O RUÍDO OCUPACIONAL NO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA ODONTOLOGIA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O RUÍDO OCUPACIONAL NO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA ODONTOLOGIA."

Transcrição

1 O RUÍDO OCUPACIONAL NO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA ODONTOLOGIA. Aridiane de Castro Borges* Fillipe Gonçalves Coura Abreu* Lucas Correa da Silva* Ramon Ewerton Almeida Costa* Samuel Siqueira Henrique dos Santos* Elaine T. Pitanga Fernandes** RESUMO Tanto o profissional como acadêmicos de Odontologia estão freqüentemente expostos a diversas fontes de ruídos oriundos de equipamentos utilizados no consultório odontológico. O objetivo desse trabalho foi realizar uma revisão de literatura sobre os efeitos ocupacionais do ruído, bem como o conhecimento destes por alunos e profissionais durante o exercício profissional da odontologia. Após o levantamento da literatura pertinente concluiu-se que os efeitos nocivos do ruído não se limitam apenas às lesões do aparelho auditivo, mas comprometem diversos outros órgãos, aparelhos e funções do organismo. Além dos danos auditivos, os principais efeitos do ruído são: estresse, irritabilidade, nervosismo, queda na produtividade, alterações na pressão arterial, cefaléia, tontura, problemas digestivos e zumbido. Com relação ao conhecimento sobre os efeitos do ruído, os alunos de graduação em Odontologia têm consciência dos riscos e medidas de prevenção relacionadas ao mesmo, enquanto os cirurgiões-dentista tem muito pouco conhecimento a respeito do ruído e suas conseqüências. Ambos não usam equipamento de proteção individual durante o atendimento clínico. Como método preventivo ao ruído ocupacional estudiosos preconizam a inclusão do protetor auricular como equipamento de proteção individual para o cirurgião-dentista, bem como programas de conservação auditiva nas universidades. PALAVRAS-CHAVE: Ruído ocupacional, Odontologia, Perda auditiva. *Alunos do 8º período do curso de Odontologia da FACS/UNIVALE. ** Professora Adjunta da FACS/UNIVALE; Mestre em Clínica Odontológica

2 2 INTRODUÇÃO O tema ruído, suas repercussões na saúde e a maneira de estabelecer controle do mesmo tem sido objetivo de crescentes estudos e preocupações no campo da saúde publica (SANTOS, 1996). Segundo Souza, Matos e Nunes (2002) o termo ruído deve ser usado para descrever um som indesejável, de forma distinta do termo som, utilizado apenas para as sensações prazerosas. O exercício profissional da Odontologia traz ao longo de sua trajetória alguns riscos ocupacionais severos. Dentre eles, os problemas auditivos oriundos dos ruídos do ambiente clínico são bastante freqüentes, causando danos irreversíveis aos profissionais atuantes. Os altos níveis de ruído são advindos de várias fontes, presentes no consultório odontológico, tais como, compressores de ar, sugadores de saliva, bombas de aspiração à vácuo e turbinas de alta rotação, além de outros fatores como som ambiente e ruído externo ao ambiente de trabalho (GARBIN et al., 2004; TORRES et al., 2007). As possíveis marcas dos anos de trabalho são cumulativas e só serão observadas ao final da carreira, quando nada mais ou muito pouco pode ser feito (TORRES et al., 2007). A cronicidade dos efeitos e as dificuldades de estabelecer correlações diretas com doenças que comprometem o aparelho auditivo fazem do ruído um agente reconhecível, mas com repercussões pouco visíveis, sendo necessário chamar a atenção para o real problema que afeta os trabalhadores de saúde bucal (SOUZA, MATOS e NUNES, 2002). Os efeitos nocivos do ruído não se limitam apenas às lesões do aparelho auditivo, mas comprometem diversos outros órgãos, aparelhos e funções do organismo,

3 3 contribuindo dessa maneira para aumentar as preocupações e esforços na eliminação e/ou controle desse agente (SOUZA, MATOS e NUNES, 2002; GARBIN et al., 2004). Em virtude disso, os profissionais da classe odontológica devem ser conscientizados sobre a sua existência bem como sobre as conseqüências danosas que representam para sua saúde (SOUZA, MATOS e NUNES, 2002). Diante do exposto este estudo tem como objetivo realizar uma revisão de literatura sobre os efeitos ocupacionais do ruído, bem como o conhecimento destes por alunos e profissionais durante o exercício da Odontologia. REVISÃO DA LITERATURA O cirurgião-dentista está exposto à vários agentes estressores durante a execução de suas tarefas diárias. Entre eles, o ruído ambiental pode ser considerado um dos mais prejudiciais em função da cronicidade do seu efeito, além de ser um agente facilmente ignorado, pois suas conseqüências somente poderão ser observadas com o passar dos anos, em alguns casos tarde demais (SOUZA, MATOS e NUNES, 2002; TORRES et al., 2007). As principais fontes de ruído as quais os cirurgiões dentistas estão expostos diariamente são: compressores de ar, sugadores de saliva, bombas de aspiração à vácuo e turbinas de alta rotação, além de outros fatores como som ambiente, choro e gritos de crianças e ainda ruídos externos ao ambiente de trabalho, como conversação de clientes na sala de espera e barulho de trânsito (BRASIL, 2006; GARBIN et al., 2004; TORRES et al., 2007).

4 4 De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), o ruído assim como os demais agentes físicos associados está entre os riscos mais freqüentes a que estão sujeitos os profissionais que atuam na assistência odontológica (BRASIL, 2006). A Organização Mundial de Saúde estima que em torno de 15% dos trabalhadores de países desenvolvidos estejam expostos a intensidades deletérias à audição (WHO, 2001). No que diz respeito à legislação brasileira relativa à segurança e medicina do trabalho, o Ministério da Saúde, através da Norma Regulamentadora nº 15, anexo nº 1, da Portaria nº 3.214, de 08 de junho de 1978, estabelece que os sons potencialmente perigosos estão acima de 85 db (A), embora o limiar seguro possa variar de pessoa para pessoa e até de ouvido para ouvido. Quanto aos limites de tolerância, o tempo máximo de exposição a um ruído de 85 db equivale a oito horas, sendo que se em 86 db este tempo passa para sete, em 87 db cai para seis horas e em 88 db sua tolerância baixa para cinco horas (BRASIL, 1999). Em relação aos níveis de ruído, a Organização Mundial de Saúde (OMS) preconiza que o limiar seguro é de 55 db, recomendando a utilização de algum tipo de proteção em níveis acima deste. Quando o nível de ruído ultrapassa 75 db(a), as pessoas começam a sentir desconforto acústico, e além de 80 db(a), as mais sensíveis podem sofrer perda de audição, o que se generaliza quando ocorrem níveis acima de 85 db(a) (OMS, 2002).

5 5 A Norma Regulamentadora 17 (NR-17) preconiza que para o trabalho ser executado de forma segura e eficiente, o nível de ruído aceitável deve ser de 65 db, no que tange às condições de conforto acústico (BRASIL, 1999). Os ruídos ambientais provenientes de equipamentos usados durante o tratamento odontológico são extremamente prejudiciais à saúde do cirurgião-dentista e, além de promoverem a diminuição da capacidade auditiva, levam os profissionais ao estresse, estafa, irritabilidade, nervosismo, queda na produtividade e alterações na pressão arterial. A continuidade do ruído tem efeitos adversos no raciocínio, na habilidade e na exatidão de resolução de problemas (SAQUY, et al. 1990; SMITH, 1997; DIAS, CORDEIRO e GONÇALVES, 2006; OLIVEIRA, CAMPOS e GARCIA, 2007). Devido ao fato de tais ruídos não poderem ser eliminados, torna-se importante à conscientização precoce dos dentistas quanto aos riscos a que estão expostos para que possam controlá-los (SOUZA, MATOS e NUNES, 2002; GARBIN, et al., 2004; OLIVEIRA, CAMPOS e GARCIA, 2007). A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR) pode ser conceituada como uma diminuição gradual da acuidade auditiva do tipo neurossensorial decorrente da exposição contínua a níveis elevados de ruído, constituindo-se em doença profissional de grande prevalência no meio odontológico. O indivíduo acometido pela PAIR é capaz de ouvir, porém incapaz de compreender o que está sendo dito. Na Odontologia, o ruído pode provocar ainda uma queda de 60% na produtividade por dificultar a concentração, propiciando erros, desperdícios e acidentes por distração. É importante ressaltar que tal distúrbio é irreversível e de evolução progressiva, passível totalmente de prevenção, de modo que cessada a causa ou minimizada para níveis não lesivos, a perda se estabilizará. A PAIR não é corrigida nem cirurgicamente, e muito menos com o uso de aparatos auditivos. Sabe-se que a exposição freqüente a elevados níveis de ruídos provenientes do ambiente profissional, é um potencial fator de risco para que o cirurgião-dentista seja

6 6 acometido pela Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR). Segundo dados do Ministério da Saúde, além dos sintomas auditivos freqüentes, o trabalhador portador de PAIR também apresenta queixas como cefaléia, tontura, irritabilidade e problemas digestivos (BRASIL, 2006). Dentre os efeitos decorrentes da perda auditivas, Dias e Cordeiro (2008), ressaltam ainda o zumbido que ao propiciar dificuldades inclusive em contexto extralaborais, influencia negativamente na qualidade de vida do trabalhador e das pessoas que o cercam. Assim como nos consultórios odontológicos, nas faculdades de Odontologia as atividades de ensino-aprendizagem requerem o uso de equipamentos que emitem ruído (instrumentos rotatórios de alta e baixa rotação, máquinas de laboratório, etc). Desta forma faz-se importante investigar o conhecimento de alunos e profissionais a respeito dos riscos ocupacionais provocados pelo ruído (TORRES, 2007). Fernandes, Oliveira e Fernandes (2004), pesquisaram a que níveis de ruído o cirurgião-dentista de Bauru está exposto em seu consultório dentário quando utiliza sua caneta de alta rotação, e se esse ruído pode ou não trazer conseqüências a ele. Pesquisaram ainda através de um questionário, o nível de conhecimento dos cirurgiõesdentistas a respeito de ruídos. Realizaram medições em 21 consultórios dentários, tanto do ruído ambiental, quanto das canetas de alta rotação em funcionamento, vinte e cinco profissionais responderam ao questionário. Através dos resultados os autores concluíram que o cirurgião-dentista não corre riscos de perda auditiva, mas a sua saúde física e mental e seu bem estar podem ser alterados por conta do ruído da caneta de alta rotação somada ao ruído ambiental; verificaram também que os profissionais conhecem muito pouco a respeito do ruído e suas conseqüências, e não adotam praticamente nenhuma atitude para se prevenir contra as conseqüências da exposição ao ruído.

7 7 Garbin et al. (2006), elaboraram um estudo com o objetivo de realizar uma avaliação ocupacional do nível de ruído produzido em 40 equipos ocupados por 80 alunos divididos em dupla, durante atividade clínica, na disciplina de Clínica Integrada da Faculdade de Odontologia de Araçatuba UNESP. Os resultados mostraram que o nível de ruído, tanto a média, máxima e a mínima (76,0 db; 83,4 db e 70,0 db, respectivamente) não consta de uma atividade insalubre conforme a NR-15 norma de segurança e medicina do trabalho e não estabelece a obrigatoriedade quanto ao uso do protetor auditivo. No entanto o valor máximo ficou acima do limitado de 80 db da norma NR-17, e por fim todos os valores ficaram acima de 65 db da norma NBR de conforto acústico. Dessa forma os autores concluíram que o profissional deve adotar medidas de comportamento preventivo, como o uso de protetor auricular, mesmo que não obrigatório, para evitar lesões auditivas ao longo de sua carreira. Os autores ressaltam ainda que as universidades devem realizar avaliações de insalubridade nas clínicas de graduação, e assim alertar os futuros profissionais dos riscos ocupacionais, aos quais estão expostos. Com o objetivo de avaliar o nível de conhecimento de acadêmicos de Odontologia acerca da PAIR, Torres et al. (2007) realizaram um estudo com 68 alunos do curso de Odontologia da Universidade da Paraíba. Os dados foram coletados através de um questionário. Os resultados mostraram que 79,5% dos estudantes sabem que a PAIR é uma perda da capacidade auditiva provocada por exposição constante ao ruído, 4,5% complementaram, classificando-a como doença ocupacional. Com relação as causas, 92,6% citaram o ruído constante como condição de risco para a PAIR, sendo o compressor e a alta rotação os mais citados como fonte de ruído. Como medidas de proteção o protetor auricular, a localização adequada do compressor e a manutenção técnica dos equipamento foram as mais relacionadas. Os resultados observados indicaram que os acadêmicos conhecem a PAIR, sabem que o cirurgião dentista é um profissional de risco para tal patologia e ainda conhecem suas causas e medidas de prevenção, apesar de não utilizá-las. Os autores consideram que há necessidade de conscientização dos acadêmicos para utilização de tais medidas, visto que esta problemática interfere na qualidade de vida dos que atuam na profissão odontológica.

8 8 Oliveira, Campos e Garcia (2007), observaram e compararam a percepção dos alunos de um curso de Odontologia quanto aos efeitos de ruído dentro do ambiente de trabalho odontológico. A população foi constituída de 196 alunos do curso de graduação da faculdade de Odontologia de Araraquara UNESP, do segundo ao quarto ano. O instrumento de análise foi questionário contendo questões relativas à exposição e às principais fontes de ruído ocupacional. Os resultados mostraram que 93,9% dos alunos do segundo ano, 96,8% do terceiro e 100% dos alunos do quarto ano julgaram que estão sendo expostos aos ruídos ambientais durante os trabalhos na clínica e laboratórios. A principal fonte de ruídos durante as atividades clínico/laboratoriais relatada pelos alunos do segundo e terceiro ano foi a caneta de alta rotação (18,2 e 8,1% respectivamente) e, para o quarto ano, foi a bomba à vácuo (25%). Com relação à reação ao ruído, 36,4% dos alunos do segundo ano, 67,7% do terceiro e 52,9% do quarto mencionaram que ele incomoda. Os autores concluíram que a percepção quanto à exposição ao ruído ambiental aumenta no decorrer do curso, à medida em que os alunos entram cada vez mais em contato com o mesmo. A maioria dos alunos da graduação possuía consciência da presença do ruído ocupacional e de suas conseqüências sobre a sua saúde, porém seus conhecimentos a respeito de medidas preventivas adequadas, bem como da intensidade máxima à qual podem se expor durante a execução de seu trabalho diário ainda são limitados. Torres (2007), investigou o conhecimento de acadêmicos de Odontologia de uma Universidade Pública do Rio Grande do Norte acerca da Perda Auditiva Induzida pelo Ruído (PAIR), relacionando-o aos níveis de ruído a que estão expostos e à tomada de medidas preventivas durante as atividades clínicas. Foi observado que 95% dos indivíduos sabem que o cirurgião dentista é um profissional de risco para a PAIR. Dentre as causas da PAIR, a caneta de alta rotação foi lembrada por 92,4% dos acadêmicos. Dos que enumeraram medidas de proteção para a PAIR, 92% citaram o uso de protetor auricular, embora 97% dos pesquisados terem relatado não usar nenhum tipo de medida preventiva em relação ao ruído. Observou-se também que 96% dos acadêmicos percebem o ruído durante o atendimento clínico, o que chega a incomodar 28,1% deles. Quanto aos níveis de ruído, as canetas de alta rotação dos acadêmicos apresentaram um valor médio

9 9 de 80,5 db variando de 72,3 a 88,3 db. Já a média de ruído ambiente na Clínica Integrada foi de 74,8 db. Apesar dos níveis de ruído observados neste estudo encontrarem-se abaixo dos limites de tolerância estabelecidos pela legislação, o autor considerou que podem provocar prejuízos à saúde dos profissionais da Odontologia. Dessa forma sugeriu que os cursos de graduação deveriam incentivar os alunos a se prevenir das doenças ocupacionais e melhor preservar sua saúde. Estudos abordando os efeitos do ruído ocupacional na saúde do cirurgião dentista tem sido objeto de crescentes investigações na área da saúde pública. Desta forma, Paraguay (1999) realizou um estudo com o objetivo de verificar se o ruído presente no consultório odontológico exerce alterações na acuidade auditiva do cirurgião dentista. Foi realizada uma pesquisa prática com exames auditivos e anamnese para coleta dos dados de profissionais, classificando-os de acordo com o tempo de exposição ao ruído. Cirurgiões-dentistas com, aproximadamente, cinco anos de vida profissional não referiram queixas audiológicas. Após este período, as queixas começaram a surgir: cefaléia, zumbidos, diminuição auditiva e irritabilidade. Segundo o autor as audiometrias tonais e vocais confirmam que a perda auditiva induzida por ruído acometem estes profissionais e que eles nada fazem para minimizar o barulho no ambiente. Lacerda et al. (2002), analisaram os níveis de pressão sonora (NPS) presente no consultório odontológico a fim de detectar se pode ser considerado como fator de risco de acordo com o limite máximo de ruído permitido pela legislação do trabalho para as pessoas que atuam neste local. Foram realizadas avaliações em diferentes circunstâncias, ou seja, desde o ambiente silencioso até o mais ruidoso, com todos os equipamentos funcionando, e avaliação individual de cada peça de mão. Os resultados revelaram variações de 45 a 76 db(a) em diferentes medições no consultório odontológico e de 70 a 78 db(a) nas peças de mão. Os autores concluíram que os níveis de pressão sonora encontrados podem causar desconforto, sem necessariamente implicar em risco ou dano à saúde.

10 10 Ruschel et al. (2005), averiguaram a existência da perda auditiva induzida pelo ruído em cirurgiões-dentistas, relacionando o grau de perda auditiva encontrado ao tempo de exposição diária, ao ruído ocupacional e ao tempo de atividade profissional na clinica odontológica. Para tanto, foi realizado uma avaliação audiológica através dos procedimentos de audiometria tonal limiar, logoaudiometria, imitanciometria e emissões otoacústica. Os autores concluíram que houve de fato uma interferência do ruído ocupacional na audição dos cirurgiões-dentistas. O rebaixamento do limiar auditivo em forma de gota acústica foi verificado em 100% dos profissionais com tempo de atuação na Odontologia superior a cinco anos. O fator que mais fortemente incidiu como colaborador da perda auditiva foi o tempo de atividade profissional. Lelo et al. (2009), avaliaram os limiares auditivos por meio da audiometria tonal limiar (ATL), em 30 cirurgiões-dentistas que atuam a mais de três anos na profissão, com idade máxima de ate 45 anos. Todos os participantes passaram pelos seguintes procedimentos: anamnese, meatoscopia, ATL, logoaudiometria e imitanciometria. Os resultados mostraram que 27% dos odontólogos apresentaram queixa de zumbido, 30% de insônia e 37% dor de cabeça. Segundo os autores, tais achados justificam a necessidade da realização de exames audiometricos periódicos e o uso de protetores auriculares para a manutenção da saúde auditiva e a diminuição dos sintomas associados.

11 11 DISCUSSÃO Autores como Garbin, et al. (2004); Fernandes, Oliveira e Fernandes, (2004); Brasil, (2006); Torres, et al. (2007) concordam que o cirurgião-dentista, basicamente, está sujeito a dois tipos de ruídos: o ruído ambiental, constituído pelos ruídos externos ao seu ambiente de trabalho, tais como o trânsito, vozes, compressor de ar (quando se localizar fora do ambiente), telefone, campainha, ruídos provenientes da sala de espera, e pelos ruídos provenientes de seu próprio ambiente de trabalho, tais como as canetas odontológicas, compressor de ar (quando localizado no ambiente), sugador, amalgamador, condicionador de ar, entre outros O aumento das fontes produtoras de ruído tem prejudicado a qualidade de vida dos profissionais, acelerando a deterioração do aparelho auditivo podendo causar lesões irreversíveis, dependendo da intensidade do ruído e do tempo de exposição (GARBIN et al., 2006). Estudiosos (Souza, Matos e Nunes, 2002; Garbin et al., 2004) corroboram a idéia de que os efeitos nocivos do ruído não se limitam apenas às lesões do aparelho auditivo, mas comprometem diversos outros órgãos, aparelhos e funções do organismo, contribuindo dessa maneira para aumentar as preocupações e esforços na eliminação e/ou controle desse agente. Além dos danos auditivos, os principais efeitos do ruído relatados pelos pesquisadores (Saquy, et al. 1990; Smith, 1997; Dias, Cordeiro e Gonçalves, 200); Oliveira, Campos e Garcia, 2007) são: estresse, irritabilidade, nervosismo, queda na produtividade, alterações na pressão arterial. Outros autores ainda citam a cefaléia, tontura e problemas digestivos (BRASIL, 2006) e o zumbido (DIAS e CORDEIRO, 2008). Cordeiro et al. (2005) relatam uma associação positiva entre ruído e acidentes de trabalho ao avaliarem trabalhadores na cidade de Botucatu, São Paulo.

12 12 No que diz respeito à legislação que controla o ruído, observa-se uma divergência entre as formas da Lei, uma vez que nem o Ministério da Saúde, nem a Organização Mundial de Saúde chegaram a um consenso quanto aos limiares seguros do nível de ruído (BRASIL, 1999; OMS, 2002). A Norma Regulamentadora NR 15 do Ministério da Saúde estabelece um valor máximo de 85dB(A) para uma jornada de 8 horas de trabalho diário, enquanto a OMS preconiza que o limiar seguro é de 55dB(A). Nesse meio fica o cirurgião-dentista à revelia, exposto aos riscos ocupacionais e sofrendo as conseqüências da perda auditiva induzida pelo ruído. Nas aulas práticas dos cursos de Odontologia a acústica ambiente é caracterizada por altos níveis de ruído em relação a outras áreas de ensino, atribuídos ao ruído exagerado produzido por instrumentos rotatórios de baixa e alta rotação e ao uso simultâneo de equipamento odontológico por várias pessoas ao mesmo tempo (TORRES, 2007). Nos estudos realizados por Garbin et al. (2006) e Torres (2007) para avaliação do nível de ruído durante as atividades clínicas em faculdades de Odontologia, os resultados encontrados ficaram abaixo do limite de tolerância estabelecido pela legislação e, portanto não indicaram uma atividade insalubre. Resultado semelhante foi constatado por Lacerda et al. (2002) e Fernandes, Oliveira e Fernandes (2004) ao analisarem os níveis de pressão sonora em consultórios odontológicos. Lacerda el al. (2002); Garbin et al. (2006) e Torres (2007) concordam que apesar de não oferecerem risco para a perda auditiva, os níveis de ruído encontrados podem provocar desconforto e prejuízos à saúde e qualidade de vida dos profissionais da Odontologia.

13 13 Paraguay (1999) e Ruschel et al. (2005) realizaram exames audiometricos para avaliarem os limiares auditivos de cirurgiões-dentistas. Paraguay (1999) obteve como resultados em sua pesquisa que os odontólogos com cinco anos ou mais de atuação profissional apresentaram alterações no exame de audiometria tonal limiar, dado este confirmado através dos achados de Ruschel et al. (2005). Os autores corroboram que houve de fato uma interferência do ruído ocupacional na audição dos cirurgiões-dentistas. Com relação à percepção de alunos de graduação em Odontologia quanto aos efeitos do ruído dentro do ambiente de trabalho odontológico, os estudos mostram que os mesmos têm consciência dos riscos e medidas de prevenção relacionadas ao ruído, embora não ponham em prática tal conhecimento (TORRES et al. 2007; OLIVEIRA, CAMPOS E GARCIA, 2007). Já em relação ao conhecimento dos profissionais Fernandes, Oliveira e Fernandes, (2004) relatam que eles conhecem muito pouco a respeito do ruído e suas conseqüências e também não adotam praticamente nenhuma medida preventiva. Em função dos efeitos cumulativos do ruído, a percepção para a importância de sua prevenção é extremamente relevante para os futuros profissionais, visto que não há como desfazer os danos causados pelo ruído depois que eles se instalaram (SOUZA, MATTOS e NUNES, 2002; OLIVEIRA, CAMPOS e GARCIA, 2007). Considerando que o ruído é um fator presente na vida do cirurgião-dentista desde a sua formação profissional e que a prevenção é o único meio para se preservar a sua saúde auditiva, Garbin et al. (2006) e Torres et al. (2007) recomendam que o cirurgiãodentista inclua o protetor auricular no Equipamento de Proteção Individual (EPI) objetivando minimizar a exposição ao ruído no consultório odontológico, bem como a ocorrência de lesões auditivas. No mesmo sentido Lelo et al. (2009) além de preconizarem o uso de protetores auriculares, ressaltam a necessidade dos profissionais realizarem exames audiométricos periódicos visando a manutenção da saúde auditiva.

14 14 A pouca informação referente ao ruído em consultório odontológico durante a graduação pode estar dificultando que esses profissionais controlem o ruído em seus consultórios e se previnam de possíveis alterações auditivas. Neste sentido, Torres et al. (2007) e Torres (2007) concordam que para tal conscientização dos acadêmicos, as faculdades de Odontologia, deveriam implementar um programa de conservação auditiva que contemplasse o fornecimento de informações acerca da PAIR e a exigência de que no Equipamento de Proteção Individual de uso já rotineiro, em função das normas de biossegurança adotadas, seja incluído o protetor auricular, o que o tornaria também de uso obrigatório no atendimento clínico. Dessa forma, o acadêmico de Odontologia, deve encarar a importância de identificar riscos e procurar eliminá-los, desde já, de seu ambiente de trabalho, a fim de atingir, no futuro, uma ótima saúde e qualidade de vida. CONCLUSÃO - Os principais efeitos do ruído ocupacional na vida do cirurgião dentista são: diminuição da capacidade auditiva, estresse, estafa, irritabilidade, nervosismo, cefaléia, tontura, problemas digestivos, queda na produtividade, alterações na pressão arterial e aumento no risco de acidentes. - Com relação ao conhecimento sobre os efeitos do ruído, os alunos de graduação em Odontologia têm consciência dos riscos e medidas de prevenção relacionadas ao mesmo, enquanto os cirurgiões-dentista têm muito pouco conhecimento a respeito do ruído e suas conseqüências. Ambos não usam equipamento de proteção individual durante o atendimento clínico. - Maior ênfase sobre os riscos inerentes ao ruído ocupacional na Odontologia deve ser dada nos cursos de graduação, enfocando os aspectos preventivos relacionados ao ruído incentivando cada vez mais o aluno a prevenir-se das doenças ocupacionais e melhor preservar sua saúde.

15 15 ABSTRACT THE OCCUPATIONAL NOISE IN THE PRACTICE OF DENTISTRY. Tanto o profissional como acadêmicos de Odontologia estão freqüentemente expostos a diversas fontes de ruídos oriundos de equipamentos utilizados no consultório odontológico. The objective of this work was to carry through a literature revision on the occupational effect of the noise, as well as the knowledge of these for pupils and professionals during the professional exercise of the odontologia. After the survey of pertinent literature was concluded that the harmful effect of the noise if do not limit only to the injuries of the auditory device, but compromises diverse other agencies, devices and functions of the organism. Beyond the auditory damages, the main effect of the noise are: it estresse, digestive irritability, nervousness, fall in the productivity, alterations in the arterial pressure, chronic headache, giddiness, problems and humming. Com relação ao conhecimento sobre os efeitos do ruído, os alunos de graduação em Odontologia têm consciência dos riscos e medidas de prevenção relacionadas ao mesmo, enquanto os cirurgiões-dentista tem muito pouco conhecimento a respeito do ruído e suas conseqüências. Both do not use equipment of individual protection during the clinical attendance. As studious preventive method to the occupational noise they praise the inclusion of the auricular protector as equipment of individual protection for the surgeondentist, as well as programs of auditory conservation in the universities. KEY-WORDS: Occupational noise, Surgeon-Dentist, Auditory loss.

16 16 AGRADECIMENTOS A Deus por estar sempre presente em nossas vidas e tornando tudo possível. À professora e orientadora Elaine Pitanga por seu apoio, paciência e inspiração no amadurecimento dos nossos conhecimentos e conceitos que nos levaram a execução e conclusão deste artigo. Agradecemos o apoio dos nossos amigos e familiares por toda confiança depositada, o que tornou possível a realização desse trabalho. REFERÊNCIAS BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Normas regulamentadoras aprovadas pela portaria de 08 de junho de In: Segurança e Medicina do Trabalho Manual de Legislação. São Paulo, ed. 44, p. 644, Atlas, BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. ANVISA. Serviços odontológicos: prevenção e controle de riscos. Brasília, CORDEIRO, R.; CLEMENTE, G. P. A.; DINIZ, S. C.; DIAS, D. Exposição ao ruído ocupacional como fator de risco para acidentes do trabalho. Rev. Saúde Pública, Botucatu, v. 39, n. 3, p , fevereiro DIAS, A.; CORDEIRO, R.; GONÇALVES, C. G. O. Exposição ocupacional ao ruído e acidentes de trabalho. Caderno de Saúde Publica, v. 22, n. 10, p

17 17 DIAS, A.; CORDEIRO, R. Interação entre grau de perda auditiva e o incômodo com zumbidos em trabalhadores com história de exposição ao ruído. Rev. Brasileira de Otorrinolaringologia, Botucatu, v. 74, n. 6, p , novembro FERNANDES, J. C.; OLIVEIRA, J. R. E. de.; FERNANDES, V. M. Avaliação do ruído em consultório dentário. Rev. de Odontologia da UNESP, Bauru, nov GARBIN, A. J. I.; GARBIN, C. A. S.; FERREIRA, N. F.; FERREIRA, N. L. O ruído no consultório odontológico: um problema ocupacional. Rev. da Faculdade de Odontologia de Anápolis, v.6, n.1, p GARBIN, A. J. I.; GARBIN, C. A. S.; FERREIRA, N. F.; FERREIRA, N. L. Evaluacíon de la incomodidad ocupacional: nível del ruído de una clinica de graduacion. Rev. Brasileira de Odontologia da UNESP; Araçatuba, v.44, n LACERDA, A.; MELO, S. C. S.; MEZZADRI, D. S.; ZONTA, G. W. Nível de pressão sonora de um consultório odontológico: uma análise ergonômica. Tuiuti: Ciência e Cultura, Curitiba, v. 3, n. 26, p , jan LELO, N. M. V.; RICCO, F. F.; SABO, V. A.; NETTO, M. P.; RICCO. R. A. P. O. Avaliação do limiar auditivo em profissionais da Odontologia. Colloquium Vitae, p , OLIVEIRA, A. L. B. M.; CAMPOS, J. A. D. B.; GARCIA, P. P. N. S. Ruído ambiental e sua percepção pelos alunos de Odontologia. Rev. Odontologia da UNESP, São Paulo, v. 36, p. 9-16, 2007.

18 18 ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. OMS: Le bruit au tavail el le bruit ambient. Aide-mémoire. Genéve, PARAGUAY, A. T. T. Perda auditiva induzida por ruído em consultório odontológico f. Monografia de conclusão de curso (Especialização em Audiologia clinica)_ Curso de Especialização em Fonoaudiologia Clínica, Recife. Setembro, RUSCHEL, V. C.; ZIEMBOWICZ, B. A. L.; SLEIFER, P.; MATTOS, P. A. Perda auditiva induzido pelo ruído em cirurgiões-dentistas. Rev. Brasileira de Odontologia, São Paulo, v. 62, n.1 e 2, p SANTOS, U. P. Ruído: riscos e prevenção. 2. ed. São Paulo: Huncitec SAQUY, P. C.; SOUSA NETO, M. D.; FELICIO, C. M.; PECORA, J. D. Intensidade de ruído produzidos pelas canetas de alta rotação. Rev. Gaúcha de Odontologia, Rio Grande do Sul, n. 42, p SMITH, S. L. The Other effects of noise. Occupational Hazards, v. 59, p SOUZA, H. M. M. R.; MATTOS, U. A. O.; NUNES, F. P. Nível de ruído produzido por turbina de alta rotação em consultório odontológico. Rev. Brasileira de Odontologia, v. 59, n.3, p

19 19 TORRES, B. O.; FERNANDES, M. J. M.; FÉLIX, S. S. S.; COSTA, I. C. C. A Perda Auditiva Induzida pelo Ruído (PAIR) na formação acadêmica: conhecimentos e medidas de prevenção. Odontologia. Clín.-Científ., Recife, v. 6, n. 2, p , abr/jun TORRES, B. O. A perda auditiva induzida pelo ruído (PAIR) na formação odontológica: conhecimentos e níveis de exposição f. Dissertação apresentada ao programa de pós-graduação em Odontologia (Mestre em Odontologia)_ UFRN. Natal, WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO. Occupational and community noise. Geneva, Endereços para Correspondência Ramon Ewerton Almeida Costa. Rua: Benedito Valadares, 432 Centro. São João Evangelista MG CEP Cel. (33) Lucas Correa da Silva Rua: Professor Bernadino sena nº205 - centro Tarumirim - MG CEP Cel. (33)

Nível de pressão sonora de um consultório odontológico: uma análise ergonômica

Nível de pressão sonora de um consultório odontológico: uma análise ergonômica Adriana Lacerda et al. 17 Nível de pressão sonora de um consultório odontológico: uma análise ergonômica Adriana Lacerda (Doutoranda) Curso de Fonoaudiologia Universidade Tuiuti do Paraná Sandra Cristina

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F. B. Moreira O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva decorrente da

Leia mais

EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1

EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1 1 EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1 RESUMO. Os efeitos do ruído decorrentes do desenvolvimento tecnológico alcançado pela Sociedade atual, não podem mais ser relegados

Leia mais

Perda Auditiva Induzida por Ruído

Perda Auditiva Induzida por Ruído AUDIÇÃO E TRABALHO Audição e Trabalho Ouvir é essencial para a comunicação verbal. É pela audição que percebemos os sons e temos uma boa orientação ambiental. A audição é um canal importante de entrada

Leia mais

Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Introdução Material e Método

Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Introdução Material e Método Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Palavras Chaves: Perda auditiva induzida por ruído, audição, militares. Introdução

Leia mais

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações Um pouco sobre nós. Referência em Medicina Ocupacional, Saúde do Trabalhador em Uberlândia e Região. Nosso objetivo é solucionar os problemas ligados à preservação da saúde e segurança do trabalhador,

Leia mais

EFEITO DA EXPOSIÇÃO A ELEVADOS NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA SOBRE O ORGANISMO DE TRABALHADORES DE PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO DE SHOPPING CENTER

EFEITO DA EXPOSIÇÃO A ELEVADOS NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA SOBRE O ORGANISMO DE TRABALHADORES DE PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO DE SHOPPING CENTER EFEITO DA EXPOSIÇÃO A ELEVADOS NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA SOBRE O ORGANISMO DE TRABALHADORES DE PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO DE SHOPPING CENTER Formatad margem: Ligocki, CG; Teixeira, APV; Parreira, LMMV. Curso

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN Carmem

Leia mais

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR Perda Auditiva Induzida Disciplina Medicina Social e do Trabalho MLS 0412 Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Graduação 3º Ano Grupo A1 Trata-se de uma perda auditiva do tipo neuro-sensorial,

Leia mais

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes RUÍDO Trabalho Elaborado por: Bruno Pereira nº 13791 Engenharia Mecânica Fábio Oliveira nº 15434 Engenharia Química Filipe Ataíde nº 15909 Engenharia Química Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES PI-PR-6 20/01/29 PI-PR-6 - PROGRAMA DE PROTEÇÃO AUDITIVA - PPA Página 1 de 12 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO OBS. 20/01/29 Emissão Inicial ELABORAÇÃO: (ÁREA) FUNÇÃO / INICIAIS: R SO / VC

Leia mais

Nome da atividade: PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS AUDITIVA

Nome da atividade: PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS AUDITIVA Nome da atividade: DE PERDAS AUDITIVA RESULTADOS ESPERADOS: - PREVENIR A INSTALAÇÃO DE PERDAS AUDITIVAS OCUPACIONAIS. - CONTROLAR A EVOLUÇÃO DE PERDAS JÁ EXISTENTES - DIAGNOSTICAR PRECOCEMENTE PERDAS AUDITIVAS

Leia mais

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade Complexidade da especialidade Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização O

Leia mais

Avaliação de desempenho acústico de um consultório odontológico

Avaliação de desempenho acústico de um consultório odontológico Produção, v. xx, n. x, xxx./xxx. xxxx, p. xx-xx doi: XX.XXXX/XXXXX-XXXXXXXXXXXXXXXXX Avaliação de desempenho acústico de um consultório odontológico Júlio César Fernandes a, *, Larissa Nascimento dos Santos

Leia mais

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno SOM Isabel Lopes Nunes FCT/UNL toda a vibração mecânica que se propaga num meio elástico (ar, metais, líquidos ), desde que as frequências que a compõem se encontrem dentro de uma determinada faixa audível

Leia mais

PAIRO E INCAPACIDADE LABORATIVA

PAIRO E INCAPACIDADE LABORATIVA PAIRO E INCAPACIDADE LABORATIVA Ainda encontramos um grande número de ações trabalhistas de reintegração por disacusias como também ações de indenização pelo mesmo motivo. Continuamos com o mesmo quadro

Leia mais

ANÁLISE DO CONHECIMENTO DOS FUNCIONÁRIOS DE UMA FÁBRICA DE BEBIDAS DE SANTA MARIA-RS, EM RELAÇÃO AOS EFEITOS DO RUÍDO NO ORGANISMO.

ANÁLISE DO CONHECIMENTO DOS FUNCIONÁRIOS DE UMA FÁBRICA DE BEBIDAS DE SANTA MARIA-RS, EM RELAÇÃO AOS EFEITOS DO RUÍDO NO ORGANISMO. ANÁLISE DO CONHECIMENTO DOS FUNCIONÁRIOS DE UMA FÁBRICA DE BEBIDAS DE SANTA MARIA-RS, EM RELAÇÃO AOS EFEITOS DO RUÍDO NO ORGANISMO. Sandra Mara Almeida Ferreira Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Unitermos Saúde Ocupacional Saúde Ambiental Ruído Análise do Nível de Ruído Ambiental em uma Central de Call Center

Unitermos Saúde Ocupacional Saúde Ambiental Ruído Análise do Nível de Ruído Ambiental em uma Central de Call Center Teresa M. Momensohn-Santos Marielaine I.M. M.Gimenes Valeria R C Moura Unitermos Saúde Ocupacional Saúde Ambiental Ruído Análise do Nível de Ruído Ambiental em uma Central de Call Center Resumo: A proposta

Leia mais

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO Humberto J. P. Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO O ruído é um dos agentes físicos que gera mais incomodidade. É responsável por conflitos entre pessoas, entre pessoas

Leia mais

----- CARTILHA ORIENTATIVA ----- ------- Agente Físico: RUÍDO ------- Ilustração: Beto Soares - Foto Revista Proteção

----- CARTILHA ORIENTATIVA ----- ------- Agente Físico: RUÍDO ------- Ilustração: Beto Soares - Foto Revista Proteção Membros do Comitê Cícero Firmino da Silva STIG de Taubaté e Vale do Paraíba José Augusto de Oliveira STIG do Estado do Paraná; Marcelo de Souza Marques STIG de Jundiaí e Região; ----- CARTILHA ORIENTATIVA

Leia mais

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Conceito Poluição sonora é qualquer alteração nas características do som ambiente provocada por ruídos. Som e Ruído SOM É o resultado

Leia mais

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade O

Leia mais

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Introdução O ruído pode ser definido como um som desagradável e indesejável que pode afetar

Leia mais

Prova Discursiva de SST Professor Flávio Nunes

Prova Discursiva de SST Professor Flávio Nunes QUESTÃO 13: A empresa Cabeça de Prego Metalúrgica Ltda. possui, no setor de produção de pregos metálicos de duas cabeças, diferentes máquinas e equipamentos, que são operadas por trabalhadores capacitados.

Leia mais

NÍVEL DE RUÍDO NAS AULAS DE GINÁSTICA E AS QUEIXAS AUDITIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES

NÍVEL DE RUÍDO NAS AULAS DE GINÁSTICA E AS QUEIXAS AUDITIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES NÍVEL DE RUÍDO NAS AULAS DE GINÁSTICA E AS QUEIXAS AUDITIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES Gabriela Campion de Oliveira 1, Carla Cristiane da Silva 2 RESUMO Esta pesquisa mostra a importância da música

Leia mais

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA Laboratório de Psicofísica e Percepção AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA Fga. Joseane dos Santos Piola Doutoranda do Programa de Pós graduação em Psicobiologia 2009 AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA CLÍNICA: sentimentos-k-sinto-no-coraxao.blogspot.com

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XVII Ruído. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XVII Ruído. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVII Ruído um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa autorização

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva O ouvido humano pode ser separado em três grandes partes, de acordo com

Leia mais

O RUÍDO AERONÁUTICO E OS EFEITOS NA SAÚDE DOS FUNCIONÁRIOS DO AEROPORTO SANTA GENOVEVA E DE GUARULHOS

O RUÍDO AERONÁUTICO E OS EFEITOS NA SAÚDE DOS FUNCIONÁRIOS DO AEROPORTO SANTA GENOVEVA E DE GUARULHOS O RUÍDO AERONÁUTICO E OS EFEITOS NA SAÚDE DOS FUNCIONÁRIOS DO AEROPORTO SANTA GENOVEVA E DE GUARULHOS JACQUELINE COSTA SANTOS HUMBERTO CÉSAR MACHADO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS http://sites.pucgoias.edu.br/home/

Leia mais

SIQUEIRA, Édina Siméia Campos de 1 CERVI, João Antônio 2 FEMA 3

SIQUEIRA, Édina Siméia Campos de 1 CERVI, João Antônio 2 FEMA 3 PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO EM TRABALHADORES DE EMPRESA METALÚRGICA SIQUEIRA, Édina Siméia Campos de 1 CERVI, João Antônio 2 FEMA 3 RESUMO: O ruído é, na maioria dos países, o agente nocivo mais

Leia mais

Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil

Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil Paulo Alves Maia FUNDACENTRO / Campinas Introdução O ruído gerado nos canteiros de obra

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. Dayanne Klodzinski; Fabiane Arnas; Angela Ribas

ARTIGO ORIGINAL. Dayanne Klodzinski; Fabiane Arnas; Angela Ribas ARTIGO ORIGINAL ARTIGO SALA DE AULA ORIGINAL E RUÍDO O RUÍDO EM SAL ALAS AS DE AUL ULA DE CURITIBA: COMO OS ALUNOS PERCEBEM ESTE PROBLEMA Dayanne Klodzinski; Fabiane Arnas; Angela Ribas RESUMO O objetivo

Leia mais

NR-15 (Texto para Consulta Pública)

NR-15 (Texto para Consulta Pública) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para alteração da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem 71 Capítulo 9 Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem Nos últimos anos, os altos níveis de ruído se transformaram em uma das formas de poluição que atinge maior número de pessoas. A poluição sonora

Leia mais

PERDA AUDITIVA RELACIONADA COM O TRABALHO *DIRETRIZES DE ATENDIMENTO * IDENTIFICAÇÃO ANAMNESE

PERDA AUDITIVA RELACIONADA COM O TRABALHO *DIRETRIZES DE ATENDIMENTO * IDENTIFICAÇÃO ANAMNESE PERDA AUDITIVA RELACIONADA COM O TRABALHO *DIRETRIZES DE ATENDIMENTO * IDENTIFICAÇÃO Data: / / Nº Registro: Tipo de exame: Nome: Documento: Idade: Data Nascimento: / / Sexo: Etnia: Estado civil Endereço:

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA

BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA Vanara Florêncio Passos * Thyciana Rodrigues Ribeiro * João Arruda Cajazeira Neto * Sérgio Lima Santiago ** PET Odontologia Universidade

Leia mais

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA 1 INTRODUÇÃO A audição possibilita a aquisição da linguagem e a conseqüente integração do homem com o mundo sonoro e social.

Leia mais

TEXTO PARA ACOMPANHAMENTO DA PRODUÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA - DVD MARIA MERCEDES MEIRA LOPES. Maringá

TEXTO PARA ACOMPANHAMENTO DA PRODUÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA - DVD MARIA MERCEDES MEIRA LOPES. Maringá SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ TEXTO PARA ACOMPANHAMENTO

Leia mais

CARTILHA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DA VOZ E DA AUDIÇÃO

CARTILHA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DA VOZ E DA AUDIÇÃO Superintendência de Saúde Segurança e Ambiente do Trabalho CARTILHA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DA VOZ E DA AUDIÇÃO - Saúde Vocal - Ginástica Compensatória - Saúde Auditiva SINTTEL-Rio CARTILHA

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO Formadora - Magda Sousa O Ruído no Meio Ambiente O problema do Ruído no meio ambiente tem-se tornado, cada vez mais, numa

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA PRESENÇA DE QUEIXAS AUDITIVAS E EXTRA- AUDITIVAS EM PROFISSIONAIS QUE ATUAM EM CENTROS DE BELEZA: ESTUDO PRELIMINAR

VERIFICAÇÃO DA PRESENÇA DE QUEIXAS AUDITIVAS E EXTRA- AUDITIVAS EM PROFISSIONAIS QUE ATUAM EM CENTROS DE BELEZA: ESTUDO PRELIMINAR VERIFICAÇÃO DA PRESENÇA DE QUEIXAS AUDITIVAS E EXTRA- AUDITIVAS EM PROFISSIONAIS QUE ATUAM EM CENTROS DE BELEZA: ESTUDO PRELIMINAR Verification of presence of auditory and extra-auditory complaints of

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS As doenças otorrinolaringológicas relacionadas ao trabalho são causadas por agentes ou mecanismos irritativos, alérgicos

Leia mais

Ruído ambiental e sua percepção pelos alunos de odontologia

Ruído ambiental e sua percepção pelos alunos de odontologia Revista de Odontologia da UNESP. 27; 36(1): 9-16 27 - ISSN 17-2577 Ruído ambiental e sua percepção pelos alunos de odontologia Ana Luísa Botta Martins de OLIVEIRA a, Juliana Alvares Duarte Bonini CAMPOS

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA PELO RUÍDO (PAIR) NO AMBIENTE DE TRABALHO

PERDA AUDITIVA INDUZIDA PELO RUÍDO (PAIR) NO AMBIENTE DE TRABALHO PERDA AUDITIVA INDUZIDA PELO RUÍDO (PAIR) NO AMBIENTE DE TRABALHO Edmo Oliveira Pinto Júnior 1 Priscila Portes Almeida 2 Resumo O presente estudo visa examinar a relação entre os níveis de ruído presentes

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Gerência de Pesquisa e Pós-Graduação ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA

Leia mais

P.C.M.S.O. (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional)

P.C.M.S.O. (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional) () ELETRIC PRODUTOS INDÚSTRIA COMÉRCIO IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. Rua Nestor Pestana, 30 8º andar 01303-010 São Paulo SP Brasil Tels.: (55-11) 3138-1111/ 3138-1114/ 3138-1119 www.conbet.com.br / conbet@conbet.com.br

Leia mais

RISCOS OCUPACIONAIS NA ÁREA CONTAMINADA DE UMA LAVANDERIA HOSPITALAR

RISCOS OCUPACIONAIS NA ÁREA CONTAMINADA DE UMA LAVANDERIA HOSPITALAR RISCOS OCUPACIONAIS NA ÁREA CONTAMINADA DE UMA LAVANDERIA HOSPITALAR Josiane Arsego (UNISUL) josiane@floripa.com.br Ângela Regina Poletto (CEFET/UFSC) arpoletto@hotmail.com Eliete Medeiros (UNISUL) elietemedeiros@yahoo.com.br

Leia mais

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015 EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES PCMSO (NR-7) estabelece que o programa deverá ser desenvolvido sob a responsabilidade de um médico coordenador (OBRIGATORIAMENTE MT, podendo este repassar responsabilidades

Leia mais

RUÍDOS OCUPACIONAIS: QUAL O TAMANHO DO RISCO E SUAS MEDIDAS DE CONTROLE?

RUÍDOS OCUPACIONAIS: QUAL O TAMANHO DO RISCO E SUAS MEDIDAS DE CONTROLE? 1 RUÍDOS OCUPACIONAIS: QUAL O TAMANHO DO RISCO E SUAS MEDIDAS DE CONTROLE? RESUMO Jose Sergio Fernandes 1 Ariel Orlei Michaloski 2 Este artigo apresenta uma reflexão por meio de pesquisa bibliográfica

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1

PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1 PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1 Apesar dos diversos benefícios trazidos pelo progresso, os impactos ambientais decorrentes

Leia mais

Análise das Condições Acústicas em Sala de Aula Climatizada de Ambiente Universitário.

Análise das Condições Acústicas em Sala de Aula Climatizada de Ambiente Universitário. Análise das Condições Acústicas em Sala de Aula Climatizada de Ambiente Universitário. Thalita Christina Brandão Pereira (UFPB) thalitajp@ig.com.br Luis Bueno da Silva (UFPB) bueno@producao.ct.ufpb.br

Leia mais

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco IMPORTÂNCIA DO USO DE EPI S EM EMPRESAS INCINERADORAS DE LIXO HOSPITALAR: VISÃO DO TRABALHADOR Suênia Kátia Gonçalves 1 Lidiane Leite Nobre 1 Maria Aparecida de Freitas 1 Ana Cláudia Cavalcante Silva 1

Leia mais

Programa de Conservação Auditiva Willes de Oliveira e Souza 14/11/2014

Programa de Conservação Auditiva Willes de Oliveira e Souza 14/11/2014 Pontos fundamentais para o êxito de programas relacionados a riscos ambientais Programa de Conservação Auditiva Willes de Oliveira e Souza 14/11/2014 Histórico ANEXO I do QUADRO II NR 7 (Port. 19-04/1998

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: A nova lei do ruído AUTORIA: Ricardo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO Foi publicado no passado dia 6 de Setembro o Decreto-Lei n.º 182/2006 que transpõe

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO DE UM TRATOR DE RABIÇA, UTILIZADO NA AGRICULTURA FAMILIAR, EM DIFERÊNTES RAIOS DE AFASTAMENTO

AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO DE UM TRATOR DE RABIÇA, UTILIZADO NA AGRICULTURA FAMILIAR, EM DIFERÊNTES RAIOS DE AFASTAMENTO AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO DE UM TRATOR DE RABIÇA, UTILIZADO NA AGRICULTURA FAMILIAR, EM DIFERÊNTES RAIOS DE AFASTAMENTO Silvia Ferreira da Silva 1 ; Carlos Alberto Viliotti 2 ; Karla Lúcia Batista

Leia mais

PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAIS AASI- EM ADULTOS

PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAIS AASI- EM ADULTOS PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAIS AASI- EM ADULTOS 1 Introdução: Dentre as diversas áreas de atuação do profissional fonoaudiólogo, a audiologia compreende desde o

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO: ANÁLISE COMPARATIVA DOS RUÍDOS EM UMA OFICINA MECÂNICA E RECAPAGEM EM FORMIGA-MG MARCELO CARVALHO RAMOS 1, FERNANDA MOREIRA LOPES ASSUMPÇÃO 2, JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES

Leia mais

PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA PCA PASSOS: 1-LEVANTAMENTO/MONITORAMENTO AMBIENTAL 2-MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA 3-MEDIDAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

Proteção Auditiva. Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja-se! Itabira/2007

Proteção Auditiva. Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja-se! Itabira/2007 Proteção Auditiva Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja-se! Itabira/2007 O Som O som é definido como qualquer variação na pressão do ar que o ouvido humano possa detectar.

Leia mais

Gestão ambiental e poluição sonora

Gestão ambiental e poluição sonora Gestão ambiental e poluição sonora João Candido Fernandes (UNESP) jcandido@feb.unesp.br Resumo: Este trabalho tem como objetivo apresentar os principais problemas causados pela poluição sonora, a forma

Leia mais

RUÍDO E SEUS EFEITOS NO HOMEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL

RUÍDO E SEUS EFEITOS NO HOMEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL VII ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO QUALIDADE NO PROCESSO CONSTRUTIVO 27 A 30 DE ABRIL DE 1998 FLORIANÓPOLIS - SC ANTAC NÚCLEO DE PESQUISA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA

Leia mais

AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DE RUÍDO EM UMA EMPRESA DO SEGMENTO DE INFORMÁTICA NO MUNICÍPIO DE ILHÉUS, BAHIA

AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DE RUÍDO EM UMA EMPRESA DO SEGMENTO DE INFORMÁTICA NO MUNICÍPIO DE ILHÉUS, BAHIA AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DE RUÍDO EM UMA EMPRESA DO SEGMENTO DE INFORMÁTICA NO MUNICÍPIO DE ILHÉUS, BAHIA João Gilberto do Amaral Mello 1 Alan Oliveira dos Santos 2 1 Discente do Curso Técnico em Segurança

Leia mais

Avaliação de ruído no interior de ônibus urbanos: Um estudo de caso de linhas de ônibus de Campina Grande-PB.

Avaliação de ruído no interior de ônibus urbanos: Um estudo de caso de linhas de ônibus de Campina Grande-PB. Avaliação de ruído no interior de ônibus urbanos: Um estudo de caso de linhas de ônibus de Campina Grande-PB. Augusto Rafael Carvalho de Sousa 1 ; Walter Santa Cruz 2 ; Izabelle Marie Trindade Bezerra

Leia mais

AVALIAÇÃO ERGONÔMICA DO NÍVEL DE RUÍDO EM MÁQUINAS DE MARCENARIA

AVALIAÇÃO ERGONÔMICA DO NÍVEL DE RUÍDO EM MÁQUINAS DE MARCENARIA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Segundo a OMS, a verificação de condições de Higiene e Segurança consiste num estado de bem-estar estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença e enfermidades.

Leia mais

EDUARDO HERMÍNIO NORONHA QUALIFICAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO EM AMBIENTES LABORAIS NO DISTRITO FEDERAL

EDUARDO HERMÍNIO NORONHA QUALIFICAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO EM AMBIENTES LABORAIS NO DISTRITO FEDERAL UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Curso de Física QUALIFICAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO EM AMBIENTES LABORAIS NO DISTRITO FEDERAL Autor:

Leia mais

O Ruído e sua Medição

O Ruído e sua Medição 61 Capítulo 8 O Ruído e sua Medição 1. - Introdução Como já vimos no capítulo 2, podemos definir Ruído, de maneira subjetiva, como toda sensação auditiva desagradável, ou fisicamente, como todo fenômeno

Leia mais

PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO. PALAVRAS-CHAVE: Perda Auditiva. Saúde Auditiva. Aparelhos Telefônicos. Traçado Audiométrico.

PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO. PALAVRAS-CHAVE: Perda Auditiva. Saúde Auditiva. Aparelhos Telefônicos. Traçado Audiométrico. PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO Aleciane Aleni Thomazi 1 Dr. Euclides Antônio Pereira Lima 2 RESUMO A perda auditiva em ambientes de trabalho é a alteração mais frequente à saúde dos trabalhadores

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares Treinamento de Prot. Auditiva Treinamento aos usuários de protetores auriculares 1 Objetivo Reconhecer o agente físico ruído Conhecer os efeitos à saúde causado por exposição ao ruído Conhecer os tipos

Leia mais

ANÁLISE DE RUÍDO CONFORME NR-15 EM UMA EMPRESA METAL MECÂNICA

ANÁLISE DE RUÍDO CONFORME NR-15 EM UMA EMPRESA METAL MECÂNICA ANÁLISE DE RUÍDO CONFORME NR-15 EM UMA EMPRESA METAL MECÂNICA SÉRGIO TAKAHASHI 1 Resumo: O ser humano se for submetido a níveis de ruído acima do tolerável, pode induzir a PAIR (perda auditiva induzida

Leia mais

O nível de ruído próximo aos motoristas de ônibus urbano na cidade de Porto Alegre, RS

O nível de ruído próximo aos motoristas de ônibus urbano na cidade de Porto Alegre, RS O nível de ruído próximo aos motoristas de ônibus urbano na cidade de Porto Alegre, RS Alessandro Giuliani 1 Resumo Apesar das grandes vantagens propiciadas pelo avanço tecnológico, o progresso tem trazido

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

PERCEPÇÃO DE SINTOMAS AUDITIVOS E NÃO-AUDITIVOS DOS MOTORISTAS DE ÔNIBUS DE TRANSPORTE

PERCEPÇÃO DE SINTOMAS AUDITIVOS E NÃO-AUDITIVOS DOS MOTORISTAS DE ÔNIBUS DE TRANSPORTE PERCEPÇÃO DE SINTOMAS AUDITIVOS E NÃO-AUDITIVOS DOS MOTORISTAS DE ÔNIBUS DE TRANSPORTE Alexandre Ramos NOVAFAPI Rita de Cássia - Orientadora - NOVAFAPI INTRODUÇÃO A saúde do trabalhador constitui uma área

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM POLUIÇÃO SONORA O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM SOM É o resultado de movimentos de flutuação de partículas de ar

Leia mais

Análise dos programas de preservação auditiva em empresas do interior do Paraná

Análise dos programas de preservação auditiva em empresas do interior do Paraná Análise dos programas de preservação auditiva em empresas do interior do Paraná Cláudia Giglio de Oliveira Gonçalves Fonoaudióloga Professora do Programa de Mestrado e Doutorado em Distúrbios da Comunicação

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 80

RESUMOS DE PROJETOS... 80 79 RESUMOS DE PROJETOS... 80 80 RESUMOS DE PROJETOS COMPARAÇÃO ENTRE AS RESPOSTAS DE FONES DE OUVIDO UTILIZADOS EM TOCADORES DE MP3... 81 MEDIÇÃO DO NÍVEL DE RUÍDO AMBIENTAL EM UMA FAZENDA DE AVICULTURA

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Sandra Paula Gomes Lopes da Silva de Santana ESCOLHO, LOGO USO. SELEÇÃO INDIVIDUALIZADA DO PROTETOR AUDITIVO: UMA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Sandra Paula Gomes Lopes da Silva de Santana ESCOLHO, LOGO USO. SELEÇÃO INDIVIDUALIZADA DO PROTETOR AUDITIVO: UMA 0 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Sandra Paula Gomes Lopes da Silva de Santana ESCOLHO, LOGO USO. SELEÇÃO INDIVIDUALIZADA DO PROTETOR AUDITIVO: UMA ETAPA IMPORTANTE NA PREVENÇÃO DA PERDA AUDITIVA INDUZIDA

Leia mais

Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo

Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 451/2009 "Estabelece políticas públicas para garantir a saúde auditiva da população Capixaba, através de medidas e políticas para a redução

Leia mais

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ILDO MENEGHETTI

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LAUDO AUDIOLÓGICO NA SAÚDE DO TRABALHADOR FGA DRA MARCIA MENDES

A IMPORTÂNCIA DO LAUDO AUDIOLÓGICO NA SAÚDE DO TRABALHADOR FGA DRA MARCIA MENDES A IMPORTÂNCIA DO LAUDO AUDIOLÓGICO NA SAÚDE DO TRABALHADOR FGA DRA MARCIA MENDES LAUDO AUDIOLÓGICO LAUDO: peça escrita fundamentada, onde os peritos expõem suas observações.. PARECER: opinião fundamentada

Leia mais

Estudo do perfil audiológico de pacientes com idade acima de 60 anos

Estudo do perfil audiológico de pacientes com idade acima de 60 anos Estudo do perfil audiológico de idade acima de 60 anos Ana Paula Krempel Jurca 1 Fernanda Carla Chagas Pinheiro 1 Karina de Castro Martins 1 Lilian Francisca Herrera 1 Luciane Marins Colleone Sandra de

Leia mais

PROJETO: Fundição de Alumínio Redução do Risco a Saúde dos Trabalhadores e População Exposta

PROJETO: Fundição de Alumínio Redução do Risco a Saúde dos Trabalhadores e População Exposta Sistema Único de Saúde Ministério da Saúde Governo do Estado de Goiás Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância Sanitária e Ambiental Gerência de Desenvolvimento Técnico em Serviços

Leia mais

O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea

O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea O que fazemos com o que ouvimos? Danos auditivos para uma sociedade contemporânea Ms Andréa Carla Lima Coelho Fgª Coordenadora do Núcleo de Acessibilidade e Profª nos Cursos da Escola de Saúde e Educação

Leia mais

Texto apresentado para consulta pública. PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE AASI EM ADULTOS (com adendo para idosos)

Texto apresentado para consulta pública. PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE AASI EM ADULTOS (com adendo para idosos) Fórum: AASI / Protocolo de Adaptação de AASI em Adultos Data: 15 de abril de 2012 EIA Bauru 10h30 as 12h00 Coordenadores: Maria Cecilia Bevilacqua, Thelma Costa, Sonia Bortoluzzi Convidados: Deborah Ferrari,

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL SINTOMAS AUDITIVOS E NÃO AUDITIVOS EM TRABALHADORES EXPOSTOS AO RUÍDO

ARTIGO ORIGINAL SINTOMAS AUDITIVOS E NÃO AUDITIVOS EM TRABALHADORES EXPOSTOS AO RUÍDO ARTIGO ORIGINAL SINTOMAS AUDITIVOS E NÃO AUDITIVOS EM TRABALHADORES EXPOSTOS AO RUÍDO Cristiane Pinto Nunes a Tania Regina Mathias de Abreu a Valéria Cristina Oliveira b Renata Mathias de Abreu c Resumo

Leia mais

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ROSÂNGELA MARION DA SILVA 1 LUCIMARA ROCHA 2 JULIANA PETRI TAVARES 3 O presente estudo, uma pesquisa descritiva bibliográfica, tem por

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL HISTÓRIA DE CASOS DIVISÃO TÉCNICA SEGURANÇA NO TRABALHO e DIVISÃO TÉCNICA DE ACÚSTICA 22/05/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO ALGUNS

Leia mais

UMA BREVE VISÃO SOBRE O RUÍDO URBANO

UMA BREVE VISÃO SOBRE O RUÍDO URBANO UMA BREVE VISÃO SOBRE O RUÍDO URBANO Marcus Nunes Departamento de Engenharia Mecânica Faculdade de Aracruz UNIARACRUZ mnunes@fsjb.edu.br RESUMO O ruído, como mais uma fonte de irritação, é um dos principais

Leia mais

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA ARMANDO CAMPOS

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA ARMANDO CAMPOS PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA LEGISLAÇÃO E NORMAS: RUÍDO CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO - CAPÍTULO V NORMA REGULAMENTADORA 15 - NR 15, ANEXOS 1 E 2 (LIMITES DE TOLERÂNCIA) DECRETO 3048/1999 - INSS

Leia mais

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL EM AUDIOMETRIA INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION (ISO) 8253-1 Versão 2010 Neste material você encontrará informações sobre a ISO 8253 Parte 1 versão 2010 e sua relação

Leia mais

Relatório de Segurança e Medicina do Trabalho. Ciretran de Vitória/ES. Adendo

Relatório de Segurança e Medicina do Trabalho. Ciretran de Vitória/ES. Adendo Relatório de Segurança e Medicina do Trabalho Ciretran de Vitória/ES Ciretran Vitória/ES, situado à Avenida Nossa Senhora da Penha, nº1388, Vitória - ES foram encontradas várias condições inadequadas de

Leia mais

Exmo. Sr. Dr. Juiz da 1 º. Junta de Conciliação e Julgamento de??????????????

Exmo. Sr. Dr. Juiz da 1 º. Junta de Conciliação e Julgamento de?????????????? ??????????? Eng º. De Higiene e Segurança do Trabalho Crea:?????????????? Exmo. Sr. Dr. Juiz da 1 º. Junta de Conciliação e Julgamento de?????????????? Processo: Recte: Recda:??????????????, nomeado por

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 6 Programa de ConservaÇÉo Auditiva

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 6 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 6 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Propósito (Objetivo) do Programa O propósito (objetivo) do programa de Conservação

Leia mais

PERFIL AUDITIVO DOS SUJEITOS ATENDIDOS EM UM PROJETO DE EXTENSÃO NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY

PERFIL AUDITIVO DOS SUJEITOS ATENDIDOS EM UM PROJETO DE EXTENSÃO NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY PERFIL AUDITIVO DOS SUJEITOS ATENDIDOS EM UM PROJETO DE EXTENSÃO NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY FERNANDES, Alexandre Dantas 1 CAVALCANTI, Hannalice Gottschalck 2 ANDRADE, Wagner Teobaldo Lopes

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RUÍDO OCUPACIONAL EM UM RESTAURANTE NUM MUNICÍPIO DO MATO GROSSO DO SUL

AVALIAÇÃO DO RUÍDO OCUPACIONAL EM UM RESTAURANTE NUM MUNICÍPIO DO MATO GROSSO DO SUL 27 AVALIAÇÃO DO RUÍDO OCUPACIONAL EM UM RESTAURANTE NUM MUNICÍPIO DO MATO GROSSO DO SUL Maria Salete Vaceli Quintilio 1, Patricia Arruda de Souza Alcarás 1, Laís da Silva Martins 2 1 Docente e 2 Discente

Leia mais