.:QUADROS, R. M. (org.) Estudos Surdos I. Petrópolis: Ed. Arara Azul, REZENDE, Patrícia Luiza Ferreira. Implante coclear: normalização e resistência surda. Curitiba: Ed. CRV, SKLIAR, Carlos. Os estudos surdos em educação: problematizando a normalidade. Em C. Skliar (Org), A surdez: um olhar sobre as diferenças (pp. 7-32). Porto Alegre: Mediação, 1998 SUTTON-SPENCE, Rachel. Imagens da Identidade e Cultura Surdas na Poesia em Línguas de Sinais. In.: QUADROS, Ronice Müller; VASCONCELLOS, Maria Lucia Barbosa de. (orgs.). Questões teóricas das pesquisas em Línguas de Sinais. Petrópolis: Ed. Arara Azul, 2006.

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Carlos Gomes) Assegura às pessoas com deficiência auditiva o direito a atendimento por tradutor ou interprete de LIBRAS nos órgãos e entidades da administração pública,

Leia mais

DISCURSOS SOBRE A SURDEZ, OS SURDOS E O IMPLANTE COCLEAR: análise do manual de informações para os pais de crianças surdas candidatas ao implante

DISCURSOS SOBRE A SURDEZ, OS SURDOS E O IMPLANTE COCLEAR: análise do manual de informações para os pais de crianças surdas candidatas ao implante DISCURSOS SOBRE A SURDEZ, OS SURDOS E O IMPLANTE COCLEAR: análise do manual de informações para os pais de crianças surdas candidatas ao implante Bianca Ribeiro Pontin 1 Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS PLANO DE CURSO

Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS Código: ENF 405 Pré-requisito: Nenhum

Leia mais

Libras. Teleaula 1. Apresentação da Professora. Ementa. Organização da Disciplina. Contribuições da Disciplina. Profa.

Libras. Teleaula 1. Apresentação da Professora. Ementa. Organização da Disciplina. Contribuições da Disciplina. Profa. Apresentação da Professora Libras Teleaula 1 Profa. Elizanete Fávaro Pedagogia (Facinter) Pós-Graduação em Educação Bilíngue (IPM) Cursando Letras/Libras (UFSC) Credenciada como Instrutora de Libras (FENEIS/CTBA)

Leia mais

Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez

Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez

Leia mais

ELIZANETE FÁVARO TÉCNICO- PEDAGÓGICA SEED/DEEIN DIRETORA REGIONAL FENEIS Pedagoga e Professora da Língua de Sinais netefavaro@hotmail.

ELIZANETE FÁVARO TÉCNICO- PEDAGÓGICA SEED/DEEIN DIRETORA REGIONAL FENEIS Pedagoga e Professora da Língua de Sinais netefavaro@hotmail. MOVIMENTO SURDO E CIDADANIA ELIZANETE FÁVARO TÉCNICO- PEDAGÓGICA SEED/DEEIN DIRETORA REGIONAL FENEIS Pedagoga e Professora da Língua de Sinais netefavaro@hotmail.com Extermínio e abandono social EXISTE

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS Código: ENF 405 Pré-requisito: Nenhum

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

FAMÍLIA OUVINTE: DIFERENTES OLHARES SOBRE SURDEZ E EDUCAÇÃO DE SURDOS

FAMÍLIA OUVINTE: DIFERENTES OLHARES SOBRE SURDEZ E EDUCAÇÃO DE SURDOS FAMÍLIA OUVINTE: DIFERENTES OLHARES SOBRE SURDEZ E EDUCAÇÃO DE SURDOS Resumo DORNELES, Marciele Vieira UFSM marciele.vieira@yahoo.co,.br Eixo Temático: Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não

Leia mais

A língua brasileira de sinais. A língua brasileira de sinais - LIBRAS

A língua brasileira de sinais. A língua brasileira de sinais - LIBRAS A língua brasileira de sinais Os sinais, essa dança das palavras no espaço, são minha sensibilidade, minha poesia, meu eu íntimo, meu verdadeiro estilo.(emmanuelle Laborit) 1 A língua brasileira de sinais

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS

Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS Ciranda de Sons e Tons: experiências culturais na infância Gilvânia Maurício Dias de Pontes 1 UFRGS Resumo. As crianças desde o seu nascimento estão imersas em uma cultura para qual, inevitavelmente, terão

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A IDENTIDADE SURDA

UM OLHAR SOBRE A IDENTIDADE SURDA UM OLHAR SOBRE A IDENTIDADE SURDA Márcia do Socorro E. da Silva 1 INTRODUÇÃO Há uma luta pela prevalência sobre os poderes e os saberes que operam nas sociedades e o palco desta luta é o meio social como

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO - UM CIDADÃO BILÍNGUE

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO - UM CIDADÃO BILÍNGUE O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO - UM CIDADÃO BILÍNGUE Maria Cristina Polito de Castro Universidade dos Bandeirantes UNIBAN cristinapolito@hotmail.com Resumo: O relato desta experiência aborda a

Leia mais

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa Dra. (página 7 a 11 do livro) O Mini-dicionário dos intérpretes de língua de sinais Intérprete Pessoa que interpreta de uma língua

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Questão 1: SignWriting é:

Questão 1: SignWriting é: Questão 1: SignWriting é: a) um método criado na Comunicação Total para o ensino de surdos. b) um sistema de escrita visual direta de sinais. c) um conjunto de sinais dados para gestos icônicos. d) nome

Leia mais

A Educação Brasileira dos Surdos: Um Novo Mundo a Ser Desvendado

A Educação Brasileira dos Surdos: Um Novo Mundo a Ser Desvendado A Educação Brasileira dos Surdos: Um Novo Mundo a Ser Desvendado Por ISRAEL GONÇALVES CARDOSO A área de conhecimento educacional responsável pela reflexão no que diz respeito à realidade da educação dos

Leia mais

PROFESSOR OU INTÉRPRETE? REFLEXÕES SOBRE A ATUAÇÃO DO TILS NA EDUCAÇÃO DE SURDOS DA ESCOLA REGULAR

PROFESSOR OU INTÉRPRETE? REFLEXÕES SOBRE A ATUAÇÃO DO TILS NA EDUCAÇÃO DE SURDOS DA ESCOLA REGULAR PROFESSOR OU INTÉRPRETE? REFLEXÕES SOBRE A ATUAÇÃO DO TILS NA EDUCAÇÃO DE SURDOS DA Universidade Federal do Rio grande do Sul elisama_libras@hotmail.com Introdução Este trabalho trata se de um ensaio que

Leia mais

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO

ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO ANÁLISE DOS TERMOS DE DESIGNAÇÃO PARA INCLUSÃO EDUCACIONAL NO WEBJORNALISMO PALAVRAS-CHAVE: Análise, Educação, Inclusão. Lucas Lameira Martins RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar um trabalho

Leia mais

A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL)

A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL) A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL) Por que um jogo de faz de conta? Pretendo defender que a existência de leis, decretos etc. voltados para promover a inclusão

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

UFRN PS 2015.2 Letras Libras/Língua Portuguesa THE 1

UFRN PS 2015.2 Letras Libras/Língua Portuguesa THE 1 UFRN PS 2015.2 Letras Libras/Língua Portuguesa THE 1 QUESTÃO 1 Os classificadores são recursos da Libras representados por configurações de mãos usadas para expressar formas de objetos, pessoas e animais,

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras - 2009 ISSN 1808-9216 O EMPREGO GRAMATICAL NO LIVRO DIDÁTICO Desiree Bueno TIBÚRCIO (G-UENP/campus Jac.) desiree_skotbu@hotmail.com Marilúcia dos Santos Domingos Striquer (orientadora-uenp/campus Jac.) marilucia.ss@uol.com.br

Leia mais

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS 110 A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS Dayanne Barbosa Dias Especializando em Educação Especial Inclusiva - CENSUPEG Dayanne16barbosa@hotmail.com Resumo: O presente trabalho apresenta a relevância

Leia mais

Datilologia, tradução ou oralização sinalizada?

Datilologia, tradução ou oralização sinalizada? Datilologia, tradução ou oralização sinalizada? Anderson Tavares Correia - UFPE 1 Rosângela Aparecida Ferreira Lima - UFPE 2 Francisco José de Lima - UFPE 3 O presente artigo discute a utilização da datilologia,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar:

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar: A Educação Bilíngüe Proposta de educação na qual o bilingüismo atua como possibilidade de integração do indivíduo ao meio sociocultural a que naturalmente pertence.(eulália Fernandes) 1 A Educação Bilíngüe»

Leia mais

Fundamentos e Práticas em Libras II

Fundamentos e Práticas em Libras II Fundamentos e Práticas em Libras II Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

Teste de Habilidade Específica - THE

Teste de Habilidade Específica - THE LEIA COM ATENÇÃO 1. Só abra este caderno após ler todas as instruções e quando for autorizado pelos fiscais da sala. 2. Preencha os dados pessoais. 3. Autorizado o inicio da prova, verifique se este caderno

Leia mais

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 As Instituições de Ensino Superior se vêem, cada vez mais, diante do desafio de criar estratégias eficazes que promovam a inclusão,

Leia mais

A produção de sujeitos surdos pela escola inclusiva: cultura, identidade e diferença 1

A produção de sujeitos surdos pela escola inclusiva: cultura, identidade e diferença 1 A produção de sujeitos surdos pela escola inclusiva: cultura, identidade e diferença 1 PINHEIRO, Daiane 2, LUNARDI-LAZZARIN, Márcia Lise 3 1 Trabalho de Pesquisa _UFSM 2 Programa de Pós-Graduação em Educação

Leia mais

Fabíola Féo Período: Abril, Maio e Junho. NAPNE Núcleo de Atendimento as Pessoas com Necessidades Especiais.

Fabíola Féo Período: Abril, Maio e Junho. NAPNE Núcleo de Atendimento as Pessoas com Necessidades Especiais. LIBRAS Aula noite I a VI Fabíola Féo Período: Abril, Maio e Junho. NAPNE Núcleo de Atendimento as Pessoas com Necessidades Especiais. LIBRAS HISTÓRIA Gerolamo Cardomo (1501 a 1576), médico e matemático

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

(Prof. José de Anchieta de Oliveira Bentes) 3.

(Prof. José de Anchieta de Oliveira Bentes) 3. TRADUÇÃO E INTÉRPRETAÇÃO DE LIBRAS EM PROCESSOS SELETIVOS: O CASO DA UEPA. 1 ANDRÉ LUIZ SILVA DANTAS 2 Resumo: A proposta deste artigo é, de maneira inicial e exploratória, discutir como a tradução/interpretação

Leia mais

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência INOCÊNCIO, Sibelle Williane Dias dos Santos DAXENBERGER, Ana Cristina Silva Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Agrárias Departamento

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE Eixo temático: - Políticas de tradução/interpretação de língua de sinais. Modalidade: ( ) comunicação oral/sinais (X) pôster POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE Autores: Débora

Leia mais

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS EDUCAÇÃO E SURDEZ Daniele Campos Laino Cardoso 1 Sebastiana Rosa da Silva 2 Solange Conceição da Cruz Machado 3 A Língua Brasileira de Sinais (Libras) - embora reconhecida oficialmente em todo o território

Leia mais

Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO VIII DO REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PROIC, DA UNICENTRO

Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO VIII DO REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PROIC, DA UNICENTRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO

Leia mais

Associação Lar do Neném

Associação Lar do Neném Criança Esperança 80 Associação Lar do Neném Recife-PE Marília Lordsleem de Mendonça Abraço solidário Todas as crianças são de todos : esse é o lema do Lar do Neném, uma instituição criada há 26 anos em

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO)

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) De acordo com o Edital de produção de conteúdo digitais multimídia, alguns aspectos

Leia mais

Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos.

Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos. Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos. (Wrigley 1996: 13) Desafios para a formação de profissionais

Leia mais

A ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com

A ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com A ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com RESUMO Língua é um sistema de signos constituído arbitrariamente por convenções sociais, que possibilita

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem...

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem... Sumário Prefácio... 11 Introdução... 13 PARTE I: REALIDADES FABRICADAS... 19 1. Cultura, identidade e surdez... 21 SURDO: DIFERENTE OU DEFICIENTE?... 23 A BUSCA DA IDENTIDADE... 41 REFLEXÕES ACERCA DA

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS.

A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS. A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS. Rosane Batista Miranda¹ Eliane Vasconcelos Soares² Introdução O presente artigo visa á

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo Pergunta 01 Quais termos você usa para identificar uma pessoa surda? A Deficiente auditivo B Surdo-Mudo C Surdo D Mudinho

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em muitas vezes eu tenho que mudar, né? Porque são línguas diferentes. Então, se eu só interpretar palavra por palavra de tudo que o professor tá falando, ele, o deficiente auditivo, não vai entender na

Leia mais

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão Modalidade: Comunicação oral/sinais Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão TÍTULO: QUEM É O INTÉRPRETE DE LIBRAS: A PERSPECTIVA DO ALUNO SURDO NO CONTEXTO DO

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PENA, Fernanda Santos, UFU 1 SAMPAIO, Adriany de Ávila Melo, UFU 2 Resumo: O presente trabalho apresenta o projeto de pesquisa

Leia mais

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo A Educação para e na Diversidade 28 de abril 2009 São Paulo NOSSA MISSÃO Construir, articular, promover e implementar práticas e políticas inclusivas, com os diversos setores da sociedade, para garantir

Leia mais

PARÂMETROS DA LIBRAS

PARÂMETROS DA LIBRAS 1 PARÂMETROS DA LIBRAS Prof. Giselli Mara da Silva Introdução Há alguma característica das línguas humanas que as diferencia das outras linguagens? De que forma essas características aparecem nas línguas

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei Questão 01 O reconhecimento oficial da Língua Brasileira de Sinais como meio legal de comunicação se deu a partir: a) da publicação da Lei n o 10.436, em 2002. b) da elaboração do Dicionário de Língua

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA.

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA. IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA. Vanessa de Almeida Moura Maria das Graças Barreto da Silva André Luiz

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

CONTANDO HISTÓRIA: CONVIVENDO COM AS CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA

CONTANDO HISTÓRIA: CONVIVENDO COM AS CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA CONTANDO HISTÓRIA: CONVIVENDO COM AS CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA RELATÓRIO ANUAL 2010 SORRI-BRASIL Rua Benito Juarez, 70 - Vila Mariana 04018-060 - São Paulo - SP (0xx11) 5082-3502 sorribrasil@sorri.org.br

Leia mais

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO A importância da comunicação na negociação Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto TUTOR: EDUARDO VIEIRA 13/05/2013 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

A LEI E A REALIDADE: A REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DO SURDO NOS DOCUMENTOS SOBRE A PROPOSTA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A LEI E A REALIDADE: A REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DO SURDO NOS DOCUMENTOS SOBRE A PROPOSTA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA A LEI E A REALIDADE: A REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DO SURDO NOS DOCUMENTOS SOBRE A PROPOSTA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com RESUMO No início do século

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA.

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA. IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA. Vanessa de Almeida Moura Maria Das Graças Barreto Da Silva André Luiz

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS LETRASLIBRAS 83 LETRASLIBRAS 84 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS Wanilda Maria Alves Cavalcanti APRESENTAÇÃO Cara(o)aluna(o) Iniciandoumnovociclodeestudos,aUniversidadeFederaldaParaíbaincorporaaoscursosquejá

Leia mais

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Projeto Quem sou eu? Image URI: http://mrg.bz/q6vqo3 Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Justificativa: Tendo em vista a

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS -LIBRAS. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS -LIBRAS. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) CURSO DE CAPACITAÇÃO EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS -LIBRAS Mostra Local de: Apucarana (Municípios do Vale do Ivaí) Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome

Leia mais

Política e Comunicação - A comunicação com pensamento

Política e Comunicação - A comunicação com pensamento Política e Comunicação - A comunicação com pensamento Onde o comunicador não é considerado protagonista da história da organização, não pode haver comunicação eficaz. Paulo Nassar No mundo da comunicação

Leia mais

POEMAS EM LIBRAS SOBRE NATAL UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE POESIA SURDA

POEMAS EM LIBRAS SOBRE NATAL UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE POESIA SURDA POEMAS EM LIBRAS SOBRE NATAL UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE POESIA SURDA Carolina Hessel Silveira Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Discutindo literatura e cultura surda Os estudos sobre cultura

Leia mais

AS REDES SOCIAIS COMO AUXÍLIO NA COMUNICAÇÃO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO MUNICÍPIO DE ITAPERUNA- RJ

AS REDES SOCIAIS COMO AUXÍLIO NA COMUNICAÇÃO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO MUNICÍPIO DE ITAPERUNA- RJ 1 AS REDES SOCIAIS COMO AUXÍLIO NA COMUNICAÇÃO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO MUNICÍPIO DE ITAPERUNA- RJ Autor(es) e instituição: Prof. Ms. Érica Pereira Neto Prof. Ms. Márcio Cabral da Silva

Leia mais

Ensino Fundamental I. Como ajudar as crianças (6 a 8 anos) em seus conflitos?

Ensino Fundamental I. Como ajudar as crianças (6 a 8 anos) em seus conflitos? Ensino Fundamental I Como ajudar as crianças (6 a 8 anos) em seus conflitos? 2015 Objetivo da reunião Este encontro tem o objetivo de comunicar mais claramente as ações desenvolvidas pela escola e favorecer

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA. Apontar não é falta de educação

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA. Apontar não é falta de educação LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Leia o texto a seguir e responda à questão 13. Apontar não é falta de educação A apontação na língua de sinais brasileira faz parte da língua. Ela serve para diferentes

Leia mais

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

Minuta de Resolução Programa de Ações Afirmativas da Udesc

Minuta de Resolução Programa de Ações Afirmativas da Udesc Minuta de Resolução Programa de Ações Afirmativas da Udesc O Reitor da Universidade do Estado de Santa Catarina no uso de suas atribuições e considerando: - a autonomia didático-científica, administrativa

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 Resumo: O presente relato é fruto de uma experiência do componente curricular

Leia mais

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade 1. Educação Especial: histórico, funcionamento e legislação Para suprir a demanda da Educação Especial e

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

II TEXTO ORIENTADOR 1. APRESENTAÇÃO

II TEXTO ORIENTADOR 1. APRESENTAÇÃO II TEXTO ORIENTADOR 1. APRESENTAÇÃO A III Conferência Nacional dos Direitos das Pessoas com Deficiência acontece em um momento histórico dos Movimentos Sociais, uma vez que atingiu o quarto ano de ratificação

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1 FACULDADE PIO DÉCIMO LICENCIATURA EM QUÍMICA ENSINO DE QUÍMICA ÁREA 4 PROF a MARIA ANTÔNIA ARIMATÉIA FREITAS QUESTÃO 01 Com base na projeção da população brasileira para o período 2010-2040 apresentada

Leia mais

Novas possibilidades de leituras na escola

Novas possibilidades de leituras na escola Novas possibilidades de leituras na escola Mariana Fernandes Valadão (UERJ/EDU/CNPq) Verônica da Rocha Vieira (UERJ/EDU/CNPq) Eixo 1: Leitura é problema de quem? Resumo A nossa pesquisa pretende discutir

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

ALUNOS SURDOS E INTÉRPRETES OUVINTES NA PERSPECTIVA DA INCLUSÃO COMO PRÁTICA DISCURSIVA

ALUNOS SURDOS E INTÉRPRETES OUVINTES NA PERSPECTIVA DA INCLUSÃO COMO PRÁTICA DISCURSIVA 00929 ALUNOS SURDOS E INTÉRPRETES OUVINTES NA PERSPECTIVA DA INCLUSÃO COMO PRÁTICA DISCURSIVA SANTOS, Joaquim Cesar Cunha dos 1 Universidade Federal do Espírito Santo UFES NOGUEIRA, Fernanda dos Santos

Leia mais