RUÍDO DA SUBESTAÇÃO DE FURNAS EM FOZ DO IGUAÇU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RUÍDO DA SUBESTAÇÃO DE FURNAS EM FOZ DO IGUAÇU"

Transcrição

1 UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS FACULDADE DINÂMICA DAS CATARATAS CURSO ENGENHARIA AMBIENTAL Missão: Formar Profissionais capacitados, socialmente responsáveis e aptos a promoverem as transformações futuras RUÍDO DA SUBESTAÇÃO DE FURNAS EM FOZ DO IGUAÇU JÚLIO CÉSAR SILVA Foz do Iguaçu - PR 2012

2 I JÚLIO CÉSAR SILVA RUÍDO DA SUBESTAÇÃO DE FURNAS EM FOZ DO IGUAÇU Trabalho Final de Graduação apresentado à banca examinadora da Faculdade Dinâmica das Cataratas (UDC), como requisito para obtenção do grau de Engenheiro Ambiental. Profª. Orientadora: Paula Vergili Perez Foz do Iguaçu - PR 2012

3 II TERMO DE APROVAÇÃO UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS RUÍDO DA SUBESTAÇÃO DE FURNAS EM FOZ DO IGUAÇU TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE BACHAREL EM ENGENHARIA AMBIENTAL Acadêmico: Julio Cesar Silva Orientadora: Ms Paula Vergili Perez Nota Final Banca Examinadora: Prof(ª). Ms Francieli Panazzolo Prof(ª). Ms Marlene Cristina de Oliveira Foz do Iguaçu, 26 de junho de 2012.

4 III DEDICATÓRIA Aos meus pais e minha irmã. À minha esposa, Angelita, e meu filho, Victor, pelo incentivo a esta conquista e pela sincera compreensão nos momentos de minha ausência.

5 IV SILVA, Júlio César. Ruído da Subestação de Furnas em Foz do Iguaçu - PR. Foz do Iguaçu - PR, Projeto de Trabalho Final de Graduação - Faculdade Dinâmica de Cataratas. RESUMO A poluição sonora é o terceiro problema ambiental que afeta o maior número de pessoas. A ausência de planejamento preventivo para o ordenamento territorial apresenta-se como principal causa de passivos ambientais no ambiente urbano. Em Foz do Iguaçu PR, a instalação da Subestação de Furnas é observada pela sociedade na área de vizinhança como potencialmente poluidora. Estudos realizados em grandes cidades tal como Curitiba PR demonstraram que as atividades industriais de subestações de energia elétrica no ambiente urbano são motivos de mobilizações sociais tendo em vista a perturbação gerada pelo ruído. A gestão do ordenamento territorial demanda da integração do zoneamento acústico ambiental. O presente trabalho, objetivou avaliar o ruído da Subestação de Furnas em Foz do Iguaçu - PR, realizado através de medições do Leq(A) em 6 pontos na perimetral da subestação em horários diurno e noturno observando os requisitos da NBR 10151/2000. O resultado obtido demonstra que os valores encontrados em todos os pontos superam, os valores máximos estabelecidos pela NBR O ruído ambiental proveniente da Subestação caracteriza-se como incômodo à população no entorno da Empresa. Palavras-Chave: Poluição Sonora - Zoneamento Urbano Acústica Ambiental.

6 V SILVA, Júlio César. Noise Substation Furnas in Foz do Iguaçu - PR. Foz do Iguacu, Project to Completion of Course Work - Faculdade Dinâmica de Cataratas. ABSTRACT Noise pollution is the third environmental problem that affects many people. The lack of preventive planning for land use presents itself as the main cause of environmental liabilities in the urban environment. In Foz do Iguaçu - PR, installation of Substation Furnas is seen by society in the neighborhood as potentially polluting. Studies conducted in large cities such as Curitiba - PR showed that the industrial activities of electric power substations in the urban environment are matters of social mobilization in view of the disturbance created by noise. The management of the territorial demands of the integration of sound environmental zoning. The present study was to evaluate the noise Substation Furnas in Foz do Iguacu, was performed by measuring the Leq (A) six points in the perimeter of the substation at times day and night observing the requirements of NBR 10151/2000. The result shows that the values found at all points outweigh the surface to the maximum established by the NBR Environmental noise from the substation characterized as nuisance to the population surrounding the company. Keywords: Noise Pollution - Urban Zoning - Environmental Acoustics.

7 VI LISTA DE FIGURAS FIGURA 01: CURVAS ISOFÔNICAS DE FLETCHER MUNSON FIGURA 02: ESPECTRO DE FREQUÊNCIAS DE UM TRANSFORMADOR DA SUBESTAÇÃO HORTO, EM BELO HORIZONTE FIGURA 03: MAPA DE CURVAS ISOFÔNICAS DE RUÍDO DA SUBESTAÇÃO FIGURA 04: CURVAS DO MESMO NÍVEL DE AUDIBILIDADE PARA TONS PUROS FIGURA 05: CURVAS DE PONDERAÇÃO EM FREQUÊNCIA A E C APLICADAS NA CONSTRUÇÃO DE MEDIDORES DE NÍVEL DE PRESSÃO SONORA FIGURA 06: REGIÕES TÍPICAS DA LINGUAGEM COMUM E DA MÚSICA PARA UM AUDIOGRAMA NORMAL FIGURA 07: PERDA DE ACUIDADE AUDITIVA OCASIONADA PELA IDADE FIGURA 08: EVOLUÇÃO DO LIMIAR AUDITIVO COM O TEMPO DE EXPOSIÇÃO FIGURA 09: EVOLUÇÃO DO LIMIAR AUDITIVO COM O TEMPO DE EXPOSIÇÃO FIGURA 10: NÍVEIS DE INCÔMODO DE UMA FONTE DE RUÍDO FONTE: MURGEL, FIGURA 11: VISTA AÉREA DA SUBESTAÇÃO DE FURNAS DE FOZ DO IGUAÇU - PR FIGURA 12: MEDIDOR DE NÍVEL DE PRESSÃO SONORA INTEGRADOR COM CALIBRADOR ACÚSTICO FIGURA 13: LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE MONITORAMENTO DO RUÍDO DA SUBESTAÇÃO DE FOZ DO IGUAÇU - PR FIGURA 14: ZONEAMENTO URBANO MAPA DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DE FOZ DO IGUAÇU - PR FIGURA 15: HISTOGRAMA DO NÍVEL EQUIVALENTE LEQ(A) AVALIAÇÕES DIURNAS FIGURA 16: HISTOGRAMA DO NÍVEL EQUIVALENTE LEQ(A) AVALIAÇÕES NOTURNAS FIGURA 17: HISTOGRAMA DO NÍVEL CORRIGIDO LC AVALIAÇÕES DIURNAS... 41

8 VII FIGURA 18: HISTOGRAMA DO NÍVEL CORRIGIDO LC AVALIAÇÕES NOTURNAS FIGURA 19: AVALIAÇÃO DO ESPECTRO SONORO EM BANDAS DE OITAVAS DE FREQUÊNCIA FIGURA 20: AVALIAÇÃO DAS CURVAS NC ABNT 10153/

9 VIII LISTA DE TABELAS TABELA 01 CORRELAÇÃO ENTRE PRESSÃO SONORA, POTÊNCIA SONORA E NÍVEL SONORO... 9 TABELA 02 ESTIMATIVAS DO RISCO EXCESSIVO DE DESVIOS AUDITIVOS PROVENIENTES DA EXPOSIÇÃO MÉDIA DIÁRIA AO RUÍDO EM 40 ANOS DE EXPOSIÇÃO TABELA 03 - NÍVEL DE CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO NCA PARA AMBIENTES EXTERNOS, EM DB(A) TABELA 04 - NÍVEL DE CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO NCA PARA AMBIENTES EXTERNOS, EM DB(A) TABELA 05 RECLASSIFICAÇÃO DE ZONAS URBANAS EM ZONAS ACÚSTICAS DE ACORDO COM A SENSIBILIDADE AO RUÍDO TABELA 06 - RESULTADO DA AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO RUÍDO REALIZADA EM 2009 PELA ELETROBRAS FURNAS... 37

10 SUMÁRIO DEDICATÓRIA... III RESUMO... IV ABSTRACT... V LISTA DE FIGURAS... VI LISTA DE TABELAS... VIII 1 INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEÓRICO POLUIÇÃO SONORA Ruído Natureza Do Som Frequência Sonora Pressão Sonora Nível De Pressão Sonora Tipos De Ruídos Percepção Auditiva Humana AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DO RUÍDO SOBRE O HOMEM Perda De Acuidade Auditiva Induzida Pelo Ruído INCOMODIDADE DO RUÍDO MEDIDAS DE CONTROLE ASPECTOS LEGAIS ZONEAMENTO ACÚSTICO COMO INSTRUMENTO DE GERENCIAMENTO DO RUÍDO INTEGRADO AO PLANEJAMENTO AMBIENTAL URBANO MATERIAL E MÉTODOS SUBESTAÇÃO DE FOZ DO IGUAÇU - PR CARACTERIZAÇÃO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA SUBESTAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DAS FONTES SONORAS NAS INSTALAÇÕES DA SUBESTAÇÃO DA ELETROBRAS FURNAS AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO RUÍDO RESULTADOS E DISCUSSÃO... 34

11 4.1 CARACTERIZAÇÃO DO ZONEAMENTO URBANO E A DETERMINAÇÃO DA COMPATIBILIDADE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO CARACTERIZAÇÃO DAS FONTES SONORAS NAS INSTALAÇÕES DA SUBESTAÇÃO DA ELETROBRAS FURNAS AVALIAÇÕES QUANTITATIVAS DO RUÍDO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 48

12 1 1 INTRODUÇÃO A poluição sonora, geralmente originada pelo crescimento das cidades, pelo adensamento populacional, sob forte influência do desenvolvimento industrial no mundo moderno, constitui um dos principais problemas de saúde pública tendo em vista as significativas alterações ambientais no meio urbano. A escolha de uma determinada região no meio urbano, compreendidas pelo conforto acústico pela ausência de fontes emissoras de ruídos, para edificar residência é considerada como diferencial de mercado imobiliário, haja vista o acelerado processo de redução dos vazios demográficos nas cidades. Participa deste processo o planejamento urbano através da legislação para uso e ocupação dos solos urbanos objetivando a determinação de zoneamentos específicos para os respectivos fins observando ainda a sensibilidade ambiental em cada microrregião e suas interferências. Muitas vezes a ocupação ilegal de áreas de preservação, tais como, entorno de corpos de água, áreas de preservação ambiental e até mesmo áreas impróprias para edificação de residências em face de problemas de ordem ambiental, são resolvidas paliativamente por ações governamentais através da transferência, intencional ou pela omissão permissiva, de famílias ou comunidades sociais para áreas em vazios demográficos dotados de menor valor imobiliário. Quando tal transferência se dá, tendo como destino uma região predominantemente ou com vocação industrial, é certo que problemas econômicos e sociais serão itens de conflitos de ordem pública com argumentos fundamentados no baixo nível de indicadores que conferem a qualidade de vida sob influencia de agentes nocivos a saúde resultante dos processos industriais no entorno dos novos bairros residenciais. Como resultado do crescimento urbano, as alterações no uso e ocupação do solo no entorno da Subestação da Eletrobras Furnas em Foz do Iguaçu - PR, construída na década de 70, estão caracterizadas pela constituição de bairros predominantemente residenciais. A ausência de instrumentos legais específicos para o ordenamento territorial reconhecendo a emissão sonora do processo de transformação de energia elétrica na Subestação possibilitou o crescimento

13 2 demográfico nesta área, classificada como zona de expansão urbana e de interesse social. A ocupação predominantemente residencial na região em estudo apresentase como passivo ambiental envolvendo o Poder Público, a Empresa concessionária de energia e a sociedade afetada pelo ruído. Este trabalho teve como objetivo avaliar a aceitabilidade do conforto acústico da comunidade no entorno da subestação da Eletrobras Furnas em Foz do Iguaçu - PR e os potenciais conflitos ambientais quanto aos diferentes usos e ocupações dos solos na área de influência do ruído produzido pela Subestação de Foz do Iguaçu.

14 3 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 POLUIÇÃO SONORA A poluição sonora é definida pela Política Nacional do Meio Ambiente como processo de degradação da qualidade ambiental resultante de atividades que, dentre outros efeitos, prejudiquem, direta ou indiretamente, a saúde, a segurança e o bem-estar da população (Lei nº 6.938, 1981). A poluição sonora é hoje, depois da poluição do ar e da água, o problema ambiental que afeta o maior número de pessoas. Na Europa, o ruído ambiental está entre as reclamações mais frequentes chegando a ser relatada por um quarto da população (WORLD HEALTH ORGANIZATION, 2010). Conforme resultados publicados por Lacerda (2005), estudos realizados com 892 habitantes de Curitiba PR, com objetivo de identificar as principais fontes sonoras no ambiente urbano revelou que 74% dos moradores sentem-se de alguma forma incomodados pelo ruído urbano e que a poluição sonora ambiental influencia a qualidade de vida de uma população urbana, gerando reações psicossociais efetivas como: irritabilidade e insônia, podendo interferir ainda na saúde e no bem estar dos indivíduos em particular e de uma população urbana como um todo, ratificando publicações da Organização Mundial da Saúde em Na cidade de Águas Claras DF, a elaboração da modelagem do ruído urbano como instrumento de gestão ambiental em 2010, determinou que a prevenção dos problemas relacionados à poluição sonora demanda de excelência na gestão do ordenamento do território. Ainda no mesmo estudo, concluíram que a gestão preventiva dos potenciais conflitos ambientais causados pelo ruído urbano necessita de mais ferramentas específicas para o diagnóstico inicial e posterior monitoramento do processo evolutivo das alterações no ambiente urbano quanto ao controle da poluição sonora (MACIEL, 2009).

15 4 Pinto (2009) destaca em sua pesquisa para a avaliação do conforto acústico no centro de São Carlos - SP, que a poluição sonora não pode ser observada apenas como problema relacionado ao desconforto acústico, pois o ruído, em regiões com elevada concentração de atividades comerciais e industriais constitui atualmente uma preocupação com a saúde pública. No setor elétrico brasileiro, Saidel et al. (1997) utilizaram a acústica para estudarem a elaboração de software aplicado à avaliação do nível de ruído gerado por transformadores de subestação, visando determinar a propagação do ruído audível para a vizinhança ainda na fase de implementação do projeto. Observou-se ainda que a acústica tem sido frequentemente discutida em estudos neste setor industrial, muito embora, devido a complexidade do modelamento dos fenômenos de propagação sonora, ainda não existem modelos que descrevam, com precisão, tal propagação. Segundo Maciel et al. (2009) a elaboração de mapas de ruído, utilizandose de software de modelagem acústica como ferramenta integrada ao planejamento urbano, apresentou-se como uma excelente ferramenta com objetivo de analisar e monitorar a exposição da população ao ruído ambiental em Águas Claras DF, permitindo ao tomador de decisões assegurar deliberações técnicas e legislar proativamente sobre políticas claras e sérias de ocupação e uso do solo para a garantia da qualidade de vida da população Ruído O ruído pode ser considerado como um som indesejável. Tal conceituação, objetivamente, pode ser representada na obtenção ou reprodução de harmônicos em níveis que podem ser desejáveis, tal como ocorre na música. Já a reprodução de harmônicos em níveis indesejáveis pode ser representada como ruído. Um determinado som pode ser considerado ainda ruído quando o estímulo auditivo não contém informações úteis para a tarefa em execução (SALIBA, 2009). Bistafa (2006) conceitua o ruído como resultado de um processo sonoro sem harmonia, em geral de conotação negativa. O julgamento ou critério, sobre a

16 5 caracterização de um som como o ruído dependerá de uma ampla compreensão sobre as atitudes que passamos a considerar a partir do que venha ser a fonte, sua intensidade e duração. Fisicamente, o ruído sonoro pode ser considerado como fenômeno físico causado por qualquer vibração ou onda que se propague em meio elástico, capaz de produzir excitações auditivas no homem. Na área ocupacional, o ruído é qualquer sensação sonora indesejável, podendo ser considerado como um som presente em nosso ambiente que ameaça a nossa produtividade, conforto, bem estar e saúde. O ruído excessivo é reconhecido pela legislação brasileira como séria ameaça a saúde, ao bem-estar público e a qualidade de vida, sendo os principais contribuintes para a poluição sonora o crescimento demográfico descontrolado e a concentração de diversos tipos de fontes de poluição sonora no ambiente urbano (CONAMA 002, 1990). Conforme estudos publicados por Farias et al. (2006), a presença de instalações industriais para a transformação e transmissão de energia elétrica em meio urbano resulta em incômodo para a população na área de influência do ruído proveniente de equipamentos eletromecânicos de subestações. A ampliação de uma subestação da empresa Eletropaulo, na cidade de Sumaré SP, e a elevação da densidade demográfica entre o período de 1960 e 2006, resultou em modificações estruturais significativas para a implementação de barreiras acústicas para o enclausuramento das fontes sonoras da subestação devido a presença do ruído e o atual adensamento urbano em seu entorno. Estudos para a avaliação de ruído de transformadores no entorno de subestações, realizados por Guaraldo et al. (1997), concluíram que o ruído característico produzido por equipamentos de subestações elétricas é motivo de reclamações no meio urbano, com efeitos relacionados ao sono noturno, quando perceptível e identificado. Ferreira (2000) afirma em sua pesquisa para a elaboração de proposta para atenuação de ruídos em transformadores elétricos que se tornou praticamente impossível implantarem subestações em áreas sem vizinhança próxima devido ao acelerado crescimento dos sistemas urbanos de transmissão e distribuição de energia elétrica, assim como as necessidades de interligações e alternativas técnicas que visam dar mais confiabilidade aos sistemas nas cidades de médio e grande porte.

17 Natureza do som Segundo Bistafa (2006), a definição do som advém da variação da pressão ambiente detectável pelo sistema auditivo. Sendo o som resultado das vibrações dos corpos elásticos, quando essas vibrações se verificam em determinados limites de frequências, tomam o nome de vibrações sonoras. As vibrações sonoras se transmitem ao meio que circunda a fonte sonora, produzindo compressões e distensões sucessivas, que se propaga com velocidade uniforme em todas as direções. Medeiros (2002) verificou em sua pesquisa sobre o controle de ruído em subestações elétricas que o ruído acústico emitido por subestações tem origem em duas contribuições principais: Vibração estrutural dos transformadores e Sistema de Ventilação dos transformadores. Isto significa que embora outras fontes de ruído possam existir, tais como ruídos de chaveamento, efeito Corona e outros, o estudo das fontes de ruído em uma subestação pode ser reduzido à análise do ruído associada aos transformadores. Segundo Guaraldo (1997), determina em seu estudo sobre avaliação de ruído de transformadores no entorno de subestações que a natureza dos ruídos provenientes de fontes sonoras em ambientes de subestações elétricas está relacionada principalmente com a magnetostricção do núcleo de transformadores Frequência sonora A frequência do som corresponde ao número de vibrações na unidade de tempo (SALIBA, 2009). Qualquer fenômeno vibratório, como o som, a luz, os movimentos sísmicos e a radiotransmissão são avaliados de acordo com sua frequência, ou seja, quantas vezes oscilam em função do tempo. A unidade para medições de frequência é o Hertz (Hz), que indica uma oscilação por segundo. Os sons audíveis encontram-se no intervalo de +/- 16 a +/ Hz. Sons com frequência abaixo de 16 Hz são denominados de infra-sons e aqueles

18 7 acima de Hz são chamados de ultra-sons. Ambos não são, normalmente, perceptíveis ao ouvido humano. Experiências com animais mostram que os mesmos ouvem numa gama de frequências diferente daquela dos humanos. Assim, por exemplo, os cães ouvem entre 120Hz e Hz. Já os morcegos ouvem numa faixa entre 50Hz e Hz. Devido a essa habilidade os morcegos, praticamente, movem-se orientados, apenas, pelos seus ouvidos (MURGEL, 2007). Costa (2008) afirma que a avaliação espectral em estudos ambientais é imprescindível para a caracterização dos níveis de pressão sonora dentro da faixa de maior percepção do ruído pelos seres humanos. As curvas inerentes à sensibilidade da audibilidade humana onde se verifica que o intervalo correspondente às frequências de 1 a 5k Hz são percebidos pelo aparelho auditivo com menor demanda de intensidade sonora estão representadas na Figura 01. Figura 01: Curvas Isofônicas de Fletcher Munson. Fonte: COSTA, 2008 Conforme expresso nas avaliações para a o desenvolvimento de aplicativo de avaliação do nível de ruído audível em subestações e seus recursos de atenuação, realizadas por Saidel et al. (1997), as frequências de 240Hz e 480Hz são os sinais com intensidades predominantes, superando em alguns momentos a frequência de 120Hz, frequência esta considerada como fundamental em equipamentos dotados de sistema de ventilação, tal como os equipamentos

19 8 encontrados na Subestação da Eletrobras FURNAS em Foz do Iguaçu - PR. Este espectro sonoro não é o de maior sensibilidade para a percepção sonora pelo aparelho auditivo humano, entretanto, é atribuído a este, notável valor para a determinação de níveis de incomodidade. Para a avaliação da poluição sonora proveniente de subestações elétricas na cidade de Curitiba PR, Diniz (2003) ressalta que o ruído gerado por transformadores de subestações diferem dos ruídos gerados por outras fontes sonoras no meio urbano por possuírem componentes tonais audíveis. Isso significa que o ruído possui frequências bem definidas, com algumas componentes se destacando. A banda de frequência predominante, denominada de primeiro harmônico, para transformadores de 60Hz, será duas vezes a frequência da rede elétrica, devido às vibrações ocasionadas pela expansão e contração das placas metálicas excitadas magneticamente no núcleo destes equipamentos. A figura 02 apresenta o espectro sonoro de um transformador elétrico, no qual a predominância da frequência encontra-se na banda central de 120 Hz. Figura 02: Espectro de frequências de um transformador da Subestação Horto, em Belo Horizonte. Fonte: DINIZ, 2003

20 Pressão sonora A menor variação de pressão ambiente detectável pelo sistema auditivo é da ordem de 2 x Bar, e é denominada como limiar da audibilidade. Comparada a pressão ambiente ao nível do mar (1 Bar), o limiar da audibilidade representa uma pressão de apenas 1 / da pressão atmosférica. O limiar da dor, variação de pressão ambiente capaz de provocar dor ou relevante desconforto auditivo, é da ordem de 0,002 Bar, ou seja, corresponde a 10 milhões de vezes a intensidade acústica capaz de causar a sensação de audição (MURGEL, 2007) Nível de pressão sonora O ouvido humano pode detectar e perceber sons numa larga faixa de intensidade acústica, desde o limiar da audição, na pressão inicial de 0,0002 N m - ², até 200 N m - ², próximo do limiar da dor. Por exemplo, a 1000 Hz a intensidade acústica capaz de causar a sensação de dor é vezes a que é capaz de causar a sensação de audição. Fica difícil trabalhar com números de ordens de grandeza tão diferentes numa mesma escala linear (VIEIRA, 2005). A Tabela 01 representa a correlação entre a pressão sonora com a potência sonora e o nível sonoro obtido a partir da equação dada pela Lei de Weber-Fechner. Tabela 01 Correlação entre pressão sonora, potência sonora e nível sonoro Pressão Sonora Potência Sonora (10-12 W) Nível Sonoro Exemplo (µpa) Nível de Intensidade Sonora (10-12 Wm -2 ) (db) Limiar da dor Martelo Pneumático Buzina de veículo Interior de ônibus Conversa normal Sala de Estar Estúdio de Gravação Limiar de audição Fonte: Therivel e Morris (apud Maia, 2003)

21 10 Após avaliar a contribuição do ruído gerado por 7 subestações de energia elétrica em Curitiba PR, Diniz (2003) afirma que estas unidades industriais podem contribuir com uma parcela de mais de 40 db(a) no ruído incidente nas fachadas das edificações próximas, principalmente quando os equipamentos elétricos estão instalados em subestações com área reduzida. Em Curitiba PR, as avaliações objetivas realizadas em 1000 pontos distribuídos no meio urbano por Zannin et. al. (2002) apresentaram medições com os seguintes valores de Nível Equivalente Leq(A): 1) Zonas Residenciais, 75,6 db(a); 2) Zonas Mistas, 76,4 db(a); 3) Zonas de Serviços, 74,0 db(a); 4) Centro da Cidade, 73,4 db(a); Cidade Industrial, 78,1 db(a). Verificou-se ainda que todos os valores encontrados estão acima do limite de 65 db(a), que é estabelecido pela World Health Organization - WHO como o valor limite a que uma população urbana pode se expor ao ruído sem que cause danos à sua saúde. Conforme Vecci (2007), o monitoramento do ruído na região central de Belo Horizonte - MG, relacionando o ruído com as características do tráfego urbano, indicou para regiões mais silenciosas o valor de 63dB(A) e para as áreas mais ruidosas 81dB(A), valores estes apresentados como preocupantes por estarem acima dos limites recomendados pela Organização Mundial da Saúde OMS. No interior de São Paulo, O nível de pressão sonora equivalente a 47dB, ou 52dB para nível corrigido em função da presença de componente tonal, justificaram os estudos para o controle de ruído em uma subestação no meio urbano, proveniente de reclamações da população na área de influência do ruído (FARIAS et. al., 2006). A Subestação de Foz do Iguaçu mantém desde 1999 o histórico das avaliações de ruído visando à determinação da aceitabilidade do conforto acústico da comunidade na área de influência das instalações industriais da empresa na cidade. O monitoramento ambiental do ruído é realizado em intervalos de 3 anos e evidencia a intensificação do nível de pressão sonora na área que faz divisa com o bairro Cidade Nova, área esta com maior concentração populacional nesta região. A figura 03 apresenta o mapa de curvas isofônicas do ruído da Subestação gerado a partir do programa de monitoramento do ruído ambiental, sendo os níveis de menores intensidade representados pela áreas de cor verde claro e os níveis de maiores intensidade na cor vermelha (Eletrobras Furnas, 2010).

22 11 Figura 03: Mapa de curvas isofônicas de ruído da Subestação Fonte: Eletrobras FURNAS, Tipos de ruídos Melo (2011) observou em sua pesquisa sobre a norma técnica brasileira aplicada ao controle do ruído em ambiente urbano que uma medição momentânea poderá apresentar deficiência quanto à representatividade face às possíveis variações em função do tempo, especificamente para ruídos flutuantes ou de impacto. Muito embora, a avaliação de ruídos classificados como contínuos podem ser consideradas como significativas mesmo com apenas uma medição momentânea, nos termos da ABNT 10151/2000. De acordo com Diniz (2003), os estudos com objetivo de avaliar os impactos da poluição sonora provenientes de subestações em Curitiba determinaram que para o mesmo transformador o valor total da emissão sonora praticamente independe para a potência de operação, ou seja, o valor em NPS para diferentes regimes de demanda da subestação é praticamente constante. Apesar da carga dos transformadores terem sido anotadas em todos os casos, não houve a necessidade de se preocupar com diferenças no ruído emitido de acordo com diferentes regimes de operação.

23 Percepção auditiva humana O Aparelho auditivo humano tem capacidade de perceber ondas sonoras presentes no ambiente dentro de uma faixa de frequência, compreendida entre 20Hz à 20kHz, tendo ainda que os limiares de audibilidade e de dor são respectivamente 20 µpa e 200Pa de pressão. Entretanto, a percepção da intensidade sonora pelo organismo humano apresenta-se de forma não linear e são influenciadas, como mecanismo de sensibilidade, pela frequência e pelo nível de pressão sonora. Estas propriedades deram origem, na psicoacústica, ao estabelecimento de uma grandeza destinada a expressar a magnitude da sensação sonora pelo aparelho auditivo denominada de nível de audibilidade (Loudness), expressa em função da frequência e da pressão sonora (BISTAFA, 2006). A psicoacústica é a disciplina do conhecimento que integra as ciências físicas, psicológicas e da fisiologia humana com objetivo de determinar a resposta subjetiva de uma população exposta aos estímulos sonoros para a compreensão dos mecanismos de percepção e suas reações psíquicas e fisiológicas, bem como as interferências em atividades cotidianas e incômodos acústicos associados ao ruído (GERGES, 2000). A base do conhecimento proveniente da psicoacústica, através da compreensão dos limiares de audibilidade e a correlação entre a pressão e suas respectivas frequências sonora, tiveram como precursor os estudos sobre nível de audibilidade para tons puros estabelecidos por Kingsbury em Estes estudos foram aprimorados em 1933 por Fletcher e Munson determinando experimentalmente o nível de audibilidade para tons puros em diversas frequências sonoras. Para a metodologia da pesquisa realizada, os ouvintes foram orientados a ajustarem, de forma subjetiva, o nível sonoro de um tom puro para as respectivas frequências em estudo, comparando-os ao nível sonoro de um tom puro padronizado em 1kHz. O nível de audibilidade subjetiva passou a ser denominada phon, para um som igualmente audível ao de um tom puro em 1000Hz e de nível de intensidade sonora igual a um decibel. A Figura 04 apresenta a curva para o nível de audibilidade para tons puros estudadas por Fletcher & Munson (CAVALCANTE, 2009).

24 13 Figura 04: Curvas do mesmo nível de audibilidade para tons puros. Fonte: FLETCHER & MUNSON (apud CAVALCANTE, 2009). As publicações de Fletcher & Munson influenciaram também a padronização para fabricação de equipamentos e instrumentos medidores de nível de pressão sonora através da construção da curva de compensação A em frequência, no nível de 40 phons, normalizada internacionalmente. A figura 05 compara as curvas A, C e Linear, utilizadas para as configurações técnicas de instrumentos de medições e interpretação de dados (IEC, 2002). Figura 05: Curvas de ponderação em frequência A e C aplicadas na construção de medidores de nível de pressão sonora. Fonte: CAVALCANTE, 2009

25 14 Segundo Costa (2008), estudos para a determinação da percepção sonora subjetiva descrevem que a maior variação de intensidade está localizada em som puro de 1kHz, variando de 0 a 120 db. O intervalo entre as freqüências de 250 Hz a 2000 Hz e intensidades de W cm -2 (0,05 N m -2 ) a 6x10-6 W cm -2 (5 N.m -2 ) corresponde a zona mais importante para a audição na linguagem comum. A Figura 06 representa a variação da sensação ocasionada pelo som ao ouvido humano em função da freqüência em Hz, para sons puros audíveis, e a intensidade energética em W cm -2 (ou a pressão eficaz em N m -2 ) para as principais áreas de influência fisiológica integradas ao ruído. Figura 06: Regiões típicas da linguagem comum e da música para um audiograma normal. Fonte: COSTA, 2008 Conforme Saidel et al. (1997), os resultados obtidos para os estudos de aplicativo de avaliação do nível de ruído audível em subestações elétricas determinaram que as frequências sonoras predominantes (120 a 480Hz) em equipamentos de transformação de energia elétrica em subestações situam-se no intervalo descrito por Costa (2008) como significativo para a audição, fala e música nas regiões típicas da linguagem comum.

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Conceito Poluição sonora é qualquer alteração nas características do som ambiente provocada por ruídos. Som e Ruído SOM É o resultado

Leia mais

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira Audição e Trabalho Marcelo Madureira Som Qualquer perturbação vibratória em meio elástico, a qual produz uma sensação auditiva Energia transmitida por vibrações no ar (ou outros materiais) e que causa

Leia mais

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno SOM Isabel Lopes Nunes FCT/UNL toda a vibração mecânica que se propaga num meio elástico (ar, metais, líquidos ), desde que as frequências que a compõem se encontrem dentro de uma determinada faixa audível

Leia mais

POLUIÇÃO SONORA VERÔNICA MARIA MIRANDA BRASILEIRO

POLUIÇÃO SONORA VERÔNICA MARIA MIRANDA BRASILEIRO VERÔNICA MARIA MIRANDA BRASILEIRO Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional MARÇO/2012 Verônica Maria Miranda Brasileiro

Leia mais

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE 1. OBJETIVO 1.1 Esta Norma fixa as condições exigíveis para avaliação da aceitabilidade do ruído em comunidades. Ela especifica um

Leia mais

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM POLUIÇÃO SONORA O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM SOM É o resultado de movimentos de flutuação de partículas de ar

Leia mais

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Introdução O ruído pode ser definido como um som desagradável e indesejável que pode afetar

Leia mais

Qualificação Profissional (Capacitação)

Qualificação Profissional (Capacitação) Qualificação Profissional (Capacitação) M.SC Rogério Dias Regazzi Mestre em Metrologia e Qualidade Industrial PUC-Rio Engenheiro de Segurança do Trabalho e Ambiental Engo Mecânico e de Instrumentação e

Leia mais

Nº 172392. www.ipt.br

Nº 172392. www.ipt.br COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 172392 Ruído urbano Marcelo de Mello Aquilino Palestra apresentada em Mesa Redonda: Meio Ambiente em Foco, IPT, 06 de junho, 2014. A série Comunicação Técnica compreende trabalhos

Leia mais

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008 Ruído Acção de Formação Associação de Municípios do Oeste Outubro de 2008 Objectivos Impacte do Ruído no Ser Humano; Introdução à Acústica; Quantificação do Ruído; Legislação Aplicável (D.L. n.º 9/2007

Leia mais

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO As vibrações afetam as pessoas de muitas formas causando desconforto, problemas de saúde, diminuição da

Leia mais

Marco Antonio Nabuco de Araujo Laboratório de Ensaios Acústicos INMETRO-Brasil

Marco Antonio Nabuco de Araujo Laboratório de Ensaios Acústicos INMETRO-Brasil Marco Antonio Nabuco de Araujo Laboratório de Ensaios Acústicos INMETRO-Brasil Até 1990, a legislação ambiental federal no Brasil se limitava a uma Portaria do Ministério do Interior (hoje extinto), muito

Leia mais

Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo

Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 451/2009 "Estabelece políticas públicas para garantir a saúde auditiva da população Capixaba, através de medidas e políticas para a redução

Leia mais

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente Ruído Como se define Define-se ruído, como sendo um som sem interesse ou desagradável para o auditor. O ruído (som) pode ser mais ou menos intenso, composto por uma só tonalidade ou composto por várias

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL

RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE PRESSÃO SONORA Conforme Resolução CONAMA 001/90 CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT S/A ESTALEIRO E BASE NAVAL DO PROJETO PROSUB - ITAGUAÍ/RJ

Leia mais

EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1

EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1 1 EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1 RESUMO. Os efeitos do ruído decorrentes do desenvolvimento tecnológico alcançado pela Sociedade atual, não podem mais ser relegados

Leia mais

Propriedades Físicas do Som

Propriedades Físicas do Som 12 Capítulo 2 Propriedades Físicas do Som 1. - Introdução O som é um fenômeno vibratório resultante de variações da pressão no ar. Essas variações de pressão se dão em torno da pressão atmosférica e se

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva O ouvido humano pode ser separado em três grandes partes, de acordo com

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva

Leia mais

Faço saber a todos os seus habitantes que a Assembléia Legislativa do Estado decretou e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Faço saber a todos os seus habitantes que a Assembléia Legislativa do Estado decretou e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I LEI N.º 5.715 DE 11 DE JUNHO DE 1993 Estabelece padrões de emissão de ruídos e vibrações bem como outros condicionantes ambientais e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO MARANHÃO Faço saber

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Curso de Engenharia de Segurança do Trabalho Disciplina: Higiene do Trabalho III Aula 47

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F. B. Moreira O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva decorrente da

Leia mais

Gestão ambiental e poluição sonora

Gestão ambiental e poluição sonora Gestão ambiental e poluição sonora João Candido Fernandes (UNESP) jcandido@feb.unesp.br Resumo: Este trabalho tem como objetivo apresentar os principais problemas causados pela poluição sonora, a forma

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN Carmem

Leia mais

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO Humberto J. P. Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO O ruído é um dos agentes físicos que gera mais incomodidade. É responsável por conflitos entre pessoas, entre pessoas

Leia mais

ESTUDO POLUIÇÃO SONORA

ESTUDO POLUIÇÃO SONORA ESTUDO POLUIÇÃO SONORA José de Sena Pereira Júnior Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional ESTUDO DEZEMBRO/2005 Câmara

Leia mais

O impacto ambiental do ruído gerado pelo tráfego de veículos na Avenida Colombo na cidade de Maringá

O impacto ambiental do ruído gerado pelo tráfego de veículos na Avenida Colombo na cidade de Maringá O impacto ambiental do ruído gerado pelo tráfego de veículos na Avenida Colombo na cidade de Maringá Rubya Vieira de Mello Campos 1 (GPMAgro, DEP/FECILCAM - UEM) rubyadmc@hotmail.com Helyda Radke Prado

Leia mais

PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO. PALAVRAS-CHAVE: Perda Auditiva. Saúde Auditiva. Aparelhos Telefônicos. Traçado Audiométrico.

PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO. PALAVRAS-CHAVE: Perda Auditiva. Saúde Auditiva. Aparelhos Telefônicos. Traçado Audiométrico. PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO Aleciane Aleni Thomazi 1 Dr. Euclides Antônio Pereira Lima 2 RESUMO A perda auditiva em ambientes de trabalho é a alteração mais frequente à saúde dos trabalhadores

Leia mais

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR Perda Auditiva Induzida Disciplina Medicina Social e do Trabalho MLS 0412 Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Graduação 3º Ano Grupo A1 Trata-se de uma perda auditiva do tipo neuro-sensorial,

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS Nº 161.55-001 Aprovação: Assunto: Portaria nº 1408/SIA, de 29 de maio de 2013, publicada no Diário Oficial da União nº 103, Seção 1, p. 4, de 31 de maio de 2013. Projeto de

Leia mais

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações Um pouco sobre nós. Referência em Medicina Ocupacional, Saúde do Trabalhador em Uberlândia e Região. Nosso objetivo é solucionar os problemas ligados à preservação da saúde e segurança do trabalhador,

Leia mais

Capítulo 6. O Ruído Ambiental. Acústica e Ruídos. 1. Avaliação do Ruído Ambiental

Capítulo 6. O Ruído Ambiental. Acústica e Ruídos. 1. Avaliação do Ruído Ambiental 48 Capítulo 6 O Ruído Ambiental Os altos níveis de ruído urbano têm se transformado, nas últimas décadas, em uma das formas de poluição que mais tem preocupado os urbanistas e arquitetos. Os valores registrados

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 12

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 12 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 12 AUDIÇÃO HUMANA A função do ouvido é captar e converter ondas de pressão em sinais elétricos que são transmitidos ao cérebro para produzir

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RUÍDO NA ÁREA CENTRAL DE IJUÍ, RS1

AVALIAÇÃO DO RUÍDO NA ÁREA CENTRAL DE IJUÍ, RS1 AVALIAÇÃO DO RUÍDO NA ÁREA CENTRAL DE IJUÍ, RS1 Jaciele Schirmer Strieder 2, Luiza A. U. Scortegagna 3, Thiana D. Herrmann 4, Raquel Kohler 5. 1 Pesquisa Institucional desenvolvida no Departamento de Ciências

Leia mais

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA INTRODUÇÃO À ACÚSTICA 1. Introdução As sociedades industriais com o seu desenvolvimento tecnológico têm contribuído para o aumento dos níveis de ruído, sendo um dos principais factores de risco para a

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO Contratante: Sistema Ribrane de Ensino Ltda ME Praça Padre Tavares, 46 - Centro Avaré - SP. Responsável Técnico: Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA:

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IFMG Análise descritiva da poluição sonora na área central da cidade de Governador Valadares- MG Governador Valadares,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE TRÁFEGO NA AVENIDA COLOMBO EM MARINGÁ-PR.

AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE TRÁFEGO NA AVENIDA COLOMBO EM MARINGÁ-PR. AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE TRÁFEGO NA AVENIDA COLOMBO EM MARINGÁ-PR. Laurence Damasceno de Oliveira 1, Camila Fernanda Giannini 2, Paulo José Moraes Monteiro

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL HISTÓRIA DE CASOS DIVISÃO TÉCNICA SEGURANÇA NO TRABALHO e DIVISÃO TÉCNICA DE ACÚSTICA 22/05/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO ALGUNS

Leia mais

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação;

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação; O SOM Segundo a Diciopédia, o som pode ser: 1. Física: sensação auditiva produzida por vibrações mecânicas de frequência compreendida entre determinados valores (20 e 20 000 vibrações por segundo, em média);

Leia mais

UMA BREVE VISÃO SOBRE O RUÍDO URBANO

UMA BREVE VISÃO SOBRE O RUÍDO URBANO UMA BREVE VISÃO SOBRE O RUÍDO URBANO Marcus Nunes Departamento de Engenharia Mecânica Faculdade de Aracruz UNIARACRUZ mnunes@fsjb.edu.br RESUMO O ruído, como mais uma fonte de irritação, é um dos principais

Leia mais

POLUIÇÃO SONORA. Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS

POLUIÇÃO SONORA. Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS Som é qualquer variação de pressão que o ouvido pode detectar. Quando uma fonte sonora, como um diapasão, vibra, provoca variações de pressão no ar ambiente,, que

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE FUNDO EM MARINGÁ

AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE FUNDO EM MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE FUNDO EM MARINGÁ Camila Fernanda Giannini 1, Paulo José Moraes Monteiro e Teixeira

Leia mais

Painel 4 Diretrizes para um novo Projeto de Lei sobre Ruído Urbano. Marcelo de Mello Aquilino

Painel 4 Diretrizes para um novo Projeto de Lei sobre Ruído Urbano. Marcelo de Mello Aquilino Painel 4 Diretrizes para um novo Projeto de Lei sobre Ruído Urbano Aspectos técnicos para a elaboração de PLs relativos à: Ruído; Vibração e Perturbação Sonora. Marcelo de Mello Aquilino Temas que tratamos

Leia mais

RUÍDO URBANO E CONFORTO AMBIENTAL EM LOGRADOUROS DA CIDADE DE FEIRA DE SANTANA, BRASIL

RUÍDO URBANO E CONFORTO AMBIENTAL EM LOGRADOUROS DA CIDADE DE FEIRA DE SANTANA, BRASIL RUÍDO URBANO E CONFORTO AMBIENTAL EM LOGRADOUROS DA CIDADE DE FEIRA DE SANTANA, BRASIL Autores Anastácio Pinto Gonçalves Filho, MsC Prof. Luiz Roberto Santos Moraes, PhD EFEITOS DO RUÍDO URBANO Interferência

Leia mais

MINERAÇÃO SERRA ALTA DE SÃO TOMÉ LTDA.

MINERAÇÃO SERRA ALTA DE SÃO TOMÉ LTDA. ESTABELECIMENTO: MINERAÇÃO SERRA ALTA DE SÃO TOMÉ LTDA. ENDEREÇO: SERRA DO CARIMBADO, S/N SÃO TOMÉ DAS LETRAS-MG CNPJ: 70.986.153/0001-35 RAMO DE ATIVIDADE: MINERAÇÃO CNAE: 08.10.0-99 GRAU DE RISCO: 4

Leia mais

POLUIÇÃO SONORA. Ricardo E. Musafir Depto. Recursos Hídricos e Meio Ambiente/EP e Prog. Eng. Mecânica/COPPE Universidade Federal do Rio de Janeiro

POLUIÇÃO SONORA. Ricardo E. Musafir Depto. Recursos Hídricos e Meio Ambiente/EP e Prog. Eng. Mecânica/COPPE Universidade Federal do Rio de Janeiro POLUIÇÃO SONORA Ricardo E. Musafir Depto. Recursos Hídricos e Meio Ambiente/EP e Prog. Eng. Mecânica/COPPE Universidade Federal do Rio de Janeiro 1. Introdução Fevereiro, 2014 (v. 2.2) O ruído é um fator

Leia mais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais Introdução ao Ruído Vibrações e Ruído (10375) 2014 Tópicos Som. Pressão Sonora e Potência Sonora. Níveis Sonoros. 2 1. Som O som pode ser definido como uma manifestação positiva resultante da variação

Leia mais

NÍVEIS DE POLUIÇÃO SONORA NA ÁREA III, CAMPUS I, DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

NÍVEIS DE POLUIÇÃO SONORA NA ÁREA III, CAMPUS I, DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS NÍVEIS DE POLUIÇÃO SONORA NA ÁREA III, CAMPUS I, DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Rodrigo Afonseca Guimarães Acadêmico do curso de Engenharia Ambiental da Universidade Católica de Goiás rodrigoambiente@hotmail.com

Leia mais

Ruído Urbano e seus Efeitos na Saúde Pública. Alfred Szwarc

Ruído Urbano e seus Efeitos na Saúde Pública. Alfred Szwarc Ruído Urbano e seus Efeitos na Saúde Pública Alfred Szwarc Seminário O Impacto da Poluição na Saúde Pública São Paulo 21/09/2009 Som e Ruído Som é a sensação auditiva resultante da propagação de vibrações

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

ASPECTOS PRÁTICOS DO LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES 02 DE JUNHO DE 2016

ASPECTOS PRÁTICOS DO LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES 02 DE JUNHO DE 2016 ASPECTOS PRÁTICOS DO LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES 02 DE JUNHO DE 2016 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE AVALIAÇÃO DO IMPACTO SONORO NO LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Disciplina ministrada ao IV semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão PROGRAMAÇÃO 18/08 - Apresentação

Leia mais

PROJETO DE BARREIRA ACÚSTICA EM RODOVIA PARA PROTEÇÃO DE CONDOMÍNIO RESIDENCIAL - RELATO DE EXPERIÊNCIA

PROJETO DE BARREIRA ACÚSTICA EM RODOVIA PARA PROTEÇÃO DE CONDOMÍNIO RESIDENCIAL - RELATO DE EXPERIÊNCIA Acústica 2008 20-22 de Outubro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra PROJETO DE BARREIRA ACÚSTICA EM RODOVIA PARA PROTEÇÃO DE CONDOMÍNIO RESIDENCIAL - RELATO DE EXPERIÊNCIA M. Holtz e D. Akkerman

Leia mais

A/C da Câmara Municipal da Estância Turística de Ribeirão Pires. Excelentíssimo Senhor Presidente e Ilustríssimos Senhores Vereadores,

A/C da Câmara Municipal da Estância Turística de Ribeirão Pires. Excelentíssimo Senhor Presidente e Ilustríssimos Senhores Vereadores, Ribeirão Pires, 16 de março de 2009 A/C da Câmara Municipal da Estância Turística de Ribeirão Pires Excelentíssimo Senhor Presidente e Ilustríssimos Senhores Vereadores, Nós, moradores do Centro Novo,

Leia mais

Medição e Avaliação de Ruído Ambiental

Medição e Avaliação de Ruído Ambiental Medição e Avaliação de Ruído Ambiental Ministrantes Sérgio Soares da Silva Técnico Ambiental de Eng.ª Sanitária - MPGO Engº Sanitarista e Ambiental Esp. em Eng. De Segurança do Trabalho Programação Conceito

Leia mais

1. INFORMAÇÕES GERAIS

1. INFORMAÇÕES GERAIS 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 EMPRESA CONTRATANTE Razão Social: Multiplan Greenfield VII Empreendimento Imobiliário Ltda. CNPJ: 14.447.630/0001-13 Endereço: Av. das Américas, 4.200 - Bloco 02 / Sala 501 -

Leia mais

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem 71 Capítulo 9 Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem Nos últimos anos, os altos níveis de ruído se transformaram em uma das formas de poluição que atinge maior número de pessoas. A poluição sonora

Leia mais

DECRETO N 4.793 DE 21 DE ABRIL DE 2003

DECRETO N 4.793 DE 21 DE ABRIL DE 2003 DECRETO N 4.793 DE 21 DE ABRIL DE 2003 Regulamenta a Lei Complementar nº 029 de 05 de agosto de 2002, estabelece padrões de emissão e imissão de ruídos e vibrações, bem como outros condicionantes ambientais

Leia mais

Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O)

Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O) Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O) Objetivos da Aula Saber Reconhecer: Características do som e do ruído ocupacional Noções de fisiologia auditiva e de audiometria clínicas Tipos de

Leia mais

LEGISLAÇÃO ATUALIZADA (com alteração: Lei Complementar nº 434/99) DECRETO N 8.185, DE 7 DE MARÇO DE 1983

LEGISLAÇÃO ATUALIZADA (com alteração: Lei Complementar nº 434/99) DECRETO N 8.185, DE 7 DE MARÇO DE 1983 LEGISLAÇÃO ATUALIZADA (com alteração: Lei Complementar nº 434/99) DECRETO N 8.185, DE 7 DE MARÇO DE 1983 Regulamenta a Lei Complementar n 65, de 22.12.81, estabelece padrões de emissão e imissão de ruídos

Leia mais

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição Ouvir melhor é viver melhor Descobrindo sua audição O mundo o está chamando A capacidade de ouvir é uma parte tão importante da nossa vida e a maioria das pessoas nem se dá conta disso. Ouvir é um dom,

Leia mais

RUÍDO E SEUS EFEITOS NO HOMEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL

RUÍDO E SEUS EFEITOS NO HOMEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL VII ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO QUALIDADE NO PROCESSO CONSTRUTIVO 27 A 30 DE ABRIL DE 1998 FLORIANÓPOLIS - SC ANTAC NÚCLEO DE PESQUISA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA

Leia mais

Tabela 1- Intensidades sonoras características em db(a)

Tabela 1- Intensidades sonoras características em db(a) Desempenho Acústico DESEMPENHO ACÚSTICO O ruído gerado pela circulação de veículos, crianças brincando no playground e música alta no apartamento vizinho são causas de desentendimentos e de estresse. Por

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA 1ª edição 2000 2ª edição 2001 3ª edição 2004 4ª edição 2008 5ª edição 2009 6ª edição 2011 7ª edição 2013 TUFFI MESSIAS SALIBA Engenheiro Mecânico; Engenheiro

Leia mais

O Ruído e sua Medição

O Ruído e sua Medição 61 Capítulo 8 O Ruído e sua Medição 1. - Introdução Como já vimos no capítulo 2, podemos definir Ruído, de maneira subjetiva, como toda sensação auditiva desagradável, ou fisicamente, como todo fenômeno

Leia mais

Ref.: Procedimento Preparatório nº 06.2014.00001194-0 RECOMENDAÇÃO Nº 0002/2014

Ref.: Procedimento Preparatório nº 06.2014.00001194-0 RECOMENDAÇÃO Nº 0002/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 28ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DEFESA DO MEIO AMBIENTE Av. Mal. Floriano Peixoto, nº 550, Petrópolis, Natal-RN - CEP 59012-500 Tel.: 3232-7176 meioambiente@rn.gov.br

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS GARÇONS À EXPOSIÇÃO DA PRESSÃO SONORA EM AMBIENTES FECHADOS COM MÚSICA AO VIVO

AVALIAÇÃO DOS GARÇONS À EXPOSIÇÃO DA PRESSÃO SONORA EM AMBIENTES FECHADOS COM MÚSICA AO VIVO AVALIAÇÃO DOS GARÇONS À EXPOSIÇÃO DA PRESSÃO SONORA EM AMBIENTES FECHADOS COM MÚSICA AO VIVO Felyppe Blum Goncalves (UTFPR) felyppeblumg5@hotmail.com Rodrigo Eduardo Catai (UTFPR) catai@utfpr.edu.br LUISA

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 009- Parte 1 - Conceitos Básicos 1 Reabilitação 009- Acústica de edifícios / Áreas de Estudo 1 - Condicionamento acústico interior - Isolamento sonoro Sons aéreos Sons de percussão De fachada

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M4 D3 HIGIENE DO TRABALHO III GUIA DE ESTUDO PARTE II EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO RUÍDO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M4 D3 HIGIENE DO TRABALHO III GUIA DE ESTUDO PARTE II EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO RUÍDO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M4 D3 HIGIENE DO TRABALHO III GUIA DE ESTUDO PARTE II EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO RUÍDO AULA 47 PROFESSOR AUTOR: ENG. JOSEVAN URSINE FUDOLI PROFESSOR

Leia mais

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento RELATÓRIO TÉCNICO Código RT-020.00/RA2/004 Emissão O.S. 15/08/13 Folha 10 de 12 Rev. A Emitente Resp. Técnico Emitente 15/08/13 Verificação / São Paulo Transporte Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos

Leia mais

ESTRADA PARQUE VISCONDE DE MAUÁ MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL

ESTRADA PARQUE VISCONDE DE MAUÁ MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL Rio de Janeiro, 10/10/2011 ESTRADA PARQUE VISCONDE DE MAUÁ MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL 1 Objetivo Monitorar os níveis de ruído ambiental ao longo da Estrada Parque Visconde de Mauá (RJ-163 / RJ-151, no

Leia mais

PROPAGAÇÃO DO RUÍDO DE UM TRATOR AGRÍCOLA DE PNEUS

PROPAGAÇÃO DO RUÍDO DE UM TRATOR AGRÍCOLA DE PNEUS PROPAGAÇÃO DO RUÍDO DE UM TRATOR AGRÍCOLA DE PNEUS Camilla Missio 1 ; Jorge Wilson Cortez 3 ; Wellytton Darci Quequeto 2 ; Leonardo Maldaner 2 ; Anamari Viegas de Araujo Motomiya 3 UFGD/FCA Caixa Postal

Leia mais

LANÇAMENTO. Placo Phonique. Solução acústica para seu conforto e tranquilidade.

LANÇAMENTO. Placo Phonique. Solução acústica para seu conforto e tranquilidade. LANÇAMENTO Placo Phonique Solução acústica para seu conforto e tranquilidade. Ssshhh... o silêncio é ouro. O excesso de ruído é uma das principais queixas das pessoas num ambiente. Os ruídos, além de incomodarem,

Leia mais

CONTROLE DE RUÍDO. Samir N. Y. Gerges

CONTROLE DE RUÍDO. Samir N. Y. Gerges CONTROLE DE RUÍDO Samir N. Y. Gerges Supervisor do Lab. de Ruído Industrial Universidade Federal de Santa Catarina Dept. Engenharia Mecânica Cx.P. 476 Florianópolis SC Tel: (048) 2344074 Fax: (048) 2334455

Leia mais

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET):

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET): EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS É a energia mecânica produzida vibração de células ciliadas externas na cóclea que voltará de forma reversa pela orelha média e será captada no condutivo auditivo externo.

Leia mais

O que caracteriza um som?

O que caracteriza um som? O que caracteriza um som? As características de uma onda sonora são conectadas com os conceitos físicos originários da observação de Fenômenos Periódicos, tal como o Movimento Circular Uniforme (MCU) e

Leia mais

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL EM AUDIOMETRIA INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION (ISO) 8253-1 Versão 2010 Neste material você encontrará informações sobre a ISO 8253 Parte 1 versão 2010 e sua relação

Leia mais

DELIMITAÇÃO Km 15 da Marginal Esquerda da Rodovia Anchieta, sentido São Paulo,em São Bernardo do Campo.

DELIMITAÇÃO Km 15 da Marginal Esquerda da Rodovia Anchieta, sentido São Paulo,em São Bernardo do Campo. ESTUDO DA POLUIÇÃO SONORA NA RODOVIA ANCHIETA Paula Alexandre de Siqueira Orientador: Prof. Dr. Alejandro Jorge Dorado Coordenador geral: Prof. Msc. Fernando Codelo Nascimento Música para uma pessoa, pode

Leia mais

LEI MUNICIPAL 9.505, DE 23 DE JANEIRO DE 2008 DOM de 24/01/2008

LEI MUNICIPAL 9.505, DE 23 DE JANEIRO DE 2008 DOM de 24/01/2008 LEI MUNICIPAL 9.505, DE 23 DE JANEIRO DE 2008 DOM de 24/01/2008 Dispõe sobre o controle de ruídos, sons e vibrações no Município de Belo Horizonte e dá outras providências. O Povo do Município de Belo

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA 1ª edição 2000 2ª edição 2001 3ª edição 2004 4ª edição 2008 5ª edição 2009 6ª edição 2011 7ª edição 2013 8ª edição 2014 TUFFI MESSIAS SALIBA Engenheiro

Leia mais

A NATUREZA DO SOM. Diogo Maia

A NATUREZA DO SOM. Diogo Maia A NATUREZA DO SOM Diogo Maia "SE UMA ÁRVORE CAÍSSE NA FLORESTA E NÃO HOUVESSE NINGUÉM LÁ PARA OUVIR, ELA FARIA BARULHO...? "SE UMA ÁRVORE CAÍSSE NA FLORESTA E NÃO HOUVESSE NINGUÉM LÁ PARA OUVIR, ELA FARIA

Leia mais

Estudo dos efeitos do ruído ferroviário no desempenho acústico de habitações no bairro Álvaro Weyne na cidade de Fortaleza, CE.

Estudo dos efeitos do ruído ferroviário no desempenho acústico de habitações no bairro Álvaro Weyne na cidade de Fortaleza, CE. Estudo dos efeitos do ruído ferroviário no desempenho acústico de habitações no bairro Álvaro Weyne na cidade de Fortaleza, CE. Daniela Maria de Sousa Martins a, Adeildo Cabral da Silva b a Estudante de

Leia mais

ANÁLISE TÉCNICA E JURÍDICA DA LEI DE EMISSÃO DE SONS E RUÍDOS DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE RIBEIRÃO PIRES E PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DA LEI

ANÁLISE TÉCNICA E JURÍDICA DA LEI DE EMISSÃO DE SONS E RUÍDOS DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE RIBEIRÃO PIRES E PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DA LEI ANÁLISE TÉCNICA E JURÍDICA DA LEI DE EMISSÃO DE SONS E RUÍDOS DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE RIBEIRÃO PIRES E PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DA LEI Tecgº Wallace Rodrigues de Santana Mestrando em Engenharia da Informação

Leia mais

Perda Auditiva Induzida por Ruído

Perda Auditiva Induzida por Ruído AUDIÇÃO E TRABALHO Audição e Trabalho Ouvir é essencial para a comunicação verbal. É pela audição que percebemos os sons e temos uma boa orientação ambiental. A audição é um canal importante de entrada

Leia mais

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes RUÍDO Trabalho Elaborado por: Bruno Pereira nº 13791 Engenharia Mecânica Fábio Oliveira nº 15434 Engenharia Química Filipe Ataíde nº 15909 Engenharia Química Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006

Leia mais

ALTERNATIVAS DE CONTROLE DE RUÍDO PARA ESTAÇÃO VENDA NOVA BH, MG.

ALTERNATIVAS DE CONTROLE DE RUÍDO PARA ESTAÇÃO VENDA NOVA BH, MG. ALTERNATIVAS DE CONTROLE DE RUÍDO PARA ESTAÇÃO VENDA NOVA BH, MG. Victor M. Valadares (1); Marco Antônio M. Vecci (2) (1) UFMG Escola de Arquitetura. Depto de Tecnologia da Arquitetura e do Urbanismo Labcon

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS As doenças otorrinolaringológicas relacionadas ao trabalho são causadas por agentes ou mecanismos irritativos, alérgicos

Leia mais

VII-Pasqualetto-Brasil-7

VII-Pasqualetto-Brasil-7 VII-Pasqualetto-Brasil-7 ATIVIDADES INDUSTRIAIS PRODUTORAS DE POLUIÇÃO SONORA EM GOIÂNIA Antônio Pasqualetto 1 Engenheiro Agrônomo formado pela UFSM, Mestre e Doutor em Fitotecnia pela Universidade Federal

Leia mais

LEI Nº 723 DE 16 DE ABRIL DE 2002

LEI Nº 723 DE 16 DE ABRIL DE 2002 LEI Nº 723 DE 16 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre a regulamentação do artigo 114 da Lei Municipal nº 500 de 17 de junho de 1.998, que trata do Código de Posturas do Município de Primavera do Leste - Mato

Leia mais

Os computadores como fonte de poluição sonora

Os computadores como fonte de poluição sonora Os computadores como fonte de poluição sonora Paulo Cabral Director da Unidade de Negócio de Laboratórios (pc@iep.pt) Teresa Canelas Responsável técnico da Unidade de Negócio de Laboratórios (tc@iep.pt)

Leia mais

NÍVEIS DE RUÍDOS NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS UCG

NÍVEIS DE RUÍDOS NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS UCG NÍVEIS DE RUÍDOS NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS UCG Antônio Pasqualetto 1, Ednira Gleida Marques 2, Carlos André Ribeiro Araújo 2, Ayana Cabral Crispim 2, Melissa Teixeira Gonçalves 2 RESUMO

Leia mais

DECRETO Nº 5.412, DE 24 DE OUTUBRO

DECRETO Nº 5.412, DE 24 DE OUTUBRO Página 1 de 6 DECRETO Nº 5.412, DE 24 DE OUTUBRO DE 1985 Altera o Regulamento nº 15 - DA PROTEÇÃO CONTRA RUÍDOS, aprovado pelo Decreto nº 1.601, de 21 de junho de 1978, e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

Novas ferramentas para gestão de riscos ambientais e apoio a tomada de decisão. Nicolas ISNARD, Msc Diretor Acoem - ProAcustica

Novas ferramentas para gestão de riscos ambientais e apoio a tomada de decisão. Nicolas ISNARD, Msc Diretor Acoem - ProAcustica Novas ferramentas para gestão de riscos ambientais e apoio a tomada de decisão Nicolas ISNARD, Msc Diretor Acoem - ProAcustica Ferramentas para Mapas de Ruido Resumo A evolução tecnológica dos equipamentos

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N. 02/2015

RECOMENDAÇÃO N. 02/2015 MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE PARNAMIRIM Rua Prof. Clementino Câmara, nº 230, Boa Esperança Parnamirim/RN CEP 59.140-310 Tel.: (84) 3644-3226

Leia mais

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares Treinamento de Prot. Auditiva Treinamento aos usuários de protetores auriculares 1 Objetivo Reconhecer o agente físico ruído Conhecer os efeitos à saúde causado por exposição ao ruído Conhecer os tipos

Leia mais

PROJETO DE LEI (Do Senhor Paulo Roberto)

PROJETO DE LEI (Do Senhor Paulo Roberto) PROJETO DE LEI (Do Senhor Paulo Roberto) Fixa limite para emissão sonora nas atividades em templos religiosos. Art. 1º As atividades das Entidades Religiosas em templos de qualquer crença, não poderão

Leia mais

Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil

Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil Paulo Alves Maia FUNDACENTRO / Campinas Introdução O ruído gerado nos canteiros de obra

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONSULTA PÚBLICA do ANEXO 8 da NR-15 PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES

Leia mais